ANÁLISE DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE POTENCIAL E PERFIL (APP) EM PROFISSIONAIS BRASILEIROS, COM USO DE DATA MINING

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE POTENCIAL E PERFIL (APP) EM PROFISSIONAIS BRASILEIROS, COM USO DE DATA MINING"

Transcrição

1 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS Mestrado em Educação Tecnológica Leandro Libério da Silva ANÁLISE DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE POTENCIAL E PERFIL (APP) EM PROFISSIONAIS BRASILEIROS, COM USO DE DATA MINING Belo Horizonte - MG 2010

2 Leandro Libério da Silva ANÁLISE DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE POTENCIAL E PERFIL (APP) EM PROFISSIONAIS BRASILEIROS, COM USO DE DATA MINING Dissertação apresentada ao curso de Mestrado em Educação Tecnológica do Programa de Pós- Graduação Stricto Sensu do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais CEFET-MG, como requisito parcial à obtenção do título de Mestre em Educação Tecnológica. Área de Concentração: Educação Tecnológica Linha de Pesquisa: Tecnologia da Informação e Educação Orientador: Prof. Dr. Heitor Garcia de Carvalho Belo Horizonte - MG 2010

3 SILVA, Leandro Libério da Análise dos Resultados da Avaliação de Potencial e Perfil (APP) em profissionais brasileiros com uso de Data Mining/ Leandro Libério da Silva.- - Belo Horizonte: CEFET/MG, DPPG, x, 95 f. : il. ; xx cm. Orientador: Heitor Garcia de Carvalho Dissertação (mestrado) Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais, CEFET-MG, Programa de Pós Graduação em Educação Tecnológica, Referências bibliográficas: f Tecnologia Educacional. 2. Sistemas de Informação. 3. Área de concentração: Educação Tecnológica Dissertação. I. Carvalho, Heitor Garcia de. II. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais, Programa de Pós-Graduação Mestrado em Educação Tecnológica de Minas Gerias III.Título.

4 Mestrado em Educação Tecnológica Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais CEFET- MG, Dissertação intitulada Análise dos resultados da avaliação de potencial e perfil (APP) em profissionais brasileiros, com uso de data mining, de autoria do mestrando Leandro Libério da Silva, aprovada pela Banca Examinadora constituída pelos seguintes professores: Prof. Dr. Heitor Garcia de Carvalho - CEFET/MG - Orientador Prof. Dr. Allan Claudius Queiroz Barbosa UFMG/MG Prof. Dr. George Leal Jamil FUMEC/MG Prof a. Dr a. Márcia Gorett Ribeiro Grossi - CEFET/MG Belo Horizonte, 18 de agosto de 2010

5 Dedico esta dissertação aos meus pais, João e Lenir, pelo amor, fé e incentivo. Que este trabalho seja um brinde à dedicação que vocês sempre tiveram por mim.

6 AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus por tudo nessa vida, e por agir por meio das seguintes pessoas: Ao Prof. Dr. Heitor Garcia de Carvalho, por ter acreditado, orientado e incomodado positivamente minha carreira de mestrando. Tornou-se um amigo e, com seu brilhantismo e humildade, transformou-me como educando. À amiga e autora da APP, Maria Lúcia Rodrigues Corrêa, que proporcionou condições para o desenvolvimento deste trabalho. Uma amizade intensa, que, além de me transformar como pessoa, mostrou-me novos rumos. Ao Prof. Allan Claudius Queiroz Barbosa, pela disponibilidade e interesse na avaliação do meu trabalho. Ao Prof. George Leal Jamil, que me honra em ter avaliado meu trabalho. À Profa. Márcia Gorett Ribeiro Grossi, pelas suas contribuições e por ter avaliado este trabalho. À minha querida família: a meus irmãos Iêda, Edna, Neilon, Renato e Adelson; a meus sobrinhos, em especial ao meu afilhado Davi; a meus cunhados José Adelson, Júnior, Íris, Bruna e Angelita, sempre compreensivos com meus períodos de ausência. Aos amigos Adriana Tonini, Fernando Zaidan, Héder Henrique, Gláucia Roberta e Nesley Daher, pelo apoio e motivação nas horas difíceis. Aos professores, colegas e funcionários do CEFET-MG, em especial aos Profs. Drs. Jerônimo Coura-Sobrinho e José Wilson; Rodrigo Nogueira e Fábio Vasconcelos. Nesta trajetória desses anos de estudos, várias pessoas contribuíram de alguma forma com este trabalho. A todos, com quem dialoguei e troquei informações, o meu muito obrigado.

7 "Somos todos anjos de uma asa só, e só podemos voar... quando abraçados uns aos outros" (Autor desconhecido) Se eu deixasse algum presente a você deixaria aceso o sentimento de amar a vida dos seres humanos. A consciência de aprender tudo o que foi ensinado pelo tempo afora. Lembraria os erros que foram cometidos para que não mais se repetissem. Deixaria para você, se houvesse, o respeito àquilo que é indispensável: Além do pão, o trabalho. Além do trabalho, a ação. E quando tudo mais faltasse, um segredo: o de buscar no interior de si mesmo a resposta e a força para encontrar a saída. (Mahatma Gandhi)

8 RESUMO Utilizaram-se algoritmos de clusterização para descoberta de conhecimento em base de dados (KDD) a partir de investigação exploratória com a ferramenta open source Waikato Environment for Knowledge Analysis (WEKA). O objetivo do trabalho foi investigar o perfil de profissionais brasileiros com base nos resultados da Avaliação de Potencial e Perfil (APP). A APP, autoavaliação para mapear vinte fatores profissionais e comportamentais, foi utilizada em milhares de profissionais brasileiros desde Este instrumento é uma versão brasileira desenvolvida pela psicóloga Maria Lúcia Rodrigues Corrêa, baseada no inventário construído na década de sessenta, pelo Dr. Max Kostick, do State College of Boston. Foi gerada uma amostra significativa a partir da base de dados analítica de resultados produzidos entre os anos de 2000 a Os resultados apoiados nos dados elicitaram conhecimento anteriormente implícito sobre quatro grupos de respondentes. Foram indicados três fatores com maior interesse de discriminação em relação ao conjunto de dados completo. Para conclusões, além dessas diferenças, as similaridades dos demais fatores também foram confrontadas com as premissas teóricas da APP, a fim de definir potenciais características autopercebidas dos respondentes brasileiros quanto ao seu comportamento nas relações de trabalho. Palavras-chave: Autoavaliação. Avaliação de potencial e perfil. Clusterização. Descoberta de conhecimento. Mineração de dados.

9 ABSTRACT Clustering algorithms were used for knowledge discovery in databases (KDD) from the exploratory research with the open source tool called Waikato Environment for Knowledge Analysis (WEKA). The objective was to investigate the profile of Brazilian professionals based on the results of the Assessment Potential and Profile (APP). The APP, self-assessment to map twenty factors professionals and behavioral, was used in thousands of Brazilian professionals since This instrument is a Brazilian version developed by psychologist Maria Lucia Rodrigues Corrêa that was based on the inventory built in the sixties by Dr Max Kostick, of State College of Boston. It generated a significant sample from the analytical database of 8832 results produced between the years 2000 to The results supported the data previously elicit implicit knowledge about four groups of respondents. Indicated three factors with the greatest interest of discrimination against the full data set. In conclusion, besides these differences, the similarities of the other factors were also confronted with the theoretical premises of the APP, in order to define potential characteristics self-perceived by Brazilian respondents about their behavior in work relations. Keywords: Self-assessment. Assessment potential and profile. Custering. Knowledge discovery. Data mining.

10 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1 EXEMPLO DA HIERARQUIA ENTRE DADO, INFORMAÇÃO E CONHECIMENTO NO PROCESSO DE KDD FIGURA 2 FLUXOGRAMA DO ALGORITMO K-MEANS FIGURA 3 ESQUEMA ESTRELA COMO REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO PARTICIONAMENTO DE TRÊS CLUSTERS FIGURA 4 TELA DA FERRAMENTA WEKA FIGURA 5 ESQUEMA CIRCULAR DO PAPI FIGURA 6 FRAMEWORK DE EDUCAÇÃO CONTINUADA - APP FIGURA 7 RECORTE DA TELA DE CADASTRO DO INVENTÁRIO ON-LINE DA APP FIGURA 8 RECORTE DO EXEMPLO DE RELATÓRIO INDIVIDUAL VERSÃO COACHING COM 3 FATORES DA APP FIGURA 9 GRÁFICO DE FREQUÊNCIA DO EXEMPLO DE RELATÓRIO INDIVIDUAL VERSÃO COACHING FIGURA 10 CLASSIFICAÇÃO DAS FAIXAS DE ESCORE DOS FATORES DA AVALIAÇÃO DE POTENCIAL E PERFIL (APP) EM RELAÇÃO AO POTENCIAL INDIVIDUAL FIGURA 11 GRÁFICO DE BARRAS DO EXEMPLO DE RELATÓRIO INDIVIDUAL FIGURA 12 GRÁFICO DE PIZZA DO EXEMPLO DE RELATÓRIO COLETIVO FATOR PLANEJAMENTO DA APP FIGURA 13 - RELATÓRIO DE RESULTADO DA TAREFA DE CLUSTERIZAÇÃO WEKA 20 FATORES DA APP... 78

11 LISTA DE GRÁFICOS GRÁFICO 1 DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA POR REGIÃO DAS RESPOSTAS DA AVALIAÇÃO DE POTENCIAL E PERFIL (APP) PERÍODO 2009 A GRÁFICO 2 DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA POR FAIXA ETÁRIA E SEXO NAS RESPOSTAS DA AVALIAÇÃO DE POTENCIAL E PERFIL (APP) PERÍODO DE 2000 A GRÁFICO 3 DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA POR ANO (APLICAÇÃO) E SEXO (RESPONDENTES) NAS RESPOSTAS DA AVALIAÇÃO DE POTENCIAL E PERFIL (APP) PERÍODO DE 2000 A GRÁFICO 4 DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA POR ANO CARGO DAS RESPOSTAS DA AVALIAÇÃO DE POTENCIAL E PERFIL (APP) PERÍODO DE 2000 A GRÁFICO 5 MAPA COMPARATIVO ENTRE VALOR IDEAL E O ESCORE DE MAIOR FREQUÊNCIA DOS FATORES PROFISSIONAIS DA AVALIAÇÃO DE POTENCIAL E PERFIL (APP) - PERÍODO DE 2000 A GRÁFICO 6 MAPA COMPARATIVO ENTRE VALOR IDEAL E O ESCORE DE MAIOR FREQUÊNCIA DOS FATORES COMPORTAMENTAIS DA AVALIAÇÃO DE POTENCIAL E PERFIL (APP) - PERÍODO DE 2000 A GRÁFICO 7 PORCENTAGEM DE RESPONDENTES COM POTENCIAL IDEAL NOS FATORES DA AVALIAÇÃO DE POTENCIAL E PERFIL (APP) - PERÍODO DE 2000 A GRÁFICO 8 PORCENTAGEM DE RESPONDENTES COM POTENCIAL INSUFICIENTE NOS FATORES DA AVALIAÇÃO DE POTENCIAL E PERFIL (APP) - PERÍODO DE 2000 A GRÁFICO 9 PORCENTAGEM DE RESPONDENTES COM POTENCIAL EXCEDENTE NOS FATORES DA AVALIAÇÃO DE POTENCIAL E PERFIL (APP) - PERÍODO DE 2000 A

12 GRÁFICO 10 COMPARATIVO DOS FATORES DE MAIOR COEFICIENTE DE VARIAÇÃO ENTRE OS 4 CLUSTERS E O CONJUNTO FULL DATA DA AVALIAÇÃO DE POTENCIAL E PERFIL (APP) PERÍODO DE 2000 A GRÁFICO 11 POTENCIAL DO FATOR TEMPO DE EXECUÇÃO DA AVALIAÇÃO DE POTENCIAL E PERFIL (APP) QUE CARACTERIZOU OS 4 CLUSTERS IDENTIFICADOS NA AMOSTRA PERÍODO DE 2000 A GRÁFICO 12 POTENCIAL DO FATOR ORGANIZAÇÃO DA AVALIAÇÃO DE POTENCIAL E PERFIL (APP) QUE CARACTERIZOU OS 4 CLUSTERS IDENTIFICADOS NA AMOSTRA PERÍODO DE 2000 A GRÁFICO 13 POTENCIAL DO FATOR INTENSIDADE OPERACIONAL DA AVALIAÇÃO DE POTENCIAL E PERFIL (APP) QUE CARACTERIZOU OS 4 CLUSTERS IDENTIFICADOS NA AMOSTRA PERÍODO DE 2000 A

13 LISTA DE QUADROS QUADRO 1 FATORES DO INVENTÁRIO PAPI QUADRO 2 FATORES DA AVALIAÇÃO DE POTENCIAL E PERFIL (APP) QUADRO 3 EXEMPLO DA RELAÇÃO ITEM E FATOR DA AVALIAÇÃO DE POTENCIAL E PERFIL (APP) QUADRO 4 MATRIZ DE CONVERSÃO DAS NOTAS DA APP DO FATOR PLANEJAMENTO DA VERSÃO COACHING PARA BASE QUADRO 5 CRITÉRIOS DE INTERPRETAÇÃO COLETIVA DOS ESCORES DOS FATORES PROFISSIONAIS DA AVALIAÇÃO DE POTENCIAL E PERFIL (APP): PLANEJAMENTO, ORGANIZAÇÃO, ACOMPANHAMENTO, LIDERANÇA E COMUNICAÇÃO QUADRO 6 CRITÉRIOS DE INTERPRETAÇÃO DOS ESCORES DOS FATORES PROFISSIONAIS DA AVALIAÇÃO DE POTENCIAL E PERFIL (APP): DECISÃO, DETALHISMO/DELEGAÇÃO, INTENSIDADE OPERACIONAL E PERCEPÇÃO/PRIORIZAÇÃO QUADRO 7 CRITÉRIOS DE INTERPRETAÇÃO DOS ESCORES DOS FATORES COMPORTAMENTAIS DA AVALIAÇÃO DE POTENCIAL E PERFIL (APP): FLEXIBILIDADE/CRIATIVIDADE, ADAPTABILIDADE A MUDANÇAS, RELAÇÃO COM AUTORIDADE E CONTROLE EMOCIONAL QUADRO 8 CRITÉRIOS DE INTERPRETAÇÃO DOS ESCORES DOS FATORES COMPORTAMENTAIS DA AVALIAÇÃO DE POTENCIAL E PERFIL (APP): AFETIVIDADE, SOCIABILIDADE, AUTOIMAGEM, ENERGIA VITAL E REALIZAÇÃO QUADRO 9 CARACTERÍSTICAS DOS 4 CLUSTERS DA AVALIAÇÃO DE POTENCIAL E PERFIL (APP) A PARTIR DE DADOS DICOTÔMICOS QUADRO 10 CARACTERÍSTICAS DOS 4 CLUSTERS DA AVALIAÇÃO DE POTENCIAL E PERFIL (APP) A PARTIR DA BASE ANALÍTICA... 86

14 LISTA DE TABELAS TABELA 1 DISTRIBUIÇÃO DA FREQUÊNCIA DE RESPOSTAS (EM %) POR SEXO E FAIXA ETÁRIA DOS RESPONDENTES DA AVALIAÇÃO DE POTENCIAL E PERFIL (APP) TABELA 2 DISTRIBUIÇÃO DA FREQUÊNCIA DE RESPOSTAS (EM %) POR ANO DE APLICAÇÃO E SEXO DOS RESPONDENTES DA AVALIAÇÃO DE POTENCIAL E PERFIL (APP) PERÍODO DE 2000 A TABELA 3 FATORES ORDENADOS PELO COEFICIENTE DE VARIAÇÃO DOS 4 CLUSTERS DA AVALIAÇÃO DE POTENCIAL E PERFIL (APP)... 79

15 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS APP - Avaliação de Potencial e Perfil ARFF - Attribute-Relation File Format CEFET-MG - Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais CSV - Comma Separate Values DDD - Discagem Direta à Distância DBSCAN - Density-Based Spatial Clustering of Applications with Noise DM - Data Mining EM - Expectation Maximinization INPI - Instituto Nacional de Propriedade Industrial JVM - Java Virtual Machine KDD - Knowledge Discovery in Databases OLAP - On-line Analytical Processing OPTICS - Ordering Points To Identify the Clustering Structure PAPI - Personality and Preference Inventory PDI - Plano (ou Programa) de Desenvolvimento Individual PDG - Plano (ou Programa) de Desenvolvimento Gerencial PHP - PHP: Hypertext Preprocessor PTC - Psychological Testing Centre RH - Recursos Humanos SGBDs - Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados SIOP - Society for Industrial and Organizational Psychology SPSS - Statistical Package for the Social Sciences TICs - Tecnologias da Informação e da Comunicação WEKA - Waikato Environment for Knowledge Analysis WHOQOL - World Health Organization quality of life assessment instrument XMEANS - Extending K-means

16 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO PROBLEMA JUSTIFICATIVA ALINHAMENTO À LINHA DE PESQUISA OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS DELIMITAÇÃO E ASPECTOS RESTRITIVOS TRABALHOS RELACIONADOS ESTRUTURA DO TRABALHO REFERENCIAL TEÓRICO DESCOBERTA DE CONHECIMENTO EM BASE DE DADOS AVALIAÇÃO DE POTENCIAL E PERFIL SÍNTESE DAS CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS METODOLOGIA ABORDAGEM METODOLÓGICA OBJETO DE PESQUISA COLETA DE DADOS DA APP SUJEITOS PROCEDIMENTOS ESTRATÉGIAS DE MINERAÇÃO DE DADOS APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS RESULTADOS PERFIL DOS RESPONDENTES RESULTADOS DA APP POTENCIAL IDEAL POTENCIAL INSUFICIENTE POTENCIAL EXCEDENTE ANÁLISE COM USO DE DATA MINING POTENCIAL DOS RESPONDENTES IDENTIFICADOS NOS CLUSTERS CONCLUSÃO DIREÇÕES FUTURAS REFERÊNCIAS ANEXO A NOTAS SOBRE A VALIDADE DO PAPI ANEXO B NOTAS SOBRE O AMBIENTE COMPUTACIONAL... 95

17 16 1 INTRODUÇÃO Segundo Laudon e Laudon (2007), o uso convencional de banco de dados permite consultas estruturadas que respondem quantitativamente sobre os dados. Um método mais sofisticado seria o processamento analítico on-line (OLAP), possibilitando uma análise multidimensional que permitiria, por exemplo, comparar os respondentes com posições de liderança com aqueles com cargos subordinados, numa perspectiva de tempo (ano) e espaço (região). Nestes dois casos, os usuários precisam ter uma noção do que estão buscando. Com a descoberta de conhecimento em base de dados, ou, em inglês, Knowledge Discovery in Databases (KDD), pretende-se encontrar percepções distintas dos métodos mais tradicionais, ao descobrir novos padrões: relacionamentos atualmente ocultados por grandes volumes de dados. Para Goldschimidt e Passos (2005), a técnica de data mining (DM), ou, em português, mineração ou garimpagem de dados, é uma etapa do KDD que auxilia, de forma automatizada, a tarefa humana do tratamento de grandes volumes de dados, com operações sofisticadas, tais como o uso de redes neurais, algoritmos genéticos e de lógica difusa (fuzzy). No contexto da Sociedade da Informação, as organizações têm se apresentado com estruturas cada vez mais horizontais, progressivamente gerando redes de trabalho (CASTELLS, 2000). Essas redes exigem um novo estilo profissional, capaz de tomar decisões, de usar e aplicar intensivamente informação e conhecimento, além de colaborar com as mudanças (flexibilidade) e estratégias organizacionais. Em função disso, os indivíduos passam a ter um importante papel e a assumir a responsabilidade por seu desenvolvimento contínuo. Assim, percebe-se que o capital humano das empresas é dotado de habilidades, conhecimentos, atitudes e objetivos pessoais, tornando a formação geral do indivíduo uma estratégia

18 17 organizacional, de acordo com Fleury (2002). O investimento em desenvolvimento seria o meio mais utilizado no processo de aprendizagem e disseminação de novas competências. Atualmente, o estudo e o uso de instrumentos de diagnóstico e gestão providos pela área de psicologia organizacional (SIQUEIRA, 2008) têm sido muito demandados pelos gestores de pessoas. Estes estudos tiveram seus primeiros trabalhos desenvolvidos na Inglaterra e Estados Unidos, ainda na década de sessenta. A Avaliação de Potencial e Perfil (APP) é um recurso de autoavaliação que pontua, com escores de zero a dez, 20 fatores profissionais e comportamentais do indivíduo. Conforme (CORRÊA, 2009), esse diagnóstico usa um formulário de resposta forçada, composto de 100 pares de frases, apoiado na base teórica de um inventário desenvolvido, na década de 60, pelo psicólogo Dr. Max Kostick, apresentado no referencial teórico desta dissertação. No Brasil, esses estudos datam da década de setenta e, segundo APP (2003), os gestores de pessoas utilizam essas ferramentas para auxiliar a tomada de decisão em processos de recrutamento e seleção, treinamento e desenvolvimento de equipes, acompanhamento profissional (coaching), entre outras atividades ligadas à área de Recursos Humanos (RH). A aplicação desse instrumento por CORRÊA (2009), em milhares de profissionais, propiciou a geração de um banco de dados eletrônico de uma amostra genuinamente brasileira, composta de relatórios individuais, coletada no período compreendido entre os anos de 2000 e Portanto, o objetivo desta pesquisa foi investigar o perfil desses profissionais brasileiros com base nos resultados da Avaliação de Potencial e Perfil (APP), utilizando essa amostra. E, com os recursos das tecnologias da informação e comunicação (TICs), buscar aferir novos conhecimentos a partir dessa massa de dados.

19 18 Esta investigação situou-se nas fronteiras das áreas da educação, administração, psicologia e computação. Na próxima seção, é apresentada a problematização deste estudo. 1.1 Problema Albuquerque e Fischer (2004) apud Comini, Konuma e Santos (2008), realizaram um estudo exploratório numa amostra de profissionais que ocupavam cargos de gestão em áreas de RH de empresas que, em 2002, figuraram em revistas como as Maiores Empresas e Melhores Empresas para se Trabalhar ; professores e consultores reconhecidos em RH. Os autores observaram que, em média, 60% das avaliações individuais, sejam elas de desempenho, desenvolvimento ou de resultado, geravam planos de desenvolvimento individual (PDI). Para Pacheco et al. (2009), o processo de avaliação do plano de desenvolvimento de pessoas é um componente fundamental e a escolha do seu modelo deve ser bem criteriosa. Um modelo a ser utilizado é o autodiagnóstico da APP, cujo conjunto de dados é muito volumoso para uma análise de padrões de similaridade e, ou, diferenciação por processos convencionais. Isso torna complexa a obtenção de subsídios de tomada de decisão, por meio dos dados da APP, armazenados ao longo do tempo. Uma alternativa seria avaliar a aplicação do processo de KDD como recurso para tratamento das massas de dados e para evidenciar informações relevantes às tomadas de decisão que estejam implícitas ou pouco destacadas. Essa proposição sugere as seguintes questões norteadoras dessa pesquisa: que informações relevantes e, atualmente, implícitas, estão disponíveis na base de resultados da APP? Além disso, que perfil profissional é autopercebido pelos seus respondentes?

20 Justificativa A escassez de relatos de pesquisa, que utilizam técnicas de data mining em dados coletados a partir de instrumentos de autopercepção das características profissionais, é uma das principais razões de se empreender o presente trabalho. Torna-se relevante que os gestores e colaboradores da empresa sejam capazes de praticar sua autoavaliação visando tanto ao seu crescimento individual quanto ao do seu grupo e da sociedade, com a obtenção de novas referências (inputs) para tal desenvolvimento. Atualmente, o desenvolvimento do indivíduo, dentro ou fora da escola, precisa ser entendido dentro do contexto em que ele se dá (GRINSPUN, 2002). Com base nisso, é importante considerarmos que os indivíduos necessitam, cada vez mais, de aprimorar o uso desse tipo de informação. Além disso, das formas de aprendizagem propostas por Antonello (2004), que propiciam o desenvolvimento de competências do indivíduo, é a autoavaliação. Dentro dessa realidade, as autoavaliações, tais como a APP, utilizam as TICs com o objetivo de promover o aprender a se conhecer. A busca por aprimorar esta proposta de autoconhecimento, quando bem planejada e incorporada, possivelmente, resultará na construção de indivíduos mais autônomos, aptos a exercerem sua cidadania, contribuindo para uma verdadeira sociedade da informação, como idealiza Takarashi (2000). A APP foi escolhida por ser um instrumento que avalia vinte fatores profissionais e comportamentais, utilizado por diversas organizações em todo o Brasil, e que possibilita a análise de diversos aspectos inerentes ao desenvolvimento de pessoas. Além disso, essa ferramenta possui uma base de dados bruta, em formato digital, com histórico dos últimos dez anos.

21 20 Jamil (2005) ressalta que a gestão da informação e do conhecimento não são um mero modismo, mas um campo aberto à pesquisa interdisciplinar, permitindo a contribuição de várias correntes e formas de pensamento, tais como a administração e ciência da computação. O processo de KDD, como estratégia metodológica de análise, por se tratar de uma área da Inteligência Artificial, permite uma pesquisa exploratória de dados com vistas a descobrir conhecimento implícito em banco de dados, e que pode contribuir para diagnóstico e tomadas de decisões de gestores de pessoas, no contexto da educação ou do trabalho. Com base nisso, a relevância desta pesquisa consiste em apresentar para as organizações e comunidade acadêmica a importância da análise das informações coletadas por instrumentos de avaliação de pessoas com vistas ao aprimoramento dos planos de desenvolvimento individual e coletivo.. Por fim, o autor desta dissertação possui um histórico pessoal e profissional que serviu de background para a construção e transmissão de novos conhecimentos sobre a questão da autoavaliação em contextos da educação e do trabalho. A sua experiência agrega tanto a vivência no ensino e pesquisa na educação profissional e tecnológica, desde 2002, quanto as responsabilidades da gestão de dados da APP, que teve início em Alinhamento à linha de pesquisa A análise dos resultados da APP promove o avanço das pesquisas do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG), em especial a linha de Tecnologias da Informação e Educação, obedecendo a seus critérios de excelência e tradição.

22 21 Segundo o CEFET-MG (2010) 1, a pesquisa em Tecnologias da Informação e Educação investiga o suporte das TICs recentes nos âmbitos da Educação Presencial e a Distância. Por sua vez, a educação no contexto das organizações, pode ser promovida pelos planos de desenvolvimento de pessoas. As ferramentas que subsidiam a concepção destes planos empregam diversas tecnologias, dentre elas a internet, gerando um volume de informações que pode ser tratado por mecanismos de inteligência artificial, tais como a mineração de dados. Portanto, percebe-se a sinergia com a situação apresentada por esta dissertação ao investigar, com o uso de data mining, um instrumento de avaliação de pessoas com vistas à coleta de dados para subsidiar a concepção de planos de treinamento e desenvolvimento de pessoas como é o caso da APP. 1.4 Objetivo geral Investigar o perfil dos profissionais brasileiros com base nos resultados da Avaliação de Potencial e Perfil (APP), por meio do aprofundamento nos estudos do processo de descoberta de conhecimento em bases de diagnóstico de desenvolvimento de pessoas. 1.5 Objetivos específicos Apresentar os princípios teóricos que originaram o instrumento de autoavaliação APP, descrevendo o processo atual da APP e a forma de mensuração do nível de potencial e do perfil dos profissionais. 1 <http://www.et.cefetmg.br/site/sobre/pesquisa.html>. Acesso em 10 jan

23 22 Avaliar os resultados da APP, examinando as características identitárias (sexo, idade e cargo) dos respondentes. Demonstrar os fatores multidimensionais do instrumento, sob a perspectiva de análise coletiva dos profissionais brasileiros. Explorar os bancos de dados de respostas da APP, criando uma base de dados analítica e investigando os resultados da APP, com uso de data mining. Confrontar as perspectivas da teoria proposta pela APP e os resultados demonstrados pelo processo de KDD. 1.6 Delimitação e aspectos restritivos A pesquisa se restringirá ao exame do conjunto de dados acumulados e disponíveis, em função das aplicações do questionário no período de 2000 a Há categorias de colaboradores em que houve mais frequência de autoavaliações e há outras com poucos respondentes. Houve diferentes proporções dos tipos de empresas e áreas de atuação. As conclusões e generalizações terão, por consequência, restrições e limitações compatíveis com as características desse banco de dados e com a ótica da autopercepção de seus respondentes. 1.7 Trabalhos relacionados Nesta seção, buscou-se indicar trabalhos que tratam da aplicação de análise exploratória com data mining em dados de inventários de recursos humanos.

24 23 No primeiro trabalho em que se percebeu maior aproximação dos assuntos tratados nesta dissertação, Santos (2007) realizou um estudo de caso com universitários de uma instituição pública com o instrumento World Health Organization quality of life assessment instrument (WHOQOL), que avalia a qualidade de vida dos indivíduos. De acordo com Santos (2007) tomaram-se as técnicas de Regras de Associação em mineração de dados como abordagem para o processo de descoberta de conhecimento implícito na base de dados do WHOQOL. Tal tarefa visou auxiliar o gestor de empresas, em suas tomadas de decisões, para melhoria do estado de qualidade de vida das pessoas. Outro trabalho que colaborou com o entendimento dos princípios de construção da Avaliação de Potencial e Perfil (APP) foi a dissertação de Welter (2007), que se propôs a identificar evidências de validade e confiança do instrumento Humanguide. Segundo Welter (2007) Humanguide é um instrumento de avaliação psicológica, que é administrado via internet e utiliza um formulário ipsativo, que objetiva, no contexto organizacional, apreender o perfil motivacional de adultos 1.8 Estrutura do trabalho Este trabalho de pesquisa tem sua estrutura construída por cinco capítulos. Este capítulo introdutório é dedicado à problematização e à definição dos objetivos da pesquisa. Em sequência, o referencial teórico está dividido em duas partes. Na primeira parte são conceituados os processos de descoberta de conhecimento em base de dados, a mineração de dados, a tarefa de agrupamentos (clusterização). Subsequentemente são descritas a origem e características da Avaliação de Potencial e Perfil, que são objeto deste estudo.

25 24 O processo metodológico, apresentado no terceiro capítulo, relata a abordagem metodológica, o objeto de pesquisa, a coleta de dados e as estratégias de mineração de dados utilizadas para as atividades descritivas e exploratórias deste trabalho. O quarto capítulo objetivou a apresentação e discussões dos resultados. São demonstrados o perfil dos respondentes e alguns dados coletados, para, posteriormente, os resultados serem investigados e discutidos sob a perspectiva convencional e a de data mining. Finalmente, as conclusões são realizadas no quinto capítulo, onde se apontam os aprendizados alcançados nesta pesquisa, indicam-se as limitações de análise e fazem-se sugestões para continuidade dos estudos.

26 25 2 REFERENCIAL TEÓRICO Neste capítulo, são apresentados os principais conceitos para fundamentar o objetivo deste estudo, à luz da literatura das ciências sociais e das ciências exatas. A revisão bibliográfica descreve o processo de Descoberta de Conhecimento em Base de Dados (KDD), tal como utilizado na análise e auxílio de tomadas de decisão em diversas áreas. Após a descrição do processo de KDD, são apresentadas a base teórica e origem do instrumento de autoavaliação e as características da Avaliação de Potencial e Perfil. 2.1 Descoberta de Conhecimento em Base de Dados O desenvolvimento das TICs propiciou às organizações diversas ferramentas e mecanismos de coleta e armazenamento de dados. Os sistemas gerenciadores de banco de dados (SGBDs) têm sido utilizados amplamente por empresas e universidades que pretendem organizar e se desenvolver em suas áreas de atuação. Motivadas pela busca constante por inovação e sobrevivência, aprofundam suas pesquisas e interligam o seu conhecimento tecnológico às técnicas de tratamento desses dados armazenados (TAN; STEINBACH; KUMAR, 2009). Daí parte o empreendimento de esforços para se implementar o processo de Descoberta de Conhecimento em Bases de Dados.

27 26 Para (FAYYAD et al., 1996, p. 6), KDD é por definição um processo não-trivial, interativo e iterativo de identificação de padrões de dados novos e válidos, com potencial de utilidade e compreensão. É importante clarificar as ambiguidades entre os termos dados, informação e conhecimento no processo de KDD, bem como a abordagem técnica do conceito de conhecimento frente à literatura da Ciência da Computação. A FIG. 1 demonstra uma hierarquia entre os termos para facilitar o seu entendimento na computação. FIGURA 1 Exemplo da hierarquia entre dado, informação e conhecimento no processo de KDD. Fonte: GOLDSCHIMIT; PASSOS, Em seu exemplo, Goldschimit e Passos (2005) apresentam os dados como elementos coletados e armazenados em sua forma bruta, tais como os valores da renda e despesas mensais de clientes de uma aplicação financeira suportada pelas TICs. No mesmo exemplo, a informação ( capacidade mensal de endividamento ) estaria no nível intermediário, onde os dados seriam associados a significados. Essa informação, nessa aplicação financeira (contexto), serviria para indicar quanto um cliente poderia tomar emprestado em relação à sua renda do mês.

MINERAÇÃO DE DADOS EDUCACIONAIS: UM ESTUDO DE CASO APLICADO AO PROCESSO SELETIVO DO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO

MINERAÇÃO DE DADOS EDUCACIONAIS: UM ESTUDO DE CASO APLICADO AO PROCESSO SELETIVO DO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO MINERAÇÃO DE DADOS EDUCACIONAIS: UM ESTUDO DE CASO APLICADO AO PROCESSO SELETIVO DO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO Fernanda Delizete Madeira 1 ; Aracele Garcia de Oliveira Fassbinder 2 INTRODUÇÃO Data

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO EPE0147 UTILIZAÇÃO DA MINERAÇÃO DE DADOS EM UMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Leia mais

MINERAÇÃO DE DADOS APLICADA. Pedro Henrique Bragioni Las Casas pedro.lascasas@dcc.ufmg.br

MINERAÇÃO DE DADOS APLICADA. Pedro Henrique Bragioni Las Casas pedro.lascasas@dcc.ufmg.br MINERAÇÃO DE DADOS APLICADA Pedro Henrique Bragioni Las Casas pedro.lascasas@dcc.ufmg.br Processo Weka uma Ferramenta Livre para Data Mining O que é Weka? Weka é um Software livre do tipo open source para

Leia mais

APLICAÇÃO DE MINERAÇÃO DE DADOS PARA O LEVANTAMENTO DE PERFIS: ESTUDO DE CASO EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PRIVADA

APLICAÇÃO DE MINERAÇÃO DE DADOS PARA O LEVANTAMENTO DE PERFIS: ESTUDO DE CASO EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PRIVADA APLICAÇÃO DE MINERAÇÃO DE DADOS PARA O LEVANTAMENTO DE PERFIS: ESTUDO DE CASO EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PRIVADA Lizianne Priscila Marques SOUTO 1 1 Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

Sistema de mineração de dados para descobertas de regras e padrões em dados médicos

Sistema de mineração de dados para descobertas de regras e padrões em dados médicos Sistema de mineração de dados para descobertas de regras e padrões em dados médicos Pollyanna Carolina BARBOSA¹; Thiago MAGELA² 1Aluna do Curso Superior Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

Pesquisa Clima Organizacional 2009. Relatório Embrapa Gado de Corte

Pesquisa Clima Organizacional 2009. Relatório Embrapa Gado de Corte Pesquisa Clima Organizacional 2009 Relatório Embrapa Gado de Corte 1. Fundamentação Teórica A Pesquisa de Cultura e Clima Organizacional é um instrumento de levantamento de informações, utilizado para

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Lembrando... Aula 4 1 Lembrando... Aula 4 Sistemas de apoio

Leia mais

Profissionais de Alta Performance

Profissionais de Alta Performance Profissionais de Alta Performance As transformações pelas quais o mundo passa exigem novos posicionamentos em todas as áreas e em especial na educação. A transferência pura simples de dados ou informações

Leia mais

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Pedro Bruno Barros de Souza Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM Ronei Ximenes Martins (Trabalho apresentado no II Colóquio Regional EAD Edição Internacional Outubro/2010 Juiz de Fora/MG) Introdução Um

Leia mais

Catálogo de treinamentos

Catálogo de treinamentos Catálogo de treinamentos 11 3892-9572 www.institutonobile.com.br Desenvolvendo seus Talentos O Instituto Nobile desenvolve as mais modernas soluções em treinamento e desenvolvimento. Oferecemos programas

Leia mais

Extração de Árvores de Decisão com a Ferramenta de Data Mining Weka

Extração de Árvores de Decisão com a Ferramenta de Data Mining Weka Extração de Árvores de Decisão com a Ferramenta de Data Mining Weka 1 Introdução A mineração de dados (data mining) pode ser definida como o processo automático de descoberta de conhecimento em bases de

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Questões sobre o tópico Avaliação de Desempenho: objetivos, métodos, vantagens e desvantagens. Olá Pessoal, Espero que estejam gostando dos artigos. Hoje veremos

Leia mais

Prof. Msc. Paulo Muniz de Ávila

Prof. Msc. Paulo Muniz de Ávila Prof. Msc. Paulo Muniz de Ávila O que é Data Mining? Mineração de dados (descoberta de conhecimento em bases de dados): Extração de informação interessante (não-trivial, implícita, previamente desconhecida

Leia mais

VOCÊ SABE QUAL O SEU PERFIL?

VOCÊ SABE QUAL O SEU PERFIL? VOCÊ SABE QUAL O SEU PERFIL? Ter o autoconhecimento é fundamental para capacitar e auxiliar o profissional no alcance de resultados extraordinários, obtendo uma experiência cada vez mais profunda em sua

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

5 Considerações Finais

5 Considerações Finais 5 Considerações Finais Neste capítulo serão apresentadas as considerações finais do estudo. Quando necessário, serão feitas referências ao que já foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores, dispondo,

Leia mais

O talento como diferencial de carreira... Uma fórmula de sucesso

O talento como diferencial de carreira... Uma fórmula de sucesso O talento como diferencial de carreira... Uma fórmula de sucesso Maiane Bertoldo Lewandowski Consultora de RH Hospital Mãe de Deus TRANSFORMAÇÕES NO MERCADO DE TRABALHO Mudança de modelo mental; Escassez

Leia mais

Permita-se ir além e descubra uma nova possibilidade, um conjunto de ideias e inovação, construído por você.

Permita-se ir além e descubra uma nova possibilidade, um conjunto de ideias e inovação, construído por você. Somos uma empresa inovadora, que através de uma metodologia vencedora proporciona a nossos clientes um ambiente favorável ao desenvolvimento de capacidades, para que seus profissionais alcancem o melhor

Leia mais

3 Metodologia. 3.1. Introdução

3 Metodologia. 3.1. Introdução 3 Metodologia 3.1. Introdução Este capítulo é dedicado à forma de desenvolvimento da pesquisa. Visa permitir, através da exposição detalhada dos passos seguidos quando da formulação e desenvolvimento do

Leia mais

Evolução do uso de competências para remuneração

Evolução do uso de competências para remuneração Tema: Competências e Instrumentos de Análise de Desempenho na Gestão da Remuneração: Experiências e Lições dos Principais Grupos Empresariais do Brasil José Hipólito Evolução do uso de competências para

Leia mais

Distribuição Eletrônica na Hotelaria: Desenvolvimento de Serviços para a Internet

Distribuição Eletrônica na Hotelaria: Desenvolvimento de Serviços para a Internet Leonardo Pimenta de Mello Distribuição Eletrônica na Hotelaria: Desenvolvimento de Serviços para a Internet Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

Como calcular o número necessário de servidores? E QUANDO O PROCESSO DE TRABALHO NÃO É QUANTIFICÁVEL COM FACILIDADE? ALTERNATIVA 2 Uma possibilidade para transpor essa restrição seria a utilização de um

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COM FOCO EM COMPETÊNCIAS:

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COM FOCO EM COMPETÊNCIAS: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COM FOCO EM COMPETÊNCIAS: Implantação do sistema de Avaliação de Desempenho com Foco em Competências no Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região Belém PA 2013 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação SCRUM Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM 2011 Bridge Consulting Apresentação Há muitos anos, empresas e equipes de desenvolvimento

Leia mais

Personal and Professional Coaching

Personal and Professional Coaching Personal and Professional Coaching Seu salto para a excelência pessoal e profissional 1 O novo caminho para o sucesso e a realização pessoal! Todos sabem que para ser médico, advogado, dentista ou engenheiro

Leia mais

Engajamento: desafio central da gestão e da liderança. ABRH-BA/ 03 de junho de 2013 Isabel Armani

Engajamento: desafio central da gestão e da liderança. ABRH-BA/ 03 de junho de 2013 Isabel Armani Engajamento: desafio central da gestão e da liderança ABRH-BA/ 03 de junho de 2013 Isabel Armani Build everithing VIMEO LEGO Benodigheden 2 3 Aon Hewitt SATISFAÇÃO Contentamento, prazer que resulta da

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

Sistema Tutor Inteligente baseado em Agentes. Pedagógicas da Universidade Aberta do Piauí. Prof. Dr. Vinicius Ponte Machado

Sistema Tutor Inteligente baseado em Agentes. Pedagógicas da Universidade Aberta do Piauí. Prof. Dr. Vinicius Ponte Machado Sistema Tutor Inteligente baseado em Agentes na Plataforma MOODLE para Apoio às Atividades Pedagógicas da Universidade Aberta do Piauí Prof. Dr. Vinicius Ponte Machado Parnaíba, 14 de Novembro de 2012

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 2ª Série Processos Gerenciais CST em Gestão Financeira A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos 1 Carreira: definição de papéis e comparação de modelos Renato Beschizza Economista e especialista em estruturas organizacionais e carreiras Consultor da AB Consultores Associados Ltda. renato@abconsultores.com.br

Leia mais

Lição 4 Avaliação na EAD

Lição 4 Avaliação na EAD Estudo e Aprendizado a Distância 89 Após concluir o estudo desta lição, esperamos que você possa: identifi car a fi nalidade de um objetivo de aprendizagem; identifi car o conceito de avaliação da aprendizagem;

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL - "QDO" 5. ALGUNS ESCLARECIMENTOS SOBRE QDO

QUESTIONÁRIO DE DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL - QDO 5. ALGUNS ESCLARECIMENTOS SOBRE QDO QUESTIONÁRIO DE DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL - "QDO" 1. FOLHA DE RESULTADOS DO QDO 2. PERFIL E INTERPRETAÇÃO DO D.O. 3. FUNDAMENTAÇÃO 4. INTERPRETAÇÃO DO DIAGNÓSTICO 5. ALGUNS ESCLARECIMENTOS SOBRE QDO 6.

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

Aula 10. Delegação X Empowerment

Aula 10. Delegação X Empowerment Aula 10 Delegação X Empowerment Profa. Ms. Daniela Cartoni daniela.cartoni@veris.edu.br DELEGAÇÃO X EMPOWERMENT Delegar significa orientar o colaborador para que execute uma determinada atividade no lugar

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

Métodos qualitativos:

Métodos qualitativos: Métodos AULA 11 qualitativos: Pesquisa-Ação Quando iniciou-se a pesquisa-ação? Para Susman e Evered (1978), o termo pesquisa-ação foi introduzido por Kurt Lewin em 1946 para denotar uma abordagem pioneira

Leia mais

Monitoração Ambiental e Uso de Fontes de Informação no Setor de Saúde: Estudo de Caso de uma Cooperativa Médica 1

Monitoração Ambiental e Uso de Fontes de Informação no Setor de Saúde: Estudo de Caso de uma Cooperativa Médica 1 Monitoração Ambiental e Uso de Fontes de Informação no Setor de Saúde: Estudo de Caso de uma Cooperativa Médica 1 Cristiana Elisa Aguiar Ribeiro (UFMG) Jaime Sadao Yamassaki Bastos (IBMEC-MG) Resumo: Este

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: CST em Gestão em Recursos Humanos MISSÃO DO CURSO A missão do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da ESTÁCIO EUROPAN consiste em formar

Leia mais

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3 ENSINO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DO MOODLE COMO INSTRUMENTO NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE (IFC) - CÂMPUS ARAQUARI

Leia mais

Francisco Cardoso SCBC08

Francisco Cardoso SCBC08 Formando profissionais para a sustentabilidade Prof. Francisco CARDOSO Escola Politécnica da USP Francisco Cardoso SCBC08 1 Estrutura da apresentação Objetivo Metodologia Resultados investigação Conclusão:

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências.

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências. 1 Programa Liderar O Grupo Solvi é um conglomerado de 30 empresas que atua nas áreas de saneamento, valorização energética e resíduos. Como alicerce primordial de seu crescimento encontrase o desenvolvimento

Leia mais

DWARF DATAMINER: UMA FERRAMENTA GENÉRICA PARA MINERAÇÃO DE DADOS

DWARF DATAMINER: UMA FERRAMENTA GENÉRICA PARA MINERAÇÃO DE DADOS DWARF DATAMINER: UMA FERRAMENTA GENÉRICA PARA MINERAÇÃO DE DADOS Tácio Dias Palhão Mendes Bacharelando em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica da FAPEMIG taciomendes@yahoo.com.br Prof.

Leia mais

Perfil e Competências do Coach

Perfil e Competências do Coach Perfil e Competências do Coach CÉLULA DE TRABALHO Adriana Levy Isabel Cristina de Aquino Folli José Pascoal Muniz - Líder da Célula Marcia Madureira Ricardino Wilson Gonzales Gambirazi 1. Formação Acadêmica

Leia mais

Executive MBA. em Liderança e Gestão de RH

Executive MBA. em Liderança e Gestão de RH Executive MBA em Liderança e Gestão de RH B.I. INTERNATIONAL O B.I. International é uma escola de educação executiva que propõe um Modelo Único de Educação. Nossa premissa é desenvolver em cada aluno,

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Trabalho Interdisciplinar Semestral 3º semestre - 2012.1 Trabalho Semestral 3º Semestre Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Apresentação

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL Data Mining (DM): um pouco de prática. (1) Data Mining Conceitos apresentados por

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL Data Mining (DM): um pouco de prática. (1) Data Mining Conceitos apresentados por INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL Data Mining (DM): um pouco de prática (1) Data Mining Conceitos apresentados por 1 2 (2) ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS Conceitos apresentados por. 3 LEMBRE-SE que PROBLEMA em IA Uma busca

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia MESQUITA NETO, Rui 1 DIAS, Vanessa Aparecida 2 NUNES, Ruth Vieira 3 RESUMO A organização depende das pessoas para atingir

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MBA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MBA GERENCIAMENTO DE PROJETOS FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MBA GERENCIAMENTO DE PROJETOS BRUNO ROBERTO DA SILVA CESAR HENRIQUE MACIEL RIBEIRO GUSTAVO HENRIQUE PINHEIRO RICARDO SALLUM DE SOUZA VITOR

Leia mais

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO III Congresso Consad de Gestão Pública O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA SEPLAG Norma Maria Cavalcanti Alcoforado Painel 02/007 Avaliação de desempenho e remuneração variável O NOVO MODELO DE

Leia mais

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 11 de maio de 2011 Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 1 ANÁLISE DOS RESULTADOS DO SPAECE-ALFA E DAS AVALIAÇÕES DO PRÊMIO ESCOLA NOTA DEZ _ 2ª Etapa 1. INTRODUÇÃO Em 1990, o Sistema de Avaliação

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

E FOLDER INSTITUCIONAL

E FOLDER INSTITUCIONAL E FOLDER INSTITUCIONAL Tel. 55 11 3862 1421 atendimento@bird.com.br www.bird.com.br A MEDIDA CERTA PARA EXECUTAR SUA ESTRATÉGIA DE T&D EM IDIOMAS benchmarking indicadores de resultados diagnósticos & desenvolvimento

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O FUNCIONAMENTO DO EAD I-UMA SOBRE O EAD

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O FUNCIONAMENTO DO EAD I-UMA SOBRE O EAD PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O FUNCIONAMENTO DO EAD I-UMA SOBRE O EAD 1. O que é EAD? EAD é a sigla para Ensino a Distância, ou Educação a Distância, uma modalidade de ensino que acontece a partir da união

Leia mais

Como transformar Grupos em Equipes

Como transformar Grupos em Equipes Como transformar Grupos em Equipes Caminhos para somar esforços e dividir benefícios Introdução Gestores de diversos segmentos, em algum momento de suas carreiras, deparam-se com desafios que, à primeira

Leia mais

Certificação. Modelo de Personalidade persolog

Certificação. Modelo de Personalidade persolog Certificação Modelo de Personalidade persolog Base completa para o desenvolvimento de personalidade Modelo de Personalidade persolog Atualmente, se torna cada vez mais importante trabalhar com a gestão

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma

MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento.

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Título provisório (uma expressão

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais:

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

PHC Recursos Humanos CS

PHC Recursos Humanos CS PHC Recursos Humanos CS A gestão total dos Recursos Humanos A solução que permite a otimização da seleção e recrutamento, a correta descrição de funções, a execução das avaliações de desempenho e a avaliação

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 43 3 METODOLOGIA DA PESQUISA Medeiros (2005) esclarece que a pesquisa científica tem por objetivo maior contribuir para o desenvolvimento humano. Para isso, conta com métodos adequados que devem ser planejados

Leia mais

> Relatório de Vendas. Nome: Exemplo

> Relatório de Vendas. Nome: Exemplo > Relatório de Vendas Nome: Exemplo Data: 8 maio 2008 INTRODUÇÃO O Relatório de Vendas da SHL ajuda a compreender a adequação do potencial do Exemplo na função de vendas. Este relatório é baseado nos resultados

Leia mais

Guia do Aluno da Graduação Personalizada em Gestão da Tecnologia da Informação

Guia do Aluno da Graduação Personalizada em Gestão da Tecnologia da Informação Guia do Aluno da Graduação Personalizada em Gestão da Tecnologia da Informação Prezado Aluno, Seja bem-vindo à Graduação Personalizada em Gestão da Tecnologia da Informação! Antes de dar início à sua graduação

Leia mais

Perfil do Líder no Paraná

Perfil do Líder no Paraná Perfil do Líder no Paraná O importante é não parar nunca de questionar Albert Einstein Em 2006, a Caliper do Brasil, empresa multinacional de consultoria em gestão estratégica de talentos, buscando inovar,

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores Sumário Liderança para potenciais e novos gestores conceito Conceito de Liderança Competências do Líder Estilos de Liderança Habilidades Básicas Equipe de alta performance Habilidade com Pessoas Autoestima

Leia mais

Integração de Projetos na Fase de Engenharia

Integração de Projetos na Fase de Engenharia 1 Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação MBA Gestão de Projetos Turma 19 20 de Dezembro 2014 Integração de Projetos na Fase de Engenharia Josie de Fátima Alves Almeida Engenheira Civil josiealmeida@bol.com.br

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO Atualizado em 30/12/2015 GESTÃO DE DESEMPENHO A gestão do desempenho constitui um sistemático de ações que buscam definir o conjunto de resultados a serem alcançados

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais