INFERTILIDADE ENDÓCRINA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFERTILIDADE ENDÓCRINA"

Transcrição

1 INFERTILIDADE ENDÓCRINA JOANA SIMÕES PEREIRA SERVIÇO DE ENDOCRINOLOGIA, IPOLFG 27.JAN.2017

2 DEFINIÇÃO DE INFERTILIDADE E INDICAÇÕES PARA ESTUDO Infertilidade envolve o casal e não apenas um dos parceiros. ABORDAGEM INICIAL INF. MASCULINA INF. FEMININA CONCLUSÃO

3 DEFINIÇÃO DE INFERTILIDADE E INDICAÇÕES PARA ESTUDO Infertilidade: Incapacidade de um casal ter filhos após 12 meses de relações sexuais regulares sem contraceção, em mulheres <35 anos; Após 6 meses em mulheres 35 anos. Casal com <6 meses de relações sexuais sem contraceção: Mulheres >40 anos Mulher com oligo/amenorreia Mulher com AP de QT, RT ou estadio avançado de endometriose Mulher com suspeita/diagnóstico de doença tubária ou uterina Homem com AP de tumor ou cirurgia testicular, infeções, disfunção sexual, QT ou RT, e história de subfertilidade com outra parceira. ABORDAGEM INICIAL INF. MASCULINA INF. FEMININA CONCLUSÃO

4 CAUSAS DE INFERTILIDADE 30-55% 30% 30-40% Inexplicada 25% Fertility: Assessment and Treatment for People with Fertility Problems. Editors National Collaborating Centre for Women s and Children s Health (UK). London: Royal College of Obstetricians & Gynaecologists; 2013 Feb. National Institute for Health and Clinical Excellence: Guidance Rowe PJ, et al. WHO manual for the standardized investigation and diagnosis of the infertile couple. Cambridge: Cambridge University Press, ABORDAGEM INICIAL INF. MASCULINA INF. FEMININA CONCLUSÃO

5 ANAMNESE Duração da infertilidade; Infertilidade primária ou secundária; Tx prévias para infertilidade.

6 ANAMNESE Irregularidades menstruais Características sexuais 2 as Pilosidade corporal ou Peso Galactorreia Cefaleias Sintomas de doença tiroideia Relações sexuais, dispareunia Performance escolar e/ou profissional Características sexuais 2 as Disfunção sexual Diminuição da pilosidade corporal Sintomas de doença tiroideia Relações sexuais, dispareunia Performance escolar e/ou profissional Hábitos tabágicos/alcoólicos, ou outros Medicação Hábitos tabágicos/alcoólicos, ou outros Medicação AP: cirurgia ovárica, endometriose, anomalia uterina História de QT / RT AP: cirurgia ou infeção testicular História de QT / RT

7 EXAME FÍSICO IMC, distribuição adiposa Hirsutismo, acne, alopécia androgénica Galactorreia Presença caract. sexuais 2 as Bócio Baixa estatura, alargamento da linha mamillar, pescoço alado IMC, distribuição adiposa Volume testicular pelo corporal, oleosidade facial, rugas finas na cara, habitus eunucoide Ginecomastia Bócio

8 EXAMES COMPLEMENTARES NA 1ª ABORDAGEM FSH, LH e E2 fase folicular PRL (Progesterona meio fase lútea) Eco gineco (se suspeita SOP) Espermograma Numa 2ª fase FSH, LH, Testosterona e PRL

9 INFERTILIDADE FEMININA 30-55% 30% 30-40% Inexplicada 25% Alterações da ovulação 25-32% Endometriose 15% Aderências pélvicas 11% Bloqueio tubário 11% Outras 11% Rowe PJ, et al. WHO manual for the standardized investigation and diagnosis of the infertile couple. Cambridge: Cambridge University Press, 1997.

10 CAUSAS ENDÓCRINAS DE INFERTILIDADE FEMININA Grupo 1 OMS: Anovulação por hipogonadismo hipogonadotrófico ( FSH/LH e E2) 5-10% Amenorreia hipotalâmica funcional Hipogonadismo hipogonadotrófico idiopático Síndrome de Kallmann Tumores/enfarte hipotálamo-hipofisários Radioterapia Grupo 2 OMS: Anovulação por normogonadismo normogonadotrófico (FSH/LH e E2 N) 75-85% Síndrome do ovário poliquístico (SOP) Grupo 3 OMS: Anovulação por hipogonadismo hipergonadotrófico ( FSH/LH e E2) 10-20% Genética (Síndrome de Turner) Causa autoimune Iatrogenia (QT, RT) Idiopático Anovulação por hiperprolactinemia 5-10% Outras: Hipo e hipertiroidismo, hiperplasia SR congénita, etc. Rowe PJ, et al. WHO manual for the standardized investigation and diagnosis of the infertile couple. Cambridge: Cambridge University Press, 1997.

11 CASO CLÍNICO 1 Casal com infertilidade primária de 12 meses; 32 anos, investigadora; Em amenorreia desde há 12 meses; Refere stress no trabalho e perda de peso recente desde que iniciou crossfit 4x/Semana. Menarca aos 13 anos. EO: IMC 19 kg/m 2 ; caract. sexuais 2as N; distribuição da pilosidade N; sem acne; sem galactorreia. 36 anos, engenheiro; Saudável, sem queixas. EO: IMC 23 kg/m 2 ; Caract. Sexuais 2as N; Volume testicular 25 ml. Análises Resultado FSH 2,1 mui/ml (<15) Espermograma N LH 2,0 mui/ml (<12) E2 50 pg/ml (<160) Prolactina 3,8 ng/ml (<20)

12 GRUPO 1 OMS: HIPOGONADISMO HIPOGONADOTRÓFICO Amenorreia hipotalâmica funcional Relacionada com distúrbios alimentares Ausência de ciclos menstruais >6 meses, sem evidência de lesão orgânica. Anamnese permite diagnóstico etiológico Tx: aumento de peso,diminuição do exercício e orientação psicológica/psiquiátrica Se mantiver amenorreia Exercício excessivo pulsatilidade GnRH Perda de peso Stress psicológico

13 CASO CLÍNICO 2 Casal com infertilidade primária de 6 meses; 30 anos, professora; Refere que não costuma menstruar a não ser que tome a pílula; menarca aos 12 anos; Queixa-se de aumento de pilosidade em todo o corpo. EO: IMC 28 kg/m 2 ; caract. sexuais 2as N; hirsutismo; acne no dorso; sem galactorreia. 29 anos, professor; Saudável, sem queixas. EO: IMC 21 kg/m 2 ; Caract. Sexuais 2as N; Volume testicular 25 ml. Análises Resultado FSH 6,3 mui/ml (<15) Espermograma N LH 7,5 mui/ml (<12) E2 68 pg/ml (<160) Prolactina 10 ng/ml (<20)

14 CASO CLÍNICO 2 Casal com infertilidade primária de 6 meses; 30 anos, professora; Refere que não costuma menstruar a não ser que tome a pílula; menarca aos 12 anos; Queixa-se de aumento de pilosidade em todo o corpo. EO: IMC 28 kg/m 2 ; caract. sexuais 2as N; hirsutismo; acne no dorso; sem galactorreia. 29 anos, professor; Saudável, sem queixas. EO: IMC 21 kg/m 2 ; Caract. Sexuais 2as N; Volume testicular 25 ml. Ecografia endovaginal Análises Resultado FSH 6,3 mui/ml (<15) LH 7,5 mui/ml (<12) E2 68 pg/ml (<160) Prolactina 10 ng/ml (<20)

15 GRUPO 2 OMS: NORMOGONADISMO NORMOGONADOTRÓFICO Síndrome do Ovário Poliquístico (SOP) Das endocrinopatias mais frequentes nas mulheres e a principal causa de anovulação. Diagnosis and treatment of polycystic ovary syndrome: an Endocrine Society clinical practice guidelines. Legro et al. J Clin Endocrinol Metab Dec;98(12): doi: /jc

16 GRUPO 2 OMS: NORMOGONADISMO NORMOGONADOTRÓFICO Síndrome do Ovário Poliquístico (SOP) 9-18% das mulheres em idade fértil 50% com infertilidade primária e 25% com inf. secundária Demoram mais tempo para engravidar ( ciclos ovulatórios/ano) mas a sua fertilidade não se encontra significativamente diminuída. Se mantiver oligo/amenorreia Referenciar

17 CASO CLÍNICO 3 Casal com infertilidade secundária de 13 meses; 1 filha de 4 anos; 37 anos, enfermeira; Em amenorreia desde há 6 meses; Refere galactorreia e diminuição da líbido; Medicação: metoclopramida frequentemente por queixas GI. EO: IMC 24 kg/m 2 ; caract. sexuais 2as N; sem hirsutismo ou acne; galactorreia. 42 anos, professor; Saudável, sem queixas. EO: IMC 26 kg/m 2 ; Caract. Sexuais 2as N; Volume testicular 25 ml. Análises Resultado FSH 2,0 mui/ml (<15) Espermograma N LH 3,1 mui/ml (<12) E2 42 pg/ml (<160) Prolactina 300 ng/ml (<20)

18 CASO CLÍNICO 3 Casal com infertilidade secundária de 14 meses; 1 filha de 4 anos; 37 anos, enfermeira; Em amenorreia desde há 6 meses; Refere glactorreia e diminuição da líbido; Medicação: metoclopramida frequentemente por queixas GI. EO: IMC 24 kg/m 2 ; caract. sexuais 2as N; sem hirsutismo ou acne; galactorreia. 42 anos, professor; Saudável, sem queixas. EO: IMC 26 kg/m 2 ; Caract. Sexuais 2as N; Volume testicular 25 ml. Análises Resultado Análises Resultado FSH 2,0 mui/ml (<15) LH 3,1 mui/ml (<12) E2 42 pg/ml (<160) Prolactina 300 ng/ml (<20) Após suspensão metoclopramida FSH 3,1 mui/ml (<15) LH 3,4 mui/ml (<12) E2 45 pg/ml (<160) Prolactina 263 ng/ml (<20) Referenciar

19 ANOVULAÇÃO POR HIPERPROLACTINEMIA PRL Pulsatilidade da GnRH Dosear prolactina (PRL) e repetir se RM sela turca >100 μg/l habitualmente PRLnomas Oligo-amenorreia, líbido, disfunção erétil ( ), galactorreia (menos frequente) Excluir fármacos (+++), DRC,, hipotiroidismo, tumores com interrupção da haste Tx: Suspender fármaco; Agonistas dopaminérgico (bromocriptina/cabergolina) Melmed S, et al. Diagnosis and treatment of hyperprolactinemia: an Endocrine Society clinical practice guideline. J Clin Endocrinol Metab Feb;96(2):

20 INFERTILIDADE MASCULINA 30-55% 30% 30-40% Inexplicada 25% Alt. Endócrinas 11-22% Alt. genéticas da espermatogénese 10-20% Defeitos pós-testiculares 10-20% Idiopático 30-40%

21 CAUSAS ENDÓCRINAS DE INFERTILIDADE MASCULINA Hipogonadismo hipogonadotrófico ( FSH/LH e Test; alt espermograma) Hipogonadismo hipogonadotrófico idiopático (S. Kallmann) Tumores/enfarte hipotálamo-hipofisários, doenças infiltrativas, hipofisite Radioterapia, trauma ou cirurgia Uso inapropriado de testosterona Obesidade Hipogonadismo hipergonadotrófico ( FSH/LH e Testosterona Test; alt espermograma) Alterações testiculares (S. Klinefelter, etc) Iatrogenia (QT, RT) Alterações da síntese ou dos recetores dos androgénios Distúrbios não endócrinos que cursam com alterações do espermograma Criptorquidia Varicocelo Infeções Mutações/microdeleções c. X e Y Alt transporte do esperma Outras: Disfunção sexual, hipo e hipertiroidismo, hiperplasia SR congénita, etc.

22 CASO CLÍNICO 4 Casal com infertilidade primária de 12 meses; 25 anos, técnica administrativa; Sem queixas EO: IMC 22 kg/m 2 ; caract. sexuais 2as N; sem hirsutismo ou acne; sem galactorreia. 32 anos, técnico administrativo; Nega quaisquer queixas. Frequenta diariamente o ginásio (musculação). Nega consumo de esteroides anabolizantes EO: IMC 24 kg/m 2 ; Ginecomastia ligeira; Volume testicular 20 ml. Espermograma 1º Resultado Referência Volume 2 ml 1,5mL Análises Resultado FSH 5,6 mui/ml (<15) LH 7,2 mui/ml (<12) E2 100 pg/ml (<160) Prolactina 9 ng/ml (<20) ph 7,3 7,2 Concentração espermat. 2 M/mL 15 M/mL Quantidade total espermat. 30 M 39 M Motilidade 35% 32% motilidade progressiva Vitalidade 59% 58% Morfologia 5% 4% formas normais Leucócitos <1 M/mL <1 M/L

23 CASO CLÍNICO 4 Casal com infertilidade primária de 12 meses; 25 anos, técnica administrativa; Sem queixas EO: IMC 22 kg/m 2 ; caract. sexuais 2as N; sem hirsutismo ou acne; sem galactorreia. 32 anos, técnico administrativo; Nega quaisquer queixas. Frequenta diariamente o ginásio (musculação). Nega consumo de esteroides anabolizantes EO: IMC 24 kg/m 2 ; Ginecomastia ligeira; Volume testicular 20 ml. Espermograma 2º Resultado Referência Volume 2 ml 1,5mL Análises Resultado FSH 9,0 mui/ml (<11) LH 2,4 mui/ml (<8) Testosterona total 1000 pg/ml ( ) Prolactina 9 ng/ml (<20) ph 7,2 7,2 Concentração espermat. 1,8 M/mL 15 M/mL Quantidade total espermat. 30 M 39 M Motilidade 36% 32% motilidade progressiva Vitalidade 58% 58% Morfologia 6% 4% formas normais Leucócitos <1 M/mL <1 M/L

24 CASO CLÍNICO 4 Casal com infertilidade primária de 12 meses; 25 anos, técnica administrativa; Sem queixas EO: IMC 22 kg/m 2 ; caract. sexuais 2as N; sem hirsutismo ou acne; sem galactorreia. 32 anos, técnico administrativo; Nega quaisquer queixas. Frequenta diariamente o ginásio (musculação). Nega consumo de esteroides anabolizantes EO: IMC 24 kg/m 2 ; Ginecomastia ligeira; Volume testicular 20 ml. Admite o uso de testosterona desde há 15 meses Suspender testosterona Reavaliar espermograma em ~3 meses Se mantiver alt. espermograma Referenciar

25 HIPOGONADISMO HIPOGONADOTRÓFICO Uso inapropriado de androgénios Uso de testosterona ou outros esteroides anabólicos Suspeitar em homens bem androgenizados, com oligo ou azoospermia e LH Podem apresentar ginecomastia Testosterona exógena suprime a espermatogénese e causa infertilidade Tx: Suspensão da testosterona Alterações do espermograma podem ser irreversíveis.

26 CONCLUSÕES O estudo da infertilidade implica o estudo do casal. SOP é a causa mais frequente de anovulação. A amenorreia hipotalâmica é uma causa comum de hipogonadismo hipogonadotrófico nas mulheres A hiperprolactinemia, quer por fármacos ou adenomas hipofisários, é uma causa importante de infertilidade. O espermograma 1º exame no estudo da infertilidade masculina. O uso inapropriado de testosterona, terapêuticas oncológicas e tumores hipofisários são causas a considerar nos homens com infertilidade endócrina. ABORDAGEM INICIAL INF. FEMININA INF. MASCULINA CONCLUSÃO

27 INFERTILIDADE ENDÓCRINA 27.JAN.2017

Infertilidade no consultório: Autora: Lara Morales- R2 Orientadora: Dra. Maria Albina

Infertilidade no consultório: Autora: Lara Morales- R2 Orientadora: Dra. Maria Albina Infertilidade no consultório: como conduzir Autora: Lara Morales- R2 Orientadora: Dra. Maria Albina Infertilidade Definição: Ausência de concepção após um ano mantendo relações sexuais sem proteção PRIMÁRIA

Leia mais

TUMOR DO TESTÍCULO E INFERTILIDADE. Rui Amorim Serviço Urologia - CHVN Gaia/Espinho

TUMOR DO TESTÍCULO E INFERTILIDADE. Rui Amorim Serviço Urologia - CHVN Gaia/Espinho Rui Amorim Serviço Urologia - CHVN Gaia/Espinho TUMOR DO TESTÍCULO 10 / 100 000 homens entre os 20 e os 54 anos aumento da incidência nas últimas décadas Neoplasia sólida mais comum nos homens entre os

Leia mais

MANU Manual de Urologia

MANU Manual de Urologia MANU Manual de Urologia Manual de Urologia CAPÍTULO 2 Introdução O espermograma ou análise seminal é o exame complementar inicial na avaliação do homem infértil. O sêmen deve ser coletado por masturbação,

Leia mais

Audiência Pública Castração química

Audiência Pública Castração química Audiência Pública Castração química Data: 06/07/2016 Rodolfo Costa Souza Consultor Legislativo da Câmara dos Deputados Área XVI Saúde Pública e Sanitarismo Introdução O comportamento sexual complexidade

Leia mais

Hormônios hipotalâmicos e hipofisários. (somatostatin)

Hormônios hipotalâmicos e hipofisários. (somatostatin) Anatomia Localiza-se na base do crânio sela túrcica Hipófise anterior: derivada da bolsa de Rathke Hipófise posterior: origem neural, formada por axônios e terminções nervosas dos neurônios hipotalâmicos

Leia mais

2010 ENDOCRINOLOGIA CLÍNICA ASPECTOS PRÁTICOS EM ENDOCRINOLOGIA O

2010 ENDOCRINOLOGIA CLÍNICA ASPECTOS PRÁTICOS EM ENDOCRINOLOGIA O 11º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 ENDOCRINOLOGIA CLÍNICA ASPECTOS PRÁTICOS EM ENDOCRINOLOGIA O que fazer perante: Hipoglicemia TERESA DIAS Serviço de Endocrinologia do HSM. Lisboa Luso, Junho de 2010 Hipoglicemia

Leia mais

Avaliação da Infertilidade

Avaliação da Infertilidade Avaliação da Infertilidade Dr. Eduardo Camelo de Castro Ginecologista e Obstetra Professor do Curso de Pós Graduação em Reprodução Humana da PUC-GO Experiência devastadora, comparanda ao divórcio e ao

Leia mais

Hirsutismo / Hiperandrogenismo na adolescente

Hirsutismo / Hiperandrogenismo na adolescente Hirsutismo / Hiperandrogenismo na adolescente Teresa Borges Unidade de Endocrinologia Pediátrica Centro Hospitalar do Porto Curso Inverno Sociedade Portuguesa de Pediatria Caramulo 24/02/2013 Manifestações

Leia mais

PUBERDADE NORMAL E ANORMAL

PUBERDADE NORMAL E ANORMAL PUBERDADE NORMAL E ANORMAL José María Aragüés Serviço de Endocrinologia, Hospital Santa Maria. Hospital CUF Infante Santo, Lisboa Abril de 2009 PUBERDADE MASCULINA Conjunto de modificações que levam a

Leia mais

O que fazer perante:nódulo da tiroideia

O que fazer perante:nódulo da tiroideia 10º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 Endocrinologia Clínica ASPECTOS PRÁTICOS EM ENDOCRINOLOGIA O que fazer perante:nódulo da tiroideia Zulmira Jorge Serviço Endocrinologia Diabetes e Metabolismo. H. Santa

Leia mais

Métodos Anticoncepcionais

Métodos Anticoncepcionais Métodos Anticoncepcionais Tabelinha O que é? A tabelinha, também conhecida por método rítmico, é baseada em um cálculo realizado a partir de um calendário, para saber o início e o fim do período fértil.

Leia mais

Endometriose: Diagnóstico e Tratamento

Endometriose: Diagnóstico e Tratamento Endometriose: Diagnóstico e Tratamento Alysson Zanatta Diretor de Comunicação, Associação de Ginecologia e Obstetrícia do Distrito Federal Doutor em Medicina, Faculdade de Medicina da Universidade de São

Leia mais

AMEnORRéIA PRIMáRIA. COMpARTIMENTO I: DISTúRBIOS DO TRATO DE SAÍDA OU órgão-alvo UTERINO

AMEnORRéIA PRIMáRIA. COMpARTIMENTO I: DISTúRBIOS DO TRATO DE SAÍDA OU órgão-alvo UTERINO Unidade 1 - Adolescência Amenorréia Primária CAPÍTULO 2 AMEnORRéIA PRIMáRIA DEfINIçãO Amenorréia primária é a ausência de menstruação até os 14 anos de idade, na ausência de crescimento ou desenvolvimento

Leia mais

Hipogonadismo. O que é Hipogonadismo? Causas 25/02/ 2015. Minhavida.com.br

Hipogonadismo. O que é Hipogonadismo? Causas 25/02/ 2015. Minhavida.com.br Hipogonadismo O que é Hipogonadismo? Hipogonadismo é uma doença na qual as gônadas (testículos nos homens e ovários nas mulheres) não produzem quantidades adequadas de hormônios sexuais, como a testosterona

Leia mais

PUBERDADE. Fase fisiológica com duração de 2 a 5 anos, durante a qual ocorre a maturação sexual

PUBERDADE. Fase fisiológica com duração de 2 a 5 anos, durante a qual ocorre a maturação sexual Puberdade PUBERDADE Transição entre a infância e a vida adulta Transformações físicas e psíquicas complexas Fase fisiológica com duração de 2 a 5 anos, durante a qual ocorre a maturação sexual Desenvolvimento

Leia mais

Armadilhas no diagnóstico da Hiperprolactinemia. Julia Appel - Endocrinologista

Armadilhas no diagnóstico da Hiperprolactinemia. Julia Appel - Endocrinologista Armadilhas no diagnóstico da Hiperprolactinemia Julia Appel - Endocrinologista Introdução A hiperprolactinemia é a alteração endócrina mais comum do eixo hipotálamo-hipofisário. Indicações dosagem: Alterações

Leia mais

Rastreamento e estratificação de risco para Tríade da Mulher Atleta (TMA)

Rastreamento e estratificação de risco para Tríade da Mulher Atleta (TMA) Rastreamento e estratificação de risco para Tríade da Mulher Atleta (TMA) Relator: Prof. Dra. Maíta Poli de Araujo Moderadores: Prof. Dr. Heldio Fortunato Prof. Dra Sandra Sasaki Dr. Fernando Bianchini

Leia mais

AS ANOMALIAS CROMOSSÔMICAS EM HUMANOS

AS ANOMALIAS CROMOSSÔMICAS EM HUMANOS AS ANOMALIAS CROMOSSÔMICAS EM HUMANOS Incidência global de anormalidades cromossômicas em recém-nascidos = 1 em 160 nascimentos. Frequência total de anormalidades cromossômicas em abortos espontâneos =

Leia mais

AMENORRÉIA Cynthia Salgado Lucena Caso Clínico/ Abril- 2011

AMENORRÉIA Cynthia Salgado Lucena Caso Clínico/ Abril- 2011 AMENORRÉIA Cynthia Salgado Lucena Caso Clínico/ Abril- 2011 ASPECTOS GERAIS: Mamas presentes/ FSH nl/ útero ausente: Agenesia mülleriana e sínd de resistência completa aos androgênios. Dosar testosterona.

Leia mais

Hipertensão arterial. Casos clínicos. A. Galvão-Teles 22º CURSO NEDO PÓS-GRADUADO DE ENDOCRINOLOGIA ENDOCRINOLOGIA EM CASOS CLÍNICOS

Hipertensão arterial. Casos clínicos. A. Galvão-Teles 22º CURSO NEDO PÓS-GRADUADO DE ENDOCRINOLOGIA ENDOCRINOLOGIA EM CASOS CLÍNICOS 22º CURSO NEDO PÓS-GRADUADO DE ENDOCRINOLOGIA ENDOCRINOLOGIA EM CASOS CLÍNICOS Casos clínicos Hipertensão arterial A. Galvão-Teles Viseu, Outubro de 2012 Caso Clínico 1 Motivo consulta: Bócio Mulher de

Leia mais

Avaliação Funcional da Hipófise

Avaliação Funcional da Hipófise Avaliação Funcional da Hipófise Dr. Luiz Antônio de Araújo Endoville, Joinville (SC) Dr. Cesar Luiz Boguszewski SEMPR, HC-UFPR, Curitiba (PR) Avaliação Funcional da Hipófise Dr. Cesar Luiz Boguszewski

Leia mais

Glândulas endócrinas:

Glândulas endócrinas: Sistema Endócrino Glândulas endócrinas: Funções: Secreções de substâncias (hormônios) que atuam sobre célula alvo Hormônios: Substâncias informacionais distribuídas pelo sangue. Eles modificam o funcionamento

Leia mais

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso.

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 1 2 3 4 INSTRUÇÕES Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno,

Leia mais

Bromocriptina mesilato

Bromocriptina mesilato Material Técnico Identificação Fórmula Molecular: C 32 H 40 BrN 5 O 5.CH 4 O 3 S Peso molecular: 750.72 DCB/ DCI: 01466 - mesilato de bromocriptina / 3365 CAS: 22260-51-1 INCI: não aplicável Sinonímia:

Leia mais

Amenorréia Induzida: Indicações. XIX Jornada de Ginecologia e Obstetrícia do Rio Grande do Norte XVI Jornada da Maternidade Escola Januário Cicco

Amenorréia Induzida: Indicações. XIX Jornada de Ginecologia e Obstetrícia do Rio Grande do Norte XVI Jornada da Maternidade Escola Januário Cicco Amenorréia Induzida: Indicações XIX Jornada de Ginecologia e Obstetrícia do Rio Grande do Norte XVI Jornada da Maternidade Escola Januário Cicco I. Amenorréia Amenorréia secundária é um distúrbio que se

Leia mais

Caso Clínico. ID: Itamara da Silva Santos, 8anos e 2meses, melanoderma, estudante, natural de Juazeiro, procedente de Candeias-BA.

Caso Clínico. ID: Itamara da Silva Santos, 8anos e 2meses, melanoderma, estudante, natural de Juazeiro, procedente de Candeias-BA. Puberdade Precoce Ambulatório de Pediatria Geral Internos: Edval Santos Emerson Prisco Fábio Marques Gustavo Barros Luiz Castro Coordenadora: Dra. Vanda Miranda. Orientador: Dr. Crésio Alves. Debatedor:

Leia mais

Conheça algumas doenças tipicamente femininas

Conheça algumas doenças tipicamente femininas Uol - SP 03/12/2014-11:51 Conheça algumas doenças tipicamente femininas Da Redação ANSIEDADE: este transtorno mental é caracterizado por preocupações, tensões ou medos exagerados, sensação contínua de

Leia mais

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União Nota Técnica N 265/2013 Brasília, agosto de 2013. Princípio Ativo: cabergolina Nome Comercial 1 : Dostinex. Sumário 1. O que é a cabergolina?... 1 2. O medicamento possui registro na Agência Nacional de

Leia mais

CAPÍTULO 1 AVALIAÇÃO BÁSICA DA INFERTILIDADE CONJUGAL. Adner Nobre Elfie Tomaz Figueiredo Francisco C Medeiros. 1 Definição:

CAPÍTULO 1 AVALIAÇÃO BÁSICA DA INFERTILIDADE CONJUGAL. Adner Nobre Elfie Tomaz Figueiredo Francisco C Medeiros. 1 Definição: CAPÍTULO 1 1 Definição: AVALIAÇÃO BÁSICA DA INFERTILIDADE CONJUGAL Adner Nobre Elfie Tomaz Figueiredo Francisco C Medeiros Incapacidade de engravidar após 12 meses ou mais de relações sexuais regulares

Leia mais

Ciclo menstrual na adolescência

Ciclo menstrual na adolescência ARTIGO ORIGINAL 59 Isabel Bouzas 1 Claudia Braga 2 Lenora Leão 3 Ciclo menstrual na adolescência Menstrual cycle in adolescence RESUMO A menstruação, evento marcante na vida das mulheres, assume importância

Leia mais

PROPEDÊUTICA BÁSICA DO CASAL INFÉRTIL

PROPEDÊUTICA BÁSICA DO CASAL INFÉRTIL PROPEDÊUTICA BÁSICA DO CASAL INFÉRTIL Profa. Márcia Mendonça Carneiro Departamento de Ginecologia e Obstetrícia FM-UFMG Ambulatório de Dor Pélvica Crônica e Endometriose HC- UFMG G INFERTILIDADE Incapacidade

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA 2015.

RESIDÊNCIA MÉDICA 2015. Recursos de estudo na Área do Aluno Site SJT Educação Médica Aula À La Carte Simulados Presenciais e on-line Cursos Extras Antibioticoterapia Prático SJT Diagnóstico por imagem Eletrocardiografia Revisão

Leia mais

15 minutos de... BAIXA ESTATURA

15 minutos de... BAIXA ESTATURA 15 minutos de... BAIXA ESTATURA Definição de baixa estatura = conceito gráfico Avaliação do crescimento depende de outros fatores... Dois irmãos adolescentes procuram o pediatra para saber porque a altura

Leia mais

AVALIAÇÃO BÁSICA DA INFERTILIDADE CONJUGAL. Fatores masculinos: 23% das causas Fatores inexplicáveis: 28% das causas Fatores femininos: 48% das causas

AVALIAÇÃO BÁSICA DA INFERTILIDADE CONJUGAL. Fatores masculinos: 23% das causas Fatores inexplicáveis: 28% das causas Fatores femininos: 48% das causas CAPÍTULO 1 1 Definição: AVALIAÇÃO BÁSICA DA INFERTILIDADE CONJUGAL Adner Nobre Elfie Tomaz Figueiredo Francisco C Medeiros Incapacidade de engravidar após 12 meses ou mais de relações sexuais regulares

Leia mais

Uso de Citrato de Clomifeno: existe abuso?

Uso de Citrato de Clomifeno: existe abuso? Hospital Regional da Asa Sul (HRAS) Setor de Reprodução 46 o Congresso Humancopia de Ginecológica Ginecologia e Obstetrícia do Distrito Federal Uso de Citrato de Clomifeno: existe abuso? Natalia I. Zavattiero

Leia mais

Sistema Reprodutor e Tecnologia da Reprodução Medicamente Assistida

Sistema Reprodutor e Tecnologia da Reprodução Medicamente Assistida MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA BIOMÉDICA DISCIPLINA DE ANATOMIA E HISTOLOGIA Sistema Reprodutor e Tecnologia da Reprodução Medicamente Assistida Carlos Plancha Instituto de Histologia e Biologia do Desenvolvimento

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO

SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO Anatomia Genitália externa: pênis e bolsa escrotal; Órgãos reprodutores internos: testículos culos, epidídimos dimos, ductos(deferente, ejaculador e uretra) e as glândulas

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco Disciplina de Ginecologia. Amenorréia Primária. Diagnóstico Etiológico

Universidade Federal de Pernambuco Disciplina de Ginecologia. Amenorréia Primária. Diagnóstico Etiológico Universidade Federal de Pernambuco Disciplina de Ginecologia Amenorréia Primária Diagnóstico Etiológico Prof. Sabino Pinho Otto Dix (1891 1969) Amenorréia Conceito: É a ausência temporária ou definitiva

Leia mais

Amenorréia. Profª. Keyla Ruzi

Amenorréia. Profª. Keyla Ruzi Amenorréia Profª. Keyla Ruzi Amenorréia Conceito: ausência de menstruação em uma época na qual ela deveria ocorrer. Exclui-se períodos de amenorréia fisiológica, como na gravidez e lactação, antes da menarca

Leia mais

BA.23: Ciclo menstrual, gestação e parto BIOLOGIA

BA.23: Ciclo menstrual, gestação e parto BIOLOGIA ATIVIDADES 1. (FGV 2006) Trata-se de um líquido constituinte do esperma que apresenta aspecto leitoso e é alcalino, contribui para neutralizar a acidez das secreções vaginais além de promover um aumento

Leia mais

Acta Urológica. Urologia e Medicina Familiar. Infertilidade Conjugal. Avaliação do factor masculino. Luís Ferraz. Separata Volume 23 Número 4 2006

Acta Urológica. Urologia e Medicina Familiar. Infertilidade Conjugal. Avaliação do factor masculino. Luís Ferraz. Separata Volume 23 Número 4 2006 Associação Portuguesa de Urologia Separata Volume 23 Número 4 2006 Acta Urológica Urologia e Medicina Familiar Infertilidade Conjugal Avaliação do factor masculino Director Editor Editores Adjuntos Francisco

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 11 SISTEMA ENDÓCRINO

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 11 SISTEMA ENDÓCRINO BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 11 SISTEMA ENDÓCRINO Como pode cair no enem Os mecanismos de autorregulação que levam à homeostase, para garantir um equilíbrio dinâmico, implicam retroalimentação (feedback),

Leia mais

CONSEQÜÊNCIAS DA HISTERECTOMIA LEIOMIOMA UTERINO - METÁSTESE MÓRBIDA

CONSEQÜÊNCIAS DA HISTERECTOMIA LEIOMIOMA UTERINO - METÁSTESE MÓRBIDA CONSEQÜÊNCIAS DA HISTERECTOMIA LEIOMIOMA UTERINO - METÁSTESE MÓRBIDA Protocolo de Pesquisa Joselma Lira Alves Maisa Homem de Mello Romeu Carillo Jr Clínica de Homeopatia do HSPM-SP LEIOMIOMA UTERINO Sinonímia

Leia mais

DISCIPLINA: SAÚDE DA MULHER

DISCIPLINA: SAÚDE DA MULHER Universidade Federal do Maranhão MESTRADO: SAÚDE DO ADULTO E DA CRIANÇA DISCIPLINA: SAÚDE DA MULHER MÓDULO: MECANISMO DA CARCINOGÊNESE DO HPV NAS LESÕES CERVICO-VAGINAIS 3ª Etapa - CITOLOGIA HORMONAL Prof.

Leia mais

- Responda na folha de exame -

- Responda na folha de exame - PROVA DE AVALIAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS Ano letivo 2014/15 BIOLOGIA 17/06/2015 Duração: 90 min (2 valores por questão) Nome: - Responda na folha de exame - 1. As hormonas sexuais femininas,

Leia mais

Material exclusivo para pacientes.

Material exclusivo para pacientes. Material exclusivo para pacientes. O que você deve saber sobre o risco de malformações fetais e ações mandatórias para prevenção de gravidez durante o tratamento com Roacutan (isotretinoína) 1 2 Volta

Leia mais

Subfertilidade Resumo de diretriz NHG M25 (segunda revisão, abril 2010)

Subfertilidade Resumo de diretriz NHG M25 (segunda revisão, abril 2010) Subfertilidade Resumo de diretriz NHG M25 (segunda revisão, abril 2010) Van Asselt KM, Hinloopen RJ, Silvius AM, Van der Linden PJQ, Van Oppen CCAN, Van Balen JAM traduzido do original em holandês por

Leia mais

Glândulas endócrinas:

Glândulas endócrinas: SISTEMA ENDÓCRINO Glândulas endócrinas: Funções: Secreções de substâncias (hormônios) que atuam sobre célula alvo Regulação do organismo (homeostase) Hormônios: Substâncias químicas que são produzidas

Leia mais

O que é e para que serve a Próstata

O que é e para que serve a Próstata O que é e para que serve a Próstata A próstata é uma glândula que faz parte do aparelho genital masculino. Está localizada abaixo da bexiga, atravessada pela uretra. Seu tamanho e forma correspondem a

Leia mais

Uso do AAS na Prevenção Primária de Eventos Cardiovasculares

Uso do AAS na Prevenção Primária de Eventos Cardiovasculares Uso do AAS na Prevenção Primária de Eventos Cardiovasculares Camila Belonci Internato em Cirurgia Cardíaca Prof. Mário Augusto Cray da Costa Medicina UEPG Uso do AAS na Prevenção Primária de Eventos Cardiovasculares

Leia mais

DIRETRIZES PARA O HIPOGONADISMO MASCULINO

DIRETRIZES PARA O HIPOGONADISMO MASCULINO DIRETRIZES PARA O HIPOGONADISMO MASCULINO Dohle GR, Arver S, Bettocchi C, Kliesch S, Punab M, de Ronde W. Introdução O hipogonadismo masculino é uma síndrome clínica causada por deficiência androgênica.

Leia mais

Ex-Presidente da Sociedade Goiana de Ginecologia e Obstetrícia. Mestre em Doenças Infecciosas e Parasitárias pelo IPTESP UFG

Ex-Presidente da Sociedade Goiana de Ginecologia e Obstetrícia. Mestre em Doenças Infecciosas e Parasitárias pelo IPTESP UFG Ex-Presidente da Sociedade Goiana de Ginecologia e Obstetrícia Mestre em Doenças Infecciosas e Parasitárias pelo IPTESP UFG Professor da Faculdade de Medicina da UFG. Sociedade Goiana de Ginecologia e

Leia mais

A fase inicial do câncer de próstata apresenta uma evolução silenciosa e não causa sintomas, mas alguns sinais merecem atenção:

A fase inicial do câncer de próstata apresenta uma evolução silenciosa e não causa sintomas, mas alguns sinais merecem atenção: Novembro Azul O movimento mundialmente conhecido como Novembro Azul ou Movember visa conscientizar os homens sobre a importância da prevenção do câncer de próstata e tem o bigode como símbolo adotado para

Leia mais

PALESTRA DOGMAS EM RELAÇÃO À PROLACTINA. (Sessão Plenária ocorrida em 22/10/2013)

PALESTRA DOGMAS EM RELAÇÃO À PROLACTINA. (Sessão Plenária ocorrida em 22/10/2013) PALESTRA DOGMAS EM RELAÇÃO À PROLACTINA (Sessão Plenária ocorrida em 22/10/2013) Luiz Augusto Casulari Roxo da Motta Serviço de Endocrinologia do Hospital Universitário de Brasília Academia de Medicina

Leia mais

Adrenarca. O que é Puberdade? Puberdade Normal: Diagnóstico Clínico e Laboratorial. Gonadarca - Eixo Gonadotrófico. GnRH. GnRH

Adrenarca. O que é Puberdade? Puberdade Normal: Diagnóstico Clínico e Laboratorial. Gonadarca - Eixo Gonadotrófico. GnRH. GnRH O que é? Normal: Diagnóstico Clínico e Laboratorial Vinicius Nahime Brito Unidade de Endocrinologia do Desenvolvimento HCFMUSP É o período de transição entre a infância e a vida adulta, no qual ocorrem

Leia mais

SISTEMA ENDÓCRINO Órgãos endócrinos e suas secreções, alvos e efeitos principais

SISTEMA ENDÓCRINO Órgãos endócrinos e suas secreções, alvos e efeitos principais LOCALIZAÇÃO SISTEMA ENDÓCRINO Órgãos endócrinos e suas secreções, alvos e efeitos principais TIPO QUÍMICO HORMÔNIO ALVO EFEITOS PRINCIPAIS Glândula pineal Glândula Amina Melatonina Desconhecido Controla

Leia mais

Hiperprolactinemia: Visão Contemporânea

Hiperprolactinemia: Visão Contemporânea Hiperprolactinemia: Visão Contemporânea Hiperprolactinemia: Visão Contemporânea Luíz Antônio de Araújo Diretor do Dpto de Neuroendocrinologia da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia SBEM

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR EU BIOLOGIA

SISTEMA REPRODUTOR EU BIOLOGIA SISTEMA REPRODUTOR EU BIOLOGIA Sistema Genital Feminino Ovários: produção de óvulos e hormônios (estrógeno e progesterona) Tuba uterina: durante a ovulação, recolhe o óvulo e conduz até o útero Útero:

Leia mais

ABORDAGEM DO CASAL INFÉRTIL

ABORDAGEM DO CASAL INFÉRTIL ABORDAGEM DO CASAL INFÉRTIL DEFINIÇÃO Infertilidade é a incapacidade do casal engravidar, após um ano de relações sexuais regulares, sem uso de método contraceptivos. A chance de um casal normal engravidar

Leia mais

Doenças da Reprodução e Malformações Congênitas Relacionadas ao Trabalho

Doenças da Reprodução e Malformações Congênitas Relacionadas ao Trabalho 15 Congresso Nacional da ANAMT CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO Doenças da Reprodução e Malformações Congênitas Relacionadas ao Trabalho São Paulo, SP, 11 de maio de 2013 Atualização sobre

Leia mais

I SIMPÓSIO DE ATUAÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM OBESIDADE, CIRURGIA BARIÁTRICA E METABÓLICA

I SIMPÓSIO DE ATUAÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM OBESIDADE, CIRURGIA BARIÁTRICA E METABÓLICA I SIMPÓSIO DE ATUAÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM OBESIDADE, CIRURGIA BARIÁTRICA E METABÓLICA Avaliação, diagnóstico e acompanhamento do paciente no pré e pós operatório REALIZAÇÃO APOIO JUSTIFICATIVA É crescente

Leia mais

Disciplina: Bioquímica Curso: Análises Clínicas 3º. Módulo Docente: Profa. Dra. Marilanda Ferreira Bellini

Disciplina: Bioquímica Curso: Análises Clínicas 3º. Módulo Docente: Profa. Dra. Marilanda Ferreira Bellini Disciplina: Bioquímica Curso: Análises Clínicas 3º. Módulo Docente: Profa. Dra. Marilanda Ferreira Bellini Do grego: Hormon = estimular Hormônios são substâncias químicas produzidas por um grupo de células

Leia mais

Câncer de Endométrio Hereditário

Câncer de Endométrio Hereditário Disciplina de Cirurgia Geral e do Aparelho Digestivo Coordenador do Serviço de Cirurgia Oncológica I Disciplina Eletiva de Fundamentos da Cirurgia Oncológica Professor Afiliado Abner Jorge Jácome Barrozo

Leia mais

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1 Este medicamento está sujeito a monitorização adicional. Isto irá permitir a rápida identificação de nova informação de segurança. Pede-se aos profissionais

Leia mais

Clinicamente avaliado em todo o Mundo(2)

Clinicamente avaliado em todo o Mundo(2) INOVAÇÃO 2 Clinicamente avaliado em todo o Mundo(2) 3.319 mulheres 22.16 ciclos Mais de 7. adesivos testados Eficácia comparável à da pílula(3) Excelente adesividade(4) Excelentes taxas de compliance(5)

Leia mais

GRAVE. DEPRESSAo O QUE É A DEPRESSAO GRAVE? A depressão grave é uma condição médica comum e afeta 121 MILHÕES de pessoas em todo o mundo.

GRAVE. DEPRESSAo O QUE É A DEPRESSAO GRAVE? A depressão grave é uma condição médica comum e afeta 121 MILHÕES de pessoas em todo o mundo. APRESENTA GRAVE DEPRESSAo O QUE É A DEPRESSAO GRAVE? Indivíduos com depressão grave geralmente apresentam pelo menos 4 destes sintomas por pelo menos 2 semanas: Estado de ânimo depressivo; * Movimento,

Leia mais

Estamos Tratando Adequadamente as Urgências em Radioterapia?

Estamos Tratando Adequadamente as Urgências em Radioterapia? Estamos Tratando Adequadamente as Urgências em Radioterapia? Autores Alice de Campos Ana Carolina Rezende Icaro T. Carvalho Heloisa A. Carvalho Alice de Campos Residente HCFMUSP INTRODUÇÃO Urgências em

Leia mais

Patologias psiquiátricas mais prevalentes na atenção básica: Alguns sintomas físicos ocorrem sem nenhuma causa física e nesses casos,

Patologias psiquiátricas mais prevalentes na atenção básica: Alguns sintomas físicos ocorrem sem nenhuma causa física e nesses casos, Diretrizes Gerais de Abordagem das Somatizações, Síndromes ansiosas e depressivas Alexandre de Araújo Pereira Patologias psiquiátricas mais prevalentes na atenção básica: Somatizações Transtornos Depressivos

Leia mais

CAPÍTULO 10. GRAVIDEZ ECTÓPICA: DIAGnÓSTICO PRECOCE. 1. DEfINIçãO:

CAPÍTULO 10. GRAVIDEZ ECTÓPICA: DIAGnÓSTICO PRECOCE. 1. DEfINIçãO: Unidade 3 - Ginecologia Gravidez Ectópica: Diagnóstico Precoce CAPÍTULO 10 GRAVIDEZ ECTÓPICA: DIAGnÓSTICO PRECOCE 1. DEfINIçãO: Implatação do ovo fora da cavidade endometrial, como, por exemplo, nas tubas,

Leia mais

As principais manifestações Puberdade (Marshall e Tanner) Crescimento rápido: aceleração seguida de desaceleração do esqueleto e órgãos internos;

As principais manifestações Puberdade (Marshall e Tanner) Crescimento rápido: aceleração seguida de desaceleração do esqueleto e órgãos internos; As principais manifestações Puberdade (Marshall e Tanner) Crescimento rápido: aceleração seguida de desaceleração do esqueleto e órgãos internos; Desenvolvimento das gônadas; Desenvolvimento dos órgãos

Leia mais

AVALIAÇÃO LABORATORIAL DOS HORMÔNIOS SEXUAIS

AVALIAÇÃO LABORATORIAL DOS HORMÔNIOS SEXUAIS AVALIAÇÃO LABORATORIAL DOS HORMÔNIOS SEXUAIS Marcelo Cidade Batista Laboratório de Hormônios LIM/42 Disciplina de Endocrinologia Divisão de Laboratório Central LIM/03 Hospital das Clínicas Faculdade de

Leia mais

Métolos Anticoncepcionais

Métolos Anticoncepcionais Métolos Anticoncepcionais Métodos de barreira: São métodos onde se cria literalmente uma barreira física para a fertilização. Na sociedade atual, o planejamento familiar é muito importante para a qualidade

Leia mais

2ª Série do ensino médio _ TD 13

2ª Série do ensino médio _ TD 13 2ª Série do ensino médio _ TD 13 01. O aperfeiçoamento das técnicas da chamada reprodução assistida já permite que homens incapazes de produzir espermatozóides sejam pais, desde que realizem parte do processo

Leia mais

R2. Qual o principal motivo da sra nunca ter feito um exame preventivo? 01. Nunca teve relações sexuais 02. Não acha necessário 03.

R2. Qual o principal motivo da sra nunca ter feito um exame preventivo? 01. Nunca teve relações sexuais 02. Não acha necessário 03. Módulo R. Saúde da Mulher (mulheres de 18 anos e mais de idade) Neste módulo, vamos fazer perguntas sobre a sua saúde, exames preventivos, história reprodutiva e planejamento familiar. R1. Quando foi a

Leia mais

Métodos Anticoncepcionais

Métodos Anticoncepcionais Métodos Anticoncepcionais Métodos Anticoncepcionais Chamamos de método contraceptivo (ou método anticoncepcional) toda ação cujo objetivo é impedir ou, pelo menos, reduzir substancialmente a chance de

Leia mais

Glândulas endócrinas:

Glândulas endócrinas: SISTEMA ENDOCRINO Glândulas endócrinas: Funções: Secreções de substâncias (hormônios) que atuam sobre célula alvo Regulação do organismo (homeostase) Hormônios: Substâncias químicas que são produzidas

Leia mais

Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri.

Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri. Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri. Menstruação. É a perda periódica que se origina na mucosa uterina, caracterizada por sangramento uterino, que ocorre na mulher desde

Leia mais

CONCEITO DIAGNÓSTICO INVASIVO E NÃO INVASIVO

CONCEITO DIAGNÓSTICO INVASIVO E NÃO INVASIVO CONCEITO Estima-se que 10 a 15% das mulheres em idade reprodutiva sejam portadoras de endometriose. Atribui-se o aumento em sua prevalência não só à melhora dos recursos diagnósticos, como pela evolução

Leia mais

HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA

HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA GLÂNDULAS SEXUAIS GÔNADAS MASCULINAS = TESTÍCULOS GÔNADAS FEMININAS = OVÁRIOS PRODUZEM GAMETAS E HORMÔNIOS SEXUAIS CONTROLE HORMONAL DO SISTEMA TESTÍCULOS

Leia mais

Disfunção Sexual Masculina

Disfunção Sexual Masculina VI CURSO PÓS GRADUADO NEDO A ENDOCRINOLOGIA REVISITADA Disfunção Sexual Masculina A. Galvão-Teles Auditório Alto dos Moinhos, 16 a 18 de Abril de 2009 Disfunção sexual eréctil (DSE) Incapacidade em atingir

Leia mais

Síndrome caracterizada por: Urgência miccional (principal sintoma) COM ou SEM incontinência, Também associada a: Polaciúria. Noctúria......

Síndrome caracterizada por: Urgência miccional (principal sintoma) COM ou SEM incontinência, Também associada a: Polaciúria. Noctúria...... 27/06/16 Síndrome caracterizada por: Urgência miccional (principal sintoma) COM ou SEM incontinência, Também associada a: Polaciúria. Noctúria...... na ausência de causa infecciosa ou outra doença que

Leia mais

Veja as respostas do Dr. Maurício Simões Abrão sobre endometriose:

Veja as respostas do Dr. Maurício Simões Abrão sobre endometriose: Fonte: www.atmosferafeminina.com.br Veja as respostas do Dr. Maurício Simões Abrão sobre endometriose: 1 - Sempre menstruei normalmente, tinha um fluxo médio em tono de 5 dias. Desde que parei de tomar

Leia mais

1. Identificação Nome: Está interessado(a) em receber as nossas Newsletters? ( ) Sim ( ) Não Como ficou a conhecer a nossa clínica?

1. Identificação Nome: Está interessado(a) em receber as nossas Newsletters? ( ) Sim ( ) Não Como ficou a conhecer a nossa clínica? Preparação 1ª consulta Anti-envelhecimento Responda ao seu questionário o mais rigorosamente possível porque da exatidão das suas respostas depende a eficácia da nossa consulta e melhor será orientado

Leia mais

Puberdade Normal. Mª Joana Santos, Olinda Marques Serviço de Endocrinologia - Hospital de Braga

Puberdade Normal. Mª Joana Santos, Olinda Marques Serviço de Endocrinologia - Hospital de Braga Puberdade Normal Mª Joana Santos, Olinda Marques Serviço de Endocrinologia - Hospital de Braga Definição Fase do processo contínuo de desenvolvimento, que vai desde o início dos primeiros sinais pubertários

Leia mais

AS FACES DA GINECOLOGIA 185ª REUNIÃO DA SOCIEDADE PORTUGUESA DE GINECOLOGIA

AS FACES DA GINECOLOGIA 185ª REUNIÃO DA SOCIEDADE PORTUGUESA DE GINECOLOGIA SIMPÓSIO 2016 AS FACES DA GINECOLOGIA 185ª REUNIÃO DA SOCIEDADE PORTUGUESA DE GINECOLOGIA 3 E 4 JUNHO HOSPITAL DE BRAGA IMAGEM: AD MÉDIC PROGRAMA Científico 2 JUNHO - 5ª Feira CURSO PRÉ-SIMPÓSIO: ECOGRAFIA

Leia mais