Automação do relacionamento com os cartórios de Registros de Imóveis e padronização de contratos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Automação do relacionamento com os cartórios de Registros de Imóveis e padronização de contratos"

Transcrição

1 Automação do relacionamento com os cartórios de Registros de Imóveis e padronização de contratos Flauzilino Araújo dos Santos Oficial de Primeiro Registro de Imóveis de São Paulo - Capital Presidente da Associação dos Registradores Imobiliários do Estado de São Paulo (ARISP) Diretor de Tecnologia do Instituto de Registro Imobiliário do Brasil (IRIB)

2 Posição do Registro de Imóveis na Estrutura Jurídica Nacional Os contornos fundamentais do Sistema de Registro de Imóveis estão delineados em diversos dispositivos da Constituição da República Federativa do Brasil. CF/Art. 236: Os serviços notariais e de registro são exercidos em caráter privado, por delegação do Poder Público. 1º - Lei regulará as atividades, disciplinará a responsabilidade civil e criminal dos notários, dos oficiais de registro e de seus prepostos, e definirá a fiscalização de seus atos pelo Poder Judiciário. 2º - Lei federal estabelecerá normas gerais para fixação de emolumentos relativos aos atos praticados pelos serviços notariais e de registro. 3º - O ingresso na atividade notarial e de registro depende de concurso público de provas e títulos, não se permitindo que qualquer serventia fique vaga, sem abertura de concurso de provimento ou de remoção, por mais de seis meses.

3 A dupla natureza do Registro de Imóveis: Pública e Privada PÚBLICA: Quanto à dependência da Administração nos seguintes aspectos: a) Funcional: acesso por concurso público de provas e títulos, direitos e deveres, proibições e impedimentos, atuação imparcial e independente, decisões fundamentadas e recorríveis, fiscalização pelo Poder Judiciário, responsabilização civil, administrativa e penal, territorialidade, fixação dos emolumentos por lei (taxa), gratuidades, isenções, extinção da delegação etc.; b) Prestação de serviços: localização da serventia, fixação de horário mínimo de atendimento, continuidade dos serviços, mobiliário e sistemas adequados, informatização etc.; PRIVADA: gestão econômica, financeira e administrativa da Serventia, contratação de pessoal e serviços, aquisição de móveis e equipamentos, responsabilização civil por inadequado exercício profissional etc.

4 Organização de um Registro de Imóveis A natureza da outorga administrativa da delegação seja somada ao exercício da atividade em caráter privado. Princípios empresarias autônomos próprios do setor privado são somados aos critérios administrativos de prestação, regulamentação e controle de serviços públicos. Resultado: Serviço público adequado iluminado por valores, princípios e procedimentos inerentes à iniciativa privada.

5 Mercado Imobiliário & Registro de Imóveis O Mercado Imobiliário é um mercado econômico mas é também um mercado de direitos. O Registro não cria o Mercado porém é uma ferramenta sem a qual este não pode desenvolver-se adequadamente. O Registro de Imóveis tem contribuído para expansão do Mercado Imobiliário relativamente aos itens que lhe correspondem: segurança jurídica e transparência dos negócios inerentes. A transparência decorrente da publicidade registral faz com que o mercado seja como um todo mais confiável e eficiente.

6 Questões essenciais do Mercado Imobiliário garantidas pelo Registro de Imóveis Liquidez de domínio e garantia de idoneidade financeira nos empreendimentos loteamentos (Lei 6.766/79) e incorporações imobiliárias (Lei 4.591/64). Propriedade do devedor hipotecante ou do devedor fiduciante nos contratos de financiamento imobiliário. Controle e manutenção do grau da hipoteca à favor do credor hipotecário ou da propriedade fiduciária em nome do credor fiduciário. Controle de emissão de Cédula de Crédito Imobiliário (CCI) de sorte que não tenhamos crédito sem lastro em circulação no Mercado. Mecanismos extrajudiciais céleres para o caso de inadimplemento por falta de pagamento e consolidação da propriedade fiduciária, para fins de retomada do imóvel e sua recolocação no mercado (Alienação Fiduciária).

7 Automação do relacionamento com os Registros de Imóveis: Primeiros Passos 1997 Constituição da Central de Serviços Eletrônicos da ARISP para atender pedidos de certidões pela Internet (Prov. CGJSP 25/97): certidões entregues Implantação do Sistema de Ofício Eletrônico para atender pesquisas para localização de bens e emissão de certidões para o Poder Judiciário e órgãos da Administração Pública de ofícios eletrônicos atendidos Emissão de certidões eletrônicas para tabeliães de notas e usuários privados em caráter experimental na Comarca da Capital (Prov. CGJSP 32/2007).

8 Automação do relacionamento com os Registros de Imóveis: Outros Passos 2009 Implantação do Sistema de Penhora Eletrônica de Imóveis (Penhora Online) em todos os Registros de Imóveis do Estado de São Paulo (Prov. CGJSP 6/2009) Desenvolvimento do e-protokollon: 1) Protocolo Eletrônico de Títulos; b) Repositório Confiável de Documentos Eletrônicos (para consulta ou download) ARISP, IRIB e CNJ firmam Termos de Cooperação Técnica para expansão do Ofício Eletrônico e da Penhora Online para todos os Tribunais e Registros de Imóveis do País e desenvolvimento da Central Nacional de Indisponibilidade.

9 Automação do relacionamento com os Registros de Imóveis: Outros Passos 2011 Implementação em todos os Cartórios de Registros de Imóveis do Estado de São Paulo de: 1) Certidão Eletrônica; 2) Visualização de Matrícula (matrícula online); e 3) Pesquisa para localização de bens imóveis por usuários privados (Prov. CGJSP 4/2011). DESTAQUE: Fixação do prazo de duas horas úteis para emissão de certidão digital (Prov. CGJSP 4/2011). A Lei nº , de criou o registro eletrônico para ser implantado no prazo de cinco anos.

10 Registro Eletrônico - objetivos Redução dos custos na produção do serviço, com repercussão para o usuário final. Celeridade. Diminuição do tempo de espera dos usuários. Universalização dos serviços registrais: 1) Acesso diretamente, sem intermediários; 2) desde qualquer lugar e qualquer hora (24x7x365). Interoperabilidade no intercâmbio das informações registrais: emissão e recepção eletrônica de documentos por notários, juízes, advogados, gestores públicos, empresas e pessoas físicas. Confiança, autenticidade e integridade das transações imobiliárias eletrônicas mediante emprego de certificado digital e carimbo de tempo que garanta a identidade do autor, a data, a integridade do texto e o responsável pela remessa. Constituir um poderoso instrumento de mercado e para elaboração de políticas públicas, mediante análises e estatísticas dos dados inscritos.

11 Central de Serviços Eletrônicos Compartilhados dos Registradores de Imóveis - Central Registradores Sistema do Ofício Eletrônico destinado à pesquisa para localização de bens imóveis e à troca de informações e de dados entre os serviços de registro de imóveis e órgãos da Administração Pública; Sistema de Penhora Eletrônica de Imóveis (Penhora Online) destinado à pesquisa para localização de bens imóveis e ao tráfego de ordens judiciais e de certidões para averbações de penhoras, arrestos e seqüestros de bens imóveis, em meio inteiramente eletrônico; Central Nacional de Indisponibilidade de Bens Imóveis (CNIBI) sistema destinado ao armazenamento de comunicações das indisponibilidades de bens decretadas pelo Poder Judiciário e por Autoridades Administrativas e de seus cancelamentos; Sistema de Publicidade e Tramitação de Títulos (SPTT) destinado a pesquisa para localização de bens imóveis e ao tráfego de títulos, certidões e informações dos serviços de registros de imóveis.

12 Infraestrutura de Apoio da Central de Serviços Eletrônicos dos Registradores de Imóveis (Central Registradores) AC BR Autoridade Certificadora Brasileira de Registros (ICP-Brasil) emissão de certificados digitais. Certidão Express Software específico para emissão de certidão digital no padrão PDF/A com inclusão de metadados destinado para cartórios com baixo nível de informatização. Assinador Digital Registral Assinador e Visualizador de Documentos Eletrônicos distribuído gratuitamente na Web. Autenticador Digital ARISP Software de autenticação homologado pelo ITI Autenticação segura nos padrões ICP-Brasil. Banco de Dados Light (BDL) - Base de dados compartilhada. WebService ARISP Solução para integração de sistemas com a Central Registradores. Backup Online ARISP Espaço para armazenamento digital de dados para os Registros de Imóveis. Cloud Server (Servidor Virtual) Viabiliza que cartórios de qualquer porte possam fazer uso da Computação em Nuvem.

13 Padronização de Contratos de Financiamento Imobiliário Estrutura contratual padronizada por regulamentação prévia e comum entre os operadores do sistema (Abecip). Desejável? Conveniente? Tornar os contratos mais fáceis de serem entendidos pela população adequando-os a linguagem e estrutura gráfica para facilitar a vida do consumidor. Padronizar somente o Sumário Executivo do Contrato que será assinado apenas pelo Agente Financeiro com Certificado Digital ICP-Brasil incluindose Carimbo do Tempo. Esse arquivo seria enviado para o Registro de Imóveis em dois formatos: XML (Extensible Markup Language) para fins de processamento, juntamente e PDF-A (Portable Document Format) destinado a acessibilidade e exibição do conteúdo. Não se trata apenas de troca de dados. Deverá ser formalizado instrumento eletrônico que ostente o caráter de título com requisitos da Lei /2009 (Registro Eletrônico) pra fins de ingresso no Registro de Imóveis.

14 Considerações sobre o Sumário Executivo do Contrato de Financiamento Imobiliário Os contratos celebrados no âmbito do SFH e do SFI têm força de escritura pública (Lei nº 9.514/97,arts. 38 e Parágrafo único do art. 22, com redação dada pela Lei nº /2004; art. 1º da Lei nº 5.049/66, que alterou o art. 61 da Lei nº 4.380/64); A identificação dos contratantes, a aferição da capacidade civil e a coleta de suas assinaturas são realizadas pelo Agente Financeiro, dispensado o reconhecimento de firma notarial; O original é conservado em poder do Agente Financeiro; Possível aplicação analógica ao traslado notarial expedido pelo Tabelião onde este afirma que o original da escritura que lhe deu origem encontra-se devidamente assinado em seu arquivo.

15 Sumário Executivo do Contrato de Financiamento que será encaminhado para o Registro de Imóveis: requisitos Ter o status de título, na forma prevista no Art. 222, da Lei 6.015/73 (Lei de Registros Públicos). Atender disposições previstas no art. 38, da Lei /2009: Os documentos eletrônicos apresentados aos serviços de registros públicos ou por eles expedidos deverão atender aos requisitos da Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP e à arquitetura e-ping (Padrões de Interoperabilidade de Governo Eletrônico). Opção: Arquivos em XML e PDF-A, assinados digitalmente com Certificado Digital ICP-Brasil, inclusão de Carimbo de Tempo e Metadados. Tráfego em plataforma segura e eficiente com redundância e alta disponibilidade e que atenda aos requisitos da ICP-Brasil e à arquitetura e- PING e as normas editadas pelo Poder Fiscalizador o Judiciário. A Central de Serviços Eletrônicos dos Registradores (Central Registradores) operada pela ARISP com o apoio institucional do IRIB cumpre esses requisitos.

16 Reflexão Em 1980, os principais bancos brasileiros competiam acirradamente para ver qual deles seria o primeiro a implantar um sistema de agências em rede. A maioria apostava em um sistema descentralizado, baseado em minicomputadores. Apenas o Itaú remava contra a corrente e preparava um sistema centralizado, apoiado em grandes computadores. Ao perceber o que estava acontecendo, Olavo Setúbal, um dos donos do banco ligou para Carlos Eduardo Corrêa da Fonseca, mais conhecido como Karman, responsável pelo projeto e questionou: Não vai me dizer que você é o único soldadinho do batalhão que está com o passo certo!, disse Setúbal. Todo mundo está com o sistema descentralizado. Para convencer o chefe, Karman preparou um argumento infalível. Dr. Olavo, me responda: qual o caminho mais curto entre dois pontos?. Perguntou. A linha reta, respondeu o engenheiro. Karman, então, desenhou uma linha reta entre o cliente e o banco. Com isso, queria mostrar que sua insistência nesse modelo não era apenas uma questão técnica, mas também de negócios (Fonte: Revista Isto é Dinheiro nº 735, Ano 14, , pág. 64, O legado de um visionário, por Rodrigo Caetano).

17 Muito Obrigado! Flauzilino Araújo dos Santos São Paulo, 7 de novembro de 2011

REGISTRO PÚBLICO DE IMÓVEIS: BASE SEGURA PARA O CRÉDITO IMOBILIÁRIO

REGISTRO PÚBLICO DE IMÓVEIS: BASE SEGURA PARA O CRÉDITO IMOBILIÁRIO REGISTRO PÚBLICO DE IMÓVEIS: BASE SEGURA PARA O CRÉDITO IMOBILIÁRIO Seminário ABECIP 20/09/2012: dobrando a participação do crédito imobiliário no PIB Flaviano Galhardo Registrador de Imóveis 1 - FINS

Leia mais

TERMO DE ADESÃO PARA INTERCÂMBIO DE INFORMAÇÕES ELETRÔNICAS

TERMO DE ADESÃO PARA INTERCÂMBIO DE INFORMAÇÕES ELETRÔNICAS TERMO DE ADESÃO PARA INTERCÂMBIO DE INFORMAÇÕES ELETRÔNICAS A ASSOCIAÇÃO DOS REGISTRADORES IMOBILIÁRIOS DE SÃO PAULO ARISP, CNPJ/MF nº 69.287.639/0001-04, entidade civil sem fins lucrativos, com sede na

Leia mais

OS CARTÓRIOS VÃO ACABAR

OS CARTÓRIOS VÃO ACABAR VOCÊ SEMPRE OUVIU DIZER QUE... OS CARTÓRIOS VÃO ACABAR O QUE VOCÊ VAI FAZER A RESPEITO? QUAL O FUTURO DOS REGISTROS PÚBLICOS O QUE QUEREMOS? A QUEM INTERESSA? COMO FAZER? CRISE OPORTUNIDADE Lei nº 11.977,

Leia mais

REGISTRO ELETRÔNICO. BASE LEGAL O Registro Eletrônico no Brasil foi introduzido pela Lei 11.977, de 7 de julho de 2009.

REGISTRO ELETRÔNICO. BASE LEGAL O Registro Eletrônico no Brasil foi introduzido pela Lei 11.977, de 7 de julho de 2009. REGISTRO ELETRÔNICO Trabalho apresentado no XXVII Encontro do Comitê Latino Americano de Consulta Registral BASE LEGAL O Registro Eletrônico no Brasil foi introduzido pela Lei 11.977, de 7 de julho de

Leia mais

PROVIMENTO Nº, DE DE AGOSTO DE 2015. A CORREGEDORA NACIONAL DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições legais e regimentais:

PROVIMENTO Nº, DE DE AGOSTO DE 2015. A CORREGEDORA NACIONAL DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições legais e regimentais: PROVIMENTO Nº, DE DE AGOSTO DE 2015 Estabelece diretrizes gerais para o sistema de registro eletrônico de títulos e documentos e civil de pessoas jurídicas. A CORREGEDORA NACIONAL DA JUSTIÇA, no uso de

Leia mais

Instruções para Integração dos Registros de Imóveis com a Central de Serviços Eletrônicos Compartilhados dos Registradores de Imóveis

Instruções para Integração dos Registros de Imóveis com a Central de Serviços Eletrônicos Compartilhados dos Registradores de Imóveis Instruções para Integração dos Registros de Imóveis com a Central de Serviços Eletrônicos Compartilhados dos Registradores de Imóveis Versão 1.0 Março/2014 CENTRAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICOS COMPARTILHADOS

Leia mais

Primeiras impressões da minuta do Decreto Regulamentar

Primeiras impressões da minuta do Decreto Regulamentar Colégio Registral do Rio Grande do Sul VIII Encontro Notarial e Registral do Rio Grande do Sul REGISTRO ELETRÔNICO Primeiras impressões da minuta do Decreto Regulamentar Julio Cesar Weschenfelder BASE

Leia mais

O USO DO CERTIFICADO ICP- BRASIL NA CENTRAL NACIONAL DE INDISPONIBILIDE DE BENS

O USO DO CERTIFICADO ICP- BRASIL NA CENTRAL NACIONAL DE INDISPONIBILIDE DE BENS O USO DO CERTIFICADO ICP- BRASIL NA CENTRAL NACIONAL DE INDISPONIBILIDE DE BENS Frederico Jorge Vaz de Figueiredo Assad 1º Oficial Registrador de Ribeirão Preto - SP CENTRAL NACIONAL DE INDISPONIBILIDE

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO DE SÃO PAULO Fls.1 Assunto: Regulamentação das Certidões Digitais, como previsto nas Normas de Serviço da Egrégia Corregedoria Geral da Justiça Processo: nº 583.00.2008.100521-1 (CP. 07/08) 1ª Vara de Registros Públicos

Leia mais

informatização nos processos de loteamentos

informatização nos processos de loteamentos Tema: Registro de Imóveis Procedimentos e informatização nos processos de loteamentos Palestrante: Flauzilino Araújo dos Santos 1º Oficial de Registro de Imóveis em São Paulo e Presidente da Arisp CENTRAL

Leia mais

Projeto Rede de Gestão Integrada de Informações Territoriais (SINTER)

Projeto Rede de Gestão Integrada de Informações Territoriais (SINTER) Proposta de Minuta do Decreto de Regulamentação do Sistema de Registro Eletrônico Projeto Rede de Gestão Integrada de Informações Territoriais (SINTER) Grupo de Trabalho de Normas Brasília, 24 de abril

Leia mais

Válida até 30/03/2011

Válida até 30/03/2011 Tabela de Emolumentos / 2011 (1) Válida até 30/03/2011 Anexo da Portaria nº 1448 /CGJ/2010 (a que se refere o 1º do artigo 2º da Lei n.º 15.424, de 30 de dezembro de 2004, atualizado nos termos do artigo

Leia mais

PROPOSTA DE MINUTA PROVIMENTO Nº X/2015, DE XXXXXXX DE 2015.

PROPOSTA DE MINUTA PROVIMENTO Nº X/2015, DE XXXXXXX DE 2015. PROPOSTA DE MINUTA PROVIMENTO Nº X/2015, DE XXXXXXX DE 2015. Regulamenta o Sistema de Registro Eletrônico de Imóveis e institui a C e n t r a l N a c i o n a l d e S e r v i ç o s E l e t r ô n i c o s

Leia mais

A LAVRATURA DOS CONTRATOS PARTICULARES DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO POR ESCRITURA PÚBLICA: POSSÍVEIS CONVÊNIOS COM BANCOS SEGURANÇA JURÍDICA E FÉ PÚBLICA

A LAVRATURA DOS CONTRATOS PARTICULARES DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO POR ESCRITURA PÚBLICA: POSSÍVEIS CONVÊNIOS COM BANCOS SEGURANÇA JURÍDICA E FÉ PÚBLICA A LAVRATURA DOS CONTRATOS PARTICULARES DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO POR ESCRITURA PÚBLICA: POSSÍVEIS CONVÊNIOS COM BANCOS SEGURANÇA JURÍDICA E FÉ PÚBLICA Rodrigo Reis Cyrino Tabelião do Cartório do 2º Ofício

Leia mais

ANEXO II - Códigos dos atos praticados pelos serviços notariais e de registro

ANEXO II - Códigos dos atos praticados pelos serviços notariais e de registro ANEXO II - s dos atos praticados pelos serviços notariais e de registro ATOS DO TABELIÃO DE NOTAS TABELA 1 (R$) Valor Final ao Usuário 1 Aprovação de testamento cerrado 139,36 43,83 183,19 1101-5 2 Ata

Leia mais

Tabela de Custas TABELA II Dos Ofícios de Registro de Imóveis Tabela elaborada sob responsabilidade da Associação dos Registradores Imobiliários de São Paulo ARI. Em vigor a partir de 8 de janeiro de 2015.

Leia mais

TABELA II ATOS DO OFICIAL DO REGISTRO DE IMÓVEIS

TABELA II ATOS DO OFICIAL DO REGISTRO DE IMÓVEIS TABELA II ATOS DO OFICIAL DO REGISTRO DE IMÓVEIS 1 - Registro, por todos os atos: I - com valor, inclusive certidão: de acordo com o ANEXO 3; II - sem valor (pactos antenupciais, citação, etc.): R$ 21,70

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VII DA ORDEM ECONÔMICA E FINANCEIRA CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS DA ATIVIDADE ECONÔMICA Art. 170. A ordem econômica, fundada na valorização

Leia mais

NOTA TÉCNICA CONJUNTA PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA

NOTA TÉCNICA CONJUNTA PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA NOTA TÉCNICA CONJUNTA PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA Associação dos Notários e Registradores do Brasil ANOREG/BR Instituto de Registro Imobiliário do Brasil IRIB Associação dos Registradores Imobiliários

Leia mais

Melhim Namem Chalhub Jurista especializado em Direito Imobiliário. Rio de Janeiro 6 de Setembro 2015

Melhim Namem Chalhub Jurista especializado em Direito Imobiliário. Rio de Janeiro 6 de Setembro 2015 Melhim Namem Chalhub Jurista especializado em Direito Imobiliário Rio de Janeiro 6 de Setembro 2015 NOVO SISTEMA E GARANTIAS NO BRASIL Lei 9.514/1997 Propriedade fiduciária Garantia dos financiamentos

Leia mais

O Desembargador Fernando Luiz Ximenes Rocha, Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Ceará, no exercício de suas atribuições legais, etc.

O Desembargador Fernando Luiz Ximenes Rocha, Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Ceará, no exercício de suas atribuições legais, etc. ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO Nº.../2008 Dispõe sobre a implantação do controle dos selos de autenticidade pelo novo Sistema de Impressão de Guia Extrajudicial Online

Leia mais

1º ENCONTRO REGINAL DO CORI/MG EM VARGINHA

1º ENCONTRO REGINAL DO CORI/MG EM VARGINHA 1º ENCONTRO REGINAL DO CORI/MG EM VARGINHA DAS CÉDULAS DE CRÉDITO HUMBERTO GOMES DO AMARAL RI MUZAMBINHO rimuzambinho@yahoo.com.br Telefone: 035-3571-5041 1- Cédula de Crédito Bancário Alienação Fiduciária

Leia mais

FLAUZILINO ARAÚJO DOS SANTOS Primeiro Oficial de Registro de Imóveis da Comarca de São Paulo, Capital

FLAUZILINO ARAÚJO DOS SANTOS Primeiro Oficial de Registro de Imóveis da Comarca de São Paulo, Capital ADEMAR FIORANELLI Oficial do 7º Registro de Imóveis da Capital de São Paulo. Integra o Conselho de Ética e na Coordenação de Jurisprudência do Instituto de Registro Imobiliário do Brasil IRIB FLAUZILINO

Leia mais

O Corregedor-Geral da Justiça do Estado do Acre, Desembargador Pedro Ranzi, no uso de suas atribuições legais e;

O Corregedor-Geral da Justiça do Estado do Acre, Desembargador Pedro Ranzi, no uso de suas atribuições legais e; Institui a Central de Informações do Registro Civil CRC e disciplina outras providências. O Corregedor-Geral da Justiça do Estado do Acre, Desembargador Pedro Ranzi, no uso de suas atribuições legais e;

Leia mais

PROVIMENTO N. 36, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2009. O CORREGEDOR-GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE SANTA CATARINA, no uso de suas atribuições e considerando:

PROVIMENTO N. 36, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2009. O CORREGEDOR-GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE SANTA CATARINA, no uso de suas atribuições e considerando: ESTADO DE SANTA CATARINA PODER JUDICIÁRIO CORREGEDORIA-GERAL DA JUSTIÇA PROVIMENTO N. 36, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a informatização das serventias extrajudiciais do Estado de Santa Catarina

Leia mais

No Tabelionato de Notas são lavradas escrituras públicas em geral, como inventários, divórcios, declaratórias de união estável, procurações,

No Tabelionato de Notas são lavradas escrituras públicas em geral, como inventários, divórcios, declaratórias de união estável, procurações, No Tabelionato de Notas são lavradas escrituras públicas em geral, como inventários, divórcios, declaratórias de união estável, procurações, testamentos, entre outras. Também são lavradas atas notariais,

Leia mais

DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS. Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total

DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS. Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS. FINALIDADE. DOS TÍTULOS REGISTRÁVEIS: ESCRITURA

Leia mais

TABELA II Dos Ofícios de Registro de Imóveis

TABELA II Dos Ofícios de Registro de Imóveis TABELA II Dos Ofícios de Registro de Imóveis Tabela elaborada sob responsabilidade da Associação dos Registradores Imobiliários de São Paulo ARISP. Em vigor a partir de 8 de janeiro de 2014. Lei 11.331,

Leia mais

25/01/2015 PROF. FABIANO TAGUCHI. http://fabianotaguchi.wordpress.com CRIPTOGRAFIA E SEGURANÇA DE DADOS AULA 12 ICP-BRASIL

25/01/2015 PROF. FABIANO TAGUCHI. http://fabianotaguchi.wordpress.com CRIPTOGRAFIA E SEGURANÇA DE DADOS AULA 12 ICP-BRASIL 25/01/2015 PROF. FABIANO TAGUCHI http://fabianotaguchi.wordpress.com CRIPTOGRAFIA E SEGURANÇA DE DADOS AULA 12 ICP-BRASIL 1 CONFIAR EM CERTIFICADOS DIGITAIS? ITI O Instituto Nacional de Tecnologia da Informação

Leia mais

O Desembargador JOSÉ RENATO NALINI, Corregedor Geral da Justiça do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais,

O Desembargador JOSÉ RENATO NALINI, Corregedor Geral da Justiça do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, Disponibilização: Quarta-feira, 19 de Dezembro de 2012 Diário da Justiça Eletrônico - Caderno Administrativo São Paulo, Ano VI - Edição 1328 26 PROVIMENTO CG Nº 42/2012 Dispõe sobre a implantação do Serviço

Leia mais

-aprimorar tecnologias com a finalidade de viabilizar os serviços notariais em meio eletrônico;

-aprimorar tecnologias com a finalidade de viabilizar os serviços notariais em meio eletrônico; PERGUNTAS MAIS FREQUENTES SOBRE A CENSEC Central Notarial de Serviços Eletrônicos Compartilhados ADMINISTRATIVAS O QUE É A CENSEC? Central Notarial de Serviços Eletrônicos Compartilhados - CENSEC publicada

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.381

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.381 Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.381 Institui Regime Especial para dispensa da guarda e arquivo das Notas Fiscais de Serviços, condicionada à guarda e ao arquivo, pelo período decadencial, dos respectivos

Leia mais

PROCURADORIA GERAL DO ESTADO GABINETE DO PROCURADOR GERAL

PROCURADORIA GERAL DO ESTADO GABINETE DO PROCURADOR GERAL TERMO DE AJUSTE DE PROCEDIMENTO Associação dos Registradores Imobiliários de São Paulo Associação dos Notários e Registradores do Estado de São Paulo Procuradoria Geral do Estado de São Paulo Termo de

Leia mais

Portal Cidadão - Governo

Portal Cidadão - Governo Portal Cidadão - Governo A Certisign Manaus Recife Brasília Goiânia Belo Horizonte São Paulo Rio de Janeiro Porto Alegre A Certisign Pioneira no mercado Certificação na América Latina Única com foco exclusivo

Leia mais

irtualização de Processos Compreendendo o Processo Eletrônico na Prática DO PODER JUDICIÁRIO ALAGOANO

irtualização de Processos Compreendendo o Processo Eletrônico na Prática DO PODER JUDICIÁRIO ALAGOANO Compreendendo o Processo Eletrônico na Prática Apresentação O Tribunal de Justiça do Estado de Alagoas, diante dos avanços tecnológicos e das vantagens do processo eletrônico, resolveu implantar em todas

Leia mais

Registro em Meio Eletrônico Consulta.

Registro em Meio Eletrônico Consulta. Registro em Meio Eletrônico Consulta. À Drª. Sonia Cantelmo Advogada Em resposta à consulta formulada, a respeito de registro em meio eletrônico, digitalização, certificação e eliminação de documentos,

Leia mais

Tabela de Emolumentos / 2014

Tabela de Emolumentos / 2014 Tabela de / 2014 Anexo Único da Portaria nº 2.992/CGJ/2013 (a que se refere o 1º do art. 2º da Lei Estadual nº 15.424, de 30 de dezembro de 2004, com alterações posteriores, atualizado nos termos do artigo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 149/2010. O Tribunal de Justiça do Estado do Acre, no uso das atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 149/2010. O Tribunal de Justiça do Estado do Acre, no uso das atribuições legais, RESOLUÇÃO Nº 149/2010 Autoriza a implantação do Processo Eletrônico no âmbito do Tribunal de Justiça do Estado do Acre e dá outras providências. O Tribunal de Justiça do Estado do Acre, no uso das atribuições

Leia mais

TABELA 1 (R$) Taxa de Fiscalização Judiciária. Valor Final ao Usuário ATOS DO TABELIÃO DE NOTAS. Código

TABELA 1 (R$) Taxa de Fiscalização Judiciária. Valor Final ao Usuário ATOS DO TABELIÃO DE NOTAS. Código ANEXO II Códigos dos atos praticados pelos serviços notariais e de registro (a que se refere o art. 8º, inciso I, da Portaria-Conjunta nº 03/2005/TJMG/CGJ/SEF-MG, de 30 de março de 2005, com valores constantes

Leia mais

TABELA A ATOS DOS TABELIÃES. 01 ABERTURA DE FIRMA (ficha de autógrafos)... R$ 4,60

TABELA A ATOS DOS TABELIÃES. 01 ABERTURA DE FIRMA (ficha de autógrafos)... R$ 4,60 TABELA A ATOS DOS TABELIÃES 01 ABERTURA DE FIRMA (ficha de autógrafos)... R$ 4,60 02 ATAS NOTARIAIS (pela lavratura e registro, conforme a complexidade do fato observado a ser transformado em ato jurídico

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Tópicos Avançados II 5º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 5: Certificado Digital e Nota

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO PARA O INTERCÂMBIO DE INFORMAÇÕES POR MEIOS ELETRÔNICOS

TERMO DE COOPERAÇÃO PARA O INTERCÂMBIO DE INFORMAÇÕES POR MEIOS ELETRÔNICOS TERMO DE COOPERAÇÃO PARA O INTERCÂMBIO DE INFORMAÇÕES POR MEIOS ELETRÔNICOS São partes no presente instrumento: I. ASSOCIAÇÃO DOS REGISTRADORES IMOBILIÁRIOS DE SÃO PAULO, associação civil regularmente

Leia mais

RESOLUÇÃO N, DE DE DE 2012.

RESOLUÇÃO N, DE DE DE 2012. RESOLUÇÃO N, DE DE DE 2012. Regulamenta a aplicação da Convenção da Cidade do Cabo e seu Protocolo Relativo a Questões Específicas ao Equipamento Aeronáutico. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO

Leia mais

Protocolo de Compromisso de Interoperabilidade

Protocolo de Compromisso de Interoperabilidade CRI - COLÉGIO DO REGISTRO DE IMÓVEIS DO PARANÁ. Avenida Capitão Índio Bandeira, 2379 - Campo Mourão PR. CEP 87300-005 Fone/fax: (44) 3525-6147 www.cri.com.br - e-mail: contato@cri.com.br Protocolo de Compromisso

Leia mais

ROTEIRO DA LEI DO PROCESSO ELETRÔNICO Ana Amelia Menna Barreto

ROTEIRO DA LEI DO PROCESSO ELETRÔNICO Ana Amelia Menna Barreto ROTEIRO DA LEI DO PROCESSO ELETRÔNICO Ana Amelia Menna Barreto A Lei que instituiu o processo judicial informatizado, em vigor desde março de 2007, aplica-se indistintamente aos processos civil, penal,

Leia mais

PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS

PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS O Escriba Web é a solução ideal para integrar serviços notariais e registrais ao ambiente WEB. De forma ágil e segura, o sistema web integra se aos sistemas de gestão de cartórios da Escriba, disponibilizando

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO PARA O INTERCÂMBIO DE INFORMAÇÕES POR MEIOS ELETRÔNICOS

TERMO DE COOPERAÇÃO PARA O INTERCÂMBIO DE INFORMAÇÕES POR MEIOS ELETRÔNICOS TERMO DE COOPERAÇÃO PARA O INTERCÂMBIO DE INFORMAÇÕES POR MEIOS ELETRÔNICOS São partes no presente instrumento: I. ASSOCIAÇÃO DOS REGISTRADORES IMOBILIÁRIOS DE SÃO PAULO, associação civil regularmente

Leia mais

DO REFINANCIAMENTO DA DÍVIDA IMOBILIÁRIA COM TRANSFERÊNCIA DE CREDOR SUB- ROGAÇÃO

DO REFINANCIAMENTO DA DÍVIDA IMOBILIÁRIA COM TRANSFERÊNCIA DE CREDOR SUB- ROGAÇÃO DO REFINANCIAMENTO DA DÍVIDA IMOBILIÁRIA COM TRANSFERÊNCIA DE CREDOR SUB- ROGAÇÃO Inovações trazidas pela Lei Federal n.º 12.810 de 15 de maio de 2013. João Pedro Lamana Paiva* 1 Desde o advento da Lei

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAPÁ

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAPÁ PROVIMENTO Nº 0060/97 O Desembargador GILBERTO DE PAULA PINHEIRO, Vice- Presidente/Corregedor-Geral da Justiça do Estado do Amapá, no uso de suas atribuições legais, Considerando que a Lei Federal nº 6.766,

Leia mais

Segurança Jurídica nas Transações Eletrônicas Por Roberto Bedrikow

Segurança Jurídica nas Transações Eletrônicas Por Roberto Bedrikow Swiss High Security Identity Solutions Segurança Jurídica nas Transações Eletrônicas Por Roberto Bedrikow SWISSCAM (Comitê Jurídico) 8 de maio de 2009 Fatores de segurança jurídica Condicionantes legislativas,

Leia mais

Instruções para o início do uso do selo eletrônico para as serventias de RCPN de Minas Gerais 2015

Instruções para o início do uso do selo eletrônico para as serventias de RCPN de Minas Gerais 2015 Instruções para o início do uso do selo eletrônico para as serventias de RCPN de Minas Gerais 2015 Introdução A implantação do Selo de Fiscalização Eletrônico congrega esforços do Tribunal de Justiça e

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA Ref.: Consulta Pública nº 04/2014 DESPACHO nº 339/2014/PRES/CADE Submeto a Resolução anexa que institui o Sistema Eletrônico de Informações SEI como sistema oficial de gestão de documentos eletrônicos

Leia mais

FUNDAÇÃO ESCOLA NORTARIAL E REGISTRAL DO RIO GRANDE DO SUL FUNDAÇÃO ENORE EDITAL

FUNDAÇÃO ESCOLA NORTARIAL E REGISTRAL DO RIO GRANDE DO SUL FUNDAÇÃO ENORE EDITAL FUNDAÇÃO ESCOLA NORTARIAL E REGISTRAL DO RIO GRANDE DO SUL FUNDAÇÃO ENORE EDITAL O Presidente da FUNDAÇÃO ENORE, no uso de suas atribuições, TORNA PÚBLICO que se encontram abertas as inscrições para docência

Leia mais

EMOLUMENTOS. João Figueiredo Ferreira Tabelião de Protesto www.2tab.not.br jff@2tab.not.br

EMOLUMENTOS. João Figueiredo Ferreira Tabelião de Protesto www.2tab.not.br jff@2tab.not.br EMOLUMENTOS João Figueiredo Ferreira Tabelião de Protesto www.2tab.not.br jff@2tab.not.br CONSTITUIÇÃO FEDERAL Lei federal estabelecerá normas gerais para fixação de emolumentos relativos aos atos praticados

Leia mais

Conselho Nacional de Justiça II Encontro Nacional do PJe (Brasília, 5 de agosto de 2015) O novo CPC: o papel do Conselho Nacional de Justiça nas disposições sobre o processo eletrônico Luciano Athayde

Leia mais

INFOJUD, RENAJUD E BACENJUD INSTRUMENTOS DE EFETIVIDADE DA JURISDIÇÃO

INFOJUD, RENAJUD E BACENJUD INSTRUMENTOS DE EFETIVIDADE DA JURISDIÇÃO INFOJUD, RENAJUD E BACENJUD INSTRUMENTOS DE EFETIVIDADE DA JURISDIÇÃO I PROGRAMA DE INTERCÂMBIO DE MAGISTRADOS FÓRUM BRIC Exchange Program for Judges BRIC Forum Marivaldo Dantas de Araújo Juiz de Direito

Leia mais

PORTARIA-CONJUNTA Nº 09/2012/TJMG/CGJ/SEF-MG

PORTARIA-CONJUNTA Nº 09/2012/TJMG/CGJ/SEF-MG Publicação: 17/04/12 DJE: 16/04/12 PORTARIA-CONJUNTA Nº 09/2012/TJMG/CGJ/SEF-MG Institui o Selo de Fiscalização Eletrônico no âmbito dos serviços notariais e de registro do Estado de Minas Gerais. O PRESIDENTE

Leia mais

INFORMÁTICA PROF. RAFAEL ARAÚJO

INFORMÁTICA PROF. RAFAEL ARAÚJO INFORMÁTICA PROF. RAFAEL ARAÚJO CERTIFICADO DIGITAL O certificado digital é um arquivo eletrônico que contém dados de uma pessoa ou instituição, utilizados para comprovar sua identidade. Este arquivo pode

Leia mais

PROVIMENTO N 18. CONSIDERANDO a necessidade de racionalizar a tramitação de dados a cargo dos notários;

PROVIMENTO N 18. CONSIDERANDO a necessidade de racionalizar a tramitação de dados a cargo dos notários; PROVIMENTO N 18 Dispõe sobre a instituição e funcionamento da Central Notarial de Serviços Eletrônicos Compartilhados CENSEC. A CORREGEDORA NACIONAL DA JUSTIÇA, Ministra ELIANA CALMON, no uso de suas atribuições

Leia mais

RESOLUCAO TJ/OE Nº 16, de 30/11/2009 (ESTADUAL) DJERJ, ADM 60 (8) - 01/12/2009

RESOLUCAO TJ/OE Nº 16, de 30/11/2009 (ESTADUAL) DJERJ, ADM 60 (8) - 01/12/2009 RESOLUCAO TJ/OE Nº 16, de 30/11/2009 (ESTADUAL) DJERJ, ADM 60 (8) - 01/12/2009 RESOLUÇÃO Nº. 16/2009 Autoriza a implantação do Processo Eletrônico no âmbito do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

CAPACITAÇÃO PROCESSO ELETRÔNICO

CAPACITAÇÃO PROCESSO ELETRÔNICO CAPACITAÇÃO EM PROCESSO ELETRÔNICO Caros Colegas! Essa é uma apostila eletrônica, utilize apenas em seu computador pessoal. Não recomendamos imprimir, devido ao seu grande volume. Para efetivo funcionamento

Leia mais

O que é GED? (wikipedia.com)

O que é GED? (wikipedia.com) O que é GED? Gerenciamento eletrônico de documentos ou Gestão eletrônica de documentos (GED) é uma tecnologia que provê um meio de facilmente gerar, controlar, armazenar, compartilhar e recuperar informações

Leia mais

Governo do Estado de São Paulo SECRETARIA DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO Conselho do Patrimônio Imobiliário Secretaria Técnica e Executiva

Governo do Estado de São Paulo SECRETARIA DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO Conselho do Patrimônio Imobiliário Secretaria Técnica e Executiva ,-. "'" ; Governo do Estado de São Paulo Termo de Convênio que entre si celebram o Estado de São Paulo, por intermédio da Secretaria de Economia e Planejamento, com a interveniência do Conselho do Patrimônio

Leia mais

LEI Nº 13.290, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2008

LEI Nº 13.290, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2008 LEI Nº 13.290, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2008 Dispõe sobre os emolumentos por atos praticados pelos serviços notariais e de registro, na forma que especifica O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber

Leia mais

Corregedoria Nacional de Justiça - Tabela de Temporalidade de Documentos

Corregedoria Nacional de Justiça - Tabela de Temporalidade de Documentos N/A 3-0 N/A 3-1 SERVIÇOS NOTARIAIS E DE REGISTRO PROCESSOS E DOCUMENTOS REGISTRO CIVIL DAS PESSOAS NATURAIS N/A 3-1-1 LIVROS N/A 3-1-1-1 Livro tombo N/A 3-1-1-2 Livro de editais e proclamas N/A 3-1-1-3

Leia mais

PROGRAMA COMPROU, GANHOU MÓVEIS PLANEJADOS - VERDE MORUMBI

PROGRAMA COMPROU, GANHOU MÓVEIS PLANEJADOS - VERDE MORUMBI PROGRAMA COMPROU, GANHOU MÓVEIS PLANEJADOS - VERDE MORUMBI REALIZADORA BONNAIRE RESIDENCIAL EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A., sociedade por ações, inscrita no CNPJ sob n. 09.259.333/0001-04, com seus

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Telma Sarsur Assessora jurídica da SERJUS-ANOREG/MG Especialista em Direito Público pela Universidade Gama Filho Professora do curso de pós-graduação

Telma Sarsur Assessora jurídica da SERJUS-ANOREG/MG Especialista em Direito Público pela Universidade Gama Filho Professora do curso de pós-graduação CURSO DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NAS ATIVIDADES NOTARIAL E REGISTRAL Telma Sarsur Assessora jurídica da SERJUS-ANOREG/MG Especialista em Direito Público pela Universidade Gama Filho Professora do curso

Leia mais

Certificados Digitais - Perguntas Frequentes

Certificados Digitais - Perguntas Frequentes Certificados Digitais - Perguntas Frequentes O que é um certificado digital? O certificado, na prática, equivale a uma carteira de identidade, ao permitir a identificação de uma pessoa, quando enviando

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014 Institui a Política de Integração e Segurança da Informação do Sistema de Cadastro Ambiental Rural e dá outras providências. A MINISTRA DE ESTADO DO

Leia mais

Selo Digital - manual do usuário Sistema Cartosoft

Selo Digital - manual do usuário Sistema Cartosoft Selo Digital - manual do usuário Sistema Cartosoft Manual do usuário Data: 28/04/2015 Versão documento: 1.0 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 03 2. A SOLUÇÃO DO SELO DIGITAL PARA MINAS GERAIS... 03 3. A SERVENTIA

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA N /2011

RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA N /2011 RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA N /2011 Regulamenta a expedição da Certidão Negativa de Débitos Trabalhistas CNDT e dá outras providências. O EGRÉGIO ÓRGÃO ESPECIAL DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO, em sessão

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 309, DE 18 DE MARÇO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 309, DE 18 DE MARÇO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 309, DE 18 DE MARÇO DE 2014. Regulamenta a aplicação da Convenção da Cidade do Cabo e seu Protocolo Relativo a Questões Específicas ao Equipamento Aeronáutico. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL

Leia mais

Traslados e Certidões.

Traslados e Certidões. Traslados e Certidões. Ementa: Noções sobre traslados e certidões, suas distinções, possibilidades, capacidade para expedição, finalidades, validade jurídica e efeitos. Noções Gerais Nesta aula abordaremos

Leia mais

As implicações da Medida Provisória nº 656/2014 para o adquirente de imóvel

As implicações da Medida Provisória nº 656/2014 para o adquirente de imóvel As implicações da Medida Provisória nº 656/2014 para o adquirente de imóvel Por Roberto Santos Silveiro* Com o propósito de dar maior segurança jurídica ao adquirente de imóvel, no dia 07 de novembro deste

Leia mais

PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL - PGFN

PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL - PGFN PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL - PGFN PORTARIA N.º 3 DE 22 /11 /2005 Dispõe sobre a prova de regularidade fiscal perante a Fazenda Nacional e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DA FAZENDA

Leia mais

CARTILHA CERTIDÃO NEGATIVA DE DÉBITOS TRABALHISTAS - CNDT

CARTILHA CERTIDÃO NEGATIVA DE DÉBITOS TRABALHISTAS - CNDT 1 CARTILHA CERTIDÃO NEGATIVA DE DÉBITOS TRABALHISTAS - CNDT DESIN DEPARTAMENTO SINDICAL Setembro 2011 2 Í N D I C E Introdução... 3 Lei nº 12.440, de 07/07/2011... 4 Alteração na CLT... 4 Alteração na

Leia mais

PORTARIA Nº 126, DE 12 DE MARÇO DE 2014.

PORTARIA Nº 126, DE 12 DE MARÇO DE 2014. PORTARIA Nº 126, DE 12 DE MARÇO DE 2014. Dispõe sobre a implantação e o funcionamento do processo eletrônico no âmbito do Ministério das Comunicações. O MINISTRO DE ESTADO DAS COMUNICAÇÕES, no uso das

Leia mais

PORTARIA TC Nº 433, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2014.

PORTARIA TC Nº 433, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2014. PORTARIA TC Nº 433, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2014. Institui o processo administrativo eletrônico no âmbito do Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco. O PRESIDENTE DO DO ESTADO DE PERNAMBUCO, no uso de suas

Leia mais

Nunca foi tão fácil utilizar

Nunca foi tão fácil utilizar Nunca foi tão fácil utilizar o Conectividade Social da CAIXA O que antes era feito com a autenticação de disquetes e precisava do antigo programa CNS para o relacionamento com a CAIXA e prestação de informações

Leia mais

O 10. QUADROS DA NBR 12.721/2006, COM ART O 11. ALVARÁ DE CONSTRUÇÃO O 12. ATESTADO DE IDONEIDADE FINANCEIRA O 13. CONTRATO-PADRÃO

O 10. QUADROS DA NBR 12.721/2006, COM ART O 11. ALVARÁ DE CONSTRUÇÃO O 12. ATESTADO DE IDONEIDADE FINANCEIRA O 13. CONTRATO-PADRÃO LISTA DE DOCUMENTOS 1 Lei 4.591/64, Provimento nº 260/CGJ/2013. O incorporador deverá apresentar, no Ofício de Registro de Imóveis, os seguintes documentos, organizados nesta ordem. CHECK LIST O 1. MEMORIAL

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DIGITAL

CERTIFICAÇÃO DIGITAL CERTIFICAÇÃO DIGITAL LADO BOM Conecta milhões de pessoas pelo mundo Uso diversificado Conforto e agilidade Internet LADO RUIM Risco aos usuários Ataque de hackers Falsificação de documentos Incerteza quanto

Leia mais

Manual do Usuário Versão 3.0

Manual do Usuário Versão 3.0 Manual do Usuário Versão 3.0 Externa 2 /20 APRESENTAÇÃO 03 19/04/13 Este manual, estruturado em capítulos, visa orientar os Credores na utilização do Serviço de consulta de CCI, uma ferramenta de pesquisa

Leia mais

PROVIMENTO Nº 34. O CORREGEDOR NACIONAL DE JUSTIÇA em substituição, no uso de suas atribuições legais e constitucionais;

PROVIMENTO Nº 34. O CORREGEDOR NACIONAL DE JUSTIÇA em substituição, no uso de suas atribuições legais e constitucionais; PROVIMENTO Nº 34 Disciplina a manutenção e escrituração de Livro Diário Auxiliar pelos titulares de delegações e pelos responsáveis interinamente por delegações vagas do serviço extrajudicial de notas

Leia mais

A PORTABILIDADE DE FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO DA LEI FEDERAL N.º 12.703/2012 E SEUS REFLEXOS

A PORTABILIDADE DE FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO DA LEI FEDERAL N.º 12.703/2012 E SEUS REFLEXOS A PORTABILIDADE DE FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO DA LEI FEDERAL N.º 12.703/2012 E SEUS REFLEXOS A portabilidade de financiamento imobiliário (com transferência de alienação fiduciária de bem imóvel em garantia)

Leia mais

Sistema de Cancelamento Eletrônico. Manual de utilização do sistema pelo cartório

Sistema de Cancelamento Eletrônico. Manual de utilização do sistema pelo cartório Sistema de Cancelamento Eletrônico Manual de utilização do sistema pelo cartório IEPTB-MG Belo Horizonte, 2015 Índice 1. Introdução... 4 2. Acesso ao sistema... 5 3. Visualização das declarações de anuência...

Leia mais

VEJAMOS AS NORMAS PROCESSUAIS E CIVIS PARA CUMPRIMENTO POR PARTE DO(S) CARTÓRIO(S):

VEJAMOS AS NORMAS PROCESSUAIS E CIVIS PARA CUMPRIMENTO POR PARTE DO(S) CARTÓRIO(S): Título: Modernização entre o Judiciário paulista e o registro civil de pessoas naturais e de interdições e tutelas Autor: Nelson Batistão Filho Comarca: Bariri Colocação: 2º lugar DESCRIÇÃO Proposta de

Leia mais

PORTARIA Nº 236, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014.

PORTARIA Nº 236, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014. PORTARIA Nº 236, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014. Regulamenta o credenciamento de empresas de tecnologia para geração de códigos de segurança cifrados (CSC) inseridos em códigos bidimensionais de resposta rápida

Leia mais

1 de 5 03/12/2012 14:32

1 de 5 03/12/2012 14:32 1 de 5 03/12/2012 14:32 Este documento foi gerado em 29/11/2012 às 18h:32min. DECRETO Nº 49.377, DE 16 DE JULHO DE 2012. Institui o Programa de Gestão do Patrimônio do Estado do Rio Grande do Sul - Otimizar,

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 49.377, DE 16 DE JULHO DE 2012. (publicado no DOE n.º 137, de 17 de julho de 2012) Institui o Programa

Leia mais

TRASLADO DE CERTIDÕES DE REGISTRO CIVIL EMITIDAS NO EXTERIOR

TRASLADO DE CERTIDÕES DE REGISTRO CIVIL EMITIDAS NO EXTERIOR TRASLADO DE CERTIDÕES DE REGISTRO CIVIL EMITIDAS NO EXTERIOR DISPOSIÇÕES GERAIS Édison Renato Kirsten Registrador Santo Antônio da Patrulha/RS Conforme artigo 32 da Lei 6015/73, os assentos de nascimento,

Leia mais

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 786/2013-PGJ, DE 16 DE SETEMBRO DE 2013 (Protocolado nº 11.327/09)

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 786/2013-PGJ, DE 16 DE SETEMBRO DE 2013 (Protocolado nº 11.327/09) A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 786/2013-PGJ, DE 16 DE SETEMBRO DE 2013 (Protocolado nº 11.327/09) Altera o art. 4º-A do Ato Normativo nº 572/2009-PGJ, de 30 de janeiro de

Leia mais

CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS CRI

CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS CRI CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS CRI Diversos veículos podem ser utilizados para securitizar recebíveis imobiliários, entretanto o uso dos Certificados de Recebíveis Imobiliários CRI vem caminhando

Leia mais

NOVO CPC INTRODUZ A USUCAPIÃO EXTRAJUDICIAL NO PAÍS

NOVO CPC INTRODUZ A USUCAPIÃO EXTRAJUDICIAL NO PAÍS NOVO CPC INTRODUZ A USUCAPIÃO EXTRAJUDICIAL NO PAÍS João Pedro Lamana Paiva 1 O novo Código de Processo Civil (Lei nº 13.105, de 16.3.2015), sancionado em 16.3.2015, introduz na ordem jurídica brasileira,

Leia mais

Registros Públicos (Eletiva)

Registros Públicos (Eletiva) UFF MACAÉ - MDI Registros Públicos (Eletiva) Sônia Barroso Brandão Soares (sbbsoares@uol.com.br) Dezembro/2012 REGISTROS PÚBLICOS: Noções Gerais BIBLIOGRAFIA: - BENÍCIO, Hércules Alexandre Costa. Responsabilidade

Leia mais

Nova regulamentação do PJe na Justiça Trabalhista. O quê mudou?

Nova regulamentação do PJe na Justiça Trabalhista. O quê mudou? Nova regulamentação do PJe na Justiça Trabalhista. O quê mudou? O Conselho Superior da Justiça do Trabalho editou a nova Resolução 136/2014, revogando a Resolução 94/2012 que regulamenta o sistema PJe-JT

Leia mais

O MERCADO DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, A ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA E O REGISTRO DE IMÓVEIS. Francisco José Rezende dos Santos

O MERCADO DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, A ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA E O REGISTRO DE IMÓVEIS. Francisco José Rezende dos Santos O MERCADO DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, A ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA E O REGISTRO DE IMÓVEIS O que é a propriedade fiduciária? A propriedade fiduciária decorre de um negócio jurídico, denominado alienação fiduciária,

Leia mais

Edição Número 214 de 06/11/2012. Ministério da Educação Gabinete do Ministro PORTARIA NORMATIVA Nº 21, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2012

Edição Número 214 de 06/11/2012. Ministério da Educação Gabinete do Ministro PORTARIA NORMATIVA Nº 21, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2012 Edição Número 214 de 06/11/2012 Ministério da Educação Gabinete do Ministro PORTARIA NORMATIVA Nº 21, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2012 Dispõe sobre o Sistema de Seleção Unificada - Sisu. O MINISTRO DE ESTADO DA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RESOLUÇÃO N. 20 DE 9 DE AGOSTO DE 2012. Dispõe sobre a certificação digital no Superior Tribunal de Justiça e dá outras providências. O PRESIDENTE DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA, usando da atribuição

Leia mais