Indicadores Industriais do Espírito Santo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Indicadores Industriais do Espírito Santo"

Transcrição

1 Ano 07 - Ago 2017 Indicadores Industriais do Espírito Santo Faturamento Real Horas Trabalhadas na Produção Emprego Massa Salarial Real Rendimento Médio Real Utilização da Capacidade Instalada

2 INDICADORES DA INDÚSTRIA CAPIXABA REGISTRAM CRESCIMENTO EM AGOSTO Os indicadores da indústria capixaba seguem alternando entre variações positivas e negativas ao longo do ano. Em agosto, frente a julho, todos registraram aumento, exceto o emprego, que ficou estável. O faturamento também cresceu em relação a agosto de 2016 e no acumulado do ano, mas, a maioria dos indicadores se encontra em patamar inferior nesses comparativos e em 12 meses. A alta do faturamento foi impulsionada, principalmente, pelo aumento da demanda interna e externa. O aumento de horas extras e pessoal em algumas empresas justifica o acréscimo nas horas trabalhadas. Na massa salarial houve pagamento de férias, rescisões, abonos, participação nos lucros etc. INDÚSTRIA GERAL ¹Deflator: IPA/ OG-FGV - ²Deflator: INPC-IBGE Fonte: Ideies/Sistema Findes/CNI Ago 17/ Jul 17 Ago 17/ Ago 16 Variação Percentual Acum 17/ Acum meses/ 12 meses Faturamento Real 1 10,0 4,3 3,5-5,2 Horas Trabalhadas na Produção 2,1-3,5-6,4-9,4 Pessoal Empregado Total 0,0-4,3-7,1-7,8 Massa Salarial Real 2 3,5 0,9-3,5-6,3 Rendimento Médio Real 2 3,5 5,4 3,9 1,6 Percentual Médio INDÚSTRIA GERAL Ago/17 Jul/17 Ago/16 Utilização da Capacidade Instalada 75,7 74,9 76,8

3 1 10,0 % mês/mês anterior FATURAMENTO REAL FATURAMENTO REGISTROU AUMENTO EM TODOS OS COMPARATIVOS, EXCETO NO ACUMULADO DE 12 MESES, FRENTE AO MESMO PERÍODO ANTERIOR O faturamento real registrou um acréscimo de 10,0% em agosto de 2017, em relação a julho. Os principais avanços pertenceram aos setores de confecções (43,1%), celulose e papel (31,9%), químicos (19,8%), móveis (17,5%), alimentos (11,2%) e metalurgia (10,4%). Por outro lado, a maior queda ocorreu no setor de borracha e plástico (-8,1%). O faturamento também cresceu na comparação com agosto de 2016 (4,3%) e no acumulado do ano (3,5%). No acumulado de 12 meses decresceu 5,2% Faturamento Real (Nº Índice) Média Móvel Semestral ago/14 fev/15 ago/15 fev/16 ago/16 fev/17 ago/17 Deflator: IPA/ OG-FGV Fonte: Ideies/Sistema Findes/CNI

4 1 3,5 % acumulado do ano FATURAMENTO REAL Principais Influências (p.p) 3,6 3,4 Indústria Extrativa Metalurgia 0,5 Alimentos No resultado do acumulado de janeiro a agosto de 2017, em comparação ao acumulado do ano anterior, a indústria extrativa exerceu a maior influência positiva (3,6 pontos percentuais - p.p.) e a segunda maior variação positiva (12,5%). O setor de metalurgia registrou a segunda maior influência positiva (3,4 p.p.) e a maior variação (14,7%). Já o setor de derivados de petróleo e biocombustíveis (álcool) contabilizou a maior queda (-20,5%). 14,7 12,5 3,5 3,0-0,1-3,7-5,3-6,3-9,9-12,8-15,3-17,4-20,5 Variação Positiva Variação Negativa Deflator: IPA/ OG-FGV Fonte: Ideies/Sistema Findes/CNI

5 2 2,1 % mês/mês anterior HORAS TRABALHADAS NA PRODUÇÃO HORAS TRABALHADAS NA PRODUÇÃO AUMENTAM EM AGOSTO E DECRESCEM NOS DEMAIS PERÍODOS DE COMPARAÇÃO As horas trabalhadas na produção aumentaram 2,1% em agosto, em relação a julho. Destacaram-se os setores de celulose e papel (15,3%), metalurgia (8,9%), químicos (7,9%) e confecções (7,1%). Decresceram os setores de borracha e plástico (-2,4%) e indústria extrativa (-1,9%). Houve queda na comparação com o mesmo mês de 2016 (-3,5%), no acumulado do ano (-6,4%) e em 12 meses (-9,4%) Horas Trabalhadas (Nº Índice) Média Móvel Semestral ago/14 fev/15 ago/15 fev/16 ago/16 fev/17 ago/17 Fonte: Ideies/Sistema Findes/CNI

6 2-6,4 % acumulado do ano HORAS TRABALHADAS NA PRODUÇÃO No resultado do acumulado do ano das horas trabalhadas na produção, o setor de minerais não metálicos exerceu a maior influência negativa (-3,7 p.p.) e também a maior variação negativa (-20,0%). A segunda maior influência negativa coube ao setor de alimentos (-2,1 p.p.), com a terceira pior variação (-12,9%). O setor de móveis foi responsável pela segunda maior queda (-18,9%), enquanto o setor de produtos de borracha e plástico registrou o maior acréscimo (16,2%). Principais Influências (p.p.) Minerais Não Metálicos Alimentos Metalurgia -3,7-2,1-0,5 16,2 5,3 2,8 0,6 Variação Positiva Variação Negativa -0,6-2,0-4,9-6,2-6,4-9,7-12,9-18,9-20,0 Fonte: Ideies/Sistema Findes/CNI

7 3 0,0 % mês/mês anterior EMPREGO EMPREGO REGISTRA QUEDA EM TODAS AS BASES DE COMPARAÇÃO, EXCETO EM AGOSTO DE 2017 EM RELAÇÃO AO MÊS ANTERIOR O indicador de pessoal empregado se manteve estável em agosto, em comparação a julho. A principal variação positiva coube ao setor químico (+1,3%) e as principais variações negativas pertenceram aos setores de borracha e plástico (-2,8%) e minerais não metálicos (-1,2%). Em relação a agosto de 2016, no acumulado do ano e nos últimos 12 meses, ocorreram quedas de 4,3%, 7,1% e 7,8%, respectivamente Emprego (Nº Índice) Média Móvel Semestral ago/14 fev/15 ago/15 fev/16 ago/16 fev/17 ago/17 Fonte: Ideies/Sistema Findes/CNI

8 3 acumulado -7,1 % do ano EMPREGO No acumulado de janeiro a agosto, em relação ao mesmo período de 2016, as maiores influências negativas pertenceram aos setores de minerais não metálicos (-2,8 p.p.) e indústria extrativa (-2,2 p.p.). Esses setores registraram, respectivamente, as seguintes variações negativas: 14,1% e 7,5%. No setor moveleiro ocorreu a maior queda (-20,6%) e, no setor de celulose e papel, o único acréscimo (2,7%). Principais Influências (p.p.) Minerais Não Metálicos Indústria Extrativa -2,8-2,2 Alimentos -0,9 2,7-1,0-1,5-3,1-4,0-5,2-6,1-7,0-7,1-7,4-7,5 Variação Positiva Variação Negativa -14,1-20,6 Fonte: Ideies/Sistema Findes/CNI

9 4 mês/mês 3,5 % MASSA SALARIAL AUMENTA APENAS NA COMPARAÇÃO COM O MÊS ANTERIOR E COM AGOSTO DE 2016 anterior MASSA SALARIAL REAL A massa salarial real aumentou em agosto, frente a julho (3,5%), sobressaindo-se os setores de alimentos (31,5%) e borracha e plástico (2,7%). Em contrapartida, a maior queda ocorreu no setor de móveis (-19,6%). Na comparação com agosto de 2016, também houve acréscimo (0,9%), ao passo que ocorreram quedas no acumulado do ano (-3,5%) e em 12 meses (-6,3%) Massa Salarial (Nº Índice) Média Móvel Semestral ago/14 fev/15 ago/15 fev/16 ago/16 fev/17 ago/17 Deflator: INPC-IBGE Fonte: Ideies/Sistema Findes/CNI

10 4 acumulado -3,5 % do ano MASSA SALARIAL REAL No acumulado do ano, frente ao acumulado de 2016, as maiores influências negativas pertenceram à indústria extrativa (-3,0 p.p.) e de minerais não metálicos (-1,1 p.p.). As principais variações negativas ocorreram nos setores de móveis (-18,7%), minerais não metálicos (-10,6%), impressão e reprodução (-5,7%) e indústria extrativa (-5,5%) e os maiores acréscimos, nos setores de borracha e plástico (22,4%) e celulose e papel (9,6%). Principais Influências (p.p.) Indústria extrativa -3,0 Minerais não metálicos -1,1 Alimentos -0,2 22,4 9,6 5,4 0,3 0,2 Variação Positiva Variação Negativa -1,1-1,6-3,5-5,2-5,5-5,7-10,6 Deflator: INPC-IBGE Fonte: Ideies/Sistema Findes/CNI -18,7

11 5 mês/mês 3,5 % RENDIMENTO MÉDIO REAL SE ELEVA EM AGOSTO E EM TODOS OS DEMAIS PERÍODOS ANALISADOS anterior RENDIMENTO MÉDIO REAL O rendimento médio real cresceu 3,5% em agosto, em relação a julho. As maiores variações positivas pertenceram aos setores de produtos de borracha e plástico (23,5%) e químicos (8,9%). Já a maior queda ocorreu no setor de móveis (-19,0%). Houve acréscimo na comparação de agosto de 2017 com agosto de 2016 (5,4%), no acumulado do ano (3,9%) e nos últimos 12 meses (1,6%) Rendimento Médio Real (Nº Índice) Média Móvel Semestral 0 ago/14 fev/15 ago/15 fev/16 ago/16 fev/17 ago/17 Deflator: INPC-IBGE Fonte: Ideies/Sistema Findes/CNI

12 5 acumulado 3,9 % do ano RENDIMENTO MÉDIO REAL No acumulado de janeiro a agosto de 2017, em comparação ao mesmo período de 2016, a maioria dos setores da indústria capixaba registrou aumento no rendimento médio real. A indústria geral cresceu 3,9% e os maiores avanços ocorreram nos setores de borracha e material plástico (23,5%), químico (8,9%), celulose e papel (6,7%) e biocombustíveis/álcool (5,7%). 23,5 8,9 6,7 6,4 5,7 4,8 3,9 3,9 2,3 2,1 1,9 1,8 Variação Positiva Variação Negativa -10,5 Deflator: INPC-IBGE Fonte: Ideies/Sistema Findes/CNI

13 6 mês/mês 0,8 p.p. UCI AUMENTA EM AGOSTO MAS DECRESCE NOS DEMAIS PERÍODOS DE COMPARAÇÃO anterior UTILIZAÇÃO DA CAPACIDADE INSTALADA A UCI de agosto alcançou 75,7%, um aumento de 0,8 p.p. frente a julho, estando acima da média dos últimos seis meses (75,4%). A ociosidade ficou em 24,3% e os principais acréscimos ocorreram nos setores químicos (5,8 p.p.) e de alimentos (5,5 p.p.). A maior queda ocorreu no setor de confecções (-1,0 p.p.). Decresceram ainda: agosto ante agosto de 2016 (-1,1 p.p.), acumulado do ano (-1,6 p.p.) e 12 meses (-2,0 p.p.) UCI (%) Média Móvel Semestral ago/14 fev/15 ago/15 fev/16 ago/16 fev/17 ago/17 Fonte: Ideies/Sistema Findes/CNI

14 6-1,6 p.p. acumulado do ano UTILIZAÇÃO DA CAPACIDADE INSTALADA No acumulado de janeiro a agosto de 2017, em relação ao mesmo período de 2016, a UCI recuou 1,6 p.p., tendo as maiores quedas ocorrido nos setores de produtos alimentícios (-12,3 p.p.), móveis (-2,2 p.p.) e derivados de petróleo e biocombustíveis/álcool (-1,8 p.p.). Em contrapartida, os maiores acréscimos se verificaram nas indústrias extrativa (2,5 p.p.) e de metalurgia (1,4 p.p.). Móveis 2,5 1,4 0,3 0,0-0,1-0,6-1,6-1,6-1,6-1,8-2,2-2,3 Variação Positiva Variação Negativa -12,3 Fonte: Ideies/Sistema Findes/CNI

15 PERÍODO DE COLETA DAS INFORMAÇÕES: 04 A 18 DE SETEMBRO DE PERFIL DA AMOSTRA: 90 empresas industriais capixabas de extração e transformação. INFORMAÇÕES METODOLÓGICAS: A pesquisa Indicadores Industriais tem o objetivo de monitorar a evolução mensal da atividade da indústria do Espírito Santo. A amostra é selecionada pela Confederação Nacional da Indústria - CNI e classificada de acordo com a Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE 2.0). A série histórica está disponível a partir de 2003, exceto das variáveis massa salarial real e rendimento médio real, com início em 2006, devido a mudanças metodológicas na coleta do indicador de massa salarial.

16 Gerência do Observatório da Indústria IDEIES - Instituto de Desenvolvimento Educacional e Industrial do Espírito Santo Av. Nossa Senhora da Penha, º andar - Santa Lúcia - Vitória/ES CEP: Tel.: (27) Telefax: (27)

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO Fevereiro de 2014

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO Fevereiro de 2014 PRODUTIVIDADE DO TRABALHO Fevereiro de 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO A produtividade do trabalho da indústria catarinense variou 2% em fevereiro em relação ao mesmo mês do ano anterior. No primeiro bimestre de

Leia mais

Indicador Trimestral de PIB do Espírito Santo

Indicador Trimestral de PIB do Espírito Santo SUMÁRIO EXECUTIVO O Produto Interno Bruto (PIB) do estado do Espírito Santo é calculado anualmente pelo Instituto Jones dos Santos Neves (IJSN) em parceria com o Instituto eiro de Geografia e Estatística

Leia mais

Na atividade de têxtil e confecção ocorreu o maior volume de contratações no ano (3.907 postos).

Na atividade de têxtil e confecção ocorreu o maior volume de contratações no ano (3.907 postos). Sumário Executivo MAR/2016 No mês de março de 2016, o saldo de empregos em Santa Catarina recuou em relação a fevereiro (-3.803 postos e variação de -0,2%). A indústria de transformação teve desempenho

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

Maio 2004. Belo Horizonte. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

Maio 2004. Belo Horizonte. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004 Região Metropolitana de Belo Horizonte Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 1 PESQUISA MENSAL DE EMPREGO ESTIMATIVAS PARA O MÊS DE MAIO DE 2004 REGIÃO

Leia mais

Indicadores Conjunturais

Indicadores Conjunturais Ano 29 número 12 Fevereiro 2015 Indicadores Conjunturais SISTEMA FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO PARANÁ - DEPARTAMENTO ECONÔMICO Resultados de Dezembro de 2014 Vendas Industriais página 04 O resultado

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS. Jul.2016 REGIÃO CENTRO-OESTE. Regional Centro-Oeste Divinópolis ANÁLISE SETORIAL

INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS. Jul.2016 REGIÃO CENTRO-OESTE. Regional Centro-Oeste Divinópolis ANÁLISE SETORIAL #7 INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS Jul.2016 REGIÃO CENTRO-OESTE Regional Centro-Oeste Divinópolis INDICADORES ANÁLISE SETORIAL TABELAS I N D I CADORES IN DUST RIAIS D A RE GIÃO LESTE FIEMG INDEX.

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL AGOSTO DE 2012 Atividade tem segundo crescimento seguido Agosto de 2012 www.fiergs.org.br A atividade industrial gaúcha avançou pelo segundo mês seguido em agosto,

Leia mais

INDICADORES DO TRIÂNGULO MINEIRO

INDICADORES DO TRIÂNGULO MINEIRO #7 INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS Jul.2016 Região Leste REGIÃO DO TRIÂNGULO Regional Pontal do Triângulo - Ituiutaba Regional Vale do Paranaíba - Uberlândia Regional Vale do Rio Grande - Uberaba

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS

INDICADORES INDUSTRIAIS INDICADORES INDUSTRIAIS Informativo da Confederação Nacional da Indústria Indústria tem queda da atividade em novembro Os dados de horas trabalhadas, faturamento e utilização da capacidade instalada mostraram

Leia mais

Mudanças nos Preços Relativos

Mudanças nos Preços Relativos Mudanças nos Preços Relativos Tabela 1 Variação acumulada do IPCA: eiro/ junho/ Discriminação Brasil Belém 1/ Nordeste Sudeste Sul Centro- Gráfico 1 - Alteração no peso do IPCA por segmento de consumo:

Leia mais

Sondagem do Setor de Serviços

Sondagem do Setor de Serviços Sondagem do Setor de Serviços % Setor 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Agropecuária 5,9 4,9 4,7 4,8 5,0 5,2 Indústria 25,8 25,1 24,7 23,9 23,3 21,8 Serviços 54,1 55,8 56,5 57,3 56,8 58,9 Impostos líquidos

Leia mais

Região Centro Oeste. Regional Março 2014

Região Centro Oeste. Regional Março 2014 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Centro Oeste engloba a Regional Fiemg Centro Oeste. Região Centro Oeste GLOSSÁRIO Setores que fazem

Leia mais

Região Sul. Regional Fevereiro 2013 2009

Região Sul. Regional Fevereiro 2013 2009 Regional Fevereiro 2013 2009 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Sul engloba a Fiemg Regional Sul. Região Sul GLOSSÁRIO Setores que fazem

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Comunicação Social 25 de março de 2004 Pesquisa Mensal de Emprego Taxa de desocupação é de 12% em fevereiro Em fevereiro de 2004, a taxa de desocupação ficou estável tanto em relação ao mês anterior (11,7%)

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 12/2014

ESTUDO TÉCNICO N.º 12/2014 ESTUDO TÉCNICO N.º 12/2014 Principais resultados da PNAD 2013 potencialmente relacionados às ações e programas do MDS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE AVALIAÇÃO E GESTÃO

Leia mais

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Outubro de 2015

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Outubro de 2015 Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Outubro de 2015 Dezembro/2015 BRASIL A produtividade física do trabalho da Indústria de Transformação cresceu 0,3% em outubro de 2015,

Leia mais

Região Zona da Mata. Regional Agosto 2013

Região Zona da Mata. Regional Agosto 2013 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Zona da Mata engloba a Fiemg Regional Zona da Mata. Região Zona da Mata GLOSSÁRIO Setores que fazem

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS JUL.2016 REGIÃO LESTE. Regional Vale do Aço - Ipatinga Regional Rio Doce Governador Valadares ANÁLISE SETORIAL

INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS JUL.2016 REGIÃO LESTE. Regional Vale do Aço - Ipatinga Regional Rio Doce Governador Valadares ANÁLISE SETORIAL #7 INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS JUL.2016 REGIÃO LESTE Regional Vale do Aço - Ipatinga Regional Rio Doce Governador Valadares INDICADORES ANÁLISE SETORIAL TABELAS I N D I CADORES IN DUST RIAIS

Leia mais

ÍNDICE NACIONAL DE PREÇOS AO CONSUMIDOR (INPC) E A CESTA BÁSICA DEZEMBRO/2010

ÍNDICE NACIONAL DE PREÇOS AO CONSUMIDOR (INPC) E A CESTA BÁSICA DEZEMBRO/2010 1. INTRODUÇÃO O Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) apresenta os resultados do Índice Nacional de Preços ao Consumidor e a Cesta Básica para a Região Metropolitana de Fortaleza.

Leia mais

COMENTÁRIOS. Em maio o emprego industrial ficou praticamente estável frente ao mês

COMENTÁRIOS. Em maio o emprego industrial ficou praticamente estável frente ao mês COMENTÁRIOS PESSOAL OCUPADO ASSALARIADO Em maio o emprego industrial ficou praticamente estável frente ao mês imediatamente anterior (-0,1%), na série livre de influências sazonais, após recuo de 0,3%

Leia mais

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Indicadores CNI ISSN 2317-7322 Ano 7 Número 3 março de SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Condições financeiras pioram no primeiro trimestre A indústria da construção tem sido fortemente impactada pela atual

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. Trimestre terminado em Abril/2016

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. Trimestre terminado em Abril/2016 Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação Trimestre terminado em Abril/2016 Os Coeficientes de Exportação e de Importação tem como objetivo analisar de forma integrada a produção

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

Hóspedes, dormidas e proveitos mantêm crescimento significativo

Hóspedes, dormidas e proveitos mantêm crescimento significativo Atividade Turística Julho de 20 15 de setembro de 20 Hóspedes, dormidas e proveitos mantêm crescimento significativo A hotelaria registou 5,8 milhões de dormidas em julho de 20, valor correspondente a

Leia mais

Hotelaria com aumentos nas dormidas e proveitos

Hotelaria com aumentos nas dormidas e proveitos Atividade Turística Junho 2013 14 de agosto de 2013 Hotelaria com aumentos nas dormidas e proveitos A hotelaria registou 4,4 milhões de dormidas em junho de 2013, mais 8,6% do que em junho de 2012. Para

Leia mais

Maio 2004. São Paulo. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

Maio 2004. São Paulo. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004 Região Metropolitana de São Paulo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 1 I) INTRODUÇÃO PESQUISA MENSAL DE EMPREGO ESTIMATIVAS PARA O MÊS DE MAIO DE

Leia mais

Indicadores SEBRAE-SP

Indicadores SEBRAE-SP Indicadores SEBRAE-SP Pesquisa de Conjuntura (resultados de julho de 2008) setembro/08 1 Principais destaques Em julho/08 as micro e pequenas empresas (MPEs) apresentaram queda de 3% no faturamento real

Leia mais

INDX apresenta estabilidade em abril

INDX apresenta estabilidade em abril 1-2- 3-4- 5-6- 7-8- 9-10- 11-12- 13-14- 15-16- 17-18- 19-20- 21-22- 23-24- 25-26- 27-28- 29-30- INDX INDX ANÁLISE MENSAL INDX apresenta estabilidade em abril Dados de Abril/11 Número 52 São Paulo O Índice

Leia mais

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Indicadores CNI ISSN 2317-7322 Ano 6 Número 12 dezembro de SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Indústria da construção termina ano com queda intensa A indústria da construção encerrou com queda intensa e

Leia mais

1 a 15 de janeiro de 2015

1 a 15 de janeiro de 2015 1 a 15 de janeiro de 2015 As principais informações da economia mundial, brasileira e baiana INTRODUÇÃO Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia Diretoria de Indicadores e Estatísticas

Leia mais

Investimentos estrangeiros registram leve recuo em 2013

Investimentos estrangeiros registram leve recuo em 2013 Dezembro de 2013 Investimentos estrangeiros registram leve recuo em 2013 Em 2013, o ingresso de investimentos estrangeiros diretos (IED) recuou 1,9% frente ao acumulado de 2012. Ao se decompor os fluxos,

Leia mais

Education at a Glance: Indicadores OCDE 2012

Education at a Glance: Indicadores OCDE 2012 COUNTRY NOTE Education at a Glance: Indicadores OCDE 2012 BRASIL Dúvidas podem ser enviadas para: Andreas Schleicher, Assessor do Secretário-Geral sobre Política de Educação, Vice-Diretor de Educação E-mail:

Leia mais

Evolução da Produção 51,5. fev/12 mai/12 ago/12 nov/12 fev/13 mai/13

Evolução da Produção 51,5. fev/12 mai/12 ago/12 nov/12 fev/13 mai/13 Apresentação A Sondagem Industrial CNI abrange os 26 Estados brasileiros e o Distrito Federal e tem por objetivo identificar a tendência passada e futura da indústria brasileira. A pesquisa é realizada

Leia mais

INDX registra alta de 3,1% em Março

INDX registra alta de 3,1% em Março 14-jan-11 4-fev-11 25-fev-11 18-mar-11 8-abr-11 29-abr-11 2-mai-11 1-jun-11 1-jul-11 22-jul-11 12-ago-11 2-set-11 23-set-11 14-out-11 4-nov-11 25-nov-11 16-dez-11 6-jan-12 27-jan-12 17-fev-12 9-mar-12

Leia mais

www.ccee.org.br Nº 009 Setembro/2014 0800 10 00 08

www.ccee.org.br Nº 009 Setembro/2014 0800 10 00 08 www.cceorg.br Nº 009 Setembro/2014 0800 10 00 08 Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia física e

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN BC: Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional sobem 0,1% em maio de 2016, acumulando alta de 2,0% em 12 meses O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados

Leia mais

Coordenação geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro

Coordenação geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro Ano 5 no 41 novembro/2012 Ano 5 no 41 maio/2012 Embrapa Gado de Leite Rua Eugênio do Nascimento, 610 Bairro Dom Bosco 36038-330 Juiz de Fora/MG Telefone: (32) 3311-7494 Fax: (32) 3311-7499 e-mail: sac@cnpgl.embrapa.br

Leia mais

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: GOIÁS

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: GOIÁS MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: GOIÁS O número de empregos formais no estado alcançou 1,514 milhão em dezembro de 2014, representando

Leia mais

Tabela 1 Taxa de Crescimento do Produto Interno Bruto no Brasil e em Goiás: 2011 2013 (%)

Tabela 1 Taxa de Crescimento do Produto Interno Bruto no Brasil e em Goiás: 2011 2013 (%) 1 PANORAMA ATUAL DA ECONOMIA GOIANA A Tabela 1 mostra o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil e de Goiás no período compreendido entre 211 e 213. Nota-se que, percentualmente, o PIB goiano cresce relativamente

Leia mais

F.17 Cobertura de redes de abastecimento de água

F.17 Cobertura de redes de abastecimento de água Comentários sobre os Indicadores de Cobertura até 6 F.17 Cobertura de redes de abastecimento de água Limitações: Requer informações adicionais sobre a quantidade per capita, a qualidade da água de abastecimento

Leia mais

Indústria. Prof. Dr. Rudinei Toneto Júnior Renata de Lacerda Antunes Borges

Indústria. Prof. Dr. Rudinei Toneto Júnior Renata de Lacerda Antunes Borges A Sondagem Industrial (SI) e o Índice de Confiança (ICEI) são elaborados pela unidade de Política Econômica da Confederação Nacional das s (CNI) em conjunto com as Federações das s dos 23 estados brasileiros

Leia mais

16 a 31 de dezembro de 2014

16 a 31 de dezembro de 2014 16 a 31 de dezembro de 2014 As principais informações da economia mundial, brasileira e baiana INTRODUÇÃO Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia Diretoria de Indicadores e Estatísticas

Leia mais

Estudos. População e Demografia

Estudos. População e Demografia População e Demografia Prof. Dr. Rudinei Toneto Jr. Guilherme Byrro Lopes Rafael Lima O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), desde 1991, divulga anualmente uma base com a população dos

Leia mais

Relatório da Pesquisa Conjuntural

Relatório da Pesquisa Conjuntural -12,3% -13, -13,5% -13,1% -12,7% -12,4% -12,7% -7,9% -9,3% -6,9% -2,7% -0,2% I Resultado Nacional Os dados divulgados no Relatório da Pesquisa Conjuntural, elaborados com base nas informações das empresas

Leia mais

Relatório Mercatto OABPREV RJ Fundo Multimercado

Relatório Mercatto OABPREV RJ Fundo Multimercado Relatório Mercatto OABPREV RJ Fundo Multimercado Abril/11 Sumário 1. Características do Fundo Política de Gestão Objetivo do Fundo Público Alvo Informações Diversas Patrimônio Líquido 2. Medidas Quantitativas

Leia mais

Tabela de Correção de Indicadores Econômicos 1990. ORTN /OTN / BTN acumulada com TR - 1993 a 1995

Tabela de Correção de Indicadores Econômicos 1990. ORTN /OTN / BTN acumulada com TR - 1993 a 1995 Tabela de Correção de Indicadores Econômicos 1990 ORTN /OTN / BTN acumulada com TR - 1990 a 1992 1990 1991 1992 janeiro 10,9518 janeiro 105,5337 janeiro 552,5059 fevereiro 17,0968 fevereiro 126,8621 fevereiro

Leia mais

Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) JOINVILLE

Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) JOINVILLE Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) JOINVILLE Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) JOINVILLE FECOMÉRCIO SC SUMÁRIO Endividamento em Joinville 7 Considerações

Leia mais

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE 1 Março 2008 A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE Ângela da Matta Silveira Martins * Esta nota técnica apresenta algumas considerações sobre a inserção da mão-de-obra feminina no mercado de trabalho

Leia mais

AGOSTO DE 2013 2 LIGEIRA REDUÇÃO DA TAXA DE DESEMPREGO

AGOSTO DE 2013 2 LIGEIRA REDUÇÃO DA TAXA DE DESEMPREGO MERCADO DE TRABALHO METROPOLITANO 1 AGOSTO DE 2013 2 LIGEIRA REDUÇÃO DA TAXA DE DESEMPREGO As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego revelam ligeira redução da taxa de desemprego e

Leia mais

COMENTÁRIOS. A produção industrial em julho apresentou crescimento de 0,6% frente ao

COMENTÁRIOS. A produção industrial em julho apresentou crescimento de 0,6% frente ao COMENTÁRIOS A produção industrial em julho apresentou crescimento de 0,6% frente ao mês anterior, descontadas as influências sazonais. No confronto com julho de 2005 o aumento ficou em 3,2%. Assim, o setor

Leia mais

ABIH-RJ FECOMÉRCIO- RJ

ABIH-RJ FECOMÉRCIO- RJ 2014 ABIH-RJ FECOMÉRCIO- RJ ANUÁRIO ESTATÍSTICO DA TAXA DE OCUPAÇÃO HOTELEIRA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Pesquisa mensal da ABIH-RJ que visa acompanhar a taxa de ocupação nas unidades de hospedagem da

Leia mais

SONDAGEM ESPECIAL. Exportações ganham importância para indústria brasileira. Comércio Exterior. Opinião CNI

SONDAGEM ESPECIAL. Exportações ganham importância para indústria brasileira. Comércio Exterior. Opinião CNI Indicadores CNI SONDAGEM ESPECIAL 64 Comércio Exterior Exportações ganham importância para indústria brasileira A queda na demanda doméstica e a desvalorização da moeda estão estimulando o aumento das

Leia mais

Endividamento recua em dezembro

Endividamento recua em dezembro Endividamento recua em dezembro Em dezembro de 2011, o número de famílias que declarou possuir dívidas diminui pelo sétimo mês consecutivo permanecendo, no entanto, acima do patamar observado ao final

Leia mais

Brasil: saldo positivo na geração de empregos em todos os setores da economia

Brasil: saldo positivo na geração de empregos em todos os setores da economia Saldo positivo no mercado de trabalho em abril de 2012 Município registra geração de 280 vagas com registro em carteira neste mês, colocando-se em 21º lugar entre os maiores geradores de vagas Adriana

Leia mais

DETERMINANTES DO CRESCIMENTO DA RENDA

DETERMINANTES DO CRESCIMENTO DA RENDA DETERMINANTES DO CRESCIMENTO DA RENDA na região metropolitana do Rio de Janeiro entre 2010 e 2011 NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JANEIRO DE

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO /2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO /2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO /2015 Convenção Coletiva de Trabalho, que entre si ajustam a FEDERAÇÃO NACIONAL DOS EMPREGADOS EM POSTOS DE SERVIÇOS DE COMBUSTÍVEIS E DERIVADOS DE PETRÓLEO - FENEPOSPETRO,

Leia mais

TABELA DE SALÁRIO MÍNIMO REGIONAL (REVISADA A DE SC)

TABELA DE SALÁRIO MÍNIMO REGIONAL (REVISADA A DE SC) TABELA DE SALÁRIO MÍNIMO REGIONAL (REVISADA A DE SC) REAJUSTAMENTO, ATUALIZAÇÃO E REVISÃO DOS BENEFÍCIOS DA PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL FORMAS DE REAJUSTAMENTO/ACUMULAÇÃO DE BENEFÍCIO 1 - BENEFÍCIOS

Leia mais

DESIGUALDADE DE RENDA NAS REGIÕES NAS REGIÕES DO ESTADO DE SÃO PAULO

DESIGUALDADE DE RENDA NAS REGIÕES NAS REGIÕES DO ESTADO DE SÃO PAULO 535 DESIGUALDADE DE RENDA NAS REGIÕES NAS REGIÕES DO ESTADO DE SÃO PAULO Rosycler Cristina Santos Simão (USP) 1. INTRODUÇÃO É de conhecimento geral que o Brasil destaca-se no cenário mundial como um dos

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P A B R I L, 2 0 1 6 D E S T A Q U E S D O M Ê S São Paulo, 27 de maio de 2016 Crédito imobiliário alcança R$ 3,5 bilhões em abril

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação

Coeficientes de Exportação e Importação Coeficientes de Exportação e Importação Resultados do 1º trimestre de 2012 DEREX Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior Roberto Giannetti da Fonseca Diretor Titular Maio de 2012 1.

Leia mais

Persistência da desaceleração e ligeira elevação na inadimplência

Persistência da desaceleração e ligeira elevação na inadimplência Persistência da desaceleração e ligeira elevação na inadimplência Em maio, a carteira de crédito do SFN totalizou aproximadamente 56,2% do PIB, indicando crescimento de 12,7% em 12 meses. O maior dinamismo

Leia mais

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC)

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Situação da economia e perspectivas Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Recessão se aprofunda e situação fiscal é cada vez mais grave Quadro geral PIB brasileiro deve cair 2,9% em 2015 e aumentam

Leia mais

Emprego Industrial Novembro de 2015

Emprego Industrial Novembro de 2015 Emprego Industrial Novembro de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de novembro de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina reduziu em relação ao estoque de ubro (-6.418 postos e variação de -0,3%). A indústria

Leia mais

EVOLUÇÃO SALARIAL. Categoria: Federação dos Trabalhadores da Saúde do Estado de São Paulo INPC-IBGE. março de 2014

EVOLUÇÃO SALARIAL. Categoria: Federação dos Trabalhadores da Saúde do Estado de São Paulo INPC-IBGE. março de 2014 EVOLUÇÃO SALARIAL Categoria: Material de suporte para categorias em data base Deflatores: ICV-DIEESE INPC-IBGE março de 2014 Este trabalho contém o estudo sobre o comportamento dos salários desde 01-março-2013

Leia mais

IMPACTO DA CRISE NO MERCADO DE TRABALHO DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO: UMA ANÁLISE DAS HORAS TRABALHADAS E DO EMPREGO

IMPACTO DA CRISE NO MERCADO DE TRABALHO DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO: UMA ANÁLISE DAS HORAS TRABALHADAS E DO EMPREGO IMPACTO DA CRISE NO MERCADO DE TRABALHO DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO: UMA ANÁLISE DAS HORAS TRABALHADAS E DO EMPREGO Marcelo de Ávila* 1 INTRODUÇÃO A crise hipotecária americana eclodiu em outubro de

Leia mais

Política Social no Brasil e seus Efeitos sobre a Pobreza e a Desigualdade

Política Social no Brasil e seus Efeitos sobre a Pobreza e a Desigualdade CIDOB AECID EL BRASIL DESPUES DE LULA. Éxitos y desafíos en la reducción de la pobreza y el liderazgo regional Política Social no Brasil e seus Efeitos sobre a Pobreza e a Desigualdade Lena LAVINAS Instituto

Leia mais

O comércio varejista no período de 1996-2002

O comércio varejista no período de 1996-2002 Comentários gerais A Pesquisa Anual de Comércio PAC tem como objetivo levantar informações sobre a estrutura produtiva e econômica do segmento empresarial do comércio brasileiro. De acordo com os resultados

Leia mais

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro A taxa de desocupação registrada pela Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE, nas seis principais Regiões Metropolitanas do país (Recife, Salvador, Belo Horizonte,

Leia mais

Relatório da Receita Tributária

Relatório da Receita Tributária Relatório da Receita Tributária DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA FAZENDA Janeiro de 2004 1 APRESENTAÇÃO E NOTAS 2 ANÁLISE DA RECEITA TRIBUTÁRIA TOTAL 4 ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DE

Leia mais

GOVERNADOR DO ESTADO DO AMAZONAS JOSÉ MELO DE OLIVEIRA SECRETÁRIO DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO AIRTON ÂNGELO CLAUDINO

GOVERNADOR DO ESTADO DO AMAZONAS JOSÉ MELO DE OLIVEIRA SECRETÁRIO DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO AIRTON ÂNGELO CLAUDINO GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN Produto Interno Bruto Trimestral do Estado do Amazonas 4º Trimestre de 2014 Março de 2015 GOVERNADOR

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL OUTUBRO DE 2014 Outubro de 2014 www.fiergs.org.br Indústria cresce pelo quarto mês seguido O IDI/RS, Índice de Desempenho Industrial do Rio Grande do Sul, apontou

Leia mais

Indicadores Conjunturais

Indicadores Conjunturais Ano 25 número 07 agosto 2010 Indicadores Conjunturais SISTEMA FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO PARANÁ - DEPARTAMENTO ECONÔMICO Resultados de Julho de 2010 Vendas Industriais página 04 O resultado

Leia mais

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 68 1 a 15 de fevereiro de 211 ANÚNCIOS DE INVESTIMENTOS De

Leia mais

Desempenho recente da Indústria: os sinais de retomada são robustos? O que esperar para o fechamento do ano?

Desempenho recente da Indústria: os sinais de retomada são robustos? O que esperar para o fechamento do ano? Desempenho recente da Indústria: os sinais de retomada são robustos? O que esperar para o fechamento do ano? SUMÁRIO EXECUTIVO O estudo está dividido em duas partes: 1. A primeira faz uma análise mais

Leia mais

CESTA BÁSICA DE CASCA REGISTRA AUMENTO DE 2,65% NO MÊS DE MARÇO

CESTA BÁSICA DE CASCA REGISTRA AUMENTO DE 2,65% NO MÊS DE MARÇO ANO 20 Nº 209 ABRIL/2016 Publicação Mensal do Centro de Pesquisa e Extensão da Faculdade de Ciências Econômicas, Administrativas e Contábeis - CEPEAC Guilherme Mondin dos Santos (Estagiário CEPEAC/UPF);

Leia mais

Instituto Acende Brasil

Instituto Acende Brasil www.pwc.com Instituto Acende Brasil Estudo sobre a Carga Tributária & Encargos do setor elétrico brasileiro ano base 2014 Dezembro 2015 Sumário Item Descrição Página - Sumário Executivo 3 1. O setor 4

Leia mais

Veracel Celulose S/A Programa de Monitoramento Hidrológico em Microbacias Período: 2006 a 2009 RESUMO EXECUTIVO

Veracel Celulose S/A Programa de Monitoramento Hidrológico em Microbacias Período: 2006 a 2009 RESUMO EXECUTIVO Veracel Celulose S/A Programa de Monitoramento Hidrológico em Microbacias Período: 2006 a 2009 RESUMO EXECUTIVO Alcançar e manter índices ótimos de produtividade florestal é o objetivo principal do manejo

Leia mais

Centro de Promoção do Desenvolvimento Sustentável. BOLETIM ESTÁTISTICO DE VIÇOSA (Atualizado em julho de 2013)

Centro de Promoção do Desenvolvimento Sustentável. BOLETIM ESTÁTISTICO DE VIÇOSA (Atualizado em julho de 2013) Centro de Promoção do Desenvolvimento Sustentável BOLETIM ESTÁTISTICO DE VIÇOSA (Atualizado em julho de 2013) Viçosa Minas Gerais Junho de 2013 1 DEMOGRAFIA BOLETIM ESTÁTISTICO DE VIÇOSA TABELA 1 Evolução

Leia mais

2.2 Ambiente Macroeconômico

2.2 Ambiente Macroeconômico Por que Ambiente Macroeconômico? Fundamentos macroeconômicos sólidos reduzem incertezas sobre o futuro e geram confiança para o investidor. A estabilidade de preços é uma condição importante para processos

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

Indicadores Sociais Municipais 2010. Uma análise dos resultados do universo do Censo Demográfico 2010

Indicadores Sociais Municipais 2010. Uma análise dos resultados do universo do Censo Demográfico 2010 Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Indicadores Sociais Municipais 2010 Uma análise dos resultados do universo do Censo Demográfico 2010 Rio, 16/11/ 2011 Justificativa:

Leia mais

Boletim eletrônico trimestral sobre a participação das mulheres no mercado de trabalho a partir dos dados da - Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE -

Boletim eletrônico trimestral sobre a participação das mulheres no mercado de trabalho a partir dos dados da - Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE - Boletim eletrônico trimestral sobre a participação das mulheres no mercado de trabalho a partir dos dados da - Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE - Elaboração: (SPM), Fundo de Desenvolvimento das Nações

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE

MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE Junho/2012 Crescimento da ocupação e saída de pessoas do mercado de trabalho determinam expressiva redução do desemprego 1. Em junho, as informações da Pesquisa

Leia mais

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS 1 Trimestre RESULTADOS OBTIDOS Saldos Financeiros Saldos Segregados por Planos (em R$ mil) PGA PB TOTAL CC FI DI/RF FI IRFM1 FI IMAB5 SUBTOTAL CC FI DI/RF FI IRFM1 FI IMAB5 SUBTOTAL

Leia mais

Título: PREÇO INTERNACIONAL E PRODUÇÃO DE SOJA NO BRASIL DE 1995 A

Título: PREÇO INTERNACIONAL E PRODUÇÃO DE SOJA NO BRASIL DE 1995 A Título: PREÇO INTERNACIONAL E PRODUÇÃO DE SOJA NO BRASIL DE 1995 A 2003. Magali Simoni Azevedo 1 Resumo O estudo sobre o preço internacional e a produção de soja no Brasil de 1995 a 2003 teve como objetivo

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

Os efeitos da valorização do real na indústria brasileira

Os efeitos da valorização do real na indústria brasileira Os efeitos da valorização do real na indústria brasileira !"#"#!$%&"'()* * " + # (, " - --.&"- "/"& 0+- &#"./" - "0 - () " 1 # 2- (, - 34/ % - &5"() #-6 $ 7-" &"'()"" (,8 32- )-" 8 7- & () 98 % ) #- 2-

Leia mais

BAIXA IMEDIATA DE PAGAMENTOS. Técnica em Contabilidade: Beatriz Noleto Fernandes

BAIXA IMEDIATA DE PAGAMENTOS. Técnica em Contabilidade: Beatriz Noleto Fernandes BAIXA IMEDIATA DE PAGAMENTOS Técnica em Contabilidade: Beatriz Noleto Fernandes Curriculum Autora: Beatriz Noleto Fernandes Técnica em Contabilidade, foi gerente comercial da SANEAGO na cidade de Guarai

Leia mais

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego Fevereiro de 2015 - Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 19/03/2015

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego Fevereiro de 2015 - Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 19/03/2015 INFORME CONJUNTURAL Comportamento do Emprego Fevereiro de 2015 - Brasil Subseção Dieese Força Sindical Elaboração: 19/03/2015 Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005

Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005 Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento

Leia mais

PRODUTO INTERNO BRUTO DO DISTRITO FEDERAL

PRODUTO INTERNO BRUTO DO DISTRITO FEDERAL PRODUTO INTERNO BRUTO DO DISTRITO FEDERAL 2010 Produto Interno Bruto - PIB Corresponde ao valor a preços de mercado, de todos os bens e serviços finais produzidos em um território, num determinado período

Leia mais

André Urani (aurani@iets.inf.br)

André Urani (aurani@iets.inf.br) Um diagnóstico socioeconômico do Estado de a partir de uma leitura dos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios do IBGE (1992-4) André Urani (aurani@iets.inf.br) Maceió, dezembro de 5 Introdução

Leia mais

Avaliação Econômica do Projeto de Microcrédito para a população da Zona Norte de Natal/RN

Avaliação Econômica do Projeto de Microcrédito para a população da Zona Norte de Natal/RN FUNDAÇÃO ITAÚ SOCIAL CENTRO DE APOIO AOS MICROEMPREENDEDORES Avaliação Econômica do Projeto de Microcrédito para a população da Zona Norte de Natal/RN Equipe: Iraê Cardoso, Isabela Almeida, Lilian Prado,

Leia mais

Indicadores IBGE. Pesquisa Industrial Mensal Produção Física Brasil. janeiro 2015. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

Indicadores IBGE. Pesquisa Industrial Mensal Produção Física Brasil. janeiro 2015. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Indicadores IBGE Pesquisa Industrial Mensal Produção Física Brasil janeiro 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministro do Planejamento, Orçamento

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Abril de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março de 2015... 5 3.

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO MARÇO DE 2009 DIVULGAÇÃO DIVULGAÇÃO N o 292 N o 266 Desemprego cresce, mas indústria e serviços param de demitir Demissões no Comércio

Leia mais