VIRTUALIZAÇÃO DE SERVIDORES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA SÊNIOR ENGENHARIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VIRTUALIZAÇÃO DE SERVIDORES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA SÊNIOR ENGENHARIA"

Transcrição

1 VIRTUALIZAÇÃO DE SERVIDORES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA SÊNIOR ENGENHARIA Cristiano de Jesus Lima 1 Danilo de Melo Costa 2 Cláudio Heleno Pinto da Silva 3 RESUMO O presente trabalho avalia a implementação da virtualização de servidores pela empresa Sênior Engenharia. Além da análise dos resultados, o estudo propõe-se a apresentar, de maneira concisa, as principais formas virtualizar servidores, dentre eles, servidores de Correio eletrônico, Web, Banco de dados, Acesso, DNS, DHCP e outros. O estudo serve também como referência para outras empresas de grande e médio porte, que querem economizar e ganhar agilidade com a utilização dos servidores. Palavras-chaves: Gerência, Servidores e Virtualização 1 INTRODUÇÃO Hodiernamente, a busca por melhorias e ampliações dos negócios empresariais está diretamente relacionada com o desenvolvimento tecnológico, tanto no ambiente empresarial interno, quanto no externo. Há uma constante busca por soluções tecnológicas mais simples que tragam maior economia nas lógicas e físicas. Nesse sentido, é míster a flexiblização da área de TI (Tecnologia da Informação) para, assim, acompanhar o desenvolvimentoda 1. Cristiano de Jesus Lima. Graduado em Redes de Computadores pela Faculdade Infórium de Tecnologia. 2 Doutorando em Administração pela Universidade Federal de Minas Gerais. Mestre em Administração pela Universidade Federal de Santa Catarina. Graduado em Sistemas de Informação. Professor da Faculdade Infórium de Tecnologia. Coordenador da Pós-Graduação em Governança de TI e Professor dos cursos de Pós- Graduação do Centro Universitário UNA. 3 Graduado em Publicidade e Propaganda pelo Centro Universitário de Belo Horizonte (2007). Estagiário da TV Uni-BH, da rede de TV s Universitárias de Belo Horizonte. Diretor-geral da Távola Marketing Comunicação. Atualmente é graduando em Administração no IFSMG e atua como publicitário, jornalista e consultor em marketing e comunicação.

2 corpooração. Todavia, o investimento constante em seviços, aplicativos, equipamentos e servidores faz-se imprenscidivel para o suporte tecnologico do empreendimento. A técnica de virtualização, que segundo Maziero e Laureano (2008) foi criada em 1960 com intuito de aperfeiçoar o aproveitamento do hardware, extremamente caros nessa época, e recriar um único mainframe. Já com popularização dos preços das plataformas de hardware, com o advento do PC na década de 1980, essa prática tornou-se obsoleta. O fornecimento de um computador completo a cada usuário, ao contrário de complexos e caros sistemas, proporcionou economia de energia elétrica, espaço físico e mão de obra para as empresas. A economia total da empresa pode chegar até 80% dos gastos em geral. A virtualização também ajuda a diminuir o impacto de futuros descartes de equipamentos. Não podemos descartar também a enorme contribuicao dessas mudancas para o meio ambiente, já que ao reduzir o consumo de energia eletrica, há consideravel reducao de emissao de CO 2 (dióxido de carbono), um dos maiores contribuintes para o efeito estufa. É dentro deste contexto, que o presente artigo tem de salientar os benefícios da virtualização dos servidores empresa Sênior Engenharia. 2 MARCO TEÓRICO O crescimento e desenvolvimento das empresas no mundo contemporâneo, sejam de grande ou médio porte, como é o caso da Sênior Engenharia, estão diretamente relacionados com o aprimoramento da gestão do TI. Para tanto, algumas práticas como a ampliação de servidores e virtualização é fundamental. 2.1 Gestão de Tecnologia da Informação A Tecnologia da Informação (TI) é fundamental para as empresas que querem manter-se no competidíssimo mercado atual. TI é um conceito bastante abrangente. Rodriguez (2002) lembra que essa ferramenta, imprescindível nos dias atuais, era vista como um mal necessário nas décadas de Faria (2004) reitera que o diferencial competitivo e sua manutenção no mercado é a inovação. A informação é a força motriz que impulsiona o desenvolvimento empresarial. A excelência da gestão de TI, portanto, é a solução para muitos dos problemas encontrados pelas corporações durante a expansão dos empreendimentos e desenvolvimento de novos serviços e produtos. Para Juran (1991), os produtos resultam dos processos, e a qualidade daquelas é conseguida de forma consistente a partir da qualidade destes.

3 Segundo Stair e Reynolds, (2002), todos interagimos diariamente com a TI, seja através de caixas eletrônicos, pagamento de contas com código de barras, etc. Daí a necessidade da expansão dos investimentos em tecnologia, por parte dos diversos tipos de empresa. É essencial a gestão dinâmica e informativa para melhor comunicação das empresas com colaboradores, acionistas e seus Stakeholders. Devido ao grande impacto gerado pela sua utilização no dia-a-dia das pessoas, no modo das empresas trabalharem e relacionaram-se com as demais e, no mundo de forma genérica, tem sido muito forte, tanto que, para muitos autores estamos vivendo uma nova era, a era do conhecimento. As tecnologias da informática e telecomunicações convergem para um único ponto, ficando mais evidente esta nova era. (Graeml, 2003) Para tanto, algumas técnicas e formas de gestão de TI são mais comumente utilizadas por profissionais de todo planeta, dentre elas o ITIL (Information Technology Infrastructure Library) é o modelo de referência para gerenciamento de processos de TI mais aceito mundialmente. A metodologia foi criada pela secretaria de comércio (Office of Government Commerce, OGC) do governo Inglês, a partir de pesquisas realizadas por Consultores, Especialistas e Doutores, para desenvolver as melhores práticas para a gestão da área de TI nas empresas privadas e públicas. Atualmente se tornou a norma BS-15000, sendo esta um anexo da ISO 9000/2000. O foco deste modelo é descrever os processos necessários para gerenciar a infra-estrutura de TI eficientemente e eficazmente de modo a garantir os níveis de serviço acordados com os clientes internos e externos As normas ITIL estão documentadas em aproximadamente 40 livros, onde os principais processos e as recomendações das melhores práticas de TI estão descritas. O ITIL é composto por módulos. Os mais importantes são o IT Service Support e o IT Service Delivery. 2.1 Servidor Segundo Carvalho (2006), os servidores são responsáveis por manter aplicativos necessários para diversos serviços, como correio eletrônico, banco de dados, DNS ou arquivos de informação da empresa, onde os clientes (colaboradores) possam acessar durante o expediente de trabalho ou mesmo fora dele, através da rede mundial (internet). E neste tópico é proposto falar sobre a importância dos serviços e problemas dos mesmos na empresa Servidores e seus tipos de Serviços Atualmente existem várias aplicações e serviços em servidores dentro de uma empresa Servidor de DNS A sigla significa Domain Name System (Sistema de Resolução de Nomes). Este recurso é utilizado para o acessar micros em rede, sem necessidade de conhecimento do IP. Este tipo de aplicativo traz uma grande facilidade na hora de acessar algum site na internet ou

4 um micro na rede, pois no lugar de um IP qualquer, como , por exemplo, é necessário simplesmente digitar Seria muito difícil decorar todos os IP s necessários. Segundo Alecrim (2005), o DNS é um conjunto de grandes bancos de dados distribuídos em servidores de todo o mundo que faz a comparação dos IP s com os nomes dos mesmos também conhecidos como domínios, como Google, Uai, Yahoo e outros Servidor de arquivos Este serviço tem a função de centralizar toda a informação necessária da empresa, em divisões de departamento com: Financeiro, Recursos Humanos, Diretoria, etc outros. Desta forma, o colaborador do departamento de recursos humanos, irá acessar arquivos referentes ao seu departamento, fazendo a função Servidor Cliente. Segundo a TechNet (2008), os usuários poderão acessar um arquivo diretamente no servidor evitando assim uma redundância da mesma informação, por evitar a propagação de um mesmo arquivos por vários computadores da rede, também aumenta na segurança e facilidade de geração do backups Servidor de correio eletrônico Eeste serviço tem em sua arquitetura lógica os programas MTA (Mail Transprot Agent - Agente de Transporte de Correio) responsável por encaminhar as mensagens ao MTA de destino usando o protocolo SMTP (Simple Mail Transport Protocol Protocolo de Transferência Simples de ), MDA (Mail Delivery Agent - Agente de Entrega de Correio) responsável por receber as mensagens e arquivá-las na caixa postal do usuário dentro do banco de dados do servidor de correio eletrônico e o MUA (Mail User Agent Agente de Usuário de Correio) programa utilizado pelo usuário para acessar a sua caixa postal dentro do servidor, exemplo Outlook ou Thunderbirds Servidor de backup Responsável por gerar cópias de segurança dos servidores e informações importantes da empresa e seus clientes. Como informa Garlix (2011), empresa especialista em servidores, o servidor de backup trata-se de uma instalação de rotina para geração de cópia de segurança dos dados da instituição existentes no servidor Servidor de Proxy: Um serviço interessante para uma melhor agilidade no trafico da rede, pois trata-se de uma servidor que guarda todas as páginas visitadas pelo colaborador da empresa em um reservatório chamado de cache, toda vez que alguém acesse a mesma página na rede mundial (Internet), ao invés de carrega-la da internet, será carregada diretamente do cache gerado pelo servidor. Segundo a Microsoft (2011) é um serviço que funciona como intermediação entre

5 um browser e a Internet, armazenando paginas que são acessadas com mais frequência. Quando a página é solicitada pelo navegador e caso já está localizada no cache do servidor, terá um acesso quase instantâneo. Servidores proxy também servem para melhorar a segurança, porque trabalham filtrando alguns tipos de conteúdos da internet e softwares malintencionados Servidor firewall É um serviço de segurança externa e interna, responsável por filtrar tudo que entra e sai da rede, através de políticas de segurança determinadas pelo TI da empresa. Visando evitar o acesso indevido à rede da empresa, pelas portas de s eletrônicos, VPN s e outros. Lopes (1997) afirma que embora o Firewall verifique todo o tráfego que entra na rede interna, essa verificação é feita basicamente checando os endereços origem e destino e os números de porta, não verificando os dados em si. 2.2 Virtualização A virtualização é uma tecnologia, que possibilita dividir recursos de uma única máquina de grande performance de processamento, velocidade e armazenamento, em vários sistemas operacionais no mesmo local físico. Os sistemas operacionais foram criados para trabalharem em conjuntos em hardwares, aos quais eram instalados e configurados. Com o passar dos anos e desenvolvimento tecnológico, surgiram novos softwares que passaram a exigir hardwares com melhor desempenho, e também, hardwares de alta performance utilizando softwares que exigiam menos que a capacidade do hardware. Sendo assim, as empresas não conseguiam manter sua estrutura em perfeita harmonia. Houve significativo aumento no consumo de energia elétrica para manutenção do funcionamento dos servidores, além da utilização de espaço físico. A virtualização veio suprir esta necessidade de crescimento sem muito impacto na área estrutural e econômica da empresa História da Tecnologia da Virtualização A tecnologia de virtualização de máquinas surgiu entre as décadas 1960, com objetivo de particionar hardwares de grandes de mainframe e conseguir maior aproveitamento dessas máquinas. Segundo Manfrin (2006), a virtualização foi implementada IBM, criada como forma de particionar de maneira lógica os computadores de mainframe em máquinas virtuais separadas. Essas partições permitiam que os mainframes assumissem múltiplas tarefas, ou seja, que executassem vários aplicativos e processos ao mesmo tempo. Como os

6 mainframes eram recursos caros na época, eles foram desenvolvidos para serem particionados, como uma forma de aproveitar completamente o investimento. O conceito de máquina virtual não é novo suas origens remetem ao início da história dos computadores, no final dos anos de 1950 e início de As máquinas virtuais foram originalmente desenvolvidas para centralizar os sistemas de computador utilizados no ambiente VM/370 da IBM. Naquele sistema, cada máquina virtual simula uma réplica física da máquina real e os usuários têm a ilusão de que o sistema está disponível para seu uso exclusivo. (LAUREANO, 2006,) Segundo Mattos (2008), a realidade do ano de 1970 foi muito superada nos anos de 1980 e 1990, com os surgimentos de computadores pessoais. Nas décadas de 1980 e 1990, a virtualização foi abandonada quando os aplicativos de servidores-clientes, servidores e desktops tornaram se baratos e levaram à computação distribuída. Mas esta distribuição chegava a utilizar apenas de 10 há 15% do potencial real de cada hardware. Era, portanto, desperdicio de capacidade da máquina e de investimento. Com o crescimento das arquiteturas de hardwares e softwares, surgiram também algumas grandes questões, tais como o que fazer com a necessidade de espaço para ativos de redes e como reduzir gastos com energia e manter a temperatura aceitável. No fim dos anos 1990, a tecnologia de virtualização de sistemas operacionais voltou a ser utilizada pelo mercado, trazendo várias soluções de implementação em sistemas, mas ainda era voltada para virtualização apenas do sistema dentro de um outro sistema. Com o passar dos anos, surgiu a tecnologia de virtualização total que consiste em criar um ambiente virtual correspondente a um sistema real existente. Segundo Kusnetzky (2007), os principais objetivos da virtualização é o seguinte: escalabilidade, confiabilidade, agilidade, disponibilidade, altos níveis de performance e segurança centralizada Os tipos de virtualização Há muitos tipos e modelos de virtualização, mas iremos tratar de apenas três deles: Virtualização de Sistema Operacional Golden e Scheffy (2008), fala que virtualização de Sistemas Operacionais, leva o sistema convidado pensar que está rodando diretamente em uma máquina física, quando na verdade, ele está sobre um sistema operacional hospedeiro. Este tipo de implementação é útil quando se deseja fornecer uma configuração igual a diversos usuários, fazendo o uso de apenas uma máquina física. É o que acontece em soluções como a de empresa de hospedagem web, elas dispõem apenas uma máquina a diversos clientes e estes acreditam estar em um hardware dedicado.

7 Imagem 02 - Virtualização de sistema operacional (LAUREANO. Marcos, 2006, 25p) Virtualização das linguagens de programação A virtualização das linguagens de programação, tem como alvo, as máquinas virtuais que são feitas para computadores fictícios destinados a uma única e específica tarefa. Na camada da virtualização é criada uma aplicação no topo do sistema operacional. Nesta camada ocorre a utilização de programas construídos para esta estrutura de virtualização que traz como exemplo o Java Virtual Machine. Imagem 03 - Virtualização de linguagem da programação (LAUREANO. Marcos, 2006, 26p) O Java Virtual Machine (JVM), como é conhecido, mostra bem um exemplo de virtualização de linguagem de programação. Através deste software é possível criar aplicações que rodam em plataformas especificas, como os celulares, GPS s os mainframes. Laureano (2006), divulga que com o propósito de ser executado em qualquer plataforma, o código JVM tem obtido o seu lugar de destaque no mercado. E a Sun, principal detentora do Java, define uma JVM como uma máquina imaginária implementada via software ou hardware que executa instruções vindas de bytecode.

8 Emulação de hardware. A emulação de hardware tem o seu propósito no próprio nome, apesar de ser o mais complexo dos três tipos. Nesta forma de virtualização pode se construir a compatibilidade os softwares e hardwares, ou em outras palavras, pode-se usar o virtual para simular o real. A vantagem é que pode-se criar vários tipos diferentes de hardwares virtuais utilizando apenas um fisico, como por exemplo, com um processador Core 2 Duo, criar dois petium D. Claro que, por se tratar de uma emulação complexa, surgem algumas desvantagens, como a perda de desempenho. Os pedidos dos hardwares virtuais são modificados para que o hardware real possa atendê-los. Pode se ver que as respostas do hardware fisico serão também emuladas para que os hardwares virtuais compreendam. Ricardo e Marques (2009), enfatizam que o hypervisor (responsável pela por fornecer recurso da maquina física para a maquina virtual) já contém os drivers para os dispositivo e não existe maneira de serem modificados ou instalados pelo usuários. De forma que se uma máquina tem em seu hardware a tecnologia hypervisor. será impossível executar em sua máquina uma emulação. Isto com certeza pode causar muitos problemas Técnicas de virtualização Na atualidade as técnicas mais usadas para virtualização são : A virtualização Total (Full virtualization) e a Paravirtualização (Paravirtualization) Virtualização Total Esta técnica de virtualização é usada para uma simulação completa do hardware utilizado, sendo assim, qualquer sistema operacional instalado poderá funcionar como se estivesse instalado fisicamente. Nesta técnica, o que é hospedado pelo sistema operacional não é modificado em nenhum momento por causa da virtualização. Isto se torna uma vantagem desta implementação. Mas há também desvantagens, mesmo sendo menores. A desvantagem nesta situação é que ela faz utilização de dispositivos genéricos causando pouca utilização dos recursos disponíveis, e também por não fazer nenhuma modificação no sistema anfitrião, o software de virtualização utilizado fará testes em todas as instruções causando um overhead de processamento. O principal benefício da virtualização total é justamente o fato de que o sistema a ser virtualizado não sofre qualquer tipo de alteração; em compensação, o sistema virtualizado executa de forma mais lenta e o monitor de máquinas virtuais precisa implementar alternativas para que as operações privilegiadas possam ser executadas em processadores que não suportem a virtualização nativamente, tais como os processadores Intel 32 bits disponíveis atualmente. (LAUREANO Marcos, 2006, p.29)

9 Para-Virtualização Imagem 04 - Virtualização total (LAUREANO. Marcos, 2006, 29p) A principal diferença entre a virtualização total e a para-virtualização é realmente a necessidade de que o sistema, no caso da para-virtualização, seja modificado, e desta forma, diminui a portabilidade anfitrião x convidado. Há limites entre máquina real e virtual, como por exemplo, endereços da memoria e instruções dos processadores que são gerenciados pelo monitor da máquina virtual. A para-virtualização embora exija que o sistema a ser virtualizado precise ser modificado, o que diminui a portabilidade do sistema permite que o sistema convidado consiga acessar recursos do hardware diretamente. O acesso é monitorado pelo monitor de máquinas virtuais, que fornece ao sistema convidado todos os limites do sistema, tais como endereços de memória que podem ser utilizados e endereçamento em disco, por exemplo. (LAUREANO Marcos, 2006, p.30) A vantagem da para-virtualização vem do fato de que diminui a dificuldade dos desenvolvimentos das máquinas virtuais, trazendo uma compensação pelas modificações sofridas nos sistemas convidados. Imagem 05 - Para-virtualização (LAUREANO Marcos, 2006, p.30)

10 A para-virtualização reduz a complexidade do desenvolvimento das máquinas virtuais, já que, historicamente, os processadores não suportam a virtualização nativa. A performance obtida, a principal razão para utilizar a para-virtualização, compensa as modificações que serão implementadas nos sistemas convidados. (LAUREANO Marcos, 2006, p.30) Soluções em tecnologia para virtualização Hoje no mercado de virtualização de servidores encontram-se várias empresas e várias tecnologias: existem soluções pagas e até mesmo gratuitas, mas todas, existem também prós e contras. Este artigo irá abordar algumas delas, trazendo também as vantagens e desvantagens de cada. São usados para virtualização de micros e servidores voltados para testes com sistemas desktop podemos utilizar as soluções: Virtual Box Qemu VMware Microsoft Virtual PC BootCamp Parallels Já para virtualização de servidores em área em produção, que é o que este trabalho se propõe: VMware ESX e ESXi Citrix Xen Solução da ESX O VMware é uma solução muito utilizada por grandes empresas. A desta solução possui uma bagagem de fato comprovada em virtualização no mercado. Segundo a fabricante VMware (2011) o ESX e o ESXi podem fornecer uma infraestrutura de TI confiável e eficaz. Hoje elas são as soluções de virtualização líder de mercado, um trabalho com êxito comprovado na separação dos recursos de processador, memória, armazenamento e rede em várias máquinas virtuais, que podem executar um sistema operacional e aplicativos não modificados Solução da XenServer A solução para virtualização de servidores da empresa Citrix apresenta um software robusto de qualidade, e também de uma instalação um pouco mais difícil de ser implementada. Mas a gratuidade desse serviço, compensa a sua complexidade. Segundo a fabricante Citrix (2011) o XenServer é uma das poucas soluções de virtualização na classe empresarial cloud-proven que oferece recursos necessários para

11 migração à quente e um gerenciamento centralizado de múltiplos servidores sem nenhum custo Vantagens As vantagens da virtualização de servidores em qualquer das duas soluções sempre são as mesma, destacando é claro, que a solução XenServer da Citrix sai na frente por se tratar de um software totalmente gratuito como é citado pela fabricante. Segundo a Devel sistema (2011) as vantagens da virtualização de servidores em empresas de médio e grande porte são: Gerenciamento centralizado Instalações simplificadas Facilidade para a execução de backups Suporte e manutenção simplificados Acesso controlado a dados sensíveis e à propriedade intelectual mantendo-os seguros dentro do data center da empresa Independência de Hardware Disponibilização de novos servidores fica reduzida para alguns minutos Migração de servidores para novo hardware de forma transparente Maior disponibilidade e mais fácil recuperação em caso de desastres Compatibilidade total com as aplicações Economia de espaço físico Economia de energia elétrica utilizada em refrigeração e na alimentação dos servidores, entrando assim na chamada TI Verde (Sustentabilidade). Segurança: Usando máquinas virtuais, pode-se definido qual é o melhor ambiente para executar cada serviço, com diferentes requerimentos de segurança, ferramentas diferentes e o sistema operacional mais adequado para cada serviço. Além disso, cada máquina virtual é isolada das demais. Usando uma máquina virtual para cada serviço, a vulnerabilidade de um serviço não prejudica os demais. Confiança e disponibilidade: A falha de um software não prejudica os demais serviços. Custo: A redução de custos é possível utilizando pequenos servidores virtuais em um único servidor mais poderosos. Adaptação às diferentes cargas de trabalho: A carga de trabalho pode ser tratada de forma simples. Normalmente os softwares de virtualização realocam os recursos de hardware dinamicamente entre uma máquina virtual para a outra.

12 Balanceamento de carga: Toda a máquina virtual está encapsulada, assim é fácil trocar a máquina virtual de plataforma e aumentar o seu desempenho. Suporte a aplicações legadas: Quando uma empresa decide migrar para um novo Sistema Operacional, é possível manter o sistema operacional antigo sendo executado em uma máquina virtual, o que reduz os custos com a migração. Vale ainda lembrar que a virtualização pode ser útil para aplicações que são executadas em hardware legado, que está sujeito a falhas e tem altos custos de manutenção. Com a virtualização desse hardware, é possível executar essas aplicações em hardwares mais novos, com custo de manutenção mais baixo e maior confiabilidade. Melhor aproveitamento do espaço físico: menos dispositivos físicos instalados maior o espaço disponível em racks. Melhor aproveitamento do hardware: com o compartilhamento do hardware entre as máquinas virtuais reduz-se a ociosidade do equipamento. Simulações: Com as máquinas virtuais é possível simular redes inteiras, inclusive redes heterogenias. Pode-se utilizar sistemas operacionais que não possuam compatibilidade com o hardware, utilizando os recursos de virtualização de hardware. Possibilitando assim testes ou até mesmo economia com a compra de hardware de menor custos. Redução do downtime Facilidade ao migrar ambientes: evita reinstalação e reconfiguração dos sistemas a serem migrados Utilização de uma VM como ambiente de desenvolvimento: possibilita testes em SO s distintos e, por prover um ambiente isolado, evita que falhas na configuração e/ou execução, ou até mesmo vírus, danifiquem o hardware da máquina Desvantagens As desvantagens dessas soluções são aceitáveis pelos benefícios que estas implementações podem trazer à empresa, tratando-se de tempo de gestão, tempo de solução de problemas, ganho em espaço e dinamismo da área de TI. Segundo informa também a Devel (2011), esta implementação tem suas maiores desvantagens ligação direta com os hardwares dos servidores implementados. São elas: Grande uso de espaço em disco, já que é preciso de todos os arquivos para cada sistema operacional instalado em cada máquina virtual.

13 Dificuldade no acesso direto a hardware, como por exemplo placas específicas ou dispositivos USB Grande consumo de memória RAM dado que cada máquina virtual vai ocupar uma área separada da mesma Gerenciamento: Os ambientes virtuais necessitam ser instanciados, monitorados, configurados e salvos. Existem produtos que fornecem essas soluções, mas esse é o campo no qual estão os maiores investimentos na área de virtualização, justamente por se tratar de um dos maiores contratempos na implementação da virtualização. 3 METODOLOGIA O trabalho utilizou como tipo de pesquisa o estudo de caso da empresa Sênior Engenharia, que com a utilização de virtualização, mudou a forma de gerir os serviços da TI (Tecnologia da Informação) na estrutura da empresa. Marconi e Lakatos (2001) definem o método científico como o grupo de atividades sistemáticas e racionais que, com segurança e economia, permitem o alcance dos objetivos e conhecimentos válidos e reais, mostrando o caminho a ser seguido, mostrando uma forma de evitar erros e ajudando nas melhores práticas e decisões no estudo cientifico. Este trabalho, em função dos objetivos, foi concebido como uma pesquisa exploratória que, segundo Gil (1995), constitui pesquisas desenvolvidas com o propósito de proporcionar uma visão geral, de tipo aproximativo, sendo, geralmente, desenvolvida quando se trata de uma área na qual há pouco conhecimento acumulado e sistematizado (VERGARA, 2004). Andrade (2001) sintetiza dizendo que este tipo de pesquisa se configura como a fase preliminar, buscando proporcionar mais informações sobre o assunto a ser investigado. Primeiramente a coleta de dados foi estruturada por meio da pesquisa documental ou de fonte primária, que, na definição de Marconi e Lakatos (1990), se caracteriza em uma fonte restrita a documentos. Para GIL (1991), o estudo de caso se alicerça na ideia de que o questionamento de uma unidade de determinado mundo possibilita a compreensão da generalidade do mesmo, ou, pelo menos, estabeleça a bases para uma investigação posterior, mais sistemática e precisa". O trabalho também contou com o tipo explicativo de pesquisa. Segundo Gil (1991) o tipo explicativo é feito de preferência sobre temas pouco explorados que se torna um pouco

14 complicado formular hipóteses mais detalhadas sobre eles. O resultado final deste tipo de pesquisa traz melhor esclarecimento sobre os problemas. Para coletar os dados para este trabalho, utilizou de entrevistas, que na definição de GIL (1991) é a forma mais simples de se obter mais informações sobre o problema pesquisado, de uma forma geral e de rápida concepção do que se busca através de fatos reais em procedimento. Tendo como objetivo básico a coleta de dados necessários para a definição da pesquisa. 4 Apresentação e análise dos resultados A presente seção apresentará os resultados obtidos a partir da análise dos dados sobre a utilização da tecnologia de virtualização de servidores da empresa Sênior Engenharia, no âmbito da gerência e Governança de TI. 4.1 Sênior Engenharia A empresa foi fundada há 21 anos por quatro sócios que já experientes em projetos, obras, estudos técnicos e desenvolvimento de produtos na área de engenharia elétrica. A empresa possui duas subdivisões: a Sênior Montagem, que faz a montagens de seus produtos e soluções, a Sênior Equipamentos responsáveis por comercializar equipamentos e alguns serviços. A empresa está no mercado de projetos elétricos de grande porte, no treinamento de profissionais, criação de soluções e equipamentos e a comercialização dos mesmos. 4.2 Servidores A empresa conta com oito servidores físicos contando com matriz e filiais, sendo que quatro destas máquinas fazem a virtualização de vinte e dois servidores. E as duas máquinas restantes não são virtualizadas e não realizam serviços importantes na rede em termos de disponibilidade de serviço para o usuário. São máquinas que executam tarefas internas.

15 Imagem 06 - Servidores Físicos da Empresa Fonte: Elaborado pelo autor. 4.3 Serviços Os servidores da empresa implementam serviços diversos como serviços de arquivos, domínios, serviços de DNS(Sistema de Nomes de Domínios), serviços HTTP (Protocolo de transferência de hipertexto), serviço de banco de dados, serviços de , proxy, serviço de DHCP (protocolo de configuração dinâmica de endereços de rede), serviço de Firewall, controle de acesso wireless e VPN (Rede Privada Virtual) todos os serviços configurados e alguns serviços em servidores implementados em uma DMZ zona desmilitarizada Segundo Pinheiro (2004) uma DMZ ou ainda "Zona Neutra" corresponde ao segmento ou segmentos de rede, parcialmente protegidos, que se localizam entre redes protegidas e redes desprotegidas, e que contém todos os serviços e informações para clientes ou públicos. A DMZ pode também incluir regras de acesso específico e sistemas de defesa de perímetro para que simule uma rede protegida e induzindo os possíveis invasores para armadilhas virtuais de modo a se tentar localizar a origem do ataque. Imagem 07 Servidores Físicos e as Virtualizações Fonte: Elaborado pelo autor.

16 4.4 Usuários A empresa conta com um número considerável de usuários, cerca de 220 colaboradores, sabendo que uma fatia destes trabalham alocados em contratos e utilizam de acesso VPN com os serviços da matriz. O entrevistado frisa que esta é com certeza uma das partes que lhe dá mais trabalho para configurar e manter em funcionamento, maior parte por se tratar de pessoas leigas neste tipo de acesso. Normalmente são engenheiros, técnicos de seguranças ou representantes da empresa, causa muitos chamados Setores A Sênior engenharia tem seis departamentos em sua estrutura organizacional: Gestão Administrativa, o Financeiro, o Recursos Humanos, o Marketing, o Departamento de desenvolvimento e o da Produção. Todos estes setores estão dentro da estrutura lógica montada para melhor atende-los, deixando em destaque que o setor da TI se aplica ao departamento de gestão administrativa. 4.5 Gestão da ti Conforme analisado através da entrevista feita no mês de junho em 2011, a empresa conta com apenas quatro profissionais entre gerência, desenvolvimento, infraestrutura e suporte, considerando uma equipe bem enxuta para uma empresa que tem uma quantidade considerável de desktops e usuários. Mesmo assim pode observar que graças à implementação da solução da virtualização dos servidores, o trabalho torna-se mais rápido e fácil para a equipe da TI. 4.6 Depois da virtualização Depois de ser concluída no final do ano de 2010, a virtualização - que durou cerca de um ano - contando com pesquisas, para estudar o melhor software para a empresa, qual técnica seria mais viável para a empresa, colocar esta técnica em experiência, treinamentos para a gerência e finalmente a virtualização dos servidores, a Sênior Engenharia apresentava em julho de 2011 ótimos resultados. Todo transtorno e dificuldades encontradas antes da solução, foram reduzidos consideravelmente. Notou-se uma maior economia nos gastos em geral, economia de espaço e nos gastos com hardwares. Antes da virtualização, se o gerente precisasse criar outro servidor físico para uma filial, por exemplo, teria de primeiro solicitar ao financeiro uma máquina para tão configuração. Esta máquina depois de comprada, teria que ser configurada com um sistema operacional Server, incluída na rede da empresa a matriz, estruturada localmente a filial e implementada dentro da rede com todos os usuários e seus departamentos.

17 Já na solução de virtualização o mesmo gerente se logaria no sistema da máquina com as virtualizações e subiria uma das máquinas padrões criada pelo gerente para esta eventualidade, e mais um servidor estará pronto para ser levantado na rede, pronto para serviço da nova filial, em apenas alguns minutos dependendo dos tipos de serviços implementados Benefícios A virtualização dos servidores da Sênior trouxe maior desempenho para sistema ERP da empresa. Na máquina física, estava apresentando alguns problemas de incompatibilidade, provocando indisponibilidade de serviço. Após ser migrado para uma máquina virtual no primeiro trimestre deste ano (2011), mostrou maior desempenho e segurança. A economia de espaço dos ativos pode ser notado no CPD (Centro de Processamento de Dados). A empresa conta hoje com dezesseis servidores na matriz e seis entre as filiais, todos virtuais, rodando em seis máquinas físicas. Desta forma o consumo de energia da empresa teve uma redução bem considerável, ajudando também na preservação do meio ambiente. A empresa está pronta para crescer em qualquer tempo até mais de 50% dos usuários e micros em sua estrutura graças a esta tecnologia TI Verde Hoje se fala muito sobre a TI verde, e as grandes empresas estão se mobilizando para um maior envolvimento na sustentabilidade de nosso planeta, e ao ser perguntado sobre se existe algum projeto formal sobre a TI verde, o entrevistado informou que atualmente não há projeto em documentados sobre o assunto, mas crê que a empresa já ingressou nesta luta quando optou pela virtualização de seus servidores. Como já foi dito ao longo deste trabalho, a diminuição de gastos em energia elétrica e uso de ar condicionado, pode reduzir a emissão de CO 2 e o consumo desnecessário da energia elétrica. 5 CONCLUSÃO A virtualização deixou de ser uma possibilidade futura e tornou-se uma realidade para todas as empresas que tenham o desejo e a capacidade de manter-se no mercado. Esta inovação no processo de gestão da TI torna-se também necessária para todas as empresas que desejam rapidez nas soluções de softwares internos e serviços também esternos. Contudo, é

18 preciso observar a realidade de cada empresa. Esta solução não é um milagre e deve ser bem estudada e bem estruturada para que se obtenha o melhor para a empresa. Diante do trabalho apresentado, pode se concluir que a virtualização não só pode melhorar no aspecto de solução para espaço de maquinas, economias com energia e aquisição de várias máquinas para aumento da estrutura, como também melhorar a gestão como um todo. A virtualização possibilita conciliar o dinamismo com as melhores práticas, a agilidade com a qualidade de serviço. É realmente é interessante para toda empresa de grande e médio porte, que deseja crescer sem ter um grande impacto em seu orçamento, a implantação desta solução em suas instalações. REFERÊNCIAS ALECRIM, Emerson. Básico sobre DNS (Domain Name System). Infowester, Disponível em: < Acesso em 30 de janeiro de 2012 ABEPRO, Disponível em: <http://www.abepro.org.br/biblioteca/enegep2008_tn_stp_077_543_11709.pdf>. Acesso em: 3 mai BRASP. TI verde. Disponível em <http://brasp.com.br/novo/blogs/virtualizacao>. Acesso em 27 de março CARVALHO, João Antônio. Informática para Concursos 3ª ed. ver. Ampliada. Rio de Janeiro; Elservier, 2006 Citrix XenServer Disponível em <http://www.citrix.com.br/products/xenserver.php>. Acesso em 28 de junho FARIA, Fabio. Prefácio. In: ALBERTIN, L. A.; MOURA, R. M. (Organizadores). Tecnologia de Informação. São Paulo: Atlas, Firewall. Disponível em <http://www.rnp.br/newsgen/9708/n3-1>. Acessado em: 24 de junho Função do servidor de arquivos: Configurando um servidor de arquivos. Disponível em: Acessado em: 10 de junho GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 3. ed. São Paulo: Atlas, GOLDEN, Bernard; SCHEFFY, Clark. Virtualization for Dummies, Sun AMD Special Edition. Indianapolis: Wiley Publishing INC, GRAEML, A. R. Sistemas de informação: o alinhamento das estratégias de TI com a estratégia corporativa. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2003 História: Conhecendo a origem da virtualização. Disponível em: <http://www.vmworld.com.br/br/index.php?option=com_content&view=article&id=80:

19 historia-conhecendo-a-origem-da-virtualizacao&catid=50:virtualizacao>. Acesso em: 04 de julho JURAN, J.M.,GRYNA, F.M. Controle da qualidade handbook: conceitos, políticas e filosofia da qualidade. São Paulo: Makron, McGraw-Hill, 1991.V.I KUSNETZKY, Dan. Virtulization is more than a virtual machine software. Disponivel em < _VM.pdf>. Acesso em 30 de janeiro de 2012 LAUREANO, Marcos Aurélio Pchek. Máquinas Virtuais e Emuladores - Conceitos, Técnicas e Aplicações 1ª ed. Curitiba, Novatec, 2006 LAUREANO, Marcos Aurelio Pchek; MAZIERO, Carlos Alberto. Virtualização: Conceitos e Aplicações em Segurança. Minicursos em VIII Simpósio Brasileiro em Segurança da Informação e de Sistemas Computacionais. Capítulo de livro (4). Editora SBC Porto Alegre, LOPES, Raquel. Firewall, Boletim bimestral sobre tecnologia de redes publicado pela Rede Nacional de Ensino e Pesquisa Disponível em: <http://www.rnp.br/newsgen/9708/n3-1.html>. Acesso em Maio de MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Metodologia do Trabalho Científico. 7. ed. São Paulo: Atlas, MATTOS, K. M. da C.; PERALES, W. J. S. Os impactos ambientais causados pelo lixo eletrônico e o uso da logística reversa para minimizar os efeitos causados ao meio ambiente. In: Encontro Nacional de Engenharia de Produção, 28., 2008, Rio de Janeiro. Anais PINHEIRO, J. M. S. Artigo Projeto e Gestão de Redes de computadores. Disponível em < Acesso em 31 de jeneiro de 2012 O que é Servidor de Proxy. Disponível em: Acessado em: 24 de junho Profissionais de Tecnologia. O que é ITIL. Disponível em <http://www.profissionaisdetecnologia.com.br/blog/?p=168>. Acesso em 15 de maio RICARDO, J. C; MARQUES, C. F. C. Sistemas de Virtualização. Instituto Politécnico Gaya, 2009 RODRIGUEZ, M. V. R. Gestão Empresarial: organizações que aprendem. Rio de Janeiro: Qualitymark, Servidores e Redes de Computadores. Disponível em: <http://www.garlix.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=69&itemid=96 >. Acessado em: 24 de junho Servidor de . Disponível em: <http://www.grupocomp.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=138%3a servidor-de- &catid=67%3aservroktabs&itemid=66>. Acesso em 10 de junho. 2011

20 STAIR, R. M.; REYNOLDS, G. W. Princípios de sistemas de informação: uma abordagem gerencial. 4. ed. Rio de Janeiro/RJ: LTC, TI Verde e Cloud Computing. Disponível em: <http://blog.redehost.com.br/dicas/ti-verde-ecloud-computing.html>. Acesso em: 04 de julho VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e Relatórios de Pesquisa em administração. 4ª ed. São Paulo: Atlas, VMWARE. Conceitos básicos de virtualização. Disponível em: <http://www.vmware.com/br/technology/history.html>. Acesso em 01 de maio VMWARE ESX e VMware ESXi. Disponível em : <http://www.vmware.com/files/br/pdf/products/vmw_09q1_bro_esx_esxi_br_a4_p6_ R2.pdf> Acesso em: 01 de maio. 2011

Virtualização. O conceito de VIRTUALIZAÇÃO

Virtualização. O conceito de VIRTUALIZAÇÃO Virtualização A virtualização está presente tanto no desktop de um entusiasta pelo assunto quanto no ambiente de TI de uma infinidade de empresas das mais variadas áreas. Não se trata de "moda" ou mero

Leia mais

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores Máquinas Virtuais e Emuladores Marcos Aurelio Pchek Laureano Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware sistema operacional aplicações Sistemas

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores SISTEMAS OPERACIONAIS Maquinas Virtuais e Emuladores Plano de Aula Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente

Leia mais

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano Sistemas Operacionais Marcos Laureano 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3

Leia mais

Sistemas Operacionais 1/66

Sistemas Operacionais 1/66 Sistemas Operacionais 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware

Leia mais

Introdução a Virtualização. Sergio Roberto Charpinel Junior Profa. Roberta Lima Gomes

Introdução a Virtualização. Sergio Roberto Charpinel Junior Profa. Roberta Lima Gomes Introdução a Virtualização Sergio Roberto Charpinel Junior Profa. Roberta Lima Gomes Por que virtualizar? Descentralização de recursos computacionais Cloud computing Plena utilização de recursos físicos

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. Victor Halla Conteúdo Arquitetura de Processadores: Modo Operacional; Velocidade; Cache; Barramento; Etc. Virtualização: Maquinas virtuais; Gerenciamento

Leia mais

Professor Esp.: Douglas Diego de Paiva douglas.ddp@gmail.com

Professor Esp.: Douglas Diego de Paiva douglas.ddp@gmail.com VIRTUALIZAÇÃO Professor Esp.: Douglas Diego de Paiva douglas.ddp@gmail.com Virtualização o que é? É uma forma de esconder as características físicas de uma plataforma computacional dos usuários, emulando

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 3 Virtualização de Sistemas 1. Conceito Virtualização pode ser definida

Leia mais

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF.

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF. ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I Máquina Virtual Instalação de S.O. em dual boot 1º Semestre 2010 PROF. AMARAL Na ciência da computação, máquina virtual é o nome dado a uma máquina,

Leia mais

Virtualização - VMWare e Xen

Virtualização - VMWare e Xen Virtualização - VMWare e Xen A virtualização consiste na emulação de ambientes isolados, capazes de rodar diferentes sistemas operacionais dentro de uma mesma máquina, aproveitando ao máximo a capacidade

Leia mais

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel 1 4 Estrutura do Sistema Operacional 4.1 - Kernel O kernel é o núcleo do sistema operacional, sendo responsável direto por controlar tudo ao seu redor. Desde os dispositivos usuais, como unidades de disco,

Leia mais

Prof. José Maurício S. Pinheiro UniFOA 2009-2

Prof. José Maurício S. Pinheiro UniFOA 2009-2 Tecnologias WEB Virtualização de Sistemas Prof. José Maurício S. Pinheiro UniFOA 2009-2 Conceitos Virtualização pode ser definida como técnica que combina ou divide recursos computacionais para prover

Leia mais

Agenda. Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão

Agenda. Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão Máquinas Virtuais Agenda Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão Histórico Mainframe É um computador de grande porte, dedicado

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ. Andrey Rafael Intima VIRTUALIZAÇÃO DE SERVIDORES CORPORATIVOS EM AMBIENTE WINDOWS COM MONITORAMENTO VIA ZABBIX

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ. Andrey Rafael Intima VIRTUALIZAÇÃO DE SERVIDORES CORPORATIVOS EM AMBIENTE WINDOWS COM MONITORAMENTO VIA ZABBIX UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Andrey Rafael Intima VIRTUALIZAÇÃO DE SERVIDORES CORPORATIVOS EM AMBIENTE WINDOWS COM MONITORAMENTO VIA ZABBIX CURITIBA 2013 Andrey Rafael Intima VIRTUALIZAÇÃO DE SERVIDORES

Leia mais

Virtualização. Hardware Virtual? Máquina Virtual? Software ou Hardware? Profº André Luiz andreluizsp@gmail.com

Virtualização. Hardware Virtual? Máquina Virtual? Software ou Hardware? Profº André Luiz andreluizsp@gmail.com Virtualização Hardware Virtual? Máquina Virtual? Software ou Hardware? Profº André Luiz andreluizsp@gmail.com O problema...... os departamentos de TI passaram a ter consciência de que os recursos como

Leia mais

Universidade Utiliza Virtualização para Criar Data Center Com Melhor Custo-Benefício e Desempenho

Universidade Utiliza Virtualização para Criar Data Center Com Melhor Custo-Benefício e Desempenho Virtualização Microsoft: Data Center a Estação de Trabalho Estudo de Caso de Solução para Cliente Universidade Utiliza Virtualização para Criar Data Center Com Melhor Custo-Benefício e Desempenho Visão

Leia mais

Virtualização de Sistemas Operacionais

Virtualização de Sistemas Operacionais Virtualização de Sistemas Operacionais Felipe Antonio de Sousa 1, Júlio César Pereira 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil felipeantoniodesousa@gmail.com, juliocesarp@unipar.br Resumo.

Leia mais

ANDRE KUSUMOTO VIRTUALIZAÇÃO

ANDRE KUSUMOTO VIRTUALIZAÇÃO ANDRE KUSUMOTO VIRTUALIZAÇÃO OBJETIVO Objetivo do deste trabalho é o autoaprendizado e a disseminação do conhecimento empregado no conceito de virtualização. Assim como a demostração de seu uso em conjunto

Leia mais

Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II

Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II *Créditos: baseado no material do Prof. Eduardo Zagari Virtualização - Introdução Introduzido nos anos 60 em Mainframes Em 1980 os microcomputadores

Leia mais

ANÁLISE DE DESEMPENHO ENTRE SOFTWARES VIRTUALIZADORES

ANÁLISE DE DESEMPENHO ENTRE SOFTWARES VIRTUALIZADORES ANÁLISE DE DESEMPENHO ENTRE SOFTWARES VIRTUALIZADORES Vitor Rodrigues Tanamachi 1, Weber Poli de Oliveira 1, Alexandre Galvani 1. 1 Departamento de Informática Faculdade de Tecnologia de Bauru (FATEC)

Leia mais

Prof. Ms. José Eduardo Santarem Segundo santarem@univem.edu.br. Demonstrar o impacto que o tema virtualização tem representado no mercado

Prof. Ms. José Eduardo Santarem Segundo santarem@univem.edu.br. Demonstrar o impacto que o tema virtualização tem representado no mercado Prof. Ms. José Eduardo Santarem Segundo santarem@univem.edu.br Demonstrar o impacto que o tema virtualização tem representado no mercado de TI. Apresentar alguns conceitos e técnicas sobre a tecnologia

Leia mais

Consolidação de Servidores com VMware

Consolidação de Servidores com VMware Herles da Silva Rangel Curso de Especialização em Redes e Segurança Pontifica Universidade Católica do Paraná (PUC-PR) Curitiba, Maio de 2009 Resumo O presente trabalho trata da implementação de uma proposta

Leia mais

Automatizando o Data Center

Automatizando o Data Center Este artigo examina uma arquitetura alternativa que suporte a automação do data center e o provisionamento dinâmico sem a virtualização do sistema operacional. por Lori MacVittie Gerente Técnico de Marketing,

Leia mais

A SALA DE AULA é meu paraíso. Nela me realizo, nela exercito minha cidadania e nela me sinto útil.

A SALA DE AULA é meu paraíso. Nela me realizo, nela exercito minha cidadania e nela me sinto útil. Virtualização Meu nome: Nome de guerra: Meu e-mail: Marcos Vinicios Bueno Marques Professor Cidão marcos@cidao.com.br Quem sou? Professor e coordenador de cursos de TI do Senac Informática em Porto Alegre,

Leia mais

Dedicação e eficácia em T.I.

Dedicação e eficácia em T.I. Dedicação e eficácia em T.I. QUEM SOMOS A CRTI Solutions é uma empresa jovem no mercado de tecnologia, que se preocupa com as necessidades de seus clientes, buscando sempre soluções inovadoras com rapidez

Leia mais

Gestão em Sistemas de Informação. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br

Gestão em Sistemas de Informação. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br Gestão em Sistemas de Informação Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br Gestão em Sistemas de Informação Cloud Computing (Computação nas Nuvens) 2 Cloud Computing Vocês

Leia mais

VIRTUALIZAÇÃO EM SERVIDORES DE BANCO DE DADOS. Resumo: A estratégia de virtualização de servidores de banco de dados é uma tendência

VIRTUALIZAÇÃO EM SERVIDORES DE BANCO DE DADOS. Resumo: A estratégia de virtualização de servidores de banco de dados é uma tendência VIRTUALIZAÇÃO EM SERVIDORES DE BANCO DE DADOS Igor Lucas Coelho Santos 1 Iremar Nunes de Lima 2 Resumo: A estratégia de virtualização de servidores de banco de dados é uma tendência recente em Tecnologia

Leia mais

Virtualização: VMWare e Xen

Virtualização: VMWare e Xen Virtualização: VMWare e Xen Diogo Menezes Ferrazani Mattos Professor: Otto Carlos Disciplina: Redes I Universidade Federal do Rio de Janeiro POLI/COPPE 1 Introdução Virtualização Divisão da máquina física

Leia mais

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS Existem hoje diversas tecnologias e produtos para virtualização de computadores e ambientes de execução, o que pode gerar uma certa confusão de conceitos. Apesar disso, cada

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Análise Comparativa entre Sistemas Operacionais Virtualizados

Análise Comparativa entre Sistemas Operacionais Virtualizados FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Trabalho de Diplomação Felipe Machado da Costa de Andrade 061247 Andre Marcos Silva (Orientador) Trabalho de Diplomação Análise Comparativa

Leia mais

Virtualização de Software

Virtualização de Software UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA CURSO DE BACHARELADO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Virtualização de Software Luana Sandrini Saft Trabalho de conclusão de curso

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Cluster, Grid e computação em nuvem Slide 8 Nielsen C. Damasceno Introdução Inicialmente, os ambientes distribuídos eram formados através de um cluster. Com o avanço das tecnologias

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2 Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed. LTC,

Leia mais

CLOUD COMPUTING. Gustavo Matos Rodrigues 1 Leandro Panatta Vissentini 1 Sandy Júnior Sagiorato 1 Victor Daniel Scandolara 1 Eva Lourdes Pires 2

CLOUD COMPUTING. Gustavo Matos Rodrigues 1 Leandro Panatta Vissentini 1 Sandy Júnior Sagiorato 1 Victor Daniel Scandolara 1 Eva Lourdes Pires 2 CLOUD COMPUTING Gustavo Matos Rodrigues 1 Leandro Panatta Vissentini 1 Sandy Júnior Sagiorato 1 Victor Daniel Scandolara 1 Eva Lourdes Pires 2 Resumo: Este artigo tem como objetivo falar da computação

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário

Ministério do Desenvolvimento Agrário Capítulo 1 Ministério do Desenvolvimento Agrário Instituição: Sítio: Caso: Responsável: Palavras- Chave: Ministério do Desenvolvimento Agrário www.mda.gov.br Plano de Migração para Software Livre Paulo

Leia mais

Virtualização de desktop da NComputing

Virtualização de desktop da NComputing Virtualização de desktop da NComputing Resumo Todos nos acostumamos ao modelo PC, que permite que cada usuário tenha a sua própria CPU, disco rígido e memória para executar seus aplicativos. Mas os computadores

Leia mais

Soluções em Segurança

Soluções em Segurança Desafios das empresas no que se refere a segurança da infraestrutura de TI Dificuldade de entender os riscos aos quais a empresa está exposta na internet Risco de problemas gerados por ameaças externas

Leia mais

Introdução. Sistemas Operacionais. Introdução. Roteiro (1 / 2) Por que Máquinas Virtuais Existem? Roteiro (2 / 2)

Introdução. Sistemas Operacionais. Introdução. Roteiro (1 / 2) Por que Máquinas Virtuais Existem? Roteiro (2 / 2) Sistemas Operacionais O termo máquina virtual foi descrito na década de 60 como uma abstração de software que enxerga um sistema físico. Aula 7 Máquinas Virtuais Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre

Leia mais

Xen e a Arte da Virtualização

Xen e a Arte da Virtualização Xen e a Arte da Virtualização Paul Barham, Boris Dragovic, Keir Fraser, Steven Hand, Tim Harris, Alex Ho, Rolf Neugebauer, Ian Pratt, Andrew Warfield University of Cambridge Computer Laboratory Microsoft

Leia mais

Documento de Requisitos de Rede (DRP)

Documento de Requisitos de Rede (DRP) Documento de Requisitos de Rede (DRP) Versão 1.2 SysTrack - Grupo 1 1 Histórico de revisões do modelo Versão Data Autor Descrição 1.0 30/04/2011 João Ricardo Versão inicial 1.1 1/05/2011 André Ricardo

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

MÁQUINAS VIRTUAIS: AVENTURE-SE SEM MEDO NO UNIVERSO GNU/LINUX *

MÁQUINAS VIRTUAIS: AVENTURE-SE SEM MEDO NO UNIVERSO GNU/LINUX * MÁQUINAS VIRTUAIS: AVENTURE-SE SEM MEDO NO UNIVERSO GNU/LINUX * Rodrigo Sacramento de Britto Almeida Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano RESUMO: Assim como os demais softwares livres,

Leia mais

Introdução. 1.1. Âmbito do Documento

Introdução. 1.1. Âmbito do Documento Introdução Embora o conceito de virtualização, não seja um conceito novo, o uso desta tecnologia vem crescendo exponencialmente nas infra-estruturas de TI. Este crescimento deve-se sobretudo aos benefícios

Leia mais

A Academia Brasileira de Letras diz que este verbete não existe.

A Academia Brasileira de Letras diz que este verbete não existe. Virtualização Virtualização? A Academia Brasileira de Letras diz que este verbete não existe. Virtual: Segundo o Dicionário da Língua Portuguesa, significa: adj (lat virtuale) 1- Que não existe como realidade,

Leia mais

Hypervisor. Diego Souza Gomes 3 de maio de 2007

Hypervisor. Diego Souza Gomes 3 de maio de 2007 Hypervisor Diego Souza Gomes 3 de maio de 2007 Resumo As máquinas virtuais envolvem a criação de um sistema de computador totalmente em software. Usando-as, é possível hospedar vários computadores virtuais

Leia mais

Curso de Tecnologia em Redes de Computadores

Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 2: Segurança Física e Segurança Lógica Segurança

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

A Evolução dos Sistemas Operacionais

A Evolução dos Sistemas Operacionais Capítulo 3 A Evolução dos Sistemas Operacionais Neste capítulo, continuaremos a tratar dos conceitos básicos com a intensão de construirmos, agora em um nível mais elevado de abstração, o entendimento

Leia mais

Foz do Iguaçu PR Brasil luiz.baltazar@gmail.com, joao@barbosa.net.br, jorgeaikes@gmail.com

Foz do Iguaçu PR Brasil luiz.baltazar@gmail.com, joao@barbosa.net.br, jorgeaikes@gmail.com Análise de Desempenho e Viabilidade do Raspberry Pi como um Thin Client utilizando o Protocolo SPICE Luiz Alberto Alves Baltazar 1, João Paulo de Lima Barbosa 1, Jorge Aikes Junior 1 1 Curso de Ciência

Leia mais

Virtualização. Presente e futuro

Virtualização. Presente e futuro Virtualização Presente e futuro O que é virtualização? Virtualização é o processo de executar vários sistemas operacionais em uma única máquina. Cada máquina virtual é um ambiente completo e com todos

Leia mais

Licenciamento de estações de trabalho Windows para Ambientes VDI

Licenciamento de estações de trabalho Windows para Ambientes VDI Microsoft VDI e Windows VDA Perguntas Frequentes Licenciamento de estações de trabalho Windows para Ambientes VDI Como a Microsoft licencia o Windows das estações de trabalho em ambientes virtuais? A Microsoft

Leia mais

Dez fatos inteligentes que você deve saber sobre storage

Dez fatos inteligentes que você deve saber sobre storage Dez fatos inteligentes que você deve saber sobre storage Tendências, desenvolvimentos e dicas para tornar o seu ambiente de storage mais eficiente Smart decisions are built on Storage é muito mais do que

Leia mais

Máquinas Virtuais. Virtualização Tornar virtual. Exemplo comum de Virtualização PORTABILIDADE

Máquinas Virtuais. Virtualização Tornar virtual. Exemplo comum de Virtualização PORTABILIDADE Virtual: Existente apenas em potência ou como faculdade, não como realidade ou com efeito real Dicionário Houaiss Virtualização Tornar virtual Exemplo comum de Virtualização PORTABILIDADE Java Virtual

Leia mais

Hospedagem Virtualizada

Hospedagem Virtualizada Conheça também Desenvolvimento de sistemas Soluções de Segurança Soluções com o DNA da Administração Pública Há 43 anos no mercado, a Prodesp tem um profundo conhecimento da administração pública e também

Leia mais

Guia de vendas Windows Server 2012 R2

Guia de vendas Windows Server 2012 R2 Guia de vendas Windows Server 2012 R2 Por que Windows Server 2012 R2? O que é um servidor? Mais do que um computador que gerencia programas ou sistemas de uma empresa, o papel de um servidor é fazer com

Leia mais

CONSULTORIA E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA

CONSULTORIA E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA CONSULTORIA E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA Quem Somos A Vital T.I surgiu com apenas um propósito: atender com dedicação nossos clientes. Para nós, cada cliente é especial e procuramos entender toda a dinâmica

Leia mais

Consolidação inteligente de servidores com o System Center

Consolidação inteligente de servidores com o System Center Consolidação de servidores por meio da virtualização Determinação do local dos sistemas convidados: a necessidade de determinar o melhor host de virtualização que possa lidar com os requisitos do sistema

Leia mais

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL A Filosofia do Gerenciamento de Serviços em TI Avanços tecnológicos; Negócios totalmente dependentes da TI; Qualidade, quantidade e a disponibilidade (infra-estrutura

Leia mais

Melhorando o desempenho do data center por meio da virtualização de bancos de dados SQL Server

Melhorando o desempenho do data center por meio da virtualização de bancos de dados SQL Server Melhorando o desempenho do data center por meio da virtualização de bancos de dados SQL Server Conteúdo Resumo.........................................................1 O papel do SQL Server em pequenas

Leia mais

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER TÁSSIO JOSÉ GONÇALVES GOMES tassiogoncalvesg@gmail.com MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 TÁSSIO GONÇALVES - TASSIOGONCALVESG@GMAIL.COM 1 CONTEÚDO Arquitetura

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA INE BACHARELADO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA INE BACHARELADO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA INE BACHARELADO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO Xen Hypervisor Glauco Neves 07132022 Guilherme Pacheco 07232063 INE 5412-0432

Leia mais

Contrato de Suporte End.: Telefones:

Contrato de Suporte End.: Telefones: Contrato de Suporte Contrato de Suporte Desafios das empresas no que se refere à infraestrutura de TI Possuir uma infraestrutura de TI que atenda as necessidades da empresa Obter disponibilidade dos recursos

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB CURSO DE REDES DE COMPUTADORES MÁRCIO DA SILVA KLAUCK

ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB CURSO DE REDES DE COMPUTADORES MÁRCIO DA SILVA KLAUCK ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB CURSO DE REDES DE COMPUTADORES MÁRCIO DA SILVA KLAUCK VIRTUALIZAÇÃO DE SISTEMAS: Implementação com o VMware no Ambiente Servidor do Frigorífico Excelência VILA VELHA

Leia mais

Gabriel Oliveira do Nascimento Rogério Libarino Aguilar. UFF - Universidade Federal Fluminense

Gabriel Oliveira do Nascimento Rogério Libarino Aguilar. UFF - Universidade Federal Fluminense Gabriel Oliveira do Nascimento Rogério Libarino Aguilar 1 Introdução Mododelo: Hardware -> Sistema Operacional -> Aplicações Aplicação desenvolvida para um SO. Capacidade de processamento aumentando bastante

Leia mais

Portfólio de Serviços e Produtos Julho / 2012

Portfólio de Serviços e Produtos Julho / 2012 Portfólio de Serviços e Produtos Julho / 2012 Apresentação Portfólio de Serviços e Produtos da WebMaster Soluções. Com ele colocamos à sua disposição a Tecnologia que podemos implementar em sua empresa.

Leia mais

ARQUITETURA TRADICIONAL

ARQUITETURA TRADICIONAL INTRODUÇÃO Atualmente no universo corporativo, a necessidade constante de gestores de tomar decisões cruciais para os bons negócios das empresas, faz da informação seu bem mais precioso. Nos dias de hoje,

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II

GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II Servidores Definição Servidores História Servidores Tipos Servidores Hardware Servidores Software Evolução do Windows Server Windows Server 2003 Introdução Windows Server

Leia mais

Virtualização de Desktops NComputing

Virtualização de Desktops NComputing NComputing Resumo Todos já nos acostumamos ao formato do PC, que permite que cada usuário tenha sua própria CPU, seu próprio disco rígido e sua própria memória para rodar seus aplicativos. Mas os computadores

Leia mais

Cisco Intelligent Automation for Cloud

Cisco Intelligent Automation for Cloud Dados técnicos do produto Cisco Intelligent Automation for Cloud Os primeiros a adotarem serviços com base em nuvem buscavam uma economia de custo maior que a virtualização e abstração de servidores podiam

Leia mais

Soluções em Mobilidade

Soluções em Mobilidade Soluções em Mobilidade Soluções em Mobilidade Desafios das empresas no que se refere a mobilidade em TI Acesso aos dados e recursos de TI da empresa estando fora do escritório, em qualquer lugar conectado

Leia mais

CA Server Automation. Visão geral. Benefícios. agility made possible

CA Server Automation. Visão geral. Benefícios. agility made possible FOLHA DE PRODUTOS: CA Server Automation agility made possible CA Server Automation O CA Server Automation é uma solução integrada de gerenciamento de data center que automatiza o provisionamento, a aplicação

Leia mais

Virtualização. Prof. Emiliano Monteiro

Virtualização. Prof. Emiliano Monteiro Virtualização Prof. Emiliano Monteiro Conceitos Virtualização significa criar uma versão virtual de um dispositivo ou recurso, como um servidor, dispositivo de armazenamento, rede ou até mesmo um sistema

Leia mais

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa.

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa. CLUSTERS Pode-se pegar uma certa quantidade de servidores e juntá-los para formar um cluster. O serviço então é distribuído entre esses servidores como se eles fossem uma máquina só. Um cluster de servidores

Leia mais

Departamento de Tecnologia da Informação

Departamento de Tecnologia da Informação Xen - O case de virtualização da Alergs XIII Enial - Brasília Novembro/2010 DTI Superintendência Administrativa e Financeira Assembleia Legislativa do RS Tópicos abordados: A infraestrutura de TI Alergs

Leia mais

Máquinas Virtuais E eu com isso???

Máquinas Virtuais E eu com isso??? E eu com isso??? IV Ciclo de Palestras sobre Software Livre Daniel Antonio Fenrnandes Bojczuk Slide 1 de 27 Virtual: Existente apenas em potência ou como faculdade, não como realidade ou com efeito real

Leia mais

KeeP Desenvolvimento e Tecnologia

KeeP Desenvolvimento e Tecnologia KeeP Desenvolvimento e Tecnologia Transformar Necessidade em Realidade! KeeP Integrando Soluções: Conectando pessoas, processos e dados. KeeP-Backup Nós da KeeP desenvolvemos uma solução de backup/clonagem

Leia mais

Textos para "soluções Integratto"

Textos para soluções Integratto Textos para "soluções Integratto" 1) Segurança para comunicação confiável e prevenção no vazamento de dados sigilosos Para alguns tipos de negócio, o sigilo na comunicação e a segurança no trânsito de

Leia mais

Redução de até 35% no custo da infraestrutura da computação no desktop

Redução de até 35% no custo da infraestrutura da computação no desktop Matriz global: 5 Speen Street Framingham, MA 01701 EUA Tel.: 508.872.8200 Fax: 508.935.4015 www.idc.com B O L E T I M I N F O R M A T I V O G e r a n d o v a l o r d e n e g ó c i o c o m v i r t u a l

Leia mais

SISTEMAS BRASILEIRO EM INFORMÁTICA CNPJ:

SISTEMAS BRASILEIRO EM INFORMÁTICA CNPJ: Dados da Empresa Dados da SYSTEMBRAS SISTEMAS BRASILEIRO EM INFORMÁTICA CNPJ: 00.000.000/0001-00 Rua Paramoti, 04 Vila Antonieta SP Cep: 03475-030 Contato: (11) 3569-2224 A Empresa A SYSTEMBRAS tem como

Leia mais

Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC

Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC 1. Diretor da Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação Coordenar

Leia mais

Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS.

Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS. Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS. Clara Aben-Athar B. Fernandes¹, Carlos Alberto P. Araújo¹ 1 Centro Universitário Luterano de Santarém Comunidade Evangélica Luterana (CEULS/ULBRA)

Leia mais

EXECUTIVE. Virtualização eficiência sob medida

EXECUTIVE. Virtualização eficiência sob medida EXECUTIVE briefing guia executivo para decisões estratégicas Virtualização eficiência sob medida Alta capacidade de processamento em espaço reduzido a custos menores. O conceito reúne todas essas vantagens

Leia mais

Proteção de ambientes Citrix XenServer com Arcserve

Proteção de ambientes Citrix XenServer com Arcserve Proteção de ambientes Citrix XenServer com Arcserve Desafios do cliente Hoje em dia, você enfrenta desafios como acordos de nível de serviço exigentes e limitações de equipe e orçamento. Você procura maneiras

Leia mais

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho vi http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Administração de Redes de Computadores Resumo de Serviços em Rede Linux Controlador de Domínio Servidor DNS

Leia mais

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer lugar e independente da plataforma, bastando para isso

Leia mais

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões FACSENAC ECOFROTA Documento de Projeto Lógico de Rede Versão:1.5 Data: 21/11/2013 Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: FacSenac

Leia mais

Segurança Internet. Fernando Albuquerque. fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando (061) 273-3589

Segurança Internet. Fernando Albuquerque. fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando (061) 273-3589 Segurança Internet Fernando Albuquerque fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando (061) 273-3589 Tópicos Introdução Autenticação Controle da configuração Registro dos acessos Firewalls Backups

Leia mais

Apresentação resumida

Apresentação resumida New Generation Data Protection Powered by AnyData Technology Apresentação resumida Para obter apresentação completa ou mais informações ligue (11) 3441 0989 ou encaminhe e-mail para vendas@dealerse.com.br

Leia mais

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com Cloud Computing Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Roteiro O que é cloud computing? Classificação O que está 'por traz' da cloud? Exemplos Como montar a sua? O que é cloud computing? Cloud Computing O

Leia mais

O que é Cloud Computing (Computação nas Nuvens)?

O que é Cloud Computing (Computação nas Nuvens)? O que é Cloud Computing (Computação nas Nuvens)? Introdução A denominação Cloud Computing chegou aos ouvidos de muita gente em 2008, mas tudo indica que ouviremos esse termo ainda por um bom tempo. Também

Leia mais

Características Básicas de Sistemas Distribuídos

Características Básicas de Sistemas Distribuídos Motivação Crescente dependência dos usuários aos sistemas: necessidade de partilhar dados e recursos entre utilizadores; porque os recursos estão naturalmente em máquinas diferentes. Demanda computacional

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com Planejamento Estratégico de TI Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com VPN Virtual Private Network Permite acesso aos recursos computacionais da empresa via Internet de forma segura Conexão criptografada

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

Metas de um Sistema Distribuído

Metas de um Sistema Distribuído Metas de um Sistema Distribuído Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DE PEQUENA E MÉDIA PLATAFORMA COM EFICIÊNCIA E BAIXO CUSTO

IMPLEMENTAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DE PEQUENA E MÉDIA PLATAFORMA COM EFICIÊNCIA E BAIXO CUSTO IMPLEMENTAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DE PEQUENA E MÉDIA PLATAFORMA COM EFICIÊNCIA E BAIXO CUSTO Flávio Luis de Oliveira (flavio@celepar.pr.gov.br) Helio Hamilton Sartorato (helio@celepar.pr.gov.br) Yuri

Leia mais

CA ARCserve Backup. Visão geral

CA ARCserve Backup. Visão geral INFORME DE PRODUTO: CA ARCSERVE BACKUP R12.5 CA ARCserve Backup CA ARCSERVE BACKUP, O PRODUTO DE ALTA PERFORMANCE, LÍDER DA INDÚSTRIA DE PROTEÇÃO DE DADOS, COMBINA TECNOLOGIA INOVADORA DE ELIMINAÇÃO DE

Leia mais