Autenticação e Controle de Acesso em Forms e Reports via Oracle Internet Directory. Daniel Murara Barcia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Autenticação e Controle de Acesso em Forms e Reports via Oracle Internet Directory. Daniel Murara Barcia danielbarcia@hotmail.com"

Transcrição

1 Autenticação e Controle de Acesso em Forms e Reports via Oracle Internet Directory. Daniel Murara Barcia

2 INTRODUÇÃO As aplicações corporativas de um importante órgão público do Estado do Rio Grande do Sul são, em grande parte, desenvolvidas com a suíte Oracle Developer 6i (Forms e Reports) e o acesso a essas aplicações é realizado através de um sistema de controle de permissões por usuários que controla a manutenção de usuários de banco e de sistema, concedendo e verificando privilégios de acesso aos módulos. Essas aplicações rodam em ambiente cliente-servidor e o controle de acesso se dá por meio de tabelas que armazenam os dados dos usuários e os módulos aos quais eles têm acesso. A verificação das permissões ocorre através da captura do nome do usuário conectado ao banco ou seu ID (variáveis de banco USER ou UID). Essas variáveis são utilizadas nos selects que verificam os módulos aos quais o usuário tem acesso. Com a futura implantação de sistemas em ambiente web, como a implantação do Oracle Portal, surge o problema da incompatibilidade do modo de autenticação de usuários em diferentes plataformas. Como os ambientes são heterogêneos os usuários precisam de várias senhas para ter acesso aos sistemas, desde senhas de rede a senhas de banco e de diretório. A consequente integração dos sistemas legados nesse ambiente, expôs a necessidade de o modo de autenticação de usuários ser único, independente da plataforma. Objetivando a padronização e melhor controle de usuários, optou-se pela autenticação única em nível de diretório (Oracle Intenet Directory), buscando uma solução que permitisse a continuidade do controle de acesso a módulos através do sistema atual. Assim, seriam necessárias alterações na forma em que ocorre a captura do nome do usuário conectado para efetuar o controle de acesso. Além disso, para a integração de sistemas desenvolvidos em Forms e Reports 6i (cliente-servidor) à nova realidade, seria necessário um trabalho de migração para a versão 10g, que roda somente em ambiente web.

3 A solução proposta a seguir, descreve como será alterado o modo de verificação de permissões, a criação de novos usuários, o mecanismo de logon via Oracle Internet Directory e um roteiro para conversão dos Forms/Reports 6i para a versão 10g. LOGIN DE USUÁRIOS No banco de dados, foram criados 2 usuários (SISWEB e shared). Todos os usuários de banco atuais de cada servidor passarão a ser autenticados no OID e a sua sessão será aberta como usuário shared. Esses usuários também serão criados no OID e associados a um RAD que fará a conexão no banco com o usuário SISWEB. Assim, aplicações que rodam em ambiente Cliente-Servidor conectarão como usuário shared e aplicações que rodam em ambiente web, conectarão, via SSO, como usuário SISWEB. As roles atuais do sistema, que atualmente são concedidas diretamente a cada usuário, serão concedidas somente a uma única role. Esta role possui uma senha e será habilitada somente em tempo de execução no código dos Forms/Reports. Evita-se, dessa forma, que um usuário conecte-se ao banco através de uma ferramenta de edição (SQL Plus/Toad) e tenha acesso irrestrito aos objetos. Esse modelo de conexão faz com que todas as sessões de banco estejam com o mesmo nome de usuário (shared ou SISWEB). Para o controle de permissões, as libraries dos Forms/Reports, irão criar um contexto de usuário definindo o login_name do usuário em uma variável, seja ele feito via SSO ou via enterprise user. Para a criação da variável, o nome do usuário de diretório é capturado pela built-in GET_APPLICATION_PROPERTY(sso_usrdn) no caso dos Forms 10g e pela variável de usuário AUTHID no caso de Reports 10g. Essa variável poderá ser consultada quando da necessidade de verificação de direitos definidos nas tabelas do sistema de controle de acesso. Assim, o sistema não fará mais referências diretas ao nome do usuário (USER) ou ao seu código interno (UID). As mudanças no controle de permissões foram necessárias tendo em vista que todas as sessões de banco dos

4 usuários que estiverem rodando aplicações em Forms/Reports serão feitas com o mesmo usuário (shared ou SISWEB) inviabilizando a maneira tradicional de controle que atualmente utiliza as variáveis de sistema USER ou UID para efetuar os selects nas tabelas do SISCONTROL. O fato de o usuário logado ser sempre o mesmo e não ser possível identificar o terminal ou o nome externo do usuário na v$session quando estiver em ambiente web foi resolvido com uma alteração em uma das libraries dos Forms, que indica na barra de título da janela o sid e o serial# do usuário, através de pesquisa o contexto USERENV, variável SESSIONID. ALTERAÇÕES NA PACKAGE PK_SISCONTROL Todas as procedures e functions da package PK_SISCONTROL que faziam referência explícita ao USER ou UID passaram a utilizar o nome de usuário retornado por PK_SISCONTROL.Get_User_Name. Dessa forma, a package poderá ser utilizada tanto pelas aplicações em 10g como em 6i, não importando a maneira como foi efetuada a autenticação do usuário. Ex: FUNCTION GET_PASSE_LIVRE RETURN NUMBER IS BEGIN DECLARE NUsu NUMBER; CURSOR C IS SELECT 1 FROM PASSE_LIVRE WHERE UPPER (login_usuario) = PK_SISCONTROL.GET_USER_NAME; BEGIN nusu := NULL; OPEN C; FETCH C INTO nusu; CLOSE C; RETURN nusu;

5 EXCEPTION WHEN NO_DATA_FOUND THEN RETURN NULL; WHEN OTHERS THEN RETURN NULL; END; PK_SISCONTROL.Get_User_Name: retorna o usuário logado. Verifica inicialmente o contexto ENVPADRAO e caso seja chamado de uma sessão logada via SSO, pesquisa o nome do usuário. Se não existir, a sessão foi autenticada via enterprise user no OID, buscando o nome do contexto USERENV, variável EXTERNAL_NAME. Se ainda assim não existir, retorna o usuário logado no banco através da variável USER. FUNCTION GET_USER_NAME RETURN VARCHAR2 IS v_login_name varchar2(256) := null; BEGIN /* Caso seja chamado de uma sessão logada via SSO, pesquisa o nome do usuário no contexto criado na abertura do Form/Report. Se não existir um contexto, verifica se a sessão foi autenticada via enterprise user no OID, consultando a variável EXTERNAL_NAME Se também não existir, a conexão foi efetuada diretamente por usuário de banco e retorna o usuário pela variável USER. /* -- Verifica no contexto SELECT sys_context ('ENVPADRAO', 'LOGIN_USUARIO') INTO v_login_name FROM dual; -- Se v_login_name for nulo, então verifica se foi via enterprise user do OID IF v_login_name IS NULL THEN SELECT substr(sys_context('userenv', 'EXTERNAL_NAME'), 4, instr(sys_context('userenv', 'EXTERNAL_NAME'), ',') - 4) INTO v_login_name FROM dual; END IF; -- Se v_login_name for nulo, então retorna o usuário de banco IF v_login_name IS NULL THEN SELECT USER INTO v_login_name FROM dual; END IF; RETURN upper(v_login_name); END;

6 , PK_SISCONTROL. Create_User_OID: cria um usuário no diretório. Utilizada na tela SCAUSU. O usuário não será mais criado no banco de dados e sim no diretório. PROCEDURE CREATE_USER_OID (ldap_host VARCHAR2, ldap_port VARCHAR2, ldap_user VARCHAR2, ldap_passwd VARCHAR2, login_name VARCHAR2, user_pwd VARCHAR2) IS retval PLS_INTEGER; my_session DBMS_LDAP.session; emp_dn VARCHAR2(256); emp_array DBMS_LDAP.MOD_ARRAY; emp_vals DBMS_LDAP.STRING_COLLECTION; ldap_base VARCHAR2(256); BEGIN retval := -1; DBMS_LDAP.USE_EXCEPTION := TRUE; my_session := DBMS_LDAP.init(ldap_host,ldap_port); retval := DBMS_LDAP.simple_bind_s(my_session, ldap_user,ldap_passwd); emp_array := DBMS_LDAP.create_mod_array(5); emp_vals(1) := login_name; DBMS_LDAP.populate_mod_array(emp_array,DBMS_LDAP.MOD_ADD, 'cn',emp_vals); DBMS_LDAP.populate_mod_array(emp_array,DBMS_LDAP.MOD_ADD, 'uid',emp_vals); emp_vals(1) := login_name; DBMS_LDAP.populate_mod_array(emp_array,DBMS_LDAP.MOD_ADD, 'sn',emp_vals); emp_vals(1) := USER_PWD; DBMS_LDAP.populate_mod_array(emp_array,DBMS_LDAP.MOD_ADD, 'userpassword',emp_vals); emp_vals(1) := 'top'; emp_vals(2) := 'person';

7 emp_vals(3) := 'organizationalperson'; emp_vals(4) := 'inetorgperson'; emp_vals(5) := 'orcluser'; emp_vals(6) := 'orcluserv2'; DBMS_LDAP.populate_mod_array(emp_array,DBMS_LDAP.MOD_ADD, 'objectclass',emp_vals); ldap_base := 'cn=users,dc=orgao,dc=rs,dc=gov,dc=br'; emp_dn := 'cn=' login_name ', ' ldap_base; retval := DBMS_LDAP.add_s(my_session,emp_dn,emp_array); DBMS_LDAP.free_mod_array(emp_array); retval := DBMS_LDAP.unbind_s(my_session); END; SOLUÇÃO PARA AUTENTICAÇÃO E VERIFICAÇÃO DE PRIVILÉGIOS EM FORMS 10G O Forms Server foi configurado para autenticar usuários via SSO. Assim, a URL traz a página de logon do SSO para informar usuário/senha. Ao efetuar o Logon, com usuário de diretório, o OID direciona a conexão de banco para o usuário SISWEB definido no RAD. As rotinas de criação e manutenção de usuários e privilégios, passam a ser executadas unicamente na versão 10g. Não haverá mais a manutenção de usuários no banco e sim no diretório. As funcionalidades de concessão de roles para usuários deixam de existir, pois as mesmas não serão mais concedidas diretamente a cada usuário, mas somente aos usuários shared e SISWEB. A tela SCAUSU, que anteriormente desempenhava tais funções, passa a realizar somente a criação do usuário no diretório, além da manutenção na tabela USUARIO. As demais manutenções de privilégios permanecem inalteradas. DESCRIÇÃO DAS ALTERAÇÕES REALIZADAS: 1. Execução da trigger PRE-FORM

8 1.1. Executa SISCONTROL.Ini_Sessao Executa a habilitação da Role RL_SISWEB para o usuário de banco, no caso, SISWEB Cria o contexto ENVPADRAO através da procedure ENVPADRAO.Set_ENVPADRAO, passando como parâmetro o usuário logado no diretório. O nome do usuário de diretório é obtido através da função SISCONTROL.Get_Oid_User. Essa função, utiliza a built-in Get_Application_Property(sso_usrdn), que retorna o nome do usuário logado no SSO e não o usuário de banco. Nesse contexto, entre outras, é criada a variável LOGIN_NAME, contendo o nome do usuário Seta as variávies globais a partir das variáveis do contexto ENVPADRAO O ambiente de execução é determinado pela variável DB_NAME, do contexto USERENV 1.2. Executa Template.Pre_Form Executa a habilitação da Role RL_SISWEB para o usuário de banco, no caso, SISWEB. (Esse procedimento está também na PRE-FORM para poder realizar a habilitação da role para forms chamados a partir do SCAMENU, que não têm a chamada da SISCONTROL.Ini_Sessao e nem a montagem de menus. 2. Trigger WHEN-NEW-FORM-INSTANCE 2.1. Executa d2k_nav_util.initialise 2.2. Monta a árvore de menus através de D2K_Nav_Initialiase_Data Verifica o ambiente de execução chamando SISCONTROL.Ambiente_Execucao Verifica o tipo de usuário chamando PK_SISCONTROL.Get_User_Type Monta os menus conforme o tipo de usuário (desenvolvedor ou não). 3. Chamada de Módulos através do Menu ou LOV de Módulos 3.1. Montagem da LOV pelo Record Group RG_MODULO: select m.cd_modulo,m.nome_modulo,m.tp_modulo,m.ds_modulo,,t.ds_tp_modulo

9 from modulo m,tipo_modulo t where m.display = 'S' and m.tp_modulo in (2, 4) and t.tp_modulo = m.tp_modulo and m.nome_modulo in (select p.nome_modulo from classe_usuario clu,privilegio p,usuario u where p.cd_classe = clu.cd_classe and p.tp_classe = clu.tp_classe and clu.cd_usuario = u.cd_usuario and u.login_usuario = sys_context ('ENVPADRAO', 'LOGIN_USUARIO' )) order by m.nome_modulo asc 3.2. BL_HTOOL.WHEN-BUTTON-PRESSED Verifica se o usuário tem acesso ao módulo chamando CHK_MODULO Executa módulo através de SISCONTROL.Go_Modulo D2K_NAV_TREE.WHEN-MOUSE-DOUBLECLICK Executa módulo através de SISCONTROL.Go_Modulo SISCONTROL.Go_Modulo Registra o evento chamando Pk_Util.Eventos_Sistema Caso o módulo seja um Form executa OPEN_FORM ou GO_FORM Caso o módulo seja um Report: Verifica o ambiente de execução com SISCONTROL.Ambiente_Execucao Executa a URL através de Web.Show_Document SOLUÇÃO PARA AUTENTICAÇÃO E VERIFICAÇÃO DE PRIVILÉGIOS EM REPORTS 10G Para capturar o nome de usuário de diretório nos Reports, tendo em vista consultas de verificação de privilégios ou em quaisquer situações em que seja necessário a utilização do nome do usuário conectado, é necessário criar um parâmetro de usuário chamado AUTHID. Esse parâmetro é populado automaticamente logo após o usuário efetuar a conexão

10 via SSO. A partir disso, basta substituir referências às variáveis USER/UID por esse parâmetro. SOLUÇÃO PARA AUTENTICAÇÃO E VERIFICAÇÃO DE PRIVILÉGIOS EM FORMS/REPORTS 6I As aplicações desenvolvidas em Forms 6i farão o logon normalmente, informando usuário/senha/banco. A diferença é que todos os usuários estarão sendo autenticados no OID e consequentemente irão conectar efetivamente no banco como usuário shared. Todas as verificações de privilégios serão feitas pelas mesmas rotinas da package PK_SISCONTROL. As alterações necessárias são somente em nível de PLL s (TEMPLATE.pll e SISCONTROL.pll) onde será pesquisado referências diretas a USERNAME/UID e no form de template (TECREF.fmb) que terá o select de montagem do Record Group modificado para fazer a consulta tendo como parâmetro o usuário retornado pela função PK_SISCONTROL.get_user_name.

Oracle PL/SQL Overview

Oracle PL/SQL Overview Faculdades Network Oracle PL/SQL Overview Prof. Edinelson PL/SQL Linguagem de Programação Procedural Language / Structured Query Language Une o estilo modular de linguagens de programação à versatilidade

Leia mais

PL/SQL. Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Laboratório de Bases de Dados PL/SQL

PL/SQL. Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Laboratório de Bases de Dados PL/SQL PL/SQL Laboratório de Bases de Dados PL/SQL Program Language SQL linguagem de programação da Oracle que permite processar dados armazenados no banco de dados Exemplos de operações permitidas alterar, remover,

Leia mais

FUNCTION ) RETURNS INTEGER AS $$ DECLARE

FUNCTION ) RETURNS INTEGER AS $$ DECLARE PERFORM O comando PERFORM permite a execução de um comando SELECT desprezando o resultado do comando. PERFORM query; A variável especial FOUND é definida como verdadeiro se a instrução produzir pelo menos

Leia mais

MANUAL INSTALAÇÃO WEB SERVICE

MANUAL INSTALAÇÃO WEB SERVICE MANUAL INSTALAÇÃO WEB SERVICE Recebimento de dados pelo Hospital Versão 1.1 2/9/2014 Contato suporte@gtplan.com.br Índice Introdução... 2 Requerimentos para instalação do Web Service... 2 Instalação...

Leia mais

PL/pgSQL por Diversão e Lucro

PL/pgSQL por Diversão e Lucro PL/pgSQL por Diversão e Lucro Roberto Mello 3a. Conferência Brasileira de PostgreSQL - PGCon-BR Campinas - 2009 1 Objetivos Apresentar as partes principais do PL/pgSQL Apresentar casos de uso comum do

Leia mais

Logado no OracleXE vamos acessar a opção:

Logado no OracleXE vamos acessar a opção: Tutorial PL/SQL O PL/SQL é uma linguagem procedural que roda diretamente no núcleo do SGBD Oracle. O objetivo deste tutorial é mostrar a criação de funções e procedimentos em PL/SQL, interagindo com comandos

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE CONTEÚDO BANCO DE DADOS

RECUPERAÇÃO DE CONTEÚDO BANCO DE DADOS RECUPERAÇÃO DE CONTEÚDO BANCO DE DADOS No Instituto Federal do Paraná tounou-se necessário o armazenamento de certas informações para controle de pessoal. Para armazenar tais dados é necessário saber que:

Leia mais

SQL Procedural. Josino Rodrigues Neto josinon@gmail.com

SQL Procedural. Josino Rodrigues Neto josinon@gmail.com SQL Procedural Josino Rodrigues Neto josinon@gmail.com SQL Procedural Agregada em SQL-92 As ferramentas têm nomes para suas linguagens SQL procedurais/embutidas Oracle : PL/SQL Postgres PL/Pgsql SQL Server

Leia mais

Monitoria GDI Aula Prática. DML + PL/SQL parte 1

Monitoria GDI Aula Prática. DML + PL/SQL parte 1 Monitoria GDI Aula Prática DML + PL/SQL parte 1 DML linguagem de manipulação de dados SQL Estrutura básica de uma consulta SQL SELECT Coluna1[,Coluna2[,Coluna3[,...]]] FROM Tabela1[,Tabela2[,...]] WHERE

Leia mais

Oracle 10g: SQL e PL/SQL

Oracle 10g: SQL e PL/SQL Oracle 10g: SQL e PL/SQL PL/SQL: Visão Geral Enzo Seraphim Visão Geral Vantagens de PL/SQL Suporte total à linguagem SQL Total integração com o Oracle Performance Redução da comunicação entre a aplicação

Leia mais

PROGRAMAÇÃO EM BANCO DADOS Stored Procedure e Trigger

PROGRAMAÇÃO EM BANCO DADOS Stored Procedure e Trigger PROGRAMAÇÃO EM BANCO DADOS Stored Procedure e Trigger A tecnologia de banco de dados permite persistir dados de forma a compartilha-los com varias aplicações. Aplicação 1 aplicação 2 aplicação 3 SGDB Banco

Leia mais

Linguagem PL/SQL e Triggers

Linguagem PL/SQL e Triggers TECNOLOGIA DE BASES DE DADOS Linguagem PL/SQL e Triggers António Manuel Silva Ferreira UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA asfe@di.fc.ul.pt Sumário Linguagem PL/SQL

Leia mais

FERRAMENTA DE APOIO A REESTRUTURAÇÃO DE CÓDIGO FONTE EM LINGUAGEM PL/SQL BASEADO EM PADRÕES DE LEGIBILIDADE

FERRAMENTA DE APOIO A REESTRUTURAÇÃO DE CÓDIGO FONTE EM LINGUAGEM PL/SQL BASEADO EM PADRÕES DE LEGIBILIDADE FERRAMENTA DE APOIO A REESTRUTURAÇÃO DE CÓDIGO FONTE EM LINGUAGEM PL/SQL BASEADO EM PADRÕES DE LEGIBILIDADE Formando: Dyckson Dyorgio Dolla Orientador: Prof. Everaldo Artur Grahl Julho / 2001 ROTEIRO DA

Leia mais

Tratamento de Exceções

Tratamento de Exceções Tratamento de Exceções Laboratório de Bases de Dados Tratamento de Exceções Exceções erros e imprevistos que podem ocorrer durante a execução de um bloco PL/SQL SGBD ao encontrar um erro ou um imprevisto,

Leia mais

BANCO DE DADOS: SQL. Edson Anibal de Macedo Reis Batista. 27 de janeiro de 2010

BANCO DE DADOS: SQL. Edson Anibal de Macedo Reis Batista. 27 de janeiro de 2010 BANCO DE DADOS: SQL UERN - Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Departamento de Ciências da Computação. 27 de janeiro de 2010 índice 1 Introdução 2 3 Introdução SQL - Structured Query Language

Leia mais

Acadêmica: Giselle Mafra Schlosser Orientador: Everaldo Artur Grahl

Acadêmica: Giselle Mafra Schlosser Orientador: Everaldo Artur Grahl AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO CÓDIGO FONTE ESCRITO EM PL/SQL Acadêmica: Giselle Mafra Schlosser Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro Introdução Objetivos do trabalho Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

PROGRAMAÇÃO EM BANCO DADOS Store Procedure e Trigger

PROGRAMAÇÃO EM BANCO DADOS Store Procedure e Trigger PROGRAMAÇÃO EM BANCO DADOS Store Procedure e Trigger a tecnologia de banco de dados permite persistir dados de forma a compartilha-los com varias aplicações. Aplicação 1 aplicação 2 aplicação 3 SGDB Banco

Leia mais

Laboratório de Banco de Dados Prof. Luiz Vivacqua. PL/pgSQL A Linguagem de programação do PostgreSQL

Laboratório de Banco de Dados Prof. Luiz Vivacqua. PL/pgSQL A Linguagem de programação do PostgreSQL Laboratório de Banco de Dados Prof. Luiz Vivacqua PL/pgSQL A Linguagem de programação do PostgreSQL 1) Visão Geral A PL/pgSQL é uma linguagem de programação procedural para o Sistema Gerenciador de Banco

Leia mais

São 182 videoaulas de Oracle pl/sql procedures functions triggers Forms Reports

São 182 videoaulas de Oracle pl/sql procedures functions triggers Forms Reports Preço R$ 129.00 Compre aqui São 182 videoaulas de Oracle pl/sql procedures functions triggers Forms Reports - Clique aqui para ver o cronograma das aulas - Clique aqui para ver as imagens deste curso -

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Rules and Triggers André Restivo Sistemas de Informação 2006/07 Rules e Triggers Nem todas as restrições podem ser definidas usando os mecanismos que estudamos anteriormente: - CHECK

Leia mais

CONFIGURAÇÃO PARA ENVIO DE E-MAIL

CONFIGURAÇÃO PARA ENVIO DE E-MAIL CONFIGURAÇÃO PARA ENVIO DE E-MAIL RMS Software S.A. - Uma Empresa TOTVS Todos os direitos reservados. A RMS Software é a maior fornecedora nacional de software de gestão corporativa para o mercado de comércio

Leia mais

Projeto de Banco de Dados

Projeto de Banco de Dados Projeto de Banco de Dados Prof. Marcelo Siedler Objetivos do documento: Apresentar os conceitos de stored procedutes e funções. Exercícios. Referência: http://dev.mysql.com/doc/refman/4.1/pt/stored-procedures.html

Leia mais

Triggers e mais... Instituto Militar de Engenharia IME 1o. Semestre/2005 Triggers Propósito mais amplo que restrições Restrições onde se explicita o evento Regras event-condition-action (ECA) Eventos:

Leia mais

BANCO DE DADOS II Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

BANCO DE DADOS II Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 11-1. INTRODUÇÃO TRIGGERS (GATILHOS OU AUTOMATISMOS) Desenvolver uma aplicação para gerenciar os dados significa criar uma aplicação que faça o controle sobre todo ambiente desde a interface, passando

Leia mais

Persistência de Classes em Tabelas de Banco de Dados

Persistência de Classes em Tabelas de Banco de Dados UTFPR DAELN - Disciplina de Fundamentos de Programação II ( IF62C ). 1 Persistência de Classes em Tabelas de Banco de Dados 1) Introdução! Em algumas situações, pode ser necessário preservar os objetos

Leia mais

Guia de informações sobre os pré-requisitos para implantação do sistema Varuna

Guia de informações sobre os pré-requisitos para implantação do sistema Varuna Guia de informações sobre os pré-requisitos para implantação do sistema Varuna Varuna Tecnologia Ltda. Av. Antônio Olímpio de Morais, 545 - Sala 1305. Centro. Divinópolis, MG. suporte@varuna.com.br 37

Leia mais

Auditoria de sistemas Deixe que seu banco de dados faça o trabalho por você

Auditoria de sistemas Deixe que seu banco de dados faça o trabalho por você Auditoria de sistemas Deixe que seu banco de dados faça o trabalho por você por Cristóferson Guimarães Magalhães Bueno e Odilon Corrêa da Silva 1 O objetivo deste artigo é demonstrar como criar um sistema

Leia mais

FAPLAN - Faculdade Anhanguera Passo Fundo Gestão da Tecnologia da Informação Banco de Dados II Prof. Eder Pazinatto Stored Procedures Procedimento armazenados dentro do banco de dados Um Stored Procedure

Leia mais

Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br

Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br 1. Abordagem geral Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br Em primeiro plano, deve-se escolher com qual banco de dados iremos trabalhar. Cada banco possui suas vantagens,

Leia mais

CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS

CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE MODERNIZAÇÃO E INFORMÁTICA CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS MANUAL

Leia mais

AULA APLICAÇÕES PARA WEB SESSÕES E LOGIN E SENHA

AULA APLICAÇÕES PARA WEB SESSÕES E LOGIN E SENHA Sumário Construção de sistema Administrativo... 1 Sistema de Login... 2 SQL INJECTION... 2 Técnicas para Evitar Ataques... 2 Formulário de Login e Senha fará parte do DEFAULT... 5 LOGAR... 5 boas... 6

Leia mais

Bancos de Dados I. Integridade semântica

Bancos de Dados I. Integridade semântica Bancos de Dados I PUC-Rio Departamento de Informática (DI) Eng./Ciência da Computação e Sist. Informação Contrôle de Integridade em SGBDs: procedimentos armazenados, gatilhos e funções Prof. sergio@inf.puc-rio.br

Leia mais

ORACLE 11 G INTRODUÇÃO AO ORACLE, SQL,PL/SQL. Carga horária: 32 Horas

ORACLE 11 G INTRODUÇÃO AO ORACLE, SQL,PL/SQL. Carga horária: 32 Horas ORACLE 11 G INTRODUÇÃO AO ORACLE, SQL,PL/SQL Carga horária: 32 Horas Pré-requisito: Para que os alunos possam aproveitar este treinamento ao máximo, é importante que eles tenham participado dos treinamentos

Leia mais

Manual do Sistema de Notificação 1

Manual do Sistema de Notificação 1 Manual do Sistema de Notificação 1 AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Nenhuma parte desta publicação

Leia mais

Índice: Nitgen do Brasil www.nitgen.com.br

Índice: Nitgen do Brasil www.nitgen.com.br Índice: CAPÍTULO 3. PROGRAMAÇÃO EM DELPHI...2 3.1 INICIALIZANDO E FECHANDO O MÓDULO...2 3.1.1 Inicializando o módulo...2 3.1.2 Fechar o módulo após o uso...2 3.2 RELACIONANDO OS SENSORES NA PROGRAMAÇÃO...2

Leia mais

Guia de conceitos básicos API Version 2010-01-01

Guia de conceitos básicos API Version 2010-01-01 : Guia de conceitos básicos Copyright 2011 Amazon Web Services LLC ou suas afiliadas. Todos os direitos reservados. Conceitos básicos do Amazon RDS... 1 Cadastre-se no Amazon RDS... 2 Inicie uma instância

Leia mais

Arquitetura de BDs Distribuídos. Victor Amorim - vhca Pedro Melo pam2

Arquitetura de BDs Distribuídos. Victor Amorim - vhca Pedro Melo pam2 Victor Amorim - vhca Pedro Melo pam2 Arquitetura de BDs Distribuídos Sistemas de bds distribuídos permitem que aplicações acessem dados de bds locais ou remotos. Podem ser Homogêneos ou Heterogêneos: Homogêneos

Leia mais

Create Sequence Cria uma sequence. Uma sequence é um objeto que permite vários usuários gerarem valores inteiros sem repetição.

Create Sequence Cria uma sequence. Uma sequence é um objeto que permite vários usuários gerarem valores inteiros sem repetição. Conceitos PL/Sql Create Sequence Cria uma sequence. Uma sequence é um objeto que permite vários usuários gerarem valores inteiros sem repetição. Sintaxe CREATE SEQUENCE [schema.]sequence [INCREMENT BY

Leia mais

PAV - PORTAL DO AGENTE DE VENDAS AGL Versão 2.0.6. Manual de Instalação e Demonstração AGL Sistemas Corporativos

PAV - PORTAL DO AGENTE DE VENDAS AGL Versão 2.0.6. Manual de Instalação e Demonstração AGL Sistemas Corporativos PAV - PORTAL DO AGENTE DE VENDAS AGL Versão 2.0.6 Manual de Instalação e Demonstração AGL Sistemas Corporativos Add-on responsável pela integração do SAP Business One com o setor comercial através da internet.

Leia mais

Utilizaremos a última versão estável do Joomla (Versão 2.5.4), lançada em

Utilizaremos a última versão estável do Joomla (Versão 2.5.4), lançada em 5 O Joomla: O Joomla (pronuncia-se djumla ) é um Sistema de gestão de conteúdos (Content Management System - CMS) desenvolvido a partir do CMS Mambo. É desenvolvido em PHP e pode ser executado no servidor

Leia mais

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1 Segurança na Web Capítulo 9: Segurança em Aplicações Web Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW Page 1 Introdução Quando se fala em segurança na WEB é preciso pensar inicialmente em duas frentes:

Leia mais

Bool setcookie (string nome [, string valor [, int validade [, string caminho [, string dominio [, int seguro]]]]] )

Bool setcookie (string nome [, string valor [, int validade [, string caminho [, string dominio [, int seguro]]]]] ) Disciplina: Tópicos Especiais em TI PHP Este material foi produzido com base nos livros e documentos citados abaixo, que possuem direitos autorais sobre o conteúdo. Favor adquiri-los para dar continuidade

Leia mais

Boletim Técnico. : 05/08/2013 Data da revisão : 16/10/13 Banco(s) de Dados

Boletim Técnico. : 05/08/2013 Data da revisão : 16/10/13 Banco(s) de Dados EXECUÇÃO DE RELATÓRIOS DO BIRT POR MEIO DO CRM Produto : Datasul CRM versão 11.5.8 Chamado : Data da criação País(es) : Brasil : 05/08/2013 Data da revisão : 16/10/13 Banco(s) de Dados Projeto D_CRM001

Leia mais

O que é uma sessão. maneira de preservar dados através de acessos subsequentes.

O que é uma sessão. maneira de preservar dados através de acessos subsequentes. Sessões em PHP O que é uma sessão Suporte a sessões no PHP: maneira de preservar dados através de acessos subsequentes. Características: permite a criação de aplicações mais personalizadas; permite que

Leia mais

Cada banco de dados Oracle possui uma lista de usuários válidos, identificados por USERNAMES.

Cada banco de dados Oracle possui uma lista de usuários válidos, identificados por USERNAMES. SEGURANÇA DE USUÁRIOS Cada banco de dados Oracle possui uma lista de usuários válidos, identificados por USERNAMES. Todos os usuários são cadastrados no Dicionário de Dados do Banco em tabelas e views

Leia mais

Banco de Dados Avançados Banco de Dados Ativo

Banco de Dados Avançados Banco de Dados Ativo Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Banco de Dados Avançados Banco de Dados Ativo Equipe: Felipe Cavalcante Fernando Kakimoto Marcos Corrêa Sumário 1. Mini-Mundo... 3 1.1 Entidades...

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração do SQL Express

Manual de Instalação e Configuração do SQL Express Manual de Instalação e Configuração do SQL Express Data alteração: 19/07/11 Pré Requisitos: Acesse o seguinte endereço e faça o download gratuito do SQL SRVER EXPRESS, conforme a sua plataforma x32 ou

Leia mais

P redigl o bal Pesquisa de Imóveis D o c u m e n t o d e I m p l e m e n t a ç ã o d e M ó d u l o s

P redigl o bal Pesquisa de Imóveis D o c u m e n t o d e I m p l e m e n t a ç ã o d e M ó d u l o s de Adicionar Imóveis Arquitectura de dados Este módulo manipula a tabela Imóveis que se encontra na Base de Dados e faz inserções dos respectivos dados sob a mesma: Elabo ra do por: Verificad o po r: Apro

Leia mais

Triggers. um trigger permite que uma determinada sequência de comandos SQL seja accionada quando um determinado evento ocorre.

Triggers. um trigger permite que uma determinada sequência de comandos SQL seja accionada quando um determinado evento ocorre. Triggers um trigger permite que uma determinada sequência de comandos SQL seja accionada quando um determinado evento ocorre. o evento pode ser INSERT, UPDATE, ou DELETE. o trigger pode ser accionado imediatamente

Leia mais

Manual Dashboard XD. (Versão 0.91 Beta)

Manual Dashboard XD. (Versão 0.91 Beta) Manual Dashboard XD (Versão 0.91 Beta) Conteúdo Introdução... 3 Registo e ativação... 4 Login... 5 Menu Principal... 6 Configuração de servidores... 7 Visualizar Gráficos... 8 Personalização dos gráficos

Leia mais

PL/SQL Developer. Solução para Ambiente de Desenvolvimento Integrado Oracle

PL/SQL Developer. Solução para Ambiente de Desenvolvimento Integrado Oracle Solução para Ambiente de Desenvolvimento Integrado Oracle PL/SQL Developer é um ambiente de desenvolvimento integrado (IDE) que foi especialmente destinado ao desenvolvimento de programas armazenados em

Leia mais

Triggers e Regras. Fernando Lobo. Base de Dados, Universidade do Algarve

Triggers e Regras. Fernando Lobo. Base de Dados, Universidade do Algarve Triggers e Regras Fernando Lobo Base de Dados, Universidade do Algarve 1 / 14 Triggers Um trigger permite que uma determinada sequência de comandos SQL seja accionada quando um determinado evento ocorre.

Leia mais

PostgreSQL. www.postgresql.org. André Luiz Fortunato da Silva Analista de Sistemas CIRP / USP alf@cirp.usp.br

PostgreSQL. www.postgresql.org. André Luiz Fortunato da Silva Analista de Sistemas CIRP / USP alf@cirp.usp.br PostgreSQL www.postgresql.org André Luiz Fortunato da Silva Analista de Sistemas CIRP / USP alf@cirp.usp.br Características Licença BSD (aberto, permite uso comercial) Multi-plataforma (Unix, GNU/Linux,

Leia mais

enbsp - NBioBSP NITGEN Biometric Service Provider SDK Manual do Desenvolvedor SDK version 4.xx

enbsp - NBioBSP NITGEN Biometric Service Provider SDK Manual do Desenvolvedor SDK version 4.xx Índice: CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO... 3 Módulo NBioBSP COM... 3 Módulo NBioBSP Class Library... 3 Módulo Data Conversion... 3 Módulo Image Conversion... 3 1.1 CARACTERÍSTICAS... 4 Interface Gráfica para o

Leia mais

Introdução ao Windows Server System. José Carlos Libardi Junior

Introdução ao Windows Server System. José Carlos Libardi Junior Introdução ao Windows Server System José Carlos Libardi Junior Computer Roles Grupo de Trabalho X Domínio O que é Active Directory Termos do Active Directory Tópicos Principais Um computador com o Windows

Leia mais

Documento de Configuração PB: Gerador de Relatórios (PB)

Documento de Configuração PB: Gerador de Relatórios (PB) Documento de Configuração PB: Gerador de Relatórios (PB) 20/05/2012 SUMÁRIO 1 GERAREL VISÃO GERAL... 3 2 PASSO 1: INSTALADORES NECESSÁRIOS... 3 3 PASSO 2: REGISTRO DOS MÓDULOS DO GERAREL NO WINDOWS....

Leia mais

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 2

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 2 ABRIR CONEXÃO PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 2 Professor: Leonardo Pereira Email: leongamerti@gmail.com Facebook: leongamerti Material de Estudo: http://www.leonti.vv.si Antes de podermos acessar informações

Leia mais

Para criar uma procedure. Uma procedure é um grupo de comandos PL/SQL que realizam uma tarefa. OR REPLACE Recria a procedure se esta já existir.

Para criar uma procedure. Uma procedure é um grupo de comandos PL/SQL que realizam uma tarefa. OR REPLACE Recria a procedure se esta já existir. GERENCIANDO DADOS E CONCORRÊNCIA Pl/SQL PL/SQL significa "Procedural Language extensions to SQL". O PL/SQL pode ser usado em bancos de dados Oracle, no Oracle Server, em ferramentas clientes, isto é, Oracle

Leia mais

DESENVOLVENDO SOLUÇÕES COM VISUAL FOXPRO 8 E 9

DESENVOLVENDO SOLUÇÕES COM VISUAL FOXPRO 8 E 9 DESENVOLVENDO SOLUÇÕES COM VISUAL FOXPRO 8 E 9 Í N D I C E Capítulo 1 - O Início de Tudo 1 Reunindo todas as informações necessárias 2 Instalando o Visual FoxPro 2 Configurando o Visual FoxPro 7 Capítulo

Leia mais

Autenticação de dois fatores no SonicOS

Autenticação de dois fatores no SonicOS Autenticação de dois fatores no SonicOS 1 Observações, cuidados e advertências OBSERVAÇÃO: uma OBSERVAÇÃO indica informações importantes que ajudam a usar seu sistema da melhor forma. CUIDADO: um CUIDADO

Leia mais

Banco de Dados Oracle 10g: Introdução à Linguagem SQL

Banco de Dados Oracle 10g: Introdução à Linguagem SQL Oracle University Entre em contato: 0800 891 6502 Banco de Dados Oracle 10g: Introdução à Linguagem SQL Duração: 5 Dias Objetivos do Curso Esta classe se aplica aos usuários do Banco de Dados Oracle8i,

Leia mais

Principais problemas em consultoria de banco de dados

Principais problemas em consultoria de banco de dados Principais problemas em consultoria de banco de dados Mauro Pichiliani http://imasters.uol.com.br/canal/bancodedados - 21/04/2008 Olá pessoal. Na coluna desta semana abordarei algumas situações críticas

Leia mais

Sophos SafeGuard Enterprise 6.00.1

Sophos SafeGuard Enterprise 6.00.1 Sophos SafeGuard Enterprise 6.00.1 Guia: Manual de instalação do Sophos SafeGuard Enterprise 6.00.1 Data do Documento: novembro de 2012 1 Conteúdo 1. Sobre este manual... 3 2. Requisitos de Sistema...

Leia mais

PL/pgSQL. Introdução. Introdução. Introdução

PL/pgSQL. Introdução. Introdução. Introdução Introdução PL/pgSQL Banco de Dados II Prof. Guilherme Tavares de Assis PL/pgSQL (Procedural Language for the PostgreSQL) é uma linguagem procedural carregável desenvolvida para o SGBD PostgreSQL, que possui

Leia mais

Histórico de revisões

Histórico de revisões Histórico de revisões Data Versão Descrição Autor 13/11/2009 1.0 Criação da primeira versão HEngholmJr CONTEÚDO Passos para a instalação do SQL Server O MS SQL Server Conceitos relacionais Bancos de dados

Leia mais

Kaspersky Endpoint Security e o gerenciamento. Migração e novidades

Kaspersky Endpoint Security e o gerenciamento. Migração e novidades Kaspersky Endpoint Security e o gerenciamento. Migração e novidades Treinamento técnico KL 202.10 Treinamento técnico KL 202.10 Kaspersky Endpoint Security e o gerenciamento. Migração e novidades Migração

Leia mais

Autenticação e Autorização

Autenticação e Autorização Autenticação e Autorização Introdução A segurança em aplicações corporativas está relacionada a diversos aspectos, tais como: autenticação, autorização e auditoria. A autenticação identifica quem acessa

Leia mais

MANUAL AGENDADOR DE TAREFAS LOGIX

MANUAL AGENDADOR DE TAREFAS LOGIX Outubro 2011 rev. 01 MANUAL AGENDADOR DE TAREFAS LOGIX Elaboração: Rubens Dos Santos Filho Framework rubens.santos@totvs.com.br Objetivo Este documento tem como objetivo relatar a funcionalidade de agendamento

Leia mais

TeamViewer 9 Manual Management Console

TeamViewer 9 Manual Management Console TeamViewer 9 Manual Management Console Rev 9.2-07/2014 TeamViewer GmbH Jahnstraße 30 D-73037 Göppingen www.teamviewer.com Sumário 1 Sobre o TeamViewer Management Console... 4 1.1 Sobre o Management Console...

Leia mais

Interagindo com Banco de Dados

Interagindo com Banco de Dados Interagindo com Banco de Dados Até agora não falamos de banco de dados, pois gostaríamos prime iro de te preparar para o uso do banco de dados dentro do Framework MVC. Mas antes de falarmos do framework

Leia mais

BI Citsmart Fornece orientações necessárias para instalação, configuração e utilização do BI Citsmart.

BI Citsmart Fornece orientações necessárias para instalação, configuração e utilização do BI Citsmart. 16/08/2013 BI Citsmart Fornece orientações necessárias para instalação, configuração e utilização do BI Citsmart. Versão 1.0 19/12/2014 Visão Resumida Data Criação 19/12/2014 Versão Documento 1.0 Projeto

Leia mais

Página de Login. Manual para gestão de conteúdo no Portal da Ouvidoria do Senado Federal

Página de Login. Manual para gestão de conteúdo no Portal da Ouvidoria do Senado Federal Portal da Ouvidoria Manual Para Gestão de Conteúdo do Portal da Ouvidoria 2013 Página de Login a. Insira /login na url da ouvidoria http://www12hml:10002/senado/ouvidoria/login b. Preencha o seu nome de

Leia mais

Cadastramento de usuário. Acesse o site www.tefmatic.com.br. Clique no link Criar uma conta.

Cadastramento de usuário. Acesse o site www.tefmatic.com.br. Clique no link Criar uma conta. 1 Tutorial Tefmatic. Index: Cadastro de usuário no site Pag. 02 Cadastro de empresa parceira Pag. 04 Cadastro de clientes Pag. 05 Abertura de chamado técnico - Pag. 06 Impressão de boletos segunda via.

Leia mais

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Aula 3 Cap. 4 Trabalhando com Banco de Dados Prof.: Marcelo Ferreira Ortega Introdução O trabalho com banco de dados utilizando o NetBeans se desenvolveu ao longo

Leia mais

Flaviano José Angeli. Orientador: Dalton Solano dos Reis

Flaviano José Angeli. Orientador: Dalton Solano dos Reis SISTEMA DE MUNDO VIRTUAL PARA RELACIONAMENTO COM PARTICIPANTES DO INTERAÇÃO FURB Flaviano José Angeli Orientador: Dalton Solano dos Reis Roteiro Introdução; Objetivos do trabalho; Fundamentação teórica;

Leia mais

Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Cookies e Sessões. Prof. MSc. Hugo Souza

Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Cookies e Sessões. Prof. MSc. Hugo Souza Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Cookies e Sessões Prof. MSc. Hugo Souza Se você precisar manter informações sobre seus usuários enquanto eles navegam pelo seu site, ou até quando eles saem

Leia mais

Armazenamento organizado facilitando SCRUD; Agiliza processo de desenvolvimento de sistemas;

Armazenamento organizado facilitando SCRUD; Agiliza processo de desenvolvimento de sistemas; Conjunto de informações relacionadas entre si; Armazenamento organizado facilitando SCRUD; Agiliza processo de desenvolvimento de sistemas; Conjunto de Tabelas onde cada linha é um vetor de dados específico;

Leia mais

Tarifação ON-LINE Sistema de Tarifação Telefônica V. 6.0 GUIA DE INSTALAÇÃO COLETOR

Tarifação ON-LINE Sistema de Tarifação Telefônica V. 6.0 GUIA DE INSTALAÇÃO COLETOR Tarifação ON-LINE Sistema de Tarifação Telefônica V. 6.0 GUIA DE INSTALAÇÃO COLETOR Net Manager Informática Ltda Versão 6.0 1998-2007 1) Instalação do Software Coletor Guia de Instalação Executar o programa

Leia mais

Manual QuotServ Todos os direitos reservados 2006/2007

Manual QuotServ Todos os direitos reservados 2006/2007 Todos os direitos reservados 2006/2007 Índice 1. Descrição 3 2. Instalação 3 3. Configurações 4 4. Usando arquivo texto delimitado 5 5. Usando arquivo texto com posições fixas 7 6. Usando uma conexão MySQL

Leia mais

LOJA ELETRÔNICA MANUAL DE INSTALAÇÃO

LOJA ELETRÔNICA MANUAL DE INSTALAÇÃO LOJA ELETRÔNICA MANUAL DE INSTALAÇÃO RMS Software S.A. - Uma Empresa TOTVS Todos os direitos reservados. A RMS Software é a maior fornecedora nacional de software de gestão corporativa para o mercado de

Leia mais

Configuração e Parametrização

Configuração e Parametrização Fornece as orientações sobre a configuração e parametrização do sistema, a fim de promover a utilização do mesmo com eficiência e confiabilidade. Versão 2.8 19/01/2015 Visão Resumida Data Criação 19/01/2015

Leia mais

PHP e MySQL Autenticação de Usuários

PHP e MySQL Autenticação de Usuários PHP e MySQL Autenticação de Usuários Programação de Servidores Marx Gomes Van der Linden http://marx.vanderlinden.com.br/ Controle de Acesso A maioria das aplicações web envolve em algum ponto um mecanismo

Leia mais

MULTIACERVO - VERSÃO 17.*

MULTIACERVO - VERSÃO 17.* MULTIACERVO - VERSÃO 17.* MANUAL PARA CONVERSÃO DA VERSÃO 16.* PARA 17.* CONTEÚDO: A) Procedimentos comuns para todas as arquiteturas B) Procedimentos exclusivos arquitetura Cliente/Servidor MS-SQL-SERVER

Leia mais

Segurança de Acesso a Banco de Dados no MS SQL Server

Segurança de Acesso a Banco de Dados no MS SQL Server Segurança de Acesso a Banco de Dados no MS SQL Server Para efetuar com sucesso os exemplos que serão mostrados a seguir é necessário que exista no SQL Server uma pessoa que se conecte como Administrador,

Leia mais

UTILIZANDO CÓDIGO JAVA EM BANCO DE DADOS ORACLE

UTILIZANDO CÓDIGO JAVA EM BANCO DE DADOS ORACLE bd oracle_ UTILIZANDO CÓDIGO JAVA EM BANCO DE DADOS ORACLE Como criar procedimentos e funções em banco de dados Oracle utilizando Java O SGBD (Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados) da Oracle possui,

Leia mais

Relatório. Projecto de Base de Dados Parte 2. Turno: quinta-feira, 11:30 Grupo 25: André Gonçalves 64027 Rui Barradas 68239 Hélton Miranda 68477

Relatório. Projecto de Base de Dados Parte 2. Turno: quinta-feira, 11:30 Grupo 25: André Gonçalves 64027 Rui Barradas 68239 Hélton Miranda 68477 Relatório Projecto de Base de Dados Parte 2 Turno: quinta-feira, 11:30 Grupo 25: André Gonçalves 64027 Rui Barradas 68239 Hélton Miranda 68477 1. Criação da base de dados De seguida vem escrito um script

Leia mais

Sumário Agradecimentos... 19 Sobre.o.autor... 20 Prefácio... 21 Capítulo.1..Bem-vindo.ao.MySQL... 22

Sumário Agradecimentos... 19 Sobre.o.autor... 20 Prefácio... 21 Capítulo.1..Bem-vindo.ao.MySQL... 22 Sumário Agradecimentos... 19 Sobre o autor... 20 Prefácio... 21 Capítulo 1 Bem-vindo ao MySQL... 22 1.1 O que é o MySQL?...22 1.1.1 História do MySQL...23 1.1.2 Licença de uso...23 1.2 Utilizações recomendadas...24

Leia mais

Integridade dos Dados

Integridade dos Dados 1 Integridade dos Dados Integridade dos Dados Melissa Lemos melissa@inf.puc-rio.br A integridade dos dados é feita através de restrições, que são condições obrigatórias impostas pelo modelo. Restrições

Leia mais

ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES II PROFESSOR RAFAEL BARRETO

ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES II PROFESSOR RAFAEL BARRETO ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES II PROFESSOR RAFAEL BARRETO DELPHI CRIANDO UMA AUTENTICAÇÃO DE USUÁRIO UTILIZANDO O COMPONENTE QUERY A autenticação de usuários serve para

Leia mais

Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011

Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Edição 4 O Componente Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus Ano: 03/2011

Leia mais

Kerio Exchange Migration Tool

Kerio Exchange Migration Tool Kerio Exchange Migration Tool Versão: 7.3 2012 Kerio Technologies, Inc. Todos os direitos reservados. 1 Introdução Documento fornece orientações para a migração de contas de usuário e as pastas públicas

Leia mais

Propriedades do Sistema Foundation Saúde

Propriedades do Sistema Foundation Saúde Julho 2014 Índice Título do documento 1. Propriedades do Sistema Foundation Saúde... 4 2 Versão 1.0 Atenção: Copyright 2013 TOTVS. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste documento pode ser copiada,

Leia mais

Tutorial - Programando com o MIOLO

Tutorial - Programando com o MIOLO Tutorial - Programando com o MIOLO Conceitos Básicos Antes de iniciar a programação com o Miolo é fundamental compreender alguns conceitos básicos: - Uma aplicação no Miolo é constituída de um ou mais

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa CPD - Central de Processamento de Dados Divisão de Desenvolvimento de Sistemas

Universidade Federal de Viçosa CPD - Central de Processamento de Dados Divisão de Desenvolvimento de Sistemas Universidade Federal de Viçosa CPD - Central de Processamento de Dados Divisão de Desenvolvimento de Sistemas Manual de padrões e convenções para desenvolvimento de sistemas PHP Versão Conteúdo 1.

Leia mais

PostgreSQL o SGBD das 1001 linguagens Diogo Biazus diogob@gmail.com

PostgreSQL o SGBD das 1001 linguagens Diogo Biazus diogob@gmail.com PostgreSQL o SGBD das 1001 linguagens Diogo Biazus diogob@gmail.com Um dos grandes diferenciais do PostgreSQL em relação à maioria dos outros sistemas de bancos de dados é a presença de diversas linguagens

Leia mais

5 O Joomla: Web Apache Banco de Dados MySQL http://www.joomla.org/ - 55 -

5 O Joomla: Web Apache Banco de Dados MySQL http://www.joomla.org/ - 55 - 5 O Joomla: O Joomla (pronuncia-se djumla ) é um Sistema de Gestão de Conteúdos (Content Management System - CMS) desenvolvido a partir do CMS Mambo. É desenvolvido em PHP e pode ser executado no servidor

Leia mais

Rotina de Discovery e Inventário

Rotina de Discovery e Inventário 16/08/2013 Rotina de Discovery e Inventário Fornece orientações necessárias para testar a rotina de Discovery e Inventário. Versão 1.0 01/12/2014 Visão Resumida Data Criação 01/12/2014 Versão Documento

Leia mais

Portal nddcargo 4.1.5.0 Manual de Utilização Call Center Visão Administrador

Portal nddcargo 4.1.5.0 Manual de Utilização Call Center Visão Administrador Portal nddcargo 4.1.5.0 Manual de Utilização Call Center Visão Administrador Histórico de alterações Data Versão Autor Descrição 23/11/2012 1 Criação do documento. 2 1. Introdução... 4 2. Funcionalidades

Leia mais