Sistemas Operativos. Sincronização de threads com objectos kernel no Windows. Centro de Cálculo Instituto Superior de Engenharia de Lisboa

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistemas Operativos. Sincronização de threads com objectos kernel no Windows. Centro de Cálculo Instituto Superior de Engenharia de Lisboa"

Transcrição

1 Sistemas Operativos Sincronização de threads com objectos kernel no Windows Centro de Cálculo Instituto Superior de Engenharia de Lisboa João Pedro Patriarca

2 Objectos Kernel Processes Threads Jobs File and console standard input/output/error streams Events Waitable timers Semaphores Mutexes Objectos usados para sincronização de threads Um objecto pode estar sinalizado ou não Uma thread pode-se colocar no estado Wait até que um objecto fique sinalizado As regras de sinalização dos objectos dependem do tipo concreto de objecto: ex, processos e threads sinalizados indicam a sua terminação; uma vez atingido esse estado, não mais sairão Um objecto kernel é partilhável por vários processos

3 Funções de espera (Wait) de sinalização de objectos DWORD WaitForSingleObject( HANDLE hobject, DWORD dwmilliseconds); dwmilliseconds = INFINITE = 0xFFFFFFFF (-1) Retorna WAIT_FAILED, WAIT_TIMEOUT, WAIT_OBJECT_0 Esperar por um objecto sinalizado promove o retorno imediato DWORD WaitForMultipleObjects( DWORD dwcount, CONST HANDLE * phobjects, BOOL bwaitall, DWORD dwmilliseconds); bwaitall: true = espera por todos No caso de sucesso, retorna WAIT_OBJECT_0 + N, com N igual a 0 se bwaitall a true com N igual ao valor do índice do objecto sinalizado se bwaitall a false; especial atenção ao objecto sinalizado se pretender-se chamar a função de espera novamente

4 Consequências da espera por sinalização de objectos A espera com sucesso por sinalização em alguns objectos promove a alteração de estado nos próprios objectos Um retorno sem sucesso nunca altera o estado do objecto A função WaitForMultipleObjects garante atomicidade na alteração de estado dos objectos pelos quais espera sinalização (no cenário do parâmetro bwaitall vir a true) Quando o objecto kernel não for mais necessário dever-se-á chamar a função BOOL CloseHandle(HANDLE hobject);

5 Objecto kernel Event O objecto mais simples de todos Contém um contador de referências (tal como todos os objectos kernel) booleano que indica se o reset ao evento é feito automaticamente ou manualmente quando sinalizado booleano que indica se o estado do evento é sinalizado ou não Utilização adequada na cooperação entre threads: O trabalho a realizar por uma thread depende do trabalho realizado por outra thread Todas as threads na lista de waitables ficam schedulable quando um evento com reset manual é sinalizado Apenas uma thread na lista de waitables fica schedulable quando um evento com reset automático é sinalizado

6 Objecto kernel Event Funções relevantes library/ms686670(v=vs.85).aspx

7 Waitable timer kernel objects HANDLE CreateWaitableTimer( PSECURITY_ATTRIBUTES psa, BOOL bmanualreset, PCTSTR pszname); HANDLE OpenWaitableTime( DWORD dwdesiredaccess, BOOL binherithandle, PCTSTR pszname); BOOL SetWaitableTimer( HANDLE htimer, const LARGE_INTEGER *pduetime, LONG lperiod, PTIMEAPCROUTINE pfncompletionroutine, PVOID pvargtocompletionroutine, BOOL bresume); Normalmente a false BOOL CancelWaitableTimer(HANDLE htimer); >= 0, data absoluta < 0, tempo relativo à chamada da função Asynchronous Procedure Call Normalmente a NULL

8 Objecto kernel Semaphore Adequado para contador de recursos Para além dos atributos comuns de um objecto kernel, contém 2 valores a 32 bits com sinal contador com o número máximo de recursos que o semáforo pode controlar contador com o número corrente de recursos disponíveis Regras de sinalização contador corrente de recursos maior que zero, o semáforo está sinalizado contador corrente de recursos igual a zero, o semáforo não está sinalizado o sistema nunca permite que o contador corrente de recursos seja negativo o valor do contador corrente de recursos não pode ser nunca maior do que o valor do contador com o número máximo de recursos

9 Objecto kernel Semaphore Funções relevantes HANDLE CreateSemaphore( PSECURITY_ATTRIBUTES psa, LONG linitialcount, LONG lmaximumcount, PCTSTR pszname); HANDLE CreateSemaphoreEx( PSECURITY_ATTRIBUTES psa, LONG linitialcount, LONG lmaximumcount, PCTSTR pszname, DWORD dwflags, DWORD dwdesiredaccess); HANDLE OpenSemaphore( DWORD dwdesiredaccess, BOOL binherit, PCTSTR pszname); Uma thread que solicite um recurso com o contador de recursos corrente a zero é colocada no estado Wait O teste e decremento do contador corrente de recursos é feito de forma atómica BOOL ReleaseSemaphore( HANDLE hsemaphore, LONG lreleasecount, PLONG plpreviouscount); Aceita o argumento NULL Indica quantos recursos estão disponíveis inicialmente Reservado, deverá ser 0

10 Objecto kernel Mutex Garante exclusão no acesso a um recurso Para além dos atributos comuns de um objecto kernel, contém identificador da thread que detém o mutex um contador de recursões Regras de sinalização Se o identificador da thread for 0, o mutex não é detido por nenhuma thread e, portanto, está sinalizado Se o identificador da thread for diferente de 0, o mutex é detido por uma thread e, portanto, não está sinalizado Mesmo sem estar sinalizado, o acesso a recursos guardados pelo mutex pode ser concedido num caso especial: a thread que solicita o recurso é a mesma que já o detém

11 Objecto kernel Mutex Funções relevantes 0 : false CREATE_MUTEX_INITIAL_OWNER : true HANDLE CreateMutex( PSECURITY_ATTRIBUTES psa, BOOL binitialowner, PCTSTR pszname); HANDLE CreateMutexEx( PSECURITY_ATTRIBUTES psa, PCTSTR pszname, DWORD dwflags, DWORD dwdesiredaccess); HANDLE OpenMutex( DWORD dwdesiredaccess, BOOL binheritowner, PCTSTR pszname); Uma thread é colocada no estado Wait quando solicita o recurso guardado pelo mutex se o identificador da thread for diferente de 0 e diferente da thread que solicita o recurso O teste do identificador e incremento do contador de recursões é feito de forma atómica BOOL ReleaseMutex(HANDLE hmutex); Decrementa o contador de recursões se o identificador da thread for igual à thread correntte O mutex fica sinalizado se o contador de recursões atingir o valor 0 Uma função de espera retorna o valor especial WAIT_ABANDONED caso a thread que detém o mutex termine sem o libertar (o SO detecta-o colocando o identificador da thread e o contador de recursões a 0)

12 Resumo bib: Windows via C/C++, Richter, 5 edition, Tab. 9-3 Object When nonsignaled When signaled Successful Wait Side Effect Process When still alive When terminates (ExitProcess, TerminateProcess) Thread When still alive When terminates (ExitProcess, TerminateProcess) Job File When time s job has not expired When I/O request is pending When time job expires When I/O request completes None None None None Console input No input exists When input is available None File change notifications No file have changed When fyle system detects changes Reset notification

13 Resumo (continuação) Object When nonsignaled When signaled Successful Wait Side Effect Auto-reset event Manual-reset event Auto-reset waitable timer Manual-reset waitable timer ResetEvent, PulseEvent or successful wait ResetEvent or PulseEvent CancelWaitableTimer or successful wait CancelWaitableTimer When SetEvent or PulseEvent is called When SetEvent or PulseEvent is called When time comes due (SetWaitableTimer) When time comes due (SetWaitableTimer) Semaphore Successful wait When count > 0 (ReleaseSemaphore) Mutex Successful wait When unowned by a thread (ReleaseMutex) Reset event None Reset timer None Decrement count by 1 Give ownership to a thread

14 Resumo (continuação) Object When nonsignaled When signaled Successful Wait Side Effect CriticalSection (usermode) SWRLock (user-mode) Condition variable (user-mode) Successful wait ((Try) Enter-Critical-Section) Successful wait (AquireSRWLock (Exclusive))) Successful wait (SleepConditionVariable ) When unowned by a thread (LeaveCriticalSection) When unowned by a thread (ReleaseSRWLock (Exclusive)) When woken up (Wake (All)ConditionVariable) Give onweship to a thread Gives onweship to a thread None

15 Bibliografia Windows via C/C++, Richter e Nasarre, cap. 9, 5ª edição MSDN windows development

Mecanismos de Sincronismo da Win32

Mecanismos de Sincronismo da Win32 Mecanismos de Sincronismo da Win32 Jeffrey Richter, Christophe Nasarre, Windows via C/C++, Fifth Edition, Microsoft Press, 2008 [cap. 8 e 9] Microsoft, Microsoft Developer s Network (MSDN) Mecanismos de

Leia mais

Universidade Federal de São Carlos Departamento de Computação. Sistemas Operacionais. Sincronização de Threads no Windows

Universidade Federal de São Carlos Departamento de Computação. Sistemas Operacionais. Sincronização de Threads no Windows Universidade Federal de São Carlos Departamento de Computação Sistemas Operacionais Sincronização de Threads no Windows Padrões de Projeto com Thread Vantagens do uso de padrões no projeto com threads:

Leia mais

Métodos de Sincronização do Kernel

Métodos de Sincronização do Kernel Métodos de Sincronização do Kernel Linux Kernel Development Second Edition By Robert Love Tiago Souza Azevedo Operações Atômicas Operações atômicas são instruções que executam atomicamente sem interrupção.

Leia mais

Universidade Federal de São Carlos Departamento de Computação. Sistemas Operacionais. Gerenciamento de Threads no Windows

Universidade Federal de São Carlos Departamento de Computação. Sistemas Operacionais. Gerenciamento de Threads no Windows Universidade Federal de São Carlos Departamento de Computação Sistemas Operacionais Gerenciamento de Threads no Windows Gerenciamento de Processo Um sistema operacional envolve atividades assíncronas e

Leia mais

OO Engenharia Eletrônica

OO Engenharia Eletrônica OO Engenharia Eletrônica - Programação em C/C++ Slides 18: Introdução à Multithreading. Introdução à Multithreading: execução concorrente de tarefas. Exemplos usando a biblioteca C Run-time library. Prof.

Leia mais

Processos e Tarefas na Win32

Processos e Tarefas na Win32 Processos e Tarefas na Win32 Processos e Tarefas na Win32 Um processo é uma instância de uma aplicação em execução e é composto por duas partes: Um objecto do kernel que o sistema operativo usa para gerir

Leia mais

Input/Output. Acesso síncrono e assíncrono. Jorge Martins (jmartins@isel.pt) Centro de Cálculo Instituto Superior de Engenharia de Lisboa

Input/Output. Acesso síncrono e assíncrono. Jorge Martins (jmartins@isel.pt) Centro de Cálculo Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Input/Output Acesso síncrono e assíncrono Centro de Cálculo Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Jorge Martins (jmartins@isel.pt) Exemplos de dispositivos de Input/Output no Windows Ficheiro normal

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES MGN 108 LED PAN/TILT

MANUAL DE INSTRUÇÕES MGN 108 LED PAN/TILT MANUAL DE INSTRUÇÕES MGN 108 LED PAN/TILT Conheça agora todas as funções de um aparelho de ultima geração, navegaremos pelos principais Menus e funcionalidades. Todos os menus estao organizados em Categorias

Leia mais

INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA DIVISÃO DE ENGENHARIA ELETRÔNICA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA APLICADA TIMER 555

INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA DIVISÃO DE ENGENHARIA ELETRÔNICA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA APLICADA TIMER 555 ELE-59 Circuitos de Chaveamento Prof.: Alexis Fabrício Tinoco S. INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA DIVISÃO DE ENGENHARIA ELETRÔNICA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA APLICADA TIMER 555 1. OBJETIVOS: Os objetivos

Leia mais

Orientação a Objetos

Orientação a Objetos Orientação a Objetos 1. Manipulando Atributos Podemos alterar ou acessar os valores guardados nos atributos de um objeto se tivermos a referência a esse objeto. Os atributos são acessados pelo nome. No

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial Aula 7 Programação Genética M.e Guylerme Velasco Programação Genética De que modo computadores podem resolver problemas, sem que tenham que ser explicitamente programados para isso?

Leia mais

Manual de Programação TED1000 versão TC100 Ethernet

Manual de Programação TED1000 versão TC100 Ethernet Manual de Programação TED1000 versão TC100 Ethernet Indice: Configurações iniciais...2 Configuração de IP...2 Teclas especiais...2 Cabo de rede...2 Programação...3 Abrindo a comunicação (abreip)...3 Enviando

Leia mais

É a associação de mais de um fluxo de execução em um único processo.

É a associação de mais de um fluxo de execução em um único processo. Profa. Rita Rodorigo Threads Um processo é uma abstração que reúne uma série de atributos como espaço de endereçamento descritores de arquivos abertos, quotas, etc. Um processo possui ainda uma área de

Leia mais

Sistemas Operacionais. Sincronização: Semáforos Problema dos Leitores/Escritores

Sistemas Operacionais. Sincronização: Semáforos Problema dos Leitores/Escritores Sistemas Operacionais Sincronização: Semáforos Problema dos Leitores/Escritores Autoria Autores Eduardo André Mallmann 0905/96-9 João Paulo Reginatto 1530/96-0 Local Instituto de Informática UFRGS disciplina:

Leia mais

Sistemas Operativos: Concorrência (Parte 2)

Sistemas Operativos: Concorrência (Parte 2) Sistemas Operativos: Concorrência (Parte 2) Pedro F. Souto (pfs@fe.up.pt) March 23, 2012 Sumário Instruções read-modify-write Atómicas. Problema do Lost Wakeup Semáforos Monitores Variáveis de Condição

Leia mais

Monitores. Setembro de 2009. Monitores

Monitores. Setembro de 2009. Monitores Setembro de 2009 mecanismo de sincronização clássico referência influência de conceitos de programação estruturada C. A. R. Hoare, Monitors: an operating system structuring concept, Communications of the

Leia mais

Modelagem e implementação de programas concorrentes

Modelagem e implementação de programas concorrentes Modelagem e implementação de programas concorrentes Aula 10 DCC-UFMG 2010 Bibliograa Andrews + Ben Ari Da aula passada Se não posso adquirir o lock... Continuar tentando: Spinning, Busy wait (espera ocupada)

Leia mais

1.2 OPERAÇÕES BÁSICAS EM ALGORITMOS E PROGRAMAS 18

1.2 OPERAÇÕES BÁSICAS EM ALGORITMOS E PROGRAMAS 18 ÍNDICE MÓDULO 1 INTRODUÇÃO À ALGORITMIA 11 1.1 PROGRAMAS E ALGORITMOS 12 Fases da programação 12 Algoritmos e algoritmia 13 Algoritmos em linguagem informal, pseudocódigo e fluxogramas 14 Símbolos utilizados

Leia mais

Autenticação em aplicações web

Autenticação em aplicações web Autenticação em aplicações web Notas para a UC de Segurança Informática Inverno de 11/12 Pedro Félix (pedrofelix em cc.isel.ipl.pt) Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Limitações práticas Deployability

Leia mais

FastCube 2.0 Programmer Manual

FastCube 2.0 Programmer Manual FastCube 2.0 Programmer Manual I FastCube 2.0 Programmer Manual Table of contents Chapter I Arquitetura do FastCube 2 2 Chapter II Utilizaçã o dos componentes do FastCube 5 1 Salvar... e carregar um cubo

Leia mais

Dispositivos de Entrada. Dispositivos de Entrada. Data Glove. Data Glove. Profa. M. Cristina Profa. Rosane março 2006 março 2009

Dispositivos de Entrada. Dispositivos de Entrada. Data Glove. Data Glove. Profa. M. Cristina Profa. Rosane março 2006 março 2009 Dispositivos de Entrada Dispositivos de Entrada Profa. M. Cristina Profa. Rosane março 2006 março 2009 Teclado Mouse Trackball e Spaceball Joystick Digitalizador (tablet) Touch panel Light pen Data Glove

Leia mais

Arquitetura WindowsNT. Sistemas Operacionais. Página 2. 2000-2004 Volnys Bernal. Arquitetura. Arquitetura. Arquitetura. Arquitetura.

Arquitetura WindowsNT. Sistemas Operacionais. Página 2. 2000-2004 Volnys Bernal. Arquitetura. Arquitetura. Arquitetura. Arquitetura. WindowsNT 1 2 Agenda Windows NT Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br http://www.lsi.usp.br/~volnys! do! Ambiente de Sistema Operacional!! Object! Escalonamento 3 4 Usuário Supervisor I/O Object Microkernel

Leia mais

Instruções para o cadastramento da Operação de Transporte e geração do Código Identificador da Operação de Transporte CIOT.

Instruções para o cadastramento da Operação de Transporte e geração do Código Identificador da Operação de Transporte CIOT. Instruções para o cadastramento da Operação de Transporte e geração do Código Identificador da Operação de Transporte CIOT. Versão: 16/03/12 As instruções abaixo aplicam-se a todas as Operações de Transportes

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES E SISTEMAS OPERACIONAIS P/ CONCURSOS PÚBLICOS FOCO: ESAF/CESGRANRIO/FCC. Prof. Almeida Jr

ARQUITETURA DE COMPUTADORES E SISTEMAS OPERACIONAIS P/ CONCURSOS PÚBLICOS FOCO: ESAF/CESGRANRIO/FCC. Prof. Almeida Jr ARQUITETURA DE COMPUTADORES E SISTEMAS OPERACIONAIS P/ CONCURSOS PÚBLICOS FOCO: ESAF/CESGRANRIO/FCC Prof. Almeida Jr Processos Conceitos Básicos Nomes Tipos Batch: jobs CPU-bound T.Sharing: Tarefas/Processos

Leia mais

Instituto Superior Técnico

Instituto Superior Técnico Introdução à Arquitectura de Computadores Instituto Superior Técnico Lisboa, Setembro de 2013 O Simulador Lógico Logisim 1 Introdução... 2 2 Exemplo de projecto... 3 2.1 Especificação do sistema... 3 2.2

Leia mais

HAVE A SILCA COPY COPY HAVE A SILCA COPY. Duplicadoras Electrónicas HAVE A SILCA COPY HAVE A SILCA COPY HAVE A SILCA COPY HAVE A COPY

HAVE A SILCA COPY COPY HAVE A SILCA COPY. Duplicadoras Electrónicas HAVE A SILCA COPY HAVE A SILCA COPY HAVE A SILCA COPY HAVE A COPY HAVE A HAVE SILCA A SILCA COPY COPY HAVE A COPY HAVE A SILCA C A SILCA COPY HAVE A COPY HAVE A HAVE SILCACOPY A COPY HAVE A COPY HAVE HAVE A SILCA A SILCA COPY COPY Duplicadoras Electrónicas O MUNDO SILCA

Leia mais

Concorrência e Paralelismo

Concorrência e Paralelismo Concorrência e Paralelismo mleal@inf.puc-rio.br 1 Programação Concorrente e Paralela Na programação sequencial todas as instruções de um programa são executadas através de uma única linha de execução Na

Leia mais

Flávia Rodrigues. Silves, 26 de Abril de 2010

Flávia Rodrigues. Silves, 26 de Abril de 2010 Flávia Rodrigues STC5 _ Redes de Informação e Comunicação Silves, 26 de Abril de 2010 Vantagens e Desvantagens da Tecnologia Acessibilidade, quer a nível pessoal quer a nível profissional; Pode-se processar

Leia mais

2 Workshop processamento de artigos em serviços de saúde Recolhimento de artigos esterilizados: é possível evitar?

2 Workshop processamento de artigos em serviços de saúde Recolhimento de artigos esterilizados: é possível evitar? 2 Workshop processamento de artigos em serviços de saúde Recolhimento de artigos esterilizados: é possível evitar? 3 Farm. André Cabral Contagem, 19 de Maio de 2010 Rastreabilidade É definida como a habilidade

Leia mais

Sincronização de Processos (4) Monitores

Sincronização de Processos (4) Monitores Sincronização de Processos (4) Monitores Monitores (1) Sugeridos por Dijkstra (1971) e desenvolvidos por Hoare (1974) e Brinch Hansen (1975), são estruturas de sincronização de alto nível, que têm por

Leia mais

III - Processos e Threads

III - Processos e Threads III - Processos e Threads P rocesso é geralmente entendido como um programa em execução porém, na realidade, trata-se de uma estrutura mais complexa que contém, além do programa no seu formato executável,

Leia mais

Aula 03. Processadores. Prof. Ricardo Palma

Aula 03. Processadores. Prof. Ricardo Palma Aula 03 Processadores Prof. Ricardo Palma Definição O processador é a parte mais fundamental para o funcionamento de um computador. Processadores são circuitos digitais que realizam operações como: cópia

Leia mais

Utilização de threads em Java

Utilização de threads em Java Universidade Federal do Rio de Janeiro IM/DCC Utilização de threads em Java Prof. Austeclynio Pereira e-mail: austeclyniop@posgrad.nce.ufrj.br Ciclo de vida de uma thread nascimento start notify notifyall

Leia mais

Instruções básicas para a análise de um pórtico 2D com o programa ROBOT Estruturas de Betão 2

Instruções básicas para a análise de um pórtico 2D com o programa ROBOT Estruturas de Betão 2 Instruções básicas para a análise de um pórtico 2D com o programa ROBOT Mário Pimentel Pretende-se analisar um dos pórticos intermédios do Bloco B da Residência Universitária do Campo Alegre no Porto.

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 08: Sincronização de Processos. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 08: Sincronização de Processos. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 08: Sincronização de Processos Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Objetivos Introduzir o problema da seção crítica, cujas soluções podem ser usadas

Leia mais

MC504 - Sistemas Operacionais

MC504 - Sistemas Operacionais MC504 - Sistemas Operacionais Algoritmo da Padaria Problema dos Produtores e Consumidores Primitivas de Sincronização Islene Calciolari Garcia Primeiro Semestre de 2014 Sumário 1 Algoritmo da Padaria 2

Leia mais

NTP-001. Acessando o Master ou Master Expander com Cabos Serial-Serial ou Cabos Serial-Serial e USB-Serial PATCHVIEW V2.0

NTP-001. Acessando o Master ou Master Expander com Cabos Serial-Serial ou Cabos Serial-Serial e USB-Serial PATCHVIEW V2.0 Acessando o Master ou Master Expander com Cabos Serial-Serial ou Cabos Serial-Serial e USB-Serial PATCHVIEW V2.0 1. Objetivo No ambiente PatchView, é necessário acessar os equipamentos Master e Master

Leia mais

ISS Eletrônico. Formato de Arquivos para Transmissão de Documentos Declarados através do aplicativo OFFLINE. Extensão do Arquivo JUNHO2006.

ISS Eletrônico. Formato de Arquivos para Transmissão de Documentos Declarados através do aplicativo OFFLINE. Extensão do Arquivo JUNHO2006. ISS Eletrônico Formato de Arquivos para Transmissão de Documentos Declarados através do aplicativo OFFLINE Caro contribuinte. A transmissão de arquivos é uma facilidade fornecida pelo sistema de ISS Eletrônico

Leia mais

FemtoM2M. Guia de início Rápido. Versão: 0.1 Data: 2014-10-12

FemtoM2M. Guia de início Rápido. Versão: 0.1 Data: 2014-10-12 FemtoM2M Guia de início Rápido Versão: 0.1 Data: 2014-10-12 Nome do Documento: FemtoM2M Guia de Início Rápido Versão: 0.1 Data: 2014-10-12 Identificador: TC_FemtoM2M-QUICK_START-PT_v0.1 Conteúdo 1. O que

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Comunicação em Grupo Referência Sistemas operacionais modernos Andrew S. TANENBAUM Prentice-Hall, 1995 Seção 10.4 pág. 304-311 2 Comunicação em Grupo Suponha que se deseja um serviço de arquivos único

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 26 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 26-21/07/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

www.sysdevsolutions.com Driver Next Versão 1.0 de 07-03-2011 Português

www.sysdevsolutions.com Driver Next Versão 1.0 de 07-03-2011 Português Driver Next Versão 1.0 de 07-03-2011 Português Índice Configuração dos documentos no Backofficce... 3 O Driver ERP Next... 6 Configurações principais... 6 Configurações do vendedor... 7 Configurações do

Leia mais

Programação Concorrente

Programação Concorrente Programação Concorrente Monitores e Troca de Mensagens Monitores Considere que, no projeto da solução do produtor-consumidor com semáforos, os 2 downs tenham sido trocados Se o buffer estiver cheio deadlock

Leia mais

O sistema gestor já contem uma estrutura completa de categorias que são transferidas automaticamente para cada empresa nova cadastrada.

O sistema gestor já contem uma estrutura completa de categorias que são transferidas automaticamente para cada empresa nova cadastrada. Página2 Cadastro de Categorias O cadastro de categoria é utilizado dentro do gestor para o controle financeiro da empresa, por ela é possível saber a origem e a aplicação dos recursos, como por exemplo,

Leia mais

MANUAL DO UTILIZADOR

MANUAL DO UTILIZADOR MANUAL DO UTILIZADOR 3300 ICP - 7.0 Conteúdo ACERCA DO TELEFONE IP 5201 1 Indicadores de estado do telefone 2 Para utilizadores dos sistemas 3300 ICP resilientes 2 Sugestões referentes ao conforto e à

Leia mais

Revisão Ultima aula [1/2]

Revisão Ultima aula [1/2] SOP - TADS Comunicação Interprocessos - 2 IPC Prof. Ricardo José Pfitscher dcc2rjp@joinville.udesc.br Material cedido por: Prof. Rafael Rodrigues Obelheiro Prof. Maurício Aronne Pillon Revisão Ultima aula

Leia mais

Os objetivos indicados aplicam-se a duas linguagens de programação: C e PHP

Os objetivos indicados aplicam-se a duas linguagens de programação: C e PHP AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA COMBA DÃO CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE GESTÃO E PROGRAMAÇÃO DE SISTEMAS INFORMÁTICOS 2012-2015 PROGRAMAÇÃO E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MÓDULO 2 Mecanismos de Controlo de

Leia mais

Modelo Entidade Relacionamento (MER) Professor : Esp. Hiarly Alves

Modelo Entidade Relacionamento (MER) Professor : Esp. Hiarly Alves Tópicos Apresentação Entidade, Atributo e Relacionamento Cardinalidade Representação simbólica Generalizações / Especializações Agregações Apresentação O Modelo Entidade-Relacionamento tem o objetivo de

Leia mais

Hardware e Software das TI

Hardware e Software das TI Licenciatura em Gestão de Informação / Sistemas e Tecnologias de Informação Hardware e Software das TI Prof. Victor Lobo Prof. Roberto Henriques Hardware e Software das TI Sistemas Operativos 2 Sistema

Leia mais

Contabilidade Financeira II 2008/2009

Contabilidade Financeira II 2008/2009 Contabilidade Financeira II 2008/2009 Apresentação Apresentação Docentes Programa Bibliografia Avaliação Trabalho de Grupo Site da Cadeira - Contabilidade Financeira II 2008/2009 1º Semestre 2 1 Docentes

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ. Programação Paralela e Concorrente

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ. Programação Paralela e Concorrente UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ Programação Paralela e Concorrente Felipe de Almeida Xavier João Gonçalves Filho Prof.: Marcial Porto Fernandez FORTALEZA 2011 Sumário 1 Manual de Instalação 2 1.1 Programa

Leia mais

Processos. Estados principais de um Processo: Contexto de um Processo. Nível de um Processo. http://www.dei.isep.ipp.pt/~orlando/so2/processos.

Processos. Estados principais de um Processo: Contexto de um Processo. Nível de um Processo. http://www.dei.isep.ipp.pt/~orlando/so2/processos. Página 1 de 5 Processos Consiste num método de descrição das actividades de um sistema operativo; Todo o software incluído no sistema operativo é organizado num grupo de programas executáveis. Cada um

Leia mais

Programa de Unidade Curricular

Programa de Unidade Curricular Programa de Unidade Curricular Faculdade Engenharia Licenciatura Engenharia Civil Unidade Curricular Sistemas de Informação e Bases de Dados Semestre: 2 Nº ECTS: 6,0 Regente Prof. Vítor Pereira Assistente

Leia mais

Sincronização de Processos (1) Mecanismos de busy wait

Sincronização de Processos (1) Mecanismos de busy wait Sincronização de Processos (1) Mecanismos de busy wait Condições de Corrida Exemplo: Fila de impressão. Qualquer processo que queira imprimir precisa colocar o seu documento na fila de impressão (compartilhada).

Leia mais

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Comunicação e Sincronismo entre processos Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO 1 Comunicação entre Processos Processos

Leia mais

ROTEIRO PARA REGISTRO NO CONTAS ONLINE Programa Caminho da Escola Parte I Execução Financeira Data de atualização: 21/6/2012

ROTEIRO PARA REGISTRO NO CONTAS ONLINE Programa Caminho da Escola Parte I Execução Financeira Data de atualização: 21/6/2012 1 ROTEIRO PARA REGISTRO NO CONTAS ONLINE Programa Caminho da Escola Parte I Execução Financeira Data de atualização: 21/6/2012 Introdução O material abaixo foi elaborado para orientar de forma objetiva

Leia mais

UNIMED LITORAL MANUAL DE PROCESSOS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

UNIMED LITORAL MANUAL DE PROCESSOS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIMED LITORAL MANUAL DE PROCESSOS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MANUAL PORTAL UNIMED AUTORIZAÇÃO Site: www.unimedlitoral.com.br/planodesaude A senha e login será sempre o CPF do Médico Desenvolvido por: Larissa

Leia mais

Primeiro nível desenvolvido, historicamente Atualmente existente entre o nível da microarquitetura e do sistema operacional

Primeiro nível desenvolvido, historicamente Atualmente existente entre o nível da microarquitetura e do sistema operacional Capítulo 5 Nível ISA Primeiro nível desenvolvido, historicamente Atualmente existente entre o nível da microarquitetura e do sistema operacional Compatibilidade com os níveis ISA anteriores!! => Pressão

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Tipos de Instruções

Arquitetura de Computadores. Tipos de Instruções Arquitetura de Computadores Tipos de Instruções Tipos de instruções Instruções de movimento de dados Operações diádicas Operações monádicas Instruções de comparação e desvio condicional Instruções de chamada

Leia mais

Sistemas Distribuídos Comunicação. Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br

Sistemas Distribuídos Comunicação. Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Sistemas Distribuídos Comunicação Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Roteiro da Aula Roteiro da Aula Comunicação entre Processos Protocolos Modelo OSI Modelo Cliente Servidor 3 Comunicação entre

Leia mais

Ciclo com Contador : instrução for. for de variável := expressão to. expressão do instrução

Ciclo com Contador : instrução for. for de variável := expressão to. expressão do instrução Métodos de Programação I 2. 27 Ciclo com Contador : instrução for identificador downto for de variável := expressão to expressão do instrução UMA INSTRUÇÃO (SIMPLES OU COMPOSTA) Neste caso o ciclo é repetido

Leia mais

Graphing Basic no Excel 2007

Graphing Basic no Excel 2007 Graphing Basic no Excel 2007 Tabela de Conteúdos 1. Inserindo e formatando os dados no Excel 2. Criando o gráfico de dispersão inicial 3. Criando um gráfico de dispersão de dados de titulação 4. Adicionando

Leia mais

INTRODUÇÃO. Noções preliminares. Um pouco de matemática. 100 Pb

INTRODUÇÃO. Noções preliminares. Um pouco de matemática. 100 Pb INTRODUÇÃO Este artigo pretende criar no leitor uma percepção física do funcionamento de um controle PID, sem grandes análises e rigorismos matemáticos, visando introduzir a técnica aos iniciantes e aprimorar

Leia mais

Capítulo 6. Java IO - Ficheiros

Capítulo 6. Java IO - Ficheiros Capítulo 6. Java IO - Ficheiros 1/26 Índice Indice 6.1 - Entrada e saída de dados 6.2 - Ficheiros de texto 6.3 - Ficheiros com formato proprietário 6.4 - A classe File 2/26 Índice 6.1 Entrada e saída de

Leia mais

3 Classes e instanciação de objectos (em Java)

3 Classes e instanciação de objectos (em Java) 3 Classes e instanciação de objectos (em Java) Suponhamos que queremos criar uma classe que especifique a estrutura e o comportamento de objectos do tipo Contador. As instâncias da classe Contador devem

Leia mais

Módulo de Aprendizagem I

Módulo de Aprendizagem I Módulo de Aprendizagem I Digitalizar fotografias para a base de dados do SiFEUP Notas: No decorrer deste módulo de aprendizagem, pressupõe-se que o utilizador já tem o scanner devidamente instalado no

Leia mais

II Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2009

II Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2009 SOFTWARE DE CONTROLE DE USO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DO IFMG CAMPUS BAMBUÍ Alex Daniel CASTANHA ¹; Bruno FERREIRA ² ¹ Estudante do Curso Superior de Tecnologia em Análise e

Leia mais

Obtenção Experimental de Modelos Matemáticos Através da Reposta ao Degrau

Obtenção Experimental de Modelos Matemáticos Através da Reposta ao Degrau Alunos: Nota: 1-2 - Data: Obtenção Experimental de Modelos Matemáticos Através da Reposta ao Degrau 1.1 Objetivo O objetivo deste experimento é mostrar como se obtém o modelo matemático de um sistema através

Leia mais

PRÊMIO SER HUMANO ABRH/MA REGULAMENTO 2016 MODALIDADE: GESTÃO DE PESSOAS / ORGANIZAÇÃO

PRÊMIO SER HUMANO ABRH/MA REGULAMENTO 2016 MODALIDADE: GESTÃO DE PESSOAS / ORGANIZAÇÃO Página 1 A. OBJETIVO A.1. O Prêmio Ser Humano ABRH/MA - Modalidade Gestão de Pessoas - Organização, premia os cases ou projetos implantados em organizações, relativos à gestão ou desenvolvimento dos seres

Leia mais

Comércio e Manutenção de Produtos Eletrônicos. Mapeamento de memória e conexões do Controlador CP-WS13/8DI8DO2AI2AO/USB/OEM. Versão 1.

Comércio e Manutenção de Produtos Eletrônicos. Mapeamento de memória e conexões do Controlador CP-WS13/8DI8DO2AI2AO/USB/OEM. Versão 1. Comércio e Manutenção de Produtos Eletrônicos Manual CP-WS1 Mapeamento de memória e conexões do Controlador CP-WS13/8DI8DO2AI2AO/USB/OEM PROXSYS Versão 1.4 Setembro -2015 Controlador Industrial CP-WS1

Leia mais

DECOM Digital. Perguntas Frequentes

DECOM Digital. Perguntas Frequentes DECOM Digital Perguntas Frequentes O Sistema DECOM Digital SDD é um sistema de formação de autos digitais que permitirá o envio eletrônico de documentos no âmbito de petições e de processos de defesa comercial,

Leia mais

processo internamente dadospara serem

processo internamente dadospara serem Aula 14 Monitores Sincronização e Troca de de Processos Mensagens (5) Monitores Sugeridos Profa. Patrícia Motivação: (1974) sincronização (forçar) concorrentes. (1) por Dijkstra(1971) e desenvolvidos por

Leia mais

Sintaxe Geral Tipos de Dados. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

Sintaxe Geral Tipos de Dados. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. Sintaxe Geral Tipos de Dados Comentários Comentários: De linha: // comentário 1 // comentário 2 De bloco: /* linha 1 linha 2 linha n */ De documentação: /** linha1 * linha2 */ Programa Exemplo: ExemploComentario.java

Leia mais

ARGANIL INVESTE MAIS REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL. Nota Justificativa

ARGANIL INVESTE MAIS REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL. Nota Justificativa ARGANIL INVESTE MAIS REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL Nota Justificativa Considerando que a competitividade da economia concelhia está na primeira linha das preocupações

Leia mais

Sistemas Operacionais. Capítulo 7 Sincronização e Comunicação entre Processos

Sistemas Operacionais. Capítulo 7 Sincronização e Comunicação entre Processos Sistemas Operacionais Capítulo 7 Sincronização e Comunicação entre Processos Baseado no Livro e Material de Apoio de Arquitetura de Sistemas Operacionais 3ª edição - LTC - 2004 Francis Berenger Machado

Leia mais

Entradas/Saídas. 1. Princípios de hardware/software de E/S 2. Camadas de software de E/S 3. Relógios (Temporizadores) 4. Gestão de consumo de potência

Entradas/Saídas. 1. Princípios de hardware/software de E/S 2. Camadas de software de E/S 3. Relógios (Temporizadores) 4. Gestão de consumo de potência Entradas/Saídas 1. Princípios de hardware/software de E/S 2. Camadas de software de E/S 3. Relógios (Temporizadores) 4. Gestão de consumo de potência Organização de um Sistema Operativo System Call Handler

Leia mais

Threads em Java. Sistemas Operacionais - Laboratório Professor Machado

Threads em Java. Sistemas Operacionais - Laboratório Professor Machado Threads em Java Sistemas Operacionais - Laboratório Professor Machado 1 Conceitos de Programação Concorrente Uma unidade concorrente é um componente de um programa que não exige a execução seqüencial,

Leia mais

discos impressora CPU memória AULA 04 - Estruturas de Sistemas Computacionais Operação dos sistemas de computação Controlador de disco

discos impressora CPU memória AULA 04 - Estruturas de Sistemas Computacionais Operação dos sistemas de computação Controlador de disco AULA 04 - Estruturas Sistemas Computacionais Nosso objetivo é apenas revisar conceitos relacionados a estrutura geral um sistema computacional para pois explicarmos os talhes operação do sistema e como

Leia mais

Modelo Comportamental

Modelo Comportamental MEDIDA 2.2 - Cursos de Educação e Formação de Adultos Modelo Comportamental Documento de apoio 3 Diagrama Entidade Relação Curso de Educação e Formação de Adultos Turma de Qualificação Escolar de Nível

Leia mais

Programação Concorrente na Linguagem Vale 4

Programação Concorrente na Linguagem Vale 4 Programação Concorrente na Linguagem Vale 4 por Simão Sirineo Toscani VII Simpósio Brasileiro de Linguagens de Programação SBLP 2003 Ouro Preto,, MG, Brasil Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande

Leia mais

Instruções de Utilização. Unidade de leitura de impressão digital 2607..

Instruções de Utilização. Unidade de leitura de impressão digital 2607.. Instruções de Utilização Unidade de leitura de impressão digital 607.. Índice Descrição do aparelho...4 Ilustração do aparelho...5 Âmbitos de aplicação...6 Utilização...8 Sinais de confirmação...9 Sequência

Leia mais

Orientação a Objetos - Programação em C++

Orientação a Objetos - Programação em C++ OO- Engenharia Eletrônica Orientação a Objetos - Programação em C++ Slides 17: Programação Visual ou Orientada a Objetos Gráficos (Formulários, Botões, Caixas de Texto etc) Exemplificado em Microsoft Visual

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA O Tribunal de Relação de Lisboa, remeteu a este Conselho uma cópia do ofício n.º 48486, de 20-04-04, da ADSE, referente à deliberação da Junta Médica, a que tinha sido submetido o DR. (...). É do seguinte

Leia mais

Configurando uma aplicação Struts

Configurando uma aplicação Struts Configurando uma aplicação Struts Instalando os Softwares 1. NetBeans IDE 5.0 2. Java Standard Development Kit (JDK ) version 1.4.2 or 5.0 Criando uma nova aplicação Struts 1. Click File > New Project.

Leia mais

Aprenda a instalar a plataforma de monitorização Cacti

Aprenda a instalar a plataforma de monitorização Cacti Aprenda a instalar a plataforma de monitorização Cacti Date : 27 de Março de 2014 Um administrador deve possuir as melhores ferramentas de monitorização para que tenha uma visão facilitada de toda a rede.

Leia mais

Protocolo relativo a Estágio Curricular

Protocolo relativo a Estágio Curricular Protocolo relativo a Estágio Curricular 1. Introdução O presente protocolo é celebrado entre a Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, adiante designada por FEUP, a empresa/instituição de estágio

Leia mais

Prefeitura da Cidade de Nova Iguaçú. SEMED Secretaria Municipal de Educação. Coordenadoria Municipal de Ciência e Tecnologia

Prefeitura da Cidade de Nova Iguaçú. SEMED Secretaria Municipal de Educação. Coordenadoria Municipal de Ciência e Tecnologia Prefeitura da Cidade de Nova Iguaçú SEMED Secretaria Municipal de Educação Coordenadoria Municipal de Ciência e Tecnologia Projeto Sistema de Monitoramento do Usuário da Rede de Proteção Social de Nova

Leia mais

Sistemas Operativos: Deadlocks

Sistemas Operativos: Deadlocks Sistemas Operativos: Deadlocks Pedro F. Souto (pfs@fe.up.pt) March 30, 2012 Deadlocks Um deadlock é uma situação em que 2 ou mais processos ficam bloqueados indefinidamente pode ser uma race condition

Leia mais

ARTIGO. Sobre monitoramento a Distancia e aplicação automática de medicamentos. Sistema de monitoração a distancia e aplicação de medicamentos.

ARTIGO. Sobre monitoramento a Distancia e aplicação automática de medicamentos. Sistema de monitoração a distancia e aplicação de medicamentos. ARTIGO Sobre monitoramento a Distancia e aplicação automática de medicamentos. Autor: Marcos José Sanvidotti Sistema de monitoração a distancia e aplicação de medicamentos. Resumo: O monitoramento a distância

Leia mais

Introdução. Modelo de um Sistema de Comunicação

Introdução. Modelo de um Sistema de Comunicação I 1 Comunicação de Dados e Redes de Computadores Introdução FEUP/DEEC/CDRC I 2002/03 MPR/JAR Modelo de um Sistema de Comunicação» Fonte gera a informação (dados) a transmitir» Emissor converte os dados

Leia mais

CONTRATO DE LICENÇA DO UTILIZADOR PARA PRODUTOS DE SOFTWARE DA STONERIDGE ELECTRONICS LTD

CONTRATO DE LICENÇA DO UTILIZADOR PARA PRODUTOS DE SOFTWARE DA STONERIDGE ELECTRONICS LTD CONTRATO DE LICENÇA DO UTILIZADOR PARA PRODUTOS DE SOFTWARE DA STONERIDGE ELECTRONICS LTD AO OBTER UM CÓDIGO DE ACTIVAÇÃO E AO INTRODUZIR O MESMO PARA ACTIVAR A LICENÇA DO PROGRAMA DE SOFTWARE E AO INSTALAR

Leia mais

2 03/11 Relatório Final R.A. O.S. O.A. PU. 1 30/09 Alterado Endereço do Terreno R.A. O.S. O.A. PU

2 03/11 Relatório Final R.A. O.S. O.A. PU. 1 30/09 Alterado Endereço do Terreno R.A. O.S. O.A. PU Código Rev. Folha SD.KLA.PA.RE.001 2 1/ Código do cliente Rev. 0 KLABIN S. A. PARANAGUA PR TERRENO ROCHA RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO GEOTÉCNICA FUROS DE SONDAGENS Cliente : KLABIN S. A. Obra : LEVANTAMENTO

Leia mais

ACESSO HABITAÇÃO MUNICIPAL Candidatura online Manual do Utilizador

ACESSO HABITAÇÃO MUNICIPAL Candidatura online Manual do Utilizador ACESSO HABITAÇÃO MUNICIPAL Candidatura online Advertências e Indicações Antes das candidaturas serem formalizadas os candidatos deverão: Confirmar se reúnem as condições de acesso ao abrigo do Artigo 5º

Leia mais

Curso: Ciência da Computação Disciplina: Construção de Compiladores Período: 2010-1 Prof. Dr. Raimundo Moura

Curso: Ciência da Computação Disciplina: Construção de Compiladores Período: 2010-1 Prof. Dr. Raimundo Moura UFPI CCN DIE Curso: Ciência da Computação Disciplina: Construção de Compiladores Período: 2010-1 Prof. Dr. Raimundo Moura O projeto Desenvolver um compilador de um subconjunto básico da linguagem PORTUGOL.

Leia mais

ProLin V1.0. Programa de problemas de programação linear mista

ProLin V1.0. Programa de problemas de programação linear mista ProLin V.0 Programa de problemas de programação linear mista Programação: Coordenador: Ricardo Matos João Matos Introdução O ProLin resolve problemas de Programação Linear Mista do tipo: max(min) Ζ = s.

Leia mais