Linguagem de Programação II

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Linguagem de Programação II"

Transcrição

1 Linguagem de Programação II

2 Conteúdo Unidade 1: Introdução A PLATAFORMA.NET... 5 Introdução... 5 Dificuldades encontradas no desenvolvimento de sistemas para Windows antes do.net... 7 A abordagem.net Unidade 2 A Arquitetura.NET CLR (Commom Language Runtime) CTS (Common Type System) CLS (Common Language Specification) BCL (Base Classe Library) Unidade 3 Visão Geral do ASP.NET Interação Cliente Servidor O que é o ASP.NET Componentes de uma aplicação ASP.NET Modelo de Compilação e Execução Dinâmica Primeira Execução Segunda Execução Precompilação ASP.NET AJAX Unidade 4 Criando uma Aplicação Web com o.net O Visual Studio Principais Características do Visual Studio Templates de Projetos Soluções e Projetos Tela inicial do Visual Studio Criando uma Aplicação Web o Visual Studio Unidade 5 Criando um Formulário ASP.NET Adicionando um novo Web Form ASP.NET Unidade 6 Adicionando Código a um Formulário ASP.NET Trabalhando com arquivos Code-Behind Manipuladores de Eventos Adicionando Código a um Formulário Unidade 7 Depurando Aplicações ASP.NET

3 Erros de Sintaxe (Syntax Errors) Erros em tempo de execução (runtime) Erros de Semântica A Classe Debug Habilitando a Depuração Adicionando BreakPoints Executando a Aplicação em Modo de Depuração Execução Passo a Passo Usando a Janela de Depuração Exibindo a Janela Window Depuração Remota Tracing Classe TraceContext Habilitando o Tracing em uma Aplicação Web Dados do Trace Categorias do Trace Unidade 8 Validando Entrada de Usuários Controles de Validação Caracteres para Expressões Regulares Adicionando Controles de Validação a um Formulário Unidade 9 Master Page e User Controls Características da Master Page Criando uma Master Page Content Page Características da Content Page Criando uma Content Page User Controls Características de um User Control User Controls e seus Arquivos Associados Code-Behind Vantagens dos User Controls Desvantagens dos User Controls Adicionando um User Control a um Web Form Unidade 10 Acessando Dados com ADO Camada Desconectada Camada Conectada

4 ADO Object Model Camada Desconectada Camada Conectada Contectando a um Banco de Dados Criando um Banco de Dados Criando um Formulário de Inserção de Dados Criando uma Listagem de Dados Unidade 11 Lendo e Escrevendo Dados XML Criando um Arquivo XML Lendo um Arquivo XML Unidade 12 Criando um Aplicativo ASP.NET AJAX Namespaces Controles ASP.NET AJAX Utilizando ASP.NET AJAX Unidade 13 Segurança em Aplicações ASP.NET Autenticação Autorização Métodos de Autenticação ASP.NET Autenticação Windows Autenticação Baseada em Formulário SQL Injection

5 Unidade 1: Introdução A PLATAFORMA.NET Introdução O.NET Framework é um componente integral do Windows que oferece suporte à criação e execução da próxima geração de aplicativos e Serviços WEB XML. O.NET Framework foi criado para atender os seguintes objetivos: Fornecer um ambiente de programação orientada a objetos consistente, seja o código objeto armazenado e executado localmente, seja ele executado localmente mas distribuído pela Internet ou seja ele executado remotamente; Fornecer um ambiente da execução de código que minimiza conflitos de implantação e versionamento de software, muito comum no modelo antigo de componentização COM/COM+ (conhecido como DLL hell ); Fornecer um ambiente da execução que promova a execução segura do código, incluindo o código criado por terceiros: desconhecidos ou semiconfiáveis; Fornecer um ambiente de execução que elimina os problemas de desempenho dos ambientes interpretados ou com scripts; Tornar a experiência do desenvolvedor consistente, através dos diversos tipos de aplicativos, como aplicativos baseados no Windows e aplicativos baseados na Web. O desenvolvedor pode usar qualquer uma linguagem suportadas pelo.net para escrever os programas e notará muitas semelhanças ao escrever código para dois ambientes bastante distintos como o desktop e o web, devido à camada de abstração provida pelo.net; Criar todas as comunicações nas indústrias padrão, para garantir que códigos baseados no.net Framework possam se integrar a qualquer outro código. O programador pode reutilizar facilmente código já existente ainda que esteja em outra linguagem, sem que ele precise abrir mão da sua linguagem de preferência (e.g. o programador pode escrever um programa em C# e utilizar componentes escritos em C#, VB para.net sem problemas de integração destes códigos); Um serviço Web XML, ou simplesmente Web Service como o chamaremos de aqui em diante por simplicidade e coerência com a linguagem da indústria de software, transcende ao que nós conhecemos como páginas dinâmicas, as quais podem ser acessadas a partir de um browser. A idéia central de um Web Service consiste em permitir que as aplicações, sejam elas da Web ou Desktop, ou ainda middleware, se

6 comuniquem e troquem dados de forma simples e transparente, independente do sistema operacional ou da linguagem de programação. Para tal fim, não é preciso apenas uma plataforma para desenvolvimento Web como o é ASP ou CGI, ou então, um modelo de objetos (COM/COM+) para criar componentes de software reusáveis. A idéia de um Web Service é oferecer uma solução uniforme, independente do cliente que estiver solicitando um serviço qualquer: uma página dinâmica (ASP, CGI, JSP), um cliente gordo no desktop, ou simplesmente um programa qualquer de terceiros que requeira o serviço, um celular, um handheld, não importa. O que interessa é que todos os clientes possam usufruir do mesmo serviço. Vamos tentar entender o que descrevemos aqui através da Figura 1.1. Por tudo exposto acima, uma plataforma de desenvolvimento completa, que envolve linguagens de programação, compiladores, modelo de objetos etc., se torna necessária para que se consiga englobar de uma forma completamente integrada todos esses requisitos. E é essa a proposta de.net. A linguagem C# (pronuncia-se C Sharp) faz parte desse conjunto de ferramentas oferecidas na plataforma.net e surge como uma linguagem simples, robusta, orientada a objetos, fortemente tipada e altamente escalável a fim de permitir que uma mesma aplicação possa ser executada em diversos dispositivos de hardware, independentemente destes serem PCs, handhelds ou qualquer outro dispositivo móvel. Além do mais, a linguagem C# também tem como objetivo permitir o desenvolvimento de qualquer tipo de aplicação: Web service, aplicação Windows convencional, aplicações para serem executadas num palmtop ou handheld, aplicações para Internet etc. 6

7 Junto à linguagem C# encontramos outras linguagens paralelas da própria Microsoft e que têm também a finalidade de dar suporte ao desenvolvimento de sistemas para a plataforma.net; dentre elas podemos citar: VB e C++. Neste módulo, apresentaremos a arquitetura da plataforma.net a fim de que possa entender onde C# se encaixa nesta plataforma e por que, a despeito da existência de outras linguagens, inclusive aquelas que também dão suporte a.net, C# é tão importante. Dificuldades encontradas no desenvolvimento de sistemas para Windows antes do.net Algumas das dificuldades encontradas no desenvolvimento de sistemas Windows antes do.net são: Complexidade associada a linguagens de programação de difícil sintaxe, e ainda as dores de cabeça provocadas pelo gerenciamento da memória heap por parte do programador. Pouca integração e reaproveitamento de código entre linguagens de programação diferentes; ausência de implementação de mecanismo de herança entre linguagens diferentes. Diversidade com pouca integração na resolução de problemas complexos, dificultando a compreensão e o desenvolvimento dos sistemas. Falta de portabilidade de código executável entre plataformas diferentes. Vejamos a evolução histórica das ferramentas da Microsoft: 7

8 Apenas para ilustrar um pouco a situação atual, vamos apresentar um pequeno estudo de caso. Para simplificar o nosso problema, vamos considerar apenas as soluções Microsoft. Imaginemos uma situação hipotética na qual é solicitada uma solução de home banking que aceite requisições de um browser da Internet ou qualquer outro dispositivo como handheld, telefone celular etc.; vejamos qual seria a resposta imediata dos recursos de software que eu iria precisar: 1. Uma linguagem de programação para desenvolver as páginas dinâmicas: de cara, VBScript ou JScript. 2. Precisamos desenvolver alguns objetos COM ou COM+ no servidor, mas por questões de performance e poder de linguagem, escolhemos a linguagem C++, e claro, o compilador C++ do MS Visual Studio. 3. Vamos precisar de alguns componentes para executar no MS Queue server ou então no MS transaction server, e escolhemos a linguagem Visual Basic porque temos pessoal que já fez esse tipo de trabalho usando VB. 4. Bem, vamos falar o óbvio, mas precisamos também de Web designers com domínio de HTML, Flash, ferramentas de editoração gráfica etc. 5. Ainda temos um problema para resolver, que é o fato de termos clientes heterogêneos que não conseguem ler um formato padrão como uma Web page em HTML. 8

9 Ok, agora é o momento de correr atrás do pessoal com todas essas competências, tentar gerenciar essa salada de tecnologias e linguagens de programação e, de quebra, fazer funcionar tudo direitinho. E esta era uma situação bem comum no desenvolvimento de software até pouco tempo atrás: ter de costurar uma série de linguagens + ferramentas + tecnologias + modelos de objetos + linguagens de script vs. linguagens de programação completas + linguagens de marcação. Usando o.net podemos proporcionar uma solução alternativa, de menor complexidade de implementação, mais integrada: 1. Uma linguagem de programação para desenvolver as páginas dinâmicas no servidor Web: C# usando o Visual Studio. 2. Uma linguagem de programação para desenvolver objetos reusáveis, armazenados em uma DLL no servidor: C# usando o Visual Studio. 3. Uma linguagem de marcação maleável o suficiente de sorte que permita mostrar o conteúdo em diversos dispositivos: XML, gerado pelo C# ou pré-montado para alguns casos. 4. Todo o trabalho de formatação e transformação dos documentos XML gerados pela solução de homebank será feito usando XSL para gerar a linguagem de marcação suportada no lado cliente. Ah! Com que linguagem vamos fazer estas transformações? Com C# é claro! Mas os nossos desenvolvedores têm um background muito forte em VB, de forma que nós descartamos o C# como alternativa. Não tem problema, tudo o que foi dito acima continua válido, vamos mudar apenas a linguagem de C# para VB. A plataforma.net permite que usemos a linguagem de programação da qual mais temos domínio e mesmo assim continuamos a usufruir todo o seu potencial. O exemplo anterior foi apenas para ilustrar o contexto atual de desenvolvimento de sistemas complexos, onde temos de realmente fazer uma ginástica muito grande integrar todas as partes constituintes da nossa solução. A boa notícia é que, como mostramos no exemplo, com.net esta situação está, digamos assim, findando esse problema, porque, como você pode ter percebido, a sua solução caiu de três linguagens de programação para apenas uma, e o resto das tecnologias que usamos (COM+, por exemplo) se integra perfeitamente com o restante da solução. Apenas falando no quesito da clareza e reutilização de código, algumas bibliotecas de classes, como MFC (Microsoft Foundation Class), surgem nesse ínterim, mas têm como foco a linguagem C/C++ e não podem ser usadas a partir do Power Builder, por 9

10 exemplo, ou então Delphi, que tem a sua própria biblioteca de componentes reutilizáveis. O que equivale a dizer que essas bibliotecas não podem ser usadas a partir de qualquer linguagem de programação, o que torna o reaproveitamento de código ainda mais difícil. Mesmo tecnologias como COM e CORBA sempre apresentam os mesmos problemas de dificuldade de aprendizado por causa de sua complexidade; ou então, mesmo quando oferecem um modelo de objetos comum a ser usado por outras linguagens que não VB ou C++,acabam esbarrando no fato de que cada linguagem de programação implementa os tipos de uma forma diferente. E finalmente, quando achamos que conseguimos resolver os problemas dos tipos, somos barrados porque não conseguimos programar relações de herança entre linguagens diferentes. Paralelamente às iniciativas da Microsoft, em 1995 surge a linguagem JAVA (na verdade, mais que uma linguagem, é uma plataforma de desenvolvimento) e, apesar de oferecer há mais de dez anos a proposta de portabilidade de código executável, (leia-se, compile uma vez e rode em qualquer plataforma ), é JAVA-cêntrica, o que obriga o programador a aprender uma nova linguagem se realmente quiser usufruir os recursos que ela oferece. Mas você pode perguntar: e.net não nos obriga a aprender C#? A resposta é não e saberemos mais adiante como isso é feito. A abordagem.net Citaremos a seguir algumas das características de.net que visam a resolver os problemas citados acima: Independência de linguagem de programação: o que permite a implementação do mecanismo de herança, controle de exceções e depuração entre linguagens de programação diferentes. Reutilização de código legado: o que implica em reaproveitamento de código escrito usando outras tecnologias como COM, COM+,ATL, DLLs e outras bibliotecas existentes. Tempo de execução compartilhado: o runtime de.net é compartilhado entre as diversas linguagens que a suportam, o que quer dizer que não existe um runtime diferente para cada linguagem que implementa.net. Sistemas auto-explicativos e controle de versões: cada peça de código.net contém em si mesma a informação necessária e suficiente de forma que o runtime não precise procurar no registro do Windows mais informações sobre o programa que está sendo executado. O runtime encontra essas informações no próprio sistema em questão e sabe qual a versão a ser executada, sem acusar aqueles velhos conflitos de incompatibilidade ao registrar DLLs no Windows. Simplicidade na resolução de problemas complexos. 10

11 Unidade 2 A Arquitetura.NET Para melhor entendermos tudo o que temos dito até aqui, vamos falar um pouco da arquitetura de.net e os seus principais componentes. CLR (Commom Language Runtime) O CLR, ou tempo de execução compartilhado, é o ambiente de execução das aplicações.net. Como o leitor já deve ter atentado, as aplicações.net não são aplicações Win32 propriamente ditas (apesar de executarem no ambiente Windows),razão pela qual o runtime Win32 não sabe como executá-las. O Win32, ao identificar uma aplicação.net, dispara o runtime.net que, a partir desse momento, assume o controle da aplicação no sentido mais amplo da palavra, porque, dentre outras coisas, é ele quem vai cuidar do gerenciamento da memória via um mecanismo de gerenciamento de memória chamado Garbage Collector (GC) ou coletor de lixo, acerca do qual falaremos mais tarde. Esse gerenciamento da memória torna os programas menos susceptíveis a erros. Mais ainda, o CLR como seu próprio nome o diz, é compartilhado e, portanto, não temos um runtime para VB.NET, outro para C# etc. É o mesmo para todo mundo. CTS (Common Type System) O CTS, ou Sistema Comum de Tipos, que também faz parte do CLR, define os tipos suportados por.net e as suas características. Cada linguagem que suporta.net tem de, necessariamente, suportar esses tipos. Apesar de que a especificação não demanda que todos os tipos definidos no CTS sejam suportados pela linguagem, esses tipos podem ser um subconjunto do CTS, ou ainda um superconjunto. No módulo dois falaremos mais a respeito dos diferentes tipos especificados no CTS. Um conjunto de classes básicas que define todos os tipos é implementado na CTS. Por exemplo: um tipo Enum deve derivar da classe System. Enum e todas as linguagens devem implementar o tipo Enum dessa forma. Todo tipo deriva da classe Object, porque em.net tudo é um objeto e, portanto, todos os tipos devem ter como raiz essa classe. E é dessa forma que os diversos tipos nas diversas linguagens são implementados, obedecendo às regras definidas no CTS. Na.NET, e em C# conseqüentemente, todos os tipos derivam de uma raiz comum: a classe Object, o que equivale a dizer que todos os tipos são objetos, por definição. 11

12 CLS (Common Language Specification) O CLS, ou Especificação Comum da Linguagem, é um subconjunto do CTS, e define um conjunto de regras que qualquer linguagem que implemente a.net deve seguir a fim de que o código gerado resultante da compilação de qualquer peça de software escrita na referida linguagem seja perfeitamente entendido pelo runtime.net. Seguir essas regras é um imperativo porque, caso contrário, um dos grandes ganhos do.net, que é a independência da linguagem de programação e a sua interoperabilidade, fica comprometido. A grosso modo, dizer que uma linguagem é compatível com o CLS significa dizer que mesmo quando esta é sintaticamente diferente de qualquer outra que implemente.net, semanticamente ela é igual, porque na hora da compilação será gerado um código intermediário (e não código assembly dependente da arquitetura do processador) equivalente para duas peças de código iguais, porém escritas em linguagens diferentes. É importante entender esse conceito para não pensar que o código desenvolvido em C# não pode interagir com código desenvolvido em VB ou outras linguagens, porque mesmo estas sendo diferentes, todas são compatíveis com o CLS. BCL (Base Classe Library) Como era de se esperar, uma plataforma que promete facilitar o desenvolvimento de sistemas precisa ter uma biblioteca de classes básica que alavanque a simplicidade e a rapidez no desenvolvimento de sistemas. É este o objetivo da BCL (Biblioteca de Classes Base), oferecer ao desenvolvedor uma biblioteca consistente de componentes de software reutilizáveis que não apenas facilitem, mas também que acelerem o desenvolvimento de sistemas. Na BCL encontramos classes que contemplam desde um novo sistema de janelas a bibliotecas de entrada/saída, gráficos, sockets, gerenciamento da memória etc. Esta biblioteca de classes é organizada hierarquicamente em uma estrutura conhecida como namespace. Ao desenvolver um componente de software reusável, este precisa ser estruturado em um namespace para que possa ser usado a partir de um outro programa externo. A seguir mostramos uma tabela com alguns dos principais namespaces que fazem parte da BCL: 12

13 13

14 14

15 Unidade 3 Visão Geral do ASP.NET O ASP.NET é um framework que possibilita aos programadores a construção de Web sites dinâmicos, aplicações Web, e serviços XML. O componente principal do ASP.NET é o ASP.NET Web Form, que fornece uma maneira fácil e rápida de construir web sites e aplicações web. O ASP.NET também inclui tecnologia para construção de XML Web Services, que são a base da construção de aplicações Web distribuídas. Interação Cliente Servidor Desenvolver aplicações para serem usadas sobre HTTP é muito diferente de criar aplicações Desktop do tipo Windows Forms pelo fato de o cliente estar dissociado do servidor. Quando o usuário solicita uma página, digitando um endereço (URL), em um navegador, o servidor Web responde enviando um documento HTML e muito provavelmente algum código JavaScript a ser executado pelo navegador. A conexão é aberta, a solicitação é feita pelo navegador, o servidor responde enviando o documento HTML, e a conexão encerrada tão logo esse envio seja terminado. Isto dificulta o trabalho de fazer com que uma aplicação Web se comporte como uma aplicação conectada, desktop. O ASP.NET fornece um gerenciador de estados (VIEWSTATE) que a cada nova requisição reconhece o usuário e informação que ele está trabalhando. 15

16 No lado do cliente, após carregar a página, você pode submeter a página de volta ao servidor, disparando o que chamamos de postback. Isso acontece utilizando funcionalidades do protocolo HTTP, tipicamente os métodos POST e GET. Em um HTML normal, a submissão de formulários pode ser acionada a partir de um botão do tipo submit na página, e utilizar código client-side para trabalhar a informação antes de ser enviada ao servidor ou mesmo para acionar um evento de postback. No ASP.NET a interação cliente-servidor é transparente por usar programação orientada a eventos sobre o protocolo HTTP. O que é o ASP.NET O ASP.NET é um conjunto de tecnologias para desenvolvimento WEB que possibilita as programadores, construir Web Site, Aplicações Web e Web Services XML. Pelo fato de o ASP.NET ser parte do Framework.NET, você pode desenvolver aplicações web em qualquer uma das linguagens.net. O principal componente do ASP.NET é o Web Form. Uma aplicação ASP.NET típica, consiste de um ou mais Web Form. Um Web Form é uma página que o usuário visualiza em seu browser, e também uma página dinâmica que é processada no servidor e pode acessar recursos do mesmo. Mas também pode ser utilizada para interagir com o usuário no navegador utilizando código JavaScript, VBScript ou AJAX. Em outras palavras, uma página HTML tradicional pode executar scripts no cliente para executar tarefas básicas. Já uma página ASP.NET Web Form pode também executar código no lado do servidor para acessar banco de dados, gerar outros Web Forms, ou fazer uso de dispositivos de segurança do servidor. 16

17 O ASP.NET é independente do dispositivo que for usado para acessá-lo. Permitindo ao programado desenvolver Web Forms que poderão ser vistos em quaisquer dispositivos que tenham um navegador Web. O ASP.NET também faz uso do Visual Studio para construir e executar as aplicações ASP.NET. Isso resulta em um processo de desenvolvimento simplificado que permite a você testar a aplicação sem precisar criar um ambiente de hospedagem externo. Também está embutido no ASP.NET, métodos de autenticação do tipo Windows ou Forms que auxiliam o programador a manter sua aplicação e dados seguros. Cada aplicação ou site disponibilizado em um servidor Web, roda como um processo dentro do Internet Information Services (IIS). O ASP.NET é também um ambiente de desenvolvimento Web que inclui funcionalidades para você desenvolver aplicações Web com o mínimo de codificação, em qualquer linguagem compatível com a CLR, incluindo Microsoft Visual Basic, C#, Microsoft JScript.NET, e J#. A seguinte tabela descreve as diversas características do ASP.NET: Características Page e Control Framework Compilador ASP.NET Segurança Forms Authentication Provider Descrição O ASP.NET permite você encapsular funcionalidades comuns da interface em controles reusáveis de fácil utilização. Também fornece a possibilidade de controle de aparência do seu web site utilizando temas. Adicionalmente ao temas, você pode fazer uso de Master Pages, para a criação de layout consistente de páginas em sua aplicação. Todo código ASP.NET é compilado, e fornece tipagem forte de dados, otimização de performance, entre outros benefícios. Depois que o código é compilado, o componente CLR compila o código ASP.NET para código nativo, aumentando ainda mais sua performance. O ASP.NET fornece uma infra estrutura avançada de segurança de autenticação de usuários, além de outras tarefas relacionadas a segurança. Você pode autorizar usuários utilizando autenticação Windows, que é fornecida pelo IIS, e alternativamente você mesmo pode gerenciar a autenticação usando seu próprio banco de dados através de formulários de autenticação ASP.NET. O ASP.NET sempre é executado utilizando uma identidade do Windows, portanto, você pode deixar sua aplicação segura utilizando as características do próprio Windows, como listas de controle de acesso NTFS (ACLs) e permissões de banco de 17

18 State-Management Facilities ASP.NET Configuration Health Monitoring and Performance Debugging Suport XML Web Services Framework Extensible Hosting Environment and Application Live-Cycle Management Extensible Designer Environment dados. O ASP.NET fornece um gerenciador de estado que permite você armazenar informações entre as requisições de página, como dados do cliente ou conteúdo de um carrinho de compras. Aplicações ASP.NET usam um sistema de configuração que permite você definir parâmetros para seu servidor Web, site, ou aplicações individuais. Você pode fazer ajustes de configuração no momento em que suas aplicações são disponibilizadas no servidor ou a qualquer momento com um mínimo de impacto operacional em sua aplicação e servidores. O ASP.NET incluí funcionalidades que permitem você monitorar o estado e performance da sua aplicação. Permite a você monitorar eventos chave que fornece a você dados sobre erros e condições da sua aplicação. O ASP.NET tema vantagem de uma estrutura de depuração em tempo de execução que dá suporte a depuração cross-language e cross-computer. Você pode depurar tanto objetos gerenciados como não gerenciados, e todas as linguagens suportadas pela CLR. E o ASP.NET também fornece um modo de rastreamento (trace mode) que permite a você adicionar informações operacionais a cada página da sua aplicação. O ASP.NET da suporte a XML Web Services. Um XML Web Service é um componente que contém dados e permite as aplicações trocar informação através de firewalls utilizando padrões web como HTTP e mensagens XML. O ASP.NET inclui um ambiente extensível de gerenciamento do ciclo de vida de uma aplicação do momento em que o usuário acessa pela primeira vez um determinado recurso, como uma página, até o momento em que o aplicativo é fechado. ASP.NET incluí suporte para designers de criação de Web Server controls para uso com as ferramentas visuais como o Visual Studio. Componentes de uma aplicação ASP.NET Os Componentes de uma aplicação ASP.NET incluem: 18

19 Web Forms e páginas.aspx. Os Web Forms fornecem a Interface do Usuário para as aplicações Web. User Controls, ou controles.ascx. Os User Controls fornecem a UI para funcionalidades específicas a serem reutilizadas em Web Forms diferentes. Arquivos Code-behind. O arquivo code-behind é um arquivo associado ao Web Form que contém o código Server-side para o mesmo. Você também pode optar por criar uma página ASP.NET em único arquivo que contenha o HTML e o código fonte.net no mesmo arquivo. Arquivos de configuração. São arquivos XML que definem a configuração da aplicação Web no servidor. Cada aplicação Web pode ter um ou mais arquivos. Já cada servidor Web, pode ter somente um arquivo machine.config. Global.asax. O arquivo Global.asax contém código para responder eventos a nível de aplicação que são acionados pelo ASP.NET, como erros não tratados na aplicação. XML Web Service. Permitem a aplicação enviar e receber dados de um XML Web Service. Conexões a Banco de Dados. Permitem a aplicação Web transferir dados de fontes de dados. Itens Adicionais. Arquivos adicionais que você inclui na aplicação Web como arquivos HTML para conteúdo estático, arquivos texto, arquivos XML, arquivos XSLT. CSS. Arquivos que contém folhas de estilo utilizadas no design da aplicação. Modelo de Compilação e Execução Dinâmica Primeira Execução 1. O Cliente realiza uma requisição HTTP Get para o servidor 19

20 2. O parser do ASP.NET interpreta o código fonte 3. Se o código não estiver compilado em uma DLL, o ASP.NET invoca o compilador. 4. O Runtime carrega e executa o código MSIL que é executado pelo run time. Nota: o código MSIL é o código em linguagem assembly executado em tempo de execução. Os vários compiladores das linguagens.net como Visual Basic e C#, compilam seus códigos em MSIL, que é então executado pelo runtime. Segunda Execução Quando o usuário solicita a mesma página pela segunda vez, os seguintes eventos acontecem: 1. O cliente faz uma requisição GET HTTP para o servidor. 2. O runtime imediatamente carrega e executa o código MSIL que já está compilado pela primeira requisição da página. Nota: a recompilação da página.aspx pode ocorrer, principalmente se o conteúdo da mesma foi alterado. Precompilação Você pode escolher pré compilar o seu site antes de disponibilizá-lo aos seus usuários. As vantagens da precompilação incluem: Resposta otimizada aos usuários, pois as páginas não precisam se compiladas na primeira execução das mesmas. Identifica erros de compilação antes de os usuários acessarem o site pela primeira vez. Possibilidade de disponibilizar o site na Web em um servidor de produção sem o código fonte. ASP.NET AJAX O ASP.NET também disponibiliza um framework livre Microsoft AJAX para ser utilizado em aplicações interativas. O ASP.NET AJAX permite enviar de forma assíncrona uma seção ou parte de uma página web ao servidor, e receber uma resposta de forma a não distrair o usuário ou mesmo interromper o que ele estava fazendo na página. O ASP.NET AJAX pode ser usado em conjunto com código serverside que automaticamente geram código client-side JavaScript. O ASP.NET AJAX também disponibiliza o AJAX Control Toolkit, que é uma coleção de controles clientside interativos, juntamente com a biblioteca jquery. 20

21 Unidade 4 Criando uma Aplicação Web com o.net O Visual Studio O Visual Studio é o núcleo do desenvolvimento do Microsoft.NET. É um ambiente completo de desenvolvimento em que você pode desenhar, desenvolver, depurar aplicações.net e Web Services XML. Principais Características do Visual Studio O Visual Studio provê: Suporte para desenvolvimento de diversas linguagens Ferramentas para a construção de aplicações Web, aplicações Windows, e Web Services XML. Ferramentas para criação de aplicações.net Framework 3.0 como WCF, WPF e WF. Ferramentas para criação de Cascading Style Sheets (CSS. Data Acess Controls, incluindo suporte para LINQ Suporte a desenvolvimento para versões diferentes do Framework.NET. Suporte a ASP.NET AJAX e JavaScript. Suporte a Microsoft Silverlight Suporte a Dynamic Data Gerenciamento de erros incluindo depuração local e remota, além de tracing. Ajuda e documentação em formato fácil e acessível. Templates de Projetos O Visual Studio fornece templates para a criação de um grande número de tipos projetos. Esses templates contem todos os arquivos necessários e lhe garantem que a IDE está corretamente configurada para o projeto selecionado. Quando você utiliza esses templates, você não tem que configurar a infraestrutura necessária de pastas e arquivos que um determinado tipo de projeto necessitem. Isso lhe permite o manter foco no seu projeto e na inclusão de funções ao mesmo. Soluções e Projetos Alguns Templates que o Visual Studio disponibiliza: 21

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA INTERNET LABORATÓRIO 1 PROF. EMILIO PARMEGIANI

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA INTERNET LABORATÓRIO 1 PROF. EMILIO PARMEGIANI DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA INTERNET LABORATÓRIO 1 PROF. EMILIO PARMEGIANI Exercício 1 Neste exercício trabalharemos com alguns web controls básicos e praticaremos os tipos de dados do C#. Vamos criar

Leia mais

19/05/2009. Módulo 1

19/05/2009. Módulo 1 ASP.NET Módulo 1 Objetivo Mostrar os conceitos fundamentais da plataforma Microsoft.Net e suas ferramentas; Apresentar os conceitos fundamentais de aplicações web e seus elementos; Demonstrar de forma

Leia mais

Validando dados de páginas WEB

Validando dados de páginas WEB Validando dados de páginas WEB Para que validar os dados? Validar os dados informados pelo usuário garante que sua aplicação funcione corretamente e as informações contidas nela tenha algum sentido. Outro

Leia mais

1- ASP.NET - HTML Server Controls

1- ASP.NET - HTML Server Controls 1- ASP.NET - HTML Server Controls Os controles de servidor - Server Controls - HTML são tags HTML padrão, com exceção de possuirem o atributo : runat="server". Vejamos um código que ilustra isto: O atributo

Leia mais

Fundament n os s da platafo f rm r a. NE N T André Menegassi

Fundament n os s da platafo f rm r a. NE N T André Menegassi Fundamentos da plataforma.net André Menegassi O que é o.net Framework?.NET é uma plataforma de software para desenvolvimento de aplicações que conecta informações, sistemas, pessoas e dispositivos através

Leia mais

Introdução ao C# . Visão geral do.net Framework

Introdução ao C# . Visão geral do.net Framework Introdução ao C# Microsoft.NET (comumente conhecido por.net Framework - em inglês: dotnet) é uma iniciativa da empresa Microsoft, que visa uma plataforma única para desenvolvimento e execução de sistemas

Leia mais

Delphi 7 Aula 01 Área do Triângulo

Delphi 7 Aula 01 Área do Triângulo Delphi 7 Aula 01 Área do Triângulo Prof. Gilbert Azevedo da Silva I. Objetivos Conhecer o Ambiente Integrado de Desenvolvimento (IDE) do Delphi 7, Desenvolver a primeira aplicação no Delphi 7, Aprender

Leia mais

Dando um passeio no ASP.NET

Dando um passeio no ASP.NET Dando um passeio no ASP.NET Por Mauro Sant Anna (mas_mauro@hotmail.com). Mauro é um MSDN Regional Director, consultor e instrutor. O principal objetivo da arquitetura.net é permitir ao usuário o fácil

Leia mais

Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop

Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop Apresentação da ferramenta Professor: Danilo Giacobo Página pessoal: www.danilogiacobo.eti.br E-mail: danilogiacobo@gmail.com 1 Introdução Visual

Leia mais

Cadastro de Orçamento Utilizando Tablet Android

Cadastro de Orçamento Utilizando Tablet Android Cadastro de Orçamento Utilizando Tablet Android Instalação, configuração e manual 1 Conteúdo Instalação... 4 Requisitos mínimos... 4 Windows 8... 5 Instalação do IIS no Windows 8... 5 Configuração do IIS

Leia mais

ASP.NET. Guia do Desenvolvedor. Felipe Cembranelli. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br

ASP.NET. Guia do Desenvolvedor. Felipe Cembranelli. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br ASP.NET Guia do Desenvolvedor Felipe Cembranelli Novatec Editora www.novateceditora.com.br 1 Introdução à plataforma.net A plataforma Microsoft.NET.NET é uma nova plataforma de software para desenvolvimento

Leia mais

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 2

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 2 AULA Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 2 Na aula anterior, vimos sobre: a) Janela de comando b) Gerenciador de Projetos c) Database Designer e Table Designer Prosseguiremos então a conhecer as ferramentas

Leia mais

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Julho / 2.012 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/07/2012 1.0 Versão inicial Ricardo Kiyoshi Página 2 de 11 Conteúdo 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Validação de formulário : CEP, Email e CPF

Validação de formulário : CEP, Email e CPF Validação de formulário : CEP, Email e CPF Publicado em: 14/09/2003 A ASP.NET veio para facilitar ainda mais o desenvolvimento para WEB, trazendo consigo todo um conjunto inovações que visam facilitar

Leia mais

NOTA: Neste tutorial foi utilizado o Visual Studio 2010 para criar o Projeto Web no qual iremos aplicar os temas e os skins.

NOTA: Neste tutorial foi utilizado o Visual Studio 2010 para criar o Projeto Web no qual iremos aplicar os temas e os skins. TUTORIAL 01 USANDO THEMES E SKINS EM UMA APLICAÇÃO ASP.NET ETAPA 1: Criando um novo Web Site usando o Visual Studio 2010 NOTA: Neste tutorial foi utilizado o Visual Studio 2010 para criar o Projeto Web

Leia mais

O Primeiro Programa em Visual Studio.net

O Primeiro Programa em Visual Studio.net O Primeiro Programa em Visual Studio.net Já examinamos o primeiro programa escrito em C que servirá de ponto de partida para todos os demais exemplos e exercícios do curso. Agora, aprenderemos como utilizar

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

Criando um projeto ASP.Net no Visual Studio 2008

Criando um projeto ASP.Net no Visual Studio 2008 Criando um projeto ASP.Net no Visual Studio 2008 Ao abrir o Visual Studio 2008, vá no menu File > New > Project (como mostra a imagem abaixo) ou simplesmente pressionando as teclas Ctrl + Shift + N. Nas

Leia mais

Para que o NSBASIC funcione corretamente em seu computador, você deve garantir que o mesmo tenha as seguintes características:

Para que o NSBASIC funcione corretamente em seu computador, você deve garantir que o mesmo tenha as seguintes características: Cerne Tecnologia www.cerne-tec.com.br Conhecendo o NSBASIC para Palm Vitor Amadeu Vitor@cerne-tec.com.br 1. Introdução Iremos neste artigo abordar a programação em BASIC para o Palm OS. Para isso, precisaremos

Leia mais

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 1

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 1 AULA Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 1 Em qualquer profissão é importante que se conheça bem as ferramentas que serão usadas para executar o trabalho proposto. No desenvolvimento de software não é

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP Aprenda a criar Websites dinâmicos e interativos com PHP e bancos de dados Juliano Niederauer 19 Capítulo 1 O que é o PHP? O PHP é uma das linguagens mais utilizadas na Web.

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

Manual de Instalação. SafeNet Authentication Client 8.2 SP1. (Para MAC OS 10.7)

Manual de Instalação. SafeNet Authentication Client 8.2 SP1. (Para MAC OS 10.7) SafeNet Authentication Client 8.2 SP1 (Para MAC OS 10.7) 2/28 Sumário 1 Introdução... 3 2 Pré-Requisitos Para Instalação... 3 3 Ambientes Homologados... 4 4 Tokens Homologados... 4 5 Instruções de Instalação...

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

AJAX no GASweb. Mas e afinal, para que usamos o AJAX?

AJAX no GASweb. Mas e afinal, para que usamos o AJAX? Nível - Avançado AJAX no GASweb Por: Pablo Hadler AJAX (Asynchronous Javascript and XML) foi criado com o princípio de ser uma maneira rápida e otimizada de podermos fazer requisições Web, sendo esta totalmente

Leia mais

Instalando o Internet Information Services no Windows XP

Instalando o Internet Information Services no Windows XP Internet Information Services - IIS Se você migrou recentemente do Windows 95 ou 98 para o novo sitema operacional da Microsoft Windows XP, e utilizava antes o Personal Web Server, deve ter notado que

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO DO FRAMEWORK - versão 2.0

DOCUMENTAÇÃO DO FRAMEWORK - versão 2.0 DOCUMENTAÇÃO DO FRAMEWORK - versão 2.0 Índice 1 - Objetivo 2 - Descrição do ambiente 2.1. Tecnologias utilizadas 2.2. Estrutura de pastas 2.3. Bibliotecas já incluídas 3 - Características gerais 4 - Criando

Leia mais

Presskit Guia Rápido. Release 2.0. Presskit

Presskit Guia Rápido. Release 2.0. Presskit Presskit Guia Rápido Release 2.0 Presskit 06/07/2009 Sumário 1 Login 2 Login e Senha...................................... 2 Esqueci minha senha.................................. 2 Fale Com o Suporte...................................

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE AULA 1

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE AULA 1 DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE AULA 1 CAMPUS SANTO ANDRÉ CELSO CANDIDO SEMESTRE 2014 1 Características da Plataforma.NET A plataforma.net Framework 4.0 (.NET 4.0) é uma plataforma de softwares que fornece

Leia mais

Scriptlets e Formulários

Scriptlets e Formulários 2 Scriptlets e Formulários Prof. Autor: Daniel Morais dos Reis e-tec Brasil Programação Avançada Para Web Página1 Meta Permitir ao aluno aprender a criar um novo projeto Java para web no Netbeans IDE,

Leia mais

Está apto a utilizar o sistema, o usuário que tenha conhecimentos básicos de informática e navegação na internet.

Está apto a utilizar o sistema, o usuário que tenha conhecimentos básicos de informática e navegação na internet. 1. Descrição Geral Este manual descreve as operações disponíveis no módulo VTWEB Client, cuja finalidade é gerenciar cadastros de funcionários, realização de pedidos e controle financeiro dos pedidos.

Leia mais

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20 Guia de utilização Índice Introdução... 3 O que é o sistema BlueTalk... 3 Quem vai utilizar?... 3 A utilização do BlueTalk pelo estagiário do Programa Acessa Escola... 5 A arquitetura do sistema BlueTalk...

Leia mais

Programando em C# Orientado a Objetos. By: Maromo

Programando em C# Orientado a Objetos. By: Maromo Programando em C# Orientado a Objetos By: Maromo Agenda Módulo 1 Plataforma.Net. Linguagem de Programação C#. Tipos primitivos, comandos de controle. Exercícios de Fixação. Introdução O modelo de programação

Leia mais

Framework.NET, Microsoft Visual C# 2010 Express e Elementos da Linguagem C#

Framework.NET, Microsoft Visual C# 2010 Express e Elementos da Linguagem C# Linguagem de Programação 3 Framework.NET, Microsoft Visual C# 2010 Express e Elementos da Linguagem C# Prof. Mauro Lopes 1-31 35 Objetivos Nesta aula iremos apresentar a tecnologia.net, o ambiente de desenvolvimento

Leia mais

5 Detalhes da Implementação

5 Detalhes da Implementação Detalhes da Implementação 101 5 Detalhes da Implementação Neste capítulo descreveremos detalhes da implementação do Explorator que foi desenvolvido usando o paradigma MVC 45 e o paradigma de CoC 46 (Convention

Leia mais

Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4.

Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4. 1 Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4. Interface do sistema... 4 1.4.1. Janela Principal... 4 1.5.

Leia mais

PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA INTRODUÇÃO AO ASP.NET

PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA INTRODUÇÃO AO ASP.NET PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA INTRODUÇÃO AO ASP.NET Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-2 Objetivos Conhecer a plataforma ASP.Net Compreender os elementos de um sistema ASP.Net Capacitar o aluno para criar

Leia mais

Produto IV: ATU SAAP. Manual de Referência

Produto IV: ATU SAAP. Manual de Referência Produto IV: ATU SAAP Manual de Referência Pablo Nogueira Oliveira Termo de Referência nº 129275 Contrato Número 2008/000988 Brasília, 30 de outubro de 2008 1 Sistema de Apoio à Ativideade Parlamentar SAAP

Leia mais

World Wide Web e Aplicações

World Wide Web e Aplicações World Wide Web e Aplicações Módulo H O que é a WWW Permite a criação, manipulação e recuperação de informações Padrão de fato para navegação, publicação de informações e execução de transações na Internet

Leia mais

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx 1 Introdução O Conecta S_Line permite que o laboratório envie à Central S_Line os resultados de exames gerados pelo Sistema de Informação Laboratorial (LIS) em forma de arquivos digitais. Todo o processo

Leia mais

LAB12: Componentes ASP.NET

LAB12: Componentes ASP.NET LAB12: Componentes ASP.NET Neste laboratório vamos criar uma aplicação ASP.NET que utiliza o componente DropDownList, diversas opções de associação de conteúdo ao componente visual, bem como o uso dos

Leia mais

Desenvolvendo para WEB

Desenvolvendo para WEB Nível - Básico Desenvolvendo para WEB Por: Evandro Silva Neste nosso primeiro artigo vamos revisar alguns conceitos que envolvem a programação de aplicativos WEB. A ideia aqui é explicarmos a arquitetura

Leia mais

Guia de Início Rápido

Guia de Início Rápido Guia de Início Rápido O Microsoft Excel 2013 parece diferente das versões anteriores, por isso criamos este guia para ajudar você a minimizar a curva de aprendizado. Adicionar comandos à Barra de Ferramentas

Leia mais

Criando uma aplicação Web em C# usando o NHibernate

Criando uma aplicação Web em C# usando o NHibernate Criando uma aplicação Web em C# usando o NHibernate Apresento neste artigo como criar uma aplicação web totalmente orientada a objetos usando o framework NHibernate e a linguagem C#. Nossa meta é construir

Leia mais

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel Software de gerenciamento do sistema Intel do servidor modular Intel Declarações de Caráter Legal AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTE DOCUMENTO SÃO RELACIONADAS AOS PRODUTOS INTEL, PARA FINS DE SUPORTE ÀS PLACAS

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Manual de Utilização Google Grupos Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Utilização do Google Grupos Introdução... 3 Página

Leia mais

Introdução ao ASP.NET

Introdução ao ASP.NET Introdução ao ASP.NET Miguel Isidoro Agenda ASP ASP.NET Server Controls Separação de Código e Apresentação Acesso a Dados Web Services Aplicações Web ASP.NET 1 ASP Razões do Sucesso Modelo de programação

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

SSE 3.0. Guia Rápido. Módulo Secretaria. Nesta Edição

SSE 3.0. Guia Rápido. Módulo Secretaria. Nesta Edição SSE 3.0 Guia Rápido Módulo Secretaria Nesta Edição 1 Acessando o Módulo Secretaria 2 Cadastros Auxiliares 3 Criação de Modelos Definindo o Layout do Modelo Alterando o Layout do Cabeçalho 4 Parametrização

Leia mais

Está apto a utilizar o sistema, o usuário que tenha conhecimentos básicos de informática e navegação na internet.

Está apto a utilizar o sistema, o usuário que tenha conhecimentos básicos de informática e navegação na internet. Conteúdo 1. Descrição geral 2 2. Resumo das funcionalidades 3 3. Efetuar cadastro no sistema 4 4. Acessar o sistema 6 5. Funcionalidades do menu 7 5.1 Dados cadastrais 7 5.2 Grupos de usuários 7 5.3 Funcionários

Leia mais

Manual de Utilização do Zimbra

Manual de Utilização do Zimbra Manual de Utilização do Zimbra Compatível com os principais navegadores web (Firefox, Chrome e Internet Explorer) o Zimbra Webmail é uma suíte completa de ferramentas para gerir e-mails, calendário, tarefas

Leia mais

MANUAL DO ANIMAIL 1.0.0.1142 Terti Software

MANUAL DO ANIMAIL 1.0.0.1142 Terti Software O Animail é um software para criar campanhas de envio de email (email Marketing). Você pode criar diversas campanhas para públicos diferenciados. Tela Principal do sistema Para melhor apresentar o sistema,

Leia mais

Laboratório de Programação I

Laboratório de Programação I Laboratório de Programação I Introdução Visual Studio Fabricio Breve O que é o Visual Studio? Conjunto de ferramentas de desenvolvimento para construir: Aplicativos Web ASP.NET XML Web Services Aplicativos

Leia mais

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Sumário Apresentação... 2 Instalação do Aplicativo... 2 Localizando o aplicativo no smartphone... 5 Inserindo o link da aplicação... 6 Acessando o sistema...

Leia mais

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 3

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 3 AULA Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 3 Continuando nossa saga pelas ferramentas do Visual FoxPro 8.0, hoje vamos conhecer mais algumas. A Ferramenta Class Designer A Class Designer é a ferramenta

Leia mais

Manual do Painel Administrativo

Manual do Painel Administrativo Manual do Painel Administrativo versão 1.0 Autores César A Miggiolaro Marcos J Lazarin Índice Índice... 2 Figuras... 3 Inicio... 5 Funcionalidades... 7 Analytics... 9 Cidades... 9 Conteúdo... 10 Referência...

Leia mais

SCPIWeb. SCPIWebDespRec Aplicação Web para Consulta de Despesas e Receitas ( Lei Complementar nº 131 de 27 Maio de 2009 )

SCPIWeb. SCPIWebDespRec Aplicação Web para Consulta de Despesas e Receitas ( Lei Complementar nº 131 de 27 Maio de 2009 ) 2010 SCPIWebDespRec Aplicação Web para Consulta de Despesas e Receitas ( Lei Complementar nº 131 de 27 Maio de 2009 ) SCPIWebCotacao Aplicação Web para Cotação de Preços via Internet Resumo de Instruções

Leia mais

Logo abaixo temos a Barra de Menus que é onde podemos acessar todos os recursos do PHP Editor.

Logo abaixo temos a Barra de Menus que é onde podemos acessar todos os recursos do PHP Editor. Nessa aula iremos estudar: A anatomia da janela do PHP Editor Iniciando o servidor Web O primeiro exemplo de PHP Anatomia da janela do PHP Editor Barra de Títulos: É a barra azul que se encontra na parte

Leia mais

Introdução a listas - Windows SharePoint Services - Microsoft Office Online

Introdução a listas - Windows SharePoint Services - Microsoft Office Online Page 1 of 5 Windows SharePoint Services Introdução a listas Ocultar tudo Uma lista é um conjunto de informações que você compartilha com membros da equipe. Por exemplo, você pode criar uma folha de inscrição

Leia mais

Manual de utilização do Zimbra

Manual de utilização do Zimbra Manual de utilização do Zimbra Compatível com os principais navegadores web ( Firefox, Chrome e Internet Explorer ) o Zimbra Webmail é uma suíte completa de ferramentas para gerir e-mails, calendário,

Leia mais

Introdução ao Javascript

Introdução ao Javascript Programação WEB I Introdução ao Javascript Apresentação da Disciplina,Introdução a linguagem Javascript Objetivos da Disciplina Apresentar os principais conceitos da linguagem Javascript referente à programação

Leia mais

Criando & Consumindo um WebService com ASP.NET 2.0 Publicado em: 25 de Agosto de 2007 Por Herman Ferdinando Arais

Criando & Consumindo um WebService com ASP.NET 2.0 Publicado em: 25 de Agosto de 2007 Por Herman Ferdinando Arais ASP.NET > WebService herman_arais@yahoo.com.br Introdução Um WebService é um componente, ou unidade lógica de aplicação, acessível através de protocolos padrões de Internet. Como componentes, esses serviços

Leia mais

Instalação, configuração e manual

Instalação, configuração e manual Cardápio Moura Instalação, configuração e manual Conteúdo Instalação... 4 Requisitos mínimos... 4 Windows 8... 5 Instalação do IIS no Windows 8... 5 Configuração do IIS no WINDOWS 8... 15 Windows 7...

Leia mais

Manual do Remote Desktop Connection. Brad Hards Urs Wolfer Tradução: Marcus Gama

Manual do Remote Desktop Connection. Brad Hards Urs Wolfer Tradução: Marcus Gama Manual do Remote Desktop Connection Brad Hards Urs Wolfer Tradução: Marcus Gama 2 Conteúdo 1 Introdução 5 2 O protocolo do Buffer de Quadro Remoto (Buffer de Quadro Remoto) 6 3 Usando o Remote Desktop

Leia mais

Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01)

Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01) Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01) Submissão de Relatórios Científicos Sumário Introdução... 2 Elaboração do Relatório Científico... 3 Submissão do Relatório Científico... 14 Operação

Leia mais

TUTORIAL III: ADICIONANDO AJUDA. Adicionando Ajuda

TUTORIAL III: ADICIONANDO AJUDA. Adicionando Ajuda Adicionando Ajuda Para construir arquivos de ajuda do Windows, é necessário saber quais são os componentes de um arquivo de ajuda. Você tem três arquivos básicos que são parte de cada arquivo de ajuda:

Leia mais

Manual do Usuário DENATRAN

Manual do Usuário DENATRAN Manual do Usuário DENATRAN Confidencial Portal SISCSV - 2007 Página 1 Índice Analítico 1. INTRODUÇÃO 5 2. ACESSANDO O SISCSV 2.0 6 2.1 Configurando o Bloqueador de Pop-Ups 6 3. AUTENTICAÇÃO DO USUÁRIO

Leia mais

Sumário INTRODUÇÃO... 3. 1. Acesso ao Ambiente do Aluno... 4. 2. Ferramentas e Configurações... 5. 2.1 Ver Perfil... 5. 2.2 Modificar Perfil...

Sumário INTRODUÇÃO... 3. 1. Acesso ao Ambiente do Aluno... 4. 2. Ferramentas e Configurações... 5. 2.1 Ver Perfil... 5. 2.2 Modificar Perfil... Sumário INTRODUÇÃO... 3 1. Acesso ao Ambiente do Aluno... 4 2. Ferramentas e Configurações... 5 2.1 Ver Perfil... 5 2.2 Modificar Perfil... 6 2.3 Alterar Senha... 11 2.4 Mensagens... 11 2.4.1 Mandando

Leia mais

Criação de Applets com o JBuilder Professor Sérgio Furgeri

Criação de Applets com o JBuilder Professor Sérgio Furgeri OBJETIVOS DA AULA: Apresentar o processo de criação em uma interface gráfica para a Internet; Fornecer subsídios para que o aluno possa compreender onde aplicar Applets; Demonstrar a criação de uma Applet

Leia mais

Introdução... 1. Instalação... 2

Introdução... 1. Instalação... 2 ONTE DO Introdução... 1 O que é IPP?... 1 Qual é a função de um software Samsung IPP?... 1 Instalação... 2 Requisitos do sistema... 2 Instalar o software Samsung IPP... 2 Desinstalar o software Samsung

Leia mais

Parte I. Demoiselle Mail

Parte I. Demoiselle Mail Parte I. Demoiselle Mail Para o envio e recebimento de e-s em aplicativos Java, a solução mais natural é usar a API JavaMail [http:// www.oracle.com/technetwork/java/java/index.html]. Ela provê um framework

Leia mais

Programando em PHP. Conceitos Básicos

Programando em PHP. Conceitos Básicos Programando em PHP www.guilhermepontes.eti.br lgapontes@gmail.com Conceitos Básicos Todo o escopo deste estudo estará voltado para a criação de sites com o uso dos diversos recursos de programação web

Leia mais

MySQL Query Browser. Professor Victor Sotero SGD

MySQL Query Browser. Professor Victor Sotero SGD MySQL Query Browser Professor Victor Sotero SGD 1 DEFINIÇÃO O MySQL Query Browser é uma ferramenta gráfica fornecida pela MySQL AB para criar, executar e otimizar solicitações SQL em um ambiente gráfico.

Leia mais

Manual de Configuração e Utilização TabFisc Versão Mobile 09/2013 Pag. 1 MANUAL DE UTILIZAÇÃO TABLET VERSÃO MOBILE

Manual de Configuração e Utilização TabFisc Versão Mobile 09/2013 Pag. 1 MANUAL DE UTILIZAÇÃO TABLET VERSÃO MOBILE Pag. 1 MANUAL DE UTILIZAÇÃO TABLET VERSÃO MOBILE Pag. 2 INTRODUÇÃO Esse documento contém as instruções básicas para a utilização do TabFisc Versão Mobile (que permite ao fiscal a realização do seu trabalho

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

Manual 2010 Webmaster

Manual 2010 Webmaster Manual 2010 Webmaster Menu 1. Acesso ao sistema 2. Campanhas 2.1 Ver Campanhas Disponíveis 2.2 Minhas Campanhas 3. Formatos 3.1 Banners Automáticos 3.2 Banners Manuais 3.3 E-mail Marketing 3.4 Vitrines

Leia mais

AutoLISP - IV Ambiente de programação Visual Lisp. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca

AutoLISP - IV Ambiente de programação Visual Lisp. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca AutoLISP - IV Ambiente de programação Visual Lisp João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Ambiente de programação Visual Lisp O software Visual Lisp é um ambiente de programação para a linguagem

Leia mais

TUTORIAL: MANTENDO O BANCO DE DADOS DE SEU SITE DENTRO DO DOMÍNIO DA USP USANDO O SSH!

TUTORIAL: MANTENDO O BANCO DE DADOS DE SEU SITE DENTRO DO DOMÍNIO DA USP USANDO O SSH! UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO (USP) ESCOLA DE ARTES, CIÊNCIAS E HUMANIDADES (EACH) TUTORIAL: MANTENDO O BANCO DE DADOS DE SEU SITE DENTRO DO DOMÍNIO DA USP USANDO O SSH! Autoria e revisão por: PET Sistemas

Leia mais

Criando um carrinho de compras

Criando um carrinho de compras Criando um carrinho de compras Um carrinho de compras feito em ASP.NET para você adaptar ao seu negócio e incluir no seu site. Além de aprender conceitos importantes relacionados a tecnologia ASP.NET vai

Leia mais

EDITORA FERREIRA MP/RJ_EXERCÍCIOS 01

EDITORA FERREIRA MP/RJ_EXERCÍCIOS 01 EDITORA FERREIRA MP/RJ NCE EXERCÍCIOS 01 GABARITO COMENTADO 01 Ao se arrastar um arquivo da pasta C:\DADOS para a pasta D:\TEXTOS utilizando se o botão esquerdo do mouse no Windows Explorer: (A) o arquivo

Leia mais

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário Sumário Conceitos Microsoft Access 97... 01 Inicialização do Access... 02 Convertendo um Banco de Dados... 03 Criando uma Tabela... 06 Estrutura da Tabela... 07 Propriedades do Campo... 08 Chave Primária...

Leia mais

Linguagem de Programação Procedural (VB) Prof. MSc Eng Marcelo Bianchi AULA 01 - INTRODUÇÃO AO VB

Linguagem de Programação Procedural (VB) Prof. MSc Eng Marcelo Bianchi AULA 01 - INTRODUÇÃO AO VB Linguagem de Programação Procedural (VB) Prof. MSc Eng Marcelo Bianchi AULA 01 - INTRODUÇÃO AO VB Visão Geral do Visual Basic.NET Conceitos Básicos Antes de codificar um programa dentro do Visual Studio

Leia mais

MANUAL ESCOLA FLEX. Revisado em 09/07/2008. Sistema Flex www.sistemaflex.com

MANUAL ESCOLA FLEX. Revisado em 09/07/2008. Sistema Flex www.sistemaflex.com MANUAL ESCOLA FLEX Revisado em 09/07/2008 Sistema Flex www.sistemaflex.com Índice Manual Escola Flex Índice... 2 Tela de Abertura (Splash Screen)... 3 Login... 4 Seleção de Empresas... 5 Tela Principal...

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Felippe Scheidt IFPR Campus Foz do Iguaçu 2014/2

Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Felippe Scheidt IFPR Campus Foz do Iguaçu 2014/2 Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Felippe Scheidt IFPR Campus Foz do Iguaçu 2014/2 Objetivo. O objetivo da disciplina é conhecer os princípios da programação de

Leia mais

Manual de Instalação. SafeSign Standard 3.0.77. (Para MAC OS 10.7)

Manual de Instalação. SafeSign Standard 3.0.77. (Para MAC OS 10.7) SafeSign Standard 3.0.77 (Para MAC OS 10.7) 2/23 Sumário 1 Introdução... 3 2 Pré-Requisitos Para Instalação... 3 3 Ambientes Homologados... 4 4 Hardware Homologado... 4 5 Instruções de Instalação... 5

Leia mais

Manual das funcionalidades Webmail AASP

Manual das funcionalidades Webmail AASP Manual das funcionalidades Webmail AASP 1. Configurações iniciais 2. Regras 3. Histórico da conta 4. Autorresposta 5. Dados de acesso (alterando senha de acesso) 6. Identidade (assinatura) 7. Redirecionamento

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP 2ª Edição Juliano Niederauer Novatec Copyright 2009, 2011 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução

Leia mais

Serviço Seguro de Mensagens Instantâneas

Serviço Seguro de Mensagens Instantâneas COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL GERÊNCIA DE CONTROLE E INFORMAÇÕES Serviço Seguro de Mensagens Instantâneas Jabber & Exodus Jabber é um protocolo aberto, baseado em XML para troca de mensagens instantâneas.

Leia mais

Aula 03 - Projeto Java Web

Aula 03 - Projeto Java Web Aula 03 - Projeto Java Web Para criação de um projeto java web, vá em File/New. Escolha o projeto: Em seguida, na caixa Categorias selecione Java Web. Feito isso, na caixa à direita selecione Aplicação

Leia mais

Certificado Digital A1

Certificado Digital A1 Certificado Digital A1 Geração Todos os direitos reservados. Imprensa Oficial do Estado S.A. - 2012 Página 1 de 41 Pré-requisitos para a geração Dispositivos de Certificação Digital Para que o processo

Leia mais

1. Introdução pág.3 2. Apresentação do sistema Joomla! pág.4 3. Acessando a administração do site pág.4 4. Artigos 4.1. Criando um Artigo 4.2.

1. Introdução pág.3 2. Apresentação do sistema Joomla! pág.4 3. Acessando a administração do site pág.4 4. Artigos 4.1. Criando um Artigo 4.2. 1. Introdução pág.3 2. Apresentação do sistema Joomla! pág.4 3. Acessando a administração do site pág.4 4. Artigos 4.1. Criando um Artigo 4.2. Editando um Artigo 4.3. Excluindo um Artigo 4.4. Publicar

Leia mais

02 - Usando o SiteMaster - Informações importantes

02 - Usando o SiteMaster - Informações importantes 01 - Apresentação do SiteMaster - News Edition O SiteMaster foi desenvolvido para ser um sistema simples de gerenciamento de notícias, instalado em seu próprio computador e com configuração simplificada,

Leia mais

ASP.NET 2.0 - Visual Studio 2005 (Whidbey) Ramon Durães

ASP.NET 2.0 - Visual Studio 2005 (Whidbey) Ramon Durães ASP.NET 2.0 - Visual Studio 2005 (Whidbey) Ramon Durães O ASP.NET que é a camada de desenvolvimento de aplicações web da plataforma.net vem agradando em muito os desenvolvedores de todo o mundo desde o

Leia mais

Webmail UFMA Tutorial de Operações Básicas do Usuário Cliente Web

Webmail UFMA Tutorial de Operações Básicas do Usuário Cliente Web UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO - UFMA NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - NTI GERÊNCIA DE REDES - GEREDES Webmail UFMA Tutorial de Operações Básicas do Usuário Cliente Web São Luís 2014 1. INICIANDO...

Leia mais

Estruturando um aplicativo

Estruturando um aplicativo Com o Visual FoxPro, é possível criar facilmente aplicativos controlados por eventos e orientados a objetos em etapas. Esta abordagem modular permite que se verifique a funcionalidade de cada componente

Leia mais

Textos Legais. TL Internet. Legislativa. Manual de Implantação

Textos Legais. TL Internet. Legislativa. Manual de Implantação Textos Legais TL Internet Legislativa Manual de Implantação Copyright GOVERNANÇABRASIL 2012 PRONIM TL INTERNET SUMÁRIO 1. REQUISITOS MÍNIMOS DE SISTEMA... 4 2. INSTALAÇÃO... 4 2.1. INSTALAÇÃO DO IIS 7.0...

Leia mais

Manual do Usuário Cyber Square

Manual do Usuário Cyber Square Manual do Usuário Cyber Square Criado dia 27 de março de 2015 as 12:14 Página 1 de 48 Bem-vindo ao Cyber Square Parabéns! Você está utilizando o Cyber Square, o mais avançado sistema para gerenciamento

Leia mais