DUAS CONCEPÇÕES DA FILOSOFIA POLÍTICA MODERNA: HOBBES E LOCKE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DUAS CONCEPÇÕES DA FILOSOFIA POLÍTICA MODERNA: HOBBES E LOCKE"

Transcrição

1 DUAS CONCEPÇÕES DA FILOSOFIA POLÍTICA MODERNA: HOBBES E LOCKE BERNARDO GOYTACAZES DE ARAUJO. SÉRGIO LUNA. Membros do Centro de Pesquisas Estratégicas da UFJF. Acadêmicos do Curso de Filosofia da UFJF. Dentro de um contexto político atual, não estaria irrelevante a idéia de homem na sociedade como animal político. Com base nesta reflexão retomamos o pensamento de Hobbes, sendo o homem o lobo do próprio homem e o de J. Locke, em que o homem representa-se na sociedade civil organizada, por meio de outros homens. E como parte que somos de um grupo social, percebemos a todo o momento a importância do indivíduo se situar como sujeito politizado, e se colocar diante dos problemas que interferem diretamente na sua própria vida e na do outro, principalmente no que tange aos interesses do bem comum. O filósofo inglês John Locke ( ), sistematizador do Liberalismo Político e da proposta do Governo Representativo. Retomando o contexto histórico e social, em que estes autores estiveram, percebemos que as necessidades correntes influenciaram novas teorias que puderam dar conta dos problemas e serviram como novas referências, para o sistema político da época.

2 Como primeiro autor destacamos Thomas Hobbes. Este foi um inglês, nascido de família pobre, no ano de Recebeu ajuda da nobreza, cuja lhe propiciou apoio para iniciar seus estudos, sendo defensor pleno do poder absoluto, que era ameaçado pelas novas tendências liberais que vieram a se concretizar em um período posterior. Hobbes teve contato com Descartes, Bacon e Galileu e isso muito o influencio em sua forma de pensar. Na época de Hobbes, o absolutismo real atingira o seu apogeu, mas se encontrava em vias de ser ultrapassado, ao enfrentar inúmeros movimentos de oposição baseados em idéias liberais 1. Com a primeira fase o absolutismo favorecera ao desenvolvimento de um processo de desenvolvimento, em um segundo momento, este mesmo absolutismo mostrava-se um quanto ultrapassado para dar conta daquilo que se apresentava como necessidade da época. E em grande parte isso ocorria, por causa da burguesia, que era quem estava por detrás deste capitalismo comercial que se incitava. Outro ponto histórico importante a ser ressaltado era o caráter de laicização pelo qual o Estado passava, já que havia ocorrido um processo de rompimento da Igreja Inglesa, com Roma, tornando-se assim, uma Igreja independente. E neste critério também se perdeu a questão do soberano como sendo o divino escolhido para o cargo. E somado a estes aspectos, Oliver Cromwell comanda a Revolução Puritana, destronando e executando o Rei Carlos I (1649). Assim o século XVII, na Inglaterra, se torna um século de lutas e de grandes conflitos entre o soberano e o parlamento gerando diversas correntes tanto de opiniões como de ações. E com todo este cenário político, social e até mesmo econômico, Thomas Hobbes escreve O Leviatã, que se tornou a sua maior obra política e umas das maiores em sua época. E nesta, faz uma defesa incondicional do Rei (Soberano), defendendo a monarquia e o poder absoluto. A escolha deste título significa o grande monstro que governou o caos primitivo indicando a concepção que faz do Estado, um monstro todo poderoso 2. 1 Aranha, Maria Lúcia de Arruda & Martins, Maria Helena Pires. Filosofando: introdução à filosofia. 3ª Ed. SP: Editora Moderna, p

3 O filósofo inglês Thomas Hobbes ( ), que com a sua obra Leviatã deu embasamento filosófico ao absolutismo moderno. Hobbes defende a idéia de que todos os homens tinham direito a tudo, em seu estágio de natureza. O direito de natureza, a que os autores geralmente chamam de jus naturale, é a liberdade que cada homem possui de usar seu próprio poder, da maneira que quiser, para a preservação de sua própria natureza, ou seja, de sua vida; e conseqüentemente de fazer tudo aquilo que seu próprio julgamento e a razão lhe indiquem como meios adequados a esse fim 3. Assim este conjunto de homens, agrupados sem leis, viviam sem segurança, já que a qualquer momento um poderia se sentir ameaçado e por isso teria motivos próprios para atacar o outro. É o máximo do individualismo operante. O homem, enquanto ser de diversas necessidades, não teria temor em atacar outro homem, para suprir aquilo que lhe faltasse. Por isso Hobbes enuncia que o Homem é o Lobo do próprio homem. A luta de uns para com os outros era constante e para fugir deste possível estado de barbárie, os homens fazem entre si um contrato, cedendo seus poderes, delegando-os a um o soberano. E este, em contrapartida, garantiria aos seus súditos, um estado de tranqüilidade e de sobrevivência, por meio de uma ordem comum a todos os que se encontravam sobre seu reinado. Neste momento, nasce a sociedade política organizada, que visualiza na pessoa do soberano, aquele que tem os poderes necessários para proteger a vida de todos, contra a violência. Desta maneira, a vontade do soberano vai representar a vontade de todos. Sendo que o povo não poderia questionar os poderes do monarca, pois estes eram ilimitados. E nesta questão da representação, o eleito pode ser tanto um monarca soberano; uma assembléia de todos os homens - constituição de governo democrático; ou uma assembléia constituída por alguns homens aristocracia. Outrossim, a melhor de todas 3 Hobbes, Thomas. Leviatã. São Paulo: Abril Cultural, 1974

4 estas formas de governo é a monarquia absoluta, pois é a que apresenta um estágio mais avançado de distanciamento do natural. Seria uma grande evolução, todos os homens de um determinado lugar, terem um único soberano que ditaria a vida de todos. O Estado é uma pessoa: uma multidão que constitui uma só, quando está representada por um só homem. Hobbes sustenta que ao rei é lícito tudo, inclusive governar de maneira despótica, não porque fosse escolhido por Deus, mas porque o povo lhe deu o poder absoluto (ou soberania), que não pode ser dividido, sob pena de ser destruído. Hobbes defende assim o absolutismo, sem fazer qualquer referência ao direito divino dos reis 4. Neste conjunto de ações que o soberano pode tomar, cabe-lhe a decisão de fechar ou dissolver o parlamento e dele mesmo legislar as leis necessárias para aquele momento do Estado. Hobbes considera de maneira criteriosa, que o governo da soberania não pode estar dividido entre poderes distintos. Capa da primeira edição do Leviatã, ou matéria, forma e poder de um Estado eclesiástico e civil, de Thomas Hobbes, publicada em Uma outra grande atribuição do soberano é a de conceder a garantia à propriedade privada, já que antes do Estado soberano organizado, não havia possibilidade de se defender ou de se apelar sobre as garantias de sua terra. Assim, Hobbes apresenta uma resposta moral à crise política européia. E com toda a sua teoria ético-política, o autor nos enuncia as bases para um Estado forte e poderoso, nas mãos de um soberano que consiga garantir, por meio de um pacto social, a paz (controlando as paixões e as razões de cada homem para o bem do Estado). Fica clarividente que no pensamento de Hobbes para se estruturar a ética, o elemento primordial deve ser o poder o controle do poder absoluto. É preciso criar um estatuto político moral 4

5 para se viver bem. E o Estado forte é o ente jurídico e moral para agir com todas as circunstâncias e situações evitando que o homem venha a destruir a sua própria espécie. Mas com alguns problemas e reflexões, ficaram evidentes as questão: Até onde os poderes do soberano poderiam chegar? Por que ter um poder infinito? E será que somente um decidindo por todos seria a melhor opção, do Estado Civil Organizado? Procurando responder a estas perguntas, contrapomos ao pensamento de Hobbes, o autor John Locke que assume as tendências de posturas liberais. O contexto que embala o pensamento de Locke é o mesmo de Hobbes, mas com a vertente liberal sendo esta a postura que viria a repensar o Estado todo absoluto, dando lugar à representação popular, por meio de escolhas democráticas. O rei inglês James II ( ), cujo breve reinado ( ) terminou com a deflagração da Gloriosa Revolução de 1688, que mudou o modelo da monarquia absoluta para a constitucional, sendo o principal ideólogo desta o filósofo John Locke. John Locke ( ) foi um filósofo inglês. Era um médico e descendia da burguesia comerciante. Esteve refugiado na Holanda, por ter-se envolvido com acusados de conspirar contra a Coroa. Retornou a Inglaterra no mesmo navio em que viajava Guilherme de Orange, símbolo da consolidação da monarquia parlamentar inglesa e responsável pela deposição de Jaimes II. 5 Com a obra Dois tratados sobre o governo civil, torna-se teórico da revolução liberal inglesa. Na sua obra Ensaio do Governo Civil, Locke defende os princípios de liberdade individual, direito à propriedade e divisão dos poderes do Estado. Locke entende que não é salutar para a vivência do Estado, ter todos os poderes concentrados nas mãos de uma única 5 Aranha, Maria Lúcia de Arruda & Martins, Maria Helena Pires. Filosofando: introdução à filosofia. 3ª Ed. SP: Editora Moderna, p. 246

6 pessoa, já que se esta errar, ou tomar uma atitude precipitada todos irão padecer. Em sua obra, Locke tem alguns pontos convergentes com a obra de Hobbes, como, por exemplo, o ponto de partida do Estado Natural, sendo este um local onde os homens viviam de uma forma não tão plenificada. A passagem do Estado Natural para o Estado Social, só pode ser feita pelo consentimento (e não pela conquista ou imposição). Se todos são livres e iguais, nenhum homem pode ser tirado deste estado e submetido ao poder político de outro, sem a sua própria vontade. Locke chega a conclusões opostas às de Hobbes pois, sustenta que, mesmo no estado de natureza, o homem é dotado de razão. Dessa forma, cada indivíduo pode conservar sua liberdade pessoal e gozar do fruto de seu trabalho. Entretanto, nesse estado natural faltam leis estabelecidas e aprovadas por todos e um poder capaz de fazer cumprir essas leis. Os indivíduos, então consentem em abrir mão de uma parte de seus direitos individuais, concedendo ao Estado a faculdade de julgar, punir e fazer a defesa externa. Entretanto, se a autoridade pública, a quem foi confiada a tarefa de proteger a todos, abusar de seu poder, o povo tem o direito de romper o contrato e recuperar a sua soberania original. Assim Locke defendia o direito do povo em se sublevar contra o governo e justificava a derrubada e a substituição de um soberano legítimo por outro 6. Mosqueteiros do Rei inglês James II, combatendo os exércitos do Parlamento na Gloriosa Revolução de 1688 (de um filme da BBC). Os homens quando se agrupam e se organizam em sociedade buscam a conservação, a segurança, a tranqüilidade da vida e o gozo sereno. E já que no Estado de Natureza o homem possuía a propriedade privada, segundo Locke, o Estado então, deve reconhecer, zelar e proteger para que esta seja mantida e conservada nas mãos de seus proprietários. 6

7 Outro ponto importante do pensamento de Locke é a liberdade religiosa, e que esta não esteja atrelada ao Estado e que também não crie causas de dependência. Um Estado Laico é salutar e provê melhor meio de ação e de coordenação. Este ponto se contrapõe um pouco a visão de Hobbes, já que o soberano é um eleito com características plenas. A sociedade civil, que veio substituir o estado natural, possui dois poderes essenciais: um é o legislativo e o segundo é o executivo. O legislativo determina como o Estado deve agir para a conservação da sociedade e de seus membros e para elaborar as suas leis deve ter como norte, a garantia da vida, a propriedade e a liberdade. Mas acima de tudo, a soberania pertence ao povo, e não ao legislativo. Este é mais um ponto oposto ao de Hobbes, já que este investe no soberano todo o poder e toda a soberania. O executivo é quem assegura a prática das leis feitas. O poder legislativo e o executivo devem estar em diferentes mãos para evitar possíveis abusos e distorções. Mas quanto mais estes poderes andarem juntos, melhor dentro de uma coerência para o bem do Estado, melhor será o andar do sistema vigente. Assim, Locke nos dá as bases para um sistema monárquico-parlamentarista (como vemos na Inglaterra de hoje), em que ambos poderes existem, em mãos separadas e com funções distintas. O Estado possui também limites não podendo ser um arbitrário, não governando mediante decretos improvisados, não confiscando propriedades e não transferindo para outros o poder de fazer as leis. A fundamentação ética e política do capitalismo vêm de Locke, que também proveu idéias políticas para todo o século XVIII, cujo pensamento prove uma grande evolução social, ética, política e econômica para o Ocidente, como foi o caso das revoluções liberais ocorridas na Europa e na América. Uma última consideração quanto ao pensamento de Locke, é sobre a questão do poder judicial. O autor nos explica que a função do poder judicial não é independente. O juiz imparcial lockeano é aquele que faz as leis, assim sendo o judiciário não pode ser distinto do legislativo.

8 O príncipe William of Orange, protestante, coroado rei na Gloriosa Revolução de 1688, tendo dado ensejo, assim, à prática da Monarquia Constitucional, vigente na Inglaterra até hoje. E assim, em uma contraposição diminuta, vemos o quanto Hobbes e Locke foram importantes na formulação de uma ética social e política, ditando para nós as bases de dois grandes pensamentos que vigoraram durante o final da modernidade e em grande parte da pós-modernidade. Colocar-se nesta postura de questionar a realidade, como foi o caso de Locke e de Hobbes, é tentar manter um compromisso com possibilidade de resolução dos problemas sociais. E estes pensamentos não podem estar longe de nossa realidade atual. As bases que ambos nos proveram, puderam dar ao Ocidente um sistema ainda vigente, que é o Capitalismo, e uma contra posição que veio surgir no início do século XX, oriunda da idéia de lutas de classes, que foi o comunismo como outra opção de sistema Político-econômico. E hoje, herdeiros de tantas propostas, desejos, anseios, derramamentos de sangue em prol de uma esperança de um grupo ou outro, nos enxergamos no meio desses encontros de idéias e relacionando a isso, citamos o momento atual em que se encontra a política nacional. Batalha de Boyne, na Irlanda, entre os exércitos de Jaime II e os do Parlamento (1690), um dos episódios mais importantes que se seguiram à Gloriosa Revolução de 1688.

9 BIBLIOGRAFIA ARANHA, Maria Lúcia de Arruda & Martins, Maria Helena Pires. Filosofando: introdução à filosofia. 3ª Ed. SP: Editora Moderna, HOBBES, Thomas. Leviatã, ou matéria, forma e poder de um Estado eclesiástico e civil. (Tradução de J. P. Monteiro e M. B. Nizza da Silva). 1 a. Edição em português. São Paulo: Abril Cultural, LOCKE, John. Two treatises of government. (Introdução e notas de P. Laslett). New York: Cambridge University Press, (Consultado em 25/02/2006).

Roteiro: Locke: contexto histórico, metodologia, natureza humana e estado de natureza

Roteiro: Locke: contexto histórico, metodologia, natureza humana e estado de natureza Gustavo Noronha Silva José Nailton Silveira de Pinho Juliana Gusmão Veloso Kátia Geralda Pascoal Fonseca Walison Vasconcelos Pascoal Roteiro: Locke: contexto histórico, metodologia, natureza humana e estado

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Curso: Especialização em Psicopedagogia Módulo: Noções Fundamentais de Direito

Leia mais

Guerra Civil (1642-1648)

Guerra Civil (1642-1648) Prof. Thiago Revolução Inglesa Governo Despótico de Carlos I (1625-1648) Petição de Direitos (1628) Exigência do Parlamento Cobrança do ship money em cidades do interior desobediência ao Parlamento Guerra

Leia mais

Palestra realizada no auditório da Secretaria de Economia e Planejamento do Governo do Estado de São Paulo no dia 05/06/2009.

Palestra realizada no auditório da Secretaria de Economia e Planejamento do Governo do Estado de São Paulo no dia 05/06/2009. Palestra realizada no auditório da Secretaria de Economia e Planejamento do Governo do Estado de São Paulo no dia 05/06/2009. Palestrante: Profa. Dra. Gisele Mascarelli Salgado. GISELLE MASCARELLI SALGADO:

Leia mais

A Revoluções Burguesas na Inglaterra: o surgimento do Parlamentarismo

A Revoluções Burguesas na Inglaterra: o surgimento do Parlamentarismo A Revoluções Burguesas na Inglaterra: o surgimento do Parlamentarismo Parlamento Inglês -Rainha Elizabeth I (1558-1603) maior exemplo de poder absoluto na Inglaterra daquele tempo; - Maquiavélica; - Enquanto

Leia mais

Contexto. Galileu Galilei, René Descartes e Isaac Newton. Concepção racionalista do mundo Leis Naturais

Contexto. Galileu Galilei, René Descartes e Isaac Newton. Concepção racionalista do mundo Leis Naturais Revolução Científica do século XVII Galileu Galilei, René Descartes e Isaac Newton Concepção racionalista do mundo Leis Naturais Contexto Crise do Antigo Regime Questionamento dos privilégios do Clero

Leia mais

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727)

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727) A Revolução Inglesa A Revolução inglesa foi um momento significativo na história do capitalismo, na medida em que, ela contribuiu para abrir definitivamente o caminho para a superação dos resquícios feudais,

Leia mais

Revolução Inglesa Movimento revolucionário inglês que derrubou as práticas do Antigo Regime

Revolução Inglesa Movimento revolucionário inglês que derrubou as práticas do Antigo Regime Revolução Inglesa Movimento revolucionário inglês que derrubou as práticas do Antigo Regime Prof: Otto BARRETO Os ingleses foram os primeiros a aprender a dominar o Leviatã, e a fazer dele seu servo em

Leia mais

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos.

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. HISTÓRIA 8º ANO A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. Por volta do século XIII, o rei João sem terras estabeleceu novos

Leia mais

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO.

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO. APRESENTAÇÃO Aula 08 3B REVOLUÇÃO FRANCESA Prof. Alexandre Cardoso REVOLUÇÃO FRANCESA Marco inicial da Idade Contemporânea ( de 1789 até os dias atuais) 1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra

Leia mais

O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa "cidade". Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma

O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa cidade. Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma Bruno Oliveira O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa "cidade". Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma comunidade politicamente articulada um país

Leia mais

1- Unificação dos Estados Nacionais. Centralização do poder

1- Unificação dos Estados Nacionais. Centralização do poder 1- Unificação dos Estados Nacionais Centralização do poder 1.1- Nobreza classe dominante Isenção de impostos; Ocupação de cargos públicos; Altos cargos no exército. 1- Conceito: Sistema de governo que

Leia mais

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO Maurício Barbosa Paranaguá Seção de Projetos Especiais Goiânia - 2015 Origem do Poder Legislativo Assinatura da Magna Carta inglesa em 1215 Considerada a primeira Constituição dos

Leia mais

A Revolução Inglesa. Autor: Jose Jobson de Andrade Arruda. Editora: Brasiliense.

A Revolução Inglesa. Autor: Jose Jobson de Andrade Arruda. Editora: Brasiliense. Objetivos: - ANALISAR as relações entre a Monarquia inglesa e o Parlamento durante a Dinastia Stuart. - IDENTIICAR as principais etapas do processo revolucionário inglês. - INERIR o amplo alcance das lutas

Leia mais

Anais da XIII Semana de Economia da UESB - 19 a 24 de maio de 2014 Vitória da Conquista/BA

Anais da XIII Semana de Economia da UESB - 19 a 24 de maio de 2014 Vitória da Conquista/BA Tipo de trabalho: Resenha crítica Título: Leviatã ou matéria, forma e poder de um Estado eclesiástico e civil Autor (a): Hugo Clapton Nogueira E-mail: clapp.182@hotmail.com Instituição: Universidade Estadual

Leia mais

Formação do Estado Nacional Moderno: O Antigo Regime

Formação do Estado Nacional Moderno: O Antigo Regime Formação do Estado Nacional Moderno: O Antigo Regime A formação do Absolutismo Inglês Medieval Territórios divididos em condados (shires) e administrados por sheriffs (agentes reais) submetidos ao poder

Leia mais

O LIBERALISMO POLÍTICO DE JOHN LOCKE 1

O LIBERALISMO POLÍTICO DE JOHN LOCKE 1 O LIBERALISMO POLÍTICO DE JOHN LOCKE 1 Francy José Ferreira Vilela 2 Introdução John Locke foi um importante filósofo britânico, nascido no século XVII, que trouxe grandes contribuições para o pensamento

Leia mais

TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE

TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE 1.Analise as afirmativas abaixo referentes ao Iluminismo: 01 - Muitas das idéias propostas pelos filósofos iluministas são, hoje, elementos essenciais da identidade da

Leia mais

História dos Direitos Humanos

História dos Direitos Humanos História dos Direitos Humanos Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Os direitos humanos são o resultado de uma longa história, foram debatidos ao longo dos séculos por filósofos e juristas. O início

Leia mais

Exercícios de Iluminismo e Independência dos EUA

Exercícios de Iluminismo e Independência dos EUA Exercícios de Iluminismo e Independência dos EUA 1. (Enem) É verdade que nas democracias o povo parece fazer o que quer, mas a liberdade política não consiste nisso. Deve-se ter sempre presente em mente

Leia mais

REVOLUÇÃO AMERICANA (1776-1781) - LISTA DE EXERCÍCIOS

REVOLUÇÃO AMERICANA (1776-1781) - LISTA DE EXERCÍCIOS 1. (Upe 2014) A passagem do século XVIII para o XIX foi marcada por um desequilíbrio nas relações entre a Europa e o Novo Mundo. As lutas políticas na América estavam ligadas à resistência contra a colonização

Leia mais

IMPEACHMENT INGLÊS 1

IMPEACHMENT INGLÊS 1 IMPEACHMENT INGLÊS 1 Maurício Silva de Góes mau.1988@hotmail.com FAC São Roque NPI: Núcleo de Pesquisa Interdisciplinar O impeachment no direito inglês era julgado pela Câmara dos Altos 2, ou seja, os

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda DISCIPLINA: Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA: 06/02/2012. CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br QUESTÕES DE VESTIBULAR e-mail: especifico@especifico.com.br Av. Rio Claro nº 615 Centro

Leia mais

OS CONTRATUALISTAS E A QUESTÃO DO ESTADO

OS CONTRATUALISTAS E A QUESTÃO DO ESTADO OS CONTRATUALISTAS E A QUESTÃO DO ESTADO Thomas Hobbes (1588-1679) As teorias acerca dos fundamentos do Estado moderno começam a receber formulações mais completas a partir do século XVII com o pensador

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO 1. Na teoria contratualista, o surgimento do Estado e a noção de contrato social supõem que os indivíduos abrem mão de direitos (naturais)

Leia mais

A Organização da Aula

A Organização da Aula Curso: Ciências Sociais Prof. Ms: Edson Fasano Sociedade Capitalista: Revoluções Inglesas. A Organização da Aula 1º Bloco: A Inglaterra do século XVI; 2º Bloco: - A Revolução Puritana e Gloriosa; 3º Bloco:

Leia mais

A FORMAÇÃO DO ESTADO MODERNO SOB A CONCEPÇÃO DOS TEÓRICOS CONTRATUALISTAS RESUMO

A FORMAÇÃO DO ESTADO MODERNO SOB A CONCEPÇÃO DOS TEÓRICOS CONTRATUALISTAS RESUMO 51 A FORMAÇÃO DO ESTADO MODERNO SOB A CONCEPÇÃO DOS TEÓRICOS CONTRATUALISTAS Andreia Aparecida D Moreira Arruda Mestranda em Direito Constitucional pela FDSM Pouso Alegre-MG Recebido em: 10/04/2013 Aprovado

Leia mais

Recursos para Estudo / Atividades

Recursos para Estudo / Atividades COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 1ª Etapa 2014 Disciplina: HISTÓRIA Professora: ALESSANDRA PRADA Ano: 2º Turma: FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Técnico comercial 4 (1º ano) Direitos Humanos são os direitos e liberdades básicas de todos os seres humanos. O principal objetivo dos Direitos Humanos é tratar cada indivíduo

Leia mais

John Locke e o fim da autoridade absoluta do governante

John Locke e o fim da autoridade absoluta do governante John Locke e o fim da autoridade absoluta do governante Sérgio Praça pracaerp.wordpress.com sergiopraca0@gmail.com Temas da Aula 2) Como estabelecer um governo? Constituintes e Constituição 3) Características

Leia mais

Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS

Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS 1 1. CONCEITO BÁSICO DE DIREITO Somente podemos compreender o Direito, em função da sociedade. Se fosse possível ao indivíduo

Leia mais

Educação e Desenvolvimento Social

Educação e Desenvolvimento Social Educação e Desenvolvimento Social Luiz Antonio Cunha Os Princípios Gerais do Liberalismo O liberalismo é um sistema de crenças e convicções, isto é, uma ideologia. Todo sistema de convicções tem como base

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1 FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA Fase 1 Novembro 2008 INTRODUÇÃO Na prova de História de 2009 foi possível concretizar vários dos objetivos do programa do Vestibular.

Leia mais

O FUNDAMENTO DOS DIREITOS HUMANOS

O FUNDAMENTO DOS DIREITOS HUMANOS O FUNDAMENTO DOS DIREITOS HUMANOS Marconi Pequeno* * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós- Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos

Leia mais

(Perry Anderson, Linhagens do Estado absolutista. p. 18 e 39. Adaptado)

(Perry Anderson, Linhagens do Estado absolutista. p. 18 e 39. Adaptado) 1. (Fgv 2014) O paradoxo aparente do absolutismo na Europa ocidental era que ele representava fundamentalmente um aparelho de proteção da propriedade dos privilégios aristocráticos, embora, ao mesmo tempo,

Leia mais

História. Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo

História. Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo Índice Clique sobre tema desejado: A origem dos Estados Nacionais Contexto Histórico: crise feudal (séc. XIV-XVI) Idade Média Idade Moderna transição Sociedade

Leia mais

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: A Revolução Francesa

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: A Revolução Francesa Conteúdo: A Revolução Francesa Habilidades: Reconhecer nas origens e consequências da Revolução Francesa de 1789, os elementos fundamentais da formação política e social contemporânea para a história contemporânea.

Leia mais

A CRISE DO SISTEMA FEUDAL

A CRISE DO SISTEMA FEUDAL A CRISE DO SISTEMA FEUDAL O DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA FEUDAL NA EUROPA OCIDENTAL O apogeu do feudalismo ocorre entre os séculos IX e XIII; 4. CAUSAS PARA O DESENVOLVIMENTO DO FEUDALISMO Fim das invasões

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA. MOVIMENTO BURGUÊS França antes da revolução TEVE APOIO DO POVO Monarquia absolutista Economia capitalista.(costumes feudais) sociedade estamental. 1º Estado-

Leia mais

LIBERDADE DE CONSCIÊNCIA, EXPRESSÃO E RELIGIÃO NO BRASIL Rev. Augustus Nicodemus Lopes APRESENTAÇÃO CARTA DE PRINCÍPIOS 2011

LIBERDADE DE CONSCIÊNCIA, EXPRESSÃO E RELIGIÃO NO BRASIL Rev. Augustus Nicodemus Lopes APRESENTAÇÃO CARTA DE PRINCÍPIOS 2011 LIBERDADE DE CONSCIÊNCIA, EXPRESSÃO E RELIGIÃO NO BRASIL [SLIDE 1] CAPA [SLIDE 2] UM ASSUNTO ATUAL APRESENTAÇÃO CARTA DE PRINCÍPIOS 2011 Os conceitos de liberdade de consciência e de expressão têm recebido

Leia mais

Reconhecimento: Resolução nº CEE - 1464/85 - D.O. 04/05/85 Ent. Mantenedora: Centro Evangélico de Recuperação Social de Paulo Afonso

Reconhecimento: Resolução nº CEE - 1464/85 - D.O. 04/05/85 Ent. Mantenedora: Centro Evangélico de Recuperação Social de Paulo Afonso COLÉGIO SETE DE SETEMBRO Reconhecimento: Resolução nº CEE - 1464/85 - D.O. 04/05/85 Ent. Mantenedora: Centro Evangélico de Recuperação Social de Paulo Afonso CNPJ: 13.911.052/0001-61 e Inscrição Municipal

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 8 o ano o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o :. Leia os textos e responda às questões e. Texto Na Grécia Antiga, Aristóteles (384 a.c.-3 a.c.) já defendia a ideia de que o Universo

Leia mais

Segundo Tratado Sobre o Governo

Segundo Tratado Sobre o Governo LOCKE, John. Segundo tratado sobre o governo In: Carta acerca tolerância; Segundo tratado sobre o governo; Ensaio acerca do entendimento humano. 2. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1978. Caps. II, III, V,

Leia mais

HISTÓRIA. SEGUNDA SÉRIE DO ENSINO MÉDIO Profº Msc. Givaldo Santos de Jesus REVOLUÇÕES INGLESAS DO SÉCULO XVII

HISTÓRIA. SEGUNDA SÉRIE DO ENSINO MÉDIO Profº Msc. Givaldo Santos de Jesus REVOLUÇÕES INGLESAS DO SÉCULO XVII HISTÓRIA SEGUNDA SÉRIE DO ENSINO MÉDIO Profº Msc. Givaldo Santos de Jesus REVOLUÇÕES INGLESAS DO SÉCULO XVII 1 - A Inglaterra no Início do Século XVII 1 - A Inglaterra no Início do Século XVII - A Dinastia

Leia mais

Revolução Inglesa. Guilherme I foi o primeiro rei da Inglaterra e da Normandia.

Revolução Inglesa. Guilherme I foi o primeiro rei da Inglaterra e da Normandia. Revolução Inglesa Guilherme I foi o primeiro rei da Inglaterra e da Normandia. Após seu governo, em 1215, a Inglaterra publicou a primeira Carta Magna, que previa a formação de um Parlamento que possuía

Leia mais

CONCEPÇÃO DE HOMEM EM DO CONTRATO SOCIAL DE ROUSSEAU

CONCEPÇÃO DE HOMEM EM DO CONTRATO SOCIAL DE ROUSSEAU CONCEPÇÃO DE HOMEM EM DO CONTRATO SOCIAL DE ROUSSEAU Resumo: Este artigo tem como objetivo apresentar a concepção de homem na obra Do contrato social de Rousseau. O contrato de doação é o reflexo da complacência

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 6 Comunidade Global Tema Direitos fundamentais do : Declaração Universal dos Direitos do OBJECTIVO: Participa consciente e sustentadamente na comunidade global 1. Leia, com atenção, a Declaração Universal

Leia mais

Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948

Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 PARTE A Módulo I Acordos/Convenções Internacionais 1. Declaração Universal dos Direitos Humanos Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de

Leia mais

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com Reflexões sobre Empresas e Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com PRINCÍPIOS ORIENTADORES SOBRE EMPRESAS E DIREITOS HUMANOS (ONU, 2011): 1. PROTEGER 2. RESPEITAR 3. REPARAR Em junho de 2011, o

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Influência dos valores iluministas Superação do Absolutismo monárquico e da sociedade estratificada Serviu de inspiração para outras revoluções,

Leia mais

Nome: nº. Recuperação Final de História Profª Patrícia

Nome: nº. Recuperação Final de História Profª Patrícia 1 Conteúdos selecionados: Nome: nº Recuperação Final de História Profª Patrícia Lista de atividades 8º ano Apostila 1: O Absolutismo; Revoluções Inglesas e colonização da América do Norte Apostila 2: Revolução

Leia mais

A tecnologia e a ética

A tecnologia e a ética Escola Secundária de Oliveira do Douro A tecnologia e a ética Eutanásia João Manuel Monteiro dos Santos Nº11 11ºC Trabalho para a disciplina de Filosofia Oliveira do Douro, 14 de Maio de 2007 Sumário B

Leia mais

Aula 4 - Teorias políticas da Idade Média. (Santo Agostinho e São Tomás de Aquino) Cap 23, pag 292 a 295 (Itens 7 a 10)

Aula 4 - Teorias políticas da Idade Média. (Santo Agostinho e São Tomás de Aquino) Cap 23, pag 292 a 295 (Itens 7 a 10) Aula 4 - Teorias políticas da Idade Média (Santo Agostinho e São Tomás de Aquino) Cap 23, pag 292 a 295 (Itens 7 a 10) Aula 04 Teorias políticas da Idade Média O b j e t i v o s : - Entender a evolução

Leia mais

Europa no Século XIX FRANÇA RESTAURAÇÃO DA DINASTIA BOURBON LUÍS XVIII CARLOS X LUÍS FELIPE ( 1824 1830 )

Europa no Século XIX FRANÇA RESTAURAÇÃO DA DINASTIA BOURBON LUÍS XVIII CARLOS X LUÍS FELIPE ( 1824 1830 ) Europa no Século XIX FRANÇA RESTAURAÇÃO DA DINASTIA BOURBON -Após a derrota de Napoleão Bonaparte, restaurou-se a Dinastia Bourbon subiu ao trono o rei Luís XVIII DINASTIA BOURBON LUÍS XVIII CARLOS X LUÍS

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

De Nemo a Leviatã 1 Fossatti, Carolina Lanner 2 Faculdade de Comunicação Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

De Nemo a Leviatã 1 Fossatti, Carolina Lanner 2 Faculdade de Comunicação Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul De Nemo a Leviatã 1 Fossatti, Carolina Lanner 2 Faculdade de Comunicação Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Resumo Descrito na Bíblia, Leviatã é reconhecido como sendo um assustador

Leia mais

História- 2 ano/ Ensino Médio Revolução Francesa

História- 2 ano/ Ensino Médio Revolução Francesa História- 2 ano/ Ensino Médio Revolução Francesa 1 A Revolução Francesa representou uma ruptura da ordem política (o Antigo Regime) e sua proposta social desencadeou a) a concentração do poder nas mãos

Leia mais

Sociologia Organizacional. Aula 1. Contextualização. Organização da Disciplina. Aula 1. Contexto histórico do aparecimento da sociologia

Sociologia Organizacional. Aula 1. Contextualização. Organização da Disciplina. Aula 1. Contexto histórico do aparecimento da sociologia Sociologia Organizacional Aula 1 Organização da Disciplina Aula 1 Contexto histórico do aparecimento da sociologia Aula 2 Profa. Me. Anna Klamas A institucionalização da sociologia: August Comte e Emile

Leia mais

O IMPÉRIO DO BRASIL: PRIMEIRO REINADO 1822-1831. Professor Eric Assis Colégio Pedro II

O IMPÉRIO DO BRASIL: PRIMEIRO REINADO 1822-1831. Professor Eric Assis Colégio Pedro II O IMPÉRIO DO BRASIL: PRIMEIRO REINADO 1822-1831 Professor Eric Assis Colégio Pedro II OS DESAFIOS APÓS A INDEPENDÊNCIA I- Manter a unidade territorial do Brasil. II- Construir o Estado Nacional Brasileiro.

Leia mais

Do contrato social ou Princípios do direito político

Do contrato social ou Princípios do direito político Jean-Jacques Rousseau Do contrato social ou Princípios do direito político Publicada em 1762, a obra Do contrato social, de Jean-Jacques Rousseau, tornou-se um texto fundamental para qualquer estudo sociológico,

Leia mais

MARCOS HISTÓRICOS DOS DIREITOS HUMANOS

MARCOS HISTÓRICOS DOS DIREITOS HUMANOS MARCOS HISTÓRICOS DOS DIREITOS HUMANOS DIREITOS HUMANOS Os direitos humanos visam salvaguardar a dignidade de todas as pessoas, em todos os momentos e lugares e em todas as suas dimensões. DIREITOS HUMANOS

Leia mais

A ideia de constituição

A ideia de constituição A ideia de constituição A Revolução Federal Filosofia politica e debate constitucional na fundação dos E.U.A Viriato Soromenho-Marques II Capítulo; pág.41 Apresentação de Rojer Rafael Tomás Soares Nº 36267

Leia mais

Colonização da América do Norte Formação dos Estados Unidos

Colonização da América do Norte Formação dos Estados Unidos Colonização da América do Norte Formação dos Estados Unidos A ocupação da América do Norte foi marcada por intensos conflitos entre ingleses e indígenas da região. Duas companhias de comércio foram autorizadas

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

O ANTIGO REGIME FRANCÊS ANCIEN REGIM

O ANTIGO REGIME FRANCÊS ANCIEN REGIM O ANTIGO REGIME FRANCÊS ANCIEN REGIM Organização social que vigorou na França, principalmente na época em que os reis eram absolutistas, ou seja, de meados do século XVII até a Revolução Francesa. Tal

Leia mais

UNICAMP REVOLUÇÃO FRANCESA HISTÓRIA GEAL

UNICAMP REVOLUÇÃO FRANCESA HISTÓRIA GEAL 1. (Unicamp 94) Num panfleto publicado em 1789, um dos líderes da Revolução Francesa afirmava: "Devemos formular três perguntas: - O que é Terceiro Estado? Tudo. - O que tem ele sido em nosso sistema político?

Leia mais

ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO

ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO CONTEXTO No final da Idade Média (séculos XIV e XV), ocorreu uma forte centralização política nas mãos dos reis. A burguesia comercial ajudou muito neste processo, pois interessa

Leia mais

O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA

O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA O sistema feudal entra em crise com o advento das cidades e a expansão do comércio, somados a outros fatores. 1) Necessidade de moedas, crescimento das cidades

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Formação do bacharel em direito Valdir Caíres Mendes Filho Introdução O objetivo deste trabalho é compreender as raízes da formação do bacharel em Direito durante o século XIX. Será

Leia mais

Processo Seletivo/UFU - julho 2007-1ª Prova Comum FILOSOFIA QUESTÃO 01

Processo Seletivo/UFU - julho 2007-1ª Prova Comum FILOSOFIA QUESTÃO 01 FILOSOFIA QUESTÃO 01 Leia atentamente o seguinte verso do fragmento atribuído a Parmênides. Assim ou totalmente é necessário ser ou não. SIMPLÍCIO, Física, 114, 29, Os Pré-Socráticos. Coleção Os Pensadores.

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS BR/1998/PI/H/4 REV. DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Brasília 1998 Representação

Leia mais

DO ESTADO DE NATUREZA E DE COMO OS HOMENS DESEJAM O ESTADO CIVIL

DO ESTADO DE NATUREZA E DE COMO OS HOMENS DESEJAM O ESTADO CIVIL DO ESTADO DE NATUREZA E DE COMO OS HOMENS DESEJAM O ESTADO CIVIL Bruna Andrade Pereira Faculdade de Direito Centro do Aluno bruna.ap1@puccamp.edu.br Prof. Dr. Douglas Ferreira Barros Grupo de Pesquisa:

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA Aulas 19 e 20 Pág. 15 P R O F ª C L E I D I V A I N E D A S. R E Z E N D E D I S C. H I S T Ó R I A / 8 º A N O

REVOLUÇÃO FRANCESA Aulas 19 e 20 Pág. 15 P R O F ª C L E I D I V A I N E D A S. R E Z E N D E D I S C. H I S T Ó R I A / 8 º A N O REVOLUÇÃO FRANCESA Aulas 19 e 20 Pág. 15 P R O F ª C L E I D I V A I N E D A S. R E Z E N D E D I S C. H I S T Ó R I A / 8 º A N O 1 - INTRODÇÃO 1789 a Bastilha (prisão) foi invadida pela população marca

Leia mais

CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA

CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA Adoptada pela Resolução No. 44/25 da Assembleia Geral das Nações Unidas em 20 de Novembro de 1989 PREÂMBULO Os Estados Partes da presente Convenção, Considerando

Leia mais

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo.

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo. HISTÓRIA 37 Associe as civilizações da Antigüidade Oriental, listadas na Coluna A, às características políticas que as identificam, indicadas na Coluna B. 1 2 3 4 COLUNA A Mesopotâmica Fenícia Egípcia

Leia mais

Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL

Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL Educador: Luciola Santos C. Curricular: História Data: / /2013 Estudante: 7 Ano Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL 7º Ano Cap 1e 2 Feudalismo e Francos Cap 6 Mudanças no feudalismo Cap 7 Fortalecimento

Leia mais

A Revolução Francesa (1789-1799)

A Revolução Francesa (1789-1799) A Revolução Francesa (1789-1799) Origens da Revolução Francesa Crise Econômica A agricultura, ainda submetida ao feudalismo, entrava em colapso. As velhas técnicas de produção e a servidão no campo criavam

Leia mais

John Locke - Um explorador do entendimento humano

John Locke - Um explorador do entendimento humano A P O S T I L A D O E S T U D A R I A Pensadores da Educação John Locke- Revista Nova Escola John Locke - Um explorador do entendimento humano Pensador inglês via na mente da criança uma tela em branco

Leia mais

COMENTÁRIO DA PROVA DE HISTÓRIA

COMENTÁRIO DA PROVA DE HISTÓRIA COMENTÁRIO DA PROVA DE HISTÓRIA Prova com temas clássicos, dentro do programa, sem maiores complicações. Sentimos falta de questões que buscassem uma maior relação diacrônica (com exceção da questão 1),

Leia mais

( C A R TA DE N I C O L A U M A Q U I AV E L A F R A N C E S C O V E T T O R I, DE 10 DE D E Z E M B R O DE 1 51 3 ).

( C A R TA DE N I C O L A U M A Q U I AV E L A F R A N C E S C O V E T T O R I, DE 10 DE D E Z E M B R O DE 1 51 3 ). Filosofia 3ª série E C O M O D A N T E D I Z QUE N Ã O SE FA Z C I Ê N C I A S E M R E G I S T R A R O QUE SE A P R E N D E, EU T E N H O A N O TA D O T U D O N A S C O N V E R S A S QUE ME P A R E

Leia mais

Gustavo Noronha Silva. Fichamento: Rousseau: da servidão à liberdade

Gustavo Noronha Silva. Fichamento: Rousseau: da servidão à liberdade Gustavo Noronha Silva Fichamento: Rousseau: da servidão à liberdade Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES maio / 2003 Gustavo Noronha Silva Fichamento: Rousseau: da servidão à liberdade Trabalho

Leia mais

Maquiavel. Teoria Política. (Capítulo 24, pág 298 a 302)

Maquiavel. Teoria Política. (Capítulo 24, pág 298 a 302) Maquiavel Teoria Política (Capítulo 24, pág 298 a 302) CONTEXTO HISTÓRICO (SÉC XIV e seguintes) 1. FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS NACIONAIS (Portugal, França, Inglaterra, Espanha). 2. Monarquias Nacionais ESTADO

Leia mais

Do estado de natureza ao governo civil em John Locke

Do estado de natureza ao governo civil em John Locke Adyr Garcia Ferreira Netto 1 Resumo No estado de natureza, situação em que segundo a doutrina contratualista o homem ainda não instituiu o governo civil, John Locke entende que os indivíduos são iguais,

Leia mais

CHRISTOPHER HILL: UMA VISÃO SOBRE A LIBERDADE

CHRISTOPHER HILL: UMA VISÃO SOBRE A LIBERDADE CHRISTOPHER HILL: UMA VISÃO SOBRE A LIBERDADE CAROLINE OLIVEIRA JUNG * RESUMO Neste trabalho discute-se a questão da liberdade, o que é ser livre no século XVI e XVII, em específico dentro da Revolução

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA 1789-1799

REVOLUÇÃO FRANCESA 1789-1799 REVOLUÇÃO FRANCESA 1789-1799 À procura de solução para a crise: 1787 Luís XVI convocação dos conselheiros para criação de novos impostos Acabar com a isenção fiscal do Primeiro e Segundo Estados CONSEQUÊNCIA

Leia mais

Liberdade e democracia: agenda socialista ou liberal?

Liberdade e democracia: agenda socialista ou liberal? Liberdade e democracia: agenda socialista ou liberal? Introdução: Maria Mello de Malta 1 Em toda parte parece se defender a liberdade e a democracia. Fazem-se passeatas, manifestações políticas e até guerras

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Declaração Universal dos Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento

Leia mais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais Direitos Humanos Fundamentais 1 PRIMEIRAS NOÇÕES SOBRE OS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS 1. Introdução Para uma introdução ao estudo do Direito ou mesmo às primeiras noções de uma Teoria Geral do Estado

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos do Homem

Declaração Universal dos Direitos do Homem Declaração Universal dos Direitos do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento

Leia mais

FIM DO ABSOLUTISMO INGLÊS SÉCULO XVII

FIM DO ABSOLUTISMO INGLÊS SÉCULO XVII FIM DO ABSOLUTISMO INGLÊS SÉCULO XVII ANTECEDENTES: No início dos anos 1600, a Inglaterra apresentava-se como um país em desenvolvimento e expansão. Nos reinados do século anterior, de Henrique VIII e

Leia mais

Quando Nosso Senhor Deus fez as criaturas, não quis que todas fossem iguais, mas estabeleceu e ordenou a cada um a sua virtude.

Quando Nosso Senhor Deus fez as criaturas, não quis que todas fossem iguais, mas estabeleceu e ordenou a cada um a sua virtude. Os Estados Nacionais Modernos e o Absolutismo Monárquico Quando Nosso Senhor Deus fez as criaturas, não quis que todas fossem iguais, mas estabeleceu e ordenou a cada um a sua virtude. Quanto aos reis,

Leia mais

www. Lifeworld.com.br

www. Lifeworld.com.br 1 Artigos da Constituição Mundial A Constituição Mundial é composta de 61º Artigos, sendo do 1º ao 30º Artigo dos Direitos Humanos de 1948, e do 31º ao 61º Artigos estabelecidos em 2015. Dos 30 Artigos

Leia mais

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

Revolução Industrial e Socialismo. A Revolução Industrial.

Revolução Industrial e Socialismo. A Revolução Industrial. Aula 11 Revolução Industrial e Socialismo Nesta aula, iremos tratar da Revolução Industrial e de suas conseqüências para o mundo contemporâneo. Entre as conseqüências, destaque para o desenvolvimento de

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

FACULDADE GUILHERME GUIIMBALA Curso de Direito 2011

FACULDADE GUILHERME GUIIMBALA Curso de Direito 2011 FACULDADE GUILHERME GUIIMBALA Curso de Direito 2011 PROJETO DE ATIVIDADE INTERDISCIPLINAR COMPREENSÃO DO ABSOLUTISMO POLÍTICO A PARTIR DO FILME ELIZABETH A prática pedagógica é uma atividade complexa e

Leia mais

Declaração Universal dos. Direitos Humanos

Declaração Universal dos. Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Ilustrações gentilmente cedidas pelo Fórum Nacional de Educação em Direitos Humanos Apresentação Esta é mais uma publicação da Declaração Universal dos Direitos

Leia mais

DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: NOME COMPLETO:

DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: NOME COMPLETO: DISCIPLINA: FILOSOFIA PROFESSOR: ENRIQUE MARCATTO DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: NOME COMPLETO: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 2ª TURMA: Nº: I N S T R U Ç Õ E S 1. Este trabalho contém

Leia mais