Relatório Autoavaliação Escola 2015 / 2016

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório Autoavaliação Escola 2015 / 2016"

Transcrição

1 Relatório Autoavaliação Escola 2015 / 2016 Equipa de Autoavaliação 10 de novembro de 2016

2 (em branco)

3 Índice 1. Introdução Objetivos da autoavaliação da Escola Atividades da equipa em Resultados académicos Resultados internos Por ano de escolaridade Comparação da escola com a média nacional Resultados externos: Exames nacionais 1.ª fase Comparação dos resultados externos com a média nacional Metas do Projeto Educativo Conclusões Recomendações... 18

4 (em branco)

5 1. Introdução Dando continuidade ao trabalho iniciado no ano anterior, e com base nos três domínios do quadro de referência para a avaliação do IGEC: Resultados (académicos, sociais e reconhecimento da comunidade), Prestação do Serviço Educativo (planeamento e articulação, práticas de ensino, monitorização e avaliação do ensino e das aprendizagens), Liderança e Gestão (liderança e gestão, autoavaliação e melhoria), a equipa de Autoavaliação (EA) fez o acompanhamento do cumprimento das metas pelos diferentes agentes educativos através da recolha de dados em vários sistemas de informação: na aplicação Inovar, na plataforma MISI, nos Programas Eneb e Enes e nos instrumentos criados pela EA. Foram também reajustados alguns dos instrumentos de auscultação, verificação e de propostas de melhoria. Com base neste trabalho, foram propostas as metas anuais a incluir no Plano Anual de Atividades da escola para e que foram validadas pelo Conselho Pedagógico e aprovadas pelo Conselho Geral. 2. Objetivos da autoavaliação da Escola Contribuir para a melhoria das práticas da escola em todos os níveis da sua atuação pedagógico e organizacional Promover a melhoria das aprendizagens e dos resultados dos alunos, identificando pontos fortes e áreas prioritárias para a melhoria do trabalho na escolas Incrementar a responsabilização a todos os níveis, validando as práticas de autoavaliação na escola; Fomentar a participação da comunidade educativa e da sociedade local na escola, oferecendo um melhor conhecimento público da qualidade do trabalho das escolas Atividades da equipa em Neste ano letivo o trabalho foi desenvolvido por um núcleo executivo mais restrito, constituído apenas por docentes da escola: Ana Teixeira Ana Domingos Ana Fernandes António Teixeira Paula Pereira Rogério Correia (coordenador)

6 A equipa reuniu ordinariamente às quintas-feiras, das 15h às 18h, tendo implementado as seguintes atividades ao longo do ano letivo: 2 Acompanhamento da execução das metas pelos diferentes agentes educativos através da recolha de dados, em vários sistemas de informação: na aplicação Inovar, na plataforma MISI, nos Programas Eneb e Enes e nos instrumentos criados pela EA. Reajustamento de alguns dos instrumentos de auscultação, verificação e de propostas de melhoria. Elaboração de proposta relativa a metas anuais a incluir no Plano Anual de Atividades da escola para 2015/2016, foram validadas pelo Conselho Pedagógico e aprovadas pelo Conselho Geral. No seguimento do que tinha sido feito no ano anterior, dinamizou-se, dentro dos grupos disciplinares e conselhos de turma, uma reflexão orientada sobre os resultados académicos, com o propósito de promover novas dinâmicas e práticas pedagógicas, centrando-se sobretudo no impacto das ações nas aprendizagens dos alunos. No sentido de avaliar o grau de satisfação da comunidade educativa em relação à escola e identificar eventuais oportunidades de melhoria, a EA aplicou inquéritos de satisfação a alunos, docentes, não docentes e encarregados de educação no mês de maio de Tratamento e análise dos dados relativos aos inquéritos de satisfação, tendo sido sugeridas ações de melhoria em vários dos serviços prestados pela escola. 4. Resultados académicos 4.1. Resultados internos Por ano de escolaridade Turma 7.º ano A. Taxa de sucesso Nº de Alunos Avaliados Transitados Sucesso Pleno Transitaram com 1 negativa Transitaram com 2 negativas Retidos Nº Nº % Nº % Nº Nº Nº % 7º , ,67 7º , , ,00 7º , ,00 7º , ,00 7º , ,00 7º , ,00 TOTAL , ,23 A taxa de sucesso do 7º ano foi de 96,77%, superior à taxa nacional de 86,4% (10,37%);

7 A taxa média de retenção foi de 3,23%, tendo diminuído em relação ao ano letivo anterior (5,49%); As turmas com níveis de retenção mais elevados foram o 7º1 (16,67%) e o 7º4 (5%); As taxas de sucesso pleno mais elevadas foram registadas no 7º3, 7º5 e 7º6. A turma com a taxa de sucesso pleno mais baixa foi o 7º1; Transitaram, com dois níveis negativos, 7,74% dos alunos. B. Insucesso por disciplina/turma Não se registaram disciplinas com taxas de insucesso superior a 20%. C. Média de classificação 3 A média global do 7.º ano foi de 3.82, igual à do ano letivo anterior; A média global mais baixa registou-se na disciplina de Português (3,30); As médias globais mais elevadas foram registadas nas disciplinas de Expressão Dramática/Dança (4,34), TIC (4,31 ) e Educação para a Cidadania (4,06); As turmas que apresentaram melhores médias foram o 7.º6, com 4,41, o 7.º3, com 4,2 e 7.º5, com 4.

8 Turma 8.º ano A. Taxa de sucesso Nº de Alunos Transitaram com 1 negativa Transitaram com 2 negativas Avaliados Transitados Sucesso Pleno Retidos Nº Nº % Nº % Nº Nº Nº % 8º , , ,00 8º , , ,00 8º , , ,00 8º , , ,00 8º , , ,85 8º , , ,00 TOTAL , , ,61 A taxa de sucesso foi de 99,39%, superior à taxa nacional de 91,5% (7,89%); A taxa média de retenção foi de 0.61 %, tendo diminuído substancialmente em relação ao ano letivo anterior (10,83%); A turma com níveis de retenção mais elevados foi o 8.º5 (3,85%); As taxas de sucesso pleno mais elevadas foram registadas no 8º4, no 8.º1 e 8.º2; A turma com a taxa de sucesso pleno mais baixa foi o 8.º3; Transitaram com dois níveis negativos, 10,43% dos alunos. 4 B. Insucesso por disciplina/turma A disciplina que registou maior insucesso foi Matemática (25,77%).

9 C. Média de classificação A média de 8.º ano foi de 3,83, ligeiramente superior à do ano anterior em 0,27 (3,56); As médias globais mais baixas registaram-se nas disciplinas de Matemática (3,31) e Português (3,62); As médias globais mais elevadas foram registadas nas disciplinas de Educação Física (4,28) e Oficina de Design Multimédia (4,25); As turmas que apresentaram melhores médias foram o 8º1 e o 8º4, ambas com 4,44. Turma 9.º ano A. Taxa de sucesso Nº de Alunos Avaliados Transitados Sucesso Pleno Transitaram com 1 negativa Transitaram com 2 negativas Retidos Nº Nº % Nº % Nº Nº Nº % 9º , , ,00 9º , , ,7 9º , , ,00 9º , , ,00 9º ,59 1 5, ,41 9º ,00 70, ,00 TOTAL , , ,12 5 A taxa de sucesso de 9º ano foi de 93,88%, superior à taxa nacional de 89,86% (4,02%); A taxa média de retenção foi de 6,12%, tendo diminuído em relação ao ano letivo anterior; A turma com maior número de alunos que não concluíram foi o 9.º5 (29,41%); A taxa de retenção no 9.º ano de escolaridade foi de 6,12%; As taxas de sucesso pleno mais elevadas foram registadas no 9.º4 e 9.º2; A turma com a taxa de sucesso pleno mais baixa foi o 9.º5; Transitaram com dois níveis negativos 26,53% dos alunos.

10 B. Insucesso por disciplina/turma As disciplinas com maior insucesso no 9.º ano foram Física e Química (25,85%) e Matemática (21,09%). C. Média de classificação 6 A média de 9.º ano foi de 3,61, ligeiramente superior à do ano letivo anterior em 0,07 (3,54); As médias globais mais baixas registaram-se nas disciplinas de Ciências Físico-Químicas (3,22), Matemática (3,41) e Português (3,52); As médias globais mais elevadas foram registadas nas disciplinas de Educação Física (4,31) e Inglês (4,10). Turma 10.º ano A. Taxa de sucesso Avaliados Transitados Sucesso Pleno Nº de Alunos Transitaram com 1 negativa Transitaram com 2 negativas Retidos Nº Nº % Nº % Nº Nº Nº % 10º , , ,00 10º , , ,85

11 Turma Avaliados Transitados Sucesso Pleno Nº de Alunos Transitaram com 1 negativa Transitaram com 2 negativas Retidos Nº Nº % Nº % Nº Nº Nº % 10º , , ,00 10º , , ,57 10º , , ,71 10º , , ,67 10º ,10 65, ,90 10º , , ,00 TOTAL , , ,21 A taxa de sucesso de 10º ano foi de 88,79%, superior à taxa nacional de 84,57% (4,22%); A taxa média de retenção foi de 11,21%, ligeiramente superior à do ano letivo anterior (9,89%); As turmas com níveis de transição mais elevados foram o 10.º1 (100%), o 10.º3 (100) e o 10º8(100%). O 10.º 1 registou também a taxa de sucesso pleno mais elevada; A turma com a taxa de transição mais baixa foi o 10.º2 (46,15%), registando igualmente a taxa mais baixa de sucesso pleno; A taxa média de transição com sucesso pleno foi de 68,61%, superior à do ano letivo anterior em 3,21 pontos percentuais (65,40%); Transitaram com dois níveis negativos 7,62% dos alunos. B. Insucesso por disciplina/turma 7 As disciplinas que registaram maior insucesso foram Matemática A (25 %), Economia A (20,69%) e Física e Química A (20,30%).

12 C. Média de classificação 8 A média de classificação do 10.º ano foi de 13,58, igual à do ano anterior; As médias globais mais baixas registaram-se nas disciplinas de Matemática (12,02), Economia A (12,07) e Física e Química A (12,50); As médias globais mais elevadas foram registadas nas disciplinas de Educação Física e Espanhol, respetivamente com 16,06 e 15,48; A turma com a média global mais elevada foi o 10.º1 (16,3). Turma 11.º ano (final do período, antes da realização de exames nacionais) A. Taxa de sucesso Avaliados Transitados Sucesso Pleno Nº de Alunos Transitaram com 1 negativa Transitaram com 2 negativas Retidos Nº Nº % Nº % Nº Nº Nº % 11º , , ,00 11º , , ,00 11º , , ,00 11º , , ,00 11º , , ,00 11º , , ,00 11º ,00 82, ,00 11º , , ,85 11º , , ,17 11º , , ,35 TOTAL , , ,32

13 A taxa de alunos admitidos a exame no 11º ano foi de 96,68%, superior à taxa do ano letivo anterior (91,12%); As turmas com níveis de transição mais elevados foram o 11.º1, 11.º2, 11º5 e 11.º7 (100%), respetivamente; As taxas de sucesso pleno mais elevadas foram registadas no 11.º1 (100%) e 11.º3 (96%); A taxa média de transição com sucesso pleno foi de 81,74%; Transitaram com dois níveis negativos 3,73% dos alunos; A taxa de alunos não admitidos a exame no 11.º ano de escolaridade foi de 3,32%. B. Insucesso por disciplina/turma 9 A disciplina que registou maior insucesso foi MACS (35%).

14 C. Média de classificação 10 A média de classificação no 11º ano foi de 14,43, ligeiramente superior à do ano letivo anterior (14,1); As médias globais mais baixas registaram-se nas disciplinas de Matemática Aplicada às Ciências (11,70) e de Matemática A (13,14); As médias globais mais elevadas foram registadas nas disciplinas de Educação Física (17,32) e Economia A (15,86); A turma com a média global mais elevada foi o 11.º1 (17,55). 12.º ano (resultados de final do período, antes da realização de exames nacionais) A. Taxa de sucesso Turmas Nº alunos avaliados Nº alunos admitidos a exame 12º % 12º ,71% 12º % 12º ,17% 12º ,22% 12º ,07% 12º ,33% TOTAL ,79% A taxa de alunos admitidos a exame no 12º ano foi de 76,79%, superior à taxa do ano letivo anterior (73,21%); As turmas com taxa de admissão a exame nacional mais elevada foram o 12.º1 (100%) e o 12.º7 (83,33%); A turma com a taxa de admissão a exame mais baixa foi o 12.º3 (56%).

15 B. Média de classificação A média de classificação de frequência no 12º ano foi de 15,47, ligeiramente inferior à do ano anterior (15,95); As médias globais de frequência mais baixas registaram-se nas disciplinas Matemática A (13,05) e Português (13,70); As médias globais mais elevadas foram registadas nas disciplinas Aplicações Informáticas B (18,85) e Educação Física (17,40); A turma com a média global mais elevada foi o 12.º1 (17,26) Comparação da escola com a média nacional 11 A. Taxas de sucesso/conclusão Indicador 2014/ /16 Média nacional 2015/16 Taxa global de sucesso 88,88% 91,55% 87,59% Taxa de sucesso no Ensino Básico Regular 91,78% 96,77% 92,77% Taxa de sucesso no Ensino Secundário Regular (CH) 84,85% 86,43% 81,49% Taxa de sucesso nos Cursos Profissionais 90,00% 91,46% 88,5% Taxa de sucesso no 7.º ano 94,51% 96,77% 86,4% Taxa de sucesso no 8.º ano 89,17% 99,39% 91,5% Taxa de conclusão do 9.º ano 91,43% 93,88% 89,86% Taxa de sucesso no 10.º ano 90,11% 88,79% 84,57% Taxa de sucesso no 11.º ano 89,77% 96,22% 91,22% Taxa de conclusão do 12.º ano 70,41% 70,56% 67,41% Taxa de sucesso no 1.º ano dos cursos profissionais 100,00% 100,00% 98,41% Taxa de sucesso no 2.º ano dos cursos profissionais 100,00% 100,00% 99,22% Taxa de conclusão dos cursos profissionais 66,00% 74,55% 65,01% Igual ou superior à média nacional nesse ano letivo Inferior à média nacional nesse ano letivo

16 n.º de alunos escola média escola média nacional Diferença (escola-nacional) Alinhamento n.º de alunos escola média escola média nacional Diferença (escola-nacional) Alinhamento n.º de alunos escola média escola média nacional Diferença (escola-nacional) Alinhamento AUTOAVALIAÇÃO DA ESCOLA B. Classificações Internas de Frequência (CIF) em disciplinas do ensino secundário sujeitas a exame nacional 2013/ / /2016 Disciplina FILOSOFIA 11 15,0 13,7 +1, ,2 13,8 +0, ,7 13,9-1,2 PORTUGUÊS ,3 13,4-0, ,5 13,4 +0, ,9 13,4 +0,5 FÍSICA E QUÍMICA A 83 13,3 13,5-0, ,7 13,7 0, ,1 13,9 +0,2 GEOGRAFIA A 50 12,9 13,1-0, ,6 13,2 +0, ,7 13,3 +0,4 HISTÓRIA A 38 13,1 13,0 +0, ,4 12,9 +0, ,7 13,0 +0,7 ESPANHOL 29 13,8 14,6-0, ,0 15,0 0, ,6 15,0 +0,6 12 BIOLOGIA E GEOLOGIA 91 13,5 13,7-0, ,4 13,9-0, ,0 14 0,0 ECONOMIA A 16 14,0 14,2-0, ,3 14,2 +1,1 15,8 14,2 +1,6 MATEMÁTICA A 74 13,3 13,4-0, ,3 13,6-0, ,9 13,8 +0,1 MACS 24 13,8 13,3 +0, ,1 13,4 +0, ,9 13,6 +0,3 GEOMETRIA DESCRITIVA 16,4 14,9 +1,5 Superior à média nacional nesse ano letivo Inferior à média nacional nesse ano letivo A disciplina de Filosofia foi a única que registou um desalinhamento negativo da CIF em relação à média nacional Resultados externos: Exames nacionais 1.ª fase 9.º ano Disciplina Média ZARCO Média Nacional Língua Portuguesa 58% 65% 65% 58% Matemática 61% 65% 65% 48% MÉDIA 60% 65% 65% 53% Igual ou superior à média nacional nesse ano letivo Inferior à média nacional nesse ano letivo

17 Ensino Secundário Código Disciplina Média ZARCO Média Nacional Português 11,5 11,5 10,8 702 Biologia e Geologia 10,0 11,4 10,1 708 Geometria Descritiva A 14,0 11,5 712 Economia A 12,0 12,5 11,0 715 Física e Química A 11,9 12,1 11,1 7 Geografia A 11,3 12,2 11,3 623 História A 10,7 9,8 9,5 635 Matemática A 12,5 12,7 11,2 835 MACS 13,7 9,7 11,4 547 Espanhol iniciação/bienal 13,9 11,2 12,1 714 Filosofia 8,9 8,9 10,7 Média global 11,64 11,45 10,97 Igual ou superior à média nacional nesse ano letivo Inferior à média nacional nesse ano letivo Comparação dos resultados externos com a média nacional Indicador 2011/ / / / /16 Taxa de disciplinas de exame com médias de classificação superior à média nacional (EB) Taxa de disciplinas de exame com médias de classificação superior à média nacional (ES) Média global das classificações de exame em comparação com a média global nacional (EB) Média global das classificações de exame em comparação com a média global nacional (ES) 100% 100% 100% 100% 100% 90% 73% 90% 90% 73% Média nacional 2015/16 64,4% 51,5% 59,5% 65% 65,13% 53% 12,6 10,03 11,69 11,64 11,45% 10,97 Média da Classificação Final de Português (639) 10,3 10,8 12,5 11,5 11,5 10,8 Média da Classificação Final de Matemática (635) 11, ,1 12,5 12,7 11,2

18 5. Metas do Projeto Educativo ÁREA DE INTERVENÇÃO OBJETIVO ESPECÍFICO INDICADOR META 2014/2018 (VALOR MÉDIO) RESULTADOS (COM ARREDONDAMENTO) 2014/ /2016 Média PROPOSTA META 2016/2017 Taxa de sucesso (progressão + conclusão) no Ensino Básico Regular 89% 92% 97% 95% 89% Resultados Académicos Melhorar os resultados internos Melhorar os resultados externos Melhorar a qualidade do Taxa de conclusão do Ensino Básico Regular 91% 91% 94% 93% 91% Taxa de sucesso (progressão + conclusão) no Ensino Secundário CCH Regular Taxa de conclusão do Ensino Secundário CCH Regular Taxa de conclusão dos Cursos Secundários Profissionais Taxa de disciplinas de exame com médias de classificação igual ou superior à média nacional (Ensino Básico) Taxa de alunos com classificação final igual ou superior a nível 3 no Exame de Português (Ensino Básico) Taxa de alunos com classificação final igual ou superior a nível 3 no Exame de Matemática (Ensino Básico) Média global das classificações de Exame (Ensino Básico) Taxa de disciplinas de exame com médias de classificação igual ou superior à média nacional (Ensino Secundário) Média global das classificações de Exame (Ensino Secundário) 82% 85% 86% 86% 82% 65% 70% 71% 71% 65% 68% 66% 75% 71% 68% 100% 100% 100% 100% 100% 78% 86% 73% 80% 78% 71% 94% 59% 77% 71% 60% 65% 65% 65% 60% 85% 90% 73% 82% 90% Taxa de conclusão do Ensino Básico em 3 anos 89% 90% 80% 85% 89% , , ,55 12

19 ÁREA DE INTERVENÇÃO OBJETIVO ESPECÍFICO INDICADOR META 2014/2018 (VALOR MÉDIO) RESULTADOS (COM ARREDONDAMENTO) 2014/ /2016 Média PROPOSTA META 2016/2017 sucesso Taxa de alunos com média de classificação final superior a nível 3 (Ensino Básico) 74% 82% 88% 85% 74% Taxa de sucesso pleno (Ensino Básico) 60% 69% 70% 70% 60% Taxa de classificações de exame igual ou superior à média nacional no Ensino Básico Taxa de alunos com classificação igual ou superior a nível 4 no Exame de Português de 9º ano (Ensino Básico) Taxa de alunos com classificação igual ou superior a nível 4 no Exame de Matemática de 9º ano (Ensino Básico) Taxa de conclusão do Ensino Secundário CCH em 3 anos Taxa de alunos com média de classificação final igual ou superior a 14 valores (Ensino Secundário) 64% 73% 58% 66% 64% 30% 46% 32% 39% 30% 50% 55% 39% 47% 50% 74% 78% 74% 76% 74% 59% 58% 61% 60% 59% Taxa de sucesso pleno (Ensino Secundário) 64% 78% 76% 77% 64% Taxa de classificações de exame igual ou superior à média nacional no Ensino Secundário 46% 58% 57% 58% 46% Taxa de alunos do Quadro de Excelência 6,6% 5,9% 7,7% 6,8% 6,6% Reduzir o abandono e a desistência Taxa de saída precoce <1% 0,5% 0,6% 1% <1% Taxa de abandono escolar 0% 0% 0% 0% 0% Resultados Sociais Consolidar a participação de pais e alunos na vida da escola e na assunção de responsabilidades Taxa de participação de EE em reuniões convocadas pela direção Taxa de participação de EE em reuniões convocadas pelo DT Nº de atividades desenvolvidas pela escola em função das sugestões apresentadas pelos alunos Aumentar - 73% 73% >73% Aumentar 70% 69% 70% >70% Aumentar >0

20 ÁREA DE INTERVENÇÃO OBJETIVO ESPECÍFICO INDICADOR META 2014/2018 (VALOR MÉDIO) RESULTADOS (COM ARREDONDAMENTO) 2014/ /2016 Média PROPOSTA META 2016/2017 Melhorar o cumprimento das regras e da disciplina Incrementar a participação em atividades solidárias Taxa de participação de delegados/subdelegados em reuniões com a direção Aumentar 60% 53% 57% >57% Nº de faltas por motivos disciplinares Reduzir <223 Nº de alunos envolvidos em faltas por motivos disciplinares Nº de iniciativas no domínio da solidariedade que envolvam os alunos Nº de alunos envolvidos nas iniciativas no domínio da solidariedade Reduzir <100 Aumentar >3 Aumentar >50 Nº de alunos incluídos nos Quadros de Valor Aumentar - b) - a) Nº de turmas incluídas nos Quadros de Valor Aumentar - b) - a) Reconhecimento da Comunidade Reforçar o impacto da escolaridade no percurso dos alunos Melhorar o grau de satisfação da comunidade educativa Taxa de candidatos que entram no Ensino Superior 79% 86% 82% 84% 79% Taxa de candidatos que entram no Ensino Superior na 1ª fase de colocação Taxa de candidatos que entram no Ensino Superior na 1ª opção Grau de satisfação global da comunidade escolar em relação à Escola 87% 86% 80% 83% 87% 55% 45% 38% 42% 55% 92% 93% 91% 92% 92% Grau de satisfação dos alunos em relação à Escola 87% 86% 82% 84% 87% Grau de satisfação do pessoal não docente em relação à Escola Grau de satisfação do pessoal docente em relação à Escola Grau de satisfação dos Encarregados de Educação em relação à Escola 92% 100% 97% 99% 92% 98% 98% 99% 99% 98% 87% 98% 97% 98% 87% Diversificar as Nº de iniciativas destinadas a valorizar os resultados Aumentar >2

21 ÁREA DE INTERVENÇÃO OBJETIVO ESPECÍFICO INDICADOR META 2014/2018 (VALOR MÉDIO) RESULTADOS (COM ARREDONDAMENTO) 2014/ /2016 Média PROPOSTA META 2016/2017 formas de reconhecimento e valorizar o sucesso dos alunos Reforçar o contributo da escola para o desenvolvimento da comunidade envolvente académicos Nº de iniciativas destinadas a valorizar os resultados sociais Nº de alunos que participam em eventos externos em representação da escola Nº de projetos desenvolvidos em parceria com instituições locais Grau de cumprimento dos Planos de formação aprovados Aumentar >0 Aumentar >179 Aumentar >10 90% 100% 100% 100% 90% Formação Promover ações de formação contínua Número de participantes em formação certificada do pessoal docente (15 horas/ano) 90% (público-alvo) 100% 98% 99% 90% Número de participantes em formação certificada do pessoal não docente (15 horas/ano) 90% (público-alvo) 90% 76% 83% 90% Autoavaliação e melhoria Consolidar a cultura de autoavaliação na comunidade educativa Reforçar o impacto da autoavaliação no planeamento, na organização e nas práticas profissionais Taxa de respostas a inquéritos promovidos no âmbito da autoavaliação Taxa de serviços/áreas da escola que apresentam planos de melhoria Nº de ações desenvolvidas no âmbito da sensibilização para a autoavaliação e divulgação de resultados Nº de alterações ao planeamento, organização e práticas profissionais resultantes das autoavaliações Taxa de cumprimento dos planos de melhoria apresentados 50% 48% 64% 56% 50% 100% 100% 100% 100% 100% > >3 80% 90% 79% 85% 80% a) No final deste ano letivo, em função dos dados disponibilizados pela Equipa de Autoavaliação, será quantificada a meta para este indicador. b) Não foi instituído o Quadro de Valor.

22 6. Conclusões Registou-se um novo incremento da taxa de sucesso do 7.º ano de escolaridade, no presente ano letivo. As disciplinas com maior insucesso no ensino básico continuaram a ser Matemática e Ciências Físico-Químicas (entre 20 e 30%). A taxa de sucesso do 10.º ano de escolaridade, no presente ano letivo, continua a ser superior à média nacional (em 4,22 pontos percentuais). Registou-se uma melhoria nas classificações internas de frequência nas disciplinas de Matemática e Biologia e Geologia, com médias iguais ou superiores à média nacional; apenas a disciplina de Filosofia apresentou uma média inferior em 1,2 valores inferiores à média nacional. As médias de classificações de exame dos alunos internos no ensino secundário foram inferiores à média nacional em 3 disciplinas: Filosofia (-1,8 valores), MACS (-1,7 valores) e Espanhol (-0,9 valores). As médias de classificações de exame dos alunos internos no ensino secundário desceram em relação a 2014/2015 em três disciplinas: MACS (-4 valores), Espanhol (-2,7 valores) e História A (-0,9 valores). A taxa de conclusão do 12.º ano melhorou relativamente ao ano anterior. A taxa de sucesso da nossa escola é superior à média nacional em todos os anos de escolaridade. Existem alguns indicadores em não se propõem correções para 2016/2017 dado que, pelos resultados verificados nos dois últimos anos de vigência do Projeto Educativo, dificilmente se irão atingir as propostas de metas iniciais (metas para 2016/2017 realçadas a negrito e vermelho) Recomendações Continuar com medidas de compensação nas turmas de 11.º relativas a alunos com transição deficitária no 10.º ano. Continuar a desenvolver medidas de apoio que permitam melhorar a média de exame dos alunos internos à disciplina de MACS, Filosofia e Espanhol. Refletir em sede de grupo disciplinar e departamento quanto às questões apontadas neste relatório e que são preocupantes em termos de resultados académicos e apresentar planos de melhoria. Para cada ação de melhoria devem ser definidos os responsáveis pela sua implementação, acompanhamento, análise de resultados e divulgação dos mesmos. Apresentação, por parte dos responsáveis pelos projetos em curso na escola (Exame+, ExtraZarco, ZarcoCompensa, ZarcoFit, etc.), dos relatórios periódicos e finais da consecução dos mesmos.

23 Divulgar à comunidade escolar a avaliação da eficácia das ações de melhoria (Projeto Zarcompensa, Projeto Exame+, Testes Intermédios, etc.). Retomar a criação de Quadros de Valor (individual e turma), situação que não se verifica há já dois anos e que constituem indicadores importantes para incrementar a participação em atividades solidárias. ESJGZarco, 10 de novembro de 2016

Projeto Educativo 2013-2017

Projeto Educativo 2013-2017 Projeto Educativo 2013-2017 A Escola A CONSTRUIR Qualidade dos Recursos Recursos humanos Serviços e equipamentos Instalações Qualidade da Interação com a comunidade Família Comunidade educativa Qualidade

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO Considerando que a Portaria nº 23 /2015, de 27 de fevereiro revogou a Portaria nº 9/2013, de 11 de fevereiro referente à avaliação das aprendizagens e competências

Leia mais

Plano de Articulação Curricular

Plano de Articulação Curricular Plano de Articulação Curricular 2014-2015 Agrupamento de Escolas Fernando Pessoa Índice 1.Introdução... 3 2 2.Prioridades... 4 3.Operacionalização do Plano de Articulação Curricular... 5 4.Monitorização

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr. Bissaya Barreto Castanheira de Pera. Plano. Estudos. Desenvolvimento. Currículo

Agrupamento de Escolas Dr. Bissaya Barreto Castanheira de Pera. Plano. Estudos. Desenvolvimento. Currículo Agrupamento de Escolas Dr. Bissaya Barreto Castanheira de Pera Plano de Estudos e Desenvolvimento do Currículo Educação Pré Escolar A Educação Pré-Escolar afigura-se como a primeira etapa da educação básica

Leia mais

PROGRAMA ACOMPANHAMENTO. Jardins de Infância da Rede Privada Instituições Particulares de Solidariedade Social RELATÓRIO DO JARDIM DE INFÂNCIA

PROGRAMA ACOMPANHAMENTO. Jardins de Infância da Rede Privada Instituições Particulares de Solidariedade Social RELATÓRIO DO JARDIM DE INFÂNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO Jardins de Infância da Rede Privada Instituições Particulares de Solidariedade Social RELATÓRIO DO JARDIM DE INFÂNCIA Designação: Centro Social de Azurva Endereço: Rua Professor

Leia mais

Orçamento Participativo de Vila Nova de Cerveira

Orçamento Participativo de Vila Nova de Cerveira Orçamento Participativo de Vila Nova de Cerveira PREÂMBULO Os Orçamentos Participativos são símbolos de importância da participação dos cidadãos na sociedade democrática, neste sentido a Câmara Municipal

Leia mais

OBJETIVOS/METAS EDUCATIVAS A ATINGIR DEFINIÇÃO DE OBJETIVOS/METAS EDUCATIVAS DA ESCOLA

OBJETIVOS/METAS EDUCATIVAS A ATINGIR DEFINIÇÃO DE OBJETIVOS/METAS EDUCATIVAS DA ESCOLA OBJETIVOS/METAS EDUCATIVAS A ATINGIR DEFINIÇÃO DE OBJETIVOS/METAS EDUCATIVAS DA ESCOLA As metas que aqui se apresentam constituem uma referência relativamente aos resultados de aprendizagem dos alunos

Leia mais

Sustentabilidade transversal

Sustentabilidade transversal Galp Voluntária 1 Galp Voluntária A Galp Voluntária é o programa estruturado de voluntariado da Galp Energia que procura facilitar, concretizar e potenciar iniciativas de voluntariado empresarial destinadas

Leia mais

PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO DO AGRUPAMENTO

PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO DO AGRUPAMENTO Agrupamento de Escolas de Airães Escola Básica e Secundária de Airães PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO DO AGRUPAMENTO Plano de Crescimento Sustentado do Agrupamento Ano letivo 2012-2013 Projeto de Autoavaliação

Leia mais

Objectivos Específicos Acções Principais Resultados a Atingir

Objectivos Específicos Acções Principais Resultados a Atingir Núcleo Executivo / Secretariado Técnico Rede Social Loures Aprovado na reunião de CLAS de 19.Fevereiro.2009 Objectivo Superior Objectivos Específicos Acções Principais Resultados a Atingir Monitorização

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e S.º João dos Montes. Projeto Educativo do Agrupamento Apresentação para Divulgação

Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e S.º João dos Montes. Projeto Educativo do Agrupamento Apresentação para Divulgação Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e S.º João dos Montes Projeto Educativo do Agrupamento Apresentação para Divulgação CARATERIZAÇÃO DOS TERRITÓRIOS ENVOLVIDOS NA CONSTITUIÇÃO DO AGRUPAMENTO

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E GESTÃO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO 2013/2014

ORGANIZAÇÃO E GESTÃO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO 2013/2014 Escola EB1 João de Deus CÓD. 242 937 Escola Secundária 2-3 de Clara de Resende CÓD. 346 779 AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE CÓD. 152 870 ORGANIZAÇÃO E GESTÃO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO 2013/2014 (Aprovado

Leia mais

ISEL Sessão de Apresentação no ISEL

ISEL Sessão de Apresentação no ISEL ISEL ISEL Sessão de Apresentação no ISEL Manuel Pires Abraços 15 Novembro 2011 Apresentação O Poliempreende é um concurso de ideias e de planos de negócios que tem como objectivo avaliar e premiar projectos

Leia mais

A l e x a n d r a P e r e i r a G R I - P l a n o E s t r a t é g i c o e d e A ç ã o 2 0 1 2-15 Página 1

A l e x a n d r a P e r e i r a G R I - P l a n o E s t r a t é g i c o e d e A ç ã o 2 0 1 2-15 Página 1 GABINETE DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DO ISAG PLANO ESTRATÉGICO E PLANO DE AÇÃO 31 de Outubro de 2012 A l e x a n d r a P e r e i r a G R I - P l a n o E s t r a t é g i c o e d e A ç ã o 2 0 1 2-15 Página

Leia mais

Matriz estratégica do PEE

Matriz estratégica do PEE MEC02-000 MEC02-001 MEC02-002 MEC02-003 Matriz estratégica do PEE Ensino (Pré-) Primário MEC02 Ensino Primário Objectivo Geral Assegurar que todas as crianças tenham oportunidade de concluir uma educação

Leia mais

Conselho Local de Ação Social

Conselho Local de Ação Social Conselho Local de Ação Social Índice Introdução... 6 Eixo I - Demografia... 7 Eixo II Educação/Nível de Instrução... 8 Eixo III Economia... 11 Eixo IV Grupos Vulneráveis... 13 Avaliação.26 2 Ficha Técnica

Leia mais

VALNOR comemorou Dia da Criança e Dia do Ambiente

VALNOR comemorou Dia da Criança e Dia do Ambiente VALNOR comemorou Dia da Criança e Dia do Ambiente VALNOR comemorou Dia da Criança e Dia do Ambiente VALNOR entrega prémio do Concurso Ovos Amarelos Sensibilização Ambiental com jovens de Castelo de Vide

Leia mais

Planificação de Atividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Letivo 2012 / 2013

Planificação de Atividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Letivo 2012 / 2013 Planificação de Atividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Letivo 2012 / 2013 Psicóloga Ana Rita Antunes (2º e 3º Ciclos e Coordenadora do Serviço de Psicologia e Orientação) Psicóloga Filipa

Leia mais

CONCURSO DE IDEIAS 2014-2015 JOVENS CRIATIVOS, EMPREENDEDORES PARA O SÉCULO XXI

CONCURSO DE IDEIAS 2014-2015 JOVENS CRIATIVOS, EMPREENDEDORES PARA O SÉCULO XXI 0 REGULAMENTO DO CONCURSO DE IDEIAS 2014-2015 1. OBJETIVOS Através de um concurso de ideias, a iniciativa INOVA! visa: Estimular o espírito empreendedor, criativo e inovador das crianças e dos jovens;

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES DA BIBLIOTECA ESCOLAR. Ano lectivo de 2013 2014

PLANO DE ACTIVIDADES DA BIBLIOTECA ESCOLAR. Ano lectivo de 2013 2014 PLANO DE ACTIVIDADES DA BIBLIOTECA ESCOLAR Ano lectivo de 2013 2014 A Biblioteca Escolar / Centro de Recursos Educativos, de acordo com o que está definido no Projecto educativo, deste agrupamento (...)

Leia mais

Assunto: Consulta Prévia para Prestação de Serviços de Consultoria-formativa e formação no âmbito do Programa CONVITE. Exmos. Senhores.

Assunto: Consulta Prévia para Prestação de Serviços de Consultoria-formativa e formação no âmbito do Programa CONVITE. Exmos. Senhores. Associação Portuguesa de Comerciantes de Materiais de Construção Assunto: Consulta Prévia para Prestação de Serviços de Consultoria-formativa e formação no âmbito do Programa Formação PME - Norte e Centro

Leia mais

INSTITUTOS NACIONAIS DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA INCT 2º SEMINÁRIO DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE PROJETO Formulário para Consultor Ad hoc

INSTITUTOS NACIONAIS DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA INCT 2º SEMINÁRIO DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE PROJETO Formulário para Consultor Ad hoc INSTITUTOS NACIONAIS DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA INCT 2º SEMINÁRIO DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE PROJETO Formulário para Consultor Ad hoc PARTE I - IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO (CNPq) TÍTULO: INCT de Engenharia

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO 2012 REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO 2 de 1 Índice 1. Enquadramento... 3 2. Definição... 3 3. Princípios... 4 4. Objetivos... 4 5. Direitos... 4 6. Deveres... 5 7. Inscrição... 7 8. Candidatura...

Leia mais

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIO PIC DIREITO/UniCEUB EDITAL DE 2016

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIO PIC DIREITO/UniCEUB EDITAL DE 2016 PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIO PIC DIREITO/UniCEUB EDITAL DE 2016 O reitor do Centro Universitário de Brasília UniCEUB, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, torna público que

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL

APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL A Agência de Certificação Ocupacional (ACERT) é parte integrante da Fundação Luís Eduardo Magalhães (FLEM) Centro de Modernização e Desenvolvimento da Administração

Leia mais

ANEXO II PROJETO DE MELHORIA DO ENSINO MÉDIO NOTURNO REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

ANEXO II PROJETO DE MELHORIA DO ENSINO MÉDIO NOTURNO REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Esplanada dos Ministérios, Bloco L 70047-902 Brasília DF ANEXO II PROJETO DE MELHORIA DO ENSINO MÉDIO NOTURNO REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art.

Leia mais

Fórum Regional de Capacitação da UIT para a Região das Américas. Iniciativas de capacitação na Anatel: parcerias e projetos.

Fórum Regional de Capacitação da UIT para a Região das Américas. Iniciativas de capacitação na Anatel: parcerias e projetos. Fórum Regional de Capacitação da UIT para a Região das Américas Iniciativas de capacitação na Anatel: parcerias e projetos Simone Scholze novembro/2009 Agenda O que será discutido: O que é a Anatel Como

Leia mais

Plano de Acção 2006/2007. Rede Social Concelho da Lourinhã

Plano de Acção 2006/2007. Rede Social Concelho da Lourinhã Plano de Acção 2006/2007 Rede Social Concelho da Lourinhã E I X O I Intervenção Dirigida a Grupos Específicos EIXO I : INTERVENÇÃO DIRIGIDA A GRUPOS ESPECIFICOS OBJECTIVO GERAL: Até Dezembro de 2007 existem

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015-2016 BIBLIOTECA ESCOLAR

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015-2016 BIBLIOTECA ESCOLAR 2015-2016 PLANO ANUAL DE ATIVIDADES BIBLIOTECA ESCOLAR DIRETORA DA BIBLIOTECA ESCOLAR, ANA CARVALHO EXTERNATO D. AFONSO HENRIQUES Largo da Igreja, nº 81 4660-227 Resende Índice 1. Introdução... 2 2. Domínio

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - CAPES CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO EDITAL Nº 03/2013

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - CAPES CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO EDITAL Nº 03/2013 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - CAPES CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO EDITAL Nº 03/2013 - Processo Seletivo de Bolsistas para o PIBID/UNIFRA - O Centro Universitário Franciscano, por

Leia mais

Prémio Cooperação e Solidariedade António Sérgio Formulário de candidatura Boas Práticas

Prémio Cooperação e Solidariedade António Sérgio Formulário de candidatura Boas Práticas Prémio Cooperação e Solidariedade António Sérgio Formulário de candidatura Boas Práticas 1. Identificação do Candidato 1.1. Nome da pessoa/organização: 1.2. Número de identificação (BI ou CC): de / / ou

Leia mais

Regulamento das provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do Curso de Licenciatura em Enfermagem da ESEL dos

Regulamento das provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do Curso de Licenciatura em Enfermagem da ESEL dos Regulamento das provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do Curso de Licenciatura em Enfermagem da ESEL dos maiores de 23 anos e do Concurso Especial dos Estudantes

Leia mais

Instituto Superior de Ciências Educativas de Felgueiras

Instituto Superior de Ciências Educativas de Felgueiras Instituto Superior de Ciências Educativas de Felgueiras Relatório de Atividades Ano Letivo 2013-2014 ÍNDICE Nota Introdutória. 1 1. Cumprimento do Plano Estratégico, do Plano Anual e seus Objetivos.. 2

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Gabinete do Reitor

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Gabinete do Reitor REGULAMENTO DO ESTATUTO DO ESTUDANTE INTERNACIONAL DA UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR A Universidade da Beira Interior (UBI) pretende implementar uma política ativa de atração e acolhimento de estudantes

Leia mais

Projetos - Vales Vocacionado para apoiar as PME. Apresentação de Candidaturas 2ª fase até 31 d Agosto 2015. Se precisa de:

Projetos - Vales Vocacionado para apoiar as PME. Apresentação de Candidaturas 2ª fase até 31 d Agosto 2015. Se precisa de: Apresentação de Candidaturas 2ª fase até 31 d Agosto 2015 Projetos - Vales Vocacionado para apoiar as PME Se precisa de: Prospetar novos Clientes em mercados externos Elaborar um plano de negócios para

Leia mais

ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020

ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020 ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020 1 Portugal 2020, o Acordo de Parceria (AP) que Portugal irá submeter à Comissão Europeia estrutura as intervenções, os investimentos e as prioridades de financiamento

Leia mais

Comissão avalia o impacto do financiamento para as regiões e lança um debate sobre a próxima ronda da política de coesão

Comissão avalia o impacto do financiamento para as regiões e lança um debate sobre a próxima ronda da política de coesão IP/07/721 Bruxelas, 30 de Maio de 2007 Comissão avalia o impacto do financiamento para as regiões e lança um debate sobre a próxima ronda da política de coesão A política de coesão teve um efeito comprovado

Leia mais

Prémio Jovem Empreendedor Regulamento. Municí pio de Grâ ndolâ

Prémio Jovem Empreendedor Regulamento. Municí pio de Grâ ndolâ Prémio Jovem Empreendedor Regulamento Municí pio de Grâ ndolâ Regulamento do Prémio Jovem Empreendedor Preâmbulo O empreendedorismo tem vindo a assumir, dadas as atuais circunstâncias económicas e sociais,

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS COMPORTAMENTAIS (NEC) DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS COMPORTAMENTAIS (NEC) DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS COMPORTAMENTAIS (NEC) DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS Em reunião de 05 de setembro de 2014, o Núcleo de Estudos Comportamentais (NEC), autorizado pelo disposto no inciso

Leia mais

O mundo inteiro vai ver o seu município com bons olhos!

O mundo inteiro vai ver o seu município com bons olhos! O mundo inteiro vai ver o seu município com bons olhos! Metodologia do Selo UNICEF Município Aprovado 2009-2012 Realização Parcerias O Selo UNICEF Município Aprovado O QUE O SELO UNICEF REPRESENTA PARA

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADE ARTHUR THOMAS CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS Art. 1º. Este Regulamento estabelece as políticas básicas das

Leia mais

AVISO DE EDITAL Nº 001/2010

AVISO DE EDITAL Nº 001/2010 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA CIVIL PROGRAMA DE PÓS-GRADUÇÃO STRICTO SENSU EM ENGENHARIA CIVIL - MESTRADO - AVISO DE EDITAL Nº 001/2010 A Coordenadoria do Programa

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico CETEC. Ensino Técnico. Habilitação Profissional: Nível Médio de Técnico em Administração

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico CETEC. Ensino Técnico. Habilitação Profissional: Nível Médio de Técnico em Administração Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Nível Médio de Técnico em Administração

Leia mais

Regulamento do Centro de Investigação em Estudos da Criança CIEC

Regulamento do Centro de Investigação em Estudos da Criança CIEC Regulamento do Centro de Investigação em Estudos da Criança CIEC CAPÍTULO I ÂMBITO E OBJETIVOS Artigo 1.º Âmbito O Centro de Investigação em Estudos da Criança (CIEC), adiante designado por Centro, é uma

Leia mais

DADOS DE CARACTERIZAÇÃO DA ESCOLA PARA A AVALIAÇÃO EXTERNA

DADOS DE CARACTERIZAÇÃO DA ESCOLA PARA A AVALIAÇÃO EXTERNA DADOS DE CARACTERIZAÇÃO DA ESCOLA PARA A AVALIAÇÃO EXTERNA Novembro de 2011 1 1. POPULAÇÃO ESCOLAR Evolução do nº de alunos por modalidade de ensino C. Científico- Humanístico 2007/08 2008/09 2009/10 2010/11

Leia mais

Metodologias de PETI. Prof. Marlon Marcon

Metodologias de PETI. Prof. Marlon Marcon Metodologias de PETI Prof. Marlon Marcon PETI O PETI é composto de: Planejamento Estratégico da organização, que combina os objetivos e recursos da organização com seus mercados em processo de transformação

Leia mais

Período ATIVIDADE OBJETIVO Responsabilidade Local

Período ATIVIDADE OBJETIVO Responsabilidade Local Período ATIVIDADE OBJETIVO Responsabilidade Local Durante todo Estágio (Teórica e prática) Março a junho 2013 Mês de março e abril de 2013 25 a 31 março Preparação para o ingresso no Estágio Leitura obrigatória

Leia mais

Avanços do TPE Setembro 2006 / Maio 2007

Avanços do TPE Setembro 2006 / Maio 2007 Avanços do TPE Setembro 2006 / Maio 2007 Já sabemos que... Educação de qualidade para todos promove: Já sabemos que... Educação de qualidade para todos promove: Crescimento econômico Já sabemos que...

Leia mais

Apresentação dos encontro de formação Plano Individual de Atendimento para medidas de proteção e medidas socioeducativas

Apresentação dos encontro de formação Plano Individual de Atendimento para medidas de proteção e medidas socioeducativas Apresentação dos encontro de formação Plano Individual de Atendimento para medidas de proteção e medidas socioeducativas Iniciativa Apoio Realização Objetivo e Público Objetivo Geral Ampliar o conhecimento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO ESTRATÉGICO DE TI

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO ESTRATÉGICO DE TI MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO ESTRATÉGICO DE TI Plano de Trabalho Elaboração do Plano Estratégico de Tecnologia

Leia mais

Treinamento e Desenvolvimento - T&D. Capacitação e formação dos colaboradores do HSC

Treinamento e Desenvolvimento - T&D. Capacitação e formação dos colaboradores do HSC Treinamento e Desenvolvimento - T&D Capacitação e formação dos colaboradores do HSC Políticas de RH As práticas de Recursos Humanos do Hospital Santa Catarina estão de acordo com as diretrizes apresentadas

Leia mais

O QUE ORIENTA O PROGRAMA

O QUE ORIENTA O PROGRAMA O QUE ORIENTA O PROGRAMA A Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres estabeleceu um diálogo permanente com as mulheres brasileiras por meio de conferências nacionais que constituíram um marco na

Leia mais

Plano de Melhoria do Agrupamento 2015 2019

Plano de Melhoria do Agrupamento 2015 2019 Plano de Melhoria do Agrupamento 2015 2019 Introdução O Plano de Melhoria do Agrupamento de Escola Gaia Nascente para o quadriénio 2015 2019 tem como objetivo a consolidação e/ou mudança de algumas práticas.

Leia mais

Curso de Desenvolvimento de Negócios Sociais e Inclusivos

Curso de Desenvolvimento de Negócios Sociais e Inclusivos Curso de Desenvolvimento de Negócios Sociais e Inclusivos O curso de Desenvolvimento de Negócios Sociais e Inclusivos visa a despertar o interesse de pessoas que queiram empreender na área social. Trata-se

Leia mais

PROJECTO FUNDAMENTAÇÃO

PROJECTO FUNDAMENTAÇÃO PROJECTO FUNDAMENTAÇÃO No seguimento das propostas apresentadas por esta Direcção Regional de Educação para o Plano de Acompanhamento dos Centros de Recursos TIC (CRTIC) no ano de 2011, com uma linha orientadora

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental da PREVI

Política de Responsabilidade Socioambiental da PREVI 1.1. A PREVI, para o cumprimento adequado de sua missão administrar planos de benefícios, com gerenciamento eficaz dos recursos aportados, buscando melhores soluções para assegurar os benefícios previdenciários,

Leia mais

Projeto Político Pedagógico

Projeto Político Pedagógico Projeto Político Pedagógico UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Disciplina: (EDC284) Didática Professora: Amaleide Lima Ivanilda Gonçalves da Silva Joice Assis de Souza Mércia Samyra Nascimento Ramon Castro

Leia mais

Concurso de fotografia Somos todos peões REGULAMENTO 1. ENQUADRAMENTO

Concurso de fotografia Somos todos peões REGULAMENTO 1. ENQUADRAMENTO Concurso de fotografia Somos todos peões REGULAMENTO 1. ENQUADRAMENTO O concurso de fotografia Somos todos peões decorre por ocasião da Segunda Semana Mundial de Segurança Rodoviária, promovida pelas Nações

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Évora, 9 de setembro de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral Baixo Alentejo

Leia mais

CURSO INTENSIVO DE BANCA PARA RECÉM-LICENCIADOS

CURSO INTENSIVO DE BANCA PARA RECÉM-LICENCIADOS CURSO INTENSIVO DE BANCA PARA RECÉM-LICENCIADOS Formação a Distância e-learning Base Papel 2015 PORQUÊ ESTE CURSO? Conhecer os fundamentos da atividade bancária constitui uma importante mais-valia para

Leia mais

PROGRAMA TALENTOS DA EDUCAÇÃO 2016

PROGRAMA TALENTOS DA EDUCAÇÃO 2016 PROGRAMA TALENTOS DA EDUCAÇÃO 2016 O programa Talentos da Educação é uma iniciativa da Fundação Lemann para apoiar pessoas talentosas e comprometidas com a melhoria da educação no Brasil. A proposta é

Leia mais

EscolaSecundáriaJoséSaramagoMafra EscolaSecundáriaJoséSaramagoMafra EscolaSecundáriaJoséSaramagoMafra

EscolaSecundáriaJoséSaramagoMafra EscolaSecundáriaJoséSaramagoMafra EscolaSecundáriaJoséSaramagoMafra Plano Estratégico 2015/2016 Escola Secundária José Saramago - Introdução A elaboração do presente Plano Estratégico decorre da aplicação do disposto no artigo 15º, do Despacho normativo nº 10-A/2015, de

Leia mais

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO NORMAS DE PARTICIPAÇÃO. Capítulo I Disposições gerais

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO NORMAS DE PARTICIPAÇÃO. Capítulo I Disposições gerais ORÇAMENTO PARTICIPATIVO NORMAS DE PARTICIPAÇÃO Capítulo I Disposições gerais Cláusula 1ª (Princípio) O Orçamento Participativo (OP) tem como escopo promover a intervenção informada, ativa e responsável

Leia mais

Auditorias Independentes COMPLIENCE AUDITORIAS DE 2A PARTE. em atividades aéreas

Auditorias Independentes COMPLIENCE AUDITORIAS DE 2A PARTE. em atividades aéreas AUDITORIAS DE 2A PARTE em atividades aéreas " O QUE É E COMO ATUAMOS NESTA ÁREA. O significado de complience é o de agir de acordo com uma regra, uma instrução interna, um comando ou um pedido, ou seja,

Leia mais

BOLSAS ES JOVEM / NOS ALIVE. 3. ª e d i ç ã o BOLSAS ES JOVEM / NOS ALIVE REGULAMENTO

BOLSAS ES JOVEM / NOS ALIVE. 3. ª e d i ç ã o BOLSAS ES JOVEM / NOS ALIVE REGULAMENTO BOLSAS ES JOVEM / NOS ALIVE 3. ª e d i ç ã o BOLSAS ES JOVEM / NOS ALIVE REGULAMENTO 01.ENQUADRAMENTO E INFORMAÇÃO GERAL As Bolsas ES JOVEM / NOS ALIVE resultam de uma iniciativa conjunta da Cooperativa

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR PREÂMBULO A Lei n.º 75/2013, de 12 de Setembro, diploma que estabelece, entre outros, o regime jurídico das autarquias locais, veio atribuir, no

Leia mais

CONEXÃO VERDE IASEA REDE NACIONAL DE ENSINO SOCIOAMBIENTAL INSTITUTO PARA APRENDIZAGEM SOCIAL, EMOCIONAL E AMBIENTAL

CONEXÃO VERDE IASEA REDE NACIONAL DE ENSINO SOCIOAMBIENTAL INSTITUTO PARA APRENDIZAGEM SOCIAL, EMOCIONAL E AMBIENTAL CONEXÃO VERDE REDE NACIONAL DE ENSINO SOCIOAMBIENTAL IASEA INSTITUTO PARA APRENDIZAGEM SOCIAL, EMOCIONAL E AMBIENTAL 1. APRESENTAÇÃO Conexão Verde é uma rede de aprendizagem e colaboração que envolve jovens

Leia mais

Desencadeia motivações profundas, onde os comportamentos são mais importantes que o produto final;

Desencadeia motivações profundas, onde os comportamentos são mais importantes que o produto final; ÁREA DE PROJECTO 12º ANO Ano Lectivo 2008/2009 1. O QUÊ, PARA QUÊ? A Área de Projecto é uma área curricular não disciplinar que faz parte do currículo do 12º ano. Tem uma natureza interdisciplinar e transdisciplinar

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de outubro de 2013

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de outubro de 2013 Nota de Informação Estatística Lisboa, 1 de outubro de 13 Novas estatísticas das não financeiras da Central de Balanços O Banco de Portugal passa a divulgar no Boletim Estatístico (secção A.19 e Capítulo

Leia mais

Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) Prof. Sr. Ocimar Munhoz Alavarse Setembro 2010

Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) Prof. Sr. Ocimar Munhoz Alavarse Setembro 2010 Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) Prof. Sr. Ocimar Munhoz Alavarse Setembro 2010 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Dispõe sobre a implementação do

Leia mais

PROJETO BRINCANDO SE APRENDE

PROJETO BRINCANDO SE APRENDE PROJETO BRINCANDO SE APRENDE COLÉGIO ESTADUAL PROFESSOR EDGARD SANTOS APRESENTAÇÃO A Matemática e a Língua Portuguesa são vistas como disciplinas de difícil aprendizagem, muitas vezes até rejeitada pelos

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTE EM ESPAÇO PÚBLICO

PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTE EM ESPAÇO PÚBLICO PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTE EM ESPAÇO PÚBLICO Normas regulamentares Artigo 1.º Grau A Escola Superior Artística do Porto confere a Pós-Graduação em Arte em Espaço Público. Artigo 2.º Objectivos do curso 1. A

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA

NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA outubro/2010

Leia mais

Regulamento do Núcleo de Apoio à Pesquisa do Curso de Medicina da UNIFENAS-BH

Regulamento do Núcleo de Apoio à Pesquisa do Curso de Medicina da UNIFENAS-BH Regulamento do Núcleo de Apoio à Pesquisa do Curso de Medicina da UNIFENAS-BH CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO Art. 1º O Núcleo de Apoio à Pesquisa do Curso de Medicina da UNIFENAS-BH (NAPMED-BH) foi criado

Leia mais

Na União Europeia e países europeus (I):

Na União Europeia e países europeus (I): O princípio da CPD diz-nos que as políticas nos vários setores devem contribuir ativamente para os objetivos de luta contra a pobreza e de promoção do desenvolvimento ou, pelo menos, não prejudicarem esses

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REAL REGULAMENTO OFERTAS EDUCATIVAS ALTERNATIVAS AO ENSINO REGULAR ANEXO II

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REAL REGULAMENTO OFERTAS EDUCATIVAS ALTERNATIVAS AO ENSINO REGULAR ANEXO II Ofertas Educativas Artigo 1.º Âmbito O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais ao funcionamento do curso vocacional, adequando, esclarecendo e integrando as normas legais presentes na

Leia mais

FACULDADE DE ARARAQUARA IESP Instituto Educacional do Estado de São Paulo Rua Miguel Cortez, 50, Vila Suconasa, Araraquara/SP Tel: 3332-4093

FACULDADE DE ARARAQUARA IESP Instituto Educacional do Estado de São Paulo Rua Miguel Cortez, 50, Vila Suconasa, Araraquara/SP Tel: 3332-4093 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Dispõe sobre as Atividades Complementares do Curso de Direito da Faculdade de Araraquara CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. Este Regulamento dispõe sobre

Leia mais

Ponto 10.1. Proposta das Normas do Orçamento Participativo de Pombal

Ponto 10.1. Proposta das Normas do Orçamento Participativo de Pombal Cópia de parte da ata da Reunião Ordinária da Câmara Municipal de Pombal nº0014/cmp/15, celebrada em 25 de Junho de 2015 e aprovada em minuta para efeitos de imediata execução. Ponto 10.1. Proposta das

Leia mais

CERTIFICAÇÃO. Sistema de Gestão

CERTIFICAÇÃO. Sistema de Gestão CERTIFICAÇÃO Sistema de Gestão A Sociedade Central de Cervejas e Bebidas (SCC) tem implementados e certificados os Sistemas de Gestão da Qualidade, Segurança Alimentar e Ambiente, em alinhamento com as

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA PARA A ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR

REGULAMENTO DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA PARA A ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MONDIM DE BASTO REGULAMENTO DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA PARA A ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR I Objeto e Âmbito O presente documento define e regula o funcionamento do Sistema de Gestão

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 139/2009/CONEPE Aprova alteração nas Normas Específicas do Estágio

Leia mais

Senado Federal Subsecretaria de Informações DECRETO Nº 2.794, DE 1º DE OUTUBRO DE 1998

Senado Federal Subsecretaria de Informações DECRETO Nº 2.794, DE 1º DE OUTUBRO DE 1998 Senado Federal Subsecretaria de Informações DECRETO Nº 2.794, DE 1º DE OUTUBRO DE 1998 Institui a Política Nacional de Capacitação dos Servidores para a Administração Pública Federal direta, autárquica

Leia mais

PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA PMCMV Fundo de Arrendamento Residencial - FAR PROJETO BÁSICO

PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA PMCMV Fundo de Arrendamento Residencial - FAR PROJETO BÁSICO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA PMCMV Fundo de Arrendamento Residencial - FAR PROJETO BÁSICO CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA EXECUÇÃO DO PROJETO DE TRABALHO TÉCNICO SOCIAL EMPREENDIMENTO RESIDENCIAL: ALPHA.

Leia mais

MBA em Gerenciamento de Projetos

MBA em Gerenciamento de Projetos MBA em Gerenciamento de Projetos APRESENTAÇÃO A gestão eficiente de projetos é essencial para a sobrevivência das empresas em um cenário de competição global, avanços tecnológicos, clientes mais exigentes

Leia mais

Critério I - Compromissos com o Desenvolvimento Sustentável

Critério I - Compromissos com o Desenvolvimento Sustentável Os trechos em destaque encontram-se no Glossário. Dimensão Geral Critério I - Compromissos com o Desenvolvimento Sustentável Indicador 1 - Compromisso Fundamental 1. A empresa, por meio de sua alta administração,

Leia mais

PPODE - ESTRATÉGICO. Slide 1 BALANCED SCORECARD CRESCIMENTO PRODUTIVIDADE MAIS RESULTADOS. Ms. RICARDO RESENDE DIAS

PPODE - ESTRATÉGICO. Slide 1 BALANCED SCORECARD CRESCIMENTO PRODUTIVIDADE MAIS RESULTADOS. Ms. RICARDO RESENDE DIAS Slide 1 BALANCED SCORECARD PRODUTIVIDADE CRESCIMENTO MAIS RESULTADOS Ms. RICARDO RESENDE DIAS BALANCED SCORECARD Slide 2 BSC CONCEITO FINALIDADE APLICAÇÃO PRÁTICA ESTRATÉGIA - BSC Slide 3 Ativos Tangíveis

Leia mais

PROJETO BÁSICO DE CURSOS DE ATUALIZAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO, COM FORMAÇÃO CONTINUADA

PROJETO BÁSICO DE CURSOS DE ATUALIZAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO, COM FORMAÇÃO CONTINUADA 1 PROJETO BÁSICO DE CURSOS DE ATUALIZAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO, COM FORMAÇÃO CONTINUADA 1. JUSTIFICATIVA DA PROPOSIÇÃO: 1.1.1. O Programa de Formação Continuada, para a Coordenação e Implementação das Diretrizes

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB EDITAL Nº 02/2009 CAPES/DEB PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À

Leia mais

Projeto Movimento ODM Brasil 2015 Título do Projeto

Projeto Movimento ODM Brasil 2015 Título do Projeto Título do Projeto Desenvolvimento de capacidades, de justiça econômica sustentável e promoção de boas práticas para alcance dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio no Brasil. Concepção Estabelecimento

Leia mais

BSC Quidgest. Gestão Estratégica. www.quidgest.com

BSC Quidgest. Gestão Estratégica. www.quidgest.com BSC Quidgest Gestão Estratégica www.quidgest.com Um sistema, diferentes abordagens Um sistema, diferentes abordagens Gestão Estratégica Controlo de Gestão Gestão da Qualidade c Avaliação de Desempenho

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SOCIAL

DESENVOLVIMENTO SOCIAL ENCONTRO DE GESTORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DA PARAÍBA FORTALECIMENTO DA GESTÃO MUNICIPAL PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIAL João Pessoa PB / 18, 19, 21 e 22 de março O PNUD reconhece a capacidade do TCE-PB de

Leia mais

Consulta à Sociedade: Minuta de Resolução Complementar sobre Acreditação de Comitês de Ética em Pesquisa do Sistema CEP/CONEP

Consulta à Sociedade: Minuta de Resolução Complementar sobre Acreditação de Comitês de Ética em Pesquisa do Sistema CEP/CONEP São Paulo, 13 de julho de 2015. Ilmo Sr. Jorge Alves de Almeida Venâncio Coordenador da Comissão Nacional de Ética em Pesquisa - CONEP Consulta à Sociedade: Minuta de Resolução Complementar sobre Acreditação

Leia mais

MEXA-SE. Não fique parado Pela sua saúde. 401 882 - ESCOLA SECUNDÁRIA HENRIQUE MEDINA. Secundária Henrique Medina, Esposende Uma Escola Ativa

MEXA-SE. Não fique parado Pela sua saúde. 401 882 - ESCOLA SECUNDÁRIA HENRIQUE MEDINA. Secundária Henrique Medina, Esposende Uma Escola Ativa Secundária Henrique Medina, Esposende Uma Escola Ativa MEXA-SE Não fique parado Pela sua saúde. 1 Projeto Mexa-se pela sua saúde Índice 1. Notas do Programa Nacional de Promoção da Atividade Física Desportiva

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 95/VIII COMBATE À INSEGURANÇA E VIOLÊNCIA EM MEIO ESCOLAR

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 95/VIII COMBATE À INSEGURANÇA E VIOLÊNCIA EM MEIO ESCOLAR PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 95/VIII COMBATE À INSEGURANÇA E VIOLÊNCIA EM MEIO ESCOLAR A preocupação com o aumento e as características dos múltiplos episódios de violência vividos na e pela comunidade escolar

Leia mais

Adotada Total / Parcial. Fundamento da não adoção. Recomendação. Não adotada. 1. Princípios Gerais

Adotada Total / Parcial. Fundamento da não adoção. Recomendação. Não adotada. 1. Princípios Gerais / 1. Princípios Gerais As instituições devem adotar uma política de remuneração consistente com uma gestão e controlo de riscos eficaz que evite uma excessiva exposição ao risco, que evite potenciais conflitos

Leia mais

PROGRAMA PROREDES BIRD RS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA INDIVIDUAL ESPECIALIZADA EM ANÁLISE DE SISTEMAS NA ÁREA DA EDUCAÇÃO

PROGRAMA PROREDES BIRD RS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA INDIVIDUAL ESPECIALIZADA EM ANÁLISE DE SISTEMAS NA ÁREA DA EDUCAÇÃO PROGRAMA PROREDES BIRD RS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA INDIVIDUAL ESPECIALIZADA EM ANÁLISE DE SISTEMAS NA ÁREA DA EDUCAÇÃO Sumário 1 Objetivo da contratação... 1 2 Antecedentes e

Leia mais

PROJETO CURRICULAR DE AEMB - DEPARTAMENTO PRÉ ESCOLAR DEPE 2013/2017

PROJETO CURRICULAR DE AEMB - DEPARTAMENTO PRÉ ESCOLAR DEPE 2013/2017 AEMB - DEPE PROJETO CURRICULAR DE DEPARTAMENTO PRÉ ESCOLAR 2013/2017 O Jardim de Infância é um espaço mágico repleto de cores, sons, onde os grandes aprendem com os pequenos o que é ser realmente grande

Leia mais

Etiquetagem Energética de Produtos Apresentação sumária

Etiquetagem Energética de Produtos Apresentação sumária Etiquetagem Energética de Produtos Apresentação sumária Junho 2014 Índice 1. A etiquetagem energética no contexto Europeu 2. Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos (SEEP) 3. Produtos Etiquetados

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PARA MESTRADO 2016 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (UNIFEI)

EDITAL DE SELEÇÃO PARA MESTRADO 2016 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (UNIFEI) 1 EDITAL DE SELEÇÃO PARA MESTRADO 2016 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (UNIFEI) O Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção (PPGEP) da Universidade Federal

Leia mais

Garantir o direito de aprender, para todos e para cada um.

Garantir o direito de aprender, para todos e para cada um. A Educação Básica, B Avanços e Desafios Maria do Pilar Lacerda Almeida e Silva Secretária de Educação Básica Ministério da Educação Foto: João Bittar Garantir o direito de aprender, para todos e para cada

Leia mais