Medição Automática da Dureza Brinell utilizando Técnicas de Processamento e Análise de Imagem

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Medição Automática da Dureza Brinell utilizando Técnicas de Processamento e Análise de Imagem"

Transcrição

1 Medição Automática da Dureza Brinell utilizando Técnicas de Processamento e Análise de Imagem João Manuel R. S. Tavares, Victor H. C. Albuquerque, Pedro P. R. Filho

2 Conteúdo Enquadramento Dureza Brinell (HB) Sistema Desenvolvido Resultados Experimentais i Conclusões e Trabalho Futuro João Manuel R. S. Tavares et al. Medição Automática da Dureza Brinell utilizando Técnicas de Proc. e Análise de Imagem 2

3 Enquadramento Os ensaios de dureza são utilizados para inferir algumas características mecânicas de materiais, como resistência ao desgaste, ductilidade e tensão de escoamento e de corte Para a realização dos ensaios Brinell utilizou-se a máquina VEBWERKSTOFFPRÜFMASCHINEN LEIPZIG ZD-20 João Manuel R. S. Tavares et al. Medição Automática da Dureza Brinell utilizando Técnicas de Proc. e Análise de Imagem 3

4 Enquadramento Nos ensaios de dureza a medição manual é bastante subjectiva, pois depende da experiência e do ângulo de visão do operador (efeito de paralaxe) e da calibração do equipamento Além disso, a fadiga, o cansaço, o número elevado de ensaios podem causar erros por parte do operador Este trabalho teve como objectivo principal desenvolver um sistema computacional capaz de obter o valor da dureza Brinell a partir de imagens de identação Para tal, utilizaram-se técnicas de Processamento e Análise de Imagem João Manuel R. S. Tavares et al. Medição Automática da Dureza Brinell utilizando Técnicas de Proc. e Análise de Imagem 4

5 Dureza Brinell O ensaio de dureza Brinell utiliza penetradores esféricos, que podem ser em aço para materiais com dureza até 350 HB ou metal duro (tungstênio) para materiais com dureza entre 350 a 650 HB O diâmetro da esfera pode ser igual a 2.5 (mais usual), 5e10mm O valor da carga aplicada varia de 500 a 3000 kgf A amostra deve ter superfície de ensaio plana, bem acabada e livre de substâncias estranhas (para o polimento usam-se frequentemente lixas com granulometrias até 600 µm e pasta de diamante até 1/4 µm) João Manuel R. S. Tavares et al. Medição Automática da Dureza Brinell utilizando Técnicas de Proc. e Análise de Imagem 5

6 Dureza Brinell A amostra deve ter no mínimo uma espessura de oito vezes o diâmetro da penetração (para evitar deformações) Deve-se evitar vibrações e choques no equipamento Na medição manual, o diâmetro da impressão do penetrador é medido no dispositivo mostrador da máquina de ensaio sendo convertido em dureza Brinell de acordo com tabelas normalizadas ou usando a equação 2P HB = 2 2 π DD [ D d ] P representa a carga aplicada em Kgf, D o diâmetro da esfera penetradora e d a diagonal média da identação em mm João Manuel R. S. Tavares et al. Medição Automática da Dureza Brinell utilizando Técnicas de Proc. e Análise de Imagem 6

7 Sistema Desenvolvido Binarização A primeira etapa que constitui o sistema desenvolvido éa binarização da imagem original de identação A binarização é realizada automaticamente a partir da identificação do limiar a usar no histograma da imagem de identação (menor valor entre os dois maiores picos existentes) Imagem original e respectivo histograma João Manuel R. S. Tavares et al. Medição Automática da Dureza Brinell utilizando Técnicas de Proc. e Análise de Imagem 7

8 Sistema desenvolvido Crescimento de regiões Crescimento de regiões é uma técnica aplicada em processamento de imagem para agregar pixels de regiões de interesse O crescimento é iniciado pela selecção de uma semente na região de interesse e continua por agregação dos pixels que apresentem características idênticas (intensidade, média, variância, etc.) João Manuel R. S. Tavares et al. Medição Automática da Dureza Brinell utilizando Técnicas de Proc. e Análise de Imagem 8

9 Sistema desenvolvido Após o crescimento de regiões, o sistema calcula as diagonais da identação na vertical e na horizontal Diagonais d 1 e d 2 consideradas no ensaio Brinell João Manuel R. S. Tavares et al. Medição Automática da Dureza Brinell utilizando Técnicas de Proc. e Análise de Imagem 9

10 Sistema desenvolvido O sistema computacional foi desenvolvido em C ++ Para aplicar o sistema, o operador deve seleccionar a imagem a analisar e clicar sobre a região de identação presente Interface do sistema desenvolvido: imagem original e resultado obtido João Manuel R. S. Tavares et al. Medição Automática da Dureza Brinell utilizando Técnicas de Proc. e Análise de Imagem 10

11 Resultados O sistema computacional foi aplicado 10 vezes num bloco padrão com dureza de 173 HB Posteriormente, compararam-se os resultados obtidos pelo sistema com os obtidos recorrendo ao procedimento manual, quer consultando uma tabela normalizada quer a respectiva equação, por um especialista qualificado João Manuel R. S. Tavares et al. Medição Automática da Dureza Brinell utilizando Técnicas de Proc. e Análise de Imagem 11

12 Resultados Procedimento manual Amostras Tabela Sistema Equação (NBR NM 187-1) computacional HB HB HB HB HB HB HB HB HB HB HB HB HB HB HB HB HB HB HB HB HB HB HB HB HB HB HB HB HB HB Média HB HB HB Diferença para o bloco padrão (173 HB) 1.20 HB 1.23 HB 0.97 HB Em termos médios, os resultados obtidos pelo sistema desenvolvido foram os que mais se aproximaram da dureza do bloco padrão usado, sendo a diferença de 0.97 HB (para o procedimento manual a mesma diferença foi de 1.20 HB (recorrendo a tabela) e de 1.23 HB (recorrendo à equação)) João Manuel R. S. Tavares et al. Medição Automática da Dureza Brinell utilizando Técnicas de Proc. e Análise de Imagem 12

13 Conclusões e Trabalho Futuro O ensaio manual de dureza Brinell é cansativo, repetitivo e subjectivo, sendo assim propício a erros Para tornar o ensaio mais preciso, rápido e menos subjectivo, desenvolveu-se um sistema baseado em técnicas de Processamento e Análise de Imagem Os resultados do sistema desenvolvido são obtidos de forma mais rápida, mais precisa e menos subjectiva Após validação do sistema, o mesmo está a ser implementado numa máquina de dureza Brinell equipada com uma câmara digital, o que permitirá a captura on-line da imagem de identação e auxiliará o operador na obtenção de medições de forma automática João Manuel R. S. Tavares et al. Medição Automática da Dureza Brinell utilizando Técnicas de Proc. e Análise de Imagem 13

14 Agradecimentos Este trabalho foi parcialmente desenvolvido no âmbito do Projecto de Investigação Segmentação, Seguimento e Análise de Movimento de Objectos Deformáveis (2D/3D) usando Princípios Físicos, financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT ) de Portugal, com a referência POSC/EEA-SRI/55386/2004 Ao Centro Federal de Educação Tecnológica do Ceará (CEFET CE), pelo apoio dado para a realização deste trabalho, em particular o Laboratório de Ensaios Mecânicos (LEM) para realização dos ensaios metalográficos e a aquisição das imagens usadas, e ao Laboratório de Engenharia de Sistemas de Computação (LESC) do Departamento de Engenharia de Teleinformática (DETI) da Universidade Federal do Ceará (UFC) João Manuel R. S. Tavares et al. Medição Automática da Dureza Brinell utilizando Técnicas de Proc. e Análise de Imagem 14

15 Medição Automática da Dureza Brinell utilizando Técnicas cas de Processamento e e Análise de Imagem João Manuel R. S. Tavares,, Victor H. C. Albuquerque, q Pedro P. R. Filho

Ensaio de Dureza. Propriedade utilizada na especificação de materiais

Ensaio de Dureza. Propriedade utilizada na especificação de materiais Ensaio de Dureza Propriedade utilizada na especificação de materiais Base de medida para: Resistência mecânica e ao desgaste Resistência ao corte em usinagem Tratamento térmico e tratamento mecânico Conceitos

Leia mais

Aplicação de Princípios Físicos na Simulação da Deformação de Objectos Em Imagens

Aplicação de Princípios Físicos na Simulação da Deformação de Objectos Em Imagens Aplicação de Princípios Físicos na Simulação da Deformação de Objectos Em Imagens Patrícia C. T. Gonçalves, João Manuel R. S. Tavares, Renato M. Natal Jorge IDMEC Instituto de Engenharia Mecânica Pólo

Leia mais

SMCB: METODOLOGIA PARA A QUANTIZAÇÃO DE CORES EM IMAGENS FACIAIS

SMCB: METODOLOGIA PARA A QUANTIZAÇÃO DE CORES EM IMAGENS FACIAIS Portugal, Porto - 13. 15 Junho 2007 SMCB: METODOLOGIA PARA A QUANTIZAÇÃO DE CORES EM IMAGENS FACIAIS Marcelo Zaniboni, Osvaldo S. Junior e João Manuel R. S. Tavares IMES / FAFICA Instituto Municipal de

Leia mais

Dureza Vickers. Vários pesquisadores tentaram encontrar uma solução para superar essas dificuldades.

Dureza Vickers. Vários pesquisadores tentaram encontrar uma solução para superar essas dificuldades. A UU L AL A Dureza Vickers Na aula anterior, você ficou sabendo que o ensaio de dureza Rockwell representou um avanço em relação ao ensaio Brinell, já que possibilitou avaliar a dureza de vários metais,

Leia mais

ENSAIO DE DUREZA. F. Jorge Lino (Prof. Associado da FEUP/DEMEGI) Investigador do INEGI

ENSAIO DE DUREZA. F. Jorge Lino (Prof. Associado da FEUP/DEMEGI) Investigador do INEGI ENSAIO DE DUREZA F. Jorge Lino (Prof. Associado da FEUP/DEMEGI) Investigador do INEGI 1 INTRODUÇÃO A dureza define-se como sendo a resistência que um material oferece a sofrer uma deformação plástica na

Leia mais

PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS MATERIAIS PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS MATERIAIS

PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS MATERIAIS PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS MATERIAIS PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS MATERIAIS Professor: Anael Krelling 1 2 3 ENSAIO DE TRAÇÃO PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS MATERIAIS 4 5 σ σ max σ rup σ esc ε 6 Força Área inicial da seção transversal Kgf/mm 2 N/mm

Leia mais

Aula 7 - Ensaios de Materiais

Aula 7 - Ensaios de Materiais Aula 7 - Ensaios de Materiais Tecnologia dos Materiais II Prof. Lincoln B. L. G. Pinheiro 23 de setembro de 2010 1 Ensaios de Dureza A dureza é uma propriedade mecânica que mede a resistência do material

Leia mais

Materiais em Engenharia. Aula Teórica 7. Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de dureza, choque e dobragem)

Materiais em Engenharia. Aula Teórica 7. Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de dureza, choque e dobragem) Aula Teórica 7 Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de dureza, choque e dobragem) 1 ENSAIO VICKERS Processo Utiliza como penetrador uma pirâmide quadrangular em diamante, com um ângulo de abertura

Leia mais

PROPRIEDADES MECÂNICAS I Fundamentos

PROPRIEDADES MECÂNICAS I Fundamentos INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA PROGRAMA DE CIÊNCIA DOS MATERIAIS PROPRIEDADES MECÂNICAS I Fundamentos Propriedades dos Materiais Ten Cel Sousa Lima, D. C. SUMÁRIO Introdução Tensões e Deformações Ensaio

Leia mais

PORCENTAGEM DE VAZIOS DE MISTURAS ASFÁLTICAS DENSAS E ABERTAS COMPACTADAS

PORCENTAGEM DE VAZIOS DE MISTURAS ASFÁLTICAS DENSAS E ABERTAS COMPACTADAS PORCENTAGEM DE VAZIOS DE MISTURAS ASFÁLTICAS DENSAS E ABERTAS COMPACTADAS C D T - CENTRO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Setembro de 014 DESIGNAÇÃO - ARTERIS T- 69-14¹ 09/014 T 69-14 -1 - Centro de Desenvolvimento

Leia mais

Materiais / Materiais I. Guia para Trabalho Laboratorial

Materiais / Materiais I. Guia para Trabalho Laboratorial Materiais / Materiais I Guia para Trabalho Laboratorial ENSAIO DE DUREZA 1. Introdução A dureza de um material é uma propriedade mecânica que mede a resistência à deformação plástica (permanente). A dureza

Leia mais

3. MÉTODOS EXPERIMENTAIS

3. MÉTODOS EXPERIMENTAIS 3. MÉTODOS EXPERIMENTAIS 43 Para a realização dos experimentos, foram realizadas as etapas de definição e preparação das amostras da matéria prima com a variação das propriedades mecânicas (dureza do material),

Leia mais

ENSAIOS MECÂNICOS Permitem perceber como os materiais se comportam quando lhes são aplicados esforços

ENSAIOS MECÂNICOS Permitem perceber como os materiais se comportam quando lhes são aplicados esforços ENSAIOS MECÂNICOS Permitem perceber como os materiais se comportam quando lhes são aplicados esforços Tipos Ensaios Destrutivos provocam a inutilização do material ensaiado Ensaios Não Destrutivos Ensaio

Leia mais

Métodos de Segmentação de Imagem para Análise da Marcha

Métodos de Segmentação de Imagem para Análise da Marcha Métodos de Segmentação de Imagem para Análise da Marcha Maria João M. Vasconcelos, João Manuel R. S. Tavares maria.vasconcelos@fe.up.pt, tavares@fe.up.pt 3º Congresso Nacional de Biomecânica 11-12 Fevereiro

Leia mais

Aplicação de Técnicas de Processamento e Análise de Imagem na Análise Automática da Quantidade e do Tamanho do Grão em Imagens Metalográficas

Aplicação de Técnicas de Processamento e Análise de Imagem na Análise Automática da Quantidade e do Tamanho do Grão em Imagens Metalográficas Aplicação de Técnicas de Processamento e Análise de Imagem na Análise Automática da Quantidade e do Tamanho do Grão em Imagens Metalográficas Tarique da S. Cavalcante, P. P. Rebouças Filho, Victor Hugo

Leia mais

Dureza Rockwell. No início do século XX houve muitos progressos. Nossa aula. Em que consiste o ensaio Rockwell. no campo da determinação da dureza.

Dureza Rockwell. No início do século XX houve muitos progressos. Nossa aula. Em que consiste o ensaio Rockwell. no campo da determinação da dureza. A UU L AL A Dureza Rockwell No início do século XX houve muitos progressos no campo da determinação da dureza. Introdução Em 1922, Rockwell desenvolveu um método de ensaio de dureza que utilizava um sistema

Leia mais

4 as Jornadas Politécnicas de Engenharia

4 as Jornadas Politécnicas de Engenharia 4 as Jornadas Politécnicas de Engenharia Imagens de Faces: Exemplos de Metodologias e Aplicações Fernando Carvalho, João Manuel R. S. Tavares Aplicação Metodologias Modelos Conclusões Trabalho Futuro Introdução:

Leia mais

Câmara 3D. Projectos 2000/2001

Câmara 3D. Projectos 2000/2001 Câmara 3D O projecto consiste na utilização e processamento de imagens adquiridas por um sistema que regista os dados de um veículo móvel e já desenvolvido no DEE. O sistema foi desenvolvido para armazenar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC MATERIAIS E SUAS PROPRIEDADES (BC 1105) ENSAIOS MECÂNICOS ENSAIOS DE TRAÇÃO E FLEXÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC MATERIAIS E SUAS PROPRIEDADES (BC 1105) ENSAIOS MECÂNICOS ENSAIOS DE TRAÇÃO E FLEXÃO 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC CENTRO DE ENGENHARIA, MODELAGEM E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS MATERIAIS E SUAS PROPRIEDADES (BC 1105) ENSAIOS MECÂNICOS ENSAIOS DE TRAÇÃO E FLEXÃO 2 1. INTRODUÇÃO Algumas das

Leia mais

Foram realizados nos corpos de prova prismáticos com base no método A da norma ASTM

Foram realizados nos corpos de prova prismáticos com base no método A da norma ASTM 54 4.4.2 Ensaio de impacto Foram realizados nos corpos de prova prismáticos com base no método A da norma ASTM D 256-03 (método Izod), na temperatura de 28 C, em um equipamento de impacto por pêndulo conforme

Leia mais

Laboratório de Ensaios Tecnológicos de Argila - LETA RELATÓRIO DE IDENTIFICAÇÃO VISUAL DOS BLOCOS CERÂMICOS NBR /

Laboratório de Ensaios Tecnológicos de Argila - LETA RELATÓRIO DE IDENTIFICAÇÃO VISUAL DOS BLOCOS CERÂMICOS NBR / Laboratório de Ensaios Tecnológicos de Argila - LETA RELATÓRIO DE IDENTIFICAÇÃO VISUAL DOS BLOCOS CERÂMICOS NBR 15270-1 / 15270-2 Página 1/1 Revisão: 01 Data: 05/05/2016 Código: FT - 076 FORNECEDOR: ENDEREÇO

Leia mais

PMR 2202 Projeto 2 - Estampagem

PMR 2202 Projeto 2 - Estampagem PMR 2202 Projeto 2 - Estampagem Os ensaios de fabricação avaliam características intrínsecas do material em produção. Geralmente processos de conformação mecânica de materiais metálicos exigem o conhecimento

Leia mais

Processos Mecânicos de Fabricação. Conceitos introdutórios sobre usinagem dos metais

Processos Mecânicos de Fabricação. Conceitos introdutórios sobre usinagem dos metais UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville Processos Mecânicos de Fabricação Conceitos introdutórios sobre usinagem dos metais DEPS Departamento de Engenharia

Leia mais

Processos de Fabrico. Ensaios de Dureza. A. M. Vasconcelos Lima

Processos de Fabrico. Ensaios de Dureza. A. M. Vasconcelos Lima Processos de Fabrico 1 É um dos ensaios mais comuns para avaliar e controlar as propriedades mecânicas dos materiais e dos processos tecnológicos. As aplicações destes ensaios incluem: Determinação da

Leia mais

UERJ CRR FAT Disciplina ENSAIOS DE MATERIAIS A. Marinho Jr

UERJ CRR FAT Disciplina ENSAIOS DE MATERIAIS A. Marinho Jr Tópico 05 ENSAIOS MECÂNICOS - DUREZA Parte A - Dureza Brinell Introdução A dureza de um material é uma propriedade difícil de definir, que tem diversos significados dependendo da experiência da pessoa

Leia mais

MÓDULO 2: Propriedades mecânicas dos metais. Deformação elástica, Deformação plástica

MÓDULO 2: Propriedades mecânicas dos metais. Deformação elástica, Deformação plástica MÓDULO 2: Propriedades mecânicas dos metais. Deformação elástica, Deformação plástica Propriedades mecânicas dos metais Muitos materiais, quando em serviço, são submetidos a forças ou cargas. O comportamento

Leia mais

Cap. 2. Conceito do meio contínuo, objectivos e restrições de MMC

Cap. 2. Conceito do meio contínuo, objectivos e restrições de MMC Cap. 2. Conceito do meio contínuo, objectivos e restrições de MMC 1. Hierarquia de Mecânica Clássica ou Newtoniana 2. Meio contínuo 3. Objectivos de MMC 3.1 Carregamento 3.2 Resposta ao carregamento 3.3

Leia mais

AS MÁQUINAS DE MEDIR POR COORDENADAS (MMC)

AS MÁQUINAS DE MEDIR POR COORDENADAS (MMC) AS MÁQUINAS DE MEDIR POR COORDENADAS (MMC) Tópicos que serão explorados na aula Introdução Tipos de MMCs Sistema de medição (as réguas e apalpadores) Programas computacionais Erros Compensação (Calibração

Leia mais

ANEXO: ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DA UFCG

ANEXO: ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DA UFCG ANEXO: ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DA UFCG I. CONTEÚDOS BÁSICOS (Carga horária de 1740 horas) 1.1 - FORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA (Carga horária: 1425 horas) 1.1.1 - MATEMÁTICA

Leia mais

Certificado de Qualificação Metrológica para Laboratórios de Ensaio e Calibração da Cadeia Automotiva

Certificado de Qualificação Metrológica para Laboratórios de Ensaio e Calibração da Cadeia Automotiva Certificado de Qualificação Metrológica para Laboratórios de Ensaio e Calibração da Cadeia Automotiva CERTIFICADO: Nº 009/2012 A Rede Metrológica do Estado de São Paulo qualifica o Laboratório de Calibração

Leia mais

1. Introdução. 1.1.Objetivo

1. Introdução. 1.1.Objetivo 1. Introdução 1.1.Objetivo O objetivo desta dissertação é desenvolver um sistema de controle por aprendizado acelerado e Neuro-Fuzzy baseado em técnicas de inteligência computacional para sistemas servo-hidráulicos

Leia mais

Materiais em Engenharia. Aula Teórica 6. Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza)

Materiais em Engenharia. Aula Teórica 6. Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza) Aula Teórica 6 Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza) 1 ENSAIO DE TRACÇÃO A partir dos valores da força (F) e do alongamento ( I) do provete obtêm-se

Leia mais

defi departamento de física

defi departamento de física defi departamento de física Laboratórios de Física www.defi.isep.ipp.pt Estudo das leis da reflexão e da refracção Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Física Rua Dr. António Bernardino

Leia mais

DUREZA DE CORPOS SINTERIZADOS Por Domingos T. A. Figueira Filho

DUREZA DE CORPOS SINTERIZADOS Por Domingos T. A. Figueira Filho DUREZA DE CORPOS SINTERIZADOS Por Domingos T. A. Figueira Filho 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS. Como os corpos sinterizados são compostos de regiões sólidas e poros, os valores de macrodureza determinados pelos

Leia mais

7. APLICAÇÃO DE MODELOS PARA PREVISAO DA FORÇA DE CONTATO PIG / TUBO E COMPARAÇÃO COM RESULTADOS EXPERIMENTAIS

7. APLICAÇÃO DE MODELOS PARA PREVISAO DA FORÇA DE CONTATO PIG / TUBO E COMPARAÇÃO COM RESULTADOS EXPERIMENTAIS 7. APLICAÇÃO DE MODELOS PARA PREVISAO DA FORÇA DE CONTATO PIG / TUBO E COMPARAÇÃO COM RESULTADOS EXPERIMENTAIS O objetivo principal deste trabalho era fazer uma comparação entre os valores de forças de

Leia mais

CALIBRAÇÕES. Goniômetro º 04. Nível de Bolha até 20 mm/m 0,0029 mm/m (0,6") Nível Eletrônico até 20 mm/m 0,0029 mm/m (0,6")

CALIBRAÇÕES. Goniômetro º 04. Nível de Bolha até 20 mm/m 0,0029 mm/m (0,6) Nível Eletrônico até 20 mm/m 0,0029 mm/m (0,6) CALIBRAÇÕES DESCRIÇÃO DO SERVIÇO DIMENSIONAL INSTRUMENTOS E GABARITOS DE MEDIÇÃO DE ÂNGULO Goniômetro 360 00º 04 Nível Goniômetro 360 Nível de Bolha até 20 mm/m 0,0029 mm/m (0,6") Nível Eletrônico até

Leia mais

Durômetro Portátil Digital

Durômetro Portátil Digital Durômetro Portátil Digital Para ensaios de dureza Rockwell (HRA - HRB - HRC), Brinell (HB), Vickers (HV), Shore (HS) e Leeb (HLD) Ensaio feito por impacto com esfera de carboneto de tungstênio Dispositivo

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO PLANALDO DO DISTRITO FEDERAL

CENTRO UNIVERSITÁRIO PLANALDO DO DISTRITO FEDERAL 7. Propriedades Mecânicas dos Materiais As propriedades mecânicas de um material devem ser conhecidas para que os engenheiros possam relacionar a deformação medida no material com a tensão associada a

Leia mais

Aplicações desenvolvidas no âmbito da metrologia eléctrica e de vibração no INETI usando tecnologia LabView LABORATÓRIO DE. MEDIDAS ELÉCTRICAS.

Aplicações desenvolvidas no âmbito da metrologia eléctrica e de vibração no INETI usando tecnologia LabView LABORATÓRIO DE. MEDIDAS ELÉCTRICAS. LABORATÓRIO DE MEDIDAS ELÉCTRICAS Aplicações desenvolvidas no âmbito da metrologia eléctrica e de vibração no INETI usando tecnologia LabView Luís Ribeiro Abril de 2007 1 No LME,, enquanto laboratório

Leia mais

3URFHGLPHQWR([SHULPHQWDO

3URFHGLPHQWR([SHULPHQWDO 3URFHGLPHQWR([SHULPHQWDO /LJD(VWXGDGD A liga estudada neste trabalho foi produzida pela firma francesa Pechiney Recherche na forma de placas laminadas de dimensões 270 mm de comprimento por 210 mm de largura

Leia mais

Análise de Movimento de Corpos Deformáveis usando Visão Computacional. João Manuel R. S. Tavares

Análise de Movimento de Corpos Deformáveis usando Visão Computacional. João Manuel R. S. Tavares Análise de Movimento de Corpos Deformáveis usando Visão Computacional João Manuel R. S. Tavares Janeiro de 2001 Análise de Movimento de Corpos Deformáveis usando Visão Computacional Índice Objectivos gerais:

Leia mais

Propriedades Mecânicas dos Materiais

Propriedades Mecânicas dos Materiais UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA - DEM PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS -PGCEM Propriedades Mecânicas dos Materiais Mestrando: Roger

Leia mais

3. Descrição dos Testes Experimentais

3. Descrição dos Testes Experimentais 36 3. Descrição dos Testes Experimentais Neste capítulo serão descritos todos os testes experimentais realizados. 3.1. Considerações Iniciais O sistema estrutural construído consiste em uma laje mista

Leia mais

BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE CABANAS DE VIRIATO

BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE CABANAS DE VIRIATO BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE CABANAS DE VIRIATO RELATÓRIO GEOTÉCNICO (REFª 72/2008/08/GER - 1126) Agosto de 2008 QUARTEL DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE CABANAS DE VIRIATO ÍNDICE 1- INTRODUÇÃO... 2 2- ENQUADRAMENTO

Leia mais

ENSAIOS DE CAMPO Cone / Piezocone (Cone Penetration Test - CPT / Piezo Cone Penetration Test - CPTu)

ENSAIOS DE CAMPO Cone / Piezocone (Cone Penetration Test - CPT / Piezo Cone Penetration Test - CPTu) ENSAIOS DE CAMPO Cone / Piezocone (Cone Penetration Test - CPT / Piezo Cone Penetration Test - CPTu) NORMAS - NBR 12069: Ensaio de penetração de cone (CPT) in situ; - ASTM D-344: Standard test method for

Leia mais

Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura Secção de Urbanismo, Transportes, Vias e Sistemas LABORATÓRIO DE VIAS DE COMUNICAÇÃO E TRANSPORTES

Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura Secção de Urbanismo, Transportes, Vias e Sistemas LABORATÓRIO DE VIAS DE COMUNICAÇÃO E TRANSPORTES Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura Secção de Urbanismo, Transportes, Vias e Sistemas LABORATÓRIO DE VIAS DE COMUNICAÇÃO E TRANSPORTES ANEXO 1. Introdução Este anexo ao documento sobre a proposta

Leia mais

Substrato utilizado: Alvenaria de blocos cerâmicos ranhurados, conforme Figura 01. Não houve regularização do substrato com aplicação de chapisco.

Substrato utilizado: Alvenaria de blocos cerâmicos ranhurados, conforme Figura 01. Não houve regularização do substrato com aplicação de chapisco. LABORATÓRIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL LMCC ENDEREÇO: Cidade Universitária Camobi, Santa Maria/RS CEP 97105 900 TELEFONE: (55) 220 8608 (Fax) Direção 220 8313 Secretaria 220 8468 Ensaios E-MAIL:

Leia mais

Análise da evolução de defeitos em material compósito por microscopia.

Análise da evolução de defeitos em material compósito por microscopia. Análise da evolução de defeitos em material compósito por microscopia. Aluna: Luiza Gabriela Araújo da Silva Professor: José Roberto D Almeida Introdução Amostras dos materiais estudados, um composto de

Leia mais

Figura 1 - Onda electromagnética colimada

Figura 1 - Onda electromagnética colimada Biofísica P12: Difração e interferência 1. Objectivos Observação de padrões de difração e interferência Identificação das condições propícias ao aparecimento de fenómenos de difração e interferência Aplicação

Leia mais

VISÃO COMPUTACIONAL PARA A LEITURA DO DISPOSITIVO MOSTRADOR DE INSTRUMENTOS DE MEDIÇÃO

VISÃO COMPUTACIONAL PARA A LEITURA DO DISPOSITIVO MOSTRADOR DE INSTRUMENTOS DE MEDIÇÃO VISÃO COMPUTACIONAL PARA A LEITURA DO DISPOSITIVO MOSTRADOR DE INSTRUMENTOS DE MEDIÇÃO Danilo Alves de Lima 1, Guilherme Augusto Silva Pereira 2, Flávio Henrique de Vasconcelos 3 Departamento de Engenharia

Leia mais

INTRODUÇÃO: A seleção inadequada dos materiais é a origem da maior proporção de falhas em projetos

INTRODUÇÃO: A seleção inadequada dos materiais é a origem da maior proporção de falhas em projetos Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS I AT-096 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: Antes de iniciar o conteúdo,

Leia mais

DESEMPENHO DE MISTURAS BETUMINOSAS RECICLADAS A QUENTE

DESEMPENHO DE MISTURAS BETUMINOSAS RECICLADAS A QUENTE DESEMPENHO DE MISTURAS BETUMINOSAS RECICLADAS A QUENTE ANTÓNIO MIGUEL COSTA BAPTISTA PROFESSOR ADJUNTO, DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU

Leia mais

QUÍMICA E FÍSICA DOS MATERIAIS II

QUÍMICA E FÍSICA DOS MATERIAIS II Unidade Curricular QUÍMICA E FÍSICA DOS MATERIAIS II Módulo de Física (2014 2015) Trabalho Laboratorial 2: Ângulos de contacto, molhabilidade e tensão superficial Nome: Nº Objectivos: Medição de ângulos

Leia mais

Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais

Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais 3.1 O ensaio de tração e compressão A resistência de um material depende de sua capacidade de suportar uma carga sem deformação excessiva ou ruptura. Essa

Leia mais

Dureza de materiais metálicos

Dureza de materiais metálicos Dureza de materiais metálicos Podemos considerar a dureza de um material de engenharia como sendo a propriedade mecânica de resistir à penetração ou riscamento na sua superfície. No caso dos materiais

Leia mais

Bibliografia. ABENDE. Curso básico de ultra-som. São Paulo, s/d. ABENDE. Líquidos penetrantes (apostila). São Paulo, s/d.

Bibliografia. ABENDE. Curso básico de ultra-som. São Paulo, s/d. ABENDE. Líquidos penetrantes (apostila). São Paulo, s/d. Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Bibliografia ABENDE. Curso básico de ultra-som. São Paulo, s/d. ABENDE. Líquidos penetrantes (apostila). São Paulo, s/d. ABENDE. Partículas magnéticas (apostila). São

Leia mais

Problemas de medição em Engenharia, várias ciências ou a mesma ciência? A perspectiva da instrumentação

Problemas de medição em Engenharia, várias ciências ou a mesma ciência? A perspectiva da instrumentação Problemas de medição em Engenharia, várias ciências ou a mesma ciência? A perspectiva da instrumentação João Palma Centro de Instrumentação Científica Laboratório Nacional de Engenharia Civil jpalma@lnec.pt

Leia mais

Capítulo III Processamento de Imagem

Capítulo III Processamento de Imagem Capítulo III Processamento de Imagem Proc. Sinal e Imagem Mestrado em Informática Médica Miguel Tavares Coimbra Resumo 1. Manipulação ponto a ponto 2. Filtros espaciais 3. Extracção de estruturas geométricas

Leia mais

Certificado de Qualificação Metrológica para Laboratórios de Ensaio e Calibração da Cadeia Automotiva

Certificado de Qualificação Metrológica para Laboratórios de Ensaio e Calibração da Cadeia Automotiva Certificado de Qualificação Metrológica para Laboratórios de Ensaio e Calibração da Cadeia Automotiva CERTIFICADO: Nº 005/2012 A Rede Metrológica do Estado de São Paulo qualifica o Laboratório de Calibração

Leia mais

BloCork Desenvolvimento de blocos de betão com cortiça

BloCork Desenvolvimento de blocos de betão com cortiça BloCork Desenvolvimento de blocos de betão com cortiça N. Simões, I. Castro, J. Nascimento, A. Nascimento SEMINÁRIO TECNOLOGIAS E SISTEMAS DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL - INVESTIGAÇÃO EM ACÇÃO - Viabilizar

Leia mais

Introdução cargas externas cargas internas deformações estabilidade

Introdução cargas externas cargas internas deformações estabilidade TENSÃO Introdução A mecânica dos sólidos estuda as relações entre as cargas externas aplicadas a um corpo deformável e a intensidade das cargas internas que agem no interior do corpo. Esse assunto também

Leia mais

MÉTODO NUMÉRICO PARA A DETERMINAÇÃO DO MÓDULO DE TENACIDADE DE MATERIAIS A PARTIR DE ENSAIOS DE TRAÇÃO

MÉTODO NUMÉRICO PARA A DETERMINAÇÃO DO MÓDULO DE TENACIDADE DE MATERIAIS A PARTIR DE ENSAIOS DE TRAÇÃO MÉTODO NUMÉRICO PARA A DETERMINAÇÃO DO MÓDULO DE TENACIDADE DE MATERIAIS A PARTIR DE ENSAIOS DE TRAÇÃO Autores: Pedro Henrique Gwiggner SERIGHELLI 1, Cristiano José TURRA 2, David Roza JOSÉ 3. 1 Graduando

Leia mais

Ciência e Engenharia dos Materiais. Propriedades Mecânicas. Prof. C. Brunetti

Ciência e Engenharia dos Materiais. Propriedades Mecânicas. Prof. C. Brunetti Ciência e Engenharia dos Materiais Propriedades Mecânicas Prof. C. Brunetti Porque estudar? A determinação e/ou conhecimento das propriedades mecânicas é muito importante para a escolha do material para

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC CENTRO DE ENGENHARIA, MODELAGEM E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS MATERIAIS E SUAS PROPRIEDADES (BC 1105)

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC CENTRO DE ENGENHARIA, MODELAGEM E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS MATERIAIS E SUAS PROPRIEDADES (BC 1105) UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC CENTRO DE ENGENHARIA, MODELAGEM E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS MATERIAIS E SUAS PROPRIEDADES (BC 1105) ENSAIOS MECÂNICOS PARTE A ENSAIOS DE TRAÇÃO E FLEXÃO 2 1. INTRODUÇÃO Algumas

Leia mais

NUMERICAL ANALYSE OF THE STEEL SPACE-TRUSS WITH CONSTRUCTIVE CORRECTION IN THE STAMPED CONNECTION.

NUMERICAL ANALYSE OF THE STEEL SPACE-TRUSS WITH CONSTRUCTIVE CORRECTION IN THE STAMPED CONNECTION. NUMERICAL ANALYSE OF THE STEEL SPACE-TRUSS WITH CONSTRUCTIVE CORRECTION IN THE STAMPED CONNECTION. Geverson M. de Araújo; Rafael M. de Araújo; Emanuel C. de Sousa; Cleirton A. S. de Freitas Universidade

Leia mais

6 Resultado dos Ensaios de Caracterização Mecânica de Rocha

6 Resultado dos Ensaios de Caracterização Mecânica de Rocha 6 Resultado dos Ensaios de Caracterização Mecânica de Rocha A fim de caracterizar mecanicamente os blocos de afloramento de Botucatu, denominados A e B, foram realizados ensaios de tração indireta (ensaio

Leia mais

Certificado de Qualificação Metrológica para Laboratórios de Ensaio e Calibração da Cadeia Automotiva

Certificado de Qualificação Metrológica para Laboratórios de Ensaio e Calibração da Cadeia Automotiva Certificado de Qualificação Metrológica para Laboratórios de Ensaio e Calibração da Cadeia Automotiva CERTIFICADO: A Rede Metrológica do Estado do Rio Grande do Sul qualifica o Laboratório de Calibração

Leia mais

3 Materiais e Métodos

3 Materiais e Métodos 41 3 Materiais e Métodos Serão apresentados neste capitulo os materiais e os métodos que foram utilizados no desenvolvimento deste trabalho. Durante a experiência foram utilizados cinco eletrodos oxi-rutílicos

Leia mais

AVALIAÇÃO DE ATRITO E INFLUÊNCIA DO LUBRIFICANTE POR MEIO DE ENSAIO DO ANEL EM AÇO MÉDIO CARBONO 1. Evandro Bertoldi 2.

AVALIAÇÃO DE ATRITO E INFLUÊNCIA DO LUBRIFICANTE POR MEIO DE ENSAIO DO ANEL EM AÇO MÉDIO CARBONO 1. Evandro Bertoldi 2. AVALIAÇÃO DE ATRITO E INFLUÊNCIA DO LUBRIFICANTE POR MEIO DE ENSAIO DO ANEL EM AÇO MÉDIO CARBONO 1 Evandro Bertoldi 2. 1 Projeto de Pesquisa 2 Mestrando em Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais,

Leia mais

CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL. Profª Aline Cristina Souza dos Santos

CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL. Profª Aline Cristina Souza dos Santos CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Profª Aline Cristina Souza dos Santos (alinecris16@hotmail.com) COMPORTAMENTO DOS SOLOS Objetivo da Mecânica dos Solos Caracterização Granulométrica

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIO N.º 0826 / 2005

RELATÓRIO DE ENSAIO N.º 0826 / 2005 Pág.: 1 / 16 INTERESSADO: INOVATEC ENGENHARIA E TECNOLOGIA LTDA. NATUREZA DO TRABALHO: Verificação da resistência à impactos de corpo mole e impactos de corpo duro, Comportamento sob ação de cargas provenientes

Leia mais

[2CTA121] Processamento de Imagens em Alimentos: Conceitos e Aplicações

[2CTA121] Processamento de Imagens em Alimentos: Conceitos e Aplicações [2CTA121] Processamento de Imagens em Alimentos: Conceitos e Aplicações Dr. Sylvio Barbon Junior PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DE ALIMENTOS - UEL 2016 Assunto Aula 4 Segmentação de Imagens 2 de

Leia mais

Tratamentos Térmicos 032905

Tratamentos Térmicos 032905 Tratamentos Térmicos 032905 Prof. José Eduardo Spinelli Técnico: Rover Belo Instável Transformação Normal + Fe 3 C TÊMPERA Transição REVENIDO Programa Analítico 1) Fornos e atmosferas, medidas e controle

Leia mais

Depois do corte os varões tem de ser dobrados para terem a forma pretendida e constituir as armaduras elementares

Depois do corte os varões tem de ser dobrados para terem a forma pretendida e constituir as armaduras elementares ENSAIOS MECÂNICOS Permitem perceber como os materiais se comportam quando lhes são aplicados esforços Tipos Ensaios Destrutivos provocam a inutilização do material ensaiado Ensaios Não Destrutivos Ensaio

Leia mais

Injecção de caldas cimentícias em terrenos arenosos. Modelação física

Injecção de caldas cimentícias em terrenos arenosos. Modelação física Injecção de caldas cimentícias em terrenos arenosos. Modelação física João Bilé Serra Laboratório Nacional de Engenharia Civil Edgar DuarteTomé FCT-UNL Injecção de caldas cimentícias em terrenos arenosos.

Leia mais

1. LABORATÓRIO 1 - A FORMA DE ONDA DA CORRENTE ALTERNADA

1. LABORATÓRIO 1 - A FORMA DE ONDA DA CORRENTE ALTERNADA 1-1 1. LABORATÓRIO 1 - A FORMA DE ONDA DA CORRENTE ALTERNADA 1.1 OBJETIVOS Após completar essas atividades de laboratório, você deverá ser capaz de: (a) (b) (c) (d) Medir os valores da tensão de pico com

Leia mais

A seleção inadequada dos materiais é a origem da maior proporção de falhas em projetos

A seleção inadequada dos materiais é a origem da maior proporção de falhas em projetos Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS I AT-096 M.Sc. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: Antes de iniciar o conteúdo,

Leia mais

ESTUDO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS AÇ OS INOXIDÁVEIS 304 E 434

ESTUDO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS AÇ OS INOXIDÁVEIS 304 E 434 ESTUDO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS AÇ OS INOXIDÁVEIS 304 E 434 J. A. A. Guedes Júnior, H. S. Silva e Ana V. C. Sobral Programa de Pós Graduação em Engenharia e Ciência de Materiais Universidade Federal

Leia mais

SÍNTESE DO PLANO DE TRABALHO

SÍNTESE DO PLANO DE TRABALHO SÍNTESE DO PLANO DE TRABALHO Título do Projeto: Análise dos parâmetros do processo de soldagem por fricção em liga de alumínio Convênio: SCIT 12/2012 Processo: 452-2500/12-1 Modalidade: Participação Popular

Leia mais

Material para Produção Industrial Ensaio de Dureza

Material para Produção Industrial Ensaio de Dureza Material para Produção Industrial Ensaio de Dureza Prof.: Sidney Melo 8 Período 1 O que é Dureza Dureza é a propriedade de um material que permite a ele resistir à deformação plástica, usualmente por penetração.

Leia mais

AVALIAÇÃO MECÂNICA DE TERMINAIS E BARRAS DE DIREÇÃO DE ACORDO COM

AVALIAÇÃO MECÂNICA DE TERMINAIS E BARRAS DE DIREÇÃO DE ACORDO COM Blucher Engineering Proceedings Agosto de 2014, Número 2, Volume 1 AVALIAÇÃO MECÂNICA DE TERMINAIS E BARRAS DE DIREÇÃO DE ACORDO COM A NORMA ABNT NBR 16130 Felipe Rollo 1, Celso R. Ribeiro 1 SGS Labmat

Leia mais

ITEN - INSTITUTO TECNOLÓGICO DE ENSAIOS LTDA.

ITEN - INSTITUTO TECNOLÓGICO DE ENSAIOS LTDA. ITEN - INSTITUTO TECNOLÓGICO DE ENSAIOS LTDA. Laboratório pertencente à RBLE. Relatório de Ensaios de Produtos (REP): n. 1403054-2/01 Emissão: 25.06.2014 Solicitante: Endereço: Fabricante: Eletrocal Indústria

Leia mais

Introdução ao estudo das Estruturas Metálicas

Introdução ao estudo das Estruturas Metálicas Introdução ao estudo das Estruturas Metálicas Processos de produção Propriedades físicas e mecânicas do aço estrutural FTC-116 Estruturas Metálicas Eng. Wagner Queiroz Silva UFAM Composição do aço O elemento

Leia mais

Profa. Janaina Fracaro Engenharia Mecânica ABRIL/2014

Profa. Janaina Fracaro Engenharia Mecânica ABRIL/2014 Profa. Janaina Fracaro Engenharia Mecânica ABRIL/2014 PAQUIMETRO O paquímetro é um instrumento usado para medir as dimensões lineares internas, externas e de profundidade de uma peça. Consiste em uma régua

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL COMPARATIVA DE LAJES UNIDIRECIONAIS NERVURADAS PARA DIFERENTES PROCESSOS CONSTRUTIVOS.

ANÁLISE EXPERIMENTAL COMPARATIVA DE LAJES UNIDIRECIONAIS NERVURADAS PARA DIFERENTES PROCESSOS CONSTRUTIVOS. ANÁLISE EXPERIMENTAL COMPARATIVA DE LAJES UNIDIRECIONAIS NERVURADAS PARA DIFERENTES PROCESSOS CONSTRUTIVOS. RESUMO Ricardo frazzetto Guetner (1), Alexandre Vargas (2). UNESC Universidade do Extremo Sul

Leia mais

Conceção, Simulação e Validação Experimental de Sondas de Correntes Induzidas para Ensaios Não Destrutivos de Geometrias Tubulares

Conceção, Simulação e Validação Experimental de Sondas de Correntes Induzidas para Ensaios Não Destrutivos de Geometrias Tubulares 3ª Conferência Nacional em Ensaios Não Destrutivos 15 e 16 de Dezembro 2014, Amadora, Portugal Conceção, Simulação e Validação Experimental de Sondas de Correntes Induzidas para Ensaios Não Destrutivos

Leia mais

PROPRIEDADES MECÂNICAS V

PROPRIEDADES MECÂNICAS V INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA PROGRAMA DE CIÊNCIA DOS MATERIAIS PROPRIEDADES MECÂNICAS V Propriedades dos Materiais Ten Cel Sousa Lima, D. C. SUMÁRIO Dureza Fatores de projeto/segurança Durômetro Rockwell

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia. Curso de Automação Controlo e Instrumentação METROLOGIA. Trabalho 4

Escola Superior de Tecnologia. Curso de Automação Controlo e Instrumentação METROLOGIA. Trabalho 4 1 Escola Superior de Tecnologia Curso de Automação Controlo e Instrumentação METROLOGIA Guia de Trabalho de Laboratório Trabalho 4 Calibração de uma resistência utilizando métodos de comparação e de substituição

Leia mais

The Helium Frog Animator Manual e Guia de exploração do The Helium Frog Animator para utilização em contexto de Educação Visual e Tecnoló gica

The Helium Frog Animator Manual e Guia de exploração do The Helium Frog Animator para utilização em contexto de Educação Visual e Tecnoló gica Estudo sobre a integração de ferramentas digitais no currículo da disciplina de Educação Visual e Tecnológica The Helium Frog Animator Manual e Guia de exploração do The Helium Frog Animator para utilização

Leia mais

Ciência dos Materiais CM2

Ciência dos Materiais CM2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS JOINVILLE CURSO DE TÉCNICO EM MECÂNICA INTEGRADO AO

Leia mais

METODOLOGIA DE MEDIÇÃO AUTOMÁTICA DE DUREZA BRINELL POR MEIO DE TÉCNICAS DE VISÃO COMPUTACIONAL

METODOLOGIA DE MEDIÇÃO AUTOMÁTICA DE DUREZA BRINELL POR MEIO DE TÉCNICAS DE VISÃO COMPUTACIONAL METODOLOGIA DE MEDIÇÃO AUTOMÁTICA DE DUREZA BRINELL POR MEIO DE TÉCNICAS DE VISÃO COMPUTACIONAL Vilson Berilli Mendes Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica Universidade Federal Fluminense Grupo

Leia mais

Catálogo de produtos consumíveis para preparação metalográfica

Catálogo de produtos consumíveis para preparação metalográfica Catálogo de produtos consumíveis para preparação metalográfica Arotec www.arotec.com.br Matriz Rua São Vicente, 289, Parque Rincão. Cotia/SP CEP 06705-435 Fones: (11) 4613-8600 Central (11) 4613-8619;

Leia mais

FERROS FUNDIDOS. Peças de geometria complexa. Peças onde a deformação plástica é inadmissível.

FERROS FUNDIDOS. Peças de geometria complexa. Peças onde a deformação plástica é inadmissível. FERROS FUNDIDOS FERROS FUNDIDOS Peças de geometria complexa. Peças onde a deformação plástica é inadmissível. FERROS FUNDIDOS FF CINZENTO (Gray iron) FF DÚCTIL ou Nodular (Spheroidal iron) FF BRANCO

Leia mais

AULA 4 Materiais de Construção II

AULA 4 Materiais de Construção II AULA 4 Materiais de Construção II Introdução Para a construção, as propriedades que interessam considerar aos metais são várias, concretamente, a aparência, densidade, dilatação e condutibilidade térmica,

Leia mais

Conceitos Básicos INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO E SUAS APLICAÇÕES

Conceitos Básicos INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO E SUAS APLICAÇÕES FACULDADE DOS GUARARAPES INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO E SUAS APLICAÇÕES Conceitos Básicos Prof. Rômulo César romulodandrade@gmail.com romulocesar@faculdadeguararapes.edu.br www.romulocesar.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

Características do fuso de esferas

Características do fuso de esferas Torque de acionamento de um terço do parafuso deslizante Com o fuso de esferas, esferas rolam entre o eixo parafuso e a castanha para alcançar uma alta eficiência. O torque de acionamento necessário é

Leia mais

Engenharia Automóvel

Engenharia Automóvel Aquisição e visualização de dados dos veículos em teste no banco de potência. Autores do Trabalho: Luís Cardiga Fernando Ferreira Orientador Eng. João Fonseca Pereira 7 de Janeiro de 24 Apresentação de

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIO Nº CCC/ /1/10 PORTA DE MADEIRA PARA EDIFICAÇÃO ENSAIOS DIVERSOS

RELATÓRIO DE ENSAIO Nº CCC/ /1/10 PORTA DE MADEIRA PARA EDIFICAÇÃO ENSAIOS DIVERSOS Relatório de Ensaio nº CCC/190.966/1/10 Pág.: 1/6 Laboratório de Ensaio Acreditado pela Cgcre/Inmetro de acordo com a NBR ISO/IEC 17025 sob o nº CRL-003. O INMETRO é signatário do Acordo de Reconhecimento

Leia mais

PROPRIEDADES FÍSICAS, QUÍMICAS E MECÂNICAS DOS MATERIAIS

PROPRIEDADES FÍSICAS, QUÍMICAS E MECÂNICAS DOS MATERIAIS CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA MATERIAIS PARA CONSTRUÇÃO MECÂNICA PROPRIEDADES FÍSICAS, QUÍMICAS E MECÂNICAS DOS MATERIAIS PROF. M. SC. MARCONI FURTADO 2013 Importância. Propriedades físicas dos materiais Comportamento

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais. Condutores Elétricos. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki

Instalações Elétricas Prediais. Condutores Elétricos. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Conceito -É assim chamado todo material que possui a propriedade de conduzir ou transportar energia elétrica. -Os condutores devem ser analisados sobre seguintes aspectos.

Leia mais