Relatório de Ensaio Nº: 24741

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório de Ensaio Nº: 24741"

Transcrição

1 Cliente: GOLD PRESS MAQUINAS E RECILAGEM LTDA Endereço: Rua José Ferreira Sobrinho (Compadre Canário), Distrito Industrial II - Barretos/São Paulo - SP Telefone: Identificação da Amostra Revisão: 1 Relatório de Ensaio Definitivo Descrição da amostra: Resíduo - NBR Data/Hora Coleta: 09:00 Ponto de Coleta: Pó de lixo doméstico Local da Amostragem: Barretos Data/Hora Recepção: Data Inic. Análise: 10:00 Coordenadas Geográficas: ; Data Fim Análise: Responsável pela Coleta: Coleta realizada pelo cliente Data de Emissão: 10/08/2016 ID. Coleta: ID. Relatório Coleta: Dados de Amostragem POP 13 rev04 POP 04 rev09 SMWW 22ª edição, 1060 e 9060 ABNT NBR 9897:1987 ABNT NBR 9898:1987 ABNT NBR 10007:2004 EPA 600/8-69/046 s Físico-químicos Bário Total 22ª Edição 3111D Cádmio Total 22ª Edição 3113B Chumbo Total 22ª Edição 3113B Mercúrio SMWW 22ª edição 3112B Arsênio SMWW 22ª edição 3114C / EPA 3050B rev. 02 Cromo Total SMWW 22ª edição 3113B Fluoreto ME 48, revisão 06 Prata Total SMWW 22ª edição 3113B Selênio ME 69, revisão 05 15/06/ /06/ /06/2016 mg/l 70 0,07 < 0,07 mg/l 0,5 0,001 mg/l 1 0,005 mg/l 0,01 0,0001 < 0,0001 mg/l 1,0 0,0001 < 0,0001 mg/l 5 0,005 mg/l 150 0,5 < 0,5 mg/l 5 0,001 mg/l 1 0,005 Pág 1 de 5

2 s Orgânicos 1,1 - Dicloroeteno 1,2 - Dicloroetano 1,3 - Hexaclorobutadieno 1,4 - Diclorobenzeno 2,4,5 - TP 2,4,5 - T 2 - Butanona 2,4 - Dinitrotolueno Preparação: EPA 3550C, rev 01: Fevereiro de 2007 Determinação: EPA 2,4 - D 2,4,5 - Triclorofenol 2,4,6 - Triclorofenol 4,4' - DDD 4,4' - DDE 4,4' - DDT Nitrobenzeno Aldrin + Dieldrin Clorobenzeno Benzeno Benzo (a) pireno Clordano (cis + trans) Clordano (trans) Cloreto de Vinila Clorofórmio µg/l ,0 µg/l ,0 µg/l 500 0,01 µg/l 300 2,0 µg/l ,0 56,67 µg/l ,0 < 15,0 µg/l ,0 < 25,0 µg/l ,0 < 10,0 µg/l ,0 < 15,0 µg/l ,01 µg/l ,005 µg/l 200 0,001 µg/l 200 0,001 µg/l 200 0,005 µg/l ,01 µg/l ,0 µg/l 500 2,0 mg/l 0,07 0, < 0, µg/l 500 1,0 < 1,0 µg/l ,0 Pág 2 de 5

3 s Orgânicos Cresol (m) + Cresol (p) gama - BHC (Lindano) Dieldrin Endrin Aldrin Heptacloro Heptacloro Epóxido Hexaclorobenzeno Cresol (o) Clordano (cis) Metoxicloro Hexacloroetano Pentaclorofenol Piridina Tetracloreto de Carbono Tetracloroeteno U.S.EPA 8260C rev. 03 Agosto de 2006 Toxafeno Tricloroeteno mg/l 400 0,00001 < 0,00001 µg/l 2 0,0005 < 0,0005 µg/l --- 0,005 mg/l 0,06 0, < 0, µg/l --- 0,001 µg/l 100 0,001 µg/l ,01 µg/l ,005 µg/l ,01 µg/l 900 0,005 µg/l ,0 < 10,0 µg/l 200 1,0 < 1,0 µg/l --- 5,0 < 5,0 µg/l 500 0,005 µg/l ,0 < 5,0 Pág 3 de 5

4 Controle de Qualidade - Valor do Branco Unidade Branco Critério de Aceitação (Valor Máximo) Bário Total Abs 0,00 0 Cádmio Total Abs 0,00 0 Chumbo Total Abs 0,00 Mercúrio Abs 0,00 0 Arsênio Abs 0,00 Cromo Total Abs 0,00 Prata Total Abs 0,00 0 Selênio Abs 0,00 0 2,4,5 - TP Área 0,00 6 2,4,5 - T Área 0,00 6 2,4 - D Área 0,00 4,4' - DDT Área 0,00 Benzeno Área 0,00 gama - BHC (Lindano) Área 0,00 Dieldrin Área 0,00 4 Endrin Área 0,00 3 Aldrin Área 0,00 Heptacloro Área 0,00 8 Tricloroeteno Área 0,00 Conclusão: Todos os parâmetros analisados estão de acordo com o Anexo F da ABNT NBR 10004:2004. Observações: O resíduo foi classificado como não perigoso, inerte Classe II B. Notas: As opiniões e interpretações expressas acima não fazem parte do escopo de acreditação deste laboratório. Todos os ensaios deste relatório possuem uma incerteza estimada de medição, e serão prontamente disponíveis quando solicitado pelo Cliente. Pág 4 de 5

5 Este laudo foi conferido e assinado eletronicamente por: Eduardo Henrique Keller Diretor Geral CRBio: 3178/01-D Este documento tem fé pública, segundo o Art da MP No ; Instruções para a verificação de autenticidade de documentos: 1) Acesse o site: 2) Acesse o painel de assinatura do leitor PDF; 3) Clique com o botão direito do mouse no item do certificado digital. Esta versão substitui a versão anterior de = Limite de Quantificação; UFC = Unidades Formadoras de Colônias; Hz = Unidade Hazen (mg/l Pt/Co); NTU = Unidade Nefelométrica de Turbidez; VMP = Valor Máximo Permitido; SM = Standard Methods of Examination of Water and Wastewater, 22nd Edition; EPA - Environmental Protection Agency. Pág 5 de 5

RELATÓRIO TÉCNICO DE CARACTERIZAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

RELATÓRIO TÉCNICO DE CARACTERIZAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS RELATÓRIO TÉCNICO DE CARACTERIZAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS 1 / 15 I - INTRODUÇÃO: Empresa Responsável : PROJECONTROL Consultoria Empresarial e Serviços Ltda. Rua Princesa Isabel, nº 94-11 o Andar conjunto

Leia mais

Dep. de Contr da Qualidade dos Produtos Água e Esg - TOQ

Dep. de Contr da Qualidade dos Produtos Água e Esg - TOQ 1 de 1 RELATÓRIO DE ENSAIO Nº MATT01 202073/13-14-A Versão 03 Alumínio dissolvido 0,02 mg Al/L Espectrofotométrico / 20/08/13 Inorg SMEWW - 3500-Al B Condutividade 95,3 µs/cm Condutimétrico / SMEWW - 20/08/13

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIO Nº 0735/14 PORTARIA MS 2914

RELATÓRIO DE ENSAIO Nº 0735/14 PORTARIA MS 2914 DADOS REFERENTE AO LABORATÓRIO NOME: YOFEL SERV. E COM. TRATAMENTO DE ÁGUA LTDA. CNPJ: 05.053.575/0001-96 ENDEREÇO: RUA GASTÃO VIDIGAL, 16 - SANTO ÁNDRE SÁO PAULO. TEL: 4513-7348 TEL: 4513-7348 E-MAIL:

Leia mais

PLANILHA - CPEA MS. Parâmetros. Resultado da Amostra 60422/2012. Resultado da duplicata 60424/2012 DPR (%)

PLANILHA - CPEA MS. Parâmetros. Resultado da Amostra 60422/2012. Resultado da duplicata 60424/2012 DPR (%) PLANILHA - CPEA MS Parâmetros Amostra 60422/2012 duplicata 60424/2012 DPR (%) 1,1-Dicloroeteno < 0,001 < 0,001 0 Spike adicionado (VOC) 1,2,3-Triclorobenzeno < 1 < 1 0 Spike adicionado (SVOC) 1,2,4-Triclorobenzeno

Leia mais

Dep. de Contr da Qualidade dos Produtos Água e Esg - TOQ

Dep. de Contr da Qualidade dos Produtos Água e Esg - TOQ 1 de 1 RELATÓRIO DE ENSAIO Nº MATU 44033/13-14-A Versão 02 Alumínio dissolvido 0,03 mg Al/L Espectrofotométrico / 03/07/13 Inorg SMEWW - 3500-Al B Clorofórmio 7,59 µg/l GC-MS/Headspace / EPA - 09/08/13

Leia mais

Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088

Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088 Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088 Portaria MS 2914 DE 12/12/2011Parcial(Saída de tratamento) Parâmetros Mínimo

Leia mais

Tratamento Industrial de Resíduos Sólidos Domiciliares TI/RSD

Tratamento Industrial de Resíduos Sólidos Domiciliares TI/RSD Tratamento Industrial de Resíduos Sólidos Domiciliares TI/RSD 1-Tratamento de Resíduos Sólidos: é solução, não problema. A administração do lixo é hoje uma das grandes preocupações da organização urbana

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO DE EMPREENDIMENTOS - TE

SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO DE EMPREENDIMENTOS - TE COMPANHIA DE SANEAMENTO BÁSICO DO ESTADO DE SÃO PAULO SABESP BANCO DE PREÇOS DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA CONSULTIVA MA O/201 SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO DE EMPREENDIMENTOS - TE DEPARTAMENTO DE VALORAÇÃO PARA

Leia mais

Relatório de Ensaios Nº 10869/2015-1.0. Resultados Analíticos

Relatório de Ensaios Nº 10869/2015-1.0. Resultados Analíticos Relatório de Ensaios Nº 10869/2015-1.0 Processo Comercial Nº 283/2015.1 Dados referentes ao cliente Empresa solicitante SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE CRUZEIRO-SAAE CNPJ 48.971.139/0001-09 Endereço

Leia mais

PADÃO MICROBIOLÓGICO DE POTABILIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO - Tabela I (MS 518) - Anexo I (MS 2914)

PADÃO MICROBIOLÓGICO DE POTABILIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO - Tabela I (MS 518) - Anexo I (MS 2914) PADÃO MICROBIOLÓGICO DE POTABILIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO - Tabela I (MS 518) - Anexo I (MS 2914) MS 518 MS 2914 TIPO DE ÁGUA PARÂMETRO VMP (1) TIPO DE ÁGUA PARÂMETRO VMP (1) ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO

Leia mais

ANEXO I. Tabela de padrão microbiológico da água para consumo humano

ANEXO I. Tabela de padrão microbiológico da água para consumo humano ANEXO I Tabela de padrão microbiológico da água para consumo humano Água tratada Tipo de água Parâmetro VMP (1) Água para consumo humano Escherichia coli (2) Ausência em 100 ml Na saída do tratamento Coliformes

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Determinação de Alumínio Total pelo método colorimétrico LQ: 0,008 mg/l

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Determinação de Alumínio Total pelo método colorimétrico LQ: 0,008 mg/l ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 8 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO ACQUA BOOM SANEAMENTO AMBIENTAL LTDA - EPP Determinação

Leia mais

AMIANTO E MEIO AMBIENTE

AMIANTO E MEIO AMBIENTE AMIANTO E MEIO AMBIENTE RELATÓRIO TÉCNICO Avaliação de Fibras em Suspensão no Ar e Caracterização de Resíduos de Fibrocimento Contendo Amianto Empresa Responsável : PROJECONTROL Consult. Empres. e Serviços

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA n o 396, de 3 de abril de 2008 Publicada no DOU nº 66, de 7 de abril de 2008, Seção 1, páginas 64-68

RESOLUÇÃO CONAMA n o 396, de 3 de abril de 2008 Publicada no DOU nº 66, de 7 de abril de 2008, Seção 1, páginas 64-68 RESOLUÇÃO CONAMA nº 396 de 2008 RESOLUÇÃO CONAMA n o 396, de 3 de abril de 2008 Publicada no DOU nº 66, de 7 de abril de 2008, Seção 1, páginas 64-68 Dispõe sobre a classificação e diretrizes ambientais

Leia mais

OS PADRÕES BRASILEIROS DE QUALIDADE DAS ÁGUAS E OS CRITÉRIOS PARA PROTEÇÃO DA VIDA AQUÁTICA, SAÚDE HUMANA E ANIMAL

OS PADRÕES BRASILEIROS DE QUALIDADE DAS ÁGUAS E OS CRITÉRIOS PARA PROTEÇÃO DA VIDA AQUÁTICA, SAÚDE HUMANA E ANIMAL OS PADRÕES BRASILEIROS DE QUALIDADE DAS ÁGUAS E OS CRITÉRIOS PARA PROTEÇÃO DA VIDA AQUÁTICA, SAÚDE HUMANA E ANIMAL Luciana Vaz do Nascimento Marcos von Sperling (*) (*) Departamento de Engenharia Sanitária

Leia mais

AUTARQUIA MUNICIPAL - LEI DE CRIAÇÃO N. 10 DE 20/04/1966 SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO

AUTARQUIA MUNICIPAL - LEI DE CRIAÇÃO N. 10 DE 20/04/1966 SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO AUTARQUIA MUNICIPAL - LEI DE CRIAÇÃO N. 10 DE 20/04/1966 SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO RELAÇÃO DE COMPRAS E SERVIÇOS EFETUADOS NO MÊS DE SETEMBRO DE 2008, CONFOR O ARTIGO 16 DA LEI 8666 DE 21/06/1993

Leia mais

ANEXO REGULAMENTO TÉCNICO PARA ÁGUAS ENVASADAS E GELO 1. ALCANCE Fixar a identidade e as características mínimas de qualidade a que devem obedecer a

ANEXO REGULAMENTO TÉCNICO PARA ÁGUAS ENVASADAS E GELO 1. ALCANCE Fixar a identidade e as características mínimas de qualidade a que devem obedecer a AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISA Resolução nº. 274, de 22 de setembro de 2005. Aprova o "REGULAMENTO TÉCNICO PARA ÁGUAS ENVASADAS E GELO" A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância

Leia mais

Departamento de Água e Esgoto

Departamento de Água e Esgoto RELATÓRIO DE QUALIDADE DA ÁGUA ANO DE REFERÊNCIA: 2.006 DECRETO FEDERAL Nº 5.440 DE 04 DE MAIO DE 2.005 Em cumprimento ao disposto no Decreto Federal nº 5.440/05 que estabelece os procedimentos para a

Leia mais

RESOLUÇÃO ANVISA RDC nº. 274, de 22 de setembro de 2005. (Publicada no D.O.U. - Poder Executivo, de 23 de setembro de 2005)

RESOLUÇÃO ANVISA RDC nº. 274, de 22 de setembro de 2005. (Publicada no D.O.U. - Poder Executivo, de 23 de setembro de 2005) RESOLUÇÃO ANVISA RDC nº. 274, de 22 de setembro de 2005. (Publicada no D.O.U. - Poder Executivo, de 23 de setembro de 2005) ** Revoga a Resolução CNNPA (Comissão Nacional de Normas e Padrões para Alimentos)

Leia mais

Página Inicial Pesquisa Complementar Estatísticas do site Normas Consolidadas Publicações de Hoje Glossári

Página Inicial Pesquisa Complementar Estatísticas do site Normas Consolidadas Publicações de Hoje Glossári Legislação em Vigilância Sanitária Página Inicial Pesquisa Complementar Estatísticas do site Normas Consolidadas Publicações de Hoje Glossári título: Resolução RDC nº 274, de 22 de setembro de 2005 ementa

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Determinação de Metais por Espectrometria de Absorção Atômica AA

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Determinação de Metais por Espectrometria de Absorção Atômica AA ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 51 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO ECO SYSTEM PRESERVAÇÃO DO LTDA. SOLOS ESEDIMENTOS

Leia mais

Monitoramento e Controle Ambiental

Monitoramento e Controle Ambiental Monitoramento e Controle Ambiental Monitoramento da Qualidade da Água Aluno: Daniel M. C. Santos Por que monitorar? MONITORAMENTO AMBIENTAL DE CORPOS HÍDRICOS Alterações ambientais ocorrem ao longo de

Leia mais

RECURSOS OFERECIDOS POR FONTE 50% Ribeirão Pureza Ribeirão Pai João Córrego das Três Fontes Outros

RECURSOS OFERECIDOS POR FONTE 50% Ribeirão Pureza Ribeirão Pai João Córrego das Três Fontes Outros A água distribuída pelo SAAE de Itabira vem: Mananciais de superfície: Ribeirão da Pureza (ETA - Pureza) 55 % da cidade; Ribeirão Pai João (ETA Gatos) 25 % da cidade; Córrego das Três fontes (ETA Pará)

Leia mais

Compostos que afetam as qualidades organolépticas da água Composto Padrão Efeitos maléficos

Compostos que afetam as qualidades organolépticas da água Composto Padrão Efeitos maléficos ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO E OS CONTROLES EXIGIDOS O trabalho técnico apresentado a seguir foi escrito pelo diretor do sindicato Walter Huber e seu colega Maurício Tápia. Walter é Engenheiro de Operações

Leia mais

Cadastro do Sistema /Solução Alternativa de Abastecimento de Água para Consumo Humano

Cadastro do Sistema /Solução Alternativa de Abastecimento de Água para Consumo Humano ANEXO I da Resolução SS 65 de 12 de maio de 2005 Cadastro do Sistema /Solução Alternativa de Abastecimento de Água para Consumo Humano Nome do Sistema/Solução Alternativa: Regional de Saúde: Município/UF:

Leia mais

Art. 2º As empresas têm o prazo de 01 (um) ano a contar da data da publicação deste Regulamento para adequarem seus produtos.

Art. 2º As empresas têm o prazo de 01 (um) ano a contar da data da publicação deste Regulamento para adequarem seus produtos. RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 274, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11 inciso IV do

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE Resolução SS 65, de 12 de Abril de 2005. ( Publicado no D.O.E de 13/04/2005, seção 1. pág. 18 ) Estabelece os procedimentos e responsabilidades relativos ao Controle e Vigilância da Qualidade da Água para

Leia mais

Proyecto para la Protección Ambiental y Desarrollo Sostenible del Sistema Acuífero Guaraní

Proyecto para la Protección Ambiental y Desarrollo Sostenible del Sistema Acuífero Guaraní Proyecto para la Protección Ambiental y Desarrollo Sostenible del Sistema Acuífero Guaraní Projeto de Proteção Ambiental e Desenvolvimento Sustentável do Sistema Aquífero Guarani Environmental Protection

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1/22 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO BIOAGRI AMBIENTAL LTDA ACREDITAÇÃO N Determinação de metais totais por espectrometria de emissão atômica com fonte de plasma

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Determinação de Alcalinidade - Método Titulométrico LQ: 0,2 mg/l

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Determinação de Alcalinidade - Método Titulométrico LQ: 0,2 mg/l ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 53 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO SGS ENVIRON LTDA ENSAIOS QUÍMICOS ÁGUA BRUTA, TRATADA,

Leia mais

Portaria MS nº 2.914 12/12/2011

Portaria MS nº 2.914 12/12/2011 Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental REUNIÃO ANUAL VIGIAGUA - 2012

Leia mais

Proyecto para la Protección Ambiental y Desarrollo Sostenible del Sistema Acuífero Guaraní

Proyecto para la Protección Ambiental y Desarrollo Sostenible del Sistema Acuífero Guaraní Proyecto para la Protección Ambiental y Desarrollo Sostenible del Sistema Acuífero Guaraní Projeto de Proteção Ambiental e Desenvolvimento Sustentável do Sistema Aquífero Guarani Environmental Protection

Leia mais

Laboratório de ensaios acreditado pela norma ABNT NBR ISO/IEC 17025:2005

Laboratório de ensaios acreditado pela norma ABNT NBR ISO/IEC 17025:2005 Relatório de s CA Nº 2202/15-1 Revisão 00 Laboratório de ensaios acreditado pela norma ABNT NBR ISO/IEC 17025:2005 O escopo da acreditação pode ser visto em: http://www.inmetro.gov.br/laboratorios/rble/docs/crl0353.pdf

Leia mais

Considerando que a existência de áreas contaminadas pode configurar sério risco à saúde pública e ao meio ambiente;

Considerando que a existência de áreas contaminadas pode configurar sério risco à saúde pública e ao meio ambiente; RESOLUÇÃO No 420, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009 Dispõe sobre critérios e valores orientadores de qualidade do solo quanto à presença de substâncias químicas e estabelece diretrizes para o gerenciamento ambiental

Leia mais

revogada(o) por: Portaria nº 518, de 25 de março de 2004 atos relacionados: Portaria nº 36, de 19 de janeiro de 1990

revogada(o) por: Portaria nº 518, de 25 de março de 2004 atos relacionados: Portaria nº 36, de 19 de janeiro de 1990 título: Portaria nº 1469, de 29 de dezembro de 2000 ementa: Estabelece os procedimentos e responsabilidades relativos ao controle e vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade,

Leia mais

Qualidade da água da rede de abastecimento

Qualidade da água da rede de abastecimento Qualidade da água da rede de abastecimento Relatório do 2º trimestre de 2011 1- Introdução O Decreto-lei nº 306/2007 de 27 de Agosto, estabelece o regime da qualidade da água destinada ao consumo humano,

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 357, DE 17 DE MARÇO DE 2005 Publicada no DOU nº 053, de 18/03/2005, págs. 58-63. Alterada pela Resolução 410/2009 e pela 430/2011

RESOLUÇÃO N o 357, DE 17 DE MARÇO DE 2005 Publicada no DOU nº 053, de 18/03/2005, págs. 58-63. Alterada pela Resolução 410/2009 e pela 430/2011 RESOLUÇÃO N o 357, DE 17 DE MARÇO DE 2005 Publicada no DOU nº 053, de 18/03/2005, págs. 58-63 Alterada pela Resolução 410/2009 e pela 430/2011 Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes

Leia mais

Aplicação de resíduos em solo agrícola. Lodo do STAR (Indústria Alimentícia)

Aplicação de resíduos em solo agrícola. Lodo do STAR (Indústria Alimentícia) Aplicação de resíduos em solo agrícola Lodo do STAR (Indústria Alimentícia) 2 Aplicação de resíduos em solo agrícola Benefício agronômico 3 Aplicação de resíduos em solo agrícola Elaboração de projeto

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA N 357, DE 17 DE MARÇO DE 2005.. Alterada pela Resolução CONAMA n 370/06. Alterada pela Resolução CONAMA n 397/08.

RESOLUÇÃO CONAMA N 357, DE 17 DE MARÇO DE 2005.. Alterada pela Resolução CONAMA n 370/06. Alterada pela Resolução CONAMA n 397/08. RESOLUÇÃO CONAMA N 357, DE 17 DE MARÇO DE 2005.. Alterada pela Resolução CONAMA n 370/06. Alterada pela Resolução CONAMA n 397/08. Alterada pela Resolução CONAMA nº 410/09 Dispõe sobre a classificação

Leia mais

L I C I T A Ç Ã O: Convite:Compras e outros serviços, Nº12/2013 Menor preço - Global

L I C I T A Ç Ã O: Convite:Compras e outros serviços, Nº12/2013 Menor preço - Global Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto - SAMAE Travessa Theodoro Junctum, 124 - Bairro Centro Rio Negrinho - SC - Santa Catarina 85.908.309/0001-37 89.295-000 L I C I T A Ç Ã O: Convite:Compras e

Leia mais

1. RESUMO DOS RESULTADOS OBTIDOS NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA E SISTEMAS INDEPENDENTES DE ÁGUA DO CONCELHO DE VIMIOSO

1. RESUMO DOS RESULTADOS OBTIDOS NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA E SISTEMAS INDEPENDENTES DE ÁGUA DO CONCELHO DE VIMIOSO 1. RESUMO DOS RESULTADOS OBTIDOS NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA E SISTEMAS INDEPENDENTES DE ÁGUA DO CONCELHO DE VIMIOSO Nos quadros seguintes apresenta-se um resumo global dos resultados s para a água

Leia mais

Divulgação de informações ao consumidor sobre qualidade de água para consumo humano

Divulgação de informações ao consumidor sobre qualidade de água para consumo humano Divulgação de informações ao consumidor sobre qualidade de água para consumo humano Diretoria de Operações Gerência Téc. de Garantia de Qualidade de Água (GTGQA) SAAE JACAREÍ Abril 2015 Divulgação de informações

Leia mais

Biól. MSc Mara Magalhães Gaeta Lemos CETESB Setor das Águas Subterrâneas e do Solo

Biól. MSc Mara Magalhães Gaeta Lemos CETESB Setor das Águas Subterrâneas e do Solo Biól. MSc Mara Magalhães Gaeta Lemos CETESB Setor das Águas Subterrâneas e do Solo O que é a qualidade de um solo? É a capacidade de um solo em funcionar de forma contínua como um sistema vital, dentro

Leia mais

Anexos Gerais. Volume 9 TOMO II. EIA Estudo de Impacto Ambiental. AHE São Luiz do Tapajós Aproveitamento Hidrelétrico São Luiz do Tapajós

Anexos Gerais. Volume 9 TOMO II. EIA Estudo de Impacto Ambiental. AHE São Luiz do Tapajós Aproveitamento Hidrelétrico São Luiz do Tapajós Anexos Gerais Volume 9 TOMO II EIA Estudo de Impacto Ambiental AHE São Luiz do Tapajós Aproveitamento Hidrelétrico São Luiz do Tapajós SUMÁRIO VOLUME 9 ANEXO GERAL Tomo II ANEXO GERAL 7.4.1.1.4/02 Qualidade

Leia mais

Total 1.448.000 100,0

Total 1.448.000 100,0 TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS E QUALIDADE DO CORPO RECEPTOR CAPACITAÇÃO EM GESTÃO ESTRATÉRICA RICA DE RECURSOS HÍDRICOS VOLTADA AOS USUÁRIOS INDUSTRIAIS MÓDULO IV Região Vazão Média Participação

Leia mais

Relatório de Ensaio Nº 61828/2014-1.0-A

Relatório de Ensaio Nº 61828/2014-1.0-A Nº 61828/2014-10-A Processo Comercial Nº 1316/20141 Dados do Cliente Contratante: Solicitante: CNPJ / CPF: 48819619/0001-59 IE / RG: 407001159117 Endereço: Rua Londrina, 587 - Vila Maringá - Município:

Leia mais

PARÂMETROS DETERMINADOS PELO SETOR DE QUÍMICA ORGÂNICA

PARÂMETROS DETERMINADOS PELO SETOR DE QUÍMICA ORGÂNICA PARÂMETROS DETERMINADOS PELO SETOR DE QUÍMICA ORGÂNICA ANÁLISE QUALITATIVA PARA PESQUISA DE COMPOSTOS ORGÂNICOS Extração líquido-líquido ou soxhlet e Deteção/Quantificação por Cromatografia Gasosa acoplada

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 5 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO BRASÁGUA TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES DO BRASIL LTDA

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 7 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO GREEN LAB ANÁLISES QUÍMICAS E TOXICOLÓGICAS LTDA /

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA N 20, de 18 de junho de 1986 Publicado no D.O.U. de 30/7/86.

RESOLUÇÃO CONAMA N 20, de 18 de junho de 1986 Publicado no D.O.U. de 30/7/86. RESOLUÇÃO CONAMA N 20, de 18 de junho de 1986 Publicado no D.O.U. de 30/7/86. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - CONAMA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 7. Inciso IX, do Decreto 88.351,

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE PORTARIA N.º 518, DE 25 DE MARÇO DE 2004

MINISTÉRIO DA SAÚDE PORTARIA N.º 518, DE 25 DE MARÇO DE 2004 MINISTÉRIO DA SAÚDE PORTARIA N.º 518, DE 25 DE MARÇO DE 2004 Estabelece os procedimentos e responsabilidades relativos ao controle e vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de

Leia mais

RELATÓRIO TRIMESTRAL 1. INTRODUÇÃO

RELATÓRIO TRIMESTRAL 1. INTRODUÇÃO RELATÓRIO TRIMESTRAL 1. INTRODUÇÃO O controlo analítico da qualidade das Águas de Abastecimento, no Município de Arraiolos durante o período de Outubro a Dezembro de 2006, foi realizado pelos laboratórios

Leia mais

Poluentes Orgânicos Persistentes em águas Brasileiras. Profa. Dra. Carin von Mühlen Instituto de Ciências Exatas e Tecnológicas carin@feevale.

Poluentes Orgânicos Persistentes em águas Brasileiras. Profa. Dra. Carin von Mühlen Instituto de Ciências Exatas e Tecnológicas carin@feevale. Poluentes Orgânicos Persistentes em águas Brasileiras Profa. Dra. Carin von Mühlen Instituto de Ciências Exatas e Tecnológicas carin@feevale.br Quem são? POLUENTES ORGÂNICOS PERSISTENTES 2 Características?

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONAMA

Ministério do Meio Ambiente CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONAMA Ministério do Meio Ambiente CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONAMA Procedência: 33ª Reunião da Câmara Técnica de Controle e Qualidade Ambiental Data: 11 e 12 de fevereiro de 2009 Processo nº 02000.000917/2006-33

Leia mais

RESOLUÇÃO No- 357, DE 17 DE MARÇO DE 2005

RESOLUÇÃO No- 357, DE 17 DE MARÇO DE 2005 RESOLUÇÃO No- 357, DE 17 DE MARÇO DE 2005 O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 357, DE 17 DE MARÇO DE 2005

RESOLUÇÃO Nº 357, DE 17 DE MARÇO DE 2005 RESOLUÇÃO Nº 357, DE 17 DE MARÇO DE 2005 O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS NÍVEIS DE AGROTÓXICOS ENCONTRADOS NA ÁGUA DE ABASTECIMENTO NAS REGIÕES DE CURITIBA E LONDRINA

AVALIAÇÃO DOS NÍVEIS DE AGROTÓXICOS ENCONTRADOS NA ÁGUA DE ABASTECIMENTO NAS REGIÕES DE CURITIBA E LONDRINA AVALIAÇÃO DOS NÍVEIS DE AGROTÓXICOS ENCONTRADOS NA ÁGUA DE ABASTECIMENTO NAS REGIÕES DE CURITIBA E LONDRINA ANDREOLI, C. V.; HOPPEN, C.; FERREIRA, A. C. Avaliação dos Níveis de Agrotóxicos Encontrados

Leia mais

OS PADRÕES BRASILEIROS DE QUALIDADE DAS ÁGUAS E OS CRITÉRIOS PARA PROTEÇÃO DA VIDA AQUÁTICA, SAÚDE HUMANA E ANIMAL

OS PADRÕES BRASILEIROS DE QUALIDADE DAS ÁGUAS E OS CRITÉRIOS PARA PROTEÇÃO DA VIDA AQUÁTICA, SAÚDE HUMANA E ANIMAL OS PADRÕES BRASILEIROS DE QUALIDADE DAS ÁGUAS E OS CRITÉRIOS PARA PROTEÇÃO DA VIDA AQUÁTICA, SAÚDE HUMANA E ANIMAL Luciana Vaz do Nascimento Marcos von Sperling (*) (*) Departamento de Engenharia Sanitária

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO CONTROLE DE QUALIDADE DA ÁGUA DE CONSUMO HUMANO POÇO ARTESIANO CRISTALLITE TIMÓTEO - MG (MÊS/ANO REF. 10/2014)

RELATÓRIO TÉCNICO CONTROLE DE QUALIDADE DA ÁGUA DE CONSUMO HUMANO POÇO ARTESIANO CRISTALLITE TIMÓTEO - MG (MÊS/ANO REF. 10/2014) RELATÓRIO TÉCNICO CONTROLE DE QUALIDADE DA ÁGUA DE CONSUMO HUMANO POÇO ARTESIANO CRISTALLITE TIMÓTEO - MG (MÊS/ANO REF. 10/2014) 1 RELATÓRIO ANALÍTICO N O 20 10/2014 CONTROLE DE QUALIDADE DA ÁGUA PARA

Leia mais

Non-inert industrial solid waste disposal in landfill dumps: evaluation of toxicity and implications for the environment and human health

Non-inert industrial solid waste disposal in landfill dumps: evaluation of toxicity and implications for the environment and human health ARTIGO ARTICLE 369 Disposição em aterros controlados de resíduos sólidos industriais não-inertes: avaliação dos componentes tóxicos e implicações para o ambiente e para a saúde humana Non-inert industrial

Leia mais

NÚCLEO OPERACIONAL DA QUÍMICA ORGÂNICA

NÚCLEO OPERACIONAL DA QUÍMICA ORGÂNICA NÚCLEO OPERACIONAL DA QUÍMICA ORGÂNICA ANÁLISE QUALITATIVA PARA PESQUISA DE COMPOSTOS ORGÂNICOS Método: LLE (GC/MS-LC/MS) Extração líquido-líquido Cromatografia Gasosa com deteção por Espectrometria de

Leia mais

LANÇAMENTO DE EFLUENTES

LANÇAMENTO DE EFLUENTES NORMA TÉCNICA T. 187/ 5 LANÇAMENTO DE EFLUENTES NÃO DOMÉSTICOS NO SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA COPASA S I N O R T E Sistema de Normalização Técnica Copasa NORMA TÉCNICA LANÇAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 88 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO Bioagri Ambiental Ltda. - Matriz ÁGUA BRUTA, ÁGUA

Leia mais

Aplicação de resíduos em solo agrícola. Lodo do STAR (Indústria Alimentícia)

Aplicação de resíduos em solo agrícola. Lodo do STAR (Indústria Alimentícia) Aplicação de resíduos em solo agrícola Lodo do STAR (Indústria Alimentícia) 2 Aplicação de resíduos em solo agrícola Benefício agronômico 3 Aplicação de resíduos em solo agrícola Elaboração de projeto

Leia mais

APÊNDICE 5.9 Exemplos de Aplicação do MCS

APÊNDICE 5.9 Exemplos de Aplicação do MCS 498 APÊNDICE 5.9 Exemplos de Aplicação do MCS 499 A59 EXEMPLOS DE APLICAÇÃO A59.1 Exemplo de Aplicação 1 Somente Análise Econômica Avaliar economicamente as alternativas tecnológicas, considerando vazões

Leia mais

VALORES ORIENTADORES PARA SOLOS E ÁGUAS SUBTERRÂNEAS

VALORES ORIENTADORES PARA SOLOS E ÁGUAS SUBTERRÂNEAS VALORES ORIENTADORES PARA SOLOS E ÁGUAS SUBTERRÂNEAS Mcs. MARA MAGALHÃES GAETA LEMOS Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (CETESB) Setor de Qualidade do Solo e Vegetação- ESSE Av. Prof. Frederico

Leia mais

Termo de Referência Processo nº 34/15 Edital nº 27/15 Pregão 17/15. Obs.: O preço desse item deverá ser considerado por quilo na base seca.

Termo de Referência Processo nº 34/15 Edital nº 27/15 Pregão 17/15. Obs.: O preço desse item deverá ser considerado por quilo na base seca. Termo de Referência Processo nº 34/15 Edital nº 27/15 Pregão 17/15 Objeto: LOTE 1: Fornecimento parcelado de 5 (cinco) toneladas de Ortopolifosfato a 55%. Obs.: O preço desse item deverá ser considerado

Leia mais

Deliberação Normativa Conjunta COPAM/CERH-MG N.º 1, de 05 de Maio de 2008 (publicado no Minas Gerais no dia 13/05/2008)

Deliberação Normativa Conjunta COPAM/CERH-MG N.º 1, de 05 de Maio de 2008 (publicado no Minas Gerais no dia 13/05/2008) Deliberação Normativa Conjunta COPAM/CERH-MG N.º 1, de 05 de Maio de 2008 (publicado no Minas Gerais no dia 13/05/2008) Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO ESTUDO TÉCNICO ATUALIZADO DO CASO MANSÕES SANTO ANTÔNIO INVESTIGAÇÃO AMBIENTAL DETALHADA E AVALIAÇÃO DE RISCO À SAÚDE HUMANA

APRESENTAÇÃO DO ESTUDO TÉCNICO ATUALIZADO DO CASO MANSÕES SANTO ANTÔNIO INVESTIGAÇÃO AMBIENTAL DETALHADA E AVALIAÇÃO DE RISCO À SAÚDE HUMANA APRESENTAÇÃO DO ESTUDO TÉCNICO ATUALIZADO DO CASO MANSÕES SANTO ANTÔNIO INVESTIGAÇÃO AMBIENTAL DETALHADA E AVALIAÇÃO DE RISCO À SAÚDE HUMANA Histórico da Área A área alvo de estudo (Lotes 04 e 05) pertenceu

Leia mais

Utilização de Escória Proveniente da Reciclagem do Aço em Concreto de Cimento Portland

Utilização de Escória Proveniente da Reciclagem do Aço em Concreto de Cimento Portland UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS INSTITUTO DE FÍSICA DE SÃO CARLOS INSTITUTO DE QUÍMICA DE SÃO CARLOS Utilização de Escória Proveniente da Reciclagem do Aço em Concreto de Cimento

Leia mais

http://e-legis.bvs.br/leisref/public/showact.php?mode=print_vers...

http://e-legis.bvs.br/leisref/public/showact.php?mode=print_vers... 1 de 13 11/28/2007 2:37 PM Legislação em Vigilância Sanitária PORTARIA Nº 518, DE 25 DE MARÇO DE 2004 Estabelece os procedimentos e responsabilidades relativos ao controle e vigilância da qualidade da

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1 / 07 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO LABORATÓRIO DE ANÁLISES AMBIENTAIS TECLAB LTDA HUMANO S QUÍMICOS Dureza Total Alcalinidade Cloretos LQ:0,5 mg/l NORMA

Leia mais

Capítulo 0: Iniciação ao tratamento de esgoto e ao meio ambiente.

Capítulo 0: Iniciação ao tratamento de esgoto e ao meio ambiente. Capítulo 0: Iniciação ao tratamento de esgoto e ao meio ambiente. 0.1. Introdução O aluno participante deste curso deve ter uma visão global e cibernética que o leve a entender a natureza de maneira diferente.

Leia mais

ANÁLISE DE ÁGUA NO INSTITUTO ADOLFO LUTZ

ANÁLISE DE ÁGUA NO INSTITUTO ADOLFO LUTZ Instituto Adolfo Lutz MANUAL PARA ORIENTAÇÃO ANÁLISE DE ÁGUA NO INSTITUTO ADOLFO LUTZ JULHO 2007 MANUALL PPARA ORIIEENTTAÇÃO ANÁLISE DE ÁGUA NO INSTITUTO ADOLFO LUTZ ((11ªª RReevvi isããoo)) DDi iirreet

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha:1 /21 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO CONTROLE ANALÍTICO ANÁLISES TÉCNICAS LTDA S QUÍMICOS Determinação de Cor Aparente por Espectrofotometria UV/Vis LQ: 5mg

Leia mais

SISTEMA ESTUARINO DE SANTOS E SÃO VICENTE AGOSTO DE 2001

SISTEMA ESTUARINO DE SANTOS E SÃO VICENTE AGOSTO DE 2001 SISTEMA ESTUARINO DE SANTOS E SÃO VICENTE AGOSTO DE 2001 1 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE CETESB COMPANHIA DE TECNOLOGIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL DIRETORIA DE CONTROLE

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA (PCQA) - 2014

PROGRAMA DE CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA (PCQA) - 2014 PROGRAMA DE CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA (PCQA) - 2014 RESULTADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA CONCELHO DE PONTA DELGADA SISTEMA DE ABASTECIMENTO: MOSTEIROS - NORTE Os resultados das análises definidas para o

Leia mais

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DO SOLO E DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DO SOLO E DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS USIMINAS USINAS SIDERÚRGICAS DE MINAS GERAIS S/A ITAGUAÍ / RJ MONITORAMENTO DA QUALIDADE DO SOLO E DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS PROCESSO E-07 / 50759 / 2009 CEAMNOT/0000896 Novembro/ 0 HAZTEC TECNOLOGIA E PLANEJAMENTO

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA (PCQA) - 2014

PROGRAMA DE CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA (PCQA) - 2014 PROGRAMA DE CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA (PCQA) - 2014 RESULTADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA CONCELHO DE PONTA DELGADA SISTEMA DE ABASTECIMENTO: MOSTEIROS, BRETANHA E REMÉDIOS Os resultados das análises definidas

Leia mais

VENENO NA ÁGUA DE BEBER

VENENO NA ÁGUA DE BEBER VENENO NA ÁGUA DE BEBER MONITORAMENTO DE RESÍDUOS DE AGROTÓXICOS NA ÁGUA A questão do estabelecimento de limites permitidos de resíduos de agrotóxicos na água de abastecimento humano é bastante complexa.

Leia mais

Portaria MS n.º 518/2004

Portaria MS n.º 518/2004 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Coordenação-Geral de Vigilância em Saúde Ambiental Portaria MS n.º 518/2004 Série E. Legislação de Saúde Brasília DF 2005 2005 Ministério da Saúde.

Leia mais

LABORATÓRIO DE ANÁLISES DE ÁGUA E ESGOTO REGISTRO NO C.R.Q. - 9ª REGIÃO SOB N.º 01938

LABORATÓRIO DE ANÁLISES DE ÁGUA E ESGOTO REGISTRO NO C.R.Q. - 9ª REGIÃO SOB N.º 01938 CONVENIO COM: FUNASA/CORE- PR DIVISÃO DE ENGENHARIA DE SAÚDE PÚBLICA CENTRO DE REFERENCIA EM SANEAMENTO AMBIENTAL LABORATÓRIO DE ANÁLISES DE ÁGUA E ESGOTO REGISTRO NO C.R.Q. - 9ª REGIÃO SOB N.º 01938 Página

Leia mais

RESOLUÇÃO ARSAE-MG 45, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2014.

RESOLUÇÃO ARSAE-MG 45, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2014. RESOLUÇÃO 45, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2014. Homologa a Tabela de Preços de Serviços Não Tarifados e o Termo de Ocorrência de Irregularidade, ambos do Serviço Autônomo de Água e de Esgoto do Município de

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1 / 141 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS / CENTRO DE METROLOGIA EM QUÍMICA PETRÓLEO, DERIVADOS, GÁS NATURAL, ÁLCOOL, COMBUSTÍVEIS

Leia mais

FERROUS RESOURCES DO BRASIL S.A.

FERROUS RESOURCES DO BRASIL S.A. FERROUS RESOURCES DO BRASIL S.A. MINERODUTO VIGA - PRESIDENTE KENNEDY MINAS GERAIS, RIO DE JANEIRO E ESPÍRITO SANTO Licença Prévia nº 409 / 2011 Atendimento à condicionante 2.9 ESTUDO DE ALTERNATIVA DE

Leia mais

Relatório de Ensaio nº 20151376

Relatório de Ensaio nº 20151376 São Paulo, 24 agosto 2015 SAUBER SYSTEM INDUSTRIA SAUBER SYSTEM Rua Entre-Rios, N 75 - Vila Buenos Aires 03736000 São Paulo - SP Relatório de Ensaio nº 20151376 Resultados Analíticos Número / Nome do Projeto

Leia mais

As amostras estão identificadas com um número na parte superior do boletim analítico, que pode ser utilizado como referência para mais informações.

As amostras estão identificadas com um número na parte superior do boletim analítico, que pode ser utilizado como referência para mais informações. São Paulo, 25 de fevereiro de 2015. À Boletins Analíticos: 15.02.103667 ao 15.02.103682 Águas. Coleta: Projeto 0341P15. Prezados Senhores, Em anexo os resultados originais das análises físico-químicas

Leia mais

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009.

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a obrigatoriedade de realização de Análises Físico-químicas e Bacteriológicas com parâmetros físico-químicos e bacteriológicos específicos,

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. ENSAIOS QUÍMICOS Determinação de metais por espectrofotometria de absorção atômica

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. ENSAIOS QUÍMICOS Determinação de metais por espectrofotometria de absorção atômica ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 65 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO NSF BIOENSAIOS - PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ANÁLISES

Leia mais

Código CETIND 250208-1223 Amostra TRMOC01 - MEIO Coleta em: 24/02/08 14:36 Ensaio Resultado Unidade LDM Método Data do Ensaio

Código CETIND 250208-1223 Amostra TRMOC01 - MEIO Coleta em: 24/02/08 14:36 Ensaio Resultado Unidade LDM Método Data do Ensaio Relatório de s LABQGI 1369/07-1 Revisão 00 Endereço: Loc. Ilha de Comandatuba, s/n e-mail: reimar@transamerica.com.br; pabl Código CETIND 250208-1222 Amostra TRMOC01 - SUP. Coleta em: 24/02/08 14:36 Nitrogênio

Leia mais

Lista de Ensaios Acreditados - Âmbito Flexivel. Anexo Técnico de Acreditação, L0297-1

Lista de Ensaios Acreditados - Âmbito Flexivel. Anexo Técnico de Acreditação, L0297-1 1.1.1 Determinação de Ferro 1.1.2 Determinação de Cobre 1.1.3 Determinação de Cádmio 1.1.4 Determinação de Chumbo 1.1.5 Determinação de Crómio 1.1.6 Determinação de Manganês 1.1.7 Determinação de Níquel

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE ÁREAS COM POPULAÇÕES EXPOSTAS OU POTENCIALMENTE EXPOSTAS A CONTAMINANTES QUÍMICOS FICHA DE CAMPO

IDENTIFICAÇÃO DE ÁREAS COM POPULAÇÕES EXPOSTAS OU POTENCIALMENTE EXPOSTAS A CONTAMINANTES QUÍMICOS FICHA DE CAMPO IDENTIFICAÇÃO DE ÁREAS COM POPULAÇÕES EXPOSTAS OU POTENCIALMENTE EXPOSTAS A CONTAMINANTES QUÍMICOS FICHA DE CAMPO LOCALIZAÇÃO 1. Data Da Visita de Campo: / / 2. UF: 3. Município: 4. Cód. Município: 5.

Leia mais

DESSALINIZAÇÃO: UM DOS MÉTODOS DE SE OBTER ÁGUA POTÁVEL

DESSALINIZAÇÃO: UM DOS MÉTODOS DE SE OBTER ÁGUA POTÁVEL 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA Á EDUCAÇÃO STEFANNY ALVES DE LIMA SILVA DESSALINIZAÇÃO: UM DOS MÉTODOS DE SE OBTER ÁGUA POTÁVEL GOIÂNIA 2015 1 2 STEFANNY ALVES DE LIMA

Leia mais

Mesa redonda CIANOBACTÉRIAS

Mesa redonda CIANOBACTÉRIAS Mesa redonda CIANOBACTÉRIAS Tema Gestão na implantação da Identificação e Contagem de Cianobactérias na URCQA/PE 18 a 22 de março de 2013 Belo Horizonte BH Disponibilidade hídrica no Brasil 12% da água

Leia mais

EEA Empresa de Engenharia Ambiental Ltda. Este livro não pode ser reproduzido por qualquer meio sem autorização escrita do autor.

EEA Empresa de Engenharia Ambiental Ltda. Este livro não pode ser reproduzido por qualquer meio sem autorização escrita do autor. Este livro não pode ser reproduzido por qualquer meio sem autorização escrita do autor. Ficha do autor Emerson Marçal Júnior é Engenheiro Civil formado pela Escola de Engenharia de São Carlos USP e Mestre

Leia mais

Absorventes para Líquidos Agressivos - LINHA VERDE São indicados para derramamentos e contenções de ácidos, bases, tóxicos e produtos desconhecidos.

Absorventes para Líquidos Agressivos - LINHA VERDE São indicados para derramamentos e contenções de ácidos, bases, tóxicos e produtos desconhecidos. Saiba mais sobre Absorventes Industriais Ambclean Para o melhor custo benefício, é muito importante a escolha correta dos absorventes industriais a serem utilizados em sua empresa. A escolha da linha de

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Folha: 01/05 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO IBRA INTITUTO BRASILEIRO DE ANÁLISES QUIMICAS, FÍSICAS E BIOLÓGICAS LTDA AGRICULTURA E PECUÁRIA TECIDO VEGETAL Determinação do Boro pelo método Colorimétrico

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Determinação de Cor pelo método espectrofotométrico LQ: 1 mg PtCo/L

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Determinação de Cor pelo método espectrofotométrico LQ: 1 mg PtCo/L ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 41 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO LABCRIS ANÁLISES, E SERVIÇOS LTDA. ÁGUA BRUTA, ÁGUA

Leia mais

Controlare Assessoria em Segurança Alimentar Ltda. Rua São Vicente de Paula, 95 cj 142 - Higienópolis - São Paulo Tel/Fax: (0xx11) 3828-2400 Site:

Controlare Assessoria em Segurança Alimentar Ltda. Rua São Vicente de Paula, 95 cj 142 - Higienópolis - São Paulo Tel/Fax: (0xx11) 3828-2400 Site: Responsável pela Elaboração: GTSaneamento da Divisão de Ações Sobre o Meio Ambiente / Centro de Vigilância Sanitária / Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo Equipe Técnica de Elaboração: Ângela Percz

Leia mais

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento Folha: 1 de 5 Determinação da dureza pelo método titulométrico por EDTA 2340C Determinação da alcalinidade pelo método titulométrico Determinação de cloreto pelo método argentométrico LQ: 0,5 mg.l-1 Determinação

Leia mais