4ª Parte Processo de Teste

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "4ª Parte Processo de Teste"

Transcrição

1 4ª Parte Processo de Teste Atividades de preparação Ø Planejamento: define itens a testar, aspectos gerenciais e recursos necessários; para a execução da bateria de testes. Ø Desenho: completa as especificações dos testes da bateria; procedimentos e casos de teste. Atividades de realização Ø Implementação: monta o ambiente de teste; implementando os componentes de teste; instalando e configurando os itens a testar. Ø Execução: executa os testes da bateria; produzindo os relatórios resultantes. Atividades de realização. Ø Verificação do término: inspeciona os testes; determinando se estão satisfeitas condições de completeza e sucesso. Ø Balanço final: realiza o balanço final dos testes da bateria; registrando as conclusões e lições aprendidas. Planejamento Ø Definir escopo O que será e o que não será testado? Ø Definir recursos Equipamentos, treinamentos, pessoal, software, componentes Ø Definir prazos Quando inicia? Quando termina? Quantas horas de dedicação? Planejamento Ø Definir abordagem Quais tipos de teste serão executados? Usabilidade? Segurança? Desempenho? Funcional? Ø Definir critérios de cobertura Quando parar? Ø Definir mecanismos de registro e acompanhamento Como registrar erros? Como registrar tarefas? Como acompanhar status da execução? Ø Identificar e acompanhar riscos Que problemas podem acontecer? Qual o impacto? Qual a probabilidade? Quais as contramedidas? 1

2 Criação de um Plano de Teste Desenho da bateria de testes tarefas. Ø Desenhar a bateria de testes, estabelecendo: objetivos dos testes; reutilização de especificações de testes existentes; ordenamento dos casos de teste. Ø Especificar os procedimentos de teste. Ø Especificar os casos de teste. Ø Revisar informalmente as especificações dos testes. Especificações de testes: Ø contêm os detalhes dos testes a serem realizados; Ø separação entre planos e especificações permite reaproveitamento das especificações: diversas baterias do mesmo projeto; Ø especificação de teste tipicamente deriva de: caso de uso de desenho; requisito não-funcional referente ao produto como um todo. Volume das especificações de testes: Ø especificações de testes geralmente ocupam várias páginas: para cada caso de uso; Ø Descrição dos Testes pode chegar a dezenas ou centenas de páginas: mesmo em produtos relativamente simples. Procedimentos de teste: Ø contêm seqüência de ações que devem ser executadas; para realizar grupo de testes semelhantes; Ø correspondem a roteiros importantes de casos de uso de desenho; Ø pode ser executados de forma manual ou automática; Ø testes automatizados podem ser codificados: em linguagem de script de ferramenta de automação de testes; na própria linguagem de implementação, dentro de pacote de classes de teste. Procedimentos de teste: Ø descrevem seqüência de passos para executar uma variação de teste; nos testes funcionais, cada variação é tipicamente baseada nos subfluxos e fluxos alternativos do caso de uso de desenho; convém prever execução de seqüências erradas mas possíveis; Ø fluxo do procedimento representa passos executados; por testador humano ou automatizado; em termos das telas, campos e comandos envolvidos; valores dos campos determinados por cada caso de teste 2

3 Procedimentos de teste: Identificação Objetivo Requisitos especiais MERCI-ETF-GU-PT-IU Verificar se a inclusão de um usuário é feita corretamente. Nenhum. Fluxo 1. Acionar Novo. 2. Preencher Nome, Login, Senha. 3. Selecionar Grupos do Usuário. 4. Acionar Salvar. Casos de teste: Ø contêm para cada instância de teste: valores de entradas; valores esperados de saídas; Ø valores de entrada escolhidos: critérios que maximizam a cobertura do teste; Ø também podem ser automatizados; podem ser embutidos em scripts ou classes de teste; como os procedimentos; podem ser obtidos de arquivos ou bancos de dados de casos de teste. Qualidade de casos de teste: Ø objetivo principal: detectar defeitos ainda não descobertos; e não demonstrar que o programa funciona corretamente; Ø devem incluir: descrição das saídas esperadas; usada para comparação com as saídas reais obtidas; Qualidade de casos de teste: Ø devem cobrir: entradas válidas; entradas inválidas; combinações de entrada relevantes; execução de procedimentos errados mas possíveis; Ø devem exercitar: roteiros mais prováveis; roteiros correspondentes a situações excepcionais e a erros do usuário. Ordem de casos de teste: Ø casos de teste têm ordem especificada de execução; Ø execução correta de um caso pode depender de um estado de uma base de dados; Ø produzido pela execução bem-sucedida de um caso anterior. Exemplo de Caso de Teste Identificação Itens a testar Entradas MERCI-ETF-GU-CT-AU1 Processamento correto de alteração de usuário. Nome Login Senha Grupos do Usuário Campo Campo Joaquim Pereira joaquim senha01 Gestor de Compras Valor Valor Saídas esperadas Nome Joaquim Pereira Senha senha01 (oculto como *******) Grupos do Usuário Gestor de Compras Ambiente Banco de dados de teste. Procedimentos 1. Inclusão de Usuário - MERCI-ETF-GU-PT-AU 2. Pesquisa de Usuário - MERCI-ETF-GU-PT-PU Dependências Banco de dados de teste deve ter um usuário com o login dado. Por exemplo, pode ter sido executado o caso de teste Inclusão de usuário 1 (MERCI-ETF-GU-CT-IU1). 3

4 Criação dos Procedimentos e Casos de Teste Implementação dos testes tarefas. Ø Configurar ambiente de testes. Ø Disponibilizar todos os recursos necessários. Ø Instalar: itens a testar; ferramentas; estruturas provisórias. Ø Codificar componentes de teste; se necessário. Implementação dos testes: Ø testes implementados devem ser automatizados; Ø cria-se Bateria de Testes de Regressão de Software: script de ferramenta de automação de testes; pacotes de classes de teste; Ø especificações dos testes: servem como insumo para a codificação da Bateria; Ø testadores experientes: podem preferir desenhar e implementar diretamente a bateria; sem especificações de testes manuais. Implementação dos Testes Como tornar a atividade de teste mais eficiente? Ø Questões similares tendem a surgir durante o desenvolvimento de software. O reuso de soluções e alternativas já utilizadas para os testes tende a reduzir esforço e gerar mais qualidade Idealmente, deveriam ser definidos modelos de testes, para auxiliar nessas tarefas Padrões de Teste! Implementação dos testes O que é um padrão? Ø Christopher Alexander Catálogos de padrões para arquitetura de cidades, casas e prédios. Ø Descreve um problema que ocorre inúmeras vezes em determinado contexto Ø Núcleo da solução para aquele problema Visando uso sistemático em distintas situações Implementação dos testes Conceito Ø solução, aplicável em várias situações, para um problema conhecido de teste de software Qualquer tipo de boa prática, princípio abstrato ou heurística não é necessariamente um padrão! 4

5 Implementação dos testes Padrões importantes Ø Factory Ø Builder Ø Object Mother (Populator) Ø Test Procedure Ø Test Case Implementação dos testes Padrões importantes Implementação dos Testes Execução dos testes Ø Configurar ambiente de execução contínuo Ø Continuum, Hudson Ø Política para atualização de repositório Execução dos Testes Relatórios dos testes: Ø folhas de Registros de Testes: registram passos relevantes da execução; alguns passos podem gerar incidentes; Ø folhas de Relatórios de Incidentes de Testes: encaminhados à equipe de Implementação; para correção dos defeitos encontrados. Ø incidentes também podem gerar: solicitações de correção do desenho; solicitações de correção dos próprios testes. 5

6 Relatórios dos testes: Ø Idealmente, uma ferramenta de registro e acompanhamento de BUGs deveria ser utilizada ü Motivação Manter um banco de dados de bugs é uma das características imprescindíveis de qualquer boa equipe de software Ø Rastrear erros conhecidos Ø Documentar e acompanhar o processo de correção de erros de forma automática Ø Facilitar a comunicação entre equipes de testes e implementação Erro grave: Ø Programadores acreditam que podem lembrar de todos os seus bugs, ou mantê-los em post-its. ü Exemplo Ilustrativo Histórico Mikey estava desenvolvendo algumas funcionalidades extras para um cliente de FTP e criou uma função para copiar strings sem reusar as funções já existentes. Ele esqueceu de colocar o null no final da string. Jill estava testando o software e de repente o servidor de ftp travou. Ela então reproduziu os passos para verificar se isso se repetia, utilizando outra máquina. Acontece novamente. Ela então anota uma lista de passos para reproduzir o problema. A partir disso ela cria o bug. ü Registro de Bugs Elementos fundamentais Ø Passos para sua reprodução As vezes, o testador não lembra, ou o bug é intermitente Ø Resultados esperados Pode ser difícil entender por que é um bug se não sabemos qual era o resultado esperado Ø Resultados obtidos Parece fácil? Ø Muitos bugs são relatados de forma incorreta ü Exemplo Ilustrativo Histórico Willie acredita que o bug está no servidor de ftp, assim, resolve que ele não será corridigo. Jill acha muito estranho que um servidor usado há anos apresente tal problema e reativa o bug. Willie então analisa a explicação de Jill e repassa o bug para Mikey. Mikey estuda o bug e faz um diagnóstico completamente errado, colocando bug como corrigido. O bug retorna então para Jill. ü O Ciclo de Vida de um Bug Durante sua vida, o bug deve ter apenas um responsável Ø Funciona como uma batata quente! Qualquer um pode resolvê-lo Idealmente, após a solução de um bug, os passos para sua reprodução deveriam ser verificados Apenas quem abriu o bug pode fechá-lo! 6

7 ü Exemplo Ilustrativo Histórico Jill reproduz os passos do bug e o encontra novamente. Ela reativa o bug passando-o diretamente para Mikey. Mikey estuda o bug profundamente e descobre a causa, corrigindo o problema. Ele então coloca o bug como corrigido. O bug retorna então para Jill que verifica a correção e fecha o bug. ü Dicas de Uso Reduzir ao máximo o número de passos para reprodução do bug Apenas quem abriu o bug pode fechá-lo Há muitas maneiras de se resolver um bug: Ø corrigido, não será corrigido, postergado, não reproduzível, duplicado, etc. Ø Entenda cada um desses tipos de solução e oriente a sua equipe Não Reproduzível = irreprodutível Ø Ponto negativo para a equipe de teste Bugs devem estar associados a versões do software Ø Evita retrabalho em desenvolvimentos iterativos com equipes Relatório de Testes Verificação do término Ø Analisar atendimento aos critérios Balanço final Ø Registro das ações aprendidas para auxiliar projetos futuros Uso de uma ferramenta em especial Adequação de uma técnica de teste Dificuldade em se verificar algum objetivo Ø Perguntas associadas: O que foi feito e não deveria mais ser feito O que não foi feito mas deveria ser feito O que foi feito e e deveria continuar sendo feito BSTQB Ø Brazilian Software Testing Qualification Board (http://www.bstqb.org.br/) Ø Certified Tester Foundation Level CTFL 40 questões, 60% para aprovação Ø Certified Tester Advanced Level CTAL 100 pontos, 65% para aprovação 2 anos de experiência com teste ou pesquisa acadêmica 3 anos trabalhando com desenvovlmento de software 7

8 CBTS Ø Certificação Brasileira de (http://www.alats.org.br) 100 questões, 75% para aprovação Ø Melhoria de Processo de Teste Brasileiro (MPT.Br) Nível 1: Parcialmente Gerenciado (práticas genéricas)» PG1 Atingir os resultados definidos» PG2 Estabelecer uma política organizacional» PG3 Planejar a execução do processo» PG4 Identificar e disponibilizar recursos» PG5 Definir responsabilidade e autoridade» PG6 Prover treinamento Ø Melhoria de Processo de Teste Brasileiro (MPT.Br) Nível 1: Parcialmente Gerenciado (práticas específicas)» PET1 Identificar casos de teste» PET2 Executar casos de teste» PET3 Reportar incidentes» PET4 Acompanhar incidentes Ø Nível 1: Parcialmente Gerenciado Gerência de Projetos de Teste» GPT1 Realizar análise de risco do produto» GPT2 Estabelecer objetivos do teste» GPT3 Definir estratégia de teste» GPT4 Definir o escopo do trabalho para o projeto de teste» GPT5 Estabelecer estimativas de tamanho» GPT6 Definir o ciclo de vida do projeto de teste» GPT7 Estimar o esforço e o custo Ø Nível 1: Parcialmente Gerenciado Gerência de Projetos de Teste» GPT8 Estabelecer e manter o orçamento e o cronograma do projeto» GPT9 Identificar riscos do projeto» GPT10 Planejar os recursos humanos» GPT11 Planejar o ambiente de teste para o projeto» GPT12 Planejar os artefatos e dados do projeto» GPT13 Estabelecer indicadores de desempenho de teste Ø Nível 1: Parcialmente Gerenciado Gerência de Projetos de Teste» GPT14 Estabelecer o Plano de Teste» GPT15 Revisar e obter compromisso com o Plano de Teste» GPT16 Monitorar o projeto» GPT17 Gerenciar o envolvimento dos stakeholders» GPT18 Executar revisões em marcos do projeto» GPT19 Analisar e registrar os problemas identificados» GPT20 Estabelecer e acompanhar ações corretivas até a sua conclusão 8

9 Ø Melhoria de Processo de Teste Brasileiro (MPT.Br) Nível 2: Gerenciado (práticas genéricas)» PG7 Controlar produtos de trabalho» PG8 Monitorar e controlar o processo» PG9 Fornecer visibilidade do processo para a gerência superior Ø Melhoria de Processo de Teste Brasileiro (MPT.Br) Nível 2: Gerenciado (práticas específicas)» PET5 Estabelecer padrões de documentação de casos de teste» PET6 Estabelecer padrões de documentação de incidentes Ø Nível 2: Gerenciado Gerência de Projetos de Teste» GPT21 Definir critérios de entrada e saída do teste» GPT22 Definir critérios de suspensão e reinício do teste» GPT23 Monitorar critérios de entrada, saída, suspensão e reinício do teste» GPT24 Monitorar defeitos» GPT25 Planejar e conduzir revisões de qualidade do produto ü Referências Eliane Martins, Curso de Testes, IC UNICAMP. Ana de Alencar Price, Curso de Testes, Instituto de Informática UFRGS. Atif Memon, Curso de Testes, University of Maryland. José Carlos Maldonado, Curso de Testes, USP/São Carlos. Guide to the Software Engineering Body of Knowledge, SWEBOK, W. Paula Filho, Engenharia de Software: Fundamentos, Métodos e Padrões, LTC, 2a Edição, ü Referências Software Testing On-line Resources, Site com link para diversas ferramentas: Outro site com link para diversas ferramentas: R. Binder, Testing OO Systems, R. Pressman, Engenharia de Software, 3ª edição, 1995 G. Myers, The Art of Software Testing,

Testes de Software AULA 02 PLANEJANDO E ELABORANDO OS TESTES. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB

Testes de Software AULA 02 PLANEJANDO E ELABORANDO OS TESTES. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB Testes de Software 1 AULA 02 PLANEJANDO E ELABORANDO OS TESTES Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB Conteúdo Programático Aula 02 Planejamento dos Testes Plano de Teste Análise de Risco

Leia mais

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 Rational Quality Manager Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 1 Informações Gerais Informações Gerais sobre o RQM http://www-01.ibm.com/software/awdtools/rqm/ Link para o RQM https://rqmtreina.mvrec.local:9443/jazz/web/console

Leia mais

1. Qual das seguintes alternativas não é um tipo de revisão? 2. Qual das alternativas é um atributo da qualidade?

1. Qual das seguintes alternativas não é um tipo de revisão? 2. Qual das alternativas é um atributo da qualidade? Simulado CTFL- BSTQB Tempo de duração: 30 minutos 1. Qual das seguintes alternativas não é um tipo de revisão? a) Acompanhamento b) Revisão técnica c) Revisão informal d) Aprovação da gerência 2. Qual

Leia mais

Testes de Software. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB

Testes de Software. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB Testes de Software 1 AULA 01 INTRODUÇÃO A TESTES DE SOFTWARE Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB Conteúdo Programático do Curso Introdução a Testes de Software Técnicas de Testes de Software

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 8 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 8-17/05/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software (Caps. 13 e 14 do

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

Fundamentos em Teste de Software. Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com

Fundamentos em Teste de Software. Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com Fundamentos em Teste de Software Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com Objetivos do treinamento 1. Expor os fundamentos de Teste de Software; 2. Conceituar os Níveis de Teste; 3. Detalhar sobre

Leia mais

PROCESSO DE TESTE DE SOFTWARE. Emerson Rios emersonrios@riosoft.org.br www.emersonrios.eti.br

PROCESSO DE TESTE DE SOFTWARE. Emerson Rios emersonrios@riosoft.org.br www.emersonrios.eti.br PROCESSO DE TESTE DE SOFTWARE Emerson Rios emersonrios@riosoft.org.br www.emersonrios.eti.br PROJETO DE TESTE DE SOFTWARE Deixa eu te dizer uma coisa. Teste de Software é um projeto. Certo? CERTO? Você

Leia mais

a) Teste das funções do sistema com outros sistemas b) Teste de componentes que em conjunto compõem a função do sistema

a) Teste das funções do sistema com outros sistemas b) Teste de componentes que em conjunto compõem a função do sistema Simulado CTFL- BSTQB Tempo de duração: 60 minutos 1. Considerando as seguintes afirmações: I. 100% de cobertura de sentença (comando) garante 100% de cobertura de desvio II. 100% de cobertura de desvio

Leia mais

Guia de Referência do Modelo MPT.Br

Guia de Referência do Modelo MPT.Br Guia de Referência do Modelo MPT.Br Copyright c 2011 - SOFTEXRECIFE Direitos desta edição reservados pela SOFTEXRECIFE A distribuição ilimitada desse documento está sujeita a copyright Sumário Parte I:

Leia mais

1. Introdução ao teste de software 2. Testes em um ciclo de vida de software 3. Especificado vs. Implementado 4. Preenchendo um modelo de

1. Introdução ao teste de software 2. Testes em um ciclo de vida de software 3. Especificado vs. Implementado 4. Preenchendo um modelo de Gustavo Lopes 1. Introdução ao teste de software 2. Testes em um ciclo de vida de software 3. Especificado vs. Implementado 4. Preenchendo um modelo de especificação de testes 5. Técnicas para construção

Leia mais

Workshop de Teste de Software. Visão Geral. Emerson Rios emersonrios@riosoft.org.br www.emersonrios.eti.br

Workshop de Teste de Software. Visão Geral. Emerson Rios emersonrios@riosoft.org.br www.emersonrios.eti.br Workshop de Teste de Software Visão Geral Emerson Rios emersonrios@riosoft.org.br www.emersonrios.eti.br 1 AGENDA DO CURSO Conceitos Básicos Documentação Processo Plano de Teste Caso de Teste BIBLIOGRAFIA

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 3 Planejamento e Aula 8 do Projeto Aula 08 do Projeto SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 ACOMPANHAMENTO DO PROJETO... 3 1. do Progresso...

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA CRONOGRAMAÇÃO NA GERÊNCIA DE PROJETO E PROTOTIPAGEM NA VALIDAÇÃO DE REQUISITOS

UTILIZAÇÃO DA CRONOGRAMAÇÃO NA GERÊNCIA DE PROJETO E PROTOTIPAGEM NA VALIDAÇÃO DE REQUISITOS UTILIZAÇÃO DA CRONOGRAMAÇÃO NA GERÊNCIA DE PROJETO E PROTOTIPAGEM NA VALIDAÇÃO DE REQUISITOS Ademilson Ângelo Cabral Discente do curso Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Faculdades Integradas

Leia mais

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI MDMS-ANAC Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC Superintendência de Tecnologia da Informação - STI Histórico de Alterações Versão Data Responsável Descrição 1.0 23/08/2010 Rodrigo

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

Gerência de Configuração. Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br

Gerência de Configuração. Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br Gerência de Configuração Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br Introdução Mudanças durante o desenvolvimento de software são inevitáveis: os interesses

Leia mais

Universidade Paulista

Universidade Paulista Universidade Paulista Ciência da Computação Sistemas de Informação Gestão da Qualidade Principais pontos da NBR ISO/IEC 12207 - Tecnologia da Informação Processos de ciclo de vida de software Sergio Petersen

Leia mais

TESTES DE SOFTWARE A PARTIR DA FERRAMENTA VISUAL TEST

TESTES DE SOFTWARE A PARTIR DA FERRAMENTA VISUAL TEST UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado) TESTES DE SOFTWARE A PARTIR DA FERRAMENTA VISUAL TEST TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

Leia mais

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Disciplina: INF 02810 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 1. Introdução 2. Processo de Software 3. Gerência de

Leia mais

PMBOK e Cobit - Uma Experiência na Reformulação de Sistemas em Angola Marcelo Etcheverry Torres,PMP,Cobit)

PMBOK e Cobit - Uma Experiência na Reformulação de Sistemas em Angola Marcelo Etcheverry Torres,PMP,Cobit) PMBOK e Cobit - Uma Experiência na Reformulação de Sistemas em Angola Marcelo Etcheverry Torres,PMP,Cobit) Agenda A palestra Angola Cliente O projeto Usando o PMBOK Usando o Cobit Lições Aprendidas Conclusão

Leia mais

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Monitoramento e Controle de Riscos. Monitoramento e Controle de Riscos. Monitoramento e Controle de Riscos

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Monitoramento e Controle de Riscos. Monitoramento e Controle de Riscos. Monitoramento e Controle de Riscos SENAC Pós-Graduação em Segurança da Informação: Análise de Parte 8 Leandro Loss, Dr. loss@gsigma.ufsc.br http://www.gsigma.ufsc.br/~loss Roteiro Análise de Quantitativa Qualitativa Medidas de tratamento

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Testes de Software. Testes de Software. Teste de Validação. Teste de Defeito. Modelo de Entrada e Saída. Modelo de Entrada e Saída

Testes de Software. Testes de Software. Teste de Validação. Teste de Defeito. Modelo de Entrada e Saída. Modelo de Entrada e Saída DCC / ICEx / UFMG Testes de Software Testes de Software Eduardo Figueiredo http://www.dcc.ufmg.br/~figueiredo Teste de software buscam por erros ou anomalias em requisitos funcionais e não funcionais Classificação

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI INTRODUÇÃO Aumento da Importância do Software Software está em tudo: Elemento crítico

Leia mais

GENS S.A. Metodologia de Desenvolvimento Padrões de uso para o Sistema Gemini Versão Reduzida Relatório Análise de Causa

GENS S.A. Metodologia de Desenvolvimento Padrões de uso para o Sistema Gemini Versão Reduzida Relatório Análise de Causa GENS S.A. Metodologia de Desenvolvimento Padrões de uso para o Sistema Gemini Versão Reduzida Relatório Análise de Causa 1. Relatório de Análise de Causa Quando utilizar? O template deve ser utilizado

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Guide to the SWEBOK (Guide to the Software Engineering Body of Knowledge) IEEE Computer Society Professor José Eduardo A. de O. Teixeira - Slide 1 IEEE Institute of Eletric and Eletronic

Leia mais

Teste de Regressão. R. Anido Baseado em notas de aulas da profa. Eliane Martins

Teste de Regressão. R. Anido Baseado em notas de aulas da profa. Eliane Martins Teste de Regressão R. Anido Baseado em notas de aulas da profa. Eliane Martins Testes de Regressão Objetivo Utilização Falhas de regressão Manutenção do conjunto de testes Redução do conjunto de testes

Leia mais

Gerenciamento de configuração. Gerenciamento de Configuração. Gerenciamento de configuração. Gerenciamento de configuração. Famílias de sistemas

Gerenciamento de configuração. Gerenciamento de Configuração. Gerenciamento de configuração. Gerenciamento de configuração. Famílias de sistemas Gerenciamento de Gerenciamento de Configuração Novas versões de sistemas de software são criadas quando eles: Mudam para máquinas/os diferentes; Oferecem funcionalidade diferente; São configurados para

Leia mais

A Importância do Controle da Qualidade na Melhoria de Processos de Software. Ana Liddy Cenni de Castro Magalhães

A Importância do Controle da Qualidade na Melhoria de Processos de Software. Ana Liddy Cenni de Castro Magalhães A Importância do Controle da Qualidade na Melhoria de Processos de Software Ana Liddy Cenni de Castro Magalhães Agenda Contextualização da Qualidade Dificuldades na construção de software Possíveis soluções

Leia mais

Manual Comunica S_Line

Manual Comunica S_Line 1 Introdução O permite a comunicação de Arquivos padrão texto entre diferentes pontos, com segurança (dados criptografados e com autenticação) e rastreabilidade, isto é, um CLIENTE pode receber e enviar

Leia mais

Plano de Gerência de Configuração

Plano de Gerência de Configuração Plano de Gerência de Configuração Objetivo do Documento Introdução A aplicação deste plano garante a integridade de códigos-fonte e demais produtos dos sistemas do, permitindo o acompanhamento destes itens

Leia mais

Como melhorar a Qualidade de Software através s de testes e nua. Cláudio Antônio de Araújo 22/11/2008

Como melhorar a Qualidade de Software através s de testes e nua. Cláudio Antônio de Araújo 22/11/2008 Como melhorar a Qualidade de Software através s de testes e integração contínua. nua. Cláudio Antônio de Araújo 22/11/2008 Objetivos Fornecer uma visão geral da área de testes de software, com ênfase em

Leia mais

Testes de Software Aula 1

Testes de Software Aula 1 Testes de Software Aula 1 Universidade Federal do Ceará Objetivo Estes slides fazem parte do material de treinamento produzido pela Célula de Testes e Qualidade de Software (CTQS) do Grupo de Redes de

Leia mais

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Processos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Objetivos Apresentar modelos de processos de software Descrever três modelos genéricos de processo e quando

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Information Technology Infrastructure Library ou Biblioteca de Infraestrutura da Tecnologia da Informação A TI de antes (ou simplesmente informática ),

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS A decisão de automatizar 1 A decisão de automatizar Deve identificar os seguintes aspectos: Cultura, missão, objetivos da instituição; Características

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com marcosmoraisdesousa.blogspot.com Sistemas de informação Engenharia de Software II Gerenciamento de Qualidade CMMI e MPS.BR

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 3º PERÍODO - 5º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 23/04/2009 ENGENHARIA DE SOFTWARE Dados de identificação do Acadêmico: Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA

Leia mais

Atividades da Engenharia de Software GERENCIAMENTO DA CONFIGURAÇÃO DE SOFTWARE. Atividades da Engenharia de Software. Processo de Desenvolvimento de

Atividades da Engenharia de Software GERENCIAMENTO DA CONFIGURAÇÃO DE SOFTWARE. Atividades da Engenharia de Software. Processo de Desenvolvimento de SCE186-ENGENHARIA DE SOFTWARE Módulo 1 Atividades da Engenharia de GERENCIAMENTO DA CONFIGURAÇÃO DE SOFTWARE Profª Rosely Sanches rsanches@icmc.usp.br 2003 DEFINIÇÃO CONSTRUÇÃO SOFTWARE PRODUTO MANUTENÇÃO

Leia mais

Questionário. A ferramenta auxilia na alocação de Não (0) x x x. Satisfatório (5) complexidade de um caso de uso? de uso (72) Sim (10)

Questionário. A ferramenta auxilia na alocação de Não (0) x x x. Satisfatório (5) complexidade de um caso de uso? de uso (72) Sim (10) Questionário Nível Avaliado Gerador de plano de teste Gerador de dados Função/característica do produto Gestão dos dados do plano de teste (51) Perguntas Pontuação Selenium BadBoy Canoo A ferramenta auilia

Leia mais

SCP - Sistema de Controle de Processo

SCP - Sistema de Controle de Processo SCP - Sistema de Controle de Processo Módulo PTS Versão do produto: 1.0 Edição do documento: Julho de 2010 Série A. Normas e Manuais Técnicos MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria Executiva Departamento de Informática

Leia mais

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED Implantação de um Sistema de GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Importância do GED O GED tem uma importante contribuição na tarefa da gestão eficiente da informação; É a chave para a melhoria da

Leia mais

Juciara Nepomuceno de Souza Rafael Garcia Miani. Teste de Software

Juciara Nepomuceno de Souza Rafael Garcia Miani. Teste de Software Juciara Nepomuceno de Souza Rafael Garcia Miani Teste de Software Técnicas de Teste de Software Testabilidade Operabilidade; Observabilidade; Controlabilidade; Decomponibilidade; Simplicidade; Estabilidade;

Leia mais

ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE MUDANÇA GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO

ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE MUDANÇA GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE MUDANÇA GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO Gerência de Mudanças as Objetivos Minimizar o impacto de incidentes relacionados a mudanças sobre

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 03 In a calm sea every man is a pilot. Engenharia de Software I Aula 3 Gerenciamento de

Leia mais

Gerenciamento de Configuração de Software

Gerenciamento de Configuração de Software Gerenciamento de Configuração de Software Prof. Ricardo Argenton Ramos [Baseado na apresentação do prof. Masiero ICMC-USP] Contexto para Gerência de Configuração 2 Problema dos Dados Compartilhados Desenvolvedor

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 4 Projeto de Teste 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 ANÁLISE E PROJETO DE TESTE... 3 1.

Leia mais

Gestão dos Prazos e Custos do Projeto

Gestão dos Prazos e Custos do Projeto Gestão dos Prazos e Custos do Projeto Prof. Sérgio Ricardo do Nascimento Aula 4 14 de Novembro de 2013 1 Gestão dos Prazos e Custos do Projeto - Prof. Sérgio Ricardo do Nascimento Informações iniciais

Leia mais

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Disciplina: INF 02810 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 1. Introdução 2. Processo de Software 3. Gerência de

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

Project Builder: uma Ferramenta de Apoio a Implementação do Processo Gerência de Projetos do MPS.BR

Project Builder: uma Ferramenta de Apoio a Implementação do Processo Gerência de Projetos do MPS.BR Project Builder: uma Ferramenta de Apoio a Implementação do Processo Gerência de Projetos do MPS.BR Bernardo Grassano, Eduardo Carvalho, Analia I.F. Ferreira, Mariano Montoni bernardo.grassano@projectbuilder.com.br,

Leia mais

Gerência de Configuração de Software Funções

Gerência de Configuração de Software Funções Universidade Estadual de Maringá Departamento de Informática Ciência da Computação Processo de Engenharia de Software II Gerência de Configuração de Software Funções Rafael Leonardo Vivian {rlvivian.uem

Leia mais

Análise de Pontos por Função

Análise de Pontos por Função Análise de Pontos por Função Uma Aplicação na Gerência de Subcontratação de Software Claudia Hazan, MSc. Certified Function Point Specialist Agenda! Introdução à Gerência de Subcontratação! Melhores Práticas:!

Leia mais

UNIP Ciência da Computação / Sistemas de Informação TED I - Orientações Gerais para Elaboração dos Documentos

UNIP Ciência da Computação / Sistemas de Informação TED I - Orientações Gerais para Elaboração dos Documentos I - Orientações Gerais para Elaboração dos Documentos A seguir, orientações fundamentais para a elaboração dos documentos do projeto, tendo em vista a complexidade inerente neste processo. Este roteiro

Leia mais

Exame de Fundamentos da ITIL

Exame de Fundamentos da ITIL Exame de Fundamentos da ITIL Simulado B, versão 5.1 Múltipla escolha Instruções 1. Todas as 40 perguntas devem ser respondidas. 2. Todas as respostas devem ser assinaladas na grade de respostas fornecida.

Leia mais

Sistema Gerenciador de Hotel. Adriano Douglas Girardello. Ana Paula Fredrich. Tiago Alexandre Schulz Sippert

Sistema Gerenciador de Hotel. Adriano Douglas Girardello. Ana Paula Fredrich. Tiago Alexandre Schulz Sippert UNIOESTE Universidade Estadual do Oeste do Paraná CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Colegiado de Informática Curso de Bacharelado em Informática Sistema Gerenciador de Hotel Adriano Douglas Girardello

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Processo de software I Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + O que é Engenharia de Software n Definição dada pela IEEE [IEE93]: n Aplicação de uma abordagem sistemática,

Leia mais

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Evandro Polese Alves Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória - ES - Brasil

Leia mais

Teste de software. Definição

Teste de software. Definição Definição O teste é destinado a mostrar que um programa faz o que é proposto a fazer e para descobrir os defeitos do programa antes do uso. Quando se testa o software, o programa é executado usando dados

Leia mais

Objetivos. Processos de Software. Tópicos abordados. O processo de software. Modelos genéricos de modelos de processo de software.

Objetivos. Processos de Software. Tópicos abordados. O processo de software. Modelos genéricos de modelos de processo de software. Processos de Software Objetivos Apresentar os modelos de processo de software Conjunto coerente de atividades para especificar, projetar, implementar e testar s de software Descrever os diferentes modelos

Leia mais

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI Nome da Empresa Documento Visão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/02/2015 1.0 Início do projeto Anderson, Eduardo, Jessica, Sabrina, Samuel 25/02/2015 1.1 Correções Anderson e Eduardo

Leia mais

Declaração do Escopo do Projeto. SysTrack

Declaração do Escopo do Projeto. SysTrack Declaração do Escopo do Projeto SysTrack Nome do Projeto: SysTrack Versão do Documento: 1.0 Elaborado por: André Ricardo, André Luiz, Daniel Augusto, Diogo Henrique, João Ricardo e Roberto Depollo. Revisado

Leia mais

Manual de Atualização Versão 3.6.4.

Manual de Atualização Versão 3.6.4. Manual de Atualização Versão 3.6.4. Sumário 1. AVISO... 1 2. INTRODUÇÃO... 2 3. PREPARAÇÃO PARA ATUALIZAÇÃO... 3 4. ATUALIZANDO GVCOLLEGE E BASE DE DADOS... 7 5. HABILITANDO NOVAS VERSÕES DO SISTEMA....

Leia mais

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como:

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como: Plano de Teste (resumo do documento) I Introdução Identificador do Plano de Teste Esse campo deve especificar um identificador único para reconhecimento do Plano de Teste. Pode ser inclusive um código

Leia mais

The Software Economics Company. Testando para os Outros Lições Aprendidas pela Fábrica de Testes Funcionais da PrimeUp

The Software Economics Company. Testando para os Outros Lições Aprendidas pela Fábrica de Testes Funcionais da PrimeUp Testando para os Outros Lições Aprendidas pela Fábrica de Testes Funcionais da PrimeUp Agenda Institucional Conceito de Fábrica de Testes Como a PrimeUp Estruturou a sua Fábrica de Testes Lições Aprendidas

Leia mais

Prof. Esp. Anderson Barbosa

Prof. Esp. Anderson Barbosa Prof. Esp. Anderson Barbosa Entregar o produto final dentro das expectativas de qualidade dos usuários; Dentro do prazo e custo do projeto; Dentro dos níveis de erros esperados; Atender aos requisitos

Leia mais

Treinamento. Módulo. Escritório Virtual. Sistema Office. Instruções para configuração e utilização do módulo Escritório Virtual do sistema Office

Treinamento. Módulo. Escritório Virtual. Sistema Office. Instruções para configuração e utilização do módulo Escritório Virtual do sistema Office Treinamento Módulo Escritório Virtual Sistema Office Instruções para configuração e utilização do módulo Escritório Virtual do sistema Office 1. Atualização do sistema Para que este novo módulo seja ativado,

Leia mais

Engenharia de Software. Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr

Engenharia de Software. Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr Engenharia de Software Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 12/08/2014 1.0 Criação da primeira versão HEngholmJr Agenda Introdução à Engenharia

Leia mais

O Impacto da Engenharia de Requisitos no Processo de Métricas. Fátima Cesarino CAIXA

O Impacto da Engenharia de Requisitos no Processo de Métricas. Fátima Cesarino CAIXA O Impacto da Engenharia de Requisitos no Processo de Métricas Fátima Cesarino CAIXA Apresentação Diferentes Cenários Desenvolvimento Software Importância do SISP Agradecimento Oportunidade Responsabilidade

Leia mais

Verificação é um processo para se determinar se os produtos, (executáveis ou

Verificação é um processo para se determinar se os produtos, (executáveis ou ATIVIDADES VV&T E A NORMA IEEE 1012 A qualidade do software está diretamente relacionada à satisfação do cliente, sendo assim, as empresas estão percebendo a importância em produzir software com qualidade.

Leia mais

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português 1 de 7 28/10/2012 16:47 SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português RESULTADO DO SIMULADO Total de questões: 40 Pontos: 0 Score: 0 % Tempo restante: 55:07 min Resultado: Você precisa

Leia mais

Melhoria no Desenvolvimento Ágil com Implantação de Processo de Integração Contínua Multiplataforma para Java e.net. Hudson

Melhoria no Desenvolvimento Ágil com Implantação de Processo de Integração Contínua Multiplataforma para Java e.net. Hudson QUALIDADE Simpósio Brasileiro de Qualidade de Software - SBQS Instituto Nokia de Tecnologia Unit Test Sucess Bug INdT Melhoria no Desenvolvimento Ágil com Implantação de Processo de Integração Contínua

Leia mais

IBM Software Demos Rational Software Delivery Platform - Teste automatizado

IBM Software Demos Rational Software Delivery Platform - Teste automatizado Na parte final da demonstração, Jan, nossa testadora, usará o IBM Rational Functional Tester ou RFT para registrar um novo script de teste. O RFT está integrado ao IBM Rational Software Delivery Platform

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Tópicos de Ambiente Web Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Roteiro Motivação Desenvolvimento de um site Etapas no desenvolvimento de software (software:site) Analise

Leia mais

Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos. Plano de Testes. Versão <1.1> DeltaInfo. Soluções para web Soluções para o mundo

Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos. Plano de Testes. Versão <1.1> DeltaInfo. Soluções para web Soluções para o mundo Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos Plano de Testes Versão DeltaInfo Soluções para web Soluções para o mundo DeltaInfo 2 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autores

Leia mais

POLÍTICA ORGANIZACIONAL

POLÍTICA ORGANIZACIONAL POLÍTICA ORGANIZACIONAL PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE NA DR TECH Data 01/03/2010 Responsável Doc ID Danielle Noronha PoliticaOrg_DR_V003 \\Naja\D\Gerenciamento\Política Localização Organizacional Versão

Leia mais

Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software

Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software Gustavo Zanini Kantorski, Marcelo Lopes Kroth Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) 97100-000 Santa Maria

Leia mais

Engenharia de Software Questionário sobre Engenharia de Requisitos Resolvido Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante

Engenharia de Software Questionário sobre Engenharia de Requisitos Resolvido Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante 1 - Q193183 ( Prova: FCC - 2011 - TRT - 19ª Região (AL) - Analista Judiciário - Tecnologia da Informação / Engenharia de Software / Análise de Requisitos; Engenharia de Requisitos; ) De acordo com Sommerville,

Leia mais

TÍTULO: UM ESTUDO CONCEITUAL SOBRE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE EMBARCADO AERONÁUTICO

TÍTULO: UM ESTUDO CONCEITUAL SOBRE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE EMBARCADO AERONÁUTICO TÍTULO: UM ESTUDO CONCEITUAL SOBRE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE EMBARCADO AERONÁUTICO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA

Leia mais

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT O que é? Um framework contendo boas práticas para

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Aula Nº 06 Determinação do Orçamento

Aula Nº 06 Determinação do Orçamento Aula Nº 06 Determinação do Orçamento Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula são, basicamente, apresentar os processos aplicados que possibilitem identificar os recursos necessários para se conduzir

Leia mais

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Objetivos da aula: Introduzir os conceitos de um processo de desenvolvimento de software Definir os processos básicos Apresentar as vantagens

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

Modelagem de Casos de Uso (Parte 1)

Modelagem de Casos de Uso (Parte 1) Modelagem de Casos de Uso (Parte 1) Roteiro Introdução Descrição: Sistema de Ponto de Vendas Casos de Usos Atores Fluxo de Eventos Cenários Formato de Documentação de Casos de Uso Diagramas de Casos de

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software CENTRO UNIVERSITÁRIO NOVE DE JULHO Profº. Edson T. França edson.franca@uninove.br Software Sistemas Conjunto de elementos, entre os quais haja alguma relação Disposição das partes ou dos elementos de um

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

ES06 Especialização em Engenharia de Software Prof.: Misael Santos (misael@gmail.com) Ago/2010

ES06 Especialização em Engenharia de Software Prof.: Misael Santos (misael@gmail.com) Ago/2010 Gestão de Configuração de Software - Conceitos Principais - ES06 Especialização em Engenharia de Software Prof.: Misael Santos (misael@gmail.com) Ago/2010 Agenda Configuração Itens de Configuração Versionamento

Leia mais

TI Aplicada. Aula 02 Áreas e Profissionais de TI. Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.

TI Aplicada. Aula 02 Áreas e Profissionais de TI. Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti. TI Aplicada Aula 02 Áreas e Profissionais de TI Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http:// Papéis... Um papel é uma definição abstrata de um conjunto de atividades executadas e dos

Leia mais

Plano de Gerenciamento do Projeto

Plano de Gerenciamento do Projeto Projeto para Soluções Contábeis 2015 Plano de Gerenciamento do Projeto Baseado na 5ª edição do Guia PMBOK Brendon Genssinger o e Elcimar Silva Higor Muniz Juliermes Henrique 23/11/2015 1 Histórico de alterações

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Professor: Adriel Ziesemer Disciplina: Engenharia de Software TRABALHO ACADÊMICO Cristian Santos - nº 45671 Guilherme

Leia mais

Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR. Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl

Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR. Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro introdução objetivos do trabalho fundamentação teórica desenvolvimento da ferramenta

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE TESTES AUTOMATIZADO DE SOFTWARES EM AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO

UMA ABORDAGEM SOBRE TESTES AUTOMATIZADO DE SOFTWARES EM AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO UMA ABORDAGEM SOBRE TESTES AUTOMATIZADO DE SOFTWARES EM AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO Robson L. Nascimento 1, Késsia R. C. Marchi¹ 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil robsonluisn@yahoo.com.br,

Leia mais

PROFESSOR: CRISTIANO MARIOTTI

PROFESSOR: CRISTIANO MARIOTTI PROFESSOR: CRISTIANO MARIOTTI Conjunto de atividades, parcialmente ordenadas, com a finalidade de obter um produto de software; Considerado um dos principais mecanismos para se obter software de qualidade

Leia mais