CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO - FAE REGIANE PAMPLONA DE FIGUEIREDO COUTINHO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO - FAE REGIANE PAMPLONA DE FIGUEIREDO COUTINHO"

Transcrição

1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO - FAE REGIANE PAMPLONA DE FIGUEIREDO COUTINHO IMPACTOS DO CÓDIGO FLORESTAL NA AGRICULTURA FAMILIAR CAFEEIRA DO SUL DE MINAS GERAIS SÃO JOÃO DA BOA VISTA

2 REGIANE PAMPLONA DE FIGUEIREDO COUTINHO IMPACTOS DO CÓDIGO FLORESTAL NA AGRICULTURA FAMILIAR CAFEEIRA DO SUL DE MINAS GERAIS Dissertação apresentada ao Centro Universitário das Faculdades Associadas de Ensino FAE - São João da Boa Vista, como parte do requisito para obtenção do título de Mestre em Desenvolvimento Sustentável e Qualidade de Vida, sob a orientação do Prof. Dr. Luciel Henrique de Oliveira. SÃO JOÃO DA BOA VISTA

3 REGIANE PAMPLONA DE FIGUEIREDO COUTINHO IMPACTOS DO CÓDIGO FLORESTAL NA AGRICULTURA FAMILIAR CAFEEIRA DO SUL DE MINAS GERAIS Dissertação de mestrado para obtenção do título de Mestre em Desenvolvimento Sustentável e Qualidade de Vida, pelo Centro Universitário das Faculdades Associadas de Ensino FAE - São João da Boa Vista, que foi avaliada pela banca examinadora, integradas pelos professores doutores abaixo nomeados: Apresentada em 06/12/2013. BANCA EXAMINADORA: Prof. Dr. Francisco de Assis Carvalho Arten - UNIFAE Prof. Dr. Sergio Pedini IF SUL DE MINAS Prof. Dr. Luciel Henrique de Oliveira Orientador SÃO JOÃO DA BOA VISTA

4 DEDICATÓRIA Dedico este trabalho aos meus pais, José Sebastião e Aparecida, como forma de reconhecimento ao amor e esforço que dedicaram a vida toda aos filhos. Aos meus filhos, Stefânia e Olavo, como exemplo de que todo sonho pode ser realizado, mesmo que as dificuldades surjam podemos concretizá-los, com esforço e perseverança. 3

5 AGRADECIMENTOS A Deus pelas providências em minha vida. Ao Antônio Francisco Chico- meu marido, pelo apoio e confiança depositados. mãe. Aos meus filhos, Tete e Olavo, pelo apoio, compreensão e orgulho pelos estudos da Aos meus irmãos, Van e Bia, e aos meus cunhados, Cleide e Valdir, pelo crédito e incentivo na busca do conhecimento. A todos os meus sobrinhos, aos quais tanto amo pela paciência que tiveram com meus destemperos. À Tia Helena, que foi a primeira a me incentivar nessa jornada, estando sempre presente em todos os momentos. Aos amigos que incentivam, caminharam e ouviram diversas vezes e contribuíram de várias maneiras na construção desta pesquisa. Especialmente Ricardo, Dyego, Luciene, Adriana e Dirce. família. À Dona Maria, minha secretaria do lar, pela colaboração e dedicação à minha A todos os colegas de curso dentre os quais Beth, Renata, Kassandra, e muito especial à turma de Poços, Flávia, Suelba, Luzia, Maria Claudia e Amélio, que mutuamente colaboraram na troca dos saberes. Aos pesquisados, autoridades, políticos e pessoas do meio, pela atenção e por concederem as entrevistas. Aos colegas de trabalho Dra. Tereza, Márcia, Cleane, Daniela, Tânia e Licélia, pela paciência em ouvir por várias vezes as histórias da pesquisa, sempre incentivando. A todos os professores do mestrado que participaram dessa trajetória. Ao meu orientador, Luciel de Oliveira, pela sabedoria, atenção e amizade ao longo dessa caminhada. 4

6 AUTOBIOGRAFIA DA AUTORA Regiane Pamplona de Figueiredo Coutinho, filha de José Sebastião de Figueiredo e Maria Aparecida Pamplona de Figueiredo, nasceu na cidade de Cabo Verde-MG, em 10 de janeiro de Graduou-se em Direito pela Universidade José do Rosário Vellano, UNIFENAS-Alfenas/MG em Especializou-se em Direito Público pela Faculdade de Direito de Ipatinga 2005 (A Reserva Legal na Perspectiva do Estado Democrático de Direito), em Gestão Pública pela Faculdade do Noroeste de Minas, FINOM 2008 (A Reserva Legal e suas Legalizações e Operalizações), em Direito Ambiental a Distância pela Faculdade Internacional de Curitiba Facinter 2010 (A Reserva Legal e a Perspectiva do Projeto de Lei do Novo Código Florestal). Em 2013 intitulou-se Mestre em Desenvolvimento Sustentável e Qualidade de Vida pelo Centro Universitário das Faculdades Associadas de Ensino FAE. A autora dispensa especial interesse por temas jurídicos ligados à agropecuária, Educação e Política Pública. Entre as atividades que realizou destaca os serviços de voluntariado junto às entidades filantrópicas e religiosas na sua cidade natal. Atuou como docente por um período no ensino fundamental II dedicando-se a cátedra de geografia.atuou junto ao Tribunal Regional Eleitoral como Escrivã Eleitoral da 55ª Zona no biênio2002/2004.atua como Oficial de Apoio Judicial junto ao Tribunal de Justiça de Minas Gerais desde Contatos pelo 5

7 RESUMO Este trabalho aborda a situação dos produtores de café em regime de agricultura familiar, frente aos prováveis efeitos que as demarcações de Reserva Legal (RL) e de APPs (Áreas de Preservação Permanentes), exigidas pelo Novo Código Florestal poderão causar este sistema de produção e seus praticantes. O trabalho partiu dos seguintes questionamentos: O Novo Código Florestal Brasileiro comprometerá a sustentabilidade da agricultura em regime de economia familiar dos produtores familiares no sul de Minas Gerais? Qual a percepção que eles têm sobre o impacto desta Lei na sua qualidade de vida? Assim, a pesquisa teve o objetivo de analisar os impactos que as adaptações de RL e APP exigidas pelo Código Florestal Brasileiro poderão trazer à sustentabilidade da agricultura em regime de economia familiar no sul de Minas Gerais e a percepção que estes produtores têm sobre a interferência destes impactos na sua qualidade de vida. Foi desenvolvido um estudo de casos múltiplos, realizado em três propriedades, produtoras de café, no sul de Minas Gerais. A escolha das propriedades considerou unidades que se caracterizam como familiares, segundo critérios da Lei da Agricultura Familiar. No decorrer da pesquisa, a relação com o humano destacou-se mais do que com a lei. A lei deve servir para organizar a vida de pessoas. Ao ser apresentada para cada um dos entrevistados esta lei gerou uma inquietação de quem estava prestes a ter a vida desordenada. Isto os faria ter que mudar a sua essência, seu jeito de ser - uma desordem que chegaria dentro de cada um. Palavras-chave: Código Florestal, impactos, produtores familiares de café. 6

8 ABSTRACT This study discusses the situation of smallholder family farming coffee producers, facing the possible effects that the demarcations of Legal Reserve ( LR ) and PPA ( Permanent Preservation Areas), required by New Brazilian Forest Code will cause in this system production and its practitioners. The research began with these questions: The new Forest Code can affect the sustainability of smallholders family farming coffee producers located in southern Minas Gerais State? What is the perception they have about the impact of this law on their quality of life? The research aimed to analyze the impact that LR and PPA adaptations required by Brazilian Forest Code could bring the sustainability of family farming coffee producers and the perception that these producers have about the interference of these impacts in their quality of life. A multiple case study was developed in three small farms, coffee producer in the south of Minas Gerais State. The choice of properties considered productive units that are characterized as family farming, according to the criteria of the Law. During this research, the relationship with the human proved more important than with the law. The law should serve to organize the people lives. When the new law was presented to respondents, caused a caring who was about to have a messy life. This would make them have to change their essence, their way of being - a disorder that would arrive each interviewed. Key Words: Brazilian Forest Code, impacts, family coffee farmers. 7

9 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Contexto da Pesquisa Problema de pesquisa Objetivos Geral Específicos Justificativas e importância do estudo FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Código Florestal: conceitos e definições básicas Evolução do Código Florestal Brasileiro a partir de Impactos Legais do Código Florestal Novo Código Florestal Considerações sobre as alterações na legislação mineira Cumprimento da Reserva Legal Agricultura familiar Algumas definições de agricultura familiar: Agricultura familiar no Brasil : dados e perspectivas Agricultura familiar em terras mineiras Pequenos agricultores de café no Sul de Minas Gerais Sustentabilidade na produção rural via agricultura familiar Possibilidades de organização da produção familiar para sustentabilidade Qualidade de vida na agricultura familiar PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Seleção do sujeito da pesquisa Os políticos e os manifestantes Os pequenos agricultores do café: casos em estudo Procedimentos e Métodos Etapas da Pesquisa Etapa inicial: A História em construção Segunda etapa: Estudo de Casos Múltiplos

10 3.4 Análise de dados Análise técnica das propriedades Técnica da análise de conteúdo RESULTADOS E DISCUSSÕES A Polêmica A História em construção Reflexões Aspectos Positivos Aspectos Negativos Geo-Normatização A Cafeicultura em questão Conhecimento da Lei Mudanças na Produção Agricultura Familiar Estudos de casos Os Casos: os pequenos agricultores em estudo Estudo das propriedades e detalhamento das adequações Entrevista Final: percepção dos agricultores familiares Sustentabilidade Qualidade de Vida CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS Apêndice Apêndice A Apêndice B Apêndice C

11 LISTA DE TABELAS Tabela 1, Produção agropecuária mineira, Fonte: CENSO Tabela 2, Entrevistados para estudo piloto. Fonte: Elaborado pela autora Tabela 3, Organização do quadro categorial Compreensão da Lei - Elaborado pela autora Tabela 4, Organização do quadro categorial dos Efeitos na Cafeicultura...67 Tabela 5, Organização do quadro categorial Sustentabilidade Tabela 6, Organização do quadro categorical Qualidade de Vida

12 LISTA DE QUADROS Quadro 1, Compreensão da Lei: fase de aprovação- Elaborado pela autora...75 Quadro 2, Efeitos da Lei na Cafeicultura - Elaborado pela autora Quadro 3, Categorial Sustentabilidade - Elaborado pela autora Quadro 4, Categorial Qualidade de Vida(a)- Elaborado pela autora Quadro 5, Categorial Qualdiade de Vida(b)- Elaborado pela autora

13 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Propriedade Legal em Região montanhosa; Fonte: ALTIERI, Figura 2, Sujeito A - Córrego que atravessa a propriedade trecho que passa pela estrada municipal pavimentada. Fonte: Resultados da pesquisa. Elaborado pela autora Figura 3, Sujeito A Visualização do curso d água com aproveitamento como lavador para a seleção do café, a lavoura de café no canto superior esquerdo, a travessia da estrada pavimentada. Fonte: Resultados da pesquisa. Elaborado pela autora Figura 4, Sujeito A Mina d água onde é captada toda a água que abastecem as quatro residências da propriedade, dentro da APP, sem devido isolamento. Fonte: Resultados da pesquisa. Elaborado pela autora Figura 5, Sujeito A Mina d água onde é captada toda a água que abastecem as quatro residências da propriedade, dentro da APP, sem devido isolamento. Fonte: Resultados da pesquisa. Elaborado pela autora Figura 6, Sujeito A Escoamento do córrego de encontro ao esgoto. Fonte: Resultados da pesquisa. Elaborado pela autora Figura 7, Sujeito A Curso do Córrego dentro do pomar, sem margens definidas. Fonte: Resultados da pesquisa. Elaborado pela autora Figura 8, Sujeito A Ponto de captação sem a preservação da vegetação nativa. Fonte: Resultados da pesquisa. Elaborado pela autora Figura 9, Sujeito A Escoamento do córrego de encontro ao esgoto. Fonte: Resultados da pesquisa. Elaborado pela autora Figura 10, Sujeito A Curso do córrego chegando à várzea, área de brejo ao fundo da propriedade. Fonte: Resultados da pesquisa. Elaborado pela autora

14 Figura 11, Sujeito A Área de brejo ao fundo da propriedade abaixo do ponto de captação de água potável onde são lançados os resíduos da propriedade. Fonte: Resultados da pesquisa. Elaborado pela autora Figura 12, Sujeito B - Lavoura de café na encosta com reserva legal ao fundo. Fonte: Resultados da pesquisa. Elaborado pela autora Figura 13, Sujeito B Lavoura de café na encosta com reserva legal ao fundo. Fonte: Resultados da pesquisa. Elaborado pela autora Figura 14, Sujeito B Parcial da lavoura de café confrontando com a área em declive. Fonte: Resultados da pesquisa. Elaborado pela autora Figura 15, Sujeito B Parcial da lavoura de café confrontando com a área em declive. Fonte: Resultados da pesquisa. Elaborado pela autora Figura 16, Sujeito B Lavoura de café com declividade acima de 45º. Fonte: Resultados da pesquisa. Elaborado pela autora Figura 17, Sujeito B Lavoura de café que confronta com a reserva legal e apresenta declividade acima de 45º. Fonte: Resultados da pesquisa. Elaborado pela autora Figura 18, Sujeito B Córrego que margeia a propriedade pelo lado sudeste correndo aos fundos da sede. Fonte: Resultados da pesquisa. Elaborado pela autora Figura 19, Sujeito B Parcial do córrego que tem seu curso na divisa, ao seu lado direito mata nativa e ao lado esquerdo a lavoura de café sem a preservação da APP legal. Fonte: Resultados da pesquisa. Elaborado pela autora Figura 20, Sujeito B Parcial demostrando a preservação da APP às margens direita do córrego e às margens esquerda a lavoura de café sem a preservação da APP. Fonte: Resultados da pesquisa. Elaborado pela autora

15 Figura 21, Sujeito C Visão parcial da propriedade produtora de café, dentro da área de APP. Fonte: Resultados da pesquisa. Elaborado pela autora Figura 22, Sujeito C Lavoura de café dentro da área demarcada e averbada para reserva legal. Fonte: Resultados da pesquisa. Elaborado pela autora Figura 23, Sujeito C - Lavoura de café dentro da área demarcada e averbada para reserva legal, além do córrego que corta a propriedade sem APP Fonte: Resultados da pesquisa. Elaborado pela autora Figura 24, Sujeito C Visão do olho d água em meio a lavoura de café. Fonte: Resultados da pesquisa. Elaborado pela autora Figura 25, Sujeito C Visão de pequeno represamento do córrego que corre junto a divisa da propriedade, para a criação de aves para o consumo familiar. Fonte: Resultados da pesquisa. Elaborado pela autora Figura 26, Sujeito C Nascente e brejo na divisa da propriedade sem o devido isolamento e APP. Fonte: Resultados da pesquisa. Elaborado pela autora Figura 27, Sujeito C Córrego que corta a propriedade sem o isolamento e a preservação ou reconstituição da APP. Revelando trecho com erosão em sulco. Fonte: Resultados da pesquisa. Elaborado pela autora Figura 28, Sujeito C Córrego na divisa da propriedade sem isolamento e preservação da APP. Fonte: Resultados da pesquisa. Elaborado pela autora Figura 29, Sujeito C: Mina d água em meio a lavoura de café sem o devido isolamento por se tratar de APP. Fonte: Resultados da pesquisa. Elaborado pela autora

16 LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS APP Área de Preservação Permanente CNA Conselho Nacional da Agricultura CNC Conselho Nacional do Café CONAMA Conselho Nacional de Meio Ambiente CONTAG - Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura CRA - Cota de Reserva Ambiental EMATER Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural ENSP Escola Nacional de Saúde Pública FAEMG Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais FPA - Frente Parlamentar Agropecuária IF Instituto Federal INCRA Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária MP Medidas Provisórias PIB Produto Interno Bruto PL Projeto de Lei PNAD - Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio PRA Programa de Regularização Ambiental PRONAF - Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar PSE Pagamento por Serviços Ecossistêmicos RL Reserva Legal SISNAMA Sistema Nacional do Meio Ambiente VBP Valor Bruto de Produto UFLA (Universidade Federal de Lavras) UFMG (Universidade Federal de Minas Gerias) 15

17 1 INTRODUÇÃO Contexto da Pesquisa Desde 1934, com a criação do Código Florestal Brasileiro, o direito à propriedade não é de caráter puramente individual, devendo, o referido direito, ser exercido também em benefício da coletividade. As florestas compreendidas como parte integrante da paisagem natural têm garantida sua preservação (Lei nº de 15/09/1965), onde foram delimitadas as Áreas de Proteção Permanente (APP) e as de Reserva Legal (RL) em todas as propriedades agrícolas, indistintamente. No que concerne à dominialidade, as APP podem estar em domínio público ou privado, sendo que, neste último caso, limitando o direito de propriedade pela restrição de seu exercício (CABRAL e SOUZA, 2001; CABRAL et al., 2002). A área de RL garante que em cada propriedade se mantenha o mínimo de cobertura arbórea nativa, assim como de florestas e vegetação natural, conforme determinado também para as APP. A Reserva Legal é o percentual de mata nativa que deve ser mantido em cada propriedade conforme determinação legal e a região de sua localização. A APP se constitui de mata ciliar, topo de encostas acima de 45 graus, várzeas e qualquer vegetação que tenha importância para a manutenção dos recursos hídricos e aquíferos (GOMES, 2011). A devastação exploratória típica da economia agropecuária e extrativista do país (PADUA, 2000) foi o motivo da criação desta Lei que se amplia significativamente a partir da sua reforma em A visão do Projeto Daniel de Carvalho atende ao princípio de preservação e da função social da propriedade, mas sofre muitas resistências para ser cumprida. A aplicabilidade destes princípios, de modo a assegurar a todos uma existência digna, conforme os ditames da justiça social, com a manutenção favorável do clima, das águas, da vegetação nativa, dos recursos minerais e da biodiversidade, torna-se mais eficaz a partir de 1981, devido à pressão mundial advinda da consciência ambiental despertada (RODRIGUES, 1999). A Política Nacional de Meio Ambiente, instituída nesta data, trata a flora como bem jurídico ambiental relacionando-a aos direitos de terceira geração e interesses difusos, sendo compreendidos pelo valor de existência (intrínseco) e não por seu valor de troca (utilitário), e vai sofrendo adaptações e mudanças conforme o modo de expansão e produção do agronegócio e da pecuária. O período mais crítico se deu na década de 90, com índice de 16

18 30 mil km² de área desmatada em 1995, o que gerou a necessidade de que as políticas ambientalistas fossem intensificadas. Assim, ementas, pequenas reformas, decretos e medidas provisórias foram criados (PRIOSTE et al., 2009) até chegarmos ao Código Florestal de O cumprimento do Código Florestal implica na observância de restrições de uso produtivo da propriedade rural nas APP e RL, interferindo de forma direta no agronegócio. Este movimento ocasiona debates constantes entre ambientalistas, proprietários rurais, economistas e poder público (CARVALHO FILHO, 2010). O limite de uso da propriedade regulado pelo Código Florestal de 1965, varia de acordo com a região onde está localizada a propriedade. Assim, na Amazônia, o percentual máximo de uso exploratório da propriedade é de 20%, no cerrado é de 65% e nas demais regiões é de 80%. A impossibilidade de se utilizar produtivamente essa área destinada à APP e RL, beneficia a sociedade, porém gera encargos e obrigações diretamente aos produtores. A legislação sofreu várias alterações devido a ajustes regionais, uma vez que a norma é concorrente, facultando autoridade tanto à Federação, como aos Estados e aos Municípios, para legislarem sobre a matéria, socorrendo-se de decretos e medidas provisórias, o que demonstrou a dificuldade dos legisladores em conciliar os interesses dos envolvidos no assunto (JOELS, 2002). Estas alterações afetam a interpretação e a aplicação da Lei, sendo que o Código Florestal de 2012, busca ajustar as necessidades dos atores envolvidos, dando tratamento diferenciado à pequena propriedade. Com o objetivo de aliar a atividade empresarial à proteção do meio ambiente, os legisladores buscaram corresponder ao princípio da sustentabilidade. Segundo Fiorillo (2002), o desenvolvimento sustentável tem por conteúdo a manutenção das bases vitais da produção e reprodução do homem e de suas atividades, garantindo uma relação satisfatória entre os homens e destes com o seu ambiente, para que as futuras gerações também tenham oportunidade de desfrutar dos mesmos recursos que temos hoje à nossa disposição. Os princípios de sustentabilidade estão reforçados na função social da propriedade rural conforme o artigo 186, da Constituição da República Federativa do Brasil (1988), que reza: A função social é cumprida quando a propriedade rural atende simultaneamente, segundo critérios e graus de exigência estabelecidos em Lei, aos seguintes 17

19 requisitos: I- aproveitamento racional e adequado; II- utilização adequada dos recursos naturais disponíveis e preservação do meio ambiente; III observância das disposições que regulam as relações de trabalho; IV - exploração que favoreça o bem-estar dos proprietários e dos trabalhadores (BRASIL/1988). Joels (2002) afirma que os fatores econômicos são os principais responsáveis pelo não cumprimento da determinação da RL nas propriedades rurais, e ainda conclui que a implantação e conservação da RL dependerão de uma postura colaborativa do governo e da sociedade em repartir o ônus que este padrão para o desenvolvimento sustentável exige do produtor (RIGONATTO, 2006). Como as propriedades são diferentes umas das outras, em porte, em modo de produção, topografia, clima, tipo de solo etc., as condições para corresponder às exigências da Lei não são iguais (SANTANA, 2008). O objeto de estudo deste trabalho são as pequenas propriedades que produzem café em regime de agricultura familiar, tendo-se em vista os efeitos que as demarcações de RL e de APP, exigidas pelo Código Florestal vigente, causarão a este sistema de produção e seus praticantes. O café tem importância na economia do Brasil desde a metade do século XIX, destacando-se incialmente no cenário do Nordeste e depois no Sudeste, a começar do Vale do Paraíba. Atualmente tem elevado peso na pauta da exportação mineira... caracterizando-o como principal produto agrícola, em termos de receitas (SANTOS et al, 2009, p.1), assim estudar os impactos da legislação florestal sobre a produção do café se torna necessário. A agricultura familiar é compreendida pelo PRONAF, (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar) como estratégica para a sustentabilidade e inclusão do pequeno proprietário na teia produtiva agrícola, favorecendo, inclusive, a solução de problemas sociais e ambientais (SOUSA et al., 2005). A compreensão de sustentabilidade adotada neste trabalho baseia-se no conceito Inglês (INGLATERRA, 2003) que integra vários aspectos, ao considerar a preservação da produtividade dos recursos naturais que sustentam a vida (ambientais); o nível de bem-estar econômico atingido por toda população (econômicos); a diminuição da exclusão e aumento da igualdade social (sociais); e a capacidade das estruturas e dos processos de continuar a existir a longo prazo (institucional). Assim, o desenvolvido sustentável sugere processos elaborados em função da melhoria da qualidade de vida, justiça social, participação (acesso à educação e ao 18

20 desenvolvimento), segurança socioeconômica (moradia, trabalho e saúde) e cooperação (THIN et al., 2002). Qualidade de vida aparece nominalmente nesta relação por se entender que algo só se torna sustentável, se leva em consideração a promoção do bem-estar do ser humano, além da preservação ambiental. Este critério remete à necessidade de que todos tenham condição de, além de sanar as suas necessidades primárias (WILHEIM, 2003), consigam também a melhoria das condições psicológicas, físicas, individuais e familiares (SILVA, 2000). Para melhor compreensão desta situação encontram-se no segundo capítulo as bases conceituais, dados históricos e os fundamentos teóricos que fundamentam este estudo. O primeiro subtítulo apresenta os conceitos e definições básicas, a evolução do Código florestal Brasileiro a partir de 1965 e os impactos legais do Código Florestal; o subtítulo subsequente trata do novo Código Florestal e considerações sobre as alterações na legislação mineira; o terceiro subtítulo refere-se ao cumprimento da reserva legal, no quarto subtítulo encontram-se definilções, dados e perspectivas sobre a agricultura familiar detalhando-se este tipo de agricultura nas terras mineiras, com foco nos cafeicultores familiares do sul do Estado, fechando este capítulo com estudos referente à sustentabilidade e qualidade de vida do produtor familiar. A pesquisa teve abordagem qualitativa, descritiva e explicativa, analisando as relações entre eventos reais e o universo subjetivo dos sujeitos ao qual está interligada, neste caso, as percepções humanas sobre os impactos do Código Florestal em pequenas propriedades agrícolas e na vida do pequeno agricultor. Os procedimentos metodológicos envolveram est.udos bibliográficos que fundamentaram as bases teórica e histórica do tema. Além disso, utilizou-se também do estudo dos mapas de registro das propriedades e do Código Florestal. Para a coleta das percepções, utilizou-se de entrevistas semi-estruturadas com os produtores selecionados. O detalhamento deste processo encontra-se no capítulo terceiro. No capitulo quatro apresenta-se as reflexões referentes às aspirações dos agricultores, dos ambientalistas e dos políticos que participaram da mobilização para aprovação do então Projeto de Lei para renovação do Código Florestal Brasileiro de Concluindo-se com a análise e considrações dos resultados sobre os impactos da Lei, as negociações políticas, as questões sociais e ambientais, revelando a situação dos produtores familiares, as mudanças 19

21 exigidas e os comprometimentos na sustentabilidade da agricultura familiar e a qualidade de vida destes produtores de café do Sul Minas Cenário Político O Código Florestal de 2012, com as suas exigências, será favorável ao desenvolvimento sustentável para os produtores familiares? Os ruralistas creêm que não, postura que pode ser identificada na posição do relator do projeto Deputado Aldo Rebelo (PCdoB), um dos representantes desta bancada, que defendeu o aumento da área utilizável da propriedade do pequeno agricultor visando estimular a agricultura familiar, bem como anistia aos crimes ambientais cometidos até 22 de julho de Considerando que tais atos não eram considerados ilegais quando foram cometidos, as pessoas que receberiam as punições estariam sendo injustiçadas e prejudicadas ao terem que se desfazer de áreas cultivadas para o reflorestamento obrigatório, acarretando uma perda para a agricultura nacional. Esta e outras defesas constam na carta aberta que o Deputado enviou à Presidente Dilma Rousseff dizendo entre outras coisas que:... a anistia existente e que está em vigor é a assinada pelo Ministro Carlos Minc e pelo Presidente Lula em junho de 2008 e renovada em dezembro de 2009, no Decreto 7.029/09. O Presidente e o Ministro perceberam que quase 100% dos 5 milhões e 200 mil agricultores, 4 milhões e 300 mil deles pequenos proprietários, não teriam como cumprir a legislação alterada por força de medidas provisórias nunca votadas no Congresso, decretos, portarias, instruções normativas e resoluções absurdas do Conama (REBELO, in: AZEVEDO, 2011) O Deputado continua apresentando trechos do decreto presidencial assinado pelo Presidente Lula anistiando o proprietário que aderisse ao Programa Mais Ambiente que reverte as multas em serviços de preservação, melhoria e recuperação da qualidade do meio ambiente. Para o contexto desta pesquisa, uma parte do mesmo texto chama a atenção: Quanto à consolidação das atividades em Áreas de Preservação Permanente, é de se destacar tratar-se de cultivos e pastoreio centenários de pequenas propriedades que não podem ser removidos como se erva daninha fossem. A recuperação de APP, tanto as de topo de morro, encostas ou margem de rio deve considerar a existência do homem, de sua família, de sua sobrevivência, o que parece não estar presente na preocupação do ambientalismo neomalthusiano (REBELO, in: AZEVEDO, 2011). O Deputado mineiro Paulo Pial (PMDB), também relator do novo Código Florestal, apresentou alteração defendendo que a definição das áreas a serem recuperadas precisava ser 20

22 estabelecida por medida provisória ou projeto de Lei posterior. A ideia é defensável pela condição diversa das propriedades e das características físicas das regiões brasileiras. Cada bioma deve ser tratado de maneira específica de acordo com as necessidades locais, sustenta. Para Pial a regra indiscriminada poderia provocar um êxodo rural de pequenos e médios produtores, além de criar dificuldades ao país de manter a produção necessária de alimento (Agência Câmara, 2012). Mas a Lei n , de 25 de maio de 2012, foi sancionada com muitos vetos. A bancada ambientalista, que tem entre seus representantes o Partido Verde, disse que é possível a sustentabilidade dos pequenos proprietários mesmo com o novo código. Para tal, é necessário apenas aperfeiçoar a eficácia nas lavouras e nos pastos através de tecnologia que gerem uso sustentável da terra. Assim, as terras já cultivadas seriam suficientes para dobrar a produção de alimentos no país. Afirma ainda que o desmatamento, inclusive, prejudicaria a produção agropecuária, pois põe em risco serviços ambientais básicos, como o ciclo das chuvas e dos ventos, a proteção do solo, a polinização, o controle natural de pragas, a biodiversidade, eventos que estão diretamente ligados a tais fatores ambientais (BBC BRASIL, 2012). Os dois pensamentos foram representados, não apenas por políticos, mas também por movimentos sociais. Alguns dando apoio à expansão das APP e RL, outros defendendo o rigor na aplicação da Lei. Segundo a Agência Brasil (2011), a CONTAG (Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura) pediu tratamento diferenciado entre pequenas e grandes propriedades. O Movimento dos Pequenos Agricultores (2012) organizou uma manifestação e pediu o veto presidencial às mudanças propostas por Aldo Rebelo e Paulo Pial que, usando a desculpa de protegê-los, deixa possibilidades para a exploração indevida dos Manguezais e da Mata Atlântica. Já um grupo de pequenos e médios agricultores do sul de Minas Gerais esteve em Brasília para dar apoio ao projeto dos ruralistas. Este movimento justifica-se pelo grave impacto para os produtores desta região, que têm o hábito de plantar nas encostas de morro, por se tratar de propriedades em área de planalto, e isto não seria permitido. Além disto, o código não considera mais as matas ciliares como parte da RL, mas APP, o que amplia a projeção de espaço a ser preservado para além dos 20% exigidos em Minas Gerais. "Isso prejudica o cafeicultor do sul de Minas Gerais, porque o café produzido lá é café de 21

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços A APP era computada a partir das margens de rio ou cursos d água, pelo nível mais alto do período de cheia. Várzeas eram consideradas parte dos rios ou cursos d água, porque são inundadas durante o período

Leia mais

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Ricardo D. Gomes da Costa 1 Marcelo Araujo 2 A rápida destruição de ambientes naturais, juntamente com a redução

Leia mais

Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12. 4º Ecologia 28/09/2015

Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12. 4º Ecologia 28/09/2015 1 Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12 4º Ecologia 28/09/2015 Motivação para criação 2 Conservação de ecossistemas naturais é interessante! Única lei nacional que veta a ocupação urbana ou

Leia mais

b) cinqüenta hectares, se localizada no polígono das secas ou a leste do Meridiano de 44º W, do Estado do Maranhão; e

b) cinqüenta hectares, se localizada no polígono das secas ou a leste do Meridiano de 44º W, do Estado do Maranhão; e MEDIDA PROVISÓRIA N o 2.166-67, DE 24 DE AGOSTO DE 2001. Altera os arts. 1 o, 4 o, 14, 16 e 44, e acresce dispositivos à Lei n o 4.771, de 15 de setembro de 1965, que institui o Código Florestal, bem como

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Lei 12.651/2012 Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Considerações Padrão Legal X Padrão de Qualidade Capacitação para aplicação da lei Análise individual

Leia mais

Tema: Reserva Legal. Familiar/MMA

Tema: Reserva Legal. Familiar/MMA Tema: Reserva Legal Norma atual Proposta 1 Proposta Agricultura Proposta Movimento MAPA/ruralistas Familiar/MMA Socioambientalista Recuperação de RL: exige a Reconhecimento de Não aceitar anistia para

Leia mais

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP)

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP) Lei 4771 versão em vigor II área de preservação permanente: área protegida nos termos dos arts. 2 o e 3 o desta Lei, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos

Leia mais

IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA

IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA Daniel Schull Brandão 1 ; Fabiana Raquel Muhl 2, Anderson Rhoden 3, Neuri Antonio Feldmann 4 Palavras-Chave:

Leia mais

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade.

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade. São as áreas protegidas da propriedade. Elas não podem ser desmatadas e por isso são consideradas Áreas de Preservação Permanente (APPs). São as faixas nas margens de rios, lagoas, nascentes, encostas

Leia mais

http://www4.planalto.gov.br/legislacao/resenha-diaria/2012/maio-resenhadiaria#content

http://www4.planalto.gov.br/legislacao/resenha-diaria/2012/maio-resenhadiaria#content http://www4.planalto.gov.br/legislacao/resenha-diaria/2012/maio-resenhadiaria#content Lei nº 12.651, de 25.5.2012 - Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis n os 6.938, de 31 de agosto

Leia mais

Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal

Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal 1/33 Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal Introdução Eng. Allan Saddi Arnesen Eng. Frederico Genofre Eng. Matheus Ferreira Eng. Marcelo Pedroso Curtarelli 2/33 Conteúdo

Leia mais

A AGRICULTURA EM MACHADINHO D OESTE & O CÓDIGO FLORESTAL EVARISTO DE MIRANDA

A AGRICULTURA EM MACHADINHO D OESTE & O CÓDIGO FLORESTAL EVARISTO DE MIRANDA A AGRICULTURA EM MACHADINHO D OESTE & O CÓDIGO FLORESTAL EVARISTO DE MIRANDA Coordenador do Grupo de Inteligência Territorial Estratégica GITE da Embrapa TULIO BARBOSA Mineiro de Guidoval TULIO BARBOSA

Leia mais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais O Secretário do Meio Ambiente, considerando: A necessidade de regulamentação da utilização

Leia mais

Áreas de Preservação Permanente e Reserva Legal Isenção com relação ao Imposto Territorial Rural (ITR)

Áreas de Preservação Permanente e Reserva Legal Isenção com relação ao Imposto Territorial Rural (ITR) Áreas de Preservação Permanente e Reserva Legal Isenção com relação ao Imposto Territorial Rural (ITR) Ab initio deve-se salientar quais áreas estão abrangidas pelo conceito de Áreas de Conservação e/ou

Leia mais

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Aspectos relacionados com a Legislação Florestal / Mineração LEI FEDERAL 12651/12 Engª Amb. Adriana Maira Rocha Goulart Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO

POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO (Lei Federal n. 12.651/12) PROF. DR. RAFAEL COSTA FREIRIA E-MAIL: RAFAELFREIRIA@COM4.COM.BR DISCIPLINA: DIREITO AMBIENTAL Fundamentos e Temas de Trabalho na Questão Florestal

Leia mais

Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012. Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF

Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012. Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012 Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF O Idaf por definição O IDAF, é a entidade responsável pela execução da política, florestal, bem como

Leia mais

Novo Código Florestal Lei 12.651/12. Rodrigo Justus de Brito Advogado e Engº Agroº Especialista em Legislação Ambiental

Novo Código Florestal Lei 12.651/12. Rodrigo Justus de Brito Advogado e Engº Agroº Especialista em Legislação Ambiental Novo Código Florestal Lei 12.651/12 Rodrigo Justus de Brito Advogado e Engº Agroº Especialista em Legislação Ambiental Fevereiro - 2013 ROTEIRO 1. HISTORICO DO CODIGO FLORESTAL a. EVOLUCAO DOS CONCEITOS

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

LEI Nº 4.771, DE 15 DE SETEMBRO DE 1965

LEI Nº 4.771, DE 15 DE SETEMBRO DE 1965 LEI Nº 4.771, DE 15 DE SETEMBRO DE 1965 Institui o Novo Código Florestal.... Art. 3º Consideram-se, ainda, de preservação permanentes, quando assim declaradas por ato do Poder Público, as florestas e demais

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES CICLO DE PALESTRAS E DEBATES PLC PROGRAMA Nº 30/11 NOVO PRODUTOR CÓDIGO FLORESTAL DE ÁGUA Ã NO GUARIROBA Á COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA DO SENADO FEDERAL Devanir Garcia dos Santos Gerente

Leia mais

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado de São Paulo Artigo 1º

Leia mais

BR 116/RS Gestão Ambiental. Oficina para Capacitação em Gestão Ambiental

BR 116/RS Gestão Ambiental. Oficina para Capacitação em Gestão Ambiental BR 116/RS Gestão Ambiental Programa de Apoio às Prefeituras Municipais Oficina para Capacitação em Gestão Ambiental Novo Código Florestal Inovações e aspectos práticos STE Serviços Técnicos de Engenharia

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural: CAR E OS IMÓVEIS ABAIXO DE 4 MÓDULOS FISCAIS

Cadastro Ambiental Rural: CAR E OS IMÓVEIS ABAIXO DE 4 MÓDULOS FISCAIS Cadastro Ambiental Rural: CAR E OS IMÓVEIS ABAIXO DE 4 MÓDULOS FISCAIS O que é Módulo Fiscal / agricultura familiar Classificação dos imóveis até 4 módulos fiscais Como e onde consultar os módulos fiscais

Leia mais

RESUMO ESPANDIDO. O Novo Código Florestal: aspectos legais e evolução.

RESUMO ESPANDIDO. O Novo Código Florestal: aspectos legais e evolução. RESUMO ESPANDIDO O Novo Código Florestal: aspectos legais e evolução. Alcione Adame 1 INTRODUÇÃO Ao contrário do que a mídia a muita gente pensa a lei 12.651/12, conhecida como Novo Código Florestal, não

Leia mais

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS Secretaria de Estado do Meio SEMA-MT Roteiro Básico de Projeto de Compensação de Área de Reserva Legal (ARL) 1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS I T E M N º. D O C U M E N T O S E X I G I D O S O B S E

Leia mais

Entendendo o Código Florestal. II Congresso Brasileiro de Reflorestamento Ambiental Novembro 23 de Outubro de 2012

Entendendo o Código Florestal. II Congresso Brasileiro de Reflorestamento Ambiental Novembro 23 de Outubro de 2012 Entendendo o Código Florestal II Congresso Brasileiro de Reflorestamento Ambiental Novembro 23 de Outubro de 2012 Tópicos abordados hoje: * Florestas no Planejamento Federal; * Lei 12.651/12 Estrutura

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

A importância do Cerrado

A importância do Cerrado A importância do Cerrado Quem vive no Cerrado mora em uma das regiões mais ricas em espécies de plantas e animais do mundo, muitas delas ainda desconhecidas pela ciência e que só existem ali. É ainda nas

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Decreto nº 53.939, de 6 de janeiro de 2009 Dispõe sobre a manutenção, recomposição, condução da regeneração natural, compensação e composição da área de Reserva Legal de

Leia mais

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas LEI Nº 13.550, DE 02 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

Recuperação e Recomposição de Mata Ciliar e Reserva Legal

Recuperação e Recomposição de Mata Ciliar e Reserva Legal Recuperação e Recomposição de Mata Ciliar e Reserva Legal Novo Código Florestal (Lei 12651) Eng Agrônomo Ricardo Moraes Witzel, Msc Concepção de Propriedade Sustentável A discussão do novo código florestal

Leia mais

DISPOSIÇÕES PERMANENTES

DISPOSIÇÕES PERMANENTES Revista RG Móvel - Edição 31 DISPOSIÇÕES PERMANENTES CADASTRO AMBIENTAL RURAL (CAR): O novo Código Florestal determina a criação do CAR (Cadastro Ambiental Rural) e torna obrigatório o registro para todos

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental

Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental Segundo a Lei Federal 12.651/2012 e Decreto Federal 7.830/2012 ESALQ Março/Abril de 2014 Caroline Vigo Cogueto Centro de Monitoramento e Avaliação

Leia mais

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural 8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura Adequação Legal da Propriedade Rural Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes jctmende@esalq.usp.br Departamento de Ciências Florestais Estação Experimental

Leia mais

O Novo Código Florestal

O Novo Código Florestal Madeira 2012 O Novo Código Florestal Prof. Sebastião Renato Valverde SIF/DEF/UFV Vitória, ES Novo Código Florestal Disposições Permanentes.Poucas alterações nos parâmetros de APPs e RL Disposições transitórias.voltam-se

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP LICENCIAMENTO AMBIENTAL Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP Engª Adriana Maira Rocha Goulart Gerente Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

QUESTÕES-CHAVE DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL

QUESTÕES-CHAVE DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL RESUMO PARA POLÍTICA PÚBLICA NOVO CÓDIGO FLORESTAL PARTE I: DECIFRANDO O NOVO CÓDIGO FLORESTAL QUESTÕES-CHAVE DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL O novo Código Florestal dispõe sobre o uso e a proteção da vegetação

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura Planejamento da Propriedade Agrícola (APP e RL) Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes Dept o. Ciências Florestais ESALQ/USP Estação Experimental

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012 Altera a Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, para dispor sobre as Áreas de Preservação Permanentes em áreas urbanas. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Leia mais

CONQUISTAS AOS AGRICULTORES NO CÓDIGO FLORESTAL

CONQUISTAS AOS AGRICULTORES NO CÓDIGO FLORESTAL CONQUISTAS AOS AGRICULTORES NO CÓDIGO FLORESTAL 1. DISPENSA AOS PROPRIETÁRIOS DE ÁREAS CONSOLIDADAS DE RECOMPOSIÇÃO DA RESERVA LEGAL Art. 61 a. Área rural consolidada: é a área de imóvel rural com ocupação

Leia mais

Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP. marciosuganuma@gmail.com

Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP. marciosuganuma@gmail.com Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP marciosuganuma@gmail.com Área de preservação permanente (artigos 2 o e 3 o ) Reserva Legal (artigos 16 e 44) Área de preservação permanente

Leia mais

A N E X O LEGISLAÇÃO AMBIENTAL

A N E X O LEGISLAÇÃO AMBIENTAL A N E X O V LEGISLAÇÃO AMBIENTAL ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL REFERENTE AO MANEJO FLORESTAL 1. DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA A legislação ambiental traduz um sistema de princípios e normas jurídicas

Leia mais

Código Florestal a serviço do latifúndio e do agronegócio

Código Florestal a serviço do latifúndio e do agronegócio Código Florestal a serviço do latifúndio e do agronegócio 10 de novembro de 2011 Por Djoni Roos* A cobertura vegetal brasileira vem desde muito tempo sendo destruída. Desde a invasão portuguesa no século

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ PODER EXECUTIVO DECRETO Nº 3.320, DE 12 DE JULHO DE 2004 (D.O.E.PR. Nº 6769 DE 12/07/2004)

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ PODER EXECUTIVO DECRETO Nº 3.320, DE 12 DE JULHO DE 2004 (D.O.E.PR. Nº 6769 DE 12/07/2004) GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ PODER EXECUTIVO DECRETO Nº 3.320, DE 12 DE JULHO DE 2004 (D.O.E.PR. Nº 6769 DE 12/07/2004) Aprova os critérios, normas, procedimentos e conceitos aplicáveis ao SISLEG Sistema

Leia mais

A RESERVA LEGAL E A AGRICULTURA FAMILIAR

A RESERVA LEGAL E A AGRICULTURA FAMILIAR A RESERVA LEGAL E A AGRICULTURA FAMILIAR Vilmar Pina Dias Júnior 1 INTRODUÇÃO A preservação ambiental do planeta deixou de ser apenas uma previsão tornando-se uma necessidade em face da poluição e degradação

Leia mais

TEXTO EM VIGOR EM VERDE

TEXTO EM VIGOR EM VERDE BUREAUX JURÍDICOS ASSOCIADOS Porto Alegre-RS Brasília-DF São Paulo-SP Belo Horizonte-MG Ricardo Alfonsin Advogados Ricardo Barbosa Alfonsin OAB/RS 9.275 Breno Moreira Mussi OAB/RS 5.791 Arilei Ribeiro

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA No Brasil, as leis voltadas para a conservação ambiental começaram a partir de 1981, com a lei que criou a Política Nacional do Meio Ambiente. Posteriormente, novas leis

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL E CADASTRO AMBIENTAL RURAL

NOVO CÓDIGO FLORESTAL E CADASTRO AMBIENTAL RURAL NOVO CÓDIGO FLORESTAL E CADASTRO AMBIENTAL RURAL Eduardo de Mércio Figueira Condorelli desenvolvimentosustentavel@farsul.org.br Ibirubá (RS), 08 de maio de 2014 O TAMANHO DA AGROPECUÁRIA NACIONAL Área

Leia mais

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12 CÓDIGO FLORESTAL COMO SE REGULARIZAR O QUE É CÓDIGO FLORESTAL? O Código é uma lei que estabelece limites e obrigações no uso da propriedade,, que deve respeitar a vegetação existente na terra, considerada

Leia mais

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código?

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Dr. Sergius Gandolfi IV Simpósio sobre RAD - Ibt 16/11/2011-14h- Capital (SP) Biólogo, Laboratório de Ecologia

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO.

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. Patrícia Pinheiro da Cunha 1, Magda Beatriz de Almeida Matteucci

Leia mais

Universidade Federal do Ceara UFC Centro de Ciências Agrárias Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola Disciplina: Seminário IA

Universidade Federal do Ceara UFC Centro de Ciências Agrárias Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola Disciplina: Seminário IA Fortaleza CE Janeiro/2013 Universidade Federal do Ceara UFC Centro de Ciências Agrárias Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola Disciplina: Seminário IA Renata Nayara Câmara M. Silveira Engenheira

Leia mais

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS Secretaria de Estado do Meio SEMA-MT Roteiro Básico de Projeto de Desoneração de Área de Reserva Legal (ARL) 1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS I T E M N º. D O C U M E N T O S E X I G I D O S O B S E

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE AUDIÊNCIA PÚBLICA - ESTUDOS TÉCNICOS MACRODRENAGEM E APP S EM ÁREAS URBANA CONSOLIDADA PROPOSTA DE CONDICIONANTES E RESTRIÇÕES

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS LEGISLAÇÃO E PROCEDIMENTOS PARA COMPENSAÇÃO DE RESERVA LEGAL. De acordo com o Art. 1.º da Lei 4.771/1965, As florestas existentes no território nacional e as demais formas de vegetação, reconhecidas de

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS

DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS Alice Nardoni Marteli, Edson Luís Piroli Unesp Campus de Ourinhos Geografia alicenmart@gmail.com;

Leia mais

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Índice O que o agricultor brasileiro deve saber sobre o Novo Código Florestal?...1 Começando a regularizar o imóvel rural...2

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR CURSO INTENSIVO III Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data: 09.12.2009 Aula nº 06 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Lei 4771/65 Art. 2 Consideram-se de preservação permanente, pelo só efeito desta

Leia mais

CADASTRO AMBIENTAL RURAL. ELON DAVI JAGUSZEWSKI Engenheiro Florestal Técnico em Agropecuária CREA/SC 091.142-4

CADASTRO AMBIENTAL RURAL. ELON DAVI JAGUSZEWSKI Engenheiro Florestal Técnico em Agropecuária CREA/SC 091.142-4 CADASTRO AMBIENTAL RURAL ELON DAVI JAGUSZEWSKI Engenheiro Florestal Técnico em Agropecuária CREA/SC 091.142-4 MISSÃO DO SENAR Realizar a educação profissional e promoção social das pessoas do meio rural,

Leia mais

AMBIENTAL E NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS SOBRE O CADASTRO AMBIENTAL RURAL - ( CAR )

AMBIENTAL E NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS SOBRE O CADASTRO AMBIENTAL RURAL - ( CAR ) AMBIENTAL E NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS 29/04/2015 27 PERGUNTAS E RESPOSTAS DIRETAS E ESSENCIAIS SOBRE O CADASTRO AMBIENTAL RURAL - ( CAR ) ÍNDICE POR ASSUNTO ITENS Nº Informações Gerais 1, 4, 9 Responsabilidade

Leia mais

Novo Código Florestal: as Falhas do Cadastro Ambiental Rural e os Possíveis Meios de Burla

Novo Código Florestal: as Falhas do Cadastro Ambiental Rural e os Possíveis Meios de Burla Novo Código Florestal: as Falhas do Cadastro Ambiental Rural e os Possíveis Meios de Burla Joelson de Souza Passos Estudante de Graduação Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) Brasil Resumo O código

Leia mais

Uso econômico da Reserva Legal

Uso econômico da Reserva Legal Uso econômico da Reserva Legal Regulamentação Garantindo a propriedade Usos econômicos possíveis O uso econômico da Reserva Legal é viável? Reserva Legal - Definição Área particular protegida localizada

Leia mais

RESERVA LEGAL. Código Florestal: A urgente necessidade de revisão, antes da exigência de sua aplicação. Autora: Mônica Bilibio

RESERVA LEGAL. Código Florestal: A urgente necessidade de revisão, antes da exigência de sua aplicação. Autora: Mônica Bilibio RESERVA LEGAL Código Florestal: A urgente necessidade de revisão, antes da exigência de sua aplicação Autora: Mônica Bilibio INTRODUÇÃO Como acadêmica de Tecnologia em Agronegócios e sabedora da importância

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO Enio Resende de Souza Eng. Agr. M.Sc. Manejo Ambiental / Coordenador Técnico / Meio Ambiente Gestão do Produto

Leia mais

Código Florestal contexto.problemas.propostas

Código Florestal contexto.problemas.propostas Código Florestal contexto.problemas.propostas tasso.azevedo@gmail.com 1. Contexto 2. Problemas 3. Propostas 1 Regulamentação sobre florestas Constituição Federal (1988) Código Florestal (1965) Lei de Crimes

Leia mais

Prof. Pedro Brancalion

Prof. Pedro Brancalion Prof. Pedro Brancalion Reserva Legal: área localizada no interior de uma propriedade ou posse rural, delimitada nos termos do art. 12, com a função de assegurar o uso econômico de modo sustentável dos

Leia mais

Novo Código Florestal Cadastro Ambiental Rural -CAR

Novo Código Florestal Cadastro Ambiental Rural -CAR Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Novo Código Florestal Cadastro Ambiental Rural -CAR João Carlos Dé Carli Assessor Técnico da Comissão Nacional do Meio Ambiente Confederação da Agricultura

Leia mais

Faço saber que a Assembleia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Faço saber que a Assembleia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI Nº 2.713, DE 9 DE MAIO DE 2013. Publicada no Diário Oficial nº 3.876 Institui o Programa de Adequação Ambiental de Propriedade e Atividade Rural TO-LEGAL, e adota outras providências. O Governador

Leia mais

USO DA TERRA NO BRASIL 851 milhões de hectares

USO DA TERRA NO BRASIL 851 milhões de hectares USO DA TERRA NO BRASIL 851 milhões de hectares URBANIZAÇÃO E OUTROS USOS 4% AGRICULTURA 7% VEGETAÇÃO NATURAL (FLORESTAIS E OUTROS) 65% PASTAGENS 23% FONTES: MMA/IBGE-PAM(2010)/INPE/CENSO AGROPECUÁRIO 2006

Leia mais

ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE CONSOLIDADAS:

ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE CONSOLIDADAS: O mais importante Do novo Código Florestal Engª Agrônoma Carla Beck- FAEP/DTE As propriedades rurais ocupadas até 22 de julho de 2008, terão que cumprir as seguintes regras estabelecidas pelo novo Código

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ

AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ Mônica A. Muller, Aline Uhlein, Deise D. Castagnara, Diego A. V. Gambaro, Pedro C. S. da Silva (Orientador/UNIOESTE),

Leia mais

DECRETO FEDERAL N 1.282, DE 19 DE OUTUBRO DE 1994 Regulamenta os arts. 15, 19, 20 e 21 da Lei n 4.771, de 15 de setembro de 1965, e dá outras

DECRETO FEDERAL N 1.282, DE 19 DE OUTUBRO DE 1994 Regulamenta os arts. 15, 19, 20 e 21 da Lei n 4.771, de 15 de setembro de 1965, e dá outras DECRETO FEDERAL N 1.282, DE 19 DE OUTUBRO DE 1994 Regulamenta os arts. 15, 19, 20 e 21 da Lei n 4.771, de 15 de setembro de 1965, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 004/2012/GT PROJETOS DE LEI E LEGISLAÇÃO AMBIENTAL/COMITE DE MEIO AMBIENTE CMA

NOTA TÉCNICA Nº 004/2012/GT PROJETOS DE LEI E LEGISLAÇÃO AMBIENTAL/COMITE DE MEIO AMBIENTE CMA NOTA TÉCNICA Nº 004/2012/GT PROJETOS DE LEI E LEGISLAÇÃO AMBIENTAL/COMITE DE MEIO AMBIENTE CMA São Paulo, 17 de outubro de 2012. 1. Referência A presente Nota Técnica nº 004/2012/GT tem por objetivo proceder

Leia mais

DE CARVÃO VEGETAL EM MS. Pedro Mendes Neto Ass. Jurídico Diretoria de Desenvolvimento Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul - IMASUL

DE CARVÃO VEGETAL EM MS. Pedro Mendes Neto Ass. Jurídico Diretoria de Desenvolvimento Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul - IMASUL POLÍTICA E LEGISLAÇÃO DA PRODUÇÃO DE CARVÃO VEGETAL EM MS Pedro Mendes Neto Ass. Jurídico Diretoria de Desenvolvimento Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul - IMASUL Política e Legislação até

Leia mais

Prazos estabelecidos pelo Novo Código Florestal. Prazos para o Poder Público

Prazos estabelecidos pelo Novo Código Florestal. Prazos para o Poder Público Prazos estabelecidos pelo Novo Código Florestal Prazos para o Poder Público Artigo Obrigação Prazo 11, 5º 13, 2º 29 47 59 59, 1º 78-A 82 Conclusão do Zoneamento Ecológico- Econômico da Zona Costeira ZEEZOC

Leia mais

Engenharia de Avaliações Aplicada às Áreas de Preservação Permanente (APP)

Engenharia de Avaliações Aplicada às Áreas de Preservação Permanente (APP) Engenharia de Avaliações Aplicada Às Áreas de Preservação Permanente (APP). Engenharia de Avaliações Aplicada às Áreas de Preservação Permanente (APP) 1. Fundamento Legal das APPs: Constituição Federal

Leia mais

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR O QUE ÉO CAR O Cadastro Ambiental Rural - CAR, é o registro público eletrônico de âmbito nacional, obrigatório para todos os imóveis rurais, com a finalidade

Leia mais

MORATÓRIA DA SOJA: Avanços e Próximos Passos

MORATÓRIA DA SOJA: Avanços e Próximos Passos MORATÓRIA DA SOJA: Avanços e Próximos Passos - Criação e Estruturação da Moratória da Soja - Realizações da Moratória da Soja - A Prorrogação da Moratória - Ações Prioritárias Relatório Apresentado pelo

Leia mais

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS Referência: Agenda para a criação de instrumentos de financiamentos e crédito para o setor florestal Interessado: DFLOR/SBF/MMA. 1. ANTECEDENTES: O

Leia mais

Breve Histórico das Leis Ambientais Aplicadas à Propriedade Rural

Breve Histórico das Leis Ambientais Aplicadas à Propriedade Rural Breve Histórico das Leis Ambientais Aplicadas à Propriedade Rural Código florestal 1934 Código das águas Novo Código florestal 1965 Política Nacional de Meio Ambiente 1981 Mudança na mata ciliar 1986/9

Leia mais

LEI Nº 4.771, DE 15 de setembro de 1965, com as alterações posteriores (arts. 2 o. e 3 o.)

LEI Nº 4.771, DE 15 de setembro de 1965, com as alterações posteriores (arts. 2 o. e 3 o.) LEI Nº 4.771, DE 15 de setembro de 1965, com as alterações posteriores (arts. 2 o. e 3 o.) Art. 2 Consideram-se de preservação permanente, pelo só efeito desta Lei, as florestas e demais formas de vegetação

Leia mais

VERDADES E MENTIRAS SOBRE O PROJETO DE LEI QUE ALTERA O CÓDIGO FLORESTAL

VERDADES E MENTIRAS SOBRE O PROJETO DE LEI QUE ALTERA O CÓDIGO FLORESTAL VERDADES E MENTIRAS SOBRE O PROJETO DE LEI QUE ALTERA O CÓDIGO FLORESTAL 1. Por que o código florestal precisa ser mudado? O Código Florestal de 1965 é uma boa legislação. Aliás, caso fosse exigido o cumprimento

Leia mais

Mestre não é quem ensina, mas quem, de repente, aprende.

Mestre não é quem ensina, mas quem, de repente, aprende. Imagem do Museu da Língua Portuguesa (Estação da Luz - São Paulo, SP). Mestre não é quem ensina, mas quem, de repente, aprende. João Guimarães Rosa Política Estadual de Mudanças Climáticas e o Pagamento

Leia mais

L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003.

L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003. 1 L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Proteção Ambiental, a elaboração, implementação e controle da Política Ambiental do Município de Coqueiro

Leia mais

Sensoriamento remoto e SIG

Sensoriamento remoto e SIG Multidisciplinar Sensoriamento remoto e SIG aplicados ao novo Código Florestal Allan Arnesen Frederico Genofre Marcelo Curtarelli Matheus Ferreira CAPÍTULO 3 Mapeamento de APP e Reserva Legal APP de corpos

Leia mais

AUTOR(ES): ANDRÉ DOS SANTOS JANUÁRIO GARCIA, PAULO HENRIQUE DOS SANTOS

AUTOR(ES): ANDRÉ DOS SANTOS JANUÁRIO GARCIA, PAULO HENRIQUE DOS SANTOS TÍTULO: APP UM ESTUDO EXPLORATÓRIO NA MICRO REGIÃO DE AURIFLAMA-SP CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES): ANDRÉ DOS

Leia mais

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015 CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III LEGISLAÇÃO AMBIENTAL NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, conhecida como Política

Leia mais

Lei 20.922/13 Lei Florestal Mineira

Lei 20.922/13 Lei Florestal Mineira Lei 20.922/13 Lei Florestal Mineira 2014 Reserva Legal: Conceito: Nova Lei Florestal Mineira - Lei nº 20.922/2013 Área localizada no interior de uma propriedade ou posse rural, delimitada nos termos da

Leia mais

18º Encontro Nacional da ANAMMA

18º Encontro Nacional da ANAMMA 18º Encontro Nacional da ANAMMA Os efeitos do PL de parcelamento do solo no meio ambiente e a gestão de APPs urbanas Cynthia Cardoso Goiânia, agosto/2008 Planejamento? Na perspectiva de planejamento qual

Leia mais

COTAS DE RESERVA AMBIENTAL. O que são, como cria-las e como negocia-las

COTAS DE RESERVA AMBIENTAL. O que são, como cria-las e como negocia-las COTAS DE RESERVA AMBIENTAL O que são, como cria-las e como negocia-las COTAS DE RESERVA AMBIENTAL O que são, como cria-las e como negocia-las! 3 Olá! Você já ouviu falar das Cotas de Reserva Ambiental

Leia mais

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO MDA INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA INCRA RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE

Leia mais

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO. 12 MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.indd 12-1 CAPA 1 30.10.09 16:08:10 Data (M/D/A): 10/30/09 Contato: (61) 3344-8502 Formato (F): 200x200 mm Formato (A): 400x200 mm Data (M/D/A): 10/30/09 Ministério

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências.

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº 51/2008 Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Esta lei institui

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANETE (APP s)

A IMPORTÂNCIA DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANETE (APP s) A IMPORTÂNCIA DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANETE (APP s) Richard Antonio Souza Mesquita Tocantins - FACTO Murilo Ribeiro Brito Tocantins FACTO Adelzon Aires Marinho Tocantins FACTO Prof: Dr. Cid Tacaoca

Leia mais

ALCANCE TERRITORIAL DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E A CONSOLIDAÇÃO DO USO AGROPECUÁRIO DE TERRAS NO BRASIL

ALCANCE TERRITORIAL DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E A CONSOLIDAÇÃO DO USO AGROPECUÁRIO DE TERRAS NO BRASIL Po por Ana_Cotta ALCANCE TERRITORIAL DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E A CONSOLIDAÇÃO DO USO AGROPECUÁRIO DE TERRAS NO BRASIL Alcance territorial da legislação ambiental e a consolidação do uso agropecuário de

Leia mais