Classificações ECTS. - Resultados da aplicação experimental às disciplinas do IST - Carla Patrocínio

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Classificações ECTS. - Resultados da aplicação experimental às disciplinas do IST - Carla Patrocínio"

Transcrição

1 Classificações ECTS - Resultads da aplicaçã experimental às disciplinas d IST - Carla Patrcíni Crd.: Drª Marta Pile Gabinete de estuds e planeament Institut Superir Técnic Janeir, 2003

2 1. Enquadrament N passad dia 9 de Outubr fi aprvad na reuniã da CCCC um cnjunt de princípis básics e de prcediments, a títul experimental, tend em vista a adpçã n IST de uma escala de classificações fundamentada na escala ECTS, para funcinar em paralel cm sistema de ntas 0-20, actualmente em vigr. O bjectiv d presente dcument é a apresentaçã ds resultads preliminares da sua aplicaçã em fase experimental às disciplinas d IST. Este dcument pretende ser bastante sucint, e divide-se em cinc partes: Numa primeira parte, relembrar resumidamente cnceit de Classificaçã ECTS, de acrd cm as regras estabelecidas a nível eurpeu e também cm as regras aprvadas na CCCC relativamente a IST; Definiçã d univers de trabalh usad para a experiência; Apresentaçã d algritm usad na aplicaçã das classificações ECTS adaptadas a IST; Apresentaçã ds resultads de aplicaçã; Cnclusões Preliminares. 1.1 Ntaçã Para facilitar a leitura deste dcument apresenta-se de seguida a ntaçã usada a lng d text. T - n.º de aluns aprvads numa disciplina; n i - fracçã d univers ds T aluns aprvads numa disciplina cm classificaçã ECTS n escalã i (i = A, B, C, D, E). nta mi nta (escala 0-20) mínima d escalã i. nta Mi nta (escala 0-20) máxima d escalã i. A ntaçã ntas refere-se à escala de ntas A ntaçã classificaçã refere-se à escala de classificaçã ECTS A-E. 1

3 2. O Sistema ECTS Neste pnt pretende-se, relembrar resumidamente, as características e bjectivs d sistema de classificações ECTS, assim cm expr, em linhas gerais, a prpsta aprvada na CCCC, remetend s prmenres para a prpsta riginal. Tabela 1 : Escala de Classificações ECTS Classificaçã ECTS A B C D E Definiçã Original Excelente 10% de estudantes cm este aprveitament (melhres 10% ntas) Muit Bm 25% de estudantes cm este aprveitament Bm 30% de estudantes cm este aprveitament Satisfaz 25% de estudantes cm este aprveitament Suficiente 10% de estudantes cm este aprveitament Definiçã (adaptada - IST) Excelente as 10 a 15 % melhres ntas, se 17 Muit Bm Ppulaçã alv (aluns cm aprveitament, em cada escalã) n A T n B T = ( n A ) T Frnteira Inferir (% de aluns cm aprveitament ns escalões inferires) ( n A ) 100 Limites de tlerância para a fracçã de aluns n escalã n A.0.15 Limite de tlerância da frnteira inferir (LFI) LFI A 85% n B 0.4 LFI B 60% Bm n C T = 0.30 T n C 0.5 LFI C 30% Satisfaz Suficiente as 10 a 15 % pires ntas, se 12 n D T = ( n E ) T n E n D 0.6 n E T n E < 0.25 O sistema de classificações ECTS tem pr finalidade principal prmver a mbilidade estudantil, permitind medir e cmparar s resultads académics d estudante e transferi-ls de um estabeleciment para utr. A escala ECTS assenta na assciaçã de uma definiçã numérica (percentil), definida na 2ª cluna da Tabela 1, cm as palavras-chaves A, B, C, D e E, que se encntram na 1ª cluna da Tabela 1. Dad que esta escala é muit rígida em terms percentuais, levand frequentemente a situações em que a delimitaçã entre escalões ECTS nã é bem definida, pr exempl uma mesma nta pertencer a dis escalões ECTS, cnsideru-se cnveniente adaptar as definições, pr frma a cnjugá-las cm s critéris e hábits da Escla, para além de adaptar as definições ds extrems da escala ECTS, impnd-lhes algumas restrições. A Tabela 1 resume a infrmaçã necessária usada para a implementaçã das classificações ECTS, a títul experimental, às disciplinas d IST, nde a 3ª cluna define cada classificaçã/escalã ECTS, a 4ª cluna indica a ppulaçã alv de aluns em cada escalã. Os limites inferires de cada escalã, apresentads na 5ª cluna, representam a percentagem de aluns cm aprveitament que ficam classificads ns escalões inferires. As últimas clunas representam s limites de variaçã aceitáveis da ppulaçã, e d limite inferir, respectivamente, de cada escalã. 2

4 3. Univers de Trabalh Cm univers de trabalh para esta experiência cnsideraram-se tdas as disciplinas cm aluns aprvads ns ans lectivs 98/99, 99/00 e 00/01, que ttaliza 1112 disciplinas, agrupadas smente pr códig de disciplina e independentemente da licenciatura. Destas disciplinas apenas 778 tem um n.º de aprvads superir u igual a 30 (um ds itens cnsiderads cm base para atribuiçã de classificaçã ECTS às disciplinas d IST), send este univers de trabalh usad. O us ds ans lectivs 98/99, 99/00 e 00/01, e nã 99/00, 00/01 e 01/02 deveu-se a fact de quand se iniciu estud ainda estavam pr lançar muitas ntas d an lectiv de 01/02 que iria enviesar s resultads da experiência. D univers de análise (778 disciplinas) existem 240 disciplinas que nã tem infrmaçã de três ans, utr ds itens cnsiderads cm base para atribuiçã de classificaçã ECTS às disciplinas d IST, n entant para esta fase experimental fram igualmente cnsideradas dad que tinham um n.º de aluns razável que permitia a aplicaçã da distribuiçã. De ntar que para as disciplinas cm um n.º de aprvads, ns três ans lectivs em análise, inferir a 30 seria muit cmplicada a aplicaçã de classificações ECTS dad que a distribuiçã das ntas, de 10 a 20, está muit cncentrada em algumas ntas. Sbre este univers fram feitas algumas experiências de frma a se pder tirar algumas ilações, nmeadamente agruparam-se s dads d univers de trabalh pr: Cass Excepcinais 1 ; An Curricular; Tip de Disciplina (brigatória/pcinal); Dad que para a presente análise se agruparam as disciplinas indistintamente da licenciatura a que pertenciam, para agrupament pr an curricular e pr tip de disciplina cnsideraram-se s ans e s tips de disciplinas que crriam mais vezes, pr exempl se uma disciplina pertencia a 1º an curricular em 3 curss e a 2º an em 5 curss entã se cnsideru a disciplina cm send d 2º an curricular, mesm métd para s tips de disciplinas. Ns cass de empate, que acnteceu em pucs cass, cnsideraram-se ambs s cass (ans e tip de disciplina). 1 Sã s cass que influenciam a distribuiçã final (essencialmente prblemas ns extrems, A e E, das classificações ECTS), e cm tal sã assinalads n algritm para uma psterir análise mais cuidada. 3

5 4. Algritm para aplicaçã da Escala de Classificaçã ECTS a IST Neste pnt vams analisar algritm que implementu, experimentalmente, cnjunt de regras definid na Tabela 1 de frma a uma melhr cmpreensã d prcess de atribuiçã das classificações ECTS. Devid a elevad vlume de infrmaçã (n.º de regists) ptu-se pr fasear a atribuiçã das classificações em cinc passs, cmeçand naturalmente pels extrems A e E devid às restrições que lhes estã atribuídas 2. Assim cmeçu pr se fazer a atribuiçã da classificaçã A, seguida da classificaçã E. A sequência ds 3º, 4º e 5º passs teve em cnta as regras ds limites da frnteira inferir (LFI C,B,A), 7ª cluna da Tabela 1. Os cass denminads excepcinais sã assinalads a lng d algritm. 1º Pass: Atribuiçã Classificaçã A Calcula-se n A tal que n A 0.15 e nta ma 17; Cass excepcinais assinalads: Se n A 0.15 e nta ma = 20 entã a tdas as ntas 20 é atribuída a classificaçã B; Se nã existem ntas superires u iguais a 17 entã nã existem classificações A. 2º Pass: Atribuiçã Classificaçã E Calcula-se n E tal que n E 0.15 e nta ME 12; Cass excepcinais assinalads: Se a % de ntas 10 exceder 25% d ttal de aprvads entã a tdas as ntas 10 é atribuída a classificaçã D; Se a % de ntas 10 estiver entre s 15% e s 25% d ttal de aprvads entã a classificaçã E é preenchida cm a nta 10; Se nã existem ntas inferires u iguais a 12 entã nã existem classificações E. 3º Pass: Atribuiçã Classificaçã D Calcula-se n D tal que n E +n D 0.30, reajustand/redistribuind s cass em que n E +n D é muit elevad. 4º Pass: Atribuiçã Classificaçã C Calcula-se n C tal que n E +n D +n C 0.60, reajustand/redistribuind s cass em que n E +n D +n C é muit elevad. 5º Pass: Atribuiçã Classificaçã B Restantes cass. Cass excepcinais assinalads: Pdem nã existir classificações B devid a existirem elevadas cncentrações de aluns em algumas ntas e cnsequentemente em utras classificações. 2 Cnsidera-se que a assciaçã da palavra-chave Excelente à definiçã d escalã A, implica que nele nã deverã ser incluídas ntas inferires a 17, mesm que fazend parte d percentil 10 das melhres ntas da disciplina. De frma semelhante, cnsidera-se que escalã E-suficiente ( desempenh satisfaz s critéris mínims ) só deverá ser atribuíd a ntas iguais u inferires a 12. Pr utr lad, à nta 10 crrespnderá invariavelmente escalã E, except se a sua percentagem fr superir a 25 %. Neste cas, nã se atribuirá escalã E, e tdas as ntas 10 pertencerã a escalã D. 4

6 5. Resultads de Aplicaçã 5.1 Agrupament pr tip de Cas Excepcinal Os resultads agrupads pr tip de cas excepcinal sã s seguintes: a) A percentagem de disciplinas em que n A mair u igual 0.15 e nta ma = 20, e, em cnsequência, a tdas as ntas 20 é atribuída a classificaçã B é aprximadamente 1%, e sã disciplinas de pçã, de 4º u 5º an, salientad-se duas cadeiras cuj nme é Prject I e II. b) A percentagem de disciplinas em que nã existem ntas superires u iguais a 17, e, cm tal, nã existem classificações A, é aprximadamente 6%, e as disciplinas em questã nã têm características cmuns. c) A percentagem de disciplinas em que a percentagem de ntas 10 excede 25% d ttal de aprvads, e, em cnsequência, a tdas as ntas 10 é atribuída a classificaçã D é aprximadamente 14%, e entre estas disciplinas destacam-se as disciplinas de Análise Matemática, Álgebra Linear, Física (I, II, III), Mecânica (Fluíds, Materiais, Aplicada), Prbabilidades e Estatística, Química Orgânica e Termdinâmica. d) A percentagem de disciplinas em que a % de ntas 10 está entre s 15% e s 25% d ttal de aprvads, e a classificaçã E é preenchida cm a nta 10 é aprximadamente 6%, e entre estas disciplinas destacam-se as disciplinas de Química (Química, geral) e Gestã. e) A percentagem de disciplinas em que nã existem ntas inferires u iguais a 12, e, cm tal, nã existem classificações E é aprximadamente 8%, e entre estas se destacam disciplinas de prjects e labratóris. f) A percentagem de disciplinas em que nã existe a classificações B devid a existirem elevadas cncentrações de aluns em algumas ntas, e cnsequentemente em utras classificações, é aprximadamente 2%, e entre estas se destacam disciplinas de Prject. 5.2 Agrupament pr An Curricular, Tip de Disciplina e tip de Cas Excepcinal A tabela seguinte mstra a intersecçã entre an curricular, tip de disciplina e s tips de cas excepcinal assinalads a lng da aplicaçã d algritm. De ntar que se agruparam s ans curriculares de duas frmas, send a variaçã entre estas na junçã d 3º an as dis primeirs ans u as 2 últims ans, send que s resultads finais sã muit semelhantes. Tabela 2: Distribuiçã ds cass exepcinais pr an curricular e tip de disciplina An Curricular An Curricular Tip Disciplina Sem classificaçã A prque só existem ntas < 17 O nº de 20's é superir a 15% e atribui-se a tds 20's classificaçã B Sem classificaçã E prque a % de ntas 10's é superir a 25% % de ntas 10's entre 10% e 25% Sem classificaçã E prque nã existem ntas <= 12 Sem Classificaçã B devid a elevadas cncentrações de aluns nutras classificações 1 u 2 9% 0% 21% 22% 3% 0% 3 u 4 u 5 4% 1% 10% 16% 10% 3% 1 u 2 u 3 9% 0% 19% 21% 3% 1% 4 u 5 2% 2% 6% 14% 14% 3% Opçã 1% 5% 4% 6% 22% 2% Obrigatória 6% 0% 14% 20% 7% 2% 5

7 Na Tabela 2 encntram-se assinaladas as maires percentagens, e pde-se bservar que tendencinalmente as disciplinas que tem uma elevada prprçã de ntas 10 sã disciplinas ds primeirs dis ans d curs e brigatórias, disciplinas hrinzntais, cm aliás se bservu n pnt anterir. Da referida tabela pde-se bservar ainda que as disciplinas de pçã ds 4º e 5º ans têm tendência para nã ter ntas inferires u iguais a 13 valres. 5.3 Outrs Resultads D univers analisad existem 72% de disciplinas que tem tdas as classificações (nã sã enquadradas em nenhum ds cass excepcinais), e para estas disciplinas btiveram-se s seguintes resultads: Tabela 3: Resultads das Classificações ECTS - médias e percentagens, das disciplinas cm tdas as classificações Classificaçã ECTS Média das Médias entre Máxim e Minim de cada Classificaçã (escala 10-20) Média % (n i) cntida em cada Classificaçã A % B % C % D % E % Média entre Máxim e Mínim de cada Classificaçã = (nta + nta 2 Mi mi ) Destas disciplinas pde aplicar-se a classificaçã ECTS prpsta btend uma distribuiçã nrmal em 48% ds cass; uma distribuiçã nrmal enviesada em 3% ds cass; em 14% ds cass a distribuiçã nã é nrmal devid a disciplinas que tem uma percentagem de ntas 10 entre 15% e 25%, que faz cm que a percentagem de classificações E fique superir à percentagem de classificações D (cnsequência da definiçã ds extrems); s restantes cass tratam-se de disciplinas em que a percentagem de classificações A excede a percentagem de classificações B; D univers em análise existem 12% de disciplinas em que n 10 n n 19 n 20 35%, send que destas disciplinas apenas 2% tem tdas as classificações (sã cass em que as maires cncentrações de ntas se encntram nas classificações D e C). Nta: Um ds cndicinantes à aplicaçã das classificações ECTS é fact de existirem disciplinas em que a percentagem de aluns aprvads numa das ntas de ser muit elevad, pr exempl superir a 35% (a esclha de 35% deveu-se a fact de escalã ECTS que cntém mais aluns aprvads é C cm 30% 6

8 aprvads). As disciplinas cm estas características sã 95 (12%), send que destas, 9 sã cadeiras de labratóri, 14 sã cadeiras de prject e a utra é Análise Matemática II Das disciplinas que nã têm pel mens uma classificaçã: 17% nã têm classificações A e E; 36% verifica-se que n 10 n n 19 n 20 35%; 66% apresentam uma distribuiçã nrmal; 6. Cnclusões Preliminares: Regras aplicáveis à mairia das disciplinas (72%), cm btençã de uma distribuiçã ECTS semelhante à riginal (apesar ds cass excepcinais em que a distribuiçã nã é nrmal devid à percentagem de 10 s entre 10% e 25%, cnsequência da definiçã ds extrems, e eventualmente revend algritm para alguns ds cass particulares em que a percentagem de classificações A é superir à de classificações B); Nas restantes disciplinas (28%), em que nã existe pel mens uma classificaçã, algritm também é aplicável ns cass em que a distribuiçã é nrmal, u seja 66% destas disciplinas, que crrespnde a um ttal 19% de disciplinas d univers de trabalh. Assim pde-se aplicar algritm em cerca de 90% das disciplinas em análise. As restantes cass nã se devem atribuir Classificações ECTS, ficand um exempl de uma destas disciplinas: 7

Avaliação Imobiliária e Manutenção das Construções

Avaliação Imobiliária e Manutenção das Construções Avaliaçã Imbiliária e Manutençã das Cnstruções 1ª Épca 15 de junh de 2016 (11h30) (V1.26 V1.25) Nme: Númer: Duraçã ttal sem interval: 1,45 hras Ntas: I. Nã é permitida a cnsulta de quaisquer ntas u dcuments,

Leia mais

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação em vigor e o Programa da disciplina.

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação em vigor e o Programa da disciplina. Infrmaçã da Prva de Exame de Equivalência à Frequência de Prjet Tecnlógic Códig: 196 2013 Curs Tecnlógic de Infrmática/12.º Prva: Pr (Prjet) Nº de ans: 1 Duraçã: 30-45 minuts Decret-Lei n.º 139/2012, de

Leia mais

Trabalhos Práticos. Programação II Curso: Engª Electrotécnica - Electrónica e Computadores

Trabalhos Práticos. Programação II Curso: Engª Electrotécnica - Electrónica e Computadores Trabalhs Prátics Prgramaçã II Curs: Engª Electrtécnica - Electrónica e Cmputadres 1. Objectivs 2. Calendarizaçã 3. Nrmas 3.1 Relatóri 3.2 Avaliaçã 4. Prpstas Na disciplina de Prgramaçã II é prpst um trabalh,

Leia mais

DISSERTAÇÃO ou PROJECTO FINAL NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO ou PROJECTO FINAL NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO u PROJECTO FINAL NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO Cnfrme previst n artig 20º d Decret-Lei nº 74/2006 de 24 de Març, cicl de estuds cnducente a grau de mestre integra brigatriamente

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO À REALIZAÇÃO DE INVESTIGAÇÕES NA AULA DE MATEMÁTICA: APROXIMAÇÃO DO TRABALHO DOS ALUNOS AO TRABALHO DOS MATEMÁTICOS

BREVE INTRODUÇÃO À REALIZAÇÃO DE INVESTIGAÇÕES NA AULA DE MATEMÁTICA: APROXIMAÇÃO DO TRABALHO DOS ALUNOS AO TRABALHO DOS MATEMÁTICOS BREVE INTRODUÇÃO À REALIZAÇÃO DE INVESTIGAÇÕES NA AULA DE MATEMÁTICA: APROXIMAÇÃO DO TRABALHO DOS ALUNOS AO TRABALHO DOS MATEMÁTICOS MARIA HELENA CUNHA Área Científica de Matemática - Escla Superir de

Leia mais

A) O volume de cada bloco é igual à área da base multiplicada pela altura, isto é, 4 1

A) O volume de cada bloco é igual à área da base multiplicada pela altura, isto é, 4 1 OBMEP Nível 3 ª Fase Sluções QUESTÃO. Quincas Brba uniu quatr blcs retangulares de madeira, cada um cm 4 cm de cmpriment, cm de largura e cm de altura, frmand bjet mstrad na figura. A) Qual é vlume deste

Leia mais

Regime Escolar Fruta Escolar /

Regime Escolar Fruta Escolar / Regime Esclar Fruta Esclar / Frmuláris 2016/2017 - Índice NOTA INTRODUTÓRIA...3 Pedid de Ajuda...4 1. Pedid de Ajuda...4 A. Página de Rst d Pedid...4 B. Pedid de Ajuda Página dis...6 C. Mapa de Medidas

Leia mais

Comunicado Cetip n 091/ de setembro de 2013

Comunicado Cetip n 091/ de setembro de 2013 Cmunicad Cetip n 091/2013 26 de setembr de 2013 Assunt: Aprimrament da Metdlgia da Taxa DI. O diretr-presidente da CETIP S.A. MERCADOS ORGANIZADOS infrma que, em cntinuidade às alterações infrmadas n Cmunicad

Leia mais

Sobretaxa de IRS em vigor em 2016 ERP eticadata

Sobretaxa de IRS em vigor em 2016 ERP eticadata Sbretaxa de IRS em vigr em 2016 ERP eticadata CONTEÚDO 01 INTRODUÇÃO... 3 02 TABELAS DE RETENÇÃO DA SOBRETAXA DE IRS EM VIGOR EM 2016... 4 02.01 LEI Nº159-D/2015, DE 30 DE DEZEMBRO... 4 02.02 DESPACHO

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERATIVO Carimbagem, registo, magnetização e atribuição de cotas

PROCEDIMENTO OPERATIVO Carimbagem, registo, magnetização e atribuição de cotas Página 1 de 5 I ÂMBITO Aplicável à identificaçã e lcalizaçã de mngrafias, bras de referência e materiais dispnibilizads na bibliteca da ESEP. II OBJETIVOS Identificar as bras, mngrafias e materiais adquirids

Leia mais

1. O Programa. 2. Conteúdo programático

1. O Programa. 2. Conteúdo programático EDITAL SENAI-UFPE-ACCENTURE-FACEPE 01/2016 O Departament Reginal d Serviç Nacinal de Aprendizagem Industrial de Pernambuc SENAI-PE, trna públic presente Edital que estabelece prcess de Seleçã e Admissã,

Leia mais

Primeiros resultados 27/11/2013. Ano Internacional da Estatística 1

Primeiros resultados 27/11/2013. Ano Internacional da Estatística  1 INQUÉRITO À FECUNDIDADE 2013 Primeirs resultads 27/11/2013 2013 An Internacinal da Estatística www.statistics2013.rg 1 O Institut Nacinal de Estatística realizu, em 2013, Inquérit à Fecundidade, cuj principal

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 14 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.V.02/2007-05-31

NOTA TÉCNICA nº 14 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.V.02/2007-05-31 FONTES ABASTECEDORAS DE ÁGUA RESUMO NOTA TÉCNICA nº 14 Cmplementar d Regulament Geral de SCIE Ref.ª VII.V.02/2007-05-31 FONTES ABASTECEDORAS DE ÁGUA Enunciar s tips de fntes de alimentaçã de água permitids

Leia mais

Ata 1ª Reunião Conselho Eco-Escola 14 dezembro 2011

Ata 1ª Reunião Conselho Eco-Escola 14 dezembro 2011 Ata 1ª Reuniã Cnselh Ec-Escla 14 dezembr 2011 As catrze dias d mês de dezembr de 2011 realizu-se, n auditóri, a primeira reuniã d cnselh Ec-Esclas d Clégi Valsassina d presente an lectiv. A reuniã cntu

Leia mais

COMPARAÇÃO DE CURVAS DE SOBREVIVÊNCIA

COMPARAÇÃO DE CURVAS DE SOBREVIVÊNCIA COMPARAÇÃO DE CURVAS DE SOBREVIVÊNCIA O prblema de cmparaçã de distribuições de sbrevivências surge cm freqüência em estuds de sbrevivência. Pr exempl, pde ser de interesse cmparar dis trataments para

Leia mais

Diagramas líquido-vapor

Diagramas líquido-vapor Diagramas líquid-vapr ara uma sluçã líquida cntend 2 cmpnentes vláteis que bedecem (pel mens em primeira aprximaçã) a lei de Rault, e prtant cnsiderada cm uma sluçã ideal, a pressã de vapr () em equilíbri

Leia mais

Ata 1ª Reunião Conselho Eco-Escola 13 dezembro 2013

Ata 1ª Reunião Conselho Eco-Escola 13 dezembro 2013 Ata 1ª Reuniã Cnselh Ec-Escla 13 dezembr 2013 As treze dias d mês de dezembr de 2013 realizu-se, n auditóri, a primeira reuniã d cnselh Ec-Esclas d Clégi Valsassina d presente an lectiv. A reuniã cntu

Leia mais

Introdução às Redes e Serviços de Telecomunicações

Introdução às Redes e Serviços de Telecomunicações Capítul 1 Intrduçã às Redes e Serviçs de Telecmunicações 1.1 Intrduçã Neste capítul apresenta-se a resluçã de alguns prblemas e prpõem-se alguns exercícis adicinais referentes à matéria d capítul 1 de

Leia mais

Por bloco, entenda-se a unidade, e por peça, um bloco ou conjunto de blocos.

Por bloco, entenda-se a unidade, e por peça, um bloco ou conjunto de blocos. Resum das Regras: Nta: Este resum nã dispensa a cnsulta d restante Manual, nde se encntram figuras e descrições detalhadas. Preparaçã: dividind tabuleir em quatr quadrantes simétrics, preencha cada quadrante

Leia mais

SUPERFÍCIE E CURVA. F(x, y, z) = 0

SUPERFÍCIE E CURVA. F(x, y, z) = 0 SUPERFÍIE E URVA SUPERFÍIE E URVA As superfícies sã estudadas numa área chamada de Gemetria Diferencial, desta frma nã se dispõe até nível da Gemetria Analítica de base matemática para estabelecer cnceit

Leia mais

o contraste é significativo ao nível

o contraste é significativo ao nível Rteir de Aula 8 Experimentaçã Ztécnica 25/04/2017 Teste de Tukey O prcediment para aplicaçã d teste é seguinte: Pass 1. Calcula-se valr de Pass 2. Calculam-se tdas as estimativas de cntrastes entre duas

Leia mais

Colégio Visconde de Porto Seguro Unidade I Ensino Fundamental Nível I (1º ao 5º ano)

Colégio Visconde de Porto Seguro Unidade I Ensino Fundamental Nível I (1º ao 5º ano) Clégi Viscnde de Prt Segur Unidade I Ensin Fundamental Nível I (1º a 5º an) Ensin Fundamental Nível I Sistema de Recuperaçã 2º an 1º e 2º períds Prezads Pais Pense sempre em sua meta e trabalhe para alcançá-la.

Leia mais

MATEMÁTICA APLICADA RESOLUÇÃO

MATEMÁTICA APLICADA RESOLUÇÃO GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS ECONÔMICAS E 3/0/06 As grandezas P, T e V sã tais que P é diretamente prprcinal a T e inversamente prprcinal a V Se T aumentar 0% e V diminuir 0%, determine a variaçã

Leia mais

Regulamento de Propinas dos Programas de Formação da Universidade da Madeira

Regulamento de Propinas dos Programas de Formação da Universidade da Madeira Regulament de Prpinas ds Prgramas de Frmaçã da Universidade da Madeira Capítul I Dispsições Gerais Artig 1.º Âmbit 1. O presente Regulament aplica se a tds s aluns inscrits na Universidade da Madeira em

Leia mais

Rescisão Complementar

Rescisão Complementar Rescisã Cmplementar Cm gerar rescisã cmplementar n sistema? N menu Móduls\ Rescisã\ Rescisã Cmplementar estã dispníveis as rtinas que permitem cálcul da rescisã cmplementar. É pssível calcular cmplementar

Leia mais

Alto Comissariado da Saúde

Alto Comissariado da Saúde Alt Cmissariad da Saúde QUAR 2010 Prject de Parecer emitid pel Alt Cmissariad da Saúde (GPEARI d Ministéri da Saúde) cm Análise Crítica da Aut-Avaliaçã d Institut Nacinal de Emergência Médica, I.P. Setembr

Leia mais

Lista dos dados a registar e armazenar em formato eletrónico no âmbito do sistema de monitorização (a que se refere o artigo 24.o)

Lista dos dados a registar e armazenar em formato eletrónico no âmbito do sistema de monitorização (a que se refere o artigo 24.o) Lista ds dads a registar e armazenar em frmat eletrónic n âmbit d sistema de mnitrizaçã (a que se refere artig 24.) L 138/34 ANEXO III É exigida a apresentaçã de dads para as perações apiadas pel FSE,

Leia mais

Variáveis e Tipo de Dados

Variáveis e Tipo de Dados Variáveis e Tip de Dads Alessandr J. de Suza DIATINF - IFRN alessandr.suza@ifrn.edu.br twi;er.cm/ajdsuza Aula 2 Segunda Aula Teórica ² Tips de dads ² Variáveis Armazenament de dads na memória Cnceit e

Leia mais

FACULDADE AGES CURSO DE ENFERMAGEM REGULAMENTAÇÃO DAS PRÁTICAS EDUCATIVAS ADMINISTRAÇÃO APLICADA A ENFERMAGEM

FACULDADE AGES CURSO DE ENFERMAGEM REGULAMENTAÇÃO DAS PRÁTICAS EDUCATIVAS ADMINISTRAÇÃO APLICADA A ENFERMAGEM FACULDADE AGES CURSO DE ENFERMAGEM REGULAMENTAÇÃO DAS PRÁTICAS EDUCATIVAS ADMINISTRAÇÃO APLICADA A ENFERMAGEM As Práticas Educativas serã realizadas em hráris pré-determinads n períd diurn para aluns regularmente

Leia mais

ESTACIONAMENTO (CAMPUS DE CAMPOLIDE)

ESTACIONAMENTO (CAMPUS DE CAMPOLIDE) ESTACIONAMENTO (CAMPUS DE CAMPOLIDE) Infrmações gerais Para esclareciment u resluçã de qualquer assunt relacinad cm Acess de Viaturas a Campus de Camplide, s utilizadres d Campus deverã prceder da seguinte

Leia mais

Escolas Públicas de Danbury Procedimentos/Orientações sobre a Frequência do Aluno

Escolas Públicas de Danbury Procedimentos/Orientações sobre a Frequência do Aluno Esclas Públicas de Danbury Prcediments/Orientações sbre a Frequência d Alun Pesquisas mstram que as famílias ds estudantes estã mais precupadas em cntrlar sucess acadêmic de seus filhs que à frequência

Leia mais

Boletim Estatístico Janeiro Março 2014 Cuidados de Saúde Primários (CSP)

Boletim Estatístico Janeiro Março 2014 Cuidados de Saúde Primários (CSP) Bletim Estatístic Janeir Març 2014 Cuidads de Saúde Primáris (CSP) Fnte - SIARS: Dads extraíds a 22/04/2014, s dads pdem estar sujeits a crreçã. Glssári Enquadrament - cnceits Cuidads de saúde primáris

Leia mais

Como Z constitui-se claramente a hipotenusa de um triângulo retângulo, tem-se

Como Z constitui-se claramente a hipotenusa de um triângulo retângulo, tem-se UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA CENTRO DE TENOLOGIA DEPARTAMENTO DE TECNLOGIA MECÂNICA PROF. ANTONIO SERGIO NUMEROS COMPLEXOS Os númers cmplexs representam uma imprtante ferramenta em matemática. Um númer

Leia mais

As cópias dos contratos, assim como outros documentos do projeto, a seguir relacionados serão fornecidos após celebração do contrato dos serviços:

As cópias dos contratos, assim como outros documentos do projeto, a seguir relacionados serão fornecidos após celebração do contrato dos serviços: Term de Referência para cntrataçã de Auditres Externs A Rede Nrte-Sul http://www.nrd-sued-netz.de é um departament da DGB Bildungswerk BUND, instituiçã educacinal pertencente à Cnfederaçã ds Sindicats

Leia mais

EURONEXT LISBON Sociedade Gestora de Mercados Regulamentados, S.A. MANUAL DE NEGOCIAÇÃO

EURONEXT LISBON Sociedade Gestora de Mercados Regulamentados, S.A. MANUAL DE NEGOCIAÇÃO INSTRUÇÃO DA EURONEXT N.º 01 Ns terms d Regulament I, s terms iniciads pr maiúsculas têm mesm significad ds que se encntram definids n capítul I n referid Regulament I. MANUAL DE NEGOCIAÇÃO 1 MANUAL DE

Leia mais

As várias interpretações dos Números Racionais

As várias interpretações dos Números Racionais As várias interpretações ds Númers Racinais (Algumas das tarefas apresentadas a seguir fram retiradas u adaptadas da Tese de Dutrament de Maria Jsé Ferreira da Silva, cuj text se encntra n seguinte endereç:

Leia mais

XXXIII OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 3 (Ensino Médio) GABARITO

XXXIII OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 3 (Ensino Médio) GABARITO XXXIII OLIMPÍD RSILEIR DE MTEMÁTI PRIMEIR FSE NÍVEL (Ensin Médi) GRITO GRITO NÍVEL ) 6) ) D 6) D ) ) 7) D ) 7) D ) D ) 8) ) 8) D ) ) 9) ) 9) ) D ) E 0) D ) D 0) E ) E ada questã da Primeira Fase vale pnt.

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE - UBI MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA Ano lectivo ORIENTAÇÕES SOBRE O PORTEFOLIO DO CURSO DE MEDICINA

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE - UBI MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA Ano lectivo ORIENTAÇÕES SOBRE O PORTEFOLIO DO CURSO DE MEDICINA An lectiv 2015-16 ORIENTAÇÕES SOBRE O PORTEFOLIO DO CURSO DE MEDICINA Os estudantes de Medicina, enquant prfissinais de saúde em prcess de frmaçã, devem recnhecer s aspets culturais e sciais da saúde,

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 71 maio de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 71 maio de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Bletim Ecnômic Ediçã nº 71 mai de 2014 Organizaçã: Mauríci Jsé Nunes Oliveira Assessr ecnômic A Bancarizaçã d país e a disparada das reclamações cntra s bancs 1 Queixas cntra bancs disparam Quand a relaçã

Leia mais

Técnica do Fluxograma

Técnica do Fluxograma Prf. Elmer Sens FSP 2013/2 Técnica d Fluxgrama Fluxgrama: é a representaçã gráfica que apresenta a seqüência de um trabalh de frma analítica, caracterizand as perações, s respnsáveis e /u unidades rganizacinais

Leia mais

Exame: Matemática Nº Questões: 58 Duração: 120 minutos Alternativas por questão: 4 Ano: 2009

Exame: Matemática Nº Questões: 58 Duração: 120 minutos Alternativas por questão: 4 Ano: 2009 Eame: Matemática Nº Questões: 8 Duraçã: 0 minuts Alternativas pr questã: An: 009 INSTRUÇÕES. Preencha as suas respstas na FOLHA DE RESPOSTAS que lhe fi frnecida n iníci desta prva. Nã será aceite qualquer

Leia mais

1-Objeto da avaliação

1-Objeto da avaliação Pretende-se que a avaliaçã seja um element integrante e reguladr da prática educativa que visa: apiar prcess educativ prmver sucess de tds s aluns reajustar s Prjet Curricular de Escla certificar cmpetências

Leia mais

ENSINO DE ESTATÍSTICA NA ESCOLA BÁSICA COM O RECURSO DA PLANILHA. (Lorí Viali e Renate G. Sebastiani)

ENSINO DE ESTATÍSTICA NA ESCOLA BÁSICA COM O RECURSO DA PLANILHA. (Lorí Viali e Renate G. Sebastiani) ENSINO DE ESTATÍSTICA NA ESCOLA BÁSICA COM O RECURSO DA PLANILHA (Lrí Viali e Renate G. Sebastiani) Universidade Federal Fluminense UFF Especializaçã em Ensin de Matemática Análise de Dads Prf. Humbert

Leia mais

Descarte de Pilhas e Baterias: Nós podemos contribuir. Segundo o IBGE, o consumo mundial de pilhas, em 2010, foi de

Descarte de Pilhas e Baterias: Nós podemos contribuir. Segundo o IBGE, o consumo mundial de pilhas, em 2010, foi de Descarte de Pilhas e Baterias: Nós pdems cntribuir Segund IBGE, cnsum mundial de pilhas, em 2010, fi de aprximadamente 10 bilhões de unidades. Iss demnstra quant fazems us desse prdut e a tendência é cresciment

Leia mais

Transição escola mercado de trabalho: duração da procura do 1º emprego

Transição escola mercado de trabalho: duração da procura do 1º emprego 6. TEMA EM ANÁLISE Transiçã escla mercad de trabalh: duraçã da prcura d 1º empreg Susana Neves* Institut Nacinal de Estatística Francisc Lima* Institut Superir Técnic e CEG-IST 1. Intrduçã De acrd cm s

Leia mais

Normas técnicas para as submissões

Normas técnicas para as submissões Períd de submissã: 05/03 a 05/04/2017 Endereç: eitam4.submisses@gmail.cm Nrmas técnicas para as submissões Os artigs submetids a IV Encntr Internacinal de Teria e Análise Musical devem se adequar às nrmas

Leia mais

Estudo do efeito de sistemas de forças concorrentes.

Estudo do efeito de sistemas de forças concorrentes. Universidade Federal de Alagas Faculdade de Arquitetura e Urbanism Curs de Arquitetura e Urbanism Disciplina: Fundaments para a Análise Estrutural Códig: AURB006 Turma: A Períd Letiv: 2007 2007-2 Prfessr:

Leia mais

Serviço Social

Serviço Social Serviç Scial 2012-13 Tmada de Decisã UCP-CRB Pól de Viseu *- 1 A elevada velcidade da mudança intrduz um nv element na gestã, frçand s executivs, já nervss cm um ambiente nã familiar, a tmar mais e mais

Leia mais

Estrutura de Repetição

Estrutura de Repetição Estrutura de Repetiçã 1. Faça um prgrama que peça uma nta, entre zer e dez. Mstre uma mensagem cas valr seja inválid e cntinue pedind até que usuári infrme um valr válid. 2. Faça um prgrama que leia um

Leia mais

Sondagem do Bem-Estar

Sondagem do Bem-Estar 1 PERCEPÇÃO SOBRE A QUALIDADE DOS SERVIÇOS PÚBLICOS NO RIO DE JANEIRO E EM SÃO PAULO A crescente demanda pr melhria ds serviçs públics n Brasil ganhu ainda mair evidência ns dis últims ans, quand a recessã

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE N prcess de renvaçã de matrículas para an lectiv 2011/2012, e na sequência d plan de melhria cntínua ds serviçs a dispnibilizar as aluns, IPVC ferece, pela

Leia mais

S3 - Explicação sobre endereço e/ou número de telefone dos EUA

S3 - Explicação sobre endereço e/ou número de telefone dos EUA S3 - Explicaçã sbre endereç e/u númer de telefne ds EUA Nme Númer da Cnta (se huver) A preencher seu Frmulári W-8 d IRS, vcê afirma nã ser cidadã u residente ds EUA u utra cntraparte ds EUA para efeit

Leia mais

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores;

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores; Prcediments de Avaliaçã das ITED ANACOM, 1ª ediçã Julh 2004 OBJECTIVO De acrd cm dispst n nº 1, d artº 22º, d Decret Lei nº 59/2000, de 19 de Abril (adiante designad cm DL59), a cnfrmidade da instalaçã

Leia mais

AVALIAR O IMPACTO Transformar Promessas em Evidências Bénédicte de la Brière, Banco mundial

AVALIAR O IMPACTO Transformar Promessas em Evidências Bénédicte de la Brière, Banco mundial AVALIAR O IMPACTO Transfrmar Prmessas em Evidências Bénédicte de la Brière, Banc mundial Presentaçã baseada n material desnvlvid n Impact Evaluatin in Practice tlkit www.wrldbank.rg/ieinpractice Entã vcê

Leia mais

BRIEFING Campeonatos InterClubes ATPorto Grupo Senior 3ª Divisão 2017

BRIEFING Campeonatos InterClubes ATPorto Grupo Senior 3ª Divisão 2017 BRIEFING Campenats InterClubes ATPrt Grup Senir 3ª Divisã 2017 Nta prévia: este Briefing faz referência a nrmas e prcediments cumprir para realizaçã ds encntrs ds Campenats InterClubes na ATPrt, cnfrme

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

Alterações na aplicação do Critério Brasil, válidas a partir de 01/01/2014

Alterações na aplicação do Critério Brasil, válidas a partir de 01/01/2014 Alterações na aplicaçã d Critéri Brasil, válidas a partir de 01/01/2014 A dinâmica da ecnmia brasileira, cm variações imprtantes ns níveis de renda e na psse de bens ns dmicílis, representa um desafi imprtante

Leia mais

SIMPLES DEMONSTRAÇÃO DO MOVIMENTO DE PROJÉTEIS EM SALA DE AULA

SIMPLES DEMONSTRAÇÃO DO MOVIMENTO DE PROJÉTEIS EM SALA DE AULA SIMPLES DEMONSTRAÇÃO DO MOVIMENTO DE PROJÉTEIS EM SALA DE AULA A.M.A. Taeira A.C.M. Barreir V.S. Bagnat Institut de Físic-Química -USP Sã Carls SP Atraés d lançament de prjéteis pde-se estudar as leis

Leia mais

Primeira Intervenção (Oradores)

Primeira Intervenção (Oradores) Oeiras, Ambiente e Mei Urban - Relatóri da Sessã Cm bjectiv de trnar prcess de revisã d PDM Oeiras numa prtunidade de definir um cnjunt de estratégias e linhas de acçã sólidas e eficazes na cncretizaçã,

Leia mais

Descrição do serviço. Visão geral do serviço. Escopo dos serviços Copilot Optimize. Copilot Optimize CAA-1000. Escopo

Descrição do serviço. Visão geral do serviço. Escopo dos serviços Copilot Optimize. Copilot Optimize CAA-1000. Escopo Descriçã d serviç Cpilt Optimize CAA-1000 Visã geral d serviç Esta Descriçã d serviç ( Descriçã d serviç ) é firmada pr vcê, cliente, ( vcê u Cliente ) e a entidade da Dell identificada na fatura de cmpra

Leia mais

CIRCUITO SÉRIE/PARALELO Prof. Antonio Sergio-D.E.E-CEAR-UFPB.

CIRCUITO SÉRIE/PARALELO Prof. Antonio Sergio-D.E.E-CEAR-UFPB. CIRCUITO SÉRIE/PARALELO Prf. Antni Sergi-D.E.E-CEAR-UFPB. Os circuit reativs sã classificads, assim cm s resistivs, em a) Circuits série. b) Circuits paralel c) Circuit série-paralel. Em qualquer cas acima,

Leia mais

PAGQuímica 2011/1 Exercícios de Cinética Química

PAGQuímica 2011/1 Exercícios de Cinética Química PAGQuímica 211/1 Exercícis de Cinética Química 1 2. 3. 4. 5. Explique se cada uma das alternativas abaix é crreta u nã, para reações químicas que crrem sem que haja variaçã de temperatura e pressã: a)

Leia mais

Atividades a desenvolver. 1º Período - 12 de setembro a 17 de setembro

Atividades a desenvolver. 1º Período - 12 de setembro a 17 de setembro Agrupament de Esclas da Caparica Planificaçã das Atividades d Cnselh Pedagógic e Estruturas de Gestã Intermédia Dcument Orientadr - 2013/2014 1 O Cnselh Pedagógic é órgã de crdenaçã e supervisã pedagógica

Leia mais

RECURSOS FINANCEIROS EXTRA PARA O CRESCIMENTO DO SEU NEGÓCIO. BRACING PT2020 (VALE Internacionalização) Página 1 de 8. Bracing Consulting, Lda.

RECURSOS FINANCEIROS EXTRA PARA O CRESCIMENTO DO SEU NEGÓCIO. BRACING PT2020 (VALE Internacionalização) Página 1 de 8. Bracing Consulting, Lda. RECURSOS FINANCEIROS EXTRA PARA O CRESCIMENTO DO SEU NEGÓCIO BRACING PT2020 (VALE Internacinalizaçã) Página 1 de 8 Bracing Cnsulting, Lda. Rua d Tâmega, S/N. 4200 502 Prt Prtugal +351 917 000 020 inf@bracing

Leia mais

Liquidação Financeira. PdC Versão 3 PdC Versão 4

Liquidação Financeira. PdC Versão 3 PdC Versão 4 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Liquidaçã Financeira PdC Versã 3 PdC Versã 4 Versã 3 Versã 4 METODOLOGIA DO Text em realce refere-se à inserçã de nva redaçã. Text tachad refere-se à exclusã

Leia mais

TIPO DE PROVA: A. Questão 1. Questão 3. Questão 4. Questão 2. alternativa B. alternativa A. alternativa D. alternativa C

TIPO DE PROVA: A. Questão 1. Questão 3. Questão 4. Questão 2. alternativa B. alternativa A. alternativa D. alternativa C Questã TIPO DE PROVA: A Ds n aluns de uma escla, 0% têm 0% de descnt na mensalidade e 0% têm 0% de descnt na mesma mensalidade. Cas equivalente a esses descnts fsse distribuíd igualmente para cada um ds

Leia mais

Actividade Laboratorial Física 12º Ano Condensador Plano

Actividade Laboratorial Física 12º Ano Condensador Plano Actividade Labratrial Física 12º An Cndensadr Plan 1. Questã prblema a. Verificar cm varia a capacidade de um cndensadr cm a distância entre as armaduras. b. Verificar cm varia a capacidade de um cndensadr

Leia mais

Gestão de Mão-de-Obra

Gestão de Mão-de-Obra Gestã de Mã-de-Obra Prdut : Micrsiga Prtheus Manutençã de Ativs Versã 10 Chamad : SCUNZM Data da criaçã : 18/08/10 Data da revisã : 08/09/10 País(es) : Brasil Banc de Dads : Tds FNC : 000000191782010 Aplicabilidade

Leia mais

O fomento e a seleção de Planos de Negócio no âmbito do Inova Energia se destinará a cadeias produtivas ligadas às três linhas temáticas a seguir:

O fomento e a seleção de Planos de Negócio no âmbito do Inova Energia se destinará a cadeias produtivas ligadas às três linhas temáticas a seguir: Objetivs O Plan de Açã Cnjunta Inva Energia é uma iniciativa destinada à crdenaçã das ações de fment à invaçã e a aprimrament da integraçã ds instruments de api dispnibilizads pel BNDES, pela Agência Nacinal

Leia mais

Exercícios de Matemática Fatoração

Exercícios de Matemática Fatoração Eercícis de Matemática Fatraçã ) (Vunesp-00) Pr hipótese, cnsidere a = b Multiplique ambs s membrs pr a a = ab Subtraia de ambs s membrs b a - b = ab - b Fatre s terms de ambs s membrs (a+(a- = b(a- Simplifique

Leia mais

Ficha de trabalho nº2

Ficha de trabalho nº2 Ficha de trabalh nº2 Curs: Prfissinal análises Labratriais -PAL1 Tecnlgias da Infrmaçã e Cmunicaçã UNIDADE 2. Gestã de Base de Dads Data:09 / Dezembr de 2010 Sumári: Criaçã da base dads Animais em extinçã

Leia mais

Exercícios de Java Aula 17

Exercícios de Java Aula 17 Exercícis de Java Aula 17 Link d curs: http://www.liane.cm/2013/10/curs-java-basic-java-se-gratuit/ 1. Faça um prgrama que peça uma nta, entre zer e dez. Mstre uma mensagem cas valr seja inválid e cntinue

Leia mais

GEOGRAFIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO

GEOGRAFIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO GEOGRAFIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO ENSINO MÉDIO SÉRIE: 3ª TURMAS:ABC ETAPA:2ª ANO: 2017 PROFESSOR(A): CÁSSIO LIMA ALUNO(A): Nº: I INTRODUÇÃO Este rteir tem cm bjetiv rientá-l ns estuds de recuperaçã. Ele

Leia mais

Integração do POPH no SIIFSE

Integração do POPH no SIIFSE Integraçã d POPH n SIIFSE Manual d Utilizadr Execuçã Física Frmações Mdulares Certificadas - 03 de Agst de 2011 - ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 1.1 ENQUADRAMENTO E OBJECTIVOS... 3 1.2 VISÃO GLOBAL DOS REQUISITOS

Leia mais

Investimentos Fusão dos planos depreciativos contabilístico e fiscal. Conteúdo

Investimentos Fusão dos planos depreciativos contabilístico e fiscal. Conteúdo Investiments Fusã ds plans depreciativs cntabilístic e fiscal Cnteúd INTRODUÇÃO... 2 ALTERAÇÕES NA APLICAÇÃO... 3 Tabelas... 3 Plans de Depreciaçã... 3 Ficha de Investiments... 3 Mviments... 4 Aquisições...

Leia mais

Programa Estágios Profissionais

Programa Estágios Profissionais Prgrama Estágis Prfissinais Cnsiste num estági cm a duraçã de 9 meses, pdend prlngar-se, cm autrizaçã d IEFP, excepcinalmente, até 12 meses, quand fr cmplementad pr um estági a realizar em territóri nacinal

Leia mais

Sistema FM. Conceitos introdutórios. Exemplos de Orientação aos pais de crianças com deficiência auditiva

Sistema FM. Conceitos introdutórios. Exemplos de Orientação aos pais de crianças com deficiência auditiva Sistema FM Cnceits intrdutóris Exempls de Orientaçã as pais de crianças cm deficiência auditiva Prduçã: Camila Medina (Tecnlgia Educacinal FOB-USP) Bauru 2015 Autres: Fga. Ms. Raquel Franc Stuchi Siagh

Leia mais

Sinopse das entrevistas realizadas aos agentes sociais ligados à velhice (Dirigentes, técnicos e auxiliares de acção directa)

Sinopse das entrevistas realizadas aos agentes sociais ligados à velhice (Dirigentes, técnicos e auxiliares de acção directa) Sinpse das entrevistas realizadas as agentes sciais ligads à velhice (Dirigentes, técnics e auxiliares de acçã directa) Dimensã 1 Experiência e trabalh n lar Prblemáticas Entrevistad A19 Análise Temp de

Leia mais

Regulamento de Frequência Conselheiros de Segurança

Regulamento de Frequência Conselheiros de Segurança Regulament de Frequência Cnselheirs de Segurança www.academiadprfissinal.cm email: academiadprfissinal@ltm.pt V06 31.10.2016 Regulament de Frequência Cnselheirs de Segurança Índice 1- Enquadrament... 3

Leia mais

APRESENTAÇÃO. João Pessoa, 22 de outubro de 2007. RICARDO VIEIRA COUTINHO Prefeito

APRESENTAÇÃO. João Pessoa, 22 de outubro de 2007. RICARDO VIEIRA COUTINHO Prefeito APRESENTAÇÃO Este manual tem bjetiv de servir cm base de infrmaçã e rientaçã as órgãs setriais de pessal da Administraçã Direta, assim cm as servidres, nde irã encntrar n Manual d Servidr(a) Apsentável

Leia mais

1 - Introdução. 2 - Desenvolvimento

1 - Introdução. 2 - Desenvolvimento Desenvlviment e Otimizaçã de Hidrciclnes Frente a Mdificações de Variáveis Gemétricas e de Prcess Hérmane Mntini da Silva 1 Gilssaha Franklin Maciel 2 Orientadra: Ph.D. Andréia Bicalh Henriques RESUMO

Leia mais

Ajuste Fino. Por Loud custom Shop Guitars SERIE FAÇA VOCÊ MESMO LOUD CUSTOM SHOP GUITARS

Ajuste Fino. Por Loud custom Shop Guitars SERIE FAÇA VOCÊ MESMO LOUD CUSTOM SHOP GUITARS Ajuste Fin Pr Lud custm Shp Guitars SERIE FAÇA VOCÊ MESMO LOUD CUSTOM SHOP GUITARS AJUSTE FINO Uma das cisas mais bacanas n mund da guitarra é fat de nã existir cert u errad. Sempre irá existir muitas

Leia mais

PROGRAMA REGIONAL DE EDUCAÇÃO SEXUAL EM SAÚDE ESCOLAR (PRESSE)

PROGRAMA REGIONAL DE EDUCAÇÃO SEXUAL EM SAÚDE ESCOLAR (PRESSE) PROGRAMA REGIONAL DE EDUCAÇÃO SEXUAL EM SAÚDE ESCOLAR (PRESSE) Prject-Pilt 2008/2009 Administraçã Reginal de Saúde d Nrte- Departament de Saúde Pública Ministéri da Saúde Departament de Saúde Pública Prgrama

Leia mais

III Olimpíada de Matemática do Grande ABC Primeira Fase Nível 1 (5ª ou 6ª Séries)

III Olimpíada de Matemática do Grande ABC Primeira Fase Nível 1 (5ª ou 6ª Séries) III Olimpíada de Matemática d Grande ABC Primeira Fase Nível 1 (5ª u ª Séries) 1. Jã ganha uma mesada, que crrespnde a dis terçs da mesada d seu irmã. Cm a mesada de seu irmã é pssível cmprar 5 srvetes

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE GEOGRAFIA 4º bimestre

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE GEOGRAFIA 4º bimestre ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE GEOGRAFIA 4º bimestre Nme: Nº 3 a. Série Data: / /2015 Prfessres: Adriana e Nelsn Nta: (valr: 1,0 para cada bimestre) 4º bimestre A - Intrduçã Neste semestre, sua nta fi inferir

Leia mais

Comissão Organizadora da Imagem

Comissão Organizadora da Imagem Cmissã Organizadra da Manual de Execuçã Manual de execuçã CO 2017 Intrduçã Cm a nva da ANEM, prende-se a necessidade de cumprir as nrmas gráficas estabelecidas e desenvlver estratégias para, além de aumentar

Leia mais

Termodinâmica Química - P2 - Eng. Materiais (Resolução Comentada) Prof. Fabrício R. Sensato Nome: RA Noturno

Termodinâmica Química - P2 - Eng. Materiais (Resolução Comentada) Prof. Fabrício R. Sensato Nome: RA Noturno Termdinâmica Química - P - Eng. Materiais (Resluçã Cmentada) Prf. Fabríci R. Sensat 01.1.006 Nme: RA Nturn Dads (98 K) Equaçã ds gases perfeits: pv = nrt T(K) = T( C) + 7 R = 0,080578 atmlml K u R = 8,1447

Leia mais

Regulamento de uso. dos. Laboratórios

Regulamento de uso. dos. Laboratórios Regulament de us ds Labratóris Brasília/DF. Agst/2005 REGULAMENTO DE USO DOS LABORATÓRIOS Para s Labratóris de Infrmática da UNEB Uniã Educacinal de Brasília - UNEB Elabraçã Equipe TI Editraçã Viviane

Leia mais

(i=') FUNÇÃO " ""'" TERCEIRA PARTE. Encerramos, neste número da revista, a publicação do primeiro

(i=') FUNÇÃO  ' TERCEIRA PARTE. Encerramos, neste número da revista, a publicação do primeiro FUNÇÃO TERCEIR PRTE (i=') ' Equipe de Ensin de Matemática /MECC/UN/CMP Encerrams, neste númer da revista, a publicaçã d primeir vlume d text FUNÇÃO, da equipe da UN/CMP. N próxim númer, darems inici à

Leia mais

RECURSOS FINANCEIROS EXTRA PARA O CRESCIMENTO DO SEU NEGÓCIO. BRACING PT2020 PDR2020 (Jovens agricultores) Página 1 de 7. Bracing Consulting, Lda.

RECURSOS FINANCEIROS EXTRA PARA O CRESCIMENTO DO SEU NEGÓCIO. BRACING PT2020 PDR2020 (Jovens agricultores) Página 1 de 7. Bracing Consulting, Lda. RECURSOS FINANCEIROS EXTRA PARA O CRESCIMENTO DO SEU NEGÓCIO BRACING PT2020 PDR2020 (Jvens agricultres) Página 1 de 7 Bracing Cnsulting, Lda. Rua d Tâmega, S/N. 4200 502 Prt Prtugal +351 917 000 020 inf@bracing

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS Ref.: nº 21/2013 Resluçã nº 13 d Senad Federal Unificaçã das alíqutas interestaduais de ICMS em 4% para prduts imprtads. (Atualizaçã) 1. Intrduçã Visand acabar cm a chamada guerra ds prts (disputa entre

Leia mais

TIPO DE PROVA: A. Questão 1. Questão 3. Questão 2. Questão 4. alternativa E. alternativa A. ver comentário. alternativa E

TIPO DE PROVA: A. Questão 1. Questão 3. Questão 2. Questão 4. alternativa E. alternativa A. ver comentário. alternativa E Questã TIPO DE PROVA: A N primeir semestre deste an, a prduçã de uma fábrica de aparelhs celulares aumentu, mês a mês, de uma quantidade fixa. Em janeir, fram prduzidas 8 000 unidades e em junh, 78 000.

Leia mais

PROJETO 24ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 27 e 28 DE OUTUBRO DE 2016 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO

PROJETO 24ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 27 e 28 DE OUTUBRO DE 2016 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO PROJETO 24ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 27 e 28 DE OUTUBRO DE 2016 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO Objetivs: SEGURANÇA DO TRABALHO Desenvlver cmpetências para eliminar u minimizar s riscs de acidentes

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

BSP Business School São Paulo

BSP Business School São Paulo BSP Business Schl Sã Paul Manual de Slicitações Prcediments e Prazs Sumári Slicitações de Dcuments Atestad cm especificações...1 Atestad de ba cnduta...1 Atestad de frequência...2 Atestad de Matrícula...2

Leia mais

PPGEP Comentários Iniciais CAPÍTULO 7 TESTE DE HIPÓTESE UFRGS. Testes de Hipótese

PPGEP Comentários Iniciais CAPÍTULO 7 TESTE DE HIPÓTESE UFRGS. Testes de Hipótese CAPÍTULO 7 7.. Cmentáris Iniciais Uma hipótese estatística é uma afirmativa a respeit de um parâmetr de uma distribuiçã de prbabilidade. Pr exempl, pdems frmular a hipótese que a prdutividade,5 peças/hra.

Leia mais

Observação de fenômenos astronômicos. Como e Para Quê ESFERA CELESTE

Observação de fenômenos astronômicos. Como e Para Quê ESFERA CELESTE Observaçã de fenômens astrnômics Pente Nrte Nascente Cm e Para Quê ESFERA CELESTE Esfera e semi-esfera celestes Crdenadas astrnômicas alti-azimutal e equatrial Plan vertical Trópic de Capricórni Equadr

Leia mais

ATENUAÇÃO DO CAMPO ELÉTRICO NA BAIXA IONOSFERA.

ATENUAÇÃO DO CAMPO ELÉTRICO NA BAIXA IONOSFERA. ATENUAÇÃO DO CAMPO ELÉTRICO NA BAIXA IONOSFERA. Cutinh, Alexandre Mateus. ; Carrij, Gilbert Arantes Faculdade de Engenharia Elétrica/Elétrica, Uberlândia MG, acmateus@eletrica.ufu.br Resum - O bjetiv deste

Leia mais

INSTALAÇÃO DE PURGAS NA REDE SECUNDÁRIA DE POLIETILENO

INSTALAÇÃO DE PURGAS NA REDE SECUNDÁRIA DE POLIETILENO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 604 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 604 Revisã n.º 2 1 de fevereir de 2011 Revisã n.º 2 Página 2 de 8 ÍNDICE Regist das revisões... 3 Preâmbul... 4 1. Objetiv... 4 2. Âmbit... 4 3. Referências...

Leia mais

UTLIZAÇÃO DOS TESTES DE HIPÓTESES PARA A MÉDIA NA TOMADA DE DECISÃO RESUMO. Palavras-chave: Testes de Hipótese. Decisão. Estatística.

UTLIZAÇÃO DOS TESTES DE HIPÓTESES PARA A MÉDIA NA TOMADA DE DECISÃO RESUMO. Palavras-chave: Testes de Hipótese. Decisão. Estatística. UTLIZAÇÃO DOS TESTES DE HIPÓTESES PARA A MÉDIA NA TOMADA DE DECISÃO RESUMO Nil A de S. Sampai 1 Rbert Camps Leni 2 Este artig trata ds cnceits que envlvem s Testes de Hipótese e suas aplicações em na tmada

Leia mais