AJUDA MEMÓRIA II REUNIÃO DO GRUPO DE TRABALHO CRIADO PELO ARTIGO 11 DO PROTOCOLO DE ADESÃO DA REPÚBLICA BOLIVARIANA DA VENEZUELA AO MERCOSUL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AJUDA MEMÓRIA II REUNIÃO DO GRUPO DE TRABALHO CRIADO PELO ARTIGO 11 DO PROTOCOLO DE ADESÃO DA REPÚBLICA BOLIVARIANA DA VENEZUELA AO MERCOSUL"

Transcrição

1 AJUDA MEMÓRIA II REUNIÃO DO GRUPO DE TRABALHO CRIADO PELO ARTIGO 11 DO PROTOCOLO DE ADESÃO DA REPÚBLICA BOLIVARIANA DA VENEZUELA AO MERCOSUL Realizou-se em Montevidéu, nos dias 04 a 06 de outubro de 2006, a II Reunião do Grupo de Trabalho criado pelo Artigo 11 do Protocolo de Adesão da República Bolivariana da Venezuela ao MERCOSUL, com a presença das Delegações da Argentina, Brasil, Paraguai, Uruguai e Venezuela. A lista dos participantes consta do Anexo I. Foram retomadas, em plenário e nos grupos técnicos correspondentes, as discussões sobre as tarefas mandatadas pelo Protocolo de Adesão, nas seguintes áreas: adoção do acervo normativo, adoção da NCM e da TEC, programa de liberalização comercial e relacionamento externo. As conclusões consensuadas são detalhadas adiante. Acordou-se realizar a III Reunião do Grupo de Trabalho nos dias 13 e 14 de novembro, em Brasília. A. ADOÇÃO DO ACERVO NORMATIVO Técnicos das Delegações continuaram a tratar o tema referente à incorporação, por parte da Venezuela, do Acervo Normativo do MERCOSUL, nos termos do Artigo 3 do Protocolo de Adesão da República Bolivariana da Venezuela ao MERCOSUL. Para tanto, utilizaram-se como base as listas preliminares de normas preparadas pela Secretaria do MERCOSUL, conforme a classificação definida na Ajuda Memória da I Reunião do Grupo de Trabalho. A Delegação da Venezuela informou que necessitará 45 dias para realizar estudos sobre o acervo normativo do MERCOSUL, a partir do que se poderá ter uma idéia mais clara a respeito do cronograma de incorporação a ser estabelecido pelo Grupo de Trabalho. Resume-se, a seguir, os debates em cada categoria definida na classificação acima mencionada: a) Normas Fundacionais e suas normas complementares Foi complementada a lista referente às Normas Fundacionais do MERCOSUL e suas normas complementares, indicando as que necessitam e as que não necessitam incorporação aos ordenamentos jurídicos nacionais.

2 Confirmou-se o entendimento de que as normas fundacionais e suas normas complementares serão consideradas prioritárias para efeito de incorporação. b) Normas vigentes que não necessitam incorporação (Art. 5.a da Dec. CMC Nº 23/00) A segunda categoria a ser priorizada refere-se às normas vigentes que não necessitam incorporação, por tratar de aspectos de funcionamento do MERCOSUL. c) Normas econômicas e não-econômicas vigentes que necessitam incorporação (categorias 3 e 4) Com relação ao restante das normas vigentes de conteúdo econômico e não-econômico definiu-se que estas deverão ser agrupadas dentro de uma mesma categoria, para efeito dos trabalhos deste Grupo. Nesse sentido, acordou-se que a PPTB solicitará à Secretaria do MERCOSUL a preparação de documento que distinga estas normas por temas, de modo a facilitar, por um lado, os estudos que vêm sendo conduzidos pela Venezuela e, por outro, o trabalho de identificação das normas ou grupos de normas prioritárias para o bloco. Entre outros, a título indicativo, agrupam-se os seguintes temas: - Temas Aduaneiros - Migrações - Agricultura - Tarifas - Comunicações - Defesa Comercial e Salvaguardas - Defesa do Consumidor - Defesa da Concorrência - Educação - Energia - Setor Automotivo - Investimentos - Justiça - Meio Ambiente - Origem - Normas e Regulamentos Técnicos - Restrições não-tarifárias - Saúde - Segurança - Serviços - Transporte

3 - Regimes Especiais - Açúcar - Institucional - Cooperação Técnica - Relacionamento Externo - Livre Comércio - Incorporação da Normativa - Tarifa Externa Comum - Incentivos - Assuntos Consulares - Fundos Estruturais - Trabalho - Direitos Humanos - Assuntos Financeiros - Assuntos Sociais - Outros. d) Normas já aprovadas que tratam de temas prioritários para o Grupo, mas que ainda se encontram em processo de incorporação pelos Estados Partes do MERCOSUL Acordou-se que a PPTB solicitará adicionalmente à Secretaria do MERCOSUL que prepare um listado das normas ainda não vigentes, que também serão agrupadas por tema. A PPTB, em coordenação com a Secretaria do MERCOSUL, comprometeu-se a circular os documentos atualizados da SM com a brevidade possível. B. ADOÇÃO DA NCM E DA TEC Técnicos das delegações reuniram-se para prosseguir o exame dos aspectos referentes à implementação do Artigo 4 do Protocolo de Adesão da Venezuela ao MERCOSUL. Na ocasião, a PPTB realizou exposição sobre os mecanismos de exceção à Tarifa Externa Comum de que dispõem os Estados Partes e entregou à Delegação da Venezuela cópia física das normas vigentes no MERCOSUL que os estabelecem. O subgrupo analisou o tema da incorporação da Nomenclatura Comum do MERCOSUL (NCM) pela Venezuela, a partir de um levantamento feito inicialmente pela Delegação da Argentina, e elaborou documento no qual se cotejam a NCM e a nomenclatura venezuelana com os ajustes decorrentes da adoção da IV Emenda do Sistema Harmonizado (SH). Cada delegação recebeu

4 cópia, em meio eletrônico, do referido documento e da metodologia de trabalho a ser seguida para a sua análise. Foram identificados quatro casos, a saber: Caso 1 códigos fechados tanto na NCM quanto na nomenclatura venezuelana com descrições coincidentes; Caso 2 códigos fechados na NCM, mas com aberturas na nomenclatura venezuelana; Caso 3 códigos fechados na nomenclatura venezuelana, mas com aberturas na NCM; Caso 4 códigos com aberturas tanto na NCM quanto na nomenclatura venezuelana, em geral não coincidentes. A tabela abaixo mostra a freqüência de cada caso: Situação Posições Com relação às posições tarifárias incluídas no caso 1, tendo em vista a coincidência das respectivas descrições nas duas nomenclaturas, houve consenso no sentido de que, no momento da adoção do SH-2007 pela Venezuela, se considerará que esse país incorporou a NCM no que diz respeito àquelas posições. Quanto às posições incluídas nos casos 2 e 3, assim como as incluídas no caso 1, definiu-se a correlação entre as diferentes aberturas. A Venezuela deverá propor a ordem de prioridade em que pretende promover as aberturas ou fechamentos de códigos correspondentes em sua nomenclatura, para efeitos de sua negociação. As posições incluídas no caso 4 deverão exigir maiores esforços para a adaptação da nomenclatura venezuelana à NCM, uma vez que é necessário estabelecer as correlações entre as diferentes aberturas nos dois sistemas para uma mesma posição. Nesse sentido, as delegações indicaram pontos focais, listados no Anexo II, para manter intercâmbio de informações sobre o assunto até o próximo dia 23 de outubro, a fim de permitir a realização de reunião técnica nos dias 30 e 31 de outubro, em Brasília.

5 Para essa tarefa, definiu-se que cada país se dedicará a revisar o documento acima mencionado e sugerir as correlações necessárias para os códigos do caso 4, conforme estabelecido a seguir: Uruguai Capítulos 1 a 27; Argentina Capítulos 28 a 39; Brasil Capítulos 40 a 84; Venezuela Capítulos 85 a 97. Identificou-se que cinco Capítulos do SH (28, 29, 30, 84 e 85), correspondentes aos setores químico, metalmecânico e eletroeletrônico, concentram cerca de 43 % dos códigos incluídos no caso 4. No Anexo III, apresenta-se tabela sobre a situação de cada Capítulo do SH no que respeita a freqüência de cada caso. Na próxima reunião do Grupo de Trabalho criado pelo Art. 11 do Protocolo de Adesão, serão analisados os resultados dos trabalhos técnicos realizados e, no caso dos códigos incluídos no caso 1, serão iniciados os debates sobre o cronograma de adequação das tarifas venezuelanas à TEC. C. PROGRAMA DE LIBERALIZAÇÃO COMERCIAL A Presidência Pro Tempore fez a apresentação da proposta de adaptação dos cronogramas de desgravação do ACE-59 aos termos acordados no Protocolo de Adesão, que havia sido circulada pela Nota PPTB N o 68, de 30 de agosto de 2006, como documento de trabalho. A Delegação da Venezuela comprometeu-se a apresentar uma proposta até a última semana do corrente mês de outubro. D. RELACIONAMENTO EXTERNO Com o objetivo de facilitar as discussões para a implementação dos Artigos 7 e 8 do Protocolo de Adesão, a Presidência circulou, em 22 de setembro de 2006, pela Nota PPTB N o 120, informações sobre os acordos de caráter econômico-comercial do MERCOSUL firmados e em negociação com terceiros países ou grupos de países. Essas informações foram complementadas pelas Coordenações Nacionais dos Estados Partes do agrupamento. A Delegação da Venezuela indicou que está analisando essas informações recebidas e, por outro lado, que informará sobre acordos firmados e vigentes e negociações em curso com terceiros países, em comunicação a ser circulada na terceira semana de outubro. A PPTB ressaltou a importância de se dispor de informação detalhada sobre as preferências negociadas e vigentes entre a Venezuela e os demais países da CAN, bem como no âmbito do G-3.

6 A PPTB acrescentou que encaminhará, até a próximo reunião, informações sobre acordos de outra natureza que o MERCOSUL mantém com terceiros países ou grupos de países.

XIV REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA COMISSÃO DE COMÉRCIO DO MERCOSUL

XIV REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA COMISSÃO DE COMÉRCIO DO MERCOSUL MERCOSUL/CCM EXT/ATA Nº 03/10 XIV REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA COMISSÃO DE COMÉRCIO DO MERCOSUL Realizou-se em Foz do Iguaçu, República Federativa do Brasil, no dia 14 de dezembro de 2010, a XIV Reunião Extraordinária

Leia mais

DECISÃO CMC Nº 39/11 CONSELHO DO MERCADO COMUM

DECISÃO CMC Nº 39/11 CONSELHO DO MERCADO COMUM DECISÃO CMC Nº 39/11 CONSELHO DO MERCADO COMUM CONTEXTO PLANO BRASIL MAIOR Objetivo: aumentar a competitividade da indústria nacional, a partir do incentivo à inovação tecnológica e à agregação de valor.

Leia mais

PROGRAMAS DE TRABALHO

PROGRAMAS DE TRABALHO MERCOSUL/CMC/DEC. Nº 36/10 PROGRAMAS DE TRABALHO TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Decisões Nº 05/91, 18/98, 59/00 e 02/02 do Conselho do Mercado Comum. CONSIDERANDO:

Leia mais

MERCOSUL/ RME/CCR/SIC/III GGP de Indicadores Estatísticos Relatório n 02/2006

MERCOSUL/ RME/CCR/SIC/III GGP de Indicadores Estatísticos Relatório n 02/2006 VII REUNIÃO DO GRUPO GESTOR DO PROJETO DE INDICADORES DO MERCOSUL EDUCACIONAL Realizou-se na cidade de Belo Horizonte, Brasil, no dia 17 de novembro de 2006, a VII Reunião do Grupo Gestor do Projeto de

Leia mais

XVIII REUNIÃO ORDINÁRIA DO SGT N 4 COMISSÃO DE SEGUROS Segunda reunião de a 22 de outubro Rio de Janeiro, BRASIL ATA DA REUNIÃO

XVIII REUNIÃO ORDINÁRIA DO SGT N 4 COMISSÃO DE SEGUROS Segunda reunião de a 22 de outubro Rio de Janeiro, BRASIL ATA DA REUNIÃO XVIII REUNIÃO ORDINÁRIA DO SGT N 4 COMISSÃO DE SEGUROS Segunda reunião de 2004 20 a 22 de outubro Rio de Janeiro, BRASIL ATA DA REUNIÃO Realizou-se na cidade do Rio de Janeiro, Brasil, entre os dias 20

Leia mais

PROTOCOLO DE MONTEVIDÉU SOBRE COMPROMISSO COM A DEMOCRACIA NO MERCOSUL (USHUAIA II)

PROTOCOLO DE MONTEVIDÉU SOBRE COMPROMISSO COM A DEMOCRACIA NO MERCOSUL (USHUAIA II) PROTOCOLO DE MONTEVIDÉU SOBRE COMPROMISSO COM A DEMOCRACIA NO MERCOSUL (USHUAIA II) A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai, a República Oriental do Uruguai, Estados

Leia mais

MERCOSUL/RME/CCR/CRC-EB/GTPJM/ATA Nº 02/2012. Ata da III Reunião do Grupo de Trabalho do Parlamento Juvenil do MERCOSUL

MERCOSUL/RME/CCR/CRC-EB/GTPJM/ATA Nº 02/2012. Ata da III Reunião do Grupo de Trabalho do Parlamento Juvenil do MERCOSUL Ata da III Reunião do Grupo de Trabalho do Parlamento Juvenil do MERCOSUL Realizou-se, na cidade de Brasília, Distrito Federal da República Federativa do Brasil, entre os dias 10 e 12 de setembro do ano

Leia mais

ATAS E DOCUMENTOS DO MERCOSUL

ATAS E DOCUMENTOS DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES Nº 26/01 ATAS E DOCUMENTOS DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Decisões Nº 4/93, Nº 23/00 e Nº 59/00 do Conselho do Mercado Comum e as Resoluções

Leia mais

O Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Cooperativista da Guiana (doravante denominados Partes ),

O Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Cooperativista da Guiana (doravante denominados Partes ), ACORDO DE ALCANCE PARCIAL DE COMPLEMENTAÇÃO ECONÔMICA N 38, SUBCRITO AO AMPARO DO ARTIGO 25 DO TRATADO DE MONTEVIDÉU 1980, ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A REPÚBLICA COOPERATIVISTA DA GUIANA

Leia mais

SECRETARIA DO MERCOSUL RESOLUÇÃO GMC Nº 26/01 ARTIGO 10 FÉ DE ERRATAS ORIGINAL

SECRETARIA DO MERCOSUL RESOLUÇÃO GMC Nº 26/01 ARTIGO 10 FÉ DE ERRATAS ORIGINAL MERCOSUL/CMC/DEC Nº 03/05 REGIME PARA A INTEGRAÇÃO DE PROCESSOS PRODUTIVOS EM VÁRIOS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL COM UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS NÃO ORIGINÁRIOS TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo

Leia mais

COALIZÃO EMPRESARIAL BRASILEIRA

COALIZÃO EMPRESARIAL BRASILEIRA COALIZÃO EMPRESARIAL BRASILEIRA Relatório de Reunião Local: Sede da CNI Data: 26 de setembro de 2007 Convidados: - Ministro Evandro Didonet, Chefe do Departamento de Negociações Internacionais do Ministério

Leia mais

INTRODUÇÃO. a) a classificação das mercadorias nos itens em que a NALADI/SH subdivide o SH; e

INTRODUÇÃO. a) a classificação das mercadorias nos itens em que a NALADI/SH subdivide o SH; e INTRODUÇÃO 1. A Nomenclatura da Associação Latino-Americana de Integração (NALADI/SH) tem como base o Sistema Harmonizado de Designação e Codificação de Mercadorias (SH) com as correspondentes Seções,

Leia mais

Sistema de Consultas sobre Tarifas, Regras de Origem e Serviços dos Acordos Comerciais Brasileiros

Sistema de Consultas sobre Tarifas, Regras de Origem e Serviços dos Acordos Comerciais Brasileiros Sistema de Consultas sobre Tarifas, Regras de Origem e Serviços dos Acordos Comerciais Brasileiros Departamento de Negociações Internacionais - SECEX/MDIC OBJETIVOS www.capta.mdic.gov.br Divulgar e facilitar

Leia mais

Departamento de Negociações Internacionais (DNI) Divisão de Negociações Extra-Regionais do Mercosul -I (DNC I)

Departamento de Negociações Internacionais (DNI) Divisão de Negociações Extra-Regionais do Mercosul -I (DNC I) Acordos Extra-Regionais no âmbito do MERCOSUL: Oportunidades de Negócios para a Região Amazônica Francisco Cannabrava Departamento de Negociações Internacionais Ministério i i das Relações Exteriores Departamento

Leia mais

ACORDO DE COMPLEMENTAÇÃO AO ACORDO DE RECIFE EM MATÉRIA MIGRATÓRIA

ACORDO DE COMPLEMENTAÇÃO AO ACORDO DE RECIFE EM MATÉRIA MIGRATÓRIA MERCOSUL/CMC/DEC. N 18/14 ACORDO DE COMPLEMENTAÇÃO AO ACORDO DE RECIFE EM MATÉRIA MIGRATÓRIA TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Decisões N 07/96, 04/00, 05/00 e 64/10

Leia mais

América. Divisões: 35 países e 18 dependências. População total: habitantes.

América. Divisões: 35 países e 18 dependências. População total: habitantes. América Divisões: 35 países e 18 dependências. Área total: 42.189.120 km². População total: 902.892.047 habitantes. Densidade: 21 hab./km². Idiomas principais: espanhol, inglês, português, francês, holandês,

Leia mais

AÇÕES PONTUAIS NO ÂMBITO TARIFÁRIO POR RAZÕES DE ABASTECIMENTO (REVOGAÇÃO DA RES. GMC N 69/00)

AÇÕES PONTUAIS NO ÂMBITO TARIFÁRIO POR RAZÕES DE ABASTECIMENTO (REVOGAÇÃO DA RES. GMC N 69/00) MERCOSUL/GMC/RES. N 08/08 AÇÕES PONTUAIS NO ÂMBITO TARIFÁRIO POR RAZÕES DE ABASTECIMENTO (REVOGAÇÃO DA RES. GMC N 69/00) TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Decisões Nº

Leia mais

COMUNICADO DOS PRESIDENTES DA REPÚBLICA ARGENTINA, DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, DA REPÚBLICA DO PARAGUAI E DA REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI

COMUNICADO DOS PRESIDENTES DA REPÚBLICA ARGENTINA, DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, DA REPÚBLICA DO PARAGUAI E DA REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI Tradução do espanhol realizada pela SM COMUNICADO DOS PRESIDENTES DA REPÚBLICA ARGENTINA, DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, DA REPÚBLICA DO PARAGUAI E DA REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI Montevidéu, 28 de

Leia mais

Cobertura de, aproximadamente, 7% do PIB mundial

Cobertura de, aproximadamente, 7% do PIB mundial São Paulo Brasil I Outubro 2015 Comércio e Investimento Comércio e Investimento Acordos comerciais em vigor Acordos comerciais assinados, que ainda não entraram em vigor Acordos de Cooperação em Investimento

Leia mais

Que a experiência da Agência de Cooperação Internacional do Japão (JICA) como doadora de cooperação técnica é de interesse do MERCOSUL;

Que a experiência da Agência de Cooperação Internacional do Japão (JICA) como doadora de cooperação técnica é de interesse do MERCOSUL; MERCOSUL/CMC/DEC. Nº 08/04 RESUMO DE DISCUSSÕES ENTRE A AGÊNCIA DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL DO JAPÃO (JICA) E AS RESPECTIVAS AUTORIDADES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL SOBRE COOPERAÇÃO TÉCNICA

Leia mais

DITAMES DE CLASSIFICAÇÃO TARIFÁRIA

DITAMES DE CLASSIFICAÇÃO TARIFÁRIA MERCOSUL/CCM/ DIR Nº 4/99 DITAMES DE CLASSIFICAÇÃO TARIFÁRIA TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Decisão Nº 26/94 do Conselho do Mercado Comum e a Recomendação Nº 5/99 do

Leia mais

Blocos econômicos. Bloco Econômico é uma integração de países nos. desenvolvimento e maior poder de competição.

Blocos econômicos. Bloco Econômico é uma integração de países nos. desenvolvimento e maior poder de competição. Blocos econômicos Bloco Econômico é uma integração de países nos aspectos, visando seu desenvolvimento e maior poder de competição. Eles constituem expressivos espaços integrados de livre comércio. Esses

Leia mais

ACORDO DE COMÉRCIO PREFERENCIAL ENTRE O MERCOSUL E A REPÚBLICA DA ÍNDIA

ACORDO DE COMÉRCIO PREFERENCIAL ENTRE O MERCOSUL E A REPÚBLICA DA ÍNDIA ACORDO DE COMÉRCIO PREFERENCIAL ENTRE O MERCOSUL E A REPÚBLICA DA ÍNDIA A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai e a República Oriental do Uruguai, Estados Parte

Leia mais

ACORDO DE COMPLEMENTAÇÃO ECONÔMICA Nº 18 CELEBRADO ENTRE ARGENTINA, BRASIL, PARAGUAI E URUGUAI (AAP.CE/18) Centésimo Décimo Protocolo Adicional

ACORDO DE COMPLEMENTAÇÃO ECONÔMICA Nº 18 CELEBRADO ENTRE ARGENTINA, BRASIL, PARAGUAI E URUGUAI (AAP.CE/18) Centésimo Décimo Protocolo Adicional ALADI/AAP.CE/18.110 23 de novembro de 2015 ACORDO DE COMPLEMENTAÇÃO ECONÔMICA Nº 18 CELEBRADO ENTRE ARGENTINA, BRASIL, PARAGUAI E URUGUAI (AAP.CE/18) Centésimo Décimo Protocolo Adicional Os Plenipotenciários

Leia mais

ACORDO SOBRE O BENEFÍCIO DA JUSTIÇA GRATUITA E ASSISTÊNCIA JURÍDICA GRATUITA ENTRE OS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL

ACORDO SOBRE O BENEFÍCIO DA JUSTIÇA GRATUITA E ASSISTÊNCIA JURÍDICA GRATUITA ENTRE OS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC Nº 49/00 ACORDO SOBRE O BENEFÍCIO DA JUSTIÇA GRATUITA E ASSISTÊNCIA JURÍDICA GRATUITA ENTRE OS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto,

Leia mais

PROGRAMA DE CONSOLIDAÇÃO DA UNIÃO ADUANEIRA

PROGRAMA DE CONSOLIDAÇÃO DA UNIÃO ADUANEIRA MERCOSUL/CMC/DEC. N 56/10 PROGRAMA DE CONSOLIDAÇÃO DA UNIÃO ADUANEIRA TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Decisões N 07/94, 22/94, 68/00, 69/00, 70/00, 05/01, 28/03, 32/03,

Leia mais

CONVÊNIO DE FINANCIAMENTO PARA O PROJETO APOIO AO PROGRAMA DE MOBILIDADE MERCOSUL EM EDUCAÇÃO SUPERIOR DCI-ALA /2006/18-586

CONVÊNIO DE FINANCIAMENTO PARA O PROJETO APOIO AO PROGRAMA DE MOBILIDADE MERCOSUL EM EDUCAÇÃO SUPERIOR DCI-ALA /2006/18-586 MERCOSUL/GMC/RES. Nº 04/08 CONVÊNIO DE FINANCIAMENTO PARA O PROJETO APOIO AO PROGRAMA DE MOBILIDADE MERCOSUL EM EDUCAÇÃO SUPERIOR DCI-ALA /2006/18-586 TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo

Leia mais

OS BLOCOS ECONÔMICOS. Prof.: ROBERT OLIVEIRA

OS BLOCOS ECONÔMICOS. Prof.: ROBERT OLIVEIRA OS BLOCOS ECONÔMICOS Prof.: ROBERT OLIVEIRA BLOCOS ECONÔMICOS: TODOS OS BLOCOS SÃO IGUAIS? Os blocos econômicos se dividem em quatro tipos diferentes em alguns pontos, porém o suficiente para estabelecer

Leia mais

Ações Reunião Ordinária realizada no dia 18 de julho de 2014

Ações Reunião Ordinária realizada no dia 18 de julho de 2014 R E L A Ç Õ E S D O T R A B A L H O Órgão Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) Representação Efetiva Grupo de Trabalho Tripartite para Implementação da Agenda Nacional de Trabalho Decente Representante

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DO MERCOSUL E PRINCIPAIS PARCEIROS NOS FLUXOS COMERCIAIS DO BRASIL, NO PERÍODO DE 2009 A 2014

PARTICIPAÇÃO DO MERCOSUL E PRINCIPAIS PARCEIROS NOS FLUXOS COMERCIAIS DO BRASIL, NO PERÍODO DE 2009 A 2014 ÁREA: CIÊNCIAS ECONÔMICAS PARTICIPAÇÃO DO MERCOSUL E PRINCIPAIS PARCEIROS NOS FLUXOS COMERCIAIS DO BRASIL, NO PERÍODO DE 2009 A 2014 ANDRIA, Leandro Ribeiro de 1 ROSA, Tatiana Diair Lourenzi Franco 2 A

Leia mais

CERTIFICADO DE APROVAÇÃO DE MODELO DE INSTRUMENTOS DE MEDIÇÃO

CERTIFICADO DE APROVAÇÃO DE MODELO DE INSTRUMENTOS DE MEDIÇÃO MERCOSUR/GMC/RES. Nº 60/05 CERTIFICADO DE APROVAÇÃO DE MODELO DE INSTRUMENTOS DE MEDIÇÃO TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Decisão Nº 20/02 do Conselho do Mercado Comum

Leia mais

VIII REUNIÃO DO GRUPO GESTOR DO PROJETO EDUCAR NA DIVERSIDADE NOS PAÍSES DO MERCOSUL

VIII REUNIÃO DO GRUPO GESTOR DO PROJETO EDUCAR NA DIVERSIDADE NOS PAÍSES DO MERCOSUL 1 VIII REUNIÃO DO GRUPO GESTOR DO PROJETO EDUCAR NA DIVERSIDADE NOS PAÍSES DO MERCOSUL Realizou-se na cidade de Florianópolis, Brasil, no dia 10 de setembro de 2004 a VIII Reunião do Grupo Gestor do Projeto

Leia mais

XXIII Reunião do Subgrupo de Trabalho 7º Indústria COMISSÃO DE MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS E ARTESANATO

XXIII Reunião do Subgrupo de Trabalho 7º Indústria COMISSÃO DE MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS E ARTESANATO MERCOSUL/SGT Nº 7/ ATA Nº 02/04 XXIII Reunião do Subgrupo de Trabalho 7º Indústria COMISSÃO DE MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS E ARTESANATO Realizou-se na cidade do Rio de Janeiro, República Federativa

Leia mais

2º Seminário sobre Comércio Internacional CNI-IBRAC Política Comercial no Novo Governo

2º Seminário sobre Comércio Internacional CNI-IBRAC Política Comercial no Novo Governo 2º Seminário sobre Comércio Internacional CNI-IBRAC Política Comercial no Novo Governo André Alvim de Paula Rizzo Secretário Executivo da CAMEX Confederação Nacional da Indústria - CNI Brasília, 12 de

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL Sistemas de Preferências (item 3 do Programa) COMÉRCIO INTERNACIONAL Sistema Geral de Preferência

COMÉRCIO INTERNACIONAL Sistemas de Preferências (item 3 do Programa) COMÉRCIO INTERNACIONAL Sistema Geral de Preferência Sistemas Preferenciais e Acordos Regionais: Blocos Econômicos Prof.Nelson Guerra (item 3 do Programa) Preferências: É o percentual de redução na alíquota de imposto do país importador que assinou um acordo

Leia mais

Caminhos para melhorar o acesso a mercado das exportações brasileiras

Caminhos para melhorar o acesso a mercado das exportações brasileiras Caminhos para melhorar o acesso a mercado das exportações brasileiras Fórum Estadão de Competitividade Carlos Eduardo Abijaodi Diretor de Desenvolvimento Industrial Confederação Nacional da Indústria 1

Leia mais

CAPÍTULO 3 BRASIL E MERCOSUL PROFESSOR LEONAM JUNIOR COLÉGIO ARI DE SÁ CAVALCANTE

CAPÍTULO 3 BRASIL E MERCOSUL PROFESSOR LEONAM JUNIOR COLÉGIO ARI DE SÁ CAVALCANTE CAPÍTULO 3 BRASIL E MERCOSUL PROFESSOR LEONAM JUNIOR COLÉGIO ARI DE SÁ CAVALCANTE ORIGEM DO MERCOSUL P. 30 e 31 Os blocos econômicos promovem uma maior integração econômica, social e cultural entre as

Leia mais

DETALHAMENTO BRASILEIRO DE NOMENCLATURA (DBN)

DETALHAMENTO BRASILEIRO DE NOMENCLATURA (DBN) CÂMARA DE COMÉRCIO EXTERIOR (CAMEX) SECRETARIA-EXECUTIVA DETALHAMENTO BRASILEIRO DE NOMENCLATURA (DBN) Helder Silva Chaves Assessor Especial 7 de agosto de 2013 São Paulo (SP) Sumário 1. Nomenclatura Comum

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.419, DE 18 DE MARÇO DE 2015 Dispõe sobre a execução do Quinto Protocolo Adicional ao Apêndice II Sobre o Comércio no Setor

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO FORO CONSULTIVO DE MUNICÍPIOS, ESTADOS FEDERADOS, PROVÍNCIAS E DEPARTAMENTOS DO MERCOSUL

REGULAMENTO INTERNO DO FORO CONSULTIVO DE MUNICÍPIOS, ESTADOS FEDERADOS, PROVÍNCIAS E DEPARTAMENTOS DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES Nº 26/07 REGULAMENTO INTERNO DO FORO CONSULTIVO DE MUNICÍPIOS, ESTADOS FEDERADOS, PROVÍNCIAS E DEPARTAMENTOS DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto

Leia mais

OPAS/OMS Representação do Brasil Programa de Cooperação Internacional em Saúde - TC 41 Resumo Executivo de Projeto (Modelo I)

OPAS/OMS Representação do Brasil Programa de Cooperação Internacional em Saúde - TC 41 Resumo Executivo de Projeto (Modelo I) Identificação do Projeto OPAS/OMS Representação do Brasil Programa de Cooperação Internacional em Saúde - TC 41 Resumo Executivo de Projeto (Modelo I) Rede de Cooperação Técnica em Saúde da União de Nações

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PRÓ REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO COORIENTAÇÃO DE TESES DE DOUTORADO OU MESTRADO. VISANDO à MÚLTIPLA / DUPLA-TITULAÇÃO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PRÓ REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO COORIENTAÇÃO DE TESES DE DOUTORADO OU MESTRADO. VISANDO à MÚLTIPLA / DUPLA-TITULAÇÃO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PRÓ REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO COORIENTAÇÃO DE TESES DE DOUTORADO OU MESTRADO VISANDO à MÚLTIPLA / DUPLA-TITULAÇÃO A Universidade de São Paulo pode estabelecer parceria com instituições

Leia mais

ACORDO DE COMPLEMENTAÇÃO ECONÔMICA CELEBRADO ENTRE O MERCOSUL E A REPÚBLICA DE CUBA

ACORDO DE COMPLEMENTAÇÃO ECONÔMICA CELEBRADO ENTRE O MERCOSUL E A REPÚBLICA DE CUBA ACORDO DE COMPLEMENTAÇÃO ECONÔMICA CELEBRADO ENTRE O MERCOSUL E A REPÚBLICA DE CUBA A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai e a República Oriental do Uruguai, Estados

Leia mais

IBES. Disciplina: Geopolítica Professora: Fernanda Tapioca Ministrada dia INTEGRAÇÃO ECONOMICA

IBES. Disciplina: Geopolítica Professora: Fernanda Tapioca Ministrada dia INTEGRAÇÃO ECONOMICA IBES Disciplina: Geopolítica Professora: Fernanda Tapioca Ministrada dia 08.04.14 INTEGRAÇÃO ECONOMICA Sumário: 1. Conceito/ Significado 2. Espécies: nacional, internacional e mundial 3. Integração econômica

Leia mais

OS BLOCOS ECONÔMICOS. Prof Robert Roc. Prof.: ROBERT OLIVEIRA CABRAL

OS BLOCOS ECONÔMICOS. Prof Robert Roc. Prof.: ROBERT OLIVEIRA CABRAL OS BLOCOS ECONÔMICOS Prof.: ROBERT OLIVEIRA CABRAL BLOCOS ECONÔMICOS: TODOS OS BLOCOS SÃO IGUAIS? Os blocos econômicos se dividem em quatro tipos diferentes em alguns pontos, porém o suficiente para estabelecer

Leia mais

De acordo com a vontade comum com vistas ao entendimento mútuo e à cooperação bilateral;

De acordo com a vontade comum com vistas ao entendimento mútuo e à cooperação bilateral; MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE O MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR, DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, E A COMISSÃO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO E REFORMA, DA REPÚBLICA POPULAR

Leia mais

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30.10.2013 COM(2013) 750 final 2013/0364 (NLE) Proposta de DECISÃO DO CONSELHO que estabelece a posição a adotar pela União Europeia no âmbito do 9.ª Conferência Ministerial

Leia mais

A8-0277/14 ALTERAÇÕES DO PARLAMENTO EUROPEU * à proposta da Comissão

A8-0277/14 ALTERAÇÕES DO PARLAMENTO EUROPEU * à proposta da Comissão 25.1.2017 A8-0277/14 Alteração 14 Bernd Lange em nome da Comissão do Comércio Internacional Relatório A8-0277/2016 Marielle de Sarnez Cláusula bilateral de salvaguarda e mecanismo de estabilização para

Leia mais

Agência Nacional de Transportes Aquaviários

Agência Nacional de Transportes Aquaviários COSIPLAN Presidencia Pro Tempore Uruguai 2014-2016 Agência Nacional de Transportes Aquaviários ESTUDO DA PRÁTICA REGULATÓRIA, VANTAGENS COMPETITIVAS E OFERTA E DEMANDA DE CARGA ENTRE OS PAÍSES SIGNATÁRIOS

Leia mais

As perspectivas das negociações internacionais em 2010

As perspectivas das negociações internacionais em 2010 As perspectivas das negociações internacionais em 2010 FIESC Abril de 2010 Multiplicidade de negociações comerciais: OMC, UE, Mercosul, México, CAN, África do Sul, Índia, Israel, Conselho do Golfo, etc.

Leia mais

Redação Oficial, Protocolo e Arquivamento AULA 4. Temas: Tipos de Documentos Oficiais

Redação Oficial, Protocolo e Arquivamento AULA 4. Temas: Tipos de Documentos Oficiais Redação Oficial, Protocolo e Arquivamento AULA 4 Temas: Tipos de Documentos Oficiais Tipos de Documentos Oficiais Nesta aula, continuaremos conhecendo os principais documentos a que temos acesso na Instituição.

Leia mais

PROTOCOLO ADICIONAL AO TRATADO DE ASSUNÇÃO SOBRE A ESTRUTURA INSTITUCIONAL DO

PROTOCOLO ADICIONAL AO TRATADO DE ASSUNÇÃO SOBRE A ESTRUTURA INSTITUCIONAL DO PROTOCOLO ADICIONAL AO TRATADO DE ASSUNÇÃO SOBRE A ESTRUTURA INSTITUCIONAL DO MERCOSUL (Protocolo de Ouro Preto) c Aprovado pelo Dec. Legislativo n o 188, de 15-12-1995, promulgado pelo Dec. n o 1.901,

Leia mais

O GRUPO MERCADO COMUM RESOLVE:

O GRUPO MERCADO COMUM RESOLVE: MERCOSUL/GMC/RES Nº 58/06 SUB-STANDARD - 3.7.44. REQUISITOS FITOSSANITÁRIOS PARA ACTINIDIA CHINENSIS =ACTINIDIA DELICIOSA (KIWI), SEGUNDO PAÍS DE DESTINO E ORIGEM, PARA OS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL TENDO

Leia mais

PROTOCOLO MODIFICATIVO DO PROTOCOLO DE OLIVOS PARA A SOLUÇÃO DE CONTROVÉRSIAS NO MERCOSUL

PROTOCOLO MODIFICATIVO DO PROTOCOLO DE OLIVOS PARA A SOLUÇÃO DE CONTROVÉRSIAS NO MERCOSUL PROTOCOLO MODIFICATIVO DO PROTOCOLO DE OLIVOS PARA A SOLUÇÃO DE CONTROVÉRSIAS NO MERCOSUL A República da Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai e a República Oriental do Uruguai,

Leia mais

Acordos e Tratados Internacionais

Acordos e Tratados Internacionais Acordos e Tratados Internacionais CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: KEEDI, Samir. ABC do Comércio Exterior. São Paulo: Aduaneiras, 2007. www.desenvolvimento.gov.br www.aladi.org

Leia mais

A presente Ata e seus Anexos ficam Ad Referendum da Delegação da Venezuela, nos termos da Dec.CMC N 4/93 e da Res. GMC N 26/01.

A presente Ata e seus Anexos ficam Ad Referendum da Delegação da Venezuela, nos termos da Dec.CMC N 4/93 e da Res. GMC N 26/01. MERCOSUL/RAADDHH/GTP-NIÑ@SUR/ATA N 04/06 IV REUNIÃO DO GRUPO DE TRABALHO PERMANENTE PARA A COORDENAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DAS AÇÕES RELATIVAS À INICIATIVA NIÑ@SUR PARA A PROMOÇÃO E PROTEÇÃO DOS DIREITOS DA

Leia mais

Projeto para a Implementação do Banco de Preços de Medicamentos da União das Nações Sul-americanas (UNASUL)

Projeto para a Implementação do Banco de Preços de Medicamentos da União das Nações Sul-americanas (UNASUL) SECRETÁRIA-GERAL DA UNASUL Ficha para a identificação de Iniciativas Conjuntas da UNASUL (PIC-UNASUL) I Nome do projeto: Implementação do Banco de Preços de Medicamentos da União das Nações Sul-americanas

Leia mais

Comércio Agrícola e Negociações Internacionais Alinne Oliveira e Camila Sande 1º Seminário 16 de agosto de 2016

Comércio Agrícola e Negociações Internacionais Alinne Oliveira e Camila Sande 1º Seminário 16 de agosto de 2016 Comércio Agrícola e Negociações Internacionais Alinne Oliveira e Camila Sande 1º Seminário 16 de agosto de 2016 AGENDA 1. A Política Comercial Brasileira 2. Níveis de Integração Comercial 3. O Mercosul

Leia mais

CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURA À INICIATIVA COMPETIR XXI

CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURA À INICIATIVA COMPETIR XXI CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURA À INICIATIVA COMPETIR XXI 30-03-2016 Iniciativa Competir XXI CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURA Na sequência da qualificação da Sotecnisol, S.A. como Empresa

Leia mais

PROTOCOLO ADICIONAL AO ACE Nº 35 MERCOSUL-CHILE SOBRE PROCEDIMENTO DE SOLUÇÃO DE CONTROVÉRSIAS

PROTOCOLO ADICIONAL AO ACE Nº 35 MERCOSUL-CHILE SOBRE PROCEDIMENTO DE SOLUÇÃO DE CONTROVÉRSIAS MERCOSUL/GMC/RES. Nº 61/99 PROTOCOLO ADICIONAL AO ACE Nº 35 MERCOSUL-CHILE SOBRE PROCEDIMENTO DE SOLUÇÃO DE CONTROVÉRSIAS TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, o artigo 16 da

Leia mais

políticas institucionais macroeconômicas e setoriais, e da harmonização de legislações nas áreas que seus interesses sejam comuns e pertinentes.

políticas institucionais macroeconômicas e setoriais, e da harmonização de legislações nas áreas que seus interesses sejam comuns e pertinentes. PROGRAMA DE IDENTIFICACAO DE OPORTUNIDADES TÉCNICAS COM OS PAÍSES DO MERCOSUL NA ÁREA DE INOVAÇÃO, PROPRIEDADE INTELECTUAL E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA 1. INTRODUCAO A Argentina, o Brasil, o Paraguai

Leia mais

Aprendendo a Exportar Registro de Exportação, Registro de Exportação Simplificada e Registro de Crédito. Vision Co.

Aprendendo a Exportar Registro de Exportação, Registro de Exportação Simplificada e Registro de Crédito. Vision Co. Aprendendo a Exportar Registro de Exportação, Registro de Exportação Simplificada e Registro de Crédito Vision Co. Grupo Giovanni Pizzighini, Beatriz Assakawa, Renata Tsumura, Lucas Jordani, Lucas Progin,

Leia mais

XXXII Reunião do Subgrupo de Trabalho Nº 5 Transportes

XXXII Reunião do Subgrupo de Trabalho Nº 5 Transportes Realizou-se na cidade de Florianópolis, Estado de Santa Catarina, República Federativa do Brasil, entre os dias 18 e 20 de outubro de 2006, a XXXII Reunião do Subgrupo de Trabalho nº 5 Transportes, com

Leia mais

CXVI REUNIÃO ORDINÁRIA DA COMISSÃO DE COMÉRCIO DO MERCOSUL

CXVI REUNIÃO ORDINÁRIA DA COMISSÃO DE COMÉRCIO DO MERCOSUL MERCOSUL/CCM/ATA Nº 05/10 CXVI REUNIÃO ORDINÁRIA DA COMISSÃO DE COMÉRCIO DO MERCOSUL Realizou-se em Montevidéu, República Oriental do Uruguai, nos dias 23 e 24 de setembro de 2010, a CXVI Reunião Ordinária

Leia mais

CHAMAMENTO PARA SELEÇÃO DE CONSULTORIA EXTERNA

CHAMAMENTO PARA SELEÇÃO DE CONSULTORIA EXTERNA CHAMAMENTO PARA SELEÇÃO DE CONSULTORIA EXTERNA Gabinete do Alto Represente-Geral do MERCOSUL (ARGM) - Assistência técnica em áreas prioritárias do Estatuto da Cidadania. Eixo 5: Trabalho e Emprego - (Dec.

Leia mais

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 6.2.204 C(204) 00 final DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO de 6.2.204 que aprova determinados elementos do programa operacional «Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos»

Leia mais

Dimensão Social. Estatuto da Cidadania do MERCOSUL. Plano de Ação. O que é o Estatuto da Cidadania do MERCOSUL?

Dimensão Social. Estatuto da Cidadania do MERCOSUL. Plano de Ação. O que é o Estatuto da Cidadania do MERCOSUL? Dimensão Social Estatuto da Cidadania do MERCOSUL. Plano de Ação Normas: Decisão CMC N 64/10 O Plano de Ação para a conformação progressiva de um Estatuto da Cidadania do MERCOSUL forma parte da estratégia

Leia mais

XXIII Jornadas de Jovens Pesquisadores da Associação de Universidades do Grupo Montevideo (AUGM)

XXIII Jornadas de Jovens Pesquisadores da Associação de Universidades do Grupo Montevideo (AUGM) XXIII Jornadas de Jovens Pesquisadores da Associação de Universidades do Grupo Montevideo (AUGM) Ciencia, Tecnología e Innovación para la Inclusión Social Universidad Nacional de La Plata La Plata - Argentina

Leia mais

LIV REUNIÃO ORDINÁRIA DO SUBGRUPO DE TRABALHO Nº 3 REGULAMENTOS TÉCNICOS E DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE / COMISSÃO DE GÁS

LIV REUNIÃO ORDINÁRIA DO SUBGRUPO DE TRABALHO Nº 3 REGULAMENTOS TÉCNICOS E DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE / COMISSÃO DE GÁS MERCOSUL/SGT Nº 3/CG/ATA Nº 01/15 LIV REUNIÃO ORDINÁRIA DO SUBGRUPO DE TRABALHO Nº 3 REGULAMENTOS TÉCNICOS E DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE / COMISSÃO DE GÁS Realizou-se na cidade do Rio de Janeiro, República

Leia mais

FUNDO DE DESENVOLVIMENTO DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PRO/ FCAV- INCENTIVO A PUBLICAÇÕES REGULAMENTAÇÃO PARA O INCENTIVO À PUBLICAÇÃO

FUNDO DE DESENVOLVIMENTO DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PRO/ FCAV- INCENTIVO A PUBLICAÇÕES REGULAMENTAÇÃO PARA O INCENTIVO À PUBLICAÇÃO FUNDO DE DESENVOLVIMENTO DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PRO/ FCAV- INCENTIVO A PUBLICAÇÕES REGULAMENTAÇÃO PARA O INCENTIVO À PUBLICAÇÃO 1) Objeto: O Fundo PRO/ FCAV de incentivo a ublicações distribuirá incentivos

Leia mais

CASA CIVIL ARQUIVO NACIONAL CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS RESOLUÇÃO Nº 24, DE 3 DE AGOSTO DE 2006

CASA CIVIL ARQUIVO NACIONAL CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS RESOLUÇÃO Nº 24, DE 3 DE AGOSTO DE 2006 Resolução nº 24, de 3 de agosto de 2006 CASA CIVIL ARQUIVO NACIONAL CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS RESOLUÇÃO Nº 24, DE 3 DE AGOSTO DE 2006 Estabelece diretrizes para a transferência e recolhimento de documentos

Leia mais

MECANISMO DE ACOMPANHAMENTO. INTERAMERICANA CONTRA A CORRUPÇÃO 1 abril 2004 Original: espanhol

MECANISMO DE ACOMPANHAMENTO. INTERAMERICANA CONTRA A CORRUPÇÃO 1 abril 2004 Original: espanhol MECANISMO DE ACOMPANHAMENTO OEA/Ser.L. DA IMPLEMENTAÇÃO DA CONVENÇÃO SG/MESICIC/doc.58/04 rev.7 INTERAMERICANA CONTRA A CORRUPÇÃO 1 abril 2004 Original: espanhol Primeira Reunião da Conferência de Estados

Leia mais

Jornal da República. Diploma Ministerial nº 9/2011. de 13 de Abril

Jornal da República. Diploma Ministerial nº 9/2011. de 13 de Abril Diploma Ministerial nº 9/2011 de 13 de Abril Aprova o Regimento Interno e Procedimentos de execução do Conselho de Administração do Fundo de Desenvolvimento do Capital Humano - FDCH O Fundo de Desenvolvimento

Leia mais

autoridades competentes do Brasil para os propósitos deste Memorando, doravante referidos como a "Parte brasileira",

autoridades competentes do Brasil para os propósitos deste Memorando, doravante referidos como a Parte brasileira, Memorando de Entendimento entre o Ministério da Ciência e Tecnologia e o Ministério do Meio Ambiente da República Federativa do Brasil e o Ministério do Meio Ambiente e Território da República da Itália

Leia mais

B. IMPLANTAÇÃO DA ESTRATÉGIA MUNDIAL E DO PLANO DE AÇÃO SOBRE SAÚDE PÚBLICA, INOVAÇÃO E PROPRIEDADE INTELECTUAL

B. IMPLANTAÇÃO DA ESTRATÉGIA MUNDIAL E DO PLANO DE AÇÃO SOBRE SAÚDE PÚBLICA, INOVAÇÃO E PROPRIEDADE INTELECTUAL Página 6 B. IMPLANTAÇÃO DA ESTRATÉGIA MUNDIAL E DO PLANO DE AÇÃO SOBRE SAÚDE PÚBLICA, INOVAÇÃO E PROPRIEDADE INTELECTUAL 17. Neste relatório de progresso se destina a oferecer uma visão integral da maneira

Leia mais

EMBALAGENS E EQUIPAMENTOS CELULÓSICOS EM CONTATO COM ALIMENTOS

EMBALAGENS E EQUIPAMENTOS CELULÓSICOS EM CONTATO COM ALIMENTOS MERCOSUL/GMC/RES Nº 19/94 EMBALAGENS E EQUIPAMENTOS CELULÓSICOS EM CONTATO COM ALIMENTOS TENDO EM VISTA: o Art. 13 do Tratado de Assunção, o Art. 10 da Decisão Nº 4/91 do Conselho do Mercado Comum, as

Leia mais

Política de Suitability. Janeiro/2012 Versão 4.0

Política de Suitability. Janeiro/2012 Versão 4.0 Política de Suitability Janeiro/2012 Versão 4.0 1. INTRODUÇÃO A presente Política de Suitability disciplina os critérios utilizados pela XP Investimentos para a identificação e monitoramento do perfil

Leia mais

PROGRAMA DE INTERCÂMBIO ACADÊMICO UNIVERSIDADE DE COIMBRA EDITAL DRE n 030/16

PROGRAMA DE INTERCÂMBIO ACADÊMICO UNIVERSIDADE DE COIMBRA EDITAL DRE n 030/16 PROGRAMA DE INTERCÂMBIO ACADÊMICO UNIVERSIDADE DE COIMBRA EDITAL DRE n 030/16 A PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS, por intermédio do Departamento de Relações Externas, torna pública a abertura

Leia mais

Relatório de Atividades 2016

Relatório de Atividades 2016 Relatório de Atividades 2016 Comissão de Coordenação das Políticas de Prevenção e Combate ao Branqueamento de Capitais e ao Financiamento do Terrorismo 1 Índice I - INTRODUÇÃO... 2 II - ATIVIDADES DESENVOLVIDAS...

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL SOBRE PREPARADOS FORMADORES DE PELÍCULA A BASE DE POLÍMEROS E/OU RESINAS DESTINADOS AO REVESTIMENTO DE ALIMENTOS.

REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL SOBRE PREPARADOS FORMADORES DE PELÍCULA A BASE DE POLÍMEROS E/OU RESINAS DESTINADOS AO REVESTIMENTO DE ALIMENTOS. MERCOSUL/GMC/RES. Nº 55/99 REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL SOBRE PREPARADOS FORMADORES DE PELÍCULA A BASE DE POLÍMEROS E/OU RESINAS DESTINADOS AO REVESTIMENTO DE ALIMENTOS. TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção,

Leia mais

1.1 Tributação nas Importações. 1.3 Tributação nas Exportações. 1.4 Regimes Aduaneiros Especiais

1.1 Tributação nas Importações. 1.3 Tributação nas Exportações. 1.4 Regimes Aduaneiros Especiais 1.1 Tributação nas Importações 1.2 Preferências Tarifárias 1.3 Tributação nas Exportações 1.4 Regimes Aduaneiros Especiais 1.1 Tributação nas Importações 1.2 Preferências Tarifárias 1.3 Tributação nas

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI Versão: outubro/2016 1. OBJETIVO Em concordância com as diretrizes da Política de Gerenciamento de Riscos dos Fundos e Carteiras

Leia mais

Brasil-Paraguai Interesses da Indústria Brasileira

Brasil-Paraguai Interesses da Indústria Brasileira Brasil-Paraguai Interesses da Indústria Brasileira Brasília, 21 de agosto de 2017 2 Brasil-Paraguai Interesses da Indústria Brasileira Introdução... 5 1 Acordos... 6 1.1 Acordo para Evitar a Dupla Tributação

Leia mais

SECRETARIADO EXECUTIVO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Manual Operativo do Fundo Especial

SECRETARIADO EXECUTIVO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Manual Operativo do Fundo Especial SECRETARIADO EXECUTIVO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Manual Operativo do Fundo Especial Aprovado pela XVIª Reunião do Conselho de Ministros da CPLP Luanda, 22 de Julho de 2011 1 Manual

Leia mais

Brasil México. Dados bilaterais de comércio e dos acordos vigentes

Brasil México. Dados bilaterais de comércio e dos acordos vigentes Brasil México Dados bilaterais de comércio e dos acordos vigentes Introdução: México de volta à agenda comercial brasileira O Brasil possui dois acordos em vigor com o México: Automotivo (ACE 55) e outro

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL I. INTRODUÇÃO: O Risco Operacional pode ser entendido como a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes de falhas, deficiência ou inadequação de processos

Leia mais

Que foi assinado o Plano Geral de Cooperação e Coordenação Recíproca para a Segurança Regional, aprovado pela Decisão CMC Nº 23/99.

Que foi assinado o Plano Geral de Cooperação e Coordenação Recíproca para a Segurança Regional, aprovado pela Decisão CMC Nº 23/99. MERCOSUL/CMC/DEC. Nº 13/00 COMPLEMENTAÇÃO DO PLANO GERAL DE COOPERAÇÃO E COORDENAÇÃO RECÍPROCA PARA A SEGURANÇA REGIONAL EM MATÉRIA DE TRÁFICO ILÍCITO DE MATERIAL NUCLEAR E/O RADIOATIVO ENTRE O MERCOSUL,

Leia mais

PROGRAMA DE INTERCÂMBIO ACADÊMICO UNIVERSIDAD DE SEVILLA EDITAL DRE n 045/16

PROGRAMA DE INTERCÂMBIO ACADÊMICO UNIVERSIDAD DE SEVILLA EDITAL DRE n 045/16 PROGRAMA DE INTERCÂMBIO ACADÊMICO UNIVERSIDAD DE SEVILLA EDITAL DRE n 045/16 A PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS, por intermédio do Departamento de Relações Externas, torna pública a abertura

Leia mais

As Novas Regras de Depósito Central, Custódia e Escrituração de Valores Mobiliários

As Novas Regras de Depósito Central, Custódia e Escrituração de Valores Mobiliários As Novas Regras de Depósito Central, Custódia e Escrituração de Valores Mobiliários Flavia Mouta Superintendente de Desenvolvimento do Mercado Waldir Nobre Superintendente de Relações com o Mercado e Intermediários

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL SOBRE ROTULAGEM OBRIGATÓRIA GERAL PARA PRODUTOS DE HIGIENE PESSOAL, COSMÉTICOS E PERFUMES

REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL SOBRE ROTULAGEM OBRIGATÓRIA GERAL PARA PRODUTOS DE HIGIENE PESSOAL, COSMÉTICOS E PERFUMES MERCOSUL/GMC/RES. N 36/04 REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL SOBRE ROTULAGEM OBRIGATÓRIA GERAL PARA PRODUTOS DE HIGIENE PESSOAL, COSMÉTICOS E PERFUMES TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro

Leia mais

RESOLUÇÃO CFN Nº 529 de 24 DE NOVEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO CFN Nº 529 de 24 DE NOVEMBRO DE 2013 Página 1 de 6 RESOLUÇÃO CFN Nº 529 de 24 DE NOVEMBRO DE 2013 Aprova o regulamento sobre a Política Nacional de Comunicação (PNC) no âmbito do Sistema CFN/CRN e dá outras providências. O Conselho Federal

Leia mais

Conselho da União Europeia Bruxelas, 19 de maio de 2017 (OR. en) Secretário-Geral da Comissão Europeia, assinado por Jordi AYET PUIGARNAU, Diretor

Conselho da União Europeia Bruxelas, 19 de maio de 2017 (OR. en) Secretário-Geral da Comissão Europeia, assinado por Jordi AYET PUIGARNAU, Diretor Conselho da União Europeia Bruxelas, 19 de maio de 2017 (OR. en) 9533/17 AGRI 281 AGRIORG 51 DELACT 86 NOTA DE ENVIO de: data de receção: 19 de maio de 2017 para: n. doc. Com.: Secretário-Geral da Comissão

Leia mais

Evolução histórica da classificação fiscal de mercadorias

Evolução histórica da classificação fiscal de mercadorias Evolução histórica da classificação fiscal de mercadorias Em Genebra, após a 1ª. GM, a Liga das Nações, em 1937, elaborou uma nomenclatura que ficou conhecida como Nomenclatura Aduaneira de Genebra (N.A.G),

Leia mais

PQ /04/

PQ /04/ PQ.06 03 02/04/2013 1-5 1. OBJETIVO Estabelecer sistematica para o processo de solicitação, análise crítica e preparação para a avaliação da conformidade. 2. DEFINIÇÕES Modelo de Avaliação da Conformidade:

Leia mais

Senhores Membros do Congresso Nacional,

Senhores Membros do Congresso Nacional, Mensagem n o 691 Senhores Membros do Congresso Nacional, Nos termos do disposto no art. 49, inciso I, combinado com o art. 84, inciso VIII, da Constituição, submeto à elevada consideração de Vossas Excelências,

Leia mais

O Espaço Ibero-Americano a comunidade de todos

O Espaço Ibero-Americano a comunidade de todos O Espaço Ibero-Americano a comunidade de todos SEGIB Criação: 1994 Definição e objetivo: A SEGIB é o órgão permanente de apoio institucional, técnico e administrativo à Conferência Ibero-Americana e tem

Leia mais

PNRS A IMPORTÂNCIA DOS CONSÓRCIOS

PNRS A IMPORTÂNCIA DOS CONSÓRCIOS PNRS A IMPORTÂNCIA DOS CONSÓRCIOS CONSÓRCIOS PÚBLICOS CONSÓRCIOS PÚBLICOS Consórcio público é uma pessoa jurídica criada por lei com a finalidade de executar a gestão associada de serviços públicos, onde

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES - ANATEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES - ANATEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES - ANATEL RESOLUÇÃO CONJUNTA N o 4, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2014. Aprova o preço de referência para o compartilhamento de postes

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DE DEFESA DO CONSELHO DE DEFESA SUL-AMERICANO

ESTATUTO DO CENTRO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DE DEFESA DO CONSELHO DE DEFESA SUL-AMERICANO ESTATUTO DO CENTRO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DE DEFESA DO CONSELHO DE DEFESA SUL-AMERICANO O Conselho de Defesa Sul-Americano Visto o Tratado Constitutivo da União das Nações Sul-Americanas em seus Artigos

Leia mais

SUB- STANDARD REQUISITOS FITOSSANITÁRIOS PARA GOSSYPIUM SP. (ALGODÃO) SEGUNDO PAÍS DE DESTINO E ORIGEM PARA OS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL

SUB- STANDARD REQUISITOS FITOSSANITÁRIOS PARA GOSSYPIUM SP. (ALGODÃO) SEGUNDO PAÍS DE DESTINO E ORIGEM PARA OS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES. Nº 38/03 SUB- STANDARD 3.7.25 REQUISITOS FITOSSANITÁRIOS PARA GOSSYPIUM SP. (ALGODÃO) SEGUNDO PAÍS DE DESTINO E ORIGEM PARA OS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de

Leia mais