CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA"

Transcrição

1 CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE LINS PROF. ANTONIO SEABRA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM BANCO DE DADOS DIEGO RAFAEL PERIN HONORIO ELCIO MANOEL DE SOUZA JUNIOR DESENVOLVIMENTO DE UM PROTÓTIPO DE DISCO VIRTUAL LINS/SP 1º SEMESTRE/2012

2 CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE LINS PROF. ANTONIO SEABRA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM BANCO DE DADOS DIEGO RAFAEL PERIN HONORIO ELCIO MANOEL DE SOUZA JUNIOR DESENVOLVIMENTO DE UM PROTÓTIPO DE DISCO VIRTUAL Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Faculdade de Tecnologia de Lins para obtenção do Título de Tecnólogo em Banco de Dados. Orientador: Prof. Me. Anderson Pazin LINS/SP 1º SEMESTRE/2012

3 DEDICATÓRIA (Diego) A minha mãe Cintia Raquel Perin e ao meu padrastro Marcos Rogério Bruno por sempre acreditarem em minha capacidade. A todos que passaram pela minha vida e me forneceram experiência e principalmente aos meus amigos, Elcio Manoel De Souza Junior e Antonio Perini Neto, por sempre estarem presentes.

4 DEDICATÓRIA (Elcio) A minha mãe Vânia Heloisa de Mello e a minha avó Aurelina Santanna de Mello pelo incentivo e por investirem em mim de maneira incondicional. Ao meu pai Elcio Manoel de Souza e irmão Eric Samuel Mello de Souza por me apoiarem.

5 AGRADECIMENTO Nesta oportunidade em que é alcançada uma meta importante em nossas vidas profissionais, queremos expressar os nossos sinceros agradecimentos ao Professor Me. Anderson Pazin e Professor e Me. Mário Henrique de Souza Pardo pelo apoio e ajuda tão necessária ao desenvolvimento e realização desse trabalho. Queremos agradecer também ao Professor Me. Julio Fernando Lieira pelas oportunidades e desafios que nos engrandeceram ao longo do período escolar na faculdade e ao saudoso Professor Ygor Gonzaga de Oliveira pela amizade que nos fortaleceu para chegarmos até aqui. Aos nossos amigos professores que muito nos incentivaram.

6 O único homem que nunca comete erros é aquele que nunca faz coisa alguma. Não tenha medo de errar, pois você aprenderá a não cometer duas vezes o mesmo erro. Theodore Roosevelt

7 Suba o primeiro degrau com fé. Não é necessário que você veja toda a escada. Apenas dê o primeiro passo. Martin Luther King

8 RESUMO O presente trabalho inicia-se com considerações sobre a evolução da Internet nos últimos tempos, fato que viabilizou a expansão da computação em nuvem (Cloud Computing). Entre os vários serviços de Cloud Computing está o disco virtual ou Cloud Storage, serviço cuja premissa é o armazenamento de arquivos na nuvem. O objetivo deste trabalho é focar no desenvolvimento de um protótipo de disco virtual para Faculdade de Tecnologia de Lins (FATEC), simulando um serviço de Cloud Storage. Tal desenvolvimento justifica-se no fato de que a implementação de um sistema próprio de disco virtual contribuiria para um possível aumento de desempenho escolar dos discentes da Fatec de Lins. Para fundamentar o conhecimento sobre esse tipo de serviço, realizou-se uma pesquisa de serviços similares existentes, a fim de verificar funcionalidades e compará-las para implantação no protótipo das que forem consideradas mais relevantes. Portanto, o protótipo possui as funcionalidades mais interessantes, de acordo com os requisitos necessários e coletados durante esse estudo. Os requisitos estão registrados no trabalho, assim como os diagramas, constituindo a parte documental do protótipo. O protótipo pronto é ilustrado e abordado ao final do trabalho, expondo as funcionalidades desenvolvidas. Por fim, são descritas as conclusões que ilustram as dificuldades de desenvolver um serviço web completo, e também, apresentam possíveis ampliações, atualizações e idéias para fazer do protótipo criado, um sistema completo. Isso tornaria viável a implantação e, consequentemente, o uso do disco virtual em um ambiente real. Palavras-chave: Disco virtual e Protótipo.

9 ABSTRACT This work begins with considerations about the evolution of the Internet in recent times, a fact that enabled the expansion of the Cloud Computing. Among the various cloud computing services is the Virtual Disk or Cloud Storage service, whose premise is the storage of files in the cloud. The objective of this study is to focus on developing a prototype for Virtual Disk Lins College of Technology (FATEC), simulating a Cloud Storage service. This development is justified by the fact that the implementation of a proper system of Virtual Disk can contribute to an increase in academic performance of students Fatec Lins. In support of knowledge about this type of service, there was a survey of similar existing services in order to check features and compare them to implement the prototype of which are considered most relevant. Therefore, the prototype has the most interesting features according to the requirements and collected during the trial. The requirements are stated in the workplace, as well as diagrams, documents forming part of the prototype. The prototype is ready illustrated and discussed at the end of work, showing the features developed. Finally, the conclusions are described that illustrate the difficulties of developing a complete web service and also have possible enhancements, updates and ideas to create the prototype, a complete system. That would make feasible the implementation and therefore the use of Virtual Disk in a real environment. Keywords: Virtual Disk and prototype..

10 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura Usuários de Internet no Brasil Figura 1.2 Ativações de novas conexões Figura Serviços de Cloud Storage Figura 1.4- Classe Java Figura Classe/Entidade Java Figura Exemplo de um Persistence.xml Figura Site com certificado SSL Figura Site sem certificado SSL Figura Conexão SSL Figura Modelo de Camadas com o SSL/TLS Figura Disco Virtual UOL Figura Backup UOL Figura Planos Backup UOL Figura Disco Virtual Terra Figura SkyDrive Figura DropBox Figura Arquivamento DropBox Figura Planos Ubuntu One Figura Aplicativo de Sincronização Ubuntu One Figura Aplicativo de Sincronização Mozy (Backup) Figura Backup Agendado ou Automático Mozy Figura Planos de serviço MozyHome Figura 3.1 Diagrama de Caso de Uso Figura Diagrama de Classe Figura 3.3 Mapeamento para Modelo Relacional... 52

11 Figura Diagrama de Atividades - Efetuar Logon Figura MVC - Efetuar Logon Figura Diagrama de Sequência - Efetuar Logon (Administrador) Figura Diagrama de Sequência - Efetuar Logon (Usuário) Figura Diagrama de Atividades - Cadastrar Usuário Figura MVC - Cadastrar Usuário Figura Diagrama de Sequência - Cadastrar Usuário (Administrador) Figura Diagrama de Atividades - Excluir Usuário Figura MVC - Excluir Usuário Figura Diagrama de Sequência - Excluir Usuário Figura Diagrama de Atividades - Listar Usuários Figura MVC - Listar Usuários Figura Diagrama de Sequência - Listar Usuários Figura Diagrama de Atividades - Ativa Usuário(s) Figura MVC - Ativar Usuário Figura Diagrama de Sequência - Listar Usuários (Inativos) Figura Diagrama de Atividades - Desativar Usuário(s) Figura MVC - Desativar Usuário Figura Diagrama de Sequência - Listar Usuários (Ativos) Figura Diagramas de Atividades - Upload Figura MVC - Upload Figura Diagrama de Sequência - Upload Figura Diagramas de Atividades - Listar Arquivos Figura MVC - Listar Arquivos Figura Diagrama de Sequência - Listar Arquivos Figura Diagramas de Atividades - Download Figura MVC - Download... 67

12 Figura Diagrama de Sequência - Download Figura Diagramas de Atividades - Excluir Arquivo Figura MVC - Excluir Arquivo Figura Diagrama de Sequência - Excluir Arquivo Figura Diagramas de Atividades - Cadastrar Curso Figura MVC - Cadastrar Curso Figura Diagrama de Sequência - Cadastrar Curso Figura Diagramas de Atividades - Excluir Curso Figura MVC - Excluir Cursos Figura 3.40 Diagrama de Atividades Excluir Curso Figura Diagramas de Atividades - Listar Curso Figura MVC - Listar Cursos Figura 3.43 Diagrama de Atividades Listar Cursos Figura Diagramas de Atividades - Alterar Senha Figura MVC - Alterar Senha Figura Diagrama de Sequência - Alterar Senha Figura Home Page do Protótipo Figura Visão Cadastro Conta Figura Home Page do Administrador Figura Visão Alterar Senha Figura Visão Cadastrar Curso Figura Visão Excluir Curso Figura Visão Excluir Conta Figura Visão Ativar Conta Figura Visão Desativar Conta Figura Visão Cadastro Conta Administrador Figura Home Page do Usuário... 87

13 Figura Visão Upload Figura Visão Download... 89

14 LISTA DE QUADROS Quadro Comparação entre as funcionalidades presentes nos Discos Virtuais verificados Quadro Resumo dos envolvidos... 47

15 LISTA DE ABREVIAÇÕES E SIGLAS AJAX - Asynchronous Javascript and XML API - Aplication Programing Interface BD - Banco de Dados EUA - Estados Unidos da America HD HardDisk HTML - HyperText Markup Language HTTP - Hyper Text Transfer Protocol HTTPS - Hyper Text Transfer Protocol Secure IaaS - Infra-estrutura como serviço IP - Internet Protocol JDBC - Java Database Connectivity JDK - Java Development Kit JEE - Java Enterprise Edition JME - Java Mobile Edition JPA - Java Persistence API JRE - Java Runtime Edition JSE - Java Standard Edition JSP - Java Server Pages JVM - Java Virtual Machine LDAP - Lightweight Directory Access Protocol MB - Mega Byte Mbps Mega bits por segundo ORM - Object Relational Mapping SDK - Standard Development Kit SO - Sistema Operacional SQL - Structed Query Language SSL - Secure Socket Layer TB - Tera Byte TCP - Transmission Control Protocol TI Tecnologia da Informação TLS - Transport Layer Security

16 W3O - World Wide Web Organization

17 SUMÁRIO 1 CONCEITO DE DISCO VIRTUAL E TECNOLOGIAS ENVOLVIDAS NO SEU DESENVOLVIMENTO CLOUD STORAGE DISCO VIRTUAL TECNOLOGIAS Java Servlet Servlet container JSP Jquery JPA HTTPS ANÁLISE DE MERCADO DISCO VIRTUAL UOL BACKUP UOL DISCO VIRTUAL TERRA SKYDRIVE DROPBOX UBUNTU ONE MOZY ANÁLISE E PROJETO DO SISTEMA ARMAZÉM VIRTUAL INSTRUÇÃO DO PROBLEMA ANÁLISE DE MERCADO ATORES ENVOLVIDOS NO PROCESSO DESCRIÇÃO DO AMBIENTE ATUAL PERSPECTIVA DO PRODUTO (ANÁLISE DE MERCADO) PREMISSAS E DEPENDÊNCIAS CARACTERÍSTICAS Outros Requisitos do Produto ANÁLISE DE REQUISITOS FUNCIONAS... 49

18 3.9 DIAGRAMA DE CASO DE USO ESPECIFICAÇÕES DE HISTÓRIAS E DIAGRAMAS Diagrama de Classe Mapeamento para Modelo Relacional e Projeto Físico Efetuar Logon Manter Usuário Listar Usuários Ativar Usuário Desativar Usuário Upload Listar Arquivos Download Excluir Arquivo Manter Curso Listar Cursos Alterar Senha Análise de Requisitos Não Funcionais IMPLEMENTAÇÃO LAYOUTS DE TELAS Home Interface de Cadastro de Conta Home Page do Administrador Interface de Alterar Senha Interface de Cadastrar Curso Interface de Exclusão de Curso Interface de Exclusão de Conta Interface de Ativar Contas Interface de Desativar Conta Interface de Cadastro de Conta do Administrador Home Page do Usuário Interface de Upload Interface de Download CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 92

19 19 INTRODUÇÃO Segundo Borges (2011), desde o seu surgimento, a Internet vem sendo percussora de novos hábitos. À medida que sua evolução ocorre novos horizontes são explorados. Uma das possibilidades viabilizadas é a armazenagem de arquivos na nuvem (Internet). Este conceito é conhecido como Cloud Storage. O Cloud Storage abrange qualquer serviço que, entre suas funções, armazena arquivos na nuvem. Como por exemplo, o Youtube, que armazena e reproduz vídeos, ou mesmo as redes sociais que permitem armazenar fotos, vídeos e mensagens. (SHELLY; VERMAAT, 2010) Todavia, um dos tipos de Cloud Storage mais difundidos é o disco virtual (ou HD Virtual). Segundo Lima (2010), o disco virtual pode ser considerado um serviço de armazenagem em disco via Internet, com ele uma empresa ou pessoa pode armazenar todo o tipo de arquivos digitais. A arquitetura da conexão com o disco virtual difere de acordo com a maneira como é implementada, contudo, em geral conta com o cliente e o servidor. O cliente é o computador que acessa o disco virtual e o servidor é o local, ou locais, onde são armazenados os arquivos. A localização do cliente e do servidor é, absolutamente, desprezível já que a conexão e comunicação dependem exclusivamente da Internet (ou intranet). (EMC, 2009) Segundo Lima (2010), sendo um tipo de Cloud Storage, o disco virtual se encaixa no conceito de infra-estrutura como serviço (IaaS), um dos conceitos utilizados na computação em nuvem que serviu de solavanco no surgimento de empresas e novos negócios na Internet. As características do disco virtual são: (MILLER, 2008) Acessibilidade: Os arquivos podem ser acessados ou enviados de qualquer computador com acesso a Internet. Praticidade e alternativa de Backup: Os arquivos enviados para o disco virtual não tem relação com determinado computador, assim, mesmo que um disco rígido físico tenha algum problema de funcionamento, os arquivos presentes no disco virtual permanecerão intactos. Escalabilidade: O espaço disponível para armazenamento pode ser estendido.

20 20 Este trabalho tem como premissa o desenvolvimento de um protótipo de disco virtual cuja proposta é dar início a um futuro serviço (disco virtual) que será disponibilizado aos alunos da Faculdade de Tecnologia (FATEC) de Lins. O objetivo é estruturar um protótipo que, futuramente, se tornará um serviço viável se comparado aos outros existentes. Para isso, são analisadas funções de ferramentas já existentes, são desenvolvidas funcionalidades que moldam a ferramenta de acordo com a proposta de uso e por fim o ambiente desenvolvido é testado. A justificativa deste trabalho se concentra na relevância da criação de um disco virtual para FATEC de Lins desenvolvido e implantado por alunos e professores da própria faculdade, o que facilita alterações ou mesmo, possíveis manutenções. O serviço facilita o manuseio de arquivos dos alunos, por permitir o acesso mais prático a arquivos como trabalhos escolares, materiais para estudos entre outros. Todo o trabalho é subdividido em quatro capítulos, os quais formam a estrutura do projeto e explanam a metodologia utilizada. O capítulo um apresenta uma rápida contextualização do tema (disco virtual), cujo foco está na razão do serviço estar em evidência, além de seus objetivos e serviços semelhantes. Além disso, são abordadas todas as tecnologias envolvidas na confecção do protótipo. Há uma descrição de cada tecnologia, explicando qual a sua função. O segundo capitulo descreve um estudo de mercado ou análise de mercado acerca do tema proposto. Nesse momento, é detalhada a proposta de uso de vários serviços, de disco virtual, existentes. Na sequência, o terceiro apresenta os requisitos, informações e diagramas que serviram de base para o desenvolvimento do protótipo proposto. Ao final, o quarto aborda o protótipo pronto. Para exemplificar o funcionamento, cada funcionalidade é ilustrada por meio de imagens com textos explicando cada uma delas.

21 1 CONCEITO DE DISCO VIRTUAL E TECNOLOGIAS ENVOLVIDAS NO SEU DESENVOLVIMENTO 21 Desde o seu surgimento, a Internet vem sendo percussora de novos hábitos. É absolutamente evidente seu crescimento ao longo dos anos. O número de usuários que acessam Internet (banda larga) em qualquer ambiente (domicílio, lan house, trabalho, etc) também subiu. Segundo o Ibope (2011), só no Brasil mais de 73 milhões de pessoas têm acesso à rede mundial de computadores. Figura Usuários de Internet no Brasil Fonte: Personal, 09/08/2011 Desse total, segundo a TeleBrasil (2011), mais de 53 milhões correspondem a acessos domiciliares, sendo 37,6 milhões em banda larga móvel e 16,3 milhões via banda larga fixa. O ritmo de ativação de banda larga (domiciliar no Brasil) já é de mais de um novo acesso por segundo. (TELEBRASIL, 2011) ano de A figura 1.2 ilustra o ritmo mensal de ativação de novas conexões ao longo do A velocidade de conexão a Internet também alcançou números bastante altos. Segundo a Info (2011), em São Paulo é possível encontrar domicílios com planos de banda larga de 20Mbps. No mundo a margem é muito maior. (LEAL; CRUZ, 2011) Em 2010 a Coréia do Sul, país com maior velocidade média de conexão, registrava 34,14Mbps em média de velocidade. (JORDÃO, 2010)

22 22 Figura 1.2 Ativações de novas conexões Fonte: TeleBrasil, 21/11/2011 Todas essas características e evoluções viabilizaram vários novos negócios e serviços via Internet. Um desses serviços viabilizados, já há algum tempo e que continua ganhando força, é o serviço de Cloud Storage. 1.1 CLOUD STORAGE Armazenar arquivos é um dos conceitos básicos do computador. Ter um disco rígido com bastante espaço para armazenar fotos, músicas e documentos sempre foi um diferencial em um computador. Entretanto, esta ideia está mudando um pouco de foco. A armazenagem física (disco rígido) está cedendo espaço para a armazenagem virtual. Esta armazenagem virtual também é conhecida como Cloud Storage (armazenagem na nuvem). Cloud Storage se encaixa no conceito de Infra-Estrutura Como Serviço (IaaS), que ganhou bastante força com o advento de um conceito mais amplo chamado Cloud Computing (computação em nuvem). Cloud Computing é um conceito em que todos os aplicativos e arquivos são armazenados em uma nuvem, que consiste em milhares de computadores e servidores, todos interconectados e acessíveis via Internet. (MILLER, 2008) O Cloud Storage, então, é um tipo de Cloud Computing. O conceito Cloud Storage, abrange qualquer serviço que, entre suas funções, armazena arquivos na nuvem. Como por exemplo, o Youtube que armazena e

23 23 reproduz vídeos ou mesmo as redes sociais que permitem armazenar fotos, vídeos e mensagens. (SHELLY; VERMAAT, 2010) Baseado nessa idéia é possível destacar os serviços de Cloud Storage. Segundo Shelly; Vemaat (2010), alguns serviços fornecem armazenagem para tipos específicos de arquivos como fotos (flickr), vídeos (youtube) e músicas. Entretanto existe outro tipo de serviço bastante difundido cujo intuito é armazenar grandes ou pequenas quantidades de arquivos sem se preocupar com o tipo, cuja premissa é o armazenamento e às vezes, compartilhamento. Estes são conhecidos como Discos Virtuais. Figura Serviços de Cloud Storage 1.2 DISCO VIRTUAL O disco virtual segue a mesma definição de Cloud Storage, ou seja, é um serviço que armazena arquivos na nuvem. (SHELLY; VERMAAT, 2010) As características do disco virtual são (MILLER, 2008): Acessibilidade: Os arquivos podem ser acessados ou enviados de qualquer computador com acesso a Internet. Praticidade e alternativa de Backup: Os arquivos enviados para o disco virtual não tem relação com determinado computador, assim, mesmo que um disco rígido físico tenha algum problema de funcionamento, os arquivos presentes no disco virtual permanecerão intactos.

24 24 Escalabilidade: O espaço disponível para armazenamento pode ser estendido. Portanto, o serviço permite a gravação de arquivos na nuvem. Por exemplo, supondo que um determinado usuário deseje armazenar arquivos para que possam ser acessados em outro computador, para ter uma cópia de segurança ou para compartilhá-lo com outrem, o usuário tem a opção de gravar, via Internet, o arquivo em um disco virtual. Este serviço será um intermediário (interface) entre o computador do usuário (cliente) e os servidores (nuvem) pra onde será enviado o arquivo. Então, usando um computador com acesso a Internet, o arquivo poderá ser acessado de qualquer lugar. 1.3 TECNOLOGIAS Para construção de um disco virtual, diferentes tecnologias podem ser utilizadas. Este trabalho é desenvolvido em tecnologias baseadas fundamentalmente em Java Java A tecnologia Java começou a ser criada em 1991 com o nome de Green Project. Ela passou por grandes evoluções e nomenclaturas até que em 1995 a tecnologia é finalmente e oficialmente lançada. Várias empresas apóiam o desenvolvimento do Java o que permite, entre outras coisas, que esta seja completamente gratuita ao usuário, desenvolvedor e afins. (PAMPLONA, 2009) A Java possui muitas edições, sendo as principais (PAMPLONA, 2009): Java Standard Edition (JSE): É a tecnologia Java para computadores pessoais, notebooks e arquiteturas com poder de processamento e memória consideráveis. O Java Development Kit (JDK) ou Standard Development Kit (SDK) é um conjunto para desenvolvimento em Java e deveria ser instalado apenas pelos desenvolvedores por possuir

25 25 ferramentas para tal tarefa. O Java Runtime Edition (JRE) é uma versão mais leve da JDK, pois é preparada para o ambiente de execução, ou seja, é esta versão que executará os sistemas construídos com a SDK. Java Mobile Edition (JME): É a tecnologia Java para dispositivos móveis com limitações de memória ou processamento. Possui Aplication Programing Interfaces (APIs) bem simples e leves para economizar espaço, memória e processamento. São utilizadas para sistemas em celulares, palm tops, pocket pcs, smartphones, javacards e demais dispositivos. Java Enterprise Edition (JEE): É a tecnologia Java para aplicações corporativas que podem estar na Internet ou não. Possui um grande número de APIs onde a segurança é a principal preocupação. É ideal para a construção de servidores de aplicação, integração de sistemas ou distribuição de serviços para terceiros. A Java é multiplataforma. Quando um programa Java é compilado um código intermediário é gerado, chamado de bytecode. Este bytecode é interpretado pelas Máquinas Virtuais Java (JVMs) para a maioria dos sistemas operacionais. A máquina virtual é a responsável por criar um ambiente multiplataforma, ou seja, se alguém construir um sistema operacional novo, basta criar uma máquina virtual Java que traduza os bytecodes para código nativo. (PAMPLONA, 2009) A linguagem de programação Java é utilizada na construção deste protótipo de disco virtual, sendo ele acessado via browser. As tecnologias baseadas em Java voltadas para web também. Tecnologias estas listadas a seguir: Servlet, JSP, JQuery e JPA. E também, mas não menos importante, o protocolo HTTPS para comunicação entre aplicações Servlet Segundo Harbourne-Thomas (2004), Servlets são classes JAVA que processam dinamicamente as requisições e constroem respostas. Nesse caso as requisições partem geralmente de uma aplicação web (cliente) via protocolo Hyper

26 26 Text Transport Protocol (HTTP) caso o servlet também use o HTTP como protocolo de comunicação). Um Servlet possui um ciclo de vida, ou seja, um período marcado pela sua inicialização cujo responsável é o Servlet container, processamento de requisições enviadas pelo cliente, resposta ao cliente e finalmente sua destruição pelo Servlet container. (Harbourne-Thomas, 2004) Servlet container O Servlet container é o responsável por fazer com que a página chegue até o Servlet. É uma ferramenta responsável por gerenciar as requisições do cliente e o ciclo de vida de um servlet, comunicação com o servlet e entregar a resposta ao processo requisitante (cliente). O Servlet container pode ser definido como um servidor onde são instalados Servlets para tratar as requisições, ou seja, um container de servlets. (COUTINHO, 2002) São exemplos de servlet container: o Apache Tomcat, JBOSS e Glassfish JSP O Java Server Pages ou JSP tem por objetivo o desenvolvimento de páginas web dinâmicas de forma mais prática. Com essa ferramenta é possível misturar o código Java junto ao documento HTML, dinamizando a programação. Na teoria não existe diferenças entre o JSP e o Servlet, mas na prática algumas podem observadas: JSP facilita a manutenção, JSP dá acesso completo às servlets e à tecnologia Java para a parte dinâmica, em vez de solicitar o uso de outra linguagem de programação e JSP é amplamente suportado, portanto, não é ligado a nenhum sistema operacional em particular ou a um servidor Web, isto porque existe uma API padrão para JSP e pelo fato deste gerar um bytecode que pode ser compilado em qualquer plataforma que aceite uma máquina virtual Java. (PITTELA, 2009)

27 Jquery As tecnologias citadas até agora são todas embasadas no servidor, este é o principal responsável pelo funcionamento das mesmas. No lado do cliente também é possível criar instruções para estilizar e dinamizar a página web. Para isso, pode-se utilizar varias tecnologias entre elas o JavaScript, uma linguagem que nos provê dinamismo na implementação de paginas web. (ALVAREZ, 2004) Contudo, uma nova biblioteca embasada no JavaScript foi desenvolvida, o JQuery. Esta biblioteca abstrai muito da linguagem Java Script tornando-a mais prática e fácil de implementar. (CARVALHO, 2010) É importante observar que tanto o JQuery quanto o Java Script, por serem executados no lado do cliente, dependem da capacidade de processamento do navegador e computador, mas só o JQuery é indiferente quanto à capacidade de renderização do mesmo, sendo assim, compatível com qualquer navegador em suas versões mais recentes JPA Para explicar o que é Java Persistence API (JPA) se faz necessário uma rápida avaliação de seu antecessor, o JDBC. Java Database Connectivity ou JDBC é um conjunto de classes ou uma Interface de Programação de Aplicação (API) escritas em Java que realiza o envio de instruções SQL para qualquer banco de dados relacional. A tecnologia é fortemente dependente de SQL, oferecendo aos desenvolvedores a chance de escrever consultas e instruções de manipulação de dados na linguagem do banco de dados, mas executados e processados por meio de um modelo de programação Java. (KEITH; SCHINCARIOL, 2009) No entanto, os desenvolvedores, de modo geral, pensavam que poderia haver

28 28 uma maneira automática de converter tabelas de um banco de dados relacional em uma classe, já que visivelmente, ambas eram bastante parecidas. O amadurecimento dessa ideia,e de outras tecnologias, proporcionou o advento do JPA. (KEITH; SCHINCARIOL, 2009) O JPA é um framework de persistência de dados derivado do JDBC, baseado no conceito de mapeamento objeto-relacional para objetos Java. (KEITH; SCHINCARIOL, 2009) Segundo Keith; Schincariol (2009), Mapeamento Objeto-Relacional (ORM) é a técnica de fazer a ponte entre o modelo de objeto (do JAVA) e o modelo relacional do banco de dados. A técnica engloba desde o mapeamento entre campos da tabela no banco de dados e os atributos de um objeto, até uma consulta através dos objetos (sem usar instruções SQL na programação em si, somente programação orientada a objetos). Na prática para implementar o JPA, as aplicações devem ser escritas com o uso de classes Java, como na figura 1.4. A classe terá o mesmo nome de uma tabela presente no banco de dados relacional. No fim, a classe criada se assemelha a uma classe Java Beans, com atributos e métodos de get e set. (KEITH; SCHINCARIOL, 2009) Figura 1.4- Classe Java

29 29 Para conectar esta classe a uma tabela do banco de dados é preciso inserir a isto indica que a classe é uma entidade (tabela) do banco de dados. É necessário também inserir Esta marcação estabelece a relação entre o atributo id da classe e a chave primária do banco de dados. (KEITH; SCHINCARIOL, 2009) O resultado pode ser visto na figura 1.5. Figura Classe/Entidade Java A lógica de conexão com o banco de dados e outros parâmetros importantes de implementação do JPA estão presentes no arquivo Persistence.xml. A figura 1.6 demonstra uma estrutura simples do arquivo Persistence.xml. (KEITH; SCHINCARIOL, 2009) Na estrutura do Persistence.xml estão presentes, na tag <properties>, o driver, url, usuário e senha do banco de dados. Além do caminho até a classeentidade na tag <class>. É importante citar que os métodos responsáveis por todos os processos de persistência no banco de dados, além da conexão com o mesmo, provém da classe EntityManager, responsável por gerenciar a conexão e persistência. Neste trabalho a tecnologia JPA será utilizado no processo de criação das classes modelo do protótipo. Isso porque o modelo relacional elaborado no BD será importado na forma de classe Java.

30 30 Figura Exemplo de um Persistence.xml Fonte: Pro JPA 2: mastering the Java Persistence API, p HTTPS Em comunicações entre cliente e servidor é costumeiramente usado o protocolo Hyper Text Transport Protocol (HTTP). Este especifica como browsers e servidores web gerenciam a enxurrada de pedidos e respostas que ocorrem enquanto um usuário da web está navegando na Internet. (HEATON, 2007) Entretanto o HTTP não é um protocolo seguro, já que o mesmo não criptografa os dados transmitidos. Para serviços web comuns esta situação é aceitável. No entanto, quando se trata de dados sigilosos, esta se torna uma condição insegura, já que, caso as informações ou pacotes sejam interceptadas durante o tráfego, as mesmas estarão visíveis, como por exemplo, senhas de usuários de um banco. (HEATON, 2007)

31 31 Para sanar este problema, um novo protocolo foi colocado em uso para gerenciar solicitações e repostas entre servidor e cliente, o protocolo Hypertext Transfer Protocol Secure (HTTPS). O HTTPS, assim como o HTTP, utiliza soquetes para estabelecer comunicação entre aplicações cliente/servidor. No entanto, ele usa um tipo especial de soquete chamado soquete seguro. Os soquetes seguros são implementados usando o protocolo Secure Socket Layer (SSL), que com o tempo evoluiu para Transport Layer Security (TLS). O protocolo SSL/TLS será abordado no tópico Com isso, o HTTPS proporciona maior segurança e um exemplo disso é que as informações trafegadas entre cliente e servidor estão todas criptografadas. Ao digitar um número de cartão de crédito em um site, a intenção é que apenas o site tenha acesso a essa informação. Contudo, esses dados podem viajar através de um número de hosts diferentes antes de finalmente chegar ao servidor web de destino o que pode ocasionar possíveis ataques de hackers buscando capturar pacotes. Ao criptografar os pacotes que estão sendo trocados entre o cliente e o servidor web, o problema de pacotes sendo interceptados diminui. Se alguém interceptar o pacote, será criptografado. (HEATON, 2007) Outro exemplo de recursos proporcionados pelo HTTPS é a verificação do servidor através do certificado SSL. Sites construídos sobre o protocolo SSL, no qual HTTPS se baseia, precisam ter um certificado SSL emitido por sites responsáveis por esse serviço (exemplo, Quando o certificado é enviado para o servidor, a empresa,que emitiu, verifica o IP do dominio do site HTTPS e associa um ao outro (IP e domínio). (HEATON, 2007) Assim sendo, ao acessar o site HTTPS, o navegador verificará junto a empresa que emitiu o certificado se o dominio corresponde ao IP. Caso esteja tudo correto, a conexão com o site é permitida. Esta prática evita que o cliente seja enviado para sites maliciosos ao tentar acessar um dominio que foi direcionado para um IP que não corresponde ao que está no certificado. Tal prerrogativa converge, geralmente, a sites hackeados. (HEATON, 2007) É importante frisar que o protocolo SSL/TLS é o responsável por essa rotina de verificações. As figuras 1.7 e 1.8 mostram, respectivamente, um exemplo de site que possui o certificado SSL e outro que não possui.

32 32 Figura Site com certificado SSL Fonte: Santander Net, Acesso em: 24 mar Figura Site sem certificado SSL Fonte: Verisign, Acesso em: 24 mar SSL/TLS Desenvolvida pela World Wide Web Organization (W3O) o Secure Socket Layer (SSL) e sua evolução o Transport Layer Security (TLS) tem como objetivo a segurança por meio de criptografia, a interoperabilidade, a extensabilidade e a eficiência. (COSTA; COSTA; DUARTE, 2010)

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas Linguagem de Programação JAVA Professora Michelle Nery Nomeclaturas Conteúdo Programático Nomeclaturas JDK JRE JEE JSE JME JVM Toolkits Swing AWT/SWT JDBC EJB JNI JSP Conteúdo Programático Nomenclatures

Leia mais

Manual do Usuário Nextel Cloud. Manual do Usuário. Versão 1.0.0. Copyright Nextel 2014. http://nextelcloud.nextel.com.br

Manual do Usuário Nextel Cloud. Manual do Usuário. Versão 1.0.0. Copyright Nextel 2014. http://nextelcloud.nextel.com.br Manual do Usuário Versão 1.0.0 Copyright Nextel 2014 http://nextelcloud.nextel.com.br 1 Nextel Cloud... 4 2 Nextel Cloud Web... 5 2.1 Página Inicial... 6 2.1.1 Meu Perfil... 7 2.1.2 Meu Dispositivo...

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Se ainda tiver dúvidas entre em contato com a equipe de atendimento: Por telefone: 0800 642 3090 Por e-mail atendimento@oisolucoespraempresas.com.br Introdução... 3 1. O que é o programa Oi Backup Empresarial?...

Leia mais

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Banco de Dados de Músicas Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Definição Aplicação Web que oferece ao usuário um serviço de busca de músicas e informações relacionadas, como compositor, interprete,

Leia mais

Documento de Requisitos de Rede (DRP)

Documento de Requisitos de Rede (DRP) Documento de Requisitos de Rede (DRP) Versão 1.2 SysTrack - Grupo 1 1 Histórico de revisões do modelo Versão Data Autor Descrição 1.0 30/04/2011 João Ricardo Versão inicial 1.1 1/05/2011 André Ricardo

Leia mais

OneDrive: saiba como usar a nuvem da Microsoft

OneDrive: saiba como usar a nuvem da Microsoft OneDrive: saiba como usar a nuvem da Microsoft O OneDrive é um serviço de armazenamento na nuvem da Microsoft que oferece a opção de guardar até 7 GB de arquivos grátis na rede. Ou seja, o usuário pode

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

Manual de Usuário do UnB Webmail Destinado aos usuários de e-mail da Universidade de Brasília MODO DINÂMICO

Manual de Usuário do UnB Webmail Destinado aos usuários de e-mail da Universidade de Brasília MODO DINÂMICO Destinado aos usuários de e-mail da Universidade de Brasília MODO DINÂMICO Elaboração: Equipe de Suporte Avançado do CPD SA/SRS/CPD/UnB suporte@unb.br Universidade de Brasília Brasília / 2014 Resumo A

Leia mais

Oficina de Inclusão Tecnológica Windows Live Skydrive

Oficina de Inclusão Tecnológica Windows Live Skydrive 1 Windows Live Skydrive Fonte imagem: blogaomobile.org Ementa: O windows Live Skydrive apresenta a possibilidade da computação em nuvem, que permite ao usuário armazenar arquivos online, de forma a não

Leia mais

Acesse a página inicial do NET Antivírus + Backup : www.netcombo.com.br/antivirus. Teremos 3 opções.

Acesse a página inicial do NET Antivírus + Backup : www.netcombo.com.br/antivirus. Teremos 3 opções. Acesse a página inicial do NET Antivírus + Backup : www.netcombo.com.br/antivirus. Teremos 3 opções. Esse box destina-se ao cliente que já efetuou o seu primeiro acesso e cadastrou um login e senha. Após

Leia mais

DMS Documento de Modelagem de Sistema. Versão: 1.4

DMS Documento de Modelagem de Sistema. Versão: 1.4 DMS Documento de Modelagem de Sistema Versão: 1.4 VERANEIO Gibson Macedo Denis Carvalho Matheus Pedro Ingrid Cavalcanti Rafael Ribeiro Tabela de Revisões Versão Principais Autores da Versão Data de Término

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS

SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS Rodrigo das Neves Wagner Luiz Gustavo Galves Mählmann Resumo: O presente artigo trata de um projeto de desenvolvimento de uma aplicação para uma produtora de eventos,

Leia mais

Para funcionamento do Netz, alguns programas devem ser instalados e alguns procedimentos devem ser seguidos. São eles:

Para funcionamento do Netz, alguns programas devem ser instalados e alguns procedimentos devem ser seguidos. São eles: Instalação do Netz Para funcionamento do Netz, alguns programas devem ser instalados e alguns procedimentos devem ser seguidos. São eles: Instalação do Java SE 6, que pode ser instalado através da JDK.

Leia mais

Lista de Exercício: PARTE 1

Lista de Exercício: PARTE 1 Lista de Exercício: PARTE 1 1. Questão (Cód.:10750) (sem.:2a) de 0,50 O protocolo da camada de aplicação, responsável pelo recebimento de mensagens eletrônicas é: ( ) IP ( ) TCP ( ) POP Cadastrada por:

Leia mais

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER TÁSSIO JOSÉ GONÇALVES GOMES tassiogoncalvesg@gmail.com MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 TÁSSIO GONÇALVES - TASSIOGONCALVESG@GMAIL.COM 1 CONTEÚDO Arquitetura

Leia mais

PROGRAMANDO ANDROID NA IDE ECLIPSE GABRIEL NUNES, JEAN CARVALHO TURMA TI7

PROGRAMANDO ANDROID NA IDE ECLIPSE GABRIEL NUNES, JEAN CARVALHO TURMA TI7 Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial do Rio Grande do Sul Informação e Comunicação: Habilitação Técnica de Nível Médio Técnico em Informática Programação Android na IDE Eclipse PROGRAMANDO ANDROID

Leia mais

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel Programação de Computadores - I Profª Beatriz Profº Israel A linguagem JAVA A linguagem Java O inicio: A Sun Microsystems, em 1991, deu inicio ao Green Project chefiado por James Gosling. Projeto que apostava

Leia mais

Manual TIM PROTECT BACKUP. Manual do Usuário. Versão 1.0.0. Copyright TIM PROTECT BACKUP 2013. http://timprotect.com.br/

Manual TIM PROTECT BACKUP. Manual do Usuário. Versão 1.0.0. Copyright TIM PROTECT BACKUP 2013. http://timprotect.com.br/ Manual do Usuário Versão 1.0.0 Copyright TIM PROTECT BACKUP 2013 http://timprotect.com.br/ 1 1 Índice 1 Índice... 2 2 TIM PROTECT BACKUP...Erro! Indicador não definido. 3 TIM PROTECT BACKUP Web... 6 3.1

Leia mais

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64 direcionados por comportamento 64 5 Estudo de caso Neste capítulo serão apresentadas as aplicações web utilizadas na aplicação da abordagem proposta, bem como a tecnologia em que foram desenvolvidas, o

Leia mais

História e Evolução da Web. Aécio Costa

História e Evolução da Web. Aécio Costa Aécio Costa A História da Web O que estamos estudando? Período em anos que a tecnologia demorou para atingir 50 milhões de usuários 3 As dez tecnologias mais promissoras 4 A evolução da Web Web 1.0- Passado

Leia mais

DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES

DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES Hugo Henrique Rodrigues Correa¹, Jaime Willian Dias 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil hugohrcorrea@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PROTOCOLOS DA INTERNET FAMÍLIA TCP/IP INTRODUÇÃO É muito comum confundir o TCP/IP como um único protocolo, uma vez que, TCP e IP são dois protocolos distintos, ao mesmo tempo que, também os mais importantes

Leia mais

ROTEIRO: IMPLANTANDO O SISTEMA OPERACIONAL LINUX. Introdução: FERRAMENTAS. Abaixo segue relação de aplicativos utilizados para realizar este roteiro:

ROTEIRO: IMPLANTANDO O SISTEMA OPERACIONAL LINUX. Introdução: FERRAMENTAS. Abaixo segue relação de aplicativos utilizados para realizar este roteiro: ROTEIRO: IMPLANTANDO O SISTEMA OPERACIONAL LINUX Introdução: Vimos nas aulas passadas um dos sistemas operacionais atualmente utilizados no mundo, o Windows, mas existem outros sistemas operacionais também,

Leia mais

Manual Vivo Sync. Manual do Usuário. Versão 1.0.0. Copyright Vivo 2013. http://vivosync.com.br

Manual Vivo Sync. Manual do Usuário. Versão 1.0.0. Copyright Vivo 2013. http://vivosync.com.br Manual do Usuário Versão 1.0.0 Copyright Vivo 2013 http://vivosync.com.br 1 1 Índice 1 Índice... 2 2 Vivo Sync... 5 3 Vivo Sync Web... 6 3.1 Página Inicial... 6 3.1.1 Novo Contato... 7 3.1.2 Editar Contato...

Leia mais

Manual do Usuário Microsoft Apps

Manual do Usuário Microsoft Apps Manual do Usuário Microsoft Apps Edição 1 2 Sobre os aplicativos da Microsoft Sobre os aplicativos da Microsoft Os aplicativos da Microsoft oferecem aplicativos para negócios para o seu telefone Nokia

Leia mais

Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS.

Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS. Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS. Clara Aben-Athar B. Fernandes¹, Carlos Alberto P. Araújo¹ 1 Centro Universitário Luterano de Santarém Comunidade Evangélica Luterana (CEULS/ULBRA)

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 5 Servidores de Aplicação

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

Este livro é dedicado a minha esposa Edna e a todos os desenvolvedores que fizeram do software livre um meio profissional levado a sério.

Este livro é dedicado a minha esposa Edna e a todos os desenvolvedores que fizeram do software livre um meio profissional levado a sério. EDSON GONÇALVES Este livro é dedicado a minha esposa Edna e a todos os desenvolvedores que fizeram do software livre um meio profissional levado a sério. AGRADECIMENTOS Primeiramente gostaria de agradecer

Leia mais

Lógica de Programação

Lógica de Programação Lógica de Programação Unidade 4 Ambiente de desenvolvimento Java QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática SUMÁRIO A LINGUAGEM JAVA... 3 JVM, JRE, JDK... 3 BYTECODE... 3 PREPARANDO O AMBIENTE

Leia mais

Guia do usuário do Seagate Dashboard

Guia do usuário do Seagate Dashboard Guia do usuário do Seagate Dashboard Guia do usuário do Seagate Dashboard 2013 Seagate Technology LLC. Todos os direitos reservados. Seagate, Seagate Technology, o logotipo Wave e FreeAgent são marcas

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7

Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7 Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7 Conteúdo Etapa 1: Saiba se o computador está pronto para o Windows 7... 3 Baixar e instalar o Windows 7 Upgrade Advisor... 3 Abra e execute o Windows 7

Leia mais

Serviços Remotos Xerox Um passo na direção certa

Serviços Remotos Xerox Um passo na direção certa Serviços Remotos Xerox Um passo na direção certa Diagnóstico de problemas Avaliação dos dados da máquina Pesquisa de defeitos Segurança garantida do cliente 701P41699 Visão geral dos Serviços Remotos Sobre

Leia mais

Manual Vivo Sync. Manual do Usuário. Versão 1.0.0. Copyright Vivo 2013. http://vivosync.com.br

Manual Vivo Sync. Manual do Usuário. Versão 1.0.0. Copyright Vivo 2013. http://vivosync.com.br Manual do Usuário Versão 1.0.0 Copyright Vivo 2013 http://vivosync.com.br 1 1 Índice 1 Índice... 2 2 Vivo Sync... 4 3 Vivo Sync Web... 5 3.1 Página Inicial... 5 3.1.1 Novo Contato... 6 3.1.2 Editar Contato...

Leia mais

A WEB COMO PLATAFORMA Revolução do HTML5

A WEB COMO PLATAFORMA Revolução do HTML5 A WEB COMO PLATAFORMA Revolução do HTML5 Juliano Flores Prof. Lucas Plautz Prestes Centro Universitário Leonardo da Vinci - UNIASSELVI Gestão de TI (GTI034) 06/11/2012 RESUMO Escrever programas de computador,

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

Symantec Backup Exec.cloud

Symantec Backup Exec.cloud Proteção automática, contínua e segura que faz o backup dos dados na nuvem ou usando uma abordagem híbrida, combinando backups na nuvem e no local. Data Sheet: Symantec.cloud Somente 2% das PMEs têm confiança

Leia mais

MozyPro Guia do administrador Publicado: 2013-07-02

MozyPro Guia do administrador Publicado: 2013-07-02 MozyPro Guia do administrador Publicado: 2013-07-02 Sumário Prefácio: Prefácio...vii Capítulo 1: Apresentação do MozyPro...9 Capítulo 2: Noções básicas sobre os Conceitos do MozyPro...11 Noções básicas

Leia mais

Manual do Usuário Microsoft Apps for Symbian

Manual do Usuário Microsoft Apps for Symbian Manual do Usuário Microsoft Apps for Symbian Edição 1.0 2 Sobre os aplicativos da Microsoft Sobre os aplicativos da Microsoft Os aplicativos Microsoft oferecem aplicativos corporativos Microsoft para o

Leia mais

Inicialização Rápida do Novell Vibe Mobile

Inicialização Rápida do Novell Vibe Mobile Inicialização Rápida do Novell Vibe Mobile Março de 2015 Introdução O acesso móvel ao site do Novell Vibe pode ser desativado por seu administrador do Vibe. Se não conseguir acessar a interface móvel do

Leia mais

Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento

Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento Olá, seja bem-vindo à primeira aula do curso para desenvolvedor de Android, neste curso você irá aprender a criar aplicativos para dispositivos

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com Planejamento Estratégico de TI Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com VPN Virtual Private Network Permite acesso aos recursos computacionais da empresa via Internet de forma segura Conexão criptografada

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas O conteúdo deste documento tem como objetivos geral introduzir conceitos mínimos sobre sistemas operacionais e máquinas virtuais para posteriormente utilizar

Leia mais

Guia do Usuário do Avigilon Control Center Server

Guia do Usuário do Avigilon Control Center Server Guia do Usuário do Avigilon Control Center Server Versão 4.10 PDF-SERVER-D-Rev1_PT Copyright 2011 Avigilon. Todos os direitos reservados. As informações apresentadas estão sujeitas a modificação sem aviso

Leia mais

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Aula 3 Cap. 4 Trabalhando com Banco de Dados Prof.: Marcelo Ferreira Ortega Introdução O trabalho com banco de dados utilizando o NetBeans se desenvolveu ao longo

Leia mais

Volume ACRONUS SOFTWARE GUIA DE UTILIZAÇÃO DO ACRONUS SYSTEM. Manual Técnico 4.28

Volume ACRONUS SOFTWARE GUIA DE UTILIZAÇÃO DO ACRONUS SYSTEM. Manual Técnico 4.28 Volume 1 ACRONUS SOFTWARE GUIA DE UTILIZAÇÃO DO ACRONUS SYSTEM Manual Técnico 4.28 P A C O T E I N S T I T U I Ç Õ E S D E E N S I N 0 - E M P R E S A S Manual Técnico 4.28 ACRONUS SOFTWARE 08.104.732/0001-33

Leia mais

Manual do Usuário Cyber Square

Manual do Usuário Cyber Square Manual do Usuário Cyber Square Criado dia 27 de março de 2015 as 12:14 Página 1 de 48 Bem-vindo ao Cyber Square Parabéns! Você está utilizando o Cyber Square, o mais avançado sistema para gerenciamento

Leia mais

Manual de Transferência de Arquivos

Manual de Transferência de Arquivos O Manual de Transferência de Arquivos apresenta a ferramenta WebEDI que será utilizada entre FGC/IMS e as Instituições Financeiras para troca de arquivos. Manual de Transferência de Arquivos WebEDI Versão

Leia mais

Seu manual do usuário F-SECURE ONLINE BACKUP http://pt.yourpdfguides.com/dref/2859647

Seu manual do usuário F-SECURE ONLINE BACKUP http://pt.yourpdfguides.com/dref/2859647 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para F-SECURE ONLINE BACKUP. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a no manual

Leia mais

IBM Tivoli Directory Server Versão 5.2 Leia-me do Cliente

IBM Tivoli Directory Server Versão 5.2 Leia-me do Cliente IBM Tivoli Directory Server Versão 5.2 Leia-me do Cliente Nota Antes de utilizar estas informações e o produto suportado por elas, leia as informações gerais em Avisos, na página 7. Prefácio Este Leia-me

Leia mais

Associação Carioca de Ensino Superior Centro Universitário Carioca

Associação Carioca de Ensino Superior Centro Universitário Carioca Desenvolvimento de Aplicações Web Lista de Exercícios Métodos HTTP 1. No tocante ao protocolo de transferência de hipertexto (HTTP), esse protocolo da categoria "solicitação e resposta" possui três métodos

Leia mais

Guia de utilização - Novodrive

Guia de utilização - Novodrive Guia de utilização - Novodrive Usuários Windows Versão 1.14 das Configurações do Novodrive A janela de configurações é parte integrante do Software Desktop Novodrive ve e serve para realizar a configuração

Leia mais

Documento de Visão. Versão 2.5 Projeto SysTrack - Grupo 01

Documento de Visão. Versão 2.5 Projeto SysTrack - Grupo 01 Documento de Visão Versão 2.5 Projeto SysTrack - Grupo 01 Junho de 2011 Histórico de revisão: DATA VERSÃO DESCRIÇÃO AUTORES 19/02/2011 1.0 Versão inicial. João Ricardo, Diogo Henrique. 24/02/2011 2.0 Modificação

Leia mais

Procedimentos para Reinstalação do Sisloc

Procedimentos para Reinstalação do Sisloc Procedimentos para Reinstalação do Sisloc Sumário: 1. Informações Gerais... 3 2. Criação de backups importantes... 3 3. Reinstalação do Sisloc... 4 Passo a passo... 4 4. Instalação da base de dados Sisloc...

Leia mais

Versão 1.0 Janeiro de 2011. Xerox Phaser 3635MFP Plataforma de interface extensível

Versão 1.0 Janeiro de 2011. Xerox Phaser 3635MFP Plataforma de interface extensível Versão 1.0 Janeiro de 2011 Xerox Phaser 3635MFP 2011 Xerox Corporation. XEROX e XEROX e Design são marcas da Xerox Corporation nos Estados Unidos e/ou em outros países. São feitas alterações periodicamente

Leia mais

HCN/HCS SERIES CÂMERAS E CONVERSORES IP

HCN/HCS SERIES CÂMERAS E CONVERSORES IP HCN/HCS SERIES CÂMERAS E CONVERSORES IP Obrigado por utilizar os produtos Dimy s. Antes de operar o equipamento, leia atentamente as instruções deste manual para obter um desempenho adequado. Por favor,

Leia mais

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS Pablo dos Santos Alves Alexander Roberto Valdameri - Orientador Roteiro da apresentação Introdução Objetivos Motivação Revisão bibliográfica

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE DE DADOS CLIMÁTICOS NA WEB NO AUXILIO À AGRICULTURA RESUMO SYSTEM CONTROL OF CLIMATIC DATA IN THE WEB TO ASSIST THE AGRICULTURE

SISTEMA DE CONTROLE DE DADOS CLIMÁTICOS NA WEB NO AUXILIO À AGRICULTURA RESUMO SYSTEM CONTROL OF CLIMATIC DATA IN THE WEB TO ASSIST THE AGRICULTURE SISTEMA DE CONTROLE DE DADOS CLIMÁTICOS NA WEB NO AUXILIO À AGRICULTURA CAROLINE VISOTO 1 EDUARDO RUBIN 2 THIAGO X. V. OLIVEIRA 3 WILINGTHON PAVAN 4 JOSÉ MAURÍCIO CUNHA FERNANDES 5 CRISTIANO ROBERTO CERVI

Leia mais

Kaspersky Endpoint Security e o gerenciamento. Migração e novidades

Kaspersky Endpoint Security e o gerenciamento. Migração e novidades Kaspersky Endpoint Security e o gerenciamento. Migração e novidades Treinamento técnico KL 202.10 Treinamento técnico KL 202.10 Kaspersky Endpoint Security e o gerenciamento. Migração e novidades Migração

Leia mais

milenaresende@fimes.edu.br

milenaresende@fimes.edu.br Fundação Integrada Municipal de Ensino Superior Sistemas de Informação A Internet, Intranets e Extranets milenaresende@fimes.edu.br Uso e funcionamento da Internet Os dados da pesquisa de TIC reforçam

Leia mais

Microsoft Internet Explorer. Browser/navegador/paginador

Microsoft Internet Explorer. Browser/navegador/paginador Microsoft Internet Explorer Browser/navegador/paginador Browser (Navegador) É um programa que habilita seus usuários a interagir com documentos HTML hospedados em um servidor web. São programas para navegar.

Leia mais

Recurso E-Meeting para o Moodle: um relato do desenvolvimento de uma solução livre de webconferência otimizada para redes de baixo desempenho.

Recurso E-Meeting para o Moodle: um relato do desenvolvimento de uma solução livre de webconferência otimizada para redes de baixo desempenho. Recurso E-Meeting para o Moodle: um relato do desenvolvimento de uma solução livre de webconferência otimizada para redes de baixo desempenho. Resumo Este artigo apresenta uma solução de webconferência

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

Guia do Usuário do Servidor do Avigilon Control Center

Guia do Usuário do Servidor do Avigilon Control Center Guia do Usuário do Servidor do Avigilon Control Center Versão 5.0.2 PDF-SERVER5-A-Rev2_PT Copyright 2013 Avigilon. Todos os direitos reservados. A informação apresentada está sujeita a alteração sem aviso

Leia mais

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE por Miguel Aguiar Barbosa Trabalho de curso II submetido como

Leia mais

Procedimentos para Instalação do SISLOC

Procedimentos para Instalação do SISLOC Procedimentos para Instalação do SISLOC Sumário 1. Informações Gerais...3 2. Instalação do SISLOC...3 Passo a passo...3 3. Instalação da Base de Dados SISLOC... 11 Passo a passo... 11 4. Instalação de

Leia mais

Guia de Inicialização para o Windows

Guia de Inicialização para o Windows Intralinks VIA Versão 2.0 Guia de Inicialização para o Windows Suporte 24/7/365 da Intralinks EUA: +1 212 543 7800 Reino Unido: +44 (0) 20 7623 8500 Consulte a página de logon da Intralinks para obter

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

Guia de utilização - Novodrive

Guia de utilização - Novodrive Guia de utilização - Novodrive Usuários Mac Versão 1.14 das Configurações do Novodrive A janela de configurações é parte integrante do Software Desktop Novodrive ve e serve para realizar a configuração

Leia mais

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Tecnologia Java Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Origem da Tecnologia Java Projeto inicial: Oak (liderado por James Gosling) Lançada em 1995 (Java) Tecnologia

Leia mais

Guia do Usuário Administrativo Bomgar 10.2 Enterprise

Guia do Usuário Administrativo Bomgar 10.2 Enterprise Guia do Usuário Administrativo Bomgar 10.2 Enterprise Índice Introdução 2 Interface administrativa 2 Status 2 Minha conta 3 Opções 3 Equipes de suporte 4 Jumpoint 5 Jump Clients 6 Bomgar Button 6 Mensagens

Leia mais

Visão geral do printeract, Serviços Remotos Xerox

Visão geral do printeract, Serviços Remotos Xerox Visão geral do printeract, Serviços Remotos Xerox 701P28680 Visão geral do printeract, Serviços Remotos Xerox Um passo na direção certa Diagnósticos de problemas Avaliação dos dados da máquina Pesquisa

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Projuris Enterprise Visão Geral da Arquitetura do Sistema

Projuris Enterprise Visão Geral da Arquitetura do Sistema Projuris Enterprise Visão Geral da Arquitetura do Sistema Março/2015 Página 1 de 17 Projuris Enterprise Projuris Enterprise é um sistema 100% Web, com foco na gestão de contencioso por empresas ou firmas

Leia mais

Requisitos do Sistema

Requisitos do Sistema PJ8D - 017 ProJuris 8 Desktop Requisitos do Sistema PJ8D - 017 P á g i n a 1 Sumario Sumario... 1 Capítulo I - Introdução... 2 1.1 - Objetivo... 2 1.2 - Quem deve ler esse documento... 2 Capítulo II -

Leia mais

Dicas para a prova do MPU (cargos Analista e Técnico) NOÇÕES DE INFORMÁTICA: (comentário por tópico do edital visando o CESPE/UnB)

Dicas para a prova do MPU (cargos Analista e Técnico) NOÇÕES DE INFORMÁTICA: (comentário por tópico do edital visando o CESPE/UnB) Dicas para a prova do MPU (cargos Analista e Técnico) Por Prof.ª Ana Lucia Castilho NOÇÕES DE INFORMÁTICA: (comentário por tópico do edital visando o CESPE/UnB) Assunto: Noções de sistema operacional (ambientes

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalação Sumário 1. Sobre este documento... 3 2. Suporte técnico... 3 3. Requisitos de hardware... 4 3.1. Estação... 4 3.2. Servidor... 4 4. Instalação... 5 4.1. Instalação no servidor... 5

Leia mais

Operador de Computador. Informática Básica

Operador de Computador. Informática Básica Operador de Computador Informática Básica Instalação de Software e Periféricos Podemos ter diversos tipos de software que nos auxiliam no desenvolvimento das nossas tarefas diárias, seja ela em casa, no

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 CRIAÇÃO DA MÁQUINA VIRTUAL... 3 Mas o que é virtualização?... 3 Instalando o VirtualBox...

Leia mais

Programação WEB Introdução

Programação WEB Introdução Programação WEB Introdução Rafael Vieira Coelho IFRS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Farroupilha rafael.coelho@farroupilha.ifrs.edu.br Roteiro 1) Conceitos

Leia mais

Guia do usuário do Mozy Published: 2015-04-30

Guia do usuário do Mozy Published: 2015-04-30 Guia do usuário do Mozy Published: 2015-04-30 Contents Prefácio...6 Visão geral do Mozy...7 Como partes do Mozy funcionam juntas...8 Software de backup do Mozy...9 Mozy Sync...11 Acesso web ao Mozy...12

Leia mais

Procedimentos para Instalação do Sisloc

Procedimentos para Instalação do Sisloc Procedimentos para Instalação do Sisloc Sumário: 1. Informações Gerais... 3 2. Instalação do Sisloc... 3 Passo a passo... 3 3. Instalação da base de dados Sisloc... 16 Passo a passo... 16 4. Instalação

Leia mais

Especificações Técnicas

Especificações Técnicas Visual COBOL é a solução líder da indústria para o desenvolvimento de aplicações COBOL e implantação em sistemas Windows, Unix e Linux. Ele combina as melhores ferramentas de desenvolvimento de sua classe

Leia mais

MicrovixPOS Requisitos, Instalação e Execução

MicrovixPOS Requisitos, Instalação e Execução MicrovixPOS Requisitos, Instalação e Execução Autor Público Alvo Rodrigo Cristiano dos Santos Suporte Técnico, Consultoria e Desenvolvimento. Histórico Data 13/06/2012 Autor Rodrigo Cristiano Descrição

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

EXIN Cloud Computing Fundamentos

EXIN Cloud Computing Fundamentos Exame Simulado EXIN Cloud Computing Fundamentos Edição Maio 2013 Copyright 2013 EXIN Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser publicado, reproduzido, copiado ou armazenada

Leia mais

ANEXO 01 GUIA PASSO A PASSO

ANEXO 01 GUIA PASSO A PASSO ANEXO 01 GUIA PASSO A PASSO Conteúdo 1 TELA DE ACESSO... 3 1.1 Enviar e-mail... 4 2 INTEGRANDO CONTAS COM OUTLOOK... 5 3 DREAMSPARK... 6 4 SKYDRIVE... 12 4.1 Organização do ambiente criar pastas... 13

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma

Leia mais

Seagate Access for Personal Cloud Manual do us uário

Seagate Access for Personal Cloud Manual do us uário Seagate Access for Personal Cloud Manual do us uário 2015 Seagate Technology LLC. Todos os direitos reservados. Seagate, Seagate Technology, o logotipo Wave e FreeAgent são marcas comerciais ou marcas

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

ATA - Exercícios Informática Carlos Viana. 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

ATA - Exercícios Informática Carlos Viana. 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA - Exercícios Informática Carlos Viana 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA EXERCÍCIOS CARLOS VIANA 01 -Existem vários tipos de vírus de computadores, dentre

Leia mais

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma 6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma empresa. Diferente do senso comum o planejamento não se limita

Leia mais

Automidia Service Management Provisionamento para o AD integrado ao Service Desk

Automidia Service Management Provisionamento para o AD integrado ao Service Desk Automidia Service Management Provisionamento para o AD integrado ao Service Desk Agenda Objetivos Agenda Histórico e Motivação 05 mins Características da Aplicação 20 mins Apresentação Software 15 mins

Leia mais

Cogent DataHub v7.0. A próxima geração em soluções para troca de dados em tempo real

Cogent DataHub v7.0. A próxima geração em soluções para troca de dados em tempo real Cogent DataHub v7.0 A próxima geração em soluções para troca de dados em tempo real Cogent é reconhecida como uma líder no segmento de soluções de middleware no domínio do tempo real. E, com a introdução

Leia mais

Guia do usuário do PrintMe Mobile 3.0

Guia do usuário do PrintMe Mobile 3.0 Guia do usuário do PrintMe Mobile 3.0 Visão geral do conteúdo Sobre o PrintMe Mobile Requisitos do sistema Impressão Solução de problemas Sobre o PrintMe Mobile O PrintMe Mobile é uma solução empresarial

Leia mais

PAINEL MANDIC CLOUD. Mandic. Somos Especialistas em Cloud. Manual do Usuário

PAINEL MANDIC CLOUD. Mandic. Somos Especialistas em Cloud. Manual do Usuário Mandic. Somos Especialistas em Cloud. PAINEL MANDIC CLOUD Manual do Usuário 1 BEM-VINDO AO SEU PAINEL DE CONTROLE ESTE MANUAL É DESTINADO AO USO DOS CLIENTES DA MANDIC CLOUD SOLUTIONS COM A CONTRATAÇÃO

Leia mais