Arte em rede web e processos estéticos híbridos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Arte em rede web e processos estéticos híbridos"

Transcrição

1 Arte em rede web e processos estéticos híbridos Maria Amelia Bulhões- PPG Artes Visuais/UFRGS Apesar de todas as decepções que a arte em rede possa provocar, e de seus paradoxos, mas graças também a uma série de obras e tentativas promissoras, essa arte balbuciante consegue penetrar e questionar os recônditos mais sensíveis da nossa sociedade. Edmond Couchot Resumo : A produção de arte na rede web tem ampliado a experimentação para assumir a interação e a vivência em tempo real, articulando diferentes modelos estéticos. Em sites de artistas percebe-se a predominância de modelos hibridos, que utilizam fotografias, mapas, diagramas, vídeos e outros dispositivos visuais para realisar suas propostas. Nessa comunicação analisamos como alguns artistas articulam os diferentes recursos imagéticos. Como, por meio de modelos hibridos, construidos à partir de dispositivos visuais diversos, eles fazem emergir identidades multiplas e flexibles, capazes de se alimentar das tensões e contradições construídas dentro dos processos de globalisação? Como estabelecem novas categorias de análise, de construção e de leitura da imagem? Resumé : Pelavras chaves : Arte contemporânea, hibridismo, modelos estéticos The visual devices of the artistic image in the WEB The artistic proposals that use strategies of the technological image give evidence to the forms of a new visual culture and question the identities imposed by the unterritorialization of the globalized culture. On artist web sites it is observed that the hybrid cultural models give evidence to a way to construct a look compromised with local space and articulated to the great complexes of international culture. Letters, photos, diagrams, are some visual devices that art incorporates in this new ambiance to carry through significant proposals, dislocating the traditional modalities of articulation, appropriation, and reading of the image.by means of these hybrid models, constructed from diverse visual devices, artists try to make emerge multiple and flexible identities, feeding on the tensions and contradictions built on the process of globalization. We analyze the forms these artists work, the cumulative possibilities of the flows and metamorphoses, studying the use of the hybrid cultural models. How they carry through proposals of interactions and create new categories of analysis in their process of construction and reading of image? Mot-clés: contemporary art, hybrid cultural models, web art 325

2 Web art, uma nova cultura visual A produção de arte na rede web tem ampliado a experimentação para assumir a interação e a vivência em tempo real, articulando diferentes padrões de imagens e estabelecendo uma verdadeira revolução na estética tradicional. Pode-se dizer, mesmo, que está criando uma nova cultura visual, capaz de dinamizar os conceitos da arte contemporânea. As novas tecnologias, com base no automatismo numérico, redesenham a figura do sujeito nos seus intercâmbios com o real e o imaginário, assim como em suas relações com o coletivo. A partir da análise de algumas dessas propostas artísticas pode-se explorar as diferentes formas como artista e usuários reconfiguram suas relações, colocando em cheque a tradicional noção de autoria. O artista não atua mais como o criador único de sua obra, mas divide com o usuário esse trabalho e responsabilidade. Em um processo conjunto, eles fazem emergir identidades múltiplas e flexíveis, capazes de se alimentar das tensões e contradições construídas dentro dos processos de globalização. Os papeis do autor e do receptor se redefinem, fazendo desaparecer a figura passiva do espectador. Não há mais um resultado previsível e controlado pelo artista, uma vez que cada imagem, para seu aparecimento ou desaparecimento, depende, tanto das decisões do internauta, quanto das inúmeras alternativas de trajetos estabelecidos, a priori, pelo artista. Abre-se, ainda, a possibilidade dos usuários participarem mais ativamente, enviando dados e imagens que passam a compor a obra, cujos desdobramentos nem podem ser imaginados pelo artista em sua proposta original. Este é o caso, por exemplo, de Post urbano, produzido com o auxílio da ferramenta Googlemap. O site localiza e documenta pontos exatos no bairro de Belgrano e Rosário onde os participantes, internautas que responderam à proposta do coletivo de arte argentino Wokitoki, afixam suas intervenções, em forma de cartazes, que se confundem com publicidade, mas que revelam histórias íntimas, do cotidiano pessoal de cada um deles. A proposta é que o público conte histórias de um lugar específico da cidade como aqui foi a casa aonde nasci., afixando o cartaz, que leva a assinatura do autor. O site traz um mapa virtual da cidade de Buenos Aires, onde os cartazes tornam-se acessíveis aos usuários da internet. È uma proposta interativa de demarcar o espaço público por uma visão diferenciada no espaço virtual. Nele se 326

3 incorporam, para compor a visualidade do site, as fotos dos cartazes e os relatos que habitantes da cidade enviam ao projeto. Também a diferenciação entre original e cópia, não tem mais nenhuma validade neste tipo de arte, em uma obra se modifica a cada minuto. Qual será o original se nada pode ser fixado definitivamente e nada pode considerado como objeto final? Na Web art a produção das imagens se processa pela sobreposição e alternância de camadas ou superfícies, sem que uma elimine a outra. É um processo de adição que potencializa a comunicação e dinamiza o resultado. Nenhuma imagem é permanente, ela está sempre em devir. Assim, desloca-se a idéia de finalização e fechamento. A imagem, sempre em mutação, é uma quando captada em um momento e será outra no próximo. Em um mesmo site, têm-se inúmeras páginas que se abrem, como se pode ver em Searchscapes. Este projeto de Juliana Yamashita se propõe a cartografar as informações disponíveis na internet sobre Manhattam, através do portal de busca do Google, situando-as sobre a paisagem física dessa área urbana. O que se vê no site é um mapa tridimensional interativo que se transforma permanentemente. Embora semelhantes entre elas, cada página, contem informações diferenciadas, apresentando uma visualidade particular. A obra deve ser considerada como o conjunto delas, em todas suas possíveis interações. A imagem digital na internet inaugura uma estética do inacabado. Ela não é fechada, se constrói no ato do usuário de clicar o mouse. Um mundo de possibilidades infinitas aonde ele vai escolhendo caminhos e fazendo descobertas e criações. Por isso pode-se dizer que ela é rizomática, em termos de tempo e espaço, abalando assim a permanência da arte. A mobilidade visual que esta produção implementa, no vai e vem de abrir e fechar de cada tela, permite um conjunto de inúmeros resultados possíveis. Um trajeto não elimina os demais, apenas é o escolhido por determinado usuário naquele momento, entre uma infinidade de desdobramentos propostos. Daniel Belasco em The Daily practice of map making, por exemplo, propõe ao usuário escolher qualquer uma das cidades por ele percorridas e poder, assim, visualizar desenhos de suas diferentes trajetórias. Desde abril de 2003 ele trabalha com GPS (Global Positioning System) incessantemente, registrando a cada dia a 327

4 trajetória que realiza. Os mapas de seus deslocamentos imprimem desenhos que estabelecem diálogos com os acontecimentos da sua vida. Essas mudanças processadas na cultura visual contemporânea pela net art, embora possam parecer, em um primeiro momento, reduzidas ao espaço da internet, reverberam nos circuitos tradicionais da arte, estabelecendo alterações bastante radicais nos modelos de pensamento. Considerando a rapidez e a ampliação da penetração desta modalidade de comunicação no cotidiano da vida atual, vale considerar as repercussões dessas novas modalidades da imagem e sua ampla difusão. O regime de imagem híbrido e seus dispositivos visuais Segundo Michael Rush: A arte na web, embora cada vez mais sofisticada, incorpora em grande parte imagens desenvolvidas fora do computador e depois nele introduzidas por um scanner ou equipamento digital de vídeo. Alguns artistas, contudo, por sua própria conta ou encarregados por museus ou centros de arte, estão desenvolvendo trabalhos que realmente envolvem o computador como meio de expressão. (RUSH Michael 2006, pg. 203). O autor destaca assim a crescente utilização de imagens desenvolvidas a partir do computador, que introduzem uma visualidade peculiar cuja repercussão na cultura contemporânea tem sido continuadamente ampliada em diversas áreas, tais como a publicidade e o cinema, principalmente, e que nas artes visuais tem um importante campo de experimentação. Embora ainda basicamente experimental, a criação de imagens utilizando os recursos expressivos da linguagem do computador, cria um regime de imagens bastante peculiar ao mundo digital, que está sendo muito aplicada na net art. A observação de RUSH considera dois importantes aspectos na formação hibrida das composições da Web art: o uso de imagens captadas da realidade e transmitidas por meios digitais, e o uso de imagens construídas totalmente via computador. Bastante diferentes entre si estes dois regimes visuais convivem dinamicamente nestas produções. Entretanto, um terceiro aspecto deve ainda ser mencionado: o uso da linguagem gráfica, dos signos da escrita e suas leituras. As palavras, que trazem as informações e indicam ao 328

5 usuário como navegar, são um recurso integrante deste regime visual híbrido, tanto em termos de cores e formas quanto medidas e disposição na tela. Na Web art estes três regimes de imagem dificilmente podem ser usados isoladamente, quase sempre aparecendo integrados em uma mesma proposta criativa. No site Buenos Aires Word, por exemplo, o grafismo aparentemente ganha destaque, mas as letras disponibilizadas ao público para escrever pequenos textos foram geradas de fotos de cartazes que outros usuários enviaram. Uma maneira diferenciada de escrever mensagens, utilizando as letras tipográficas presentes no meio urbano, através de pôsteres, banners, letreiros e luminosos captados pela cidade. O funcionamento é o seguinte: são enviadas fotografias para o site, de letreiros urbanos, e as palavras são recortadas por letras. Depois é possível montar novas frases com as letras de diversas origens. É possível, ainda, visualizar a fotografia de origem de cada letra. Um jogo de realidade e imaginação poética se desenvolve a partir das possibilidades que se inauguram neste hibridismo conceitual e formal. A comunicação na Web é sempre dependente das palavras e das leituras de significados que as mesmas determinam no circuito de navegação. Na medida em que o usuário clica sobre as palavras elas intercalam-se e a leitura surge como elemento essencial da significação na experiência interativa. Assim, a forma das palavras é um elemento fundamental neste regime de imagens, de uma maneira que nunca foi antes na arte ocidental, que quase sempre prescindiu do texto na sua fruição. As imagens captadas, as construídas e o letrismo, concorrem para a construção de uma hibridação, na qual os diferentes regimes imagéticos se articulam, construindo universos complexos, em uma linguagem que dilui os limites de cada regime empregado, trazendo para seu interior as inter-relações e interconexões de diferentes fontes visuais. Em, Pluralmaps- lost in São Paulo, de Lucia Leão, imagens geradas por computador, labirinto em VRML, conduz a pontos específicos da cidade. Os usuários participam enviando sons, vídeos, textos que, incorporados, passam a compor este labirinto. Também o grafismo dos comandos e informações é parte fundamental do resultado visual do site. 329

6 Se o primeiro, e mais tradicional regime é o da utilização de imagens captadas do mundo real e introduzidas no computador através de recursos digitalizantes que a transformam em signos numéricos, os outros dois regimes as imagens sintéticas e o grafismo do texto - são talvez cada vez mais integrados em sites de artistas. Assim, observam-se em Rebargroup, lado a lado, imagens de seus projetos, geradas pelo computador, e as fotos das instalações de praças portáteis por eles realizadas. As duas imagens dialogam entre si e também com o grafismo colorido das letras. Imagens geradas pelo próprio sistema Web, como, por exemplo, as do Googleearth, foram incorporadas em Shadows from another place, de Paula Lavine. Este trabalho, feito para a internet, mostra a projeção hipotética com o minucioso detalhamento de bombas atiradas em Bagdá em locais específicos - sobre o mapa de São Francisco nos EUA. Uma série de informações políticas que são obtidas via GPS permitem executar esta operação de duplicação imaginária. Esse projeto amplia a visão dos civis quanto ao estabelecimento do poder via dominação tecnológica, trazendo uma noção da realidade da guerra para locais próximos e tempos atuais. A utilização intercalada ou articulada das três fontes visuais analisadas permite a identificação de um regime híbrido, onde não mais interessa um regime específico, mas a criação, através de sobreposições e cruzamentos, de uma visualidade própria. Visualidade esta que, como bem observou Couchot, penetra e questiona os recônditos mais sensíveis da nossa sociedade. Novo regime de imagens, uma nova estética. Percebe-se certo afastamento entre os circuitos tradicionais de museus e galerias e a arte em rede Web. Um dos fatores que influenciam neste afastamento é o fato de que esta nova modalidade da imagem, como já foi visto no início deste texto, rompe com conceitos básicos da estética tradicional, questionando as bases do sistema de pensamento que responde pela legitimação e reconhecimento artístico em vigor nestes circuitos. Como então estabelecer novas categorias de análise, de construção e de leitura da imagem? Que conceitos operacionais utilizar? 330

7 A necessidade de novos instrumentos conceituais que dêem conta desta produção tem sido identificada por diversos autores. Timoty Druckrey, por exemplo, observa que, Se as imagens têm que se tornar cada vez mais experimentais, então deve-se desenvolver uma teoria da representação que responda pela transação provocada pela participação. (RUSH, 2006, pg. 195). Ele aponta para a necessidade de pensar a interatividade como elemento fundamental desta visualidade que se constrói de forma ainda bastante experimental. Talvez uma estética da permutabilidade possa prever a participação do usuário, não mais mero espectador, mas co-participante, co-criador, assim como dar conta da constante mutabilidade das imagens em rede. Pensar as permutas que se realizam entre os papeis do artista e do espectador, é pensar a permuta entre as diferentes possibilidades de resultados propostos. A imagem sempre mutável, portanto momentânea, exige mudanças radicais no pensamento atual, assimilando a ausência de passado e futuro, congelada em seu presente permanente. Segundo vários autores, na internet se delineia uma estética do rizoma, cujo objeto, sem centro nem periferia, sem direção definida, sem escolas ou tendências se expande indefinidamente. Uma rede sem autoridades, onde cada usuário é independente para seguir seus trajetos e fazer suas escolhas, sempre limitado pelas possibilidades que lhe são oferecidas pela criação do artista e pelos recursos dos softwares utilizados. Justaposição, sobreposição e hibridismo fazem parte dessa visualidade cumulativa, que se sustenta não na busca de uma unidade, mas por leituras de telas que, uma a uma, vão construindo sentidos. Cada tela que se abre repercute na leitura da anterior completando-a ou alterando-a. Cada clique remete uma nova imagem, aos poucos, podemos ver todas as imagens, mas nunca o conjunto unitário de todas elas. Entretanto, mesmo que ausente, a tela anterior existe virtualmente enquanto unidade comunicativa. Rizoma e simulacro são dois conceitos operacionais fundamentais nessa nova estética. François Soulages observa que, O problema se torna mais complexo com as novas imagens que remetem a simulação e não a representação, ao calculo e não ao traço, à interatividade e não a fixidez, enfim a um outro regime da imagem. (SOULAGES, 2005, pg. 14). 331

8 Isto pode ser percebido bem claramente no site Eternal Sunset, que cria a experiência de um pôr-do-sol contínuo e permanente, através do uso de imagens geradas em tempo real por webcâmeras distribuídas ao redor do mundo. Conforme o sol se desloca para oeste, dispositivos sintonizam diferentes câmeras, perseguindo o pôr-do-sol pelo mundo. Cria-se assim um espaço virtual, onde o tempo passa, mas o ciclo de dia e noite permanece congelado no ocaso; um espaço onde o sol sempre cai, mas nunca desaparece. O conceito de representação se anula ao ser utilizado conjuntamente, e justapostas, as imagens de uma realidade que é ao mesmo tempo real e ficcional. Pode-se dizer que a simulação substituiu a própria idéia de tempo enquanto movimento circulatório da terra em torno do sol. Nesta proposta, embora real, tudo é uma simulação, a artificialidade é total neste poente que migra continuamente. Cada nova implantação é parte da mesma ação, portanto é outro e o mesmo a um só tempo. No site, todos os lugares do planeta co-habitam, em uma circularidade que pode se refazer infinitamente. O imaginário é tão real quanto o virtual enquanto potência em devir. Ao estabelecer suas propostas, os artistas da net art experimentam o potencial fluído e rizomático do meio em que estão atuando, assim como as novas possibilidades de interação com o publico de que podem dispor. Potencializam, assim, a diversidade e a amplitude deste a novo meio, e do regime hibrido de imagens por ele possibilitado. Referencias bibliográficas: ARANTES, e mídia, perspectivas da estética digital. São Paulo, SENAC, COUCHOT, Edmond. Da fotografia à realidade virtual. Porto Alegre, EDUFRGS, LEÃO, Lucia.(org). O chip e o caleidoscópio. São Paulo, SENAC, GIANETTI, Claudia. Aesthetic Paradigms of Media Art, in acesso 06/04/2007 LEVIS, Diego. Arte y computadoras, del pigmento ao bit. Buenos Aires, Norma, RAMOS, Alexandre.Mídia e Arte, aberturas contemporâneas. Porto Alegre, Zouk, 2006 RUSH, Michael. Novas Mídias na arte contemporânea.são Paulo, Martins Fontes, 2006 SOULAGES. François. Imagem, Virtual & Som, in Ars, ano 3 n. 6, ECA/USP, 2005 VENTURELLI, Suzete. Arte: espaço-tempo-imagem. Brasília, UNB, 2004 Resumo 332

9 A produção de arte na rede web tem ampliado a experimentação para assumir a interação e a vivência em tempo real, articulando diferentes modelos estéticos. Em sites de artistas percebe-se a predominância de modelos hibridos, que utilizam fotografias, mapas, diagramas, vídeos e outros dispositivos visuais para realisar suas propostas. Nessa comunicação analisamos como alguns artistas articulam os diferentes recursos imagéticos. Como, por meio de modelos hibridos, construidos à partir de dispositivos visuais diversos, eles fazem emergir identidades multiplas e flexibles, capazes de se alimentar das tensões e contradições construídas dentro dos processos de globalisação? Como estabelecem novas categorias de análise, de construção e de leitura da imagem? Pelavras chaves : Arte contemporânea, hibridismo, estética Currículo do autor: Doutora pela USP, Professora Titular de História, Teoria e Crítica da Arte da UFRGS, onde coordenou o PPG em Artes Visuais (1991/95). Foi representante da área de Artes Visuais na CAPES(1993/95); Presidente da ANPAP(1992/94) e da ANPPAV (1997/99). Curadora do Acervo da Pinacoteca Barão de Santo Ângelo/UFRGS (1998/2000) e de várias exposições: 90 Anos do Instituto de Artes Acervo, no MARGS (1998); representação brasileira na Bienal de Cuenca (1999); Acervo da Fundação Iberê Camargo (1999); O Acervo se Mostra (2000); Exposição inaugural do Museu da UFRGS (2002); Dos cuidades, Museu de Arte Contemporânea de Caracas (2003). Foi coordenadora e co-autora dos seguintes livros: Artes Plásticas na América Latina Contemporânea (1994), e Questões do Sagrado na Arte Contemporânea da América Latina (1997), América Latina: territorialidade e práticas artísticas (2001) e Memória em caleidoscópio (2005), todos publicados pela EdUFRGS. Pesquisadora sênior do CNPq. Esteve como Pesquisador visitante na Universidade Paris I, Sorbonne (1996/97). Foi diretora do Instituto Cultural Brasil Venezuela (2003); atualmente é diretora do Interactive Global Art (IG.art.br) 333

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR APRESENTAÇÃO Nosso objetivo é inaugurar um espaço virtual para o encontro, o diálogo e a troca de experiências. Em seis encontros, vamos discutir sobre arte, o ensino da

Leia mais

Paula Almozara «Paisagem-ficção»

Paula Almozara «Paisagem-ficção» Rua da Atalaia, 12 a 16 1200-041 Lisboa + (351) 21 346 0881 salgadeiras@sapo.pt www.salgadeiras.com Paula Almozara «Paisagem-ficção» No âmbito da sua estratégia internacional, a Galeria das Salgadeiras

Leia mais

ÁREA LINGUAGEM - Artes Visuais Cultura Digital Internet

ÁREA LINGUAGEM - Artes Visuais Cultura Digital Internet ÁREA LINGUAGEM - Artes Visuais Cultura Digital Internet ARTE E REDES SOCIAIS EXPERIMENTAÇÕES NA WEB 2.0 Orientação: Denise Agassi. Aulas teóricas e práticas que apresentam as experimentações artísticas

Leia mais

A Realidade Virtual e o uso de Ambientes Virtuais na arte 1. Mestrado em Artes Visuais - Universidade Federal de Santa Maria/ UFSM

A Realidade Virtual e o uso de Ambientes Virtuais na arte 1. Mestrado em Artes Visuais - Universidade Federal de Santa Maria/ UFSM A Realidade Virtual e o uso de Ambientes Virtuais na arte 1 Greice Antolini Silveira 2 Nara Cristina Santos 3 Mestrado em Artes Visuais - Universidade Federal de Santa Maria/ UFSM Resumo Este artigo propõe-se

Leia mais

Figura Nº 70. Figura Nº 71

Figura Nº 70. Figura Nº 71 Figura Nº 70 Figura Nº 71 Figura Nº 69 Outra constatação é que o processo de solarização decorre de uma iluminação adicional feita no decorrer da revelação da imagem ou filme, assim sendo poderíamos com

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DA ARTE - TURMA 2015 PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EMENTAS DOS CURSOS Arte

Leia mais

Galerias Virtuais: novos modos expositivos e a legitimação da arte contemporânea na web.

Galerias Virtuais: novos modos expositivos e a legitimação da arte contemporânea na web. Galerias Virtuais: novos modos expositivos e a legitimação da arte contemporânea na web. 1 Andrea Capssa Lima Resumo Este artigo na área da Arte Contemporânea e Arte e Tecnologia, analisa as novas possibilidades

Leia mais

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória Vinicius Borges FIGUEIREDO; José César Teatini CLÍMACO Programa de pós-graduação em Arte e Cultura Visual FAV/UFG viniciusfigueiredo.arte@gmail.com

Leia mais

Workshop - R.U.A. Realidade Urbana Aumentada: Cartografias Inventadas Ministrante: Profª. Drª. Lilian Amaral IA/UNESP

Workshop - R.U.A. Realidade Urbana Aumentada: Cartografias Inventadas Ministrante: Profª. Drª. Lilian Amaral IA/UNESP Workshop - R.U.A. Realidade Urbana Aumentada: Cartografias Inventadas Ministrante: Profª. Drª. Lilian Amaral IA/UNESP Atividade de Extensão Integrante do Zonas de Compensação coordenado por Profª. Drª.

Leia mais

Transcinema é o cinema situação, ou seja, um cinema que experimenta novas arquiteturas, novas narrativas e novas estratégias de interação.

Transcinema é o cinema situação, ou seja, um cinema que experimenta novas arquiteturas, novas narrativas e novas estratégias de interação. Transcinema e a estética da interrupção Kátia Maciel Transcinema é o cinema situação, ou seja, um cinema que experimenta novas arquiteturas, novas narrativas e novas estratégias de interação. Se o cinema

Leia mais

O USO DA LINGUAGEM DO DESENHO NO CONTEXTO DOS MEIOS DIGITAIS UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO

O USO DA LINGUAGEM DO DESENHO NO CONTEXTO DOS MEIOS DIGITAIS UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO O USO DA LINGUAGEM DO DESENHO NO CONTEXTO DOS MEIOS DIGITAIS UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Marly de Menezes Gonçalves, Doutoranda em Arquitetura pela FAU/USP FASM - Faculdade Santa Marcelina professora do

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS. Índice

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS. Índice Índice Capítulo 10 Inserindo figuras e objetos... 2 Configurando AutoFormas... 2 Criando Caixas de Texto... 3 Inserindo Linhas e Setas... 3 Utilizando WordArt... 4 Inserindo Figuras... 5 Configurando figuras...

Leia mais

HIBRIDAÇÃO NA ARTE CONTEMPORÂNEA: UMA ABORDAGEM A PARTIR DA

HIBRIDAÇÃO NA ARTE CONTEMPORÂNEA: UMA ABORDAGEM A PARTIR DA HIBRIDAÇÃO NA ARTE CONTEMPORÂNEA: UMA ABORDAGEM A PARTIR DA POÉTICA DIGITAL DE SANDRA REY Fabiane Sartoretto Pavin Mestranda em Artes Visuais/PPGART/UFSM. Resumo Esta pesquisa propõe um estudo teórico

Leia mais

O Projeto de Preservação e Disponibilização Eletrônica do Acervo Contemporâneo da Fundação Bienal Mercosul

O Projeto de Preservação e Disponibilização Eletrônica do Acervo Contemporâneo da Fundação Bienal Mercosul O Projeto de Preservação e Disponibilização Eletrônica do Acervo Contemporâneo da Fundação Bienal Mercosul O NDP Núcleo de Documentação e Pesquisa é um setor institucional e permanente da Fundação Bienal

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

ARTE#OCUPASM/2013 Evento Internacional na cidade de Santa Maria - RS - Brasil

ARTE#OCUPASM/2013 Evento Internacional na cidade de Santa Maria - RS - Brasil ARTE#OCUPASM/2013 Evento Internacional na cidade de Santa Maria - RS - Brasil O arte#ocupasm/2013 aborda as formas de EXISTIR JUNTOS na contemporaneidade, habitando com diferentes ações artísticas o largo

Leia mais

artigos . Luís Edegar de Oliveira Costa Professor da Faculdade de Artes Visuais da UFG

artigos . Luís Edegar de Oliveira Costa Professor da Faculdade de Artes Visuais da UFG artigos PAULO FOGAÇA nas Artes Plásticas em Goiás: Indícios de Contextualização. Luís Edegar de Oliveira Costa Professor da Faculdade de Artes Visuais da UFG A aparição da arte moderna em Goiás, sua formulação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS ESPECIALIZAÇÃO EM ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS. Prof. M.Sc.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS ESPECIALIZAÇÃO EM ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS. Prof. M.Sc. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS ESPECIALIZAÇÃO EM ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS Microsoft Office PowerPoint 2007 Prof. M.Sc. Fábio Hipólito Julho / 2009 Visite o site:

Leia mais

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort APRESENTAÇÕES ARTÍSTICAS E PROVOCAÇÕES PERMANENTES Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort - Conceito da Obra/Apresentação. Em minha

Leia mais

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Resumo Este projeto propõe a discussão da Década de Ações para a Segurança no Trânsito e a relação dessa com o cotidiano dos alunos, considerando como a prática

Leia mais

Missão. Objetivo Geral

Missão. Objetivo Geral SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO Curso: CINEMA E AUDIOVISUAL Missão O Curso de Cinema e Audiovisual da Universidade Estácio de Sá tem como missão formar um profissional humanista, com perfil técnico e artístico

Leia mais

Interdisciplinareidade: a arte rompendo fronteiras entre as áreas do conhecimento

Interdisciplinareidade: a arte rompendo fronteiras entre as áreas do conhecimento Interdisciplinareidade: a arte rompendo fronteiras entre as áreas do conhecimento Donald Hugh de Barros Kerr Júnior 1 Como pensar em ensino de arte e contemporaneidade, sem perceber as transformações que

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA Autores : Agata RHENIUS, Melissa MEIER. Identificação autores: Bolsista IFC-Campus Camboriú;

Leia mais

A IMERSÃO DO CORPO NAS ESPACIALIDADES

A IMERSÃO DO CORPO NAS ESPACIALIDADES 1223 A IMERSÃO DO CORPO NAS ESPACIALIDADES Agda Carvalho - UAM RESUMO: Esta abordagem observa o espaço como um envoltório ampliado, um lugar que envolve o corpo e causa a imersão na vivência espacial.

Leia mais

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS )

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS ) Thainá Santos Coimbra Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro thainahappy@hotmail.com A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO

Leia mais

Relato de Experiência Educativa 1 JUSTIFICATIVA:

Relato de Experiência Educativa 1 JUSTIFICATIVA: Relato de Experiência Educativa Título: A Fotografia na Escola: A Escola aos olhos dos alunos Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Maria de Lourdes Poyares Labuto Cariacica-ES Série: 2 Ano do

Leia mais

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS.

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. ARAÚJO, Haroldo de 1; Prof.Dr. Costa, Luis Edegar de Oliveira 2;. Palavras chaves: Arte contemporânea; curadoria;

Leia mais

GALERIAS VIRTUAIS DE ARTE DIGITAL NO CIBERESPAÇO: POSSIBILIDADES PARA O SISTEMA DA ARTE CONTEMPORÂNEA

GALERIAS VIRTUAIS DE ARTE DIGITAL NO CIBERESPAÇO: POSSIBILIDADES PARA O SISTEMA DA ARTE CONTEMPORÂNEA GALERIAS VIRTUAIS DE ARTE DIGITAL NO CIBERESPAÇO: POSSIBILIDADES PARA O SISTEMA DA ARTE CONTEMPORÂNEA Débora Aita Gasparetto/Universidade Federal de Santa Maria/RS Nara Cristina Santos/ Universidade Federal

Leia mais

COM TRABALHOS INÉDITOS NO OI FUTURO, PAULO CLIMACHAUSKA ABRE DUAS EXPOSIÇÕES NO RIO

COM TRABALHOS INÉDITOS NO OI FUTURO, PAULO CLIMACHAUSKA ABRE DUAS EXPOSIÇÕES NO RIO COM TRABALHOS INÉDITOS NO OI FUTURO, PAULO CLIMACHAUSKA ABRE DUAS EXPOSIÇÕES NO RIO Artista paulistano inaugura Re-subtrações - Paulo Climachauska, no Oi Futuro no Flamengo dia 14 de janeiro e Fluxo de

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

On/Offline Residência artística "Olhar o passado para construir o futuro" XVIII BIENAL DE CERVEIRA

On/Offline Residência artística Olhar o passado para construir o futuro XVIII BIENAL DE CERVEIRA On/Offline Residência artística "Olhar o passado para construir o futuro" XVIII BIENAL DE CERVEIRA NEREA CASTRO (SP) TOM BORGAS (AUS) De 10 a 30 Agosto 2015 CONCEITO Não é incomum que Nerea Castro (Espanha)

Leia mais

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos.

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Elizabeth Sarates Carvalho Trindade 1 Resumo: A utilização e articulação das tecnologias e mídias pela educação no processo de aprendizagem

Leia mais

SNV - sistema nervoso virtual: um ensaio, uma reflexão

SNV - sistema nervoso virtual: um ensaio, uma reflexão SNV - sistema nervoso virtual: um ensaio, uma reflexão Felipe José Mendonça Ferreira * RESUMO Este artigo traz para o debate acadêmico o uso do computador na criação artística contemporânea a partir do

Leia mais

CONSTRUINDO UM JOGO EDUCATIVO UTILIZANDO O SOFTWARE DE AUTORIA ADOBE FLASH

CONSTRUINDO UM JOGO EDUCATIVO UTILIZANDO O SOFTWARE DE AUTORIA ADOBE FLASH CONSTRUINDO UM JOGO EDUCATIVO UTILIZANDO O SOFTWARE DE AUTORIA ADOBE FLASH Francielly Falcão da Silva¹, Samuel Carlos Romeiro Azevedo Souto², Mariel José Pimentel de Andrade³ e Alberto Einstein Pereira

Leia mais

Manual da Ferramenta Construtor de Página Programa de Formação Continuada 2012

Manual da Ferramenta Construtor de Página Programa de Formação Continuada 2012 Manual da Ferramenta Construtor de Página Programa de Formação Continuada 2012 1º Semestre/2012 Joice Lopes Leite e Ana Paula Daikubara 1 Índice Criando um site...03 Configurações gerais...04 Visual e

Leia mais

Questão 1 / Tarefa 1. Questão 1 / Tarefa 2. Questão 1 / Tarefa 3. Questão

Questão 1 / Tarefa 1. Questão 1 / Tarefa 2. Questão 1 / Tarefa 3. Questão Neste teste, a resolução da questão 1 exige a audição de uma sequência de três músicas que serão executadas sem interrupção: uma vez, no início do teste; uma vez, dez minutos após o término da primeira

Leia mais

ARTEBR EXPOSIÇÃO LUGARES

ARTEBR EXPOSIÇÃO LUGARES ARTEBR EXPOSIÇÃO LUGARES A empresa ARTEBR desenvolve projetos em arte, educação e literatura para diversas instituições culturais brasileiras. Atua nas áreas de consultoria e assessoria em arte e educação,

Leia mais

Este texto é parte do Diseño Curricular para la Educación Primaria

Este texto é parte do Diseño Curricular para la Educación Primaria Este texto é parte do Diseño Curricular para la Educación Primaria Tradução livre para fins didáticos Dirección General de Cultura e Educación de la Provincia de Buenos Aires, 2008. Equipe de especialista

Leia mais

Barra de Títulos. Barra de Menu. Barra de Ferramentas. Barra de Formatação. Painel de Tarefas. Seleção de Modo. Área de Trabalho.

Barra de Títulos. Barra de Menu. Barra de Ferramentas. Barra de Formatação. Painel de Tarefas. Seleção de Modo. Área de Trabalho. Conceitos básicos e modos de utilização das ferramentas, aplicativos e procedimentos do Sistema Operacional Windows XP; Classificação de softwares; Principais operações no Windows Explorer: criação e organização

Leia mais

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano Informática Aplicada Aula 2 Windows Vista Professora: Cintia Caetano AMBIENTE WINDOWS O Microsoft Windows é um sistema operacional que possui aparência e apresentação aperfeiçoadas para que o trabalho

Leia mais

Como encontrar maneiras de associar um importante conteúdo didático a um software que ensine e divirta ao mesmo tempo? Estão os professores

Como encontrar maneiras de associar um importante conteúdo didático a um software que ensine e divirta ao mesmo tempo? Estão os professores Profª Levany Rogge Os softwares são considerados programas educacionais a partir do momento em que são projetados através de uma metodologia que os contextualizem no processo ensino-aprendizagem; Tajra

Leia mais

luiz braga - barco entrando na chuva, 1988.

luiz braga - barco entrando na chuva, 1988. 2010 luiz braga - barco entrando na chuva, 1988. ENSAIOS Fotografar tornou-se uma atividade amplamente disseminada na sociedade contemporânea, transformando-se numa forma de arte de massa mesmo não sendo

Leia mais

MUSEU DA COMPUTAÇÃO DA UEPG: O QUE É O MUSEU VIRTUAL

MUSEU DA COMPUTAÇÃO DA UEPG: O QUE É O MUSEU VIRTUAL 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Jovens do mundo todo Conheça outras culturas

Jovens do mundo todo Conheça outras culturas 5 a a 8 a séries Ensino Fundamental Jovens do mundo todo Conheça outras culturas Softwares Necessários: Microsoft Encarta 2000 Internet Explorer 5,0 Microsoft Publisher 2000 Microsoft Word 2000 Áreas:

Leia mais

e-scrita ISSN 2177-6288

e-scrita ISSN 2177-6288 194 e-scrita ISSN 2177-6288 COMO LER IMAGENS? SANTAELLA, Lucia. Leitura de imagens. São Paulo. Melhoramentos. 2012. 184 p. (Coleção Como eu ensino). Rodrigo da Costa Araujo 1 Como ler imagens? Como elas

Leia mais

BRIP. Índice. I Que recursos digitais tenho à minha disposição e de que forma os posso utilizar? 05

BRIP. Índice. I Que recursos digitais tenho à minha disposição e de que forma os posso utilizar? 05 BRIP Índice I Que recursos digitais tenho à minha disposição e de que forma os posso utilizar? 05 1 Aulas interativas 05 2 E-manuais 09 Temas 09 Pesquisa global de Recursos Educativos Digitais 11.1 Pesquisa

Leia mais

Tecnologia em. Design Gráfico

Tecnologia em. Design Gráfico Tecnologia em Design Gráfico Tecnologia em Design Gráfico CARREIRA O Curso Superior de Tecnologia em Design Gráfico oferece oportunidade para o trabalho profissional em diversas profissões relacionadas

Leia mais

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula :

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula : Como Criar uma Aula? Para criar uma sugestão de aula é necessário que você já tenha se cadastrado no Portal do Professor. Para se cadastrar clique em Inscreva-se, localizado na primeira página do Portal.

Leia mais

2 Editoração Eletrônica

2 Editoração Eletrônica 8 2 Editoração Eletrônica A década de 80 foi um marco na história da computação. Foi quando a maioria dos esforços dos desenvolvedores, tanto de equipamentos, quanto de programas, foram direcionados para

Leia mais

Design de superfície e arte: processo de criação em estamparia têxtil como lugar de encontro. Miriam Levinbook

Design de superfície e arte: processo de criação em estamparia têxtil como lugar de encontro. Miriam Levinbook Design de superfície e arte: processo de criação em estamparia têxtil como lugar de encontro. Miriam Levinbook Resumo: Este artigo propõe conexões a respeito do design de superfície em estamparia têxtil

Leia mais

Por uma estética das imagens digitais: um olhar sobre Parallel, videoinstalação de Harun Farocki

Por uma estética das imagens digitais: um olhar sobre Parallel, videoinstalação de Harun Farocki Por uma estética das imagens digitais: um olhar sobre Parallel, videoinstalação de Harun Farocki Jamer Guterres de Mello 1 Resumo Este trabalho pretende demonstrar de que forma as imagens digitais produzem

Leia mais

Índice. Índice... 1. Apresentando o Nextsite... 3. Recursos... 4. Recursos Opcionais... 6. Componentes externos... 7. Gerenciando sua conta...

Índice. Índice... 1. Apresentando o Nextsite... 3. Recursos... 4. Recursos Opcionais... 6. Componentes externos... 7. Gerenciando sua conta... Índice Índice... 1 Apresentando o Nextsite... 3 Recursos... 4 Recursos Opcionais... 6 Componentes externos... 7 Gerenciando sua conta... 8 Visualização Geral... 9 Central de mensagens... 12 Minha conta...

Leia mais

Mostra de Trabalhos Pedagógicos. "Os Infinitos Olhares da/na Escola"

Mostra de Trabalhos Pedagógicos. Os Infinitos Olhares da/na Escola Mostra de Trabalhos Pedagógicos "Os Infinitos Olhares da/na Escola" O VII FALA Outra ESCOLA, que tem o tema - O Teu Olhar Trans-forma o Meu? - abre inscrições para participação da Mostra de Trabalhos Pedagógicos

Leia mais

Sociedade do Conhecimento

Sociedade do Conhecimento Gerenciamento (Gestão) Eletrônico de Documentos GED Introdução Gerenciamento Eletrônico de Documentos - GED Sociedade do Conhecimento Nunca se produziu tanto documento e se precisou de tanta velocidade

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

COMPUTAÇÃO GRÁFICA O QUE É?

COMPUTAÇÃO GRÁFICA O QUE É? COMPUTAÇÃO GRÁFICA O QUE É? Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA SUMÁRIO O que é COMPUTAÇÃO GRÁFICA Áreas relacionadas

Leia mais

O mundo das pequenas coisas: estampas para tecido feitas com objetos do universo da costura

O mundo das pequenas coisas: estampas para tecido feitas com objetos do universo da costura O mundo das pequenas coisas: estampas para tecido feitas com objetos do universo da costura The little things world: prints for textile made with objects of sewing universe Cavalcante, Vanessa Peixoto;

Leia mais

Power Point. Autor: Paula Pedone

Power Point. Autor: Paula Pedone Power Point Autor: Paula Pedone INTRODUÇÃO O POWER POINT é um editor de apresentações, pertencente ao Pacote Office da Microsoft. Suas principais características são: criação de apresentações através da

Leia mais

MONTAGEM DE EXPOSIÇÃO: DA CURADORIA À EXPOGRAFIA. Renato Baldin

MONTAGEM DE EXPOSIÇÃO: DA CURADORIA À EXPOGRAFIA. Renato Baldin MONTAGEM DE EXPOSIÇÃO: DA CURADORIA À EXPOGRAFIA Renato Baldin MONTAGEM DE EXPOSIÇÃO Conceitos O Que define uma exposição? O processo de comunicação por meio da disposição de objetos num espaço. Comunicação

Leia mais

RESENHA. SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005.

RESENHA. SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005. 1 RESENHA Mónica Santos Pereira Defreitas 1 SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005. O livro de Lúcia Santaella, Por que as comunicações e as artes estão

Leia mais

NÖOS RESFEST é o festival da cultura pop de vanguarda em suas várias formas: cinema digital, música, design gráfico, arte e moda.

NÖOS RESFEST é o festival da cultura pop de vanguarda em suas várias formas: cinema digital, música, design gráfico, arte e moda. 2 NÖOS RESFEST é o festival da cultura pop de vanguarda em suas várias formas: cinema digital, música, design gráfico, arte e moda. Na sua 5ª edição no Brasil o NÖOS RESFEST tem duração de 3 dias e será

Leia mais

A FOTOGRAFIA DE FABIANA BARREDA 1 Jociele Lampert 2

A FOTOGRAFIA DE FABIANA BARREDA 1 Jociele Lampert 2 A FOTOGRAFIA DE FABIANA BARREDA 1 Jociele Lampert 2 1 A fotógrafa argentina Fabiana Barreda expôs seus trabalhos em uma moatra Intitulada Caminata Lunar no Centro Cultural da Recoleta em Buenos Aires AR.

Leia mais

O Tour Virtual é uma ferramenta capaz de apresentar cada detalhe do ambiente e tornar o seu produto mais. atraente.

O Tour Virtual é uma ferramenta capaz de apresentar cada detalhe do ambiente e tornar o seu produto mais. atraente. O Tour Virtual é uma ferramenta capaz de apresentar cada detalhe do ambiente e tornar o seu produto mais atraente. Se uma foto vale mais do que mil palavras, um tour virtual vale mais do que mil fotografias.

Leia mais

Publicação web. Será ativado um assistente de publicação que lhe guiará em todas as etapas a seguir apresentadas.

Publicação web. Será ativado um assistente de publicação que lhe guiará em todas as etapas a seguir apresentadas. Publicação web Pré requisitos: Lista de questões Formulário multimídia Este tutorial tem como objetivo, demonstrar de maneira ilustrativa, todos os passos e opções que devem ser seguidos para publicar

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Web Design

Tópicos de Ambiente Web Web Design Tópicos de Ambiente Web Web Design Professora: Sheila Cáceres Historia As primeiras formas comunicativas foram mediante elementos visuais. Embora o surgimento da linguagem falada, a linguagem visual continuou

Leia mais

Passo a Passo. Portal Hydros. www.projetohydros.com

Passo a Passo. Portal Hydros. www.projetohydros.com Passo a Passo Portal Hydros www.projetohydros.com Caro internauta, Você está a um clique de conhecer o Projeto Hydros e tudo o que temos feito, para sensibilizar e conscientizar as pessoas e organizações

Leia mais

Modelo de Questões para Planejamento Digital Interativo

Modelo de Questões para Planejamento Digital Interativo Modelo de Questões para Planejamento Digital Interativo Algumas questões importantes sobre um projeto digital. Dependendo do cliente não é necessário levantar uma grande quantidade de dados. Utilize este

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO FERNANDA SERRER ORIENTADOR(A): PROFESSOR(A) STOP MOTION RECURSO MIDIÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

Leia mais

FERNANDO PESSOA [Professor de filosofia da UFES e organizador dos Seminários Internacionais Museu Vale]

FERNANDO PESSOA [Professor de filosofia da UFES e organizador dos Seminários Internacionais Museu Vale] Os Seminários Internacionais Museu Vale FERNANDO PESSOA [Professor de filosofia da UFES e organizador dos Seminários Internacionais Museu Vale] O propósito desta introdução, além de apresentar a oitava

Leia mais

Prof. Marcelo Henrique dos Santos

Prof. Marcelo Henrique dos Santos POR QUE ESTUDAR COMPUTAÇÃO GRÁFICA? Quem quiser trabalhar em áreas afins: Entretenimento Jogos e filmes Visualização Simulação de fenômenos físicos Arte computadorizada Educação e treinamento Processamento

Leia mais

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

Clique no menu Iniciar > Todos os Programas> Microsoft Office > Publisher 2010.

Clique no menu Iniciar > Todos os Programas> Microsoft Office > Publisher 2010. 1 Publisher 2010 O Publisher 2010 é uma versão atualizada para o desenvolvimento e manipulação de publicações. Juntamente com ele você irá criar desde cartões de convite, de mensagens, cartazes e calendários.

Leia mais

ARTEBR EXPOSIÇÃO DE FERNANDO VILELA CIDADES GRÁFICAS

ARTEBR EXPOSIÇÃO DE FERNANDO VILELA CIDADES GRÁFICAS ARTEBR EXPOSIÇÃO DE FERNANDO VILELA CIDADES GRÁFICAS A empresa ARTEBR desenvolve projetos em arte, educação e literatura para diversas instituições culturais brasileiras. Atua nas áreas de consultoria

Leia mais

EMENTA DA DISCIPLINA Hardware e dispositivos de E/S Sistema Operacional Editor de Texto

EMENTA DA DISCIPLINA Hardware e dispositivos de E/S Sistema Operacional Editor de Texto www.francosampaio.com Informática Curso de Administração de Empresas Prof. Franco Sampaio URCAMP Universidade da Região da Campanha EMENTA DA DISCIPLINA Hardware e dispositivos de E/S Sistema Operacional

Leia mais

ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL

ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL A empresa ARTEBR desenvolve projetos em arte, educação e literatura para diversas instituições culturais brasileiras. Atua nas áreas de consultoria e assessoria em arte e

Leia mais

Realidade Virtual Aplicada à Educação

Realidade Virtual Aplicada à Educação Realidade Virtual Aplicada à Educação Sandra Dutra Piovesan 1, Camila Balestrin 2, Adriana Soares Pereira 2, Antonio Rodrigo Delepiane de Vit 2, Joel da Silva 2, Roberto Franciscatto 2 1 Mestrado em Informática

Leia mais

A IMAGEM NA SALA DE AULA: UMA PROPOSTA DE PROJETO DE TRABALHO

A IMAGEM NA SALA DE AULA: UMA PROPOSTA DE PROJETO DE TRABALHO A IMAGEM NA SALA DE AULA: UMA PROPOSTA DE PROJETO DE TRABALHO Gabriela Gonçalves da Silva 1 Jonney Gomes de Freitas Abreu 2 Marielli Gomes Mendonça 3 Mônica Mitchell de Morais Braga 4 Murilo Raphael Dias

Leia mais

Você sabia que o computador pode ser uma rica ferramenta no. processo de inclusão escolar e social de crianças com necessidades

Você sabia que o computador pode ser uma rica ferramenta no. processo de inclusão escolar e social de crianças com necessidades Você sabia que o computador pode ser uma rica ferramenta no processo de inclusão escolar e social de crianças com necessidades educacionais especiais? Juliana Moraes Almeida Silva Em várias situações do

Leia mais

O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO DA CRIANÇA SEGUNDO EMILIA FERREIRO.

O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO DA CRIANÇA SEGUNDO EMILIA FERREIRO. O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO DA CRIANÇA SEGUNDO EMILIA FERREIRO. Duarte, Karina. Rossi, Karla. Discentes da faculdade de ciências Humanas/FAHU. Rodrigues, Fabiana. Docente da faculdade de ciências Humanas/FAHU.

Leia mais

Portal de conteúdos Linha Direta

Portal de conteúdos Linha Direta Portal de conteúdos Linha Direta Tecnologias Educacionais PROMOVEM SÃO Ferramentas Recursos USADAS EM SALA DE AULA PARA APRENDIZADO SÃO: Facilitadoras Incentivadoras SERVEM Necessárias Pesquisa Facilitar

Leia mais

Papel de Parede Secreto

Papel de Parede Secreto USO DO WINDOWS o Windows XP finalmente está perdendo forças no mercado de sistemas operacionais. Na pesquisa mais recente feita pelo StatsCounter, com dados de novembro de 2014, a versão foi ultrapassada

Leia mais

O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa

O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa Antonio Henrique Amaral Ameaça, 1992, serigrafia Série: A Ameaça e as Árvores Foto: Fausto Fleury O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa Com as proposições didáticas sugeridas, espera-se

Leia mais

Criando Quiz com BrOffice.impress

Criando Quiz com BrOffice.impress Criando Quiz com BrOfficeimpress A ferramenta de apresentação possibilita o desenvolvimento de várias atividades interativas como: Sete erros Quiz (Perguntas/Respostas), Colocar em ordem objetos, alfabeto,

Leia mais

15. OLHA QUEM ESTÁ NA WEB!

15. OLHA QUEM ESTÁ NA WEB! 7 a e 8 a SÉRIES / ENSINO MÉDIO 15. OLHA QUEM ESTÁ NA WEB! Sua home page para publicar na Internet SOFTWARES NECESSÁRIOS: MICROSOFT WORD 2000 MICROSOFT PUBLISHER 2000 SOFTWARE OPCIONAL: INTERNET EXPLORER

Leia mais

RELATÓRIO DE BOAS PRÁTICAS NOME DA AÇÃO HISTÓRICO DA AÇÃO. Somos o Projeto Ludimídia Laboratório de Arte, Mídia e Educação.

RELATÓRIO DE BOAS PRÁTICAS NOME DA AÇÃO HISTÓRICO DA AÇÃO. Somos o Projeto Ludimídia Laboratório de Arte, Mídia e Educação. RELATÓRIO DE BOAS PRÁTICAS NOME DA AÇÃO Ludimídia Laboratório de Arte, Mídia e Educação HISTÓRICO DA AÇÃO Somos o Projeto Ludimídia Laboratório de Arte, Mídia e Educação. Trabalhamos com experimentação,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO 514502 INTRODUÇÃO AO DESIGN Conceituação e história do desenvolvimento do Design e sua influência nas sociedades contemporâneas no

Leia mais

JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO)

JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO) JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO) De acordo com o Edital de produção de conteúdo digitais multimídia, alguns aspectos

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 PORTAL DO FÓRUM GOIANO DE EJA: INTERAÇÃO SOCIAL E EDUCAÇÃO EM AMBIENTE VIRTUAL Danielly Cardoso da Silva Karla Murielly Lôpo Leite Maria Emília de Castro Rodrigues O presente texto tem por objetivo apresentar

Leia mais

ARTE DE MAIO, OU DE QUALQUER OUTRO MÊS

ARTE DE MAIO, OU DE QUALQUER OUTRO MÊS 1 ARTE DE MAIO, OU DE QUALQUER OUTRO MÊS A exposição Maio, realizada na Galeria Vermelho, em 2005, composta por individuais de Rogério Canella e Nicolás Robbio é uma mostra que desvela nossa época, evidencia

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA BIBLIOTECA VIRTUAL DO INSTITUTO CEPA: RELATO DA EXPERIÊNCIA 1. Ilmar Borchardt Amélia Silva de Oliveira Danilo Pereira Édina Nami Regis

IMPLANTAÇÃO DA BIBLIOTECA VIRTUAL DO INSTITUTO CEPA: RELATO DA EXPERIÊNCIA 1. Ilmar Borchardt Amélia Silva de Oliveira Danilo Pereira Édina Nami Regis IMPLANTAÇÃO DA BIBLIOTECA VIRTUAL DO INSTITUTO CEPA: RELATO DA EXPERIÊNCIA 1 Ilmar Borchardt Amélia Silva de Oliveira Danilo Pereira Édina Nami Regis Resumo Descreve a implantação da Biblioteca Virtual

Leia mais

Ciranda de Sons e Tons: experiências culturais na infância Gilvânia Maurício Dias de Pontes 1 UFRGS

Ciranda de Sons e Tons: experiências culturais na infância Gilvânia Maurício Dias de Pontes 1 UFRGS Ciranda de Sons e Tons: experiências culturais na infância Gilvânia Maurício Dias de Pontes 1 UFRGS Resumo. As crianças desde o seu nascimento estão imersas em uma cultura para qual, inevitavelmente, terão

Leia mais

OBJETOS DE APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: CONHEÇA O AMBIENTE ATRAVÉS DO WIKI Rosane Aragón de Nevado 1 ; Janaína Oppermann 2

OBJETOS DE APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: CONHEÇA O AMBIENTE ATRAVÉS DO WIKI Rosane Aragón de Nevado 1 ; Janaína Oppermann 2 OBJETOS DE APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: CONHEÇA O AMBIENTE ATRAVÉS DO WIKI Rosane Aragón de Nevado 1 ; Janaína Oppermann 2 RESUMO Os hábitos e costumes humanos tem alterado intensamente os ecossistemas

Leia mais

Projeto de Digitalização de Jornais do Acervo da Fundação Cásper Líbero PRONAC: 102700

Projeto de Digitalização de Jornais do Acervo da Fundação Cásper Líbero PRONAC: 102700 Projeto de Digitalização de Jornais do Acervo da Fundação Cásper Líbero PRONAC: 102700 Valor total do Projeto: R$ 2.283.138,52 Apresentação: O jornal A Gazeta foi comprado por Cásper Líbero em 1918. Produziu

Leia mais

ESPAÇO DE INVESTIGAÇÃO ARTÍSTICA REGULAMENTO GERAL DO ATELIÊ ABERTO #7 PROGRAMA DE RESIDÊNCIA PARA ARTISTAS E PESQUISADORES EM ARTE.

ESPAÇO DE INVESTIGAÇÃO ARTÍSTICA REGULAMENTO GERAL DO ATELIÊ ABERTO #7 PROGRAMA DE RESIDÊNCIA PARA ARTISTAS E PESQUISADORES EM ARTE. ESPAÇO DE INVESTIGAÇÃO ARTÍSTICA REGULAMENTO GERAL DO ATELIÊ ABERTO #7 PROGRAMA DE RESIDÊNCIA PARA ARTISTAS E PESQUISADORES EM ARTE. A Casa Tomada abre inscrições para a seleção de projetos da residência

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS TEXTO DE APOIO

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS TEXTO DE APOIO AULA 2.2 - A SIGNIFICAÇÃO NA ARTE TEXTO DE APOIO 1. A especificidade da informação estética Teixeira Coelho Netto, ao discutir a informação estética, comparando-a à semântica, levanta aspectos muito interessantes.

Leia mais

Versão 3.2. 1. Apresentação. Parte I. Vivaldo Armelin Júnior

Versão 3.2. 1. Apresentação. Parte I. Vivaldo Armelin Júnior Versão 3.2 2010 1. Apresentação Parte I Vivaldo Armelin Júnior Esta é a janela principal do BrOffice Impress. Um programa para edição de apresentações, que é livre, seu código é aberto e ainda... grátis.

Leia mais

Manual do Usuário 2013

Manual do Usuário 2013 Manual do Usuário 2013 MANUAL DO USUÁRIO 2013 Introdução Um ambiente virtual de aprendizagem é um programa para computador que permite que a sala de aula migre para a Internet. Simula muitos dos recursos

Leia mais

DESIGN DISCIPLINAS QUE PODEM SER OFERECIDAS PARA OUTROS CURSOS CURSO DE ORIGEM DA DISCIPLINA NOME DA DISCIPLINA EMENTA C.H. OBSERVAÇÕES PREVISÃO

DESIGN DISCIPLINAS QUE PODEM SER OFERECIDAS PARA OUTROS CURSOS CURSO DE ORIGEM DA DISCIPLINA NOME DA DISCIPLINA EMENTA C.H. OBSERVAÇÕES PREVISÃO DISCIPLINAS QUE PODEM SER OFERECIDAS PARA OUTROS CURSOS CURSO DE ORIGEM DA DISCIPLINA DESIGN NOME DA DISCIPLINA EMENTA C.H. OBSERVAÇÕES PREVISÃO Raciocínio Lógico Matemática Financeira A disciplina trata

Leia mais

Promover o cartaz como uma das mais importantes formas de comunicação e expressão.

Promover o cartaz como uma das mais importantes formas de comunicação e expressão. 1. APRESENTAÇÃO O VARAL DO DESIGN é uma mostra nacional de cartazes aberta a designers e artistas gráficos de todo o País. A cada edição o evento tem um tema único que pretende valorizar a criação autoral

Leia mais