Tolerância a Faltas. Departamento de Engenharia Informática

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tolerância a Faltas. Departamento de Engenharia Informática"

Transcrição

1 Tolerância a Faltas Departamento de Engenharia Informática

2 Índice Terminologia Falta, erro, falha Fiabilidade, disponibilidade Replicação

3 Sistema Computacional Sistema computacional: Formado por um conjunto de componentes internas Contém um estado interno Está sujeito a um conjunto de entradas, ou estímulos externos Tem um determinado comportamento Produz resultados em função das entradas e do seu estado interno Comportamento: Especificado Observado Serviço cumprido Serviço interrompido

4 Sistema Computacional Subsistemas Estímulos Saídas Sistema Um sistema tem uma especificação funcional do seu comportamento que define em função de determinadas entradas e do seu estado quais as saídas.

5 Sistema Computacional Subsistemas Estímulos Saídas Sistema Sistema determinístico se as saídas e o estado seguinte forem uma função (determinística) dos estímulos e do estado actual

6 Falta, Erro, Falha Falta (fault): acontecimento que altera o padrão normal de funcionamento de uma dada componente do sistema Erro (error): transição do sistema, provocada por uma falta, para um estado interno incorrecto Estado interno inadmissível Estado interno admissível mas não o especificado para estas entradas Falha (failure): um sistema falha quando se desvia da sua especificação de funcionamento Num determinado estado, o resultado produzido por uma dada entrada não corresponde ao esperado

7 Falta->Erro->Falha Exemplo: Falta: cabo de alimentação desligado Erro: o processador (e restantes componentes) não funcionam Falha: o computador não arranca Falha: desvio do comportamento especificado Erro: Uma falha ocorre devido a um erro Falta: A causa de um erro é uma falta Falta Erro Falha Falta Erro Falha

8 Exemplo de Falta: o primeiro bug

9 Erros Latentes e Efectivos Latência de um erro tempo que decorre entre a ocorrência de um erro e da falha correspondente. Erro Latente: ainda não causou falha Efectivo: quando causa a falha

10 Exemplo: bug software Falta: engano de um programador ao definir a lógica de uma instrução Erro: instrução errada Erro fica latente até esta instrução ser executada Falha: execução da instrução errada O erro torna-se efectivo e o programa falha

11 Exemplo: bit de memória defeituoso Falta: funcionamento incorrecto de uma posição de memória, em que um bit fica sempre com o valor 1 Não dá origem a erro se Esta posição de memória não for utilizada Se não for escrito um 0 naquele bit Erro: escrita de um octeto com o bit a 0 Erro processado (ex: bits de paridade com correcção) => Serviço continua a ser prestado de acordo com a especificação Falta foi tolerada Erro não processado => Erro fica latente até esta posição de memória ser lida Falha: leitura de um valor incorrecto da posição de memória O erro torna-se efectivo e o sistema de memória falha, não funciona de acordo com o especificado

12 Modelo de base da Tolerância a Faltas Falta Erro latente Activação Processamento do erro Erro Efectivo Continuação do serviço Falha Impossibilidade de fornecer o Serviço

13 Tipos de Faltas Causa Física: fenómenos eléctricos, mecânicos, Humana Acidental: concepção, operação, Intencional: ataque premeditado (consideradas no capítulo de segurança) Estudo (2003) sobre falhas em serviços na Internet: Erros humanos (operação) são a principal causa de faltas. Origem Interna: componentes internos, programa, Externa: temperatura, falta de energia,

14 Classificação das Faltas Duração Permanentes: mantêm-se enquanto não forem reparadas (ex: cabo de alimentação desligado) Fáceis de detectar Difíceis de reparar Temporárias: ocorrem apenas durante um determinado período, geralmente por influência externa Difíceis de reproduzir, detectar Fáceis de reparar Faltas transientes: ficam reparadas imediatamente após terem ocorrido (ex.: perda de mensagem)

15 Classificação das Faltas Determinismo Determinísticas: Dependem apenas da sequência de inputs Repetindo essa sequência, reproduzimos a falta Não-Determinísticas ( Heisenbugs ): Dependem de outros factores (e.g., escalonamento de threads, leituras do relógio, ordem de entrega de mensagens) Difíceis de reproduzir, depurar

16 Modelo de Faltas No modelo de faltas é necessário identificar quais as expectáveis e em seguida decidir: quais as faltas que vão ser toleradas quais as que não vão ser toleradas. A relação entre as faltas que têm possibilidade de ser recuperadas e o conjunto de faltas previsíveis define uma taxa de cobertura Falta densa: acumulação de tantas faltas toleráveis que deixa de ser tolerável As faltas que originam erros sem possibilidade de tratamento dão origem a catástrofes

17 Modelo de Faltas num Sistema Distribuído Num sistema distribuído o modelo de faltas é muito mais complexo que num sistema centralizado. Várias componentes do sistema podem falhar: Falhas na comunicação Falhas nos nós Processadores/Sistema Processos servidores ou clientes Meios de Armazenamento Persistente

18 Modelo de Faltas num Sistema Distribuído Comunicação Faltas mais prováveis Falta temporária ou transiente Protocolos de transporte com tratamento de erros - TCP RPC com semânticas - pelo-menos-uma-vez, no máximouma-vez Falta permanente Impossível de recuperar sem redundância física redes malhadas, cablagens duplas

19 Modelo de Faltas num Sistema Distribuído Sistema síncrono assume-se a existência de uma latência máxima entre nós da rede (bem conhecida) e um tempo máximo de processamento de cada mensagem Normalmente este modelo pressupõe que não é necessário tratar de retransmissões, o transporte abstrai essa complexidade Sistema assíncrono ambos os pressupostos acima não são válidos Mais realista, e.g., durante uma partição na rede, ou ataque DoS Num sistema assíncrono é impossível a detecção remota de falhas por paragem Pode ser confundida com um aumento na latência

20 Tipos de faltas em Sistemas Distribuídos Faltas de processos (omission failures) faltas por paragem silenciosa (crash) faltas que fazem com que o processo suspenda a sua actividade, deixando de enviar mensagens para a rede, sem pré-aviso. falta por paragem detectável (failstop failures): falta silenciosa em que a paragem de um processo é detectável pelos outros processos (e.g., o próprio processo ou um outro processo consegue detectar a falta e notificar os outros nós). Faltas de omissão do canal falta de perda de mensagem: mensagem enviada não chega ao receptor

21 Tipos de faltas em Sistemas Distribuídos Faltas arbitrárias (ou bizantinas) faltas que fogem ao padrão de comportamento especificado para a componente, por exemplo, um nó da rede que envia mensagens correctas a um interlocutor e erradas a outro. (útil para tolerar ataques ou erros de SW) Faltas de temporização Algum dos pressupostos de tempo de um sistema síncrono deixa de ser garantido Não fazem sentido em sistemas assíncronos

22 Tipos de faltas em Sistemas Distribuídos Pela sua importância na simplificação dos sistemas é muitas vezes assumido que a falta é silenciosa sem que haja real demonstração que é assim. No tipo de faltas que é vulgar não considerar no subconjunto a recuperar temos: faltas densas - resultam da acumulação de faltas, não permitindo o seu tratamento porque são superiores à redundância do sistema ou à sua capacidade de manutenção; faltas bizantinas Ao pressupor um modelo de faltas não verificado na realidade, um sistema desenhado para ser tolerante a faltas pode não cumprir a sua especificação

23 Exemplo: Tolerância de Faltas de Media Disco 1 o t s a h f b w o t s a' h b w f o t s a' The image cannot be displayed. Your computer may not have f b w Erro de Leitura Disco 2 o t s a h f b w o t s a' h f b w o t s a' b w h f (a) (b) (c) Baseia-se na falta por paragem detectável do sector de que tem um erro

24 Fiabilidade, Disponibilidade Fiabilidade (reliability): mede o tempo médio desde o instante inicial até à próxima falha MTTF (Mean Time To Failure): medida estatística da fiabilidade Este é o critério fundamental se o sistema não for reparável Disponibilidade (availability): mede a relação entre o tempo em que um serviço é fornecido e o tempo decorrido MTTR (Mean Time to Repair): medida estatística da interrupção de serviço Disponibilidade = MTTF / (MTTF + MTTR)

25 Probabilidades P(A): Probabilidade de A (e.g., falta) acontecer numa dada unidade de tempo (P(A) << 1) A, B, C: Acontecimentos independentes, sem memória P(A B) P(A B) = P(A) * P(B) = P(A) + P(B) - P(A)*P(B) P(A) + P(B) Tempo médio até ao acontecimento (Mean Time to Event) MT(A) = 1 / P(A) Tempo médio até um de vários acontecimentos A, B, C MT(G) 1 / [P(A) + P(B) + P(C)] = 1 / [ 1/MT(A) + 1/MT(B) + 1/MT(C) ] Tempo médio num sistema constituído por N sistemas do tipo MT(NG) MT(A) / N

26 Classes de Disponibilidade Tipo Indisponibilidade Disponibilidade Classe (min/ano) Não gerido % 1 Gerido % 2 Bem gerido % 3 Tolerante a faltas % 4 Alta disponibilidade % 5 Muito alta disponibilidade % 6 Ultra disponibilidade % 7 Classe de Disponibilidade = log 10 [1 / (1 - D)] D: Disponibilidade (Também chamado o número de noves de disponibilidade )

27 Exemplos de Classes de Disponibilidade Especificações existentes: Classe 5: equipamento de monitorização de reactores nucleares Classe 6: centrais telefónicas Classe 9: computadores de voo

28 Políticas de Tolerância a Faltas Qualquer política de tolerância a faltas baseia-se na existência de um mecanismo redundante que possibilite que a função da componente comprometida seja obtida de outra forma. A redundância pode assumir diversas formas: física ou espacial, com duplicação de componentes; temporal, com repetição da mesma acção; informação com algoritmos que calculam um estado correcto.

29 Políticas de Tolerância a Faltas Recuperação do erro substitui um estado errado por um estado correcto, podendo tornar sem efeito algumas etapas do processamento já efectuado. Esta política implica, detecção do erro, cálculo de um estado anterior ou posterior correcto. Durante o tempo de recuperação o sistema fica indisponível.

30 Políticas de Tolerância a Faltas Compensação do erro baseia-se na possibilidade de, mesmo na presença de um erro numa componente, ser possível calcular um estado correcto a partir de componentes redundantes. A arquitectura do sistema tem de possuir redundância suficiente para ser capaz de computacionalmente definir o estado correcto, apesar de um estado interno errado. Esta abordagem procura limitar ou eliminar o período de recuperação, ou seja, maximizar a disponibilidade do sistema. As duas políticas não são mutuamente exclusivas

31 Arquitecturas Tolerantes a faltas em Sistemas Distribuídos Replicação de Servidores Transacções Atómicas

32 Protocolos de Replicação Replicação passiva vs. activa Replicação de máquinas de estados vs. Replicação com operações de Leitura/Escrita (registos)

33 Replicação Passiva vs. Activa Replicação Passiva ( primary-backup ) - existe um servidor principal com que os clientes interactuam. Os restantes servidores estão de reserva (backups), de forma a que, quando detectam que o servidor primário falhou, um deles torna-se o primário; Recuperação da falta Replicação Activa sem existir controlo centralizado, todos os servidores recebem pela mesma ordem os pedidos dos clientes, efectuam a operação, determinam qual o resultado correcto por votação, e respondem ao cliente. Compensação da falta

34 Replicação de máquinas de estados vs. leituras/escritas Departamento de Engenharia Informática Replicação de máquinas de estados Réplicas são máquinas de estados determinísticas Operações arbitrárias (qualquer serviço determinístico) Algoritmo de replicação garante que todas réplicas executam a mesma sequência de operações (pedidos) Replicação com operações de Leitura/Escrita ( registo ) Suporta duas operações: Leitura e escrita de um objecto (registo) val = read( ); ack = write(new_val); Menos genérico (interface muito restrita) Algoritmos de replicação mais simples: apenas têm de garantir acordo eventual no último valor escrito

35 Replicação de máquinas de estados vs. leituras/escritas Departamento de Engenharia Informática Especificações (comportamento esperado do sistema replicado) Leituras/Escritas: operação read tem de retornar o último valor escrito E quando há escritas concorrentes? Neste caso existem várias semânticas diferentes Para simplificar vamos deixar por especificar Replicação de máquinas de estados: sistema replicado deve ser equivalente (do ponto de vista dos clientes) a um servidor centralizado que nunca falha, e que executa os pedidos sequencialmente por uma ordem por ele determinada, consistente com a ordem em que são emitidos

36 Replicação Passiva Cliente Servidor Principal Servidor Secundário

37 Replicação Passiva RM Cliente FE RM Cliente FE RM

38 Protocolo Simples Replicação Passiva (Replicação Máquina de Estados) P1: servidor primário P2: servidor secundário Quando P1 recebe um pedido: Processa-o e actualiza o seu estado interno Envia uma mensagem update a P2 Responde ao cliente, sem esperar pela resposta de P2 P2 actualiza o seu estado quando recebe as mensagens update de P1 P1 envia a P2 mensagens I m alive cada P unidades de tempo Se P2 não receber uma mensagem I m alive após expirar um temporizador, torna-se o primário: Avisa os clientes Começa a processar os pedidos

39 Protocolo Simples de Replicação Passiva c P 1 3 s 1 4 Mensagens de Prova de vida 2 s 2 t max timeout =? Em que instante s2 pode assumir que é o primário?

40 Pressupostos Sistema síncrono: A comunicação é fiável (o transporte recupera de faltas temporárias de comunicação e não há faltas permanentes); Pode definir-se um limite para o tempo máximo de transmissão de uma mensagem na rede (t max ) e para o respectivo processamento; A rede assegura uma ordem FIFO na comunicação Relógios das máquinas estão sincronizados (ou, pelo menos, as respectivas velocidades) Servidores podem ter faltas por paragem silenciosa (crash) O que pode acontecer se falharem estes pressupostos?

41 Custos da Replicação Passiva Grau de replicação: número de servidores usados para implementar o serviço Tempo de resposta (blocking time): tempo máximo entre um pedido e a sua resposta, no período sem falhas Tempo de recuperação (failover time): Tempo desde falha do primário até cliente ser notificado do novo primário Objectivo: assumindo que f componentes podem falhar, minimizar o grau de replicação, tempo de resposta e tempo de recuperação.

42 Protocolo Simples de Replicação Passiva Custos Grau de replicação: óptimo (f+1 réplicas toleram f faltas) Tempo de resposta: 2*t max (ignorando tempo de processamento) Tempo de recuperação: P+3*t max (desde falha até cliente ser notificado)

43 Replicação Activa RM Cliente FE FE Cliente RM RM

44 Protocolos de Quóruns Replicação activa Replicação com operações de Leitura/Escrita Menos genérico do que o anterior Pressupostos: Falhas por paragem (crash) Sistema assíncrono, falhas na comunicação Requer 2f+1 réplicas para tolerar f falhas dos nós servidores

45 Protocolos de Quóruns Sistema de Quóruns: conjunto de sub-conjuntos das réplicas, tal que quaisquer dois sub-conjuntos se intersectam. Por exemplo: N réplicas à Quórum: qualquer maioria: Q >N/2 Cada réplica guarda: valor do objecto (registo) respectivo timestamp

46 Protocolos de Quóruns Operação de Leitura Envia pedido de leitura para todas as réplicas (retransmitindo-o até concluir a operação, para colmatar falhas temporárias na rede) Ao receber pedido, réplica responde ao cliente com valor actual de <val,ts> Cliente aguarda resposta de um quórum Escolhe valor da réplica associado ao maior timestamp

47 Protocolos de Quóruns Operação de Escrita (2 fases leitura e escrita) Efectua pedido de leitura a todas as réplicas (ler timestamp actual) Aguarda resposta de um quórum Escolha o maior timestamp, t, e incrementa Efectua um um novo pedido a todas as réplicas para escrever <novo-val, t+1> (Servidores respondem ack, e apenas guardam novo-val se o timestamp for maior do que o actual) Cliente aguarda acknowledge de um quórum Problema: Duas escritas concorrentes podem escolher o mesmo timestamp Solução: timestamp = <Nº seq., client-id>

48 Protocolos de Quóruns: Versão 1 escritor, múltiplos leitores Escritor mantém número de sequência, seq Operação de Escrita ts = ++seq Envia write(novo-val, ts) a todas as réplicas (Servidores respondem ack, e apenas guardam novo-val se o timestamp for maior do que o actual) Escritor aguarda acknowledge de um quórum Assim que tiver acknowledge de um quórum considera a escrita completada Operação de Leitura Leitor envia pedido de leitura para todas as réplicas Réplica responde com valor actual de <val,ts> Cliente aguarda resposta de um quórum Retorna valor associado ao maior timestamp à aplicação

49 Protocolos de Quóruns: versão múltiplos escritores/múltiplos leitores Operação de Escrita (2 fases leitura e escrita) Efectua pedido de leitura a todas as réplicas (ler timestamp actual) Aguarda resposta de um quórum Escolha o maior timestamp, t, e incrementa Efectua um um novo pedido a todas as réplicas para escrever <novo-val, t+1> (Servidores respondem ack, e apenas guardam novo-val se o timestamp for maior do que o actual) Cliente aguarda acknowledge de um quórum Problema: Duas escritas concorrentes podem escolher o mesmo timestamp Solução: timestamp = <Nº seq., client-id>

50 Exemplo (Protocolos de Quóruns) c c calcula t 1 = <t 0.seq#+1, cid> r1 x r1 r2 r3 x r2 r3 Fase de Leitura Lê <v 0,t 0 > Fase de Escrita Escreve <v 1,t 1, > Oper. de Leitura Lê <v 1,t 1 > Oper. de Escrita do valor v 1

51 Quorum Consensus Read quorum of R votes Write quorum of W votes W > metade dos votos totais R + W > numero de votos total do grupo 8/28/2003 José Alves Marques

52 Replicação de máquinas de estados vs. leituras/escritas Departamento de Engenharia Informática Especificações (comportamento esperado do sistema replicado) Leituras/Escritas: operação read tem de retornar o último valor escrito de um registo replicado E quando há escritas concorrentes? Neste caso existem várias semânticas diferentes Para simplificar vamos deixar por especificar Replicação de máquinas de estados: sistema replicado deve ser equivalente (do ponto de vista dos clientes) a um servidor centralizado que nunca falha, e que executa os pedidos sequencialmente por uma ordem por ele determinada, consistente com a ordem em que são emitidos

53 Replicação de Máquinas de Estados em Sistemas Assíncronos Protocolos bastante complexos. Exemplo: Paxos Combina técnicas dos protocolos anteriores Servidor primário determina ordem global dos pedidos e notifica um quórum dos secundários dessa ordem Quando o primário falha dá-se um protocolo de view-change para eleger um novo primário A view-change conclui quando há acordo, por parte de um quórum, sobre o novo primário Mais detalhes em: L. Lamport, The part-time parliament. In ACM Transactions on Computer Systems

Tolerância a Faltas. 8/28/2003 José Alves Marques. Sistema Computacional

Tolerância a Faltas. 8/28/2003 José Alves Marques. Sistema Computacional Tolerância a Faltas Sistema Computacional Sistema computacional: Formado por um conjunto de componentes internas Contém um estado interno Está sujeito a um conjunto de entradas, ou estímulos externos Tem

Leia mais

Arquitecturas Tolerantes a faltas em Sistemas Distribuídos

Arquitecturas Tolerantes a faltas em Sistemas Distribuídos Arquitecturas Tolerantes a faltas em Sistemas Distribuídos Replicação de Servidores Transacções Atómicas Protocolos de Replicação Replicação passiva vs. activa Replicação de máquinas de estados vs. Replicação

Leia mais

Tolerância a Faltas. Índice. Terminologia. Replicação Passiva e activa Modelo Transaccional Transacções distribuídas

Tolerância a Faltas. Índice. Terminologia. Replicação Passiva e activa Modelo Transaccional Transacções distribuídas Tolerância a Faltas Índice Terminologia Falta, erro, falha Fiabilidade, disponibilidade Replicação Passiva e activa Modelo Transaccional Transacções distribuídas Sistema Computacional Sistema computacional:

Leia mais

Replicação de servidores

Replicação de servidores Arquiteturas Tolerantes a faltas em Sistemas Distribuídos Replicação de servidores Replicação: que benefícios nos dá? 1) Melhor desempenho e escalabilidade Replicar serviços permite que algumas operações

Leia mais

Falha benigna. Sistema. Sistema Próprio. Interrompido. Restauração. Falha catastrófica. Falha catastrófica. Sistema. Impróprio

Falha benigna. Sistema. Sistema Próprio. Interrompido. Restauração. Falha catastrófica. Falha catastrófica. Sistema. Impróprio INE 5418 Segurança de Funcionamento Tipos de s Detecção de s Recuperação de s Segurança de Funcionamento Representa a confiança depositada em um determinado sistema em relação ao seu correto funcionamento

Leia mais

Sistemas Distribuídos e Tolerância a Falhas Mestrado em Engenharia Informática - Ramo Redes e Multimédia. 1ª ano / 2ª semestre

Sistemas Distribuídos e Tolerância a Falhas Mestrado em Engenharia Informática - Ramo Redes e Multimédia. 1ª ano / 2ª semestre Sistemas Distribuídos e Tolerância a Falhas Mestrado em Engenharia Informática - Ramo Redes e Multimédia Bibliografia: 1ª ano / 2ª semestre - Basic Concepts and Taxonomy of Dependable and Secure Computing,

Leia mais

Sistemas Distribuídos e Paralelos

Sistemas Distribuídos e Paralelos Sistemas Distribuídos e Paralelos Tolerância a Falhas Ricardo Mendão Silva Universidade Autónoma de Lisboa r.m.silva@ieee.org January 14, 2015 Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Faculdades SENAC Análise e Desenvolvimento de Sistemas 1 de agosto de 2009 Conceitos Conança de Funcionamento (Dependability) Representa a conança depositada em um determinado sistema em relação ao seu

Leia mais

Sistemas Distribuídos e Tolerância a Falhas

Sistemas Distribuídos e Tolerância a Falhas Processamento de erros Detectar / Recuperar/ Mascarar 1º passo: Detecção. A detecção de um erro pode ser realizada por mecanismos como: - códigos de detecção de erros, - timeouts - watchdogs - verificações

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Introdução a Tolerância a Falhas

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Introdução a Tolerância a Falhas Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Introdução a Tolerância a Falhas Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA http://www.lsd.ufma.br

Leia mais

Consensos. Universidade da Beira Interior Mestrado em Engenharia Informática Sistemas Distribuídos e Tolerância a Falhas

Consensos. Universidade da Beira Interior Mestrado em Engenharia Informática Sistemas Distribuídos e Tolerância a Falhas Universidade da Beira Interior Mestrado em Engenharia Informática Sistemas Distribuídos e Tolerância a Falhas Consensos Trabalho elaborado por: Catarina Nunes nº 2064 Diogo Sousa nº 2289 Vera Marcelino

Leia mais

Resumo. Introdução Classificação Fases Curiosidades

Resumo. Introdução Classificação Fases Curiosidades Tolerância à falha Resumo Introdução Classificação Fases Curiosidades Introdução Sistemas Tolerantes a Falhas são aqueles que possuem a capacidade de continuar provendo corretamente os seus serviços mesmo

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO. Licenciatura em Engenharia Informática e Computadores Alameda e Taguspark

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO. Licenciatura em Engenharia Informática e Computadores Alameda e Taguspark UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Licenciatura em Engenharia Informática e Computadores Alameda e Taguspark Sistemas Distribuídos e Engenharia de Software Projecto de 2010/2011

Leia mais

Sincronização. Tempo e Relógios. Sincronização de Relógios - Algoritmo de Cristian - Algoritmo de Berkeley - Network Time Protocol

Sincronização. Tempo e Relógios. Sincronização de Relógios - Algoritmo de Cristian - Algoritmo de Berkeley - Network Time Protocol Sincronização Tempo e Relógios Sincronização de Relógios - Algoritmo de Cristian - Algoritmo de Berkeley - Network Time Protocol 1 O papel do tempo Crucial na ordenação de eventos Tempo Real? - Função

Leia mais

Sistemas Distribuídos Aula 15

Sistemas Distribuídos Aula 15 Sistemas Distribuídos Aula 15 Msc. Daniele Carvalho Oliveira Doutoranda em Ciência da Computação - UFU Mestre em Ciência da Computação UFU Bacharel em Ciência da Computação - UFJF 8. Tolerância a Falha

Leia mais

B.I.S.T. Built-In Self Test

B.I.S.T. Built-In Self Test Instituto Superior de Engenharia do Porto Mestrado de Engenharia Electrotécnica Automação e Sistemas Disciplina de Síntese Alto Nível de Componentes Programáveis B.I.S.T. Built-In Self Test Elaborado por:

Leia mais

1- Replicação de Dados - A replicação de dados permite lidar com falhas ao nível dos nós que impeçam o acesso

1- Replicação de Dados - A replicação de dados permite lidar com falhas ao nível dos nós que impeçam o acesso 1- Replicação de Dados - A replicação de dados permite lidar com falhas ao nível dos nós que impeçam o acesso aos dados neles armazenados e com falhas ao nível da comunicação de dados. - Na replicação

Leia mais

1- Replicação de Dados - A replicação de dados permite lidar com falhas ao nível dos nós que impeçam o acesso

1- Replicação de Dados - A replicação de dados permite lidar com falhas ao nível dos nós que impeçam o acesso 1- Replicação de Dados - A replicação de dados permite lidar com falhas ao nível dos nós que impeçam o acesso aos dados neles armazenados e com falhas ao nível da comunicação de dados. - Na replicação

Leia mais

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa.

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa. CLUSTERS Pode-se pegar uma certa quantidade de servidores e juntá-los para formar um cluster. O serviço então é distribuído entre esses servidores como se eles fossem uma máquina só. Um cluster de servidores

Leia mais

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários.

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários. Os sistemas computacionais atuais permitem que diversos programas sejam carregados na memória e executados simultaneamente. Essa evolução tornou necessário um controle maior na divisão de tarefas entre

Leia mais

Fault Tolerance Middleware for Cloud Computing

Fault Tolerance Middleware for Cloud Computing Sistemas Distribuídos e Tolerância a Falhas Fault Tolerance Middleware for Cloud Computing Docente: Prof. Drª Paula Prata 2010-2011 Universidade da Beira Interior Paula Freire M3841 Tiago Machado M3863

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Modelos e arquitecturas 14/15 Sistemas Distribuídos 1 Modelos arquitecturais 14/15 Sistemas Distribuídos 2 Camadas de Software: o Middleware Aplicações Middleware Sistema Operativo

Leia mais

9 Fiabilidade, testes e tolerância a falhas

9 Fiabilidade, testes e tolerância a falhas 9 Fiabilidade, testes e tolerância a falhas Um sistema fiável é o resultado de um processo sólido de desenho, boa engenharia, e um processo sólido de testes. Neste capítulo vamos discutir fiabilidade,

Leia mais

Processo de análise estruturada - Abordagem clássica

Processo de análise estruturada - Abordagem clássica Processo de análise estruturada - Abordagem clássica Desenvolver modelo físico actual Modelo físico actual Modelos a desenvolver tendo em conta a abordagem clássica Desenvolver modelo lógico actual Modelo

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Ricardo Ribeiro dos Santos ricrs@ec.ucdb.br

Sistemas Distribuídos. Ricardo Ribeiro dos Santos ricrs@ec.ucdb.br Sistemas Distribuídos Ricardo Ribeiro dos Santos ricrs@ec.ucdb.br Curso de Engenharia de Computação UCDB Novembro/2003 Tópicos Tolerância a falhas em comunicação em grupo Tolerância a falhas em comunicação

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

Sistemas Distribuídos Comunicação entre Processos em Sistemas Distribuídos: Middleware de comunicação Aula II Prof. Rosemary Silveira F. Melo Comunicação em sistemas distribuídos é um ponto fundamental

Leia mais

Ferramentas de Modelação e Análise de Sistemas baseadas em Redes de Petri (RdP)

Ferramentas de Modelação e Análise de Sistemas baseadas em Redes de Petri (RdP) Ferramentas de Modelação e Análise de Sistemas baseadas em Redes de Petri (RdP) Existem inúmeras ferramentas (software) baseadas em RdP que permitem desenvolver modelar e analisar sistema de RdP. Algumas

Leia mais

Infraestrutura de Hardware. Entrada/Saída: Armazenamento

Infraestrutura de Hardware. Entrada/Saída: Armazenamento Infraestrutura de Hardware Entrada/Saída: Armazenamento Perguntas que Devem ser Respondidas ao Final do Curso Como um programa escrito em uma linguagem de alto nível é entendido e executado pelo HW? Qual

Leia mais

Armazenamento de Informação. André Zúquete, João Paulo Barraca SEGURANÇA INFORMÁTICA E NAS ORGANIZAÇÕES 1

Armazenamento de Informação. André Zúquete, João Paulo Barraca SEGURANÇA INFORMÁTICA E NAS ORGANIZAÇÕES 1 Armazenamento de Informação André Zúquete, João Paulo Barraca SEGURANÇA INFORMÁTICA E NAS ORGANIZAÇÕES 1 Problemas Os discos/ssd avariam E cada vez há mais informação digital vital É preciso minimizar

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Comunicação Inter-Processos Sockets e Portas Introdução Sistemas distribuídos consistem da comunicação entre processos

Leia mais

3. Comunicação em Sistemas Distribuídos

3. Comunicação em Sistemas Distribuídos 3. Comunicação em 3.1.Troca de mensagens As mensagens são objetos de dados cuja estrutura e aplicação são definidas pelas próprias aplicações que a usarão. Sendo a troca de mensagens feita através de primitivas

Leia mais

Sistemas Distribuídos e Tolerância a Falhas. Tempo e Relógios. Baseado no trabalho de: Ana Sofia Cunha m1892 Christian Lopes a15132 UBI, 2008

Sistemas Distribuídos e Tolerância a Falhas. Tempo e Relógios. Baseado no trabalho de: Ana Sofia Cunha m1892 Christian Lopes a15132 UBI, 2008 Sistemas Distribuídos e Tolerância a Falhas Tempo e Relógios 1 Baseado no trabalho de: Ana Sofia Cunha m1892 Christian Lopes a15132 UBI, 2008 O papel do tempo 2 Crucial na ordenação de eventos Tempo Real?

Leia mais

Segurança em Sistemas Informáticos

Segurança em Sistemas Informáticos Segurança em Sistemas Informáticos Politicas de Segurança Quando é que se torna necessário uma política de segurança? Quando existe um Bem Num espaço partilhado Uma politica de segurança procura garantir

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores I

Arquitetura e Organização de Computadores I Arquitetura e Organização de Computadores I Interrupções e Estrutura de Interconexão Prof. Material adaptado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Interrupções

Leia mais

Grupo I [6,6v] Responda com os valores que se observam depois da chamada acontecer. 1 Falta na mensagem de resposta. Valor retornado na chamada

Grupo I [6,6v] Responda com os valores que se observam depois da chamada acontecer. 1 Falta na mensagem de resposta. Valor retornado na chamada Número: Nome: Pági 1 de 6 LEIC/LETI 2013/14, Repescagem do 1º Teste de Sistemas Distribuídos, 1/7/14 Responda no enunciado, apes no espaço fornecido. Identifique todas as folhas. Duração: 1h30m Grupo I

Leia mais

Sistemas Distribuídos Grupos

Sistemas Distribuídos Grupos Sistemas Distribuídos Grupos Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Roteiro da Aula Roteiro da Aula Definição de Grupos Tipos Atomicidade Ordenamento 3 RPC Comunicação entre Pares Cliente - Servidor

Leia mais

Segurança em Sistemas Informáticos

Segurança em Sistemas Informáticos Segurança em Sistemas Informáticos Politicas de Segurança Quando é que se torna necessário uma política de segurança? Quando existe um Bem Num espaço partilhado Uma politica de segurança procura garantir

Leia mais

Arquitectura de um Sistema de Chamadas a Procedimentos Remotos a Servidores Replicados

Arquitectura de um Sistema de Chamadas a Procedimentos Remotos a Servidores Replicados Arquitectura de um Sistema de Chamadas a Procedimentos Remotos a Servidores Replicados Pedro Vicente pedrofrv@di.fc.ul.pt João Martins jmartins@di.fc.ul.pt Abstract O paradigma das chamadas a procedimentos

Leia mais

Sistemas Operativos I

Sistemas Operativos I Componentes de um Sistema Operativo Maria João Viamonte / Luis Lino Ferreira Fevereiro de 2006 Sistema Operativo Um Sistema Operativo pode ser visto como um programa de grande complexidade, responsável

Leia mais

Grupo I [7,3v] Número: Nome: Página 1 de 6

Grupo I [7,3v] Número: Nome: Página 1 de 6 Número: Nome: Página 1 de 6 LEIC/LETI 2013/14, Repescagem do 2º Teste de Sistemas Distribuídos, 1/7/14 Responda no enunciado, apenas no espaço fornecido. Identifique todas as folhas. Duração: 1h30m Grupo

Leia mais

Infraestrutura de Hardware. Memória Virtual

Infraestrutura de Hardware. Memória Virtual Infraestrutura de Hardware Memória Virtual Perguntas que Devem ser Respondidas ao Final do Curso Como um programa escrito em uma linguagem de alto nível é entendido e executado pelo HW? Qual é a interface

Leia mais

ENHANCED SERVER FAULT- TOLERANCE FOR IMPROVED USER EXPERIENCE. André Esteves nº3412 David Monteiro

ENHANCED SERVER FAULT- TOLERANCE FOR IMPROVED USER EXPERIENCE. André Esteves nº3412 David Monteiro ENHANCED SERVER FAULT- TOLERANCE FOR IMPROVED USER EXPERIENCE André Esteves nº3412 David Monteiro INTRODUÇÃO É proposto uma arquitectura de servidor Web dividida que tolera perfeitamente tanto falhas na

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Prof. Adriano Avelar Site: www.adrianoavelar.com Email: eam.avelar@gmail.com O que veremos hoje... Evolução Histórica Motivação Conceitos Características

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos I Capítulo 6 Replicação - 2011 - DI/FCT/UNL Replicação... O que é? Replicação: Definição e Objectivos A replicação de dados consiste na manutenção de múltiplas cópias da mesma informação em dispositivos

Leia mais

Modelo Genérico de Módulo de E/S Grande variedade de periféricos

Modelo Genérico de Módulo de E/S Grande variedade de periféricos Conteúdo Capítulo 7 Entrada/Saída Dispositivos externos Módulos E/S Técnicas de E/S E/S Programada E/S Conduzida por interrupções Processamento de interrupções Controlador Intel 82C59A Acesso Directo à

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operativos

Arquitetura de Sistemas Operativos Arquitetura de Sistemas Operativos Sistemas Operativos 2011/2012 1 Modelos de Interacção entre Processos Produtor e Consumidor Os dados transmitidos entre as aplicações são geralmente opacos para o sistema

Leia mais

Cap. 08 Tolerância a Falha

Cap. 08 Tolerância a Falha Cap. 08 Tolerância a Falha 8.1 Introdução a Tolerância a Falha 8.1.1 Conceitos Básicos 8.1.2 Modelo de Falhas 8.1.3 Mascaramento de Falha por Redundância 8.2 Processamento de Resiliência 8.2.1 Aspectos

Leia mais

A compreensão do mecanismo de transações é essencial, sempre que a

A compreensão do mecanismo de transações é essencial, sempre que a Transações A compreensão do mecanismo de transações é essencial, sempre que a base de dados d servir várias clientes simultaneamente. Em SQL é possível definir explicitamente os limites de uma transação.

Leia mais

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes 4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes Neste capítulo é apresentado o desenvolvimento de um dispositivo analisador de redes e de elementos de redes, utilizando tecnologia FPGA. Conforme

Leia mais

4. Protocolos Teóricos e Protocolos de Controlo de Ligação Protocolos ARQ; Especificação de Protocolos; Eficiência ARQ.

4. Protocolos Teóricos e Protocolos de Controlo de Ligação Protocolos ARQ; Especificação de Protocolos; Eficiência ARQ. 4. Protocolos Teóricos e Protocolos de Controlo de Ligação Protocolos ARQ; Especificação de Protocolos; Eficiência ARQ. Redes de Comunicações/Computadores I Secção de Redes de Comunicação de Dados Protocolos

Leia mais

Introdução aos Computadores

Introdução aos Computadores Os Computadores revolucionaram as formas de processamento de Informação pela sua capacidade de tratar grandes quantidades de dados em curto espaço de tempo. Nos anos 60-80 os computadores eram máquinas

Leia mais

Processos e Threads (partes I e II)

Processos e Threads (partes I e II) Processos e Threads (partes I e II) 1) O que é um processo? É qualquer aplicação executada no processador. Exe: Bloco de notas, ler um dado de um disco, mostrar um texto na tela. Um processo é um programa

Leia mais

RAID Redundat Arrays of Inexpensive Disks

RAID Redundat Arrays of Inexpensive Disks RAID Redundat Arrays of Inexpensive Disks Criado em alternativa para os discos grandes e caros. Justificativa: Substituindo discos grandes por muitos discos pequenos, o desempenho melhoraria mais cabeças

Leia mais

Projecto de Engenharia de Software e Sistemas Distribuídos 2009-10. Requisitos para a 3ª entrega do projecto. FeaRSe.

Projecto de Engenharia de Software e Sistemas Distribuídos 2009-10. Requisitos para a 3ª entrega do projecto. FeaRSe. Departamento de Engenharia Informática Engenharia de Software, Sistemas Distribuídos Requisitos para a 3ª entrega do projecto FeaRSe 6 de Maio de 2010 Índice Índice... 1 1 Sumário... 2 2 Requisitos...

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 SISTEMA DE INTERCONEXÃO (BARRAMENTOS) Prof. Luiz Gustavo A. Martins Arquitetura de von Newmann Componentes estruturais: Memória Principal Unidade de Processamento Central

Leia mais

Sistemas Distribuídos Comunicação. Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br

Sistemas Distribuídos Comunicação. Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Sistemas Distribuídos Comunicação Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Roteiro da Aula Roteiro da Aula Comunicação entre Processos Protocolos Modelo OSI Modelo Cliente Servidor 3 Comunicação entre

Leia mais

Evaluating the Impact of Undetected Disk Errors in RAID Systems. Apresentado por: Ivo Lopes e Pedro Pinho

Evaluating the Impact of Undetected Disk Errors in RAID Systems. Apresentado por: Ivo Lopes e Pedro Pinho Evaluating the Impact of Undetected Disk Errors in RAID Systems Apresentado por: Ivo Lopes e Pedro Pinho 1 Índice Introdução Undetected Disk Errors Detecção Framework Resultados Conclusões 2 Introdução

Leia mais

Capítulo 5 Entrada/Saída

Capítulo 5 Entrada/Saída Capítulo 5 Entrada/Saída 5.1 Princípios do hardware de E/S 5.1.1 Dispositivos de E/S Os dispositivos de E/S podem ser divididos em duas categorias: Dispositivos de bloco Armazena informações em blocos

Leia mais

Falha benigna. Sistema. Sistema Próprio. Interrompido. Restauração. Falha catastrófica. Falha catastrófica. Sistema. Impróprio

Falha benigna. Sistema. Sistema Próprio. Interrompido. Restauração. Falha catastrófica. Falha catastrófica. Sistema. Impróprio INE 5418 Algoritmos Distribuídos INE 5418 Segurança de Funcionamento Segurança de Funcionamento Comunicação de Grupo Coordenação e Acordo Sincronização Tipos de Faltas Detecção de Falhas Recuperação de

Leia mais

Capítulo 8. Sistemas com Múltiplos Processadores. 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos

Capítulo 8. Sistemas com Múltiplos Processadores. 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos Capítulo 8 Sistemas com Múltiplos Processadores 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos 1 Sistemas Multiprocessadores Necessidade contínua de computadores mais rápidos modelo

Leia mais

Consistência Eventual - Sistemas Distribuidos e Tolerância a Falhas

Consistência Eventual - Sistemas Distribuidos e Tolerância a Falhas Consistência Eventual Sistemas Distribuidos e Tolerância a Falhas Marco Bernardo Departamento de Informática Universidade da Beira Interior 25 de Maio de 2009 Descrição Geral 1 Introdução O Problema Definições

Leia mais

Sumário. Objectivos Técnicas Casos Notáveis Exemplo Conclusões. Testes de Software 2

Sumário. Objectivos Técnicas Casos Notáveis Exemplo Conclusões. Testes de Software 2 Testes de Software Sumário Objectivos Técnicas Casos Notáveis Exemplo Conclusões Testes de Software 2 Objectivos Verificação o programa está de acordo com a especificação (construímos bem o produto?) Validação

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operativos

Arquitetura de Sistemas Operativos Arquitetura de Sistemas Operativos Sistemas Operativos 2011/2012 1 Introdução Os sistemas operativos implementam mecanismos que asseguram independência entre processos (i.e., a execução de um processo

Leia mais

Tratamento de erros. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Abril de 2006

Tratamento de erros. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Abril de 2006 Redes de Computadores Tratamento de erros Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Abril de 2006 Ligação de dados Conceitos e objectivos Uma ligação física caracteriza-se

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Resiliência de Processos Comunicação Confiável Cliente-Servidor Capítulo 8 Resiliência de Processos Idéia Básica: Replicar processos em grupos,

Leia mais

A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações.

A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações. Topologia em estrela A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações. Como esta estação tem a responsabilidade de controlar

Leia mais

Arquitetura de Software e Atributos de Qualidade

Arquitetura de Software e Atributos de Qualidade Arquitetura de Software e Atributos de Qualidade Jair C Leite Requisitos e atributos de qualidade Requisitos Características, atributos, propriedades e restrições associadas ao software. Requisitos funcionais

Leia mais

Gestão de Configurações II

Gestão de Configurações II Gestão de Configurações II Bibliografia Livro: Software Configuration Management Patterns: Effective Teamwork, Practical Integration Gestão de Projecto 14 Padrões de Gestão Os padrões de gestão de configurações

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores Organização e Arquitetura de Computadores Entrada e saída Alexandre Amory Edson Moreno Nas Aulas Anteriores Foco na Arquitetura e Organização internas da Cleo Modelo Von Neuman Circuito combinacional Circuito

Leia mais

Timer e serviços do Timer

Timer e serviços do Timer Como é que se justifica a utilização de temporizadores em sistemas embebido e em tempo-real? 1. Nestes sistemas, tarefas do sistema e do utilizador fazem escalonamento e execução de actividades após decorrer

Leia mais

Comunicação entre processos (grupos) COMUNICAÇÃO ENTRE PROCESSOS Comunicação de grupo. Comunicação entre processos (grupos)

Comunicação entre processos (grupos) COMUNICAÇÃO ENTRE PROCESSOS Comunicação de grupo. Comunicação entre processos (grupos) Comunicação one-to-one Forma mais simples de comunicação entre processos point-to-point, ou unicast COMUNICAÇÃO ENTRE PROCESSOS Comunicação de grupo Algumas aplicações comunicação entre grupos de processos

Leia mais

Enunciado de apresentação do projecto

Enunciado de apresentação do projecto Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2009/2010 Enunciado de apresentação do projecto FEARSe Índice 1 Introdução... 2 2 Cenário de Enquadramento... 2 2.1 Requisitos funcionais...

Leia mais

MONITORAÇÃO DE REDE. Prof. José Augusto Suruagy Monteiro

MONITORAÇÃO DE REDE. Prof. José Augusto Suruagy Monteiro MONITORAÇÃO DE REDE Prof. José Augusto Suruagy Monteiro 2 Capítulo 2 de William Stallings. SNMP, SNMPv2, SNMPv3, and RMON 1 and 2, 3rd. Edition. Addison-Wesley, 1999. Baseado em slides do Prof. Chu-Sing

Leia mais

Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 27 de Janeiro de 2006 Exame de 2ª Época A

Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 27 de Janeiro de 2006 Exame de 2ª Época A Número: Nome: Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores o Semestre, 27 de Janeiro de 2006 Exame de 2ª Época A Duração: 2,5 horas A prova é sem consulta A prova deve ser

Leia mais

Sistemas Informáticos

Sistemas Informáticos Sistemas Informáticos Sistemas Distribuídos Eng.ª Sistemas de Informação Escola Superior de Tecnologia e Gestão - IPVC Ano Lectivo 2005-2006 1.º Semestre Gestão de Nomes 1 - Objectivos - Os nomes são fundamentais

Leia mais

Seu manual do usuário NOKIA 6630 http://pt.yourpdfguides.com/dref/381534

Seu manual do usuário NOKIA 6630 http://pt.yourpdfguides.com/dref/381534 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a no manual do usuário (informação,

Leia mais

Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Diagrama de Fluxo de Dados (DFD)

Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Prod_Forn N N 1 Stock 1 1 N Prod_Enc N 1 N 1 Fornecedor Movimento Encomenda Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) Ferramenta de modelação gráfica,

Leia mais

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769 REPLICAÇÃO E ALTA DISPONIBILIDADE NO SQL SERVER 2012 Renata Azevedo Santos Carvalho 1 RESUMO Neste artigo serão relatadas as novidades que o SQL Server 2012 vem trazendo nesta sua nova versão no que se

Leia mais

Sincronização em Sistemas Distribuídos

Sincronização em Sistemas Distribuídos 1 Sincronização em Sistemas Distribuídos 2 Roteiro Sincronização através do clock Relógios Lógicos Solução de Lamport (1978, 1990) Relógios Físicos Algoritmo de Cristian Algoritmo de Berkeley 3 Sincronização

Leia mais

Comunicação. Parte II

Comunicação. Parte II Comunicação Parte II Carlos Ferraz 2002 Tópicos Comunicação Cliente-Servidor RPC Comunicação de objetos distribuídos Comunicação em Grupo Transações Atômicas Comunicação Stream 2 Comunicação cliente-servidor

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Consistência e Replicação Capítulo 7 Agenda Razões para Replicação Replicação como técnica de escalabilidade Modelos de Consistência centrados

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Entrada/Saída Material adaptado, atualizado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Problemas Entrada/Saída Grande

Leia mais

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo 1. Resumo Executivo As empresas de todas as dimensões estão cada vez mais dependentes dos seus sistemas de TI para fazerem o seu trabalho. Consequentemente, são também mais sensíveis às vulnerabilidades

Leia mais

Programação 2ºSemestre MEEC - 2010/2011. Programação 2º Semestre 2010/2011 Enunciado do projecto

Programação 2ºSemestre MEEC - 2010/2011. Programação 2º Semestre 2010/2011 Enunciado do projecto Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Programação 2º Semestre 2010/2011 Enunciado do projecto O projecto a desenvolver pelos alunos consistirá numa sistema de monitorização,

Leia mais

Modelos Fundamentais. Carlos Ferraz. cagf@cin.ufpe.br

Modelos Fundamentais. Carlos Ferraz. cagf@cin.ufpe.br Modelos Fundamentais Carlos Ferraz cagf@cin.ufpe.br O que vimos até agora (I) História Anos 60-70: sistemas centralizados (caros!) Anos 80: computadores pessoais (acessórios caros e pouco aproveitáveis!

Leia mais

Sumário. Recuperação de Falhas

Sumário. Recuperação de Falhas Sumário 1 Processamento de Consultas 2 Introdução a Transações 3 Recuperação de Falhas 4 Controle de Concorrência 5 Banco de Dados Distribuído Recuperação de Falhas Garantia de atomicidade e durabilidade

Leia mais

Alta Disponibilidade na IPBRICK

Alta Disponibilidade na IPBRICK Alta Disponibilidade na IPBRICK IPBRICK International 5 de Dezembro de 2012 1 Conteúdo 1 Introdução 3 1.1 Vantagens.................................... 3 2 Requisitos HA 4 3 Configuração HA 4 3.1 Serviço

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro Material de Apoio VI PROTOCOLOS

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Capítulo 1 Introdução Material de suporte às aulas de Sistemas Distribuídos de Nuno Preguiça Copyright DI FCT/ UNL / 1 NOTA PRÉVIA A apresentação utiliza algumas das figuras do livro

Leia mais

Uma Base de Dados é uma colecção de dados partilhados, interrelacionados e usados para múltiplos objectivos.

Uma Base de Dados é uma colecção de dados partilhados, interrelacionados e usados para múltiplos objectivos. 1. Introdução aos Sistemas de Bases de Dados Uma Base de Dados é uma colecção de dados partilhados, interrelacionados e usados para múltiplos objectivos. O conceito de base de dados faz hoje parte do nosso

Leia mais

Chord. Tecnologias de Middleware. Fernando Martins - fmp.martins@gmail.com

Chord. Tecnologias de Middleware. Fernando Martins - fmp.martins@gmail.com Chord Tecnologias de Middleware 2006/2007 Fernando Martins - fmp.martins@gmail.com Tópicos Objectivo Motivação Peer-To-Peer Chord Descrição Geral Características Distintivas Comparação DNS Modelo do Sistema

Leia mais

OBJETOS DISTRIBUÍDOS E INVOCAÇÃO REMOTA

OBJETOS DISTRIBUÍDOS E INVOCAÇÃO REMOTA OBJETOS DISTRIBUÍDOS E INVOCAÇÃO REMOTA SUMÁRIO Introdução Comunicação entre objetos distribuídos Eventos e Notificações 1.INTRODUÇÃO Middleware oferece: Transparência de localização Independência de protocolos

Leia mais

Entrada e Saída. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Entrada e Saída. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Entrada e Saída Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Dispositivos Externos; E/S Programada; E/S Dirigida por Interrupção; Acesso Direto à Memória; Bibliografia. Prof. Leonardo Barreto Campos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Transmissão de dados Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Abril de 2006 Códigos de caracteres A informação é manuseada em blocos de 8 bits (bytes

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos (Re)Introdução 1 Organização Definição Características essenciais dos sistemas distribuídos Desafios principais 2 Definição Um sistema distribuído é... um conjunto de componentes

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais