Considerações Sobre Análise da Discrepância Dentária de Bolton e a Finalização Ortodôntica

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Considerações Sobre Análise da Discrepância Dentária de Bolton e a Finalização Ortodôntica"

Transcrição

1 tópico especial Tema desenvolvido pelo conselho editorial abordando assuntos de interesse da classe ortodôntica Considerações Sobre Análise da Discrepância Dentária de Bolton e a Finalização Ortodôntica Freqüentemente nas últimas fases do tratamento ortodôntico descobre-se que não será possível finalizar o caso adequadamente, pois o tamanho dos dentes superiores não é compatível com os inferiores. Ou seja, os dentes superiores e inferiores não apresentam uma proporção adequada para permitir uma boa relação vertical e horizontal (sobremordida e sobressaliência). Se os comprimentos mesiodistais dos incisivos superiores são maiores que os correspondentes inferiores, o caso apresentará uma tendência para maior sobremordida e sobressaliência (figura 1). Se forem os inferiores maiores que os superiores, haverá uma tendência para mordida topo-a-topo (figura 2). Uma outra hipótese para compensar esta desproporção é a presença de diastemas superiores para manter a relação vertical e horizontal entre os arcos (figura 3a-c), ou ainda um pouco de apinhamento no arco inferior para acomodação do excesso de massa dentária (figura 4). Na prática diária, estas situações são resolvidas muitas vezes desgastando-se o excesso de massa dentária em questão (figura 5), ou recontornando com material resinoso os dentes proporcionalmente menores (figura 3d-e). Ainda, pode-se associar a necessidade de solucionar um apinhamento no segmento ântero-inferior com uma eventual discrepância de tamanhos dentários, mediante a extração de um incisivo inferior (figura 6) Adilson Luiz Ramos Rosely Suguino Helio Hissashi Terada Laurindo Zanco Furquim Omar Gabriel da Silva Filho 86

2 Este problema clínico já despertava a preocupação dos ortodontistas há muito tempo. YOUNG, appud CANNUT em 1923 descreveu dois casos com oclusões muito parecidas, entretanto, um apresentava uma sobremordida muito mais acentuada que o outro. Ao medir o comprimento mesiodistal de todos os dentes superiores no caso normal, observou que havia uma diferença de 10 mm em relação aos inferiores. No caso com sobremordida, a soma dos dentes superiores estava 17mm maior que os inferiores, o que provocava o excesso de trespasse vertical na região incisal. Outros autores 1,7,10,12 manifestaram esta preocupação com o tamanho dentário e encontraram uma correlação evidente entre o comprimento mesiodistal dos dentes superiores e os inferiores, em jovens com oclusão aceitável. Mas foi NEFF 10 que estabeleceu pela primeira vez um coeficiente desta proporção. Limitando-se a região anterior, o autor mediu a soma dos diâmetros mesiodistais dos seis dentes anteriores superiores e a dividiu pela soma dos seis dentes anteriores inferiores. Avaliando 200 casos, embora encontrasse uma variação de 1.17 até 1.41, propôs um coeficiente de 1.2 como ideal para a proporção anterior dos arcos dentários. Ou seja, na Figura 1. Comprimentos mesiodistais dos incisivos superiores maiores que os correspondentes inferiores, tendem a provocar uma maior sobremordida e sobressaliência. Figura 2. Sendo os comprimentos mesiodistais dos incisivos inferiores maiores que os superiores, haverá uma tendência para mordida topo-a-topo. Figura 3a Figura 3b Figura 3c Figura 3. Na figura 3a-c observa-se a presença de diastemas superiores, porém mantendo a relação vertical e horizontal entre os arcos. Na figura 3d e 3e esta desproporção foi compensada com um recontorno utilizando-se material resinoso. Figura 3d Figura 3e 87

3 Figura 4. Segundo a Análise de Bolton, o caso clínico acusou um pequeno excesso de massa dentária inferior, o que resultou em um discreto apinhamento no arco inferior. Figura 4a Figura 4b SNA= 81 SNB=75.5 ANB=5.5 SN.GoGn= PP=107 IMPA=99 Figura 4c Figura 4d Figura 4e Figura 4f Figura 4g Figura 4h Figura 4i Figura 4j 88

4 Figura 4l Figura 4m Figura 4n Figura 4o Figura 4p Figura 4q total inferior = 93.0 mm total superior = 97.7 mm índice total = 95.1 mm (excesso inferior 4 mm) anterior superior = 48.7 mm anterior inferior = 38.6 mm índice anterior = 79.2 mm (excesso inferior 1.5 mm) região anterior, os dentes superiores devem se apresentar cerca de 20% maiores que os inferiores para que as relações vertical e horizontal sejam adequadas. No afã de localizar o excesso de massa dentária e dirigir a conduta clínica, BOLTON 2 em 1958 elaborou uma análise de tamanho dentário, que de maneira simples, estabeleceu proporções ideais tanto para a região anterior como total do arco dentário, evidenciando as discrepâncias. O autor estudou 55 casos com oclusões ótimas, sendo 44 tratados ortodonticamente e 11 não tratados. Utilizando as somas mesiodistais dos 12 dentes superiores (1 o molar à 1 o molar) e dos 12 inferiores, propôs índices ideais para região anterior e total (todo o arco = anterior + posterior). Em sua avaliação o autor propôs que a soma dos dentes inferiores fossem divididas pela soma dos superiores, e multiplicada por 100. Isto forneceu índices médios de 91.3 para a proporção total e 77.2 para a proporção anterior. O procedimento clínico resume-se em medir (com compasso de pontas secas ou um paquímetro - figura 7) os diâmetros mesiodistais,de ambos os lados do arco superior e inferior, dos primeiros molares superiores, primeiros e segundos pré-molares, caninos e incisivos laterais e centrais, e anotar numa ficha ou registrar num computador (figura 8.a - 8.z) 3. O índice é obtido pela divisão da soma dos inferiores pela soma dos superiores, e multiplicado por 100, resultando num valor que, em condições de normalidade, ficará em torno de Este corresponderá ao índice de proporção total dos arcos. Se a proporção total exceder 91.3, a discrepância corresponderá a um excesso de massa dentária no arco inferior. Neste caso, localiza-se no quadro 1 o valor correspondente à soma dos diâmetros mesiodistais dos dentes superiores. Ao lado do valor encontrado estará a medida ideal para o arco inferior. Então, para que se obtenha a quantidade de excesso, basta diminuir o valor real do valor ideal encontrado. Figura 5a Figura 5b Figura 5c Figura 5. Desgaste interproximal para redução da massa dentária. 89

5 Se a proporção total for menor que 91.3, a discrepância corresponderá a um excesso de massa dentária no arco superior. O procedimento para localizar a quantidade deste excesso é a mesma acima citada, entretanto, localiza-se no quadro o valor real do arco inferior. Ao lado estará o valor ideal para a soma dos dentes superiores. Do mesmo modo, para se obter a quantidade de excesso, diminuise a soma real da ideal encontrada no quadro (quadro 1 - proporção total). Para se obter o índice de proporção anterior, basta executar o mesmo procedimento utilizando-se somente a soma de canino à canino. Neste caso o valor normativo corresponderá a Se a proporção anterior for maior que 77.2, o excesso de massa dentária estará no arco inferior; e, se for menor, este excesso estará no arco superior. Para localizar a quantidade de excesso utilizase o quadro de proporção anterior (quadro 2). Constatando-se os excessos de massa dentária pela proporção total e/ou pela anterior, torna-se possível localizar a região onde efetivamente há a discrepância. Por exemplo, se a proporção total evidenciou um excesso de 3mm no arco superior, e a proporção anterior não demonstrou discrepância, então provavelmente o excesso de 3 mm está ocorrendo na região posterior. Em outro caso, se a proporção total apresentou um excesso de 4mm no arco superior e a proporção anterior discriminou um excesso de 2 mm, então provavelmente os 4 mm totais estão distribuídos 2 mm na região posterior e 2mm na anterior. Ainda, num terceiro exemplo, se a proporção total evidenciou um excesso de 2 mm no arco superior, e Figura 6a Figura 6c Soma 12 inferiores Soma 12 superiores Proporção Total mm = x 100 = % mm Proporção pptotal 12 Superiores Figura 6b Figura 6d 12 Inferiores,0 077,6 078,5 079,4 080,3 081,3 082,1 083,1 084,0 084,9 085,8 086,7 087,6 088,6 089,5 090,4 091,3 092,2 093,1 094,0 095,0 095,9 096,8 097,8 098,6 099,5 100,4 Média 91,3 = 0,26 S.D. (σ) 1,91 Variação 87,5-94,8 Figura 7. Paquímetro digital Quadro 1 - Valores correspondentes ideais para somatória total (molar a molar) do arco inferior em relação ao superior. 90

6 a proporção anterior também evidenciou 2 mm, então a discrepância está restrita à região anterior. THUROW 13 apresentou uma maneira gráfica, e mais simples, de se localizar a discrepância dentária. A análise é a mesma, simplesmente o modo de utilizála torna mais fácil a visualização do problema ( gráfico 1 a,b ). Neste modo gráfico basta apenas procurar na coordenada x o valor da soma dos dentes inferiores e na coordenada y a soma dos superiores, tanto para a proporção total (gráfico a) como para anterior (gráfico b). Quando houver excesso no arco superior, ficará evidente que o ponto de intersecção x/y estará acima da reta representativa da normalidade. E quando houver excesso inferior este ponto estará localizado abaixo. Tornando-se possível ainda, a mensuração em mm, da quantidade de excesso a partir da reta ideal. Quando nos referimos ao excesso de massa dentária, nesta análise, entendemos que também pode representar uma deficiência. Isto é, quando identificamos 3 mm de excesso no arco inferior, não quer dizer que estes 3 mm representam necessariamente um excesso real no referido arco, mas pode representar uma diminuição no comprimento mesiodistal do arco antagonista. Portanto, num caso onde há nitidamente um dente conóide superior, a análise de Bolton indicará que existe um excesso inferior de massa dentária. Obviamente que o bom senso nos indicará que na verdade há uma falta no arco oponente, devido ao dente conóide. O mesmo pode ocorrer quando o arco dentário apresenta elementos restaurados com subcontorno (principalmete restaurações MOD nos dentes posteriores ). Torna-se importante observar que além da soma dos tamanhos dentários, o grau de sobremordida e sobressaliência também pode ser influenciado pelas inclinações dos incisivos, bem como a relação das bases apicais. Portanto, se o paciente apresentar distorções na posição dos dentes e/ou bases apicais, não se pode correlacionar a sobressaliência e a Figura 8a Figura 8d Figura 8g Figura 8j Figura 8b Figura 8e Figura 8h Figura 8l Figura 8c Figura 8f Figura 8i Figura 8m Figura 8a-m. Medição, com paquímetro digital, dos diâmetros mesiodistais dentários de ambos os lados do arco superior. 91

7 Figura 8n Figura 8q Figura 8t Figura 8x Figura 8o Figura 8r Figura 8u Figura 8y Figura 8p Figura 8s Figura 8v Figura 8z Figura 8n-z. Medição, com paquímetro digital, dos diâmetros mesiodistais dentários de ambos os lados do arco inferior. sobremordida, simplesmente de modo direto com os tamanhos dentários. A tabela dos valores ideais para os arcos superiores e inferiores são originados de indivíduos com oclusão normal, portanto, não sofreram a influência destas duas variações citadas. Isto é particularmente importante nos casos onde o tratamento ortodôntico envolverá uma compensação dentária ( por inclinação ) para mascarar uma suave discrepância de bases. Assim, mesmo que a análise de Bolton, realizada no início do tratamento, evidenciasse um excesso de massa dentária inferior, por exemplo, não indicaria desgastes obrigatórios se a mandíbula apresentasse retroposição. Porque, para compensação, os incisivos seriam protruídos e dissolveriam o excesso de massa dentária. O oposto também seria válido nos casos de deficiência maxilar. Neste caso, a necessidade de protrusão dentária superior, compensaria eventuais excessos de massa dentária superior. Recentemente SHELLHART et al 11 avaliaram a confiabilidade da análise de Bolton quando o arco dentário apresentava apinhamento. Concluiram que a presença de um apinhameto maior que 3 mm torna a avaliação menos precisa, exigindo maiores cuidados do profissional. Além disto, observaram que as medidas realizadas com o paquímetro (figura 7) apresentaram um pouco mais de precisão, quando comparada ao compasso de pontas secas, embora não estatisticamente significante. A digitalização dos dados (diâmetros mesiodistais de todos os dentes ) para um computador, mediante o uso de um paquímetro digital deve, provavelmente, diminuir a margem de erros e facilitar o cálculo da análise. Utilizando um programa conhecido de computador ( Microsoft Excel v.5), HALAZONETIS 8, propôs uma maneira simples de avaliar a análise de Bolton. Seus resultados demonstraram que a forma do arco, bem como o diâmetro vestibulolingual dos dentes anteriores podem exigir correções nesta análise, particularmente na proporção anterior 92

8 Soma 6 inferiores Soma 6 superiores Proporção Anterior mm = x 100 = % mm Proporção pptotal Média 77,2 = 0,22 S.D. (σ) 1,65 Variação 74,5-80,4 Quadro 2 - Valores correspondentes ideais para somatória anterior (canino à canino) do arco inferior em relação ao superior. A 6 Superiores 0,0 40,0 40,5 41,0 41,5 42,0 42,5 43,0 43,5 44,0 44,5 45,0 45,5 46,0 46,5 47,0 47,5 48,0 48,5 49,0 49,5 50,0 50,5 51,0 51,5 52,0 52,5 53,0 53,5 54,0 54,5 55,0 6 Superiores 0,0 30,9 31,3 31,7 32,0 32,4 32,8 33,2 33,6 34,0 34,4 34,7 35,1 35,5 35,9 36,3 36,7 37,1 37,4 37,8 38,2 38,6 39,0 39,4 39,8 40,1 40,5 40,9 41,3 41,7 42,1 42,5 (figura 9). Uma variação de 1mm na espessura da borda incisal (vestibulolingualmente), pode alterar em 5% o índice, o que significa dizer que estará envolvida uma discrepância de quase 3 mm no tamanho dentário. Portanto, no caso de compensação dentária citado no parágrafo anterior, além das inclinações dentárias, uma eventual discrepância de bases pode ser mascarada variando-se a forma do arco e o diâmetro vestibulolingual das bordas incisais. Segundo HALAZONETIS 8, 1mm de sobressaliência pode ser compensado por um excesso de 1 a 3 mm no diâmetro das bordas incisais, dependendo da curvatura do arco. A proporção de 77.2 proposta por Bolton deve ser convenientemente menor, quando a curvatura é mais acentuada e as espessuras das bordas incisais forem maiores (figura 9). Recentes estudos 5,6 constataram incidências de 23 e 30% de pacientes com discrepância interarcos de tamanhos dentários, maiores que 2 desvios padrão, justificando a indicação dos autores para que se realizem rotineiramente a análise de Bolton. O diagnóstico e o planejamento detalhado, incluindo a avaliação das discrepâncias do tamanho dentário, permitirá um tratamento mais específico e consciente para uma finalização apurada, com adequados trespasses horizontal e vertical. Em seguida apresentamos 5 exemplos de casos finalizados, relacionando a Análise de BOLTON e alguns dados cefalométricos. B Figura 9 - Segundo HALAZONETIS 8, quando o arco dentário apresenta-se com a curvatura menos acentuada, bem como diâmetros incisais vestibulo linguais mais estreitos, há uma tendência para que a proporção de BOLTON anterior necessária seja maior que 77.2, isto é, a massa dentária inferior precisará ser maior (A). O inverso ocorrerá quando a curvatura do arco for maior (B). 93

9 SD SD SD SD Gráfico 1a - Proporção total. A coordenada "x" apresenta a somatória dos 12 inferiores, e a coordenada "y" indica a somatória dos 12 superiores. A intersecção acima da linha padrão (91,3) indica excesso no arco superior. Se estiver abaixo, indica excesso no arco inferior. O gráfico mostra duas linhas representando desvio padrão (SD). 94

10 SD ,20 1 SD SD SD Gráfico 1b - Proporção anterior. A coordenada "x" apresenta a somatória dos 6 inferiores e a coordenada "y" indica a somatória dos 6 superiores. 95

11 Exemplo I SNA= 82 SNB=81 ANB=1 SN.GoGn=32 1.PP=113 IMPA=91 Caso finalizado adequadamente, observando-se ausência de discrepâncias dentárias. 96

12 total inferior = 78.8 total superior = 85.8 índice total = 91.8 (sem excesso) anterior superior = 42.6 anterior inferior = 33.0 índice anterior = 77.4 (sem excesso) 97

13 Exemplo II SNA= 82.5 SNB=81 ANB=1.5 SN.GoGn=23 1.PP=125 IMPA=108.5 Caso clínico finalizado apresentando 2 mm de excesso superior anterior. Provavelmente a protrusão, a forma do arco e a espessura vestibulo lingual maior tenham mascarado a discrepância. 98

14 total inferior = 88.7 total superior = 99 índice total = 89.5 (excesso superior 2 mm) anterior inferior = 36.2 anterior superior = 49.1 índice anterior = 73.7 (excesso superior 2 mm) 99

15 Exemplo III SNA= 81.5 SNB=80 ANB=1.5 SN.GoGn=32 1.PP=112 IMPA=99 Caso clínico finalizado adequadamente sem discrepâncias dentárias. 100

16 total inferior = 85.9 total superior = 94.1 índice total = 91.2 (sem excesso) anterior inferior = 36.5 anterior superior = 46.8 índice anterior = 77.9 (sem excesso) 101

17 Exemplo IV SNA= 87 SNB=83 ANB=4 SN.GoGn=33 1.PP=114 IMPA=96 Caso clínico finalizado adequadamente sem discrepâncias dentárias. 102

18 total inferior = 87.7 total superior = 96.1 índice total = 91.2 (sem excesso) anterior inferior = 47.5 anterior superior = 37.0 índice anterior = 77.8 (sem excesso) 103

19 Exemplo V SNA= 83 SNB=83 ANB=0 SN.GoGn= PP=115 IMPA=85 Caso clínico finalizado onde os pequenos diastemas no arco superior podem ser explicados pelo excesso de massa dentária inferior de aproximadamente 3 mm, evidenciados pela análise de BOLTON. O desgaste deste excesso, associado a uma pequena iniclinação lingual dos incisivos inferiores, dissiparia os diastemas superiores, finalizando a compensação deste caso de suave Classe II esquelética. 104

20 total inferior = 81.2 total superior = 86.2 índice total = 94.1 (excesso inferior = 3mm) anterior inferior = 36.1 anterior superior = 43 índice anterior = 83.9 (excesso inferior = 3mm) 105

21 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1 - BALLARD, M.L. Assymetry in tooth size : a factor in the etiology, diagnosis and treatment of malocclusion. Angle Orthod., v. 14, p , BOLTON, W.A. Disharmony in tooth size and its relation to the analysis and treatment of malocclusion. Angle Orthod., v. 28, p , BOLTON, W.A. The clinical application of a tooth-size analysis. Am. J. Orthod. Dentofacial Orthop., v. 48, p , CROSBY, D.A., ALEXANDER, C.G. The occurrence of tooth size discrepancies among different malocclusion groups. Am. J. Orthod. Dentofacial Orthop., v. 95, p , FREEMAN, J.E. ; MASKERONI, A.J. ; LORTON, L. Frequency of Bolton tooth size discrepancies among orthodontic patients. Am. J. Orthod. Dentofacial Orthop., v. 110, n. 1, p. 24-7, GILPATRIC, W. H. Arch predetermination - is it pratice? J. Am. Dent. Assoc., p , Jul HALAZONETIS, D.J. The Bolton ratio studied with the use of spreadsheets. Am. J. Orthod. Dentofacial Orthop., v. 102, p , MOYERS, R.E. Ortodontia. 4 ed. Rio de Janeiro : Guanabara Koogan, p NEFF,C.W. Tailored occluson with the anterior coefficient. Am. J. Orthod. Dentofacial Orthop., v. 35, p , SHELLHART,W.C. et al. Reliability of the Bolton tooth-size analysis when applied to crowded dentitions. Angle Orthod., v. 65, p , STIFFER, J. A study of Pont s, Howes, Rees, Neff s and Bolton s analyses on class I adult dentitions. Angle Orthod., v. 28, p , THUROW, R.C. - Atlas of orthodontic principles. St. Louis : Mosby, p

IGC - Índice do Grau de Complexidade

IGC - Índice do Grau de Complexidade IGC - Índice do Grau de Complexidade Uma medida da complexidade do caso DI -American Board of Orthodontics Autorização American Board of Orthodon1cs- ABO Atualização: 13.05.2013 12. Outros Itens pontuados

Leia mais

ANÁLISE DA DENTIÇÃO MISTA

ANÁLISE DA DENTIÇÃO MISTA 1 ANÁLISE DA DENTIÇÃO MISTA INTRODUÇÃO O período da dentição mista inicia-se por volta dos 6 anos de idade com a erupção dos primeiros molares permanentes, e termina ao redor dos 12 anos de idade, com

Leia mais

Reginaldo César Zanelato

Reginaldo César Zanelato Reginaldo César Zanelato Nos pacientes portadores da má oclusão de Classe II dentária, além das opções tradicionais de tratamento, como as extrações de pré-molares superiores e a distalização dos primeiros

Leia mais

Mordida Profunda Definição. Trespasse vertical

Mordida Profunda Definição. Trespasse vertical Mordida Profunda Definição Trespasse vertical Mordida Profunda Diagnóstico Os fatores que contribuem variam de acordo com a oclusão: u Em boas oclusões é determinda por fatores dentários: t Comprimento

Leia mais

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL Montagem das Pastas As pastas devem estar organizadas na seguinte ordem: I- Externo Página Título: colocar na capa frontal da pasta (a capa tem um envelope plástico para esta finalidade). BOARD BRASILEIRO

Leia mais

(VTO dentário) Resumo Este presente artigo teve por finalidade demonstrar, simplificadamente, o manejo

(VTO dentário) Resumo Este presente artigo teve por finalidade demonstrar, simplificadamente, o manejo iagnóstico Análise da Movimentação entária (VTO dentário) Adriano César Trevisi Zanelato*, Hugo José Trevisi**, Reginaldo César Trevisi Zanelato***, André César Trevisi Zanelato*, Renata Chicarelli Trevisi****

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS CACILDA BRUZADELLI BORGES DISCREPÂNCIA DE BOLTON

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS CACILDA BRUZADELLI BORGES DISCREPÂNCIA DE BOLTON INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS CACILDA BRUZADELLI BORGES DISCREPÂNCIA DE BOLTON Lages, 2011 CACILDA BRUZADELLI BORGES DISCREPÂNCIA DE BOLTON Monografia apresentada ao Programa de Especialização

Leia mais

UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ MESTRADO PROFISSIONALIZANTE EM ODONTOLOGIA WALDIR GONÇALVES JÚNIOR

UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ MESTRADO PROFISSIONALIZANTE EM ODONTOLOGIA WALDIR GONÇALVES JÚNIOR UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ MESTRADO PROFISSIONALIZANTE EM ODONTOLOGIA WALDIR GONÇALVES JÚNIOR COMPARAÇÃO DA PREVALÊNCIA DA DISCREPÂNCIA DE BOLTON ENTRE AS MÁS OCLUSÕES DE ANGLE MARINGÁ

Leia mais

MANTENEDORES DE ESPAÇO

MANTENEDORES DE ESPAÇO MANTENEDORES DE ESPAÇO Conceito São aparelhos ortodônticos usados para manter o espaço nas arcadas dentárias, por perda precoce de dentes decíduos. Classificação Quanto ao uso: fixos semifixos removíveis

Leia mais

Diagnóstico e Planejamento. Caracteríticas dos modelos: Anamnese Exame Clínico Exame Radiográfico Cefalometria Análise Facial. Análise de Modelos

Diagnóstico e Planejamento. Caracteríticas dos modelos: Anamnese Exame Clínico Exame Radiográfico Cefalometria Análise Facial. Análise de Modelos Análise de Mdl Modelos Anamnese Exame Clínico Exame Radiográfico Cefalometria Análise Facial Análise dos Modelos Diagnóstico e Planejamento Daniel G. Teixeira Diagnósticog e Planejamento; Avaliação do

Leia mais

Uma vez estando estabelecidos os conceitos de oclusão normal, a etapa. subseqüente do processo de aprendizado passa a ser o estudo das variações

Uma vez estando estabelecidos os conceitos de oclusão normal, a etapa. subseqüente do processo de aprendizado passa a ser o estudo das variações 1 INTRODUÇÃO Uma vez estando estabelecidos os conceitos de oclusão normal, a etapa subseqüente do processo de aprendizado passa a ser o estudo das variações desse padrão. Vale a pena relembrarmos a definição

Leia mais

Breve Panorama Histórico

Breve Panorama Histórico Análise Facial Breve Panorama Histórico Norman Kingsley Kingsley (final do séc.xix): s a articulação dos dentes secundária à aparência facial. Breve Panorama Histórico Edward Angle (in (início séc. s XX)

Leia mais

TRATAMENTO DE UMA CLASSE II COM IMPACTAÇÃO DE CANINO E DE PRÉ-MOLAR

TRATAMENTO DE UMA CLASSE II COM IMPACTAÇÃO DE CANINO E DE PRÉ-MOLAR Miguel da Nóbrega Médico Especialista em Estomatologia DUO Faculdade de Cirurgia Dentária Universidade Toulouse miguel.nobrega@ortofunchal.com TRATAMENTO DE UMA CLASSE II COM IMPACTAÇÃO DE CANINO E DE

Leia mais

RECUPERADORES DE ESPAÇO

RECUPERADORES DE ESPAÇO RECUPERADORES DE ESPAÇO Conceito Recuperadores de espaço são usados para recuperar o espaço perdido nas arcadas dentárias. Eles verticalizam os dentes que inclinaram, depois que outros foram perdidos.

Leia mais

Figura A - Linha horizontal de referência no plano oclusal, e perpendicular vertical passando no centro da fossa pterigomaxilar

Figura A - Linha horizontal de referência no plano oclusal, e perpendicular vertical passando no centro da fossa pterigomaxilar 1 PUCPR, ORTODONTIA GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO MUDANÇAS REGIONAIS DA FACE Camargo ES, Maruo H, Guariza-Filho O, Tanaka O. As mudanças de crescimento podem ser descritas, para melhor compreensão, como regiões

Leia mais

MOVIMENTOS MANDIBULARES

MOVIMENTOS MANDIBULARES MOVIMENTOS MANDIBULARES Alfredo Julio Fernandes Neto, et al. Univ. Fed. Uberlândia - 2006 Para o entendimento da dinâmica dos movimentos mandibulares, além dos quatro determinantes anatômicos do aparelho

Leia mais

Extração Seriada, uma Alternativa

Extração Seriada, uma Alternativa Artigo de Divulgação Extração Seriada, uma Alternativa Serial Extraction, an Alternative Procedure Evandro Bronzi Resumo A extração seriada é um procedimento ortodôntico que visa harmonizar

Leia mais

Técnicas radiográficas. Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia. Técnicas Radiográficas Intraorais. Técnicas Radiográficas

Técnicas radiográficas. Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia. Técnicas Radiográficas Intraorais. Técnicas Radiográficas Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia Técnicas radiográficas Divididas em dois grandes grupos: Técnicas Intraorais Profª Paula Christensen Técnicas Radiográficas Técnicas Extraorais Técnicas

Leia mais

O tipo facial e a morfologia do arco dentário no planejamento ortodôntico

O tipo facial e a morfologia do arco dentário no planejamento ortodôntico Caso Clínico O tipo facial e a morfologia do arco dentário no planejamento ortodôntico Alexandre de Almeida Ribeiro* Resumo A morfologia do arco dentário está relacionada diretamente com as demais partes

Leia mais

Correlação e Regressão Linear

Correlação e Regressão Linear Correlação e Regressão Linear A medida de correlação é o tipo de medida que se usa quando se quer saber se duas variáveis possuem algum tipo de relação, de maneira que quando uma varia a outra varia também.

Leia mais

Tratamento de Classe II, Divisão 1, com ausência congênita de incisivo lateral superior

Tratamento de Classe II, Divisão 1, com ausência congênita de incisivo lateral superior A RTIGO DE D IVULGA ÇÃO Tratamento de Classe II, Divisão 1, com ausência congênita de incisivo lateral superior Roberto M. A. LIMA FILHO*, Anna Carolina LIMA**, José H. G. de OLIVEIRA***, Antonio C. de

Leia mais

OCLUSÃO! ! Posições mandibulares. ! Movimentos mandibulares. ! Equilíbrio de forças atuantes - vestibulolingual

OCLUSÃO! ! Posições mandibulares. ! Movimentos mandibulares. ! Equilíbrio de forças atuantes - vestibulolingual Universidade de Brasília Departamento de Odontologia OCLUSÃO! NOÇÕES DE OCLUSÃO! Estudo das relações estáticas e dinâmicas entre as estruturas do sistema mastigatório!! Movimentos mandibulares Disciplina

Leia mais

REVISTA GESTÃO & SAÚDE (ISSN 1984-8153) EXTRAÇÃO DE INCISIVO INFERIOR EM ORTODONTIA LOWER INCISOR EXTRACTION IN ORTHODONTICS

REVISTA GESTÃO & SAÚDE (ISSN 1984-8153) EXTRAÇÃO DE INCISIVO INFERIOR EM ORTODONTIA LOWER INCISOR EXTRACTION IN ORTHODONTICS 1 EXTRAÇÃO DE INCISIVO INFERIOR EM ORTODONTIA LOWER INCISOR EXTRACTION IN ORTHODONTICS Tatiana Leite Moroz LESSA 1 Elcy ARRUDA 2 Roberley Araújo ASSAD 3 Fabiano Sfier de MELLO 4 Andrea Malluf Dabul de

Leia mais

Tratamento cirúrgico da má oclusão de Classe III dentária e esquelética

Tratamento cirúrgico da má oclusão de Classe III dentária e esquelética Caso Clínico BBO Tratamento cirúrgico da má oclusão de Classe III dentária e esquelética Ione Helena Vieira Portella Brunharo 1 O preparo ortodôntico para tratamento cirúrgico do padrão esquelético de

Leia mais

ODONTO IDÉIAS Nº 07. As 100 Melhores Idéias da Odontologia CALIBRADORES DE ESPAÇO INTERPROXIMAL

ODONTO IDÉIAS Nº 07. As 100 Melhores Idéias da Odontologia CALIBRADORES DE ESPAÇO INTERPROXIMAL ODONTO IDÉIAS Nº 07 As 100 Melhores Idéias da Odontologia CALIBRADORES DE ESPAÇO INTERPROXIMAL Nossa intenção com esta coluna é reconhecer o espírito criativo do Cirurgião Dentista brasileiro, divulgando

Leia mais

Cotagens especiais. Você já aprendeu a interpretar cotas básicas

Cotagens especiais. Você já aprendeu a interpretar cotas básicas A UU L AL A Cotagens especiais Você já aprendeu a interpretar cotas básicas e cotas de alguns tipos de elementos em desenhos técnicos de modelos variados. Mas, há alguns casos especiais de cotagem que

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO APARELHO Componentes do aparelho extrabucal 3

APRESENTAÇÃO DO APARELHO Componentes do aparelho extrabucal 3 Série Aparelhos Ortodônticos EXTRABUCAL INTRODUÇÃO A ancoragem extrabucal ainda é um dos recursos mais utilizados e recomendados no tratamento da má oclusão de Classe II, primeira divisão, caracterizada

Leia mais

SORRISO BONITO E SAUDÁVEL PARA TODA A VIDA!

SORRISO BONITO E SAUDÁVEL PARA TODA A VIDA! SORRISO BONITO E SAUDÁVEL PARA TODA A VIDA! INTRODUÇÃO Um sorriso bonito, saudável e harmônico faz toda a diferença! Na autoestima traz diversos benefícios, pois quem sorri abertamente acredita em si mesmo

Leia mais

CRONOGRAMA CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA. APROVADO: MEC e CFO

CRONOGRAMA CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA. APROVADO: MEC e CFO CRONOGRAMA CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA APROVADO: MEC e CFO 1º. MÓDULO: 1º. DIA: Apresentação da Especialização / Aula teórica de Classificação das Más-oclusões 2º. DIA: Aula teórica de Etiologia

Leia mais

Figura 18. Distâncias das estações em relação ao Inmet e Mapa hipsmétrico

Figura 18. Distâncias das estações em relação ao Inmet e Mapa hipsmétrico 44 Figura 18. Distâncias das estações em relação ao Inmet e Mapa hipsmétrico A Figura 18 servirá de subsídios às análises que se seguem, pois revela importantes informações quanto ao comportamento das

Leia mais

EXTRAÇÃO DE INCISIVO INFERIOR EM ORTODONTIA

EXTRAÇÃO DE INCISIVO INFERIOR EM ORTODONTIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS EXTRAÇÃO DE INCISIVO INFERIOR EM ORTODONTIA PÂMELA KIMURA FERNANDES PEREIRA SANTO ANDRÉ 2012 INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS EXTRAÇÃO DE

Leia mais

Descrição, passo a passo, do aparelho de Herbst com coroas de açoa. o superiores e splint removível vel inferior

Descrição, passo a passo, do aparelho de Herbst com coroas de açoa. o superiores e splint removível vel inferior Descrição, passo a passo, do aparelho de Herbst com coroas de açoa o superiores e splint removível vel inferior MORO, A.; et al. Descrição, passo a passo, do aparelho de Herbst com coroas de aço superiores

Leia mais

Calibração de Equipamentos

Calibração de Equipamentos Vídeo Conferência Calibração de Equipamentos Instituto de Pesos e Medidas do Estado do Paraná Junho/2014 Diferença entre calibração e a verificação metrológica Calibração Estabelece o erro de medição e

Leia mais

dentes de homens e mulheres, havendo uma tendência dos homens apresentarem dentes maiores no sentido mésio-distal do que as mulheres

dentes de homens e mulheres, havendo uma tendência dos homens apresentarem dentes maiores no sentido mésio-distal do que as mulheres Análise da discrepância de tamanho dentário em pacientes da Clínica de Ortodontia da FO/UERJ 94 96 porcentagem 92 90 88 86 84 82 80 78 RT - Bolton Razão total Razão anterior Error Bars show 95,0% C I of

Leia mais

FECHAMENTO DE ESPAÇOS

FECHAMENTO DE ESPAÇOS FECHAMENTO DE ESPAÇOS Rua 144, n 77 - Setor Marista - Goiânia (GO) - CEP 74170-030 - PABX: (62) 278-4123 - 1 - Introdução Podemos definir essa etapa do tratamento ortodôntico como aquela onde o principal

Leia mais

Link com caso clínico - USA

Link com caso clínico - USA The clinical aplication of a tooth-size analysis. Am. J. Orthod 48(7) 504-29, July, 1962 Efeitos da discrepância de volume dental no relacionamento inter-arcos Diâmetro mésio-distal Relacionamento inter-arcos

Leia mais

Departamento de Matemática - UEL - 2010. Ulysses Sodré. http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010.

Departamento de Matemática - UEL - 2010. Ulysses Sodré. http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010. Matemática Essencial Extremos de funções reais Departamento de Matemática - UEL - 2010 Conteúdo Ulysses Sodré http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010.

Leia mais

MÁ-OCLUSÃO. Ortodontista: Qualquer desvio de posição do dente em relação ao normal

MÁ-OCLUSÃO. Ortodontista: Qualquer desvio de posição do dente em relação ao normal MÁ-OCLUSÃO Ortodontista: Qualquer desvio de posição do dente em relação ao normal Sanitarista: Inconveniente estético ou funcional de grande magnitude que possa interferir no relacionamento do indivíduo

Leia mais

O aparelho de Herbst com Cantilever (CBJ) Passo a Passo

O aparelho de Herbst com Cantilever (CBJ) Passo a Passo O aparelho de Herbst com Cantilever (CBJ) Passo a Passo çã APARELHO DE HERBST COM CANTILEVER (CBJ) MAYES, 1994 Utiliza quatro coroas de açoa o nos primeiros molares e um cantilever,, a partir dos primeiros

Leia mais

INCISIVOS INCISIVO CENTRAL SUPERIOR INCISIVO LATERAL SUPERIOR INCISIVO CENTRAL INFERIOR INCISIVO LATERAL INFERIOR CANINOS

INCISIVOS INCISIVO CENTRAL SUPERIOR INCISIVO LATERAL SUPERIOR INCISIVO CENTRAL INFERIOR INCISIVO LATERAL INFERIOR CANINOS INCISIVOS Os incisivos permanentes são o primeiro e segundo dente a contar da linha média; Juntamente com os caninos constituem os dentes anteriores; Os incisivos superiores são geralmente maiores que

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

Série Aparelhos Ortodônticos

Série Aparelhos Ortodônticos Série Aparelhos Ortodônticos Em geral, o protocolo de tratamento nos casos de Classe III, principalmente naqueles com deficiência maxilar, tem sido a disjunção, seguida pela protração da ma-xila. De acordo

Leia mais

Os caracteres de escrita

Os caracteres de escrita III. Caracteres de Escrita Os caracteres de escrita ou letras técnicas são utilizadas em desenhos técnicos pelo simples fato de proporcionarem maior uniformidade e tornarem mais fácil a leitura. Se uma

Leia mais

Tratamento Ortodôntico da Classe III, Subdivisão: Apresentação de um Caso Clínico (Parte 1)

Tratamento Ortodôntico da Classe III, Subdivisão: Apresentação de um Caso Clínico (Parte 1) Artigo de Divulgação Tratamento Ortodôntico da Classe III, Subdivisão: Apresentação de um Caso Clínico (Parte 1) Treatment of a Class III, Subdivision Malocclusion: A Case Report (Part 1) Guilherme R.

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE USO DO SOFTWARE EDUCACIONAL FALANDO SOBRE... HISTÓRIA DO BRASIL EM AULA MINISTRADA EM LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA

CONSIDERAÇÕES SOBRE USO DO SOFTWARE EDUCACIONAL FALANDO SOBRE... HISTÓRIA DO BRASIL EM AULA MINISTRADA EM LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA CONSIDERAÇÕES SOBRE USO DO SOFTWARE EDUCACIONAL FALANDO SOBRE... HISTÓRIA DO BRASIL EM AULA MINISTRADA EM LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA Dorisvaldo Rodrigues da Silva drsilva@unioeste.br Vera Lúcia Ruiz Rodrigues

Leia mais

Desgaste interproximal e suas implicações clínicas

Desgaste interproximal e suas implicações clínicas A r t i g o In é d i t o Desgaste interproximal e suas implicações clínicas Osmar Aparecido Cuoghi*, Rodrigo Castellazzi Sella**, Fernanda Azambuja Macedo***, Marcos Rogério de Mendonça**** Resumo Introdução:

Leia mais

Estudo da Recidiva em Pacientes com

Estudo da Recidiva em Pacientes com CASO CLÍNICO Estudo da Recidiva em Pacientes com Maloclusão de Classe II, Tratados pela Técnica do Arco de Canto com Extrações de Pré-Molares Pertencentes às Categorias de Crescimento de Petrovic. Parte

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UM MÉTODO COMPUTADORIZADO PARA DIAGNÓSTICO DAS DISCREPÂNCIAS DENTÁRIAS

AVALIAÇÃO DE UM MÉTODO COMPUTADORIZADO PARA DIAGNÓSTICO DAS DISCREPÂNCIAS DENTÁRIAS Anna Clara dos Santos Vilela AVALIAÇÃO DE UM MÉTODO COMPUTADORIZADO PARA DIAGNÓSTICO DAS DISCREPÂNCIAS DENTÁRIAS Belo Horizonte dezembro, 2002 Anna Clara dos Santos Vilela AVALIAÇÃO DE UM MÉTODO COMPUTADORIZADO

Leia mais

Aula 9 ESCALA GRÁFICA. Antônio Carlos Campos

Aula 9 ESCALA GRÁFICA. Antônio Carlos Campos Aula 9 ESCALA GRÁFICA META Apresentar as formas de medição da proporcionalidade entre o mundo real e os mapas através das escalas gráficas. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: estabelecer formas

Leia mais

Tratamento ortodôntico - cirúrgico de um caso clínico de Classe III esquelética e Classe III dentária.

Tratamento ortodôntico - cirúrgico de um caso clínico de Classe III esquelética e Classe III dentária. Miguel da Nóbrega Médico Especialista em Estomatologia DUO Faculdade de Cirurgia Dentária Universidade Toulouse miguel.nobrega@ortofunchal.com Tratamento ortodôntico - cirúrgico de um caso clínico de Classe

Leia mais

Extração atípica de incisivos centrais superiores: relato de caso clínico Atypical extraction of maxillary central incisors: case report

Extração atípica de incisivos centrais superiores: relato de caso clínico Atypical extraction of maxillary central incisors: case report RELATO DE CASO Extração atípica de incisivos centrais superiores: relato de caso clínico Atypical extraction of maxillary central incisors: case report MARCOS VALÉRIO FERRARI 1 JOSÉ RICARDO SCANAVINI 2

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Planificação Anual de MACS 10º ano Ano Letivo 2014/2015

Leia mais

Conceitos e fórmulas

Conceitos e fórmulas 1 Conceitos e fórmulas 1).- Triângulo: definição e elementos principais Definição - Denominamos triângulo (ou trilátero) a toda figura do plano euclidiano formada por três segmentos AB, BC e CA, tais que

Leia mais

4 Avaliação Econômica

4 Avaliação Econômica 4 Avaliação Econômica Este capítulo tem o objetivo de descrever a segunda etapa da metodologia, correspondente a avaliação econômica das entidades de reservas. A avaliação econômica é realizada a partir

Leia mais

Má oclusão Classe I de Angle, com acentuada biprotrusão, tratada com extrações de dentes permanentes*

Má oclusão Classe I de Angle, com acentuada biprotrusão, tratada com extrações de dentes permanentes* C a s o C l í n i c o O Má oclusão Classe I de ngle, com acentuada biprotrusão, tratada com extrações de dentes permanentes* Marco ntônio Schroeder** Resumo Este relato de caso descreve o tratamento de

Leia mais

O QUE É A TÃO FALADA CARGA IMEDIATA?

O QUE É A TÃO FALADA CARGA IMEDIATA? 1 O QUE É A TÃO FALADA CARGA IMEDIATA? A descoberta da Osseointegração pelo professor Brånemark, na década de 50, revolucionou a reabilitação dos pacientes com ausências dentárias, com a utilização dos

Leia mais

DESENVOLVENDO HABILIDADES CIÊNCIAS DA NATUREZA I - EM

DESENVOLVENDO HABILIDADES CIÊNCIAS DA NATUREZA I - EM Olá Caro Aluno, Você já reparou que, no dia a dia quantificamos, comparamos e analisamos quase tudo o que está a nossa volta? Vamos ampliar nossos conhecimentos sobre algumas dessas situações. O objetivo

Leia mais

Aparelho Arco E-1886E. Partes do aparelho

Aparelho Arco E-1886E. Partes do aparelho BRÁQUETES Aparelho Arco E-1886E Partes do aparelho Aparelho Arco E -1886 APARELHO PINO E TUBO - 1912 Arco Cinta -1915 Aparelho Edgewise - 1925 Braquete original Os primeiros bráquetes eram.022 de uma liga

Leia mais

Estatística Aplicada ao Serviço Social Módulo 1:

Estatística Aplicada ao Serviço Social Módulo 1: Estatística Aplicada ao Serviço Social Módulo 1: Introdução à Estatística Importância da Estatística Fases do Método Estatístico Variáveis estatísticas. Formas Iniciais de Tratamento dos Dados Séries Estatísticas.

Leia mais

2. Representação Numérica

2. Representação Numérica 2. Representação Numérica 2.1 Introdução A fim se realizarmos de maneira prática qualquer operação com números, nós precisamos representa-los em uma determinada base numérica. O que isso significa? Vamos

Leia mais

27 Tolerância geométrica

27 Tolerância geométrica A U A UL LA Tolerância geométrica de posição Um problema Como se determina a tolerância de posição de peças conjugadas para que a montagem possa ser feita sem a necessidade de ajustes? Essa questão é abordada

Leia mais

OS EFEITOS DOS CUSTOS NA INDÚSTRIA

OS EFEITOS DOS CUSTOS NA INDÚSTRIA 3 OS EFEITOS DOS CUSTOS NA INDÚSTRIA O Sr. Silva é proprietário de uma pequena indústria que atua no setor de confecções de roupas femininas. Já há algum tempo, o Sr. Silva vem observando a tendência de

Leia mais

CAPÍTULO 5 APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS RESULTADOS

CAPÍTULO 5 APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS RESULTADOS CAPÍTULO 5 APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS RESULTADOS Após a aplicação do instrumento de recolha de dados, torna-se necessário proceder à respectiva apresentação e análise dos mesmos, a fim de se poderem extrair

Leia mais

Tipos de malha de Controle

Tipos de malha de Controle Tipos de malha de Controle SUMÁRIO 1 - TIPOS DE MALHA DE CONTROLE...60 1.1. CONTROLE CASCATA...60 1.1.1. Regras para Selecionar a Variável Secundária...62 1.1.2. Seleção das Ações do Controle Cascata e

Leia mais

Ciência e prática. Importância do tratamento ortodôntico como auxílio da reabilitação oral

Ciência e prática. Importância do tratamento ortodôntico como auxílio da reabilitação oral Importância do tratamento ortodôntico como auxílio da reabilitação oral 36 MAXILLARIS OUTUBRO 2015 Ciência e prática : Margarida Malta Médica dentista. Licenciada no Instituto Superior de Ciencias da Saúde

Leia mais

Uma análise econômica do seguro-saúde Francisco Galiza Outubro/2005 www.ratingdeseguros.com.br

Uma análise econômica do seguro-saúde Francisco Galiza Outubro/2005 www.ratingdeseguros.com.br Uma análise econômica do seguro-saúde Francisco Galiza Outubro/2005 www.ratingdeseguros.com.br Um dos ramos mais importantes do mercado segurador brasileiro é o de saúde. Surgido sobretudo com uma opção

Leia mais

Decidir como medir cada característica. Definir as características de qualidade. Estabelecer padrões de qualidade

Decidir como medir cada característica. Definir as características de qualidade. Estabelecer padrões de qualidade Escola de Engenharia de Lorena - EEL Controle Estatístico de Processos CEP Prof. MSc. Fabrício Maciel Gomes Objetivo de um Processo Produzir um produto que satisfaça totalmente ao cliente. Conceito de

Leia mais

Faculdade Sagrada Família

Faculdade Sagrada Família AULA 12 - AJUSTAMENTO DE CURVAS E O MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS Ajustamento de Curvas Sempre que desejamos estudar determinada variável em função de outra, fazemos uma análise de regressão. Podemos dizer

Leia mais

REGRESSÃO LINEAR SIMPLES

REGRESSÃO LINEAR SIMPLES REGRESSÃO LINEAR SIMPLES O que é uma regressão linear simples. Fazendo a regressão "na mão". Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas graduado pela EAESP/FGV. É Sócio-Diretor da

Leia mais

Carga imediata de arco oclusal pleno com implantes Seven e Mistral

Carga imediata de arco oclusal pleno com implantes Seven e Mistral Maio/Junho 2010 Caso Clínico Carga imediata de arco oclusal pleno com implantes Seven e Mistral Di Alberti L, Donnini F, Camerino M, Di Alberti C, Rossi G, Perfetti G, Dolci M, Trisi P do Department of

Leia mais

ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA

ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA 1 ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA SUMÁRIO Introdução... 01 1. Diferenciação das Atividades de Linha e Assessoria... 02 2. Autoridade de Linha... 03 3. Autoridade de Assessoria... 04 4. A Atuação da

Leia mais

Objetivos: Construção de tabelas e gráficos, escalas especiais para construção de gráficos e ajuste de curvas à dados experimentais.

Objetivos: Construção de tabelas e gráficos, escalas especiais para construção de gráficos e ajuste de curvas à dados experimentais. 7aula Janeiro de 2012 CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS I: Papel Milimetrado Objetivos: Construção de tabelas e gráficos, escalas especiais para construção de gráficos e ajuste de curvas à dados experimentais. 7.1

Leia mais

5) Caracterização da busca: forma utilizada pelos usuários para iniciar a busca (ver também Tabelas 9 e 10)

5) Caracterização da busca: forma utilizada pelos usuários para iniciar a busca (ver também Tabelas 9 e 10) 78 5) Caracterização da busca: forma utilizada pelos usuários para iniciar a busca (ver também Tabelas 9 e 10) TABELA 8: FORMA USADA INICIALMENTE NA BUSCA PELOS USUÁRIOS FORMA DE BUSCA % AUTOR OU COMPOSITOR

Leia mais

Tópico 5. Aula Prática: Paquímetro e Micrômetro: Propagação de Incertezas - Determinação Experimental do Volume de um Objeto

Tópico 5. Aula Prática: Paquímetro e Micrômetro: Propagação de Incertezas - Determinação Experimental do Volume de um Objeto Tópico 5. Aula Prática: Paquímetro e Micrômetro: Propagação de Incertezas - Determinação Experimental do Volume de um Objeto 1. INTRODUÇÃO Será calculado o volume de objetos como esferas, cilindros e cubos

Leia mais

SP 04/92 NT 141/92. Velocidade Média: Considerações sobre seu Cálculo. Engº Luiz Henrique Piovesan. 1. Introdução

SP 04/92 NT 141/92. Velocidade Média: Considerações sobre seu Cálculo. Engº Luiz Henrique Piovesan. 1. Introdução SP 04/92 NT 141/92 Velocidade Média: Considerações sobre seu Cálculo Engº Luiz Henrique Piovesan 1. Introdução Apesar de velocidade ser um conceito claro para os profissionais de tráfego, há uma certa

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

"SISTEMAS DE COTAGEM"

SISTEMAS DE COTAGEM AULA 6T "SISTEMAS DE COTAGEM" Embora não existam regras fixas de cotagem, a escolha da maneira de dispor as cotas no desenho técnico depende de alguns critérios. A cotagem do desenho técnico deve tornar

Leia mais

Tópico 11. Aula Teórica/Prática: O Método dos Mínimos Quadrados e Linearização de Funções

Tópico 11. Aula Teórica/Prática: O Método dos Mínimos Quadrados e Linearização de Funções Tópico 11. Aula Teórica/Prática: O Método dos Mínimos Quadrados e Linearização de Funções 1. INTRODUÇÃO Ao se obter uma sucessão de pontos experimentais que representados em um gráfico apresentam comportamento

Leia mais

Nota Técnica 113/2007 SRD/SRE/ANEEL Metodologia para Projeção de Investimentos para o Cálculo do Fator X Contribuição da Audiência Publica 052/2007

Nota Técnica 113/2007 SRD/SRE/ANEEL Metodologia para Projeção de Investimentos para o Cálculo do Fator X Contribuição da Audiência Publica 052/2007 Nota Técnica 113/2007 SRD/SRE/ANEEL Metodologia para Projeção de Investimentos para o Cálculo do Fator X Contribuição da Audiência Publica 052/2007 1 1. Estrutura do Trabalho : De forma que se pudesse

Leia mais

5. Resultados e Análises

5. Resultados e Análises 66 5. Resultados e Análises Neste capítulo é importante ressaltar que as medições foram feitas com uma velocidade constante de 1800 RPM, para uma freqüência de 60 Hz e uma voltagem de 220 V, entre as linhas

Leia mais

ANATOMIA INTERNA DENTAL

ANATOMIA INTERNA DENTAL ANATOMIA INTERNA DENTAL Cavidade Pulpar: Espaço no interior dos dentes onde se aloja a polpa. Esta cavidade reproduz a morfologia externa do dente,podendo se distinguir duas porções: uma coronária e outra

Leia mais

Tratamento da má oclusão de Classe II divisão 1 a, através de recursos ortodônticos e ortopédicos faciais (funcionais e mecânicos): relato de caso

Tratamento da má oclusão de Classe II divisão 1 a, através de recursos ortodônticos e ortopédicos faciais (funcionais e mecânicos): relato de caso Caso Clínico Tratamento da má oclusão de Classe II divisão 1 a, através de recursos ortodônticos e ortopédicos faciais (funcionais e mecânicos): relato de caso José Euclides Nascimento* Luciano da Silva

Leia mais

Estudo comparativo da discrepância nas dimensões dentárias em pacientes portadores de diferentes deformidades esqueléticas

Estudo comparativo da discrepância nas dimensões dentárias em pacientes portadores de diferentes deformidades esqueléticas Revista de Odontologia da UNESP. 2005; 34(4): 149-154 2005 - ISSN 1807-2577 Estudo comparativo da discrepância nas dimensões dentárias em pacientes portadores de diferentes deformidades esqueléticas Karina

Leia mais

Utilização do SOLVER do EXCEL

Utilização do SOLVER do EXCEL Utilização do SOLVER do EXCEL 1 Utilização do SOLVER do EXCEL José Fernando Oliveira DEEC FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO MAIO 1998 Para ilustrar a utilização do Solver na resolução de

Leia mais

Os paquímetros distinguem-se pela faixa de indicação, pelo nônio, pelas dimensões e forma dos bicos.

Os paquímetros distinguem-se pela faixa de indicação, pelo nônio, pelas dimensões e forma dos bicos. Capítulo 3 PAQUÍMETRO 3.1 ASPECTOS GERAIS 3.1.1 Definição O Paquímetro (figura 3.1) é o resultado da associação de: uma escala, como padrão de comprimento; dois bicos de medição, como meios de transporte

Leia mais

Profª Adriana Ferrazza 1. Fonte: BMF&Bovespa. 1. Juro simples. FV= PV.[1+(i.n)]

Profª Adriana Ferrazza 1. Fonte: BMF&Bovespa. 1. Juro simples. FV= PV.[1+(i.n)] Profª Adriana Ferrazza 1 Fonte: BMF&Bovespa 1. Juro simples FV= PV.[1+(i.n)] Funções que Você já conhece: Capital CHS PV taxa em ano i Período em dias n f int(juro) Calculo do PV: O capital inicial pode

Leia mais

Cálculo de amostra para monitoria de qualidade em Call Center

Cálculo de amostra para monitoria de qualidade em Call Center Cálculo de amostra para monitoria de qualidade em Call Center Esta metodologia tem como objetivo definir o tamanho mínimo ideal da amostra, garantindo a representatividade da população de chamadas em um

Leia mais

SISTEMA DE PROGRAMAÇÃO E PLANEJAMENTO DE INSPEÇÃO DE

SISTEMA DE PROGRAMAÇÃO E PLANEJAMENTO DE INSPEÇÃO DE SISTEMA DE PROGRAMAÇÃO E PLANEJAMENTO DE INSPEÇÃO DE TUBULAÇÃO Romildo Rudek Junior Petrobras S.A. UN-REPAR Tadeu dos Santos Bastos Petrobras S.A. UN-REVAP Rui Fernando Costacurta Petrobras S.A. UN-REPAR

Leia mais

COMPARAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RADIOGRÁFICO DE ANÁLISES CEFALOMÉTRICAS DISTINTAS *Luciano Sampaio Marques; **Luiz Fernando Eto

COMPARAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RADIOGRÁFICO DE ANÁLISES CEFALOMÉTRICAS DISTINTAS *Luciano Sampaio Marques; **Luiz Fernando Eto 1 COMPARAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RADIOGRÁFICO DE ANÁLISES CEFALOMÉTRICAS DISTINTAS *Luciano Sampaio Marques; **Luiz Fernando Eto Resumo da monografia apresentada no curso de especilização em Ortodontia da Universidade

Leia mais

Métodos Matemáticos para Gestão da Informação

Métodos Matemáticos para Gestão da Informação Métodos Matemáticos para Gestão da Informação Aula 05 Taxas de variação e função lineares III Dalton Martins dmartins@gmail.com Bacharelado em Gestão da Informação Faculdade de Informação e Comunicação

Leia mais

ANEXO IV PROCEDIMENTOS PARA CONTAGEM DE COLÔNIAS

ANEXO IV PROCEDIMENTOS PARA CONTAGEM DE COLÔNIAS ANEXO IV PROCEDIMENTOS PARA CONTAGEM DE COLÔNIAS 1. INTRODUÇÃO A aplicação de procedimentos de controle durante o processo analítico visa à garantia da confiabilidade do resultado final, assegurando a

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA Data: Nome do Paciente: Orientador(es): Nome do Aluno: QUALIFICAÇÃO Nacionalidade: Naturalidade: Etnia: Gênero: Data Nascimento: IDADE: Anos: Meses: Endereço: Bairro:

Leia mais

INFLUÊNCIA DA ANGULAÇÃO DOS DENTES ANTERIORES NO PERÍMETRO DO ARCO SUPERIOR

INFLUÊNCIA DA ANGULAÇÃO DOS DENTES ANTERIORES NO PERÍMETRO DO ARCO SUPERIOR INFLUÊNCIA DA ANGULAÇÃO DOS DENTES ANTERIORES NO PERÍMETRO DO ARCO SUPERIOR THE EFECT OF INCISORS AND CANINES TEETH ANGULATION ON SUPERIOR ARCH PERIMETER Capelozza,L.F e Cordeiro, A.S 1. Introdução: A

Leia mais

Análises de modelos: uma revisão da literatura

Análises de modelos: uma revisão da literatura Revisão de Literatura Análises de modelos: uma revisão da literatura Raul Couto Leal*, Leila Nilce Tanque*, Stella Angélica de Souza Gouveia**, Elvira Gomes Carmadella*** Resumo As análises de modelos

Leia mais

E A D - S I S T E M A S L I N E A R E S INTRODUÇÃO

E A D - S I S T E M A S L I N E A R E S INTRODUÇÃO E A D - S I S T E M A S L I N E A R E S INTRODUÇÃO Dizemos que uma equação é linear, ou de primeiro grau, em certa incógnita, se o maior expoente desta variável for igual a um. Ela será quadrática, ou

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO ESTUDAR COM ATENÇÃO AMPLIAR AS IMAGENS PARA OBSERVAR OS DETALHES O periodonto (peri= em redor de; odontos = dente) compreende a gengiva, o ligamento periodontal,

Leia mais

Resumo. Maria Bernadete Barison apresenta aulas práticas sobre RETAS em Desenho Geométrico. Geométrica vol.1 n.1d. 2006 RETAS CAD

Resumo. Maria Bernadete Barison apresenta aulas práticas sobre RETAS em Desenho Geométrico. Geométrica vol.1 n.1d. 2006 RETAS CAD 1 1. INTRODUÇÃO. RETAS CAD Iniciaremos o estudo das retas construindo no CAD alguns exercícios já construídos na aula teórica utilizando a régua e o compasso. Entretanto, o nosso compasso aqui será o comando

Leia mais

Borracha Natural - conservação amônia. vulcanizado. Sintéticos carvão,petróleo e álcoois vegetais TIPOS DE ELÁSTICOS

Borracha Natural - conservação amônia. vulcanizado. Sintéticos carvão,petróleo e álcoois vegetais TIPOS DE ELÁSTICOS Curso de Aperfeiçoamento em Ortodontia Elásticos TIPOS DE ELÁSTICOS Borracha Natural - conservação amônia sensível ao ozônio vulcanizado Sintéticos carvão,petróleo e álcoois vegetais Elasticidade é a propriedade

Leia mais

As peças a serem usinadas podem ter as

As peças a serem usinadas podem ter as A U A UL LA Fresagem As peças a serem usinadas podem ter as mais variadas formas. Este poderia ser um fator de complicação do processo de usinagem. Porém, graças à máquina fresadora e às suas ferramentas

Leia mais

Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3

Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3 Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3 Teorias da Administração Aula 3 Teoria Científica Taylorismo (Continuação) Taylor observou que, ao realizar a divisão de tarefas, os operários

Leia mais