DEGRADAÇÃO EM ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE POR EXTRAÇÃO DE AREIA NO RIO TURVO EM ADELÂNDIA, GOIÁS.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DEGRADAÇÃO EM ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE POR EXTRAÇÃO DE AREIA NO RIO TURVO EM ADELÂNDIA, GOIÁS."

Transcrição

1 DEGRADAÇÃO EM ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE POR EXTRAÇÃO DE AREIA NO RIO TURVO EM ADELÂNDIA, GOIÁS. SOUZA, Gisele 1 ; RODRIGUES, Dayanne Machado 2 ; SIQUEIRA, Renata Cabral 2 ; RODOVALHO, Fabrício Camargos Cunha 3 ; ANTUNES, Erides Campos 4 RESUMO O presente estudo enfoca a degradação da Área de Preservação Permanente, APP, por extração de areia em trechos na margem direita do alto curso do rio Turvo, entre a sede urbana da cidade de Adelândia e a confluência com o rio São Manuel, em Goiás. Após coleta de informações em pesquisa bibliográfica e a avaliação de Planos de Controle Ambiental, PCA s, foram levantados os requisitos legais e as características ambientais da área. Em seguida foi desenvolvido um check list, contendo 10 critérios, para o diagnóstico das condições de degradação da APP. Foram escolhidas, de forma aleatória, 30 áreas de extração de areia para a verificação em campo. Levantaram-se, em todas as áreas, o não cumprimento da legislação e das exigências do órgão ambiental estadual. As medidas pertinentes à mitigação dos danos observados constam dos planos avaliados, donde uma ação fiscalizatória mais efetiva na operação pode reduzir os efeitos adversos verificados na APP. Palavras-chaves: Área de Preservação Permanente, Degradação, Extração de Areia, Caixa de Areia, rio Turvo. ABSTRACT The present study it focuses the degradation of the Permanent Preservation Area, PPA, for sand extration in stretches on stream bed of the high course of the river Turvo, between the urban seat of the Adelandia City and the confluence with the river Sao Manuel, in Goiás. After collection of information in bibliographical research and the evaluation of Plans of Ambient Control, PACs, were raise the legal requisites and the ambient characteristics of the area. Next was develop a check list, containing 10 criterions for the diagnostic in condition of the degradation of the PPA. Were choise, of the aleatory form, 30 areas of sand extration for the verification in field. They had been arisen, in all the areas, legislation s disobedience, as well, to the demands the state environmental institution. The relevant measures to the mitigation of the established damages are included in the assessed plans, where a more effective supervising action can reduce the adverse effects appointed in the PPA. Keywords: Permanent Preservation Area, Degradation, Sand Extration, Sandbox, river Turvo. 1 Eng.ª Ambiental, pós-graduanda em Perícia Ambiental/UCG. 2 Eng.ª Ambiental. 3 Acadêmico de Engenharia Ambiental da Universidade Católica de Goiás. 4 Eng.º Ftal, Doutorando CIAMB/UFG, professor do curso de engenharia ambiental da UCG. 1

2 1 INTRODUÇÃO O rio Turvo é um tributário da margem goiana do rio Paranaíba. Ao cruzar o município de Adelândia, 98 km a oeste de Goiânia, o rio possui um leito de aproximadamente 10 m de largura e grande quantidade de pontos de dragagem de areia. É um dos principais fornecedores de areia para a região e para o município de Goiânia. No processo de extração de areia em leitos de cursos d água, são formadas caixas de areia, freqüentemente instaladas dentro da Área de Preservação Permanente, APP, dos cursos d água, ou mais afastadas dos mesmos. A instalação destas caixas de areia deve ser fora da APP, respeitando os limites estabelecidos no artigo 3 da Resolução 303/CONAMA, de 20 de março de 2002 e no Código Florestal Brasileiro, que dispõem sobre parâmetros, definições e restrições para utilização destas áreas. Este trabalho objetiva verificar a adequação da atividade de extração de areia aos requisitos legais e aspectos ambientais, e levantar as principais alterações ambientais associadas à atividade sobre as áreas de preservação permanente no alto curso do rio Turvo. 2 REVISÃO DA LITERATURA 2.1 A atividade de extração de areia A areia é um recurso mineral fundamental para a atividade de construção civil. Sua definição tem variado ao longo das décadas dentre os autores. Leinz & Amaral (1980), a definem como um sedimento clástico inconsolidado, formado mais comumente por grãos com 0,2 a 2,0 mm de diâmetro e tendo como cores mais usuais o cinza, o amarelo ou o vermelho. Moreira et al (1997), definem areia como uma massa mineral inconsolidada com alto teor de sílica, constituída predominantemente de grãos de quartzo, os quais têm formas e texturas superficiais que podem variar amplamente. Segundo Mattos & Lobo (1992), a classificação de areias pode ser feita em relação ao diâmetro de seus grãos, forma dos grãos e sua pureza. Quanto ao tipo, a areia pode ser aluvionar, comum, de barranco, de fundição, fina, fluvial, in natura, 2

3 industrial, lavada, monazítica, para filtros, para jateamento, para perfuração, para vidro, quartzosa e silicosa (AREIA, 2004). Conforme Lacerda Filho et al (1999), em Goiás a areia é extraída das aluviões, principalmente ao longo dos rios dos Bois, Piracanjuba, Verde, das Almas, Turvo, Meia Ponte, do Peixe e do ribeirão Lambari. Trata-se de areia quartzosa média a grossa, com pequenos grânulos de quartzo. A extração de areia em leitos de rios é feita com o uso de dragas de sucção posicionadas em balsas. A areia é conduzida por canalizações ou transportada na própria balsa até caixas de areia às margens dos rios ou mais afastadas dos mesmos. Nestas caixas, a areia é peneirada para a retirada de cascalho e outros materiais, e é classificada granulometricamente. A água carreada às caixas com a areia, deve retornar ao rio por uma canalização, embora isto ocorra em poucos casos. A atividade prevê um ciclo sazonal de deslocamento contínuo ao longo do leito dos rios, seguindo o ciclo de exploração de deposições e sua renovação por processos naturais, às vezes favorecidos por atividades antrópicas. De acordo com indicações de Mattos & Lobo (1992), confirmadas em campo, a extração de areia em APPs determina várias formas de degradação ambiental, dentre as quais citam-se: desmatamento de APP para implantação de caixas, pátios e acessos; corte de taludes e aterros para a implantação de caixas; erosões e assoreamento em acessos; emissão de ruídos na operação de dragas; erosão de taludes em pontos de retorno d água com sedimentos da caixa para o leito; turbidez da água de drenagem, principalmente em caixas de areia de pequeno porte, ocasionando problemas de aproveitamento; contaminação da água de drenagem por óleo combustível, graxas e outros efluentes de forma difusa e/ou acidental; compactação do solo pelo tráfego de máquinas pesadas nos acessos; contaminação de solos e água por destinação inadequada de resíduos sólidos. APPs garantem a estabilização das margens de cursos d água, atuando no controle da erosão do solo e na manutenção da vazão e qualidade da água, atenuando o carreamento de sedimentos, nutrientes e produtos químicos do solo para o ambiente aquático, que podem afetar a qualidade da água e/ou diminuir a vida útil dos reservatórios. 3

4 2.2 Aspectos Legais A mineração é uma atividade econômica com definições na Constituição Federal e legislação estipulada pelo Código de Mineração e extensa legislação correlata. Neles disciplinam-se acessos, conflitos de propriedade, direitos e obrigações, bem como a necessidade de recuperação de áreas degradadas pela atividade (SINTONI, 2001). O Código de Mineração foi criado pelo Decreto-Lei 227/67 e modificado pela Lei 9.314/96. Em seu artigo 1, legisla sobre a competência da União, que é de administrar os recursos minerais, a indústria de produção mineral e a distribuição, o comércio e o consumo de produtos minerais. Toda atividade de mineração é sujeita ao licenciamento ambiental, inclusive as dos minerais de uso direto na construção civil, como a areia. A Resolução CONAMA 010/90 estabelece que a exploração de areia deva suceder licenciamento ambiental pelo órgão executivo estadual ou federal de meio ambiente. A Resolução CONAMA 237/97, regulamenta o licenciamento ambiental que foi previsto pela Política Nacional do Meio Ambiente. Em Goiás, o licenciamento ambiental de extrações de areia em leito de cursos d água é sujeito ao cumprimento de um Plano de Controle Ambiental, PCA, em que se prevêem as ações mitigadoras dos efeitos ambientais adversos da atividade. O Departamento Nacional de Produção Mineral, DNPM, é o regulamentador da atividade mineral, atuando como órgão co-participante com os órgãos ambientais estaduais no licenciamento ambiental das extrações minerais em Goiás, a Agência Goiana de Meio Ambiente. Apesar desta co-participação, um grande volume de atividades clandestinas de extração de areia se desenvolve à revelia da legislação mineral e ambiental. Áreas de Preservação Permanente, APPs, são definidas no artigo 2 do Código Florestal (Lei 4.771/65) como áreas, cobertas ou não por vegetação nativa, com função ambiental de preservar os recursos hídricos, a paisagem, a estabilidade geológica, a biodiversidade, o fluxo gênico de fauna e flora, proteger o solo e assegurar o bem-estar das populações humanas. Seus limites são definidos no artigo 3 da Resolução CONAMA 303/02. Em sua Política Florestal, o Estado de Goiás também dedica um capítulo à legislação sobre APPs. 4

5 2.3 Características da área de estudo A área em estudo localiza-se na margem direito do rio Turvo, entre o município de Adelândia e o rio São Manuel (vide Mapa de Localização). Mapa de Localização Área de estudo situada no rio Turvo em Adelândia, GO. Fonte: Carta do Exército IBGE Escala 1:

6 Conforme a Agência Goiana de Meio Ambiente (AGMA, 2003), o clima da área de estudo é do tipo climático Aw, segundo a classificação de Koppen, ou seja, tropical úmido, com duas estações bem definidas, sendo um inverno seco e um verão chuvoso. Em Goiás estas estações ocorrem respectivamente entre maio e setembro e entre outubro e abril. As médias de temperatura anual situam-se entre 26 ºC e 30 ºC (INMET, 2004). A área possui pluviosidade média em torno de 1500 mm/ano, com 210 a 240 dias com precipitação (INMET, 2004). Quanto à geologia, encontram-se na área de estudo rochas do Arqueano, representadas pelo Complexo Basal. São constituídas, sobretudo, por grande variedade de rochas gnáissicas, migmatitos, metabasitos e diversas eruptivas, com subordinados micaxistos, metaconglomerados e quartizitos. Na região ocorre também o Complexo Máfico-Ultramáfico tipo Americano do Brasil (RADAMBRASIL,1983). A área de estudo se insere no Planalto Central Goiano, apresentando-se de forma geral como um extenso planalto dissecado, onde algumas serras se sobressaem, constituindo morros residuais ou cristas monoclinais (RADAMBRASIL, 1983). Ocorrem predominantemente Latossolos Vermelhos e Argilossolos, eutroférricos, ricos em argila e profundos, com manchas de Nitossolos de Latossolos Vermelhos Amarelos, profundos e bem drenados, nas áreas mais planas (AGMA, 2004). A cobertura vegetal predominante são fitofisionomias da formação florestal do cerrado, representadas por mata de galeria, mata ciliar, mata seca estacional semidecidual e cerradão, ocorrendo também cerrado típico denso na formação savânica. Nas áreas remanescentes de APP, destacam-se entre as espécies nativas o ipê-amarelo da mata (Tabebuia serratifolia), a palmeira bacuri (Shellea sp), o angico monjolo (Piptadenia sp), o jenipapo (Genipa americana), a pimentade-macaco (Xylopia aromatica), a sangra d água (Croton urucurana), a embaúba (Cecropia sp) e herbáceas ruderais e introduzidas. Os remanescentes de vegetação nativa são ecologicamente simplificados na forma de pequenos fragmentos. A APP está desmatada ou com sub-bosque 6

7 pisoteados por bovinos e há apenas poucos trechos de largura compatível com os requisitos legais. 3 METODOLOGIA Em outubro de 2004 foram localizadas, de forma aleatória, e visitadas 30 áreas de extração de areia em 03 propriedades rurais da margem direita do alto curso do rio Turvo, entre a sede urbana de Adelândia e a confluência com o rio São Manuel, no mesmo município de Adelândia. Na área se apresenta um vale aberto, sem grande aprofundamento do leito natural, que é bastante meandrante e deposita grande volume de areia no período das cheias. Em cada área foi aplicado um check list para o diagnóstico das condições de degradação de APPs, tendo como base os requisitos legais e características ambientais da área. Foram verificados os critérios constantes do Quadro 1 a seguir. Os critérios de situação do sub-bosque da APP, estado de conservação da caixa de areia, retorno de água da caixa de areia para o rio e acesso à caixa de areia foram quantificados de 1 a 5, sendo 5 a pior condição e 1, a melhor. Quadro 1 - Critérios e parâmetros de condições para as caixas de areia. Item Critério Parâmetros localização da caixa de A areia na APP B área da caixa de areia (m 2 ) distância da caixa de areia para o barranco do rio área da caixa A = (b x h) x 0,85 onde largura = b, comprimento = h e 0,85 = fator de forma da caixa C situação do sub-bosque da APP 5 - totalmente desmatado 4 - totalmente desmatado, com espécies ruderais ou dominado por lianas 3 - desmatado, com lianas, espécies ruderais e árvores nativas de distribuição rarefeita, pouca regeneração natural 2 - desmatado parcialmente, com trilhas e sinais de retirada de árvores, pouca regeneração natural ou menos de 30 m de largura 1 - bosque nativo pouco alterado, 30 m de largura D estado da caixa de areia 5 - taludes inadequados, promovendo acúmulo de areia na APP, erosões, próxima do barranco do rio, em ponto de difícil acesso 4 - taludes largos, com erosões, em parte da APP 3 - bom estado, mas ocupando parte da APP 2 - bom estado, mas com taludes largos 1 - tamanho ideal, sem erosão e fora da APP 7

8 Item Critério Parâmetros E retorno de água da caixa de areia para o rio 5 - sem canalização, com erosões avançadas 4 - sem canalização, com início de erosões 3 - sem canalização 2 - com canalização indevidamente instalada 1 - com canalização adequada F largura do leito do rio medida em metros G acesso à caixa de areia 5 - mais de um leito de tráfego e poeira na APP 4 - invasão da APP 3 - erosões na borda da APP 2 - um leito de tráfego fora da APP, sem conservação 1 - um leito de tráfego fora da APP H local de dragagem Leito barranco I presença de erosões Sim não J presença de resíduos sólidos Sim não 4 RESULTADOS E DISCUSSÕES Os resultados do check list aplicado às 30 áreas de extração se encontram no Quadro 2 a seguir. QUADRO 2 - Resultados das medições de campo. F G H I J Área de extração A (m) B (m 2 ) C D E < 10 m >10 m Dentro da APP Fora da APP Leito Barranco Sim Não Sim Não X 3 X X X X 2 6, X 5 X X X X X 5 X X X X X 5 X X X X X 3 X X X X X 2 X X X X X 3 X X X X X 5 X X X X X 4 X X X X X 4 X X X X X 5 X X X X 3 X X X X X 3 X X X X X 3 X X X X X 5 X X X X X 4 X X X X 4 X X X 8

9 F G H I J Área de extração A (m) B (m 2 ) C D E < 10 m >10 m Dentro da APP Fora da APP Leito Barranco Sim Não Sim Não X 4 X X X X 5 X X X X 5 X X X X 4 X X X X 4 X X X X 5 X X X X 5 X X X X 4 X X X X 5 X X X X 4 X X X X 5 X X X X 4 X X X X 5 X X X LEGENDA: (A): Distância da margem do rio até o início da caixa de areia na APP; (B): área da caixa de areia, em m²; (C): situação do sub-bosque da APP; (D): estado da caixa de areia; (E): retorno de água da caixa de areia para o rio; (F): largura do leito do rio; (G): acesso à caixa de areia; (H): local de dragagem; (I): presença de erosões; (J): presença de resíduos sólidos. Parâmetros quantificados segundo Quadro 1. Todas as caixas de areia estão localizadas dentro da APP da margem direita do rio Turvo, em desconformidade com a legislação e também com o respectivo PCA daquelas que dispõem de licenciamento ambiental. A distância média das caixas de areia ao barranco do rio é 5,24 m. As maiores distâncias não excedem 15 m e 60% das caixas se encontram a até 2 m de distância. Conforme a legislação florestal, as caixas deveriam estar a mais de 30 m do barranco, fora dos limites da APP. Das áreas de extração, 47% se encontram com dragagem no próprio barranco do rio (vide Foto 01), numa desconformidade com as exigências da AGMA. Em apenas 10% das caixas de areia foram constatadas erosões no entorno. 9

10 Foto 01: Dragagem no barranco Fonte: Gisele Out/2004 A situação do sub-bosque da APP teve média de 4,2 representando ambientes totalmente desmatados, eventualmente com espécies ruderais ou dominado por lianas (vide Foto 02). Das áreas, 50% se encontram com APP em condição 5 e apenas uma área se encontra com APP em condição 2. Não há áreas com APP em condição 1. Foto 02: Situação do sub-bosque Fonte: Gisele Out/

11 No que tange ao estado da caixa de areia, as áreas tiveram média de 3,33 indicando bom estado mas com taludes largos, focos de erosões, ocupando parte da APP (vide Foto 03). Dentre as áreas, 57% das caixas se encontram em bom estado, mas ocupando parte da APP. O tamanho médio das caixas de areia é de 116 m 2 e 40% das caixas se encontram superdimensionadas, ocupando área desnecessária em relação à capacidade de exploração do rio e à estrutura de dragagem disponível. Nestas caixas os barrancos também são altos, promovendo o acúmulo de areia dentro do sub-bosque da APP. Foto 03: Caixa de areia ocupando parte da APP Fonte: Gisele Out/2004 A média das áreas para o critério de retorno de água da caixa de areia para o rio é 2,1, indicando presença de canalização indevidamente instalada, condição em que se encontram 93% das áreas. Acessos em áreas desmatadas com mais de um leito de tráfego e com invasão de APP (vide Foto 04), são as condições de 43% das áreas e, em outros 30% delas, ocorre também invasão de APP. Em apenas uma área não há tráfego dentro da APP, mas ele se encontra sem conservação. 11

12 Foto 04: Acesso invadindo a APP Fonte: Gisele Out/2004 Em 57% das áreas de extração de areia foram constatados resíduos sólidos dispersos em torno das caixas de areia e dentro da APP (vide Foto 05), em desconformidade com as exigências da AGMA e com o respectivo PCA daquelas que dispõem de licenciamento ambiental. Das três propriedades visitadas apenas uma possui PCA e licenciamento ambiental junto à AGMA, sendo que nesta encontram-se 15 das áreas em estudo. Este PCA propõe que as medidas para recuperação de áreas degradadas são: a execução de curvas de nível, estabilização de taludes, reflorestamento e combate a espécies invasoras. Estas medidas não se encontravam aplicadas em nenhuma das áreas de extração verificadas. 12

13 Foto 05: Resíduos sólidos na APP Fonte: Gisele Out/ CONCLUSÕES Desconformidades com a legislação e exigências da AGMA ocorreram em todas as áreas de extração de areia, avaliadas na APP no alto curso do rio Turvo para este trabalho. A APP encontra-se como objeto de invasão para acessos e/ou implantação de caixas de areia. Acúmulos de resíduos e efluentes, bem como focos de erosões, foram também constatados na atividade. Observa-se que medidas adequadas à preservação da APP, gestão de efluentes e resíduos sólidos e prevenção de erosões se encontram nos PCAs pertinentes a este tipo de atividade, registrados junto à AGMA. Isto sugere que uma maior rigidez na fiscalização das atividades em sua fase operacional é necessária e suficiente para atenuar os danos constatados na região. Para a adequação ambiental da atividade, é necessário o licenciamento ambiental das áreas de extração, como também o cumprimento dos PCAs que lhes são pertinentes. 13

14 6 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AGMA AGENCIA GOIANA DE MEIO AMBIENTE. Estado Ambiental de Goiás 2002 Geogoiás. Goiânia, AREIA. Disponível em <http://www.dnpm.gov.br/sicom/pesquisa.asp> Acesso em 15 de abril de BRASIL. Lei N de 15 de setembro de Código Florestal Brasileiro. Disponível em <http://www.controleambiental.com.br/codigo_florestal.htm> Acesso em 15 de abril de BRASIL. Decreto Lei N 227 de 27 de fevereiro de Código de Mineração. Disponível em <http://www.dnpm.gov.br/dnpm_legis/d html> Acesso em 15 de abril de BRASIL. Ministério das Minas e Energia, Secretaria Geral: Projeto RADAMBRASIL, Folha SE 22 Goiânia. Rio de Janeiro, 1983 (Lev. de Rec. Naturais, 31). BRASIL. Resolução CONAMA 010/90 de 06 de dezembro de Dispõe sobre normas específicas para o licenciamento ambiental da extração mineral classe II. Disponível em <http://www.mma.gov.br/port/conama/index.cfm> Acesso em 16 de abril de BRASIL. Resolução CONAMA 237/97 de 19 de dezembro de Regulamenta os aspectos de licenciamento ambiental estabelecidos na Política Nacional do Meio Ambiente. Disponível em <http://www.mma.gov.br/port/ conama/index.cfm> Acesso em 16 de abril de BRASIL. Resolução CONAMA 303/02 de 20 março de Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente. Disponível em <http://www.mma.gov.br/port/conama/index.cfm> Acesso em 16 de abril de FERREIRA, A. B. H. Dicionário da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro, Ed. Nova Fronteira. 1781p. INMET INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA. Disponível em < climatologia_c.html > Acesso em 20 de novembro de LACERDA FILHO, J. V. et al. Geologia e Recursos Minerais do Estado de Goiás e Distrito Federal. Goiânia, p. LEINZ, V. e AMARAL, S. E. Geologia Geral. São Paulo, ª ed. 397p. MATTOS, S. C. e LOBO, R. L. M. Areia para Construção Civil em Goiás: da Produção, Danos Ambientais e Propostas de Mitigação. In: V Simpósio de 14

15 Geologia do Centro-Oeste. Organizado pela Sociedade Brasileira de Geologia p. MOREIRA, A. F. S. et al. Principais Depósitos Minerais do Brasil. Volume IV. Parte C. Brasília, p. SINTONI, A. Mineração: o Feio Fundamental. In: Areia & Brita. Outubro/Novembro/Dezembro de N.º

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO.

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. Patrícia Pinheiro da Cunha 1, Magda Beatriz de Almeida Matteucci

Leia mais

INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO

INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO Thalyta Lopes Rego Mestranda em Geografia, Universidade Federal de Goiás Instituto de

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP LICENCIAMENTO AMBIENTAL Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP Engª Adriana Maira Rocha Goulart Gerente Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Aspectos relacionados com a Legislação Florestal / Mineração LEI FEDERAL 12651/12 Engª Amb. Adriana Maira Rocha Goulart Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO DIAGNÓSTICO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIBEIRÃO DAS ALAGOAS, CONCEIÇÃO DAS ALAGOAS - MG

GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO DIAGNÓSTICO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIBEIRÃO DAS ALAGOAS, CONCEIÇÃO DAS ALAGOAS - MG Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO DIAGNÓSTICO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIBEIRÃO DAS ALAGOAS, CONCEIÇÃO DAS ALAGOAS - MG Hygor Evangelista Siqueira Gestor Ambiental,

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO Como pode cair no enem? (UNESP) Leia. Imagens de satélite comprovam aumento da cobertura florestal no Paraná O constante monitoramento nas áreas em recuperação do

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3.1. Localização O aproveitamento Hidrelétrico de Itumbiara, com potência instalada de 2080 MW, situa-se no rio Paranaíba, na divisa dos estados de Minas Gerais e Goiás,

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES CICLO DE PALESTRAS E DEBATES PLC PROGRAMA Nº 30/11 NOVO PRODUTOR CÓDIGO FLORESTAL DE ÁGUA Ã NO GUARIROBA Á COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA DO SENADO FEDERAL Devanir Garcia dos Santos Gerente

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANETE (APP s)

A IMPORTÂNCIA DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANETE (APP s) A IMPORTÂNCIA DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANETE (APP s) Richard Antonio Souza Mesquita Tocantins - FACTO Murilo Ribeiro Brito Tocantins FACTO Adelzon Aires Marinho Tocantins FACTO Prof: Dr. Cid Tacaoca

Leia mais

O município de Bela Vista de Goiás está situado na Bacia Hidrográfica do Rio Paranaiba, e seus principais cursos d água são:

O município de Bela Vista de Goiás está situado na Bacia Hidrográfica do Rio Paranaiba, e seus principais cursos d água são: 43 7 ASPECTOS AMBIENTAIS 7.1. Hidrografia Genericamente, as características fluviais do município podem ser definidas de forma simplificada: a drenagem apresenta-se com vales encaixados a montante, que

Leia mais

MINERAÇÃO EM ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE, O CASO DE EXTRAÇÕES DE ARGILA E AREIA NO MUNICÍPIO DE MARABÁ-PA, AMAZÔNIA ORIENTAL

MINERAÇÃO EM ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE, O CASO DE EXTRAÇÕES DE ARGILA E AREIA NO MUNICÍPIO DE MARABÁ-PA, AMAZÔNIA ORIENTAL MINERAÇÃO EM ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE, O CASO DE EXTRAÇÕES DE ARGILA E AREIA NO MUNICÍPIO DE MARABÁ-PA, AMAZÔNIA ORIENTAL Moreira, V.S., Engenharia de Minas e Meio Ambiente Resplandes, J.P., Engenharia

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA BACIA DO RIO TAQUARI

PROGRAMA DE AÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA BACIA DO RIO TAQUARI Manutenção e recuperação da capacidade produtiva da região do Médio e Baixo Apoiar o desenvolvimento de atividades produtivas com espécies adaptadas a região (fauna e flora) Identificar as potencialidades

Leia mais

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s Prof. Dr. Roberto Kochen Tecnologia, Engenharia e Meio Ambiente 4435 Novembro/2005 Passivo Ambiental É o acumulo de danos infligidos ao meio natural por uma determinada atividade ou pelo conjunto das ações

Leia mais

2. METODOLOGIA DE TRABALHO

2. METODOLOGIA DE TRABALHO TRAÇADO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE (APP) UTILIZANDO FERRAMENTAS DE GEOPROCESSAMENTO COMO TÉCNICA AUXILIAR NA RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DE ÁREAS DEGRADADAS Autores: Adriana Gomes de Souza Pesquisadora

Leia mais

Principais características geográficas do estado do Goiás

Principais características geográficas do estado do Goiás Principais características geográficas do estado do Goiás Laércio de Mello 1 Para iniciarmos o estudo sobre o estado de Goiás é importante primeiramente localizá-lo dentro do território brasileiro. Para

Leia mais

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB Yuri Tomaz Neves 1 ; Laércio Leal dos Santos 2 ; Jonathan Nóbrega Gomes 3 ; Bruno Menezes

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS Emerson Chaves Ferreira Gomes (*), Natalia Nogueira de Oliveira, Luiz Gonçalves Junior, Felipe Gonçalves dos Santos Cabral (*)

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS.

GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS. GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS. CÁSSIO SILVEIRA BARUFFI(1) Acadêmico de Engenharia Sanitária e Ambiental, Universidade Católica

Leia mais

PERFIL AMBIENTAL QUALITATIVO DA EXTRAÇÃO DE AREIA EM CURSOS D ÁGUA 1 QUALITATIVE ENVIRONMENTAL PROFILE OF SAND EXTRACTION FROM WATER COURSES

PERFIL AMBIENTAL QUALITATIVO DA EXTRAÇÃO DE AREIA EM CURSOS D ÁGUA 1 QUALITATIVE ENVIRONMENTAL PROFILE OF SAND EXTRACTION FROM WATER COURSES 439 PERFIL AMBIENTAL QUALITATIVO DA EXTRAÇÃO DE AREIA EM CURSOS D ÁGUA 1 Leandro Camillo de Lelles 2, Elias Silva 3, James Jackson Griffith 3 e Sebastião Venâncio Martins 3 RESUMO As atividades de extração

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO RIO PARAGUAI EM CÁCERES A PARTIR DE INDICADORES MORFOLÓGICOS, PANTANAL SUPERIOR BRASIL

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO RIO PARAGUAI EM CÁCERES A PARTIR DE INDICADORES MORFOLÓGICOS, PANTANAL SUPERIOR BRASIL DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO RIO PARAGUAI EM CÁCERES A PARTIR DE Ferreira Santana, M. 1 ; Appolari, B.P. 2 ; Leocádio de Oliveira, J. 3 ; Lourenço Alves da Silva, J. 4 ; dos Santos Leandro, G.R. 5 ; dos Santos,

Leia mais

Análise de Viabilidade

Análise de Viabilidade Análise de Viabilidade 1. Identificação Município: Itaúna Localização: Região de Tabuões Bacia Hidrográfica: Rio São Francisco 2. Resultados: Considerando as especulações que estão sendo levantadas com

Leia mais

PLANEJAMENTO AMBIENTAL DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO RIBEIRÃO ANHUMAS, MUNICÍPIO DE ANHUMAS SP.

PLANEJAMENTO AMBIENTAL DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO RIBEIRÃO ANHUMAS, MUNICÍPIO DE ANHUMAS SP. 213 PLANEJAMENTO AMBIENTAL DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO RIBEIRÃO ANHUMAS, MUNICÍPIO DE ANHUMAS SP. Bruno Magro Rodrigues 1, Ana Paula de Lima Costa 1, Marcos Norberto Boin 2. 1 Discente do curso de

Leia mais

Curso: Legislação Ambiental Aplicado a Implantação de Parques Eólicos

Curso: Legislação Ambiental Aplicado a Implantação de Parques Eólicos Curso: Legislação Ambiental Aplicado a Implantação de Parques Eólicos Exercício Capítulo 5 Aluno: Vinicius Nóbrega De acordo com a imagem dos aerogeradores em ambiente litorâneo e o exemplo de um mapa

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

REVOGADA PELA RESOLUÇÃO 005 DE 2008

REVOGADA PELA RESOLUÇÃO 005 DE 2008 REVOGADA PELA RESOLUÇÃO 005 DE 2008 Resolução Conjunta IBAMA / SEMA / IAP nº 45, de 25 de setembro de 2007. (Publicada no DOE em 13.10.2007) Define critérios para avaliação das áreas úmidas e seus entornos

Leia mais

Apps de Topo de Morro. Ministério Público de São Paulo CAO Cível e de Tutela Coletiva

Apps de Topo de Morro. Ministério Público de São Paulo CAO Cível e de Tutela Coletiva Apps de Topo de Morro Ministério Público de São Paulo CAO Cível e de Tutela Coletiva Funções Ambientais das Áreas de Preservação Permanente (espaço territorial especialmente protegido: art.225 CF; Lei

Leia mais

Biomas, Domínios e Ecossistemas

Biomas, Domínios e Ecossistemas Biomas, Domínios e Ecossistemas Bioma, domínio e ecossistema são termos ligados e utilizados ao mesmo tempo nas áreas da biologia, geografia e ecologia, mas, não significando em absoluto que sejam palavras

Leia mais

Ministério Público do Rio Grande do Sul Divisão de Assessoramento Técnico PARECER DOCUMENTO DAT-MA Nº 3079/2008

Ministério Público do Rio Grande do Sul Divisão de Assessoramento Técnico PARECER DOCUMENTO DAT-MA Nº 3079/2008 PARECER DOCUMENTO DAT-MA Nº 3079/2008 UNIDADE DE ASSESSORAMENTO AMBIENTAL GEOPROCESSAMENTO BACIAS HIDROGRÁFICAS PARA: Dr. Alexandre Saltz Centro de Apoio Operacional de Defesa do Meio Ambiente DE: Luiz

Leia mais

"Protegendo as nascentes do Pantanal"

Protegendo as nascentes do Pantanal "Protegendo as nascentes do Pantanal" Diagnóstico da Paisagem: Região das Cabeceiras do Rio Paraguai Apresentação O ciclo de garimpo mecanizado (ocorrido nas décadas de 80 e 90), sucedido pelo avanço das

Leia mais

Belo Horizonte, 23 de novembro de 2012. Controle Processual. Do Relatório

Belo Horizonte, 23 de novembro de 2012. Controle Processual. Do Relatório Belo Horizonte, 23 de novembro de 2012. Controle Processual Interessado: Núcleo de Regularização Ambiental de Belo Horizonte/MG Requerente: Taquaril Mineração S.A. Fazenda Ana Cruz Processo n 090100003969/12

Leia mais

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado de São Paulo Artigo 1º

Leia mais

MUDANÇAS NO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES NOS RIOS SEMIÁRIDOS: ESTUDO NO RIO JAGUARIBE CEARÁ - BRASIL

MUDANÇAS NO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES NOS RIOS SEMIÁRIDOS: ESTUDO NO RIO JAGUARIBE CEARÁ - BRASIL MUDANÇAS NO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES NOS RIOS Andrade, J.H.R. 1 ; Maia, C.E. 2 ; Cavalcante, A.A. 3 ; Sousa, D.M.M. 4 ; 1 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMIÁRIDO - UFERSA Email:hamilton.meioambiente@yahoo.com.br;

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA. II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA. II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental Regularização fundiária em áreas de preservação permanente APPs em zona urbana: uma proposta de gestão ALEXANDRE

Leia mais

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas LEI Nº 13.550, DE 02 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA 369/06

RESOLUÇÃO CONAMA 369/06 RESOLUÇÃO CONAMA 369/06 Dispõe de casos excepcionais no casos de utilidade pública, interesse social e de baixo impacto ambiental, que possibilitam a intervenção ou supressão de vegetação em áreas de preservação

Leia mais

CONFLITO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO EM APPs DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO ESTRELA DO NORTE- ES

CONFLITO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO EM APPs DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO ESTRELA DO NORTE- ES CONFLITO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO EM APPs DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO ESTRELA DO NORTE- ES Franciane L. R. O. Louzada 1, Alexandre R. Santos 2 1 UFES/Departamento Engenharia Florestal, Programa

Leia mais

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BIOMAS BRASILEIROS

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BIOMAS BRASILEIROS DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BIOMAS BRASILEIROS Creative Commons/Nao Iizuka Bioma Amazônia ou Domínio Amazônico Heterogêneo Perene Denso Ombrófila Três estratos Influenciado pelo relevo e hidrografia Bacia

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ

AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ Mônica A. Muller, Aline Uhlein, Deise D. Castagnara, Diego A. V. Gambaro, Pedro C. S. da Silva (Orientador/UNIOESTE),

Leia mais

A EXPLORAÇÃO DE ÁREAS DE VEGETAÇÃO PROTEGIDA NA BACIA DO RIBEIRÃO DA CONFUSÃO, RANCHARIA SP

A EXPLORAÇÃO DE ÁREAS DE VEGETAÇÃO PROTEGIDA NA BACIA DO RIBEIRÃO DA CONFUSÃO, RANCHARIA SP 123 A EXPLORAÇÃO DE ÁREAS DE VEGETAÇÃO PROTEGIDA NA BACIA DO RIBEIRÃO DA CONFUSÃO, RANCHARIA SP Lucas Prado Osco 1, Marcos Norberto Boin 2 1 Engenheiro Ambiental, pela UNOESTE, Aluno Especial do Mestrado

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

CARTAS DE DERIVAÇÕES AMBIENTAIS E TRANSGRESSÕES LEGAIS: DESTAQUE AS ÁREAS DE PLANICIE E TERRAÇOS FLUVIAIS NO ANTIGO E NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL

CARTAS DE DERIVAÇÕES AMBIENTAIS E TRANSGRESSÕES LEGAIS: DESTAQUE AS ÁREAS DE PLANICIE E TERRAÇOS FLUVIAIS NO ANTIGO E NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL CARTAS DE DERIVAÇÕES AMBIENTAIS E TRANSGRESSÕES LEGAIS: DESTAQUE AS ÁREAS DE PLANICIE E TERRAÇOS FLUVIAIS NO ANTIGO E Silveira, A. 1 ; Cunha, C.M.L. 2 ; 1 CEETEPS Email:silveira_81@yahoo.com.br; 2 UNESP

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADOS PELA EXTRAÇÃO DE AREIA NO LEITO DO RIO PIRACANJUBA - MUNICÍPIO DE SILVANIA GO

AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADOS PELA EXTRAÇÃO DE AREIA NO LEITO DO RIO PIRACANJUBA - MUNICÍPIO DE SILVANIA GO AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADOS PELA EXTRAÇÃO DE AREIA NO LEITO DO RIO PIRACANJUBA - MUNICÍPIO DE SILVANIA GO Ana Cristina Tobias 1 Ana Carolina Rocha 2 Francisco Ferreira 3 Marcos de Moraes

Leia mais

Novo Código Florestal: as Falhas do Cadastro Ambiental Rural e os Possíveis Meios de Burla

Novo Código Florestal: as Falhas do Cadastro Ambiental Rural e os Possíveis Meios de Burla Novo Código Florestal: as Falhas do Cadastro Ambiental Rural e os Possíveis Meios de Burla Joelson de Souza Passos Estudante de Graduação Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) Brasil Resumo O código

Leia mais

USO DO SOLO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO DO SALTO EM 27-07-2008.

USO DO SOLO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO DO SALTO EM 27-07-2008. UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA 4ª Semana do Servidor e 5ª Semana Acadêmica 2008 UFU 30 anos USO DO SOLO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO DO SALTO EM 27-07-2008. Josimar Felisbino Silva 1 Universidade

Leia mais

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO Trabalho de pesquisa em andamento Sidinei Esteves de Oliveira de Jesus Universidade Federal do Tocantins pissarra1@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS Secretaria de Estado do Meio SEMA-MT Roteiro Básico de Projeto de Compensação de Área de Reserva Legal (ARL) 1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS I T E M N º. D O C U M E N T O S E X I G I D O S O B S E

Leia mais

DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS

DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS Situação Geográfica Este domínio estende-se se do sul do Brasil até o Estado da Paraíba (no nordeste), obtendo uma área total de aproximadamente 1.000.000 km².. Situado mais

Leia mais

11. IDENTIFICAÇÃO DA ZONA DE AMORTECIMENTO. 11.1 Zona de Amortecimento

11. IDENTIFICAÇÃO DA ZONA DE AMORTECIMENTO. 11.1 Zona de Amortecimento 11. IDENTIFICAÇÃO DA ZONA DE AMORTECIMENTO 11.1 Zona de Amortecimento Vilhena (2002) menciona que o conceito de zona de amortecimento surgiu pela primeira vez em 1979, com o programa Man and Biosfere,

Leia mais

Aula 14 Distribuição dos Ecossistemas Brasileiros Floresta Amazônica Mais exuberante região Norte e parte do Centro Oeste; Solo pobre em nutrientes; Cobertura densa ameniza o impacto da água da chuva;

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

Termos para indexação: nitrato, bioma Cerrado, cromatografia líquida, química da água.

Termos para indexação: nitrato, bioma Cerrado, cromatografia líquida, química da água. MONITORAMENTO DA QUALIDADE DE ÁGUA DE NASCENTES NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PRETO, SUB BACIA DO MÉDIO RIO SÃO FRANCISCO. Ana Lídia Alves Rocha 1, Lucilia Maria Parron 2, Carlos José Domingos da Cruz 3,

Leia mais

Estudo de Caso do Córrego Água Fria: Proposta Para o Plano de Recuperação da Área Degradada de Sua Nascente.

Estudo de Caso do Córrego Água Fria: Proposta Para o Plano de Recuperação da Área Degradada de Sua Nascente. Estudo de Caso do Córrego Água Fria: Proposta Para o Plano de Recuperação da Área Degradada de Sua Nascente. LIMA, Cíntia dos Santos MONTEIRO, Katianey Mª Barros SOUSA, Maria José Janaína Ferreira SILVA,

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO DE CONTROLE

Leia mais

COMPONENTE AMBIENTAL EM PROJETOS RODOVIÁRIOS. - Conceitos Básicos de Gestão Ambiental

COMPONENTE AMBIENTAL EM PROJETOS RODOVIÁRIOS. - Conceitos Básicos de Gestão Ambiental - Conceitos Básicos de Gestão Ambiental - Empreendimentos Rodoviários - Impacto Ambiental - Legislação vigente - Licenciamento Ambiental - Estudos e Relatórios Ambientais - Componente Ambiental DNIT Conceitos

Leia mais

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código?

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Dr. Sergius Gandolfi IV Simpósio sobre RAD - Ibt 16/11/2011-14h- Capital (SP) Biólogo, Laboratório de Ecologia

Leia mais

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares Erosão e Voçorocas Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares O que é erosão? A erosão caracteriza-se pela abertura de enormes buracos no chão pela

Leia mais

ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÍPIO DE ALFENAS MG.

ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÍPIO DE ALFENAS MG. VI Seminário Latino Americano de Geografia Física II Seminário Ibero Americano de Geografia Física Universidade de Coimbra, Maio de 2010 ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO

Leia mais

Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT

Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT 2011 Diagnóstico Ambiental do Município de Apiacás MT Carolina de Oliveira Jordão Vinícius Freitas Silgueiro Leandro Ribeiro Teixeira Ricardo Abad Meireles

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral BIOMAS DO BRASIL Ecologia Geral Biomas do Brasil segundo classificação do IBGE Segundo a classificação do IBGE, são seis os biomas do Brasil: Mata Atlântica Cerrado Amazônia Caatinga Pantanal Pampa O

Leia mais

POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO

POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO (Lei Federal n. 12.651/12) PROF. DR. RAFAEL COSTA FREIRIA E-MAIL: RAFAELFREIRIA@COM4.COM.BR DISCIPLINA: DIREITO AMBIENTAL Fundamentos e Temas de Trabalho na Questão Florestal

Leia mais

Proteção e recomposição de nascentes

Proteção e recomposição de nascentes Proteção e recomposição de nascentes PROTEÇÃO E RECOMPOSIÇÃO DE NASCENTES Em diversas propriedades rurais, as nascentes vêm diminuindo suas vazões ou, em muitos casos, até secando. Os córregos, rios e

Leia mais

RELATÓRIO DE PLANTIO E VISTORIA

RELATÓRIO DE PLANTIO E VISTORIA Propriedade: Parque Ecológico Rio Formoso Código: 03/2011 Número de mudas plantadas: 150 (Cento e cinquenta) Data do plantio: 22/03/ 2011 Data da vistoria 01: 15/05/ 2011 Patrocinadores: Agência Ar - Hotel

Leia mais

Síntese de campo do trecho Peixe a Ipueiras, rio Tocantins: uma contribuição à Exploratória Rio Tocantins

Síntese de campo do trecho Peixe a Ipueiras, rio Tocantins: uma contribuição à Exploratória Rio Tocantins Síntese de campo do trecho Peixe a Ipueiras, rio Tocantins: uma contribuição à Exploratória Rio Tocantins Thiago Morato de Carvalho * Introdução O rio Tocantins é bastante peculiar desde o ponto de vista

Leia mais

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços A APP era computada a partir das margens de rio ou cursos d água, pelo nível mais alto do período de cheia. Várzeas eram consideradas parte dos rios ou cursos d água, porque são inundadas durante o período

Leia mais

A FLORESTA HOJE Cobertura Vegetal Natural do Estado de São Paulo

A FLORESTA HOJE Cobertura Vegetal Natural do Estado de São Paulo A FLORESTA HOJE Cobertura Vegetal Natural do Estado de São Paulo Importância da Floresta Proteção e conservação do solo e da água; Produção de madeira (casas, barcos, carvão; etc); Produção de alimentos

Leia mais

ANÁLISE DO USO DA TERRA NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BARRAGEM PIRAQUARA II E SEUS AFLUENTES. PIRAQUARA PARANÁ

ANÁLISE DO USO DA TERRA NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BARRAGEM PIRAQUARA II E SEUS AFLUENTES. PIRAQUARA PARANÁ ANÁLISE DO USO DA TERRA NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BARRAGEM PIRAQUARA II E SEUS AFLUENTES. PIRAQUARA PARANÁ 1. INTRODUÇÃO Otacílio Lopes de Souza da Paz Acadêmico de Geografia UFPR otacílio.paz@gmail.com

Leia mais

Relatório de Atividade Técnicas de Restauração Florestal PROGRAMA PLANTE BONITO. Operadora Ambiental Expedições

Relatório de Atividade Técnicas de Restauração Florestal PROGRAMA PLANTE BONITO. Operadora Ambiental Expedições Relatório de Atividade Técnicas de Restauração Florestal PROGRAMA PLANTE BONITO Operadora Ambiental Expedições 1. Objetivo Este relatório tem o objetivo de fornecer informações e imagens, referentes ao

Leia mais

Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo

Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo Engº Agrº José Daniel Barbosa de Barros Conceitos e Definições Meio Ambiente: conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem

Leia mais

Bioma : CERRADO. Alessandro Mocelin Rodrigo Witaski Gabriel Kroeff Thiago Pereira

Bioma : CERRADO. Alessandro Mocelin Rodrigo Witaski Gabriel Kroeff Thiago Pereira Bioma : CERRADO Alessandro Mocelin Rodrigo Witaski Gabriel Kroeff Thiago Pereira Dados Geográficos - Segunda maior formação vegetal da América do Sul - Abrange os estados do Centro-Oeste(Goiás, Mato Grosso,

Leia mais

DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Gerência de Licenciamento de Recursos Hídricos - GELIRH

DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Gerência de Licenciamento de Recursos Hídricos - GELIRH DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL Gerência de Licenciamento de Recursos Hídricos - GELIRH PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES DA GERÊNCIA a. analisar os requerimentos e processos de outorga de direito de uso de

Leia mais

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO Estrada da Água Branca, 2551 Realengo RJ Tel: (21) 3462-7520 www.colegiomr.com.br PROFESSOR ALUNO ANA CAROLINA DISCIPLINA GEOGRAFIA A TURMA SIMULADO: P3 501 Questão

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 25 O PANTANAL, A MATA DE ARAUCÁRIAS E AS PRADARIAS

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 25 O PANTANAL, A MATA DE ARAUCÁRIAS E AS PRADARIAS GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 25 O PANTANAL, A MATA DE ARAUCÁRIAS E AS PRADARIAS Como pode cair no enem? (FUVEST) Estas fotos retratam alguns dos tipos de formação vegetal nativa encontrados no território

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUINA E S T A D O D E M A T O G R O S S O P O D E R E X E C U T I V O

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUINA E S T A D O D E M A T O G R O S S O P O D E R E X E C U T I V O LEI N.º 1.453/2013. SÚMULA: Autoriza o Poder Executivo Municipal a promover a Concessão de Direto Real de Uso em favor da Colônia Z-20 de Pescadores de Juína, da área urbana que menciona, e dá outras Providências.

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O NOVO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES PRÁTICAS

REFLEXÕES SOBRE O NOVO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES PRÁTICAS REFLEXÕES SOBRE O NOVO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES PRÁTICAS Dr. Sergius Gandolfi www.lerf.esalq. 22/03/2012 19:30 20:30h - São Carlos-SP Escola Paulista da Magistratura Laboratório de Ecologia

Leia mais

Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral

Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral O QUE É IMPACTO AMBIENTAL Art. 1o da Resolução CONAMA n.1/86 Considera-se Impacto Ambiental qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do

Leia mais

As abelhas, os mais importantes agentes polinizadores

As abelhas, os mais importantes agentes polinizadores As abelhas, os mais importantes agentes polinizadores As abelhas são os insetos polinizadores mais importantes, pois a maioria das espécies de plantas é polinizada por esses animais. Tanto a fase jovem

Leia mais

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA 5. IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.1 5.1. METODOLOGIA 5.1 5.2. IDENTIFICAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.3 5.3. DESCRIÇÃO DOS IMPACTOS

Leia mais

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12 CÓDIGO FLORESTAL COMO SE REGULARIZAR O QUE É CÓDIGO FLORESTAL? O Código é uma lei que estabelece limites e obrigações no uso da propriedade,, que deve respeitar a vegetação existente na terra, considerada

Leia mais

1ª PARTE - OBJETIVA ESPECIFICA (Valendo 05 pontos cada questão)

1ª PARTE - OBJETIVA ESPECIFICA (Valendo 05 pontos cada questão) PREFEITURA DE VÁRZEA ALEGRE CE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 01/2014 SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONTRATAÇÂO TEMPORÁRIA - PROVA DE GEOGRAFIA PROFESSOR DE GEOGRAFIA (6º ao 9º ANO) ASSINATURA DO

Leia mais

PAINEL III. Licenciamento Ambiental Municipal

PAINEL III. Licenciamento Ambiental Municipal PAINEL III Licenciamento Ambiental Municipal Licenciamento Ambiental Municipal Em 1978 Supressão de vegetação (construções e em áreas públicas) (Código de Posturas de 1974); Em 1981 Supressão de vegetação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO

Leia mais

A DINÂMICA HIDROLÓGICA NA BACIA DO ALTO CURSO DO RIO UBERABINHA EM UBERABA, MINAS GERAIS, BRASIL.

A DINÂMICA HIDROLÓGICA NA BACIA DO ALTO CURSO DO RIO UBERABINHA EM UBERABA, MINAS GERAIS, BRASIL. Revista Geográfica de América Central Número Especial EGAL, 2011- Costa Rica II Semestre 2011 pp. 1-17 A DINÂMICA HIDROLÓGICA NA BACIA DO ALTO CURSO DO RIO UBERABINHA EM UBERABA, MINAS GERAIS, BRASIL.

Leia mais

Sistema de Informações Geográficas Avaliação da Qualidade de Água por meio do IQA utilizando um Sistema de Informação Geográfica (SIG)

Sistema de Informações Geográficas Avaliação da Qualidade de Água por meio do IQA utilizando um Sistema de Informação Geográfica (SIG) Universidade Federal do Espírito Santo Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental Sistema de Informações Geográficas Aplicado à Recursos Hídricos Sistema de Informações Geográficas Avaliação da

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL E CADASTRO AMBIENTAL RURAL

NOVO CÓDIGO FLORESTAL E CADASTRO AMBIENTAL RURAL NOVO CÓDIGO FLORESTAL E CADASTRO AMBIENTAL RURAL Eduardo de Mércio Figueira Condorelli desenvolvimentosustentavel@farsul.org.br Ibirubá (RS), 08 de maio de 2014 O TAMANHO DA AGROPECUÁRIA NACIONAL Área

Leia mais

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Lei 12.651/2012 Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Considerações Padrão Legal X Padrão de Qualidade Capacitação para aplicação da lei Análise individual

Leia mais

Uso da terra na Área de Preservação Permanente do rio Paraíba do Sul no trecho entre Pinheiral e Barra do Piraí, RJ

Uso da terra na Área de Preservação Permanente do rio Paraíba do Sul no trecho entre Pinheiral e Barra do Piraí, RJ Uso da terra na Área de Preservação Permanente do rio Paraíba do Sul no trecho entre Pinheiral e Barra do Piraí, RJ Stephanie Freitas Couto de Magalhães Samara Salamene Tom Adnet Moura Viviane Costa Elias

Leia mais

Sensoriamento remoto e SIG

Sensoriamento remoto e SIG Multidisciplinar Sensoriamento remoto e SIG aplicados ao novo Código Florestal Allan Arnesen Frederico Genofre Marcelo Curtarelli Matheus Ferreira CAPÍTULO 3 Mapeamento de APP e Reserva Legal APP de corpos

Leia mais

14640 - A conservação das APP s na qualidade de vida do manauara. The conservation of the APP s quality of the life manauara

14640 - A conservação das APP s na qualidade de vida do manauara. The conservation of the APP s quality of the life manauara 14640 - A conservação das APP s na qualidade de vida do manauara The conservation of the APP s quality of the life manauara SOUSA, Silas Garcia Aquino 1 ; ROÇODA, Luis C. Castro 1 ; NOGUEIRA, Carlos S.

Leia mais

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS O que você deve saber sobre DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS Segundo o geógrafo Aziz Ab Sáber, um domínio morfoclimático é todo conjunto no qual haja interação entre formas de relevo, tipos de solo,

Leia mais

A LEGISLAÇÃO BRASILEIRA E SUA ADEQUAÇÃO A REALIDADE NA PROTEÇÃO AMBIENTAL DAS CHAPADAS: REFLEXÕES INICIAIS

A LEGISLAÇÃO BRASILEIRA E SUA ADEQUAÇÃO A REALIDADE NA PROTEÇÃO AMBIENTAL DAS CHAPADAS: REFLEXÕES INICIAIS A LEGISLAÇÃO BRASILEIRA E SUA ADEQUAÇÃO A REALIDADE NA Martins, F.P. 1 ; Salgado, A.A.R. 2 ; Carmo, F.F. 3 ; 1 UFMG Email:martinsgeo@hotmail.com.br; 2 UFMG Email:aarsalgadoufmg@gmail.com; 3 INSTITUTO PRÍSTINO

Leia mais

Bonito - Hotel Wetiga - 2ª Expobonito 2010 - Participantes do XVIII Congresso Brasileiro de Automática 2010 - REPAMS

Bonito - Hotel Wetiga - 2ª Expobonito 2010 - Participantes do XVIII Congresso Brasileiro de Automática 2010 - REPAMS Propriedade: Parque Ecológico Rio Formoso Código: 02/2011 Número de mudas plantadas: 300 (Trezentas) Data dos plantios: dez/ 2010 Patrocinadores: gência r - XVIII Congresso rasileiro de utomática 2010

Leia mais

Domínios Florestais do Mundo e do Brasil

Domínios Florestais do Mundo e do Brasil Domínios Florestais do Mundo e do Brasil Formações Florestais: Coníferas, Florestas Temperadas, Florestas Equatoriais e Florestas Tropicais. Formações Herbáceas e Arbustivas: Tundra, Pradarias Savanas,

Leia mais

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010 LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA ATIVIDADE DE MINERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E TÉCNICOS GEÓLOGO NILO SÉRGIO FERNANDES BARBOSA Art. 1º - Para efeito desta Resolução são adotadas as seguintes definições: I - Licenciamento

Leia mais

Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade

Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade Procedência: Grupo de Trabalho da Câmara Técnica de Recursos Hídricos Decisão Consema 02/2012 Assunto: Normas para exploração de areia e argila em rios intermitentes de Pernambuco Proposta de Resolução

Leia mais

Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12. 4º Ecologia 28/09/2015

Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12. 4º Ecologia 28/09/2015 1 Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12 4º Ecologia 28/09/2015 Motivação para criação 2 Conservação de ecossistemas naturais é interessante! Única lei nacional que veta a ocupação urbana ou

Leia mais

Relatório Plante Bonito Patrocinador: Colégio Palmares Ambiental Viagens e Turismo Área: Estância Mimosa Ecoturismo

Relatório Plante Bonito Patrocinador: Colégio Palmares Ambiental Viagens e Turismo Área: Estância Mimosa Ecoturismo Instituto das Águas da Serra da Bodoquena IASB Organização não governamental sem fins lucrativos, com caráter técnico, científico e ambiental, criado em Bonito/MS por proprietários rurais, empresários,

Leia mais