Regulamento de Tráfego Aéreo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regulamento de Tráfego Aéreo"

Transcrição

1 Regulament de Tráfeg Aére Capítul 1 ICAO/OACI Órgã regulamentadr da aviaçã civil internacinal. A ele cmpete prmver, incentivar e estabelecer padrões para a aviaçã civil internacinal. Idealizad na cnvençã de Chicag em 1944, instituid em utubr 1947, tem cm sede a cidade de Mntreal n Canadá. Existem 18 Anexs cm nrmas e métds recmendads a serem seguids pels países membrs da OACI. O Brasil é membr da OACI desde sua fundaçã. Alguns padrões estabelecids : Hrári ZULU u UTC (Temp Crdenad Internacinal), Fraselgia Padrã, Unidades de Medida, etc. Órgãs Nrmativs ANAC. Sg~encia Nacinal de Aviaçã Civilil Órgã central d Sistema de Aviaçã Civil (SAC). A ele cmpete apiar, estudar, planejar as atividades n setr de aviaçã civil n Brasil. Também é respnsável pr emissã de licenças, aviaçã desprtiva, registr e vistria de acft civis, serviçs aéres nacinais e internacinais e investigaçã e prevençã de acidentes aernáutics em acft civis. DECEA ( DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO). (Antig DEPV)Tem pr finalidade superintender, crdenar e cntrlar as atividades de prteçã a vô e as telecmunicações aernáuticas. A ela, estã subrdinads s órgãs encarregads das atividades ligadas a cntrle de Circulaçã Aérea Nacinal. GER. Gerência. Reginal de Aviaçã Civil Órgã reginal da ANAC, tend pr finalidade, facilitar as tramitações e sluções referentes a Aviaçã Civil. SRPV. Serv. Reginal de Prteçã a Vô Órgã Reginal da DEPV, tend pr finalidade facilitar as tramitações e sluções referentes a Prteçã a Vô. SAC e DPV SAC e DPV - Seçã de Aviaçã Civil e Destacament de Prteçã a Vô. Sã órgãs subrdinads a DAC e a DEPV respectivamente. Tem cm finalidade a rientaçã e viscalizaçã a pilts e aernaves e também, n cas d DPV, prestaçã de serviçs de tráfeg aére. Lcalizads ns aerprts. OBS: CINDACTA Centr Integrad de Defesa Aérea e Cntrle de Tráfeg Aére. Funcina cm um órgã reginal da DEPV, dividind-se em dis centrs ACC(Centr de Cntrle de Área) e COpM (Centr de Operações Militares) Sã 3 CINDACTAs - Brasília, Recife e Curitiba. Aernaves Aernave Aparelh manbrável em vô que pssa sustentar-se e circular n espaç aére mediante reações aerdinâmicas apta a transprtar pessas u cisas. Ex.: Planadr, Dirigivel, Balã de Ar quente, Helicpter, Seneca etc. Aviã u Aerplan é uma aernave, mais pesada que ar, prpulsada mecanicamente e que deve sua sustentaçã em vô principalmente ás reações aerdinâmicas exercidas sbre superfícies que permaneçam fixas. Ex.: Ultraleve, Seneca, Crisc, Etc. OBS: Td aerplan será uma aernave prém, nem tda aernave será um aerplan.

2 Classificaçã das Aernaves Aernaves dividem-se em civis e militares send que as civis, subdividem-se em publicas e privadas. Marcas de Nacinalidade e Matrícula Marcas de Nacinalidade PT, PP, PR e PS Matrícula Grups de 03 letras dentre as 23 d alfabet acrescids de K, W, Y Nã devem ser usads: arranjs iniciads cm a letra Q que tenham W cm 2 ª letra arranjs SOS, VFR, IFR, VMC, ATS Matrículas iniciadas cm as letras : F Aernaves d Gv. Federal E Aernaves d Gv. Estadual M Aernaves d Gv. Municipal H Reservad para helicópters Z Aernaves em prcess experimental PU-XXX Aernaves Ultraleves Luzes a serem Exibidas pelas Aernaves Luzes de Navegaçã : Ela tem pr funçã, indicar a trajetória relativa da aernave a um bservadr. Essas luzes serã vermelhas na pnta da asa esquerda e verde na pnta da asa direita. Luzes Anti-clisã : Elas tem pr funçã chamar a atençã para a aernave. Essas luzes pderã ser vermelhas u brancas estrbscópicas, send as vermelhas instaladas na fuselagem e as brancas instaladas nas asas junt cm as luzes de navegaçã. Indicadres de Lcalidade: Os indicadres de lcalidades brasileiras para fins aernáutics sã distribuíds dentr das séries: SBAA/SBAZ - aeródrms servids pr órgã d serviç de tráfeg aére (ATS) em qualquer parte d Brasil. ex. SBSP - Cngnhas, Sã Paul SDAA/SDAZ - destina-se a aeródrms situads ns estads de SP e RJ. ex. SDIM - Itanhém, Sã Paul SNAA/SNAZ - destina-se a aeródrms situads em MG, ES, tda a regiã NE e Amapá. SSAA/SSAZ - destina-se a aeródrms situads em MS, e tda a regiã Sul. SWAA/SWAZ - destina-se a aeródrms n AC, AM, GO, MT, TO, RR, RO, DF Aeródrms e Aerprts

3 Aeródrms Sã lcais, n sl u água, nde há partida, chegada e mviment de aernaves. Aerprts Sã aeródrms que pssuem instalações e facilidades para api de perações de aernaves. Classificaçã de Aeródrms : Militares e Civis send que s civis, ainda se dividem em públics e privads. Classificaçã de Aerprts : Dméstics e Internacinais Hmlgaçã e Registr Para se cnstruir um aeródrm privad é necessári a autrizaçã dada pela ANAC ( Agência Nacinal de Aviaçã Civil. Diz-se entã que este aeródrm é REGISTRADO e,este registr tem a validade de 5 ans. Para a cnstruçã de um aeródrm públic, é necessári cumpriment de nrmas e regras mais rigrsas que n cas d registr, devend este receber uma HOMOLOGAÇÃO dada também pela ANAC. Capítul 2 Orientaçã das Pistas As pistas de um aeródrm (RWY), sã cnstruídas de acrd cm s vents predminantes da regiã. A rientaçã, é feita em relaçã a Nrte Magnétic e, a numeraçã das cabeceiras, é dada em rums de 10 em 10 graus subtraind-se últim zer. Frações maires u iguais a 5 serã arredndadas para a dezena superir e, inferires a 5 serã arredndadas para a dezena inferir. Prtant, existem 36 cabeceiras pssíveis. Pra Magnética PROA MAGNÉTICA ARREDONDAMENTO CABECEIRA Resistência ds Piss Para que uma acft pssa perar sem restrições em uma determinada RWY, ACN da acft deverá ser menr u igual que PCN da pista. Cas cntrári, a acft nã pderá perar. ACN ( Númer de Classificaçã de Aernaves ) númer que exprime efeit relativ de uma aernave sbre um paviment. PCN ( Númer de Classificaçã de Paviments ) númer que indica a resistência de um paviment para perações sem restrições.

4 Tips de Piss ASPH - Asfalt CONC - Cncret TER - Terra GRASS - Grama PIÇ - Piçarra Luzes Aernáuticas de Superfície (Auxílis Luminss Visuais) Operaçã: HJ: SOMENTE ENTRE O NASCER E O PÔR DO SOL H24: OPERAÇÃO CONTÍNUA Ns Aeródrms cm peraçã nturna, deverá, cmpulsriamente, existir s seguintes auxílis luminss visuais: luzes na lateral da pista; (branca e amarela) luzes de cabeceira; (verde e vermelha) luzes de taxi; (azul) farl rtativ de aeródrm; (verde e branc) biruta (WDI) iluminada. OBS: Quand farl rtativ de aeródrm, estiver acinad durante dia, indicará peraçã pr instruments. (IMC) Áreas de um Aeródrm Área de Pus: Área destinada a pus e declagem de uma ACFT. Área de Manbras: Destinada a pus, declagem e taxi de uma ACFT. Área de Mviment: Parte d AD que inclui a área de pus, área de manbras e páti Circuit de Tráfeg Padrã

5 Perna Cntra Vent - paralela a RWY e n sentid d pus. Perna de Través - perpendicular a RWY, cabeceira psta a pus. Perna d Vent - paralela a RWY e n sentid cntrári a pus. Perna Base - perpendicular a RWY na cabeceira d pus. Reta Final - alinhad a eix da RWY. N circuit de tráfeg padrã, tdas as curvas sã para a esquerda tant para acft que chegam quant para as que saem. A altura padrã para as aernaves realizarem circuit de tráfeg é: 1500ft (pés) para aernaves a jat; 1000ft (pés) para aernaves a hélice. Psições Críticas Psiçã 1: N páti. Nessa psiçã é slicitad acinament e iníci d taxi. Será infrmad a pista em us, quand fr cas. Psiçã 2: (Pnt de Espera). Lcalizad na interseçã da taxiway (TWY) cm a pista (RWY). Pnt nrmalmente utilizad para cheque de mtres e aguard de tráfeg. Quand as marcas d pnt de espera nã existirem u nã frem visíveis as acft manterã uma distancia NÃO INFERIOR a 50M da lateral da RWY quand esta tiver cmpriment mair u igual a 900M e, 30M da lateral da RWY, quand esta tiver cmpriment inferir a 900M. Psiçã 3: Alinhad na cabeceira. Autrizaçã para declagem. Psiçã 4: Psiçã situada entre pnt médi da perna d vent e pnt médi da perna base. A acft receberá autrizaçã u númer sequencia para pus. Autrizaçã u númer de sequência para pus.

6 Psiçã 5: Na pista após pus. Nela é dada a hra d pus e a autrizaçã para taxi até páti. Psiçã 6: N páti. Cnfrme a necessidade será da a instruçã para estacinament. Capítul 3 Regras d Ar As Regras d Ar sã divididas em 3 (três) partes:? Regras Gerais;? Regras de Vô Visual (VFR);? Regras de Vô pr Instruments (IFR). Respnsabilidade pel Cumpriment das Regras d Ar O pilt em cmand, quer esteja manbrand s cmands u nã, será respnsável para que as perações se realizem de acrd cm as Regras d Ar, pdend delas se desviar smente quand abslutamente necessári a atendiment da exigência de segurança. O pilt em cmand de uma acft, terá autridade decisória em tud que cm ela se relacine enquant estiver em cmand. Regras Gerais - 1ª Parte Prteçã de Pessas e Prpriedades Na peraçã de uma acft, tant n sl cm em vô, deverã ser tmads cuidads especiais a fim de assegurar prteçã a pessas e prpriedades.daí, vei a necessidade de criar mínims para garantir a prteçã segura. Excet para perações de pus e declagem, as aernaves NÃO varã:? Sbre cidades, pvads, lugares habitads u grup de pessas a ar livre a uma altura inferir a 1000 pés (300M) acima d bstácul mais alt existente num rai de 600M em trn da acft;? Em lugares desabitads em altura inferir a 500 pés (150M) sbre sl u água;? Tã próxima uma a utra de md que pssa casinar perig de clisã. Em diversas situações, n entant, tem-se a necessidade de perar abaix ds mínims estabelecids. Dentre as situações citams:? Lançament de bjets u pulverizaçã;? Rebque de aernaves u faixas;? Lançament de para-quedas;? Vô acrbátic. Para esses cass, a autridade cmpetente a autrizar e estabelecer as cndições relativas a vô é SRPV/CINDACTA cm jurisdiçã sbre a área da peraçã. Os vôs de frmaçã, devem ser previamente autrizads. - Acft militares: pel cmandante da unidade a qual pertença a acft;

7 - Acft civis: pel órgã cmpetente d DAC ( SERAC da Área). OBS : A principal bjetiv das Regras Gerais é prevenir pssíveis clisões. Regras de Vô Visual (VFR) Para a realizaçã de um vô VFR, deverems:? Manter referência cm sl u água, de md que as frmações abaix d nível de vô nâ bstruam mais que a metade da área de visã d pilt;? Var abaix d nível de vô 150 (FL150);? Var cm velcidade igual u inferir a estabelecida para a classe d espaç aére nde se realiza vô. Excet quand autrizad pel órgã de cntrle de tráfeg (ATC) para atender vô VFR Especial s mínims meterlógics para pus e declagem de um vô VFR sã:? Tet igual u superir a 1500ft (450m)? Visibilidade n sl igual u superir a 5000m É pribida a peraçã de acft sem equipament de rádi u cm este inperante ns AD prvids de Trre (TWR) u Serviç de Infrmaçã de Vô - "RADIO" (AFIS), excet :? Acft sem rádi e planadres pertencentes a Aerclube sediads nesses aeródrms;? O vô de translad de acft sem rádi;? Vô de aernaves agríclas sem rádi. VFR Especial Para esses cass, as seguintes cndições devem ser bservadas:? Smente pderã ser realizads n períd diurn;? As acft deverã pssuir equipament de rádi (VHF) em funcinament;? As cndições meterlógicas ns AD envlvids deverã ser iguais u superires as seguintes valres : tet: 1000ft (300m) visibilidade: 3000m? O vô deverá ser autrizad pr um APP ( Cntrle de Aprximaçã) e realizad dentr de uma TMA u CTR. Cndições para Vô VFR Períd Diurn1 - Os AD envlvids deverã estar registrads u hmlgads para a peraçã VFR. 2 -As cndições predminantes ns AD envlvids, devem ser iguais u superires as mínims estabelecids para a peraçã VFR. Períd Além 1 O pilt deverá pssuir habilitaçã IFR Nturn

8 2 A acft deverá estar hmlgada para vô IFR 3 Os AD envlvids deverã dispr ds auxílis luminss visuais, requerids para vô nturn. 4 A acft deverá dispr de transceptr VHF em funcinament. OBS: Quand vô fr realizad inteiramente dentr de uma CTR u TMA, u na inexistência desses espaçs aéres, quand realizads num rai de 27NM (50KM) d AD de partida, nã se aplicarã a vô VFR nturn as exigências B1 e B2 anterires. Autnmia Mínima para Vô VFR Autnmia é temp ttal que um aernave é capaz de var, em velcidade de cruzeir, basead na quantidade de cmbustível que ela pssui.para a realizaçã de um vô VFR, a autnmia mínima será:? Da declagem a destin mais temp entre destin e a alternativa, mais 45 minuts de reserva. Ou seja: A -> B -> C + 45 min. (DEP) (ARR) (ALT) (reserva)? Para vôs inteiramente dentr de uma área terminal (TMA) u, em lcais nde nã existam esses espaçs, a 27NM (50KM) de rai d AD de partida, a autnmia mínima será de: A -> B + 45 min. (DEP) (ARR) (reserva) Nã havend prtant, a necessidade de um AD de alternativa. Capítul 4 Direit de Passagem Regras Gerais (2ª parte) A acft que tem direit de passagem, deve manter seu rum e velcidade, prém essa regra nã exime pilt em cmand de prceder n sentid de evitar uma clisã. Aprximaçã de Frente Ambas deverã alterar seus rums para DIREITA. Cnvergência A acft que tiver a utra a sua direita CEDERÁ passagem. Ultrapassagem

9 Denmina-se acft ultrapassadra a que se aprxima da utra, pr trás, numa linha que frme um ângul INFERIOR a 70 cm a acft que vai ser ultrapassada. OBS: direit de passagem é dad a acft ULTRAPASSADA devid seu restrit camp visual, devend a acft ultrapassadra manter-se fra da trajetória da primeira.a acft que tiver realizand a ultrapassagem, deverá fazê-la mantend a acft ultrapassada a sua esquerda. Pus As acft pusand terã priridade sbre as demais. N cas de duas u mais acft se aprximarem para pus n mesm AD, entã: Terá priridade a acft que estiver mais baixa prém, ela nã pderá se prevalecer desta regra para cruzar a frente de utra que estiver em fase final de aprximaçã para pus e nem ultrapassa-la. Outras Priridades para Pus: 1.Planadres 2.Aernaves em serviç aermédic (Enferm u Ferid grave) 3.Aernaves em peraçã SAR (Busca e Salvament) 4.Aernaves em Operaçã Militar (Missã de Guerra) 5.Aernave transprtand Presidente da República 6.Aernaves em Operaçã Militar (Manbra Militar) 7.Demais Aernaves Declagem Tda acft em taxi na área de manbras, cederá passagem às aernaves decland u pr declar. Outras Priridades para a Declagem: 1.Aernaves em Operaçã Militar (Missã de Guerra) 2.Aernaves em Serviç Aermédic (Enferm u Ferid Grave) 3.Aernaves em Operaçã SAR (Busca e Salvament) 4.Aernave transprtand Presidente da República 5.Aernaves em Operaçã Militar (Manbra Militar) 6.Demais aernaves Mviments na Superfície Segue s mesm princípis para as aernaves em vô, listadas acima. OBS: As aernaves em EMERGÊNCIA, jamais pderã ser preteridas em quais quer das regras acima expstas. As aernaves em EMERGÊNCIA, sempre terã priridade sbre tdas as demais. Ajuste de Altímetr

10 Altura Altímetr ajustad QFE (Ajuste a Zer) Altitude Altímetr ajustad QNH (Relaçã a Nível Médi d Mar MSL) Nível de Vô (FL) - Altímetr ajustad QNE (Ajuste Padrã 29.92plHg u HPA) Nível de Vô O nível de vô será dad desprezand-se s dis últims zers da leitura d altímetr ajustad QNE em intervals de 500 em 500 ft ft - FL ft - FL ft - FL ft - FL 200 Nível de Cruzeir É nível que se mantém durante etapa cnsiderável d vô. Para vô em rta, deve-se selecinar um nível de vô aprpriad, em funçã d rum magnétic (RM) que se pretenda var: Para var entre 360 e 179, deve-se selecinar um nível impar. Para var entre 180 e 359, deve-se selecinar um nível par. Cnsiderar-se-á um FL par u ímpar, quand s dis primeirs dígits d nível frem par u ímpar. Quand últim númer fr "0" indicará um vô IFR e, quand fr "5", indicará um vô VFR. FL Impar e VFR FL Impar e IFR FL Par e VFR FL Par e IFR OBS: Prtant, cnfrme as regras de vô VFR (... deverá vô VFR var abaix d FL ), cncluíms que nível máxim permitid para vô VFR e FL145. Nível máxim para vô VFR: FL145 Serviçs de Tráfeg Aére O espaç aére brasileir é aquele que sbrepõe a territóri nacinal, bem cm espaç aére que sbrepõe a alt mar e que tenha sid bjet de acrd reginal de navegaçã aérea pel Cnselh da OACI. Divisã d Espaç Aére Brasileir Espaç Aére Superir Limites verticais : superir ilimitad (UNL) Inferir - FL245 exclusive

11 Limites laterais: indicads nas cartas de rta (ERC) Limites verticais : Superir FL245 inclusive Limites laterais : Indicads nas cartas de rta (ERC) Designaçã d Espaç Aére Regiã de Infrmaçã de Vô Espaçs Aéres Cntrlads Espaçs Aéres Cndicinads A Regiã de Infrmaçã de Vô, juntamente cm s Espaçs Aére Cntrlads frmam s Espaçs Aéres ATS. Os Espaçs Aéres ATS serã classificads alfabeticamente de A até G. Para cada tip de espaç aére serã estabelecids regras de peraçã, assim cm s serviçs ATS neles prestads. Classes de Espaç Aére Classe A Smente vôs IFR. Serviç de Cntrle de Tráfeg Aére (ATC) Classe B,C,D IFR e VFR permitids. Serviç ATC Classe E IFR e VFR permitids. Os IFR recebem serviç ATC, s VFR recebem Infrmaçã de Vô (FIS), quand requerid, pdend var nesses espaçs sem autrizaçã e sem ntificaçã. Classe F IFR e VFR permitids. Os IFR recebem Assessrament de Tráfeg Aére. Os VFR recebem Infrmaçã de Vô (FIS) quand requerid. Classe G IFR e VFR permitids. Ambs recebem FIS, quand requerid. Cntrle rdem; determinaçã Assessrament sugestã; rientaçã Infrmaçã alerta; avis Regiã de Infrmaçã de Vô (FIR) Espaç Aére ATS classe G, nde se presta serviç de infrmaçã de vô e alerta. Ela crrespnde a mair parte d espaç aére sb jurisdiçã d Brasil.

12 Limites verticais : superir UNL (ilimitad) inferir GND/MSL (sl u água) Limites Laterais : Indicad nas ERC ( cartas de rta) Capítul 5 Espaçs Aéres Cntrlads Sã s espaçs aéres nde se prestam serviç de cntrle de tráfeg aére (ATC). Os espaçs aéres cntrlads sã s seguintes: Espaçs Aéres ATZ - Zna de Tráfeg de Aeródrm CTR - Zna de Cntrle TMA - Área de Cntrle Terminal CTA - Área de Cntrle Inferir UTA - Área de Cntrle Superir ATZ Prtege circuit de tráfeg de aeródrm. Pssui cnfiguraçã variável. Quand circuit é diferente d padrã, é definida nas Cartas de Aprximaçã Visual (VAC). CTR Prtege prcediment IFR de saída e chegada instruments. De cnfiguraçã variável, seus limites e classe de espaç aére serã definids nas Cartas de Rta (ERC) e Cartas de Área (ARC). TMA Área de cntrle situada geralmente na cnfluência de rtas ATS e nas imediações de um u mais aeródrms. Cnfiguraçã variável definida nas cartas ERC e ARC. Obs: Velcidade máxima dentr de uma TMA/CTR = 250kt IAS/VI. Acima d FL100 pderá ser autrizad, pel cntrladr, velcidade mair. CTA Cmpreende as aervias (AWY) inferires e utras partes d espaç aére inferir assim definidas. UTA Cmpreende as aervias (AWY) superires e utras partes d espaç aére superir assim definidas. Aervias Sã áreas cntrladas pertencentes a CTA u UTA, dividind-se prtant em aervias inferires e superires. Sã balizadas pr auxílis -rádi. Dimensões das Aervias Inferires

13 Limite vertical superir - FL 245 inclusive Limite vertical inferir pés abaix d FL mínim da aervia. (mstrad nas cartas ERC) Limites laterais - 16NM (30KM) de largura, estreitand-se a partir de 54NM (100KM) antes d auxíli-rádi, atingind sbre este a largura de 8NM (15KM). Quand a distância entre s auxílis-rádi fr inferir a 54NM (100KM) a AWY inferir terá 11NM (20KM) em tda sua extensã. Dimensões das Aervias Superires Limite vertical superir - UNL (ilimitad) Limite vertical inferir - FL 245, exclusive Limites laterais - 43NM (80KM) de largura, estreitand-se a partir de 216NM (400KM) antes de um auxíli-rádi, atingind sbre este a largura de 21,5NM (40KM). Quand a distância entre s auxílis rádi fr inferir a 108NM(200KM) a AWY superir terá 21,5NM (40KM) em tda sua extensã. Espaçs Aéres Cndicinads Os espaçs aéres cndicinads sã espaçs aéres restrits à circulaçã aérea geral, de dimensões definidas, cnstituínd-se de áreas pribidas, restritas e perigsas, cm limites indicads nas cartas aernáutica e manuais (AIP-BRASIL, SID, IAL) da DEPV, identificadas respectivamente pelas letras P, R e D precedidas pel indicativ de nacinalidade SB e seguidas de três algarisms em que primeir indica a regiã na qual ela se situa e dis últims, númer da área. Exempls: SBP409 - área pribida N. 09, situada na área de jurisdiçã d IV COMAR. SBR612 - área restrita N. 12, situada na área de jurisdiçã d VI COMAR. SBD510 - área perigsa N. 10, situada na área de jurisdiçã d V COMAR. Os Espaçs Aéres cndicinads sã estabelecids em caráter temprári u permanente cm as seguintes características. Área Pribida - O vô nã é permitid. Ex. refinarias, fábrica de explsivs, usinas hidrelétricas, áreas de segurança nacinal. Área Restrita O vô é permitid sb cndições preestabelecidas u tend permissã d SRPV/CINDACTA da área. Ex. lançament de paraquedistas, exercíci de tir, lançament de fguetes. Área Perigsa Espaç aére d qual existem riscs em ptencial para a navegaçã aérea.ex. treinament de aernaves civis. Os espaçs aéres cndicinads tempráris smente serã estabelecids através de NOTAM u Suplement AIP, e nã cnstarã de cartas u manuais.

14 Capítul 6 Serviçs e Órgãs ATS Os serviçs de tráfeg aére (ATS) serã prestads em td espaç aére brasileir. O ATS divide-se em: ATC Serviç de Cntrle de Tráfeg Aére ATS FIS Serviç de Infrmaçã de Vô AS Serviç de Alerta O Serviç de Cntrle é serviç ATS mais Imprtante que existe, pis nele está incluíd cntrle, infrmaçã e alerta. Assim cm Serviç de Infrmaçã de Vô inclui Serviç de Alerta. O serviç de Alerta nunca será prestad isladamente pel órgã ATS. Serviç de Cntrle de Tráfeg Aére É a atividade estabelecida para manter rdenad e cntínu flux de tráfeg aére ns espaçs aéres cntrlads nde sã emitidas autrizações de cntrle. Existem três tips de Serviç de cntrle de Tráfeg Aére cada um cm seu respectiv órgã e área de jurisdiçã. Funçã Sigla Espaç que cntrla Cntrle de Aeródrm TWR ATZ Cntrle de Aprximaçã APP CTR/TMA Cntrle de Área ACC CTA/UTA OBS : Existem seis ACC (Centr de Cntrle de Área) n Brasil, cada um deles respnsável pr uma FIR. Sã eles: Belém - Brasília Curitiba - Manaus Prt Velh Recife

15 Serviç de Infrmaçã de Vô Serviç prestad pr tds s órgãs ATS às aernaves que tenham, pr qualquer mei, dad cnheciment de seu vô, cm a finalidade de dar infrmações úteis à realizaçã segura e eficiente ds vôs. As infrmações serã as seguintes: SIGMET (Cnd. Meterlógicas Significativas da Rta) Alterações em aeródrms, auxílis a navegaçã, serviçs de tráfeg aére. METAR (Cnd. Meterlógicas d AD) Infrmaçã de tráfeg ns espaçs aéres classe C/D/E/F e G O Serviç de Infrmaçã de Vô será prestad pels seguintes órgãs: ACC FIR APP TMA e CTR as vôs VFR TWR Na vizinhança d AD além ds limites da ATZ AFIS Em AD desprvids de TWR e que pssuam APP u Estaçã Aernáutica Serviç de Infrmaçã de Vô em Aeródrm É Serviç de Infrmaçã de Vô (FIS) prestad ns AD que nã dispnham de órgã ATC. O AFIS será prestad a tda tráfeg em peraçã na área de mviment e a td tráfeg em vô n espaç aére inferir num rai de 27NM(50KM) d AD. O AFIS será prestad pr uma Estaçã de Telecmunicações Aernáuticas lcalizada n aeródrm e identificada cm "RÁDIO" Ns AD nã cntrlads, sede de um APP, AFIS será prestad pr esse órgã. Serviç de Assessrament de Tráfeg Aére É a assistência prestada pr um ACC às acft em vô IFR ns espaçs aéres classe F (rtas de assessrament). Na prestaçã d Serviç de Assessrament de Tráfeg Aére, ACC nã emite autrizações de cntrle, mas, tã smente, prprcina assessrament ás acft através de infrmaçã e sugestã de medidas de segurança. Serviç de Alerta O Serviç de Alerta (AS) será prestad a tda e qualquer aernave que tenha dad cnheciment de seu vô a um órgã ATS. Ele será prestad pel órgã ATS d AD de destin.

16 Cas AD de destin nã pssua órgã ATS, caberá a explradr de acft a respnsabilidade pela prestaçã deste serviç. Em rta, respnsável pel serviç de alerta é ACC. O órgã ATS, infrmarã imediatamente a ACC, que uma acft se encntra em situaçã de emergência em cnfrmidade cm seguinte: Fases de Perig INCERFA Fase de Incerteza Situaçã na qual existe dúvida quant a segurança de vô de uma aernave e de seus cupantes. ACC classificará a aernave nesta fase: quand nã receber cmunicaçã da acft dentr ds 30 min após a hra que se estima receber uma mensagem de psiçã u após mment que se tentu,infrutiferamente, cntat cm a acft; quand a acft nã chegar dentr ds 30 minuts subsequentes à hra prevista para chegada, estimada pel pilt u pel órgã ATS. Nesta fase ACC fará a Busca Preliminar pr Cmunicações (PRECOM) utilizand s canais nrmais de cmunicaçã. ALERFA Fase de Alerta Situaçã na qual existe apreensã quant a segurança de vô de uma acft e seus cupantes. O ACC classificará a acft nesta fase quand: transcrrida a fase de incerteza e nã s tiver cntat cm a acft; uma aernave autrizada a pusar, nã fizer dentr de 5 minuts após a hra prevista para pus e nã se estabeleça a cmunicaçã cm a acft; u quand se saiba u suspeite que a acft está sb interferência ilícita (sequestr). Nesta fase RCC fará uma Busca Extensiva pr Cmunicações (EXCOM), que cnsiste na utilizaçã de tds s meis de cmunicações dispníveis (telefne, rádi amadr, delegacias de plícia, etc.) DETRESFA Fase de Perig Situaçã na qual existe razável certeza de que a acft e seus cupantes estã ameaçads de grave e iminente perig e necessitam de assistência. ACC classificará a acft nesta fase quand:

17 transcrrida a fase de alerta e frem infrutíferas as nvas tentativas para estabelecer cntat cm a acft; há evidencias que cmbustível da acft já acabu u nã tenha suficiente para permitir pus em um lcal segur; se receba infrmações de que cndições anrmais de funcinament da acft indicam um pus frçad se receba infrmações u se pssa deduzir que a acft fará um pus frçad u que já tenha efetuad. Entã RCC desencadeará uma Missã de Busca (MBU) e, assim que lcalizada RCC desencadeará uma Missã de Salvament (M S A). Serviç Autmátic de Infrmaçã Terminal (ATIS) Serviç de Infrmaçã de Vô prestad pr mei de rádidifusã cntínua e reiterada de infrmações gravadas, em área terminal, referentes a determinad aeródrm. Objetiva reduzir cngestinament da frequência VHF d órgã ATC. O pilt deverá acusar recebiment da infrmaçã ATIS a primeir cntat cm órgã ATC (APP u TWR). Critéris para a Realizaçã d Vô VFR em Rta Na CTA O ACC prestará serviç de Cntrle de Tráfeg Aére as vôs VFR dentr da CTA. É exigid que as acft ajustem seus altímetrs para hpa (29.92 pl/hg) e que vem ns níveis que lhe frem destinads. A separaçã mínima será de 1000 pés (300m) As CTA sã basicamente AWY inferires e sã classificadas cm classe D d FL mínim até FL145. Ns espaçs aéres classe D sã permitids vôs VFR e IFR: 1 tds sujeits a serviç ATC 2 s vôs IFR sã separads entre si e ds VFR 3 s vôs VFR sã separads ds IFR e recebem infrmaçã de tráfeg em relaçã as utrs VFR e avis para evitar tráfeg quand requerid. O vô VFR diurn u nturn pderá ser realizad quand se dispuser de equipament rádi e btiver autrizaçã d ACC respnsável pela CTA. Na FIR

18 O ACC prestará serviç de Infrmaçã de Vô as vôs VFR diurn e nturn que se realizarem na FIR. Quand vô fr realizad entre AD desprvids de órgã ATS nã será exigid equipament rádi excet quand fr cruzar frnteiras internacinais. Prém, cas dispnha, deverá entrar em cntat cm ACC respnsável pela FIR e receber FIS. Capítul 7 Serviç s ATS prestads ns Aeródrms 1 - Aeródrms Cntrlads 2 - Aeródrms nã cntrlads cm órgã ATS 3 - Aeródrms nã cntrlads sem órgã ATS A grande mairia ds AD brasileirs estã incluíds n 3 º ítem, que sã principalmente s aeródrms privads. Aeródrms Cntrlads As TWR transmitirã infrmações e autrizações cm bjetiv de evitar abalrament entre aernaves : 1 vand ns circuits de tráfeg de aeródrm (ATZ) 2 perand na área de manbras 3 pusand u decland 4 e s veículs perand na área de manbras 5 perand na área de manbras e s bstáculs existentes nessas áreas Quand em vô VFR nas prximidades de um AD cntrlad u durante taxi, serã de respnsabilidade d pilt em cmand da acft: a manter escuta da TWR d acinament a crte ds mtres b manter-se em cndições de transmitir, a qualquer mment, na frequência da trre c - cumprir as autrizações de tráfeg emitidas pela trre * d fazer chamada inicial à TWR e infrma as psições críticas e prestar quaisquer infrmações úteis a cntrle e à segurança de tráfeg aére? Cas a autrizaçã dada nã seja cnveniente a pilt em cmand, face a perfrmance de sua acft u pr utra razã qualquer, este pderá slicitar utra autrizaçã a qual será atendida sempre que nã huver prejuíz u cnflit para tráfeg. (Esta bservaçã vale para qualquer órgã ATC)

19 Algumas autrizações sã muit imprtantes e devem ser ctejadas (repetidas) pels pilts. Ex.: Entrar, cruzar pela pista em us ; Autrizações de pus e declagem ; Autrizações de nível, pra e velcidade. Psições de Cntrle na Trre Em aeródrms de grande flux de tráfeg, a TWR pderá ser dividida em até três psições de cntrle cuj bjetiv é descngestinar a frequência da TWR e facilitar cntrle das acft. 1 Autrizaçã de Tráfeg as acft recebem autrizaçã d FPL. 2 Cntrle Sl as acft receberã autrizaçã para acinament e iníci d taxi. 3 Trre respnsável pelas acft pusand, decland e na ATZ OBS: Cas nã exista a Autrizaçã de Tráfeg, a autrizaçã d FPL será dada pel Cntrle Sl. Infrmações dadas pela TWR antes de uma Declagem Cndições Meterlógicas ( VMC u IMC) Pista em us Direçã e velcidade d vent Ajuste d altímetr Temperatura d ar Hra certa Autrizaçã d FPL Efeit da Esteira de Turbulência sbre as Aernaves Existem três efeits básics: balanç vilent perda de altura u velcidade ascencinal esfrçs de estrutura Para efeits de esteira de turbulência as aernaves sã classificadas: H Pesada Kg u mais M Média - entre e Kg L Leve Kg u mens A TWR aplicará um mínim de 3 minuts para separar uma acft leve u média que puse depis de uma acft pesada Nas acft decland será aplicad um mínim de 2 minuts entre uma acft leve u média que decle após uma acft pesada. Esta regra se aplicará a tda acft que: utilize a mesma pista; pistas transversais se as trajetórias de vô prjetadas se cruzarem; pistas paralelas separadas pr mens de 760 metrs;

20 pistas paralelas separadas pr mais de 760 metrs prém, se as trajetórias de vô se cruzarem. Cntrle das Aernaves n Circuit de Tráfeg As acft em vô VFR deverã estabelecer cntat cm a TWR pel mens 5 minuts antes da entrada n circuit de tráfeg d aeródrm. Emergências e Níveis de Alerta Quand pilt de uma acft se encntrar em emergência nas prximidades de um AD, deverá classificar a emergência em funçã de sua gravidade. Tips de Emergência Descida de Emergência Aernave Perdida Acft em vô IMC cm pilt nã habilitad Parada de Mtres Fg a Brd Falha de Pressurizaçã Pane de Trem de Pus Puc Cmbustível Frmaçã de Gel Interferência Ilícita Falha de Cmunicações Aerterrestres Classificaçã da Emergência Será de respnsabilidade d pilt em cmand a classificaçã da emergencia cnfrme sua gravidade. Os níveis de alerta sã: Alerta Branc quand sã remtas as pssibilidades de um acidente aernáutic. Ex.: Pane de Trem de Pus (nã reclhid); Falha de Cmunicações Aerterrestres. Alerta Amarel quand sã iminentes as pssibilidades de um acidente aernáutic. Ex.: Pane de Trem de Pus (nã cnfirmaçã d travament) Acft Perdida Alerta Vermelh quand é inevitável acidente aernáutic. Ex. Pane de Trem de Pus (nã baixad) Fg a brd Capítul 8 Aeródrms nã Cntrlads cm Órgã ATS Sã aeródrms que nã pssuem TWR prém, prestam serviç AFIS. Nrmalmente órgã que prestará esse serviç será uma estaçã de telecmunicações aernáuticas, também cnhecida cm " Rádi ". Se pr um acas um AD nã cntrlad fr sede de um APP, entã AFIS será prestad pr esse órgã. É vedada a peraçã de acft sem rádi (VHF) excet ns cass já estudads

Regulamento de Tráfego Aéreo

Regulamento de Tráfego Aéreo Regulamento de Tráfego Aéreo ICAO/OACI Órgão regulamentador da aviação civil internacional. A ele compete promover, incentivar e estabelecer padrões para a aviação civil internacional. Idealizado na convenção

Leia mais

P R E P A R A Ç Ã O P A R A B A N C A D A A N A C P I L O T O D E L I N H A A É R E A R E G U L A M E N T O S D E T R Á F E G O A É R E O

P R E P A R A Ç Ã O P A R A B A N C A D A A N A C P I L O T O D E L I N H A A É R E A R E G U L A M E N T O S D E T R Á F E G O A É R E O P R E P A R A Ç Ã O P A R A B A N C A D A A N A C P I L O T O D E L I N H A A É R E A R E G U L A M E N T O S D E T R Á F E G O A É R E O V Ô O P O R I N S T R U M E N T O S PLÍNIO JR. 1 D I S T Â N C

Leia mais

Tutorial Sistema Porto Sem Papel

Tutorial Sistema Porto Sem Papel Tutrial Sistema Prt Sem Papel 8 ESTADIA CONVENCIONAL: A estadia cnvencinal é aquela em que a embarcaçã deseja executar uma peraçã de carga, descarga, carga/descarga, embarque/desembarque de passageirs

Leia mais

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores Requisits técnics de alt nível da URS para registrs e registradres 17 de utubr de 2013 Os seguintes requisits técnics devem ser seguids pels peradres de registr e registradres para manter a cnfrmidade

Leia mais

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade)

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade) Legenda da Mensagem de Respsta à Verificaçã de Elegibilidade (respstaelegibilidade) Mensagem : Respta à verificaçã de elegibilidade (respstaelegibilidade) - Flux : Operadra para Prestadr Códig da mensagem

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs)

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs) MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE Técnics de Instalaçã e Manutençã de Edifícis e Sistemas (TIMs) NO SISTEMA INFORMÁTICO DO SISTEMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS (SCE) 17/07/2014

Leia mais

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA Crdenadria da Administraçã Tributária Diretria Executiva da Administraçã Tributária Manual d DEC Dmicíli Eletrônic d Cntribuinte Manual DEC (dezembr

Leia mais

Legenda da Guia de Tratamento Odontológico

Legenda da Guia de Tratamento Odontológico Legenda da Guia de Tratament Odntlógic Term Registr NS Nº da n prestadr Num. d Camp na Númer da principal 3 Data da autrizaçã Senha senha 1 2 4 5 6 Nme d camp na Registr NS Númer da n prestadr Númer da

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA Manual de Us (Para Detentres de Bens) Infrmações adicinais n Prtal da Crdenaçã de Patrimôni: www.cpa.unir.br 2013 Cnteúd O que papel Detentr de Bem pde fazer?... 2 Objetiv...

Leia mais

Operação Metalose orientações básicas à população

Operação Metalose orientações básicas à população Operaçã Metalse rientações básicas à ppulaçã 1. Quem é respnsável pel reclhiment de prduts adulterads? As empresas fabricantes e distribuidras. O Sistema Nacinal de Vigilância Sanitária (Anvisa e Vigilâncias

Leia mais

Informações Importantes 2015

Informações Importantes 2015 Infrmações Imprtantes 2015 CURSOS EXTRACURRICULARES N intuit de prprcinar uma frmaçã cmpleta para alun, Clégi Vértice ferece curss extracurriculares, que acntecem lg após as aulas regulares, tant n períd

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

MÓDULO 15 - TRÁFEGO AÉREO Alexandre L. D. Bastos e Derick M. Baum

MÓDULO 15 - TRÁFEGO AÉREO Alexandre L. D. Bastos e Derick M. Baum MÓDULO 15 - TRÁFEGO AÉREO Alexandre L. D. Bastos e Derick M. Baum (versão: 17/05/2009) 1. INTRODUÇÃO A idéia que o céu é infinito e que existe liberdade ao se voar pode ter seu romantismo, porém, e cada

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇAO DE CONTRATO DE LEILÃO DE VENDA EDITAL DE LEILÃO Nº 001 / 2002 - MAE PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment

Leia mais

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30 ^i * aesíqn e=> ~munícc3ç:c30 CONTRATO DE LICENÇA DE USO DO SISTEMA - SUBMIT CMS Web Site da Prefeitura de Frei Martinh - Paraíba 1. IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTE Prefeitura Municipal de Frei Martinh

Leia mais

Aula 11 Bibliotecas de função

Aula 11 Bibliotecas de função Universidade Federal d Espírit Sant Centr Tecnlógic Departament de Infrmática Prgramaçã Básica de Cmputadres Prf. Vítr E. Silva Suza Aula 11 Biblitecas de funçã 1. Intrduçã À medida que um prgrama cresce

Leia mais

REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014

REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014 1 REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014 PARTICIPANTES A Olimpíada Jurídica 2014 é uma cmpetiçã direcinada a aluns que estejam regularmente matriculads ns curss de graduaçã de Direit de Instituições de

Leia mais

Manual de Operação WEB SisAmil - Gestão

Manual de Operação WEB SisAmil - Gestão Manual de Operaçã WEB SisAmil - Gestã Credenciads Médics 1 Índice 1. Acess Gestã SisAmil...01 2. Autrizaçã a. Inclusã de Pedid...01 b. Alteraçã de Pedid...10 c. Cancelament de Pedid...11 d. Anexs d Pedid...12

Leia mais

PORTARIA N. 8.605 de 05 de novembro de 2013.

PORTARIA N. 8.605 de 05 de novembro de 2013. PORTARIA N. 8.605 de 05 de nvembr de 2013. Altera a Plítica de Segurança da Infrmaçã n âmbit d Tribunal Reginal d Trabalh da 4ª Regiã. A PRESIDENTE DO, n us de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento Inscriçã d Candidat a Prcess de Credenciament O link de inscriçã permitirá que candidat registre suas infrmações para participar d Prcess de Credenciament, cnfrme Edital. Após tmar ciência de td cnteúd

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL

AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL PUBLICADA NO DODF Nº 158 DE 05 DE AGOSTO DE 2014 ALTERADA POR MEIO DA PORTARIA Nº 112, DE 13 DE AGOSTO DE 2014, PUBLICADA NO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Orientações gerais MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLA AGROTÉCNICA FEDERAL DE RIO DO SUL ESTRADA DO REDENTOR, 5665 BAIRRO CANTAGALO RIO DO SUL (SC) (47) 3521 3700 eafrs@eafrs.gv.br ORIENTAÇÕES GERAIS As rientações

Leia mais

Todos os direitos reservados Versão 1.2

Todos os direitos reservados Versão 1.2 Guia de Relatóris Tds s direits reservads Versã 1.2 1 Guia de Relatóris Índice 1 Pedids... 3 1.1 Mnitr de Pedids... 3 1.2 Pedids... 4 1.3 Estatísticas de Pedids... 5 1.4 Acess e Cnsum... 7 1.5 Pedids pr

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Aprvad: Data: 11/09/2008 Data: 10/10/2008 Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Antecedentes_Criminais.dc

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N 379, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 Cria e regulamenta sistema de dads e infrmações sbre a gestã flrestal n âmbit d Sistema Nacinal

Leia mais

Workshop Nova Legislação que regula a aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos (PF)

Workshop Nova Legislação que regula a aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos (PF) Wrkshp Nva Legislaçã que regula a aplicaçã de Prduts Fitfarmacêutics (PF) Quinta d Vallad, Vilarinh ds Freires Branca Teixeira 23 de mai de 2013 Nva Legislaçã Lei nº26/2013 de 11 de abril Regula as actividades

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA

SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA O prcess de cntrle de estque de gôndla fi desenvlvid cm uma prcess de auxili a cliente que deseja cntrlar a quantidade de cada item deve estar dispnível para venda

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis Manutençã Vensis Manutençã É módul que permite gerenciament da manutençã de máquinas e equipaments. Prgramaçã de manutenções preventivas u registr de manutenções crretivas pdem ser feits de frma

Leia mais

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário MTur Sistema Artistas d Turism Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 9 4.1. CADASTRAR REPRESENTANTE... 9 4.2. CADASTRAR

Leia mais

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0 Manual d Nv Páti Revenda Versã 2.0 1 Cnteúd INTRODUÇÃO... 3 1.LOGIN... 4 2.ANUNCIANTE... 4 2.1 Listar Usuáris... 4 2.2 Criar Usuári... 5 2.2.1 Permissões:... 6 3.SERVIÇOS... 7 3.1 Serviçs... 7 3.2 Feirã...

Leia mais

Lista de verificação do conteúdo do Plano de Emergência Interno

Lista de verificação do conteúdo do Plano de Emergência Interno Intrduçã Lista de verificaçã d cnteúd d Plan de Emergência Intern (artig 18.º d Decret-Lei n.º 254/2007, de 12 de julh) O Decret-Lei n.º 254/2007, de 12 de julh, estabelece regime de prevençã de acidentes

Leia mais

Extrator de Sucos Modelo

Extrator de Sucos Modelo O PREÇO ALIADO À QUALIDADE METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Rua: Anita Garibaldi, nº 22 - Bairr: Sã Luiz - CEP: 8851-10 Brusque - Santa Catarina - Brasil Fne: +55 (0 )7 211 000 / 255 2000 Fax: +55 (0 )7 211 020

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO CARTA DE ACORDO OPERACIONAL ENTRE O CONTROLE DE APROXIMAÇÃO DE BELO HORIZONTE (APP-BH), TORRE DE CONTROLE DE AERÓDROMO DE BELO HORIZONTE (TWR-BH),

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS10 Acess a Infrmaçã e engajament de stakehlders 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS10 (1/2) Delinear uma abrdagem sistemática para engajament

Leia mais

Os antigos gregos acreditavam que quanto maior fosse a massa de um corpo, menos tempo ele gastaria na queda. Será que os gregos estavam certos?

Os antigos gregos acreditavam que quanto maior fosse a massa de um corpo, menos tempo ele gastaria na queda. Será que os gregos estavam certos? Lançament vertical e queda livre Se sltarms a mesm temp e da mesma altura duas esferas de chumb, uma pesand 1 kg e utra kg, qual delas chegará primeir a chã? Os antigs gregs acreditavam que quant mair

Leia mais

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software).

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software). HARDWARE e SOFTWARE O Cmputadr é cmpst pr duas partes: uma parte física (hardware) e utra parte lógica (sftware). Vcê sabe qual é a diferença entre "Hardware" e "Sftware"? Hardware: é nme dad a cnjunt

Leia mais

CURSO DE TRIPULANTE DE AMBULÂNCIA DE SOCORRO

CURSO DE TRIPULANTE DE AMBULÂNCIA DE SOCORRO EA.TAS.6.1.13 HELPCARE CURSO DE TRIPULANTE DE AMBULÂNCIA DE SOCORRO Prpsta Curs de Tripulante de Ambulância de Scrr Fundamentaçã O scrr e transprte de vítimas de dença súbita e/u trauma é executad pr váris

Leia mais

Manual. Autorizador da UNIMED

Manual. Autorizador da UNIMED Manual Prtal Autrizadr da UNIMED Pass a Pass para um jeit simples de trabalhar cm Nv Prtal Unimed 1. Períd de Atualizaçã Prezads Cperads e Rede Credenciada, A Unimed Sul Capixaba irá atualizar seu sistema

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO OPERAÇÕES DE DESMATAÇÃO, DESARBORIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE FITOFARMACÊUTICOS

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO OPERAÇÕES DE DESMATAÇÃO, DESARBORIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE FITOFARMACÊUTICOS Página 1 de 9 0 CONTROLO DE REVISÕES... 2 1 OBJECTIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO... 2 2 REFERÊNCIAS... 2 3 DEFINIÇÕES... 2 4 ABREVIATURAS... 3 5 PROCEDIMENTO... 3 5.1 NECESSIDADE DE DESARBORIZAÇÃO OU DESMATAÇÃO...

Leia mais

Novo Sistema Almoxarifado

Novo Sistema Almoxarifado Nv Sistema Almxarifad Instruções Iniciais 1. Ícnes padrões Existem ícnes espalhads pr td sistema, cada um ferece uma açã. Dentre eles sã dis s mais imprtantes: Realiza uma pesquisa para preencher s camps

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO C e n t r d e I n f r m á t i c a NORMAS DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA A FMUP dispõe de salas e labratóris de infrmática gerids pel Centr

Leia mais

GUIA DO USUÁRIO. Termômetros Portáteis. Termômetro Modelo TM20 com sonda padrão Termômetro Modelo TM25 com sonda de penetração

GUIA DO USUÁRIO. Termômetros Portáteis. Termômetro Modelo TM20 com sonda padrão Termômetro Modelo TM25 com sonda de penetração GUIA DO USUÁRIO Termômetrs Prtáteis Termômetr Mdel TM20 cm snda padrã Termômetr Mdel TM25 cm snda de penetraçã 1 TM20-TM25-EU-PT-br V1.6 4/13 Intrduçã Obrigad pr esclher este Termômetr Prtátil Extech para

Leia mais

1. Objetivo: Lançar novo produto para bloqueio do veículo via celular GSM e rastreador GSM com localização por GPS.

1. Objetivo: Lançar novo produto para bloqueio do veículo via celular GSM e rastreador GSM com localização por GPS. Históric de Revisões Revisã Data Descriçã da Revisã Mtiv da Revisã 11 20/08/09 Ajustes de hardware dispar Sirene PST 12 14/11/09 AJUSTES SOFTWARE 13 25/11/09 Ajustes de hardware, falha n mdul GSM na trca

Leia mais

OPEN CAIXA LOTERIAS DE ATLETISMO 2015 21 a 25 de Abril São Paulo, SP - Brasil INFORMAÇÕES GERAIS

OPEN CAIXA LOTERIAS DE ATLETISMO 2015 21 a 25 de Abril São Paulo, SP - Brasil INFORMAÇÕES GERAIS OPEN CAIXA LOTERIAS DE ATLETISMO 2015 21 a 25 de Abril Sã Paul, SP - Brasil INFORMAÇÕES GERAIS 1. Cmitê Organizadr Lcal Cmitê Paralímpic Brasileir (CPB) 1.1. Cntats Nme: Ricard Mel Fernand Partelli Email:

Leia mais

Guia Sphinx: Instalação, Reposição e Renovação

Guia Sphinx: Instalação, Reposição e Renovação Guia Sphinx: Instalaçã, Repsiçã e Renvaçã V 5.1.0.8 Instalaçã Antes de instalar Sphinx Se vcê pssuir uma versã anterir d Sphinx (versões 1.x, 2.x, 3.x, 4.x, 5.0, 5.1.0.X) u entã a versã de Demnstraçã d

Leia mais

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores;

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores; Prcediments de Avaliaçã das ITED ANACOM, 1ª ediçã Julh 2004 OBJECTIVO De acrd cm dispst n nº 1, d artº 22º, d Decret Lei nº 59/2000, de 19 de Abril (adiante designad cm DL59), a cnfrmidade da instalaçã

Leia mais

Manual do Rondonista 2006

Manual do Rondonista 2006 Manual d Rndnista 2006 www.defesa.gv.br/prjetrndn 1 1 ÍNDICE MANUAL DO RONDONISTA... 3 I. FINALIDADE... 3 II. O PROJETO RONDON...3 a. Missã...3 b. Objetivs...3 III. DEVERES E DIREITOS DO RONDONISTA...

Leia mais

Barreira Ó t i c a, Grade e C o r t i n a d e L u z, e S c anner L aser d e S e g u rança

Barreira Ó t i c a, Grade e C o r t i n a d e L u z, e S c anner L aser d e S e g u rança Barreira Ó t i c a, Grade e C r t i n a d e L u z, e S c anner L aser d e S e g u rança Sluções em Sistemas de Segurança e Autmaçã. E alg mais. Eletreletrônica Industrial Ltda. Análise de riscs segund

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL EDITAL CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS (CTeSP) 2015 CONDIÇÕES DE ACESSO 1. Pdem candidatar-se a acess de um Curs Técnic Superir Prfissinal (CTeSP) da ESTGL tds s que estiverem

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO 01. Instruções para recadastrament Pessa Física IN CVM 301/2001 e 463/2008 1. Pr favr preencha tds s camps ds frmuláris, aqueles que nã frem preenchids, pr gentileza, bliterá-ls u invalidá-ls; 2. Imprima

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Questão 4. Resposta. Resposta. Resposta. ATENÇÃO: Escreva a resolução COM- PLETA de cada questão no espaço reservado

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Questão 4. Resposta. Resposta. Resposta. ATENÇÃO: Escreva a resolução COM- PLETA de cada questão no espaço reservado ATENÇÃO: Escreva a resluçã COM- PLETA de cada questã n espaç reservad para a mesma. Nã basta escrever apenas resultad final: é necessári mstrar s cálculs racicíni utilizad. Questã Caminhand sempre cm a

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Data: 17-09-2008 Data: Aprvad: Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Events.dc

Leia mais

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Maio 2013

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Maio 2013 INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO Versão 01 / Maio 2013 Regulamentos de Tráfego aéreo de helicópteros Padronizador: Cmte. João Gabriel Faria - VID

Leia mais

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA MANUAL ds LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA Objetiv 1. Oferecer as aluns a infra-estrutura e suprte necessári à execuçã de tarefas práticas, slicitadas pels prfessres, bservand s prazs estabelecids. 2. Oferecer

Leia mais

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Maio 2013

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Maio 2013 INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO Versão 01 / Maio 2013 Estrutura do Espaço Aéreo Brasileiro Autor: Renan Rodrigues - VID378006 Padronizado por:

Leia mais

SDK (Software Development Kit) do Microsoft Kinect para Windows

SDK (Software Development Kit) do Microsoft Kinect para Windows SDK (Sftware Develpment Kit) d Micrsft Kinect para Windws Os presentes terms de licença cnstituem um acrd entre a Micrsft Crpratin (u, dependend d lcal n qual vcê esteja dmiciliad, uma de suas afiliadas)

Leia mais

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal INDICE DE PREÇOS TURISTICO Desenvlvid n quadr d Prgrama Cmum de Estatística CPLP cm api técnic d INE de Prtugal Estrutura da Apresentaçã INTRODUÇÃO. METODOLOGIA. FORMA DE CÁLCULO. PROCESSO DE TRATAMENTO.

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE

FACULDADE DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE (Prt. MEC nº 797/14, de 11/09/2014, publicada n DOU em 12/09/2014) EDITAL 2015 PROCESSO SELETIVO O Diretr Geral da Faculdade de Educaçã em Ciências da Saúde (FECS),

Leia mais

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR A pertinência e valr demnstrad das valências d Cartã de Saúde Cfre, em razã d flux de adesões e pedids de esclareciment, trnam essencial dar evidência e respsta a algumas situações

Leia mais

METAR RESUMO PARA ESTUDOS

METAR RESUMO PARA ESTUDOS METAR - designa uma infrmaçã de bservaçã meterlógica de Superfície e de rtina, para fins aernáutics, segund s padrões internacinais da Organizaçã Meterlógica Mundial. O códig METAR, geralmente é cmpst

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica XVIII Seminári Nacinal de Distribuiçã de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de utubr 7.2 Olinda - Pernambuc - Brasil Autmaçã na Distribuiçã: O Prcess de autmaçã ds equipaments de linha na rede CELPE.

Leia mais

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador Unidade 1: Fundaments 1 - Intrduçã a Cmputadr Cnceits básics e Terminlgias O cmputadr é uma máquina eletrônica capaz de realizar uma grande variedade de tarefas cm alta velcidade e precisã, desde que receba

Leia mais

Diretor Conselheiro Técnico Consultores de serviços. Responsável pela Qualidade Gerente de Vendas Garantista

Diretor Conselheiro Técnico Consultores de serviços. Responsável pela Qualidade Gerente de Vendas Garantista Sã Paul, 06 de Julh de 2009. Nº. 341 Divulgar esta infrmaçã para: Diretr Cnselheir Técnic Cnsultres de serviçs Gerente de Serviçs Gerente de Peças Chefe de Oficina Respnsável pela Qualidade Gerente de

Leia mais

MTUR Sistema FISCON. Manual do Usuário

MTUR Sistema FISCON. Manual do Usuário MTUR Sistema FISCON Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 5 4.1. CADASTRAR CONVENENTE... 5 4.2. INSERIR FOTOGRAFIAS/IMAGENS

Leia mais

1 CORRIDA NOTURNA UNIMED CASCAVEL REGULAMENTO OFICIAL

1 CORRIDA NOTURNA UNIMED CASCAVEL REGULAMENTO OFICIAL 1 CORRIDA NOTURNA UNIMED CASCAVEL A 1 Crrida Nturna Unimed Cascavel é uma nva prpsta de lazer, diversã, prmçã da saúde e da qualidade de vida ds mradres de Cascavel e Regiã. O event é cmpst pr crrida,

Leia mais

MANUAL DOS GESTORES DAA

MANUAL DOS GESTORES DAA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - NTI MANUAL DOS GESTORES DAA MÓDULOS: M atrícula e P rgramas e C DP [Digite resum d dcument aqui. Em geral, um resum é um apanhad

Leia mais

MANUAL DO PRODUTO GERGERAISISTÊNCI SEGURO APP INVEST

MANUAL DO PRODUTO GERGERAISISTÊNCI SEGURO APP INVEST MANUAL DO PRODUTO GERGERAISISTÊNCI SEGURO APP INVEST A MANUAL DO PRODUTO SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS DE PASSAGEIROS E/OU TRIPULANTE (APP) INVEST O presente Manual d Prdut cntém: SEGURO APP INVEST 1. VANTAGENS

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE Flha 1 de 8 Rev. Data Cnteúd Elabrad pr Aprvad pr 0 16/06/2004 Emissã inicial englband a parte técnica d GEN PSE 004 Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade 1 31/01/2006 Revisã geral Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade

Leia mais

Excluídas as seguintes definições:

Excluídas as seguintes definições: Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Entre PM AM.08 APLICAÇÃO DE PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE CONTRATAÇÃO E PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE LASTRO DE VENDA & PdC AM.10 MONITORAMENTO DE INFRAÇÃO

Leia mais

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações.

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações. Taxa DI Cetip Critéri de apuraçã a partir de 07/10/2013 As estatísticas d ativ Taxa DI-Cetip Over (Extra-Grup) sã calculadas e divulgadas pela Cetip, apuradas cm base nas perações de emissã de Depósits

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO

CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO POLÍTICA SOBRE PRESENTESE ENTRETENIMENTO Oferecer u receber presentes cmerciais e entreteniment é frequentemente uma frma aprpriada

Leia mais

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema.

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema. Mdel de Cmunicaçã Prescriçã Eletrónica de Medicaments Revisã 2 Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes da Prescriçã Eletrónica de Medicaments

Leia mais

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 QUALIDADE RS PGQP PROGRAMA GAÚCHO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 GUIA PARA CANDIDATURA SUMÁRIO 1. O PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP... 3 1.1 Benefícis... 3 2. PREMIAÇÃO... 3 2.1 Diretrizes

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas Perguntas frequentes sbre Prgrama Banda Larga nas Esclas 1. Qual bjetiv d Prgrama Banda Larga nas Esclas? O Prgrama Banda Larga nas Esclas tem cm bjetiv cnectar tdas as esclas públicas à internet, rede

Leia mais

Este documento tem como objetivo definir as políticas referentes à relação entre a Sioux e seus funcionários.

Este documento tem como objetivo definir as políticas referentes à relação entre a Sioux e seus funcionários. OBJETIVO Este dcument tem cm bjetiv definir as plíticas referentes à relaçã entre a Siux e seus funcináris. A Siux se reserva direit de alterar suas plíticas em funçã ds nvs cenáris da empresa sem avis

Leia mais

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa D. alternativa B. Dados: calor específico do gelo (água no estado sólido)...

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa D. alternativa B. Dados: calor específico do gelo (água no estado sólido)... Questã 46 A partir de um bjet real de altura H, dispst verticalmente diante de um instrument óptic, um artista plástic necessita bter uma imagemcnjugadadealturaigualah.nesse cas, dependend das cndições

Leia mais

Procedimentos para aceitação de materiais e equipamentos fornecidos à EDP Distribuição

Procedimentos para aceitação de materiais e equipamentos fornecidos à EDP Distribuição Julh 2010 Prcediments para aceitaçã de materiais e equipaments frnecids à EDP Distribuiçã DGF/Departament Gestã de Materiais e Equipaments Prcediments para aceitaçã de materiais e equipaments frnecids

Leia mais

GUIA DOS CARTÕES DE CREDITO BUSINESS / BUSINESS TRADE / BUSINESS GOLD

GUIA DOS CARTÕES DE CREDITO BUSINESS / BUSINESS TRADE / BUSINESS GOLD GUIA DOS CARTÕES DE CREDITO BUSINESS / BUSINESS TRADE / BUSINESS GOLD Índice Identificaçã e Utilizaçã Infrmações Úteis Segurs Assciads Serviçs Assciads Telefnes úteis Cuidads a ter cm seu cartã Identificaçã

Leia mais

ABN-HD. Manual de Instruções. Kit Estrogonofe SKYMSEN LINHA DIRETA

ABN-HD. Manual de Instruções. Kit Estrogonofe SKYMSEN LINHA DIRETA METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Manual de Instruções METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Rua Anita Garibaldi, nº 262 Bairr: S Luiz CEP: 8835-40 Brusque Santa Catarina Brasil Fne: (47) 32-6000

Leia mais

UHE SANTO ANTONIO. MARGEM ESQUERDA Análise crítica: Guilherme Todt S D- RT- 0063-13 00

UHE SANTO ANTONIO. MARGEM ESQUERDA Análise crítica: Guilherme Todt S D- RT- 0063-13 00 UHE SANTO ANTONIO Titul: Dcument N. Rev. RELATÓRIO DE DESMOBILIZAÇÃO DO 3 MODULO DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTE (ETE)- S D- RT- 0063-13 00 Elabraçã: Tarcis Camil MARGEM ESQUERDA Análise crítica:

Leia mais

ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS

ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS 1 Os Estads-Membrs devem garantir que tdas as cndições u restrições relativas

Leia mais

Código: MAN-VCIV-002 Versão: 00 Data de Aprovação: 18/01/2011 Elaborado por: Magistrados e servidores das 8ª e 14ª varas cíveis

Código: MAN-VCIV-002 Versão: 00 Data de Aprovação: 18/01/2011 Elaborado por: Magistrados e servidores das 8ª e 14ª varas cíveis Códig: MAN-VCIV-002 Versã: 00 Data de Aprvaçã: 18/01/2011 Elabrad pr: Magistrads e servidres das 8ª e 14ª varas cíveis Aprvad pr: Presidente d TJPB 1 Objetiv Estabelecer critéris e prcediments para recebiment

Leia mais

NORMATIVA ADMINISTRATIVA

NORMATIVA ADMINISTRATIVA Assunt: DIRETRIZES PARA COMPRA E APROVEITAMENTO DE Data de Emissã: Data de Revisã: De: 18/12/2013 Assunts Estratégics Tdas as áreas d 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estabelecer regras e parâmetrs que

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO CARTA DE ACORDO OPERACIONAL ENTRE O CONTROLE DE APROXIMAÇÃO DE BELO HORIZONTE (APP-BH), TORRE DE CONTROLE DE AERÓDROMO DE BELO HORIZONTE (TWR-BH),

Leia mais

Orientação Módulo: Consulta e Resposta à Notificação

Orientação Módulo: Consulta e Resposta à Notificação Ministéri d Trabalh e Previdência Scial Secretaria de Plíticas de Previdência Scial Departament ds Regimes de Previdência n Serviç Públic Crdenaçã-Geral de Atuária Cntabilidade e Investiments Orientaçã

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO - DIVULGAÇÃO DE PESSOAS E OBJETOS

MANUAL DO USUÁRIO - DIVULGAÇÃO DE PESSOAS E OBJETOS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Aprvad: Referencia: Help_Online_Divulgaçã_Pessas_Objets.d c Versã: 01.00 Data: 27/08/2008 Data: 10/10/2008 Data: A autenticaçã

Leia mais

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO 10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensã Universitária e Plíticas Públicas Períd 05 a 07 de dezembr de 2007 A 10ª Jrnada

Leia mais

FESTIVAL DA CANÇÃO FRANCESA 2014 O MELHOR DA MÚSICA FRANCESA (INCLUINDO O REPERTORIO FRANCÓFONO)

FESTIVAL DA CANÇÃO FRANCESA 2014 O MELHOR DA MÚSICA FRANCESA (INCLUINDO O REPERTORIO FRANCÓFONO) FESTIVAL DA CANÇÃO FRANCESA 2014 O MELHOR DA MÚSICA FRANCESA (INCLUINDO O REPERTORIO FRANCÓFONO) CALENDÁRIO DO FESTIVAL DA CANÇÃO FRANCESA DA ALIANÇA FRANCESA 2014 13 de julh de 2014 Lançament e publicaçã

Leia mais

LAR - 04/06/08/10. Manual do Usuário. Liquidificador Industrial de ALTO RENDIMENTO. Modelos: SKYMSEN. 13241.1 Dezembro/2008 SE É SKYMSEN, PODE

LAR - 04/06/08/10. Manual do Usuário. Liquidificador Industrial de ALTO RENDIMENTO. Modelos: SKYMSEN. 13241.1 Dezembro/2008 SE É SKYMSEN, PODE PRODUTOS SE É SKYMSEN, PODE CONFIAR. Manual d Usuári PRODUTOS METAL RGICA SIEMSEN LTDA. Rua Anita Garibaldi, nº 262 Bairr: S Luiz CEP: 88351-410 Brusque Santa Catarina Brasil Fne: +55 47 3211 6000 / 3255

Leia mais

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01.

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01. Agenda Intrduçã Diariamente cada um ds trabalhadres de uma empresa executam diversas atividades, muitas vezes estas atividades tem praz para serem executadas e devem ser planejadas juntamente cm utras

Leia mais