SÍNTESE SINÓTICA MENSAL MAIO 2012

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SÍNTESE SINÓTICA MENSAL MAIO 2012"

Transcrição

1 SÍNTESE SINÓTICA MENSAL MAIO Acompanhamento dos principais sistemas meteorológicos que atuaram na América do Sul ao norte do paralelo 40 S no mês de maio de 2012 Este mês foi caracterizado pela presença de sete sistemas frontais, entretanto, apenas dois avançaram para latitudes médias e baixas trazendo chuva e frio para parte do Sudeste. Ainda no início deste mês a nona frente fria do mês de abril atuou entre o ES e litoral sul da BA com fraca intensidade e mais oceânica, no entanto, o que mais ficou caracterizado foi o declínio de temperatura no centro-sul do Brasil. Este sistema frontal atuou até meados do dia 02 de forma estacionária no norte do ES. No dia 01, houve registro de temperatura negativa em algumas localidades da Região Sul. Em Santa Rosa-RS, fez -1,9 C, em Urupema-SC, -1,6 C e em Palmas-PR a mínima foi de 0,9 C. No dia 02 houve registro de recordes de temperatura mínima nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro e Goiânia, onde fez 10,9 C, 12 C e 12,2 C, respectivamente. Em Campos do Jordão, na Serra da Mantiqueira em SP, a mínima registrada foi 3 C, e houve o registro da ocorrência da primeira geada do ano. Entre os dias 07 e 08 a presença de um Vórtice Ciclônico (VC) nos níveis mais altos centrado entre SP e o Triângulo Mineiro. O ar frio associado a este sistema, temperatura de até -12C, contrastando com temperaturas relativamente elevadas em superfície, favoreceu a formação de áreas de instabilidade que, no decorrer da tarde e noite do dia 07 atingiram áreas de MG levando chuva forte como em Uberaba, no Triângulo Mineiro. A presença deste sistema aliado a advecção de umidade, devido a pista de ventos de sudeste em superfície, manteve o tempo com muita nebulosidade e períodos de chuva fraca e isolada no leste do Sudeste até o dia 08. O primeiro sistema frontal do mês atingiu Bahia Blanca e Mar Del Plata, na Argentina, no decorrer do dia 07 chegando a Buenos Aires no dia 08, mas causando apenas chuva fraca e logo se deslocando para o oceano. O segundo sistema frontal se deslocou de Montevideo, no Uruguai, a Santa Vitória do Palmar, no RS, no decorrer do dia 10, mas apenas com chuva fraca associada. Pelo interior do continente o sistema o sistema chegou a Santana do Livramento, no RS e a Rosário, na Argentina. O terceiro sistema frontal se deslocou de Bahia Blanca a Uruguaiana-RS, no decorrer do dia 11. Este sistema avançou pelo Brasil e Bolívia, chegando a Vitória-ES no dia 14. A passagem deste sistema também foi mais caracterizado pelo declínio da temperatura,

2 principalmente no Sul do Brasil, com registro de 1,8 C em Bom Jesus-RS na manhã do dia 15 e 3 C em São Joaquim-SC. No Sudeste do país a passagem deste sistema e a advecção de ar úmido em sua retaguarda mudou o tempo entre os dias 12 e 13 em parte do Sudeste. Entretanto um cavado provocou temporais isolados no interior de SP e sul e leste de MS entre a madrugada e grande parte do dia 12. Além disso, o deslocamento de um outro cavado nos níveis mais altos da troposfera aumentou a instabilidade, principalmente no leste do Sudeste entre os dias 13 e 14, onde os acumulados de chuva foram significativos em alguns pontos, como em Alfredo Chaves e Vitória, no Estado do ES, onde o volume de chuva ficou em torno dos 200 mm em 48h. Pelo interior do Nordeste do país o mês iniciou com o predomínio da massa de ar seco até o dia 16, sendo que no dia 17 houve aumento da convergência de umidade para a BA levando chuva em algumas áreas desse Estado. No dia 17 a quarta frente fria passou na Província de Buenos Aires causando temporais isolados no sul e oeste dessa região. Esse sistema se desintensificou no fim desse dia. A quinta frente fria chegou na Bahia Blanca na noite do dia 17 e se propagou no dia 18 na Província de Buenos Aires e atingiu o sul do Uruguai na noite desse dia. A instabilidade associada a esse sistema provocou temporais isolados entre as Províncias de Buenos Aires e de Santiago Del Estero. No Uruguai apenas causou nebulosidade. A sexta frente fria chegou no sul da Província de Buenos Aires no dia 20 e provocou nebulosidade e pouca chuva. Esse sistema se deslocou para leste no Atlântico no dia 21. Entre os dias 24 e 25 a passagem de um cavado e a intensificação gerando um Vórtice Ciclônico em 500 hpa causou chuvas fortes em parte de SC, atingindo áreas do nordeste e litoral norte. As principais cidades atingidas, inclusive com alagamentos e deslizamentos de morros, foram Itajaí e Joinville. Nessas áreas o acumulado de chuva em 24h passou de 100 mm, como em Itajaí. A sétima frente fria surgiu no dia 29 na Bahia Blanca resultante de um amplo e extenso escoamento ciclônico no Atlântico sudoeste e teve rápido deslocamento para norte atingindo no dia 31 o litoral de SP. Em sua trajetória houve a presença de atividade pré-frontal, que provocou temporais no RS, com em Santa Maria, que teve acumulado de 130 mm, aproximadamente, e também houve queda de granizo no município de Santa Cruz do Sul-RS. Simultaneamente uma massa de ar frio trouxe temperaturas baixas para o Sul, inclusive com geada ampla no planalto sul de SC no dia 31. Em sua passagem pelo PR e pelo sul de SP também provocou temporais isolados com chuva forte.

3 Figura 1: Acompanhamento das frentes frias ao longo do mês de maio de Litoral Figura 2: Acompanhamento das frentes frias ao longo do mês de maio de Interior

4 Figura 3: Acompanhamento das frentes frias ao longo do mês de maio de Central 1 Figura 4: Acompanhamento das frentes frias ao longo do mês de maio de Central 2 2. Acompanhamento dos Ciclones Subtropicais e Extratropicais As figuras 5a e 5b mostram a distribuição espacial dos principais ciclones ocorridos sobre o oceano Atlântico durante o mês de maio de Este mês fomaram-se dezessete ciclones extratropicais no Atlântico Sudoeste, que atuaram, a maioria deles, ao sul de 40 S. Apenas um ciclone atuou nas proximidades de 30S na primeira quinzena (Figura 5a). Os ciclones de números 8 e 9 foram os que avançaram com uma frente em direção até o RS e nordeste da

5 Argentina e o nono ciclone influenciou o tempo no litoral do Sudeste no dia 14 com uma frente fria (a terceira do mês).os demais ficaram concentrados entre 38S e 60S. Na segunda quinzena (Figura 5b) os ciclones extratropicais atuaram de forma mais concentrada a sul de 50S e os que estiveram abaixo dessa latitude foram apenas três e bem afastados do continente, sendo o primeiro se originou da passagem de cavado em latitudes médias no continente, tornando-se ciclone a leste de 30W. Figura 5a: Acompanhamento dos ciclones ocorridos durante a primeira quinzena do mês de maio de Em cada ponto está plotado o valor mínimo de pressão do ciclone (00 e 12Z).

6 Figura 5b: Acompanhamento dos ciclones ocorridos durante a segunda quinzena do mês de maio de Em cada ponto está plotado o valor mínimo de pressão do ciclone (00 e 12Z). 3. Análise das Anomalias de Precipitação e Temperatura 3.1 Precipitação A Figura 6 mostra a distribuição espacial da anomalia mensal e quinzenal de precipitação para o mês de maio de A anomalia mensal de precipitação (Figura 6, acima) mostra um padrão um pouco diferente dos últimos meses desse ano. No geral, em grande parte do país a chuva ficou muito abaixo da normal, com sinais significativos, principalmente no Sul e no Nordeste, que sofrem com a estiagem, e a diminuição da chuva no Norte. Entretanto, houve anomalias positivas ou dentro do normal entre o Sudeste e o Centro-Oeste Essas anomalias positivas é o reflexo principalmente do padrão observado pela passagem de cavados e de um sistema frontal na primeira quinzena. As anomalias negativas apresentaram sinais mais expressivos na segunda quinzena (Figura 6, direita abaixo) entre as regiões Norte e Nordeste, com valores de mais de 200 mm entre o norte do MA e o norte do AM. No noroeste do RS houve

7 anomalia negativa na região das missões e alto vale do Uruguai. Valores pontuais de anomalia positiva ocorreram no centro de TO, sul de MT e nordeste de MG, que atingiram até 100 mm. Na primeira quinzena (Figura 6, esquerda abaixo) o padrão em parte Sudeste e do Centro-Oeste apresentou anomalias positivas resultantes da passagem de uma frente fria e a presença de cavados na troposfera, onde houve valores positivos de mais de 100 mm entre o norte do RJ e o sul do ES. Figura 6: Anomalia de precipitação do mês de maio de Temperatura A distribuição espacial da anomalia de temperatura mínima para o mês de maio de 2012 (Figura 7) mostra que na maior parte do país a temperatura esteve dentro da normalidade, com alguns pontos pouco acima ou abaixo da normal, no máximo de

8 4 C. Na primeira quinzena (Figura 7, esquerda abaixo) os valores foram bem representativos para temperatura entre o MS, GO e MT, onde houve até 4 C de anomalia negativa. Também em algumas áreas da serra geral de SC, serra da Mantiqueira e região serrana do RJ a anomalia negativa atigiu até 3 C. As anomalias positivas entre 1 C e 3 C ficaram restritas para áreas do litoral do MA e do CE, e em algumas áreas do nordeste e do noroeste de MG e nordeste do PR. Entretanto, o sinal mais significativo ocorreu na segunda quinzena (Figura 7, direita abaixo) onde as anomalias positivas foram expressivas em parte da Região Sul com valores de até 3 C, e algumas áreas do sudoeste do sul do PI, norte de RO, AC e interior da PB e de PE e no litoral do MA. Anomalias negativas de até 4 C ocorrerram em algumas áreas serranas do RJ e de MG e no sul do ES. A distribuição espacial da anomalia de temperatura máxima para o mês de maio de 2012 (Figura 8, acima) mostra sinais mais significativos, principalmente na faixa leste do país. Este padrão mostra pontos com valores de temperatura com até 5 C acima da climatologia, como é o caso na Região Nordeste, entre o CE e PE, e de até 3 C em parte do RS. Isto está associado a ausência de precipitação neste setor do país, principalmente na primeira quinzena. Sendo que no Nordeste a ausência de chuva continua influenciando está variável. Na primeira quinzena (Figura 8, abaixo esquerda) as anomalias foram positivas do RS e no Nordeste e negativas em parte do Sudeste e de MS, resultantes da passagem de frente fria e entrada de massa de ar frio. Na segunda quinzena (Figura 8, abaixo direita) observam-se pontos com anomalias negativas entre o Sudeste e o Centro-Oeste, resultante da presença de crista da alta pressão em superfície, cujo centro posicionavam a leste da Região Sul.

9 Figura 7: Anomalia de temperatura mínima do mês de maio 2012.

10 Figura 8: Anomalia de temperatura máxima do mês de maio de Análise da Circulação Atmosférica hpa A média mensal do campo de vento zonal em altitude do mês de maio (Figura 9, acima) mostra que a circulação apresenta o domínio anticiclônico no norte do Continente, típico para a estação outono. O Cavado do Nordeste (CN) atua entre o litoral do PI e o litoral norte da BA com seu eixo. O Jato Subtropical (JST) esteve mais fraco este mês em latitudes médias, sendo que houve anomalia negativa do vento nas proximidades de 30S. No Pacífico houve fortalecimento dos ventos de oeste entre 35S e

11 60S, onde atua o Jato Polar a sul de 40S. Na primeira quinzena do mês (Figura 9, abaixo esquerda) é possível verificar que um cavado tem seu eixo entre o MA e o oeste de MG, e também outro cavado aparece entre o sul de SP e a leste do RS, que pode ser identificado pela presença da terceira frente fria do mês. Na segunda quinzena (Figura 9, abaixo direita), houve fortalecimento dos ventos de oeste entre o equador e as proximidades de 20S no Continente, com um cavado a lete do litoral do Nordeste. Outro cavado aparece entre o sudeste de GO, litoral do RJ e Atlântico, também pela influência da sétima frente fria do mês. O Jato Subtropical atuou em 30S entre o Pacífico e centro do Chile e tem acoplado o ramo norte do Jato Polar. O ramo sul do Jato Polar atuou no sul do Continente. Isto reflete ventos de oeste mais fortes.

12 Figura 9: Linhas de corrente e anomalia da componente zonal do vento em 250 hpa para o mês de maio de hpa No campo de geopotencial e anomalia de geopotencial em 500 hpa para o mês de maio (Figura 10, acima) nota-se o predomínio de um cavado no Atlântico nas proximidades de SP e Atlântico e uma ampla crista entre o Uruguai e a Península Antártica apresentando forte anomalia positiva. Um anomalia positiva é bastante significativa (Figura 10, abaixo esquerda) na Antártica e na Argentina, com ampla crista dominando o padrão. No Pacífico há um amplo cavado com forte anomalia negativa de geopotencial. Na segunda quinzena (Figura 10, abaixo direita) o comportamento mudou completamente em relação a primeira, nesse caso a forte baroclinia é notada no Atlântico sudoeste e no Pacífico através de um cavado que se amplifica, neste último oceano. E, simultâneamente houve forte anomalia positiva de geopotencial no Atlântico associada a uma crista, que pode ser referida a entrada da massa de ar frio no fim do mês. No Nordeste nota-se anomalia positiva de geopotencial, o que pode inferir na subsidência de ar nessa região.

13 Figura 10: Altura geopotencial e anomalia de geopotencial em 500 hpa para o mês de maio de hpa O escoamento médio de maio em 850 hpa do vento meridional (Figura 11, acima) mostra que o escoamento associado ao Jato de Baixos Níveis (JBN) predominou, com um sinal de anomalias negativas de vento meridional no norte da Argentina. Nota-se a circulação anticiclônica, associada ao anticiclone subtropical do Atlântico, sobre todo o leste brasileiro e adentrando ao centro-oeste, em RO e no AC. Este sistema influenciou o tempo sobre este setor, de forma que inibiu a formação de instabilidade significativa, que pode ter refletido nas anomalias negativas de precipitação no norte da Região Sudeste e interior do Nordeste. Na primeira quinzena (Figura 11, abaixo esquerda) no leste da Região Nordeste notam-se anomalias positivas do vento meridional, que representam ventos de sul mais significativos, que podem ter contribuido para a diminuição da convergênica de umidade e consequente anomalia negativa da precipitação no leste da Região Nordeste. Também um anticiclone se estabeleceu com o centro no leste e litoral de SC, e juntamente com anomalias positivas de geopotencial em 500 hpa, deve ter favorecido nas anomalias negativas de precitação e positivas da temperatura máxima em grande parte da Região Sul. Na segunda quinzena (Figura 11, abaixo direita) os ventos de norte também foram bastante significativos entre latitudes médias e altas, que contribuiram para advectar ar quente de norte para o Sul do Brasil, refletindo ainda na anomalia positiva de temperatura máxima.

14 Figura 11: Linhas de corrente e anomalia da componente meridional do vento em 850 hpa para o mês de maio de Superfície: O campo de Pressão ao Nível Médio do Mar (PNMM) (Figura 12, acima) mostra a Alta Subtopical do Atlântico Sul (ASAS) centrada a leste de 20W. Nota-se que a alta pressão pós-frontal dominou o escoamento anomalamente positivo com o centro a leste do RS e amplificando uma crista para latitudes altas no Atlântico. Nota-se o posicionamento da Alta Subtropical do Pacífico Sul (ASPS) enfraquecida no Pacífico oriental e dá lugar a amplo cavado com forte anomalia negativa de pressão, resultantes de intensos ciclones nesta área. Notam-se anomalias bastante negativas de PNMM na

15 primeira quinzena (Figura 12, abaixo esquerda) no Pacífico sudoeste, resultande da presença de intensos ciclones. Simultaneamente, houve anomalias positivas entre o Sul do Brasil e a Península Antártica, resultante da presença de alta pressão pós-frontal mais intensas do ano no Atlântico, que atingiu valores pontuais de 1031 hpa no dia 07. Na segunda quinzena (Figura 12, abaixo direita) houve o fortalecimento da alta pressão no Atlântico, com valores anomalamente positivos, que influenciaram todo o leste do Brasil. Em consequência houve uma desintensificação do domínio de baixa pressão no Pacífico sudoeste em relação a primeira quinzena, nesse caso atuou um bloqueio em latitudes médias onde as anomalias de pressão foram negativas ao longo de 40S, resultantes da passagem de ciclones nessas áreas. A presença de uma alta pressão a sul de 50S no Pacífico foi positivamente mais anomala no fim do mês, e isto foi determinante para emitir pulso de alta pressão continental, trazendo ar bastante frio para a Argentina e sul do Brasil entre o fim de maio e o início de junho.

16 Figura 12: Pressão ao nível médio do mar (PNMM) e anomalia de pressão para o mês de maio de Elaborado por : Camila Correa e Luiz Kondraski de Souza

SÍNTESE SINÓTICA MENSAL OUTUBRO DE 2012

SÍNTESE SINÓTICA MENSAL OUTUBRO DE 2012 SÍNTESE SINÓTICA MENSAL OUTUBRO DE 2012 1. Acompanhamento dos principais sistemas meteorológicos que atuaram na América do Sul ao norte do paralelo 40 S no mês de outubro de 2012 O destaque para o início

Leia mais

SÍNTESE SINÓTICA MENSAL MAIO DE 2010

SÍNTESE SINÓTICA MENSAL MAIO DE 2010 SÍNTESE SINÓTICA MENSAL MAIO DE 2010 1. Acompanhamento dos principais sistemas meteorológicos que atuaram sobre América do Sul, ao norte do paralelo 40S As Figuras 1, 2 e 3 apresentam a evolução latitudinal

Leia mais

SÍNTESE SINÓTICA MENSAL NOVEMBRO DE 2012

SÍNTESE SINÓTICA MENSAL NOVEMBRO DE 2012 SÍNTESE SINÓTICA MENSAL NOVEMBRO DE 2012 1. Acompanhamento dos principais sistemas meteorológicos que atuaram na América do Sul ao norte do paralelo 40 S no mês de novembro de 2012 Esse mês está sendo

Leia mais

1. Acompanhamento dos principais sistemas meteorológicos que atuaram. na América do Sul a norte do paralelo 40S no mês de novembro de 2013

1. Acompanhamento dos principais sistemas meteorológicos que atuaram. na América do Sul a norte do paralelo 40S no mês de novembro de 2013 1. Acompanhamento dos principais sistemas meteorológicos que atuaram na América do Sul a norte do paralelo 40S no mês de novembro de 2013 Os destaques do mês foram: a presença do primeiro episódio de Zona

Leia mais

SÍNTESE SINÓTICA DEZEMBRO DE Dr. Gustavo Carlos Juan Escobar Grupo de Previsão de Tempo CPTEC/INPE

SÍNTESE SINÓTICA DEZEMBRO DE Dr. Gustavo Carlos Juan Escobar Grupo de Previsão de Tempo CPTEC/INPE SÍNTESE SINÓTICA DEZEMBRO DE 2014 Dr. Gustavo Carlos Juan Escobar Grupo de Previsão de Tempo CPTEC/INPE 1. DESTAQUE DO MÊS 2. FRENTES 3. ANOMALIAS DE PRECIPITAÇÃO 4. ANOMALIAS DE TEMPERATURAS 5. CIRCULAÇÃO

Leia mais

SÍNTESE SINÓTICA FEVEREIRO DE Dr. Gustavo Carlos Juan Escobar Grupo de Previsão de Tempo CPTEC/INPE

SÍNTESE SINÓTICA FEVEREIRO DE Dr. Gustavo Carlos Juan Escobar Grupo de Previsão de Tempo CPTEC/INPE SÍNTESE SINÓTICA FEVEREIRO DE 2015 Dr. Gustavo Carlos Juan Escobar Grupo de Previsão de Tempo CPTEC/INPE 1. DESTAQUE DO MÊS 2. FRENTES 3. ANOMALIAS DE PRECIPITAÇÃO 4. ANOMALIAS DE TEMPERATURAS 5. CIRCULAÇÃO

Leia mais

Novembro de 2012 Sumário

Novembro de 2012 Sumário 08 Novembro de 2012 Sumário BOLETIM DIÁRIO DO TEMPO...2 Boletim do Tempo para 08 de novembro...2 Previsão do Tempo para o dia 09 de Novembro de 2012 (24 horas)...3 Tendência para o dia 10 de Novembro de

Leia mais

Onda frontal associada a instensa massa de ar frio causa temporais e derruba a temperatura no centro-sul do continente Sulamericano

Onda frontal associada a instensa massa de ar frio causa temporais e derruba a temperatura no centro-sul do continente Sulamericano Onda frontal associada a instensa massa de ar frio causa temporais e derruba a temperatura no centro-sul do continente Sulamericano Entre os dias 20 e 23 de julho de 2009, a formação de uma intensa onda

Leia mais

Novembro de 2012 Sumário

Novembro de 2012 Sumário 07 Novembro de 2012 Sumário BOLETIM DIÁRIO DO TEMPO... 2 Boletim do Tempo para 07 de novembro... 2 Previsão do Tempo para 08 de novembro (24 horas)... 3 Tendência para o dia 09 de Novembro de 2012 (48

Leia mais

Dezembro de 2012 Sumário

Dezembro de 2012 Sumário 12 Dezembro de 2012 Sumário BOLETIM DIÁRIO DO TEMPO... 2 Boletim do Tempo para 11 de Dezembro... 2 Previsão do Tempo para o dia 13 de Dezembro de 2012 (24 horas)... 2 Tendência para o dia 14 de Dezembro

Leia mais

Chuvas intensas e acumulados significativos causam prejuízos e mortes no Rio de Janeiro em abril de 2010

Chuvas intensas e acumulados significativos causam prejuízos e mortes no Rio de Janeiro em abril de 2010 Chuvas intensas e acumulados significativos causam prejuízos e mortes no Rio de Janeiro em abril de 2010 A partir da tarde e noite do dia 5 de abril de 2010 a cidade do Rio de Janeiro (RJ) começou a ser

Leia mais

Novembro de 2012 Sumário

Novembro de 2012 Sumário 29 Novembro de 2012 Sumário BOLETIM DIÁRIO DO TEMPO... 2 Boletim do Tempo para 29 de Novembro... 2 Previsão do Tempo para o dia 30 de Novembro de 2012 (24 horas)... 3 Tendência para o dia 01 de Dezembro

Leia mais

Dezembro de 2012 Sumário

Dezembro de 2012 Sumário 07 Dezembro de 2012 Sumário BOLETIM DIÁRIO DO TEMPO... 2 Boletim do Tempo para 07 de Dezembro... 2 Previsão do Tempo para o dia 08 de Dezembro de 2012 (24 horas)... 5 Tendência para o dia 09 de Dezembro

Leia mais

Abril de 2011 Sumário

Abril de 2011 Sumário 10 Abril de 2011 Sumário BOLETIM DIÁRIO DO TEMPO... 2 Boletim do Tempo para 10 de abril (CHUVA)... 2 Previsão do Tempo para 11 de abril (24hr)... 4 Boletim Técnico CPTEC... 5 Nível 250 hpa... 5 Nível 500

Leia mais

Novembro de 2012 Sumário

Novembro de 2012 Sumário 18 Novembro de 2012 Sumário BOLETIM DIÁRIO DO TEMPO... 2 Boletim do Tempo para 18 de Novembro... 2 Previsão do Tempo para o dia 19 de Novembro de 2012 (24 horas)... 4 Tendência para o dia 20 de Novembro

Leia mais

ANÁLISE SINÓTICA E DE MESOESCALA DE EVENTO CICLOGENÉTICO OCORRIDO NO DIA 07 DE JUNHO DE 2011

ANÁLISE SINÓTICA E DE MESOESCALA DE EVENTO CICLOGENÉTICO OCORRIDO NO DIA 07 DE JUNHO DE 2011 ANÁLISE SINÓTICA E DE MESOESCALA DE EVENTO CICLOGENÉTICO OCORRIDO NO DIA 07 DE JUNHO DE 2011 O processo de formação de um ciclone extratropical provocou muita instabilidade e temporais entre a Região Sul,

Leia mais

Balanço das chuvas anômalas sobre estados de MG, RJ e ES no início da estação chuvosa 2011/2012

Balanço das chuvas anômalas sobre estados de MG, RJ e ES no início da estação chuvosa 2011/2012 Balanço das chuvas anômalas sobre estados de MG, RJ e ES no início da estação chuvosa 2011/2012 Todos os anos a Região Sudeste do Brasil é atingida por eventos extremos de chuva, que ocorrem principalmente

Leia mais

Análise sinótica associada à ocorrência de temporais no Sul do Brasil entre os dias 07 e 09 de agosto de 2011

Análise sinótica associada à ocorrência de temporais no Sul do Brasil entre os dias 07 e 09 de agosto de 2011 Análise sinótica associada à ocorrência de temporais no Sul do Brasil entre os dias 07 e 09 de agosto de 2011 No final do dia 07 começou o desenvolvimento de áreas de instabilidade entre RS e centro-sul

Leia mais

TEMPESTADE NA SERRA GAÚCHA NO DIA 29/10/2012

TEMPESTADE NA SERRA GAÚCHA NO DIA 29/10/2012 TEMPESTADE NA SERRA GAÚCHA NO DIA 29/10/2012 A região da Serra Gaúcha teve forte tempestade na noite do dia 29/10, com ventos intensos, queda de granizo e chuva forte. A região do município de Farroupilha-RS

Leia mais

Abril de 2011 Sumário

Abril de 2011 Sumário 17 Abril de 2011 Sumário BOLETIM DIÁRIO DO TEMPO... 2 Boletim do Tempo para 17 de abril (CHUVA)... 2 Previsão do Tempo para 18/19 de abril (24hr)... 5 Boletim Técnico CPTEC... 6 Nível 250 hpa... 6 Nível

Leia mais

Figura 1 Anomalia de precipitação de abril de 2009.

Figura 1 Anomalia de precipitação de abril de 2009. CIRCULAÇÃO ATMOSFÉRICA PREDOMINANTE DURANTE O MÊS DE ABRIL DE 2009 E SUA RELAÇÃO COM A OCORRÊNCIA DE CHUVAS ANÔMALAS EXTREMAS SOBRE PARTE DAS REGIÕES NORTE E NORDESTE DO BRASIL Durante o mês de abril foram

Leia mais

Zona de Convergência de Umidade (ZCOU) provocou chuvas intensas e impactos significativos em grande parte do Estado do Espírito Santo

Zona de Convergência de Umidade (ZCOU) provocou chuvas intensas e impactos significativos em grande parte do Estado do Espírito Santo Zona de Convergência de Umidade (ZCOU) provocou chuvas intensas e impactos significativos em grande parte do Estado do Espírito Santo No período compreendido entre os dias 28 de outubro e 1 de novembro

Leia mais

Temporais provocam prejuízos e mortes em Pelotas-RS

Temporais provocam prejuízos e mortes em Pelotas-RS Temporais provocam prejuízos e mortes em Pelotas-RS Durante a tarde e noite do dia 28/01/2009, áreas de baixa pressão, associadas à formação de uma onda frontal com características subtropicais, atuaram

Leia mais

1. Acompanhamento dos principais sistemas meteorológicos que atuaram. na América do Sul a norte do paralelo 40S no mês de julho de 2013

1. Acompanhamento dos principais sistemas meteorológicos que atuaram. na América do Sul a norte do paralelo 40S no mês de julho de 2013 1. Acompanhamento dos principais sistemas meteorológicos que atuaram na América do Sul a norte do paralelo 40S no mês de julho de 2013 O mês de julho foi caracterizado pela presença de sete sistemas frontais,

Leia mais

Chuva extrema causa impacto em no leste de Santa Catarina no dia 09 de março de 2013

Chuva extrema causa impacto em no leste de Santa Catarina no dia 09 de março de 2013 Chuva extrema causa impacto em no leste de Santa Catarina no dia 09 de março de 2013 Durante a madrugada e manhã do dia 09 de Março de 2013 áreas de instabilidade, formadas pelo intenso calor, alta umidade

Leia mais

Neve nas serras gaúcha e catarinense no dia 26/06/2011

Neve nas serras gaúcha e catarinense no dia 26/06/2011 Neve nas serras gaúcha e catarinense no dia 26/06/2011 Entre a tarde e a noite de domingo do dia 26 junho houve a primeira queda de neve de 2011 em território brasileiro. De acordo com a Climaterra, os

Leia mais

BOLETIM DIÁRIO DO TEMPO

BOLETIM DIÁRIO DO TEMPO 01 Novembro de 2011 BOLETIM DIÁRIO DO TEMPO Sumário 1. BOLETIM DO TEMPO DIAGNÓSTICO - PROJETO CHUVA GLM VALE DO PARAIBA... 2 1.1 Análise dos dados dos instrumentos do Projeto CHUVA-GLM Vale do Paraíba...

Leia mais

BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS

BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS I N F O C L I M A BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 15 de julho de 2004 Número 7 Previsão de Consenso 1 CPTEC/INPE e INMET PREVISÃO DE NORMALIDADE DE CHUVAS E DE TEMPERATURAS NA MAIOR PARTE DO PAÍS

Leia mais

BOLETIM CLIMÁTICO - JULHO 2016

BOLETIM CLIMÁTICO - JULHO 2016 BOLETIM CLIMÁTICO - JULHO 2016 1. Condições meteorológicas sobre o Brasil No mês de julho de 2016, os valores acumulados de precipitação mais significativos ocorreram no noroeste do Amazonas, sul de Roraima

Leia mais

Chuva intensa no Rio de Janeiro entre final da tarde e noite do dia 05/12/2010

Chuva intensa no Rio de Janeiro entre final da tarde e noite do dia 05/12/2010 Chuva intensa no Rio de Janeiro entre final da tarde e noite do dia 05/12/2010 Entre a tarde e noite do dia 05/12/2010 áreas de instabilidade atingiram o centro-sul do estado do RJ, provocando acumulados

Leia mais

ANÁLISE SINÓTICA DE UM CASO DE OCORRÊNCIA DE TEMPO SEVERO NA CAPITAL PAULISTA E NO VALE DO PARAÍBA

ANÁLISE SINÓTICA DE UM CASO DE OCORRÊNCIA DE TEMPO SEVERO NA CAPITAL PAULISTA E NO VALE DO PARAÍBA ANÁLISE SINÓTICA DE UM CASO DE OCORRÊNCIA DE TEMPO SEVERO NA CAPITAL PAULISTA E NO VALE DO PARAÍBA Introdução Elaborado por Silvia Manami Yaguchi e Gustavo Escobar No final da tarde do dia 4 de Maio de

Leia mais

CASOS SIGNIFICATIVOS DO MÊS DE JUNHO DE FENÔMENO DATA CAUSA REGIÃO IMPACTO AVISO Baixas temperaturas e primeiro evento de friagem.

CASOS SIGNIFICATIVOS DO MÊS DE JUNHO DE FENÔMENO DATA CAUSA REGIÃO IMPACTO AVISO Baixas temperaturas e primeiro evento de friagem. CASOS SIGNIFICATIVOS DO MÊS DE JUNHO DE 2009 FENÔMENO DATA CAUSA REGIÃO IMPACTO AVISO Baixas temperaturas e primeiro evento de friagem. Sul, parte do Centro-Oeste e do Sudeste e sul da Amazônia. 01/02/03/04

Leia mais

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL JULHO/AGOSTO/SETEMBRO -2017 Cooperativa de Energia Elétrica e Desenvolvimento Rural JUNHO/2017 Diminui a probabilidade para a formação de El Niño no segundo semestre de 2017

Leia mais

ANÁLISE SINÓTICA DE UM CASO DE TEMPO SEVERO OCORRIDO NA CIDADE DE SÃO PAULO (SP) DURANTE O DIA 7 DE FEVEREIRO DE 2009

ANÁLISE SINÓTICA DE UM CASO DE TEMPO SEVERO OCORRIDO NA CIDADE DE SÃO PAULO (SP) DURANTE O DIA 7 DE FEVEREIRO DE 2009 ANÁLISE SINÓTICA DE UM CASO DE TEMPO SEVERO OCORRIDO NA CIDADE DE SÃO PAULO (SP) DURANTE O DIA 7 DE FEVEREIRO DE 2009 A partir da tarde e parte da noite do dia 7 de fevereiro de 2009 foram registradas

Leia mais

INFOCLIMA BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 9 12 de setembro de 2002 Número 9 Divisão de Operações

INFOCLIMA BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 9 12 de setembro de 2002 Número 9 Divisão de Operações INFOCLIMA BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 9 12 de setembro de 2002 Número 9 Divisão de Operações Chefia: C h o u S i n C h a n Editor técnico desta edição: Sergio Henrique Fra n c h i t o Elaboração:

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DE JANEIRO E PROGNÓSTICO CLIMÁTICO PARA O TRIMESTRE FEVEREIRO, MARÇO E ABRIL DE 2011. I. DIAGNÓSTICO Em Minas Gerais, janeiro iniciou-se com chuvas fortes, frequentes e generalizadas,

Leia mais

Análise da chuva intensa que atingiu a Grande São Paulo no dia 08 de setembro de 2009

Análise da chuva intensa que atingiu a Grande São Paulo no dia 08 de setembro de 2009 Análise da chuva intensa que atingiu a Grande São Paulo no dia 08 de setembro de 2009 A chuva que ocorreu em São Paulo no último dia 08 de setembro de 2009 provocou um longo congestionamento e problemas

Leia mais

BOLETIM CLIMÁTICO - NOVEMBRO 2015

BOLETIM CLIMÁTICO - NOVEMBRO 2015 BOLETIM CLIMÁTICO - NOVEMBRO 2015 1. Condições meteorológicas sobre o Brasil No mês de novembro de 2015 os valores acumulados de precipitação mais significativos ocorreram nas regiões Sul, São Paulo, e

Leia mais

1. Acompanhamento dos principais sistemas meteorológicos que atuaram. na América do Sul a norte do paralelo 40S no mês de março de 2013

1. Acompanhamento dos principais sistemas meteorológicos que atuaram. na América do Sul a norte do paralelo 40S no mês de março de 2013 1. Acompanhamento dos principais sistemas meteorológicos que atuaram na América do Sul a norte do paralelo 40S no mês de março de 2013 O destaque para o início desse mês foi a presença de um intenso ciclone

Leia mais

Circulação Geral da Atmosfera

Circulação Geral da Atmosfera Circulação global: conjunto complexo de ondas e vórtices ciclônicos e anticiclônicos em formação, desenvolvimento, movimento e em declínio Médias temporais retiram os padrões transitórios sistemas são

Leia mais

Estudo de caso de chuva significativa no interior da Região Nordeste do Brasil ocorrida no mês de abril de 2009.

Estudo de caso de chuva significativa no interior da Região Nordeste do Brasil ocorrida no mês de abril de 2009. Estudo de caso de chuva significativa no interior da Região Nordeste do Brasil ocorrida no mês de abril de 2009. INTRODUÇÃO Chuvas fortes e contínuas causaram transtornos e destruição em algumas localidades

Leia mais

Novembro de 2012 Sumário

Novembro de 2012 Sumário 25 Novembro de 2012 Sumário BOLETIM DIÁRIO DO TEMPO... 2 Boletim do Tempo para 25 de Novembro... 2 Previsão do Tempo para o dia 26 de Novembro de 2012 (24 horas)... 3 Tendência para o dia 27 de Novembro

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE. BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DECENDIAL 01 a 10 de Fevereiro de 2011

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE. BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DECENDIAL 01 a 10 de Fevereiro de 2011 I. DIAGNÓSTICO Comportamento das Chuvas BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DECENDIAL 01 a 10 de Fevereiro de 2011 Ausência de chuva e forte calor marcaram o primeiro decêndio de fevereiro em Minas Gerais, ampliando

Leia mais

EVENTO EXTREMO DE CHUVA NO LITORAL DE SÃO PAULO E NO RIO DE JANEIRO DE ABRIL DE 2014

EVENTO EXTREMO DE CHUVA NO LITORAL DE SÃO PAULO E NO RIO DE JANEIRO DE ABRIL DE 2014 EVENTO EXTREMO DE CHUVA NO LITORAL DE SÃO PAULO E NO RIO DE JANEIRO 13-15 DE ABRIL DE 2014 Entre o domingo (13/04/2014) e a terça-feira (15/04/2014) houve grande acumulado de chuva em localidades do litoral

Leia mais

Tempestades no Rio Grande do Sul (16 e 17 de agosto de 2008)

Tempestades no Rio Grande do Sul (16 e 17 de agosto de 2008) Tempestades no Rio Grande do Sul (16 e 17 de agosto de 2008) A chuva e o vento que atingiram o Estado do Rio Grande do Sul (RS), durante a tarde e a noite de sábado (16) e a madrugada de domingo (17) deixaram

Leia mais

INFORMATIVO CLIMÁTICO

INFORMATIVO CLIMÁTICO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO NÚCLEO GEOAMBIENTAL LABORATÓRIO DE METEOROLOGIA INFORMATIVO CLIMÁTICO FEVEREIRO DE 2015 O mês de fevereiro de 2015 apresentou irregular distribuição de chuva, com déficits

Leia mais

Temporais no Rio Grande do Sul

Temporais no Rio Grande do Sul Temporais no Rio Grande do Sul O temporal da quarta-feira, 10 de setembro de 2008, que atingiu Triunfo, na Região Carbonífera do RS, deixou pelo menos 30 pessoas feridas. Em São Sebastião do Caí, a Defesa

Leia mais

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL MARÇO/ABRIL/MAIO - 2016 Cooperativa de Energia Elétrica e Desenvolvimento Rural MARÇO/2016 El Niño 2015-2016 Observações recentes sobre a região do Oceano Pacífico Equatorial

Leia mais

VCAN provoca sequência de eventos extremos no Sul do Brasil entre os dias 12 e 14 de dezembro de 2011

VCAN provoca sequência de eventos extremos no Sul do Brasil entre os dias 12 e 14 de dezembro de 2011 VCAN provoca sequência de eventos extremos no Sul do Brasil entre os dias 12 e 14 de dezembro de 2011 A semana que começou no dia 11 de dezembro de 2011 (segunda-feira) foi marcada pela ocorrência de eventos

Leia mais

BOLETIM CLIMÁTICO OUTONO (Início: 20/03/2017 às 07h29min - Término: 21/06/2017 à 01h24min)

BOLETIM CLIMÁTICO OUTONO (Início: 20/03/2017 às 07h29min - Término: 21/06/2017 à 01h24min) BOLETIM CLIMÁTICO OUTONO 2017 (Início: 20/03/2017 às 07h29min - Término: 21/06/2017 à 01h24min) No Paraná, historicamente, ocorre uma redução das chuvas. As variações nas condições do tempo são rápidas;

Leia mais

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL MARÇO/ABRIL/MAIO - 2017 Cooperativa de Energia Elétrica e Desenvolvimento Rural MARÇO/2017 La Niña de fraca intensidade chega ao fim no Pacífico e Oceano Atlântico com temperatura

Leia mais

Frente fria provoca deslizamentos e mais de 30 mortes na região serrana do RJ

Frente fria provoca deslizamentos e mais de 30 mortes na região serrana do RJ Frente fria provoca deslizamentos e mais de 30 mortes na região serrana do RJ No decorrer do dia 17/03 e madrugada do dia 18/03/2013 houve chuvas torrenciais que ocasionaram diversos impactos em áreas

Leia mais

Temporais na capital São Paulo e região metropolitana no dia 17/03/2009

Temporais na capital São Paulo e região metropolitana no dia 17/03/2009 Temporais na capital São Paulo e região metropolitana no dia 17/03/2009 A grande concentração de umidade, o calor e o deslocamento de áreas de baixa pressão bem como a intensadifluência na alta troposfera,

Leia mais

BOLETIM CLIMÁTICO VERÃO (Início: 21/12/2016 às 08h 44min - Término: 20/03/2017 às 07h29min)

BOLETIM CLIMÁTICO VERÃO (Início: 21/12/2016 às 08h 44min - Término: 20/03/2017 às 07h29min) BOLETIM CLIMÁTICO VERÃO 2016-17 (Início: 21/12/2016 às 08h 44min - Término: 20/03/2017 às 07h29min) No Paraná, historicamente, esta estação é bastante chuvosa. Os sistemas frontais - frentes frias ou quentes

Leia mais

INFOCLIMA EXTREMOS NORTE E SUL DO BRASIL. Sumário Executivo

INFOCLIMA EXTREMOS NORTE E SUL DO BRASIL. Sumário Executivo INFOCLIMA BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 9 15 de maio de 2002 Número 05 Divisão de Operações Chefia: Chou Sin Chan Editor técnico dessa edição: José Antônio Marengo Orsini Elaboração: Operação Meteorológica

Leia mais

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2002).

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2002). 1 PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2002). O prognóstico climático do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), órgão do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, para

Leia mais

Novembro de 2012 Sumário

Novembro de 2012 Sumário 30 Novembro de 2012 Sumário BOLETIM DIÁRIO DO TEMPO... 2 Boletim do Tempo para 30 de Novembro... 2 Previsão do Tempo para o dia 01 de Dezembro de 2012 (24 horas)... 3 Tendência para o dia 02 de Dezembro

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA PROGNÓSTICO DE PRECIPITAÇÃO

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA PROGNÓSTICO DE PRECIPITAÇÃO 1 PROGNÓSTICO TRIMESTRAL Novembro-Dezembro-Janeiro 2003. Este período é caracterizado por chuvas em grande parte do Brasíl, com temporais, trovoadas, vendavais e queda de granizo nas Regiões Sul, Sudeste

Leia mais

CÓDIGO DA VAGA: TP03 QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS

CÓDIGO DA VAGA: TP03 QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS 1. A Zona de Convergência do Atlântico Sul (ZCAS) é definida como uma persistente faixa de nebulosidade orientada no sentido noroeste- sudeste, que se estende do sul da Amazônia

Leia mais

INFOCLIMA BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS. Ano de agosto de 2004 Número 8. Sumário Executivo

INFOCLIMA BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS. Ano de agosto de 2004 Número 8. Sumário Executivo INFOCLIMA BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 17 de agosto de 2004 Número 8 Previsão de Consenso 1 CPTEC/INPE e INMET CONDIÇÕES PRÓXIMAS DO NORMAL NA MAIOR PARTE DO PAÍS Sumário Executivo O mês de

Leia mais

Tempo & Clima. é o estado físico das condições. atmosféricas em um determinado momento e local, podendo variar durante o mesmo dia.

Tempo & Clima. é o estado físico das condições. atmosféricas em um determinado momento e local, podendo variar durante o mesmo dia. Climatologia É uma parte da que estuda o tempo e o clima cientificamente, utilizando principalmente técnicas estatísticas na obtenção de padrões. É uma ciência de grande importância para os seres humanos,

Leia mais

Prognóstico Climático

Prognóstico Climático Prognóstico Climático PROGNÓSTICO TRIMESTRAL Trimestre: ago/set/out - 2001 O prognóstico climático do Instituto Nacional de Meteorologia - INMET, órgão do Ministério da Agricultura e do Abastecimento,

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE. BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DECENDIAL PARA MINAS GERAIS, 11 a 20 de Março de 2011

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE. BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DECENDIAL PARA MINAS GERAIS, 11 a 20 de Março de 2011 BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DECENDIAL PARA MINAS GERAIS, 11 a 20 de Março de 2011 I. DIAGNÓSTICO Comportamento das Chuvas O segundo decêndio de março, em Minas Gerais, foi caracterizado por chuvas frequentes,

Leia mais

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL AGOSTO/SETEMBRO/OUTUBRO - 2016 Cooperativa de Energia Elétrica e Desenvolvimento Rural JULHO/2016 La Niña 2016-2017 A temperatura da superfície do mar nas regiões dos Niños

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE. BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DECENDIAL 11 a 20 de Janeiro de 2011

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE. BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DECENDIAL 11 a 20 de Janeiro de 2011 BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DECENDIAL 11 a 20 de Janeiro de 2011 I. DIAGNÓSTICO Comportamento das Chuvas O segundo decêndio de janeiro foi caracterizado por chuvas fortes e recorrentes, principalmente no

Leia mais

CASOS SIGNIFICATIVOS DO MÊS DE FEVEREIRO DE 2014 FENÔMENO DATA CAUSA REGIÃO/ESTADO IMPACTO AVISO

CASOS SIGNIFICATIVOS DO MÊS DE FEVEREIRO DE 2014 FENÔMENO DATA CAUSA REGIÃO/ESTADO IMPACTO AVISO CASOS SIGNIFICATIVOS DO MÊS DE FEVEREIRO DE 2014 FENÔMENO DATA CAUSA REGIÃO/ESTADO IMPACTO AVISO Chuva forte 01 Termodinâmica e ventos de leste Alta temperatura 01,02, 03 e 04 Norte/ AC Transbordamento

Leia mais

Monção na América do Sul

Monção na América do Sul Monção na América do Sul Atividade Faça uma figura análoga aos slides (3, 4, 5, 7, 8, 18, 19 e 27) desta apresentação utilizando o arquivo cga_zit.nc Monte um relatório com cada figura, destacando os sistemas

Leia mais

UMA ANÁLISE SINÓTICA DO MÊS DE JANEIRO DE 2005 COM ÊNFASE NO VÓRTICE DO NORDESTE: UM ESTUDO DE CASO.

UMA ANÁLISE SINÓTICA DO MÊS DE JANEIRO DE 2005 COM ÊNFASE NO VÓRTICE DO NORDESTE: UM ESTUDO DE CASO. UMA ANÁLISE SINÓTICA DO MÊS DE JANEIRO DE 2005 COM ÊNFASE NO VÓRTICE DO NORDESTE: UM ESTUDO DE CASO. Virgínia de Fátima Bezerra Nogueira 1, Valner da Silva Nogueira 2 e Gustavo Carlos Juan Escobar 3 RESUMO

Leia mais

INFOCLIMA BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS

INFOCLIMA BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS INFOCLIMA BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 14 de outubro de 2004 Número 10 Previsão de Consenso 1 CPTEC/INPE e INMET PREVISÃO DE CHUVAS VARIANDO DE NORMAL A LIGEIRAMENTE ACIMA DA MÉDIA NO SUL DO

Leia mais

CHUVA DE GRANIZO EM MINAS GERAIS (MG)

CHUVA DE GRANIZO EM MINAS GERAIS (MG) CHUVA DE GRANIZO EM MINAS GERAIS (MG) Entre os dias 14 e 17 de setembro de 2008, várias localidades do sul, Zona da Mata e Região Metropolitana de MG, e algumas do sul do ES foram atingidas por temporais

Leia mais

BOLETIM CLIMÁTICO PRIMAVERA Início: 22/09/2016 às 11h21min - Término: 21/12/2016 às 07h44min

BOLETIM CLIMÁTICO PRIMAVERA Início: 22/09/2016 às 11h21min - Término: 21/12/2016 às 07h44min BOLETIM CLIMÁTICO PRIMAVERA 2016 Início: 22/09/2016 às 11h21min - Término: 21/12/2016 às 07h44min Tipicamente, a primavera no Paraná é marcada pelo gradativo aumento das temperaturas e da ocorrência de

Leia mais

INFOCLIMA. BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 9 13 de janeiro de 2003 Número 01. Sumário Executivo

INFOCLIMA. BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 9 13 de janeiro de 2003 Número 01. Sumário Executivo INFOCLIMA BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 9 13 de janeiro de 2003 Número 01 Divisão de Operações Chefia: C h o u S i n C h a n Editor técnico dessa edição: J o s é A n t o n i o M a r e n g o O r

Leia mais

INFORMATIVO CLIMÁTICO

INFORMATIVO CLIMÁTICO GOVERNO DO MARANHÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO NÚCLEO GEOAMBIENTAL LABORATÓRIO DE METEOROLOGIA INFORMATIVO CLIMÁTICO MARANHÃO Em setembro de 2016 os números de queimadas se destacaram principalmente

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DA PRECIPITAÇÃO SOBRE O BRASIL NO VERÃO E OUTONO DE 1998.

CARACTERÍSTICAS DA PRECIPITAÇÃO SOBRE O BRASIL NO VERÃO E OUTONO DE 1998. CARACTERÍSTICAS DA PRECIPITAÇÃO SOBRE O BRASIL NO VERÃO E OUTONO DE 1998. Nuri Calbete (nuri@cptec.inpe.br), Iracema F.A.Cavalcanti (iracema@cptec.inpe.br), Mario F.L.Quadro (mario@cptec.inpe.br) Centro

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE. BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DECENDIAL 21 a 31 de Janeiro de 2011

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE. BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DECENDIAL 21 a 31 de Janeiro de 2011 I. DIAGNÓSTICO Comportamento das Chuvas BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DECENDIAL 21 a 31 de Janeiro de 2011 secos e quentes caracterizaram o terceiro decêndio de janeiro em quase todo o Estado de Minas Gerais.

Leia mais

Fatores climáticos altitude. Inversão de proporcionalidade em relação à temperatura

Fatores climáticos altitude. Inversão de proporcionalidade em relação à temperatura Clima Fatores climáticos altitude Inversão de proporcionalidade em relação à temperatura Maior altitude menor temperatura 23 0 C 30 0 C Altitude Brasil Relevo de pequena variação altimétrica Pequena influência

Leia mais

Boletim climatológico mensal dezembro 2011

Boletim climatológico mensal dezembro 2011 Boletim climatológico mensal dezembro 2011 CONTEÚDOS IM,I.P. 01 Resumo Mensal 04 Resumo das Condições Meteorológicas 05 Caracterização Climática Mensal 05Temperatura do Ar 06 Precipitação Total 08 Insolação

Leia mais

MASSAS de AR FRENTES CICLONES EXTRA-TROPICAIS

MASSAS de AR FRENTES CICLONES EXTRA-TROPICAIS MASSAS de AR FRENTES CICLONES EXTRA-TROPICAIS Sistemas de grande escala (escala sinótica): afetam grandes regiões (ex., parte de um continente) longa duração (de um a vários de dias) Alta previsibilidade

Leia mais

INFOCLIMA BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 9 10 de outubro de 2002 Número 10 Divisão de Operações

INFOCLIMA BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 9 10 de outubro de 2002 Número 10 Divisão de Operações INFOCLIMA BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 9 10 de outubro de 2002 Número 10 Divisão de Operações Chefia: C h o u S i n C h a n Editor técnico desta edição: J o s é A n t o n i o M a r e n g o O r

Leia mais

PREVISÃO DE CHUVAS ACIMA DA MÉDIA SOBRE O NORDESTE DO BRASIL. Sumário Executivo

PREVISÃO DE CHUVAS ACIMA DA MÉDIA SOBRE O NORDESTE DO BRASIL. Sumário Executivo INFOCLIMA BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 10 15 de março de 2003 Número 3 Divisão de Operações Chefia: Dr. M a r c e l o S e l u c h i Editor desta edição: Dr. Paulo Nobre Elaboração: Op e r a ç

Leia mais

BOLETIM PROJETO CHUVA - 22 DE JUNHO DE 2011

BOLETIM PROJETO CHUVA - 22 DE JUNHO DE 2011 BOLETIM PROJETO CHUVA - 22 DE JUNHO DE 2011 Condições Climáticas Na carta de Temperatura da Superfície do Mar (TSM), que pode ser analisado através da Figura 1a, são observadas anomalias positivas de TSM

Leia mais

Dinâmica Atmosférica

Dinâmica Atmosférica Dinâmica Atmosférica A influência da latitude no clima Circulação Atmosférica Climas e Correntes marítimas Quanto maior a altitude menor a pressão e temperatura Como funciona a pressão atmosférica As

Leia mais

CHUVAS LIGEIRAMENTE ACIMA DO NORMAL NO NORTE E INTERIOR DO NORDESTE. Sumário Executivo

CHUVAS LIGEIRAMENTE ACIMA DO NORMAL NO NORTE E INTERIOR DO NORDESTE. Sumário Executivo INFOCLIMA BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 10 15 de abril de 2003 Número 4 Divisão de Operações Chefia: Dr. M a r c e l o S e l u c h i Editor deste edição: Dr. J o s é O. A.. M a r e n g o Elaboração:

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DE ABRIL E PROGNÓSTICO CLIMÁTICO PARA O TRIMESTRE MAIO, JUNHO E JULHO DE 2011. I. DIAGNÓSTICO Abril apresentou características típicas de transição do período chuvoso para o seco.

Leia mais

ASPECTOS SINÓTICOS DA ENCHENTE DE MAIO DE 1992 NO VALE DO ITAJAÍ

ASPECTOS SINÓTICOS DA ENCHENTE DE MAIO DE 1992 NO VALE DO ITAJAÍ ASPECTOS SINÓTICOS DA ENCHENTE DE MAIO DE 1992 NO VALE DO ITAJAÍ ABSTRACT Dirceu Luís Severo Hélio dos Santos Silva Departamento de Física Instituto de Pesquisas Ambientais - IPA Universidade Regional

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DE MAIO E PROGNÓSTICO CLIMÁTICO PARA O TRIMESTRE JUNHO, JULHO E AGOSTO DE 2011. I. DIAGNÓSTICO Maio foi um mês seco e com temperaturas amenas em Minas Gerais. As chuvas foram

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS COORDENAÇÃO DE GRADUAÇÃO EM METEOROLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS COORDENAÇÃO DE GRADUAÇÃO EM METEOROLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS COORDENAÇÃO DE GRADUAÇÃO EM METEOROLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: METEOROLOGIA SINÓTICA 2 CÓDIGO: METR032 CARGA HORÁRIA: 80

Leia mais

14 Distúrbio nos ventos de leste AME

14 Distúrbio nos ventos de leste AME CASOS SIGNIFICATIVOS DO MÊS DE JUNHO DE 2012 Fenômeno DATA CAUSA REGIÃO IMPACTO AVISO Chuva forte 01 Cavado SP A estação meteorológica automática mantida pelo Centro Integrado de Informações agrometeorológicas

Leia mais

EL NIÑO E LA NIÑA. Prof. Maicon Fiegenbaum

EL NIÑO E LA NIÑA. Prof. Maicon Fiegenbaum EL NIÑO E LA NIÑA Prof. Maicon Fiegenbaum HISTÓRIA Em 1892, no Congresso da Sociedade Geográfica de Lima, o capitão Camilo Carrillo apresentou a expressão El Niño ; Criada por navegadores peruanos que

Leia mais

ESTUDO DE ALGUMAS VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS QUE AUXILIARAM NA PREVISÃO DE TEMPO PARA O DIA 18 DE JANEIRO DE 1998 PARA O ESTADO DE PERNAMBUCO.

ESTUDO DE ALGUMAS VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS QUE AUXILIARAM NA PREVISÃO DE TEMPO PARA O DIA 18 DE JANEIRO DE 1998 PARA O ESTADO DE PERNAMBUCO. ESTUDO DE ALGUMAS VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS QUE AUXILIARAM NA PREVISÃO DE TEMPO PARA O DIA 18 DE JANEIRO DE 1998 PARA O ESTADO DE PERNAMBUCO. Flaviano Fernandes Ferreira 1 Ricardo de Souza Rodrigues 2 RESUMO

Leia mais

Sistemas Meteorológicos que atuaram sobre o Estado de Sergipe no dia 11 e 12 de Janeiro de 2010

Sistemas Meteorológicos que atuaram sobre o Estado de Sergipe no dia 11 e 12 de Janeiro de 2010 Sistemas Meteorológicos que atuaram sobre o Estado de Sergipe no dia 11 e 12 de Janeiro de 2010 David Nogueira dos Santos 1, Inajá Francisco de Sousa 2, Overland Amaral Costa, 3, Vicente de Paulo Rodrigues

Leia mais

Sistemas de Circulação Atmosférica Atuantes no Sudeste Brasileiro

Sistemas de Circulação Atmosférica Atuantes no Sudeste Brasileiro Antônio Carlos de Carvalho Melo Filho, divulgado no X Simpósio Brasileiro de Geografia Fisica Aplicada Sistemas de Circulação Atmosférica Atuantes no Sudeste Brasileiro Para o entendimento do clima de

Leia mais

ESTUDO OBSERVACIONAL DE UMA FRENTE QUENTE OCORRIDA NA REGIÃO SUL DO BRASIL

ESTUDO OBSERVACIONAL DE UMA FRENTE QUENTE OCORRIDA NA REGIÃO SUL DO BRASIL ESTUDO OBSERVACIONAL DE UMA FRENTE QUENTE OCORRIDA NA REGIÃO SUL DO BRASIL Maria Helena de Carvalho e Natália Fedorova Faculdade de Meteorologia Universidade Federal de Pelotas mhelena@cpmet.ufpel.tche.br

Leia mais

PRECIPITAÇÃO ABAIXO DO PADRÃO NO FINAL DA PRIMAVERA

PRECIPITAÇÃO ABAIXO DO PADRÃO NO FINAL DA PRIMAVERA Ano 14 / Número 10 BOLETIM CLIMÁTICO NOVEMBRO DEZEMBRO - JANEIRO (2016-2017) Estado do Rio Grande do Sul Resp. Técnica: 8 0 DISME/INMET e CPPMet/UFPEL Porto Alegre, 19 de outubro de 2016. PRECIPITAÇÃO

Leia mais

BOLETIM CLIMÁTICO SOBRE A PRIMAVERA NO ESTADO DO PARANÁ

BOLETIM CLIMÁTICO SOBRE A PRIMAVERA NO ESTADO DO PARANÁ BOLETIM CLIMÁTICO SOBRE A PRIMAVERA NO ESTADO DO PARANÁ Data da previsão: 22/09/15 Duração da Primavera: 23/09/15 (05h20) a 22/12/2015 (01h48 não ajustado ao horário de verão) Características climáticas

Leia mais

INTERAÇÃO ENTRE O JATO EM BAIXOS NÍVEIS E COMPLEXOS CONVECTIVOS DE MESOESCALA SOBRE A REGIÃO DO CONESUL

INTERAÇÃO ENTRE O JATO EM BAIXOS NÍVEIS E COMPLEXOS CONVECTIVOS DE MESOESCALA SOBRE A REGIÃO DO CONESUL INTERAÇÃO ENTRE O JATO EM BAIXOS NÍVEIS E COMPLEXOS CONVECTIVOS DE MESOESCALA SOBRE A REGIÃO DO CONESUL Nuri O. de Calbete, nuri@cptec.inpe.br Julio Tóta, tota@cptec.inpe.br Adma Raia, adma@cptec.inpe.br

Leia mais

CASOS SIGNIFICATIVOS DO MÊS DE NOVEMBRO DE 2013 FENÔMENO DATA CAUSA REGIÃO/ESTADO IMPACTO AVISO. Centro-Oeste, Norte, parte da Região Sul

CASOS SIGNIFICATIVOS DO MÊS DE NOVEMBRO DE 2013 FENÔMENO DATA CAUSA REGIÃO/ESTADO IMPACTO AVISO. Centro-Oeste, Norte, parte da Região Sul CASOS SIGNIFICATIVOS DO MÊS DE NOVEMBRO DE 2013 FENÔMENO DATA CAUSA REGIÃO/ESTADO IMPACTO AVISO Chuva intensa 01, 02 Massa quente e úmida, cavado e difluência Chuva forte, e 02 Massa úmida e instável,

Leia mais

Novembro de 2012 Sumário

Novembro de 2012 Sumário 11 Novembro de 2012 Sumário BOLETIM DIÁRIO DO TEMPO... 2 Boletim do Tempo para 11 de Novembro... 2 Previsão do Tempo para o dia 12 de Novembro de 2012 (24 horas)... 5 Tendência para o dia 13 de Novembro

Leia mais

O que são chuvas? Podemos entender por precipitação como sendo o retorno do vapor d água atmosférica no estado líquido ou sólido à superfície da

O que são chuvas? Podemos entender por precipitação como sendo o retorno do vapor d água atmosférica no estado líquido ou sólido à superfície da O que são chuvas? Podemos entender por precipitação como sendo o retorno do vapor d água atmosférica no estado líquido ou sólido à superfície da terra. Formas de precipitação: chuva, neve, granizo, orvalho

Leia mais

ATUAÇÃO DE UM SISTEMA FRONTAL NA ESTAÇÃO SECA DO NORDESTE DO BRASIL. Lizandro Gemiacki 1, Natalia Fedorova 2

ATUAÇÃO DE UM SISTEMA FRONTAL NA ESTAÇÃO SECA DO NORDESTE DO BRASIL. Lizandro Gemiacki 1, Natalia Fedorova 2 ATUAÇÃO DE UM SISTEMA FRONTAL NA ESTAÇÃO SECA DO NORDESTE DO BRASIL Lizandro Gemiacki 1, Natalia Fedorova 2 RESUMO. Foi estudado um caso de um sistema frontal que se deslocou até o NEB. Esse sistema causou

Leia mais