Tecido: comunidade organizada de células. estabelecimento de interações

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tecido: comunidade organizada de células. estabelecimento de interações"

Transcrição

1 Tecido: comunidade organizada de células estabelecimento de interações moléculas de adesão permitem que as células mantenham o contato umas com as outras e com componentes da matriz extracelular

2 Interações célula-célula: homofílicas e heterofílicas

3 ligação dependente de Ca+² caderinas selectinas Membrana plasmática cateninas

4 Superfamília das Igs CAM (Cell Adhesion Molecule)

5 Integrinas: interagem com o citoesqueleto e matriz extracelular

6 as células são dotadas de estruturas juncionais especializadas Junções de oclusão Junções de ancoramento Junções comunicantes

7 As junções celulares são particularmente abundantes nos epitélios mesentério corado por impregnação pela prata

8 Junções Celulares determinam características comuns a todos os epitélios epitélios apresentam as células justapostas e unidas umas as outras, com pouca matriz extracelular epitélios são polarizados

9 O complexo juncional na superfície lateral das células epiteliais Complexo Juncional Zona de Oclusão Zona de Adesão Junção Comunicante Desmossomo

10 porção apical do epitélio lumen Zona de oclusão zona de oclusão microscopia eletrônica de varredura (criofratura)

11 Modelo de junção de oclusão (junção compacta)

12 Junções de oclusão selam a passagem entre as células - impedem o extravasamento de moléculas entre as células - regulam o fluxo paracelular Proteínas marcadoras Junções compactas Molécula traçadora adicionada no lumen intestinal Molécula traçadora aplicada na região basolateral do epitelio

13 Mantêm as diferenças nas composições moleculares das regiões apical e basolateral das membranas plasmáticas junções oclusivas contribuem para a polaridade celular

14 especializações na porção apical da célula epitelial Glicocalice Glicocálice microvilosidadess microvilosidades porção apical de duas células do epitélio de revestimento do intestino corte longitudinal observado por microscopia eletrônica de transmissão

15 especializações na porção apical da célula epitelial Microscopia eletrônica: corte transversal de microvilos do epitélio intestinal

16 microfilamento actina espectrina: liga os microfilamentos de actina microfilamentos de actina

17 Estereocílios: microvilos longos e ramificados Epitélio do epidídimo

18 especializações na porção apical da célula epitelial superfície das células epiteliais da trompa uterina microscopia eletrônica de varredura

19 Cílio nove duplas de microtúbulos circundando um par central duplas estão conectadas por um braço de dineína duplas conectadas com o par central por nexin corpúsculo basal

20 especializações na superfície lateral da célula epitelial Junções via caderinas: junção aderente e desmossomo Desmocolin

21 Junção aderente: ligação célula-célula no epitélio formam um cinto de adesão imediatamente abaixo da zona de oclusão α, β, g E-caderinas (adaptadoras) cinto de adesão Promovem a polaridade da célula: regulam a formação das junções do complexo juncional Coordenam a atividade motora baseada em actina entre as células adjacentes. Importantes nos processos de morfogênese e remodelagem de tecidos e orgãos Promovem balanço entre proliferação e diferenciação regulando disponibilidade de fatores nucleares (catenina β: co-fator transcricional)

22 Desmossomo: importante para a estabilidade do tecido no epitélio os filamentos intermediários são formados por queratina conectam o citoesqueleto de queratina das células do epitélio: atribuem ao tecido resistência a forças de tração

23 Junções comunicantes: permitem a troca de íons e pequenas moléculas entre as células ø 1,5 nm microscopia eletronica íons inorgânicos açúcares vitaminas nucleotídeos AMPc ATP

24 Junções comunicantes: estrutura molecular constituidas por proteínas formadoras de canais 6 conexinas formam um conexon 2 conexons de células adjacentes em registro formam um canal

25 porção basal da célula epitelial ancora-se na membrana basal Visível em Microscopia Eletrônica coloração por PAS (ácido periódico e Schiff) Membrana basal = lâmina basal+lamina reticular 1) Glicoproteínas: proteínas com cadeias laterais de oligossacarídeos curtos 2) Proteoglicanas: polissacarídeos de cadeia longa (GAG) ligados covalentemente a um eixo proteico específico

26 porção basal do epitélio lâmina basal lâmina reticular microscopia eletrônica de transmissão

27 células do epitélio células do epitélio Lâmina Basal Matriz extracelular fibras do conjuntivo microscopia eletrônica de varredura

28 A laminina é o principal componente da lâmina basal ligante de integrina

29 lâmina basal Colágeno Tipo IV

30 Modelo da estrutura molecular da lâmina basal

31 A fibronectina liga-se diretamente à integrina e interage com componentes da membrana basal A seqüência RGD: responsável pela interação direta da fibronectina com a integrina

32 Junções via integrinas ligam a célula a matriz extracelular adesão focal hemidesmossomo

33 Hemidesmossomos: atribuem resistência a força de tração célula lâmina basal microscopia eletrônica Liga o citoesqueleto de queratina com a lâmina basal Atribue resistência a força de tração

34 Adesões focais: adesão a matriz extracelular e sinalização fibronectina Por intermédio de integrinas ligam a matriz extracelular ao citoesqueleto de actina Complexo de adaptadoras (talina, vinculina, paxilin, α-actinina) - nucleadoras de filamentos de actina - participam da transdução de sinal celular, iniciando vias de sinalização em resposta a novos contatos de adesão - envolvidas no controle de: migração, proliferação, diferenciação celular

35 Adesões Focais Vistas ao Microscópio focos alaranjados na extremidade das fibras de estresse (microfilamentos de actina) devido a sobreposição da marcação de vinculina (vermelho) e da actina (verde) fibra de estresse microscopia de fluorescência núcleo em azul

36 Histologia e Biologia Celular tradução da 3ª Ed. Autor: Abraham Kierszenbaum Editora: Elsevier Brasil Histologia Básica - 11ª Ed. Autor: Junqueira, L. C.; Carneiro, José Editora: Guanabara Koogan Atlas Colorido de Histologia - 5ª Ed. Autor: Hans Gartner Editora: Guanabara Koogan

Moléculas de Adesão, Junção Celular e Matrix Extracelular (Aula 3)

Moléculas de Adesão, Junção Celular e Matrix Extracelular (Aula 3) UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE SETOR DE GENÉTICA E BIOLOGIA MOLECULAR Moléculas de Adesão, Junção Celular e Matrix Extracelular (Aula 3) Profa. Dra. Nívea Macedo

Leia mais

Membrana celular: Especializações

Membrana celular: Especializações Especializações de membrana 1) Aumento de superfície 2) Junções intercelulares 1 1) Aumento de superfície Microvilosidades: presentes em muitos tipos celulares; nos mamíferos são mais bem estudadas em

Leia mais

HISTOLOGIA TECIDOS BÁSICOS: TECIDO EPITELIAL DE REVESTIMENTO TECIDO EPITELIAL GLANDULAR

HISTOLOGIA TECIDOS BÁSICOS: TECIDO EPITELIAL DE REVESTIMENTO TECIDO EPITELIAL GLANDULAR HISTOLOGIA TECIDOS BÁSICOS: TECIDO EPITELIAL DE REVESTIMENTO TECIDO EPITELIAL GLANDULAR TECIDO CONJUNTIVO PROPRIAMENTE DITO TECIDO CONJUNTIVO DE PROPRIEDADES ESPECIAIS TECIDO CONJUNTIVO ESPECIALIZADO TECIDO

Leia mais

Junções celulares 2: Junções ancoradouras e junções comunicantes

Junções celulares 2: Junções ancoradouras e junções comunicantes Junções celulares 2: Junções ancoradouras e junções comunicantes A U L A 6 objetivos Ao final desta aula, você deverá ser capaz de: Relacionar estrutura e função das junções ancoradouras. Relacionar estrutura

Leia mais

Membranas biológicas. Profa Estela Rossetto

Membranas biológicas. Profa Estela Rossetto Membranas biológicas Profa Estela Rossetto Membranas Biológicas Delimitam e permitem trocas entre compartimentos http://www.accessexcellence.org/rc/vl/gg/pmembranes.html Composição e Estrutura Lipídios

Leia mais

MORFOLOGIA CELULAR. Dra. MARIA RAQUEL MARÇAL NATALI HISTOLOGIA/DCM 2009

MORFOLOGIA CELULAR. Dra. MARIA RAQUEL MARÇAL NATALI HISTOLOGIA/DCM 2009 MORFOLOGIA CELULAR Dra. MARIA RAQUEL MARÇAL NATALI HISTOLOGIA/DCM 2009 A MORFOLOGIA CELULAR DENOTA SUA FISIOLOGIA. ISSO SIGNIFICA QUE OBSERVANDO O TIPO, TAMANHO, QUANTIDADE E DISPOSIÇÃO DAS ORGANELAS E

Leia mais

Histofisiologia Tecido epitelial

Histofisiologia Tecido epitelial Histofisiologia Tecido epitelial Profª Marília Scopel Andrighetti Origem ectoderma: epiderme, epitélios do nariz, boca e glândulas sebácea, mamária e salivar. mesoderma: endotélio (tecido que reveste os

Leia mais

Características do Tecido Epitelial

Características do Tecido Epitelial Tecido Epitelial Características do Tecido Epitelial É constituído por células geralmente poliédricas, intimamente justapostas, com pouca substância extracelular entre elas Estas células geralmente aderem

Leia mais

CITOLOGIA. Professora: Gilcele Berber

CITOLOGIA. Professora: Gilcele Berber CITOLOGIA Professora: Gilcele Berber CITOLOGIA A área da Biologia que estuda a célula, no que diz respeito à sua estrutura e funcionamento. Kytos (célula) + Logos (estudo) As células são as unidades funcionais

Leia mais

T e c i d o E p i t e l i a l

T e c i d o E p i t e l i a l Formas 1) Membranas de células c contínuas nuas (epitélios); Revestem as superfícies internas e externas; 2) Glândulas ndulas: : surgem a partir da invaginaçã ção das células c epiteliais; 3) Neuroepitélio

Leia mais

Dra. Maria Izabel Gallão. Matriz Extracelular

Dra. Maria Izabel Gallão. Matriz Extracelular Matriz Extracelular - a matriz extracelular (MEC) corresponde aos complexos macromoleculares relativamente estáveis, formados por moléculas de diferentes naturezas que são produzidas, exportadas e complexadas

Leia mais

Tecido conjuntivo. Células. Matriz Extracelular (MEC) Abundante

Tecido conjuntivo. Células. Matriz Extracelular (MEC) Abundante Células Tecido conjuntivo Matriz Extracelular (MEC) Abundante Tecido conjuntivo I Matriz Extracelular (MEC) Tipos de tecido conjuntivo Tecido conjuntivo II Células residentes Células transitórias Tecido

Leia mais

Universidade Federal de Roraima Centro de Ciências Agrárias Medicina Veterinária PLANO DE ENSINO

Universidade Federal de Roraima Centro de Ciências Agrárias Medicina Veterinária PLANO DE ENSINO Universidade Federal de Roraima Centro de Ciências Agrárias Medicina Veterinária PLANO DE ENSINO CRÉDITOS CÓDIGO DISCIPLINA CARGA HORÁRIA 6 VET 202 HISTOLOGIA VETERINÁRIA 90 horas PRÉ-REQUISITO CENTRO

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA DE ALUNOS E PORTADOR DE DIPLOMA DE GRADUAÇÃO PRIMEIRO SEMESTRE 2016 ANEXO III

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA DE ALUNOS E PORTADOR DE DIPLOMA DE GRADUAÇÃO PRIMEIRO SEMESTRE 2016 ANEXO III ANEXO III CURSOS: BIOMEDICINA, ENFERMAGEM, FISIOTERAPIA, NUTRIÇÃO E TERAPIA OCUPACIONAL ANATOMIA HUMANA I 1 Introdução ao Estudo da Anatomia Humana 2 Sistema Esquelético 3 Articulações ou Junturas 4 Sistema

Leia mais

Tecido epitelial Capítulo 2

Tecido epitelial Capítulo 2 Tecido epitelial Capítulo 2 1 INTRODUÇÃO As células, que são as menores unidades estruturais e funcionais dos seres vivos, agrupam-se em tecidos, e estes, por sua vez, em órgãos. Segundo as características

Leia mais

COMO SURGEM OS TECIDOS

COMO SURGEM OS TECIDOS TECIDO EPITELIAL COMO SURGEM OS TECIDOS Nos seres de reprodução sexuada, que constituem a maioria dos organismos, todas as células surgem a partir de uma única célula, a célula-ovo. Esta sofre divisões

Leia mais

Curso AGREGAÇÃO PLAQUETÁRIA. Nydia Strachman Bacal. Médica Hematologista Patologista Clínica

Curso AGREGAÇÃO PLAQUETÁRIA. Nydia Strachman Bacal. Médica Hematologista Patologista Clínica Curso AGREGAÇÃO PLAQUETÁRIA Nydia Strachman Bacal Médica Hematologista Patologista Clínica Morfologia plaquetária Hemostasia primária ria Métodos laboratoriais: diagnóstico classificação de disfunções

Leia mais

Proteínas de membrana

Proteínas de membrana Proteínas de membrana a u l a 8 OBJETIVOS Ao final desta aula, você deverá ser capaz de: Reconhecer as diferentes proteínas e carboidratos de membrana de acordo com: sua função (transporte, reconhecimento

Leia mais

CITOLOGIA CONHECENDO AS CÉLULAS

CITOLOGIA CONHECENDO AS CÉLULAS CITOLOGIA CONHECENDO AS CÉLULAS A história da Citologia Hans e Zaccharias Janssen- No ano de 1590 inventaram um pequeno aparelho de duas lentes que chamaram de microscópio. Robert Hooke (1635-1703)- Em

Leia mais

Cadeira de Biofísica Molecular. Capítulo 3. O músculo liso. Paula Tavares, FCUL (2012-2013) 1

Cadeira de Biofísica Molecular. Capítulo 3. O músculo liso. Paula Tavares, FCUL (2012-2013) 1 Cadeira de Biofísica Molecular Capítulo 3 O músculo liso Paula Tavares, FCUL (2012-2013) 1 Músculo Liso O músculo liso encontra-se nas paredes de vários órgãos e tubos do organismo, incluindo vasos sanguíneos,

Leia mais

TECIDO MUSCULAR CARACTERÍSTICAS

TECIDO MUSCULAR CARACTERÍSTICAS TECIDO MUSCULAR CARACTERÍSTICAS O tecido muscular é formado por células alongadas ricas em filamentos (miofibrilas), denominadas fibras musculares. Essas células tem origem mesodérmica e são muito especializadas

Leia mais

Tecido Muscular Capítulo 5

Tecido Muscular Capítulo 5 Tecido Muscular Capítulo 5 1 CARACTERÍSTICAS O tecido muscular possui células alongadas e ricas em filamentos contráteis. 2 FUNÇÕES esqueléticas, células musculares estriadas cardíacas ou células musculares

Leia mais

CAPÍTULO 6 TECIDO MUSCULAR

CAPÍTULO 6 TECIDO MUSCULAR CAPÍTULO 6 TECIDO MUSCULAR 1 Características Histológicas O tecido muscular é constituído por células alongadas que possuem grande quantidade de filamentos citoplasmáticos com proteínas contráteis. Esse

Leia mais

Célula Importância. Lentes objetivas Marcelo Francisco Pompelli Tela do computador. Estômato aberto e a câmara substomática.

Célula Importância. Lentes objetivas Marcelo Francisco Pompelli Tela do computador. Estômato aberto e a câmara substomática. UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE BOTÂNICA DISCIPLINA DE ECOFISIOLOGIA Célula Importância Microscopia óptica e eletrônica Todos os organismos são formados

Leia mais

03. Uma célula que perdeu grande quantidade de água só poderá se recuperar se colocada em solução

03. Uma célula que perdeu grande quantidade de água só poderá se recuperar se colocada em solução 03. Uma célula que perdeu grande quantidade de água só poderá se recuperar se colocada em solução 01. O esquema a seguir representa o modelo de organização molecular da membrana plasmática. (A) isotônica.

Leia mais

Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2013. www.tioronni.com

Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2013. www.tioronni.com Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2013. www.tioronni.com A TEORIA CELULAR As células foram descobertas em 1663 pelo inglês Robert Hooke. Ao examinar em um microscópio rudimentar,

Leia mais

Prof.: Ramon L. O. Junior 1

Prof.: Ramon L. O. Junior 1 CURSO: ENGENHARIA AMBIENTAL DISCIPLINA: BIOLOGIA UNIDADE II NOÇÕES DE MORFOLOGIA E FISIOLOGIA CELULAR Prof.: Ramon Lamar de Oliveira Junior TIPOS CELULARES CÉLULA PROCARIOTA X 1 a 2 micrômetros (mm) Ausência

Leia mais

Tecido Epitelial Glandular

Tecido Epitelial Glandular Tecido Epitelial Glandular Revestimento Glandular Tecido epitelial É constituído por células epiteliais especializadas na atividade de secreção As moléculas a serem secretadas são armazenadas em grânulos

Leia mais

Células procarióticas

Células procarióticas Pró Madá 1º ano Células procarióticas Citosol - composto por 80% de água e milhares de tipos de proteínas, glicídios, lipídios, aminoácidos, bases nitrogenadas, vitaminas, íons. Moléculas de DNA e ribossomos

Leia mais

MEMBRANA PLASMÁTICA PROFESSORA RENATA BASSANI

MEMBRANA PLASMÁTICA PROFESSORA RENATA BASSANI MEMBRANA PLASMÁTICA PROFESSORA RENATA BASSANI MEMBRANA PLASMÁTICA Funções Composição Química Propriedades Proteção Lipídeos Elasticidade Permeabilidade Seletiva Proteínas Regeneração MODELO ATUAL: MOSAICO

Leia mais

Histologia do Tecido Muscular

Histologia do Tecido Muscular Histologia do Tecido Muscular Vera Regina Andrade, 2014 Células ou fibras alongadas possuem proteínas contráteis Com capacidade de contração e distensão, proporcionando os movimentos corporais Três tipos

Leia mais

ANEXO 4 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE MEDICINA E CIRURGIA

ANEXO 4 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE MEDICINA E CIRURGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO: MEDICINA DEPARTAMENTO: DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS MORFOLÓGICAS DISCIPLINA: HISTOLOGIA I CARGA HORÁRIA: 120 HORAS CRÉDITOS: 06 CÓDIGO: SCM0024 PROFESSOR: JOÃO CARLOS DE SOUZA

Leia mais

Colégio Planeta EXERCICIOS DA PASCOA

Colégio Planeta EXERCICIOS DA PASCOA Colégio Planeta Prof.: Olívia Lista de Biologia Data: 16 / 04 / 2014 Aluno(a): Terceirão Turma: 01 - (UFJF MG) Analise as seguintes afirmativas sobre tecido epitelial: EXERCICIOS DA PASCOA Pascoa Turno:

Leia mais

Sinalização celular. Profa. Dra. Monica Akemi Sato

Sinalização celular. Profa. Dra. Monica Akemi Sato Sinalização celular Profa. Dra. Monica Akemi Sato Mensageiros Químicos Número de células Corpo Humano ~75 trilhões As células são especializadas na execução da função específica Ex: secreção ou contração.

Leia mais

Características: Células alongadas e grande quantidade de filamentos contráteis; Origem mesodérmica;

Características: Células alongadas e grande quantidade de filamentos contráteis; Origem mesodérmica; Características: Células alongadas e grande quantidade de filamentos contráteis; Origem mesodérmica; Características: Tipos: Músculo estriado esquelético; Músculo estriado cardíaco; Músculo liso; Músculo

Leia mais

Sistema Esquelético. Constituição: Ossos; Tendões; Ligamentos

Sistema Esquelético. Constituição: Ossos; Tendões; Ligamentos Sistema Esquelético Constituição: Ossos; Cartilagens; Tendões; Ligamentos Sistema Esquelético Funções: Suporte; Protecção; Movimento; Armazenamento; Produção de elementos sanguíneos. Sistema Esquelético

Leia mais

CITOPLASMA. Características gerais 21/03/2015. Algumas considerações importantes: 1. O CITOPLASMA DAS CÉLULAS PROCARIÓTICAS

CITOPLASMA. Características gerais 21/03/2015. Algumas considerações importantes: 1. O CITOPLASMA DAS CÉLULAS PROCARIÓTICAS CITOPLASMA Algumas considerações importantes: Apesar da diversidade, algumas células compartilham ao menos três características: Biologia e Histologia São dotadas de membrana plasmática; Contêm citoplasma

Leia mais

Tecido Conjuntivo. Tecido Conjuntivo

Tecido Conjuntivo. Tecido Conjuntivo Tecido Conjuntivo Tecido com diversos tipos de células c separadas por abundante material intercelular sintetizado por elas. - Origem: mesênquima (derivado do mesoderma); conjuntivo Coloração depende muito

Leia mais

HISTOLOGIA DO TECIDO EPITELIAL

HISTOLOGIA DO TECIDO EPITELIAL Histologia do Tecido Epitelial HISTOLOGIA DO TECIDO EPITELIAL Vera Regina Andrade, 2014 Introdução (os quatro tecidos básicos; o que é tecido; características gerais do tecido epitelial; origem Embrionária;

Leia mais

Aula3 TECIDO CONJUNTIVO. Shirlei Octacílio da Silva

Aula3 TECIDO CONJUNTIVO. Shirlei Octacílio da Silva Aula3 TECIDO CONJUNTIVO META Apresentar, de forma completa, porém didática, todos os elementos que formam o tecido conjuntivo, de forma que o aluno possa entender que as diferentes proporções destes elementos

Leia mais

ACERVO DIGITAL FASE II. Histologia do Sistema Respiratório

ACERVO DIGITAL FASE II. Histologia do Sistema Respiratório ACERVO DIGITAL FASE II Histologia do Sistema Respiratório I Material: Traquéia Técnica: Hematoxilina-Eosina Observação com aumento total de 40x: Neste campo microscópico é possível observar-se a mucosa

Leia mais

32. No que se refere aos componentes do citoesqueleto, uma complexa rede de proteínas que compõe o esqueleto celular, assinale a alternativa correta.

32. No que se refere aos componentes do citoesqueleto, uma complexa rede de proteínas que compõe o esqueleto celular, assinale a alternativa correta. BIOLOGIA CORREÇÃO PROVA PAPILO GOIÁS PROF. WAGNER BERTOLINI Prova tipo C. 31. Acerca das características que diferem células eucarióticas de células procarióticas, é correto afirmar que: (A) a compartimentalização

Leia mais

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR SARGENTO NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: 1ª TURMA(S):

Leia mais

ANATOMIA DO PERIODONTO

ANATOMIA DO PERIODONTO INAPÓS - Faculdade de Odontologia e Pós Graduação DISCIPLINA DE PERIODONTIA ANATOMIA DO PERIODONTO Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira http://lucinei.wikispaces.com 2012 PERIODONTO DE SUSTENTAÇÃO Ligamento

Leia mais

EXERCÄCIOS DE HISTOLOGIA. 1- (PUC-2006) Associe o tipo de tecido animal Å sua correlaçéo:

EXERCÄCIOS DE HISTOLOGIA. 1- (PUC-2006) Associe o tipo de tecido animal Å sua correlaçéo: EXERCÄCIOS DE HISTOLOGIA 1- (PUC-2006) Associe o tipo de tecido animal Å sua correlaçéo: 1) Tecido Ñsseo compacto 2) Tecido Ñsseo esponjoso 3) Cartilagem hialina 4) Cartilagem elöstica 5) Cartilagem fibrosa

Leia mais

Membrana celular. Natália Paludetto

Membrana celular. Natália Paludetto Membrana celular tália Paludetto Membrana celular, o que é? Fino revestimento (7 a 10nm) que envolve a célula. Tem capacidade de se regenerar, é descontínua pois apresenta poros, conduz eletricidade e

Leia mais

Carcinogênese, Biologia Tumoral e Marcadores Tumorais em Câncer de Cabeça e Pescoço

Carcinogênese, Biologia Tumoral e Marcadores Tumorais em Câncer de Cabeça e Pescoço Carcinogênese, Biologia Tumoral e Marcadores Tumorais em Câncer de Cabeça e Pescoço A P R E S E N T A D O R : S E L I N A L D O A M O R I M R E S I D E N T E D E C I R U R G I A D E C A B E Ç A E P E S

Leia mais

Professor Antônio Ruas

Professor Antônio Ruas Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: BIOLOGIA APLICADA Aula 3 Professor Antônio Ruas 1. Assuntos: Introdução à história geológica

Leia mais

Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS. HISTOLOGIA = estudo dos tecidos

Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS. HISTOLOGIA = estudo dos tecidos Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS HISTOLOGIA = estudo dos tecidos TECIDOS Grupos de células especializadas, semelhantes ou diferentes entre si, e que desempenham funções específicas. Num

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CÃMPUS JATAÍ PLANO DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CÃMPUS JATAÍ PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO I. IDENTIFICAÇÃO Unidade Acadêmica: Câmpus Jataí Curso:Biomedicina Disciplina:Biologia Celular Carga horária semestral:64 Teórica: 48 Prática: 16 Semestre/ano:1/2013 Turma/turno: 1 período/

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS PROGRAMA DE ENSINO DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS PROGRAMA DE ENSINO DE DISCIPLINA Curso: Ciências Biológicas (05) Ano: 2014 Semestre: 1 Período: 1 Disciplina / Unid. Curricular / Módulo: Biologia Celular (Cell Biology) Código: DCB47 Carga Horária Total: 90 Teórica: 60 Atividade Prática:

Leia mais

A MEMBRANA PLASMÁTICA

A MEMBRANA PLASMÁTICA A MEMBRANA PLASMÁTICA Prof. André Maia Conceito É uma membrana lipoprotéica, semipermeável que envolve a célula, separando-a do meio exterior. Funções da membrana proteção mecânica (contra choques físicos)

Leia mais

CÉLULAS MUSCULAR Fibra Muscular. Membrana celular- SARCOLEMA Citoplasma- SARCOPLASMA REL RETÍCULO SARCOPLASMÁTICO Mitocôndrias- SARCOSSOMAS

CÉLULAS MUSCULAR Fibra Muscular. Membrana celular- SARCOLEMA Citoplasma- SARCOPLASMA REL RETÍCULO SARCOPLASMÁTICO Mitocôndrias- SARCOSSOMAS CÉLULAS MUSCULAR Fibra Muscular Membrana celular- SARCOLEMA Citoplasma- SARCOPLASMA REL RETÍCULO SARCOPLASMÁTICO Mitocôndrias- SARCOSSOMAS Diâmetro fibra muscular: músculo considerado; idade; sexo; estado

Leia mais

Anatomia do Periodonto. Por Carlos Marcelo da Silva Figueredo,, DDS, MDSc,, PhD cmfigueredo@hotmail.com www.periodontiamedica.com

Anatomia do Periodonto. Por Carlos Marcelo da Silva Figueredo,, DDS, MDSc,, PhD cmfigueredo@hotmail.com www.periodontiamedica.com Anatomia do Periodonto Por Carlos Marcelo da Silva Figueredo,, DDS, MDSc,, PhD cmfigueredo@hotmail.com Periodonto Normal Anatomia macroscópica Anatomia microscópica Anatomia macroscópica Gengiva Ligamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS PROGRAMA DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS PROGRAMA DE ENSINO Curso: Biomedicina (17) Ano: 2013 Semestre: 1 Período: 1 Disciplina: Biologia Celular (Cell Biology) Carga Horária Total: 90 Teórica: 60 Atividade Prática: 30 Prática Pedagógica: 0 Aulas Compl. Tutorial:

Leia mais

Centro de Educação Superior do Oeste - CEO

Centro de Educação Superior do Oeste - CEO CURSO: Zootecnia ANO/SEMESTRE: 2012 / 2 DISCIPLINA: 1 HIST I - Histologia Animal I FASE: 1ª Fase CARGA HORÁRIA: 54 h TURNO: DIURNO PROFESSOR (A): Rogério César Parizzi CRÉDITOS: 3 PLANO DE ENSINO 1. HORÁRIO

Leia mais

Sistema Muscular. Elementos de Anatomia e Fisiologia Humana

Sistema Muscular. Elementos de Anatomia e Fisiologia Humana Os ossos e as articulações fornecem a estrutura e o suporte do corpo humano mas, por si só, não conseguem mover o corpo. O movimento depende do sistema muscular e, é conseguido pela contracção e relaxamento

Leia mais

Ter a compreensão básica do funcionamento dos quatro tecidos básicos do corpo humano e noções básicas de embriologia básica humana.

Ter a compreensão básica do funcionamento dos quatro tecidos básicos do corpo humano e noções básicas de embriologia básica humana. PLANO DE ENSINO DIVISAO DE ENSINO DE GRADUAÇAO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENADORIA DO CURSO DE FARMÁCIA DISCIPLINA: Histologia e Embriologia CÓDIGO: FA014 ANO: 2015 SEMESTRE: 1º CARGA HORÁRIA: 90h PRÉ-REQUISITO:

Leia mais

Tecido Conjuntivo. Histologia Geral Msc. Rafael Quirino Moreira

Tecido Conjuntivo. Histologia Geral Msc. Rafael Quirino Moreira Tecido Conjuntivo Histologia Geral Msc. Rafael Quirino Moreira Tecido Conjuntivo Estabelecimento e manutenção da forma do corpo Papel conferido pela Matriz Extracelular MEC principal constituinte do Tecido

Leia mais

UNIDADE IV Filo Porifera

UNIDADE IV Filo Porifera CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA AGROALIMENTAR UNIDADE ACADÊMICA DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CAMPUS DE POMBAL UNIDADE IV Filo Porifera Prof. Dr. Sc. Ancélio Ricardo de Oliveira Gondim Em paz me deito e logo adormeço,

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora ATLAS DE HISTOLOGIA DENTAL

Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora ATLAS DE HISTOLOGIA DENTAL Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora ATLAS DE HISTOLOGIA DENTAL Juiz de Fora / MG - 2009 Autoras PROFª. MARIA ELIZABETH M.N. MARTINS PROFª. MARIA CHRISTINA M.N. CASTAÑON Juiz de Fora/MG

Leia mais

Biomembranas. Cap. 11(p 365 a 377) e 12 (p 390 a 410)- Fundamentos da Biologia Celular- Alberts- 2ª edição

Biomembranas. Cap. 11(p 365 a 377) e 12 (p 390 a 410)- Fundamentos da Biologia Celular- Alberts- 2ª edição Biomembranas Cap. 11(p 365 a 377) e 12 (p 390 a 410)- Fundamentos da Biologia Celular- Alberts- 2ª edição Bicamada da membrana Grupos de cabeças polares Caudas hidrofóbicas Grupos de cabeças polares As

Leia mais

Técnicas de Biologia Celular e Molecular. Prof a. DSc. Patricia Castelo Branco do Vale

Técnicas de Biologia Celular e Molecular. Prof a. DSc. Patricia Castelo Branco do Vale Técnicas de Biologia Celular e Molecular Prof a. DSc. Patricia Castelo Branco do Vale Dimensões em Biologia As células podem ser classificadas como: Macroscópicas: visíveis ao olho humano Microscópicas:

Leia mais

CONTRAÇÃO MUSCULAR. Diego V. Wilke

CONTRAÇÃO MUSCULAR. Diego V. Wilke CONTRAÇÃO MUSCULAR Diego V. Wilke Fibra muscular lisa Núcleo Estrias Fibra muscular cardíaca Núcleo Discos Intercalares Fonte: Malvin et al., 1997. Concepts in humam Physiology Tipos de músculo Esquelético

Leia mais

MITOCÔNDRIA E RESPIRAÇÃO CELULAR. Mito: filamento Chondrion: partícula

MITOCÔNDRIA E RESPIRAÇÃO CELULAR. Mito: filamento Chondrion: partícula MITOCÔNDRIA E RESPIRAÇÃO CELULAR Mito: filamento Chondrion: partícula QUALQUER TRABALHO NA CÉLULA REQUER ENERGIA: -Movimento celular, secreção de substâncias, transmissão dos impulsos nervosos, contração

Leia mais

P R O G R A M A D E E N S I N O. Carga horária total: 60 Teórica: 45 Prática: 15 Estágio:

P R O G R A M A D E E N S I N O. Carga horária total: 60 Teórica: 45 Prática: 15 Estágio: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 P R O G R A M A D E E N S I N O

Leia mais

1. o ANO ENSINO MÉDIO PROF.ª SABRINA ARAÚJO PROF.ª SARAH SANTOS

1. o ANO ENSINO MÉDIO PROF.ª SABRINA ARAÚJO PROF.ª SARAH SANTOS 1. o ANO ENSINO MÉDIO PROF.ª SABRINA ARAÚJO PROF.ª SARAH SANTOS Unidade IV Estudo dos tecidos. Aula 14.2 Conteúdo: Tecido Muscular Habilidade: Conhecer as características, funções e células constituintes

Leia mais

Histologia Animal. - Estuda a classificação, estrutura, distribuição e função dos tecidos animais.

Histologia Animal. - Estuda a classificação, estrutura, distribuição e função dos tecidos animais. Histologia Animal - Estuda a classificação, estrutura, distribuição e função dos tecidos animais. - Tecidos: Grupamento de células harmonizadas e diferenciadas que realizam uma determinada função. - Principais

Leia mais

Estrutura dos músculos e tecidos anexos. Prof. Sandra R. S. T. de Carvalho Departamento de Zootecnia - UFSC

Estrutura dos músculos e tecidos anexos. Prof. Sandra R. S. T. de Carvalho Departamento de Zootecnia - UFSC Estrutura dos músculos e tecidos anexos Prof. Sandra R. S. T. de Carvalho Departamento de Zootecnia - UFSC CARNE tecido muscular tecido conjuntivo tecido epitelial tecido nervoso Tecido muscular células

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO. (tecido conjuntivo propriamente dito)

TECIDO CONJUNTIVO. (tecido conjuntivo propriamente dito) Definições gerais Estabelece conexões e une os demais tecidos; Sustentação e manutenção da forma (estroma); Caminho para vasos e fibras nervosas; Origem: Mesoderma Características gerais formado por matriz

Leia mais

Análises para monitorar a Função Hepática

Análises para monitorar a Função Hepática Análises para monitorar a Função Hepática Catabolismo protéico Professora: Renata Fontes Medicina Veterinária Período: 3 o Tipo Componentes das membranas celulares Hormônios peptídicos (p. ex., insulina,

Leia mais

T e c i d o M u s c u l a r. T e c i d o M u s c u l a r Músculo Esquelético. T e c i d o M u s c u l a r. T e c i d o M u s c u l a r Características

T e c i d o M u s c u l a r. T e c i d o M u s c u l a r Músculo Esquelético. T e c i d o M u s c u l a r. T e c i d o M u s c u l a r Características Características Origem: mesodérmica; Tipos (todos com lâmina basal): - Muscular estriado esquelético tico: contração vigorosa, rápida r e voluntária; - Muscular estriado cardí : : contração vigorosa, rítmica

Leia mais

Sistema Urinário Capítulo 10

Sistema Urinário Capítulo 10 Sistema Urinário Capítulo 10 1 FUNÇÕES O sistema urinário retira do organismo, através da urina, as substâncias em excesso e os produtos residuais do metabolismo, contribuindo para a manutenção da homeostase,

Leia mais

TECIDOS EPITELIAIS HISTOLOGIA

TECIDOS EPITELIAIS HISTOLOGIA TECIDOS EPITELIAIS HISTOLOGIA Tecidos: Células justapostas, nas quais o material intersticial é escasso ou inexistente. TECIDOS EPITELIAIS FUNÇÕES: PROTEÇÃO ABSORÇÃO E SECREÇÃO DE SUBSTÂNCIAS PERCEPÇÃO

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO - 005 / 2013 - Professor Efetivo - Campus Barbacena - IF SUDESTE MG

CONCURSO PÚBLICO - 005 / 2013 - Professor Efetivo - Campus Barbacena - IF SUDESTE MG Dados do Num. Inscrição 00007 ANA PAULA DE LIMA FLORENTINO MATTA Assunto Anulação da questão nº 16. Anexo Data/Hora Envio 04/02/2014-14:24:58 Dados da Anexo da À Comissão Permanente de Concurso Público.

Leia mais

Anatomia do joelho. Introdução

Anatomia do joelho. Introdução Introdução Didaticamente o joelho é dividido em duas articulações distintas: uma entre o fêmur e a tíbia chamada de fêmoro-tibial (AFT) e outra entre o F6emur e a patela denominada fêmoro-patelar. É a

Leia mais

Grupo de células que, em geral, tem umaorigem embrionária comum e atuam juntas para executar atividades especializadas

Grupo de células que, em geral, tem umaorigem embrionária comum e atuam juntas para executar atividades especializadas UNIVERSIDADE DE CUIABÁ NÚCLEO DE DISCIPLINAS INTEGRADAS DISCIPLINA: CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS I Considerações Gerais sobre HISTOLOGIA Professores: Ricardo, Lillian, Darléia e Clarissa UNIVERSIDADE DE CUIABÁ

Leia mais

OPALA POWDER Opal powder

OPALA POWDER Opal powder OPALA POWDER Opal powder FONOCOSMÉTICA: preenchimento da pele através de ONDAS SONORAS MIGRAÇÃO CELULAR novo mecanismo de combate ao envelhecimento da pele MANUTENÇÃO DO CITOESQUELETO CELULAR: a preservação

Leia mais

A Célula. Depois do aprimoramento desse instrumento tornou- se possível o estudo da célula. É a área da Biologia responsável pelo estudo da célula.

A Célula. Depois do aprimoramento desse instrumento tornou- se possível o estudo da célula. É a área da Biologia responsável pelo estudo da célula. A Célula Citologia É a área da Biologia responsável pelo estudo da célula. Microscópio Depois do aprimoramento desse instrumento tornou- se possível o estudo da célula. Elab.: Prof. Gilmar 2 Elab.: Prof.

Leia mais

Trabalho Online. 3ª SÉRIE TURMA: 3101 2º Bimestre Nota: DATA: / /

Trabalho Online. 3ª SÉRIE TURMA: 3101 2º Bimestre Nota: DATA: / / Trabalho Online NOME: Nº.: DISCIPLINA: BIOLOGIA I PROFESSOR(A): LEANDRO 3ª SÉRIE TURMA: 3101 2º Bimestre Nota: DATA: / / 1. A seguir estão representados três modelos de biomembranas: a) A que constituintes

Leia mais

HISTOLOGIA DO TECIDO EPITELIAL - 2

HISTOLOGIA DO TECIDO EPITELIAL - 2 HISTOLOGIA DO TECIDO EPITELIAL - 2 Vera Regina Andrade, 2015 Tecido epitelial pavimentosos simples uma camada de células planas, achatadas Forma da célula Pavimentosas Cúbicas Cilíndricas Número de camadas

Leia mais

BATERIA DE EXERCÍCIOS 8º ANO

BATERIA DE EXERCÍCIOS 8º ANO Professor: CRISTINO RÊGO Disciplina: CIÊNCIAS Assunto: DIVISÃO CELULAR TECIDOS HUMANOS E SISTEMAS GENITAIS Belém /PA BATERIA DE EXERCÍCIOS 8º ANO 1. (UFRO) Sobre reprodução humana, todos os itens abaixo

Leia mais

Nome: Nº: Classificação: 4. Muitos epitélios de revestimento desempenham uma importante função de protecção através da produção de:

Nome: Nº: Classificação: 4. Muitos epitélios de revestimento desempenham uma importante função de protecção através da produção de: HistoVet 2005_2006 Histologia e Embriologia Medicina Veterinária Frequência Teórica 3 de Fevereiro de 2006 Nome: Nº: Classificação: 1. Um epitélio típico está separado do seu suprimento sanguíneo através:

Leia mais

EPITELIAL CONJUNTIVO MUSCULAR NERVOSO

EPITELIAL CONJUNTIVO MUSCULAR NERVOSO www.iaci.com.br BIOLOGIA Iaci Belo EPITELIAL CONJUNTIVO MUSCULAR NERVOSO Células justapostas com pouco material intercelular Ausência de vasos sanguíneos ou nervos Funções de revestimento e secreção NARINAS

Leia mais

ATLAS DE CITOLOGIA E HISTOLOGIA VETERINÁRIA I. Dra. Madalena Monteiro Doutor Pedro Faísca

ATLAS DE CITOLOGIA E HISTOLOGIA VETERINÁRIA I. Dra. Madalena Monteiro Doutor Pedro Faísca ATLAS DE CITOLOGIA E HISTOLOGIA VETERINÁRIA I Dra. Madalena Monteiro Doutor Pedro Faísca EPITÉLIOS DE REVESTIMENTO 1- PARTICULARIDADES DO TECIDO EPITELIAL 1.1- Membrana basal 1.2- Especializações da membrana

Leia mais

Fisiologia Humana. Prof. Ms.Sandro de Souza

Fisiologia Humana. Prof. Ms.Sandro de Souza Prof. Ms.Sandro de Souza Existem 3 tipos de Tecido Muscular Liso Forma a parede de diversos órgãos. São constituídos de fibras fusiformes, mas muito mais curtas do que as fibras musculares esqueléticas:

Leia mais

Características gerais

Características gerais Citoplasma Citoplasma Características gerais Um vertebrado é formado por dezenas de tipos de células. Citoplasma Características gerais Um vertebrado é formado por dezenas de tipos de células. Neurônio

Leia mais

CITOLOGIA MEMBRANA PLASMÁTICA TEORIA CELULAR: 06/05/2015 TIPOS CELULARES: DESCOBERTA DA CÉLULA: R. Hooke (1665)

CITOLOGIA MEMBRANA PLASMÁTICA TEORIA CELULAR: 06/05/2015 TIPOS CELULARES: DESCOBERTA DA CÉLULA: R. Hooke (1665) DESCOBERTA DA CÉLULA: R. Hooke (1665) CITOLOGIA TEORIA CELULAR: CÉLULA É A UNIDADE MORFOLÓGICA E FISIOLÓGICA DOS SERES VIVOS. Schleiden e Schwann: Todo ser vivo é formado de células. Virchow: Toda célula

Leia mais

Anatomia e Histologia do Limbo

Anatomia e Histologia do Limbo Anatomia e Histologia do Limbo Introdução: O limbo é a zona intermediária anular com cerca de 1,5mm de largura que fica entre a córnea transparente e a esclera opaca. Sua relativa opacidade se explica

Leia mais

Faculdade Pitágoras Betim Curso de Enfermagem. Disciplina: FUNDAMENTOS TÉCNICOS E SEMIOLÓGICOS EM ENFERMAGEM. Enf. Wesley Vieira Andrade Betim 2012

Faculdade Pitágoras Betim Curso de Enfermagem. Disciplina: FUNDAMENTOS TÉCNICOS E SEMIOLÓGICOS EM ENFERMAGEM. Enf. Wesley Vieira Andrade Betim 2012 Faculdade Pitágoras Betim Curso de Enfermagem Disciplina: FUNDAMENTOS TÉCNICOS E SEMIOLÓGICOS EM ENFERMAGEM Enf. Wesley Vieira Andrade Betim 2012 ETAPA PONTOS 1 2 TIPO DE AVALIAÇÃO Oficial Individual Parcial

Leia mais

Citologia, Histologia e Embriologia

Citologia, Histologia e Embriologia FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERLÂNDIA Citologia, Histologia e Embriologia Educação Física 1º P Prof. Msc Ana Paula de Souza Paixão O que significa

Leia mais

Carboidratos No momento em que você está lendo e procurando entender suas células nervosas estão realizando um trabalho e, para isso, utilizam a

Carboidratos No momento em que você está lendo e procurando entender suas células nervosas estão realizando um trabalho e, para isso, utilizam a A química da Vida A Água A água é o componente biológico essencial à manutenção da vida animal e vegetal. No entanto existem organismos que possuem homeostase (equilíbrio interno) submetida às condições

Leia mais

Sistema Nervoso. Msc. Roberpaulo Anacleto

Sistema Nervoso. Msc. Roberpaulo Anacleto Sistema Nervoso Msc. Roberpaulo Anacleto Tecido nervoso Anatomicamente o sistema nervoso esta dividido em: Sistema nervoso central (SNC) encéfalo e espinal medula Sistema nervoso periférico (SNP) nervos

Leia mais

MEMBRANA CELULAR OU MEMBRANA PLASMÁTICA FACULDADES SANTO AGOSTINHO ENGENHARIA AMBIENTAL - BIOLOGIA 04/09/2014 TIPOS CELULARES

MEMBRANA CELULAR OU MEMBRANA PLASMÁTICA FACULDADES SANTO AGOSTINHO ENGENHARIA AMBIENTAL - BIOLOGIA 04/09/2014 TIPOS CELULARES CURSO: ENGENHARIA AMBIENTAL DISCIPLINA: BIOLOGIA UNIDADE II NOÇÕES DE MORFOLOGIA E FISIOLOGIA CELULAR Prof.: Ramon Lamar de Oliveira Junior TIPOS CELULARES CÉLULA PROCARIOTA X 1 a 2 micrômetros (mm) Ausência

Leia mais

Phycojuvenine INCI Name: Introdução: O processo de senescência Mitocôndrias O Centro Energético Celular

Phycojuvenine INCI Name: Introdução: O processo de senescência Mitocôndrias O Centro Energético Celular Phycojuvenine INCI Name: Water (and) Laminaria Digitata Extract. Introdução: O processo de senescência Diferente das outras partes do corpo quando a pele envelhece é visível externamente. A regeneração

Leia mais

ESTRUTURA DAS PROTEÍNAS

ESTRUTURA DAS PROTEÍNAS ESTRUTURA DAS PROTEÍNAS Aminoácidos ligam-se por ligações peptídicas = reação de condensação entre: OH do grupo carboxila de um aminoácido H do grupo amina do outro aminoácido ( liberação de uma molécula

Leia mais

EXAME DE BIOLOGIA Prova de Acesso - Maiores 23 Anos (21 de Abril de 2009)

EXAME DE BIOLOGIA Prova de Acesso - Maiores 23 Anos (21 de Abril de 2009) INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA EXAME DE BIOLOGIA Prova de Acesso - Maiores 23 Anos (21 de Abril de 2009) Nome do Candidato Classificação Leia as seguintes informações com atenção. 1. O exame é constituído

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS PROGRAMA DE ENSINO DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS PROGRAMA DE ENSINO DE DISCIPLINA Curso: Biotecnologia (13) Ano: 2014 Semestre: 1 Período: 1 Disciplina / Unid. Curricular / Módulo: Biologia Celular (Cell Biology) Código: DCB46 Carga Horária Total: 90 Teórica: 60 Atividade Prática: 30

Leia mais

Sistema Nervoso. Funções. - Controla as funções orgânicas do organismo - Integração com o meio ambiente NEURÔNIOS. Estímulo do meio ambiente

Sistema Nervoso. Funções. - Controla as funções orgânicas do organismo - Integração com o meio ambiente NEURÔNIOS. Estímulo do meio ambiente Sistema Nervoso Funções - Controla as funções orgânicas do organismo - Integração com o meio ambiente Estímulo do meio ambiente Interpretação Desencadeamento de resposta adequada NEURÔNIOS Divisão Anatômica

Leia mais