UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Marcelo Stocco Cordeiro VIRTUALIZAÇÃO DE ESTAÇÕES DE TRABALHO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Marcelo Stocco Cordeiro VIRTUALIZAÇÃO DE ESTAÇÕES DE TRABALHO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Marcelo Stocco Cordeiro VIRTUALIZAÇÃO DE ESTAÇÕES DE TRABALHO CURITIBA 2011

2 UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Marcelo Stocco Cordeiro 2 VIRTUALIZAÇÃO DE ESTAÇÕES DE TRABALHO Monografia apresentada como requisito avaliativo para obtenção do grau de Pós Graduado em Redes e Segurança da Faculdade de Ciências Exatas e de Tecnologia da Universidade Tuiuti do Paraná. Orientador: Roberto Amaral CURITIBA 2011

3 RESUMO 3 Redução de custos com equipamentos e despesas com licenças de software, são um desafio aos departamentos de TI atualmente, por esse motivo esta documentação explana sobre o instalação e utilização do software Ulteo Linux, que possibilita a virtualização de aplicativos Windows e Linux no mesmo ambiente de trabalho acessível na plataforma WEB, centralizando as configurações e o armazenamento de dados em um servidor de virtualização de desktops, otimizando o hardware do servidor e aumentando a vida útil das estações de trabalho, que passaram á ser menos exigidas, gerando economia de energia elétrica, evitando as trocas e udgrades de computadores e adicionando a utilização de software livre ao processo da empresa. Palavras - chave: virtualização, computação nas nuvens, ti verde, Ulteo Linux.

4 SUMÁRIO 4 1 INTRODUÇÃO REVISÃO DA LITERATURA Histórico redes de computadores, estrutura cliente versus servidor Origem da virtualização Virtualização em hardware comum Conceitos de Virtualização Categorias de Virtualização Tipos de Virtualização Emuladores Virtualização completa Paravirtualização Virtualização em nível de sistema operacional TI verde Conceito na Prática Computação nas nuvens Desktops Virtuais PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Open Virtual Desktop Histórico Estrutura Ulteo Requisitos do sistema Laboratório de testes Instalação Servidor Instalação Cliente Windows Server Instalação Servidor de Aplicação Linux Instalação Cliente Nativo Windows Instalação Cliente Nativo Linux Interface de usuário, cliente nativo Windows ou Linux CONCLUSÃO REFERÊNCIAS GLOSSÁRIO... 39

5 LISTA DE FIGURAS 5 Figura 1: O hipervisor entre os domínios hóspedes e hardware físico...10 Figura 2: Estrutura aplicação Ulteo Open Virtual desktop...17 Figura 3: Instalação Ulteo Linux, definição do idioma para instalação...18 Figura 4: Instalação Ulteo Linux, iniciando instalação...19 Figura 5: Instalação Ulteo Linux, definição do idioma do sistema...19 Figura 6: Instalação Ulteo Linux, definição da região e fuso horário...20 Figura 7: Instalação Ulteo Linux, definição do layout do teclado...20 Figura 8: Instalação Ulteo Linux, particionamento do disco...21 Figura 9: Instalação Ulteo Linux, definição nome, senha...21 Figura 10: Instalação Ulteo Linux, definição usuário e senha administrador...22 Figura 11: Instalação Ulteo Linux, fim das configurações inicio instalação...23 Figura 12: Instalação Ulteo Linux, instalação concluida...23 Figura 13: Ulteo Linux, acesso administrador, login...24 Figura 14: Ulteo Linux, acesso administrador, painel de controle...24 Figura 15: Ulteo Linux, acesso usuario, login...25 Figura 16: Ulteo Linux, acesso usuario, modo browser...25 Figura 17: Ulteo Linux, acesso usuario, modo desktop...26 Figura 18: Servidor de aplicação Windows Server, instalação Figura 19: Servidor de aplicação Windows Server, licença de uso Figura 20: Servidor de aplicação Windows Server, local da instalação...28 Figura 21: Servidor de aplicação Windows Server, nome ou IP do servidor Figura 22: Servidor de aplicação Windows Server, fim da instalação Figura 23: Registrar Servidor de aplicação Windows Server...29 Figura 24: Integração com Active Directory da Microsoft Figura 25: Usuários Windows Server, habilitados no Ulteo OVD Figura 26: Instlação cliente nativo Windows, parte Figura 27: Instlação cliente nativo Windows, parte Figura 28: Instlação cliente nativo Windows, parte Figura 29: login cliente nativo Windows e Linux...36 Figura 30: Cliente nativo Windows e Linux, aplicativos...36

6 LISTA DE TABELAS 6 Tabela 1: Resumo sobre técnicas de virtualização...13

7 7 1 INTRODUÇÃO Nos dias de hoje, é comum encontrar um vasto material sobre virtualização, computação nas nuvens e suas inúmeras aplicações. Essa tecnologia, sendo ela proprietária, gratuita ou código aberto, não está restrita a experientes profissionais ou grandes corporações, pode ser adquirida e utilizada por qualquer pessoa. Seu uso aplica-se desde a virtualização de um simples desktop ou em uma grande infraestrutura com centenas de servidores virtualizados em uma nuvem. Sendo assim, apresentaremos os principais conceitos desta tecnologia, algumas opções em soluções, abordaremos também questões de TI Verde, assunto muito em evidência neste momento e intimamente relacionada com processos de virtualização, computação na nuvens e de forma mais detalhada será apresentada a solução Ulteo que tem em seu intuito a virtualização de desktops e possui código fonte aberto.

8 8 2 REVISÃO DA LITERATURA 2.1 Histórico redes de computadores, estrutura cliente versus servidor Em um breve histórico, podemos perceber que há cerca de 40 anos, a computação baseada em servidores dominava as configurações dos grandes CPDs. Aplicativos e serviços tinham sua utilização centralizada em grandes mainframes, dotados de dezenas de CPUs e várias centenas de megabytes de memória RAM, enquanto máquinas clientes serviam mais como interface de utilização de recursos computacionais do que como desktops, como os entendemos modernamente. Com o barateamento dos chips, veio também o advento dos computadores pessoais, com alto poder de processamento e possibilidade de armazenamento. O desktop passou a ser sinônimo de produtividade, redes de computadores a ser igual a versatilidade, e salas de processamento de servidores a serem entendidas como arrojo e investimentos em TI. Porém, novamente mudanças ocorreram, quando os departamentos de TI tomaram consciência de que recursos como espaço e energia são esgotáveis e seus custos podem ter grande impacto nos orçamentos das empresas, economia de recursos e responsabilidade social são palavras- chaves nas empresas do século 21. No final da década de 1990, vimos gradativamente, os desktops pessoais dar lugar, nas grandes redes corporativas, ao conceito de thin client, uma reescrita do modelo cliente versus servidor central e este equipamento veio para provar que as pessoas precisam de menos hardware e software que ela imaginam para realizarem suas tarefas (CARMONA, 2008, p14). 2.2 Origem da virtualização Com a publicação do artigo Time Sharing Processing in Large fast Computers, por Christopher Strachey, na Conferência Internacional de Processamento de Informação no ano de 1959 em Nova York, pode-se dizer que surgiu a ideia da virtualização. Esta publicação tratou do uso da multiprogramação em tempo compartilhado estabelecendo assim um novo conceito na utilização dos computadores de grande porte. O MIT desenvolveu o padrão CTSS, baseando-se no artigo de Strachey, esse

9 9 padrão passou a ser referência para diversas fabricantes de hardware de grande porte da época. A IBM posteriormente, baseada na evolução do padrão CTSS, introduziu o multiprocessamento nos mainframes, permitiu que vários processadores trabalhassem como um só, antecipando o conceito de virtualização. Estes mainframes introduziram o conceito de memória virtual como parte do sistema operacional, possibilitando a abstração e o mapeamento da memória real para a memória virtual e as especificações de partições de endereçamento que eram utilizadas por programas diferentes. Surgiam as primeiras maneiras de fazer virtualização (VERAS, 2011). A virtualização se originou na década de 1960 em computadores de grande porte da IBM, os primeiros pesquisadores em computação estavam interessados em robustez e estabilidade oferecidos pelos hipervisores. Eles permitem que múltiplos sistemas operacionais hóspedes executassem simultaneamente e garantiam que se alguma das instâncias parasse de funcionar, as restantes ainda estariam isoladas. O Sistema 370 da IBM foi o primeiro computador projetado para virtualização, com o sistema operacional CP/CMS, múltiplas instâncias podiam ser executadas simultaneamente. Todos os computadores de grande porte da IBM da linha sistema z continuam a oferecer suporte para virtualização via hardware de forma mais completa é o z/vm onde todas as interfaces de hardware são virtualizados, muitas abordagens modernas de virtualização devem muito às implementações originais pra computadores de grande porte da IBM (MATHEWS, 2009, p14). 2.3 Virtualização em hardware comum Na década de 1990, o projeto Disco em Stanford liderado por Mendel Rosemblum, trabalhou na plataforma x86, uma plataforma comum e que não era projetada para virtualização, conseguiram executar os arquivos binários sem alteração de sistemas operacionais como o Windows, efetuando tradução simultânea durante a execução para instruções não permitidas na arquitetura x86 modificada. Isso teve influência direta na fundação da VMWare e a disponibilização do primeiro produto de virtualização comercial. A partir de 2005 os fabricantes de processadores Intel e AMD aumentaram o suporte a virtualização, a tecnologia de virtualização da Intel a VT e a da AMD o

10 10 AMD-V. O objetivo principal dessas implementações era adicionar funcionalidades explícitas que permitem aos hipervisores ter melhor performance e utilizarem técnicas de virtualização completa (MATHEWS, 2009, p16). 2.4 Conceitos de Virtualização Os monitores de máquinas virtuais chamados de hipervisores, estão se tornando cada vez mais importantes na computação moderna, porque permitem que diferentes sistemas operacionais com suas diferentes configurações coexistam em um mesmo hardware. O hipervisor abstrai os recursos físicos do computador hospedeiro, servidor, disfarçando-os como recursos virtuais que podem ser alocadas para uso por hóspede individual. Os hóspedes virtuais tratam o hardware virtual como se fosse real, privativo e o hipervisor garante que essa ilusão seja perfeita (MATHEWS, 2009, p2). A utilização da virtualização tem como alvo, normalmente, uma das seguintes situações: melhorar níveis de performance, escalabilidade, disponibilidade, confiabilidade, agilidade ou a consolidação de vários ambientes em um único sistema. (KUSNETZKY, 2009). Figura 1 O hipervisor entre os domínios hóspedes e hardware físico. Fonte: MATHEWS, 2009

11 Categorias de Virtualização É possível classificar os softwares de virtualização em três categorias, e são elas, nível de hardware, nível de sistema operacional e nível de linguagem de programação. A categoria nível de hardware tem a camada de virtualização posta diretamente sobre a máquina física, esta camada apresenta às camadas superiores um hardware abstrato parecido com o original, este tipo corresponde a definição original de máquinas virtuais dos anos 60. Na categoria nível de sistema operacional a camada de virtualização se insere entre o sistema operacional e as aplicações, essa camada é um mecanismo que permite a criação de partições lógicas em uma plataforma de maneira que cada partição seja vista como uma máquina isolada, mas que compartilha um mesmo sistema operacional. Na categoria nível de linguagem de programação, a camada de virtualização é um programa de aplicação do sistema operacional e tem como objetivo definir uma máquina abstrata onde é executada uma aplicação desenvolvida em uma linguagem de alto nível específica (VERAS, 2011). 2.6 Tipos de Virtualização São muitos os detalhes técnicos sobre virtualização e muitos destes são similares nas diferentes técnicas. Dividimos em quatro as principais arquiteturas para virtualização na computação moderna: emuladores, virtualização completa, paravirtualização e virtualização em nível de sistema operacional (MATHEWS, 2009, p6) Emuladores Nos emuladores todo o conjunto de hardware necessário para execução de um hóspedes é simulado pela máquina virtual, sem que nenhuma alteração seja necessária e ocorre em diferentes arquiteturas Virtualização completa A virtualização completa, também pode ser chamada de virtualização nativa, se assemelha aos emuladores, os sistemas operacionais são executados sem

12 12 modificações pelas máquinas virtuais, a diferença entre as duas técnicas é que sistemas operacionais e aplicativos são projetados para executar na mesma arquitetura de hardware da máquina física subjacente, permitindo que muitas instruções sejam executas diretamente no hardware. O hipervisor, neste caso, controla o acesso ao hardware subjacente permitindo que cada sistema operacional hóspede tenha a ilusão de ter sua própria cópia do hardware, não p sendo necessário simular outra arquitetura Paravirtualização A paravirtualização, também conhecida como iluminação, é uma técnica, onde o hipervisor exporta uma versão modificada do hardware subjacente, estas modificações tem como objetivo facilitar e acelerar o suporte a sistemas operacionais hóspedes Virtualização em nível de sistema operacional A virtualização em nível de sistema operacional, também conhecida como paenevitualização, nesta técnica não existe monitor de máquina virtual, tudo é feito inteiramente em uma única imagem tradicional do sistema operacional. Os hóspedes concedidos com essa técnica são percebidos como máquinas separadas com seus próprios sistema de arquivos, endereço IP e demais configurações. A principal vantagem desta técnica é que ela exige menos duplicação de recursos, esta técnica é excepcional em situações que exijam extrema capacidade de mudança de escala e grande quantidade de hóspedes executando simultaneamente.

13 13 Emuladores Completa Para Tipo Caraterística Vantagens Desvantagens A Nível de SO O hipervisor fornece uma máquina virtual completa (de um arquitetura diferente da máquina hospedeira) que permite que aplicativos de outras arquiteturas executem no ambiente simulado. O hipervisor fornece uma máquina virtual completa (de mesma arquitetura de computação que o hospedeiro) que permite que hóspedes sem modificações executem isoladamente. O hipervisor fornece uma máquina virtual completa, mas especializada (da mesma arquitetura de computação que o hospedeiro) para cada hóspede, que precisa ser modificado e executa em isolamento. Um único sistema operacional é modificado para permitir vários processos servidores de espaço de usuários unidos em conjuntos funcionais, executados em isolamento mas ainda assim na mesma plataforma de hardware. Simula hardware que não disponível fisicamente. Flexibilidade, executar diferentes versões de múltiplos sistemas operacionais de diversas origens. Leve é rápida, performance próxima da nativa e pode operar na faixa de 0,5% a 3% de processamento extra. SO coopera com hipervisor melhorando operações de E/S e alocação de recursos. Permite arquiteturas de virtualização que não suportam a forma completa em nível de SO. Camada de virtualização rápida e leve. Ela tem as melhores performance e densidade possíveis (as mais próximas das nativas) e possui gerenciamento dinâmico Baixa performance. O sistema operacional hóspede não sabe que está sendo virtualizado. Pode causar diminuição de performance em hardware comum, principalmente em operações de E/S. Exige alteração nos sistemas operacionais para utilizar hiperchamadas em substituição a comandos críticos. Sua maior limitação é o fato do SO hóspede precisa ser personalizado para executar sobre o monitor de máquina virtual, que é o programa hospedeiro que permite que um único computado suporte diversos ambientes de execução idênticos, isto tem impacto significativo principalmente em sistemas operacionais antigos com código fechado que ainda não tem implementadas extensões para paravirtualização. Isolamento forte e difícil de implementar. Exige o mesmo sistema operacional, atualizado até o mesmo ponto no tempo, em todas as máquinas virtuais (infraestrutura de computação homogênea). Tabela 1: Resumo sobre técnicas de virtualização. Fonte: MATHEWS, 2009

14 TI verde O fenômeno da TI Verde se enquadra em diversas formas de compromisso. No campo ambiental o primeiro a vir a mente é como a TI pode gastar menos energia para produzir ou processar uma quantidade cada vez maior de informação. Felizmente, diversos avanços vêm sendo feitos nesse sentido, tanto pelos fabricantes de hardware quanto pelos desenvolvedores de softwares nas mais diversas camadas dos sistemas. Na área social, a economia de energia também é importante, pois data centers que consumam menos energia trarão menos impacto para a região onde estão instalados, seja com relação ao sistema de refrigeração ou à necessidade de instalação de estação de transmissão elétrica próxima ao local. Tanto ambiental como social, fica claro o compromisso da empresa em manter o melhorar a região onde ela está instalada, cidade, estado ou país, onde ela pretende atuar pelos próximos anos, pelo bem de seus funcionários e de sua própria saúde financeira (HESS, 2008, p3). Além da redução de consumo, outro ponto importante é a virtualização, que aumenta a eficiência dos processos computacionais. A virtualização já se tornou parte obrigatória do portfólio das grandes empresas de TI. Como o valor da virtualização em alta, os principais fabricantes de softwares de virtualização foram adquiridos por grandes empresas. Em relação à fabricação de computadores, já existem vários modelos que alegam não utilizar metais pesados em sua fabricação. Alguns fabricantes estão abandonando os plásticos e metais em troca de materiais naturais: como exemplo, existe modelos de laptops com gabinete feito de fibras de bambu e madeira. E por último, o software, os programas têm avançado significativamente em relação à otimização do processamento. Os softwares desenvolvidos de forma colaborativa, chamados de softwares livres, têm crescido constantemente, e são a última palavra em otimização (HESS, 2009) Conceito na Prática As ferramentas da APC, APC Trade Off Tools, são um conjunto de aplicativos Web, projetadas para utilização nos estágios iniciais de desenvolvimento de conceito e projeto de Datacenters. Permite a realização de testes em diversos

15 15 cenários relacionados a virtualização, eficiência, dimensionamento de potência, custo de capital entre outros. Com essa ferramenta é possível desmembrar grandes decisões em uma série de decisões menores sendo assim mais fáceis de gerenciar. Entre as ferramentas, algumas se destacam, como: Calculo de emissão de carbono, Calculo de custo de energia e Calculo de custo de energia com a virtualização (VERAS, 2011). 2.8 Computação nas nuvens Em 2006, a Amazon, compilou um conjunto de tecnologias em um modelo funcional, simples a acessível para qualquer usuário e se tornou a primeira empresa a fornecer infraestrutura de TI como serviço (ou IaaS) e utilizar o termo Cloud Computing, apesar do termo computação utilitária ser discutido há décadas. Do ponto de vista de um usuário, Cloud Computing é o fornecimento de um serviço via internet pagos pelo seu uso, muito parecido com a eletricidade, se utilizar muito paga muito, se utiliza pouco paga pouco. E não e necessário investir em geração de energia própria pois a empresa de energia faz isso. Com o Cloud não se investe na aquisição de servidores, switches, infraestrutura em geral, mas utiliza esses dispositivos na nuvem e paga pelo seu uso (PINA, 2010, p30). Cloud Computing é um conjunto de recursos virtuais facilmente utilizáveis e acessíveis tais como hardware, software, plataformas de desenvolvimento e serviços. Esses recursos podem ser dinamicamente reconfigurados para se ajustarem a uma carga de trabalho (WORKLOAD) variável, permitindo a otimização do uso dos recursos. Este conjunto de recursos é tipicamente explorado através de um modelo pague-pelo-uso com garantias oferecidas pelo provedor através de acordos de nível de serviços (VAQUERO, 2009, apud ANTONIO, 2011, p27). 2.9 Desktops Virtuais A ideia dos desktops virtuais na nuvem é que qualquer que seja o computador que você esteja utilizando, sempre encontrará um ambiente conhecido com seus aplicativos e documentos, a única coisa necessária para acessar um desktop virtual é um navegador. Com o desktop virtual, um simples notebook pode se transformar em uma estação de trabalho e caso este dispositivo seja perdido, quem o encontrar terá

16 16 apenas hardware em suas mãos, nada de dados. Não é de surpreender que cada vez mais projetos de código aberto e corporações estejam entrando nessa onda. As soluções atuais oferecem um pouco mais que uma interface bonita com links para serviços da internet e espaço para armazenamento. 3 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS 3.1 Open Virtual Desktop O Open Virtual Desktop e uma soluções de entrega de aplicação, é uma área com grande crescimento no mercado. O Ulteo OVD (Open Virtual Desktop) é um desktop virtual acessível por um navegador Web, com suporte a java, tendo como objetivo possibilitar em uma mesma interface, aplicativos Linux e Windows Histórico A Ulteo foi fundada por empresários veteranos Gaël Duval, fundador do Mandrake Linux, uma distribuição Linux popular, que em 2005 adquiriu a Conectiva Linux a maior distribuição Linux brasileira e Koehrlen Thierry, co-fundador da Intalio, empresa líder em sistemas de automatização em gestão de processos de negócio Estrutura Ulteo O ambiente virtual de trabalho pode ser disponibilizado através de softwares clientes classificados como módulos ouro, pacotes comercializados, ou disponibilizado em um navegador web com java, estes opensource e é essa a forma que será detalhada, para comunicação entre clientes e servidores, utiliza as portas HTTPS (443) e RDP (3389). Alguns firewalls podem bloquear o acesso a essas portas, necessitando assim, serem configurados para permitir tal acesso. De qualquer lugar com esses requisitos, será possível iniciar sessões Ulteo OVD. A comunicação entre clientes e servidor, o Ulteo OVD usa túneis seguros SSH, tornando possível entregar os desktops virtuais fora do perímetro de sua rede. É possível utilizar serviços de rede existentes, tal como um servidor de diretório, Active Directory e LDAP, para autenticar usuários, o que resulta ainda mais em uma integração do Ulteo OVD com a infra-estrutura de rede existente. O Ulteo OVD consiste em dois componentes principais: um Session Manager

17 17 e de um Application Server. Para a criação e validação de uma sessão de desktop OVD. O Session Manager faz a gestão da rede OVD com todas as configrações necessária, enquanto o Application Server tem como funcionalidade servir aplicações Linux ou Windows. Dependendo dos recursos disponíveis em um Application Server e do número de usuários, será necessário de mais de uma instalação do Application Server. Figura 2 Estrutura aplicação Ulteo Open Virtual desktop Requisitos do sistema Como todo o processamento ocorre nos servidores de aplicação, as documentações encontradas indicam a utilização de máquinas multi-core com muita memória RAM disponível, é necessário cerca de 1GB de RAM em um Application Server suportar 20 usuários simultâneos. Existe a possibilidade de executar vários Application Server, utilizando-se de balanceamento de carga entre eles melhorando muito a performance das aplicações. O Session Manager exige um hardware modesto pode-se utilizar uma máquina de single-core com 512 MB de RAM. É possível instalar em uma mesma

18 18 máquina o Session Manager e o Application Server. Para distribuir aplicativos Windows, é necessário uma máquina rodando o Windows Server 2003 ou 2008, com o serviço de terminal disponível, para que a seja feita a tubulação dos aplicativos Windows para outros computadores Laboratório de testes Instalação Servidor Para a instalação do Ulteo Linux, será utilizada o DVD disponível no portal oficial da aplicação, Para iniciar a instalação basta configurar o boot do computador para iniciar com CD-ROM. Figura 3 Instalação Ulteo Linux, definição do idioma para instalação. A instalação será iniciada e a primeira configuração será da linguagem a ser utilizada na instalação, selecionar o idioma Português do Brasil. Próximo passo, selecionar a opção Install Open Virtual desktop demo para iniciar a instalação.

19 19 Figura 4 Instalação Ulteo Linux, iniciando instalação. Figura 5 Instalação Ulteo Linux, definição do idioma do sistema. Próximo passo é a definição de idioma da instalação, selecionar Português do Brasil. Próximo passo definição da localidade para definição do horário correto.

20 20 Figura 6 Instalação Ulteo Linux, definição da região e fuso horário. Próximo passo é a definição do layout de teclado, manter opção sugerida Brazil. Figura 7 Instalação Ulteo Linux, definição do layout do teclado. A próxima opção é referente ao particionamento do servidor Ulteo, neste caso será utilizado o tamanho total do disco, então a opção Apagar e usar o disco inteiro.

21 21 Figura 8 Instalação Ulteo Linux, particionamento do disco. Nesta próxima janela, será definido o nome completo do usuário, nome de acesso do usuário e sua senha e o nome do computador. Figura 9 Instalação Ulteo Linux, definição nome e senha

22 22 Nesta próxima janela será definido o usuário e senha do ambiente administrativo e a baixo é informado os endereços para acesso administrativo e cliente. O endereço administrativo e o endereço de acesso a sessão cliente Figura 10 Instalação Ulteo Linux, definição usuário e senha administrador. A próxima tela, tem como finalidade passar todas as configurações selecionadas e solicita a confirmação das mesmas, se todas as opções estarem corretas, clicar sobre o botão Instalar.

23 23 Figura 11 Instalação Ulteo Linux, fim das configurações inicio instalação. Durante a instalação uma barra é exibida com o andamento da instalação, após atingir 100% a próxima tela será exibida, basta então clicar sobre o botão Reiniciar agora, remover o DVD do drive quando solicitado e aguardar a inicialização do sistema. Figura 12 Instalação Ulteo Linux, instalação concluida. Para acessar o painel administrativo do Ulteo ou uma sessão cliente, basta em qualquer máquina da rede, abrir um navegador e digitar os endereços já citados acima: O endereço administrativo e o endereço de acesso a sessão cliente

24 24 O acesso administrativo e de usuários, podem ser feito por qualquer computador da rede, se devidamente configurado este acesso pode ser feito pela internet, nos testes realizados o navegador Mozila Firefox apresentou melhor compatibilidade e performance comparado com o Internet Explorer e Google Chrome. A figura 13 mostra login de acesso e a figura 14 mostra o painel de controle do aplicativo Ulteo OVD. Figura 13 Ulteo Linux, acesso administrador, login. Figura 14 Ulteo Linux, acesso administrador, painel de controle. Nas figuras 15 e 16 visualizamos o login de acesso aos usuários e o ambiente de trabalho com os aplicativos disponíveis e um gerenciador de arquivos.

25 25 Figura 15 Ulteo Linux, acesso usuario, login. Figura 16 Ulteo Linux, acesso usuario, modo browser.

26 26 Figura 17 Ulteo Linux, acesso usuario, modo desktop Instalação Cliente Windows Server Como pré-requisito para a instalar do Ulteo Application Server é necessário um Windows Server 2003 ou 2008, devidamente configurado com os serviços de controlador de domínio e terminal service ativos, após devidas configurações, basta executar o programa ulteo-ovd-applicationserver-3.0.0~rc6.exe, disponível no portal oficial do projeto Ulteo.

27 27 Figura 18 Servidor de aplicação Windows Server, instalação. A próxima etapa, mostra a licença de uso do Ulteo OVD Application Server, para prosseguir com a instalação é necessário aceitar. Figura 19 Servidor de aplicação Windows Server, licença de uso. A próxima etapa mostra o local da instalação, possibilitando alteração da mesma, permanece a opção padrão.

28 28 Figura 20 Servidor de aplicação Windows Server, local da instalação. Nesta etapa a configuração mais importante, onde deve-se informar o endereço ou IP do servidor Ulteo OVD. Figura 21 Servidor de aplicação Windows Server, nome ou IP do servidor.

29 Após as configurações necessárias é necessário reiniciar o computador, finalizando a instalação do Ulteo OVD application server. 29 Figura 22 Servidor de aplicação Windows Server, fim da instalação Após a instalação do Ulteo OVD application server, é necessáio registrar este novo servidor opção disponível no painel administrativo do Ulteo OVD, no menu servidores e opção servidores não resgistrados, basta clicar então sobre Registrar. Figura 23 Registrar Servidor de aplicação Windows Server. Após registrar o servidor, é necessário configurar opções de integração com o serviço Active Directory, opção disponível através do menu configurações, opção

30 configuração de integração de domínio, as demias informações do Windows Server devem ser inseridas seguindo exemplo da imagem a baixo. 30 Figura 24 Integração com Active Directory da Microsoft. Após salvar as configurções de integração com o seviço de active diretory, todos os usuários do AD, estarão disponíveis e habilitados para utilizarem os recursos do Ulteo OVD, como mostra a imagem a baixo, basta então definir grupo de aplicações que serão publicadas.

31 31 Figura 25 Usuários Windows Server, habilitados no Ulteo OVD Instalação Servidor de Aplicação Linux Está disponível, na documentação oficial do Ulteo Linux, procedimentos de instalação do Servidor de Aplicativos Linux para as distribuições Ubuntu, Red Hat e Suse. Neste documento abordaremos a instalação na distribuição Ubuntu. A instalação é bastante simples e está apresentada a baixo: Adicione o repositoriy Ulteo à lista de repositórios do Ubuntu: # echo "deb 2.0 main" >> /etc/apt/sources.list Instale o pacote keyring para validar o repositório: # apt-get update # apt-get install ulteo-keyring Instale o pacote Ulteo-OVD-servidor de aplicações : #apt-get install ulteo-ovd-application-server A primeira pergunta é sobre o FQDN (Fully Qualified Domain Name) hostname da

32 32 máquina que você está usando como um servidor de aplicações. A próxima pergunta é sobre o caminho URL onde o gerenciador de sessão pode ser acessado. Se existir uma configuração de domínio para o Session Manager, a configuração será por exemplo ou através do IP, Uma vez feito, você só tem que reiniciar o serviço: #/etc/init.d/ulteo-ovd restart Para que o gerenciador de sessão identifique este novo servidor de aplicativos basta reiniciar o serviço e o novo servidor deve aparecer na sessão servidores não registrados, esse processo está ilustrado na Figura 23. Após registrar este servidor, os aplicativos nele instalados, estarão disponíveis para serem publicados e estarão acessíveis para as máquinas de sua rede Instalação Cliente Nativo Windows Este pacote não é opensource, é classificado pela Ulteo como Ouro, pacotes ouro são os pacotes comerciais da empresa, este cliente possibilita integrar ao Ulteo OVD, uma máquina com Windows XP e compartilhar seus aplicativos através da máquina virtual java, dispensando assim a necessidade de ter uma licença Windows Server. A instalação está disponível no portal do projeto Ulteo Linux, após adquirir o pacote, um usuário e senha são fornecidos para então fazer o download do pacote. Ao executar o instalação temos a seguinte tela:

33 33 Figura 26 Instlação cliente nativo Windows, parte 1. Para proceguir com a instalação, precionar next, então temos a próxima etapa onde podemos alterar o local da instalação, deixaremos como padrão, precionar agora install. Figura 27 Instalação cliente nativo Windows, parte 2.

34 Esta próxima etapa conclue a instalação, marcar a opção Run Ulteo OVD Native Client e precionar o botão finish. Agora basta iniciar uma sessão. 34 Figura 28 Instlação cliente nativo Windows, parte Instalação Cliente Nativo Linux Este pacote, como a versão para Windows, não é opensource, é classificado pela Ulteo como Ouro, necessitenado assim ser adquirido. A instalação no Ubuntu Linux pode ser feita por dois métodos, online ou offline, descreveremos os dois passos a seguir: Método on-line O método a seguir descrevem o processo de repositório quando os servidores podem acessar a Internet. Edite o arquivo /etc/apt/sources.list.d/ulteo-ovd.list e adicione esta linha: deb lucid main deb main lucid

35 Substitua LOGIN e SENHA pelas informações recebidas. 35 Método Offline Para instalação em um servidor sem acesso a internet, é possível baixar os pacotes, através de links fornecidos, copiá los e descompactá-los no /root do servidor, após esse procedimento, devemos editar o arquivo /etc/apt/sources.list.d/ulteo-ovd.list, adicionando as seguintes linhas: deb file:///root/ovd-3.0-ubuntu-lucid lucid main deb file:///root/ovd-3.0-gold-ubuntu-lucid lucid main Para prosseguir com a instalação em qualquer um dos métodos, é necessário atualizar o banco de dados de pacotes: #apt-get update Instalar o pacote keyring para validar o repositório: #apt-get install Ulteo-keyring #apt-get update Instalação o pacote Ulteo-OVD-native-client: #apt-get install-ulteo-ovd-native-client Interface de usuário, cliente nativo Windows ou Linux Quando o Native Client é iniciado, temos acesso a janela de login, após entrar com usuário e senha válidos, uma nova sessão é iniciada disponibilizando os softwares publicados.

36 36 Figura 29 login cliente nativo Windows e Linux. Figura 30 Cliente nativo Windows e Linux, aplicativos.

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas O conteúdo deste documento tem como objetivos geral introduzir conceitos mínimos sobre sistemas operacionais e máquinas virtuais para posteriormente utilizar

Leia mais

Virtualização. O conceito de VIRTUALIZAÇÃO

Virtualização. O conceito de VIRTUALIZAÇÃO Virtualização A virtualização está presente tanto no desktop de um entusiasta pelo assunto quanto no ambiente de TI de uma infinidade de empresas das mais variadas áreas. Não se trata de "moda" ou mero

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 CRIAÇÃO DA MÁQUINA VIRTUAL... 3 Mas o que é virtualização?... 3 Instalando o VirtualBox...

Leia mais

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS Existem hoje diversas tecnologias e produtos para virtualização de computadores e ambientes de execução, o que pode gerar uma certa confusão de conceitos. Apesar disso, cada

Leia mais

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Este artigo demonstra como configurar uma rede virtual para ser usada em testes e estudos. Será usado o VirtualBox

Leia mais

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER TÁSSIO JOSÉ GONÇALVES GOMES tassiogoncalvesg@gmail.com MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 TÁSSIO GONÇALVES - TASSIOGONCALVESG@GMAIL.COM 1 CONTEÚDO Arquitetura

Leia mais

EMULADOR 3270 VIA WEB BROWSER

EMULADOR 3270 VIA WEB BROWSER EMULADOR 3270 VIA WEB BROWSER Host On-Demand - HOD Versão 6.0 Fev/2002 Suporte Técnico: Central de Atendimento SERPRO CAS 0800-782323 Gilson.Pereira@serpro.gov.br Marcio.Nunes@serpro.gov.br O que é o serviço

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO NComputing Brasil - #110502 Instalando o Oracle Virtualbox 4.0.2 e Criando uma VM Windows Server 2008 no Virtualbox O que é virtualbox? O virtualbox é um aplicativo de virtualização multi-plataforma

Leia mais

Para continuar, baixe o linux-vm aqui: http://www.gdhpress.com.br/downloads/linux-vm.zip

Para continuar, baixe o linux-vm aqui: http://www.gdhpress.com.br/downloads/linux-vm.zip Se, assim como a maioria, você possui um único PC ou notebook, uma opção para testar as distribuições Linux sem precisar mexer no particionamento do HD e instalar o sistema em dualboot, é simplesmente

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

TUTORIAL VMWARE WORKSTATION 8. Aprenda a instalar e configurar corretamente uma máquina virtual utilizando VMware Workstation com este tutorial

TUTORIAL VMWARE WORKSTATION 8. Aprenda a instalar e configurar corretamente uma máquina virtual utilizando VMware Workstation com este tutorial TUTORIAL VMWARE WORKSTATION 8 Aprenda a instalar e configurar corretamente uma máquina virtual utilizando VMware Workstation com este tutorial INTRODUÇÃO O uso de máquinas virtuais pode ser adequado tanto

Leia mais

Licenciamento de estações de trabalho Windows para Ambientes VDI

Licenciamento de estações de trabalho Windows para Ambientes VDI Microsoft VDI e Windows VDA Perguntas Frequentes Licenciamento de estações de trabalho Windows para Ambientes VDI Como a Microsoft licencia o Windows das estações de trabalho em ambientes virtuais? A Microsoft

Leia mais

Sistemas de Informação Processamento de Dados

Sistemas de Informação Processamento de Dados Sistemas de Informação Processamento de Dados Ferramentas e serviços de acesso remoto VNC Virtual Network Computing (ou somente VNC) é um protocolo desenhado para possibilitar interfaces gráficas remotas.

Leia mais

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com Cloud Computing Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Roteiro O que é cloud computing? Classificação O que está 'por traz' da cloud? Exemplos Como montar a sua? O que é cloud computing? Cloud Computing O

Leia mais

Xen Cloud Platform Xen descomplicado

Xen Cloud Platform Xen descomplicado Xen Cloud Platform Xen descomplicado CAPA A Xen Cloud Platform facilita muito a criação e o gerenciamento de máquinas virtuais sobre o hypervisor Xen. por Boris Quiroz e Stephen Spector A revolução da

Leia mais

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO MANUAL DE CONFIGURAÇÃO CONTMATIC PHOENIX SUMÁRIO CAPÍTULO I APRESENTAÇÃO DO ACESSO REMOTO... 3 1.1 O que é o ACESSO REMOTO... 3 1.2 Como utilizar o ACESSO REMOTO... 3 1.3 Quais as vantagens em usar o PHOENIX

Leia mais

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos Partição Parte de um disco físico que funciona como se fosse um disco fisicamente separado. Depois de criar uma partição, você deve formatá-la e atribuir-lhe uma letra de unidade antes de armazenar dados

Leia mais

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação Guia de Instalação 29 de setembro de 2010 1 Sumário Introdução... 3 Os Módulos do Andarta... 4 Instalação por módulo... 6 Módulo Andarta Server... 6 Módulo Reporter... 8 Módulo Agent... 9 Instalação individual...

Leia mais

CLOUD COMPUTING. Andrêza Leite. andreza.leite@univasf.edu.br

CLOUD COMPUTING. Andrêza Leite. andreza.leite@univasf.edu.br CLOUD COMPUTING Andrêza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Roteiro O que é cloud computing? Classificação O que está 'por traz' da cloud? Exemplos Como montar a sua? O que é cloud computing? Cloud Computing

Leia mais

ROTEIRO: IMPLANTANDO O SISTEMA OPERACIONAL WINDOWS 7

ROTEIRO: IMPLANTANDO O SISTEMA OPERACIONAL WINDOWS 7 ROTEIRO: IMPLANTANDO O SISTEMA OPERACIONAL WINDOWS 7 OBJETIVO Conhecer as funcionalidades do software VMware Player implantando o sistema operacional Windows 7 e trabalhando em algumas ferramentas nativas

Leia mais

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF.

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF. ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I Máquina Virtual Instalação de S.O. em dual boot 1º Semestre 2010 PROF. AMARAL Na ciência da computação, máquina virtual é o nome dado a uma máquina,

Leia mais

Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC

Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC Um guia para pequenas empresas Conteúdo Seção 1: Introdução ao Modo Windows XP para Windows 7 2 Seção 2: Introdução ao Modo Windows XP 4 Seção 3: Usando

Leia mais

A SALA DE AULA é meu paraíso. Nela me realizo, nela exercito minha cidadania e nela me sinto útil.

A SALA DE AULA é meu paraíso. Nela me realizo, nela exercito minha cidadania e nela me sinto útil. Virtualização Meu nome: Nome de guerra: Meu e-mail: Marcos Vinicios Bueno Marques Professor Cidão marcos@cidao.com.br Quem sou? Professor e coordenador de cursos de TI do Senac Informática em Porto Alegre,

Leia mais

O que é Cloud Computing (Computação nas Nuvens)?

O que é Cloud Computing (Computação nas Nuvens)? O que é Cloud Computing (Computação nas Nuvens)? Introdução A denominação Cloud Computing chegou aos ouvidos de muita gente em 2008, mas tudo indica que ouviremos esse termo ainda por um bom tempo. Também

Leia mais

Cisco Intelligent Automation for Cloud

Cisco Intelligent Automation for Cloud Dados técnicos do produto Cisco Intelligent Automation for Cloud Os primeiros a adotarem serviços com base em nuvem buscavam uma economia de custo maior que a virtualização e abstração de servidores podiam

Leia mais

Benefícios do Windows Server 2008 R2 Hyper-V para SMB

Benefícios do Windows Server 2008 R2 Hyper-V para SMB Benefícios do Windows Server 2008 R2 Hyper-V para SMB Sumário Introdução... 3 Windows Server 2008 R2 Hyper-V... 3 Live Migration... 3 Volumes compartilhados do Cluster... 3 Modo de Compatibilidade de Processador...

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Tipos de Sistemas Operacionais Com o avanço dos computadores foram surgindo alguns tipos de sistemas operacionais que contribuíram para o desenvolvimento do software. Os tipos de

Leia mais

HOW TO Procedimento para instalar Aker Firewall virtualizado no ESXi 5.0

HOW TO Procedimento para instalar Aker Firewall virtualizado no ESXi 5.0 Procedimento para instalar virtualizado no Página: 1 de 15 Introdução Este documento abordará os procedimentos necessários para instalar o (AFW) virtualizado em um servidor ESXi. Será compreendido desde

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep

Leia mais

Foz do Iguaçu PR Brasil luiz.baltazar@gmail.com, joao@barbosa.net.br, jorgeaikes@gmail.com

Foz do Iguaçu PR Brasil luiz.baltazar@gmail.com, joao@barbosa.net.br, jorgeaikes@gmail.com Análise de Desempenho e Viabilidade do Raspberry Pi como um Thin Client utilizando o Protocolo SPICE Luiz Alberto Alves Baltazar 1, João Paulo de Lima Barbosa 1, Jorge Aikes Junior 1 1 Curso de Ciência

Leia mais

Documento de Requisitos de Rede (DRP)

Documento de Requisitos de Rede (DRP) Documento de Requisitos de Rede (DRP) Versão 1.2 SysTrack - Grupo 1 1 Histórico de revisões do modelo Versão Data Autor Descrição 1.0 30/04/2011 João Ricardo Versão inicial 1.1 1/05/2011 André Ricardo

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. Victor Halla Conteúdo Arquitetura de Processadores: Modo Operacional; Velocidade; Cache; Barramento; Etc. Virtualização: Maquinas virtuais; Gerenciamento

Leia mais

Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II

Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II *Créditos: baseado no material do Prof. Eduardo Zagari Virtualização - Introdução Introduzido nos anos 60 em Mainframes Em 1980 os microcomputadores

Leia mais

Qlik Sense Desktop. Qlik Sense 2.0.2 Copyright 1993-2015 QlikTech International AB. Todos os direitos reservados.

Qlik Sense Desktop. Qlik Sense 2.0.2 Copyright 1993-2015 QlikTech International AB. Todos os direitos reservados. Qlik Sense Desktop Qlik Sense 2.0.2 Copyright 1993-2015 QlikTech International AB. Todos os direitos reservados. Copyright 1993-2015 QlikTech International AB. Todos os direitos reservados. Qlik, QlikTech,

Leia mais

Índice INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS WINDOWS...2 INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS LINUX...3 TESTANDO A CONEXÃO DA REDE LOCAL...

Índice INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS WINDOWS...2 INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS LINUX...3 TESTANDO A CONEXÃO DA REDE LOCAL... Índice INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS WINDOWS...2 INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS LINUX...3 TESTANDO A CONEXÃO DA REDE LOCAL...4 Configurações iniciais...5 Arquivo sudoers no Sistema Operacional

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 1 OBJETIVOS 1. Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações e transações empresariais?

Leia mais

22:59:36. Introdução à Informática com Software Livre

22:59:36. Introdução à Informática com Software Livre 22:59:36 Introdução à Informática com Software Livre 1 22:59:36 O Debian é uma distribuição GNU/Linux desenvolvida abertamente por um grupo mundial de voluntários, no esforço de se produzir um sistema

Leia mais

Virtualização - VMWare e Xen

Virtualização - VMWare e Xen Virtualização - VMWare e Xen A virtualização consiste na emulação de ambientes isolados, capazes de rodar diferentes sistemas operacionais dentro de uma mesma máquina, aproveitando ao máximo a capacidade

Leia mais

FileMaker Pro 12. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o

FileMaker Pro 12. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 12 Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 12 2007 2012 FileMaker Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

Guia de instalação UEG Linux 14.04 LTS

Guia de instalação UEG Linux 14.04 LTS 1. Apresentação O UEG Linux 14.04 LTS é um sistema operacional baseado em Linux e derivado do Ubuntu, customizado pela Gerência de Núcleo de Inovação Tecnológica da Universidade Estadual de Goiás para

Leia mais

Virtualização de Desktops NComputing

Virtualização de Desktops NComputing NComputing Resumo Todos já nos acostumamos ao formato do PC, que permite que cada usuário tenha sua própria CPU, seu próprio disco rígido e sua própria memória para rodar seus aplicativos. Mas os computadores

Leia mais

Hypervisor. Diego Souza Gomes 3 de maio de 2007

Hypervisor. Diego Souza Gomes 3 de maio de 2007 Hypervisor Diego Souza Gomes 3 de maio de 2007 Resumo As máquinas virtuais envolvem a criação de um sistema de computador totalmente em software. Usando-as, é possível hospedar vários computadores virtuais

Leia mais

Como instalar o sistema operacional pfsense no Citrix Xen Server

Como instalar o sistema operacional pfsense no Citrix Xen Server Como instalar o sistema operacional pfsense no Citrix Xen Server Autor: Eder S. G. - edersg@vm.uff.br Versão: 1.2 Data: 21/11/2012 Última atualização: 07/03/2013 Observação: Máquina real: Sistema operacional

Leia mais

OBJETIVOS DA APRESENTAÇÃO

OBJETIVOS DA APRESENTAÇÃO Institucional OBJETIVOS DA APRESENTAÇÃO Apresentar as vantagens de se trabalhar com Thin Clients Apresentar como funciona a tecnologia Server Based Computing, Virtualização de Desktop e Aplicativos EVOLUÇÃO

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 02. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 02. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 02 Prof. André Lucio Competências da aula 2 Instalação e configuração dos sistemas operacionais proprietários Windows (7 e

Leia mais

MicrovixPOS Requisitos, Instalação e Execução

MicrovixPOS Requisitos, Instalação e Execução MicrovixPOS Requisitos, Instalação e Execução Autor Público Alvo Rodrigo Cristiano dos Santos Suporte Técnico, Consultoria e Desenvolvimento. Histórico Data 13/06/2012 Autor Rodrigo Cristiano Descrição

Leia mais

Symantec Backup Exec.cloud

Symantec Backup Exec.cloud Proteção automática, contínua e segura que faz o backup dos dados na nuvem ou usando uma abordagem híbrida, combinando backups na nuvem e no local. Data Sheet: Symantec.cloud Somente 2% das PMEs têm confiança

Leia mais

Introdução a Informática - 1º semestre AULA 02 Prof. André Moraes

Introdução a Informática - 1º semestre AULA 02 Prof. André Moraes Introdução a Informática - 1º semestre AULA 02 Prof. André Moraes 3 MÁQUINAS VIRTUAIS Em nossa aula anterior, fizemos uma breve introdução com uso de máquinas virtuais para emularmos um computador novo

Leia mais

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Artigos Técnicos Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Tarcísio Romero de Oliveira, Engenheiro de Vendas e Aplicações da Intellution/Aquarius Automação Industrial Ltda. Um diagnóstico

Leia mais

TABELA 3.1 Requisitos do Windows Server 2008 Standard

TABELA 3.1 Requisitos do Windows Server 2008 Standard 3 3INSTALAÇÃO DE UM SERVIDOR 2008 Feita a apresentação das funcionalidades do Windows Server 2008, eis que chega a hora mais desejada: a da implementação do nosso servidor. No entanto não é de todo recomendável

Leia mais

Virtualização. Hardware Virtual? Máquina Virtual? Software ou Hardware? Profº André Luiz andreluizsp@gmail.com

Virtualização. Hardware Virtual? Máquina Virtual? Software ou Hardware? Profº André Luiz andreluizsp@gmail.com Virtualização Hardware Virtual? Máquina Virtual? Software ou Hardware? Profº André Luiz andreluizsp@gmail.com O problema...... os departamentos de TI passaram a ter consciência de que os recursos como

Leia mais

Termo de Referência. Anexo II - Especificações Técnicas - Requisitos Funcionais. Diretoria Técnica-Operacional. Gerência de Tecnologia da Informação

Termo de Referência. Anexo II - Especificações Técnicas - Requisitos Funcionais. Diretoria Técnica-Operacional. Gerência de Tecnologia da Informação Diretoria Técnica-Operacional Gerência de Tecnologia da Informação Termo de Referência Anexo II Especificação Técnica 1 - INTRODUÇÃO Página 2 de 9 do TR-007-3700 de Este anexo tem por objetivo detalhar

Leia mais

ROTEIRO: IMPLANTANDO O SISTEMA OPERACIONAL LINUX. Introdução: FERRAMENTAS. Abaixo segue relação de aplicativos utilizados para realizar este roteiro:

ROTEIRO: IMPLANTANDO O SISTEMA OPERACIONAL LINUX. Introdução: FERRAMENTAS. Abaixo segue relação de aplicativos utilizados para realizar este roteiro: ROTEIRO: IMPLANTANDO O SISTEMA OPERACIONAL LINUX Introdução: Vimos nas aulas passadas um dos sistemas operacionais atualmente utilizados no mundo, o Windows, mas existem outros sistemas operacionais também,

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 3 Virtualização de Sistemas 1. Conceito Virtualização pode ser definida

Leia mais

Guia de Introdução ao Parallels Desktop 9

Guia de Introdução ao Parallels Desktop 9 Guia de Introdução ao Parallels Desktop 9 Copyright 1999--2013 Parallels IP Holdings GmbH e suas afiliadas. Todos os direitos reservados. Parallels IP Holdings GmbH Vordergasse, 59 8200 Schaffhausen Suíça

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

Virtualização: VMWare e Xen

Virtualização: VMWare e Xen Virtualização: VMWare e Xen Diogo Menezes Ferrazani Mattos Professor: Otto Carlos Disciplina: Redes I Universidade Federal do Rio de Janeiro POLI/COPPE 1 Introdução Virtualização Divisão da máquina física

Leia mais

Instruções para Instalação dos Utilitários Intel

Instruções para Instalação dos Utilitários Intel Instruções para Instalação dos Utilitários Intel Estas instruções ensinam como instalar os Utilitários Intel a partir do CD nº 1 do Intel System Management Software (liberação somente para os dois CDs

Leia mais

ADMINISTRAÇÃODEREDES BASEADASEM WINDOWS. IsmaelSouzaAraujo

ADMINISTRAÇÃODEREDES BASEADASEM WINDOWS. IsmaelSouzaAraujo ADMINISTRAÇÃODEREDES BASEADASEM WINDOWS IsmaelSouzaAraujo INFORMAÇÃOECOMUNICAÇÃO Autor Ismael Souza Araujo Pós-graduado em Gerência de Projetos PMBOK UNICESP, graduado em Tecnologia em Segurança da Informação

Leia mais

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores Máquinas Virtuais e Emuladores Marcos Aurelio Pchek Laureano Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware sistema operacional aplicações Sistemas

Leia mais

Departamento de Tecnologia da Informação

Departamento de Tecnologia da Informação Xen - O case de virtualização da Alergs XIII Enial - Brasília Novembro/2010 DTI Superintendência Administrativa e Financeira Assembleia Legislativa do RS Tópicos abordados: A infraestrutura de TI Alergs

Leia mais

Agenda. Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão

Agenda. Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão Máquinas Virtuais Agenda Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão Histórico Mainframe É um computador de grande porte, dedicado

Leia mais

Como criar máquinas virtuais no VMware ESXi

Como criar máquinas virtuais no VMware ESXi Como criar máquinas virtuais no VMware ESXi A virtualização de desktops pode ser trabalhada sobre servidores virtuais e esta técnica torna nossa tecnologia ainda mais atraente. Certifique-se que o seu

Leia mais

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel Software de gerenciamento do sistema Intel do servidor modular Intel Declarações de Caráter Legal AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTE DOCUMENTO SÃO RELACIONADAS AOS PRODUTOS INTEL, PARA FINS DE SUPORTE ÀS PLACAS

Leia mais

Gestão em Sistemas de Informação. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br

Gestão em Sistemas de Informação. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br Gestão em Sistemas de Informação Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br Gestão em Sistemas de Informação Cloud Computing (Computação nas Nuvens) 2 Cloud Computing Vocês

Leia mais

Criador de appliances

Criador de appliances CAPA Peter Galbraith Fotolia Criação de appliances virtuais com VMware Studio e SUSE Studio Criador de appliances Appliances virtuais combinam os benefícios da virtualização à simplicidade de um dispositivo

Leia mais

SolarWinds Virtualization Manager

SolarWinds Virtualization Manager SolarWinds Virtualization Manager Gerenciamento potente e unificado da virtualização que não ultrapassa seu orçamento! A SolarWinds aprimorou a forma pela qual profissionais de TI de todo o mundo gerenciam

Leia mais

Manual do Usuário Cyber Square

Manual do Usuário Cyber Square Manual do Usuário Cyber Square Criado dia 27 de março de 2015 as 12:14 Página 1 de 48 Bem-vindo ao Cyber Square Parabéns! Você está utilizando o Cyber Square, o mais avançado sistema para gerenciamento

Leia mais

Endpoint Security Platform

Endpoint Security Platform AKER Endpoint Security Platform Proteção de endpoints dentro e fora da empresa Ataques virtuais a redes corporativas têm se tornado cada vez mais comuns. Sob constante ameaça, as empresas passaram a utilizar

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS FUNDAMENTOS DE Visão geral sobre o Active Directory Um diretório é uma estrutura hierárquica que armazena informações sobre objetos na rede. Um serviço de diretório,

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Requisitos do Sistema

Requisitos do Sistema PJ8D - 017 ProJuris 8 Desktop Requisitos do Sistema PJ8D - 017 P á g i n a 1 Sumario Sumario... 1 Capítulo I - Introdução... 2 1.1 - Objetivo... 2 1.2 - Quem deve ler esse documento... 2 Capítulo II -

Leia mais

Data: 22 de junho de 2004. E-mail: ana@lzt.com.br

Data: 22 de junho de 2004. E-mail: ana@lzt.com.br Data: 22 de junho de 2004. E-mail: ana@lzt.com.br Manual do Suporte LZT LZT Soluções em Informática Sumário VPN...3 O que é VPN...3 Configurando a VPN...3 Conectando a VPN... 14 Possíveis erros...16 Desconectando

Leia mais

Symantec Backup Exec 12.5 for Windows Servers. Guia de Instalação Rápida

Symantec Backup Exec 12.5 for Windows Servers. Guia de Instalação Rápida Symantec Backup Exec 12.5 for Windows Servers Guia de Instalação Rápida 13897290 Instalação do Backup Exec Este documento contém os seguintes tópicos: Requisitos do sistema Antes de instalar Sobre a conta

Leia mais

Instalação/Configuração Zentyal 2.2-3 no UBUNTU 10.04 LTS

Instalação/Configuração Zentyal 2.2-3 no UBUNTU 10.04 LTS Instalação/Configuração Zentyal 2.2-3 no UBUNTU 10.04 LTS INSTALAÇÃO Primeiro adicione na sua lista de fontes (/etc/apt/sources.list) este link: deb http://ppa.launchpad.net/zentyal/2.2/ubuntu lucid main

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO BRASQUID

MANUAL DO USUÁRIO BRASQUID MANUAL DO USUÁRIO BRASQUID Saulo Marques FATEC FACULDADE DE TECNOLOGIA DE CARAPICUIBA Sumário 1 Instalação... 4 2 Configuração inicial... 6 2.1 Scripts e Arquivos Auxiliares... 10 2.2 O Squid e suas configurações...

Leia mais

Inicialização rápida da instalação SUSE Linux Enterprise Server 11

Inicialização rápida da instalação SUSE Linux Enterprise Server 11 Inicialização rápida da instalação SUSE Linux Enterprise Server 11 NOVELL CARTÃO DE INICIALIZAÇÃO RÁPIDA Use os seguintes procedimentos para instalar uma nova versão do SUSE Linux Enterprise 11. Este documento

Leia mais

Máquinas Virtuais com o VirtualBox

Máquinas Virtuais com o VirtualBox Máquinas Virtuais com o VirtualBox Marcos Elias Picão www.explorando.com.br No exemplo: Windows XP dentro do Windows 7 Você pode compartilhar livremente sem interesses comerciais, desde que não modifique.

Leia mais

Sistema Gerenciador de Locadora Glossário Versão 1.1

Sistema Gerenciador de Locadora Glossário Versão 1.1 GLOSSÁRIO Sistema Gerenciador de Locadora Glossário Versão 1.1 Responsável: Gustavo Teles GL01 Glossário 01 Página 1 de 7 A Aba - 1. Ficha com objetivo de separar ou agrupar em um mesmo contexto campos

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 05. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 05. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 05 Prof. André Lucio Competências da aula 5 Backup. WSUS. Serviços de terminal. Hyper-v Aula 04 CONCEITOS DO SERVIÇO DE BACKUP

Leia mais

Virtualização de desktop da NComputing

Virtualização de desktop da NComputing Virtualização de desktop da NComputing Resumo Todos nos acostumamos ao modelo PC, que permite que cada usuário tenha a sua própria CPU, disco rígido e memória para executar seus aplicativos. Mas os computadores

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

Soluções corporativas personalizadas com o Microsoft Exchange 2010 e o Cisco Unified Computing System (UCS)

Soluções corporativas personalizadas com o Microsoft Exchange 2010 e o Cisco Unified Computing System (UCS) Soluções corporativas personalizadas com o Microsoft Exchange 2010 e o Cisco Unified Computing System (UCS) Hoje é fundamental para as empresas poder contar com recursos de comunicação, mobilidade, flexibilidade

Leia mais

Arcserve Backup: Como proteger ambientes NAS heterogêneos com NDMP

Arcserve Backup: Como proteger ambientes NAS heterogêneos com NDMP Arcserve Backup: Como proteger ambientes NAS heterogêneos com NDMP Phil Maynard UNIDADE DE SOLUÇÕES DE GERENCIAMENTO DE DADOS PARA O CLIENTE FEVEREIRO DE 2012 Introdução Em todos os lugares, o volume de

Leia mais

FileMaker Pro 13. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 13

FileMaker Pro 13. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 13 FileMaker Pro 13 Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 13 2007-2013 FileMaker Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

Inicialização rápida da instalação SUSE Linux Enterprise Server 11 SP1

Inicialização rápida da instalação SUSE Linux Enterprise Server 11 SP1 Inicialização rápida da instalação SUSE Linux Enterprise Server 11 SP1 Inicialização rápida da instalação SUSE Linux Enterprise Server 11 SP1 CARTÃO DE INICIALIZAÇÃO RÁPIDA NOVELL Use os seguintes procedimentos

Leia mais

Qlik Sense Desktop. Qlik Sense 2.1.1 Copyright 1993-2015 QlikTech International AB. Todos os direitos reservados.

Qlik Sense Desktop. Qlik Sense 2.1.1 Copyright 1993-2015 QlikTech International AB. Todos os direitos reservados. Qlik Sense Desktop Qlik Sense 2.1.1 Copyright 1993-2015 QlikTech International AB. Todos os direitos reservados. Copyright 1993-2015 QlikTech International AB. Todos os direitos reservados. Qlik, QlikTech,

Leia mais

FileMaker Pro 14. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 14

FileMaker Pro 14. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 14 FileMaker Pro 14 Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 14 2007-2015 FileMaker, Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Ederson dos Santos Cordeiro de Oliveira 1, Tiago Piperno Bonetti 1, Ricardo Germano 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil edersonlikers@gmail.com,

Leia mais

AULA 10 TUTORIAL VIRTUALBOX

AULA 10 TUTORIAL VIRTUALBOX AULA 10 TUTORIAL VIRTUALBOX 1 Sumário Tutorial VirtualBox - Configurações e Utilização... 3 Requisitos Mínimos... 3 Compatibilidade... 3 Download... 3 Instalação do VirtualBox... 4 Criando a Máquina Virtual

Leia mais

Sistemas Operacionais. (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto

Sistemas Operacionais. (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Sistemas Operacionais (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Estrutura 1. Definições 2. Classificações 3. CPU 4. Memória 5. Utilitários O que se

Leia mais

Instalação do Sistema. Treinamento OTRS Help Desk

Instalação do Sistema. Treinamento OTRS Help Desk Instalação do Sistema Treinamento OTRS Help Desk Sumário Instalação... 3 Recomendações...3 Requisitos de Instalação...5 Preparando a Instalação no CentOS 6.5 (64 bits)...5 Preparando a Instalação no Ubuntu

Leia mais

Introdução ao. Linux do MEC

Introdução ao. Linux do MEC Introdução ao Linux do MEC Abril/2006 ÍNDICE Software Livre 3 Linux do MEC 4 Inicializando e finalizando o sistema 5 Área de trabalho 6 Operações com arquivos 7 Administração do ambiente 9 Navegador Internet

Leia mais

EXIN Cloud Computing Fundamentos

EXIN Cloud Computing Fundamentos Exame Simulado EXIN Cloud Computing Fundamentos Edição Maio 2013 Copyright 2013 EXIN Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser publicado, reproduzido, copiado ou armazenada

Leia mais

Guia de Introdução ao Parallels Desktop 10

Guia de Introdução ao Parallels Desktop 10 Guia de Introdução ao Parallels Desktop 10 Copyright 1999-2014 Parallels IP Holdings GmbH and its affiliates. All rights reserved. Parallels IP Holdings GmbH Vordergasse, 59 8200 Schaffhausen Suíça Tel:

Leia mais

TABELA 2.1 Requisitos do Windows Server 2012 Standard

TABELA 2.1 Requisitos do Windows Server 2012 Standard 2INSTALAÇÃO DE UM SERVIDOR 2012 Feita a apresentação das funcionalidades do Windows Server 2012, eis que chega a hora mais desejada: a da implementação do servidor. No entanto, não é de todo recomendável

Leia mais

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView Sistema de Gerenciamento DmView O DmView é o Sistema de Gerência desenvolvido para supervisionar e configurar os equipamentos DATACOM, disponibilizando funções para gerência de supervisão, falhas, configuração,

Leia mais

Manual de instalação, configuração e utilização do Assinador Betha

Manual de instalação, configuração e utilização do Assinador Betha Manual de instalação, configuração e utilização do Assinador Betha Versão 1.5 Histórico de revisões Revisão Data Descrição da alteração 1.0 18/09/2015 Criação deste manual 1.1 22/09/2015 Incluído novas

Leia mais