O futuro do xisto nos Estados Unidos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O futuro do xisto nos Estados Unidos"

Transcrição

1 O futuro do xisto nos Estados Unidos Exploração do xisto nos Estados Unidos transforma matriz energética do país

2 A INTL FCStone Inc. é uma empresa listada na Fortune 500 que fornece aos clientes pelo mundo serviços de execução e consultoria em commodities, mercado de capitais, moedas, asset management, etc. Commodity Intelligence é o portal de pesquisa e inteligência de mercado de INTL FCStone, responsável pelas análises, tendências e informações sobre os principais mercados de commodities. Analistas responsáveis Natália Orlovicin Ana Luiza Lodi O FUTURO DO XISTO NOS ESTADOS UNIDOS 2

3 Quais são os impactos da exploração do xisto nos EUA? Muito tem se discutido recentemente a respeito do potencial energético do gás de xisto. Ele é um gás abundante, barato, mais sustentável que muitas das fontes de energia amplamente utilizadas e pode alterar a matriz energética de muitos países. Em algumas localidades, é possível que a utilização do gás de xisto substitua combustíveis fósseis convencionais e até interfira no desenvolvimento de energias renováveis. O crescimento da exploração desse gás poderia também fazer com que países importadores de energia, especialmente as provenientes do gás natural, se tornassem autossuficientes, transformando consideravelmente as relações comerciais entre países, assim como oferta e demanda mundiais de energia. O principal país a investir nessa nova fonte energética são os Estados Unidos, onde a autossuficiência na obtenção de energia se tornou uma questão crucial nas últimas décadas. O rápido aumento da produção do gás de xisto no país e as perspectivas cada vez mais positivas para o seu crescimento têm levado a questionamentos sobre o futuro das fontes de energia. Seria o gás de xisto capaz de levar a uma autossuficiência energética dos Estados Unidos? Quais seriam os possíveis impactos desse crescimento abrupto na produção do gás de xisto na oferta e demanda de outras fontes de energia? Os impactos ambientais podem ser um limitante à expansão dessa indústria? O FUTURO DO XISTO NOS ESTADOS UNIDOS 3

4 O que é o gás de xisto? O gás de xisto é um gás natural não convencional 1, encontrado entre as formações de xisto, que é uma rocha sedimentar localizada a três ou quatro quilômetros abaixo da terra, onde o gás está aprisionado. As recentes tecnologias desenvolvidas para a exploração da rocha, como a combinação da perfuração horizontal e o fraturamento hidráulico (realizado com jatos de água em alta pressão, com a adição de substâncias químicas), permitiram o acesso a grandes volumes de formações de xisto, que antes não eram economicamente viáveis de serem exploradas. Apesar disso, há alguns entraves que podem ameaçar a continuidade do crescimento da produção do gás de xisto. A sua exploração tem causado preocupações ambientais em alguns países, como, por exemplo, na França, que baniu o fraturamento hidráulico no país. Enquanto isso, outros optaram por correr o risco ambiental na esperança de que as vantagens provenientes da autossuficiência energética e também do aquecimento da economia devido à geração de empregos sejam compensadoras. Primeiramente, precisa-se entender o que levou os Estados Unidos a investirem nessa nova fonte de energia e quais são as perspectivas para a sua exploração nos próximos anos. Assim, será possível desenhar cenários para a matriz energética dos Estados Unidos, que poderá ou não ser alterada pela introdução do xisto. 1 O gás não convencional se diferencia do convencional por estar localizado em camadas mais profundas, com maiores dificuldades de extração. O FUTURO DO XISTO NOS ESTADOS UNIDOS 4

5 Gás de Xisto nos EUA Segundo a EIA (Energy Information Administration), os Estados Unidos contam com a quarta maior reserva de xisto do mundo, num volume de 18,8 milhões de m³ ficando atrás da China, da Argentina e da Argélia e são líderes na produção do gás de xisto. Cabe ressaltar que existem divergências acerca das medições dessas reservas, pois os estudos são preliminares e superficiais, o que faz com que os volumes mudem constantemente. Alguns consideram que os EUA possuem a segunda maior reserva de xisto do mundo, perdendo somente para a China. A produção de gás de xisto no país já ocorre há algumas décadas, mas foi com o vertiginoso crescimento dos anos 2000 que essa fonte de energia se tornou de fato relevante. O vigor desse movimento levou o xisto de uma participação de 1% na produção de gás natural em 2000 para 34% em 2011 e alterou totalmente o balanço de oferta e demanda energético do país. De fato, criou-se uma superoferta de gás, que acabou pressionando os preços ao redor do mundo, mesmo com o consumo apresentando forte expansão no período. Reservas de Gás de Xisto tecnicamente recuperáveis País (trilhões de m³) China 31,57 Argentina 22,71 Argélia 20,02 EUA 18,83 Canadá 16,23 México 15,43 Austrália 12,37 África do Sul 11,04 Rússia 8,07 Brasil 6,94 Mundo 206,68 O FUTURO DO XISTO NOS ESTADOS UNIDOS 5

6 O que está por trás do crescimento da indústria do xisto nos EUA O forte incremento da produção de gás de xisto nos EUA, durante os anos 2000, decorreu de um conjunto de fatores. O subsolo norte-americano é propriedade do dono da terra, o que dispensa a necessidade de autorização do governo para a perfuração em um período de 10 anos foram abertos 20 mil poços de gás de xisto no país. As exigências ambientais eram bastante limitadas nos primeiros anos do boom de exploração do xisto, o que facilitou a sua expansão. Preocupações com a segurança energética do país, buscando-se, assim, aumentar a oferta de gás e diminuir a necessidade de importação do produto. Com uma oferta maior de gás, o poder dos grandes produtores, como Rússia e Venezuela, também é abalado. Ademais, pode ser produzido petróleo a partir das formações de xisto, o que levaria a uma diminuição da dependência do petróleo importado, com origem principalmente nos países integrantes da OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróleo). Incentivos do governo à exploração dessa alternativa energética. Desde a década de 1970, os EUA buscam desenvolver tecnologias que permitam extrair o gás de xisto, por meio de incentivo a Pesquisa e Desenvolvimento, incentivos fiscais, parcerias com o setor privado e com universidades etc. Já houve, inclusive, a concessão de US$ 0,50 por metro cúbico para incentivar a produção de gás não convencional, entre os anos de 1980 e 2002, e uma lei de 1954 autoriza os produtores de óleo e gás a deduzirem gastos com exploração e desenvolvimento do imposto de renda. Localização descentralizada das reservas, que modificou o padrão anterior de grande concentração no Golfo do México. Infraestrutura para o escoamento da produção já bastante desenvolvida, sem a necessidade de grandes investimentos. Os EUA já contam com uma considerável malha de gasodutos, muitos dos quais estão próximos às áreas de exploração do gás de xisto. Necessidade de diminuir a emissão de gases (com destaque para o gás carbônico) que causam o efeito estufa, uma vez que a regulação ambiental deve se tonar cada vez mais rígida no futuro. Ressalta-se que é preciso minimizar a emissão de gás metano, durante a exploração do gás natural, uma vez que o mesmo também causa o efeito estufa. O FUTURO DO XISTO NOS ESTADOS UNIDOS 6

7 Preços de Gás Natural (Henry Hub) US$ por milhões BTU Preços elevados do gás ao longo da década de Mesmo com os esforços por explorar fontes não convencionais de gás natural, desde meados do século XX, a produção de gás de xisto nos EUA só foi impulsionada na década passada, no contexto de preços elevados, que propiciavam um retorno elevado. 0 Quanto a este último ponto, o preço do gás natural, o mesmo passou a recuar diante de uma maior oferta, possibilitada pela exploração do gás de xisto e em meio ao contexto da crise financeira internacional, iniciada em Essa queda dos preços poderia servir como um inibidor à produção do gás não convencional, a partir do xisto, durante as próximas décadas. As perspectivas para xisto no país, porém, continuam promissoras. O que se espera do gás de xisto nos EUA Produção Entre as fontes energéticas disponíveis no país, o gás de xisto possui o maior potencial de crescimento produtivo e as apostas têm sido feitas no sentido de explorar essa alternativa energética. Atualmente, os Estados Unidos se apoiam primordialmente no petróleo, gás natural e carvão mineral para fornecimento de energia. Muito se fala sobre o desenvolvimento das energias renováveis, como a solar e eólica, mas ainda não é possível utilizálas na escala necessária, o que faz com que a participação delas no total não seja significativa. Em meio ao boom da produção de gás de xisto nos últimos anos nos Estados Unidos, acredita-se que esta tendência deva continuar pelas próximas décadas. Segundo projeção da EIA, o país deverá quase dobrar sua produção de gás de xisto até 2035, o que significa expandir a participação de 34% para 49% do total de gás natural produzido pelos Estados Unidos Produção de Gás Natural EUA (projeção) Trilhões de pés cúbicos Gás de Xisto Gás Natural de outras fontes O FUTURO DO XISTO NOS ESTADOS UNIDOS 7

8 Importações Líquidas de Gás Natural - EUA (projeções) Dessa forma, as importações de Trilhões de pés cúbicos 3 gás natural, que hoje representam 11,6% do consumo deste produto no 2 país, deverão cair significativamente, 1 invertendo o sinal em 2022 devido ao desenvolvimento a partir do xisto. O 0 expressivo volume total da produção -1 colocaria os Estados Unidos em um -2 importante papel no mercado global de gás natural, passando de importador para potencial fornecedor mundial (nota: A exportação de gás natural nos Estados Unidos é regulamentada e deve ser previamente autorizada pelo Governo). Possíveis impactos na matriz energética Esse aumento recente da produção de gás de xisto nos Estados Unidos tem trazido novamente à tona as discussões a respeito da autossuficiência energética do país. Segundo o mais recente relatório de perspectivas do EIA, o consumo de gás natural deve continuar a crescer de maneira substancial até Enquanto o sonho da autossuficiência energética dificilmente será atingido apenas com o xisto, certamente a configuração da matriz energética dos EUA passará por grandes transformações. Petróleo Bruto Importações de Petróleo - EUA Milhões de barris A balança comercial dos Estados Unidos já sente os efeitos da exploração do xisto no país. Observa-se uma redução significativa das importações de petróleo bruto desde o ano de 2007, fruto tanto da substituição pelo gás natural como fonte energética em vários setores, quanto da elevação da produção doméstica de petróleo a partir das formações de xisto. Espera-se que esse movimento de queda nas importações seja potencializado nos próximos anos. Isso se deve ao aumento da participação do gás natural em dois setores importantes: industrial e transportes O FUTURO DO XISTO NOS ESTADOS UNIDOS 8

9 Energia Elétrica Renováveis Gás Natural Liquefeito Carvão Gás Natural Petróleo e outros líquidos A principal fonte de energia das indústrias dos Estados Unidos é o gás natural, mas o seu consumo vinha sendo reduzido nos anos Desde 2010, porém, se observa um aumento da utilização dessa fonte pelo setor industrial do país. Nas próximas três décadas, a EIA prevê uma elevação de 19% no consumo energético do setor, tendo como fonte principal o gás natural proveniente do xisto. Assim, boa parte do aumento da produção do gás deverá ser absorvida pelo setor industrial. Apesar disso, vale notar que a capacidade de substituição da fonte de energia nas indústrias é limitada, o que resulta em uma lenta transformação da matriz energética. 12 Consumo de energia pela indústria quatrilhões de BTU 9000 Consumo de gás natural pela indústria bilhões de pés cúbicos Apesar da existência de apenas 120 mil veículos nos Estados Unidos que são adaptados para receber o gás natural como combustível, há espaço para o aumento da sua utilização em função dos preços cada vez mais compensadores, intensificando o crescimento que já vem sendo observado nos últimos anos. Espera-se que o preço mais baixo do combustível alternativo compense as desvantagens associadas a ele, como: Alto custo de aquisição dos veículos adaptados; Redução do intervalo máximo necessário para reabastecimento; Menor número de postos de abastecimento; Redução no volume de carga, em alguns casos; Mercado incerto na revenda dos veículos. O FUTURO DO XISTO NOS ESTADOS UNIDOS 9

10 O potencial de crescimento está nos veículos pesados, como os ônibus e caminhões (especialmente os que possuem rotas fixas), substituindo o consumo do diesel. A EIA projeta um crescimento anual de 14,2% no consumo do gás natural como combustível para este tipo de veículo até o ano de Além disso, o petróleo é utilizado em sua maior parte (quase Consumo de gás natural pelo setor de transportes EUA - bilhões de pés cúbicos 50%) no setor de transportes e é 40 possível que o xisto leve indiretamente a uma redução ainda maior 30 dessa participação. Sendo o gás natural um dos principais insumos para a indústria do etanol de milho 20 (que é misturado na gasolina), respondendo por aproximadamente 10 7% do custo de produção, a pressão recente nos preços do gás pode 0 contribuir para o aumento das margens neste setor, estimulando o rápido aumento da produção do biocombustível. Há limitações, porém, para o maior crescimento da produção de etanol, como a regulamentação governamental, que estabelece um teto de 15% de mistura do etanol na gasolina vendida aos consumidores, e conflitos de interesses das indústrias petrolíferas que inibem o alcance deste percentual. Dessa forma, devido a grande participação do petróleo no setor de transportes, é preciso que os esforços sejam ainda maiores para que se obtenham efeitos significativos na matriz energética. O FUTURO DO XISTO NOS ESTADOS UNIDOS 10

11 Carvão Mineral Apesar da expectativa de que o carvão mineral continue sendo a principal fonte de energia elétrica no país nas próximas décadas, ele deve perder espaço em função da utilização do gás natural. Nos últimos 20 anos, as plantas de gás foram responsáveis por 77% das adições na capacidade de geração de energia elétrica nos Estados Unidos, mas estavam subutilizadas. A partir de 2009, porém, o gás natural se tornou um forte competidor para o carvão mineral neste setor e vários fatores contribuíram para a expansão da utilização do gás: Redução vertiginosa nos preços do gás natural; Aumento dos preços do carvão mineral; Expansão da rede de infraestrutura do gás natural; Plantas de geração de energia elétrica a partir do gás natural subutilizadas. Além disso, o gás apresenta amplas vantagens em relação ao carvão mineral na obtenção de energia elétrica: Menores custos de produção; Menor demanda de capital para a construção de uma planta (menor escala mínima de produção); Menor impacto ambiental Assim, o efeito do aumento da produção do gás de xisto deve ser significativo na matriz do setor de geração de energia elétrica. O crescimento Geração de energia elétrica (por fonte) EUA - bilhões de kwh projetado pela EIA para o consumo do gás é de 1,6% ao ano, saindo de uma participação de 24% em 2011 para 30% em 2040, segundo a EIA Carvão Gás Natural Nuclear Renováveis O FUTURO DO XISTO NOS ESTADOS UNIDOS 11

12 Limitações à produção Apesar do rápido crescimento recente da produção e utilização deste gás, alguns fatores decorrentes da exploração do xisto podem limitar a continuidade dessa expansão no futuro. Além dos problemas relacionados à viabilidade econômica (dependente do tamanho das reservas) e à duração da produção (já que é uma fonte não renovável e finita), os impactos ambientais já preocupam e podem inibir o desenvolvimento da exploração, diante do aumento de exigências para a autorização da exploração. Impactos ambientais Os problemas ambientais têm origem na grande quantidade de água, combinada à areia e a uma mistura de substâncias químicas, utilizada na exploração. Essa mistura é parcialmente recuperada e colocada de volta na superfície em lagoas, o que pode poluir o lençol freático e o solo, caso sejam vedadas de forma inadequada. Como as empresas relutam em revelar quais são exatamente as substâncias químicas utilizadas, as consequências ambientais são bastante incertas. Já há estudos realizados em áreas próximas às jazidas exploradas, que mostram contaminação da água potável, especialmente na bacia de Marcellus, na Pensilvânia, e no sul do estado de Nova York. Além disso, quando o gás é trazido à superfície, a pressão causada pelo processo de exploração pode levar a tremores e explosões, ameaçando as construções próximas. Com o aumento quase que exponencial da produção do gás de xisto no país, essas preocupações se tornam cada vez mais relevantes e as futuras decisões acerca da regulação desta atividade serão determinantes na intensidade do seu crescimento nas próximas décadas. O FUTURO DO XISTO NOS ESTADOS UNIDOS 12

13 Conclusão A expansão acelerada da produção de gás de xisto pode causar impactos significativos na configuração da matriz energética dos Estados Unidos. O país poderá sair da situação atual, em que é necessário importar gás natural, para uma condição de fornecedor mundial do produto. Além disso, o gás natural poderá ganhar espaço em relação a outras fontes de energia. As importações de petróleo podem ser ainda mais reduzidas (tanto por causa da exploração das formações de xisto, quanto pelo estímulo à indústria de etanol), diminuindo a dependência dos Estados Unidos em relação ao petróleo internacional, especialmente dos países do Oriente Médio. E o carvão mineral também poderá ser substituído na geração de energia elétrica no país. Dessa forma, os Estados Unidos poderão estar mais próximos da autossuficiência energética, reforçando sua posição de hegemonia e reconfigurando a geopolítica mundial. Gostou deste Insight? Entre em contato com a nossa equipe de Projetos Especiais e obtenha mais informações sobre o assunto. Thadeu Silva Projetos Especiais O FUTURO DO XISTO NOS ESTADOS UNIDOS 13

14 A comercialização de commodities apresenta risco e a FCStone não assume responsabilidade pelo uso de qualquer informação contida neste documento para este fim. Toda a informação contida neste relatório foi adquirida de fontes consideradas confiáveis, mas não representam garantia de precisão. As informações e as opiniões aqui expressas não constituem solicitação de compra ou venda de futuros ou opções sobre futuros, ou qualquer derivativo. É proibida a reprodução de parte ou de todo este relatório sem a expressa autorização por escrito da FCStone. O FUTURO DO XISTO NOS ESTADOS UNIDOS 14

20 de agosto de 2013. Xisto muda geopolítica da energia

20 de agosto de 2013. Xisto muda geopolítica da energia 20 de agosto de 2013 Xisto muda geopolítica da energia A "revolução do xisto" em curso nos Estados Unidos, que já despertou investimento de US$ 100 bilhões na indústria americana, vai resultar em uma nova

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL - VIII Congresso Internacional de Compensado e Madeira Tropical - Marcus Vinicius da Silva Alves, Ph.D. Chefe do Laboratório de Produtos Florestais do Serviço Florestal

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 62 O PETRÓLEO EM DESTAQUE

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 62 O PETRÓLEO EM DESTAQUE GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 62 O PETRÓLEO EM DESTAQUE Como pode cair no enem? (ENEM) No mundo contemporâneo, as reservas energéticas tornam-se estratégicas para muitos países no cenário internacional. Os

Leia mais

Quanto maior o desenvolvimento econômico de um país

Quanto maior o desenvolvimento econômico de um país Capítulo 8 Quanto maior o desenvolvimento econômico de um país Maior é o consumo de energia: -Economia dinâmica; - Elevado padrão de consumo da população Aumento da capacidade produtiva Aumento do consumo

Leia mais

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Cenário de referência O estudo WETO apresenta um cenário de referência que descreve a futura situação energética

Leia mais

Geopolítica do Petróleo:

Geopolítica do Petróleo: Seminário Energia e Geopolítica: Os impactos da segurança energética nas relações internacionais Geopolítica do Petróleo: uma Década de Transformações Helder Queiroz Pinto Junior Diretor ANP CEBRI Rio

Leia mais

Fortaleza, junho de 2015

Fortaleza, junho de 2015 Fortaleza, junho de 2015 All About Energy 2015 Política de Energia e Mudança Climática Luiz Pinguelli Rosa Diretor da COPPE UFRJ * Secretário do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas Membro da Academia

Leia mais

As Principais Fontes De Energia Presentes No Mundo

As Principais Fontes De Energia Presentes No Mundo As Principais Fontes De Energia Presentes No Mundo INTRODUÇÃO: Desde a pré-história o homem vem se utilizando de diversas fortes e formas de energia, para suprir suas necessidades energéticas, por isso,

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

Conceitos e definições do setor de gás natural

Conceitos e definições do setor de gás natural Conceitos e definições do setor de gás natural O que é o gás natural O gás natural é um combustível fóssil que se encontra na natureza, associado ou não ao petróleo, formado por hidrocarbonetos com predominância

Leia mais

Fonte: MAPA e RFA/USA. Elaboração: INTL FCStone

Fonte: MAPA e RFA/USA. Elaboração: INTL FCStone Commodity Insight Agosto de 2013 Analistas Thadeu Silva Diretor de Inteligência de Mercado Thadeu.silva@intlfcstone.com Pedro Verges Analista de Mercado Pedro.verges@intlfcstone.com Natália Orlovicin Analista

Leia mais

Posicionamento sobre gás de xisto, óleo de xisto, metano em camada de carvão e fracking

Posicionamento sobre gás de xisto, óleo de xisto, metano em camada de carvão e fracking Posicionamento sobre gás de xisto, óleo de xisto, metano em camada de carvão e fracking Nós, uma aliança de organizações não governamentais dedicadas à saúde e ao meio ambiente, temos sérias preocupações

Leia mais

Um novo paradigma para o mercado de óleo de soja

Um novo paradigma para o mercado de óleo de soja Um novo paradigma para o mercado de óleo de soja A determinaça o dos preços do o leo de soja e as mudanças recentes no contexto mundial de oferta e demanda Natalia Orlovicin Analista de Mercado natalia.orlovicin@intlfcstone.com

Leia mais

PETRÓLEO. Prof. Marcos Colégio Sta. Clara

PETRÓLEO. Prof. Marcos Colégio Sta. Clara PETRÓLEO Prof. Marcos Colégio Sta. Clara CONCEITO E ORIGEM Petróleo: do latim petrus (pedra) + oleum (óleo) = óleo de pedra É uma substância de origem orgânica, oleosa, inflamável, geralmente menos densa

Leia mais

2012 - Panorama Energético: Perspectivas para 2040

2012 - Panorama Energético: Perspectivas para 2040 212 - Panorama Energético: Perspectivas para Índice Fundamentos globais 2 Residencial/comercial 3 Transportes 4 Industrial 5 Geração de eletricidade 6 Emissões 7 Fornecimento e tecnologia 8 Conclusão 9

Leia mais

ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil. EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates

ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil. EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates QUESTÕES PARA REFLEXÃO 1 2 Qual o padrão atual da oferta de eletricidade no Brasil? Qual o padrão

Leia mais

Energia, Riqueza e População

Energia, Riqueza e População Energia, Riqueza e População Legenda - Colunas à Esquerda: Crescimento relativo da oferta total de energia - Colunas Centrais: Crescimento relativo do Produto Interno Bruto (PIB) - Colunas à Direita: :

Leia mais

Volatilidade e Mudanças Estruturais Impactos na Indústria de Petróleo

Volatilidade e Mudanças Estruturais Impactos na Indústria de Petróleo Volatilidade e Mudanças Estruturais Impactos na Indústria de Petróleo Cristina Brunet de Figueiredo Coordenadora da Comissão de Responsabilidade Social do IBP Coordenadora de Comunicação e Relações Externas

Leia mais

Objetivo. Introdução COMO O BRASIL PODE SE TORNAR INDEPENDENTE DO GÁS BOLIVIANO

Objetivo. Introdução COMO O BRASIL PODE SE TORNAR INDEPENDENTE DO GÁS BOLIVIANO Objetivo COMO O BRASIL PODE SE TORNAR INDEPENDENTE DO GÁS BOLIVIANO O objetivo do trabalho é o de propor soluções técnicas e de logística, viáveis para a continuidade do fornecimento de gás natural à população,

Leia mais

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões.

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões. Crise na Ucrânia: dificuldades e potencialidades para o setor de carne suína e milho em Santa Catarina Glaucia Padrão, Dr.ª Analista de Economia, Epagri/Cepa Reney Dorow, Msc. Analista de Mercado, Epagri/Cepa

Leia mais

Termoelétricas Ou Termelétricas

Termoelétricas Ou Termelétricas Termoelétricas Ou Termelétricas É uma instalação industrial usada para geração de energia elétrica/eletricidade a partir da energia liberada em forma de calor, normalmente por meio da combustão de algum

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HÍBRIDO HIDRÁULICO NOS VEÍCULOS COMERCIAIS RESUMO

UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HÍBRIDO HIDRÁULICO NOS VEÍCULOS COMERCIAIS RESUMO UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HÍBRIDO HIDRÁULICO NOS VEÍCULOS COMERCIAIS Luis Eduardo Machado¹ Renata Sampaio Gomes ² Vanessa F. Balieiro ³ RESUMO Todos sabemos que não é possível haver regressão nas tecnologias

Leia mais

Anexo 4 - Projeção de Demanda de Energia e da Geração Elétrica em Unidades de Serviço Público (Resultados)

Anexo 4 - Projeção de Demanda de Energia e da Geração Elétrica em Unidades de Serviço Público (Resultados) Anexo 4: Demanda de Eletricidade 1 Anexo 4 - de Demanda de Energia e da Geração Elétrica em Unidades de Serviço Público (Resultados) O Conceito de Energia Equivalente As fontes energéticas classificadas

Leia mais

CAPÍTULO 28 A QUESTÃO ENERGÉTICA. Professor: Gelson Alves Pereira 2ª Série Ensino Médio

CAPÍTULO 28 A QUESTÃO ENERGÉTICA. Professor: Gelson Alves Pereira 2ª Série Ensino Médio CAPÍTULO 28 A QUESTÃO ENERGÉTICA Professor: Gelson Alves Pereira 2ª Série Ensino Médio 1- Introdução Nos últimos 250 anos, houve um grande consumo de energia e combustíveis. Acredita-se que, até 2030,

Leia mais

CAPÍTULO 28 A QUESTÃO ENERGÉTICA

CAPÍTULO 28 A QUESTÃO ENERGÉTICA Disciplina - Geografia 2 a Série Ensino Médio CAPÍTULO 28 A QUESTÃO ENERGÉTICA Professor: Gelson Alves Pereira 1- INTRODUÇÃO Nos últimos 250 anos, houve um grande consumo de energia e combustíveis. Acredita-se

Leia mais

CONSUMO DE ETANOL CRESCE APENAS 2% EM 2014 NOS ESTADOS UNIDOS

CONSUMO DE ETANOL CRESCE APENAS 2% EM 2014 NOS ESTADOS UNIDOS Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano X 30/abril/2015 n. 443 CONSUMO DE ETANOL CRESCE APENAS 2% EM 2014 NOS ESTADOS UNIDOS A disponibilidade de dados feita pela Secretaria de Energia Ambiental

Leia mais

Experiência americana e incentivo ao mercado de GNV. Richard Nicolas De Jardin

Experiência americana e incentivo ao mercado de GNV. Richard Nicolas De Jardin Experiência americana e incentivo ao mercado de GNV Richard Nicolas De Jardin Missão Técnica USA as Nossas expectativas Fenômeno Shale Gás Foco frotas Públicas e Pesadas Políticas de Incentivos OBJETIVO

Leia mais

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares Ciências Militares no Século XXI Situação Atual e Desafios Futuros Geopolítica dos Recursos Naturais Fontes Alternativas

Leia mais

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL SENADO FEDERAL COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL AGENDA RUMOS DA POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA 2011-2012 PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL Prof. Dr. Rex Nazaré Alves 19 de setembro de 2011

Leia mais

Mudança tecnológica na indústria automotiva

Mudança tecnológica na indústria automotiva ESTUDOS E PESQUISAS Nº 380 Mudança tecnológica na indústria automotiva Dyogo Oliveira * Fórum Especial 2010 Manifesto por um Brasil Desenvolvido (Fórum Nacional) Como Tornar o Brasil um País Desenvolvido,

Leia mais

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida.

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Plástico é Energia Esta cidade que você está vendo aí de cima tem uma população aproximada de 70.000 mil habitantes e

Leia mais

Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais.

Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais. Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais. Robson

Leia mais

O SETOR DE GÁS NATURAL NO MUNDO

O SETOR DE GÁS NATURAL NO MUNDO O SETOR DE GÁS NATURAL NO MUNDO FRANCISCO JOSÉ ROCHA DE SOUSA Consultor Legislativo da Área XII Recursos Minerais, Hídricos e Energéticos FEVEREIRO/2010 Francisco José Rocha de Sousa 2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...3

Leia mais

Soluções Integradas em Petróleo, Gás e Energia BRASIL

Soluções Integradas em Petróleo, Gás e Energia BRASIL BRASIL O Brasil possui uma economia sólida, construída nos últimos anos, após a crise de confiança que o país sofreu em 2002, a inflação é controlada, as exportações sobem e a economia cresce em ritmo

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DO ÁLCOOL - PROÁLCOOL

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DO ÁLCOOL - PROÁLCOOL UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DO ÁLCOOL - PROÁLCOOL Cintia de Souza Oliveira 8662479 Karina Siqueira 8658676 Verônica Carvalho

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) Dispõe sobre a criação do Programa Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento de Compostos Orgânicos de Origem Vegetal para Redução das Emissões de Gases

Leia mais

Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas

Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas Indicadores Socioeconómicos Rendimento per capita de 2010 foi de US$3.215, sendo que em 1975 era de US$190 Taxa de alfabetização:

Leia mais

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Resenha Desenvolvimento / Economia e Comércio Raphael Rezende Esteves 22 de março de 2007 1 Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Leia mais

+Gás Brasil. A energia que pode revolucionar a economia brasileira. São Paulo, 17 de Outubro de 2012

+Gás Brasil. A energia que pode revolucionar a economia brasileira. São Paulo, 17 de Outubro de 2012 +Gás Brasil A energia que pode revolucionar a economia brasileira São Paulo, 17 de Outubro de 2012 A hora do gás na agenda nacional Mudanças tecnológicas, econômicas e políticas globais e locais impõem

Leia mais

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações 1 ASSESSORIA EM FINANÇAS PÚBLICAS E ECONOMIA PSDB/ITV NOTA PARA DEBATE INTERNO (não reflete necessariamente a posição das instituições) N : 153/2008 Data: 27.08.08 Versão: 1 Tema: Título: Macroeconomia

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Brasil: vento, energia e investimento São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 Energia: importância e impactos A energia é um dos principais insumos da indústria

Leia mais

Plano Estratégico Petrobras 2030 e Plano de Negócios e Gestão 2014 2018

Plano Estratégico Petrobras 2030 e Plano de Negócios e Gestão 2014 2018 Plano Estratégico Petrobras 2030 e Plano de Negócios e Gestão 2014 2018 A Petrobras comunica que seu Conselho de Administração aprovou o Plano Estratégico Petrobras 2030 (PE 2030) e o Plano de Negócios

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Audiência Pública P - Senado Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle Brasília/DF 19 de junho de 2008 Energia: importância

Leia mais

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento agronegócio brasileiro em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento 2010 ranking Ranking Brasileiro da Produção e Exportação Fonte: USDA e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

Giuliana Aparecida Santini, Leonardo de Barros Pinto. Universidade Estadual Paulista/ Campus Experimental de Tupã, São Paulo.

Giuliana Aparecida Santini, Leonardo de Barros Pinto. Universidade Estadual Paulista/ Campus Experimental de Tupã, São Paulo. Entraves à consolidação do Brasil na produção de energias limpas e renováveis Giuliana Aparecida Santini, Leonardo de Barros Pinto Universidade Estadual Paulista/ Campus Experimental de Tupã, São Paulo

Leia mais

Brasil sustentável. Desafios do mercado de energia

Brasil sustentável. Desafios do mercado de energia Brasil sustentável Desafios do mercado de energia A A BRASIL SUSTENTÁVEL DESAFIOS DO MERCADO DE ENERGIA Índice Apresentação 3 Fator essencial no desenho do futuro 4 Conceitos fundamentais 7 Contexto mundial

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES DE FONTES ENERGÉTICAS

CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES DE FONTES ENERGÉTICAS CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES 1 INTRODUÇÃO NA PRÉ HISTÓRIA O HOMEM UTILIZAVA SUA PRÓPRIA ENERGIA PARA DESENVOLVER SUAS ATIVIDADES TRANSFERÊNCIA DO ESFORÇO PARA OS ANIMAIS 2 APÓS A INVENSÃO DA RODA: UTILIZAÇÃO

Leia mais

A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica

A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica Elbia Melo 1 No ano de 2012, o Brasil figurou no cenário internacional

Leia mais

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis Biocombustíveis Também chamados de agrocombustíveis Biomassa É o combustível obtido a partir da biomassa: material orgânico vegetal ou animal Uso tradicional: lenha, excrementos Etanol: álcool combustível.

Leia mais

OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A

OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A INDÚSTRIA DO PETRÓLEO Ricardo de Gusmão Dornelles Diretor do Departamento de Combustíveis Renováveis Jun/2009 MATRIZ ENERGÉTICA MUNDIAL E NACIONAL - 2008 54,9 45,1 Brasil (2008)

Leia mais

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas Análise Economia e Comércio / Desenvolvimento Carolina Dantas Nogueira 20 de abril de 2006 O processo de abertura comercial da China:

Leia mais

PERSPECTIVAS DO CENÁRIO GEOPOLÍTICO DE ENERGIA E OS IMPACTOS NA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO NO BRASIL

PERSPECTIVAS DO CENÁRIO GEOPOLÍTICO DE ENERGIA E OS IMPACTOS NA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO NO BRASIL ISSN 1984-9354 PERSPECTIVAS DO CENÁRIO GEOPOLÍTICO DE ENERGIA E OS IMPACTOS NA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO NO BRASIL Eduardo Costa (Universidade Federal Fluminense) Resumo: O incremento das fontes renováveis

Leia mais

Geração Elétrica Total. Cenário de Referência (2007)

Geração Elétrica Total. Cenário de Referência (2007) Geração Elétrica Total Cenário de Referência (2007) Greenpeace Brasil Somos uma organização global e independente que atua para defender o meio ambiente e promover a paz, inspirando as pessoas a mudarem

Leia mais

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios Português Resumo Executivo Esta é a segunda edição revista e ampliada da publicação: O Setor Elétrico Brasileiro e

Leia mais

Papel dos biocombustíveis na matriz energética brasileira

Papel dos biocombustíveis na matriz energética brasileira Papel dos biocombustíveis na matriz energética brasileira Agenda Arcabouço Legal Panorama Brasil o Matriz Energética Brasileira o Biodiesel o Etanol o Novos Biocombustíveis Comentários Finais Arcabouço

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil. Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP

Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil. Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP Novembro de 2011 Evolução dos Biocombustíveis no Brasil 1973 Primeira

Leia mais

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO GRÃOS: SOJA, MILHO, TRIGO e ARROZ TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Setembro/2012 PRODUÇÃO MUNDIAL DEVE RECUAR 4,1% NA SAFRA 2012/2013 ESTOQUES FINAIS MUNDIAIS DEVEM

Leia mais

Perspectivas da Produção de Óleo e Gás pelo Método de Fraturamento Hidráulico

Perspectivas da Produção de Óleo e Gás pelo Método de Fraturamento Hidráulico UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO ESCOLA DE MINAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MINAS Perspectivas da Produção de Óleo e Gás pelo Método de Fraturamento Hidráulico Wilson Trigueiro de Sousa Carlos Mouallem

Leia mais

Parte A - Questões Múltipla Escolha

Parte A - Questões Múltipla Escolha Matriz Energética Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara Parte A - Questões Múltipla Escolha LISTA DE EXERCÍCIOS 1 1) Uso de fontes renováveis de energia no mundo. Fonte: Rio de Janeiro: IBGE, 21 O uso de

Leia mais

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA PÓS - GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA ADP8088 - SEMINÁRIOS EM ENGENHARIA AGRÍCOLA II USO DO GÁS NATURAL DE

Leia mais

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Ipea Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Gesmar Rosa dos Santos Antenor Lopes Conteúdo Características gerais da Oferta Interna

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

Brasil não pode emperrar pré-sal, diz presidente do World Petroleum Council Qua, 19 de Setembro de 2012 08:08

Brasil não pode emperrar pré-sal, diz presidente do World Petroleum Council Qua, 19 de Setembro de 2012 08:08 Dirigindo uma das principais entidades de petróleo do mundo, o World Petroleum Council, mas também presidente da brasileira Barra Energia, Renato Bertani acha que o Brasil não pode se dar ao luxo, como

Leia mais

A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais

A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais A Visão da Indústria do Cimento Sergio Maçães Integração de atividades minerais e industriais Mineração: calcário matéria prima básica

Leia mais

Repensando a matriz brasileira de combustíveis

Repensando a matriz brasileira de combustíveis 1 Repensando a matriz brasileira de combustíveis Marcos Sawaya Jank Conselheiro do CDES A matriz energética brasileira se destaca pela grande incidência de fontes renováveis... Ao longo desta década, a

Leia mais

Alguns desafios no Brasil Biodiesel e Pré-Sal. Paulo César Ribeiro Lima Consultor Legislativo

Alguns desafios no Brasil Biodiesel e Pré-Sal. Paulo César Ribeiro Lima Consultor Legislativo Alguns desafios no Brasil Biodiesel e Pré-Sal Paulo César Ribeiro Lima Consultor Legislativo Biodiesel BIODIESEL no Brasil Jatropha Lei nº 11.097 / 2005 - Introduziu o biodiesel na matriz energética brasileira

Leia mais

BRICS e o Mundo Emergente

BRICS e o Mundo Emergente BRICS e o Mundo Emergente 1. Apresente dois argumentos favoráveis à decisão dos países integrantes da Aliança do Pacífico de formarem um bloco regional de comércio. Em seguida, justifique a situação vantajosa

Leia mais

Guia de sustentabilidade para plásticos

Guia de sustentabilidade para plásticos Guia de sustentabilidade para plásticos Maio 2014 1 2 3 4 5 6 7 8 Introdução... 4 Contextualização dos plásticos... 6 Composição dos móveis e utensílios de plásticos...7 Requerimentos para materiais que

Leia mais

Resumo Técnico: Avaliação técnica e econômica do mercado potencial de co-geração a Gás Natural no Estado de São Paulo

Resumo Técnico: Avaliação técnica e econômica do mercado potencial de co-geração a Gás Natural no Estado de São Paulo Resumo Técnico: Avaliação técnica e econômica do mercado potencial de co-geração a Gás Natural no Estado de São Paulo São Paulo 2008 1. Introdução. Este estudo tem como finalidade demonstrar a capacidade

Leia mais

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer A demanda crescente nos mercados interno e externo por combustíveis renováveis, especialmente o álcool, atrai novos investimentos para a formação

Leia mais

nome de Química do C1. De uma maneira geral é possível dividir estes produtos em três categorias:

nome de Química do C1. De uma maneira geral é possível dividir estes produtos em três categorias: ,1752'8d 2 O gás natural é composto, principalmente, de metano (até 98%) e por alguns hidrocarbonetos de maior peso molecular (de C 2 a C 6 ) além dos diluentes N 2 e CO 2. Com o uso crescente de petróleo

Leia mais

BIOCOMBUSTÍVEIS: UMA DISCUSSÃO A RESPEITO DAS VANTAGENS E DESVANTAGENS RESUMO

BIOCOMBUSTÍVEIS: UMA DISCUSSÃO A RESPEITO DAS VANTAGENS E DESVANTAGENS RESUMO BIOCOMBUSTÍVEIS: UMA DISCUSSÃO A RESPEITO DAS VANTAGENS E DESVANTAGENS Juliana da Cruz Ferreira 1 ; Leila Cristina Konradt-Moraes 2 UEMS Caixa Postal 351, 79804-970 Dourados MS, E-mail: julianacruz_gnr@hotmail.com

Leia mais

CENARIO ATUAL DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL PERSPECTIVAS DE EXPLORAÇÃO DE RESERVAS NÃO CONVENCIONAIS NO BRASIL

CENARIO ATUAL DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL PERSPECTIVAS DE EXPLORAÇÃO DE RESERVAS NÃO CONVENCIONAIS NO BRASIL 4 CAMPETRO Campinas Oil & Gas 1 Campinas Energy CENARIO ATUAL DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL PERSPECTIVAS DE EXPLORAÇÃO DE RESERVAS NÃO CONVENCIONAIS NO BRASIL Colombo Celso Gaeta Tassinari ccgtassi@usp.br

Leia mais

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil Davi Almeida e Rodrigo Ventura Macroplan - Prospectiva, Estratégia & Gestão Artigo Publicado em: Sidney Rezende Notícias - www.srzd.com Junho de 2007 Após duas décadas

Leia mais

GÁS NATURAL A PREÇO JUSTO!

GÁS NATURAL A PREÇO JUSTO! GÁS NATURAL A PREÇO JUSTO! 14º Encontro de Energia FIESP Matriz Segura e Competitiva Luis Henrique Guimarães São Paulo, 5 de agosto de 2013 1 AGENDA Princípios que norteiam a apresentação O que é Preço

Leia mais

Indústria brasileira de pellets. Texto publicado na Revista da Madeira Edição n 133 de Dezembro/2012. As Indústrias de Pellets no Brasil 01/10/2012

Indústria brasileira de pellets. Texto publicado na Revista da Madeira Edição n 133 de Dezembro/2012. As Indústrias de Pellets no Brasil 01/10/2012 Prof. MSc. Dorival Pinheiro Garcia Diretor de Pesquisa da ABIPEL Engenheiro Industrial Madeireiro Especialista em pellets de madeira pelletsdemadeira@gmail.com 01/10/2012 Texto publicado na Revista da

Leia mais

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia Disciplina: Fontes Alternativas de Parte 1 Fontes Renováveis de 1 Cronograma 1. Fontes renováveis 2. Fontes limpas 3. Fontes alternativas de energia 4. Exemplos de fontes renováveis 1. hidrelétrica 2.

Leia mais

Apague velhos. Acenda uma grande. hábitos. idéia.

Apague velhos. Acenda uma grande. hábitos. idéia. Apague velhos hábitos. Acenda uma grande idéia. Crise Energética Por que todos falam em crise energética? Porque a crise energética sul-americana deixou de ser um cenário hipotético para se transformar

Leia mais

PETRÓLEO E GÁS NATURAL

PETRÓLEO E GÁS NATURAL PANORAMA DOS MERCADOS DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL NO BRASIL E NO MUNDO* Ivan Magalhães Júnior** * Novembro de 2004. ** Engenheiro da Área de Planejamento do BNDES. PETRÓLEO E GÁS NATURAL Resumo O objetivo

Leia mais

COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca. Produção energética no Brasil: Etanol, Petróleo e Hidreletricidade

COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca. Produção energética no Brasil: Etanol, Petróleo e Hidreletricidade COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca Produção energética no Brasil: Etanol, Petróleo e Hidreletricidade Etanol A produção de álcool combustível como fonte de energia deve-se

Leia mais

Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos

Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos Aula nº85 22 Maio 09 Prof. Ana Reis Recursos energéticos Vivemos numa época em que os recursos energéticos afectam a vida de todas as pessoas.

Leia mais

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País o que é O QUE É. Lançado em Brasília em dezembro de 2011, o Movimento Mais Etanol visa detalhar e disseminar políticas públicas e privadas indispensáveis para: w O restabelecimento da competitividade do

Leia mais

Destaque Setorial - Bradesco

Destaque Setorial - Bradesco Siderurgia 12 de maio de 2015 Demanda externa deve compensar parcialmente retração doméstica de produtos siderúrgicos Leandro de Oliveira Almeida Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos A retração

Leia mais

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável Gilberto Hollauer Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Abril de 2015 1 Sumário Política Energética

Leia mais

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SUPERINTENDÊNCIA DE PROJETOS DE GERAÇÃO (SPG) CHESF 1 TEMAS ABORDADOS PERFIL DA CHESF MATRIZ ENERGÉTICA FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS & NUCLEAR ASPECTOS ECONÔMICOS

Leia mais

Fração. Página 2 de 6

Fração. Página 2 de 6 1. (Fgv 2014) De acordo com dados da Agência Internacional de Energia (AIE), aproximadamente 87% de todo o combustível consumido no mundo são de origem fóssil. Essas substâncias são encontradas em diversas

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 1.013, DE 2011 Dispõe sobre a fabricação e venda, em território nacional, de veículos utilitários movidos a óleo diesel, e dá

Leia mais

Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014

Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014 1 Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014 O Conselho de Administração aprovou o Plano de Negócios 2010-2014, com investimentos totais de US$ 224 bilhões, representando a média de US$ 44,8 bilhões

Leia mais

O Pacto Nacional da Indústria Química: Avanços. Henri Slezynger Presidente do Conselho Diretor da ABIQUIM

O Pacto Nacional da Indústria Química: Avanços. Henri Slezynger Presidente do Conselho Diretor da ABIQUIM O Pacto Nacional da Indústria Química: Avanços Henri Slezynger Presidente do Conselho Diretor da ABIQUIM Balança comercial de produtos químicos 1991 a 2011* US$ bilhões Déficit cresceu de forma explosiva:

Leia mais

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011 Visão do Desenvolvimento nº 97 4 ago 2011 Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono Por André Albuquerque Sant Anna (APE) e Frederico Costa Carvalho (AMA) Economistas

Leia mais

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos:

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Conceito são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Renováveis renovação em um curto período de tempo; Não renováveis

Leia mais

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto Granja São Roque de redução

Leia mais

Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13

Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13 Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13 Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Necessidade de projetos

Leia mais

Sumário Executivo. A [R]evolução Energética

Sumário Executivo. A [R]evolução Energética Sumário Executivo Ameaças climáticas e soluções As mudanças climáticas globais, conseqüências do incessante aumento dos gases de efeito estufa na atmosfera do planeta, já estão alterando ecossistemas e

Leia mais

SEMINÁRIO RECURSOS ENERGÉTICOS DO BRASIL: PETRÓLEO, GÁS, URÂNIO E CARVÃO Rio de Janeiro 30 de setembro de 2004 - Clube de Engenharia

SEMINÁRIO RECURSOS ENERGÉTICOS DO BRASIL: PETRÓLEO, GÁS, URÂNIO E CARVÃO Rio de Janeiro 30 de setembro de 2004 - Clube de Engenharia Urânio: Alguns Aspectos relacionados com as Pesquisas, Produção, Demanda e Mercado de Urânio no Brasil e no Mundo SEMINÁRIO RECURSOS ENERGÉTICOS DO BRASIL: PETRÓLEO, GÁS, URÂNIO E CARVÃO Rio de Janeiro

Leia mais

[Infográfico] As projeções de produção da cana, açúcar e etanol na safra 2023/2024

[Infográfico] As projeções de produção da cana, açúcar e etanol na safra 2023/2024 As projeções de produção de cana, açúcar e etanol para a safra 2023/24 da Fiesp/MB Agro No Brasil, a cana-de-açúcar experimentou um forte ciclo de crescimento da produção na década passada. A aceleração

Leia mais

Definição do gás natural. Desenvolvimento do mercado de gás natural no Brasil. O uso do gás natural. Sobre a ANP. O uso do gás natural

Definição do gás natural. Desenvolvimento do mercado de gás natural no Brasil. O uso do gás natural. Sobre a ANP. O uso do gás natural Definição do gás natural. Desenvolvimento do mercado de gás natural no Brasil. O gás natural é uma mistura de hidrocarbonetos gasosos, dentre os quais se destacam o metano, o etano e o propano, resultantes

Leia mais

Matriz energética e emissão de gases de efeito estufa Fatos sobre o Brasil

Matriz energética e emissão de gases de efeito estufa Fatos sobre o Brasil Confederação Nacional da Indústria Matriz energética e emissão de gases de efeito estufa Fatos sobre o Brasil Edição revisada Brasília, 2008 Nota técnica Os gráficos desta cartilha foram elaborados a partir

Leia mais