Clinica de Teste de Software

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Clinica de Teste de Software"

Transcrição

1 Clinica de Teste de Software Emerson Rios 1 Primeira Empresa Brasileira com certificação Nível 2

2 Bibliografia 2 Primeira Empresa Brasileira com certificação Nível 2

3 3

4 4

5 5

6 Agenda do curso: Alongamento para a competição O que é teste O que é defeito Testando sem técnica O caso da caneta Terminologias e conceitos Projeto e processo de teste A visão da norma ISO/IEC Como melhorar os seus testes? MPT Melhoria de Processo de Teste 6

7 Alongamento para a competição 7

8 8 O que é Teste de Software?

9 Introdução Exemplo de Requisito O campo salário deve ser sempre maior do que R$1.000,00 Autores usados nesta definição ISO International Standard Organization Martin Pol Emerson Rios/Trayahu Moreira Glenford Myers 9

10 O que é teste de software? ISO/IEC Testar software é a atividade de comparar o que um item de teste faz com o que é esperado que faça (ISO/IEC-29119) (visão do requisito do software) 10

11 O que é teste de software? Martin Pol Em linhas gerais, podemos dizer que o objetivo dos testes é encontrar defeitos: desta forma os testes são conduzidos para demonstrar a ausência de qualidade expressa pela presença de defeitos, para tal se faz necessário um processo (planejamento, especificação, execução, análise de resultados), considerando-se sempre os riscos do negócio e a qualidade do produto. (visão do processo, projeto, requisito, risco do negócio e a qualidade para o negócio) Obs.: Foram condensadas as três definições existentes no livro numa única definição. Fonte: Software Testing A Guide to the Tmap Approach Martin Pol e outros. 11

12 O que é teste de software? Rios & Moreira Verificar se o software é executado de forma controlada e está fazendo o que deveria fazer, de acordo com os seus requisitos, e não está fazendo o que não deveria fazer. (visão do requisito) Observação: Foram condensadas as duas definições existentes no livro em uma única definição. Teste de Software Emerson Rios e Trayahu Moreira Editora Altabooks 2ª edição 12

13 O que é teste de software? O que diz o papa (Glenford Myers) Teste de software é um processo, ou um grupo de processos, definidos para garantir que um código faz o que ele foi desenhado para fazer, e não faz nada que não foi especificado para fazer. (visão do projeto e do requisito) The Art of Software Testing Glenford Myers 2ª edição (primeiro livro publicado sobre teste de software 1979) 13

14 O que é teste de software? Conclusão Considerando-se todas as definições dadas sobre teste de software podemos concluir o seguinte: Testamos para verificar se o software está fazendo o que foi pedido que ele fizesse num requisito; O teste deve ser considerado um projeto; É importante termos um processo de teste; Testamos para garantir que o negócio não vai correr riscos provocados por defeitos em produção; Testamos para assegurar a qualidade do software. 14

15 Ufa! Agora eu sei a resposta Processo de Teste Planejar Testes Planejar Testes Projetar Testes Executar Testes Analisar Resultados Requisitos Visões: Requisito Qualidade/Riscos Projeto Gerenciar Defeitos 15

16 Eu estava triste e deprimido. A minha mulher tinha me trocado por um desenvolvedor. Agora os meus filhos estavam sendo criados por um desenvolvedor. Nada me animava e eu estava a beira de uma depressão. Só tinha consolo no trabalho. Então eu testava... Testava... Testava.. Então um dia uma coisa maravilhosa me aconteceu. Eu encontrei um defeito, tão crítico, tão severo, tão importante para que o negócio não corresse risco, que os desenvolvedores tiveram que fazer horas extras para corrigi-lo. O negócio foi salvo, e eu sai da minha depressão. Carlinhos, o testador 16

17 A definição sobre o que é teste de software pode ser vista no filme acessado pelo link abaixo: O que é teste de software? Ver o artigo completo ou o link acima na área de download da iteste (www.iteste.com.br ) ou no blog do Emerson na Editora Altabooks (http://blog.altabooks.com.br ). 17

18 18 O que é defeito?

19 História O ENIAC (Electronic Numerical Integrator and Computer), primeiro computador digital completamente eletrônico (1947), também contribuiu ao uso da palavra. Ele era movido a válvulas e, assim, atraía milhares de insetos. Como dezenas a centenas de válvulas queimavam a cada hora o computador, que ocupava o espaço de uma sala, era aberto frequentemente e montes de insetos mortos eram varridos para fora. Diz-se que esses insetos provocavam Curto Circuitos nas placas do ENIAC levando a falhas nos programas. Fonte: Wikipédia 19

20 Custo econômico dos defeitos Em 2002, um estudo financiado pelo NIST constatou que erros de software custam anualmente US$ 59 bilhões à economia dos Estados Unidos. O estudo também estimou que mais de um terço desse valor, ou aproximadamente US$ 22,2 bilhões, poderia ser economizado caso fossem realizados investimentos em uma melhor infraestrutura de testes. NIST National Institute of Standards and Technology Fonte: Wikipédia 20

21 Muitas palavras para definir apenas uma coisa? Defeito Falha Problema Incidente Anomalia Variância Inconsistência Bug Erro 21

22 Muitas palavras para definir apenas uma coisa? Defeito Falha Problema Incidente (norma ISO 29119) Anomalia (IEEE 829) Variância Inconsistência Bug (ver defeito) Erro 22

23 Definição de defeito Fonte da definição ISO/IEC Martin Pol e outros Rios & Moreira Ron Patton Descrição de defeito Qualquer condição que causa um desvio de um resultado baseado no que diz um requisito, um documento de especificação, um documento do usuário, um padrão, ou conforme a experiência ou percepção do técnico, que requeira investigação. Obs.: Defeitos podem ser encontrados em produtos de software ou artefatos de software. Defeito ou falha é o resultado de um erro residente num código ou num documento. Defeito é uma diferença entre o resultado produzido e o especificado, quando as especificações existem e estão corretas. Um defeito ocorre quando o software não faz alguma coisa que pela especificação do produto deveria fazer Ou faz alguma coisa que a especificação diz para não fazer. Ou faz alguma coisa que a especificação não menciona. 23

24 Explicação mais detalhada Termo Defeito Erro Bug Incidente Anomalia Definição Já definido Falha humana que provoca o aparecimento de um defeito Ver defeito A norma ISO diz que o testador registra um incidente que apenas virá defeito quando é reconhecido como tal Igual a incidente (definido pela norma IEEE 829:2008) 24

25 Seqüência de eventos Erro pode ser cometido pelo desenvolved or ou pelo usuário Erro Incidente ou anomalia Defeito ou Bug 25

26 Visão geral dos processos de teste Plano de Teste Indicadores Diretivas Projeto e implementação Especificações de teste Execução Resultados da execução Nenhuma ocorrência Requisitos de ambiente Montagem do ambiente Relatório de ambiente implantado Ocorrência ou resultado do re-teste Registro de incidentes 26

27 Visão geral dos processos de teste Plano de Teste Indicadores Diretivas Projeto e implementação Especificações de teste Execução Resultados da execução Nenhuma ocorrência Requisitos de ambiente Montagem do ambiente Relatório de ambiente implantado Ocorrência ou resultado do re-teste Registro de incidentes 27

28 Ciclo de vida do defeito Encontrar defeito Reportar defeito Solucionar defeito (1) RELATÓRIOS DE GESTÃO Fonte: Tmap Nexst for result driven test Tim Koomen e outros UTN Publishers (1) Em inglês o termo usado foi Procedure 28

29 Nunca é demais lembrar O custo da correção do defeito Especificação Projeto Construção Teste Produção 29

30 Bibliografia Autores usados no micro curso ISO/IEC International Standard Organization Martin Pol e outros Software Testing - A Guide to Tmap Approach Editora Addison Wesley Emerson Rios/Trayahu Moreira Teste de Software Editora Altabooks 2ª Edição Ron Patton Software Testing Editora SAMS 30

31 Quando eu estou triste e deprimido... A receita que o médico me passou foi: encontre um defeito de uma em uma hora. Carlinhos, o testador 31

32 A definição sobre o que é defeito pode ser vista no filme acessado pelo link abaixo: O que é teste de software? Ver o artigo completo ou o link acima na área de download da iteste (www.iteste.com.br ) ou no blog do Emerson na Editora Altabooks (http://blog.altabooks.com.br ). 32

33 Teste de Software A intuição e a técnica 33

34 Exemplo Simples Você deverá testar o seguinte requisito: O programa deverá somar dois números que devem ter um ou dois dígitos. Quando o número for digitado, ele deve aparecer na tela, e após serem digitados os dois números, deve surgir o valor da soma na tela. A funcionalidade somar deve ser uma opção do menu na tela. 34

35 O que diz a intuição? Você chamou o programa, colocou os valores e ele fez a soma corretamente. O programa está correto?? 4? 3 7? _ 35

36 Primeira visão Tudo bem. O programa fez o que o requisito pediu, porém: 1.Defeito de usabilidade: Não tem nenhuma informação na tela dizendo que você está usando o programa correto ou a funcionalidade correta. 2. Defeito de usabilidade: Não tem nenhuma instrução na tela sobre o que fazer. 3. Defeito de usabilidade: Como você sai dessa tela? 4. Defeito de design: A soma não está alinhada com os números. 5. Muitos outros defeitos poderiam ser alinhados? 4? 3 7? _ 36

37 Relatando os defeitos Os defeitos ou incidentes devem ser registrados e enviados para os desenvolvedores que os aceitarão ou não. Correções deverão ser feitas para a próxima rodada de testes. Sugerimos que cada defeito seja registrado individualmente. 37

38 Segunda visão Os testes da primeira visão foram completos? Considere o seguinte: Matematicamente existem testes possíveis de serem feitos usando este mesmo programa. Temos números entre -99 e 99, o que incluindo 0 dariam 199 números. Para cobrirmos todo o universo teríamos = Nós usamos apenas duas dessas possibilidades.? 4? 3 7? _ 38

39 Segunda visão CT Resultado esperado Notas Maior número possível Não houve menção a nos negativos Maior número em primeiro Maior número em segundo Dois maiores dígitos Programas muitas vezes falham com Problemas com Problemas com 0 Valores limítrofes é uma conhecida técnica de teste que usamos quando colocamos os valores máximos e mínimos 99,-99 nas operações de soma. Pergunta: Será que com esses casos de teste cobrimos todo o universo de Casos de Testes 39

40 Terceira visão CT Resultado esperado Notas Mensagem de erro <Enter>+<En ter> Erro - msg Embora o requisito limite em dois dígitos pode ser que o programa aceite Será que aceita campos em branco Erro - msg Explorar os limites do campo 1, ,2 ou erro de definição? A = B Teclas de controle + teclas de controle Mensagem de erro O requisito não fala em número decimal. Talvez seja um incidente O certo seria só aceitar valores numéricos 40

41 Terminamos os testes? Acho que precisamos ainda de mais um caso de teste. O valor da soma será armazenado em algum arquivo? 41

42 Conclusões O número de casos de teste a serem criados e executados muitas vezes vai depender do prazo de teste ou de outros fatores. Além disso, não basta a nossa intuição, precisamos escrever cada um dos casos de teste. A mensagem é simples, quanto mais casos de teste usarmos tanto mais profundo será o nosso teste e tanto maior será a qualidade do software. 42

43 Eu quero testar mas não sei por onde começar... Um bom começo seria escrever os casos de teste associados a cada uma das funcionalidades ou requisitos do software. Carlinhos, o testador 43

44 A definição sobre o que intuição e técnica pode ser vista no filme acessado pelo link abaixo: Ver o artigo completo ou o link acima na área de download da iteste (www.iteste.com.br ) ou no blog do Emerson na Editora Altabooks (http://blog.altabooks.com.br ). 44

45 O caso da caneta Nós somos uma equipe e nos foi dado o encargo de testar um lote de canetas esferográficas, como esta acima, o que vocês acham que deveríamos fazer para conduzir esses testes, ou seja, como esses testes deveriam ser conduzidos? 45

46 Teste da caneta esferográfica Lista de testes propostos Testes a serem executados Testar o prendedor Parar de usar e voltar a usar Apertar a mola para ver se está funcionando direito Estressar a mola Verificar a carga Desmontar/montar Verificar o conforto para escrever Verificar o nível de resistência da caneta jogando ela no chão Escrever em diversos tipos de papel Escrever e depois passar o liquid paper Verificar se borra a escrita Verificar se fica um borrão grudado na ponta Avaliar a durabilidade da carga Verificar se a escrita falha Colocar a caneta em diferentes temperaturas (e escrever) 46

47 Terminologias e conceitos 47

48 Terminologias Teste Dinâmico Teste que para ser executado precisa de um código de programa Teste Estático Teste que para ser executado não precisa de um código de programa, exemplo, revisão, verificação, inspeção. 48

49 Terminologias Teste Baseado em Especificação (Teste Caixa Preta ou Teste Funcional) Teste executado com base numa especificação ou requisito. Item de Teste Sistema, software ou produto de trabalho (ex. requisito, especificação, etc.) que é objeto de teste 49

50 Terminologias Teste Baseado na Estrutura (Teste Caixa Branca) Teste no qual as entradas (dos casos de teste) são derivadas do exame da estrutura do item de teste Teste de regressão É o reteste de um software ou parte do software após o mesmo sofrer uma alteração ou correção. 50

51 Terminologias Teste de Carga Busca avaliar o comportamento do software após ser submetido a um grande volume de dados, conforme definido nos requisitos. Teste de performance Busca mostrar o comportamento do software a medida que vai sendo submetido a uma carga maior de dados, conforme definido nos requisitos. 51

52 A importância do teste de software Porque é importante testarmos corretamente os softwares? 52

53 Defeitos podem ser perigosos 53

54 Empresa não consegue vender porque o software deu um problema Veja o desconsolo da vendedora Palestrante tenta comprar um produto na loja Tok & Stok mas o software (Oracle/Java) não deixa. Natureza do problema: Palestrante queria comprar dois presentes para dois casamentos que iriam ocorrer, coincidentemente, no mesmo dia, e, o sistema não deixava usar o mesmo CPF. 54

55 Defeitos custam caro 55

56 Os software têm defeitos 7 Atendem Não Atendem 93 Apenas uma parcela pequena das aplicações entregues atendem aos requisitos funcionais e de tempo de resposta e performance 75% da responsabilidade pelos problemas recaem sobre a área de desenvolvimento Fonte: Gartner Group

57 O custo dos defeitos The Economic Impact of Inadequate Infraestruture for Software Testing O custo dos defeitos atinge aproximadamente 1% do PIB americano A falta de uma infra-estrutura robusta e padronizada de testes pode acarretar os seguintes problemas: - Aumento de falhas devido a baixa qualidade - Aumento dos custos de desenvolvimento (re-trabalho) - Perda do tempo de mercado no lançamento de um produto - Aumento dos custos de suporte do produto 57

58 Por que os projetos de desenvolvimento falham? (ou estão sempre cheios de defeitos)? Falha na gerência de requisitos Comunicação imprecisa ou ambigua Grande complexidade Arquitetura frágil Inconsistências não detectadas em requisitos, projetos e implementações Testes insuficientes Avaliação subjetiva do status do projeto Falhas na administração dos riscos Alterações sem controle Insuficiência de automação Fonte: Capers Jones: Patterns of Software System Failure and Success 58

59 Por que o processo tradicional de testes não atendia? Nem todos os requisitos são testados Organizações independentes de teste ainda pouco usadas Informalidade no processo de testes Pouca importância atribuida ao processo de testes Defeitos só detectados em produção, onde custam de 100 a 1000 vezes mais para serem consertados Abordagens únicas para novas tecnologias Falta de automação de testes Falta de metodologia de teste 59

60 Custo do Defeito 60

61 Verdades sobre o conceito de teste Testar é um exercício de gerência de risco Treinamento em teste reduz custos a longo prazo Melhorar os testes reduz custos Ligar os documentos de desenvolvimento aos documentos de teste melhora os resultados Deve ser mantida uma relação entre os requisitos e as condições de teste Sempre teste o ambiente de teste É melhor encontrar um defeito nas primeiras fases do que em produção As ferramentas de teste não necessariamente melhoram o processo já existente. 61

62 Conceitos históricos Demonstração Liberar sistema mesmo correndo riscos Garantir que o produto funciona Testes feitos pelos desenvolvedores Detecção Descobrir defeitos, erros e deficiências do software Definir capacidades e limitações Fornecer informações sobre a qualidade dos componentes, sistemas e outros produtos Prevenção Trabalho nas especificações do software Gerar informações que previnem ou reduzem os defeitos Detectar defeitos nas fases iniciais Identificar riscos e problemas de forma a evitá-los no futuro Metodologias, processos, etc. Testes feitos por testadores Demonstração Mostrar que funciona Década de 60 Detecção Encontrar defeitos Década de 70/80 Por que os testes mudaram? Prevenção Gerenciar a qualidade Década de 90 62

63 Níveis de Teste Teste Unitário ou Teste de componente normalmente feito pelo programador. Teste de Integração normalmente feito pelo analista de sistemas para um módulo ou conjunto de programas ou casos de uso em ambiente de desenvolvimento. Teste de Sistemas normalmente feito pelo analista de testes (caso de testes) em ambiente de testes. Teste de Aceitação normalmente feito pelo usuário em ambiente de homologação, 63

64 Características de qualidade dos softwares ISO/IEC Funcionalidade 2. Performance 3. Compatibilidade (inter-operabilidade) 4. Usabilidade 5. Confibilidade (maturidade, disponibilidade) 6. Segurança 7. Manutenibilidade 8. Portabilidade A norma ISO/IEC substitui a antiga norma ISO/IEC

65 Norma ISO/IEC Características Funcionalidade Performance Compatibilidade Usabilidade Confiabilidade Segurança Manutenibilidae Portabilidade SubCaracterísticas Integridade Correção Completeza Tempo Recursos Capacidade Co-existência Interoperabilidade Facilidade de uso Acessabilidade, etc... Maturidade Disponibilidade Tolerância a falhas Recuperação Confidencialidade Integridade Autencidade Responsabilidade Modularidade, reusabilidade, testabilidade... Adaptabilidade, Facilidade de instalação,... 65

66 Tipos de teste x características de qualidade Tipo de Teste Funcionalidade Interface Carga e estresse Produção Recuperação Regressão Segurança Etc. Descrição Testa as funcionalidades do software Testa ligações com outros sistemas Testa grandes volumes de entradas e o comportamento do software (tempo de resposta e funcionamento) Testa os procedimentos de produção Testa os procedimentos de recuperação e de re-início Testa as funcionalidades e outros procedimentos após uma alteração Testa os procedimentos de segurança Característica de qualidade Funcionalidade Compatibilidade Performance Portabilidade Confiabilidade Todas Segurança 66

67 Revisão 67 Primeira Empresa Brasileira com certificação Nível 2

68 Revisão O que é teste de software? O que é erro, defeito (bug), incidente e anomalia? Mostrar o ciclo de vida de um defeito Quando é mais barato a correção de um defeito? Quais são os níveis de teste? Cite duas características de qualidade dos softwares (ISO 25010) Relacione as características citadas anteriormente a um tipo de teste 68

69 Processos de Teste 69 Primeira Empresa Brasileira com certificação Nível 2

70 Teste de software é um projeto, acredite em mim. Teste de software é um projeto, acredite em mim. Teste de software é um projeto, acredite em mim. Teste de software é um projeto, acredite em mim. 70

71 E tem mais, deve ser um projeto paralelo e integrado ao projeto de desenvolvimento 71

72 Definindo projeto O que vocês acham que aconteceu quando o software entrou em produção? 72

73 Definindo projeto D Projeto é um processo único, consistente, com um conjunto único e coordenado de atividades, com dada de início e término, conduzidas para atingir um objetivo, com requisitos especificados, incluindo restrições de tempo, custo e recursos (ISO 10006) Projeto é um empreendimento temporário, conduzido para criar um produto ou serviço ou resultado único (PMI Project Management Institute PMBok 2008) (Gerenciando Projetos de Teste de Software Editora ArtImagem) 73

74 Por que os projetos falham? Algumas causas do insucesso dos projetos: Problemas de comunicação; Não cumprimento dos prazos; Mudanças de escopo constantes; Escopo não definido adequadamente; Concorrência entre o dia-a-dia e o projeto na utilização dos recursos; Estimativas incorretas ou sem fundamento; Riscos não avaliados corretamente; Não cumprimento do orçamento; Problemas com fornecedores; Retrabalho em função da má qualidade do produto. Fonte: Estudo de Benchmarking em Gerenciamento de Projetos Brasil

75 Ciclo de vida de um projeto Evolução do custo e pessoal no ciclo de vida de um projeto (Fonte: PMBOK ) 75

76 Teste x desenvolvimento Planejamento Projeto Lógico Projeto Físico Construção Ciclo de desenvolvimento de sistemas Ciclo de Testes Passado Ciclo de Testes Presente Ciclo de Testes Futuro 76

77 Ciclo de vida do projeto de teste e o ciclo de vida de gestão do projeto 77

78 Processo (básico) de Teste Planejar Planejar Testes Testes Projetar Testes Executar Testes Analisar Resultados Gerenciar Defeitos 78

79 Etapas de Desenvolvimento e Tipos de Teste Requisitos do Negócio Teste de Aceitação Desenho Lógico da Aplicação Teste de Sistema Desenho Físico da Aplicação Teste de Integração Construção Teste Unitário 79

80 Integração entre os projetos de teste e de desenvolvimento Gerência de Requisitos Teste Desenvolvimento Especificação Verificação Desenho Lógico e Físico P L A N E J A M E N T O Execução (1) Execução (2) Teste Unitário Teste de Sistema e Teste de Integração Construção Implantação P L A N E J A M E N T O Entrega Teste de Aceitação Entrega Teste Desenvolvimento 80

81 Metodologia de Testes Visão Geral Etapas de Suporte Produtos Etapas de Realização Preparação Requisitos Planejamento Especificação Planejamento Planos de Teste Especificação Casos de Teste Scripts ou procedimentos de teste Execução 81

82 O que é e para que servem os processos? 82

83 O que é e para que servem os processos? Na engenharia de software, o processo tem como meta entregar um produto de software de maneira eficiente, previsível e que corresponda às necessidades de negócio. Geralmente inclui análise de requisitos, programação e testes, entre outras tarefas. (Wikipédia) 83

84 E os processos de teste de software, para que servem? 84

85 Processo de Teste Planejar Planejar Testes Testes Projetar Testes Executar Testes Analisar Resultados Requisitos de Teste Gerenciar Defeitos 85

86 Principais Documentos dos Projetos de Teste (IEEE 829:2008) Plano Master de Teste Plano de Teste Projeto de Teste Roteiro/Procedimento de Teste Caso de Teste Relatório de Anomalias (Incidentes / Defeitos) Relatório de Estado Relatório de Encerramento / Sumário Relatório Master 86

87 IEEE Política Organizacional de Teste Estratégia Organizacional de Teste Plano de Teste Relatório de Estado do Teste Relatório de Término do Teste Relatório de incidente Lista de itens de ação Relatório de teste estático Especificação de teste Especificação de desenho de teste Especificação de caso de teste Especificação de procedimento de teste Requisitos de dados de teste Requisitos de ambiente de teste Relatório de situação de ambiente de teste Conseqüências (gerados por CT) do teste Resultados (se o CT passou ou não) do teste Log de execução do teste Relatório de incidência Plano Máster de Teste Plano de Teste Desenho (Projeto) de Teste Casos de Teste Procedimentos de Teste Relatórios de Execução dos Testes Relatório de Estado de Teste Relatório de Teste (sumário) Relatório de Log de Teste Relatório de Anomalias (ex-relatório de Incidentes) Relatório Máster de Teste 87

88 IEEE Política Organizacional de Teste Estratégia Organizacional de Teste Plano de Teste Relatório de Estado do Teste Relatório de Término do Teste Relatório de incidente (ver teste dinâmico) Lista de itens de ação Relatório de teste estático Especificação de teste Especificação de desenho de teste Especificação de caso de teste Especificação de procedimento de teste Requisitos de dados de teste Requisitos de ambiente de teste Relatório de situação de ambiente de teste Conseqüências (gerados por CT) do teste Resultados (se o CT passou ou não) do teste Log de execução do teste Relatório de incidente Plano Máster de Teste Plano de Teste Desenho (Projeto) de Teste de Aceitação, Sistema, Integração e Unitário Casos de Teste de Aceitação, Sistema, Integração e Unitário Procedimentos de Teste de Aceitação, Sistema, Integração e Unitário Relatórios de Execução dos Testes Relatório de Estado de Teste Relatório de Teste (sumário) Relatório de Log de Teste Relatório de Anomalias (ex-relatório de Incidentes) Relatório Máster de Teste 88

89 Exemplo de um caso real Macro-atividade: Planejar Testes O objetivo desta macro-atividade é definir o planejamento de um projeto de teste de software, correspondente a um projeto de desenvolvimento. O planejamento dos testes deve seguir as regras básicas de gerência de projetos e os critérios específicos definidos nos templates correspondentes usados nesta etapa (Ex. Plano de Teste). Atividade: Realizar estudo de viabilidade do projeto de teste Atividade: Iniciar a elaboração do Plano de Teste Atividade: Definir o Ambiente de Teste Atividade: Configurar Ambiente de Testes para o Projeto Atividade: Verificar a testabilidade dos Casos de Uso ou dos Requisitos Atividade: Detalhar Planejamento das Atividades de Teste 89

90 Plano de Teste Introdução Identificador do Plano de Teste; Escopo; Referências Nível na seqüencia de teste Classe de teste e visão das condições de teste Detalhes para este nível do plano de teste Itens de teste e seus identificadores; Matriz de rastreabilidade do teste; Funcionalidades a serem testadas; Funcionalidades que não serão testadas; Abordagem do teste (Estratégia de Teste na ISO 29119); Critérios de liberação/falha dos itens; Requisitos de suspensão e retomada; Entregas do teste; (continua) 90

91 Plano de Teste Gerência de Teste Tarefas do teste; Necessidades de ambientes; Responsabilidades; Integração entre as partes envolvidas; Recursos e sua alocação; Treinamento; Cronograma, estimativas e custos; Riscos e contingências; Geral Procedimentos de garantia de qualidade; Métricas; Cobertura do teste; Glossário; Procedimentos de alteração do documento e histórico. 91

92 Planejar Testes - Artefatos Planejar Testes 92

93 Artefatos Gerados ANÁLISE Checklist Testabilidade Caso de Uso 93

94 Como seria uma estratégia de teste baseada nos riscos do produto ou negócio? 94

95 O teste da caneta esferográfica Plano de Teste 95

96 Plano de Teste Detalhes para este nível do plano de teste Itens de teste e seus identificadores; Matriz de rastreabilidade do teste; Funcionalidades a serem testadas; Funcionalidades que não serão testadas; Abordagem do teste (Estratégia de Teste na ISO 29119); Critérios de liberação/falha dos itens; Requisitos de suspensão e retomada; Entregas do teste; Gerência de Teste Tarefas do teste; Necessidades de ambientes; Responsabilidades; Integração entre as partes envolvidas; Recursos e sua alocação; Treinamento; Cronograma, estimativas e custos; Riscos e contingências; Geral Procedimentos de garantia de qualidade; Métricas; Cobertura do teste; Glossário; Procedimentos de alteração do documento e histórico. Plano de Teste Resumido 96

97 E neste Site? Qual seria a estratégia? 97

98 E neste Site? Qual seria a estratégia? 98

99 Desta forma eu destaquei alguns tópicos básicos para qualquer gerente poder entendê-lo, qualquer que seja o seu nível intelectual. Gerentes não gostam de ler mais de uma página. O meu Plano de Teste tem tantos campos que nenhum gerente vai ter a paciência de lê-lo. 99

100 Principais Documentos dos Projetos de Teste (IEEE 829:2008) Plano Master de Teste Plano de Teste Projeto de Teste Roteiro/Procedimento de Teste Caso de Teste Relatório de Anomalias (Incidentes / Defeitos) Relatório de Estado Relatório de Encerramento / Sumário Relatório Master 100

101 Processo de Teste Planejar Planejar Testes Testes Projetar Testes Executar Testes Analisar Resultados Gerenciar Defeitos 101

102 Exemplo de um caso real Macro-atividade: Projetar Teste O projeto dos testes contempla a criação dos casos de teste (conforme template) e demais artefatos necessários às atividades de execução dos testes. Na ocorrência de alterações de requisitos, de design ou do código do sistema, durante ou posteriormente a esta atividade, a alteração é feita através de uma solicitação formal de mudança, onde são avaliadas as mudanças necessárias nos artefatos envolvidos. Atividade: Atividade: Atividade: Atividade: Definir os cenários de teste Elaborar Casos de Teste Estruturar Scripts de Teste Elaborar Procedimento de Teste 102

103 Projetar Teste - Documentos Planejar Projetar Testes Testes Roteiro de Teste ou Procedimentos de Teste Casos de Teste Scripts de teste 103

104 Caso de Teste Um caso de teste é uma descrição do teste a ser executado. Existe uma correspondência entre o casos de teste e o casos de uso, embora, na maioria das vezes, vários casos de teste correspondam a um caso de uso. 104

105 Caso de Teste IEEE829 Identificação do caso de teste Itens de teste componentes, módulos, casos de teste, etc. Especificação das entradas listar todas as entradas usadas para a execução do caso de teste Especificação das saídas listar todas as saídas geradas pelo caso deteste Ambiente necessário Requisitos especiais Inter-dependência entre os casos de teste 105

106 Exemplo de CT Em um Caso de Uso de Transferência Bancária, um dos cenários é a Transferência DOC para conta de terceiros. Para se testar este cenário de especificação, devemos criar um cenário de teste para validar esta funcionalidade. Este cenário de teste, deve seguir os seguintes passos: Consultar o saldo da conta de origem; Consultar dados da conta destino; Transferir um valor da conta origem para conta destino; Consultar novamente o saldo da conta origem, verificando que o saldo inicial menos o valor transferido é igual ao saldo atual; Etc. Dentro deste cenário de teste podemos destacar diversos casos de testes: CT01 Preenchimento dos campos obrigatório na tela de transferência; CT02 Validação de CPF; CT03 Conta Destino inválida (se for possível); CT04 Transferência de valores negativos e muitos outros. 106

107 Caso prático Um Sistema web com os seguintes requisitos não-funcionais: Deve operar em diferentes Browsers - Internet Explorer 5.0, 5.5, e 6.0, Netscape 6.0 e 7.0, Mozilla 1.1, firefox e Opera 7; Deve poder usar diferentes plugins - RealPlayer, MediaPlayer, não usar nenhum; Rodar em diferentes sistemas operacionais nas máquinas clientes - Windows 95, 98, ME, NT, 2000, e XP; Deve receber páginas por diferentes servidores IIS, WebLogic e Apache. Deve rodar em diferentes servidores Windows 2000, NT e Linux. 107

108 Caso de teste Introdução (uma por documento) Identificador do documento Escopo Referências (itens de teste) Contexto Notas para descrição Detalhes (um por caso de teste) Identificador do caso de teste Objetivos Especificações de entrada Especificações de saída Necessidades de ambiente Requisitos ou procedimentos especiais Dependências entre casos de teste Global Glossário Procedimentos de alterações do documento e histórico de alterações Referências (Itens de teste) Requisitos Projeto de teste e features Guia do usuário Guia operacional Guia de instalação Etc. 108

109 O teste da caneta esferográfica Casos de Teste 109

110 Exemplo de Casos de Teste 110

111 Exemplo de Casos de Teste Cenários de Teste Caso de Teste - CT01 01Teste Campo Obrigatório Pré-condições: Pós-condições: Detalhamento: Massa de entrada e de Saída: Critérios especiais: Ambiente: Implementação: Iteração: Interdependências: Não se Aplica Mensagem de Erro do Sistema *PA: O Ator não informa o login e a senha. E1 PA: O ator seleciona a opção OK. **PS:: O Sistema verifica se os campos obrigatórios foram informados PS: O sistema apresenta a mensagem O(s) Campo(s) << campo>> deve(m) ser informado(s). e retorna ao passo anterior Não se Aplica Não se Aplica Sistema Operacional Cliente Windows 2000, Browser Internet Explorer 6.0, Servidor de Aplicação IIS e SO Windows Manual 1ª Iteração Não se Aplica * PA - Passo do Ator ** PS - Passo do Sistema 111

112 Exemplo de Elaboração de Casos de teste Especificação do Sistema: O sistema apresenta os seguintes campos: Login e Senha RN01 O sistema apresenta as seguintes opções: OK e Limpar Caso o ator selecione a opção Limpar O sistema limpa os campos Login e Senha Caso o ator selecione a opção OK O sistema valida o preenchimento dos campos obrigatórios Login e Senha E1, RN02 O sistema valida o conteúdo dos campos Login e Senha E2, E3 Fluxos de exceções E1 Campos Obrigatórios Caso um dos dois ou os dois campos Login e Senha não tenham sido preenchidos O sistema apresenta a mensagem O(s) Campo(s) << campo>> deve(m) ser informado(s). e retorna ao passo anterior. E2 Validação Usuário e Senha O sistema apresenta a mensagem "O login ou senha informados não são válidos " e retorna ao passo anterior E3. Usuário Bloqueado. O sistema verifica que o usuário está bloqueado, e exibe uma mensagem com o texto descrito acima e retorna ao passo anterior. Regra de Negócio RN01 Regra de Tamanho O Campo Login deve conter no máximo 10 Caracteres alfanuméricos, não podendo aceitar caracteres especiais tais #; $; %; ; ;& ; *; ( ; ) ; +; = O Campo Senha deve estar protegido para identificação na digitação com o # como mascar e deve conter no máximo 8 Caracteres alfanuméricos não podendo aceitar caracteres especiais tais #; $; %; ; ;& ; *; ( ; ) ; +; = RN02 Regra de Bloqueio Após a terceira tentativa de acesso de um login onde a senha estiver incorreta o sistema bloqueia o acesso deste login ao sistema. Regra de Usabilidade: US01 Formatação dos Campos O sistema não deve diferenciar caracteres minúsculos de maiúsculos para o campo Login (case insensitive), mais para o campo senha deve ser diferenciado (case sensitive). 112

113 Quantos casos de teste seriam necessários para testar esta funcionalidade ou requisito? Quanto tempo você estima que precisaria para testar este requisito? 113

114 Resposta dada por um especialista Quantos casos de teste seriam necessários? Entre 20 e 30 casos de teste Quanto tempo seriam gasto na elaboração e na execução de cada caso de teste? Elaboração 3 minutos (45%) Execução 4 minutos (55%) 114

115 Processo de Teste Planejar Planejar Testes Testes Projetar Testes Executar Testes Analisar Resultados Gerenciar Defeitos 115

116 Principais Documentos dos Projetos de Teste (IEEE 829:2008) Plano Master de Teste Plano de Teste Projeto de Teste Roteiro/Procedimento de Teste Caso de Teste Relatório de Anomalias (Incidentes / Defeitos) Relatório de Estado Relatório de Encerramento / Sumário Relatório Master 116

117 Vamos pensar um pouco. O que eu preciso para começar a executar os testes? Lembrese do Plano de Teste 117

118 Caso real - exemplo Macro-atividade: Executar Testes Executar casos de teste e/ou scripts automáticos, que foram definidos para cada iteração, bem como executar testes específicos, como teste de desempenho e outros. Na ocorrência de alterações das especificações ou do código, durante ou posteriormente a esta atividade, é verificado se estas alterações afetam também os casos de teste/scripts. Caso isto tenha ocorrido e a execução já tenha sido iniciada, será planejado um novo ciclo de teste ou teste de regressão. Antes de executar os casos de teste devem ser definidos os responsáveis pela sua execução. Atividade: Executar Casos de Teste Atividade: Executar Scripts de Teste Atividade : Gerar Resultados (logs) de Teste Atividade: Acompanhar Defeitos Atividade: Executar Testes Especiais 118

119 Custo / Esforço Automação do Teste Cem Kaner estima que leva entre 3 a 10 vezes mais para criar, verificar e documentar teste automático do que criar e executar o mesmo teste manualmente. (Kaner, Improving the Maintainability of Automated Test Suites, p. 2.) A Especialista em teste automatico Linda Hayes estima que gasta 5 a 10 vezes do tempo com teste automático em relação ao teste manual. (Hayes, Does Test Automation Save Time and Money? StickyMinds.com, August 8, 2001.) 119

120 Processo de Teste Planejar Planejar Testes Testes Projetar Testes Executar Testes Analisar Resultados Gerenciar Defeitos 120

121 Exemplo de um caso real Macro-Atividade: Gerenciar Defeitos Registrar e acompanhar a correção dos defeitos, decorrentes da execução dos testes. Se for identificado que o defeito persiste, após o re-teste, a correção é rejeitada, caso contrário ela é aprovada. Defeitos podem ser identificados durante ciclo de desenvolvimento, durante a execução do teste de aceite, no ambiente de homologação ou após a entrega do sistema (ambiente de produção). Em todos os casos, é utilizado um workflow para acompanhar todo o ciclo de vida do defeito. Atividade: Atividade: Atividade: Atividade: Cadastrar Defeitos Executar Re-Teste Rejeitar Correções Aprovar Correções 121

122 Principais Documentos dos Projetos de Teste (IEEE 829:2008) Plano Master de Teste Plano de Teste Projeto de Teste Roteiro/Procedimento de Teste Caso de Teste Relatório de Anomalias (Incidentes / Defeitos) Relatório de Estado Relatório de Encerramento / Sumário Relatório Master 122

123 Gerenciar Defeito Gerenciar Defeitos 123

124 Gerenciar Defeito Ferramenta de Workflow Workflow do Defeito DevTrack ClearQuest 124

125 Relatório de Incidentes O Relatório de Incidentes (defeitos) é o documento básico onde a equipe de testes relata os defeitos encontrados (programa e documentação) e normalmente deve ser encaminhado à equipe de desenvolvimento para as providências pertinentes. 125

126 Você está testando o site da Amazon. A funcionalidade testada é a compra através de cartões de crédito. Ao clicar na etapa de definir a forma de pagamento e indicar a bandeira do cartão o site trava e congela. A sequencia de teste logicamente foi interrompida pois você não pode mais continuar testando a compra. Como você relataria este incidente. 126

127 Relatório de Incidentes IEEE 829 Introdução Identificador Escopo Referências Detalhes Sumário Data da anomalia Contexto Descrição da anomalia Descrição da execução (identificar o que foi executado) Resultados (mensagens, requisições operacionais, etc) Informações sobre o ambiente Eventos anormais (conexão com o Relatório de Anomalias) Qualquer situação que causou a interrupção do teste. Impacto Estimativa de urgência Descrição das ações corretivas Estado da anomalia Conclusões e recomendações Geral Procedimentos de alterações do documento e histórico de alterações 127

128 Exemplo da Ferramenta DevTrack 128

129 Processo de Teste Planejar Planejar Testes Testes Projetar Testes Executar Testes Analisar Resultados Gerenciar Defeitos 129

130 Principais Documentos dos Projetos de Teste (IEEE 829:2008) Plano Master de Teste Plano de Teste Projeto de Teste Roteiro/Procedimento de Teste Caso de Teste Relatório de Anomalias (Incidentes / Defeitos) Relatório de Estado Relatório de Encerramento / Sumário Relatório Master 130

131 Exemplo de um caso real Macro-Atividade: Analisar Resultados Ao encerramento do projeto de teste conforme as regras definidas no Plano de Teste devem ser elaborados os artefatos de conclusão. Atividade: Gerar Resultados dos Testes Descrição: Ao final do projeto deve ser elaborado um Relatório de Sumário contemplando todas as informações relevantes coletadas durante o seu decorrer, assim como problemas ocorridos e não conformidades encontradas. Os indicadores fornecidos pelo projeto devem ser catalogados como histórico para uso em processos de planejamento e de estimativas. Responsáveis: LP Participantes: AT, TE Artefatos: Plano de Teste, Relatório de Sumário de Teste Ferramentas: Testlink 131

132 Planejar Analisar Resultados Testes Analisar Resultado - ATIVIDADES Analisar Resultados (logs) Gerar resultados dos testes 132

133 Analisar Resultado - Medição Planejar Analisar Resultados Testes Objetivo Indicar a qualidade do produto Avaliar a produtividade do processo Realimentar dados para estimativa Realimentar dados para a estratégia organizacional Se você não sabe onde você está, um mapa não vai ajudar! Roger Pressman 133

134 Relatório de Sumário Introdução Identificador Escopo Referências Detalhes Visão geral dos resultados do teste Resultados detalhados do teste Racional das decisões Conclusões e recomendações Geral Glossário Procedimentos de alterações do documento e histórico de alterações 134

135 A Visão da norma ISO/IEC

136 Responsáveis pela execução do processo Gerente de Projeto Líder de Projeto de Teste Analista de Teste Analista de Requisitos Testador Arquiteto de Teste GP LP AT AS TE AR 136

137 Processos multicamadas de teste Estratégica Processo organizacional de teste Gerencial Processos de gerência de teste Operacional Processos de teste dinâmico 137

138 Processos multicamadas de teste com todos os processos Processo organizacional de teste Planejamento de teste Processos de gerência de teste Monitoramento e controle de teste Término de teste Desenho e implementação do teste Processos de teste dinâmico Configuração do ambiente de teste Registro de incidente de teste Execução do teste 138

139 IEEE Política Organizacional de Teste Estratégia Organizacional de Teste Plano de Teste Relatório de Estado do Teste Relatório de Término do Teste Relatório de incidente (ver teste dinâmico) Lista de itens de ação Relatório de teste estático Especificação de teste Especificação de desenho de teste Especificação de caso de teste Especificação de procedimento de teste Requisitos de dados de teste Requisitos de ambiente de teste Relatório de situação de ambiente de teste Conseqüências (gerados por CT) do teste Resultados (se o CT passou ou não) do teste Log de execução do teste Relatório de incidente Plano Máster de Teste Plano de Teste Desenho (Projeto) de Teste de Aceitação, Sistema, Integração e Unitário Casos de Teste de Aceitação, Sistema, Integração e Unitário Procedimentos de Teste de Aceitação, Sistema, Integração e Unitário Relatórios de Execução dos Testes Relatório de Estado de Teste Relatório de Teste (sumário) Relatório de Log de Teste Relatório de Anomalias (ex-relatório de Incidentes) Relatório Máster de Teste 139

140 IEEE Política Organizacional de Teste Estratégia Organizacional de Teste Plano de Teste Relatório de Estado do Teste Relatório de Término do Teste Relatório de incidente (ver teste dinâmico) Lista de itens de ação Relatório de teste estático Especificação de teste Especificação de desenho de teste Especificação de caso de teste Especificação de procedimento de teste Requisitos de dados de teste Requisitos de ambiente de teste Relatório de situação de ambiente de teste Conseqüências (gerados por CT) do teste Resultados (se o CT passou ou não) do teste Log de execução do teste Relatório de incidente Plano Máster de Teste Plano de Teste Desenho (Projeto) de Teste de Aceitação, Sistema, Integração e Unitário Casos de Teste de Aceitação, Sistema, Integração e Unitário Procedimentos de Teste de Aceitação, Sistema, Integração e Unitário Relatórios de Execução dos Testes Relatório de Estado de Teste Relatório de Teste (sumário) Relatório de Log de Teste Relatório de Anomalias (ex-relatório de Incidentes) Relatório Máster de Teste 140

141 Processo convencional em relação aos processos da norma Processos de gerência de teste Processos de teste dinâmico Planejar Testes Projetar Testes Executar Testes Analisar Resultados Gerenciar Defeitos O que faltou? Processo de teste organizacional Processo de gerência de teste Monitoramento e Controle de Teste Processos de teste dinâmico Configuração do ambiente de teste 141

142 Relatório de Estado Relatório emitido durante o andamento do projeto, conforme definido no Plano de Teste (Plano de Comunicação), que demonstra o andamento do projeto, especificamente se ele está seguindo o que foi planejado ou se precisa de alguma correção. Por exemplo, pode conter uma lista de casos de teste já executados, estatísticas de defeitos encontrados por casos de teste ou tipos de defeitos, comparação entre o previsto e o realizado, etc. 142

143 Atividades Executadas no Teste Participação na revisão da documentação de desenvolvimento; Elaboração da lista de requisitos de teste usando os requisitos do sistema; Elaboração do Planejamento dos Testes (Plano de Testes com a Estratégia de Testes); Preparação do ambiente de testes Elaboração dos Casos de Teste; Preparação da massa de teste; Execução dos testes (programas e scripts); Registro dos defeitos encontrados; Documentação dos resultados do teste; Revisão dos resultados do teste; Manutenção da documentação de testes (bibliotecas de casos de testes, etc.) Fonte: Fátima Mattos, Eficácia no Teste de Sistemas 143

144 O que mais podemos fazer para melhorar os nossos testes? 144

145 Em que precisamos pensar para iniciar corretamente o teste da caneta? E o site na internet do RicoSurf? 145

146 Como melhorar os testes? Escolher um (ou mais) processos de testes adequada e integrada ao processo de desenvolvimento (já vimos) Estruturar uma área orientada para testes e com pessoal capacitado ( veja Ambiente de Teste) Utilizar um ambiente de testes adequado Utilizar ferramentas de automação dos testes (se for o caso) Utilizar regras de medição do projeto de testes Utilizar mecanismos de aferição do nível de maturidade do processo de testes visando conseguir melhorias contínuas Usar técnicas de gerência de projetos (PMI) 146

147 Recursos Humanos Líder do Projeto de Testes LT Técnico responsável pela liderança de um projeto de teste Arquiteto de Teste AT Analista de Teste AN Testador TE É o técnico responsável pela montagem da infra-estrutura de teste É o técnico responsável pela modelagem e elaboração dos casos de teste e pelos scripts de teste Técnico responsável pela execução dos casos de teste e scripts de teste Atenção: As terminologias usadas para identificar os técnicos da área de testes podem variar entre organizações. Além disso em algumas empresas um único técnico pode representar 147 diversos papéis.

148 Preparação do Ambiente Atributos Escopo NÍVEL Unitário Integração Sistema Aceitação Unidade Individual Unidades agrupadas Sistema Inteiro Simulação da Produção Equipe Desenvolvedores Desenvolvedores e Testadores Testadores Testadores e Usuários Volume de dados Pequeno Pequeno Grande Grande Origem dos dados Criação Manual Criação Manual Criação por processos Dados Reais Interfaces Não existem Não existem Simuladas Reais/Simuladas Ambiente Desenvolvimento Desenvolvimento Teste Produção 148

149 Práticas do Processo de teste Metodologia de teste Ciclo de vida Nível de envolvimento Estimativas e planejamento Técnicas de especificação de teste Técnicas de teste estático Métricas Ferramentas de teste Ambiente de teste Ambiente de escritório Motivação e comprometimento Funções e treinamento da equipe Metodologia Comunicação Relatórios Gerência de defeitos Gerência de testware Gerência do processo de teste Avaliação Teste estruturais, tais como teste de segurança, teste de carga, etc. 149

150 Estrutura Organizacional Gerência de TI Gerência de Teste Gerência de Projeto A Gerência de Projeto n Estruturas organizacionais dependem muito da forma de atuar da empresa, logo podem variar entre uma e outra instituição. O importante é preservar a filosofia de atuação da equipe de testes. 150

151 Momento da Preparação O ambiente de teste pode ser preparado em 2 momentos: Estratégia de teste Plano de teste 151

152 Revisão O que compõe o ambiente de teste? 152

153 O teste da caneta esferográfica Ambiente de Teste 153

154 Como melhorar os testes? Escolher uma metodologia de testes adequada e integrada ao processo de desenvolvimento Estruturar uma área orientada para testes e com pessoal capacitado Utilizar um ambiente de testes adequado Utilizar ferramentas de automação dos testes Utilizar regras de medição do projeto de testes Utilizar mecanismos de aferição do nível de maturidade do processo de testes visando conseguir melhorias contínuas Usar técnicas de gerência de projetos (PMI) 154

155 Ciclo de Teste Esforço despendido (horas) para testar Casos de Uso Simples Intermediário Complexo Manual Automat Manual Automat Manual Automat 6,0 10,07 12,0 23,01 16,0 29,64 12,0 10,37 24,0 23,41 32,0 30,32 18,0 10,67 36,0 23,81 48,0 31,00 24,0 10,97 48,0 24,21 64,0 31,68 30,0 11,27 60,0 24,61 80,0 32,36 Fonte: Instituto Atlântico Fortaleza CE

156 Considerações sobre automação para testar casos de uso (ver adiante): Casos de uso simples poucas transações de interações com os usuários e/ou regras de negócio simplórias Casos de uso intermediários poucas regras de negócio e uma forte interação do usuário com a aplicação, por meio de operações do tipo CRUD (Create, Read, Update e Delete) Casos de uso complexos incorporam regras de negócio específicas do domínio da aplicação [Liane R. P. Bandeira Qualidade do Produto a partir de Automação de Casos de Teste Universidade Estadual do Ceará 2005] 156

157 Quando se deve pensar em automatizar testes? Quando: Existirem fortes pressões para melhorar a qualidade; O projeto tiver situações que não possam ser testadas adequadamente pelos métodos tradicionais; O perfil dos softwares desenvolvidos forem complexos e com impacto no negócio; Estudos de custo/benefício justificarem o investimento; O tamanho do projeto ou do ambiente de teste justificarem. Obs.: Avaliar a possibilidade do uso de ferramentas abertas e livres 157

158 Considerações para automação de testes Ferramentas de mercado; HP Rational Segue Empirix Mercury Test Complete Test Link Mantis... Software Livre Lembre-se que existem ferramentas disponíveis no mercado que podem ser utilizadas e que estão disponíveis em sites da internet para serem baixadas. Pequenos desenvolvedores não possuem recursos para comprar ferramentas caras. 158

159 159

160 160

161 Ferramenta livres para teste de carga em ambiente Web 161

162 Teste de Carga com a ferramenta DieselTest no site da ALATS Máximo de 25 usuários Tempo de carga Script criado para o teste Tempo de carga de cada página Usuários logados 162

163 Teste de Carga com a ferramenta DieselTest no site da ALATS Máximo de 50 usuários Tempo de carga Usuários logados 163

164 Estimativas Conceitos básicos O que se quer estimar?» Tamanho» Esforço» Custo» Prazo 164

165 Conceitos básicos TAMANHO ESFORÇO CUSTO PRAZO 165

166 Estimativa e gerência de projeto Falta equipe quando planejado Recursos desviados Requisitos retirados Funcionalidades removidas estimativa P R O J E T O Requisitos acrescentados Equipe menos experiente Equipe atendendo outro projeto Novos recursos acrescentados 166

167 Se você não consegue medir só existe uma razão para você acreditar que ainda tem o projeto sob o seu controle: otimismo histérico. Tom de Marco. Não se pode gerenciar o que não se pode medir. 167

168 Métricas usadas em projetos de teste de software Análise de Ponto de Teste Ponto de Caso de Teste Complexidade de Requisitos Complexidade de Casos de Uso 168

169 Distribuição entre as etapas de teste Preparação Especificação Execução Transição 10% 40% 45% 5% Cada ambiente tem os seus próprios números Para aqueles que querem um número mágico para estimativas rápidas sugerimos um valor entre 1 e 2 horas de teste por ponto de função. No entanto cabe lembrar que são valores médios de mercado e nem sempre correspondem a um projeto de teste específico. 169

170 Estimativas de Capers Jones livro Estimating Software Costs Cada estágio de testes poderá remover 30% dos defeitos existentes. Um sistema com 100PF teria potencialmente 316 defeitos. Neste caso, por exemplo, depois de 3 estágios de testes (TSU, TI e TS) ainda restaram 108 defeitos que iriam para os testes de aceitação com o usuário. 170

171 Boas métricas devem permitir que o gerente possa responder as seguintes perguntas: Por que os testes estão demorando tanto? Por que os testes ainda não terminaram? Quantos defeitos ainda podem ocorrer em produção? Quantos testes ainda serão necessários? Quando os testes terminarão? Quando os testes começarão a ser feitos pela equipe de testes/ Qual a qualidade do sistema testado? Quando o sistema poderá entrar em produção? Quantos defeitos foram encontrados e qual a sua classifação? 171

172 Outras métricas Número de defeitos / tamanho do software Número de defeitos / casos de teste Número de defeitos classificados por tipo, severidade, etc. Número de horas de teste (defeitos, casos de teste) por ponto de função Custo por defeito Etc. 172

173 Revisão Quando eu termino um projeto de teste de software? No caso do teste da caneta qual seria esse momento? Quando eu suspendo um projeto de teste de software? 173

174 MPT.Br Melhoria do Processo de Teste Brasileiro 174

175 O que é o modelo? O MPT.Br é um modelo que trata a melhoria do processo de teste através de melhores práticas. Objetivos: Tornar-se um modelo de referência para definição, implantação e melhoria dos processos de teste; Abordar a melhoria contínua nos processos de teste conforme os objetivos organizacionais e nível de maturidade almejado; Fornecer uma base para avaliação e consequente identificação do grau de maturidade presente nas organizacionais; e Reunir as melhores práticas e estruturá-las segundo o grau de complexidade versus o nível de maturidade que a mesma estará relacionada. 175

176 Modelo de Gestão SOFTEXRECIFE - Centro de Tecnologia de Software para Exportação do Recife, sociedadecivil sem fins l ucrativos, agente da Sociedade SOFTEX, que no Brasil possui mais de empresas associadas. Sua missão é articular, fomentar e apoiar ações direcionadas à excelência do setor de software em Pernambuco. RIOSOFT - fundada em 1993 a partir do Programa SOFTEX 2000, com a combinação de ideais da classe empresarial atuante em Tecnologia da Informação e a vontade política da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, contando também com o apoio do SEBRAE-RJ, da ASSESPRO-RJ e do SEPRORJ. 176

177 Referências do Modelo TMMi Test Maturity Model Integration (versão 3.1): desenvolvido para complementar o framework do CMMi; organizado em 5 níveis de maturidade; As 5 áreas de processo de qualidade abordam, dentre outros aspectos, o processo de testes e seu ciclo de vida, avaliação e controle da qualidade do produto; ISO Já vimos anteriormente 177

178 Estrutura do Modelo Referencial Teórico TMMI (versão 3.1) ISO Base de Conhecimento ISTQB/CSTE/CBTS MPS.BR CMMI Conselho Consultivo Conselho Técnico Unidade Executora Instituição Avaliadora Instituição Implementadora Implementador MPT.Br Avaliador MPT.Br Modelo Gestão Modelo de Referência Modelo de Avaliação SCAMPI Modelo de Avaliação MPS.BR 178

179 Níveis de Maturidade Prevenção de Defeitos Automação e Otimização Controle Estatístico do Processo Otimização do Processo de Teste Automação de Teste Gestão de Ferramentas Case Gestão de Defeitos Teste Não Funcional Avaliação da Qualidade do Software Organização do Teste (evolução) Definido Organização do Teste Medição e Análise Teste estático Treinamento Garantia da Qualidade Teste de Aceitação Fechamento de Teste Gerência de Projeto de Teste (Evolução) Projeto e Execução do Teste (Evolução) Gerenciado Gerência de Requisitos de Teste Gerência de Projeto de Teste (Evolução) Projeto e Execução do Teste (Evolução) Parcialmente Gerenciado Gerência de Projeto de Teste Projeto e Execução do Teste 179

180 Site do MPT.BR 180

181 Empresas que implementaram Empresas Avaliadas Data da Avaliação Nível Estado BisaWeb 20/12/11 Nível 1 PE Brisa 13/03/12 Nível 2 BA Brisa 13/03/12 Nível 1 RJ Brisa 26/07/12 Nível 1 DF Brisa 15/05/12 Nível 2 SP Cartello 14/02/12 Nível 1 PE DATASUS 17/03/10 Nível 1 RJ FTS LTDA 04 e 05/04/11 Nível 1 SE GCF Sistemas LTDA 15/05/12 Nível 1 PE In Forma Software LTDA 12/11/10 Nível 1 PE Informata 10/05/12 Nível 1 PE iteste 22/11/11 Nível 2 RJ Partec 29/11/10 Nível 1 PE Procenge LTDA 30/11/10 Nível 1 PE WPD Informática LTDA 12/11/10 Nível 1 PE 181

182 Evolução / Planejamento do MPT.Br 182 Ano Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Nível 5 Total (*) Total previsto (estimativa) (*) Até o final de 2012 uma empresa será avaliada no nível 1, uma no nível 2 e uma no nível 3 Um empresa do nivel 1 deverá passar para o nivel 2.

183 Estrutura Organizacional Comitê Gestor Softex Recife Riosoft (Agente Softex RJ) Conselho Consultivo Conselho Técnico Unidade executora Instituição Avaliadora Instituição Implementadora Implementador MPT

184 Quanto maior o nível de maturidade tanto mais estável será o caminho dos projetos de teste de software

185 Erro na estimativa % Estimativa boa Empresas com níveis altos de maturidade tendem a acertar mais nas estimativas Boeing Company CMMI Level 185

186 Algumas atividades num projeto de teste de software Participação na revisão da documentação de desenvolvimento; Elaboração da lista de requisitos de teste usando os requisitos do sistema; Elaboração do Planejamento dos Testes (Plano de Testes e Estratégia de Testes); Preparação do ambiente de testes Elaboração dos Casos de Teste; Preparação da massa de teste; Execução dos testes (programas e scripts); 186 Registro / acompanhamento dos defeitos encontrados; Documentação dos resultados do teste; Revisão dos resultados do teste (indicadores); Manutenção da documentação de testes (bibliotecas de casos de testes, etc.)

187 Algumas atividades num projeto de teste de software Participação na revisão da documentação de desenvolvimento; Planejar Elaboração da lista de requisitos de teste usando os requisitos do sistema; Elaboração do Planejamento dos Testes (Plano de Testes e Estratégia de Testes); Especific Preparação do ambiente de testes ar Elaboração dos Casos de Teste; Preparação da massa de teste; Gerenci Executa ar r Execução dos testes (programas e scripts); defeitos Registro / acompanhamento dos defeitos encontrados; Documentação dos resultados do teste; Encerrar Revisão dos resultados do teste (indicadores); 187 Manutenção da documentação de testes (bibliotecas de

188 Revisão Geral 188 Primeira Empresa Brasileira com certificação Nível 2

189 Quais são os níveis de teste? Teste Unitário ou Teste de Componente Teste de Integração Teste de Sistemas Teste de Aceitação Defina Teste Caixa Branca e Teste Caixa Preta? 189

190 Revisão Quando os testes devem ser iniciados? R.: O quanto antes (na fase de planejamento) Quais os documentos que devem ser usados num processo básico de teste de software? R.: Estratégia de Teste, Plano de Teste, Casos de Teste, Relatório de Defeitos. Para que serve a Estratégia de Teste? R.: Riscos x testes. Características de qualidade x testes. Módulos x testes. Definir as dimensões de teste que serão usada. Etc. 190

191 Revisão O que compõe o ambiente de teste? Hardware Software Ferramentas de automação Pessoal Local de trabalho Etc. 191

192 Considerações finais 192

193 Quadrilátero endemoniado Tempo Funcionalidade Qualidade Quando aumentam as pressões sobre o tempo e o dinheiro a tendência é reduzir os testes de funcionalidades e a qualidade dos testes Dinheiro Obs.: Demonic Quadrangle M.Pol, E. Veenendaal, R. Teunissen 193

Workshop de Teste de Software. Visão Geral. Emerson Rios emersonrios@riosoft.org.br www.emersonrios.eti.br

Workshop de Teste de Software. Visão Geral. Emerson Rios emersonrios@riosoft.org.br www.emersonrios.eti.br Workshop de Teste de Software Visão Geral Emerson Rios emersonrios@riosoft.org.br www.emersonrios.eti.br 1 AGENDA DO CURSO Conceitos Básicos Documentação Processo Plano de Teste Caso de Teste BIBLIOGRAFIA

Leia mais

PROCESSO DE TESTE DE SOFTWARE. Emerson Rios emersonrios@riosoft.org.br www.emersonrios.eti.br

PROCESSO DE TESTE DE SOFTWARE. Emerson Rios emersonrios@riosoft.org.br www.emersonrios.eti.br PROCESSO DE TESTE DE SOFTWARE Emerson Rios emersonrios@riosoft.org.br www.emersonrios.eti.br PROJETO DE TESTE DE SOFTWARE Deixa eu te dizer uma coisa. Teste de Software é um projeto. Certo? CERTO? Você

Leia mais

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como:

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como: Plano de Teste (resumo do documento) I Introdução Identificador do Plano de Teste Esse campo deve especificar um identificador único para reconhecimento do Plano de Teste. Pode ser inclusive um código

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR. Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl

Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR. Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro introdução objetivos do trabalho fundamentação teórica desenvolvimento da ferramenta

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO Autora: LUCIANA DE BARROS ARAÚJO 1 Professor Orientador: LUIZ CLAUDIO DE F. PIMENTA 2 RESUMO O mercado atual está cada vez mais exigente com

Leia mais

Fundamentos em Teste de Software. Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com

Fundamentos em Teste de Software. Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com Fundamentos em Teste de Software Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com Objetivos do treinamento 1. Expor os fundamentos de Teste de Software; 2. Conceituar os Níveis de Teste; 3. Detalhar sobre

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

14 Os principais documentos de um projeto são: o termo de. 15 Elemento integrante do gerenciamento do escopo do projeto,

14 Os principais documentos de um projeto são: o termo de. 15 Elemento integrante do gerenciamento do escopo do projeto, De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

No que se refere a conceitos básicos do gerenciamento de projetos, segundo o PMBoK, julgue os itens a seguir.

No que se refere a conceitos básicos do gerenciamento de projetos, segundo o PMBoK, julgue os itens a seguir. De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

Modernização e Evolução do Acervo de Software. Gustavo Robichez de Carvalho guga@les.inf.puc-rio.br

Modernização e Evolução do Acervo de Software. Gustavo Robichez de Carvalho guga@les.inf.puc-rio.br Modernização e Evolução do Acervo de Software Gustavo Robichez de Carvalho guga@les.inf.puc-rio.br Tópicos 1. Estudo Amplo sobre Modernização 2. Visão IBM Enterprise Modernization 3. Discussão - Aplicação

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

a) Teste das funções do sistema com outros sistemas b) Teste de componentes que em conjunto compõem a função do sistema

a) Teste das funções do sistema com outros sistemas b) Teste de componentes que em conjunto compõem a função do sistema Simulado CTFL- BSTQB Tempo de duração: 60 minutos 1. Considerando as seguintes afirmações: I. 100% de cobertura de sentença (comando) garante 100% de cobertura de desvio II. 100% de cobertura de desvio

Leia mais

Os custos para implementação do modelo no nível 1 são detalhados na tabela abaixo: Estimativa de Custo (R$) Royalties MPT (R$) (15%) Total

Os custos para implementação do modelo no nível 1 são detalhados na tabela abaixo: Estimativa de Custo (R$) Royalties MPT (R$) (15%) Total Por que implantar o MPT.Br por Emerson Rios O MPT.Br Melhoria de Processo de Teste de Software Brasil foi desenvolvido num projeto conjunto entre a Softex Recife e a Riosoft, ambas agentes Softex (Associação

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com marcosmoraisdesousa.blogspot.com Sistemas de informação Engenharia de Software II Gerenciamento de Qualidade CMMI e MPS.BR

Leia mais

VANT-EC-SAME. Software de Suporte do VANT V-SUP Caso de Desenvolvimento Versão 1.0

VANT-EC-SAME. Software de Suporte do VANT V-SUP Caso de Desenvolvimento Versão 1.0 VANT-EC-SAME Software de Suporte do VANT V-SUP Caso de Desenvolvimento Versão 1.0 Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 17/0/07 1.0 Versão Inicial Douglas Moura Confidencial VANT-EC-SAME, 2007

Leia mais

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL A Filosofia do Gerenciamento de Serviços em TI Avanços tecnológicos; Negócios totalmente dependentes da TI; Qualidade, quantidade e a disponibilidade (infra-estrutura

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ATIVIDADE DE TESTE NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

A IMPORTÂNCIA DA ATIVIDADE DE TESTE NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE A IMPORTÂNCIA DA ATIVIDADE DE TESTE NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Karla Pires de Souza (FPM ) karlapsouza@hotmail.com Angelita Moutin Segoria Gasparotto (FPM ) angelita@usp.br A atividade de teste de

Leia mais

1. Qual das seguintes alternativas não é um tipo de revisão? 2. Qual das alternativas é um atributo da qualidade?

1. Qual das seguintes alternativas não é um tipo de revisão? 2. Qual das alternativas é um atributo da qualidade? Simulado CTFL- BSTQB Tempo de duração: 30 minutos 1. Qual das seguintes alternativas não é um tipo de revisão? a) Acompanhamento b) Revisão técnica c) Revisão informal d) Aprovação da gerência 2. Qual

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

Se observarmos nos diferentes livros. Planejamento de Testes a partir de Casos de Uso

Se observarmos nos diferentes livros. Planejamento de Testes a partir de Casos de Uso Planejamento de Testes a partir de Casos de Uso Arilo Cláudio Dias Neto ariloclaudio@gmail.com É Bacharel em Ciência da Computação formado na Universidade Federal do Amazonas, Mestre em Engenharia de Sistemas

Leia mais

IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000

IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000 Exame simulado IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000 Edição Novembro, 2013 Copyright 2013 EXIN All rights reserved. No part of this publication may be published, reproduced, copied

Leia mais

Engenharia de Software Qualidade de Software

Engenharia de Software Qualidade de Software Engenharia de Software Qualidade de Software O termo qualidade assumiu diferentes significados, em engenharia de software, tem o significado de está em conformidade com os requisitos explícitos e implícitos

Leia mais

Exame de Fundamentos da ITIL

Exame de Fundamentos da ITIL Exame de Fundamentos da ITIL Simulado B, versão 5.1 Múltipla escolha Instruções 1. Todas as 40 perguntas devem ser respondidas. 2. Todas as respostas devem ser assinaladas na grade de respostas fornecida.

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

Testes Orientação Visão Conceitual em Testes Versão 0.3

Testes Orientação Visão Conceitual em Testes Versão 0.3 Testes Versão 0.3 ori_visao_conceitual_testes.odt 1 de 10 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/04/2010 0.1 Versão inicial Fernanda Monteiro 07/10/10 0.2 Verificação ortográfica Ana Eckel

Leia mais

A Disciplina Gerência de Projetos

A Disciplina Gerência de Projetos A Disciplina Gerência de Projetos Atividades, Artefatos e Responsabilidades hermano@cin.ufpe.br Objetivos Apresentar atividades da disciplina Gerência de Projetos Discutir os artefatos e responsáveis envolvidos

Leia mais

Tipos de teste de software

Tipos de teste de software Tipos de teste de software Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br Adilson Hira ayhira@lsi.usp.br Laboratório de Sistemas Integráveis Departamento de Sistemas Eletrônicos Escola Politécnica da USP Sumário

Leia mais

Retorno de Investimento em Testes. Robert Pereira Pinto robert@base2.com.br

Retorno de Investimento em Testes. Robert Pereira Pinto robert@base2.com.br Retorno de Investimento em Testes Robert Pereira Pinto robert@base2.com.br Palestrante Robert Pereira Pinto Sócio diretor da Base2 Tecnologia Mestre e Bacharel em Ciência da Computação pela UFMG Certified

Leia mais

Estima-se que o custo decorrente. Gestão de Testes Ferramentas Open Source e melhores práticas na gestão de testes

Estima-se que o custo decorrente. Gestão de Testes Ferramentas Open Source e melhores práticas na gestão de testes Gestão de Testes Ferramentas Open Source e melhores práticas na gestão de testes Cristiano Caetano c_caetano@hotmail.com É certificado CBTS pela ALATS. Consultor de teste de software sênior com mais de

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

Testes de Software. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB

Testes de Software. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB Testes de Software 1 AULA 01 INTRODUÇÃO A TESTES DE SOFTWARE Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB Conteúdo Programático do Curso Introdução a Testes de Software Técnicas de Testes de Software

Leia mais

Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto

Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto Prof. Elias Batista Ferreira Material cedido por: Prof. Edison A M Morais Objetivo Descrever os processos da norma

Leia mais

Tutorial. O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica

Tutorial. O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica Tutorial O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica Este tutorial explica como configurar o Trade Solution e realizar as principais atividades relacionadas à emissão e ao gerenciamento das Notas Fiscais Eletrônicas

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Exame de Fundamentos da ITIL

Exame de Fundamentos da ITIL Exame de Fundamentos da ITIL Simulado A, versão 5.1 Múltipla escolha Instruções 1. Todas as 40 perguntas devem ser respondidas. 2. Todas as respostas devem ser assinaladas na grade de respostas fornecida.

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS CMMI E METODOLOGIAS ÁGEIS Os métodos de desenvolvimento Ágeis e

Leia mais

CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS. Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa. Ricardo Pereira

CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS. Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa. Ricardo Pereira CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa Ricardo Pereira Antes de começar por Ricardo Pereira Trabalhando na Templum Consultoria eu tive a rara oportunidade

Leia mais

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 Rational Quality Manager Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 1 Informações Gerais Informações Gerais sobre o RQM http://www-01.ibm.com/software/awdtools/rqm/ Link para o RQM https://rqmtreina.mvrec.local:9443/jazz/web/console

Leia mais

Implantação dos Processos Gerência de Projeto e Medição com Auxílio de Ferramenta Baseada em Planilhas Carlos Simões Claudia Lasmar Gleison Santos

Implantação dos Processos Gerência de Projeto e Medição com Auxílio de Ferramenta Baseada em Planilhas Carlos Simões Claudia Lasmar Gleison Santos Implantação dos Processos Gerência de Projeto e Medição com Auxílio de Ferramenta Baseada em Planilhas Carlos Simões Claudia Lasmar Gleison Santos Agenda: Carlos Simões cs@synapsisbrasil.com.br carlossimoes@cos.ufrj.br

Leia mais

CLÍNICA TECNOLÓGICA CASOS DE TESTE. Palestrante: Marcia Silva MARCIA.SILVA@DATASUS.GOV.BR www.emersonrios.eti.br

CLÍNICA TECNOLÓGICA CASOS DE TESTE. Palestrante: Marcia Silva MARCIA.SILVA@DATASUS.GOV.BR www.emersonrios.eti.br CLÍNICA TECNOLÓGICA CASOS DE TESTE Palestrante: Marcia Silva MARCIA.SILVA@DATASUS.GOV.BR www.emersonrios.eti.br 1 REQUISITOS DE NEGÓCIO ESPECIFICAÇÃO FUNCIONAL Protótipo Planejamento dos testes Design

Leia mais

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

Sobre a Prime Control

Sobre a Prime Control Sobre a Prime Control A Prime Control é um Centro de Excelência em Qualidade de Software. Nossa missão é desenvolver, aperfeiçoar e realizar serviços de testes de software inovadores que agregam valor

Leia mais

HP Quality Center. Preparar materiais de treinamento e observações para a nova versão 16 Suporte pós-atualização 16 Suporte 17 Chamada à ação 17

HP Quality Center. Preparar materiais de treinamento e observações para a nova versão 16 Suporte pós-atualização 16 Suporte 17 Chamada à ação 17 Documento técnico HP Quality Center Atualize o desempenho Índice Sobre a atualização do HP Quality Center 2 Introdução 2 Público-alvo 2 Definição 3 Determine a necessidade de uma atualização do HP Quality

Leia mais

Manual do Usuário GEFRE

Manual do Usuário GEFRE Manual do Usuário GEFRE Gestão de Frequência - Versão 1.2 Março, 2015 Página 1 de 84 Sumário Sumário... 2 Objetivo deste Manual do Usuário... 5 1. Instalação do GEFRE... 7 1.1. Configuração Mínima Recomendada...

Leia mais

Renovação Online de Certificados Digitais A3 (Com Boleto Bancário)

Renovação Online de Certificados Digitais A3 (Com Boleto Bancário) Renovação Online de Certificados Digitais A3 (Com Boleto Bancário) Guia de Orientação Todos os direitos reservados. Imprensa Oficial do Estado S.A. 2013 Página 1 de 47 Índice PRÉ-REQUISITOS PARA INSTALAÇÃO...

Leia mais

Fundamentos de Gestão de TI

Fundamentos de Gestão de TI Fundamentos de Gestão de TI Tópico V Transição de Serviço (ITIL V3) José Teixeira de Carvalho Neto transição de serviço transição de serviço Objetivo: orientar e coordenar o desenvolvimento e a implantação

Leia mais

Estratégia para fazer cópias de segurança ( backup ) em nuvem

Estratégia para fazer cópias de segurança ( backup ) em nuvem 1 de 20 Estratégia para fazer cópias de segurança ( backup ) em nuvem Resolvi documentar uma solução que encontrei para fazer minhas cópias de segurança. Utilizo um software gratuito chamado Cobian Backup

Leia mais

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI Nome da Empresa Documento Visão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/02/2015 1.0 Início do projeto Anderson, Eduardo, Jessica, Sabrina, Samuel 25/02/2015 1.1 Correções Anderson e Eduardo

Leia mais

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português 1 de 7 28/10/2012 16:47 SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português RESULTADO DO SIMULADO Total de questões: 40 Pontos: 0 Score: 0 % Tempo restante: 55:07 min Resultado: Você precisa

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Aula 05 MPS.BR (ago/12) Melhoria de Processo do Software Brasileiro Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Agenda Descrição sumária do MPS.BR - Melhoria de Processo do Software

Leia mais

Módulo de Gestores. Utilizaremos telas do Módulo de Gestores (Homologação): http://siops-homologa2.datasus.gov.br

Módulo de Gestores. Utilizaremos telas do Módulo de Gestores (Homologação): http://siops-homologa2.datasus.gov.br Módulo de Gestores Módulo de Gestores Utilizaremos telas do Módulo de Gestores (Homologação): http://siops-homologa2.datasus.gov.br Módulo de Gestores As telas oficiais do Módulo de Gestores estão disponíveis

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 3 Planejamento e Aula 8 do Projeto Aula 08 do Projeto SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 ACOMPANHAMENTO DO PROJETO... 3 1. do Progresso...

Leia mais

Integração dos Modelos de Gestão de TI

Integração dos Modelos de Gestão de TI Integração dos Modelos de Gestão de TI Olá servidores!! (Acredite você será!). Temos agora uma bateria com a integração dos modelos de gestão de TI, vamos rever o que vem sendo pedido? Ajeite-se na cadeira,

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte II Agenda sumária dos Processos em suas categorias e níveis de maturidade

Leia mais

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Introdução Atualmente, é impossível imaginar uma empresa sem uma forte área de sistemas

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES DESENHO DE SERVIÇO Este estágio do ciclo de vida tem como foco o desenho e a criação de serviços de TI cujo propósito será realizar a estratégia concebida anteriormente. Através do uso das práticas, processos

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA Levantamento da Gestão de TIC Cotação: 23424/09 Cliente: PRODABEL Contato: Carlos Bizzoto E-mail: cbizz@pbh.gov.br Endereço: Avenida Presidente Carlos

Leia mais

Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper

Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper Outubro de 2007 Resumo Este white paper explica a função do Forefront Server

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

MÉTRICAS DE SOFTWARE

MÉTRICAS DE SOFTWARE MÉTRICAS DE SOFTWARE 1 Motivação Um dos objetivos básicos da Engenharia de Software é transformar o desenvolvimento de sistemas de software, partindo de uma abordagem artística e indisciplinada, para alcançar

Leia mais

Gerência de Projeto de Testes Segundo o Modelo do PMI por Emerson Rios

Gerência de Projeto de Testes Segundo o Modelo do PMI por Emerson Rios Gerência de Projeto de Testes Segundo o Modelo do PMI por Emerson Rios Nos últimos anos, as empresas mais preocupadas com a qualidade dos sistemas de aplicação passaram a introduzir, no seu ambiente, um

Leia mais

Versão Liberada. www.gerpos.com.br. Gerpos Sistemas Ltda. info@gerpos.com.br. Av. Jones dos Santos Neves, nº 160/174

Versão Liberada. www.gerpos.com.br. Gerpos Sistemas Ltda. info@gerpos.com.br. Av. Jones dos Santos Neves, nº 160/174 Versão Liberada A Gerpos comunica a seus clientes que nova versão do aplicativo Gerpos Retaguarda, contendo as rotinas para emissão da Nota Fiscal Eletrônica, já está disponível. A atualização da versão

Leia mais

A relação da Governança de TI (COBIT), Gerenciamento de Serviços (ITIL) e Gerenciamento de Projetos (PMI)

A relação da Governança de TI (COBIT), Gerenciamento de Serviços (ITIL) e Gerenciamento de Projetos (PMI) A relação da Governança de TI (COBIT), Gerenciamento de Serviços (ITIL) e Gerenciamento de Projetos (PMI) Os principais modelos de melhores práticas em TI Carlos Henrique Santos da Silva, MSc, PMP, ITIL

Leia mais

Gerenciamento de Qualidade

Gerenciamento de Qualidade UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Qualidade Engenharia de Software 2o. Semestre de

Leia mais

Qualidade de Software. Anderson Belgamo

Qualidade de Software. Anderson Belgamo Qualidade de Software Anderson Belgamo Qualidade de Software Software Processo Produto Processo de Software Pessoas com habilidades, treinamento e motivação Processo de Desenvolvimento Ferramentas e Equipamentos

Leia mais

Qualidade de Software: Visão Geral

Qualidade de Software: Visão Geral Qualidade de Software: Visão Geral Engenharia de Software 1 Aula 05 Qualidade de Software Existem muitas definições de qualidade de software propostas na literatura, sob diferentes pontos de vista Qualidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

Renovação Online de Certificados Digitais A1 (Com cartão de Crédito)

Renovação Online de Certificados Digitais A1 (Com cartão de Crédito) Renovação Online de Certificados Digitais A1 (Com cartão de Crédito) Guia de Orientação Todos os direitos reservados. Imprensa Oficial do Estado S.A. 2013 Página 1 de 40 Índice PRÉ-REQUISITOS PARA INSTALAÇÃO...

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4. Módulo 3 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.3 Exercícios 6.2 Iniciando a auditoria/ 6.2.1 Designando o líder da equipe

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES [Observação: O template a seguir é utilizado como roteiro para projeto de sistemas orientado

Leia mais

Por que utilizar o modelo ITIL

Por que utilizar o modelo ITIL Por que utilizar o modelo ITIL... O que não é definido não pode ser controlado... O que não é controlado não pode ser medido... O que não é medido não pode ser melhorado Empregado para definir, controlar,

Leia mais

SLA - Service Level Agreement (Acordo de Nível de Serviço) Gerenciamento de Estoque

SLA - Service Level Agreement (Acordo de Nível de Serviço) Gerenciamento de Estoque 1 / 7 SLA - Service Level Agreement (Acordo de Nível de Serviço) Gerenciamento de Estoque Código: : Data de Publicação: Cliente: Faculdade de Tecnologia SENAC-GO 2 / 7 Identificação e Histórico do Documento

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Engenharia de Requisitos

Engenharia de Requisitos Engenharia de Requisitos Introdução a Engenharia de Requisitos Professor: Ricardo Argenton Ramos Aula 08 Slide 1 Objetivos Introduzir a noção de requisitos do sistema e o processo da engenharia de requisitos.

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 1- Visão Geral de Testes de Software Aula 1 Teste como Suporte para o Software SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. Exemplos

Leia mais

Termo de Abertura Sistema de Vendas de Pizzas Online (PizzaWeb) - Versão 1.0

Termo de Abertura Sistema de Vendas de Pizzas Online (PizzaWeb) - Versão 1.0 Termo de Abertura Sistema de Vendas de Pizzas Online (PizzaWeb) - Versão 1.0 Versão do Documento: 1.1 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011 1.0 Montar o Termo de Abertura.

Leia mais

BlackBerry Internet Service. Versão: 4.5.1. Guia do usuário

BlackBerry Internet Service. Versão: 4.5.1. Guia do usuário BlackBerry Internet Service Versão: 4.5.1 Guia do usuário Publicado: 09/01/2014 SWD-20140109134951622 Conteúdo 1 Primeiros passos... 7 Sobre os planos de serviço de mensagens oferecidos para o BlackBerry

Leia mais

Guia de Referência do Modelo MPT.Br

Guia de Referência do Modelo MPT.Br Guia de Referência do Modelo MPT.Br Copyright c 2011 - SOFTEXRECIFE Direitos desta edição reservados pela SOFTEXRECIFE A distribuição ilimitada desse documento está sujeita a copyright Sumário Parte I:

Leia mais

POLÍTICA ORGANIZACIONAL

POLÍTICA ORGANIZACIONAL POLÍTICA ORGANIZACIONAL PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE NA DR TECH Data 01/03/2010 Responsável Doc ID Danielle Noronha PoliticaOrg_DR_V003 \\Naja\D\Gerenciamento\Política Localização Organizacional Versão

Leia mais

A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G. por Adriana Silveira de Souza

A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G. por Adriana Silveira de Souza A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G por Adriana Silveira de Souza Agenda Visão Geral do MPS.BR Processos e Capacidade de Processo Níveis de Maturidade Atributos de Processo Processo

Leia mais

NORMAS ISO E SUA IMPORTÂNCIA NA PRODUÇÃO DE SOFTWARE

NORMAS ISO E SUA IMPORTÂNCIA NA PRODUÇÃO DE SOFTWARE NORMAS ISO E SUA IMPORTÂNCIA NA PRODUÇÃO DE SOFTWARE Marina Benedetti Preto¹ RESUMO Muito se fala sobre a qualidade de software, mas sem sempre se tem uma verdadeira noção deste conceito. A qualidade possui

Leia mais

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software?

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? 21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? Qualidade de software é uma preocupação real e esforços têm sido realizados na busca pela qualidade dos processos envolvidos em seu desenvolvimento

Leia mais

O sistema está pedindo que eu faça meu login novamente e diz que minha sessão expirou. O que isso significa?

O sistema está pedindo que eu faça meu login novamente e diz que minha sessão expirou. O que isso significa? Que tipo de navegadores são suportados? Preciso permitir 'cookies' O que são 'cookies' da sessão? O sistema está pedindo que eu faça meu login novamente e diz que minha sessão expirou. O que isso significa?

Leia mais

Teste de Software Apresentação

Teste de Software Apresentação Teste de Software Apresentação Prof Daves Martins Msc Computação de Alto Desempenho Email: daves.martins@ifsudestemg.edu.br Agenda Teste de Software VV&T e Defeitos de Software Inspeção de Software Teste

Leia mais

MANUAL OPERACIONAL DE SISTEMAS

MANUAL OPERACIONAL DE SISTEMAS MANUAL OPERACIONAL DE SISTEMAS NETPAN CDC VEÍCULOS LOJISTA ÍNDICE 1. ACESSO AO SISTEMA... 3 1.1. ABERTURA DO INTERNET EXPLORER...3 1.2. ACESSO AO NETPAN...3 1.2.1. Tela Inicial...4 1.2.2. Digitando o Nome

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1

Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1 Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.1 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011 1.0 Versão

Leia mais

PRODUTOS RIOSOFT COM SUBSÍDIO SEBRAEtec

PRODUTOS RIOSOFT COM SUBSÍDIO SEBRAEtec PRODUTOS RIOSOFT COM SUBSÍDIO SEBRAEtec ÁREA DE NORMAS, QUALIDADE E PROCESSOS. I - NORMA ISO/IEC 29110 Micro e Pequenas Empresas focadas no desenvolvimento de software. 2) Ambiente É possível constatar,

Leia mais

Teste de Software. Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br

Teste de Software. Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br Teste de Software Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br Qualidade Garantia de Qualidade Qualidade do processo Qualidade do produto Testes Estáticos Testes Dinâmicos Teste de software

Leia mais

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE RESUMO Fazer um bom levantamento e especificação de requisitos é algo primordial para quem trabalha com desenvolvimento de sistemas. Esse levantamento

Leia mais