MOTIVAÇÃO NOS TRABALHO EM TURNOS OU NOTURNOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MOTIVAÇÃO NOS TRABALHO EM TURNOS OU NOTURNOS"

Transcrição

1 ISSN MOTIVAÇÃO NOS TRABALHO EM TURNOS OU NOTURNOS Priscila Carneiro Hamada ( ) Resumo: Este trabalho aborda o impacto do trabalho em turnos e/ou noturno na motivação dos trabalhadores. Para tanto, foi feita uma pesquisa de campo qualitativa com trabalhadores que atuam ou atuaram em regime de turnos contínuos (24 horas por dia, sete dias na semana) na operação da rede de telefonia móvel de uma grande empresa de telecomunicações. A análise dos dados obtidos foi feita à luz da Teoria Motivação-Higiene de Herzberg. Diante dos resultados, fica claro que a empresa tem um papel decisivo no sentido de evitar ou minimizar os efeitos deletérios específicos do trabalho em escala, que tendem a funcionar mais como fatores higiênicos do que como fatores motivacionais. Palavras-chaves: Trabalho Noturno; Trabalho em Turno; Motivação; Escala de Trabalho; Teoria Motivação-Higiene; Herzberg.

2 1. Introdução Existe uma grande quantidade de trabalhadores que exercem suas atividades em turnos ou no período noturno. E a tendência é aumentar, dada a crescente demanda e exigência por serviços ininterruptos e pelo próprio aumento da população. As áreas de atuação são as mais diversas, desde serviços essenciais, como, por exemplo, os ligados à área da saúde, até a produção de bens e serviços. Em alguns lugares é possível encontrar supermercados, bancas de jornal e até academias que funcionam 24 horas. Uma vez conhecida essa realidade, quem são essas pessoas que trabalham quando a maioria está dormindo ou se divertindo em um belo domingo de sol? Por que esses trabalhadores aceitam trabalhar de noite ou em turnos? Trata-se de falta de opção ou existem vantagens? Os trabalhadores sentem-se felizes no exercício de suas funções? Pode-se fazer algo para minimizar os problemas inerentes a esse tipo de atividade? Diante do exposto, esse estudo buscou compreender esses trabalhadores, que, de certa forma, ficam a margem da sociedade e, muitas vezes, a margem no ambiente de trabalho, pois não são consideradas as dificuldades e especificidades do trabalho em turnos e/ou noturno. Uma vez que existem os mais diversos tipos de atividades e áreas de atuação com características diferentes que necessitam de pessoal de forma constante, foi analisado um grupo específico: trabalhadores que atuam ou atuaram na operação da rede de telefonia móvel de uma grande empresa de telecomunicações. Sendo assim, foi estabelecido como objetivo principal averiguar quais fatores favorecem ou dificultam o processo de motivação de quem atua em turnos e/ou período noturno e de que forma o empregador pode atuar de modo a minimizar as dificuldades relacionadas ao bemestar orgânico e social inerentes a essa situação. Esse estudo é importante no sentido de conscientização sobre as necessidades específicas desses trabalhadores e para que seja dado o devido valor a esses funcionários e não deixá-los a margem. Deve-se, também, destacar a relevância acadêmica de se abordar um tema ainda pouco explorado no campo da Administração: as especificidades do trabalho em turnos e/ou noturno de forma mais ampla. Normalmente, os estudos e trabalhos a cerca desse assunto são voltados 2

3 para as questões médicas e ergonômicas, não sendo muito explorada a perspectiva do trabalhador, suas necessidades e desejos. Esta pesquisa, caracterizada como um estudo de caso, oferece conclusões que devem ser compreendidas no âmbito da experiência vivenciada pelos funcionários que trabalham em turno e/ou noturno no setor de operação da rede móvel de uma empresa de telecomunicações. Portanto, não serão passíveis de generalização para outros contextos em que este tipo de trabalho ocorra. Contudo, entende-se que tais conclusões e o próprio método de coleta e análise de dados possam oferecer subsídios para outras pesquisas na mesa área de conhecimento. 2. O que é motivação? Motivação é um motivo ou razão para agir, o que consegue fazer mover, tudo que causa ou determina alguma coisa. Por que certa pessoa acorda cedo todos os dias? Diversos podem ser os motivos: ela precisa trabalhar, estudar, ir para academia ou simplesmente a pessoa gosta de acordar cedo por considerar um hábito saudável. Esses são alguns dos infinitos motivos que podem existir para a pessoa agir, nesse caso, acordar cedo. A enorme variabilidade deve-se ao fato de que o comportamento humano não é exato, muito menos previsível, e o ambiente no qual a ação é feita pode variar. São diversos os aspectos que influenciam o comportamento como biológicos, psicológicos, históricos, sociais, culturais e ambientais. Dependendo da situação e contexto, cada pessoa pode ter uma ação ou reação diferente, dependendo de suas características pessoais. (BERGAMINI, 1997; GONDIM, 2004). A motivação é resultante de pulsões internas, de desejos e de necessidades individuais que cada pessoa, como ser único, busca concretizar. O meio externo, as organizações, não são origem da motivação humana. A organização, enquanto meio social, poderá facilitar ou barrar a realização dos desejos e a satisfação das necessidades. Na realidade, as frustrações constantes podem levar o indivíduo à apatia, ao descontentamento, à desmotivação. Ele não encontra, no meio social, as condições para sua realização. Há, portanto, uma influência do meio externo no indivíduo. (AGUIAR, 2005, p. 369). 3. Motivação x trabalho O estudo da motivação aplicada no ambiente organizacional surgiu da crença que trabalhadores motivados produzem mais e melhor (GONDIM, 2004). 3

4 No atual cenário intensamente competitivo, não basta mais fazer o mesmo sempre. É preciso cada vez mais inovar, mudar, melhorar processos, cortar custos, se atualizar. Ou seja, as empresas precisam se destacar, fazer melhor a cada dia. O mercado é muito dinâmico e só sobrevive quem consegue acompanhar o ritmo das mudanças. Diante disso, como os trabalhadores se sentem estimulados para promover as mudanças? O que os impulsionam a produzir, a terem novas ideias, a dispensarem tempo e energia pensando em como fazer melhor determinado processo ou produto para satisfazer os clientes ou diminuir custos? Esse é o motivo pelo qual as organizações procuravam compreender o que conseguia motivar seus funcionários. Hoje, baseado no fato de que a motivação é um processo interno e pessoal, o que se procura é como fazer para que a organização não reprima as forças motivacionais existentes e inerentes as pessoas e, dessa forma, cada um, com suas habilidades e conhecimentos específicos, possa contribuir para os objetivos organizacionais (BERGAMINI, 1997) 4. Teoria motivação-higiene de Herzberg Para análise do processo motivacional nos trabalhos em turno e noturnos no caso estudado, foi escolhida a Teoria Motivação-Higiene de Herzberg (ou Teoria Bifatorial). Isso porque os fatores externos ao indivíduo (ambientais e situacionais) são considerados na concepção e desenvolvimento da teoria como relevantes. E, na situação estudada, esses fatores são de suma importância para a compreensão do indivíduos, dada que é a adversidade ambiental e situacional (trabalhar em turnos ou durante a noite) que gerou o intuito da pesquisa. Além disto, como afirma Bergamini (1997), a teoria de Herzberg é a mais divulgada teoria sobre motivação no trabalho O conceito motivação-higiene O livro The Motivation to Work (1959) trata do estudo de Herzberg e de seus colaboradores sobre os fatores que promovem a satisfação e insatisfação no trabalho, lançando assim a conhecida Teoria Motivação-Higiene. Utilizando a técnica de sequência de eventos (incidentes críticos), Herzberg e seus co-autores Bernard Mausner e Barbara Snyderman entrevistaram aproximadamente duzentos engenheiros e contadores de indústrias localizadas nas imediações de Pittsburgh. Normalmente, as técnicas de 4

5 pesquisa consistem em testar e medir determinados itens previamente estabelecidos. Já na técnica dos incidentes críticos, o objetivo é descobrir os incidentes sobre o assunto que se está pesquisando. Nesse caso do estudo de Herzberg, foi solicitado aos trabalhadores que descrevessem com detalhes um momento em que se sentiram bem e um momento em que se sentiram mal em relação ao trabalho, relatando não só o fato em si, mas também as razões para esse sentimento e os efeitos derivados dele. O objetivo era investigar o complexo fatores-atitudes-efeitos (F-A-E) como uma unidade, de forma simultânea (Herzberg et al, 1959, p. 11). A partir da análise dos resultados obtidos, Herzberg, Mausner e Snyderman (1959) concluíram que os fatores que contribuem para a satisfação (motivacionais) são diferentes e totalmente independentes dos fatores que contribuem para a insatisfação no trabalho (higiênicos). Baseado nessas informações, Herzberg propôs duas dimensões: satisfação não satisfação, influenciadas pelos fatores motivacionais, e insatisfação não insatisfação, influenciadas pelos fatores higiênicos Fatores motivacionais São os fatores que levam a satisfação no trabalho e que estão diretamente relacionados ao conteúdo do trabalho. A ausência deles não causará insatisfação, mas sim uma não satisfação. Segundo Chiavenato (2000), são conhecidos também por fatores intrínsecos ou satisfacientes, pois se relacionam diretamente com as atividades que a pessoa desempenha e estão sob seu controle. Abaixo, a lista com alguns dos fatores motivacionais, em ordem decrescente de conexão com a satisfação no trabalho, segundo o estudo de Herzberg et al (1959): Realização inclui histórias sobre a execução bem sucedida de determinados trabalhos. Reconhecimento prazer por ter executado um bom trabalho e retorno direto e positivo dos clientes, supervisores pares ou subordinados e do próprio trabalho em si. O trabalho em si inclui elementos do trabalho como criatividade, desafio, variedade, oportunidade de executar uma tarefa do início ao fim. Responsabilidade possibilidade de executar o trabalho sem supervisão, ser responsável pelo seu próprio esforço, receber a responsabilidade pelo trabalho de outros ou executar um novo tipo de trabalho, como novas responsabilidades, mas sem uma promoção formal. Progresso profissional promoção. 5

6 Fatores higiênicos São os fatores que levam a insatisfação no trabalho e estão diretamente relacionados ao contexto do trabalho. A ausência deles não causará satisfação, mas sim uma não insatisfação. Segundo Chiavenato (2000), são conhecidos também por fatores extrínsecos ou insatisfacientes, pois estão relacionados com o ambiente que rodeia os trabalhadores e incluem as condições nas quais eles executam suas atividades. Quando esses fatores são utilizados com o objetivo de satisfazer os trabalhadores, conseguem até fazê-lo, mas não consegue sustentar essa situação por muito tempo. Herzberg utilizou o termo higiene em analogia aos princípios de higiene médica, uma vez que a higiene não tem o efeito de curar, mas sim de prevenir (Herzberg et al, 1959, p. 113). Abaixo, a lista com alguns dos fatores higiênicos, em ordem decrescente de conexão com a insatisfação no trabalho, segundo o estudo de Herzberg et al (1959): Políticas e práticas administrativas a adequação da organização e gestão da empresa, e os efeitos das políticas, em particular aquelas relacionadas a gestão de pessoas. Supervisão a competência e imparcialidade do gestor direto. Salário compensação financeira. Relações interpessoais as características das interações entre o indivíduo e os demais componentes da organização. Condições de trabalho as características físicas do ambiente. Com relação ao fator salário, é interessante ressaltar que ele foi apontado também como um fator motivacional, aparecendo como o sexto item em conexão com a satisfação no trabalho. Porém, como afirma Hollyforde e Whiddett (2002), Herzberg reconheceu que este fator está mais ligado a insatisfação. Funciona como uma forma de mover o trabalhador, não motivá-lo. Na conclusão de sua pesquisa, Herzberg et al (1959) percebeu que quando o salário é citado como fator motivacional está normalmente ligado a uma questão de reconhecimento por um trabalho bem realizado, como uma forma de progresso profissional, e não só como uma satisfação apenas por conta da questão financeira Os efeitos das atitudes no trabalho Herzberg (1956) analisou nas entrevistas realizadas para o desenvolvimento da teoria Motivação- Higiene, cinco efeitos gerados a partir dos fatores motivacionais e higiênicos relatados: 6

7 Desempenho Herzberg não reuniu dados mensuráveis a respeito da melhora no desempenho dos trabalhadores na presença de determinados fatores, dada a natureza de sua entrevista, que se utilizou de dados fornecidos pelos próprios entrevistados e não dados oficiais. Mas pôde perceber, através dos relatos, que a motivação tem um efeito positivo no desempenho do trabalho. Rotatividade de pessoal os trabalhadores que estão insatisfeitos estão mais propensos a sair de seus empregos do que aqueles que estão satisfeitos. Atitude para com a empresa concluiu-se que existe certa relação entre satisfação no trabalho e atitude positiva para com a empresa. Saúde mental os trabalhadores tendem a ligar saúde precária e insatisfação no trabalho, mas não tendem a fazer o mesmo com boa saúde e satisfação no trabalho. Relações interpessoais aparentemente há pouca ligação entre relacionamentos interpessoais e satisfação e insatisfação no trabalho, pois, segundo Herzberg (1959), isso se daria mais em função da dinâmica psicológica do trabalhador como um indivíduo do que com qualquer outra coisa. 5. O trabalho noturno e em turnos 5.1. Por que utilizar escalas de trabalho? Escala de trabalho costuma ser utilizado por empresas que, devido à natureza de sua atividade ou até por conta de questões econômicas, não podem paralisar a produção e/ou prestação de serviço ou pode paralisar apenas em alguns momentos, como, por exemplo, durante horários noturnos ou no fim de semana (FISCHER, 2004a; RUTENFRANZ et al., 1989). Rutenfranz et al (1989) afirma que os turnos são utilizados como forma de organização do trabalho devido principalmente a causas tecnológicas, imposições econômicas e atendimento da população. Harriet Preston (1999, apud FISCHER, 2004a) considera as mudanças rápidas ocorridas nos processos tecnológicos, a globalização econômica e as características demográficas da população como os principais fatores de influência no aumento de empregos fora da jornada de trabalho normal. Knauth (2004) aponta sob a ótica da empresa, dos funcionários e da sociedade, vários aspectos positivos relacionados à flexibilização do trabalho: 7

8 Fonte: Knauth, 2004, p As implicações do trabalho em turno e/ou noturno nos trabalhadores Com relação do trabalho noturno, Rutenfranz et al. (1989, p. 41) faz uma afirmação importante à respeito da fisiologia humana: De acordo com sua natureza, o ser humano pertence ao chamado grupo de seres vivos ativos durante o dia. Ao contrário dos seres vivos ativos à noite, como os ratos, por exemplo, suas funções físicas são orientadas especialmente para o trabalho durante o dia; a noite, ao contrário, é dedicada, principalmente ao descanso. Este fato reflete-se em muitas funções físicas. [...] A disposição para dormir está relacionada com os ritmos biológicos, com o período do trabalho ou do descanso, e tem muito pouco a ver com o cansaço do trabalho propriamente que não produz estas diferenças nos ritmos de atividade e repouso, mas apenas os reforça. Isso pode ser claramente comprovado por qualquer pessoa nas férias, quando não realiza nenhum trabalho. Os problemas físicos mais recorrentes no trabalhador em turnos e/ou noturno é a fadiga, mal estar e distúrbios do sono, acompanhados comumente de irritabilidade e desânimo e, até, descontrole e agressividade. De forma secundária, podem também ocorrer o envelhecimento precoce, estresse e doenças orgânicas. Isso tudo devido à dessincronização da Organização Temporal Interna (ritmos biológicos) e a Organização Temporal Externa (relação temporal entre organismo e ciclo ambiental) que provoca o desencontro de diversos ritmos orgânicos. Mas, é fato, que nem todos os indivíduos possuem o mesmo tipo de ritmos biológicos, e nem os próprios indivíduos possuem o mesmo ritmo biológico durante toda sua vida. Sendo assim, o processo de ajuste do organismo 8

9 pode variar de uma pessoa para outra, causando maiores ou menores impactos. (MENA- BARRETO, 2004; MARTINEZ, 2008). Segundo Fischer (2004a), o custo para que a sociedade moderna tenha a sua disposição produtos e serviços, sejam eles de primeira necessidade ou supérfluos, durante as 24 horas do dia, 7 dias da semana, não é apenas financeiro, mas também relacionados a problemas de saúde e sociais dos trabalhadores que atuam em regimes de escala para nos proporcionar as facilidades descritas. Problemas sociais como dificuldade de adequação dos horários diferenciados à rotina de afazeres domésticos (mais associado às mulheres), dificuldade de adequação dos horários de lazer com os dos grupos sociais com os quais se está envolvido (família, amigos, cultos religiosos, etc.), desencontros nos relacionamentos amorosos, problemas familiares e para planejar a vida de forma geral são normalmente relatados pelos trabalhadores em turnos e/ou noturnos (ROTENBERG, 2001; COSTA, 2000) Os fatores que influenciam na adaptação ou não ao trabalho em turnos e/ou noturno Para Costa (2004a), assim como para Fischer (2004b), a questão turnos de trabalho, saúde e bemestar, é um assunto complexo e multifacetado, que está diretamente relacionado às características pessoais, de trabalho e das condições de vida do trabalhador, envolvendo várias dimensões da vida humana (fisiologia, psicologia, patologia, sociologia, ergonomia, economia, política e ética). Sendo assim, o trabalho noturno e/ou em turnos pode causar diferentes impactos em diferentes indivíduos e também diferentes impactos em um mesmo indivíduo, dependendo da fase de vida e realidade em que o mesmo se encontra durante a execução do trabalho em regime de escala. Dessa forma, Costa (2004a) considera arbitrário que se enfoque a tolerância ao trabalho noturno e os aspectos relacionados a saúde apenas sob aspectos específicos, como características pessoais, sendo mais apropriado uma abordagem sistemática Possíveis ações para combater ou amenizar os problemas causados pelo trabalho em turnos e/ou noturno Costa (2004a) resumiu em uma frase o que se deve ter em mente quando o assunto é saúde e bem estar dos trabalhadores em turno e/ou noturno, dado o caráter multifacetado e multidimensional da questão: 9

10 [...] é necessário ir além da proteção da saúde e agir para a promoção da saúde e ter a participação de não apenas profissionais da área das ciências médicas, mas também outros agentes (ergonomistas, psicólogos, sociólogos, educadores, legisladores), assim como dos próprios trabalhadores. (COSTA, 2004a, p ) Rotenberg (2004, p. 222) afirma que minimizar os problemas associados aos esquemas de turnos significa contribuir para que o trabalho possa ser visto não apenas sob a ótica do sofrimento, mas também como fonte de prazer e melhoria da qualidade de vida. Na Recomendação sobre o Trabalho Noturno de R178 (ILO, 1990b), que consiste em propostas adicionais a Convenção do Trabalho Noturno - C171 (ILO, 1990a), a Organização Internacional do Trabalho (ILO, 1900b) sugere, dentre outras recomendações, que medidas devem ser tomadas para melhorar a qualidade de descanso dos trabalhadores noturnos, além de prover maneiras desses trabalhadores obterem refeições e bebidas durante o expediente. O documento também ressalta a importância de medidas de incentivo à formação e reciclagem, assim como atividades culturais, desportivas e recreativas para esses trabalhadores. Com relação à saúde, o trabalhador tem o direito de receber gratuitamente avaliação da sua saúde e instruções de como reduzir ou evitar problemas associados ao desempenho de suas atividades em horários irregulares. Para Moreno (2004), é importante que o trabalhador em regime de escala e/ou noturno seja auxiliado de forma a encontrar o seu regime ideal de sono, que, associado ou não a outras estratégias como cafeína e luz, por exemplo, permitam uma melhor adaptação ao regime de trabalho estipulado. Até porque, um trabalhador não adaptado ao seu horário de trabalhador pode se tornar um agente de risco para si mesmo e para outros trabalhadores no caso, por exemplo, de alta sonolência durante o desempenho da atividade (ALMEIDA, 2004). Mesmo que se respeitem todas as recomendações feitas acerca do assunto, não existe uma escala de trabalho que possa ser considerada a melhor (COSTA, 2004b; RUTENFRANZ et al., 1989; VERDIER, 2004). O arranjo de jornada de trabalho adequado vai variar de acordo com a natureza da atividade a ser desempenhada, condições ambientais e demandas do cargo, além, é claro, das características e hábitos específicos dos trabalhadores que vão desempenhar as atividades, considerando não só os aspectos fisiológicos, mas também os psicológicos e sociais, não esquecendo de que ele deverá estar de acordo com as leis. De qualquer forma, imaginar que a escala de trabalho, por mais pensada e analisada que seja, não gerará nenhuma consequência negativa nos aspectos relacionados à saúde ou vida social do trabalhado, isso é mera ilusão (COSTA, 2004b; VERDIER, 2004). 10

11 Diversas medidas podem ser adotadas pelas empresas para compensar ou minimizar os transtornos e inconvenientes causados pelo trabalho em turno e/ou noturno. Por força da lei, financeiramente, o horário noturno tem valor maior que o diurno. Algumas empresas adotam melhorias nas condições de trabalho em geral, como ambiente ou enriquecimento do cargo. Outras opções também são: redução das horas de trabalho, restrição de jornadas noturnas, pausas extras para refeições e cochilos, instalações para dormir e se alimentar, apoio social e financeiro, transferência futura para trabalho diurno e aposentadoria precoce (COSTA, 2004b). 6. Pesquisa de campo: satisfação dos trabalhadores em turnos e/ou noturnos relacionada ao horário de trabalho 6.1. Metodologia Os dados para o desenvolvimento do estudo foram obtidos através de aplicação de questionários aos funcionários que trabalham (ou trabalharam) na operação da rede de telefonia móvel de uma grande empresa de telecomunicações em regime de turnos contínuos (24 horas por dia, sete dias na semana, incluindo feriados) e sistema de rodízio, ou seja, sem turno fixo e incluindo turnos noturnos. O nome e dados da empresa não serão aqui citados, mas tal informação não tem influência para a análise das informações obtidas, dado o foco da questão. O questionário foi composto de sete perguntas abertas, no qual foi solicitado que as respostas se restringissem à época da vida profissional cujo horário de trabalho é segundo o regime de turnos e/ou noturno. Eles foram enviados via para quatro pessoas escolhidas de forma aleatória, que preencheram e retornaram suas respostas na última semana de novembro de Descrição e análise dos dados Baseado na mesma forma de pesquisa feita por Herzberg (1959) para o desenvolvimento da Teoria Motivação-Higiene, o questionário com perguntas abertas tem o objetivo de analisar de forma qualitativa os dados, segundo os preceitos da teoria de Herzberg, mas, neste caso, sem o intuito de generalizações. Sendo assim, não há necessidade de estabelecer a representatividade da amostra em relação ao total da população em questão. De forma a preservar o anonimato dos entrevistados, os mesmos serão identificados por E1, E2, E3 e E4. 11

12 A questão satisfação x insatisfação: abordagem generalizada Uma das críticas feitas à teoria de Herzberg é que ela não prova a relação entre satisfação e produtividade, pois a análise sobre um possível aumento de produtividade foi feito a partir de informações dadas pelos trabalhadores e não uma constatação de fatos concretos. Porém, já reconhecido o fato de que a motivação é um processo interno e individual de cada ser humano, e por conta disso, ninguém é capaz de motivar ninguém, o que se consegue fazer é agir para que o indivíduo não perca sua sinergia motivacional (BERGAMINI, 1997). Diante disso, conhecer o que satisfaz ou não os trabalhadores implica em poder, a partir dessas informações, criar um ambiente favorável para a manutenção ou até potencialização da sinergia motivacional. Dessa forma, os trabalhadores vão se sentir mais dispostos a colaborar com os objetivos organizacionais, o que culminará, consequentemente, com um aumento do desempenho e produtividade. Logo, podemos então assumir que caso a sinergia motivacional do trabalhador seja afetada por conta de insatisfação, é provável que o desempenho e produtividade deste se mantenha no mesmo nível ou até diminua. Partindo desse princípio, foram feitas duas das mesmas perguntas que Herzberg fez em suas entrevistas para o desenvolvimento de sua teoria para analisar, respectivamente a satisfação e insatisfação dos trabalhadores: Descreva uma época ou uma situação na qual se sentiu muito bem em relação ao seu trabalho. Dentro dessa descrição, cite, com detalhes, o que ocorreu e como isso repercutiu na sua vida profissional e pessoal, quais sentimentos e/ou consequências foram gerados pelo o ocorrido, incluindo a informação sobre o aumento ou diminuição de sua produtividade no trabalho. Descreva uma época ou uma situação na qual se sentiu muito mal em relação ao seu trabalho. Dentro dessa descrição, cite com detalhes o que ocorreu e como isso repercutiu na sua vida profissional e pessoal, quais sentimentos e/ou consequências foram gerados pelo o ocorrido, incluindo a informação sobre o aumento ou diminuição de sua produtividade no trabalho. As respostas obtidas relacionadas à satisfação (fatores motivacionais), não apresentaram nenhuma conexão com relação ao horário de trabalho. E1 disse não se recordar de nenhuma época em que se sentiu muito bem quando atuando em regime de escala. E3 e E4 citaram situações de reconhecimento, sob forma de elogio do gerente e por oportunidade de atuar em uma nova área por conta do bom desempenho no trabalho e na continuidade dos estudos. E3 também fez referência à satisfação na realização da atividade em si, ao executar uma tarefa que foi desafiadora 12

13 e fora da rotina. E2 citou um aspecto que suscitou discussões durante a elaboração da teoria de Herzberg: compensação financeira. Por um limiar muito pequeno, o salário foi enquadrado pela teoria como um fator higiênico, ou seja, que não seria capaz de gerar satisfação, mas apenas evitar a insatisfação. Porém, pela declaração dele, podemos observar que a satisfação neste caso, parece mais ligada à questão da conquista feita, entrando o salário como um fator secundário, ou melhor, dizendo, complementar a questão: Os sentimentos envolvidos estão relacionados à conquista de uma grande oportunidade que me traria ganhos financeiros e abriria portas para realizações. (E2). Com relação à insatisfação, foram relatados fatos ligados ao horário de trabalho. E1 falou que tem dificuldades em relação ao sono quando ocorre troca de horário do turno. E, além disso, demonstra-se descontente com trocas de horário não programadas, pois lhe causa problemas pessoais ao ter que reorganizar compromissos e lidar com reclamações de amigos e parentes. E2 relatou o seu ressentimento com aspectos pessoais e sociais assim como E1. A má adaptação do seu organismo ao turno noturno, os horários de trabalho fora do horário da maioria que lhe forçava a abdicar de parte de sua vida social e o fato de trabalhar sozinho foram citados. Problema de relação interpessoal no trabalho foi relatada por E3 e de condições de trabalho (ambientais) por E2. Os fatores intervenientes na insatisfação mais citados foram relacionados às políticas administrativas (três ocorrências) e supervisão (duas ocorrências). Foi interessante encontrar nas respostas da pergunta sobre insatisfação, um relato que nos remete a questão da satisfação. Eu ia trabalhar desanimado, mas isso não afetava no meu desempenho, pois eu sempre fui responsável com o compromisso assumido. (E2). Essa afirmação mostra que o senso de responsabilidade funcionou como fator motivacional, uma vez que E2 deixa implícito que, apesar, de certa forma, ter motivos para produzir menos, se superou e não o fez Vantagens, desvantagens e saúde no trabalho em turnos e/ou noturno Foi solicitado aos trabalhadores descrever as vantagens e desvantagens do trabalho em escala e questões de saúde relacionadas a essa atividade: Cite, na sua concepção, as vantagens e desvantagens de trabalhar em turnos e/ou período noturno. 13

14 Você já teve alguma doença ou indisposição relacionada ao fato de trabalhar em escala? Qual? Quanto tempo levou para se curar? Teve alguma falta no trabalho por conta dela? Algumas das vantagens relatadas tem conexão com o que Knauth (2004) aponta como objetivos dos funcionários com a flexibilidade da jornada de trabalho: horário para estudo facilitado, dependendo da escala; redução do tempo de ida e volta do trabalho por conta da ausência de trânsito; adequação da hora de lazer a horários de menos concorrência. Adicional noturno e silêncio para execução das tarefas também foram citados. E2 justifica que a ausência de chefe imediato durante o período noturno pode ser uma vantagem por conta da cobrança mais branda, mas ao mesmo tempo, pode ser uma desvantagem, pois o funcionário às vezes tem que tomar decisões importantes que não cabe a ele e depois, dependendo das consequências, pode vir a ser cobrado por isso. Dentre as desvantagens estão: perigo no deslocamento noturno para o trabalho; estar no ambiente do trabalho quando ocorrem obras diversas e dedetização, que são sempre feitas à noite; trabalhar sozinho ou com poucas pessoas, não havendo assim interação social; não ser lembrado para cursos ou promoções ou não participar de cursos por conta do horário; a impossibilidade de muitas vezes não conseguir conciliar a rotina e atividades de lazer com as pessoas com que se convive, até por conta de má distribuição de fins de semana na escala; distúrbios do sono, incluindo sonolência durante o horário do trabalho; apetite desregulado. Em relação à saúde, foram citados o stress, alterações de humor por conta de distúrbio no sono e intoxicação, por conta de dedetização realizada no local de trabalho durante período noturno. Não houve falta no trabalho. Como se pode observar, algumas das desvantagens e problemas de saúde relatados pelos trabalhadores nos remetem aos possíveis problemas de saúde e sociais associados ao trabalho em turno e/ou noturno descritos no capítulo quatro Escala de trabalho: assunto sempre polêmico O arranjo da escala de trabalho é uma das condições nas quais os trabalhadores executam suas tarefas e nada tem a ver com o conteúdo do trabalho. Sendo assim, podemos considerar que a escala de trabalho funciona como um fator higiênico, ou seja, pode provocar a insatisfação ou, no máximo, não insatisfação nos funcionários. 14

MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL

MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL Daniele Cristine Viana da Silva 1 Maria José Vencerlau 2 Regiane da Silva Rodrigues 3 André Rodrigues da Silva 4 Fábio Fernandes 5 RESUMO O Artigo Científico tem

Leia mais

OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS Tatiane Paula de Oliveira 1, Adriana Leonidas de Oliveira (orientadora) 2 1 Universidade de Taubaté/ Departamento

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO COMO FATOR DE MOTIVAÇÃO NO AMBIENTE CORPORATIVO Jéssica da Silva¹ Paola Faustino da Silva Cavalheiro¹ Rosane Hepp Ma²

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO COMO FATOR DE MOTIVAÇÃO NO AMBIENTE CORPORATIVO Jéssica da Silva¹ Paola Faustino da Silva Cavalheiro¹ Rosane Hepp Ma² QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO COMO FATOR DE MOTIVAÇÃO NO AMBIENTE CORPORATIVO Jéssica da Silva¹ Paola Faustino da Silva Cavalheiro¹ Rosane Hepp Ma² RESUMO A busca constante da produtividade, do foco e

Leia mais

11. Abordagem Comportamental

11. Abordagem Comportamental 11. Abordagem Comportamental Conteúdo 1. Behaviorismo 2. Novas Proposições sobre a Motivação Humana 3. Teoria da Hierarquia das de Maslow 4. Teoria dos dois fatores 5. Teoria X & Y de McGregor 6. Outros

Leia mais

TURN OVER VOLUNTÁRIO UMA BREVE ANÁLISE DOS ESTÍMULOS www.factor9.com.br/educacional.php. Eduardo Varela

TURN OVER VOLUNTÁRIO UMA BREVE ANÁLISE DOS ESTÍMULOS www.factor9.com.br/educacional.php. Eduardo Varela TURN OVER VOLUNTÁRIO UMA BREVE ANÁLISE DOS ESTÍMULOS www.factor9.com.br/educacional.php Eduardo Varela 1 Turnover Voluntário Uma breve análise dos estímulos www.factor9.com.br/educacional.php Turnover

Leia mais

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil 10Minutos Futuro do trabalho Pesquisa sobre impactos e desafios das mudanças no mundo do trabalho para as organizações no B O futuro do trabalho Destaques Escassez de profissionais, novos valores e expectativas

Leia mais

Fique a vontade para responder o questionário, seja o mais verdadeiro possível.

Fique a vontade para responder o questionário, seja o mais verdadeiro possível. MODELO DE PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL 1 FICHA DE INSTRUÇÕES A proposta deste questionário é conhecer as pessoas que trabalham na empresa, analisar suas necessidades e insatisfações, e tornar a organização

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2

Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2 O desempenho do processo de recrutamento e seleção e o papel da empresa neste acompanhamento: Um estudo de caso na Empresa Ober S/A Indústria E Comercio Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA BRASIL

A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA BRASIL FACULDADES INTEGRADAS DO PLANALTO CENTRAL Aprovadas pela Portaria SESu/MEC Nº. 368/08 (DOU 20/05/2008) CURSO DE ADMINISTRAÇÃO A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA

Leia mais

Desmotivação no Trabalho

Desmotivação no Trabalho Desmotivação no Trabalho Carolline de MORAIS¹ RGM 89552 Karen C. P. S. PENHAVEL¹ RGM 88579 Renata SORIO¹ RGM 88861 Romerianne BATISTA¹ RGM 088671 Orientadora² : Viviane Regina de Oliveira Silva Resumo

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Ilca Maria Moya de Oliveira As necessidades de seleção de pessoal na organização são inúmeras e vão exigir diferentes ações da área de Gestão de Pessoas para cada uma delas. A demanda de seleção de pessoal

Leia mais

TOTAL DE RESPONDENTES: 698 entrevistados. DATA DE REALIZAÇÃO: 30 de maio e 01 de junho, nas ruas do centro do Rio de Janeiro.

TOTAL DE RESPONDENTES: 698 entrevistados. DATA DE REALIZAÇÃO: 30 de maio e 01 de junho, nas ruas do centro do Rio de Janeiro. Enquete Um estudo feito por matemáticos da Universidade de Vermont, nos Estados Unidos, mostrou que o dia preferido pelas pessoas é o domingo. Os pesquisadores analisaram 2,4 milhões de mensagens pela

Leia mais

SENADO FEDERAL SONO COM QUALIDADE SENADOR CLÉSIO ANDRADE

SENADO FEDERAL SONO COM QUALIDADE SENADOR CLÉSIO ANDRADE SENADO FEDERAL SONO COM QUALIDADE SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Sono com qualidade apresentação Uma boa noite de sono nos fazer sentir bem e com as forças renovadas. O contrário também vale. Uma péssima noite

Leia mais

Evanir Soares da Fonseca

Evanir Soares da Fonseca CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde AÇÕES DE COMBATE AO ESTRESSE: PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DE PARACATU - MG Evanir Soares

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES

ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES MARCELA NEIVA SOUSA 1 SAMARA MARIA VIANA DA SILVA 2 RESUMO O presente artigo tem como objetivo investigar

Leia mais

TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE

TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

Relatório e Proposta de Programa para Grupos Corporativos: Atividade Física na Promoção da Saúde e Qualidade de Vida

Relatório e Proposta de Programa para Grupos Corporativos: Atividade Física na Promoção da Saúde e Qualidade de Vida 27 Relatório e Proposta de Programa para Grupos Corporativos: Atividade Física na Promoção da Saúde e Qualidade de Vida Simone Simões de Almeida Sganzerla Graduada em Educação Física Especialista em Gestão

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial Eliane Maria Monteiro da Fonte DCS / PPGS UFPE Recife PE - Brasil Pesquisa realizada pelo NUCEM,

Leia mais

https://www.bigby.com/systems/selectport/samplereports/inboundsales1.htm

https://www.bigby.com/systems/selectport/samplereports/inboundsales1.htm Página 1 de 9 CCin v2 r i cpb cpb_att n SELECT para Centrais de Atendimento a Clientes - Recebimento de Vendas (v2) Copyright 1995-2005, 2006 Bigby, Havis & Associates, Inc. Todos os direitos reservados.

Leia mais

ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS

ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS Patrícia de Oliveira 1 Angélica Patrícia de Souza 2 Roginéia de Araújo Paula 3 RESUMO Buscou-se apresentar neste artigo, os principais pontos das estratégias empresarias e quais

Leia mais

PLANO DE CARREIRA. Rosangela Ferreira Leal Fernandes *

PLANO DE CARREIRA. Rosangela Ferreira Leal Fernandes * PLANO DE CARREIRA Rosangela Ferreira Leal Fernandes * As mudanças no cenário político, econômico, social e ambiental das últimas décadas vêm exigindo uma mudança de postura das organizações e dos profissionais

Leia mais

Sistema de Indicadores de Percepção Social (SIPS) Trabalho e Tempo Livre

Sistema de Indicadores de Percepção Social (SIPS) Trabalho e Tempo Livre Sistema de Indicadores de Percepção Social (SIPS) Trabalho e Tempo Livre SIPS: Trata-se de uma pesquisa de opinião sobre diversas temáticas, que se referem ao debate atual sobre políticas públicas e desenvolvimento.

Leia mais

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010 Empregabilidade: uma análise das competências e habilidades pessoais e acadêmicas desenvolvidas pelos graduandos do IFMG - Campus Bambuí, necessárias ao ingresso no mercado de trabalho FRANCIELE CLÁUDIA

Leia mais

A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS

A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS GOMES, Elaine Dias. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. E-mail: elaineapoderosa@hotmail.com

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA RELATÓRIO SINTÉTICO - CLIMA ORGANIZACIONAL 2014

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA RELATÓRIO SINTÉTICO - CLIMA ORGANIZACIONAL 2014 TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA RELATÓRIO SINTÉTICO - CLIMA ORGANIZACIONAL 2014 Natal, outubro de 2014 DESEMBARGADOR PRESIDENTE ADERSON SILVINO JUÍZES RESPONSÁVEIS

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior 5.1 Nome da iniciativa ou Projeto Academia Popular da Pessoa idosa 5.2 Caracterização da Situação Anterior O envelhecimento é uma realidade da maioria das sociedades. No Brasil, estima-se que exista, atualmente,

Leia mais

O PROCESSO NO GERENCIAMENTO DE EQUIPES NA EMPRESA RS CALDEIRARIA

O PROCESSO NO GERENCIAMENTO DE EQUIPES NA EMPRESA RS CALDEIRARIA O PROCESSO NO GERENCIAMENTO DE EQUIPES NA EMPRESA RS CALDEIRARIA Ana Priscila da Silva Vieira 1 Elizabete Rodrigues de Oliveira 2 Tatiana Nogueira Dias 3 Élcio Aloisio Fragoso 4 Edson Leite Gimenez 5 RESUMO

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Motivação. O que é motivação?

Motivação. O que é motivação? Motivação A motivação representa um fator de sobrevivência para as organizações, pois hoje é um dos meios mais eficazes para atingir objetivos e metas. Além de as pessoas possuírem conhecimento, habilidades

Leia mais

PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT.

PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT. PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT. 1 NATÁLIA SALVADEGO, 2 FRANCIANNE BARONI ZANDONADI 1 Bacharel em Engenheira Florestal (UNEMAT) e Estudante

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

Veja 10 fatores a serem avaliados ao receber proposta de emprego

Veja 10 fatores a serem avaliados ao receber proposta de emprego Terça-feira, 10 de dezembro de 2013 Atualizado em 10/12/2013 08h00 Veja 10 fatores a serem avaliados ao receber proposta de emprego Profissional deve pesar salário, plano de carreira, horário, entre outros.

Leia mais

20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR

20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR 20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR Resultados Processo de aprendizagem EXPLORAÇÃO Busco entender como as coisas funcionam e descobrir as relações entre as mesmas. Essa busca por conexões

Leia mais

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO Página 1 CONVERSA DE PSICÓLOGO Volume 03 - Edição 01 Agosto - 2013 Entrevistada: Renata Trovarelli Entrevistadora: Cintia C. B. M. da Rocha TEMA: RELACIOMENTO AMOROSO Psicóloga Comportamental, atualmente

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho

Formulário de Avaliação de Desempenho Formulário de Avaliação de Desempenho Objetivos da Avaliação de Desempenho: A avaliação de desempenho será um processo anual e sistemático que, enquanto processo de aferição individual do mérito do funcionário

Leia mais

TEORIAS DE CONTÉUDO DA MOTIVAÇÃO:

TEORIAS DE CONTÉUDO DA MOTIVAÇÃO: Fichamento / /2011 MOTIVAÇÃO Carga horária 2 HORAS CONCEITO: É o desejo de exercer um alto nível de esforço direcionado a objetivos organizacionais, condicionados pela habilidade do esforço em satisfazer

Leia mais

HUMANIZAÇÃO NO TRABALHO. MARCIA REGINA DE ALMEIDA (MBA em marketing e gestão de pessoas)

HUMANIZAÇÃO NO TRABALHO. MARCIA REGINA DE ALMEIDA (MBA em marketing e gestão de pessoas) HUMANIZAÇÃO NO TRABALHO ANGELA MARIA RUIZ (MBA em marketing e gestão de pessoas) MARCIA REGINA DE ALMEIDA (MBA em marketing e gestão de pessoas) NILDA APARECIDA NUNES DOS REIS (MBA em marketing e gestão

Leia mais

PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROFISSIONAL

PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROFISSIONAL ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II Departamento de Orientação Profissional - EEUSP PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROFISSIONAL VERA LUCIA MIRA GONÇALVES AVALIAÇÃO JUÍZO DE VALOR Avaliação de desempenho

Leia mais

AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG

AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG 1. Introdução 2. Maslow e a Hierarquia das necessidades 3. Teoria dos dois Fatores de Herzberg 1. Introdução Sabemos que considerar as atitudes e valores dos

Leia mais

MOTIVAÇÃO: A MOLA PROPULSORA DA GESTÃO DE PESSOAS RESUMO

MOTIVAÇÃO: A MOLA PROPULSORA DA GESTÃO DE PESSOAS RESUMO MOTIVAÇÃO: A MOLA PROPULSORA DA GESTÃO DE PESSOAS RESUMO Considerando que o ser humano é formado por características de personalidade únicas e complexas, o seu comportamento no trabalho e em outros lugares,

Leia mais

AGT (Avaliação de Gerenciamento de Tempo)

AGT (Avaliação de Gerenciamento de Tempo) AGT (Avaliação de Gerenciamento de Tempo) Relatório para: Suzanne Example Data concluida: 14 de junho de 2012 11:14:46 2012 PsychTests AIM Inc. Índice analítico Índice analítico 1/9 Índice analítico Índice

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO RESUMO

COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO RESUMO COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO Fábio William da Silva Granado 1 Marluci Silva Botelho 2 William Rodrigues da Silva 3 Prof Ms. Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO Realizou-se uma análise

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

FACULDADE DE EDUCACAO DE COSTA RICA

FACULDADE DE EDUCACAO DE COSTA RICA FACULDADE DE EDUCACAO DE COSTA RICA DISCIPLINA: MOTIVACAO E ETICA LIDERAR PESSOAS ATRAVÉS DA MOTIVAÇÃO Por que as pessoas se comportam de certos modos? Liderar - é o processo de dirigir e influenciar as

Leia mais

Avaliação Confidencial

Avaliação Confidencial Avaliação Confidencial AVALIAÇÃO 360 2 ÍNDICE Introdução 3 A Roda da Liderança 4 Indicadores das Maiores e Menores Notas 7 GAPs 8 Pilares da Estratégia 9 Pilares do Comprometimento 11 Pilares do Coaching

Leia mais

21 Mandamentos do Grandes Ideias

21 Mandamentos do Grandes Ideias 21 Mandamentos do Grandes Ideias 21 Mandamentos do Grandes Ideias Ideias simples mas que fazem toda a diferença na motivação dos nossos alunos!! 1. Conhecer os alunos e fazê-los sentirem-se amados pela

Leia mais

Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br

Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br BENEFÍCIOS SOCIAIS: um modelo para retenção de talentos Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br Introdução Este artigo aborda

Leia mais

questionários de avaliação da satisfação CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS

questionários de avaliação da satisfação CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS questionários de avaliação da satisfação creche CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS 2ª edição (revista) UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Governo da República Portuguesa SEGURANÇA SOCIAL INSTITUTO DA

Leia mais

PT03 - Qualidade de vida no trabalho (QVT)

PT03 - Qualidade de vida no trabalho (QVT) PT03 - Qualidade de vida no trabalho (QVT) BIBLIOGRAFIA Oliveira, Aristeu de. Manual de Salários e Benefícios. 1. ed. São Paulo : Atlas, 2006. Cap. 20 pág. 71 a 73. MAXIMIANO, Antonio César Amaru. Teoria

Leia mais

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa 6 Metodologia Apresento neste capítulo a metodologia utilizada nesta pesquisa, o contexto em que ocorreu a coleta de dados, os participantes, os instrumentos usados e os procedimentos metodológicos para

Leia mais

O Processo de Coaching*

O Processo de Coaching* O Processo de Coaching* Por Adriana Preto Rutzen** O Coaching surgiu no mundo dos esportes, através do trabalho do técnico de tênis Thimoty Gallwey, que escreveu e publicou, em meados dos anos 70, o livro

Leia mais

Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos

Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos Edna Bedani Edna Bedani Mestre em Administração, Pós Graduada em Administração, com especialização em Gestão Estratégica de RH, graduada em

Leia mais

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Comunicação empresarial eficiente: Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Sumário 01 Introdução 02 02 03 A comunicação dentro das empresas nos dias de hoje Como garantir uma comunicação

Leia mais

5 Conclusão e Recomendações para Estudos Futuros

5 Conclusão e Recomendações para Estudos Futuros 5 Conclusão e Recomendações para Estudos Futuros Esta dissertação teve como objetivo contribuir para o estudo do lazer, com ênfase nas principais restrições que impedem crianças a realizarem suas atividades

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO ISSN 1984-9354 QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO JAQUELINE ARAUJO DOS SANTOS (LATEC / UFF) Resumo: Os temas relacionados à qualidade de vida no trabalho estão cada vez mais sendo objeto de estudo e presentes

Leia mais

Recrutamento e seleção

Recrutamento e seleção Universidade de São Paulo Escola de Enfermagem Recrutamento e seleção Fernanda Maria Togeiro Fugulin RECRUTAMENTO Fase que antecede a seleção, de divulgação, em que se deverá atrair candidatos potencialmente

Leia mais

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Universidade do Minho Escola de Psicologia rgomes@psi.uminho.pt www.psi.uminho.pt/ www.ardh-gi.com Esta apresentação não substitui a leitura

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS Manual de Aplicação Questionário de Levantamento Organizacional e de Fatores Humanos Brasília, novembro

Leia mais

IDENTIFICAR A INCIDÊNCIA E TIPOS DE BULLYING MAIS FRENQUENTE NA ESCOLA

IDENTIFICAR A INCIDÊNCIA E TIPOS DE BULLYING MAIS FRENQUENTE NA ESCOLA IDENTIFICAR A INCIDÊNCIA E TIPOS DE BULLYING MAIS FRENQUENTE NA ESCOLA Resumo Daiane Voltoline 1 - PUCPR Paulo Cesar de Barros 2 - PUCPR Grupo de Trabalho Violência nas Escolas Agência Financiadora: não

Leia mais

Mobilidade Urbana Urbana

Mobilidade Urbana Urbana Mobilidade Urbana Urbana A Home Agent realizou uma pesquisa durante os meses de outubro e novembro, com moradores da Grande São Paulo sobre suas percepções e opiniões em relação à mobilidade na cidade

Leia mais

Clima Organizacional. Como mensurar e melhorar

Clima Organizacional. Como mensurar e melhorar Clima Organizacional Como mensurar e melhorar Índice Clique para navegar pelo material Capítulo 1 O que é o Clima Organizacional Capítulo 2 Clima Organizacional x Cultura Organizacional Capítulo 3 O impacto

Leia mais

ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE

ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE Izabel Cristina Brito da Silva 1 Emanuela Batista Ferreira 2 Jael Maria de Aquino 3 Sílvia Elizabeth Gomes de Medeiros

Leia mais

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Um projeto para discutir Direitos Humanos necessariamente tem que desafiar à criatividade, a reflexão, a crítica, pesquisando, discutindo e analisando

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão

Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão Este assunto normalmente é tratado quando se aborda a coleta de dados no ciclo de Inteligência. No entanto, o fenômeno das redes sociais, atualmente, cresceu

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

Padrão Resposta às Questões Discursivas Psicologia do Trabalho

Padrão Resposta às Questões Discursivas Psicologia do Trabalho Concurso Público 2015 Padrão Resposta às Questões Discursivas Psicologia do Trabalho Questão 1 a) Para Walton, QVT refere-se a valores ambientais e humanos, negligenciados pelas sociedades industriais

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL Qualidade de Vida no Trabalho O conceito de QVT é muito abrangente, e precisa ser definido com clareza, uma vez que as posições profissionais dos trabalhadores dentro de uma organização

Leia mais

CLIMA ORGANIZACIONAL- O CASO DO POSTO DE COMBUSTÍVEIS BRASIL MASTER, GUARAPUAVA/PR

CLIMA ORGANIZACIONAL- O CASO DO POSTO DE COMBUSTÍVEIS BRASIL MASTER, GUARAPUAVA/PR CLIMA ORGANIZACIONAL- O CASO DO POSTO DE COMBUSTÍVEIS BRASIL MASTER, GUARAPUAVA/PR Emanuel Rosetti (UNICENTRO), Aline Cionek (UNICENTRO), Roseli de Oliveira Machado (Orientadora), e-mail: roseli_machado@yahoo.com

Leia mais

HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS

HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS Jéssica Molina Quessada * Mariana Caroline Brancalhão Guerra* Renata Caroline Barros Garcia* Simone Taís Andrade Guizelini* Prof. Dr. João Juliani ** RESUMO:

Leia mais

TESTE: RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

TESTE: RELACIONAMENTO INTERPESSOAL TESTE: RELACIONAMENTO INTERPESSOAL (JANELA JOHARI) É constituído de 20 situações possíveis de ocorrer dentro de uma empresa, composto por duas afirmativas de resposta em cada. O usuário deve analisar qual

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO COM OS COLABORADORES DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO COM OS COLABORADORES DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO COM OS COLABORADORES DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO Bruno Samways dos Santos (UTFPR) bruno.samways@gmail.com Thais Distefano Wiltenburg (PUC) thais_distefano@hotmail.com

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

Princípios de Liderança

Princípios de Liderança Princípios de Liderança LIDERANÇA E COACH www.liderancaecoach.com.br / liderancaecoach ÍNDICE Liderança Chefe x Líder O que um líder não deve fazer Dicas para ser um líder de sucesso Para liderar uma equipe

Leia mais

Mónica Montenegro António Jorge Costa

Mónica Montenegro António Jorge Costa Mónica Montenegro António Jorge Costa INTRODUÇÃO... 4 REFERÊNCIAS... 5 1. ENQUADRAMENTO... 8 1.1 O sector do comércio em Portugal... 8 2. QUALIDADE, COMPETITIVIDADE E MELHORES PRÁTICAS NO COMÉRCIO... 15

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

A INFLUENCIA DA LOCALIZAÇÃO RESIDENCIAL NO DESEMPENHO DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS DA UNIJUÍ

A INFLUENCIA DA LOCALIZAÇÃO RESIDENCIAL NO DESEMPENHO DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS DA UNIJUÍ A INFLUENCIA DA LOCALIZAÇÃO RESIDENCIAL NO DESEMPENHO DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS DA UNIJUÍ Luciana L. Brandli brandli@detec.unijui.tche.br Cristina E. Pozzobon pozzobon@unijui.tche.br Universidade Regional

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

COMO FAZER A TRANSIÇÃO

COMO FAZER A TRANSIÇÃO ISO 9001:2015 COMO FAZER A TRANSIÇÃO Um guia para empresas certificadas Antes de começar A ISO 9001 mudou! A versão brasileira da norma foi publicada no dia 30/09/2015 e a partir desse dia, as empresas

Leia mais

Aula Nº 13 A Dissonância Cognitiva pode ser eliminada

Aula Nº 13 A Dissonância Cognitiva pode ser eliminada Aula Nº 13 A Dissonância Cognitiva pode ser eliminada Objetivos da aula: Esta aula proporcionará ao aluno da disciplina de Marketing em Administração de Call Center compreender o sentido e a importância

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA

SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA ARAÚJO, Andréia 1 ; RODRIGUES, Hingridy Aparecida 2 ; FERRARI, Rogério 3 ; MAGALHÃES, Josiane 4 ; FRANÇA, Flávia Maria

Leia mais

Planejamento Financeiro

Planejamento Financeiro Planejamento Financeiro I Curso Planejamento e Educação Financeira Uma parceria Órama e Dinheirama. Planejamento Financeiro Por Sandra Blanco Consultora de Investimentos da Órama, mais de anos de mercado,

Leia mais

COMPORTAMENTO SEGURO

COMPORTAMENTO SEGURO COMPORTAMENTO SEGURO A experiência demonstra que não é suficiente trabalhar somente com estratégias para se conseguir um ambiente de trabalho seguro. O ideal é que se estabeleça a combinação de estratégias

Leia mais

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Motivação para o Desempenho Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Heitor Duarte asbornyduarte@hotmail.com Márcio Almeida marciobalmeid@yahoo.com.br Paulo F Mascarenhas

Leia mais

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática 1 Sumário Introdução...04 O segredo Revelado...04 Outra maneira de estudar Inglês...05 Parte 1...06 Parte 2...07 Parte 3...08 Por que NÃO estudar Gramática...09 Aprender Gramática Aprender Inglês...09

Leia mais

Módulo: Seleção e Dinâmicas de Grupo Aula 1 Técnicas de Recrutamento e Seleção de Pessoas. Professora: Sonia Regina Campos

Módulo: Seleção e Dinâmicas de Grupo Aula 1 Técnicas de Recrutamento e Seleção de Pessoas. Professora: Sonia Regina Campos Módulo: Seleção e Dinâmicas de Grupo Aula 1 Técnicas de Recrutamento e Seleção de Pessoas Professora: Sonia Regina Campos Recrutamento Pontos Importantes que Antecedem R&S Planejamento junto às competências

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais