SUMÁRIO. TOMADA DE DECISÕES EM ENERGIA E ANÁLISE DE VALORES ATRAVÉS DE MODELOS PROBABILÍSTICOS... 2 Murolo, Afrânio Carlos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUMÁRIO. TOMADA DE DECISÕES EM ENERGIA E ANÁLISE DE VALORES ATRAVÉS DE MODELOS PROBABILÍSTICOS... 2 Murolo, Afrânio Carlos"

Transcrição

1 Revista Análise /2010 SUMÁRIO TOMADA DE DECISÕES EM ENERGIA E ANÁLISE DE VALORES ATRAVÉS DE MODELOS PROBABILÍSTICOS... 2 Murolo, Afrânio Carlos UTILIZAÇÃO DE CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) NA MODALIDADE SAAS (SOFTWARE AS A SERVICE) A PERCEPÇÃO DE PROFISSIONAIS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Vivaldo José, Fabio Lanza, Vinicius Roberto Torres, Aimar Martins e Victor Marcelino Dias UM ESTUDO PRÁTICO SOBRE O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR Prof. Marco Antonio Paletta CAPITAL FINANCEIRO, CRISE E MUNDIALIZAÇÃO NO CONTEXTO DA DÉCADA DE Cristiano Monteiro da Silva UMA INTERPRETAÇÃO DO PROCESSO DE AJUSTE NA AMÉRICA LATINA A PARTIR DA TEORIA DE SISTEMAS-MUNDO Paulo Daniel e Silva OS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA NO BRASIL E SUAS INTERFACES: POLÍTICAS COMPENSATÓRIAS VERSUS EMANCIPATÓRIAS. 55 Elisiante Sartori ACUMULAÇÃO FINANCEIRA NO BRASIL: REFLEXOS NA ECONOMIA E POLÍTICA CONTEMPORANEA...69 Thiago Rodrigues Miota

2 2 TOMADA DE DECISÕES EM ENERGIA E ANÁLISE DE VALORES ATRAVÉS DE MODELOS PROBABILÍSTICOS Murolo, Afrânio Carlos Resumo A análise das decisões nos fornece uma metodologia racional para os processos de tomada de decisão, considerando cenários cada vez mais complexos, que se apresentam em face das incertezas geradas pelo mercado consumidor energético. Para auxiliar nesses processos e na identificação de um melhor caminho na solução desses problemas, envolvendo decisões de cunho sequenciais, utilizamos árvores de decisão como critério para a condição de chegar à melhor solução entre as várias alternativas, com o propósito de minimização do custo esperado. Cabe também salientar, que esta técnica utilizada neste artigo, associa variáveis de decisão em modelos energéticos associando à implantação de um programa piloto, através de dados experimentais, determinando o custo mínimo esperado e, consequentemente, atingindo a política ótima de mercado. 1. Introdução Uma técnica muito utilizada em pesquisa operacional para a identificação do melhor caminho na solução de problemas, que envolvem decisões seqüenciais, é denominada árvores de decisões. Pode-se dizer que árvores de decisão, representam processos de decisão por meio de nós. Estes nós representam pontos no tempo. Contudo, esse processo, também é utilizado na determinação de decisões ótimas, quando se apresentam, de certa forma, muito complexos. Os passos para a construção de uma árvore são caracterizados pela determinação dos caminhos a serem percorridos na determinação das probabilidades associadas aos eventos, associação dos valores monetários para cada uma das alternativas, e resolução do modelo em função da avaliação dos valores esperados em cada nó. Podemos enunciar, também, que esta técnica associa riscos versus retorno de projetos de investimento, dado que a mesma consegue aliar situações de tomada de decisão em horizontes futuros. Mestre em engenharia da produção. Professor do curso de Administração de Empresas do UNIANCHIETA.

3 3 Uma decisão recomendada a ser admitida como possível solução de um problema é aquela que determina um ganho esperado máximo, ou um custo mínimo esperado. Portanto, as decisões que tornam não compatíveis com o processo tem seus ramos excluídos da árvore de decisão. 2. Modelos de Decisão Nos anos recentes, a análise de decisões e modelos de decisões tem-se tornado peças importantes nos processos de tomada de decisão nos negócios, indústria e governo. Diante da incerteza, as quais estão direcionadas num problema, a análise de decisões fornece uma metodologia racional para a tomada de decisão, quando sentimos que as possíveis consequências daquela decisão são muito importantes para a empresa ou para o negócio em análise. Portanto, podemos salientar que embora incertos quanto às consequências de uma decisão, estamos nos deparando com escolhas que envolvem riscos. No entanto, os modelos de decisão permitem ao analista escolher entre alternativas de uma maneira ótima, levando-se em consideração dados experimentais com o propósito de redução do grau de incerteza. Podemos definir o processo de decisão como aquele que requer um único ou diversos conjuntos das decisões possíveis para sua composição. Cada decisão possível tem um ganho ou perda a ele associado, o qual é determinado por circunstâncias externas ao processo. Designaremos as decisões possíveis (ações) por a 1, a 2,..., a m ; os estados naturais C (cenários) por c 1, c 2,..., c m ; e o retorno esperado por E (a i ). A tabela 1 é um exemplo de identificação da matriz de ganhos para as possíveis entradas de ações e cenários: Tabela 1 - Matriz de ganho Ação/Cenário c 1 p i (probabilidade) c 2,..., c m p i (probabilidade) a 1 g 11 g 12 g 1m a 2 g 21 g 22 g 2m a m g m1 g m2 g mm 2.1. Considerações teóricas sobre o Teorema de Bayes A determinação de P(B), através da utilização do teorema da probabilidade total

4 4 P(B) = P(B/R 1 ). P(R 1 )+ P(B/R 2 ). P(R 2 ) P(B/R n ). P(R n ), precisamos obviamente conhecer as probabilidades condicionais P(B/R 1 ), P(B/R 2 ),..., P(B/R n ), que representaremos de modo genérico por P(B/R), para i = 1,2,..., n. Se desejarmos avaliar uma probabilidade condicional do tipo P(R 1 /B), devemos utilizar então: P(R i /B) = P(R i B) / P(B) A expressão do numerador P(R i B) / P(B/R i ). P(R i ) e a expressão do denominador P(B) = P(B/R 1 ). P(R 1 ) + P(B/R 2 ). P(R 2 ) P(B/R n ). P(R n ) Substituindo-se estes valores, obtém-se: P(R i /B) = P(B/R). P(R i ) P(B) = P(B/R 1 ). P(R 1 ) + P(B/R 2 ). P(R 2 ) P(B/R n ). P(R n ) Observa-se que a expressão anterior, avalia a probabilidade da "causa" R i, dado o efeito B. O critério, a priori (ou de Bayes), também é utilizado para determinar a decisão que maximiza o ganho esperado (MUROLO et al., 1995, p. 176). 3. Critério Minimax, Mediano e Otimista Podemos inserir neste critério, três modalidades utilizadas para relacionar a decisão, e dentre elas configuram o Critério Minimax (ou pessimista), Critério Otimista e o Critério Mediano. O primeiro critério (pessimista) visa maximizar o possível ganho mínimo, quando estamos trabalhando com uma matriz de ganho. Já o segundo critério, determina a maximização do possível ganho e; finalmente, o critério mediano é determinado pela média de ganhos mínima e máxima, esperando ser o maior possível entre as decisões formuladas. Como exemplificação desses critérios mencionados anteriormente, examinaremos a tabela 2. Tabela 2 - Critérios: Minimax, Otimista e Mediano Estados naturais/cenários c 1 c 2 a 1 (Consumo) a 2 (Manutenção)

5 5 Conclui-se pela 1ª. Linha da matriz de ganho, que o ganho mínimo para a decisão a 1 é igual a 80, sendo o ganho mínimo na 2ª. Linha igual a Portanto, o ganho mínimo para a decisão a 1 = 80, e o ganho mínimo para a decisão a 2 = Como o Critério Minimax maximiza o possível ganho mínimo, tem-se que 80 é o valor de ganho correlacionado à condição de decisão a 1. Para calcularmos o ganho sob a ótica do Critério Mediano, podemos estabelecer: Ganho máximo para a 1 = 700, e ganho mínimo = 80 Ganho máximo para a 2 = 2.200, e ganho mínimo = Efetuando-se o cálculo das médias aritméticas, temos: a 1 = /2 = 390 e a 2 = /2 = donde se conclui, que a decisão mais eficaz é a a 2, baseada neste critério. Finalizando, na linha a 2 e cenário, relativo à coluna c 2, temos o ganho igual a 2.200, decisão esta, que pode ser observada sob o ponto de vista do Critério Otimista. 4. Uso da Técnica de Bayes na solução de problemas na tomada de decisão, através do cálculo da distribuição, a posteriori Vamos considerar neste exemplo, um estudo de viabilidade, dado pela possível substituição de fontes geradoras de energia elétrica para fontes geradoras de energia a óleo. Neste estudo, vamos analisar algumas decisões recomendadas para o problema, tais como: economia, inalterado e perda, relacionados a estados naturais; compondo com essa associação um programa piloto de fonte de energia geradora. Para sermos mais específicos, a empresa em questão é detentora de uma rede de hotéis e está buscando informações técnicas e formas de minimização de custos e, para tanto, observa atentamente suas alternativas possíveis e viáveis para redução de seus custos energéticos. Após consulta realizada em uma companhia fabricante de geradores a óleo, estimou-se um custo de conversão de energia elétrica para energia a óleo, na ordem de u.m. Porém, o fabricante afirma, de forma categórica, que se a empresa efetuar a conversão ela deterá um lucro de u.m., à medida que a conversão for substancialmente efetivada e incorporada pela empresa, ao longo do tempo. Uma possibilidade que pode, até certo ponto ser remota, porém não impossível é de que nada ocorra em termos de custos com a implantação da conversão.

6 6 Admite-se que o fabricante tem experiência em situações similares, sendo que para esse problema de conversão de energia, caracterizou a distribuição à priori, de acordo com o levantamento de dados de mercado anteriores, e destinaram 25% de probabilidade de lucro de u.m., 45% para o custo de conversão e 30% se nada vier a ocorrer com a conversão. Diante do objetivo do programa de conversão de energia, a própria empresa decidiu implantar um programa piloto, com a finalidade de se avaliar indicadores, que se observem à própria realização do programa, como também, a sua viabilidade econômica de conversão de energia, propriamente dita. Tendo-se em vista que os gastos operacionais para a adequação e implementação do programa a ser orçado em torno de u.m., determina-se como amostra significativa para a avaliação três geradores a serem testados por um período de três bimestres, no tocante às tomadas de decisão: economia, inalterado e perda, sendo que os estados naturais pressupostos pelo programa piloto, indicariam: perda, economia e processo inalterado. Os valores correspondentes à matriz de ganho e programa piloto apresentam-se, de acordo com as tabelas 3 e 4, respectivamente, onde são descriminados, os valores relativos à matriz de ganho em u.m., e ao programa piloto. Tabela 3 - Matriz de Ganho (u.m.) Decisão Cenários c 1 c 2 c 3 a a Tabela 4 - Probabilidades relativas ao Programa Piloto Indicação de Economia Sem alteração Perda de Economia Economia 0,6 0,3 0,1 Estável 0,4 0,4 0,2 Perda 0,1 0,5 0,4 Temos abaixo, o delineamento dos eventos ( θ i ) e decisões (a i ), com o intuito de maximização da economia esperada no processo de tomada de decisão, observando que o mesmo será analisado sob a ótica de dois estágios. O primeiro estágio deve-se ao fato da realização ou não do programa piloto e, em consequência, o segundo estágio versará sobre a identificação e decisão da conversão de energia proposta pelo fabricante. A I = Decidir pela não aceitação/realização do programa piloto. A II = Decidir pela aceitação/realização do programa piloto

7 7 a 1 = Decisão pela conversão para geradores a óleo a 2 = Decisão pela não conversão de geradores a óleo c 1 = Estabelece, em termos de operação, que os geradores a óleo são mais baratos que o sistema elétrico de energia, ora utilizado. c 2 = Estabelece que o custo do sistema elétrico de energia na em operação são iguais aos geradores a óleo c 3 = Estabelece que o sistema elétrico de energia apresenta custos superiores na operação, em relação aos geradores a óleo θ 1 = Evento indicando economia pela implantação do programa piloto (geradores a óleo) θ 2 = Evento indicando inalterado (nem economia, nem perda) θ 3 = Indicação de perda 5. Resultados e Discussão A decisão da realização ou não do programa piloto está pautada nos respectivos ganhos esperados, relativos às decisões: não aceitação e aceitação do programa piloto. Portanto, deve-se calcular os ganhos relativos às decisões: a 1 e a 2., se o programa piloto não se realizar. E (G 1 ) = (1050) (0,25) + (0) (0,30) + (-500) (0,45) = 37,5 E (G 2 ) = (0) (0,25) + (0) (0,30) + (0) (0,45) = 0 Verifica-se sobre o critério a priori, que o ganho máximo está associado a a 1, logo, optaremos pela decisão de conversão de geradores a óleo. De acordo com os dados da tabela 5, podem-se enunciar a probabilidade condicional, a priori: Tabela 5 Cálculos de distribuição a priori θ 1 θ 2 θ 3 P ( θ 1/c 1 ) = 0,6 P ( θ 1/c 2 ) = 0,4 P ( θ 1/c 3 ) = 0,1 P ( θ 2 /c 1 ) = 0,3 P ( θ 2 /c 2 ) = 0,4 P ( θ 2 /c 3 ) = 0,5 P ( θ 3 /c 1 ) = 0,1 P ( θ 3 /c 2 ) = 0,2 P ( θ 3 /c 3 ) = 0,4

8 8 P (c 1 / θ 1) = P ( θ 1/c 1 ). P(c 1 ) P ( θ 1/c 1 ). p(c 1 ) + P ( θ 1/c 2 ). p(c 2 ) + P ( θ 1/c 3 ). p(c 3 ) (0,6) (0,25) P (c 1 / θ 1) = = 0,476,2 (0,6) (025) + (0,4) (0,3) + (0,1) (0,45) Uniformizando os dados em uma tabela, temos: Tabela 6 - Cálculo da Distribuição a posteriori de θ i θ 1 θ 2 θ 3 P (c 1 / θ 1) = 0,4762 P (c 1 / θ 2 ) = 0,1786 P (c 1 / θ 3 ) = 0,0943 P (c 2 / θ 1) = 0,3810 P (c 2 / θ 2 ) = 0,2857 P (c 2 / θ 3 ) = 0,2264 P (c 3 / θ 1) = 0,1429 P (c 3 / θ 2 ) = 0,5357 P (c 3 / θ 3 ) = 0,6792 Segue da análise feita anteriormente, que E(G 1 ) = 37,5 e E(G 2 ) = 0. Como E(G 1 ) > E(G 2 ), determinou-se optar pela realização do programa piloto, dado por A II. Cabe salientar, que para a execução do programa piloto, o seu custo está orçado na ordem de 50 u.m., portanto, todos os cálculos devem ser deduzidos deste valor e dispostos da mesma formam a árvore de decisão = 1000 e = -550 Precisaremos, neste momento, efetuar alguns cálculos em relação às decisões a 1 e a 2 e, consequentemente, em relação aos eventos θ 1, θ 2 e θ 3, para definirmos com mais exatidão os nós e ramos que caracterizam o maior valor esperado para o processo de tomada decisão. Supondo que o resultado do programa seja θ 1 (vide tabela), então calcularemos os ganhos esperados, com relação a a 1 e a 2. E (G 1 / θ ) = (1000) (0,4762) + (-50) (0,3810) + (-550) (0,1429) = 378,55 1 E (G 2 / θ ) = (-50) (0,4762) + (-50) (0,7810) + (-50) (0,1429) = -50 2

9 9 Deduz-se que a decisão a ser utilizada, tendo em vista o critério a posteriori é a 1 (conversão para geradores a óleo). Da mesma forma como foi analisado θ 1 em relação à a 1 e a 2, faremos os cálculos e análises de decisão, observando θ 2 e θ 3. Com relação a θ 2 (vide tabela 6). Diante de a 1 e a 2, temos: E (G 1 / θ ) = (1000) (0,1786) + (-50) (0,2857) + (-550) (0,5357) = -130,32 2 E (G 2 / θ ) = (-50) (0,1786) + (-50) (0,2857) + (-50) (0,5357) = Logo, a decisão recomendada sobre o critério em questão é a 2. Finalmente, em relação a θ 3, diante das decisões a1 e a 2, temos: E (G 1 / θ ) = (1000) (0,0943) + (-50) (0,2264) + (-50) (0,6792) = -290,30 3 E (G 2 / θ ) = (-50) 3 Portanto, a decisão recomendada é baseada nos cálculos acima, é a 2. O próximo passo será o cálculo de P( θ 1 ), P ( θ 2 ) e P ( θ 3 ), dadas por suas probabilidades totais com o objetivo de fechamento das probabilidades da árvore de decisão, e tomadas de decisão para o nó mais viável em termos de ganho esperado. Segue, que: P ( θ 1 ) = P ( θ 1 /S 1 ) P(S 1 ) + P ( θ 1 /S 2 ) P(S 2 ) + P ( θ 1 /S 3 ) P(S 3 ) P ( θ 1 ) = (0,6) (0,25) + (0,4) (0,7) + (0,1) (0,45) = P ( θ 2 ) = P ( θ /S 2 1 ) P(S 1 ) + P ( θ /S 2 2 ) P(S 2 ) + P ( θ /S 2 3 ) P(S 3 ) P ( θ 2 ) =0,420 E finalmente: P ( θ 3 ) =0,265

10 10 Árvore de Decisão: Figura 1 2 A1 3 A2 1 a1 37, C1 C2 0,25 0,30 C3 0, C1 C2 0,25 0,30 C3 0, ,55 0, C1 C2 0,3810 C3 0, , ,55 a1 a2 C1 0,4762 C2 0,3810 C3 0, a1-130,32 C1 0,1786 C2 0,2857 C3 0, a2-50 C1 0,1786 C2 0,2857 C3 0, ,265 6 a1 a2-290,30-50 C1 0,0943 C2 0,2264 C3 0,6792 C1 0,0943 C2 0,2265 C3 0, ,5 85

11 11 A árvore de decisões apresentada na figura 1, mostra com clareza todo o processo de decisão, acompanhado dos nós e ramos e suas probabilidades. Com base nos cálculos efetuados sob o critério a priori e a posteriori, verificou-se que a decisão a ser tomada será A II, e em relação a θ 1, θ 2 e θ 3, as decisões foram, respectivamente, a 1, a 2 e a 2. Portanto, a decisão por a 1, a 2 e a 2 e seus valores ganhos correspondentes, determinam na árvore de decisão os ramos 4, 5 e 6. Através dos cálculos efetuados, anteriormente, onde: E (3) = (valor nó 4) P( θ 1 )+ (valor nó 5) P( θ 2 ) + (valor nó 6) P( θ 3 ) E (nó 3)= (378,55) (0,315) + (-50) (0,42) + (-50) (0,265) = 84,99 85 u.m. 6. Conclusão Comparando o nó esperado no nó 3 (E (nó 3) = 85 u.m.) com o ganho esperado (E (nó 1) = 37,5 u.m.), verifica-se que o nó 3 apresenta um ganho esperado superior, e portanto, é mais viável e recomendado para a solução do problema, estando também, articulado com a decisão ou caminho A II (realização do programa piloto). Portanto, a empresa deve implantar o programa piloto em um primeiro estágio e buscar a conversão para geradores a óleo, dado por a 1, e observando que o maior esperado é no nó 4 de (378,55 u.m.), considerando θ 1 (caso em que o programa piloto indica economia). 7. Referências Bibliográficas BUNN, D. Appied decision analysis. Nova York : Mc Graw-Hill, 1984 CASSARO, A.C. Sistemas de informação para tomadas de decisão. São Paulo, Atlas, 2003 HILLER, F.S.; LIEBERMAN, G.J. Introdução à Pesquisa Operacional. 3.ed. Rio de Janeiro:Campus/São Paulo: USP, Goldbarg, Marco Cesar. Otimização Combinatória e Programação Linear : Modelos e Algoritmos. Rio de Janeiro: Elsevier, MUROLO, A.C. et al. Pesquisa Operacional. 3.ed. São Paulo, Atlas, MUROLO, A.C. et. al. Estatística para os Cursos de Administração e Ciências Contábeis. 2.ed. São Paulo, Atlas, SCHEINERMAN, R. Matemática Discreta. São Paulo, Thompson, 2003, 532p. SOUZA, Acilon Batista. Projetos de Investimento de Capital. São Paulo, Atlas, 2003.

12 12 UTILIZAÇÃO DE CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) NA MODALIDADE SAAS (SOFTWARE AS A SERVICE) A PERCEPÇÃO DE PROFISSIONAIS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Vivaldo José 1, Fabio Lanza 2, Vinicius Roberto Torres 3, Aimar Martins 4, Victor Marcelino Dias 5 Resumo: Customer Relationship Management (CRM, Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente), pode ser definido como um processo que compreende a aquisição e utilização de conhecimento acerca dos clientes de uma empresa, de forma a que esse conhecimento permita à mesma definir estratégias e práticas de marketing mais eficientes. Esse processo é viabilizado pela utilização de sistemas de computador, cuja implantação, no entanto, exige investimentos de porte. Nos últimos anos vem se observando o surgimento de uma alternativa que deve permitir às empresas, especialmente as de médio e pequeno porte, implantar CRM sem incorrer em investimentos tão grandes: trata-se da contratação de ferramentas de CRM na modalidade Software as a Service (SaaS). Nessa forma de contratação, as empresas usuárias pagam apenas pela efetiva utilização da ferramenta, com o software rodando nos computadores do prestador de serviços, acessadas pelo cliente via WWW. A pesquisa cujos resultados são aqui apresentados, visou tornar mais explícitos alguns conceitos relativos à implantação de CRM nessa modalidade, em especial as vantagens e desvantagens de sua utilização, e conhecer a percepção de profissionais de Tecnologia da Informação (TI) acerca do assunto, buscando gerar conhecimentos que permitam às empresas conduzir de forma mais adequada projetos de implantação de CRM Palavras chave: Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente, Software como Serviço, Terceirização 1 BRETERNITZ, Vivaldo José. Doutor em Ciências. Professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Rua da Consolação, São Paulo - SP Brasil. 2 DETOMY, Fabio Lanza. Bacharel em Sistemas de Informação. Rua da Consolação, São Paulo - SP Brasil. 3 FREIRE, Vinicius Roberto Torres. Bacharel em Sistemas de Informação. Rua da Consolação, São Paulo - SP Brasil. 4 LOPES, Aimar Martins. Mestre em Administração, Professor do Centro Universitário Álvares Penteado e Coordenador do curso de Administração do Centro Universitário Padre Anchieta, Av. Adoniro Ladeira, 94 - CEP Jundiaí-SP Brasil. 5 SANTOS. Victor Marcelino Dias. Bacharel em Sistemas de Informação. Rua da Consolação, São Paulo - SP

13 13 INTRODUÇÃO Customer Relationship Management (CRM, Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente), pode ser definido como um processo que compreende a aquisição e utilização de conhecimento acerca dos clientes de uma empresa, de forma a que esse conhecimento permita à mesma definir estratégias e práticas de marketing mais eficientes. Esse processo é viabilizado pela utilização de sistemas de computador (GREENBERG, 2001). Sua adoção pode trazer às empresas, entre outros benefícios, a capacidade de rápida identificação de tendências e reação a mudanças ambientais, a redução de custos de marketing, aumento do grau de retenção e fidelização de clientes, facilidade de manutenção de canais de comunicação com os mesmos, obtenção de feedback e aumento do valor de cada cliente no longo prazo (BROWN, 2001). Para a efetiva implantação de CRM, as empresas necessitam efetuar, entre outros, grandes investimentos em Tecnologia da Informação (TI), necessários à aquisição de licenças de uso de software, de hardware e contratação de serviços de consultoria. O volume desses investimentos quase sempre restringe o uso de CRM às empresas de maior porte. Nos últimos anos vem se observando o surgimento de uma alternativa que deve permitir às empresas, especialmente as de médio e pequeno porte, implantar CRM sem incorrer em investimentos tão grandes: trata-se da contratação de ferramentas de CRM na modalidade Software as a Service (SaaS). Nessa forma de contratação, as empresas usuárias pagam apenas pela efetiva utilização da ferramenta, com o software rodando nos computadores do prestador de serviços, acessadas pelo cliente via WWW, a partir de computadores praticamente de qualquer tipo e porte, desde microcomputadores convencionais a dispositivos portáteis, como handhelds e celulares The Economist (2006), define SaaS como a entrega de software como um serviço baseado na Internet, e não como um produto que precisa ser comprado, instalado e mantido. Diante esse panorama, julgou-se oportuno estudar o assunto, pois a literatura brasileira acerca do mesmo é bastante reduzida, por ser o tema muito recente em nosso país. Delineouse então uma pesquisa que teve como objetivo registrar a percepção de profissionais de TI com experiência na implantação de ferramentas CRM no que se refere à utilização das mesmas na modalidade SaaS (CRM/SaaS), em especial as vantagens e desvantagens de sua utilização, buscando gerar conhecimentos que permitam às empresas conduzir de forma mais adequada projetos de implantação de CRM nessa modalidade.

14 14 ASPECTOS METODOLÓGICOS Em função do objetivo anteriormente exposto, optou-se por conduzir uma pesquisa qualitativa de caráter exploratório, nos termos propostos por Mattar (2001), que afirma ser a pesquisa exploratória apropriada para os estágios iniciais da investigação, quando a familiaridade, o conhecimento e a compreensão da situação ainda são relativamente pequenos. Churchill e Peter (2008) afirmam: que quando os pesquisadores pretendem descobrir idéias e percepções, conduzem pesquisas exploratórias, buscando reunir informações de qualquer fonte que possam gerar idéias úteis, devendo os mesmos a se preocuparem menos com a abordagem probabilística e mais com a abertura de linhas de comunicação com aqueles que têm algo a dizer. Esta pesquisa foi realizada mediante a realização de um estudo de campo apoiado por pesquisa bibliográfica. O estudo de campo foi conduzido pela aplicação de entrevistas semiestruturadas, levando em conta as afirmações de Triviños (2007), que argumenta que tais entrevistas enriquecem os resultados da pesquisa por permitirem ao entrevistado manifestar-se espontaneamente, abordando pontos não previamente considerados pelo entrevistador. Essas afirmações são corroboradas por Flick (2004) ao referir-se ao que chama de reserva complexa de conhecimento que o entrevistado possui em relação ao tópico em estudo. Este conhecimento inclui suposições e idéias que não viriam à tona em uma entrevista estruturada. A pesquisa bibliográfica foi conduzida buscando informações já disponíveis acerca do tema em livros, artigos científicos etc., no intuito de identificar o que já foi estudado na área, nos termos propostos por Mattar (2001), que afirma ser esta a forma menos demorada de amadurecer ou aprofundar um problema de pesquisa. Foram entrevistados oito profissionais com experiência em TI e em implementação de CRM; alguns deles eram experientes em sistemas operando na modalidade SaaS. A escolha de profissionais de TI justifica-se porque eles exercem influência ponderável no processo de construção de estratégias e adoção de tecnologia nas organizações a que prestam serviços, pois possuem uma visão ampla dos processos e produtos, das peculiaridades do mercado, da tecnologia etc. além de atuarem buscando soluções de tecnologia capazes de alavancar a competitividade dos processos empresariais, trazendo informações do ambiente externo sobre as melhores práticas, tecnologias emergentes etc. (FERREIRA, 2003).

15 15 As entrevistas foram realizadas durante o segundo semestre de 2009; seu roteiro básico compreendeu os seguintes aspectos: - Conhecimento do modelo SaaS - Benefícios trazidos às empresas pela adoção de CRM - Vantagens e desvantagens advindas do uso de SaaS - Perspectivas quanto ao aumento do uso do modelo SaaS - Considerações adicionais Não houve autorização para gravação de todas as entrevistas. Assim, imediatamente após a realização de cada uma delas, as anotações tomadas pelos pesquisadores foram complementadas, com o objetivo de reter o maior volume de dados possível. Nos casos em que foi permitida a gravação, logo após a transcrição da entrevista gravada, também foram juntadas as informações adicionais obtidas pelos pesquisadores. Concluídas as entrevistas, os dados foram organizados em conjunto com as informações coletadas na pesquisa bibliográfica, servindo de base para discussão e análise entre os pesquisadores, com o intuito de identificar os aspectos relevantes, que poderiam atender aos objetivos da pesquisa. Em alguns casos, quando se julgou necessário esclarecer pontos específicos, os entrevistados foram contatados novamente, por telefone ou correio eletrônico. A tabela 1 abaixo apresenta o perfil dos entrevistados: Tabela 1: perfil dos entrevistados Função Empresa em que atua Diretor Presidente Empresa brasileira, de médio porte, prestadora de serviços de consultoria e venda de serviços de CRM Gerente de TI Empresa multinacional de origem japonesa, de grande porte, da área de telecomunicações Desenvolvedor (Analista de Empresa multinacional de origem japonesa, de grande Sistemas) porte, da área de telecomunicações Responsável pelos serviços de Empresa multinacional de origem norte-americana, de TI para a área de Marketing e grande porte, da área química Vendas Diretor de TI Empresa brasileira, de médio porte, produtora de software e prestadora de serviços de consultoria e CRM Responsável por serviços de Empresa brasileira, de médio porte, produtora de pré-venda software e prestadora de serviços de consultoria e CRM

16 16 Gerente de Canais e Alianças Gerente de Canais e Alianças exerce funções similares ao do entrevistado anteriormente citado, mas em mercados diferentes Empresa multinacional de origem norte-americana, de grande porte, produtora de software e prestadora de serviços de CRM Empresa multinacional de origem norte-americana, de grande porte, produtora de software e prestadora de serviços de CRM O tamanho da amostra não permite a obtenção de informações conclusivas acerca do assunto. No entanto, diante do objetivo da presente pesquisa (registrar a percepção de profissionais de TI com experiência na implantação de ferramentas CRM no que se refere à utilização das mesmas na modalidade SaaS, em especial as vantagens e desvantagens de sua utilização, buscando gerar conhecimentos que permitam às empresas conduzir de forma mais adequada projetos de implantação de CRM nessa modalidade), justificou-se o tamanho da amostra. UMA VISÃO DE SOFTWARE AS A SERVICE (SaaS) Embora a prática da terceirização de sistemas aplicativos comerciais, como folha de pagamento e faturamento, por exemplo, tenha ocorrida há décadas, por meio dos bureaux de serviços, a prestação de serviços de software aplicativo online só recentement tornou-se popular, mesmo já mencionada por diversos autores, dentre eles Dewire (2002) e Greschley e Mangan (2002), ao tratar dos ASP - Application Service Providers (Provedores de Serviços de Aplicação). Os ASP são empresas que fornecem serviços de processamento de dados de forma similar à praticada pelos antigos bureaux de serviços; ao se falar em SaaS, a novidade está na forma de cobrança desses serviços, agora baseada na efetiva utilização do software aplicativo, enquanto a idéia básica de utilização dos ASP é a de simples terceirização dos serviços de TI (DUHON, 2007). The Economist (2006) cita a opinião de Bill Gates no sentido de que o crescimento do modelo de negócio SaaS seria o the next sea change in computing. O mesmo periódico, na mesma edição cita outros analistas referindo-se a SaaS como uma tectonic shift na indústria da computação.

17 17 Além dos resultados do estudo de campo, posteriormente aqui apresentados, é importante mencionar, previsões de especialistas mencionadas por St. Clair (2008), que afirmam que 35% do software aplicativo a ser implementado até 2012 serão fornecidos via SaaS, que 25% do orçamento de Tecnologia da Informação serão destinados a aplicações SaaS em 2013 e que em 2011 o mercado SaaS será da ordem de US$ 19,3 bilhões. Kenney (2007) afirma que a primeira aplicação de SaaS como hoje é entendida, surgiu em 1999, quando a Salesforce.com, uma produtora de ferramentas CRM passou a fornecê-las nessa modalidade. O autor afirma ainda que aplicações de CRM, por suas características intrínsecas, são candidatas naturais a operarem na modalidade SaaS e essas aplicações, juntamente com os ERP Enterprise Resouce Planning, (Sistemas Integrados de Gestão), já são as mais comumente utilizadas via SaaS. Quer seja uma revolução ou simplesmente uma evolução, SaaS tem um forte atrativo para os profissionais que tem responsabilidades pela entrega de serviços a custos adequados na comunidade empresarial: com ele, as organizações podem adquirir software aplicativo pela simples subscrição e sem preocupações com relação à criação e gerenciamento da infrainstrutora. O advento do SaaS como um mecanismo de entrega de serviços cria uma oportunidade para que as áreas de TI das empresas alterem o seu enfoque: de implantar e dar suporte aos aplicativos para gerenciar os serviços que esses aplicativos oferecem. Chong & Carraro (2006) afirmam que uma área de TI focada em gerenciamento de serviços e do fluxo de informações na organização produz mais valor para o negócio. Segundo Cambiucci (2009), vive-se o crescimento de uma nova tendência no setor de TI, a computação na nuvem (cloud computing), em que empresas de porte como Microsoft, IBM e Google, por exemplo, radicalizam o conceito de ASP ao ampliarem seus datacenters para oferecer aos seus clientes recursos de processamento facilmente escaláveis (situação em que se pode aumentar facilmente o volume de dados processados), confiáveis e baratos, embora não se vislumbre a total extinção dos datacenters das empresas, mas sim uma evolução para o uso da TI de forma mais dinâmica, flexível e híbrida, em que serviços locais, com sistemas desenvolvidos in house ou por terceiros, sendo processados em máquinas próprias, combinados com serviços remotos, hospedados em datacenters de terceiros. O enquanto CRM sistema de computador é apenas gerenciamento desse fluxo, é fundamental para o sucesso das organizações; Neilson, Martin e Powers (2008) afirmam que algumas das mais sérias ameaças à implantação de estratégias estão ligadas à má gestão do

18 18 fluxo de informações, em especial dificuldades para reunir e disseminar as informações na forma e tempo necessários e no custo dessas atividades. Os mesmos autores relatam que quando soluções do tipo SaaS assumem parte dessas responsabilidade, além da redução de custos, há a liberação dos profissionais até então envolvidos para atividades mais nobres, como as relacionadas à busca de oportunidades de colaboração intra-organizacionais. Alguns outros fatores tem contribuído para o crescimento do SaaS, entre eles o interesse das organizações em terceirizar funções não ligadas ao seu core business, dentre elas TI e a consolidação de gerenciamento de serviços como uma carreira profissional (ST. CLAIR, 2008). As discussões sobre terceirização foram incentivadas pelo provocativo artigo de Carr (2003), que fala em comoditização da TI com a Internet, sendo o veículo adequado para a entrega de aplicações genéricas como CRM. Carr afirma que cada vez mais as organizações irão adquirir serviços de TI, de forma análoga a que adquirem energia elétrica e serviços de telecomunicações, pagando pelo que efetivamente consomem. O autor também chama a atenção para o fato de que, desde então, grandes provedoras de produtos e serviços como IBM e Microsoft já procuram se posicionar como provedoras de serviços e não mais como provedoras de hardware e software, e que esse posicionamento induziria as organizações clientes a substituir aplicações próprias ou customizadas por ferramentas-padrão, fornecidas por empresas deste tipo. Os profissionais das empresas usuárias parecem diminuir sua resistência a essa nova realidade na medida em que o planejamento de carreira nas grandes organizações passou a dar maior atenção a gerenciamento de serviços (LOHR, 2006). Ao mesmo tempo, o mundo acadêmico passou a dar atenção ao assunto, disponibilizando cursos e desenvolvendo pesquisas sobre o assunto. O que é chamado Service Science tem como grande objetivo fornecer aos usuários o nível de serviço que precisam a custos adequados, garantindo às organizações a aquisição e/ou manutenção de vantagens competitivas (ST. CLAIR, 2008). O setor de serviços adquire cada vez mais importância nas principais economias, chegando a representar valores da ordem de 76.9% e 67,7% dos PIB dos Estados Unidos e do Brasil, respectivamente (CIA, 2009). Esses números, por si mesmos, sinalizam a importância de tratar do assunto também no ambiente acadêmico. Horn (2005) afirma que SaaS é uma ferramenta importante para a prestação de melhores serviços, devendo abordar-se o assunto dentro do espírito da Service Science, que estaria na interseção entre TI e negócios, com componentes ligados às áreas de computação, pesquisa

19 19 operacional, engenharia industrial, direito e outras. Essa abordagem ampla ajudaria a garantir a qualidade dos serviços prestados, incentivando as empresas a não construírem suas próprias soluções de TI. As vantagens advindas dessa nova postura trariam especialmente uma significativa redução de custos, uma implantação rápida e operação simplificada. A redução de custos quase sempre está entre os principais desejos de uma organização; Duhon (2007) diz que SaaS contribui para essa redução especialmente por: - Exigir poucos investimentos em hardware e software; - Não exigir aumento da estrutura organizacional existente; - Operar, em termos de preços, na modalidade pay -as-you-go, ou pague pelo que efetivamente usou ; - Não gerar custos de manutenção em TI; - Permitir que atualizações de versões e manutenção de software não tragam distúrbios às operações rotineiras As ferramentas CRM desenvolvidas para serem operadas na modalidade SaaS contemplam templates (esquemas facilitadores de implementação) que permitem sua rápida implantação, especialmente se as empresas usuárias optarem por níveis não muito elevados de customização; uma implantação vanilla flavour, como se diz no jargão dos profissionais de TI. Além disso, incorporam procedimentos operacionais simples, projetados para leigos em TI, o que é especialmente importante para organizações de menor porte, que não podem contar com muitos especialistas. Evidentemente, alguns outros cuidados devem ser tomados pelas organizações que estiverem considerando a hipótese de adotar ferramentas CRM na modalidade SaaS, além daqueles ligados às funcionalidades da ferramenta, ou seja, os que realmente atendem às necessidades da organização. Devem-se analisar ainda os aspectos relacionados ao prestador do serviço: aspectos éticos, visão de futuro, estabilidade, maturidade, market share etc. Tomados os cuidados de praxe, pode-se afirmar com relativa segurança que CRM na modalidade SaaS é uma alternativa interessante para organizações de todos os portes. Kaplan (2007) afirma que 80% das organizações que já utilizam algum tipo de aplicação na modalidade SaaS estão satisfeitas e pretendem operar novas ferramentas nessa modalidade.

20 20 DISCUSSÃO DOS RESULTADOS A PERCEPÇÃO DOS ENTREVISTADOS De forma sintética, pode-se dizer que a princípio a utilização de CRM na modalidade SaaS é vista pelos entrevistados como uma alternativa bastante interessante, especialmente para as empresas de pequeno e médio porte, confirmando o apurado pela pesquisa bibliográfica. Há, no entanto, a percepção de que o conceito de SaaS ainda não está totalmente amadurecido. Provavelmente, espera-se resistência à mudança pelo pessoal de TI, especialmente por julgarem que as relações de poder na empresa seriam alteradas, ocasionando a esses profissionais perda de poder e prestígio. No que se refere especificamente a CRM, esses profissionais julgam que ainda não há uma experiência muito difundida no Brasil, principalmente sobre como implantá-lo de maneira eficiente, especialmente em empresas de médio e pequeno porte; essa é ainda menor ao se falar em CRM na modalidade SaaS. De forma geral, os entrevistados julgam que a maior vantagem advinda da utilização de CRM na modalidade SaaS é a redução dos investimentos iniciais e custos envolvidos, especialmente pela não necessidade de aquisição e upgrade de hardware e licenças de software, instalações e infraestrutura, depreciação e outros, inclusive indiretos. A utilização de CRM implica na necessidade de armazenar e processar grandes volumes de dados, pelo que cuidados (e custos) com relação à escalabilidade (capacidade do software e hardware tratarem volumes cada vez maiores) também devem ser tomados, implicando em mais investimentos. O estudo de campo apurou também que, se a empresa optar por deixar de utilizar CRM, como acontece com alguma freqüência, especialmente pelo fato de os usuários não se interessarem pelo sistema, os prejuízos serão menores quando se opera na modalidade SaaS, pois na prática é preciso apenas cancelar o contrato de prestação de serviços; já se a opção foi pela modalidade convencional, perde-se a totalidade dos investimentos efetuados em aquisição de licenças de uso de software, valores usualmente bastante significativos em relação ao total dos investimentos necessários à implementação de CRM. A participação do pessoal de TI na implantação do CRM/SaaS também é praticamente inexistente, enquanto no CRM convencional existe a necessidade de sua participação de forma intensiva, para instalação, atualização, tuning (ajustes), processamento do software e administração de dados. As ferramentas de CRM voltadas para a operação na modalidade SaaS, tem seus interfaces projetados de forma similar aos adotados por outros aplicativos que rodam no ambiente web;

21 21 isso torna sua utilização mais fácil, com menor necessidade de treinamento dos usuários finais, ao contrário do que ocorre com os sistemas convencionais de CRM; tudo isso reduz custos e aumenta a velocidade de implementação. Como desvantagens da aplicação de CRM/SaaS, apontou-se principalmente as dificuldades de customização dos sistemas para que possam atender a necessidades muito específicas. Essa dificuldade é inerente à operação de qualquer sistema na modalidade SaaS, pois não faria sentido estarem disponíveis inúmeras versões da ferramenta, embora todas elas sejam, até certo ponto, configuráveis. Preocupações em relação à segurança dos dados foram também levantadas. Essas preocupações concentram-se na possibilidade de furto de dados, quando alguns dos entrevistados apontam como exemplo a postura de instituições financeiras, de quase sempre optarem por processamento e armazenagem próprias. Preocupações desse tipo e as dificuldades de customização são frequentemente manifestadas pelo pessoal de TI quando se cogita utilizar software ou datacenters de terceiros. Finalmente, no que tange à evolução da utilização de CRM/SaaS, parece ser unânime a opinião de que haverá crescimento, embora sem consenso quanto ao seu ritmo. Observou-se também que um modelo misto, com algumas ferramentas como CRM e ERP tendem a ser mais utilizados na modalidade SaaS, mas que sistemas implementados na forma convencional (software e hardware próprios) ainda continuarão a ser utilizados. CONSIDERAÇÕES FINAIS Os resultados da pesquisa bibliográfica e do estudo de campo permitem afirmar que, tomados os devidos cuidados na seleção da ferramenta e do prestador de serviços, a utilização de CRM na modalidade SaaS pode ser vantajosa para empresas de todos os portes, mas especialmente para as pequenas e médias, em função do volume dos investimentos necessários. Cuidados devem ser tomados para contornar as resistências, oriundas principalmente do pessoal interno de TI, bem como no planejamento e execução da seleção, contratação do provedor do serviço e da customização da ferramenta. Os resultados da pesquisa sinalizam também que os executivos e profissionais de TI devem preparar-se para uma realidade em que brevemente e talvez por um longo período de tempo,

22 22 SaaS, especialmente envolvendo CRM, será uma modalidade importante no ambiente das organizações REFERÊNCIAS BROWN, Stanley. A. CRM - Customer Relationship Management: uma ferramenta estratégica para o mundo do e-business. São Paulo: Makron Books, CAMBIUCCI, Waldemir. Uma introdução ao Software + Serviços, SaaS e SOA. Microsoft MSDN, mai Disponível em acessado em 1º/04/2010. CARR, Nicholas G. IT doesn t matter. Harvard Business Review. Maio, 2003 CIA. World Fact Book - Central Intelligence Agency. Langley: CIA, CHURCHILL Jr. Gilbert; PETER, J. Paul. Marketing criando valor para os clientes. São Paulo: Saraiva, CHONG, Fred; CARRARO, Gianpaolo. Software as a Service (SaaS): an enterprise perspective. Microsoft MSDN, out Disponível em: acessado em 1º/04/2010. DEWIRE, Dawna. T. Application Service Providers - Enterprise Systems Integration, Auerbach Publications DUHON, Bryant. Magazine, setembro/outubro, Software as a Service: why buy when you can rent? AIIM E-Doc FERREIRA, Danielle T. Profissional da informação: perfil de habilidades demandadas pelo mercado de trabalho. Ciência da Informação. Brasília, vol. 32, n.1, FLICK, Uwe. Uma introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Bookman, 2004.

23 23 GREENBERG, Paul. CRM na velocidade da luz: conquista e lealdade de clientes em tempo real na internet. Rio de Janeiro: Campus, GRESCHLER, David; MANGAN, Tim. Networking lessons in delivering Software as a Service - part I. International Journal of Network Management. Setembro/outubro, HORN, Paul. The new discipline of services science. Business Week. Edição de 21 de janeiro de Kaplan, Jeffrey M. SaaS: friend or foe? Business Communication Review. Junho, KENNEY, Brad. Life beyond CRM: SaaS grows up. Industry Week Setembro, LOHR, Steve. Creating the jobs of the future. New York Times, edição de 18 de abril de MATTAR, Fauze Nagib. Pesquisa de marketing. São Paulo: Atlas, NEILSON, Gary L; MARTIN, Karla L; POWERS, Elizabeth. The Secrets to Successful Strategy Execution. Harvard Business Review. Junho, ST. CLAIR, Guy. Software-as-a-Service (SaaS) - put the focus on the KM/Knowledge Services core function. EOS International, disponível em acessado em THE ECONOMIST. Proponents of Software-as-a-Service say it will wipe out traditional software. The Economist (US) edição de 22 de abril de TRIVIÑOS. Augusto Nibaldo Silva. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação (o Positivismo, a Fenomenologia, o Marxismo). São Paulo: Atlas, 2007.

24 23 Revista Análise / 2010 UM ESTUDO PRÁTICO SOBRE O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR Prof. Marco Antonio Paletta Resumo Este artigo discute a o comportamento do consumidor por meio do levantamento empírico das características tratadas na Teoria das Necessidades de Maslow e nos fatores que influenciam a compra do consumidor. Entendem os autores que as discussões aqui apresentadas devem ser monitoradas de forma sistemática de forma a melhorar a eficiência do processo de venda pelas organizações. Palavras Chave: comportamento do consumidor, teoria das necessidades, fatores que influenciam a compra. Introdução Para os profissionais de marketing e as empresas, principalmente as varejistas, é notável que o comportamento do consumidor vem se transformando. Acompanhar estas mudanças de perfil é de fundamental importância para adoção das ferramentas de marketing adequadas a este novo mercado. Uma questão estratégica, a ser respondida, pelas as empresas atualmente é a constante mudança no comportamento de compra dos consumidores, que pode ser exemplificada por escolhas ora por produtos caros, de boa qualidade e durabilidade, ora por produtos baratos e descartáveis. Uma vez que há grandes semelhanças nas características dos produtos oferecidos pelas empresas, a concorrência entre as empresas, na maioria das vezes, faz com esse comportamento fique com frequentes modificações. A literatura de Marketing atual descreve os vários os fatores que interferem no comportamento de compra dos consumidores, e que afetam a diretamente sua escolha Pesquisa elaborada pelos alunos da disciplina Administração Mercadológica III, do 5º semestre do curso de Administração de Empresas/UNIANCHIETA, sob a supervisão do Prof. Marco Antonio Paletta.

25 24 Revista Análise / 2010 determinado produto ou marca. A teoria das necessidades de Maslow, fatores culturais, sociais, familiares, econômicos e psicológicos agem em conjuntamente de forma a tornar ainda mais complexa a identificação do fator preponderante em uma decisão de compra. No mundo atual, com mercados cada vez mais competitivos, o conhecimento destes fatores tornase primordial na busca de vantagens competitivas pelas empresas e organizações. Reconhecer as técnicas de marketing e as teorias a elas associadas, bem como utilizá-las a seu favor, é fundamental para conhecimento das necessidades de desejos dos consumidores e favorecem o diferencial competitivo por parte das empresas que as utilizam de forma eficiente e eficaz em um mercado cada vez mais fragmentado e diferenciado. Este trabalho nasceu de uma pesquisa de campo realizada pelos alunos da disciplina de Administração Mercadológica III do quinto semestre do curso de Administração do Centro Universitário Padre Anchieta, e aborda aspectos do comportamento do consumidor (mercadológicos, psicológicos, etc.) e linhas gerais para empresas no que tange a fatores importantes que influenciam o mercado de consumo. Maslow e o Comportamento do Consumidor Abraham Maslow foi o fundador da psicologia humanista. Sua linha de pensamento diz respeito à classificação das necessidades do ser humano dentro de uma hierarquia, que vai das necessidades fisiológicas até as de auto-realização. Para ele tais necessidades apresentam-se numa hierarquia de importância e premência, conforme ilustrado na FIGURA 1. Figura 1 Hierarquia das Necessidades Pirâmide Motivacional

A UTILIZAÇÃO DE CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) NA MODALIDADE SAAS (SOFTWARE AS A SERVICE)

A UTILIZAÇÃO DE CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) NA MODALIDADE SAAS (SOFTWARE AS A SERVICE) A UTILIZAÇÃO DE CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) NA MODALIDADE SAAS (SOFTWARE AS A SERVICE) Vivaldo José Breternitz vjbreternitz@mackenzie.br Antonio César Galhardi galhardi@mackenzie.br Fabio Lanza

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO Porto Alegre RS Abril 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação,

Leia mais

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes Mais que implantação, o desafio é mudar a cultura da empresa para documentar todas as interações com o cliente e transformar essas informações em

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADES INTEGRADAS VIANNA JÚNIOR Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação Lúcia Helena de Magalhães 1 Teresinha Moreira de Magalhães 2 RESUMO Este artigo traz

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO CRM NAS GRANDES ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS

A IMPORTÂNCIA DO CRM NAS GRANDES ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS ISSN 1984-9354 A IMPORTÂNCIA DO CRM NAS GRANDES ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS Marcelo Bandeira Leite Santos (LATE/UFF) Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Página 1 de 6 MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Carga Horária: 360 horas/ aulas presenciais + monografia orientada. Aulas: sábados: 8h30 às 18h, com intervalo para almoço. Valor: 16 parcelas

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS Amanda Cristina Nunes Alves (SSP) amandac.06@hotmail.com Anne Sthefanie Santos Guimaraes (SSP) annesthefanie14@hotmail.com

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM MARKETING TRABALHO INTERDISCIPLINAR

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM MARKETING TRABALHO INTERDISCIPLINAR APRESENTAÇÃO DO TI O Trabalho Interdisciplinar é um projeto desenvolvido ao longo dos dois primeiros bimestres do curso. Os alunos tem a oportunidade de visualizar a unidade da estrutura curricular do

Leia mais

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS Elane de Oliveira, UFRN 1 Max Leandro de Araújo Brito, UFRN 2 Marcela Figueira de Saboya Dantas, UFRN 3 Anatália Saraiva Martins Ramos,

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS

MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS 2009 Introdução Resumo Executivo Apesar das turbulências que marcaram o ano de 2008, com grandes variações nos indicadores econômicos internacionais,

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS Linha de pesquisa: Sistema de informação gerencial Pâmela Adrielle da Silva Reis Graduanda do Curso de Ciências

Leia mais

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos.

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos. Marketing Visão 360º O Mundo do Marketing em parceria com a TNS Research International está realizando pesquisas mensais com profissionais da área de marketing para investigar temas relacionados ao dia-a-dia

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

ROTEIRO PLANO DE MKT DIGITAL

ROTEIRO PLANO DE MKT DIGITAL ROTEIRO PLANO DE MKT DIGITAL Este é um roteiro completo, com pontos gerais e específicos. Na elaboração do plano, procure adaptar os tópicos que o compõe, à realidade da empresa-cliente. Priorize a qualidade

Leia mais

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG Caroline Passatore¹, Dayvid de Oliveira¹, Gustavo Nunes Bolina¹, Gabriela Ribeiro¹, Júlio César Benfenatti Ferreira² 1

Leia mais

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA Hewerton Luis P. Santiago 1 Matheus Rabelo Costa 2 RESUMO Com o constante avanço tecnológico que vem ocorrendo nessa

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS

PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS 1 PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS Porto Alegre RS Março 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

transferência da gestão de atendimento para o modelo SaaS

transferência da gestão de atendimento para o modelo SaaS WHITE PAPER Setembro de 2012 transferência da gestão de atendimento para o modelo SaaS Principais problemas e como o CA Nimsoft Service Desk ajuda a solucioná-los agility made possible Índice resumo executivo

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL TRABALHO INTERDISCIPLINAR

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL TRABALHO INTERDISCIPLINAR APRESENTAÇÃO DO TI O Trabalho Interdisciplinar é um projeto desenvolvido ao longo dos dois primeiros bimestres do curso. Os alunos tem a oportunidade de visualizar a unidade da estrutura curricular do

Leia mais

Aquisição planejada do negócio de servidores x86 combinará fortalezas da IBM e da Lenovo para maximizar valor para clientes.

Aquisição planejada do negócio de servidores x86 combinará fortalezas da IBM e da Lenovo para maximizar valor para clientes. Aquisição planejada do negócio de servidores x86 combinará fortalezas da IBM e da Lenovo para maximizar valor para clientes Abril de 2014 Conteúdo Resumo Executivo 3 Introdução 3 IBM recebe alta pontuação

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA INTEGRAÇÃO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO - ATENDIMENTO A REQUISITOS E MELHORES PRÁTICAS GERENCIAIS

UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA INTEGRAÇÃO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO - ATENDIMENTO A REQUISITOS E MELHORES PRÁTICAS GERENCIAIS UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA INTEGRAÇÃO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO - ATENDIMENTO A REQUISITOS E MELHORES PRÁTICAS GERENCIAIS Daniel Gueiber (UTFPR) gueiber@copel.com Cezar Augusto

Leia mais

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING MÓDULO I 304101 FUNDAMENTOS DE MARKETING Fundamentos do Marketing. Processo de Marketing.

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

Somos uma consultoria especializada em Varejo Financeiro

Somos uma consultoria especializada em Varejo Financeiro 1 Somos uma consultoria especializada em Varejo Financeiro Atuamos junto a estes três grupos de empresas, ajudando-os a atender da melhor maneira às necessidades do consumidor 2 Atendemos às necessidades

Leia mais

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS.

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. A computação em nuvem é uma mudança de paradigma no gerenciamento de TI e de datacenters, além de representar a capacidade da TI

Leia mais

Brazil IT Snapshot 2014

Brazil IT Snapshot 2014 Brazil IT Snapshot 2014 Um panorama sobre a maturidade da TIC corporativa brasileira Map Brazil IT Snapshot 2014 PromonLogicalis 3 A forma como a economia brasileira evolui, com maior inserção internacional

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

Divulgação Portal - METROCAMP. Você não quer exercer a profissão mais importante do futuro (Bill Gates)?

Divulgação Portal - METROCAMP. Você não quer exercer a profissão mais importante do futuro (Bill Gates)? Divulgação Portal - METROCAMP Você não quer exercer a profissão mais importante do futuro (Bill Gates)? Torne se um Trabalhador de Conhecimento (Kowledge Worker) de Werner Kugelmeier WWW.wkprisma.com.br

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

Proposta de Avaliação de Empresas para o uso do SAAS

Proposta de Avaliação de Empresas para o uso do SAAS 1 INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Gestão e Tecnologia da Informação/ IFTI 1402 Turma 25 09 de abril de 2015 Proposta de Avaliação de Empresas para o uso do SAAS Raphael Henrique Duarte

Leia mais

MBA EM GESTÃO COMERCIAL E INTELIGÊNCIA DE MERCADO

MBA EM GESTÃO COMERCIAL E INTELIGÊNCIA DE MERCADO MBA EM GESTÃO COMERCIAL E INTELIGÊNCIA DE MERCADO O programa irá desenvolver no aluno competências sobre planejamento e força de Vendas, bem como habilidades para liderar, trabalhar em equipe, negociar

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

O processo de decisão de compra

O processo de decisão de compra DOSSIÊ O processo de decisão de compra Estudo IBM Business Consulting Services sugere uma ferramenta para entender as escolhas dos consumidores Você sabe tudo que precisa saber sobre as razões que levam

Leia mais

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Louis Albert Araujo Springer Luis Augusto de Freitas Macedo Oliveira Atualmente vem crescendo

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE VI: Como desenvolver Sistemas de Informação e Gerenciar Projetos. Novos sistemas de informação são construídos como soluções para os problemas

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Capítulo 12 REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 12.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma organização trabalhar?

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração Faculdade Pitágoras de Uberlândia Apostila de Administração Prof. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 SUMÁRIO 1 O PLANO DE NEGÓCIOS...2 1.1 SUMÁRIO EXECUTIVO...5

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação Conceitos Preliminares

Estratégias em Tecnologia da Informação Conceitos Preliminares Estratégias em Tecnologia da Informação Conceitos Preliminares Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica.

Leia mais

MBA Gestão da Tecnologia de Informação

MBA Gestão da Tecnologia de Informação MBA Gestão da Tecnologia de Informação Informações: Dias e horários das aulas: Segundas e Terças-feiras das 18h00 às 22h00 aulas semanais; Sábados das 08h00 às 12h00 aulas quinzenais. Carga horária: 600

Leia mais

TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET. Disciplina: NEGÓCIOS NA INTERNET

TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET. Disciplina: NEGÓCIOS NA INTERNET TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET Disciplina: NEGÓCIOS NA INTERNET Inovação em Modelo de Negócio Fonte: (OSTERWALDER, 2011) Modelo de negócios Descreve a lógica de criação, entrega e captura de valor

Leia mais

GESTÃO DE DESIGN PARA O DESENVOLVIMENTO DE NOVOS PRODUTOS

GESTÃO DE DESIGN PARA O DESENVOLVIMENTO DE NOVOS PRODUTOS GESTÃO DE DESIGN PARA O DESENVOLVIMENTO DE NOVOS PRODUTOS Diogo de Hercule Analista de Negócios em Design SENAI Edson Augusto Lopes Analista de Negócios - SENAI Atualmente, as indústrias de móveis e estofados

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico.

A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico. Resumo A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico. Edwin Aldrin Januário da Silva (UFRN) aldrin@sebraern.com.br Neste trabalho, iremos descrever sinteticamente o modelo de Porte sobre

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS

A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Gestão e Tecnologia da Informação IFTI1402 T25 A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS Marcelo Eustáquio dos Santos

Leia mais

1. Introdução. Saiba mais

1. Introdução. Saiba mais 1. Introdução Gestão de Sistemas de Informação Aula 3 -Planejamento e desenvolvimento de sistemas de informação Prof: Cleber A. de Oliveira Para a adequada compreensão deste conteúdo, é preciso que estejam

Leia mais

CLOUD. tendências CLOUD. entendendo e contratando assertivamente. Agosto/2012 INFORMATIVO TECNOLÓGICO DA PRODESP EDIÇÃO 02

CLOUD. tendências CLOUD. entendendo e contratando assertivamente. Agosto/2012 INFORMATIVO TECNOLÓGICO DA PRODESP EDIÇÃO 02 tendências CLOUD EDIÇÃO 02 Agosto/2012 CLOUD O conceito de nuvem é nebuloso Como uma organização pode contratar assertivamente Serviços em Cloud? Quais são os principais riscos de um contrato de Cloud

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

Plano de Negócios PLANEJAMENTO DO PROJETO FINAL. Sumário

Plano de Negócios PLANEJAMENTO DO PROJETO FINAL. Sumário Plano de Negócios Plano de Negócios Sumário Introdução... 3 Plano de Negócios... 3 Etapas do Plano de Negócio... 3 Fase 1... 3 Fase 2... 8 Orientação para entrega da Atividade de Avaliação... 12 Referências

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO E - COMMERCE UM ESTUDO DE CASO NA LOJASMEL

A IMPORTÂNCIA DO E - COMMERCE UM ESTUDO DE CASO NA LOJASMEL 1 A IMPORTÂNCIA DO E - COMMERCE UM ESTUDO DE CASO NA LOJASMEL Jaqueline Kelly Stipp 1 Jéssica Galindo de Souza 2 Luana Alves dos Santos Lemos 3 Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO Esse artigo tem como objetivo

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Usando o SI como vantagem competitiva Vimos

Leia mais

W H I T E P A P E R S e r v i d o r e s U n i x - A m e l h o r o p ç ã o p a r a s u p o r t a r a p l i c a ç õ e s c r í t i c a s

W H I T E P A P E R S e r v i d o r e s U n i x - A m e l h o r o p ç ã o p a r a s u p o r t a r a p l i c a ç õ e s c r í t i c a s Av Eng. Luiz Carlos Berrini 1645, 8 andar, 04571-000 Brooklin Novo, São Paulo SP Brazil. Tel: 55 11 5508-3400 Fax: 55 11 5508 3444 W H I T E P A P E R S e r v i d o r e s U n i x - A m e l h o r o p ç

Leia mais

Gestão de Clientes no Mercado de Consórcios

Gestão de Clientes no Mercado de Consórcios Relatório de pesquisa Gestão de Clientes no Mercado de Consórcios Via Consulting Maio de 2009 1 Caro leitor, Gostaria de convidá-lo a conhecer o resultado de uma pesquisa patrocinada pela Via Consulting

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

MBA EM DESIGN ESTRATÉGICO & INOVAÇÃO

MBA EM DESIGN ESTRATÉGICO & INOVAÇÃO MBA EM DESIGN ESTRATÉGICO & INOVAÇÃO O programa prepara você para tornar-se um gestor do design nos ambientes de negócio; oferecendo as habilidades gerenciais necessárias para desenvolver e administrar

Leia mais

Organização e a Terceirização da área de TI. Profa. Reane Franco Goulart

Organização e a Terceirização da área de TI. Profa. Reane Franco Goulart Organização e a Terceirização da área de TI Profa. Reane Franco Goulart Como surgiu? A terceirização é uma ideia consolidada logo após a Segunda Guerra Mundial, com as indústrias bélicas americanas, as

Leia mais

EMBRATEL ENTREVISTA: Pietro Delai IDC Brasil DATA CENTER VIRTUAL - DCV

EMBRATEL ENTREVISTA: Pietro Delai IDC Brasil DATA CENTER VIRTUAL - DCV EMBRATEL ENTREVISTA: Pietro Delai IDC Brasil DATA CENTER VIRTUAL - DCV DATA CENTER VIRTUAL - DCV Em entrevista, Pietro Delai, Gerente de Pesquisa e Consultoria da IDC Brasil relata os principais avanços

Leia mais

A importância da tecnologia da informação nas estratégias das organizações contemporâneas: breve revisão de literatura

A importância da tecnologia da informação nas estratégias das organizações contemporâneas: breve revisão de literatura A importância da tecnologia da informação nas estratégias das organizações contemporâneas: breve revisão de literatura Daniel Reis Armond de Melo armond@ufam.edu.br Universidade Federal do Amazonas Universidade

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso

Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso Percepção da Pesquisa no Brasil Congresso Brasileiro de Pesquisa Mercado h Opinião h Mídia Nelsom Marangoni Ney Luiz Silva Mudanças, muitas mudanças... e mudanças

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

Transformação dos negócios de distribuição e os desafios do setor

Transformação dos negócios de distribuição e os desafios do setor Transformação dos negócios de distribuição e os desafios do setor Geraldo Guimarães Jr Diretor para Indústria de Utilities SAP para Utilities Liderança Global no Setor Maior Provedor de Soluções e Aplicações

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 COMPETITIVIDADE SOB A ÓTICA DAS CINCO FORÇAS DE PORTER: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA OXIFOR OXIGÊNIO FORMIGA LTDA JUSSARA MARIA SILVA RODRIGUES OLIVEIRA 1, LÍVIA COUTO CAMBRAIA 2 RESUMO: Neste trabalho,

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES Bacharelados Interdisciplinares (BIs) e similares são programas de formação em nível de graduação de natureza geral, que conduzem a diploma, organizados por grandes áreas

Leia mais

MÓDULO BÁSICO. PROFESSOR GREGÓRIO VARVAKIS E PROFESSOR PAULO DIAS Introdução à Gestão da Inovação

MÓDULO BÁSICO. PROFESSOR GREGÓRIO VARVAKIS E PROFESSOR PAULO DIAS Introdução à Gestão da Inovação MÓDULO BÁSICO PROFESSOR GREGÓRIO VARVAKIS E PROFESSOR PAULO DIAS Introdução à Gestão da Inovação Realização: INTRODUÇÃO A GESTÃO DA INOVAÇÃO SUMÁRIO UNIDADE 1 Inovação: o que é e quais os tipos? 1.1 O

Leia mais

O processo de decisão de compra é feito através da percepção de que os consumidores têm um problema. Então, se movem em direção à resolução.

O processo de decisão de compra é feito através da percepção de que os consumidores têm um problema. Então, se movem em direção à resolução. Pesquisa de Mercado O processo de decisão de compra é feito através da percepção de que os consumidores têm um problema. Então, se movem em direção à resolução. Disto decorre um modelo genérico de decisão,

Leia mais

a) SEGMENTAÇÃO (1) Introdução

a) SEGMENTAÇÃO (1) Introdução a) SEGMENTAÇÃO (1) Introdução Segmentação de mercado é o processo de dividir mercados em grupos de consumidores potenciais com necessidades e/ou características semelhantes e que provavelmente exibirão

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

Tendências Tecnológicas: Como monetizar em oportunidades emergentes?

Tendências Tecnológicas: Como monetizar em oportunidades emergentes? : Como monetizar em oportunidades emergentes? 23 de Julho 2013 Confidencial Mercados emergentes têm previsão de crescimento de 2-3 vezes maiores do que mercados maduros em tecnologia nos próximos 2 anos.

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI: Uma aplicação referenciada pelo COBIT

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI: Uma aplicação referenciada pelo COBIT Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI: Uma aplicação referenciada pelo COBIT Universidade Federal de Santa Catarina Sistemas de Informação André Luiz Samistraro Santin asantin@inf.ufsc.br

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes O processo de decisão de compra é feito através da percepção de que os consumidores têm um problema. Então, se movem em direção à resolução. Disto

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 OBJETIVOS 1. De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma organização trabalhar? 2. Como uma empresa pode certificar-se

Leia mais

Conhecimento em Tecnologia da Informação. Catálogo de Serviços. Conceitos, Maturidade Atual e Desafios. 2012 Bridge Consulting All rights reserved

Conhecimento em Tecnologia da Informação. Catálogo de Serviços. Conceitos, Maturidade Atual e Desafios. 2012 Bridge Consulting All rights reserved Conhecimento em Tecnologia da Informação Catálogo de Serviços Conceitos, Maturidade Atual e Desafios 2012 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Esta publicação tem por objetivo apresentar

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Aula 12 Tecnologia da Informação e a Gestão de Pessoas

Aula 12 Tecnologia da Informação e a Gestão de Pessoas Aula 12 Tecnologia da Informação e a Gestão de Pessoas Objetivos da aula: Os objetivos desta aula visam permitir com que você compreenda melhor a relação da área de recursos humanos com a tecnologia da

Leia mais