Representação e Interpretação de Escalas em Gráficos por Alunos do 5º Ano

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Representação e Interpretação de Escalas em Gráficos por Alunos do 5º Ano"

Transcrição

1 Representação e Interpretação de Escalas em Gráficos por Alunos do 5º Ano GD12 Ensino de Probabilidade e Estatística Betânia Evangelista 1 Resumo O presente artigo discute as contribuições de uma intervenção de ensino sobre escalas realizadas com 24 alunos do 5º ano do Ensino Fundamental a partir de situações que abordam o conceito de escala em atividades de medidas de comprimento. Mais especificamente, apresenta como esses alunos representaram e interpretaram valores nas escalas dos dois tipos de gráficos (barras e linha). Percebemos que houve avanços significativos após a intervenção de ensino. Os alunos conseguiram avançar na compreensão de todas as habilidades exploradas nas atividades (representar e interpretar), independente do tipo de gráfico utilizado. Dessa forma, os alunos dos anos iniciais do Ensino Fundamental podem e devem ser incentivados a refletir sobre escalas representadas em gráficos para que se apropriem desse tipo de representação. Palavras-Chave: Escala. Gráfico. Representar e Interpretar. Anos Iniciais do Ensino Fundamental. Introdução De forma intencional ou não, lidamos constantemente com a noção de escala em nosso dia-a-dia, mediante a leitura de mapas, de gráficos, planta de imóvel, instrumentos de medições e outros. Diante disso, a compreensão da mesma se torna fundamental para o entendimento de diversas situações do cotidiano. A utilização da escala perpassa também por diferentes conteúdos matemáticos, como proporcionalidade, leitura de mapas e gráficos, medidas de comprimento, construção de figuras e outros. Essas várias formas de uso de escala evidenciam uma função articuladora importante tanto com a Matemática, quanto com as outras áreas do conhecimento, como Geografia, Cartografia, Engenharia, etc. Os Parâmetros Curriculares Nacionais de Matemática - PCN (BRASIL, 1997), inclusive indicam que o aprendizado da escala pode ser desenvolvido em todos os blocos de conteúdos (Número e Operações, Espaço e Forma, Grandezas e Medidas, Tratamento da Informação), possibilitando uma riqueza de conexão entre esses conteúdos. Entretanto, o conceito de escala nem sempre é explorado de forma intencional e sistemática, como argumentam Melo e Bellemain (2004). 1 Universidade Federal de Pernambuco, orientadora: Gilda Lisbôa Guimarães.

2 Como argumentam Friel, Curcio e Brigh (2001), a escala pode ser considerada um importante componente da estrutura do gráfico. Muitas vezes os estudantes são capazes de desenhar ou ler uma determinada informação na escala, mas têm pouca ideia de como escolher uma escala adequada para um determinado conjunto de dados a serem representados no gráfico. Tendo em vista que a compreensão da escala pode ser considerada um instrumento fundamental para o entendimento das informações presentes nos gráficos, a mesma precisa ser foco no ensino aprendizagem. Essas representações são frequentemente utilizadas pelas mídias como um recurso que possibilita informar de forma rápida e resumida os acontecimentos ocorridos na sociedade. No entanto, um aspecto que merece nossa atenção é quanto à manipulação da escala. Monteiro (2006a; 2006b) percebeu que os gráficos vêm sendo utilizados frequentemente pelos meios de comunicação de massa, mas podem encobrir ou realçar determinados aspectos da notícia em função dos objetivos de quem a publica. Essas imagens distorcidas das informações que são exibidas na representação levam o leitor a tirar conclusões imprecisas de um determinado assunto. Segundo Rego (2004) existe alguns fatores que podem interferir nos processos que conduzem à compreensão gráfica. Dentre estes podemos destacar a compreensão da representação na reta, percepção da natureza das grandezas, o processo de medir, o sistema métrico decimal, o uso de escalas e suas subdivisões. Guimarães (2002), Albuquerque (2010), argumentam que os alunos não compreendem que existe uma continuidade numérica entre os intervalos da escala e a proporcionalidade entre os valores. Assim, ressaltam a necessidade de um trabalho sistemático e inter-relacionado, no qual leve o aluno a refletir sobre a importância e a funcionalidade da utilização da escala, bem como, compreender a grandeza comprimento, discutindo as unidades de medida e suas subunidades. Diante disso, esse artigo discute as contribuições de uma intervenção de ensino sobre escalas representadas em gráficos de barras e linhas com alunos do 5º ano do Ensino Fundamental, a partir de atividades de medidas de comprimento.

3 Método Nesse artigo apresentamos os resultados de uma intervenção de ensino realizada com 24 alunos de uma turma de 5º ano de uma escola pública do Recife referente a aprendizagem de representação e interpretação de escalas a partir de atividades de Medidas de Comprimento (MC). A coleta de dados ocorreu em três etapas distintas, no período normal de aula dos alunos. A primeira consistiu na aplicação de um pré-teste com 4 (quatro) questões para diagnóstico do conhecimento dos alunos. Na segunda etapa foi realizada uma intervenção de ensino, com dois encontros de aproximadamente uma hora e meia, com atividade sobre medidas de comprimento. Na terceira etapa foi realizado um pós-teste com 4 (quatro) questões similares ao do pré-teste para avaliar a possível contribuição da intervenção sobre a aprendizagem de escala. Todas as questões utilizadas nos testes envolviam atividades de localização e interpretação de valores nas escalas representadas em gráficos de barras e de linha, conforme apresentamos abaixo. A primeira questão do pré-teste e do pós-teste buscou observar a habilidade dos alunos em representar adequadamente valores na escala em gráfico de barras. Esperava-se que os alunos respeitassem a ordem de grandeza dos números e a proporcionalidade existente entre os mesmos 2. Pré-teste 1 - No gráfico abaixo estão representadas os pesos das pessoas que fazem parte da família de Amanda. Na hora de construir a escala que apresenta a massa (kg), alguns valores não foram colocados. Complete, registrando os valores 30, 80 e 50. Pós-teste 1 - O gráfico abaixo mostra o resultado de uma pesquisa realizada com os alunos da escola Paraíso sobre o tipo de transporte utilizado pelos alunos. Na hora de construir a escala que apresenta a quantidade de alunos, alguns valores não foram colocados. Complete, registrando os valores 20, 70 e 50. Figura 1: 1ª questão dos testes Representar valores na escala em gráfico de barras 2 Fonte: Passos & Passos, (2011b, p. 206).

4 A segunda questão dos dois testes objetivou avaliar a habilidade dos alunos em representar adequadamente valores na escala do gráfico de linha simples. Os valores a serem colocados no eixo vertical foram fornecidos pelo enunciado da questão e esperavase que representassem na ordem numérica e proporcional 3. Pré-teste 2 - O gráfico abaixo apresentada a venda de CDs no Brasil no período de 2000 a Na hora de construir a escala que representa a quantidade de CDs vendidos, alguns valores não foram colocados, complete registrando os valores 40, 60 e 30. Pós-teste 2 - Renato e seus colegas acompanharam o número de livros retirados da biblioteca do seu bairro, do início do ano 2012 até o fim do mês de julho do mesmo ano. Na hora de construir a escala que representa quantidade de livros, alguns valores não foram colocados. Complete registrando os valores 50, 80 e 30. Figura 2: 2ª questão dos testes Representar valores na escala em gráfico de linha A terceira questão explorava a capacidade dos alunos em localizar valores implícitos na escala do gráfico de barras 4. Esperava-se que os participantes ao observar a escala do gráfico, indicassem os valores correspondentes das barras que não apresentavam as mesmas. Pré-teste 3 - As despesas mensais de uma família no ano de 2011 estão representadas no gráfico abaixo. Observe a escala do gráfico e escreva os valores que estão faltando nas barras. Pós-teste 3 - O gráfico abaixo mostra a quantidade de brinquedos vendidos nos três primeiros meses do ano de 2012 pela loja Sonhos de Criança. Observe a escala do gráfico e escreva os valores que estão faltando nas barras. Figura 3: 3ª questão dos testes Interpretar valores na escala no gráfico de barras 3 Fonte: Lima, I. B. (2010, p. 153). 4 Fonte: Passos & Passos, (2011a, p. 123).

5 A quarta questão dos dois testes objetivou avaliar a capacidade dos alunos em localizar valores implícitos na escala de gráfico de linha simples 5. Alguns desses valores foram retirados. A partir da leitura da escala os alunos deveriam indicar os valores que foram retirados. Pré-teste 4 - O gráfico abaixo representa o crescimento da população do Brasil no período de 1960 a Observe a escala do gráfico e escreva os valores dos pontos identificados no gráfico e que não foram representados. Pós-teste 4 - Marcelo adora colecionar figurinhas. O gráfico abaixo mostra a quantidade de figuras que ele colecionou em sete anos. Observe a escala do gráfico e escreva os valores dos pontos identificados no gráfico e que não foram representados. Figura 4: 4ª questões dos testes Interpretar valores na escala no gráfico de linha A intervenção de ensino realizada com esses alunos explorava atividades de medidas de comprimento. A escolha em trabalhar com esse tipo de contexto foi em função de que o conceito de escala é visto em atividades em livros didáticos que exploram situações de medida de comprimento, de reta numérica, de mapas e de gráficos, conforme Evangelista e Guimaraes (2013). Dessa forma, optamos por realizar a intervenção de ensino considerando situações de medida de comprimento, que não envolviam diretamente a representação em gráficos, para justamente investigar a possibilidade dessa atividade, usualmente propostas nos livros didáticos, contribuir com a aprendizagem de leitura e interpretação de escalas em gráficos de barras e de linha. A intervenção de ensino ocorreu em dois momentos de aproximadamente 1 hora e meia cada uma. Nos encontros, foi entregue para os alunos um caderno com atividades e era solicitado que respondessem uma questão por vez. A pesquisadora realizava a leitura das questões e, após a execução de cada atividade, era realizada uma correção coletiva no 5 Fonte: Passos & Passos, (2011a, p. 122).

6 quadro sobre a mesma, estimulando uma reflexão acerca do que foi explorado no exercício. Em seguida, era apresentada a segunda questão e, assim, sucessivamente. Nessa reflexão durante a correção das atividades buscou-se trabalhar com os valores apresentados na escala e suas subdivisões. Eram ressaltados os valores explícitos e quais poderiam ser os valores intermediários em função da proporcionalidade. Apresentamos abaixo uma atividade que exploramos na intervenção. A atividade (figura 5) trabalhada na intervenção de ensino com o grupo MC teve por finalidade fazer com que os alunos determinassem a distância entre os trechos de um percurso a partir de referenciais. Para isso, era necessário que os alunos compreendessem que a escala utilizada nesse itinerário estava graduada de 100 em 100 unidades, embora os valores dessas graduações não estivessem visíveis na escala. Buscando refletir sobre os valores apresentados nas medições realizadas, bem como das subdivisões existentes entre cada trecho do percurso, e a proporcionalidade entre os valores explorados nesse percurso. Marcos vive a 500 metros da escola. Ele fez um desenho explicando a distância entre a casa dele e a escola e percebeu que, dividindo essa distância em partes iguais, ele poderia marcar a posição da casa se seu mellhor amigo, Guilherme, da padaria e da praça da igreja. Diante disso, responda: Qual a distância entre a casa de de Guilheme e a escola? Qual a distância entre a padaria e a praça da igreja? Qual a distância entre a casa de Marcos e a praça da igreja? Qual a distância entre a padaria e a escola? Figura 5: Atividade trabalhada na intervenção que explorava o contexto de medida de comprimento e que envolvia o conceito de escala 6 Resultados e discussões Constatamos que houve uma melhora considerável de aprendizagem após a intervenção de ensino. No pré-teste apenas 11,5% dos alunos conseguiram acertar questões, já no pós-teste 44% dos alunos obtiveram êxito. Segundo o teste de proporção McNemar, a diferença de desempenho entre o pré-teste e o pós-teste foi bastante significativa (p=.016, n=24). 6 Fonte: Smole, Diniz e Vlademir, (2011, p. 122).

7 Uma vez verificado o avanço dos alunos antes e depois da intervenção, apresentamos na Tabela 1 os percentuais de acertos dos alunos em cada questão dos testes. Tabela 1: Percentuais do grupo por questão e por fase Questões Teste Pré % Pós % 1ª 12,5 45,8 2ª 12,5 41,7 3ª 8,3 58,3 4ª 12,5 29,2 Como cada questão envolvia uma habilidade diferente em relação à escala representada em gráficos, fizemos uma análise de cada uma delas, em função dessas habilidades, da seguinte forma: 1ª questão Representar valores na escala de um gráfico de barras; 2ª questão Representar valores na escala de um gráfico de linha simples; 3ª questão Localizar valores implícitos na escala de um gráfico de barras; 4ª questão Localizar valores implícitos na escala de um gráfico de linha simples. Dessa forma, notamos que na primeira questão do pré-teste o grupo apresentou um fraco desempenho, no entanto, no pós-teste constatamos um progresso. Para comparar o percentual de desempenho obtido entre o pré-teste e pós-teste realizamos o teste de proporção McNemar. Desse modo o grupo apresentou uma diferença significativa (p=.008, n=24) entre os testes. Quanto à segunda questão, novamente, no pré-teste os alunos apresentaram um baixo desempenho, mas no pós-teste constatamos avanços considerável. O grupo apresentou diferença significativa entre as fases (pré e pós), de acordo com o teste de McNemar (p=.039, n=24). Comparando os desempenhos do grupo nessas duas questões (1ª e 2ª), em que trabalhamos a habilidade representar valores na escala, diferenciando apenas o tipo de gráfico, constatamos que, independente dos gráficos (barras ou linha) utilizados nas atividades dos testes, os alunos não apresentaram diferenças significativas em seus desempenhos. Entretanto, Albuquerque (2010) encontrou resultados contrários, evidenciando que os alunos tem mais facilidade em analisar informações representadas em gráficos de barras do que em gráficos de linha. Essa situação pode ser explicada pela pouca frequência de

8 atividades nos livros didáticos de Matemática que explorem os gráficos de linhas, como foi levantado por Guimarães, Gitirana, Cavalcanti e Marques (2007). Acrescido a isso, os gráficos de barras também são os mais explorados pela mídia impressa, o que os torna mais familiares para os alunos. Quanto à terceira questão, percebemos que no pré-teste o grupo também apresentou um fraco desempenho, mas após a intervenção de ensino constatamos progresso significativo (p.000, n=24) entre o pré e pós, conforme o teste de McNemar. Guimarães (2002) trabalhando com alunos do 4º ano, Albuquerque (2010) com alunos do 5º ano e Lima (2005) também com alunos do 5º ano do Ensino Fundamental afirmaram que localizar valores implícitos na escala é uma habilidade que os alunos sentem bastante dificuldade. Também observamos essas dificuldades no pré-teste, entretanto, quando os alunos foram trabalhados de forma sistemática, passaram a apresentar um desempenho bem superior. Esses resultados indicam que a intervenção de ensino, que explorava medidas de comprimento, contribuiu consideravelmente para que os mesmos localizassem os valores implícitos na escala do gráfico de barras. A partir desses resultados, fica explícita a possibilidade de alunos dos anos iniciais compreenderem uma escala, evidenciando-se, assim, a necessidade de um trabalho mais intenso nas escolas relativo ao tema. Na quarta questão observa-se que o grupo apresentou um fraco desempenho no pré e, após a intervenção, conseguiram avançar no pós-teste. No entanto, apesar do avanço não foi encontrada diferença significativa (p=.219, n=24) entre as fases. Assim, localizar valores implícitos na escala em gráficos de barras foi mais fácil do que em gráfico de linha, apresentando, inclusive, um desempenho significativamente diferente entre as duas questões (p=.016, n=24), a partir do teste McNemar. Esse dado evidencia a dificuldade de localizar valores implícitos na escala do gráfico de linha e a necessidade de um trabalho mais prolongado. Uma vez constatado o desempenho dos alunos em função das habilidades exploradas em cada uma das questões dos testes (representar e interpretar), acreditamos ser importante realizarmos uma comparação entre a 1ª e a 3ª questão, que apresentavam o mesmo tipo de gráfico (barras), mas exploram habilidades distintas, representar ou localizar valores na escala. Assim, apresentamos no Gráfico 1 os resultados obtidos pelos grupos na 1ª questão (representar) e na 3ª questão (localizar) no pré e no pós-teste.

9 Gráfico 1: Percentuais de acertos da 1ª e 3ª questão por fase Observamos que a atividade responsável por explorar a habilidade de representar valores na escala do gráfico de barras foi um pouco mais fácil no pré-teste do que a atividade de localizar, mas essas diferenças não são significativas. Após a intervenção, observa-se que o grupo apresentou um melhor desempenho nas duas questões, como já afirmamos anteriormente, sendo uma melhora acentuada na questão de localizar valores na escala. Entretanto, não foram encontradas diferenças significativas entre os dois tipos de questão no pós-teste, indicando que o tipo de habilidade não foi determinante para influenciar o desempenho dos alunos quando os dados estavam representados nos gráficos de barras. Da mesma forma, acreditamos ser importante realizar uma comparação entre os resultados obtidos na 2ª e na 4ª questão, uma vez que as atividades apresentam gráficos de linha simples, mas habilidades diferentes: representar ou localizar valores na escala. Desse modo, apresentamos no Gráfico 2 os resultados obtidos na 2ª e na 4ª questão. Gráfico 2: Percentuais de acertos da 2ª e 4ª questão por fase Encontramos resultados bastante semelhantes à comparação anterior. Não foram encontradas diferenças significativas entre os dois tipos de questão no pós-teste, indicando

10 que o tipo de habilidade não foi determinante para influenciar o desempenho dos alunos quando os dados estavam representados nos gráficos de linha também. Assim, podemos afirmar que as atividades exploradas na intervenção com os alunos auxiliaram, tanto na representação quanto na localização de valores implícitos na escala de gráficos de barra e de linha. Diante dos nossos resultados, vimos que é possível promover a aprendizagem dos alunos sobre os conceitos relacionados à escala, através de contextos diferentes do gráfico, e que são facialmente encontrados nos livros didáticos. Uma vez que, exploramos a situação de medida de comprimento em nossa intervenção de ensino e conseguimos avanços significativos com esses alunos, em tão pouco tempo. Referências ALBUQUERQUE, R. G. C. Como adultos e crianças compreendem a escala representada em gráficos. Dissertação (mestrado) - Programa de Pós-graduação em Educação Matemática e tecnológica - Universidade Federal de Pernambuco. CE, BRASIL. Ministério da Educação e Desposto, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetro Curriculares Nacionais de Matemática do Ensino Fundamental I 1ª à 4ª série. Brasília, DF, EVANGELISTA, M. B; e GUIMARÃES, G. L. Analise de atividade de livros didáticos de matemática do 4º e 5º ano que exploram o conceito de escala. In: VII Congreso Iberomericano de Educación Matemática CIBEM. Anais... Montevideo, FRIEL, S.; CURCIO, F.; BRIGHT, G. Making sense of graphs: critical factors influencing comprehension and instructional implications. Journal for Research in Mathematics Education 32(2), , GUIMARÃES, G. L. Interpretando e Construindo Gráficos de Barras. Tese (Doutorado em Psicologia Cognitiva). Universidade Federal de Pernambuco, Recife, GUIMARÃES, G. L.; GITIRANA, V. G. F.; CAVALCANTI, M.; MARQUES, M. Livros didáticos de matemática nos anos iniciais: análise das atividades sobre gráficos e tabelas. In IX Encontro Nacional de Educação Matemática, Anais... Belo Horizonte, LIMA, R. C. R. Introduzindo o conceito de média aritmética na 4ª série do Ensino Fundamental usando o ambiente computacional. Dissertação (mestrado) - Programa de Pós-graduação em Educação Matemática - Universidade Católica de São Paulo. São Paulo, 2005.

11 MELO, M. S. L.; BELLEMAIN, P. M. B. Ensino e a aprendizagem do conceito de escala, no quarto ciclo do Ensino Fundamental, à luz da teoria dos campos conceituais. In: VIII Encontro Nacional de Educação Matemática ENEM. Anais..., Recife, MONTEIRO, C. E. F. Investigando o Senso Crítico na Interpretação de Gráficos entre professores em formação inicial. In: Reunião Anual da Associação Nacional de Pós- Graduação em Educação. Anais... Caxambú - MG, 2006a. MONTEIRO, C. Estudantes de Pedagogia refletindo sobre gráficos da mídia impressa. In: Seminário internacional de Pesquisa em Educação Matemática I SIPEMAT. Anais..., Recife, 2006b. REGO, A. L. B. A representação gráfica no cotidiano e na sala de aula. In: VIII Encontro Nacional de Educação Matemática. Anais... Recife, PASSOS, M. M.; PASSOS, A. M. De olho no futuro: Matemática 4º ano. 1ª edição, São Paulo: Quinteto Editorial, 2011a. PASSOS, M. M.; PASSOS, A. M. De olho no futuro: Matemática 5º ano. 1ª edição, São Paulo: Quinteto Editorial, 2011b.

Atividades de interpretação de gráficos de barras e linhas: o que sabem os alunos do 5º ano?

Atividades de interpretação de gráficos de barras e linhas: o que sabem os alunos do 5º ano? Atividades de interpretação de gráficos de barras e linhas: o que sabem os alunos do 5º ano? Maria Betânia Evangelista UFPE EDUMATEC - Brasil Resumo Esse estudo teve como objetivo analisar o desempenho

Leia mais

Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Médio Regular e EJA

Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Médio Regular e EJA Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Fabiano Fialho Lôbo Universidade Federal de Pernambuco fabiano_lobo@yahoo.com.br Luciana Rufino de Alcântara Universidade

Leia mais

Análise de Atividades Gráficas Desenvolvidas no Curso de Pedagogia

Análise de Atividades Gráficas Desenvolvidas no Curso de Pedagogia Análise de Atividades Gráficas Desenvolvidas no Curso de Pedagogia Patrícia Lemos 1, UFPI - PUC/SP 2, Brasil - mpflemos@gmail.com Maria José Ferreira da Silva, PUC/SP, Brasil - zeze@pucsp.br Área Temática:

Leia mais

ALUNOS DO 7º ANO CONSTRUINDO GRÁFICOS E TABELAS

ALUNOS DO 7º ANO CONSTRUINDO GRÁFICOS E TABELAS ALUNOS DO 7º ANO CONSTRUINDO GRÁFICOS E TABELAS Introdução Paulo Marcos Ribeiro pmribeirogen2@hotmail.com Betânia Evangelista mbevangelista@hotmail.com Fabíola Santos M. de A. Oliveira fabiprestativa@hotmail.com

Leia mais

Compreensão de escalas representadas em gráficos por alunos adultos pouco escolarizados

Compreensão de escalas representadas em gráficos por alunos adultos pouco escolarizados Compreensão de escalas representadas em gráficos por alunos adultos pouco escolarizados Bezerra, Lucicleide 1; Guimarães, Gilda 2 UFPE Resumo Este estudo investigou a compreensão de alunos da Educação

Leia mais

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática.

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática. PRÓ-MATEMÁTICA 2012: UM EPISÓDIO DE AVALIAÇÃO Edilaine Regina dos Santos 1 Universidade Estadual de Londrina edilaine.santos@yahoo.com.br Rodrigo Camarinho de Oliveira 2 Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT

DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT Silmara Alexandra da Silva Vicente Universidade Presbiteriana Mackenzie Gisela Hernandes Gomes Universidade Presbiteriana

Leia mais

EXPLORANDO O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL POR MEIO DA MODELAGEM MATEMÁTICA

EXPLORANDO O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL POR MEIO DA MODELAGEM MATEMÁTICA ISSN 2177-9139 EXPLORANDO O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL POR MEIO DA MODELAGEM MATEMÁTICA. Caroline Conrado Pereira 1 caroline_conrado@ymail.com Centro Universitário Franciscano, Rua Silva Jardim, 1175 Santa

Leia mais

Concentração de soluções: A dificuldade de interpretação das grandezas massa e volume

Concentração de soluções: A dificuldade de interpretação das grandezas massa e volume Concentração de soluções: A dificuldade de interpretação das grandezas massa e volume José Fabiano Serafim da Silva Professor SEDUC PE, aluno Especial EDUMATEC UFPE Brasil professorfabioestrelamat4676@hotmail.com

Leia mais

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 Claudemir Monteiro Lima Secretária de Educação do Estado de São Paulo claudemirmonteiro@terra.com.br João

Leia mais

ATIVIDADES SOBRE GRÁFICOS EM LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL

ATIVIDADES SOBRE GRÁFICOS EM LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 ATIVIDADES SOBRE GRÁFICOS EM LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL Marcos Diego de Menezes 1 Liliane M. T. Lima de Carvalho 2 RESUMO O artigo apresenta pesquisa que identifica e caracteriza

Leia mais

Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO. Introdução

Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO. Introdução Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO Introdução Segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) o conteúdo Tratamento da Informação, deve ser trabalhado de modo que estimule os alunos a fazer perguntas,

Leia mais

GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO

GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO André Luís Mattedi Dias mattedi@uefs.br Jamerson dos Santos Pereira pereirajamerson@hotmail.com Jany Santos Souza Goulart janymsdesenho@yahoo.com.br

Leia mais

Concepções de Professores que Ensinam Matemática para os Anos Iniciais a Respeito do Campo Conceitual Aditivo no Âmbito do Observatório da Educação

Concepções de Professores que Ensinam Matemática para os Anos Iniciais a Respeito do Campo Conceitual Aditivo no Âmbito do Observatório da Educação Concepções de Professores que Ensinam Matemática para os Anos Iniciais a Respeito do Campo Conceitual Aditivo no Âmbito do Observatório da Educação Valdir Amâncio da Silva 1 Angélica da Fontoura Garcia

Leia mais

Diagnosticando conhecimentos matemáticos requeridos nas provas do ENEM

Diagnosticando conhecimentos matemáticos requeridos nas provas do ENEM Diagnosticando conhecimentos matemáticos requeridos nas provas do ENEM Maria das Dores de Morais Brasil dora.pe@gmail.com Leonardo de Morais UFPE Brasil leonardob.morais@gmail.com Resumo Este trabalho

Leia mais

INVESTIGANDO O DESEMPENHO DE JOVENS E ADULTOS NA CONSTRUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE GRÁFICOS

INVESTIGANDO O DESEMPENHO DE JOVENS E ADULTOS NA CONSTRUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE GRÁFICOS INVESTIGANDO O DESEMPENHO DE JOVENS E ADULTOS NA CONSTRUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE GRÁFICOS Izauriana Borges Lima 1 Universidade Federal de Pernambuco dainha.borges@hotmail.com Ana Coêlho Vieira Selva 2 Universidade

Leia mais

AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DO 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL NA COMPREENSÃO DE EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES

AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DO 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL NA COMPREENSÃO DE EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DO 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL NA COMPREENSÃO DE EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES Silmara Cristina Manoel UNESP Ilha Solteira Silmaracris2@hotmail.com Inocêncio Fernandes Balieiro Filho

Leia mais

O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES

O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES Marcos Aurélio Alves e Silva- UFPE/CAA Alcicleide Ramos da Silva- UFPE/CAA Jucélia Silva Santana- UFPE/CAA Edelweis José Tavares Barbosa- UFPE/CAA

Leia mais

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES Poliana de Brito Morais ¹ Francisco de Assis Lucena² Resumo: O presente trabalho visa relatar as experiências

Leia mais

LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Letramento Matemático; Reforço Escolar; SAERJINHO.

LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Letramento Matemático; Reforço Escolar; SAERJINHO. LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR Agnaldo da Conceição Esquincalha PUC-SP/PUC-Rio/Fundação CECIERJ aesquincalha@gmail.com Resumo: Neste texto elenca-se um

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA COM A MODELAGEM MATEMÁTICA POR MEIO DO ESTUDO DA RITALINA NO ORGANISMO

UMA EXPERIÊNCIA COM A MODELAGEM MATEMÁTICA POR MEIO DO ESTUDO DA RITALINA NO ORGANISMO UMA EXPERIÊNCIA COM A MODELAGEM MATEMÁTICA POR MEIO DO ESTUDO DA RITALINA NO ORGANISMO Renata Karoline Fernandes Universidade do Norte do Paraná/Universidade Estadual de Londrina renatakaroline@hotmail.com

Leia mais

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DO CAMPO ADITIVO: UM ESTUDO SOBRE DADOS QUANTITATIVOS DE UMA PESQUISA

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DO CAMPO ADITIVO: UM ESTUDO SOBRE DADOS QUANTITATIVOS DE UMA PESQUISA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DO CAMPO ADITIVO: UM ESTUDO SOBRE DADOS QUANTITATIVOS DE UMA PESQUISA José Fernando Fernandes Pereira Universidade Cruzeiro do Sul jnandopereira@gmail.com Resumo: O presente texto

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

Estudo de funções parte 2

Estudo de funções parte 2 Módulo 2 Unidade 13 Estudo de funções parte 2 Para início de conversa... Taxa de desemprego no Brasil cai a 5,8% em maio A taxa de desempregados no Brasil caiu para 5,8% em maio, depois de registrar 6%

Leia mais

A LEITURA DE GRÁFICOS COM CRIANÇAS DA 4ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL

A LEITURA DE GRÁFICOS COM CRIANÇAS DA 4ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL A LEITURA DE GRÁFICOS COM CRIANÇAS DA 4ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL AUTORA: ROSANA C.R.DE LIMA 1 PUC/SP catarinarosana@uol.com.br ORIENTADORA: DRª. S ANDRA MAGINA 2 PUC-SP sandra@pucsp.br INTRODUÇÃO Nossa

Leia mais

II Congresso Internacional de Educação Cientifica e Tecnológica Santo Ângelo 2012

II Congresso Internacional de Educação Cientifica e Tecnológica Santo Ângelo 2012 A VISÃO DO PROFESSOR QUE ATUA NOS ANOS INCIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL SOBRE A UNIDADE DE MEDIDA DE SUPERFÍCIE O METRO QUADRADO Marta Burda Schastai 1 ; Sani de Carvalho Rutz de Silva 2 1 SME- Ponta Grossa/Ensino

Leia mais

UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES

UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES Taciany da Silva Pereira¹, Nora Olinda Cabrera Zúñiga² ¹Universidade Federal de Minas Gerais / Departamento

Leia mais

PRÁTICAS METODOLÓGICAS PARA ENSINO E APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL

PRÁTICAS METODOLÓGICAS PARA ENSINO E APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL PRÁTICAS METODOLÓGICAS PARA ENSINO E APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL José Euriques de Vasconcelos Neto (UFCG); Dennis Cláudio Ferreira (UFCG) Resumo O atual sistema educacional tem buscado

Leia mais

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Projeto de formação de professores em Matemática Um projeto exclusivo

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas DOMÍNIO E IMAGEM DE UMA FUNÇÃO: UMA ABORDAGEM POR MEIO DO JOGO BINGO DAS FUNÇÕES Educação Matemática nos Anos Finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio (EMAIEFEM) GT 10 ADELSON CARLOS MADRUGA Universidade

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Silvana Bento de Melo Couto. Público Alvo: 3ª Fase

Leia mais

ATIVIDADES COM MATERIAIS CONCRETOS PARA O ENSINO DAS OPERAÇÕES ARITMÉTICAS

ATIVIDADES COM MATERIAIS CONCRETOS PARA O ENSINO DAS OPERAÇÕES ARITMÉTICAS ATIVIDADES COM MATERIAIS CONCRETOS PARA O ENSINO DAS OPERAÇÕES ARITMÉTICAS Maria da Conceição Alves Bezerra mcabst@hotmail.com Universidade Federal da Paraíba UFPB VIRTUAL RESUMO: Este minicurso tem como

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO USO DO LABORATÓRIO DE GEOMETRIA NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES

A IMPORTÂNCIA DO USO DO LABORATÓRIO DE GEOMETRIA NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES A IMPORTÂNCIA DO USO DO LABORATÓRIO DE GEOMETRIA NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES Kacieli de Lima Silva; Anne de Souza Cunha; Graciana Ferreira Dias; Jussara Patrícia Andrade Alves Paiva

Leia mais

Resumo. 1. Introdução

Resumo. 1. Introdução O SIGNIFICADO DE TERMOS RELATIVOS À ORDENAÇÃO NO TEMPO: A INFLUÊNCIA DO USO COTIDIANO EM UM CONHECIMENTO MATEMÁTICO. IGLIORI, S.; MARANHÃO, C. e SENTELHAS, S. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo,

Leia mais

ANALISANDO O USO DE JOGOS COMO AUXÍLIO NAS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM MATEMÁTICA

ANALISANDO O USO DE JOGOS COMO AUXÍLIO NAS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM MATEMÁTICA ANALISANDO O USO DE JOGOS COMO AUXÍLIO NAS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM MATEMÁTICA Amanda dos Santos Souza (Licencianda em Matemática/UFPB - amanda.souza13@hotmail.com) Carla Manuelle Silva de Almeida

Leia mais

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II 1 A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II Donizeth Henrique Aleluia Vieira 1 Paula Rodrigues de Souza 2 Suely Miranda Cavalcante Bastos 3 Resumo: Juntamente com o campo dos Números

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA MATEMÁTICA ALFA Título do Perímetro e área em situações reais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA MATEMÁTICA ALFA Título do Perímetro e área em situações reais SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA MATEMÁTICA ALFA Título do Perímetro e área em situações reais Podcast Área Matemática Segmento Ensino Fundamental Programa de Alfabetização de Jovens e Adultos Duração 6min32seg

Leia mais

A EXPLORAÇÃO DE SITUAÇÕES -PROBLEMA NA INTRODUÇÃO DO ESTUDO DE FRAÇÕES. GT 01 - Educação Matemática nos Anos Iniciais e Ensino Fundamental

A EXPLORAÇÃO DE SITUAÇÕES -PROBLEMA NA INTRODUÇÃO DO ESTUDO DE FRAÇÕES. GT 01 - Educação Matemática nos Anos Iniciais e Ensino Fundamental A EXPLORAÇÃO DE SITUAÇÕES -PROBLEMA NA INTRODUÇÃO DO ESTUDO DE FRAÇÕES GT 01 - Educação Matemática nos Anos Iniciais e Ensino Fundamental Adriele Monteiro Ravalha, URI/Santiago-RS, adrieleravalha@yahoo.com.br

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

Estudo de funções parte 2

Estudo de funções parte 2 Módulo 2 Unidade 3 Estudo de funções parte 2 Para início de conversa... Taxa de desemprego no Brasil cai a 5,8% em maio A taxa de desempregados no Brasil caiu para 5,8% em maio, depois de registrar 6%

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO SUPERIOR PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS Profª Msc. Clara Maria Furtado PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO CURRÍCULO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR PLANEJAMENTO DO CURSO OBJETIVOS

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 horas Semestre do Curso: 8º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 horas Semestre do Curso: 8º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Geografia Carga Horária Semestral: 80 horas Semestre do Curso: 8º 1 - Ementa (sumário, resumo) Ementa: O

Leia mais

PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS

PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS Profª. Msc. Clara Maria Furtado claramaria@terra.com.br clara@unifebe.edu.br PLANEJAMENTO Representa uma organização de ações em direção a objetivos bem definidos, dos recursos

Leia mais

O Processo de Adaptação de Tabelas e Gráficos Estatísticos Presentes em Livros Didáticos de Matemática em Braille. GD13 Educação Matemática e Inclusão

O Processo de Adaptação de Tabelas e Gráficos Estatísticos Presentes em Livros Didáticos de Matemática em Braille. GD13 Educação Matemática e Inclusão O Processo de Adaptação de Tabelas e Gráficos Estatísticos Presentes em Livros Didáticos de Matemática em Braille Rodrigo Cardoso dos Santos 1 GD13 Educação Matemática e Inclusão Resumo do trabalho. Por

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com 1 COMO COLOCAR AS TEORIAS ESTUDADAS NA FORMAÇÃO DO PNAIC EM PRÁTICA NA SALA DE AULA? REFLEXÕES DE PROFESSORES ALFABETIZADORES SOBRE O TRABALHO COM O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL Cláudia Queiroz Miranda

Leia mais

Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico

Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico José Carlos Coelho Saraiva 1 GD6 Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação à Distância

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DOS ENCARTES DE PREÇOS NA FORMAÇÃO DO ALUNO.

AS CONTRIBUIÇÕES DOS ENCARTES DE PREÇOS NA FORMAÇÃO DO ALUNO. AS CONTRIBUIÇÕES DOS ENCARTES DE PREÇOS NA FORMAÇÃO DO ALUNO. Autor: José Marcos da Silva Instituição: MIDS/Macaé E-mail:mzosilva@yahoo.com.br. RESUMO Na atualidade, é preciso que se crie novos métodos

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

A interpretação gráfica e o ensino de funções

A interpretação gráfica e o ensino de funções A interpretação gráfica e o ensino de funções Adaptado do artigo de Katia Cristina Stocco Smole Marília Ramos Centurión Maria Ignez de S. Vieira Diniz Vamos discutir um pouco sobre o ensino de funções,

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Língua Portuguesa Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário, resumo) Fundamentos

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas CONSTRUINDO CONCEITOS SOBRE FAMÍLIA DE FUNÇÕES POLINOMIAL DO 1º GRAU COM USO DO WINPLOT Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação Matemática (TICEM) GT 06 MARCOS ANTONIO HELENO DUARTE Secretaria

Leia mais

BRINCANDO COM GRÁFICOS E MEDINDO A SORTE

BRINCANDO COM GRÁFICOS E MEDINDO A SORTE BRINCANDO COM GRÁFICOS E MEDINDO A SORTE Elizabeth Pastor Garnier SEE/RJ Pedro Carlos Pereira - FAETEC Projeto Fundão IM/UFRJ Os Parâmetros Curriculares Nacionais propõem a introdução do tópico Tratamento

Leia mais

DESCOBRINDO ALTURAS POR MEIO DO TEOREMA DE TALES. GT 01 Educação Matemática no Ensino Fundamental: Anos Iniciais e Anos Finais

DESCOBRINDO ALTURAS POR MEIO DO TEOREMA DE TALES. GT 01 Educação Matemática no Ensino Fundamental: Anos Iniciais e Anos Finais DESCOBRINDO ALTURAS POR MEIO DO TEOREMA DE TALES GT 01 Educação Matemática no Ensino Fundamental: Anos Iniciais e Anos Finais Vanessa Faoro UNIJUÍ - vanefaoro@yahoo.com.br Kelly Pereira Duarte UNIJUÍ kelly_duartee@yahoo.com.br

Leia mais

Um espaço colaborativo de formação continuada de professores de Matemática: Reflexões acerca de atividades com o GeoGebra

Um espaço colaborativo de formação continuada de professores de Matemática: Reflexões acerca de atividades com o GeoGebra Um espaço colaborativo de formação continuada de professores de Matemática: Reflexões acerca de atividades com o GeoGebra Anne Caroline Paim Baldoni Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho,

Leia mais

A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática

A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática PROF. MS. JOSÉ JOÃO DE MELO (josejoaomelo@gmail.com) PROF ESP. AUGUSTO RATTI FILHO (gutoratti@outlook.com.br) PROF DR. ROGERIO

Leia mais

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Luna Abrano Bocchi Laís Oliveira O estudante autônomo é aquele que sabe em que direção deve avançar, que tem ou está em

Leia mais

ÁLBUM DE FOTOGRAFIA: A PRÁTICA DO LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 59. Elaine Leal Fernandes elfleal@ig.com.br. Apresentação

ÁLBUM DE FOTOGRAFIA: A PRÁTICA DO LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 59. Elaine Leal Fernandes elfleal@ig.com.br. Apresentação ÁLBUM DE FOTOGRAFIA: A PRÁTICA DO LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 59 Elaine Leal Fernandes elfleal@ig.com.br Graduada em pedagogia e fonoaudiologia, Pós-graduada em linguagem, Professora da Creche-Escola

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

Aprendizagem da Análise Combinatória nas séries iniciais do Ensino Fundamental

Aprendizagem da Análise Combinatória nas séries iniciais do Ensino Fundamental Aprendizagem da Análise Combinatória nas séries iniciais do Ensino Fundamental Ana Lydia Perrone 1 Sergio Minoru Oikawa 2 Fernando Antônio Moala 2 RESUMO Este estudo fez parte do projeto de pesquisa desenvolvido

Leia mais

RESOLUÇÃO DE SITUAÇÕES-PROBLEMA EM TRIGONOMETRIA

RESOLUÇÃO DE SITUAÇÕES-PROBLEMA EM TRIGONOMETRIA ISSN 2316-7785 RESOLUÇÃO DE SITUAÇÕES-PROBLEMA EM TRIGONOMETRIA Priscila Sonza Frigo Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões- Campus Santiago E-mail: prisaninho@hotmail.com Franciele

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: Matemática; Geometria; Aulas Investigativas. Introdução

Resumo. Palavras-chave: Matemática; Geometria; Aulas Investigativas. Introdução III Seminário sobre Educação Matemática A desigualdade triangular em diferentes mídias Paulo César da Penha pcpenha@terra.com.br GRUCOGEO/USF/ Secretaria da Educação de Itatiba-SP Resumo O relato de experiência

Leia mais

Programa de Formação Contínua em Matemática para Professores do 1º e 2º Ciclo do Ensino Básico

Programa de Formação Contínua em Matemática para Professores do 1º e 2º Ciclo do Ensino Básico Programa de Formação Contínua em Matemática para Professores do 1º e 2º Ciclo do Ensino Básico Organização espacial cadeia de tarefas. Referencias do PMEB Propósito principal de ensino Desenvolver nos

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1

SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1 SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1 QUEIROZ, Antônia Márcia Duarte Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais- IFSULDEMINAS Universidade

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

IV Colóquio Internacional Educação e Contemporaneidade ISSN 1982-3657

IV Colóquio Internacional Educação e Contemporaneidade ISSN 1982-3657 TEMAS DE BIOLOGIA MAIS FREQUENTES NO PROCESSO SELETIVO SERIADO (PSS) DA UFPB E OS CONTEÚDOS DE ENSINO DE BIOLOGIA, SEGUNDO OS ORIENTADORES CURRICULARES Alessandro Tomaz Barbosa 1, Marsílvio Gonçalves Pereira

Leia mais

ATIVIDADES DE INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA ABORDAGEM PRÁTICA

ATIVIDADES DE INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA ABORDAGEM PRÁTICA ATIVIDADES DE INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA ABORDAGEM PRÁTICA Fernanda Eloisa Schmitt Centro Universitário UNIVATES fschmitt@universo.univates.br Marli Teresinha Quartieri Centro Universitário UNIVATES

Leia mais

PLANO DE ENSINO. PROJETO PEDAGÓCIO 2013. Carga Horária Semestral: 80h. Semestre do Curso: 7º.

PLANO DE ENSINO. PROJETO PEDAGÓCIO 2013. Carga Horária Semestral: 80h. Semestre do Curso: 7º. PLANO DE ENSINO. PROJETO PEDAGÓCIO 2013. Curso: Pedagogia. Disciplina: Conteúdos e Metodologia de História Carga Horária Semestral: 80h. Semestre do Curso: 7º. 1 - Ementa (sumário, resumo) História como

Leia mais

Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia

Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia PAOLA GENTILE Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia A forma como se lê um texto varia mais de acordo com o objetivo proposto do que com o gênero, mas você pode ajudar o aluno a entender

Leia mais

V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014. Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO.

V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014. Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO. V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014 Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO. RESUMO Adriana Vieira de Lima Colégio Marista Arquidiocesano

Leia mais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia I nvestigativa Escolha de uma situação inicial: Adequado ao plano de trabalho geral; Caráter produtivo (questionamentos); Recursos (materiais/

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

Desnaturalização e estranhamento: experiência do PIBID em Sociologia. Anabelly Brederodes Cássio Tavares

Desnaturalização e estranhamento: experiência do PIBID em Sociologia. Anabelly Brederodes Cássio Tavares Desnaturalização e estranhamento: experiência do PIBID em Sociologia Anabelly Brederodes Cássio Tavares Resumo O trabalho tem como objetivo refletir sobre a prática de ensino e aprendizagem, como um processo

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

BLOG COMO FERRAMENTA DE ENSINO. Palavras chaves:educação Matemática,Tecnologia, ensino-aprendizagem

BLOG COMO FERRAMENTA DE ENSINO. Palavras chaves:educação Matemática,Tecnologia, ensino-aprendizagem Desenvolvendo o Pensamento Matemático em Diversos Espaços Educativos 27 a 29 de Novembro UEPB Campina Grande, Paraíba. 2014 BLOG COMO FERRAMENTA DE ENSINO Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL 05/2014

PROCESSO SELETIVO EDITAL 05/2014 PROCESSO SELETIVO EDITAL 05/2014 CARGO E UNIDADES: Professor de Educação Infantil e Fundamental (MACAÍBA) Atenção: NÃO ABRA este caderno antes do início da prova. Tempo total para resolução desta prova:

Leia mais

O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM

O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM Justificativa ABREU,Tamires de Sá 1 BARRETO, Maria de Fátima Teixeira² Palavras chave: crenças, matemática, softwares, vídeos.

Leia mais

PRINCÍPIO FUNDAMENTAL DA CONTAGEM: ESTUDANTES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA RESOLVENDO PROBLEMAS COMBINATÓRIOS

PRINCÍPIO FUNDAMENTAL DA CONTAGEM: ESTUDANTES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA RESOLVENDO PROBLEMAS COMBINATÓRIOS PRINCÍPIO FUNDAMENTAL DA CONTAGEM: ESTUDANTES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA RESOLVENDO PROBLEMAS COMBINATÓRIOS Juliana Azevedo Universidade Federal de Pernambuco azevedo.juliana1987@gmail.com Adryanne

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS

A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS Prof. Dra. Simone Sendin Moreira Guimarães Instituto de Ciências Biológicas/ICB Universidade Federal

Leia mais

O USO DO COMPUTADOR (GEOGEBRA) E DO LOGOTIPO DO MC DONALD S NO ESTUDO DA FUNÇÃO DO 2º GRAU

O USO DO COMPUTADOR (GEOGEBRA) E DO LOGOTIPO DO MC DONALD S NO ESTUDO DA FUNÇÃO DO 2º GRAU O USO DO COMPUTADOR (GEOGEBRA) E DO LOGOTIPO DO MC DONALD S NO ESTUDO DA FUNÇÃO DO 2º GRAU Elda Vieira Tramm/UFBa/EMFoco Jussara G. Araújo Cunha/SEC/Ba/EMFoco Nosso Desafio Construir o m do Mc Donald s

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e Apresentação Este livro tem o objetivo de oferecer aos leitores de diversas áreas do conhecimento escolar, principalmente aos professores de educação infantil, uma leitura que ajudará a compreender o papel

Leia mais

META 5 Alfabetizar todas as crianças, no máximo, até o final do 3º (terceiro) ano do Ensino Fundamental.

META 5 Alfabetizar todas as crianças, no máximo, até o final do 3º (terceiro) ano do Ensino Fundamental. META 5 Alfabetizar todas as crianças, no máximo, até o final do 3º (terceiro) ano do Ensino Fundamental. Diagnóstico Um dos fatores que comprometem a permanência das crianças na escola é a repetência,

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES PARA UMA ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA: ANALISANDO ABORDAGENS DA PRIMEIRA LEI DE NEWTON EM LIVROS DIDÁTICOS DE FÍSICA

CONTRIBUIÇÕES PARA UMA ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA: ANALISANDO ABORDAGENS DA PRIMEIRA LEI DE NEWTON EM LIVROS DIDÁTICOS DE FÍSICA CONTRIBUIÇÕES PARA UMA ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA: ANALISANDO ABORDAGENS DA PRIMEIRA LEI DE NEWTON EM LIVROS DIDÁTICOS DE FÍSICA Andrew Stanley Raposo 1, Tayse Raquel dos Santos 2, Katemari Rosa 3 Unidade

Leia mais

TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO NO ENSINO FUNDAMENTAL: PROPOSTAS CURRICULARES E LIVROS DIDÁTICOS

TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO NO ENSINO FUNDAMENTAL: PROPOSTAS CURRICULARES E LIVROS DIDÁTICOS TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO NO ENSINO FUNDAMENTAL: PROPOSTAS CURRICULARES E LIVROS DIDÁTICOS Luciana Boemer Cesar 1 Mary Ângela Teixeira Brandalise 2 Palavras-chave: formação de professores, ensino de estatística,

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

O Ensino de Matemática na Educação Infantil

O Ensino de Matemática na Educação Infantil Débora de Oliveira O Ensino de Matemática na Educação Infantil No Brasil, desde 1996, a Educação Infantil é considerada a primeira etapa da educação básica e tem como guia de reflexão de cunho educacional

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE. MATEMÁTICA 7º ano

PLANEJAMENTO ANUAL DE. MATEMÁTICA 7º ano COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE MATEMÁTICA 7º ano PROFESSORAS: SANDRA MARA

Leia mais

ISSN 2316-7785 UM OLHAR REFLEXIVO SOBRE A APRENDIZAGEM GEOMÉTRICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

ISSN 2316-7785 UM OLHAR REFLEXIVO SOBRE A APRENDIZAGEM GEOMÉTRICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL ISSN 2316-7785 UM OLHAR REFLEXIVO SOBRE A APRENDIZAGEM GEOMÉTRICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Tawana Telles Batista Santos Instituto Federal do Norte de Minas Gerais Campus Salinas tawanatelles@yahoo.com.br

Leia mais

Aprendizagem da Matemática: um estudo sobre Representações Sociais no curso de Administração

Aprendizagem da Matemática: um estudo sobre Representações Sociais no curso de Administração Aprendizagem da Matemática: um estudo sobre Representações Sociais no curso de Administração Eixo temático 2: Formação de professores e cultura digital SALERNO, Daniela Prado 1 VIEIRA, Vania Maria de Oliveira

Leia mais

O que alunos de 7 anos sabem e não sabem fazer em matemática: análise dos resultados de uma avaliação em larga escala.

O que alunos de 7 anos sabem e não sabem fazer em matemática: análise dos resultados de uma avaliação em larga escala. O que alunos de 7 anos sabem e não sabem fazer em matemática: análise dos resultados de uma Marcelo Câmara dos Santos Colégio de Aplicação, Universidade Federal de Pernambuco Brasil marcelocamaraufpe@yahoo.com.br

Leia mais

A COMPREENSÃO DAS COORDENADAS ESPACIAIS POR CRIANÇAS DE 6 A 8 ANOS: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO

A COMPREENSÃO DAS COORDENADAS ESPACIAIS POR CRIANÇAS DE 6 A 8 ANOS: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO A COMPREENSÃO DAS COORDENADAS ESPACIAIS POR CRIANÇAS DE 6 A 8 ANOS: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO Ana Coêlho Vieira Selva & Jorge Tarcísio da Rocha Falcão Universidade Federal de Pernambuco RESUMO - Esta pesquisa

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

Plano de Ensino Docente

Plano de Ensino Docente Plano de Ensino Docente IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Matemática FORMA/GRAU: ( ) integrado ( ) subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado (x) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE: ( x ) Presencial

Leia mais

JORNAL DE MATEMÁTICA Uma experiência de estágio

JORNAL DE MATEMÁTICA Uma experiência de estágio JORNAL DE MATEMÁTICA Uma experiência de estágio Darcy de Liz Biffi (Prof.ª de Prática de Ensino e Supervisora de Estágio), darcy@uniplac.net; Lisiane Lazari Armiliato; Naira Girotto (Estagiárias da 7ª

Leia mais

PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Regina Luzia Corio de Buriasco * UEL reginaburiasco@sercomtel.com.br Magna Natália Marin Pires* UEL magna@onda.com.br Márcia Cristina de Costa Trindade Cyrino*

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA. Autora: Bia Villela. Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Período: Três semanas.

ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA. Autora: Bia Villela. Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Período: Três semanas. ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA Sequência Didática I Era uma vez um gato xadrez... Autora: Bia Villela. Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Silvana Bento de Melo Couto.

Leia mais