EPB0733 USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE APP DA SUB- BACIA DO RIBEIRÃO DA PEDRA NEGRA, TAUBATÉ/SP, POR MEIO DE GEOTECNOLOGIAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EPB0733 USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE APP DA SUB- BACIA DO RIBEIRÃO DA PEDRA NEGRA, TAUBATÉ/SP, POR MEIO DE GEOTECNOLOGIAS"

Transcrição

1 XV Encontro de Iniciação Científica XI Mostra de Pós-graduação V Seminário de Extensão II Seminário de Docência Universitária 18 a 22 de outubro de 2010 DESAFIOS DO SABER PARA UMA NOVA SOCIEDADE EPB0733 USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE APP DA SUB- BACIA DO RIBEIRÃO DA PEDRA NEGRA, TAUBATÉ/SP, POR MEIO DE GEOTECNOLOGIAS NEYRIANNE D ANGELIS RODRIGUES ALAN MIRANDA FERREIRA DOS SANTOS MARCELO DOS SANTOS TARGA AGRONOMIA INTEGRAL UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ ORIENTADOR(A) GETULIO TEIXEIRA BATISTA UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ

2 Uso e ocupação do solo nas áreas de APP da sub-bacia do ribeirão da Pedra Negra, Taubaté/SP, por meio de geotecnologias Neyrianne d Angelis Rodrigues 1 ; Alan Miranda Ferreira Santos 1 ; Getulio Teixeira Batista 2 ; Marcelo dos Santos Targa 2 1 Aluno(a) de Graduação da UNITAU, Departamento de Ciências Agrárias da Universidade de Taubaté. Estrada Mun. Dr. José Luiz Cembranelli, 5.000, Taubaté, SP, Brasil. {neyriannerodrigues; 2 UNITAU, Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais. Estrada Mun. Dr. José Luiz Cembranelli, 5.000, Taubaté, SP, Brasil. 1. INTRODUÇÃO O desenvolvimento de geotecnologias que permitem o processamento de dados cartográficos (e.g. hidrografia) integrados a dados provenientes de sensores orbitais (e.g. imagens de satéltites) facilitou o estudo detalhado de micro bacias hidrográficas. O uso de Sistemas de Informação Geográfica (SIGs) para classificação e avaliação de bacias hidrográficas é de suma importância, pois em geral possuem ferramentas como o Modelo Digital do Terreno (MDT) que possibilitam a obtenção de parâmetros como limite da bacia, elevações e características das encostas, os quais podem ser combinados com outras informações, como mapa geológico e de solos, para derivar mapas temáticos úteis no planejamento do manejo adequado das micro bacias (SHENG et al.,1997). Um aspecto importante na caracterização de micro bacias é o mapeamento das APPs previstas no Código Florestal (Lei 4.771/65). As APPs foram criadas com o objetivo de proteger o ambiente natural visando o benefício público. Entretanto, a delimitação dessas APPs é muito complexa devido à falta de clareza das definições dos parâmetros previstos na legislação, em especial na Lei Federal 4.771/1965 e na Resolução CONAMA 303/2002 (CATELANI, et al. 2009). Por lei, essas áreas devem ser preservadas e deveriam estar cobertas com vegetação natural (CATELANI e BATISTA, 2007). De acordo com Costa et al. (1996),

3 a cobertura vegetal nessas áreas atenua o escoamento superficial, aumenta a infiltração e consequentemente diminui os efeitos erosivos e a lixiviação dos solos. Nos últimos anos, o Rio Una tem provocado cheias e problemas de inundação devido ao assoreamento de sua calha em áreas rurais e urbanas, interferido com o tráfego de rodovias federal (Rodovia Presidente Dutra), estadual e municipais, principalmente, em seu trecho médio e baixo. Esses problemas muitas vezes, têm origem na cabeceira da bacia que pela altitude tem potencial para promover o rápido escoamento superficial, processos erosivos e inundações, o que configura um cenário de aumento significativo de situações de risco para um futuro próximo (TARGA, 2009). Para subsidiar estudos para a gestão e manejo dessas áreas de cabeceira do Una. esse trabalho teve como objetivo a caracterização do meio físico da sub-bacia do ribeirão da Pedra Negra no município de Taubaté, SP. 2. MATERIAL E MÉTODO O trabalho foi desenvolvido no Laboratório de Geoprocessamento da UNITAU (LAGEO), com base em ferramentas do aplicativo SPRING, utilizando dados processados em um trabalho desenvolvido no Departamento de Ciências Agrárias da UNITAU, conhecido como ''Projeto Una" (BATISTA et al., 2002). Dentro do banco de dados desse projeto existem dados ambientais georreferenciados sobre o meio físico, uso da terra e dos recursos hídricos na bacia hidrográfica do rio Una que é formada por sete contribuintes, dos qual o Ribeirão da Pedra Negra é afluente da sub-bacia do rio Rocinha, afluente e formador do rio Una. O trabalho de campo foi realizado no dia 21/08/2010 e possibilitou o registro de fotografias da área da sub-bacia para verificação das características ambientais dessa sub-bacia. No aplicativo SPRING foi examinado o banco de dados geográficos da bacia do Una e identificada a área da sub-bacia do ribeirão da Pedra Negra e, a seguir, criou-se um banco de dados contendo as informações referentes somente a essa sub-bacia, utilizando-se a projeção UTM e modelo da Terra SAD69, zona 23. Para o tratamento e análise de dados utilizaram-se ferramentas do SPRING, como edição vetorial para a delimitação da sub-bacia, medidas de classe para se estimar as áreas de uso e cobertura do solo. Foi também recortado o mapa de declividade baseado na informação plano-altimétrica das cartas do IGC, com curvas de nível a cada 5 m para uma análise do releva dessa sub-bacia.

4 De forma similar, foi feito o recorte das Áreas de Preservação Permanente, as APPs delimitadas a partir dos dados digitalizados da base cartográfica em escala 1: e com base na Lei Federal nº , de 1965 e na Resolução CONAMA nº 303, de 2002 conforme a metodologia descrita por Catelani e Batista (2007) e Oliveira et al. (2006). Posteriormente, foram cruzados os mapas de APP com o de Uso da Terra, usando a função Tabulação Cruzada do SPRING para se verificar o uso de cada classe de APP. 3. RESULTADOS E DISCUSÃO Os mapas de APPs e de Uso do Solo, usando o aplicativo SPRING, podem ser observados nas Figuras 1 e 2, respectivamente. Figura 1. Mapa temático das Áreas de Preservação Permanente da sub-bacia da Pedra Negra e gráfico com tabela com a área, em hectares, das classes de APPs da sub bacia da Pedra Negra.

5 Figura 2. Mapa temático da cobertura do solo e gráficocom tabela ilustrando as áreas, em hectares, das classes de uso do solo da sub bacia da Pedra Negra. A superposição dos dados temáticos permitiu a análise do uso do solo nas áreas das diferentes classes de APP (Tabela 1). A tabela 1 mostra o resultado desta sobreposição de dados onde é possível analisar o uso do solo nas classes de APP. Tabela1. Cruzamento entre os planos de informação de uso e cobertura do solo e área de APP, em ha. Classe de Uso Declividade >45 Área de Preservação Permanente - (APP) Lago, Rio Topo de Lagoa e Nascente Margem Morro Represa Simples Rios ate_10m Mata Capoeira 0,13 0,81 17,55 86,47 147,37 0,00 Agricultura 0,00 1,21 1,22 3,45 5,73 0,00 Pasto 0,32 5,05 52,53 228,47 638,06 4,17 Reflorestamento 0,00 0,00 0,86 2,77 27,31 0,00 Solo Exposto 0,00 0,00 0,49 3,40 5,49 0,00 Área Degradada 0,00 0,00 0,00 0,00 0,15 0,00 Área Urbanizada 0,00 0,00 0,03 4,22 0,03 0,00 Pasto Sujo 0,01 0,65 8,61 25,25 101,64 0,00 Pasto Degradado 0,00 0,00 2,47 2,70 23,95 0,00 Corpos d água 0,00 0,13 0,00 1,95 0,51 0,11 Área Minerada 0,00 0,00 0,59 4,70 9,43 0,00 Para se ter uma visão do uso de cada classe de APP, foi gerada a Figura 3. É evidente a dominância de pastos nas APP. Na APP de margens, praticamente só tem

6 pasto, quando se esperava a cobertura florestal, vegetação primitiva da região. Similarmente, a pastagem predominam em todas as classes de APP, incluinda a classe de APP de topo de morro. Figura 3. Visualização das classes de uso que ocorrem nas diversas classes de APP. De acordo com os dados da tabulação cruzada (Figura 3) observou-se que as áreas de pasto dentro da APP, de uma forma geral, são predominantes, contrariando o que preconiza o Código Florestal (BRASIL, 1965) e ocorre o predomínio dessas áreas de pasto em APPs de topo de morro. 4. CONCLUSÃO O trabalho foi realizado de forma prática e eficiente devido ao uso da tecnologia de SIG por meio do aplicativo SPRING. Esse trabalho mostrou que na sub-bacia do ribeirão da Pedra Negra, as áreas de pasto dentro da APP, de uma forma geral, são predominantes, contrariando o que preconiza o Código Florestal (BRASIL, 1965) e ele predomina em todas as classes de APP, incluindo a classe de topo de morro. Conclui-se portanto, que do ponto de vista ambiental-legal, essa sub-bacia precisa ser recuperada. 5. BIBLIOGRAFIA BATISTA, G. T.; TARGA, M. S.; FIDALGO, E. C. C. Banco de Dados Ambientais da Bacia do Rio Una Bacia do Rio Paraíba do Sul. Repositório Eletrônico Ciências Ambientais, Coleção Recursos Hídricos, UNITAU. Disponível em: <http://hdl.handle.net/2315/51>. Acesso outubro de p. BRASIL. Decreto-lei nº 4.771, de 15 de setembro de Institui o Novo Código Florestal Brasileiro e dá outras providencias. DOU de 16 de setembro de Brasília DF

7 BRASIL. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução nº 303, de 20 de março de Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente. DOU de 13 de maio de Brasília DF, CATELANI, C. de S.; BATISTA, G.T. Mapeamento das Áreas de Preservação Permanente do município de Santo Antonio do Pinhal, SP: um subsídio à preservação ambiental. Revista Ambi-Água, v. 2, n. 1, p , CATELANI, C. de S.; BATISTA, G.T., REIS, B.J., DIAS. N.W. Distância proporcional entre a rede de drenagem e os divisores de águas, uma contribuição técnica alternativa à delimitação de APPs de Topo-de-Morro. Anais II Seminário de Recursos Hídricos da Bacia Hidrográfica do Paraíba do Sul: Recuperação de Áreas Degradadas Serviços Ambientais e Sustentabilidade, Taubaté, Brasil, dezembro 2009, IPABHi, p OLIVEIRA, I. S.; BATISTA, G. T.; CATELANI, C. S. Minicurso de Área de Preservação Permanente (APP). In: Material didático utilizado no minicurso sobre APP ministrado no Encontro Água & Floresta: O Estado da Arte em Educação Ambiental, realizado pela Secretaria Estadual do Meio Ambiente (SMA/SP) e Universidade de Taubaté, 7-9 de novembro de 2006, Taubaté, SP. Disponível em: Acesso em: 13 Set SHENG, T. C.; BARRETT, R. E.; MITCHELL, T. R. Using geographic information systems for watershed classification and rating in developing countries. Journal of Soil and Water Conservation, v.52, n.2, p.84-89,1997. TARGA, M. S. Estudo Hidrológico da Bacia do Rio Una: Subsídios para estabelecimento de planos de macrodrenagem no Vale do Paraíba do Sul - SP. Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais UNITAU. Taubaté, SP. p VILLELA, S. M.; MATTOS, A. Hidrologia aplicada. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, p. 4843

Caracterização fisiográfica e avaliação do uso e ocupação das APP da microbacia do ribeirão das Antas

Caracterização fisiográfica e avaliação do uso e ocupação das APP da microbacia do ribeirão das Antas Caracterização fisiográfica e avaliação do uso e ocupação das APP da microbacia do ribeirão das Antas Alan Ferreira Batista 1 Getulio Teixeira Batista 2 1 USP-ESALQ, Universidade de São Paulo - Escola

Leia mais

Município de Colíder MT

Município de Colíder MT Diagnóstico da Cobertura e Uso do Solo e das Áreas de Preservação Permanente Município de Colíder MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Julho de 2008 Introdução O município de Colíder está localizado

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO DIAGNÓSTICO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIBEIRÃO DAS ALAGOAS, CONCEIÇÃO DAS ALAGOAS - MG

GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO DIAGNÓSTICO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIBEIRÃO DAS ALAGOAS, CONCEIÇÃO DAS ALAGOAS - MG Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO DIAGNÓSTICO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIBEIRÃO DAS ALAGOAS, CONCEIÇÃO DAS ALAGOAS - MG Hygor Evangelista Siqueira Gestor Ambiental,

Leia mais

DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO JI-PARANÁ

DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO JI-PARANÁ DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO JI-PARANÁ JULIA S. MELLO 1 ; DANIEL de C. VICTORIA 2 Nº 10505 RESUMO Sistemas de Informação Geográfica (SIG) são importantes ferramentas

Leia mais

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014 O USO DO GEOPROCESSAMENTO COMO APOIO AO DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO BOM RETIRO, JAÚ SP Fábio César Martins 1, Rafael Aleixo Braga 2, José Carlos Toledo Veniziani Junior 3 1 Tecnólogo

Leia mais

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Maio de 2008 Introdução O município de Alta Floresta está localizado na região norte do estado de Mato

Leia mais

Estruturando o SIG para fornecer suporte para elaboração e implantação do Plano Municipal de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica

Estruturando o SIG para fornecer suporte para elaboração e implantação do Plano Municipal de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica Estruturando o SIG para fornecer suporte para elaboração e implantação do Plano Municipal de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica SIG Sistema de Informação Geográfica O SIG é um sistema de Informação

Leia mais

ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR

ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR Lucas Ricardo Hoenig Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE Campus de

Leia mais

Definiu-se como área de estudo a sub-bacia do Ribeirão Fortaleza na área urbana de Blumenau e um trecho urbano do rio Itajaí-açú (Figura 01).

Definiu-se como área de estudo a sub-bacia do Ribeirão Fortaleza na área urbana de Blumenau e um trecho urbano do rio Itajaí-açú (Figura 01). Relatório Trimestral 1 RELATÓRIO TRIMESTRAL BOLSISTA/PESQUISADOR: LUCAS DA SILVA RUDOLPHO 1. APRESENTAÇÃO As atividades apresentadas a seguir foram desenvolvidas como etapas do projeto: DEFINIÇÃO DE CRITÉRIOS

Leia mais

2. METODOLOGIA DE TRABALHO

2. METODOLOGIA DE TRABALHO TRAÇADO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE (APP) UTILIZANDO FERRAMENTAS DE GEOPROCESSAMENTO COMO TÉCNICA AUXILIAR NA RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DE ÁREAS DEGRADADAS Autores: Adriana Gomes de Souza Pesquisadora

Leia mais

ADEQUAÇÃO DE ÁREAS DE VEGETAÇÃO RIPÁRIA EM FUNÇÃO DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL

ADEQUAÇÃO DE ÁREAS DE VEGETAÇÃO RIPÁRIA EM FUNÇÃO DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL ADEQUAÇÃO DE ÁREAS DE VEGETAÇÃO RIPÁRIA EM FUNÇÃO DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL Katiuscia Fernandes Moreira 1, Sérgio Campos 1, Mariana Di Siervo 1, Fernanda Caetano Ferreira Santos 1, Milena Montanholi Mileski

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO COMO FERRAMENTA PARA DELIMITAÇÃO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÌPIO DE BRASÓPOLIS MG.

UTILIZAÇÃO DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO COMO FERRAMENTA PARA DELIMITAÇÃO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÌPIO DE BRASÓPOLIS MG. UTILIZAÇÃO DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO COMO FERRAMENTA PARA DELIMITAÇÃO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÌPIO DE BRASÓPOLIS MG. PEDRO HENRIQUE BAÊTA ANGELINI 1, ROSÂNGELA ALVES TRISTÃO BORÉM

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ÁGUA NA BACIA HIDROGRAFICA DO PIRACICABA

QUANTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ÁGUA NA BACIA HIDROGRAFICA DO PIRACICABA QUANTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ÁGUA NA BACIA HIDROGRAFICA DO PIRACICABA - MONITORAMENTO DA EVOLUÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS HIDROLÓGICAS DE UMA MICROBACIA HIDROGRÁFICA, EXTREMA, MINAS GERAIS -

Leia mais

MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE. Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida²

MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE. Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida² MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida² ¹Graduando em Agronomia, UAST, UFRPE,Serra Talhada-PE, tiagoamancio@hotmail.com

Leia mais

MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL

MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL SEDIMENT YIELD MODELING USING AN ALTERNATIVE ENVIRONMENTAL SCENARIO IN NORTHWESTERN

Leia mais

Mapeamento das áreas de APPs de Nascentes cultivadas com eucalipto na bacia hidrográfica do Paraíba do Sul (trecho paulista)

Mapeamento das áreas de APPs de Nascentes cultivadas com eucalipto na bacia hidrográfica do Paraíba do Sul (trecho paulista) Mapeamento das áreas de APPs de Nascentes cultivadas com eucalipto na bacia hidrográfica do Paraíba do Sul (trecho paulista) Fernanda Viana Paiva Argüello 1 Getulio Teixeira Batista 1 Flávio Jorge Ponzoni

Leia mais

METODOLOGIA PARA O GEORREFERENCIAMENTO DE ILHAS COSTEIRAS COMO SUBSÍDIO AO MONITORAMENTO AMBIENTAL

METODOLOGIA PARA O GEORREFERENCIAMENTO DE ILHAS COSTEIRAS COMO SUBSÍDIO AO MONITORAMENTO AMBIENTAL METODOLOGIA PARA O GEORREFERENCIAMENTO DE ILHAS COSTEIRAS COMO SUBSÍDIO AO MONITORAMENTO AMBIENTAL Carolina Rodrigues Bio Poletto¹ & Getulio Teixeira Batista² UNITAU - Universidade de Taubaté Estrada Municipal

Leia mais

CONFLITO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO EM APPs DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO ESTRELA DO NORTE- ES

CONFLITO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO EM APPs DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO ESTRELA DO NORTE- ES CONFLITO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO EM APPs DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO ESTRELA DO NORTE- ES Franciane L. R. O. Louzada 1, Alexandre R. Santos 2 1 UFES/Departamento Engenharia Florestal, Programa

Leia mais

"Protegendo as nascentes do Pantanal"

Protegendo as nascentes do Pantanal "Protegendo as nascentes do Pantanal" Diagnóstico da Paisagem: Região das Cabeceiras do Rio Paraguai Apresentação O ciclo de garimpo mecanizado (ocorrido nas décadas de 80 e 90), sucedido pelo avanço das

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS

DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS Alice Nardoni Marteli, Edson Luís Piroli Unesp Campus de Ourinhos Geografia alicenmart@gmail.com;

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ

AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ Mônica A. Muller, Aline Uhlein, Deise D. Castagnara, Diego A. V. Gambaro, Pedro C. S. da Silva (Orientador/UNIOESTE),

Leia mais

Figura 1 Classificação Supervisionada. Fonte: o próprio autor

Figura 1 Classificação Supervisionada. Fonte: o próprio autor ANÁLISE DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO JUQUERY ATRÁVES DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO E IMAGENS DE SENSORIAMENTO REMOTO 1. INTRODUÇÃO Ultimamente tem-se visto uma grande

Leia mais

Avaliação da ocupação e uso do solo na Região Metropolitana de Goiânia GO.

Avaliação da ocupação e uso do solo na Região Metropolitana de Goiânia GO. Avaliação da ocupação e uso do solo na Região Metropolitana de Goiânia GO. Marcos Vinícius Alexandre da SILVA Instituto de Estudos Sócio-Ambientais - IESA/UFG Mestrando em Geografia marcosalexandregeo@gmail.com

Leia mais

IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA

IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA Daniel Schull Brandão 1 ; Fabiana Raquel Muhl 2, Anderson Rhoden 3, Neuri Antonio Feldmann 4 Palavras-Chave:

Leia mais

USO E COBERTURA DAS TERRAS NA ÁREA DE ENTORNO DO RESERVATÓRIO DA USINA HIDRELÉTRICA DE TOMBOS (MG)

USO E COBERTURA DAS TERRAS NA ÁREA DE ENTORNO DO RESERVATÓRIO DA USINA HIDRELÉTRICA DE TOMBOS (MG) USO E COBERTURA DAS TERRAS NA ÁREA DE ENTORNO DO Calderano Filho, B. 1 ; Carvalho Junior, W. 2 ; Prado, R.B. 3 ; Calderano, S.B. 4 ; 1 EMBRAPA - CNPS Email:braz.calderano@embrapa.br; 2 EMBRAPA- CNPS Email:waldir.carvalho@embrapa.br;

Leia mais

Monocultura do eucalipto e o conflito ambiental na Bacia do Canabrava, no Norte de Minas Gerais.

Monocultura do eucalipto e o conflito ambiental na Bacia do Canabrava, no Norte de Minas Gerais. Monocultura do eucalipto e o conflito ambiental na Bacia do Canabrava, no Norte de Minas Gerais. Bruno Alves Nobre Bolsista da FAPEMIG bruno.nobre13@gmail.com Marcos Esdras Leite Professor Dr. Dep. de

Leia mais

Novo Código Florestal: as Falhas do Cadastro Ambiental Rural e os Possíveis Meios de Burla

Novo Código Florestal: as Falhas do Cadastro Ambiental Rural e os Possíveis Meios de Burla Novo Código Florestal: as Falhas do Cadastro Ambiental Rural e os Possíveis Meios de Burla Joelson de Souza Passos Estudante de Graduação Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) Brasil Resumo O código

Leia mais

RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA BACIA DO RIO SESMARIAS - FASE l PRODUTO 06 MAPAS TEMÁTICOS CRESCENTE. F É R T l L MEIO AMBIENTE CULTURA COMUNICAÇÃO

RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA BACIA DO RIO SESMARIAS - FASE l PRODUTO 06 MAPAS TEMÁTICOS CRESCENTE. F É R T l L MEIO AMBIENTE CULTURA COMUNICAÇÃO Rubrico: RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA BACIA DO RIO SESMARIAS - FASE l DIAGNÓSTICO FÍSICO SOCIOAMBIENTAL PRODUTO 06 MAPAS TEMÁTICOS T CRESCENTE F É R T l L MEIO AMBIENTE CULTURA COMUNICAÇÃO JULHO/2013 Rubrico:

Leia mais

Comunicado216 ISSN 1517-5030 Colombo, PR

Comunicado216 ISSN 1517-5030 Colombo, PR Comunicado216 Técnico Dezembro, ISSN 1517-5030 Colombo, PR 2008 Layers SIG. Fonte: Laboratório de Monitoramento - Embrapa Florestas B D Sistemas de Informações Geográficas (SIG) como Subsídio para a Elaboração

Leia mais

Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha

Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha Projeto de Engenharia Ambiental Sensoriamento remoto e Sistema de Informação Geográfica Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha Sensoriamento

Leia mais

ESTRUTURAÇÃO E DISPONIBILIZAÇÃO DO BANCO DE DADOS AMBIENTAIS DA BACIA DO RIO UNA, BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL CONTRATO FEHIDRO N 280/2002

ESTRUTURAÇÃO E DISPONIBILIZAÇÃO DO BANCO DE DADOS AMBIENTAIS DA BACIA DO RIO UNA, BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL CONTRATO FEHIDRO N 280/2002 ESTRUTURAÇÃO E DISPONIBILIZAÇÃO DO BANCO DE DADOS AMBIENTAIS DA BACIA DO RIO UNA, BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL CONTRATO FEHIDRO N 280/2002 RELATÓRIO FINAL Maio de 2006 Responsável Técnico (Editor): Getulio

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS NA BACIA DO RIO VERDE RMC - PARANÁ, BRASIL, POR MEIO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRAFICA

IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS NA BACIA DO RIO VERDE RMC - PARANÁ, BRASIL, POR MEIO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRAFICA IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS NA BACIA DO RIO VERDE RMC - PARANÁ, BRASIL, POR MEIO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRAFICA Profª. Drª. Sony Cortese Caneparo Profª. Associado - Departamento de Geografia

Leia mais

AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO

AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO Natália Aragão de Figueredo 1, Paulo Henrique Dias Barbosa 2, Thiago Dannemann Vargas 3, João Luiz Lani 4

Leia mais

DETERMINAÇÃO DAS ÁREAS DE CONFLITO DO USO DO SOLO NA MICROBACIA DO RIBEIRÃO ÁGUA-FRIA, BOFETE (SP), ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO

DETERMINAÇÃO DAS ÁREAS DE CONFLITO DO USO DO SOLO NA MICROBACIA DO RIBEIRÃO ÁGUA-FRIA, BOFETE (SP), ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO DETERMINAÇÃO DAS ÁREAS DE CONFLITO DO USO DO SOLO NA MICROBACIA DO RIBEIRÃO ÁGUA-FRIA, BOFETE (SP), ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO RAFAEL CALORE NARDINI; SÉRGIO CAMPOS; LUCIANO NARDINI GOMES;

Leia mais

O Código Florestal, Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Ambientes Urbanos

O Código Florestal, Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Ambientes Urbanos O Código Florestal, Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Ambientes Urbanos Carlos A. Nobre Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento - SEPED Ministério de Ciência, Tecnologia

Leia mais

PLANO DIRETOR PARA O SETOR RURAL DO MUNICÍPIO DE PINDAMONHANGABA, SP

PLANO DIRETOR PARA O SETOR RURAL DO MUNICÍPIO DE PINDAMONHANGABA, SP PLANO DIRETOR PARA O SETOR RURAL DO MUNICÍPIO DE PINDAMONHANGABA, SP Prof. Dr. Getulio T. Batista, Prof. Dr. Marcelo Targa, Prof. Dr. Nelson Dias Laboratório de Geoprocessamento (LAGEO) Departamento de

Leia mais

Uso da terra na Área de Preservação Permanente do rio Paraíba do Sul no trecho entre Pinheiral e Barra do Piraí, RJ

Uso da terra na Área de Preservação Permanente do rio Paraíba do Sul no trecho entre Pinheiral e Barra do Piraí, RJ Uso da terra na Área de Preservação Permanente do rio Paraíba do Sul no trecho entre Pinheiral e Barra do Piraí, RJ Stephanie Freitas Couto de Magalhães Samara Salamene Tom Adnet Moura Viviane Costa Elias

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA OCUPAÇÃO IRREGULAR DE ÁREAS DE APP NA SUB- BACIA DO RIO DO PEIXE EM ITABIRA MG E A RELAÇÃO COM A GERAÇÃO DE SEDIMENTOS

DIAGNÓSTICO DA OCUPAÇÃO IRREGULAR DE ÁREAS DE APP NA SUB- BACIA DO RIO DO PEIXE EM ITABIRA MG E A RELAÇÃO COM A GERAÇÃO DE SEDIMENTOS DIAGNÓSTICO DA OCUPAÇÃO IRREGULAR DE ÁREAS DE APP NA SUB- BACIA DO RIO DO PEIXE EM ITABIRA MG E A RELAÇÃO COM A GERAÇÃO DE SEDIMENTOS Letícia de Souza Perdigão 1 ; Eliane Maria Vieira 2 *; Roberto Cezar

Leia mais

SIG - Sistemas de Informação Geográfica

SIG - Sistemas de Informação Geográfica SIG - Sistemas de Informação Geográfica Gestão da Informação Para gestão das informações relativas ao desenvolvimento e implantação dos Planos Municipais de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica

Leia mais

ANÁLISE DO USO DA TERRA NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BARRAGEM PIRAQUARA II E SEUS AFLUENTES. PIRAQUARA PARANÁ

ANÁLISE DO USO DA TERRA NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BARRAGEM PIRAQUARA II E SEUS AFLUENTES. PIRAQUARA PARANÁ ANÁLISE DO USO DA TERRA NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BARRAGEM PIRAQUARA II E SEUS AFLUENTES. PIRAQUARA PARANÁ 1. INTRODUÇÃO Otacílio Lopes de Souza da Paz Acadêmico de Geografia UFPR otacílio.paz@gmail.com

Leia mais

Espacialização do Conflito do Uso e Ocupação do Solo em Áreas de Preservação Permanente da Microbacia do Ribeirão Santo Antonio, São Manuel-SP

Espacialização do Conflito do Uso e Ocupação do Solo em Áreas de Preservação Permanente da Microbacia do Ribeirão Santo Antonio, São Manuel-SP Espacialização do Conflito do Uso e Ocupação do Solo em Áreas de Preservação Permanente da Microbacia do Ribeirão Santo Antonio, São Manuel-SP Sérgio CAMPOS 1 Gabriel Rondina Pupo da SILVEIRA 2 Mariana

Leia mais

Desenvolvimento de um Sistema de Informações Geográficas (SIG) para o monitoramento de uma bacia hidrográfica, utilizando software livre RESUMO

Desenvolvimento de um Sistema de Informações Geográficas (SIG) para o monitoramento de uma bacia hidrográfica, utilizando software livre RESUMO Desenvolvimento de um Sistema de Informações Geográficas (SIG) para o monitoramento de uma bacia hidrográfica, utilizando software livre RESUMO Este artigo apresenta os primeiros resultados do desenvolvimento

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA. II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA. II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental Regularização fundiária em áreas de preservação permanente APPs em zona urbana: uma proposta de gestão ALEXANDRE

Leia mais

Conceitos Básicos. Geoprocessamento: Uma Ferramenta Para o Desenvolvimento Regional Sustentável. Conceitos Básicos.

Conceitos Básicos. Geoprocessamento: Uma Ferramenta Para o Desenvolvimento Regional Sustentável. Conceitos Básicos. Geoprocessamento: Uma Ferramenta Para o Desenvolvimento Regional Sustentável Sistema de Informação Dados Armazenados Questão Informação Laboratório de Geoprocessamento (LAGEO) Programa de Mestrado em Ciências

Leia mais

Marcelo Gonçalves 1. Maurício Polidoro 2. Mirian Vizintim Fernandes Barros 3

Marcelo Gonçalves 1. Maurício Polidoro 2. Mirian Vizintim Fernandes Barros 3 MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE E IDENTIFICAÇÃO DE USOS IRREGULARES DO SOLO MUNICIPAL DE IBIPORÃ-PR POR MEIO DAS TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO Marcelo Gonçalves 1 Maurício Polidoro 2 Mirian

Leia mais

Utilização de SIG aliado ao sistema de gestão ambiental em cursos d água urbanos.

Utilização de SIG aliado ao sistema de gestão ambiental em cursos d água urbanos. Utilização de SIG aliado ao sistema de gestão ambiental em cursos d água urbanos. AUTORES: Reginal Exavier¹, Elizabeth Rodrigues Brito Ibrahim² ¹Graduado no curso de Engenharia Ambiental e Sanitária pelo

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE TRABALHO 123: GEOPROCESSAMENTO E CADASTRAMENTO DE PROPRIEDADES DO OESTE BAIANO

TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE TRABALHO 123: GEOPROCESSAMENTO E CADASTRAMENTO DE PROPRIEDADES DO OESTE BAIANO TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE TRABALHO 123: GEOPROCESSAMENTO E CADASTRAMENTO DE PROPRIEDADES DO OESTE BAIANO 1 - Identificação da Consultoria GEO 1 Prestação de serviço especializado de consultoria pessoa

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO E SIG APLICADO NO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA BACIA DO RIO SÃO LAMBERTO NO NORTE DE MINAS GERAIS

SENSORIAMENTO REMOTO E SIG APLICADO NO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA BACIA DO RIO SÃO LAMBERTO NO NORTE DE MINAS GERAIS SENSORIAMENTO REMOTO E SIG APLICADO NO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA BACIA DO RIO SÃO LAMBERTO NO NORTE DE MINAS GERAIS FERNANDES, Marianne Durães 1 Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES mari170191@yahoo.com.br

Leia mais

Gabriel Vendruscolo de FREITAS * Introdução

Gabriel Vendruscolo de FREITAS * Introdução A BACIA HIDROGRÁFICA COMO UNIDADE TERRITORIAL PARA O PLANEJAMENTO E GESTÃO AMBIENTAL: ESTUDO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO PRETO NO MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO PRETO - SP Gabriel Vendruscolo de FREITAS *

Leia mais

Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT

Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT 2011 Diagnóstico Ambiental do Município de Apiacás MT Carolina de Oliveira Jordão Vinícius Freitas Silgueiro Leandro Ribeiro Teixeira Ricardo Abad Meireles

Leia mais

CONFLITO DE USO DA TERRA - MICROBACIA HIDROGRÁFICA SERROTE DO CABELO NÃO TEM PB

CONFLITO DE USO DA TERRA - MICROBACIA HIDROGRÁFICA SERROTE DO CABELO NÃO TEM PB Revista Educação Agrícola Superior Associação Brasileira de Educação Agrícola Superior- ABEAS - v.23, n.1,p.32-36, 2008 CONFLITO DE USO DA TERRA - MICROBACIA HIDROGRÁFICA SERROTE DO CABELO NÃO TEM PB 1

Leia mais

Cálculo da área de drenagem e perímetro de sub-bacias do rio Araguaia delimitadas por MDE utilizando imagens ASTER

Cálculo da área de drenagem e perímetro de sub-bacias do rio Araguaia delimitadas por MDE utilizando imagens ASTER Cálculo da área de drenagem e perímetro de sub-bacias do rio Araguaia delimitadas por MDE utilizando imagens ASTER Murilo R. D. Cardoso Universidade Federal de Goiás, Instituto de Estudos Sócio-Ambientais/GO

Leia mais

Estudo da Delimitação por MDE de Ottobacias de Cursos de Água da Sub-Bacia 63 Visando o Cálculo de Perímetro e Área de Drenagem

Estudo da Delimitação por MDE de Ottobacias de Cursos de Água da Sub-Bacia 63 Visando o Cálculo de Perímetro e Área de Drenagem Estudo da Delimitação por MDE de Ottobacias de Cursos de Água da Sub-Bacia 63 Visando o Cálculo de Perímetro e Área de Drenagem RESUMO FRANCISCO F. N. MARCUZZO SGB / CPRM Ministério de Minas e Energia

Leia mais

O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo

O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo INTRODUÇÃO Aline Kuramoto Gonçalves aline587@gmail.com Graduada

Leia mais

CONFECÇÃO DA BASE DE DADOS GEORREFERENCIADA NO MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ SP, E DA MICROBACIA HIDROGRÁFICA JUNDAÍ-MIRIM

CONFECÇÃO DA BASE DE DADOS GEORREFERENCIADA NO MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ SP, E DA MICROBACIA HIDROGRÁFICA JUNDAÍ-MIRIM CONFECÇÃO DA BASE DE DADOS GEORREFERENCIADA NO MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ SP, E DA MICROBACIA HIDROGRÁFICA JUNDAÍ-MIRIM 1. Objetivos Confecção da base cartográfica vetorial georreferenciada, tendo como referência

Leia mais

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura Planejamento da Propriedade Agrícola (APP e RL) Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes Dept o. Ciências Florestais ESALQ/USP Estação Experimental

Leia mais

Para realizar a avaliação do impacto da aplicação da legislação ambiental nos municípios foram realizadas as seguintes atividades:

Para realizar a avaliação do impacto da aplicação da legislação ambiental nos municípios foram realizadas as seguintes atividades: Objetivo do Projeto: O trabalho possui como objetivo analisar o impacto da aplicação da legislação ambiental sobre a área de produção agrícola dos municípios, em especial, das áreas de preservação permanente

Leia mais

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Ricardo D. Gomes da Costa 1 Marcelo Araujo 2 A rápida destruição de ambientes naturais, juntamente com a redução

Leia mais

Minicurso: Área de Preservação Permanente (APP) Ivan Silva de Oliveira Getulio Teixeira Batista Celso de Souza Catelani

Minicurso: Área de Preservação Permanente (APP) Ivan Silva de Oliveira Getulio Teixeira Batista Celso de Souza Catelani Minicurso: Área de Preservação Permanente (APP) Professores: Ivan Silva de Oliveira Getulio Teixeira Batista Celso de Souza Catelani Encontro ÁGUA & FLORESTA: O Estado da Arte em Educação Ambiental BACIA

Leia mais

Painel: Manejo da Paisagem para a Produção de Água: Conceitos e Aplicações

Painel: Manejo da Paisagem para a Produção de Água: Conceitos e Aplicações UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL LABORATÓRIO DE HIDROLOGIA FLORESTAL Painel: Manejo da Paisagem para a Produção de Água: Conceitos e Aplicações

Leia mais

Batista et al. (2005). XVI Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos, João Pessoa, PB, maio de 2005. P.1/16

Batista et al. (2005). XVI Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos, João Pessoa, PB, maio de 2005. P.1/16 Batista et al. (2005). XVI Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos, João Pessoa, PB, maio de 2005. P.1/16 MODELO DE BANCO DE DADOS AMBIENTAIS GEORREFERENCIADOS VOLTADO À RECUPERAÇÃO E PRESERVAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

Sistema de Informação Geográfica Aplicado na Agricultura

Sistema de Informação Geográfica Aplicado na Agricultura Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento Engenharia Agrícola Pós-Graduação em Engenharia Agrícola Disciplina: Seminário I Sistema de Informação Geográfica Aplicado na Agricultura

Leia mais

REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO METAS E RESULTADOS

REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO METAS E RESULTADOS REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO METAS E RESULTADOS Localização da Bacia do Rio São Francisco 13 milhões de habitantes 8% da população do País 8% 503 municípios 7 Unidades da Federação: Bahia (48,0%

Leia mais

Sensoriamento remoto e SIG

Sensoriamento remoto e SIG Multidisciplinar Sensoriamento remoto e SIG aplicados ao novo Código Florestal Allan Arnesen Frederico Genofre Marcelo Curtarelli Matheus Ferreira CAPÍTULO 3 Mapeamento de APP e Reserva Legal APP de corpos

Leia mais

SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE

SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG Aplicado ao Meio Ambiente - 2011 GA020- SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE Prof. Luciene S. Delazari -

Leia mais

USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR.

USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR. USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR. Ivan Rodrigo Dal-Berti, Marcio Pigosso, Wanessa Suelen

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012 Altera a Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, para dispor sobre as Áreas de Preservação Permanentes em áreas urbanas. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Leia mais

Geoprocessamento aplicado à identificação de áreas de preservação permanente em microbacias hidrográficas

Geoprocessamento aplicado à identificação de áreas de preservação permanente em microbacias hidrográficas http://www.docentesfsd.com.br ISSN: 2177-0441 Número 4 Janeiro / 2012 Geoprocessamento aplicado à identificação de áreas de preservação permanente em microbacias hidrográficas RESUMO Alexandre Jacintho

Leia mais

Estrutura do trabalho

Estrutura do trabalho Estrutura do trabalho Primeira Parte Processamento da informação; Percepção da realidade e Visão sistêmica Apresentação do texto Alegoria da Caverna Segunda Parte Definição de bacia hidrográfica, Estrutura

Leia mais

Programa Produtor de Água Pagamento por Serviços Ambientais

Programa Produtor de Água Pagamento por Serviços Ambientais Programa Produtor de Água Pagamento por Serviços Ambientais Comitê Médio M Paraíba do Sul AGEVAP Jan/2013 Os serviços dos ecossistemas são os benefícios que as pessoas obtêm dos ecossistemas. Serviços

Leia mais

TOPO DE MORRO NA RESOLUÇÃO CONAMA Nº 303

TOPO DE MORRO NA RESOLUÇÃO CONAMA Nº 303 TOPO DE MORRO NA RESOLUÇÃO CONAMA Nº 303 Sérgio Cortizo 1 5 de agosto de 2.007 RESUMO: É apresentada uma interpretação matemática da Resolução CONAMA nº 303 no que diz respeito à demarcação das Áreas de

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP INTRODUÇÃO A Agenda 21 Local é um instrumento de planejamento de políticas públicas que envolve tanto a sociedade

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA Jugurta Lisboa Filho Departamento de Informática Universidade Federal de Viçosa (MG) jugurta@dpi.ufv.br Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática Tópicos

Leia mais

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Aspectos relacionados com a Legislação Florestal / Mineração LEI FEDERAL 12651/12 Engª Amb. Adriana Maira Rocha Goulart Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

Parâmetros de Definição e Desafios à Geração e Tratamento de Dados de APP no Bioma Amazônico

Parâmetros de Definição e Desafios à Geração e Tratamento de Dados de APP no Bioma Amazônico 1. Introdução; 2. Definições, importância e parâmetros; 3. Desafios à delimitação; 4. Considerações. 1. Introdução O Programa de Qualificação da Gestão Ambiental - Municípios Bioma Amazônia, iniciativa

Leia mais

Prof. Charles Alessandro Mendes de Castro

Prof. Charles Alessandro Mendes de Castro ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE -NOVO CÓDIGO FLORESTAL MINEIRO LEI 20922/13 Prof. Charles Alessandro Mendes de Castro ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE(APPs) ART. 8º - São aquelas cobertas ou não por vegetação

Leia mais

DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE EM TOPO DE MORRO. ESTUDO DE CASO: SUB-BACIA DO RIO CANOAS, MONTES CLAROS - MG

DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE EM TOPO DE MORRO. ESTUDO DE CASO: SUB-BACIA DO RIO CANOAS, MONTES CLAROS - MG DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE EM TOPO DE MORRO. ESTUDO DE CASO: SUB-BACIA DO RIO CANOAS, MONTES CLAROS - MG Felipe Aquino Lima 1, Diego Brito de Oliveira 2, Rodrigo Praes de Almeida 3,

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL DE ALTERNATIVAS DE TRAÇADO DE DUTOS TERRESTRES

AVALIAÇÃO AMBIENTAL DE ALTERNATIVAS DE TRAÇADO DE DUTOS TERRESTRES AVALIAÇÃO AMBIENTAL DE ALTERNATIVAS DE TRAÇADO DE DUTOS TERRESTRES Guilherme Mendonça da Cunha (PETROBRAS), Giovani Schifino Dellamea, Renato Fernandes, Wilson José de Oliveira. RESUMO Este Trabalho apresenta

Leia mais

A EXPLORAÇÃO DE ÁREAS DE VEGETAÇÃO PROTEGIDA NA BACIA DO RIBEIRÃO DA CONFUSÃO, RANCHARIA SP

A EXPLORAÇÃO DE ÁREAS DE VEGETAÇÃO PROTEGIDA NA BACIA DO RIBEIRÃO DA CONFUSÃO, RANCHARIA SP 123 A EXPLORAÇÃO DE ÁREAS DE VEGETAÇÃO PROTEGIDA NA BACIA DO RIBEIRÃO DA CONFUSÃO, RANCHARIA SP Lucas Prado Osco 1, Marcos Norberto Boin 2 1 Engenheiro Ambiental, pela UNOESTE, Aluno Especial do Mestrado

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO PDDI. Relatório Final

GEOPROCESSAMENTO PDDI. Relatório Final GEOPROCESSAMENTO PDDI Relatório Final Sistema de Informação Geográfica do Plano Diretor de Desenvolvimento Integrado da Região Metropolitana de Belo Horizonte RMBH Maio de 2011 Sistema de Informação Geográfica

Leia mais

Identificação e Análise das Áreas de Proteção Permanente no Médio Curso da Bacia do Rio Piraqueaçú/ES com o Uso de Geotecnologias

Identificação e Análise das Áreas de Proteção Permanente no Médio Curso da Bacia do Rio Piraqueaçú/ES com o Uso de Geotecnologias Identificação e Análise das Áreas de Proteção Permanente no Médio Curso da Bacia do Rio Piraqueaçú/ES com o Uso de Geotecnologias Fabrício Holanda do Nascimento 1 André Luiz Nascentes Coelho 2 Rubyana

Leia mais

Rogério de Souza 1 Mário Valério Filho 1,2 1. Universidade do Vale do Paraíba UNIVAP/IP&D Av. Shishima Hifumi, 2911 São José dos Campos SP, Brasil

Rogério de Souza 1 Mário Valério Filho 1,2 1. Universidade do Vale do Paraíba UNIVAP/IP&D Av. Shishima Hifumi, 2911 São José dos Campos SP, Brasil Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 20, INPE p.479 Análise do crescimento urbano e os impactos na macrodrenagem com o auxílio

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO COMO FERRAMENTA PARA A ANÁLISE DO USO DA TERRA EM BACIAS HIDROGRÁFICAS

GEOPROCESSAMENTO COMO FERRAMENTA PARA A ANÁLISE DO USO DA TERRA EM BACIAS HIDROGRÁFICAS GEOPROCESSAMENTO COMO FERRAMENTA PARA A ANÁLISE DO USO DA TERRA EM BACIAS Resumo Rodrigo Cezar Criado Universidade Estadual de São Paulo - UNESP ro_geounesp@yahoo.com.br Edson Luís Piroli Universidade

Leia mais

CAPÍTULO 11. 1. Introdução

CAPÍTULO 11. 1. Introdução CAPÍTULO 11 DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE ACORDO COM O PROJETO DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL NO ENTORNO DOS PARQUES ESTADUAIS DE FORNO GRANDE E PEDRA AZUL ES Franciane L. Rubini de Oliveira

Leia mais

A Política de Meio Ambiente do Acre tendo como base o Zoneamento Ecológico. gico-econômico

A Política de Meio Ambiente do Acre tendo como base o Zoneamento Ecológico. gico-econômico A Política de Meio Ambiente do Acre tendo como base o Zoneamento Ecológico gico-econômico Diversidade Biológica www.animalzoom.org Diversidade Biológica www.animalzoom.org Diversidade Étnica Stuckert Cardeal,

Leia mais

São Paulo, 8 a 12 de setembro de 2014. ISBN: 978-85-7506-232-6

São Paulo, 8 a 12 de setembro de 2014. ISBN: 978-85-7506-232-6 MAPEAMENTO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE COMO AUXÍLIO PARA ESTUDO DE RENATURALIZAÇÃO AMBIENTAL DO ARROIO BARNABÉ GRAVATAÍ/RS Tassia Fraga Belloli Universidade Federal do

Leia mais

SPRING 3.6.03 - Apresentação

SPRING 3.6.03 - Apresentação SPRING 3.6.03 - Apresentação GEOPROCESSAMENTO Conjunto de ferramentas usadas para coleta e tratamento de informações espaciais, geração de saídas na forma de mapas, relatórios, arquivos digitais, etc;

Leia mais

MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE E CONFLITOS DE USO DA TERRA ENTRE DUAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NO SUL DO ESPÍRITO SANTO.

MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE E CONFLITOS DE USO DA TERRA ENTRE DUAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NO SUL DO ESPÍRITO SANTO. MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE E CONFLITOS DE USO DA TERRA ENTRE DUAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NO SUL DO ESPÍRITO SANTO. Daiani Bernardo Pirovani 1, Franciane Lousada Rubini de Oliveira

Leia mais

11. IDENTIFICAÇÃO DA ZONA DE AMORTECIMENTO. 11.1 Zona de Amortecimento

11. IDENTIFICAÇÃO DA ZONA DE AMORTECIMENTO. 11.1 Zona de Amortecimento 11. IDENTIFICAÇÃO DA ZONA DE AMORTECIMENTO 11.1 Zona de Amortecimento Vilhena (2002) menciona que o conceito de zona de amortecimento surgiu pela primeira vez em 1979, com o programa Man and Biosfere,

Leia mais

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB Yuri Tomaz Neves 1 ; Laércio Leal dos Santos 2 ; Jonathan Nóbrega Gomes 3 ; Bruno Menezes

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS.

GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS. GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS. CÁSSIO SILVEIRA BARUFFI(1) Acadêmico de Engenharia Sanitária e Ambiental, Universidade Católica

Leia mais

MUDANÇAS NO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES NOS RIOS SEMIÁRIDOS: ESTUDO NO RIO JAGUARIBE CEARÁ - BRASIL

MUDANÇAS NO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES NOS RIOS SEMIÁRIDOS: ESTUDO NO RIO JAGUARIBE CEARÁ - BRASIL MUDANÇAS NO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES NOS RIOS Andrade, J.H.R. 1 ; Maia, C.E. 2 ; Cavalcante, A.A. 3 ; Sousa, D.M.M. 4 ; 1 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMIÁRIDO - UFERSA Email:hamilton.meioambiente@yahoo.com.br;

Leia mais

TÍTULO: Aplicações de geoprocessamento na organização e gestão dos serviços de drenagem urbana.

TÍTULO: Aplicações de geoprocessamento na organização e gestão dos serviços de drenagem urbana. TÍTULO: Aplicações de geoprocessamento na organização e gestão dos serviços de drenagem urbana. NOME DOS AUTORES: Danilo Heitor Caires Tinoco Bisneto Melo. Formação: Bacharel em Geografia, pela Universidade

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL Conteúdo Programático 1) Gestão Ambiental e Desenvolvimento Sustentável: Conceitos Básicos (12 h) - Principais questões ambientais no Brasil e no mundo. - Conceitos

Leia mais

Ambiente & Água - An Interdisciplinary Journal of Applied Science ISSN: 1980-993X ambi-agua@agro.unitau.br Universidade de Taubaté Brasil

Ambiente & Água - An Interdisciplinary Journal of Applied Science ISSN: 1980-993X ambi-agua@agro.unitau.br Universidade de Taubaté Brasil Ambiente & Água - An Interdisciplinary Journal of Applied Science ISSN: 1980-993X ambi-agua@agro.unitau.br Universidade de Taubaté Brasil de Souza Catelani, Celso; Teixeira Batista, Getulio Mapeamento

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO.

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. Patrícia Pinheiro da Cunha 1, Magda Beatriz de Almeida Matteucci

Leia mais

GEOTECNOLOGIAS APLICADAS A SIMULAÇÃO DE PERDAS DE SOLO POR EROSÃO HÍDRICA FRANCIENNE GOIS OLIVEIRA

GEOTECNOLOGIAS APLICADAS A SIMULAÇÃO DE PERDAS DE SOLO POR EROSÃO HÍDRICA FRANCIENNE GOIS OLIVEIRA GEOTECNOLOGIAS APLICADAS A SIMULAÇÃO DE PERDAS DE SOLO POR EROSÃO HÍDRICA FRANCIENNE GOIS OLIVEIRA Sabendo-se que a erosão pode comprometer até mesmo o volume de água de uma bacia hidrográfica, o presente

Leia mais

ArcPlan S/S Ltda. Fone: 3262-3055 Al. Joaquim Eugênio de Lima, 696 cj 73.

ArcPlan S/S Ltda. Fone: 3262-3055 Al. Joaquim Eugênio de Lima, 696 cj 73. 1 de 27 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA PROJETO: GERENCIAMENTO INTEGRADO DE AGROECOSSISTEMAS EM MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DO NORTE-NOROESTE FLUMINENSE - RIO RURAL/GEF

Leia mais