MedEl: Uma solução de E-Learning utilizando tecnologia Microsoft ASP.NET

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MedEl: Uma solução de E-Learning utilizando tecnologia Microsoft ASP.NET"

Transcrição

1 MedEl: Uma solução de E-Learning utilizando tecnologia Microsoft ASP.NET Átila Correia Cunha 1, 2, Glaucon Henrique Mauricio Maia 1, 2, Waner Ferreira Tavares 1, 2, Jorge Bergson¹, Rui Gomes Patrício 3 1. Instituto Atlântico, Centro de tecnologia XML (CTXML) 2. Universidade Estadual do Ceará (UECE), Brasil 3. Faculdade Integrada do Ceará (FIC) Resumo - Este artigo apresenta uma idéia de arquitetura para a solução de E-Learning (ensino a distância) utilizando as tecnologias Microsoft: linguagem C# e plataforma ASP.NET. Palavras-chave: Informática Médica, Tecnologia da Informação, Padrões de projeto. Abstract - This paper shows an architecture view to E-Learning solution (education in the distance) using Microsoft technologies: language C# and platform ASP.NET. Key-words: Medical Informatics, Information Technologies, Design Patterns. Introdução A demanda por produtos e serviços na área de educação à distância, em especial, na área da saúde tem crescido de forma considerável nos últimos anos. Isso se deve principalmente a grande necessidade que os profissionais da área da saúde têm de se atualizarem ou se especializarem. Essa dificuldade é ainda maior nas regiões menos desenvolvidas e mais afastadas dos centros de ensino [3]. Atualmente, a melhor forma de oferecer serviços que atendam uma grande gama de clientes (como é o caso dos profissionais de saúde) independentemente de suas localizações é utilização de softwares que possam ser acessados através da Internet (aplicações Web). A tecnologia Microsoft oferece, através da plataforma ASP.NET e do Framework.NET [2], as ferramentas necessárias para o desenvolvimento de aplicações web robustas e de grande escala. Para comprovar a eficiência das tecnologias Microsoft.NET e atender a demanda citada acima (software de ensino a distância para profissionais da saúde) foi desenvolvida a aplicação MedEl (Medical E-Learning). Tal aplicação utiliza fortemente os conceitos de Orientação a Objetos e de Padrões de Projeto [1]. O trabalho está organizado da seguinte forma: primeiro serão abordados os principais conceitos de Orientação a Objetos e Padrões de Projeto. Logo em seguida, serão discutidos os Padrões de Projeto e a Arquitetura utilizados no MedEl. A seguir, serão apresentados alguns resultados e, por fim, algumas conclusões e trabalhos futuros. Metodologia A solução apresentada utiliza conceitos de Orientação a Objetos e de Padrões de Projeto (Design Patterns). Orientação a Objetos Os princípios mais importantes do paradigma da orientação a objetos são: encapsulamento, herança e polimorfismo. Nesse paradigma, tudo está relacionado a objetos. Um objeto pode ser visto como uma entidade do mundo real que tem uma identidade. Objetos podem representar entidades concretas (um arquivo no computador, uma bicicleta) ou entidades conceituais (uma estratégia de um jogo, uma política de gerenciamento de acesso a um programa). Cada objeto ter sua identidade significa dizer que eles são diferentes mesmo que possuam as mesmas características. A estrutura de um objeto é representada por atributos. Os comportamentos de um objeto são representados por um conjunto de operações, tipicamente chamado de métodos, que podem ser executadas sobre o objeto. Objetos com a mesma estrutura e o mesmo comportamento são agrupados em classes. Cada classe descreve um conjunto (possivelmente infinito) de objetos individuais. Cada objeto é, então, uma instância de uma classe. Os objetos não vêem os detalhes de implementação dos métodos, isso é chamado de encapsulamento de código. Polimorfismo significa que a mesma operação pode se comportar de forma diferente em classes diferentes. Isso também implica que

2 uma operação de uma mesma classe pode ser implementada por mais de um método. O usuário não precisa saber quantas implementações existem para uma operação, ou explicitar qual método deve ser utilizado: a linguagem de programação deve ser capaz de selecionar o método correto a partir do nome da operação, classe do objeto e dos argumentos para a operação. No mundo real, alguns objetos e classes podem ser descritos como casos especiais, ou especializações, de outros objetos e classes. Herança é o mecanismo do paradigma de orientação a objetos que permite compartilhar atributos e operações entre classes baseadas em um relacionamento hierárquico. Uma classe pode ser definida de forma genérica e depois refinada sucessivamente em termos de subclasses ou classes derivadas. Cada subclasse incorpora, ou herda, todas as propriedades de sua superclasse (ou classe base) e adiciona suas propriedades únicas e particulares. As propriedades da classe base não precisam ser repetidas em cada classe derivada. As Linguagens de Programação Orientada a Objetos fornecem todas as ferramentas para o desenvolvimento de software através do paradigma OO. Uma vez implementada, a OO facilita bastante o projeto que pode ser ampliado posteriormente com um considerável ganho de produtividade. A seguir, abordaremos alguns Padrões de Projeto que foram utilizados no desenvolvimento da solução MedEl. Dentre os padrões utilizados estão: MVC, DAO, Factory, Singleton e Abstract Factory. Figura 1 - Modelo do padrão MVC. A camada Model representa os dados e as regras de negócio da aplicação. A camada View é a qual o usuário final vê ou interage. A View mostra parte da Model para o usuário final. A View nunca deve modificar diretamente os dados da camada Model, nem deve interagir com as regras de negócio da Model. A camada Controller é responsável por realizar a ligação entra as camadas Model e View. Ela define o fluxo da aplicação, agindo como interpretador dos eventos de usuário, sendo o mediador entre View e Controller. O padrão Data Access Object (DAO) é responsável por separar o código que acessa o banco de dados (fonte de dados) do código que trabalha com os dados (camada de negócios). Um DAO é responsável por ler dados de uma fonte de dados externa (banco de dados, por exemplo) e prover dados encapsulados em objetos que serão utilizados pelos componentes de negócio. Padrões de Projeto Os padrões de projeto são, basicamente, soluções repetidas para problemas repetidos. Em uma perspectiva de programação, um padrão de projeto fornece um conjunto de interações específicas que podem ser aplicadas para objetos genéricos para resolver problemas conhecidos. Eles são criados à medida que soluções de problemas são descobertas. A seguir iremos apresentar alguns importantes padrões que servem como base para o entendimento da solução MedEl. Uma variação do padrão de projeto MVC, chamada Model 2, que é uma adaptação para o desenvolvimento web, foi utilizado por duas importantes razões: manutenção e facilidade de testes do código. MVC é constituído por três peças básicas: Model, View e Controller. Figura 2 - Diagrama do padrão DAO. No diagrama acima, o objeto DAO Obj. Acesso Dados lê os dados da Fonte Dados e encapsula-os em um objeto chamado ValueObject. O componente de negócio objeto negócio manipula esse objeto e não os dados diretamente. O padrão Factory é responsável por fabricar (criar) um conjunto de objetos que possuem um certo grau de relacionamento. O padrão Singleton é utilizado quando se necessita assegurar que só pode existir uma e somente uma instância de uma classe. Uma maneira de implementar um Singleton é ter uma variável private static dentro da classe com o mesmo tipo da classe, ter seus construtores privados, forçando que uma instância dessa classe não seja criada diretamente, e um método que irá retornar a única instância. Se essa

3 instância não existir, ele será criado a primeira vez e sempre que o método for chamado, ele irá retornar a mesma instância. Abstract factory provê uma interface para criar famílias de objetos relacionados sem especificar suas classes concretas. Algumas vezes queremos construir uma instância de uma classe de um conjunto de classes, decidindo entre as classes em tempo de instanciação. Para evitar duplicar a decisão fazendo em todo lugar que uma instância é criada, precisamos de um mecanismo para criar uma instância das classes relacionadas sem necessariamente saber qual classe concreta será instanciada. Para entender Abstract Factory, examine o diagrama de classes abaixo. Note que existem duas hierarquias separadas. A primeira representa várias abstrações que a classe cliente tem interesse. Para cada abstração, existe uma definição de classe abstrata (Classe abstrata 1, Classe abstrata 2, etc), e as subclasses que fornecem concretas implementações (Classe concreta 1A, Classe concreta 1B, etc). Na segunda hierarquia, uma classe abstrata AbstractFactory é definida para fornecer a interface para cada classe que é responsável por criar os membros de uma particular família. Por exemplo, a classe concreta FactoryB é responsável por criar objetos das classes classe concreta 1B e Classe concreta 2B. Figura 4 Arquitetura geral da solução adotada A seguir, iremos mostrar como cada uma das três camadas trabalha e como elas interagem entre si. Camada de Apresentação MedElUi A camada de apresentação contém os ASP.NET WebForms, possuindo navegabilidade simples e intuitiva. Para a manipulação das Entidades (eg. Cursos, Tutoriais, Arquivos) utilizamos Entities e suas respectivas especializações. Ao receber alguma requisição do usuário, a página monta os Entities necessários a partir dos Forms. Os Forms recebem os dados como strings, fazem a conversão para o tipo correto, e retornam o Entity correspondente. Com o Entity montado, o WebForm poderá chamar os métodos da Camada de Negócio. Figura 3 - Diagrama de um exemplo da aplicabilidade do padrão Abstract Factory. Arquitetura e Padrões de Projeto Utilizados A arquitetura do Sistema é composta de três camadas: MedElUI, camada de apresentação, MedElBusiness, camada de negócios, e MedElDAO, camada de dados. Para uma visão geral do Sistema, veja a Figura 4. Figura 5 Modelagem UML Camada de Negócio Business Layer A camada é a responsável por receber os Entities da Camada de Apresentação e executar

4 as ações requisitadas, gerando algum tipo de retorno se necessário. Quando a Camada de Apresentação deseja fazer alguma chamada para a Camada de Negócio, esta deve fazê-la através do Business da entidade a ser tratada (CourseBusiness, UserBusiness, etc). O Business é um Singleton [1] e é obtido através do BusinessFactory, que implementa o padrão de projeto AbstractFactory [1] Para ações que requerem um número significativo de interações, um Facade [1] é utilizado para interceptar as chamadas e enviá-las para o(s) Business correspondentes. Para ações que requerem acesso a dados, uma especialização da Interface DAO, que implementa o padrão de projeto Data Acess Object [2], é utilizada através da Camada de Dados. Figura 6 Diagrama de classes Camada de Dados Data Base Layer Nessa camada estão presentes as implementações dos Data Acess Objects (DAO s). Cada DAO é chamado através de sua Interface (ICourseDAO, IFileDAO, etc), deixando a camada flexível para diversas formas de acesso a dados, bastando para isso implementar a Interface de acordo com a forma de acesso desejada. Na solução apresentada, foram implementados DAO s para acesso a Banco de Dados SQL Server Antes de executar alguma operação no Banco, o DAO utiliza a classe QueryReader, passando a string correspondente à sua instância e o nome da operação a ser realizada, para obter a query SQL correspondente. As operações no banco são executadas através da classe SqlCommand. Para operações de insert e update o DAO recebe da camada de negócios o Entity a ser incluído ou atualizado e modifica o banco. Para operações de consulta o DAO recebe Entities como parâmetros e devolve o resultado em uma IList. Por exemplo, para recuperar todos os alunos de um curso o DAO deve receber um ICourseEntity e devolver uma IList contendo os Users cadastrados no curso. Resultados Figura 7 Modelagem UML O desenvolvimento da aplicação MedEl em apenas um mês serve para demonstrar a produtividade da arquitetura detalhada anteriormente e do ambiente RAD (Visual Studio.NET) da Microsoft. Além disso, o MedEl poderá ser um passo importante no processo de atualização e especialização dos profissionais de saúde. Segue abaixo, uma amostra da Interface Homem-Computador do MedEl. O usuário autentica-se (figura 8) no sistema e a partir deste ponto, ele começa a ser limitado pela configuração do seu perfil. Administradores, professores e alunos têm acesso a certos recursos como, provas, edição de perfis, confecção de cursos (figura 9), visualização do mesmo (figura 10). Figura 8 Tela de Login

5 Referências [1] E. Gamma, R. Helm, R. Johnson, and J. Vlissides. Design Patterns Elements of Reusable Object Oriented Software. Addison Wesley, [2] David S. Platt. Introducing Microsoft.NET. Microsoft Press, Figura 9 Tela de cadastro de cursos [3] Christante, L., Ramos, M. P., Bessa, R., Sigulem, D., (2002), O Papel do Ensino a Distância na Educação Médica Continuada: uma Análise Crítica. Anais do VII Congresso Brasileiro de Informática em Saúde. Contatos Átila Correia Glaucon Henrique Jorge Bérgson Rui Gomes Patrício Waner Tavares Instituto Atlântico Rua Chico Lemos, 946 Fortaleza CE (85) Figura 10 Visualização do curso Discussão e Conclusões A utilização de arquitetura em três camadas, com a conseqüente definição dos serviços entre elas, foi de fundamental importância na conclusão do projeto. A facilidade de manutenção, gerenciamento de códigos e recursos foi ideal para a conclusão em tempo hábil. A arquitetura tem grande poder de reutilização, pode ser utilizada em sistemas similares ou mesmo na ampliação de outros que foram idealizados nesta arquitetura. O ambiente RAD do Visual Studio.NET é de alta produtividade, tanto na parte de geração de código, como na parte da confecção da GUI (que realmente representa uma verdadeira ferramenta RAD) e até a geração do instalador da aplicação. Além das facilidades que a IDE fornece, o Framework.NET possui uma extensa biblioteca de classes bem documentada (o que facilita o seu aprendizado). Devido ao grau de desacoplamento dos componentes, como pode ser visto no detalhamento da arquitetura do projeto, a inclusão de novos componentes, tais como Chat, Vídeos, base de conhecimento inteligente, etc, torna-se menos complexo e mais gerenciável. A inclusão desses módulos bem como o melhoramento dos outros (após feedback dos usuários finais) serão objetos de trabalhos futuros.

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos. Centro Tecnológico. Universidade Federal do Espírito Santo

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos. Centro Tecnológico. Universidade Federal do Espírito Santo Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Disciplina: INF 02810 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 1. Introdução 2. Processo de Software 3. Gerência de

Leia mais

Padrões de Projeto. Prof. Jefersson Alex dos Santos (jefersson@dcc.ufmg.br) http://www.dcc.ufmg.br/~jefersson

Padrões de Projeto. Prof. Jefersson Alex dos Santos (jefersson@dcc.ufmg.br) http://www.dcc.ufmg.br/~jefersson Padrões de Projeto Prof. Jefersson Alex dos Santos (jefersson@dcc.ufmg.br) http://www.dcc.ufmg.br/~jefersson Apresentação Conceitos Definição Ponto de vista prático História Padrões de Projeto Conhecidos

Leia mais

PADRÕES DE SOFTWARE. Jerffeson Teixeira de Souza, Ph.D. Tarciane de Castro Andrade. Grupo de Padrões de Software da UECE (GPS.

PADRÕES DE SOFTWARE. Jerffeson Teixeira de Souza, Ph.D. Tarciane de Castro Andrade. Grupo de Padrões de Software da UECE (GPS. PADRÕES DE SOFTWARE 1 Jerffeson Teixeira de Souza, Ph.D. Tarciane de Castro Andrade Grupo de Padrões de Software da UECE (GPS.UECE) Julho-2009 CONTEÚDO Introdução aos Padrões de Software O quê são padrões?

Leia mais

Design Patterns. Viviane Torres da Silva viviane.silva@ic.uff.br. http://www.ic.uff.br/~viviane.silva/2012.1/es1

Design Patterns. Viviane Torres da Silva viviane.silva@ic.uff.br. http://www.ic.uff.br/~viviane.silva/2012.1/es1 Design Patterns Viviane Torres da Silva viviane.silva@ic.uff.br http://www.ic.uff.br/~viviane.silva/2012.1/es1 Sumário Reuso de Software Introdução Benefícios e Desvantagens Visão do Reuso Padrões de Projeto

Leia mais

Programação Avançada. Padrões de Projeto de Software. Fonte: Oswaldo B. Peres e K19 Treinamentos

Programação Avançada. Padrões de Projeto de Software. Fonte: Oswaldo B. Peres e K19 Treinamentos Programação Avançada Padrões de Projeto de Software 1 Fonte: Oswaldo B. Peres e K19 Treinamentos Introdução Projetar software OO reusável e de boa qualidade é uma tarefa difícil; Para realizar essa tarefa

Leia mais

Curso - Padrões de Projeto Módulo 1: Introdução

Curso - Padrões de Projeto Módulo 1: Introdução Curso - Padrões de Projeto Módulo 1: Introdução Vítor E. Silva Souza vitorsouza@gmail.com http://www.javablogs.com.br/page/engenho http://esjug.dev.java.net Sobre o Instrutor Formação: Java: Graduação

Leia mais

Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP

Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP 1) Introdução Programação Orientada a Objetos é um paradigma de programação bastante antigo. Entretanto somente nos últimos anos foi aceito realmente

Leia mais

PROGRAMAÇÃO AVANÇADA -CONCEITOS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br

PROGRAMAÇÃO AVANÇADA -CONCEITOS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br PROGRAMAÇÃO AVANÇADA -CONCEITOS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br ROTEIRO 1. Conceitos de Orientação a Objetos Introdução O paradigma da POO Classes

Leia mais

3. PARADIGMA ORIENTADO A OBJETOS

3. PARADIGMA ORIENTADO A OBJETOS Paradigmas de Linguagens I 1 3. PARADIGMA ORIENTADO A OBJETOS Este paradigma é o que mais reflete os problemas atuais. Linguagens orientada a objetos (OO) são projetadas para implementar diretamente a

Leia mais

Bibliografia. Desenvolvimento Orientado a Objetos. Introdução. Bibliografia. O que você vê?

Bibliografia. Desenvolvimento Orientado a Objetos. Introdução. Bibliografia. O que você vê? Bibliografia Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof.: Edson dos Santos Cordeiro LARMAN, Graig. Utilizando UML e padrões. Porto Alegre: Bookman, 2000. STAA, Arndt von. Programação modular. Rio de Janeiro:

Leia mais

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Juarez Bachmann Orientador: Alexander Roberto Valdameri Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

J930. Padrões. Projeto. Introdução. argonavis.com.br. Helder da Rocha (helder@acm.org)

J930. Padrões. Projeto. Introdução. argonavis.com.br. Helder da Rocha (helder@acm.org) Padrões de J930 Projeto Introdução Helder da Rocha (helder@acm.org) argonavis.com.br O que é um padrão? Maneira testada ou documentada de alcançar um objetivo qualquer Padrões são comuns em várias áreas

Leia mais

1Introdução Helder da Rocha (helder@acm.org)

1Introdução Helder da Rocha (helder@acm.org) J930 Padrões Projeto de 1Introdução Helder da Rocha (helder@acm.org) argonavis.com.br O que é um padrão? Maneira testada ou documentada de alcançar um objetivo qualquer Padrões são comuns em várias áreas

Leia mais

Engenharia de Software na Prática Hélio Engholm Jr.

Engenharia de Software na Prática Hélio Engholm Jr. Engenharia de Software na Prática Hélio Engholm Jr. Novatec Sumário Agradecimentos... 17 Sobre o autor... 18 Prefácio... 19 Capítulo 1 Desenvolvimento de software para o valor de negócios... 20 1.1 Qualidade

Leia mais

FERRAMENTAS NECESSÁRIAS PARA O DESENVOLVIMENTO EM C#

FERRAMENTAS NECESSÁRIAS PARA O DESENVOLVIMENTO EM C# FERRAMENTAS NECESSÁRIAS PARA O DESENVOLVIMENTO EM C# Camila Sanches Navarro 1,2, Willian Magalhães 2 ¹Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil sanchesnavarro@gmail.com wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

PROJETO DA DISCIPLINA. PES II Processo de Engenharia de Software II

PROJETO DA DISCIPLINA. PES II Processo de Engenharia de Software II UNIOESTE - Universidade Estadual do Oeste do Paraná CCET - Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Colegiado de Informática Curso de Bacharelado em Informática PROJETO DA DISCIPLINA PES II Processo de

Leia mais

Pasteur Ottoni de Miranda Junior. Alguns Padrões de Projeto Gamma

Pasteur Ottoni de Miranda Junior. Alguns Padrões de Projeto Gamma Pasteur Ottoni de Miranda Junior Alguns Padrões de Projeto Gamma Padrões Gamma de Projeto(ou Gang-of-Four, gof) Os padrões gof foram publicados por Erich Gamma, Richard Helm, Ralph Johnson e John Vlissides

Leia mais

Engenharia de Software I: Análise e Projeto de Software Usando UML

Engenharia de Software I: Análise e Projeto de Software Usando UML Engenharia de Software I: Análise e Projeto de Software Usando UML Capítulo 1 Processo de Desenvolvimento de Software Metodologia de Desenvolvimento de Software Uma metodologia é um conjunto de métodos,

Leia mais

Padrões clássicos ou padrões GoF O livro "Design Patterns (1994) de Erich Gamma, John Vlissides, Ralph Jonhson e Richard Helm, descreve 23 padrões de

Padrões clássicos ou padrões GoF O livro Design Patterns (1994) de Erich Gamma, John Vlissides, Ralph Jonhson e Richard Helm, descreve 23 padrões de Padrões de Projeto Disciplina: Engenharia de Software - 2009.1 Professora: Rossana Maria de Castro Andrade Assistente da disciplina: Ricardo Fernandes de Almeida 1 O que é um Padrão? Um padrão descreve

Leia mais

PHP Profissional. Alexandre Altair de Melo Mauricio G. F. Nascimento

PHP Profissional. Alexandre Altair de Melo Mauricio G. F. Nascimento PHP Profissional APRENDA A DESENVOLVER SISTEMAS PROFISSIONAIS ORIENTADOS A OBJETOS COM PADRÕES DE PROJETO Alexandre Altair de Melo Mauricio G. F. Nascimento Novatec Sumário Agradecimentos...13 Sobre os

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Histórico de revisões

Histórico de revisões Design Patterns Histórico de revisões Data Versão Descrição Autor 15/1/2014 1.0 Finalização da primeira versão HEngholmJr OBJETIVOS Fornecer uma visão geral sobre Design Patterns visando atingir os requisitos

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicação Windows Mobile Acessando um WebService

Desenvolvimento de Aplicação Windows Mobile Acessando um WebService Faculdade de Negócios e Administração de Sergipe Disciplina: Integração Web Banco de Dados Professor: Fábio Coriolano Desenvolvimento de Aplicação Windows Mobile Acessando um WebService Professor: Fabio

Leia mais

Análise Orientada a Objetos

Análise Orientada a Objetos Análise Orientada a Objetos Breve Histórico: Fim da década de 80: amadurecimento da Orientação a Objeto Década de 1990: diversas proposições a partir de diversos autores, como Booch, Rumbaugh e Jacobson.

Leia mais

Padrões GoF. Leonardo Gresta Paulino Murta leomurta@ic.uff.br

Padrões GoF. Leonardo Gresta Paulino Murta leomurta@ic.uff.br Padrões GoF Leonardo Gresta Paulino Murta leomurta@ic.uff.br Agenda Introdução Padrões de Criação Padrões de Estrutura Padrões de comportamento Leonardo Murta Padrões GoF 2 Introdução Os padrões GoF (Gamma

Leia mais

2 Engenharia de Software

2 Engenharia de Software 20 2 Engenharia de Software 2.1 Design de Sistemas Orientados a Objetos Os Sistemas Orientados a Objetos não são mais novidade hoje em dia já estando há muitos anos no mercado. A orientação a objetos permite

Leia mais

Universidade Federal Rural de Pernambuco. Bacharelado em Sistemas de Informação. Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas de Informação

Universidade Federal Rural de Pernambuco. Bacharelado em Sistemas de Informação. Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas de Informação Universidade Federal Rural de Pernambuco Bacharelado em Sistemas de Informação Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas de Informação Docente: Rodrigo Aluna: Thays Melo de Moraes Diagramas do Projeto

Leia mais

PADRÕES DE PROJETO E FRAMEWORK NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

PADRÕES DE PROJETO E FRAMEWORK NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PADRÕES DE PROJETO E FRAMEWORK NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Nelson Ribeiro de Carvalho Júnior 1 RESUMO Atualmente o cenário mundial cuja dependência do software está cada vez mais evidente requer que

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - MÓDULO 3 - MODELAGEM DE SISTEMAS ORIENTADA A OBJETOS COM UML 1. INTRODUÇÃO A partir de 1980, diversos métodos de desenvolvimento de sistemas surgiram para apoiar o paradigma orientado a objetos com uma

Leia mais

Algumas propriedades dos objetos:

Algumas propriedades dos objetos: Orientação a Objetos Vivemos num mundo de objetos. Esses objetos existem na natureza, nas entidades feitas pelo homem, nos negócios e nos produtos que usamos. Eles podem ser categorizados, descritos, organizados,

Leia mais

Programação Orientada a Objetos. Padrões de Criação

Programação Orientada a Objetos. Padrões de Criação Programação Orientada a Objetos Padrões de Criação Cristiano Lehrer, M.Sc. Objetivos Apresentar cada um dos 23 padrões clássicos descrevendo: O problema que solucionam. A solução. Diagramas UML (Unified

Leia mais

Introdução ao C# . Visão geral do.net Framework

Introdução ao C# . Visão geral do.net Framework Introdução ao C# Microsoft.NET (comumente conhecido por.net Framework - em inglês: dotnet) é uma iniciativa da empresa Microsoft, que visa uma plataforma única para desenvolvimento e execução de sistemas

Leia mais

Padrões de Interação com o Usuário

Padrões de Interação com o Usuário Padrões de Interação com o Usuário Granularidade dos Padrões Padrões estão relacionados a 3 elementos: Contexto ocorre Problema resolve Solução Problemas e Soluções podem ser observados em diferentes níveis

Leia mais

FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C#

FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C# FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C# Camila Sanches Navarro 1,2, Wyllian Fressatti 2 ¹Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil sanchesnavarro@gmail.com wyllian@unipar.br Resumo. Este artigo

Leia mais

Análise e Design OO com UML

Análise e Design OO com UML Análise e Design OO com UML Histórico de revisões Data Versão Descrição Autor 03/01/2015 1.3 Revisão e atualização HEngholmJr 24/12/2011 1.0 Criação da primeira versão HEngholmJr 9/1/2012 1.1 Correção

Leia mais

5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância

5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância 5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância O capítulo anterior apresentou uma discussão sobre a inclusão dos chamados learning services no processo

Leia mais

Padrões de Desenho (Design Patterns)

Padrões de Desenho (Design Patterns) Padrões de Desenho (Design Patterns) O que são padrões de desenho Porque são úteis Conhecer alguns padrões 1 Padrões (Patterns) Design Patterns Explained: A New Perspective on Object-Oriented Design, Alan

Leia mais

UML Aspectos de projetos em Diagramas de classes

UML Aspectos de projetos em Diagramas de classes UML Aspectos de projetos em Diagramas de classes Após ser definido o contexto da aplicação a ser gerada. Devemos pensar em detalhar o Diagrama de Classes com informações visando uma implementação Orientada

Leia mais

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Aula 3 Cap. 4 Trabalhando com Banco de Dados Prof.: Marcelo Ferreira Ortega Introdução O trabalho com banco de dados utilizando o NetBeans se desenvolveu ao longo

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Curitiba PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Curitiba PLANO DE ENSINO Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Curitiba PLANO DE ENSINO CURSO Engenharia Eletrônica MATRIZ FUNDAMENTAÇÃO LEGAL (Resolução do COEPP que aprovou a matriz curricular

Leia mais

Reuso. Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior

Reuso. Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Reuso Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Reutilização de Software Na maioria das áreas de engenharia de software, sistemas são desenvolvidos

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

Engenharia de Softwares e Sistema IF682 (2012.1) Bruno Medeiros(bmo@cin.ufpe.br)

Engenharia de Softwares e Sistema IF682 (2012.1) Bruno Medeiros(bmo@cin.ufpe.br) Engenharia de Softwares e Sistema IF682 (2012.1) Bruno Medeiros(bmo@cin.ufpe.br) Algumas definições Engenharia de Software conjunto de tecnologias e práticas usadas para construir software de qualidade

Leia mais

Microsoft.NET. Desenvolvimento Baseado em Componentes

Microsoft.NET. Desenvolvimento Baseado em Componentes Microsoft.NET Lirisnei Gomes de Sousa lirisnei@hotmail.com Jair C Leite jair@dimap.ufrn.br Desenvolvimento Baseado em Componentes Resolução de problemas específicos, mas que podem ser re-utilizados em

Leia mais

Design Patterns STRATEGY EMERSON BARROS DE MENESES

Design Patterns STRATEGY EMERSON BARROS DE MENESES Design Patterns STRATEGY EMERSON BARROS DE MENESES 1 Breve Histórico Sobre Design Patterns A origem dos Design Patterns (Padrões de Desenho ou ainda Padrões de Projeto) vem do trabalho de um arquiteto

Leia mais

MOR: Uma Ferramenta para o Mapeamento Objeto-Relacional em Java

MOR: Uma Ferramenta para o Mapeamento Objeto-Relacional em Java MOR: Uma Ferramenta para o Mapeamento Objeto-Relacional em Java Leonardo Gresta Paulino Murta Gustavo Olanda Veronese Cláudia Maria Lima Werner {murta, veronese, werner}@cos.ufrj.br COPPE/UFRJ Programa

Leia mais

Programação Orientada a Objetos no C#.NET usando Padrões de Projeto MARCELO SANTOS DAIBERT E MARCO ANTÔNIO PEREIRA ARAÚJO

Programação Orientada a Objetos no C#.NET usando Padrões de Projeto MARCELO SANTOS DAIBERT E MARCO ANTÔNIO PEREIRA ARAÚJO POO Programação Orientada a Objetos no C#.NET usando Padrões de Projeto MARCELO SANTOS DAIBERT E MARCO ANTÔNIO PEREIRA ARAÚJO Marcelo Santos Daibert (marcelo@daibert.net) é professor do Curso de Bacharelado

Leia mais

Padrões de Projeto de Software Orientado a Objetos

Padrões de Projeto de Software Orientado a Objetos Padrões de Projeto de Software Orientado a Objetos Ricardo Argenton Ramos [Baseado nos slides do professor Fabio Kon - USP] 1 Padrões de Projeto de Software OO Também conhecidos como Padrões de Desenho

Leia mais

UML & Padrões. Aula 1 Apresentação. Profª Kelly Christine C. Silva

UML & Padrões. Aula 1 Apresentação. Profª Kelly Christine C. Silva UML & Padrões Aula 1 Apresentação Profª Kelly Christine C. Silva Sistemas para Internet Módulo I - Construção de sites informativos Módulo II - Construção de sites dinâmicos Módulo III - Aplicações para

Leia mais

Orientação a Objetos

Orientação a Objetos Orientação a Objetos Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Histórico A orientação a objetos (OO) foi concebida na década de 70. Origem na linguagem SIMULA-67 (década

Leia mais

Programação Orientada por Objetos

Programação Orientada por Objetos PPROG Paradigmas da Programação Programação Orientada por Objetos Relações entre Dependência Agregação Composição Associação (Livro Big Java, Late Objects Capítulo 12) Nelson Freire (ISEP DEI-PPROG 2014/15)

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2014

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2014 Etec Prefessor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação

Leia mais

3 OOHDM e SHDM 3.1. OOHDM

3 OOHDM e SHDM 3.1. OOHDM 32 3 OOHDM e SHDM Com a disseminação em massa, desde a década de 80, de ambientes hipertexto e hipermídia, principalmente a Web, foi identificada a necessidade de elaborar métodos que estruturassem de

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 11 Arquitetura do sistema Nada que é visto, é visto de uma vez e por completo. --EUCLIDES

Leia mais

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS Pablo dos Santos Alves Alexander Roberto Valdameri - Orientador Roteiro da apresentação Introdução Objetivos Motivação Revisão bibliográfica

Leia mais

Modelagemde Software Orientadaa Objetos com UML

Modelagemde Software Orientadaa Objetos com UML Modelagemde Software Orientadaa Objetos com UML André Maués Brabo Pereira Departamento de Engenharia Civil Universidade Federal Fluminense Colaborando para a disciplina CIV 2802 Sistemas Gráficos para

Leia mais

Padrões de Projeto WEB e o MVC

Padrões de Projeto WEB e o MVC Padrões de Projeto WEB e o MVC Padrões de Projeto WEB e o MVC O que são padrões? "Cada padrão descreve um problema que ocorre freqüentemente em seu ambiente, e então descreve o cerne da solução para aquele

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos

Leia mais

Manipulação de Dados em PHP (Visualizar, Inserir, Atualizar e Excluir) Parte 2

Manipulação de Dados em PHP (Visualizar, Inserir, Atualizar e Excluir) Parte 2 Desenvolvimento Web III Manipulação de Dados em PHP (Visualizar, Inserir, Atualizar e Excluir) Parte 2 Prof. Mauro Lopes 1-31 21 Objetivos Nesta aula iremos trabalhar a manipulação de banco de dados através

Leia mais

Orientação à Objetos. Aécio Costa

Orientação à Objetos. Aécio Costa Aécio Costa O paradigma da orientação à objetos Paradigma? Um paradigma é uma forma de abordar um problema. No contexto da modelagem de um sistema de software, um paradigma tem a ver com a forma pela qual

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO DE PESQUISA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO DE PESQUISA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO DE PESQUISA IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO PARA AUTOMATIZAR O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UTILIZANDO A LINGUAGEM C#.NET

Leia mais

UML Unified Modeling Language

UML Unified Modeling Language UML Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada A linguagem UML UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada É uma linguagem para especificação, É uma linguagem para

Leia mais

a) O Sprint deve ser realizado num período máximo de 40 dias e ter uma equipe de trabalho não superior a 10 pessoas.

a) O Sprint deve ser realizado num período máximo de 40 dias e ter uma equipe de trabalho não superior a 10 pessoas. Modelos de Ciclo de Vida e Metodologias de Software 54. Um dos principais conceitos do Scrum para atacar a complexidade do desenvolvimento e gerenciamento de software é a implantação de um controle descentralizado,

Leia mais

Novemax Biblioteca OO para abstração de componentes HTML, desenvolvida em PHP

Novemax Biblioteca OO para abstração de componentes HTML, desenvolvida em PHP Novemax Biblioteca OO para abstração de componentes HTML, desenvolvida em PHP Isac Velezo de C. Aguiar isacaguiar@gmail.com Jailson Oliveira da Boa Morte jailsonboamorte@gmail.com Instituto de Matemática

Leia mais

Padrões de projeto 1

Padrões de projeto 1 Padrões de projeto 1 Design Orientado Objeto Encapsulamento Herança Polimorfismo Design Patterns 2 Responsabilidades Booch e Rumbaugh Responsabilidade é um contrato ou obrigação de um tipo ou classe. Dois

Leia mais

PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB)

PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB) RELATÓRIO DE ENTREGA DO PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB) PARA A ELABORAÇÃO DOS PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PMGIRS PARA OS MUNICÍPIOS DE NOVO HORIZONTE, JUPIÁ, GALVÃO,

Leia mais

Curso - Padrões de Projeto Módulo 2: Padrões de Criação

Curso - Padrões de Projeto Módulo 2: Padrões de Criação Curso - Padrões de Projeto Módulo 2: Padrões de Criação Vítor E. Silva Souza vitorsouza@gmail.com http://www.javablogs.com.br/page/engenho http://esjug.dev.java.net Sobre o Instrutor Formação: Java: Graduação

Leia mais

SISTEMA TYR DIAGRAMAS DE CLASSE E SEQUÊNCIA Empresa: Academia Universitária

SISTEMA TYR DIAGRAMAS DE CLASSE E SEQUÊNCIA Empresa: Academia Universitária SISTEMA TYR DIAGRAMAS DE CLASSE E SEQUÊNCIA Empresa: Academia Universitária Cascavel Novembro de 2009 Pedro Patitucci Finamore Daniel Bordignon Cassanelli Marco Antonio da Rosa DIAGRAMAS DE CLASSE E SEQUÊNCIA

Leia mais

Modelagem de Processos. Prof.: Fernando Ascani

Modelagem de Processos. Prof.: Fernando Ascani Modelagem de Processos Prof.: Fernando Ascani Bibliografia UML Guia de consulta rápida Douglas Marcos da Silva Editora: Novatec UML Guia do usuário Grady Booch James Rumbaugh Ivair Jacobson Editora: Campus

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos e com o uso

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados Professora conteudista: Cida Atum Sumário Administração de Banco de Dados Unidade I 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS...1 1.1 Histórico...1 1.2 Definições...2 1.3 Importância

Leia mais

Web Services. (Introdução)

Web Services. (Introdução) Web Services (Introdução) Agenda Introdução SOA (Service Oriented Architecture) Web Services Arquitetura XML SOAP WSDL UDDI Conclusão Introdução Comunicação distribuída Estratégias que permitem a comunicação

Leia mais

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI Dr. George SILVA; Dr. Gilbert SILVA; Gabriel GUIMARÃES; Rodrigo MEDEIROS; Tiago ROSSINI; Centro Federal de Educação Tecnológica do Rio Grande do

Leia mais

4.2. UML Diagramas de classes

4.2. UML Diagramas de classes Engenharia de Software 4.2. UML Diagramas de classes Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Um diagrama de classes serve para modelar o vocabulário de um sistema Construído e refinado ao longo

Leia mais

SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN

SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN SIGET Fabrício Pereira Santana¹, Jaime William Dias¹, ², Ricardo de Melo Germano¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil fabricioblack@gmail.com germano@unipar.br

Leia mais

Curso - Padrões de Projeto Módulo 5: Model-View- Controller

Curso - Padrões de Projeto Módulo 5: Model-View- Controller Curso - Padrões de Projeto Módulo 5: Model-View- Controller Vítor E. Silva Souza vitorsouza@gmail.com http://www.javablogs.com.br/page/engenho http://esjug.dev.java.net Sobre o Instrutor Formação: Java:

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE ORIENTAÇÃO A OBJETOS

EXERCÍCIOS SOBRE ORIENTAÇÃO A OBJETOS Campus Cachoeiro de Itapemirim Curso Técnico em Informática Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas Professor: Rafael Vargas Mesquita Este exercício deve ser manuscrito e entregue na próxima aula; Valor

Leia mais

PHP Programando com Orientação a Objetos

PHP Programando com Orientação a Objetos PHP Programando com Orientação a Objetos 2 a edição Pablo Dall Oglio Novatec Sumário Sobre o autor... 13 Agradecimentos... 14 Nota do autor... 16 Organização do livro... 18 Capítulo 1 Introdução ao PHP...

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 8 Modelagem de classes de projeto A perfeição (no projeto) é alcançada, não quando não há

Leia mais

Frameworks. Pasteur Ottoni de Miranda Junior

Frameworks. Pasteur Ottoni de Miranda Junior Frameworks Pasteur Ottoni de Miranda Junior 1-Definição Apesar do avanço das técnicas de desenvolvimento de software, a construção de software ainda é um processo extremamente complexo.a reutilização tem

Leia mais

Conformação Arquitetural. com DCLcheck. Defina as dependências aceitáveis e inaceitáveis de acordo com a arquitetura planejada de seu sistema

Conformação Arquitetural. com DCLcheck. Defina as dependências aceitáveis e inaceitáveis de acordo com a arquitetura planejada de seu sistema dclcheck_ Conformação Arquitetural com DCLcheck Defina as dependências aceitáveis e inaceitáveis de acordo com a arquitetura planejada de seu sistema Arquitetura de software é geralmente definida como

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

Semântica para Sharepoint. Busca semântica utilizando ontologias

Semântica para Sharepoint. Busca semântica utilizando ontologias Semântica para Sharepoint Busca semântica utilizando ontologias Índice 1 Introdução... 2 2 Arquitetura... 3 3 Componentes do Produto... 4 3.1 OntoBroker... 4 3.2 OntoStudio... 4 3.3 SemanticCore para SharePoint...

Leia mais

RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling. Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios?

RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling. Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios? RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios? O CA ERwin Modeling fornece uma visão centralizada das principais definições de

Leia mais

Programação Java. com Ênfase em Orientação a Objetos. Douglas Rocha Mendes. Novatec

Programação Java. com Ênfase em Orientação a Objetos. Douglas Rocha Mendes. Novatec Programação Java com Ênfase em Orientação a Objetos Douglas Rocha Mendes Novatec Sumário Agradecimentos... 13 Sobre o autor... 14 Prefácio... 15 Capítulo 1 Introdução à linguagem Java... 16 1.1 Histórico

Leia mais

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações 1 Introdução A Organização é a forma pela qual nós coordenamos nossos recursos de todos os tipos para realizar o trabalho que nos propusemos a fazer. A estrutura de nossas organizações manteve-se basicamente

Leia mais

Padrões Arquiteturais no Java EE 7

Padrões Arquiteturais no Java EE 7 Padrões Arquiteturais no Java EE 7 Vagner F. Le Roy Júnior Curso de Pós Graduação em Arquitetura de Software Distribuído Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Belo Horizonte, MG Brasil vagnerleroy@gmail.com

Leia mais

Introdução à Padrões de Projeto. Glauber Magalhães Pires

Introdução à Padrões de Projeto. Glauber Magalhães Pires Introdução à Padrões de Projeto Glauber Magalhães Pires Agenda O que são padrões de projeto? Para que servem e por que utilizá-los? Elementos constituintes Como escolher o padrão a ser usado? Como são

Leia mais

PHP - Orientação a Objeto MVC. Éderson T. Szlachta {Tecnólogo em Análise e Desenv. de Sistemas} - edersonszlachta@gmail.com

PHP - Orientação a Objeto MVC. Éderson T. Szlachta {Tecnólogo em Análise e Desenv. de Sistemas} - edersonszlachta@gmail.com PHP - Orientação a Objeto MVC Éder[son]? Analista e Desenv. de Sistemas Desenvolvimento Web: PHP JavaScript {jquery (às vezes)} MySQL Flash, ActionScript (descobrindo) Desktop: Java C# Delphi {splash screen

Leia mais

MC302A Modelagem de Sistemas com UML. Prof. Fernando Vanini vanini@ic.unicamp.br

MC302A Modelagem de Sistemas com UML. Prof. Fernando Vanini vanini@ic.unicamp.br MC302A Modelagem de Sistemas com UML Prof. Fernando Vanini vanini@ic.unicamp.br Modelamento de Sistemas e Orientação a Objetos O paradigma de Orientação a Objetos oferece um conjunto de características

Leia mais

Apesar de existirem diversas implementações de MVC, em linhas gerais, o fluxo funciona geralmente da seguinte forma:

Apesar de existirem diversas implementações de MVC, em linhas gerais, o fluxo funciona geralmente da seguinte forma: 1 Introdução A utilização de frameworks como base para a construção de aplicativos tem sido adotada pelos desenvolvedores com três objetivos básicos. Primeiramente para adotar um padrão de projeto que

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 10 Persistência de Dados

Leia mais

Introduçãoa Engenhariade. Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA

Introduçãoa Engenhariade. Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA Introduçãoa Engenhariade Software Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA O que é Software? O que é software? São programas de computadores, em suas diversas formas, e a documentação associada. Um programa

Leia mais

ALOCAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS APLICADA A SOLICITAÇÕES DE MUDANÇA DE SOFTWARE

ALOCAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS APLICADA A SOLICITAÇÕES DE MUDANÇA DE SOFTWARE ALOCAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS APLICADA A SOLICITAÇÕES DE MUDANÇA DE SOFTWARE RICARDO VOIGT Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro Introdução Objetivo do trabalho Fundamentação Teórica Desenvolvimento

Leia mais

A linguagem UML. UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes. Por que usar UML? O que é modelagem?

A linguagem UML. UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes. Por que usar UML? O que é modelagem? UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes Prof. Ms. Luiz Alberto Contato: lasf.bel@gmail.com A linguagem UML UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada É uma linguagem de modelagem

Leia mais

Informática para Gestão de Negócios Linguagem de Programação III. Prof. Me. Henrique Dezani dezani@fatecriopreto.edu.br. Agenda

Informática para Gestão de Negócios Linguagem de Programação III. Prof. Me. Henrique Dezani dezani@fatecriopreto.edu.br. Agenda Informática para Gestão de Negócios Linguagem de Programação III Prof. Me. Henrique Dezani dezani@fatecriopreto.edu.br Professor Apresentação Agenda Ementa, Objetivo, Conteúdo Programático, Bibliografia,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software Anna Carla Mohr Verner Helder Eugenio dos Santos Puia Florianópolis,

Leia mais

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Fabrício Viero de Araújo, Gilse A. Morgental Falkembach Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção - PPGEP Universidade

Leia mais