Promotores de Crescimento para Frangos AGP FREE. 5 mayo 2011 Ricardo dos Santos Gerente Eubióticos & HyD 24/11/2016

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Promotores de Crescimento para Frangos AGP FREE. 5 mayo 2011 Ricardo dos Santos Gerente Eubióticos & HyD 24/11/2016"

Transcrição

1 Promotores de Crescimento para Frangos AGP FREE 5 mayo 2011 Ricardo dos Santos Gerente Eubióticos & HyD 24/11/2016

2 AGENDA Introdução Histórico de restrições aos APC Informações Gerais Desafios a qualidade Intestinal Gerenciamento da Qualidade Intestinal Dieta Soluções atuais e futuras Conclusões

3 O que o mercado vai nos exigir como produtores de carne?

4 Resistência Antimicrobiana Redução da eficiência de antibióticos (Ab); Falta de novas moléculas; OMS: uso racional de Ab na produção animal e uso em humanos 3

5 Histórico de Restrições ao uso de Antibióticos em Alimentos Suécia e Dinamarca: Retirada dos Promotores de Crescimento no ano de OMS: Recomendou, no ano de 2000, que classes de antibióticos usados em humanos como terapia não deveriam ser usados como APCs. União Europeia: 2006 proibição do uso de promotores de crescimento em alimento. Estados Unidos: Uso de fluorquinolonas em aves esta proibido desde 2006; FDA programa de retirada de ATBs de uso humano nos próximos 3 anos; MacDonalds / KFC /Subway 2015 venda de carne de frangos criados livres de ATBs; América Latina: Restrição do uso de APC países exportadores (BR, CL e AR); MAPA fiscalização tem se intesificado quanto ao uso de ATB e residuos nos alimentos;

6 Consumo de Antimicrobianos como medicação terapeutica ou como aditivos e uso de antimicrobianos por seres humanos na Dinamarca DANMAP, 2015

7 DANMAP, 2014 Resistência (%) em Eschirichia coli em carnes importadas x Dinamarca

8

9 Desafios do Sistema ABF Manejo Origem e qualidade de pintos de 1 dia; Densidade de alojamento; Qualidade de cama e de ar; Intervalo entre lotes. Sanidade Biosseguridade; Mortalidade inicial; Qualidade intestinal; Prevenção e controle de coccidiose; Nutrição Qualidade de matéria-prima; Redução de PB; Granulomentria da ração; Peletização; Aditivos (eubióticos, enzimas)

10 AGENDA Introdução Histórico de restrições aos APC Informações Gerais Desafios a qualidade Intestinal Gerenciamento da Qualidade Intestinal Dieta Soluções atuais e futuras Conclusões

11 PORQUE SEMPRE DEVO ABRIR FRANGO? 10

12

13

14 Monitoramento Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 Sem 6 Sem 7

15 Introdução AGENDA Histórico de restrições aos APC Informações Gerais Desafios a qualidade Intestinal Gerenciamento da Qualidade Intestinal Dieta Soluções atuais e futuras Conclusões

16 TRANSITO RÁPIDO Os eventos de Transito Rápido (Disbacterioses) começaram ser reportados em diferentes partes do mundo na década de Kouwenhoven et al., López et al., Butcher et al., Miles and Butcher, 2002

17 Consequências em lotes com TRANSITO RÁPIDO - Qualidade da cama é ruim. - Perda de Uniformidade do lote. - Efeito negativo sobre a convervão alimentar. - Pesos corporais abaixo da stander da linhagem. - Perda economicas.

18 Consequências em lotes com TRANSITO RÁPIDO 17

19 18

20 19

21 LOTES COM TRÂNSITO RÁPIDO NA LA Relação entre TI e Transito Desde 2005 até hoje tem sido estudados dezenas de lotes de transito rápido com tortas comerciais de soja e soja integral. conlui-se então: -TI < 2 mg/g. -Solubilidade minimo 78%. Source: Adaptado de Ruiz, 2013

22 Os fatores antinutricionais da soja: Termolábil Kunitz & BOWMAN-BIRK Lectinas E estes tem uma boa correlação com os niveis de urease Source: Ruiz, 2012

23 E como a Protease pode ajudar? Degradando os fatores anti nutricionais da soja Eficiencia de Degradação (%) Protease 22

24 AGENDA Introdução Fatos Mundiais Brasil Desafios a qualidade Intestinal Gerenciamento da Qualidade Intestinal Dieta Soluções atuais e futuras Conclusões

25 Eubióticos- categorías de aditivos Eubióticos Definição Categorías Produtos para manuteção da saúde e melhora do desempenho através da modulação da flora intestinal 1 Ação Imuno Probióticos Prebióticos direta moduladores Compostos que modulam diretamente a microflora inibindo o crescimento Ex. ácidos orgánicos, extratos de plantas, óleos essenciais Microorganismos vivos que melhoran o equilibrio da microflora intestinal. Ex. Bacterias vivas (Lactobacillus) leveduras. Oligossacarídeos servem como sustrato para probióticos ou competem com bact. patogênicas evitando sua adesão no intestino. Ex.. FOS, MOS. Compostos que estimulam o sistema imune dos animais. Ex. nucleotídeos, imunoglobulinas

26 PREBIÓTICOS

27 PREBIÓTICOS Os Prebióticos são açucares complexos representados principalmente pelos mananoligossacarídeos (MOS) frutoligossacarideos (FOS). Bactérias como Lactobacillus e Bifidobactérias (Benéficas) tem o crescimento favorecido por Oligossacarideos (FOS). Bactérias G- (Salmonella e E. coli) são incapazes de fermentar MOS e FOS. WAGNER E THOMAS, 1978

28 Adaptado de Zdunczyk et al, 2005 PREBIÓTICOS

29 PROBIÓTICOS

30 DEFINIÇÃO DE PROBIÓTICOS Sao cepas específicas de várias espécies de microorganismos que agem como auxiliares na recomposição da flora intestinal dos animais diminuindo a concorrência dos microorganismos patogênicos ou indesejáveis. ITO, et al., 2004.

31 MICROORGANISMOS USADOS COMO PROBIÓTICOS

32 Características Biológicas Tempo de Formação Organismo Tempo

33 Micrografia Eletrônica de Bactérias da Flora Intestinal aderidas as Vilosidades.

34 Resultados Redução De Contagem De Salmonella Minesota Na Cama Probiótico

35 PROBIÓTICO DEVE: Ser uma bactéria anaeróbica facultativa Conferir um alta atividade metabólica ao longo de todo intestino, o que a diferencia dos lactobacilos e bifidobacterium (anaeróbicos obrigatórios); Estimular a produção de ácido lático, pois inibe o crescimento de bactérias patógenas. Estimular o crescimento de outras bactérias benéficas: Lactobacillus e Bifidobacterium; Promover a recuperação da microflora benéfica após período de estresse.

36 Log CFU/ml of L. acidophilus DSM CYLACTIN Regeneração Rápida da Microflora após tratamento 10 L. acidophilus (+ Probiótico) Ampicillin treatment L. acidophilus days In vitro test in a modified flow culture system Du Toit et al. 1998

37 O C OH Ácidos orgânicos Principais ácidos : Benzoico, cítrico, butírico, fórmico, fumárico, láctico, propiônico; Modo de ação: Redução do ph (antimicrobiano); Efeito trófico sobre as vilosidades intestinais; Conservador de alimento (leveduras e fungos); Requisitos: Efeito no intestino delgado;

38 Efeito in vitro de ácidos orgânicos sobre E. coli Crescimento de E. coli (/hora) sob ação de diferentes ácidos orgánicos Suco intestinal (ph = 5,5) (Knarreborg et al, 2002) Danish Institute for Agricultural Sciences

39 Óleos Essenciais Principais fontes : timol, carvacrol, eugenol, capsaicina, curcumin, cinamaldeído. Modo de ação: Aumento da permeabilidade da parede celular das bacterias patogênicas (antimicrobiano); Estímulo do sistema digestivo (ex. amilase); Outros efeitos: Anti fúngico, antiparasitario, antioxidante e antiviral; Requisitos: Concentração garantida;

40 Sinergia entre óleos e ácidos orgânicos Os óleos essenciais atacam as paredes celulares de certas bactérias, tornando-as mais permeáveis, facilitando a entrada na bactéria de outras sustâncias, como o ácido benzoico. O ácido benzoico atravessa a parede celular das bactérias, reduz o ph interior e altera sua função, diminuindo assim as reservas energéticas da célula.

41 Combinação Óleos Essenciais: Sinergia Influencia de diferentes concentrações de 2 óleos essenciais (carvacrol and cymene) e suas combinaçoes sobre o tempo de meia vida, número de minutos necessário para matar 50% de bacillus cereus in vitro. Carvacrol (mm) Cymene (mm) > > < < < não determinado Fonte: Ultee et al., 2000 Combinações de óleos essenciais podem agir sinergicamente:.

42 Considerações Finais A produção de frangos ABF é uma realidade global e deverá crescer consideravelmente na América Latina devido à exportação. Experiências de êxito na produção de frangos livres de ATB demonstram que os APC foram utilizados durante muitos anos para minimizar falhas de manejo, sanidade e nutrição. É muito importante que os antibióticos terapêuticos sigam sendo utilizados de maneira racional na produção animal. Atualmente existem alternativas viáveis e novas tecnologias que podem complementar os programas de redução do uso de antibióticos

43 Contato (51)

44

Dog Star Foods Natural 15kg

Dog Star Foods Natural 15kg Dog Star Foods Natural 15kg Proteína Bruta Extrato Etéreo Matéria Mineral (Mín.) 23% (Mín.) 10% (Máx.) 8% Matéria Fibrosa (Máx.) 4,5% Cálcio (Máx.) 2% Fósforo (Mín.) 1% Cereais Integrais Probióticos Carne

Leia mais

Os aditivos na alimentação de cães e gatos

Os aditivos na alimentação de cães e gatos Os aditivos na alimentação de cães e gatos Introdução Alimentos para cães e gatos Nutrição + Saúde + Fezes + Segurança alimentar Ananda P. Félix Laboratório de Estudos em Nutrição Canina Universidade Federal

Leia mais

Considerações práticas sobre o uso de enzimas em Poedeiras Comerciais

Considerações práticas sobre o uso de enzimas em Poedeiras Comerciais Considerações práticas sobre o uso de enzimas em Poedeiras Comerciais Jeffersson Lecznieski Gerente Técnico DSM Produtos Nutricionais Brasil Introdução Devido aos altos e crescentes custos das matérias

Leia mais

USO DE ADITIVOS PROBIÓTICOS NA ALIMENTAÇÃO DE SUÍNOS

USO DE ADITIVOS PROBIÓTICOS NA ALIMENTAÇÃO DE SUÍNOS Fortaleza, 19 de junho de 2012. USO DE ADITIVOS PROBIÓTICOS NA ALIMENTAÇÃO DE SUÍNOS Renato Giacometti Gerente Técnico Imeve Biotecnologia S.A Importância da utilização dos antimicrobianos * Manutenção

Leia mais

PROBIÓTICOS AO SEU ANIMAL DE COMPANHIA

PROBIÓTICOS AO SEU ANIMAL DE COMPANHIA Os benefícios da administração de PROBIÓTICOS AO SEU ANIMAL DE COMPANHIA Benefícios dos probióticos. Em humanos, os diversos benefícios para a saúde derivados da toma regular de probióticos - as chamadas

Leia mais

O papel da suplementação na Pecuária Leiteira

O papel da suplementação na Pecuária Leiteira O papel da suplementação na Pecuária Leiteira Nutrição e Suplementação... São a mesma coisa? Nutrição / Desnutrição Nutrição / Desnutrição Nutrição / Desnutrição Nutrição É o processo biológico pelo qual

Leia mais

JOÃO PALERMO NETO FMVZ/USP

JOÃO PALERMO NETO FMVZ/USP JOÃO PALERMO NETO FMVZ/USP Chapecó, 03 de Dezembro de 2014 O emprego de medicamentos veterinários e de aditivos em medicina veterinária vem contribuindo de forma marcante para o sucesso da produção animal

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS FERMENTATIVOS. Professora: Erika Liz

INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS FERMENTATIVOS. Professora: Erika Liz INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS FERMENTATIVOS Professora: Erika Liz Características necessárias de microrganismos para aplicação industrial Apresentar elevada eficiência na conversão de nutrientes, de forma a

Leia mais

dossiê PECUÁRIA seguida, nos animais. O sucesso da alimentação dos animais com antibióticos foi B 12

dossiê PECUÁRIA seguida, nos animais. O sucesso da alimentação dos animais com antibióticos foi B 12 dossiê PECUÁRIA USO DE ANTIBIÓTICOS PROMOTORES DE CRESCIMENTO NA ALIMENTAÇÃO E PRODUÇÃO ANIMAL Elisabeth Gonzales 1, Heloisa Helena de Carvalho Mello 2, Marcos Barcellos Café 3 1. Professora da Universidade

Leia mais

BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS: AMIDO RESISTENTE E FIBRAS (aula 2) Patricia Cintra

BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS: AMIDO RESISTENTE E FIBRAS (aula 2) Patricia Cintra BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS: AMIDO RESISTENTE E FIBRAS (aula 2) Patricia Cintra Fibra alimentar - definição No Brasil, o Ministério da Saúde, pela portaria 41 de 14 de janeiro de 1998, da Agência Nacional

Leia mais

Sessão clínica. Doença renal crónica Relação com a flora intestinal e impacto da alimentação. Pedro Campos, MD Ana Pires, MD PhD

Sessão clínica. Doença renal crónica Relação com a flora intestinal e impacto da alimentação. Pedro Campos, MD Ana Pires, MD PhD Sessão clínica Doença renal crónica Relação com a flora intestinal e impacto da alimentação Pedro Campos, MD Ana Pires, MD PhD Serviço de Nefrologia 10 Março 2016 Sumário Microbioma Intestinal Microbioma

Leia mais

Critério: Saúde/bem-estar: alimentos funcionais

Critério: Saúde/bem-estar: alimentos funcionais Critério: Saúde/bem-estar: alimentos funcionais Sistema da Cadeia Agro-Alimentar Ana Pinto de Moura O que é um alimento funcional? Qualquer alimento ou parte de um alimento que por possuir actividade fisiológica/biológica,

Leia mais

Fibregum B (Colloïdes Naturels International /França) Todos os benefícios de uma fibra prebiótica, sem provocar o desconforto intestinal.

Fibregum B (Colloïdes Naturels International /França) Todos os benefícios de uma fibra prebiótica, sem provocar o desconforto intestinal. Fibregum B (Colloïdes Naturels International /França) Todos os benefícios de uma fibra prebiótica, sem provocar o desconforto intestinal. Com o aumento da expectativa de vida dos brasileiros e ao mesmo

Leia mais

Biomassa de Banana Verde Polpa - BBVP

Biomassa de Banana Verde Polpa - BBVP Biomassa de Banana Verde Polpa - BBVP INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS Porção de 100g (1/2 copo) Quantidade por porção g %VD(*) Valor Energético (kcal) 91 4,55 Carboidratos 21,4 7,13 Proteínas 2,1 2,80 Gorduras

Leia mais

Nutrição de Poedeiras

Nutrição de Poedeiras Nutrição de Poedeiras Edney Silva Zootecnista Nutrição de Poedeiras Breve introdução Modelos utilizados na tabela brasileira Utilização de software Objetivo Programa Alimentar 0-6 semanas 7-12 e 13 a 18

Leia mais

METABOLISMO ENERGÉTICO

METABOLISMO ENERGÉTICO CURSO TÉCNICO INTEGRADO DE INFORMÁTICA E ELETROMECÂNICA - 2º ANO DICIPLINA: BIOLOGIA METABOLISMO ENERGÉTICO RESPIRAÇÃO E FERMENTAÇÃO Prof.ª Carla Pereira Nascimento METABOLISMO ENERGÉTICO Todo ser vivo

Leia mais

Plano de aula. ZOOTECNIA I (Suínos) 01/04/2016. Resíduos de origem animal. Produção Animal vs Impacto Ambiental. Dejetos. Problemas.

Plano de aula. ZOOTECNIA I (Suínos) 01/04/2016. Resíduos de origem animal. Produção Animal vs Impacto Ambiental. Dejetos. Problemas. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Campus de Jaboticabal Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias 1 Plano de aula ZOOTECNIA I (Suínos) Resíduos Dejetos Msc. Fabrício Faleiros de

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2017/1 Mestrado Ciência e Tecnologia de Alimentos Campus Rio Pomba

PROCESSO SELETIVO 2017/1 Mestrado Ciência e Tecnologia de Alimentos Campus Rio Pomba Questão 01: Dê o fundamento e as etapas envolvidas no processo de liofilização de alimentos e cite quatro diferenças entre o processo de liofilização e o processo de secagem convencional. Pag. 1 de 15

Leia mais

Alimentos Funcionais: potencialidades do Centro-Oeste. Profa. Dra. Katiuchia Pereira Takeuchi Universidade Federal de Goiás - UFG

Alimentos Funcionais: potencialidades do Centro-Oeste. Profa. Dra. Katiuchia Pereira Takeuchi Universidade Federal de Goiás - UFG Alimentos Funcionais: potencialidades do Centro-Oeste Profa. Dra. Katiuchia Pereira Takeuchi Universidade Federal de Goiás - UFG Alimentos Funcionais O alimento está para a medicina assim como a medicina

Leia mais

Soluções Naturais e Complementares na terapêutica do Sistema Digestivo

Soluções Naturais e Complementares na terapêutica do Sistema Digestivo Soluções Naturais e Complementares na terapêutica do Sistema Digestivo Somos o que comemos Alterações a nível de temperamento, níveis de energia, capacidade de raciocínio, impulso sexual e hábitos de sono

Leia mais

O papel da Nutrição na Saúde dos Peixes. João Manoel Cordeiro Alves Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal

O papel da Nutrição na Saúde dos Peixes. João Manoel Cordeiro Alves Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal O papel da Nutrição na Saúde dos Peixes João Manoel Cordeiro Alves Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal Você éo que você come(u)! Esta éuma visão do passado Vamos prever o futuro? Você

Leia mais

ESTUDO DA EFICIÊNCIA DE ANTIBIOTICOS CONTRA BACTÉRIAS PATOGÊNICAS

ESTUDO DA EFICIÊNCIA DE ANTIBIOTICOS CONTRA BACTÉRIAS PATOGÊNICAS ESTUDO DA EFICIÊNCIA DE ANTIBIOTICOS CONTRA BACTÉRIAS PATOGÊNICAS Alessandra Maria Stefani NOGUEIRA Franceline Gravielle Bento PEREIRA Lisliana Garcia BELCHIOR Leizer Cordeiro da Silva FREITAS Discentes

Leia mais

Guilherme H. F. Marques Diretor do Departamento de Saúde Animal/SDA/MAPA

Guilherme H. F. Marques Diretor do Departamento de Saúde Animal/SDA/MAPA REGISTRO, FISCALIZAÇÃO E CONTROLE DE ESTABELECIMENTOS AVÍCOLAS DE REPRODUÇÃO E COMERCIAIS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 56/07 Guilherme H. F. Marques Diretor do Departamento de Saúde Animal/SDA/MAPA Importância

Leia mais

NOVOS PADRÕES DE PRODUÇÃO AVÍCOLA

NOVOS PADRÕES DE PRODUÇÃO AVÍCOLA NOVOS PADRÕES DE PRODUÇÃO AVÍCOLA José Eduardo Butolo Colégio Brasileiro de Nutrição Animal (CBNA) Supre Mais Nutrição Animal Avicultura de corte Situação atual Atualmente, para produzirmos um frango de

Leia mais

SORGO - UMA BOA ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE ALIMENTAÇÃO

SORGO - UMA BOA ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE ALIMENTAÇÃO Data: Junho/2001 SORGO - UMA BOA ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE ALIMENTAÇÃO Estamos iniciando a colheita de uma safra de Sorgo, que segundo estimativas deve girar ao redor de 1,350 a 1,500 milhões

Leia mais

FIBRAS: por que consumi-las?

FIBRAS: por que consumi-las? FIBRAS: por que consumi-las? COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA NUTRICIONAL GVEDNT / SUVISA / SES-GO Fibras: por que consumi-las? GOIÂNIA 2014 Autoria Maria Janaína Cavalcante Nunes Daniela Ayumi Amemiya Cássia

Leia mais

Descrição do produto. Categoria Fiscal ANVISA. MS: RDC 27/2010 / Anexo 1. Características. Pó de cor bege-marrom, solúvel em água.

Descrição do produto. Categoria Fiscal ANVISA. MS: RDC 27/2010 / Anexo 1. Características. Pó de cor bege-marrom, solúvel em água. Vida Forte Ind. e Com. de Prod. Naturais Ltda. Descrição do produto Ficha Técnica de TERMO PLUS Sabores: Frutas Vermelhas Laranja Limão Termo Plus é um produto para auxiliar na redução de gordura com ingredientes

Leia mais

CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE PATOLOGIA DE ORGANISMOS AQUÁTICOS

CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE PATOLOGIA DE ORGANISMOS AQUÁTICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS CAMPUS ARAPIRACA PÓLO PENEDO CURSO: ENGENHARIA DE PESCA DISCIPLINA: PATOLOGIA DE ORGANISMOS AQUÁTICOS PROF a : TALITA ESPÓSITO CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE PATOLOGIA DE ORGANISMOS

Leia mais

Avaliação da qualidade da mistura de rações e suplementos

Avaliação da qualidade da mistura de rações e suplementos Avaliação da qualidade da mistura de rações e suplementos IV SIMPÓSIO SOBRE MÉTODOS E PROCEDIMENTOS NA FABRICAÇÃO DE RAÇÕES E SUPLEMENTOS Outubro 2016 Campus UFG, Goiânia Agenda Introdução Qualidade de

Leia mais

PROBIÓTICOS E PREBIÓTICOS

PROBIÓTICOS E PREBIÓTICOS PROBIÓTICOS E PREBIÓTICOS Cristiane Maria Barra da Matta Engenheira de Alimentos do Centro de Pesquisas do Instituto Mauá de Tecnologia Professora do Centro Universitário do Instituto Mauá de Tecnologia

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS PROBIÓTICOS NA MICROBIOTA INTESTINAL HUMANA

A IMPORTÂNCIA DOS PROBIÓTICOS NA MICROBIOTA INTESTINAL HUMANA Ciclo de Palestras A IMPORTÂNCIA DOS PROBIÓTICOS NA MICROBIOTA INTESTINAL HUMANA Luciana Mouta de Oliveira PROBIÓTICOS - DEFINIÇÃO Suplementos alimentares à base de microrganismos vivos que afetam beneficamente

Leia mais

Características dos Seres Vivos

Características dos Seres Vivos Observação: Os Slides são APENAS para acompanhamento dos estudos. Os estudos deverão ser feitos utilizando os livros e outros textos disponibilizados!!!! Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

Virginiamicina. Benefícios em sistemas confinados e a pasto. Pedro Terencio Phibro Animal Health

Virginiamicina. Benefícios em sistemas confinados e a pasto. Pedro Terencio Phibro Animal Health Virginiamicina Benefícios em sistemas confinados e a pasto Pedro Terencio Phibro Animal Health O que é Virginiamicina 2 Fator M e Fator S promovem efeito sinérgico Microorganismo MIC (ug/ml) Fator M Fator

Leia mais

Terminologias e conceitos básicos em alimentação e Nutrição. Profª Patrícia Ceolin

Terminologias e conceitos básicos em alimentação e Nutrição. Profª Patrícia Ceolin Terminologias e conceitos básicos em alimentação e Nutrição. Profª Patrícia Ceolin NUTRIÇÃO??? A nutrição é a ciência que estuda a composição dos alimentos e as necessidades nutricionais do indivíduo,

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE CRIADOS POR ACADÊMICOS DO CURSO DE ZOOTECNIA DURANTE O 1º SEMESTRE LETIVO DE 2004

RELATÓRIO SOBRE DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE CRIADOS POR ACADÊMICOS DO CURSO DE ZOOTECNIA DURANTE O 1º SEMESTRE LETIVO DE 2004 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS - CCR DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA DZ LABORATÓRIO DE AVICULTURA - LAVIC DISCIPLINA DE AVICULTURA RELATÓRIO SOBRE DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE

Leia mais

Suplemento: Desempenho e Nutrição para frangos de corte

Suplemento: Desempenho e Nutrição para frangos de corte Suplemento: Desempenho e Nutrição para Frangos de Corte frangos de corte cobb-vantress.com Introdução Este suplemento apresenta metas de desempenho e rendimento para os seus frangos de corte Cobb500, juntamente

Leia mais

Producote Feed O que é? Como devo fornecer o Producote Feed? Producote Feed Por que utilizar Ureia (NNP) na dieta?

Producote Feed O que é? Como devo fornecer o Producote Feed? Producote Feed Por que utilizar Ureia (NNP) na dieta? Producote Feed O que é? Producote Feed é um aditivo nutricional de liberação controlada, indicado para a suplementação proteica segura de ruminantes, com alta concentração de nitrogênio não proteico de

Leia mais

Dicas de Manejo. Medicação via água de bebida CONSUMO DE ÁGUA

Dicas de Manejo. Medicação via água de bebida CONSUMO DE ÁGUA Medicação via água de bebida A administração de medicamentos para suínos criados sob o sistema de produção intensiva deve ser feita criteriosamente de acordo com as recomendações de uso dos produtos, levando

Leia mais

1 - MANEJO ALIMENTAR DE FRANGOS DE CORTE

1 - MANEJO ALIMENTAR DE FRANGOS DE CORTE 1 - MANEJO ALIMENTAR DE FRANGOS DE CORTE 1.1 Fase Inicial ( 1 a 21 ou 28 dias) Nos primeiros 21 dias de vida, os pintinhos não apresentam sistema termo-regulador ativo, ou seja, não produzem seu próprio

Leia mais

Probiótico. Identificação. Descrição / especificação técnica: Pó creme a marrom claro, contendo no mínimo 10 bilhões de UFC/g.

Probiótico. Identificação. Descrição / especificação técnica: Pó creme a marrom claro, contendo no mínimo 10 bilhões de UFC/g. Material Técnico Probióticos Identificação Fórmula Molecular: Não aplicável DCB / DCI: Não aplicável INCI: Não aplicável Peso molecular: Não aplicável CAS: Não aplicável Denominação botânica: Não aplicável

Leia mais

NUTRIENTES. Profª Marília Varela Aula 2

NUTRIENTES. Profª Marília Varela Aula 2 NUTRIENTES Profª Marília Varela Aula 2 NUTRIENTES NUTRIENTES SÃO SUBSTÂNCIAS QUE ESTÃO INSERIDAS NOS ALIMENTOS E POSSUEM FUNÇÕES VARIADAS NO ORGANISMO. PODEM SER ENCONTRADOS EM DIFERENTES ALIMENTOS, POR

Leia mais

BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 20 SISTEMA DIGESTÓRIO

BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 20 SISTEMA DIGESTÓRIO BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 20 SISTEMA DIGESTÓRIO Relação Superfície x Volume Taxa metabólica rato coelho homem vaca elefante Peso corporal Na esponja, a digestão é intracelular e ocorre em vacúolos digestivos

Leia mais

RESÍDUOS DE PRODUTOS VETERINÁRIOS E SEU CONTROLE PROGRAMA ELABORADO POR

RESÍDUOS DE PRODUTOS VETERINÁRIOS E SEU CONTROLE PROGRAMA ELABORADO POR RESÍDUOS DE PRODUTOS VETERINÁRIOS E SEU CONTROLE PROGRAMA ELABORADO POR O QUE SÃO RESÍDUOS QUÍMICOS? São vestígios de substâncias que podem ser encontrados nos alimentos de origem animal (carne, leite

Leia mais

TERAPIA NUTRICIONAL NA CIRURGIA E NO TRAUMA. Neily Rodrigues Romero Ma. em Ciências Fisiológicas Nutricionista do IJF

TERAPIA NUTRICIONAL NA CIRURGIA E NO TRAUMA. Neily Rodrigues Romero Ma. em Ciências Fisiológicas Nutricionista do IJF TERAPIA NUTRICIONAL NA CIRURGIA E NO TRAUMA Neily Rodrigues Romero Ma. em Ciências Fisiológicas Nutricionista do IJF TRAUMA Definição: Problema de saúde pública Principais causas: acidentes e violência

Leia mais

Melhoradores de Desempenho Seu gado absorve melhor o alimento. Você converte mais lucro.

Melhoradores de Desempenho Seu gado absorve melhor o alimento. Você converte mais lucro. Melhoradores de Desempenho Seu gado absorve melhor o alimento. Você converte mais lucro. Chr. Hansen e Ourofino A produtividade ganha uma parceria de referência. Em época onde a tecnologia é disponível

Leia mais

Proteínas catalisadoras que AUMENTAM a VELOCIDADE das reações, sem sofrerem alterações no processo global.

Proteínas catalisadoras que AUMENTAM a VELOCIDADE das reações, sem sofrerem alterações no processo global. ENZIMAS Proteínas catalisadoras que AUMENTAM a VELOCIDADE das reações, sem sofrerem alterações no processo global. Toda enzima é uma proteína, mas nem toda proteína é uma enzima! CARACTERÍSTICAS GERAIS:

Leia mais

Colégio Nomelini Anglo Barretos - Ensino Fundamental II. CIÊNCIAS PROFª Íris. LISTA EXTRA Recuperação 2 Bimestre Aluno: Série:7º Ano Nº

Colégio Nomelini Anglo Barretos - Ensino Fundamental II. CIÊNCIAS PROFª Íris. LISTA EXTRA Recuperação 2 Bimestre Aluno: Série:7º Ano Nº LISTA EXTRA Recuperação 2 Bimestre Aluno: Série:7º Ano Nº Disciplina : Ciências Professora : Íris Data : 01/08/2011 1. Observe a filogenia abaixo: a) As 3 espécies possuem um ancestral comum? b) Entre

Leia mais

BENEFÍCIOS DO KEFIR DE LEITE

BENEFÍCIOS DO KEFIR DE LEITE BENEFÍCIOS DO KEFIR DE LEITE Ele é rico em nutrientes e probióticos, é extremamente benéfico para a digestão e saúde do intestino, e muitas pessoas consideram ser uma versão mais poderosa do iogurte: 1.

Leia mais

Óleos Vegetais e seus benefícios

Óleos Vegetais e seus benefícios Óleos Vegetais e seus benefícios Izabela Alves Gomes Nutricionista UERJ Mestranda em Alimentos e Nutrição - UNIRIO 1 Definição São os produtos constituídos principalmente de glicerídeos de ácidos graxos

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre SPC. Índice 1 - PROCESSO DE FABRICAÇÃO 2 - COMO AVALIAR A QUALIDADE DA PROTEÍNA DO SPC?

Perguntas Frequentes sobre SPC. Índice 1 - PROCESSO DE FABRICAÇÃO 2 - COMO AVALIAR A QUALIDADE DA PROTEÍNA DO SPC? Índice 1 - PROCESSO DE FABRICAÇÃO 2 - COMO AVALIAR A QUALIDADE DA PROTEÍNA DO SPC? A - SOLUBILIDADE EM HIDRÓXIDO DE POTÁSSIO - KOH B - ÍNDICE DE DISPERSIBILIDADE DA PROTEINA - PDI C - FATORES ANTI-NUTRICIONAIS

Leia mais

PRODUÇÃO DE FRANGOS DE CORTE

PRODUÇÃO DE FRANGOS DE CORTE PRODUÇÃO DE FRANGOS DE CORTE PRODUÇÃO DE 1. Características das aves para corte 2. Metas do Desempenho 3. Linhagens 4. Tipos de frangos de acordo com o mercado 5. Resultados obtidos a campo (Empresa) Profa.

Leia mais

SUPLEMENTOS ALIMENTARES: STATUS DA REGULAMENTAÇÃO NO BRASIL E PERSPECTIVAS FUTURAS

SUPLEMENTOS ALIMENTARES: STATUS DA REGULAMENTAÇÃO NO BRASIL E PERSPECTIVAS FUTURAS SUPLEMENTOS ALIMENTARES: STATUS DA REGULAMENTAÇÃO NO BRASIL E PERSPECTIVAS FUTURAS Simpósio Latino Americano sobre Fortificação de Alimentos e Suplementos Stefani Faro de Novaes Especialista em Regulação

Leia mais

Conceitos Gerais Relação Parasita Hospedeiro. Prof. Cor

Conceitos Gerais Relação Parasita Hospedeiro. Prof. Cor Parasitologia Humana Conceitos Gerais Relação Parasita Hospedeiro Prof. Cor Divisão da Parasitologia MICROBIOLOGIA: bactéria, fungos e vírus PARASITOLOGIA: protozoários, helmintos e artrópodes Microbiota

Leia mais

TRABALHO DE BIOLOGIA A Química da Vida

TRABALHO DE BIOLOGIA A Química da Vida TRABALHO DE BIOLOGIA A Química da Vida Nomes: Leonardo e Samuel Turma: 103 Para iniciar o estudo das células (citologia) devemos primeiramente ter uma noção das estruturas básicas da célula ou as estruturas

Leia mais

Mesa Redonda: Os desafios da produção comercial de flores e plantas ornamentais

Mesa Redonda: Os desafios da produção comercial de flores e plantas ornamentais Mesa Redonda: Os desafios da produção comercial de flores e plantas ornamentais Eng. Agrônoma Ana Paula Sá Leitão IBRAFLOR / Flortec Holambra SP Mesa Redonda: Os desafios da produção comercial de flores

Leia mais

COMPOSIÇÃO BROMATOLÓGICA E DIGESTIBILIDADE IN VITRO

COMPOSIÇÃO BROMATOLÓGICA E DIGESTIBILIDADE IN VITRO COMPOSIÇÃO BROMATOLÓGICA E DIGESTIBILIDADE IN VITRO DA MATÉRIA SECA DE SILAGENS DE CAPIM-ELEFANTE (PENNISETUM PURPUREUM SCHUM.) PRODUZIDAS COM FARELO DE BATATA DIVERSA Ronaldo Francisco de Lima (1), Adauto

Leia mais

Hábitos Alimentares Saudáveis

Hábitos Alimentares Saudáveis ESCOLA PROMOTORA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL: EXPERIÊNCIAS E PRÁTICAS Msc. Patrícia Martins Fernandez Colaboradora técnica do Projeto A Escola Promovendo Colaboradora técnica do Projeto A Escola Promovendo

Leia mais

NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO. Recria - Gestação Lactação. Cachaço 08/06/2014. Levar em consideração: Exigências nutricionais de fêmeas suínas

NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO. Recria - Gestação Lactação. Cachaço 08/06/2014. Levar em consideração: Exigências nutricionais de fêmeas suínas NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO Recria - Gestação Lactação Cachaço Msc. Daniela Junqueira Rodrigues Exigências nutricionais de fêmeas suínas 1. Linhagem 2. Estágio de desenvolvimento do animal 3. Consumo de ração

Leia mais

SOPA PROTEICA DE ERVILHAS

SOPA PROTEICA DE ERVILHAS Informações Técnicas SOPA PROTEICA DE ERVILHAS Uma opção proteica metabolizada para seu póstreino SINÔNIMOS: Proteína de ervilha A sopa de ervilha trata-se de uma opção proteica com 22g de proteína na

Leia mais

Nutrição, digestão e sistema digestório. Profª Janaina Q. B. Matsuo

Nutrição, digestão e sistema digestório. Profª Janaina Q. B. Matsuo Nutrição, digestão e sistema digestório Profª Janaina Q. B. Matsuo 1 2 3 4 Nutrição Nutrição: conjunto de processos que vão desde a ingestão do alimento até a sua assimilação pelas células. Animais: nutrição

Leia mais

CARNE AVÍCOLA NOVEMBRO DE 2016

CARNE AVÍCOLA NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE AVÍCOLA NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 3º EM Biologia A Marli Av. Trimestral 16/09/15 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2. Esta prova

Leia mais

Importância Reprodutiva em Gado de Leiteiro

Importância Reprodutiva em Gado de Leiteiro Importância Reprodutiva em Gado de Leiteiro Prof. Me.: Whelerson Luiz Vitro vitro@fea.br Disciplina de Bovinocultura FEA Andradina 2015 Introdução O desempenho adequado de qualquer sistema de produção

Leia mais

Eco new farmers. Módulo 1 - Introdução á agricultura biológica. Sessão 2 Princípios da agricultura biológica

Eco new farmers. Módulo 1 - Introdução á agricultura biológica. Sessão 2 Princípios da agricultura biológica Eco new farmers Módulo 1 - Introdução á agricultura biológica Sessão 2 Princípios da agricultura biológica Módulo 1 Introdução à agricultura biológica Sessão 2 Princípios da agricultura biológica www.econewfarmers.eu

Leia mais

Manejo de Incubação. Eduardo Costa Fortaleza, 04 de setembro de 2013

Manejo de Incubação. Eduardo Costa Fortaleza, 04 de setembro de 2013 Manejo de Incubação Eduardo Costa Fortaleza, 04 de setembro de 2013 Frango de corte aos 42 dias de idade 1990 2000 2010 2020 Peso (g) 1.588 2.041 2.495 2.948 Conversão alimentar 2,22 2,02 1,82 1,62 Gordura

Leia mais

Garantia de Origem- Brasil

Garantia de Origem- Brasil Garantia de Origem- Brasil Grupo Carrefour 2º maior varejista do mundo Maior varejista na Europa + de 10.000 lojas Presente em 30 países + de 364.900 funcionários + de 25 milhões de clientes 1º varejista

Leia mais

Dieta refere-se aos hábitos alimentares individuais. Cada pessoa tem uma dieta específica. Cada cultura costuma caracterizar-se por dietas

Dieta refere-se aos hábitos alimentares individuais. Cada pessoa tem uma dieta específica. Cada cultura costuma caracterizar-se por dietas Dieta Dieta refere-se aos hábitos alimentares individuais. Cada pessoa tem uma dieta específica. Cada cultura costuma caracterizar-se por dietas particulares. Contudo, popularmente, o emprego da palavra

Leia mais

Doença de Crohn. Grupo: Bruno Melo Eduarda Melo Jéssica Roberta Juliana Jordão Luan França Luiz Bonner Pedro Henrique

Doença de Crohn. Grupo: Bruno Melo Eduarda Melo Jéssica Roberta Juliana Jordão Luan França Luiz Bonner Pedro Henrique Doença de Crohn Grupo: Bruno Melo Eduarda Melo Jéssica Roberta Juliana Jordão Luan França Luiz Bonner Pedro Henrique A doença de Crohn (DC) é considerada doença inflamatória intestinal (DII) sem etiopatogenia

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RESTAURAÇÃO VERTENTE RESTAURANTE - BAR

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RESTAURAÇÃO VERTENTE RESTAURANTE - BAR CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RESTAURAÇÃO VERTENTE RESTAURANTE - BAR Planificação anual de Tecnologia Alimentar 10.ºano 01/013 Turma: 10.º N Professora: Madalena Tavares - Estrutura e Finalidades da

Leia mais

Nutrição Aplicada à Educação Física. Cálculo da Dieta e Recomendações dietéticas. Ismael F. Freitas Júnior Malena Ricci

Nutrição Aplicada à Educação Física. Cálculo da Dieta e Recomendações dietéticas. Ismael F. Freitas Júnior Malena Ricci Nutrição Aplicada à Educação Física Cálculo da Dieta e Recomendações dietéticas Ismael F. Freitas Júnior Malena Ricci ARROZ 100 gramas CÁLCULO DE DIETA CH 25,1 PT 2,0 Lip 1,2 Consumo 300 gramas 100 gr

Leia mais

Instituição de origem: Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho PERIODO DE REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE TREINAMENTO

Instituição de origem: Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho PERIODO DE REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE TREINAMENTO Acadêmico (a): Estevão Moretti Mazetti E-mail: estevinhomazetti9@hotmail.com,,' Telefone: (14)98211-7506 Curso que se encontra matriculado: Zootecnia Instituição de origem: Universidade Estadual Paulista

Leia mais

NÃO SE TRATA APENAS DE UMA INGESTÃO DE FLUIDOS

NÃO SE TRATA APENAS DE UMA INGESTÃO DE FLUIDOS REIDRATAÇÃO DE VITELOS NÃO SE TRATA APENAS DE UMA INGESTÃO DE FLUIDOS A nova solução para diarreias em vitelos Compatível com o leite Boa palatibilidade Correção da acidose, desidratação e hipoglicémia

Leia mais

Probióticos e Prebióticos Uma Nova Ferramenta a Serviço da Produção Animal

Probióticos e Prebióticos Uma Nova Ferramenta a Serviço da Produção Animal Probióticos e Prebióticos Uma Nova Ferramenta a Serviço da Produção Animal Probiotics and Prebiotics A New Tool at the Service of Animal Production Por/Text Alfredo Navarro de Andrade MSc, PhD (Purdue

Leia mais

ÍNDICE APRESENTAÇÃO...02 Pimenta vermelha...03 Pimenta do reino...04 Canela...05 Alho...06 Cravo da índia...07 Cardomomo...08 Coentro...

ÍNDICE APRESENTAÇÃO...02 Pimenta vermelha...03 Pimenta do reino...04 Canela...05 Alho...06 Cravo da índia...07 Cardomomo...08 Coentro... ÍNDICE APRESENTAÇÃO...02 Pimenta vermelha...03 Pimenta do reino...04 Canela...05 Alho...06 Cravo da índia...07 Cardomomo...08 Coentro...09 Azeite...10 Mostarda...11 Salsa...12 Açafrão...13 Orégano...14

Leia mais

OMELETE DE CLARAS. Uma opção proteica metabolizada para seu póstreino. Informações Técnicas. SINÔNIMOS: Albumina

OMELETE DE CLARAS. Uma opção proteica metabolizada para seu póstreino. Informações Técnicas. SINÔNIMOS: Albumina Informações Técnicas OMELETE DE CLARAS Uma opção proteica metabolizada para seu póstreino SINÔNIMOS: Albumina O omelete trata-se de uma opção proteica com 22g de proteína na porção. Uma excelente alternativa

Leia mais

Multi Star Adulto 15kg e 5kg

Multi Star Adulto 15kg e 5kg Multi Star Adulto 15kg e 5kg Proteína Bruta Extrato Etéreo (Mín.) 21% (Mín.) 8% Matéria Mineral Matéria Fibrosa (Máx.) 8% (Máx.) 4% Cálcio (Máx.) 1,8% Fósforo (Mín.) 0,8% Carne de Frango e Arroz Extrato

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DOS SERES VIVOS

CARACTERÍSTICAS DOS SERES VIVOS CARACTERÍSTICAS DOS SERES VIVOS Composição química muito complexa; Organização celular; Capacidade de nutrição; Reação a estímulos do ambiente; Capacidade de manter o seu meio interno em condições adequadas,

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS

IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS ALEXANDRE DA SILVA SECHINATO Médico veterinário Pesquisador Tortuga Cia Zootecnica Agrária INTRODUÇÃO Ovo é um excelente alimento Alimento completo

Leia mais

31. Com relação aos principais componentes orgânicos celulares, assinale a afirmativa INCORRETA.

31. Com relação aos principais componentes orgânicos celulares, assinale a afirmativa INCORRETA. PASES 1 a ETAPA TRIÊNIO 2004-2006 1 o DIA GABARITO 1 19 BIOLOGIA QUESTÕES DE 31 A 40 31. Com relação aos principais componentes orgânicos celulares, assinale a afirmativa INCORRETA. a) Proteínas, quando

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA GLICÓLISE Dra. Flávia Cristina Goulart CIÊNCIAS FISIOLÓGICAS UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Campus de Marília flaviagoulart@marilia.unesp.br Glicose e glicólise Via Ebden-Meyerhof ou Glicólise A glicólise,

Leia mais

NUTRIÇÃO. Problemas nutricionais associados à pobreza: Desnutrição /Hipovitaminose / Bócio

NUTRIÇÃO. Problemas nutricionais associados à pobreza: Desnutrição /Hipovitaminose / Bócio NUTRIÇÃO NUTRIÇÃO Problemas nutricionais associados à pobreza: Desnutrição /Hipovitaminose / Bócio Problemas nutricionais associados à hábitos alimentares inadequados: Dislipdemias / Anemia / Obesidade

Leia mais

ADITIVOS ALIMENTARES COMO ALTERNATIVA AOS ANTIBIÓTICOS PROMOTORES DE CRESCIMENTO EM DIETAS PARA FRANGOS DE CORTE

ADITIVOS ALIMENTARES COMO ALTERNATIVA AOS ANTIBIÓTICOS PROMOTORES DE CRESCIMENTO EM DIETAS PARA FRANGOS DE CORTE ADITIVOS ALIMENTARES COMO ALTERNATIVA AOS ANTIBIÓTICOS PROMOTORES DE CRESCIMENTO EM DIETAS PARA FRANGOS DE CORTE Gisele Mendanha Nascimento1, Angélica Ribeiro Araújo Leonídio 1, Samantha Verdi Figueira

Leia mais

Proteínas e enzimas. Profs. Lourdes, Guilherme e Lauren

Proteínas e enzimas. Profs. Lourdes, Guilherme e Lauren Proteínas e enzimas Profs. Lourdes, Guilherme e Lauren Definição As proteínas são polipeptídios que resultam na condensação de milhares de moléculas de aminoácidos, ligadas em sequencia como elos em uma

Leia mais

Simulado Plus 1. PAULINO, W. R. Biologia Atual. São Paulo: Ática, (SOARES, J.L. Biologia - Volume 3. São Paulo. Ed. Scipione, 2003.

Simulado Plus 1. PAULINO, W. R. Biologia Atual. São Paulo: Ática, (SOARES, J.L. Biologia - Volume 3. São Paulo. Ed. Scipione, 2003. 1. (G1 - cftsc 2008) O conhecimento das cadeias e teias alimentares é fundamental para entendermos o delicado equilíbrio que existe na natureza. Esse conhecimento nos permite propor medidas racionais de

Leia mais

USO RACIONAL DOS ANTIBIÓTICOS. Prof. Dra. Susana Moreno

USO RACIONAL DOS ANTIBIÓTICOS. Prof. Dra. Susana Moreno USO RACIONAL DOS ANTIBIÓTICOS Prof. Dra. Susana Moreno 1 Antibióticos Uma das mais importantes descobertas da medicina moderna Salva milhões de vidas ANTIBIÓTICOS BETA-LACTÂMICOS 3 Antibióticos Beta Lactâmicos

Leia mais

1. o ANO ENSINO MÉDIO PROF.ª SABRINA ARAÚJO PROF.ª SARAH SANTOS

1. o ANO ENSINO MÉDIO PROF.ª SABRINA ARAÚJO PROF.ª SARAH SANTOS 1. o ANO ENSINO MÉDIO PROF.ª SABRINA ARAÚJO PROF.ª SARAH SANTOS Unidade III Metabolismo Energético. 2 Aula 9.1 Conteúdo Glicólise. 3 Habilidade Compreender que os seres vivos possuem mecanismos de obtenção

Leia mais

CIÊNCIAS FÍSICAS E BIOLÓGICAS FUNDAMENTAL NII ATIVIDADE DE ESTUDO Cadeia a Teia alimentar 7ºANO

CIÊNCIAS FÍSICAS E BIOLÓGICAS FUNDAMENTAL NII ATIVIDADE DE ESTUDO Cadeia a Teia alimentar 7ºANO CIÊNCIAS FÍSICAS E BIOLÓGICAS FUNDAMENTAL NII ATIVIDADE DE ESTUDO Cadeia a Teia alimentar 7ºANO 1. Leia o texto e observe o esquema abaixo com MUITA ATENÇÃO. Utilizando as informações do esquema, construa

Leia mais

NERVITON MEGA Ômega Vitaminas + 8 Minerais

NERVITON MEGA Ômega Vitaminas + 8 Minerais M.S. 6.6969.0023.001-6 NERVITON MEGA Ômega 3 + 13 Vitaminas + 8 Minerais NERVITON MEGA é um produto inovador no Brasil, pois possui em sua fórmula o óleo de peixe ( ÔMEGA 3 ) e diversas vitaminas e minerais

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Aquicultura LABNUTRI Nutrição de Espécies Aquícolas UFSC

Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Aquicultura LABNUTRI Nutrição de Espécies Aquícolas  UFSC Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Aquicultura LABNUTRI Nutrição de Espécies Aquícolas www.aqi.ufsc.br UFSC Tópicos a serem abordados Necessidade do conhecimento das exigências nutricionais

Leia mais

Pareceres dos Projetos de Biologia Molecular

Pareceres dos Projetos de Biologia Molecular Pareceres dos Projetos de Biologia Molecular Grupo 1: A técnica pro-drug combinando o adhsvtk e a droga gcv como uma estratégia de terapia gênica Através das técnicas Pro-Drug e Suicide Gene therapy, o

Leia mais

Matéria: Biologia Assunto: Respiração celular Prof. Enrico blota

Matéria: Biologia Assunto: Respiração celular Prof. Enrico blota Matéria: Biologia Assunto: Respiração celular Prof. Enrico blota Biologia 1. Moléculas, células e tecidos - Fotossíntese e respiração - Respiração celular Fermentação Organismos que só vivem na presença

Leia mais

CONFINAMENTO. Tecnologias, Núcleos e Fator P.

CONFINAMENTO. Tecnologias, Núcleos e Fator P. CONFINAMENTO Tecnologias, Núcleos e Fator P. NUTRINDO OS CICLOS DA VIDA Se tivéssemos que escolher uma palavra para definir o que há de fundamental a todas as espécies vivas sobre aterra, qual seria? Abrigo,

Leia mais

CRESCIMENTO MICROBIANO -mais detalhes- Prof. IVAnéa

CRESCIMENTO MICROBIANO -mais detalhes- Prof. IVAnéa CRESCIMENTO MICROBIANO -mais detalhes- Prof. IVAnéa Crescimento Microbiano CRESCIMENTO MICROBIANO: Em microbiologia, o termo crescimento refere-se a um aumento do número de células e não ao aumento das

Leia mais

Curso Técnico em Análises Químicas Disciplina: Microbiologia. Aula 2 Classificação biológica dos seres vivos

Curso Técnico em Análises Químicas Disciplina: Microbiologia. Aula 2 Classificação biológica dos seres vivos Curso Técnico em Análises Químicas Disciplina: Microbiologia Aula 2 Classificação biológica dos seres vivos Classificação biológica dos seres vivos A evolução contribuiu para o aparecimento de grande variedade

Leia mais

Sistema Digestório. Prof. MSc. Leandro Felício

Sistema Digestório. Prof. MSc. Leandro Felício Sistema Digestório Prof. MSc. Leandro Felício INTRODUÇÃO Alimentos - fonte de matéria e energia Organismos autótrofos - produzem o próprio alimento (ex: bactérias, cianobactérias, algas e plantas). Organismos

Leia mais

OS PROBIÓTICOS. Luís Pires, Ovar - C.N. nº. 736-B Presidente do Clube Ornitológico Português

OS PROBIÓTICOS. Luís Pires, Ovar - C.N. nº. 736-B Presidente do Clube Ornitológico Português OS PROBIÓTICOS Luís Pires, Ovar - C.N. nº. 736-B Presidente do Clube Ornitológico Português Quando em muitas e agradáveis conversas com ornitófilos amigos, ao longo dos dois últimos anos, estes de uma

Leia mais

Oficina de Políticas Públicas para o Bem-estar de Animais de Produção. Boas Práticas na Avicultura

Oficina de Políticas Públicas para o Bem-estar de Animais de Produção. Boas Práticas na Avicultura Oficina de Políticas Públicas para o Bem-estar de Animais de Produção Boas Práticas na Avicultura Ana Paula de Oliveira Souza M.V., Esp., MSc. Laboratório de Bem-estar Animal Universidade Federal do Paraná

Leia mais

Biodiesel: Panorama e perspectivas. 23 de Abril 2014 Cuiabá - MT

Biodiesel: Panorama e perspectivas. 23 de Abril 2014 Cuiabá - MT Biodiesel: Panorama e perspectivas 23 de Abril 2014 Cuiabá - MT 1 Sumário Tecnologias de produção; A biomassa na matriz energética; Capacidade agrícola brasileira; Histórico do PNPB; Mercado; Novo marco

Leia mais

Edson Vidal Prof. Manejo de Florestas Tropicais ESALQ/USP

Edson Vidal Prof. Manejo de Florestas Tropicais ESALQ/USP Edson Vidal Prof. Manejo de Florestas Tropicais ESALQ/USP PRINCIPAIS ECOSSISTEMAS CAATINGA 844 Mil Km 2 (9,9%) Território Brasileiro = 9,9% Nordeste = 55,6% Cobertura Atual 30% Fonte: IBAMA 2002 Elaboração:

Leia mais

TIS. Papel do Azoto e dos micro organismos na Agricultura

TIS. Papel do Azoto e dos micro organismos na Agricultura Papel do Azoto e dos micro organismos na Agricultura 1 O Azoto O azoto ou nitrogénio, de símbolo químico N, encontramo-lo no estado gasoso e constitui cerca de 78 % do ar da atmosfera terrestre. É um gás

Leia mais