GERENCIAMENTO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE (CRM): proposição de metodologia para avaliação do CRM aplicado às pequenas empresas.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GERENCIAMENTO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE (CRM): proposição de metodologia para avaliação do CRM aplicado às pequenas empresas."

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ Suely Pereda Bernardi GERENCIAMENTO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE (CRM): proposição de metodologia para avaliação do CRM aplicado às pequenas empresas. Taubaté SP 2006

2 UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ Suely Pereda Bernardi GERENCIAMENTO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE (CRM): proposição de metodologia para avaliação do CRM aplicado às pequenas empresas. Monografia apresentada para obtenção do Certificado de Especialização em MBA Gerência Empresarial do Departamento de Economia, Contabilidade e Administração da Universidade de Taubaté. Orientador: Prof. Mestre Paulo Aurélio Santos Taubaté SP 2006

3 SUELY PEREDA BERNARDI GERENCIAMENTO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE (CRM): Proposição de metodologia para avaliação do CRM aplicado às pequenas empresas. Monografia apresentada para obtenção do Certificado de Especialização em MBA Gerência Empresarial do Departamento de Economia, Contabilidade e Administração da Universidade de Taubaté. Data: Resultado: BANCA EXAMINADORA Prof. Mestre Paulo Aurélio Santos Assinatura Prof. Dr. Antonio Pascoal Del'Arco Junior Assinatura Prof. Dr. Francisco Cristóvão Lourenço de Melo Assinatura

4 Dedico este trabalho a meu marido Ulisses, e a meus filhos Penelope e Thales. Pelo apoio e incentivo que me deram, não só durante o curso, como também na execução deste trabalho.

5 AGRADECIMENTOS A minha família, pelo apoio e incentivo. Aos meus colegas, pela colaboração em momentos de necessidade. Ao Prof. Mestre Paulo Aurélio Santos, pela orientação. Ao Prof. Normando Marth Pazim, pela ajuda. Aos professores, pelos conhecimentos compartilhados.

6 O sorriso que dás volta para ti mesmo. Provérbio indiano

7 RESUMO As pequenas empresas brasileiras constituem um segmento muito importante para o desenvolvimento do nosso País, originando empregos e gerando riquezas. Diante da necessidade crescente destas pequenas empresas estreitarem seus relacionamentos com os clientes, as dificuldades encontradas na utilização de uma estratégia de relacionamento bem definida são muitas, o Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente sugere a utilização das Tecnologias de Informação e mudanças culturais na organização. Este trabalho propõe através de pesquisa científica, o levantamento das questões de maior dificuldade para as empresas na implantação e desenvolvimento desta estratégia. Entre as questões citadas tem se os altos custos dos investimentos em tecnologia e as grandes dificuldades de mudanças culturais nas empresas. Esta última questão entre todas as levantadas é com certeza a mais difícil de ser administrada, tendo-se como conclusão que, a administração de pessoas para o envolvimento total com a nova cultura é peça fundamental para o sucesso da estratégia. As pequenas empresas podem e devem utilizar-se dos benefícios da gestão de relacionamentos, pois levando se em conta o número de pessoas envolvidas nos processos, esta administração de pessoal se torna infinitamente mais fácil e produtiva. Palavras-chaves: Gerenciamento do relacionamento com o cliente. pequenas empresas. Marketing de relacionamento. Fidelização do cliente.

8 ABSTRACT The small Brazilian companies constitute a very important segment from our country development, originating jobs and generating wealth. Face the increasing necessity of these small companies to narrow its customers relationships, the difficulties found in the use of a well defined relationship strategy are many, the Customer Relationship Management suggests the use of Information Technologies and organization cultural changes. This work propose through scientific research, the survey of the higher difficulties issues for companies strategy implantation and development. Among the cited issues it has the high costs of technology investments and big difficulties of companies cultural changes. This last issue among all mentioned is certainly the most difficult to be managed, concluding that, the people administration for the total involvement with the new culture is fundamental for the strategy successful. The small companies can and must use the benefits of the relationships management, therefore taking the number of people involved in the processes, this people administration becomes infinitely more easy and productive. KEY WORDS: Customer Relationship Management. Small companies. Relationship Marketing. Customer loyalty.

9 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Visão da Criação do Valor...24 Tabela 2 Princípios da Lealdade...33 Tabela 3 Classificação Utilizada Pelo Sebrae Para O Tamanho Das Empresas...35 Tabela 4 Pesquisa de Satisfação...40

10 LISTA DE FIGURAS Figura 1 A Escada da Fidelidade...20 Figura 2 Estágios da Excelência Nos Serviços...22 Figura 3 Pirâmide da Hierarquia do Conhecimento...27 Figura 4 O Ciclo do Processo do CRM...28

11 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVO Objetivos Específicos DELIMITAÇÃO DO ESTUDO RELEVANCIA DO ESTUDO ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO REVISÃO DA LITERATURA O MARKETING O MERCADO O CLIENTE O Cliente Externo O Cliente Pessoal O Cliente em Potencial O Cliente interno O PRODUTO O SERVIÇO O VALOR O GERENCIAMENTO DO RELACIONAMENTO As Mudanças Culturais AS PEQUENAS EMPRESAS MÉTODO PROPOSIÇÃO...39 REFERÊNCIAS...42

12 1 INTRODUÇÃO Com a globalização e o aumento da concorrência, as grandes empresas se voltaram para os clientes com o objetivo não só de captar mas principalmente de satisfazer e reter estes clientes. A área de marketing é diretamente responsável por estas estratégias de mercado e hoje temos aliada a ela, técnicas novas como o Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente, mais conhecido como CRM. A idéia de que a utilização desta técnica exige da empresa um alto investimento em tecnologias, faz com que a pequena empresa tenha dificuldades em buscar sua utilização e definir programas para um melhor relacionamento com os seus clientes. Técnicas como CRM são desenvolvidas para a utilização em grandes e médias empresas, mas espera-se que estas técnicas utilizadas, de maneira simplificada possam ser adaptadas para as pequenas empresas. 1.1 OBJETIVO Este trabalho tem por objetivo, buscar informações que possam ser utilizadas como base para o desenvolvimento de um modelo de relacionamento com os clientes em pequenas empresas, sem a utilização de tecnologias de informação.

13 1.1.1 Objetivos Específicos Identificar fatores chaves para o bom desenvolvimento da estratégia de relacionamento, por meio dos quais o pequeno empresário poderá alcançar o objetivo de, estreitar os relacionamentos com os clientes, aumentar sua rentabilidade e desenvolver-se em um mercado altamente competitivo. 1.2 DELIMITAÇÃO DO ESTUDO Não serão abordados temas como, tipos de tecnologias e segurança das informações, valores de investimentos ou elaboração de estratégias. Este trabalho se limita a determinar formas de gerenciar os relacionamentos utilizando o fator humano como ponto principal. 1.3 RELEVÂNCIA DO ESTUDO É indiscutível a importância das relações nos processos, sendo assim, trazer informações para as pequenas empresas, que sofrem com a carência de literatura específica da área de relacionamentos que sejam dirigidas a elas, é uma maneira de auxiliar na elaboração de planos de marketing com a visão totalmente voltada para o cliente. Partindo da premissa de que, a maneira mais segura de se manter a fidelidade do cliente é através das relações pessoais (MCKENNA, 1992), as pequenas empresas tem a vantagem

14 de estarem mais próximas destes clientes, o que torna mais fácil administrar estes relacionamentos. A proposta deste estudo é buscar informações que possam auxiliar os pequenos empresários na compreensão das estratégias de gerenciamento do relacionamento com o cliente. A partir de sua importância e das dificuldades que podem surgir durante a implantação do projeto. 1.4 ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO As informações contidas no trabalho estão divididas em quatro capítulos. O primeiro, consiste na introdução, objetivos, delimitação e relevância do estudo. O segundo, traz a revisão da literatura, com conceituações de marketing, mercado, cliente, produto, serviço valor, gerenciamento do relacionamento e pequenas empresas. O terceiro, indica a metodologia utilizada. O quarto, as conclusões finais e sugestões para trabalhos futuros.

15 2 REVISÃO DA LITERATURA Desde a década de 1980, o mercado vem passando por mudanças tecnológicas e de abertura, que transformaram o cliente. Hoje uma tarefa essencial para a sobrevivência de qualquer empresa é a manutenção de uma clientela fiel, tarefa esta, que não é em absoluto fácil de se desenvolver. Estes desafios estão nas mãos dos departamentos de Marketing, que podem contar com um número de ferramentas cada vez melhores e mais direcionadas (BOGMANN, 2002). 2.1 O MARKETING O termo Marketing originalmente era utilizado para definir atividades realizadas antes da venda ou de uma promoção. Durante o século XX as definições de Marketing foram dando novos sentidos ao termo (MCKENNA, 2002). Na prática antiga do marketing, as empresas tinham como único objetivo, a conquista de novos clientes, quanto maior fosse o número de clientes captados melhor, sem a preocupação em manter estes clientes. A Era do Marketing teve início na década de 1950, quando se começa a perceber a importância da conquista e manutenção de negócios (clientes) por longos prazos e não apenas para uma venda exclusiva, passou-se então a dar mais valor ao consumidor (LAS CASAS, 1987).

16 Segundo Bogmann (2002) Hoje o marketing permeia quase todas as atividades humanas e desempenha um papel importante na integração das relações sociais e de troca. Para que a relação entre cliente empresa possa ser bem definida, temos que utilizar o marketing de relacionamento, que pode ser definido como: uma estratégia com o objetivo de construir relações cliente/empresa, baseada em confiança, compromisso e parceria que resultará em otimização de retorno para a empresa e o cliente (PIZZINATTO et Al., 2005). Com a utilização do Marketing de Relacionamento e suas ferramentas, as organizações são capazes de desenvolver estratégias para conquista da lealdade dos clientes. O Marketing de Relacionamento pode ser descrito como: Encontrar o cliente, conhecer o cliente, manter-se em contato com ele, assegurar que o cliente obtenha aquilo que quer em todos os aspectos do relacionamento cliente-empresa e verificar se o cliente esta obtendo o que foi prometido (BOGMANN, 2002). Segundo Cobra (1997) os desafios são muitos e diante disso, o marketing vem passando por várias teorias que procuram compreender melhor seu papel e atuação. A utilização do marketing é absolutamente importante para o sucesso e sobrevivência de qualquer organização, independentemente de seu tamanho (KOTLER; ARMSTRONG, 1995). O marketing hoje, deixou de ser apenas uma campanha de publicidade ou uma promoção, passou a ser uma função, uma atividade que engloba o trabalho de todos na empresa, desde a recepcionista até à diretoria. Segundo Mckenna (1999) É integrar o cliente a elaboração do produto e desenvolver o processo sistemático de interação que dará firmeza à relação.

17 2.2 O MERCADO Hoje temos um mercado competitivo e os custos para se manter um cliente antigo satisfeito são cinco vezes menores que para atrair novos clientes. (KOTLER; ARMSTRONG, 1995). As oportunidades de consumo se ampliaram, fazendo com que o consumidor se torne mais exigente e seletivo com relação ao que lhe é oferecido pelo mercado. O simples fato de inovar tecnologicamente os produtos, já não satisfaz este consumidor, frente a estas dificuldades os serviços ao cliente tornam-se cada dia mais sofisticados e o objetivo é de não somente satisfazer o cliente mas também surpreende-lo (COBRA, 1997). A necessidade de aproximação com o cliente, fez surgir linhas 0800 para chamadas gratuitas, através das quais os clientes compram, esclarecem dúvidas e fazem reclamações. Os grandes avanços tecnológicos que foram direcionados para gestão, proporcionaram um acesso interativo entre empresa, cliente, fornecedor e todos os envolvidos nos processos (MCKENNA, 2002). 2.3 O CLIENTE Na definição clássica de cliente, temos este como: indivíduo ou grupo que paga por bens e serviços.

18 Dentro do contexto atual, esta definição sofre algumas alterações e passa a ter o seguinte significado: O cliente é um indivíduo ou grupo que troca valor com outra pessoa ou grupo. É muito importante saber o que, e não apenas quem, são nossos clientes (GREENBERG, 2002). De que se queixam os clientes? Mentiras óbvias, vendas de serviços desnecessários ou cotações acima do aceitável. Fornecedores de serviços que tratam os clientes sem respeito. Quebra de promessas, fornecedores de serviços que não cumprem o prometido. Falta de disposição dos funcionários para resolver problemas básicos do serviço ao cliente. Longa espera em filas por falta de atendentes ou excesso de pessoas. Atendimento impessoal que não transmite a sensação de calor humano. Funcionários que não se dão ao trabalho de atender os clientes prontamente. Funcionários que não se esforçam para ajudar os clientes ou dão impressão de que estão incomodados. Funcionários sem preparo para responder as perguntas mais comuns dos clientes.

19 Funcionários que conversam entre si ou executam tarefas pessoais enquanto o cliente espera, e aqueles que se negam a ajudar por estarem em horário de descanso ou em final de expediente (BERRY, 2000). O cliente era apenas aquele que comprava um produto ou serviço de uma empresa, esta visão foi muito modificada pelas necessidades do mercado, temos vários tipos de clientes, que são: O Cliente Externo Este cliente sofre o impacto dos produtos e serviços oferecidos (MARQUES,1997). Podendo ser dividido em cinco tipos de clientes (figura1): - Prospects: pessoas que podem ter interesse em comprar; - Shoppers: pessoas que pelo menos uma vez visitaram seu negócio; - Clientes eventuais: pessoas que adquiriram algum produto ou serviço de seu negócio; - Clientes regulares: pessoas que com regularidade adquirem seus produtos; - Defensores: pessoas que defendem e elogiam a qualidade de seu negócio.

20 Figura 1 - A escada da fidelidade Fonte Fonte: Raphel e Raphel, O Cliente Pessoal Eles são importantes na seguinte definição: é qualquer pessoa que espera por algum serviço, atendimento ou alguma coisa de nossa parte. A realização enquanto pessoa, é o resultado de mantermos estes clientes satisfeitos O Cliente em Potencial São os clientes que não compram da nossa empresa, mas sim da concorrência, estes somados aos nossos clientes externos, representam o mercado.

21 2.3.4 O Cliente Interno É o principal responsável pela qualidade percebida pelo cliente externo, como também pela corrente de clientes internos que existe em qualquer empresa independente de seu tamanho, estes clientes trocam entre si, trabalho, informação, apoio e cooperação (MARQUES, 1997). 2.4 O PRODUTO O termo produto inclui os bens físicos, os serviços e toda e qualquer coisa que possa ser oferecida ao mercado (consumidor) para satisfazer uma necessidade ou desejo. Para o consumidor, não basta possuir um bem, é importante obter os benefícios que este bem pode lhe proporcionar (KOTLER; ARMSTRONG, 1995). Do desempenho do produto com relação às expectativas do comprador, é que depende a satisfação do cliente, quando este desempenho está dentro das expectativas do comprador, ele fica satisfeito, quando excede as expectativas ele fica encantado. Clientes satisfeitos além de comprar novamente, fazem propaganda de boca do produto/empresa que o satisfez. Ainda segundo Kotler e Armstrong (1995) As empresas inteligentes tem como meta encantar os clientes, prometendo somente o que podem oferecer e depois oferecendo mais do que prometeram.... Construindo bons relacionamentos, haverá transações lucrativas. Temos um produto ampliado, quando acrescentamos a ele algum serviço (COBRA, 1997). A empresa pode acrescentar valor ao seu produto oferecendo

22 serviços que devem ser assegurados para o consumidor através de uma política de marketing séria e comprometida (KOTLER; ARMSTRONG, 1995). 2.5 O SERVIÇO É a forma pela qual a empresa proporciona tantas satisfações quantas forem possíveis pela aquisição do produto, são também as formas de resolver questões que importam ao cliente, é sobretudo uma forma de agregar valor ampliando o produto (MARQUES, 1997). São quatro os estágios de excelência nos serviços (figura 2), estes estágios podem ser utilizados para a identificação da localização da empresa no espectro da excelência. Figura 2 - Estágios Da Excelência Nos Serviços Fonte: adaptado (INGLES, 2002) Os estágios são: - Estágio 1: a empresa se concentra na contenção de custos e trabalho com solicitações de serviços de rotina.

23 - Estágio 2: a empresa se concentra no fornecimento de bons serviços e começa a incorporar o feedback destes. - Estágio 3: a empresa volta o seu foco para o relacionamento com os clientes e integrar e distribuir as informações sobre eles. - Estágio 4: os processos internos estão alinhados em torno da satisfação do cliente, o ambiente esta voltado para a lealdade e retenção, mensurando o negócio em relacionamentos e lucratividade de longo prazo (INGLES, 2002). Na prestação de serviços, encantamento e indignação são emoções extremas originadas na gestão de três necessidades básicas dos clientes: segurança, tratamento justo e auto-estima. Partindo-se das premissas: os clientes são pessoas antes de ser clientes, as pessoas consideram suas necessidades básicas de vida mais fundamentais do que suas expectativas específicas como consumidores. As expectativas podem ser satisfeitas; as necessidades continuamente atendidas resultam na melhoria do bem estar. Definindo: segurança é o sentimento de preservação contra danos físicos ou econômicos; tratamento justo é a necessidade de ser tratado corretamente e autoestima é o desejo de manter e melhorar a auto-imagem. Sendo assim, administrar bem a segurança e o tratamento justo é evitar sua violação, mas na prestação de serviços atender também a terceira necessidade básica implica em aumentar a auto-estima do cliente e provocar o encantamento (SCHINEIDER, 2000).

24 2.6 O VALOR Ele é diferente para cada cliente, é percebido de maneira diferente para cada um de acordo com a sua percepção no que se refere aos benefícios e custos na aquisição e utilização de um produto e serviço (CHURCHILL; PETER, 2003). Visão da criação de valor de acordo com o perfil da empresa (tabela 1): Centrada na Empresa O consumidor esta fora dos domínios da cadeia de valor; A empresa controla onde, quando e como o valor é agregado à cadeia de valor; O valor é criado numa série de atividades controladas pela empresa antes do momento da compra; Há um ponto único de troca, onde o valor é extraído do consumidor para a empresa. Centrada no Consumidor O consumidor faz parte do sistema de criação de valor; Ele pode influir em onde, quando e como o valor é gerado; Ele não necessita respeitar fronteiras setoriais em sua busca pelo valor; Ele pode competir com empresas pela extração do valor; Tabela 1 Visão da Criação do Valor Fonte: adaptada (PRAHALAD; RAMASWAMY, 2002) Quatro passos facilitam a percepção de onde estão as oportunidades de interação para criação de valor. O diálogo, como meio pelo qual as pessoas se comunicam e aprendem umas com as outras, o acesso, como forma tradicional de encarar a transparência de valor da empresa com o consumidor, mas sem a necessidade de possuir, a redução de riscos, com as obrigações e responsabilidades da empresa e do consumidor quanto à gestão dos riscos e à medida que o consumidor se envolve, ele assume responsabilidades e as empresas revelam mais informações sobre estes riscos, a transparência, com a visibilidade das informações vitais do negócio (PRAHALAD; RAMASWAMY, 2002)

25 A determinação do valor do cliente é feita através da medição de toda a sua vida, participação, retorno de ativos de dados e índices de retenção (ROGERS, 2000). 2.7 O GERENCIAMENTO DO RELACIONAMENTO Para que o gerenciamento deste relacionamento seja, em sua complexidade, administrado e entendido de maneira produtiva, surgem novos modelos para maior estruturação e desenvolvimento dos programas. O Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente ou Customer Relationship Managemente (a partir deste ponto citado como CRM) tem como relação principal com o Marketing de relacionamento, a possibilidade de aproveitar com maior exatidão as informações do cliente para benefício do mesmo e da empresa (PIZZINATTO et Al., 2005). A idéia de que o CRM é apenas um software é uma das principais falhas na implantação do sistema. Os softwares desenvolvidos para a implementação do CRM, proporcionam a possibilidade de reunir informações sobre os clientes, mercados e conhecimento coletivo da empresa, dando a todos o acesso a estas informações através da utilização do conjunto de ferramentas. Este sistema tem como objetivo um melhor entendimento, apoio e serviço aos clientes já existentes e o planejamento para a conquista de novos (GASET, 2001). O aumento de receitas e satisfação do cliente através da elaboração de produtos mais convenientes e serviços customizados, bem como a diminuição de custos em virtude dos esforços e verbas serem melhor direcionados, podem ser

26 apontados como grandes benefícios relacionados à utilização do CRM (PIZZINATTO et Al., 2005). Segundo Pizzinatto et Al.(2005) CRM é a administração de uma estratégia que envolve toda a organização com o objetivo de atender bem seus clientes e trazer maiores lucros a longo prazo. As ações de Marketing de Relacionamento, representam sempre um custo muito alto para as empresas, por isso é importante estarem alinhadas com a estratégia e visarem uma melhora nas relações. Estas ações buscam os lucros a longo prazo e trazem com eles a sustentabilidade. Muitos benefícios, alem dos lucros diretos, são obtidos quando a empresa tem seu foco no cliente e de maneira correta utiliza as ferramentas de gerenciamento, para a satisfação deste cliente. Como no marketing de relacionamento, também na utilização do CRM, deve haver uma cultura organizacional, totalmente voltada para o cliente. Se as pessoas não forem capacitadas para o relacionamento e entendimento dos clientes, como também a aceitação e compreensão das novas culturas e valores, qualquer estratégia traçada será levada ao fracasso. As empresas sempre dependerão dos pontos de contato (atendimento humano) para criar relacionamentos sólidos e duradouros. Considerando-se que custa menos manter um cliente atual que conquistar um novo, manter clientes a longo prazo é o objetivo da utilização do CRM. Clientes novos atraídos por promoções podem significar um ganho momentâneo, sem um programa de relacionamento e fidelização, estes clientes migrarão para as promoções da concorrência, bons preços atraem clientes mas não os tornam freqüentes (SWIFT, 2001).

27 A chave do relacionamento é a informação, conhecer o cliente é essencial para a empresa e administrar um grande volume de informações não é tarefa fácil, a utilização da Tecnologia de Informação (a partir deste ponto citada como TI) para a formação de bancos de dados, é um sistema de apoio indispensável para uma grande organização, mas esta é apenas uma das bases para o desenvolvimento do CRM (SWIFT, 2001). Á partir de uma base de dados armazenados, movimentados e manipulados, matéria- prima no processo do relacionamento, origina-se a informação, dados com significado que nos dizem algo, temos então o conhecimento, conseqüência de nossa capacidade mental de acumular informações, partimos então ao mais alto nível deste processo, que é a sabedoria, capacidade de ir alem dos conhecimentos e fazer novas descobertas com base no aprendizado e nas experiências (figura 3) (ALBRECHT, 2004). Figura 3 Pirâmide da Hierarquia do Conhecimento Fonte: adaptada (ALBRECHT, 2004). Estas tecnologias ampliam os horizontes da informação para alem das paredes da organização. Proporciona um retorno imediato e contínuo, não somente por parte dos clientes como também de todos os que influenciam para o bom andamento das relações.

28 As novas ferramentas de informação e comunicação dão as empresas condições de monitorar as preferências dos consumidores e responder as suas percepções para satisfaze-los. A partir de transações de vendas, todas as informações são registradas e monitoradas através se sistemas de informação. Esta é a proposta dos conceitos de customização, traduzir as informações e utiliza-las no acréscimo de valor aos produtos já existentes e na criação de novos produtos. A segmentação dos clientes e a definição de quais são rentáveis, facilita os direcionamentos de investimentos para as estratégias de relacionamento (REICHHELD, 2003). A técnica de: identificar, diferenciar, interagir e personalizar deve ser usada para um bom sistema de gestão de relacionamentos (figura 4). Basicamente, podemos dizer que: identificar é classificar o cliente e reconhece-lo mesmo utilizando abordagens diferentes, diferenciar ou comparar é determinar o valor de um cliente com relação aos outros para direcionar investimentos, interagir é obter retorno do cliente e fazer por ele o que os concorrentes não fazem, personalizar é a adaptação total as necessidades do cliente. Figura 4 O Ciclo do Processo do CRM. Fonte: Adaptado (SWIFT, 2001)

29 Nas empresas existem quatro tipos básicos de clientes: o primeiro é o dos clientes mais valiosos que são responsáveis pela maior lucratividade, o segundo grupo é de clientes potencialmente valiosos que se pode facilmente conquistar, o terceiro é formado pelo grosso dos clientes e por ultimo estão os que custam mais do que oferecem ao longo do seu histórico. Deve-se gastar mais com os clientes que se podem conquistar, quase a mesma quantidade com os mais valiosos, uma cota de manutenção nos habituais e nada nos não rentáveis (ROGERS, 2000). As funções de uma empresa devem interagir conectadas com os clientes de maneira a satisfazer seus desejos e necessidades. Todos na empresa devem participar do processo de manutenção do relacionamento com o cliente (MCKENNA, 2002). O CRM como estratégia que utiliza tecnologia para unir todos os setores da empresa, deve ter em vista as necessidades de todos os usuários, sejam eles, funcionários, parceiros ou clientes. O envolvimento de funcionários e clientes no planejamento da estratégia do CRM, pode acrescentar valor e evitar fracassos por falta de colaboração dos funcionários. Com a utilização de líderes é possível se obter as informações do que é preciso para se tornar o sistema útil (GREENBERG, 2002). Identificar quais informações são realmente importantes, quais são necessárias para que se possa determinar as necessidades reais e desejos dos clientes, é uma tarefa árdua e acumula um volume enorme de dados, somadas a estas informações, temos também a necessidade de conhecimento da concorrência. A informação, só tem valor quando são utilizadas para a tomada de decisões.

30 Através dos sistemas de informações, é possível acessa-las por meio de comunicação eletrônica de qualquer lugar através de computadores pessoais (KOTLER; ARMSTRONG, 1995). Um diálogo rico em informações é peça importante do relacionamento. A empresa deve saber que informações coletar dos clientes e de que forma, e saber como utilizar estas informações em seus planejamentos. Os modelos de parcerias, com fornecedores, distribuidores e consumidores, faz do negócio uma empresa ampliada. A utilização das competências destes parceiros, aliadas as competências de seus funcionários propicia a ampliação das possibilidades estratégicas. A criação de oportunidades para o envolvimento voluntário do cliente no que diz respeito às experiências é incumbência da empresa, pois quanto maior o envolvimento dos clientes, maiores serão as competências aproveitadas (PRAHALAD; RAMASWAMY, 2000). A busca pela confiança do cliente exige uma presença constante de qualquer que seja a empresa. As formas de alcançar esta presença são muitas, mas alguns pontos são comuns para qualquer tipo de negócio. Estes pontos são: Adote uma abordagem de estrutura de mercado de total acesso. As atividades da empresa devem estar totalmente integradas e o marketing deve ser uma rede de informações e responsabilidades sempre coordenadas. Aumente a infra-estrutura de suporte ao consumidor Ajustar a infra-estrutura paralelamente ao aumento dos clientes e usuários.

31 Pense em acesso total. Todos os canais de acesso devem trabalhar em conjunto para proporcionar ao consumidor consistência em todas as suas relações. Invista em tempo, dinheiro e relacionamento com o consumidor. As mudanças necessárias para se colocar em pratica o CRM, não incluem apenas tecnologias, o tempo de adaptação das empresas a uma nova filosofia é um dos fatores mais difíceis. A tecnologia se adapta de acordo com as experiências e necessidades, mas as estratégias de utilização dos resultados destas tecnologias são cruciais para o sucesso. Quanto maior o número de envolvidos nos processos, tanto dentro quanto fora da empresa, mais difícil se torna manter e conquistar a confiança dos clientes (MCKENNA, 2002) Mudanças Culturais A cultura da empresa é profundamente afetada pelo CRM, por isso as mudanças precisam ser planejadas. Entre os aspectos isolados, a cultura corporativa é o item mais complexo da criação da estratégia de CRM. Para garantir a participação dos funcionários deve haver incentivos (GREENBERG, 2002). Empresas flexíveis mantêm melhores relacionamentos a longo prazo, mas as mudanças podem afetar o desempenho de funcionários, e administrar muito bem estas mudanças é tarefa importante, que não deve em momento algum ser desprezada (PRAHALAD; RAMASWAMY, 2000).

32 Dentro desta nova filosofia, não existe mais espaço nas empresas para colaboradores solitários, existe sim, uma necessidade crescente da união e do trabalho em equipe, com altíssimo grau de comprometimento e liberdade de criação para as equipes. O compartilhamento de informações é muito importante para um trabalho integrado, reuniões face-a-face são uma grande oportunidade para as pessoas colocarem suas idéias, dividirem experiências e passarem informações que não são divididas pelos canais normais de comunicação. Isto faz com que as pessoas se sintam valorizadas, sabendo que estão sendo observadas e que seu trabalho será mostrado a seus pares (KANTER, 2000). O não alinhamento de todos na empresa, com o objetivo de servir ao cliente, pode levar todo um processo ao fracasso e conseqüentemente, a grandes perdas. Equipes devem ser motivadas a utilizarem os novos métodos, juntamente com a implantação dos mesmos, o aprendizado ativo é mais produtivo, gerando um maior retorno (GALE, 1996). O sucesso começa com os executivos acreditando no potencial do CRM e contagiando toda a organização. Quando estes executivos acreditam e se empenham na realização da fusão entre departamentos, vem então a etapa de preparar os funcionários para as mudanças que vão ocorrer na empresa. A pressa é também um fator de desestabilização do CRM, ele deve ser implantado primeiramente nas áreas essenciais ao conhecimento das necessidades dos clientes, o atendimento ao cliente e a área de vendas são as principais e com elas o marketing, a partir daí os outros setores vão sendo envolvidos no processo de maneira gradual.

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes Mais que implantação, o desafio é mudar a cultura da empresa para documentar todas as interações com o cliente e transformar essas informações em

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

CONQUISTAR E MANTER CLIENTES

CONQUISTAR E MANTER CLIENTES 1 CONQUISTAR E MANTER CLIENTES Historicamente, o marketing se concentrou na atração de novos clientes. O pessoal de vendas era mais recompensado por achar um novo cliente do que por prestar muita atenção

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO 1 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO Por Regina Stela Almeida Dias Mendes NOVEMBRO 2004 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA 2 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Comunicação empresarial eficiente: Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Sumário 01 Introdução 02 02 03 A comunicação dentro das empresas nos dias de hoje Como garantir uma comunicação

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2013.1

SEMIPRESENCIAL 2013.1 SEMIPRESENCIAL 2013.1 MATERIAL COMPLEMENTAR II DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA: MONICA ROCHA LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO Liderança e Motivação são fundamentais para qualquer empresa que deseja vencer

Leia mais

GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS

GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS A administração eficiente de qualquer negócio requer alguns requisitos básicos: domínio da tecnologia, uma equipe de trabalho competente, rigoroso controle de qualidade, sistema

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

Toda estratégia que visa melhorar vendas tem como objetivo final a retenção e fidelização de clientes. Por isso, conhecer em detalhes o público-alvo,

Toda estratégia que visa melhorar vendas tem como objetivo final a retenção e fidelização de clientes. Por isso, conhecer em detalhes o público-alvo, Toda estratégia que visa melhorar vendas tem como objetivo final a retenção e fidelização de clientes. Por isso, conhecer em detalhes o público-alvo, suas necessidades e preferências, é o primeiro passo

Leia mais

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP Soluções integradas para a Indústria do turismo empresarial THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP A equipa da XYM Hospitality e os seus parceiros possuem vastos conhecimentos sobre a

Leia mais

Aula 6 -Customer Relationship Management (CRM) Gestão do relacionamento com o cliente Prof.: Cleber A. de Oliveira

Aula 6 -Customer Relationship Management (CRM) Gestão do relacionamento com o cliente Prof.: Cleber A. de Oliveira 1. Introdução Aula 6 -Customer Relationship Management (CRM) Gestão do relacionamento com o cliente Prof.: Cleber A. de Oliveira Gestão de Sistemas de Informação Os estudos realizados sobre ERP são primordiais

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES Por cerca de 50 anos, a série Boletim Verde descreve como a John Deere conduz os negócios e coloca seus valores em prática. Os boletins eram guias para os julgamentos e as

Leia mais

TEMA: A INCLUSÃO DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO NO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE 1- INTRODUCAO 1.1- PROBLEMA

TEMA: A INCLUSÃO DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO NO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE 1- INTRODUCAO 1.1- PROBLEMA TEMA: A INCLUSÃO DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO NO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE 1- INTRODUCAO 1.1- PROBLEMA Com a globalização e o aumento da concorrência, as grandes empresas se voltaram para os clientes

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

FIDELIZAÇÃO: DICAS PARA SEUS CLIENTES VOLTAREM E COMPRAREM MAIS

FIDELIZAÇÃO: DICAS PARA SEUS CLIENTES VOLTAREM E COMPRAREM MAIS Como conquistar e manter clientes Marketing de Relacionamento Visa a orientar como utilizar as ferramentas do marketing de relacionamento para aumentar as vendas e fidelizar clientes. Público-alvo: empresários

Leia mais

MARKETING MARKETING TRADICIONAL MARKETING ATUAL DEVIDO AO PANORAMA DO MERCADO, AS EMPRESAS BUSCAM: ATRAÇÃO E RETENÇÃO DE CLIENTES

MARKETING MARKETING TRADICIONAL MARKETING ATUAL DEVIDO AO PANORAMA DO MERCADO, AS EMPRESAS BUSCAM: ATRAÇÃO E RETENÇÃO DE CLIENTES MARKETING Mercado Atual Competitivo Produtos / Serviços equivalentes Globalizado Conseqüências Infidelidade dos clientes Consumidores mais exigentes Desafio Conquistar clientes fiéis MARKETING TRADICIONAL

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Gerenciamento de Marketing e Vendas

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Gerenciamento de Marketing e Vendas Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Gerenciamento de Marketing e Vendas 2010 0 Unidade: Gerenciamento de Marketing e Vendas É necessário o entendimento de como os produtos chegam

Leia mais

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS 190 O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS Douglas Fernandes, Josélia Galiciano Pedro, Daryane dos Santos Coutinho, Diego Trevisan de Vasconcelos, Regiane

Leia mais

ENDOMARKETING UM RECURSO ESTRATÉGICO NA MELHORIA DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE EXTERNO ENDOMARKETING A STRATEGIC RESOURCE IN THE IMPROVEMENT OF THE

ENDOMARKETING UM RECURSO ESTRATÉGICO NA MELHORIA DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE EXTERNO ENDOMARKETING A STRATEGIC RESOURCE IN THE IMPROVEMENT OF THE 1 ENDOMARKETING UM RECURSO ESTRATÉGICO NA MELHORIA DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE EXTERNO ENDOMARKETING A STRATEGIC RESOURCE IN THE IMPROVEMENT OF THE RELATIONSHIP WITH THE EXTERNAL CUSTOMER Marciana

Leia mais

1º de outubro de 2007 A métrica de CRM correta para a sua organização MÉTRICAS REQUEREM DISCIPLINA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE CRM BEM-SUCEDIDA

1º de outubro de 2007 A métrica de CRM correta para a sua organização MÉTRICAS REQUEREM DISCIPLINA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE CRM BEM-SUCEDIDA 1º de outubro de 2007 A métrica de CRM correta para a sua organização por William Band com Sharyn C. Leaver e Mary Ann Rogan SUMÁRIO EXECUTIVO A Forrester entrevistou 58 executivos sobre as melhores práticas

Leia mais

Transformação do call center. Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas.

Transformação do call center. Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas. Transformação do call center Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas. Lucre com a atenção exclusiva de seus clientes. Agora,

Leia mais

INFORMÁTICA APLICADA À CONTABILIDADE

INFORMÁTICA APLICADA À CONTABILIDADE PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS Curso de Contabilidade INFORMÁTICA APLICADA À CONTABILIDADE Prof. Francisco José Lopes Rodovalho Gerência do Relacionamento com o Cliente CRM CUSTOMER RELATIONSHIP

Leia mais

Tecnologia no Varejo: Oportunidades e Desafios

Tecnologia no Varejo: Oportunidades e Desafios Seminário GVcev Tecnologia no Varejo: Oportunidades e Desafios Tema: Tecnologia para Entender e Atender o consumidor Palestrante: Paulo Nassar HISTÓRICO Cobasi uma empresa brasileira Iniciou suas atividades

Leia mais

CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT

CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT O resultado prático para as empresas que adotam esse conceito de software, baseado no uso da tecnologia é conseguir tirar proveito dos dados de que dispõem para conquistar

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

Clima organizacional e o desempenho das empresas

Clima organizacional e o desempenho das empresas Clima organizacional e o desempenho das empresas Juliana Sevilha Gonçalves de Oliveira (UNIP/FÊNIX/UNESP) - jsgo74@uol.com.br Mauro Campello (MC Serviços e Treinamento) - mcampello@yahoo.com Resumo Com

Leia mais

Aula Nº 9 Treinamento - Atendimento em Call Center

Aula Nº 9 Treinamento - Atendimento em Call Center Aula Nº 9 Treinamento - Atendimento em Call Center Objetivos da aula: Ao final desta aula, você poderá compreender a importância de um treinamento adequado, que possui, como ferramentas competitivas, a

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

Disciplina: Gestão Estratégica de TI Profº: João Carlos da Silva Junior

Disciplina: Gestão Estratégica de TI Profº: João Carlos da Silva Junior Disciplina: Gestão Estratégica de TI Profº: João Carlos da Silva Junior Conceitos Por que eu preciso deste curso? Não sou de TI Sou de TI conteúdo utilizado exclusivamente para fins didáticos 2 Não sou

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E A SUSTENTABILIDADE

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E A SUSTENTABILIDADE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E A SUSTENTABILIDADE JULIANA APARECIDA DE SOUZA REIS MAIARA NATALIA MARINHO DUARTE SUSELI SANTOS DIAS RESUMO Neste artigo temos por objetivo apresentar que as micros e pequenas

Leia mais

FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES: UM FATOR DETERMINANTE PARA O SUCESSO DE UMA ORGANIZAÇÃO AUTOMOTIVA

FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES: UM FATOR DETERMINANTE PARA O SUCESSO DE UMA ORGANIZAÇÃO AUTOMOTIVA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES: UM FATOR DETERMINANTE PARA O SUCESSO DE UMA ORGANIZAÇÃO AUTOMOTIVA Márcia Esperidião 1, Renato Nogueira Perez Avila 2, Patrícia Pâmela Martins 3. RESUMO Este artigo tem como finalidade,

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

Somente com estratégia, varejo consegue reter clientes

Somente com estratégia, varejo consegue reter clientes Somente com estratégia, varejo consegue reter clientes Márcia Sola O mercado varejista no Brasil tem experimentado uma série de mudanças nos últimos anos. A estabilização da economia, o desenvolvimento

Leia mais

GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM O CLIENTE GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Professor Wagner Luiz Aula - Como obter sucesso em uma implementação de CRM e o Processo da Comunicação. Março de 2014 São Paulo -SP Call Center & CRM 2007 CRM: do

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

ATENDIMENTO AO CLIENTE

ATENDIMENTO AO CLIENTE ATENDIMENTO AO CLIENTE 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 PROBLEMAS PARA CLIENTES SÃO PROVOCADOS POR: PROPRIETÁRIOS GERENTES SUPERVISORES SINTOMAS DE MAU ATENDIMENTO VOCÊ PODE TER CERTEZA

Leia mais

AULA 16 Marketing de Serviços

AULA 16 Marketing de Serviços AULA 16 Marketing de Serviços A cadeia de lucro de serviço Ligações da cadeia de lucro de serviço Fidelidade do cliente estimula lucratividade e crescimento. Satisfação do cliente estimula sua fidelidade.

Leia mais

QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO: UM ESTUDO DE CASO EM UM ESCRITÓRIO DE CONTABILIDADE NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS/MS

QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO: UM ESTUDO DE CASO EM UM ESCRITÓRIO DE CONTABILIDADE NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS/MS 1 QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO: UM ESTUDO DE CASO EM UM ESCRITÓRIO DE CONTABILIDADE NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS/MS ADEMIR HENRIQUE Discente do Curso de Administração das

Leia mais

ATENDIMENTO A CLIENTES

ATENDIMENTO A CLIENTES Introdução ATENDIMENTO A CLIENTES Nos dias de hoje o mercado é bastante competitivo, e as empresas precisam ser muito criativas para ter a preferência dos clientes. Um dos aspectos mais importantes, principalmente

Leia mais

CRM Conceitos e Métodos de Aplicação no Marketing de Relacionamento

CRM Conceitos e Métodos de Aplicação no Marketing de Relacionamento CRM Conceitos e Métodos de Aplicação no Marketing de Relacionamento Atílio Garrafoni Júnior (UNIMEP) garra@terra.com.br Hélio Oliva Santade (UNIMEP) helio.santade@terra.com.br Nadia Kassouf Pizzinatto

Leia mais

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos.

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. 2015 Manual de Parceiro de Educação Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. Prêmios Reais, a Partir de Agora Bem-vindo ao Intel Technology Provider O Intel Technology Provider é um programa

Leia mais

Módulo IV. Delegação e Liderança

Módulo IV. Delegação e Liderança Módulo IV Delegação e Liderança "As pessoas perguntam qual é a diferença entre um líder e um chefe. O líder trabalha a descoberto, o chefe trabalha encapotado. O líder lidera, o chefe guia. Franklin Roosevelt

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Redesenhando a forma como empresas operam e envolvem seus clientes e colaboradores no mundo digital. Comece > Você pode construir de fato uma

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais

Portfolio de cursos TSP2

Portfolio de cursos TSP2 2013 Portfolio de cursos TSP2 J. Purcino TSP2 Treinamentos e Sistemas de Performance 01/07/2013 Como encantar e fidelizar clientes Visa mostrar aos participantes a importância do conhecimento do cliente,

Leia mais

Proposta de Valor aos Empregados (EVP) como direcionador estratégico de Recursos Humanos

Proposta de Valor aos Empregados (EVP) como direcionador estratégico de Recursos Humanos RH 2020: Valor e Inovação Proposta de Valor aos Empregados (EVP) como direcionador estratégico de Recursos Humanos Glaucy Bocci 7 de maio de 2015, São Paulo Agenda Contexto O valor estratégico da EVP Pesquisa

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG.

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Bambuí/MG - 2008 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Ana Cristina Teixeira AMARAL (1); Wemerton Luis EVANGELISTA

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Obtendo resultados reais através do CRM

Obtendo resultados reais através do CRM Porque investir em CRM? Aresposta é simples: Seus clientes consideram o foco da empresa no consumidor como prérequisito, não como diferencial. Eles esperam poder negociar com você quando, onde e como quiserem.

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

Módulo 4 O que é CRM?

Módulo 4 O que é CRM? Módulo 4 O que é CRM? Todos nós já sabemos a importância de manter os clientes fiéis e a qualidade do atendimento que temos que oferecer para fidelizar cada vez mais os clientes. Atualmente, uma das principais

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

COMO INTEGRAR O SEIS SIGMA À ISO 9000:2000

COMO INTEGRAR O SEIS SIGMA À ISO 9000:2000 COMO INTEGRAR O SEIS SIGMA À ISO 9000:2000 The Informed Outlook Quando se trata de satisfazer os requisitos da ISO 9001:2000, Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos, o Seis Sigma tem potencial para

Leia mais

Sistemas de Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente (Customer Relationship Management CRM)

Sistemas de Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente (Customer Relationship Management CRM) CRM Definição De um modo muito resumido, pode definir-se CRM como sendo uma estratégia de negócio que visa identificar, fazer crescer, e manter um relacionamento lucrativo e de longo prazo com os clientes.

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

www.dalecarnegie.com.br Como Impulsionar o Engajamento de Colaboradores em PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Dale Carnegie Training White Paper

www.dalecarnegie.com.br Como Impulsionar o Engajamento de Colaboradores em PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Dale Carnegie Training White Paper Como Impulsionar o Engajamento de Colaboradores em PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Dale Carnegie Training White Paper www.dalecarnegie.com.br Copyright 2014 Dale Carnegie & Associates, Inc. All rights reserved.

Leia mais

Nível de Satisfação dos Clientes da Empresa Visual Mídia Formação Profissional: Um Estudo de Caso.

Nível de Satisfação dos Clientes da Empresa Visual Mídia Formação Profissional: Um Estudo de Caso. 1 Nível de Satisfação dos Clientes da Empresa Visual Mídia Formação Profissional: Um Estudo de Caso. Daiane Maria ALONGE 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2 Resumo Com a atual concorrência, entender os desejos

Leia mais

Sociedade e Tecnologia

Sociedade e Tecnologia Unidade de Aprendizagem 15 Empresas em Rede Ao final desta aula você será capaz de inovações influenciam na competitividade das organizações, assim como compreender o papel da Inteligência Competitiva

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

Uma Oportunidade Única de Negócio

Uma Oportunidade Única de Negócio Uma Oportunidade Única de Negócio no Setor de Ensino de Língua Ingles Por ser um empresário bem-sucedido, você certamente está em busca de novas oportunidades de ampliar seu negócio atual e maximizar o

Leia mais

O Guia do Relacionamento para o corretor moderno

O Guia do Relacionamento para o corretor moderno O Guia do Relacionamento para o corretor moderno Introdução 3 O que é marketing de relacionamento 6 Como montar uma estratégia de relacionamento 9 Crie canais de relacionamento com o cliente 16 A importância

Leia mais

Os obstáculos da aplicação de TI nas pequenas empresas

Os obstáculos da aplicação de TI nas pequenas empresas Os obstáculos da aplicação de TI nas pequenas empresas Ricardo Roberto de Lima UNIBRATEC-PB João Pessoa - PB ricardoricrob@hotmail.com RESUMO O referido artigo visa ilustrar, de forma prática e rápida,

Leia mais

Gestão Financeira e Orçamentária. Professor Tirlê

Gestão Financeira e Orçamentária. Professor Tirlê Gestão Financeira e Orçamentária Professor Tirlê Gestão Financeira e Orçamentária Gerente de Distribuidora Alimentícia; Gerente Adm. Financeiro Eng. Civil; Gerente de Empresas de Agenciamento de Carga

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA Elaine Schweitzer Graduanda do Curso de Hotelaria Faculdades Integradas ASSESC RESUMO Em tempos de globalização, a troca de informações

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar as diversas estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar a tecnologia da informação para fazer frente às forças competitivas que as empresas enfrentam.

Leia mais

GUIA DEFINITIVO DE ERP PARA COMÉRCIO VAREJISTA

GUIA DEFINITIVO DE ERP PARA COMÉRCIO VAREJISTA GUIA DEFINITIVO DE ERP PARA COMÉRCIO VAREJISTA SUMÁRIO >> Introdução... 3 >> Como saber o momento certo para investir em um ERP?... 6 >> Como um sistema ERP pode me ajudar na prática?... 11 >> O que preciso

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PROMOÇÃO DE VENDAS PARA A FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES. BORGES, Pedro Gabriel Teixeira Santos e CARNEIRO, Carla Maria Bessa 1

A IMPORTÂNCIA DA PROMOÇÃO DE VENDAS PARA A FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES. BORGES, Pedro Gabriel Teixeira Santos e CARNEIRO, Carla Maria Bessa 1 A IMPORTÂNCIA DA PROMOÇÃO DE VENDAS PARA A FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES BORGES, Pedro Gabriel Teixeira Santos e CARNEIRO, Carla Maria Bessa 1 RESUMO: Esse estudo tem como objetivo mostrar a importância da promoção

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO MARKETING DE RELACIONAMENTO PARA AS ORGANIZAÇÕES: FOCO NO CLIENTE EXTERNO

A IMPORTÂNCIA DO MARKETING DE RELACIONAMENTO PARA AS ORGANIZAÇÕES: FOCO NO CLIENTE EXTERNO A IMPORTÂNCIA DO MARKETING DE RELACIONAMENTO PARA AS ORGANIZAÇÕES: FOCO NO CLIENTE EXTERNO 1 GOLVEIA, Francielli José Primo. 2 DA ROSA, MsC. Wanderlan Barreto. RESUMO Nesta pesquisa, será abordada a importância

Leia mais

TRANSFORME SEU ATENDIMENTO EM UM FORTE ALIADO PARA FIDELIZAR CLIENTES

TRANSFORME SEU ATENDIMENTO EM UM FORTE ALIADO PARA FIDELIZAR CLIENTES TRANSFORME SEU ATENDIMENTO EM UM FORTE ALIADO PARA FIDELIZAR CLIENTES Os benefícios e as ferramentas para ter ÍNDICE Transforme seu atendimento em um forte aliado para fidelizar clientes clientes fidelizados

Leia mais

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 Tatiana Pereira da Silveira 1 RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar os resultados da

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Elementos essenciais para criar a Jornada do Cliente. para qualquer nível de profissional de marketing

Elementos essenciais para criar a Jornada do Cliente. para qualquer nível de profissional de marketing 3 Elementos essenciais para criar a Jornada do Cliente para qualquer nível de profissional de marketing Elementos essenciais para criar a Jornada do Cliente para qualquer nível de profissional de marketing

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS. 5.1 Conclusão

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS. 5.1 Conclusão 97 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS 5.1 Conclusão Este estudo teve como objetivo final elaborar um modelo que explique a fidelidade de empresas aos seus fornecedores de serviços de consultoria em informática. A

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Apresentaremos um diagrama de um processo de Vendas Consultivas que quando bem utilizado pode proporcionar :

Apresentaremos um diagrama de um processo de Vendas Consultivas que quando bem utilizado pode proporcionar : Pesquisa do professor Walter Brum Monteiro. Para conhecer nossos clientes e realizar negócios mais consistentes e duradouros, precisamos passar mais tempo interagindo e aproveitar o máximo possível deste

Leia mais

CRM. Customer Relationship Management

CRM. Customer Relationship Management CRM Customer Relationship Management CRM Uma estratégia de negócio para gerenciar e otimizar o relacionamento com o cliente a longo prazo Mercado CRM Uma ferramenta de CRM é um conjunto de processos e

Leia mais

Curso Empreendedorismo Corporativo

Curso Empreendedorismo Corporativo Curso Empreendedorismo Corporativo Todos os fatores relevantes atuais mostram que a estamos em um ambiente cada vez mais competitivo, assim as pessoas e principalmente as organizações devem descobrir maneiras

Leia mais

ARKETING INTERNET SEO CRIATIVIDADE AGÊNCIA CRIAÇÃO

ARKETING INTERNET SEO CRIATIVIDADE AGÊNCIA CRIAÇÃO DESIGN CRIAÇÃO AGÊNCIA USABILIDA ARKETING INTERNET SEO DIGIT CRIATIVIDADE DESDE 1999 NO MERCADO, A M2BRNET É UMA AGÊNCIA DE MARKETING DIGITAL ESPECIALIZADA EM SOLUÇÕES PERSONALIZADAS. SI ARQ Desde 1999

Leia mais

FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES: UMA DISCUSSÃO TEÓRICA. PALAVRAS-CHAVE: Fidelização. Clientes. Atendimento. Relacionamento. Qualidade.

FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES: UMA DISCUSSÃO TEÓRICA. PALAVRAS-CHAVE: Fidelização. Clientes. Atendimento. Relacionamento. Qualidade. FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES: UMA DISCUSSÃO TEÓRICA Marcus Vinicius Oliveira Canova 1 RESUMO As empresas enfrentam grandes dificuldades quando falamos de fidelização e atendimento aos clientes, a partir disso,

Leia mais

A Estratégia na Gestão de Serviços em uma Grande Empresa de Telefonia na Cidade de São Paulo: um Estudo de Caso na Empresa Xyz

A Estratégia na Gestão de Serviços em uma Grande Empresa de Telefonia na Cidade de São Paulo: um Estudo de Caso na Empresa Xyz A Estratégia na Gestão de Serviços em uma Grande Empresa de Telefonia na Cidade de São Paulo: um Estudo de Caso na Empresa Xyz Marcelo Rabelo Henrique marcelo@mrhenriqueconsult.com.br Unicastelo José Abel

Leia mais