EDITORIAL T. APP Promove Curso de Formação de Técnico de Piscinas Unifamiliares / Privadas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EDITORIAL T. APP Promove Curso de Formação de Técnico de Piscinas Unifamiliares / Privadas"

Transcrição

1 Boletim Informativo da Associação Portuguesa de Profissionais de Piscinas, Instalações Desportivas e Lazer Janeiro-Fevereiro-Março 2008 Av. Brasil, 1 6.º LISBOA Tel.: Web: SUMÁRIO Editorial APP Promove Curso de Formação A Espanha na Presidência da EUSA APP Saúda Novos Membros APP Elege Novos Corpos Sociais Reuniões da Assembleia Geral da APP Salão de Piscinas 2008 Protocolo entre a Adm. Reg. de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo e a APP APP tem Novo Secretário APP Assina Protocolo Tomada de Posse da Subcomissão Técnica I Piscinas e Políticas Públicas EDITORIAL T omou posse, no princípio do ano, a nova direcção da APP. Temos boas razões para acreditar que esta nova direcção liderada pelo presidente Francisco Godinho de Oliveira que aceitou, ainda que com sacrifício pessoal, mas com sastifação, permanecer por mais três anos à frente dos destinos da APP, irá continuar o trabalho de qualidade que tem desenvolvido e onde os seus companheiros de direcção não se pouparam a esforços para projectar o bom-nome da APP, como a Associação mais representativa deste sector a nível nacional e internacional. Acreditamos que esta direcção, constituída por alguns novos elementos e elementos mais novos, irá contribuir para que os objectivos traçados sejam cumpridos. O trabalho desenvolvido neste primeiro trimestre é já garantia de sucesso. Assim todos se esforcem para aproveitar o que de melhor estamos a fazer, em conjunto com os nossos associados e muitas outras pessoas de boa vontade que se interessam pela melhoria do Sector que representamos. Bastará ler este boletim e constatar as acções importantes que estão a ser tratadas pela nossa Associação. A criação da Subcomissão Técnica 1, Piscinas e Spas CT 166 para desenvolver um trabalho na área da criação de projectos de normativos para piscinas, a realização do Curso Técnico para Técnicos de Piscinas Unifamiliares que agora vai arrancar, o protocolo de cooperação institucional entre a APP e a Escola Superior de Desporto de Rio Maior na área da formação, são alguns dos pontos altos deste trimestre e onde todos nos podemos rever como trabalho de grande utilidade para todos os profissionais. Assim saibamos dar de nós próprios e trabalhar em equipa. APP Promove Curso de Formação de Técnico de Piscinas Unifamiliares / Privadas O Secretário Geral J. Tavares dos Santos V em a APP, por este meio, apresentar a todos os interessados, o curso de Técnico de Piscinas Unifamiliares / Privadas (nível I), que gentilmente foi preparado pelo nosso associado e Secretário Geral Dr. José Tavares dos Santos. Este curso visa dotar os participantes de competências técnicas na área das piscinas unifamiliares e em várias das vertentes que uma piscina com estas características pode apresentar. Assim, em anexo, seguem os elementos necessários para que possa ser apreciado o conteúdo deste curso. A realização deste curso implica apenas uma deslocação dos formandos à sede da APP, para realizarem o exame final. Execução Gráfica: Grafilipe - Sociedade de Artes Gráficas, Lda. - Cadaval

2 A nossa associação optou por ministrar este curso à distância visto que compreendemos a dificuldade que é fazer deslocar recursos humanos da actividade dos nossos associados e/ ou colaboradores para a formação. Assim limitámos a deslocações ao mínimo possível, mesmo atendendo ao grau de complexidade que um curso como este representa. Para os nossos associados que queiram enviar mais do que dois participantes, passam a beneficiar de um desconto para o terceiro formando e seguintes, propostos pelo mesmo associado. Informações sobre este Curso de formação por correspondência: Inicio previsto a 1 de Maio (A APP reserva-se ao direito de alterar a data de realização do curso se o número de formandos inscritos for inferior a trinta) Fim a 1 de Julho (duração total de dois meses) Conteúdo programático: Conceito de piscina características e concepção Noções de posicionamento da piscina - terraplanagem, escavações e assentamento Classificação das piscinas - tipos de estruturas, capeamento Estanquicidade Características das estanquicidades Concepção do tratamento de água - filtração; circulação de água na piscina O transporte da água - a tecnologia das bombas, o dimensionamento da instalação O mecanismo da filtração - Os tipos de filtros, as instalações O Tratamento de água - noções de química O tratamento de água - características e equilíbrio da água Desinfectantes - Cloro e seus derivados, brómio e outros desinfectantes, sistemas de tratamento Noções sobre a transmissão de calor - a condução, a convecção, a irradiação Aquecimento da água das piscinas - os vários tipos de geradores de aquecimento Isolamento protecção, coberturas para piscinas Electricidade I Os acessórios das piscinas Renovação da água - tempo de recirculação, preparativos para o Inverno As Spas Classificação das piscinas Prevenção e segurança Avaliação: As avaliações do curso serão efectuadas, através de provas escritas, que serão enviadas todas as semanas. Duas provas por semana. Após o formando realizar a prova, esta deve ser devolvida obrigatoriamente à APP num prazo máximo de sete dias. A não realização de qualquer uma das provas e entrega fora de prazo serão consideradas como uma avaliação negativa podendo mesmo pôr em causa a avaliação final. No último dia do curso será efectuado um exame final na sede da APP (dia 1 de Julho de 2008). Certificados e Diplomas: Será atribuído um Certificado de Frequência a quem não conseguir atingir os objectivos mínimos. O Diploma de curso Técnico de Piscinas Unifamiliares será atribuído aos formandos que atinjam os objectivos mínimos, que entreguem todas as avaliações e compareçam também ao exame final. Preço: Para os nossos associados o preço por participante é de 300,00 + IVA. Cada associado pode inscrever mais do que um participante, o terceiro e demais participantes propostos pelo mesmo associado, beneficiarão de um desconto de 10%. Para os interessados, mas não associados da APP o preço é de 00,00 + IVA por participante. Inscrições e informações: Aceitam-se inscrições até ao dia 1de Maio de 2008 Associação Portuguesa de Piscinas, Instalações Desportivas e Lazer Av. do Brasil, 1 6.º Sala Lisboa Telefone: (+31) A Espanha na Presidência da EUSA D ecorreu em Fevereiro, em Barcelona, mais uma reunião institucional da EUSA European Union of National Swimming Pool and Spa s Associations, na qual tomou posse a nova direcção, presidida pelo espanhol Luis Cortéz Alvarez. Depois das presidências francesa e alemã, coube agora a vez aos membros espanhóis que vão administrar a EUSA nos próximos dois anos ( ). Os objectivos mantêm-se os mesmos da direcção anterior, em que se enquadra a preocupação no acompanhamento da proposta de norma europeia 1288 que está a ser elaborada em Bruxelas pelo grupo de trabalho de CEN e para a qual a EUSA tem proposto alterações significativas. De realçar que a EUSA procura que seja feita a diferença entre piscinas de uso público e piscinas unifamiliares. De modo a estar mais perto dos órgãos de decisão na Europa, a presidência espanhola decidiu fazer algumas das suas reuniões em Bruxelas, mantendo-se as restantes em Barcelona. A APP, através do seu presidente Francisco Godinho de Oliveira continua a manter uma estreita relação com os outros membros europeus da EUSA, procurando nestas relações multilaterais, retirar benefícios para o Sector em Portugal.

3 APP Saúda os Novos Membros Associados É com muita satisfação que passamos a indicar os novos membros associados da APP que entraram neste trimestre: - Madeira Correia - Engenharia e Construção - Lisboa - Carlos Manuel Calvinho Corvo - Lisboa De referir que todos os novos associados se comprometem a respeitar os estatutos da APP e a pautar a sua conduta profissional segundo as regras de bom comportamento cívico e técnico. APP Elege os Novos Corpos Sociais para o Triénio de Realizou-se no dia 20 de Novembro de 2007, na Sede da APP em Lisboa, a Reunião Eleitoral para eleição dos Corpos Sociais para o triénio de , tendo sido votada a única lista apresentada à eleição, com o nome de Lista A. Esta lista recebeu o apoio total dos associados votantes, com todos a votarem a favor, pelo que não apareceu nenhum voto contra ou abstenção. Nesta conformidade, a partir de 1 de Janeiro de 2008 e até 31 de Dezembro de 2010, a APP vai ser gerida pelos seus Corpos Sociais agora eleitos, cujas empresas associadas e seus representantes são os seguintes: MESA DA ASSEMBLEIA-GERAL Presidente: MARPIC, representada por Martins Bacalhau Vice-Presidente: ANA & MIGUEL, representada por Valter Miranda Secretário: MCM, representada por Rodrigues Magalhães Vogal: R. TEIXEIRA PISCINAS, representada por Raul Teixeira Vogal: LISBOMBAS, representada por Américo Francisco DIRECÇÃO Presidente: TECNERSOL, representada por Godinho de Oliveira Vice-Presidente: MARAZUL, representada por Hugo Candeias Secretário: CRISTAL, representada por Francisco do Carmo Secretário: QUIMIFLUIDOS, representada por Ricardo Miguel Tesoureiro: SCP, representada por Filipa Santos CONSELHO FISCAL Presidente: ANTÓNIO RAMALHO, LDA., representada por António Ramalho Vogal: VÍTOR MARTINS, LDA, representada por Vítor Martins Vogal: INSTALSPORT, representada por Paulo Aparício Reuniões da Assembleia-Geral, Ordinária e Extraordinária da APP Realizou-se a 19 de Fevereiro de 2008, na Sede da APP em Lisboa, duas Reuniões de Assembleia-Geral, uma Ordinária e outra Extraordinária, convocadas em devido tempo e que visavam a votação dos temas abaixo apresentados e que apresentaram os resultados seguintes: Assembleia-Geral Ordinária: 1 - Apresentação, discussão e votação do Relatório e Contas da Direcção do ano de 2007 e apreciação do parecer do Conselho Fiscal referente ao ano de Assembleia-Geral Extraordinária: 1 Apreciação, discussão e votação do Orçamento Provisional para Apreciação, discussão e votação do Plano de Actividades para o ano de Proposta para que, no futuro, as convocatórias para as Assembleias-Gerais, passem a ser feitas por para todos os associados, à excepção dos que não tiverem , que serão, obviamente, enviadas por carta.

4 Protocolo de Cooperação Assinado entre a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo e a APP A APP e a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT), através dos seus representantes, o Presidente da APP, Dr. Francisco Godinho de Oliveira e o Delegado Regional de Saúde, Dr. António Suspiro, oficializaram, no passadio dia 31 de Março, uma parceria que visa, entre outras medidas, institucionalizar os Encontros de Saúde em Piscinas considerados os maiores encontros de Saúde em Piscinas realizados em Portugal, sendo uma organização conjunta da ARSPLVT e da APP e que têm obtido um sucesso extraordinário desde o seu início. De realçar que esta cooperação é mais um marco do esforço institucional e projecção que a APP continua a obter junto da tutela. APP tem um Novo Secretário com grato prazer que informamos É que a APP, tem a partir deste momento, um novo Secretário, o Dr. Luís Fraga, licenciado em Gestão de Recursos Humanos pela Universidade Lusófona. Graças à fluência dos seus conhecimentos de inglês e francês e ao desenvolvimento da sua actividade profissional em Portugal e Macau, acreditamos que será um elemento dinamizador da APP junto dos asso- ciados, da tutela e das nossas congéneres europeias. Informamos que o nosso novo Secretário passará a desenvolver o seu trabalho na sede da APP, na Av. do Brasil em Lisboa, diariamente, das 14 às 18 horas, agradecendo que seja contactado neste horário. A direcção da APP deseja ao Dr. Luís Fraga as maiores felicidades no desempenho das suas funções. APP Assina Protocolo com a Escola Superior de Desporto de Rio Maior A APP e a Escola Superior de Desporto de Rio Maior (ESDRM) assinaram no mês de Fevereiro um protocolo de cooperação visando um trabalho conjunto na área da formação e apoio institucional. A cerimónia teve lugar na Escola Superior de Desporto de Rio Maior e contou com a presença, por parte da ESDRM, do Prof. Dr. Abel Silva, do Dr. António Moreira e do Dr. Pedro Raposo, tendo representado a APP o Dr. Godinho de Oliveira e Dr. Tavares dos Santos. De realçar o reconhecimento pelo trabalho desenvolvido por ambas as instituições e o desejo de concretizar projectos na área da formação, que se espera, sejam realizados ainda durante este ano.

5 Tomada de Posse da Subcomissão Técnica 1, Piscinas e Spas da CT-166 N o dia 19 de Fevereiro de 2006, reuniram-se na Sede da APP os elementos constitutivos das várias instituições representadas em reuniões anteriores, com o fim de oficializarem a criação e tomada de posse da Subcomissão Técnica 1, Piscinas e Spas da Comissão Técnica 166 do CATIM, e que visa abordar a legislação existente sobre piscinas e procurar estudar as metodologias necessárias à elaboração de projecto de alteração da directiva do CNQ 23/93, bem como da elaboração do texto de proposta para a criação de projecto de normativos sobre a qualidade da água em piscinas. Fizeram-se representar nesta tomada de posse os representantes institucionais e independentes seguintes: Ana Paula Contreiras DGC António Matos ARSPLVT Godinho de Oliveira - APP Helena Cardoso Menezes CT 166 e APSI José Anjos ISN Manuela Ruaz IDP Nuno Dias FPN Nuno Leitão ISN Paulo Diegues DGS Sandra Ricardo - AECOPS Sónia Galvão APSI Tavares dos Santos APP Vera Nunes Chapado ITP Vítor Martins DGS Vitorino de Matos Beleza ISEP Foram constituídos vários Grupos de Trabalho nas seguintes áreas: Arquitectura, Segurança/Equipamentos e Acessórios, Saúde, Gestão e Energia. SUBCOMISSÃO TÉCNICA 1 PISCINAS E SPAS, DA CT 166 Coordenador: José Tavares dos Santos da APP Coordenadores dos Grupos de Trabalho: Área de Arquitectura: Vera Chapado do ITP/IP Área da Segurança/Equipamentos e acessórios: Sónia Galvão da APSI Área da Saúde: Paulo Diegues da DGS Área da Gestão: Assunção Pinto da APOGESD Área da Energia: Godinho de Oliveira da APP Gestor da Plataforma Informática: Nuno Dias da FPN e Grupos de Trabalho Arquitectura - Henrique Tato Marinho - APAP - Nuno Dias - FPN - Sandra Ricardo AECOPS - Vera Chapado ITP/IP - Vítor Martins APP Segurança/Equipamentos e Acessórios - António Candeias APP - António Moreira - APTN - Nuno Dias - FPN - Nuno Leitão ISN - Sónia Galvão - APSI Saúde - António Matos ARSLVT - Marta Pinto - ISEP - Paulo Diegues DGS - Rosaria Santos - ISEP - Vitorino de Matos Beleza ISEP Gestão - António Matos ARSLVT - António Moreira - APTN - Assunção Pinto APOGESD - Nuno Dias - FPN - Nuno Leitão ISN Energia - Godinho de Oliveira APP - Marques Dias APP - Rosa Maria Pilão - ISEP

6 Piscinas e Políticas Públicas (*) A. Cabral Faria (**) Ao atentarmos nas características e condições presentes nas instalações de promoção pública no nosso País - mesmo nas mais recentes -, verifica-se que a ideia prevalecente do que se entende por Piscina e quais as suas funções, se mantém dentro dos parâmetros conservadores ditados para os espaços gímnicos em meados do século passado ou, se se quiser, como ginásios aquáticos, organizados e vocacionados para o treino, a preparação e a competição da natação pura, ainda que por vezes integre, acessoriamente, condições para o seu ensino e aperfeiçoamento. Espantoso é que, esta ideia, expressa desde logo na geometria dos tanques destinados ao banho - rectângulos com 2 ou 0 m de comprimento -, nos dias de hoje mantém os seus adeptos mesmo em locais e estabelecimentos - sejam hotéis, parques de campismo ou centros de férias, cujas actividades supostamente se dirigem à exploração dos paradigmas dos tempos livres e do turismo, e o mesmo é dizer, da oferta de condições informais e criativas destinadas à recreação e ao lazer. Não se pense, porém, que o carácter agonístico prevalecente na maioria das piscinas existentes decorre de uma completa submissão aos valores e exigências do universo das modalidades de âmbito federado. Na verdade, a opção dominante nos anos mais recentes - tipologias de piscinas com 2m de comprimento, larguras de 17, 21 e 2m, e profundidades de 2m -, embora sendo a que mais se ajusta aos especiais requisitos da natação pura, não contempla porém, e ao mesmo nível, as condições exigidas por outras modalidades sujeitas à mesma tutela federativa, como o pólo aquático, a natação sincronizada e os saltos para a água, para já não falar de outras actividades organizadas e concorrentes nesses espaços, como a iniciação e a formação em mergulho subaquático ou a natação de salvamento. Se nos alongássemos na análise das piscinas existentes outros aspectos factuais deste género poderiam ser indicados e que ilustram o estereotipo que se cola à imagem da PISCINA pública. Retomando a questão inicial e contornando aspectos de natureza etimológica a favor duma apreensão do conceito em termos físicos e construtivos, atentemos na seguinte formulação conceptual, decorrente das expectativas dos potenciais utentes para definir PISCINA como todo o espaço concebido e organizado em torno de um meio aquático confinado e controlado, para a expressão e fruição de um vasto conjunto de actividades lúdicas e motoras. Dir-se-á que é mais uma entre muitas outras definições possíveis. No entanto, esta formulação, pela sua abrangência, contempla o amplo leque de potencialidades de uso, que vai da aprendizagem e aquisição de competências básicas de locomoção no meio aquático, aos mais variados modos de recreação, de convívio e de expressão lúdica no fascinante meio que é a água, passando pelas actividades ligadas à condição física e à reabilitação, sem esquecer as práticas especificas ligadas ao rendimento desportivo. Uma tal abrangência, que permite uma grande concomitância de usos, envolvendo utentes de várias gerações, de diferentes origens e motivações, coloca a PISCINA num plano especial relativamente a outros equipamentos desportivos públicos, mesmo os ditos de base. Este potencial, para alguns (bons) observadores, só encontra paralelo em outros espaços de uso público como os modernos parques de diversões e centros comerciais, com toda a panóplia de ofertas de serviços e de actividades para uma diversidade de clientes e de interesses. De facto, não se vislumbra possível conjugar uma tal variedade de actividades e de clientes potenciais de uma PISCINA em outros espaços desportivos, seja num complexo de campos de jogos, em pistas de atletismo ou até mesmo em salas de desporto, apesar da evolução e multiplicidade de serviços que se tem verificado nestas. Será também por essas virtualidades que, em vários países e regiões (Canadá, Suíça, Catalunha,...), as piscinas públicas são consideradas equipamentos centrais e estratégicos nas políticas públicas de promoção das actividades físicas e desportivas. Noutros locais, poderes públicos cientes da importância social destes equipamentos, e também do peso dos encargos envolvidos na sua realização e no funcionamento, vêm fixando, com carácter normativo, metas de programação especialmente dirigidas à satisfação de um maior leque de valências, ou seja, que sirva um mais amplo leque de públicos. Em consequência, e no plano internacional, têm carácter excepcional os casos de promoção pública de instalações de polivalência restrita ou de vocação especializada para o desporto de rendimento, e mesmo aí, apenas quando apoiados em programas e condições de desenvolvimento desportivo que solidamente o justifiquem. Nesse sentido estão as opções dominantes em várias regiões do EUA e do Canadá, por exemplo, onde praticamente só existem piscinas de tipo agonístico ou de vocação desportiva, em instalações universitárias (sobretudo privadas) e, na sua maioria, para acolher e dar continuidade à forte tradição e participação dessas escolas nos quadros competitivos das disciplinas aquáticas. Entre nós então, e retomando a questão inicial, que piscinas e que destinatários devem elas privilegiar, subentendido que se trata aqui de equipamentos promovidos pelos poderes públicos? A resposta não é imediata e a sua complexidade decorre de factores de ordem social e económica que colocam o problema no âmbito das estratégias do poder local e das políticas de desenvolvimento e de ordenamento do território. Certo é que, e de um modo geral, será no contexto do desenvolvimento dos grandes aglomerados urbanos e das suas periferias que se configuram os quadros de organização social e territorial mais críticos do País, situação que recomendaria um tratamento mais cuidado da problemática da satis-

7 Cabral Faria fação da procura de espaços para as actividades desportivas e recreativas. Com efeito, às dificuldades de mobilidade e outras resultantes do crescimento desordenado das nossas cidades - que assentou sobretudo em critérios de criação de mais-valias imobiliárias e na proliferação de zonas habitacionais desprovidas de elementares equipamentos de serviços -, junta-se agora a emergência de uma nova realidade social e demográfica, em que sectores desfavorecidos da população, constituídos pelos idosos, pelos deficientes, pelos desempregados e imigrantes, reclamam soluções adequadas às suas expectativas e necessidades específicas, no quadro do direito à igualdade de oportunidades e de acesso às actividades de lazer e desporto. Face à incontornável e crescente urbanização do território, com a concentração da população em cidades e ambientes cada vez mais hostis à vida do homem, e com o dramático envelhecimento da população, fará todo o sentido, exigir dos poderes públicos, esforços mais concertados na defesa e reconquista de espaços públicos que se destinem às actividades físicas e ao lazer activo. No cerne desses esforços, há que ter em conta o papel central a reservar às Piscinas, já que estes equipamentos se podem constituir como referências e locais de animação da vida comunitária, desde que adequadamente concebidas e vocacionadas para o universo das actividades físicas (lúdicas ou desportivas) aquáticas, factores que se afiguram incontornáveis no contexto de qualquer estratégia de promoção de modos de vida activa entre a população e de combate ao imobilismo. Uma tal via passa, necessariamente, por alterações no plano das políticas e dos paradigmas usados na confecção das bases programáticas que até agora têm suportado e servido de modelos às piscinas públicas, através da adopção de programas que realcem e valorizem os espaços de vocação recreativa e de uso informal, e não tanto pela continuada aposta em soluções que privilegiem as exigências da natação de rendimento. Em concreto, porque apesar do crescimento quantitativo dos últimos anos, a rede de piscinas públicas no País evidencia ainda grandes assimetrias de distribuição e insuficiências várias ao nível dos serviços oferecidos, as decisões neste âmbito terão que, prioritariamente, prover à satisfação das necessidades educativas e da aquisição de competências básicas de locomoção aquática por parte da população em idade escolar. Em paralelo, e para uma ampla cobertura das necessidades de um público diversificado, os programas para as novas piscinas públicas terão que contemplar a oferta de outros serviços, sem excluir os de natureza desportiva ou agonística, mas, e sobretudo, apostar na oferta de opções atractivas e com alto valor lúdico no campo da expressão físico-motora, tendo presente que, embora com especificidades variáveis, as várias categorias de utentes potenciais continuam ávidos por melhores condições e maior diversidade de serviços. Só em condições suportadas em tais premissas, a PISCINA pública poderá abrir-se a outras potenciais utilizações, desde os jogos aquáticos para as crianças, aos serviços e funções ligadas à recreação e às novas vias de manutenção da condição e do bem-estar físico (Wellness) para os adultos, e assim contribuir para contrariar a tendência para o sedentarismo instalada na nossa sociedade. Importa assim que, previamente a qualquer intervenção no domínio da criação ou da reabilitação de piscinas públicas, os decisores se questionem acerca das expectativas dos destinatários e desenvolvam as reflexões e os estudos que fundamentem e permitam compreender a importância destes equipamentos enquanto pontos de encontro, de convívio, de agregação e de integração social, em condições de segurança e de qualidade sanitária, e por aí promover a superação das tradicionais barreiras existentes entre largos sectores da população à margem de hábitos de vida activos e saudáveis. As visíveis alterações nos modos de vida e nas formas de organização do trabalho e dos tempos livres, a par da evolução da realidade sócio-demográfica no País, não podem ser ignoradas pelos decisores, pelo que, cada nova intervenção, deveria constituir ocasião para uma cuidada reflexão sobre as necessidades dos futuros utilizadores, sob risco de que, a breve prazo, as instalações recreativas em geral, e as piscinas públicas em particular, se convertam em peças de arqueologia ou em tristes monumentos à memória de uma geração de decisores que não soube ler as transformações sociais em curso e acautelar o futuro. (*) O presente texto foi adaptado da comunicação apresentada sob o título Que Piscinas? E para Quem? no Fórum Carta do Desporto do Concelho de Cascais. (**) Engenheiro Civil, Técnico Superior do Instituto do Desporto de Portugal, Sócio Honorário da APP

Pack Entidade Pack Utente Pack Entidade Pack Utente A FPN é uma das entidades habilitadas à formação certificada que conferirá os

Pack Entidade Pack Utente Pack Entidade Pack Utente A FPN é uma das entidades habilitadas à formação certificada que conferirá os PORTUGAL A NADAR A FPN é a entidade que superintende e certifica as atividades ligadas à prática da natação e pretende, com a sua experiência na missão de melhorar as condições de prática das disciplinas

Leia mais

PACTO SOCIAL DO MONTE DESENVOLVIMENTO ALENTEJO CENTRAL, A.C.E. CAPTULO PRIMEIRO DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO PRIMEIRO. (Denominação)

PACTO SOCIAL DO MONTE DESENVOLVIMENTO ALENTEJO CENTRAL, A.C.E. CAPTULO PRIMEIRO DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO PRIMEIRO. (Denominação) PACTO SOCIAL DO MONTE DESENVOLVIMENTO ALENTEJO CENTRAL, A.C.E. CAPTULO PRIMEIRO DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO PRIMEIRO (Denominação) O Agrupamento adopta a denominação de Monte - Desenvolvimento Alentejo Central,

Leia mais

Associação de Voluntariado da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Lamego (AVESTGL)

Associação de Voluntariado da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Lamego (AVESTGL) Associação de Voluntariado da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Lamego AVESTGL (Em fase de Publicação em DR) ESTATUTOS Capítulo I (Constituição e fins) Artigo 1º 1. É constituída uma associação

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO. Programa Viver Solidário/ Normas Página 1

NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO. Programa Viver Solidário/ Normas Página 1 NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO Programa Viver Solidário/ Normas Página 1 PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO NORMAS DE FUNCIONAMENTO 1.INTRODUÇÃO A prática de actividades de animação regular e sistemática,

Leia mais

DOCUMENTO COMPLEMENTAR, elaborado nos termos do art.º 64.º n.º 2 do Código do Notariado, contendo os estatutos da associação denominada APIPSIQ - ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE INTERNOS DE PSIQUIATRIA. ESTATUTOS

Leia mais

Declaração de Princípios.

Declaração de Princípios. POR UMA NOVA ANTRAM MAIS FORTE E INTERVENTIVA Regular o Mercado Fortalecer as Empresas Modernizando e Qualificando o Sector Reforçar o apoio aos associados. Programa eleitoral da Lista A Candidata aos

Leia mais

CONVOCATÓRIA ASSEMBLEIA-GERAL EXTRAORDINÁRIA ASSEMBLEIA-GERAL EXTRAORDINÁRIA ORDEM DE TRABALHOS

CONVOCATÓRIA ASSEMBLEIA-GERAL EXTRAORDINÁRIA ASSEMBLEIA-GERAL EXTRAORDINÁRIA ORDEM DE TRABALHOS CONVOCATÓRIA ASSEMBLEIA-GERAL EXTRAORDINÁRIA Ao abrigo do n.º 5 e do n.º 2 do artigo 17º, dos artigos 16º, 34º e da alínea a) do n.º 2 do artigo 23º dos Estatutos, convoco os senhores Associados para uma

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PESSOAS COM DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM ESPECÍFICAS ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO. (Denominação, Sede, Objecto e Duração)

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PESSOAS COM DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM ESPECÍFICAS ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO. (Denominação, Sede, Objecto e Duração) ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PESSOAS COM DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM ESPECÍFICAS ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO (Denominação, Sede, Objecto e Duração) Artigo Primeiro A APPDAE - Associação Portuguesa de Pessoas

Leia mais

ESTATUTOS DO CLUBE PAN EUROPEAN DE PORTUGAL

ESTATUTOS DO CLUBE PAN EUROPEAN DE PORTUGAL ESTATUTOS DO CLUBE PAN EUROPEAN DE PORTUGAL CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E MARCAS DA HONDA ARTIGO 1º É constituída uma associação sem fins lucrativos denominada "Clube Pan European de Portugal", adiante

Leia mais

COMISSÃO EXECUTIVA. c) Um docente por cada Unidade Orgânica, nomeado pelo Presidente do IPC,

COMISSÃO EXECUTIVA. c) Um docente por cada Unidade Orgânica, nomeado pelo Presidente do IPC, REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO DE VOLUNTARIADO SOCIAL DO IPC E DA COMISSÃO EXECUTIVA Artigo 1º (Âmbito) De acordo com o estabelecido no ponto 5 do Artigo 4º do Regulamento de Enquadramento da Rede do

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE FORMAÇÃO DA APEI - ASSOCIAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO DE INFÂNCIA

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE FORMAÇÃO DA APEI - ASSOCIAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO DE INFÂNCIA REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE FORMAÇÃO DA APEI - ASSOCIAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO DE INFÂNCIA CAPITULO I DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, PRÍNCIPIOS GERAIS, DURAÇÃO E FINS DO CENTRO DE FORMAÇÃO ARTIGO

Leia mais

APGC. Associação Portuguesa de Gestão Cultural. Pacto Social

APGC. Associação Portuguesa de Gestão Cultural. Pacto Social APGC Associação Portuguesa de Gestão Cultural Pacto Social Constituída por escritura pública a 09 de Novembro de 2001 Capítulo I Denominação, Natureza, Sede, Objecto, Missão e Objectivos Artigo 1.º - Denominação

Leia mais

Regulamento Geral dos Grupos de Estudo, das Secções, das Sociedades Afiliadas e quadro de relacionamento com Sociedades

Regulamento Geral dos Grupos de Estudo, das Secções, das Sociedades Afiliadas e quadro de relacionamento com Sociedades 1º Introdução A Sociedade Portuguesa de Ortopedia e Traumatologia, seguindo a evolução da Ciência Ortopédica e à semelhança de Sociedades Científicas congéneres de países economicamente desenvolvidos,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Maio de 2011 PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Esta Pós-Graduação resulta da parceria entre a APEL

Leia mais

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Nós, representantes democraticamente eleitos dos Parlamentos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné- Bissau, Moçambique, Portugal,

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS E AMIGOS DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE LEAL DA CÂMARA RIO DE MOURO ESTATUTOS

ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS E AMIGOS DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE LEAL DA CÂMARA RIO DE MOURO ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS E AMIGOS DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE LEAL DA CÂMARA RIO DE MOURO ESTATUTOS ARTIGO 1º (Constituição) A Associação dos Antigos Alunos e Amigos da Escola Secundária de Leal da Câmara,

Leia mais

Associação de Estudantes

Associação de Estudantes DIREÇÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES DIREÇÃO DE SERVIÇOS DA REGIÃO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ESCALADA, PAMPILHOSA DA SERRA Ano Letivo 2014/2015 Associação de Estudantes Objetivos A. Representar

Leia mais

Comissão Social Inter Freguesias da Zona Central

Comissão Social Inter Freguesias da Zona Central Comissão Social Inter Freguesias da Zona Central Regulamento Interno Preâmbulo O Regulamento Interno estabelece a constituição, organização e funcionamento da Comissão Social Inter Freguesia da Zona Central,

Leia mais

Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento de Escolas Professor Paula Nogueira

Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento de Escolas Professor Paula Nogueira Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento de Escolas Professor Paula Nogueira Capítulo I Da denominação, natureza e fins Artigo 1.º Denominação A Associação de Pais e Encarregados

Leia mais

Regulamento Interno da Sociedade de Hematologia e Oncologia da Sociedade Portuguesa de Pediatria

Regulamento Interno da Sociedade de Hematologia e Oncologia da Sociedade Portuguesa de Pediatria Regulamento Interno da Sociedade de Hematologia e Oncologia da Sociedade Portuguesa de Pediatria Capítulo I (Denominação, sede, estrutura e objectivos) Artigo 1.º (Denominação) A Sociedade de Hematologia

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE. (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001)

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE. (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001) REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001) REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE (Aprovado na 23ª Reunião

Leia mais

Estatutos da Associação Portuguesa de Geomorfólogos (publicados em Diário da República - III Série, nº 297, de 27 de Dezembro de 2000)

Estatutos da Associação Portuguesa de Geomorfólogos (publicados em Diário da República - III Série, nº 297, de 27 de Dezembro de 2000) Estatutos da Associação Portuguesa de Geomorfólogos (publicados em Diário da República - III Série, nº 297, de 27 de Dezembro de 2000) CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, SEDE, DURAÇÃO, OBJECTIVOS, ÂMBITO Art.º 1º

Leia mais

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Janeiro/2004 INTRODUÇÃO A experiência da acção social no âmbito da intervenção e acompanhamento das famílias em situação de grande vulnerabilidade social,

Leia mais

Estiveram presentes 98 técnicas em representação de 66 Instituições.

Estiveram presentes 98 técnicas em representação de 66 Instituições. 1. No dia 4 de Dezembro, a União Distrital de Santarém em parceria com Segurança Social, levou a efeito o ultimo dos 5 encontros realizados em várias zonas do distrito, sobre o tema "Encontros de Partilha",

Leia mais

PROPOSTA DA DIRECÇÃO DO SPN

PROPOSTA DA DIRECÇÃO DO SPN PROPOSTA DA DIRECÇÃO DO SPN ESTATUTOS DO SINDICATO DOS PROFESSORES DO NORTE PROPOSTA DE ALTERAÇÃO 24.NOV.2009 TEXTO ACTUAL TEXTO DA PROPOSTA (alterações a vermelho e sublinhadas) Capítulo I - DA CONSTITUIÇÃO,

Leia mais

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências da Comunicação Regulamento Julho de 2008 CAPÍTULO I Natureza, Missão, Atribuições e Constituição Artigo 1º Natureza O Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO Objectivo da Carta... 3 Definição e âmbito de aplicação da Carta... 3 O movimento desportivo... 4 Instalações e actividades... 4 Lançar as bases... 4 Desenvolver a participação...

Leia mais

ESTATUTOS. C a p í t u l o I Princípios Gerais

ESTATUTOS. C a p í t u l o I Princípios Gerais ESTATUTOS C a p í t u l o I Princípios Gerais Artigo 1º - Denominação e Princípios Com a denominação de PCI Paramédicos de Catástrofe Internacional, constitui-se, como associação, por tempo indeterminado,

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DA COMUNIDADE DO ACES ALENTEJO CENTRAL 2

REGULAMENTO DO CONSELHO DA COMUNIDADE DO ACES ALENTEJO CENTRAL 2 REGULAMENTO DO CONSELHO DA COMUNIDADE DO ACES ALENTEJO CENTRAL 2 O Decreto-Lei n.º 28/2008 publicado em Diário da República, 1ª série, Nº 38, de 22 de Fevereiro de 2008, que criou os agrupamentos de Centros

Leia mais

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes 2 Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Índice 1 Plano Estratégico Nacional do Turismo (PENT) 2 Crédito

Leia mais

REGULAMENTO DA PARCERIA TERRITORIAL Alentejo Central [2014-2020]

REGULAMENTO DA PARCERIA TERRITORIAL Alentejo Central [2014-2020] REGULAMENTO DA PARCERIA TERRITORIAL Alentejo Central [2014-2020] PREÂMBULO A Parceria Territorial Alentejo Central [2014-2020] resulta da dinâmica do Conselho de Cooperação para o acompanhamento à Iniciativa

Leia mais

mais PAIXÃO mais ACÇÃO mais ENERGIA mais VANTAGENS mais ACP

mais PAIXÃO mais ACÇÃO mais ENERGIA mais VANTAGENS mais ACP PAIXÃO mais ACÇÃO mais ENERGIA mais VANTAGENS mais ACP VOTE CARLOS BARBOSA 2011/2015 ÓRGÃOS SOCIAIS DIRECÇÃO PRESIDENTE Carlos de Alpoim Vieira Barbosa, sócio 14294 Miguel António Igrejas Horta e Costa

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JOVENS AUTARCAS SOCIALISTAS

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JOVENS AUTARCAS SOCIALISTAS ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JOVENS AUTARCAS SOCIALISTAS Capítulo I Da denominação, Fins, Duração e Sede Artigo 1.º Designação É constituída uma associação denominada Associação Nacional de Jovens

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO A Carta Europeia do Desporto do Conselho da Europa é uma declaração de intenção aceite pelos Ministros europeus responsáveis pelo Desporto. A Carta Europeia do Desporto

Leia mais

II Curso de E-learning

II Curso de E-learning Associação Portuguesa dos Técnicos de Natação Complexo de Piscinas Municipais de Rio Maior Estradas das Marinhas 2040 Rio Maior II Curso de E-learning O Técnico de Manutenção de Piscinas de Uso Colectivo

Leia mais

Regulamento interno da Caminhar com rumo - Associação Juvenil

Regulamento interno da Caminhar com rumo - Associação Juvenil Regulamento interno da Caminhar com rumo - Associação Juvenil Capítulo I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1º Denominação e sede social 1. A Associação tem a denominação Caminhar com rumo - Associação Juvenil,

Leia mais

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva 1. INTRODUÇÃO Pretende-se com o presente trabalho, desenvolver uma rede de percursos cicláveis para todo o território do Município do Barreiro, de modo a promover a integração da bicicleta no sistema de

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA UNIVERSIDADE SÉNIOR DO SEIXAL - UNISSEIXAL

REGULAMENTO INTERNO DA UNIVERSIDADE SÉNIOR DO SEIXAL - UNISSEIXAL REGULAMENTO INTERNO DA UNIVERSIDADE SÉNIOR DO SEIXAL - UNISSEIXAL (alteração aprovada na Assembleia-geral de 10 de Fevereiro de 2009) PREÂMBULO A Casa do Educador do Concelho do Seixal nasceu em 2002 e

Leia mais

LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL)

LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL) LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL) Com as alterações introduzidas pelas seguintes leis: Lei n.º 80/98, de 24 de Novembro; Lei n.º 128/99, de 20 de Agosto; Lei n.º 12/2003,

Leia mais

Estatutos CAPÍTULO I. Definições gerais ARTIGO 1º. Denominação, natureza e duração

Estatutos CAPÍTULO I. Definições gerais ARTIGO 1º. Denominação, natureza e duração , Estatutos CAPÍTULO I Definições gerais ARTIGO 1º Denominação, natureza e duração 1. A Federação Académica Lisboa, adiante designada por FAL, é a organização representativa das Associações de Estudantes

Leia mais

Condeixa Aqua Clube. Proposta de patrocínio

Condeixa Aqua Clube. Proposta de patrocínio Condeixa Aqua Clube Proposta de patrocínio Indice 1. Apresentação do Clube 3 2. Modalidades.... 4 3. Corpos Sociais..... 5 4. Técnicos 6 5. Atletas... 7 6. Instalações. 8 7. Estatutos e Regulamentos......

Leia mais

ÍNDICE: Novembro de 2009

ÍNDICE: Novembro de 2009 ÍNDICE: 1. Início Ano Lectivo 2. Portugal Tecnológico 3. Gripe A Plano Contingência 4. Espaço de Leitura 5. Sonangol 6. Novos Órgãos Sociais da ETLA 7. Medalha de Mérito Concelho de Santiago do Cacém 8.

Leia mais

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 I ENQUADRAMENTO INSTITUCIONAL... 4 II PLANO DE ATIVIDADES PARA 2016... 6 1. EIXO 1 PROFISSIONALIZAÇÃO DE SERVIÇOS 6

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 I ENQUADRAMENTO INSTITUCIONAL... 4 II PLANO DE ATIVIDADES PARA 2016... 6 1. EIXO 1 PROFISSIONALIZAÇÃO DE SERVIÇOS 6 PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO 2016 ÍNDICE ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 I ENQUADRAMENTO INSTITUCIONAL... 4 1. Princípios de Ação.4 2. Recursos Organizacionais.4 3. Recursos Humanos 5 4. Recursos Físicos

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 502/VIII CRIAÇÃO DA ÁREA METROPOLITANA DE VISEU. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 502/VIII CRIAÇÃO DA ÁREA METROPOLITANA DE VISEU. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 502/VIII CRIAÇÃO DA ÁREA METROPOLITANA DE VISEU Exposição de motivos Viseu possui hoje uma localização perfeitamente central na área do respectivo distrito, o qual lidera em termos

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE SUBSÍDIOS E APOIOS ÀS ASSOCIAÇÕES/COLECTIVIDADES SEM FINS LUCRATIVOS DO MUNICÍPIO DE BORBA

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE SUBSÍDIOS E APOIOS ÀS ASSOCIAÇÕES/COLECTIVIDADES SEM FINS LUCRATIVOS DO MUNICÍPIO DE BORBA REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE SUBSÍDIOS E APOIOS ÀS ASSOCIAÇÕES/COLECTIVIDADES SEM FINS LUCRATIVOS DO MUNICÍPIO DE BORBA Praça da República 7150-249 Borba Telf.: 268 891 630 Fax: 268 894 806 balcaounico@cm-borba.pt

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2014

PLANO DE ACTIVIDADES 2014 PLANO DE ACTIVIDADES 2014 A - INTRODUÇÃO O ano de 2013 que agora termina, foi decisivo para a continuidade da Fundação do Desporto. O Governo, através do Sr. Ministro-Adjunto e dos Assuntos Parlamentares,

Leia mais

ESTATUTOS DO DESAFIO JOVEM (TEEN CHALLENGE) PORTUGAL CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO E OBJECTIVOS

ESTATUTOS DO DESAFIO JOVEM (TEEN CHALLENGE) PORTUGAL CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO E OBJECTIVOS ESTATUTOS DO DESAFIO JOVEM (TEEN CHALLENGE) PORTUGAL CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO E OBJECTIVOS Artigo 1º A Associação Desafio Jovem (Teen Challenge) Portugal, doravante Associação, é uma Associação de Solidariedade

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL REGULAMENTO. Artigo 1º. (Natureza) Artigo 2º. (Objectivos)

CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL REGULAMENTO. Artigo 1º. (Natureza) Artigo 2º. (Objectivos) CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL REGULAMENTO Artigo 1º (Natureza) O Conselho Municipal de Desenvolvimento Económico e Social (CMDES) é um órgão de reflexão e consulta no domínio

Leia mais

PACTO SOCIAL (Março 2009)

PACTO SOCIAL (Março 2009) NORMA-AÇORES, SOCIEDADE DE ESTUDOS E APOIO AO DESENVOLVIMENTO REGIONAL, S. A. E S T A T U T O S CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE E OBJECTO Artigo 1.º (Firma) 1. Nos termos da lei e dos presentes estatutos,

Leia mais

Associação Contraditório. Estatutos

Associação Contraditório. Estatutos Associação Contraditório Estatutos CAPÍTULO I Denominação, Princípios e Objectivos Artigo 1º (Denominação, sede e duração) 1. A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação ASSOCIAÇÃO CONTRADITÓRIO,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CLUBE VARADERO CROSSTOURER PORTUGAL

REGULAMENTO INTERNO CLUBE VARADERO CROSSTOURER PORTUGAL REGULAMENTO INTERNO CLUBE VARADERO CROSSTOURER PORTUGAL pag 1 de 11 REGULAMENTO INTERNO A - Sócios Efectivos 1. A inscrição de um novo sócio deve ser precedida de uma proposta de admissão que será entregue

Leia mais

ESTATUTOS AEMP ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS DE MUDANÇAS DE PORTUGAL

ESTATUTOS AEMP ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS DE MUDANÇAS DE PORTUGAL ESTATUTOS DA AEMP ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS DE MUDANÇAS DE PORTUGAL CAPÍTULO I Denominação, Sede e Fins Artigo 1º. (Denominação e Natureza Jurídica) A AEMP Associação das Empresas de Mudanças de Portugal,

Leia mais

16ª Sessão: Resorts Integrados: Da concepção à exploração

16ª Sessão: Resorts Integrados: Da concepção à exploração 16ª Sessão: Resorts Integrados: Da concepção à exploração Luís Correia da Silva Lisboa, 9 de Março de 2013 Faculdade de Direito Universidade de Lisboa A) Definição de Resorts Integrados Espaços de lazer

Leia mais

Competitividade e Inovação

Competitividade e Inovação Competitividade e Inovação Evento SIAP 8 de Outubro de 2010 Um mundo em profunda mudança Vivemos um momento de transformação global que não podemos ignorar. Nos últimos anos crise nos mercados financeiros,

Leia mais

Decreto-Lei n.º 407/99 de 15 de Outubro

Decreto-Lei n.º 407/99 de 15 de Outubro Decreto-Lei n.º 407/99 de 15 de Outubro Disposições gerais... 3 Objecto... 3 Âmbito de aplicação... 3 Excepções... 3 Conceitos... 3 Legislação aplicável... 4 Organização e gestão da formação desportiva...

Leia mais

(AICL, ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL COLÓQUIOS DA LUSOFONIA) REGULAMENTO INTERNO AICL

(AICL, ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL COLÓQUIOS DA LUSOFONIA) REGULAMENTO INTERNO AICL REGULAMENTO INTERNO AICL 1) Foi constituída em 28 outubro e legalizada em 6 de dezembro 2010, com início fiscal de atividades em 1 de janeiro de 2011, uma ASSOCIAÇÃO CULTURAL DE FINS NÃO- LUCRATIVOS, denominados

Leia mais

ESTATUTOS DO CENTRO DE FILOSOFIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA. Artigo 1.º (Natureza, Membros)

ESTATUTOS DO CENTRO DE FILOSOFIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA. Artigo 1.º (Natureza, Membros) ESTATUTOS DO CENTRO DE FILOSOFIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA Artigo 1.º (Natureza, Membros) 1. O Centro de Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, também designado abreviadamente como

Leia mais

ASCUDT VOLUNTARIADO REGULAMENTOS

ASCUDT VOLUNTARIADO REGULAMENTOS ASCUDT VOLUNTARIADO REGULAMENTOS ÍNDICE 1- ENQUADRAMENTO LEGAL 3 2- PRINCÍPIOS DO VOLUNTARIADO 3 3- ESTATUTO DE VOLUNTÁRIO 4 4- DIREITOS DO VOLUNTÁRIO 4 5- DEVERES DO VOLUNTÁRIO 6 6- ÂMBITO DE ACÇÃO 6

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 Versão Preliminar Este relatório tem por objectivo da conta do que de mais relevante foi realizado no cumprimento

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SER BEBÉ

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SER BEBÉ ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SER BEBÉ Associação Portuguesa para a Saúde Mental da Primeira Infância (versão corrigida de acordo com as indicações da Procuradoria da República) Artigo 1º 1 - Denominação e natureza

Leia mais

Maratona BTT 5 Cumes realiza-se a 23 de Setembro em Barcelos

Maratona BTT 5 Cumes realiza-se a 23 de Setembro em Barcelos Em 2011 foi a Maratona com maior participação das provas da FPC Maratona BTT 5 Cumes realiza-se a 23 de Setembro em Barcelos A oitava edição da Maratona BTT 5 Cumes foi apresentada na última quinta-feira

Leia mais

Associação dos Administradores de Insolvências. Estatutos. Capítulo I Natureza e Fins. Artigo 1º Natureza

Associação dos Administradores de Insolvências. Estatutos. Capítulo I Natureza e Fins. Artigo 1º Natureza Associação dos Administradores de Insolvências Estatutos Capítulo I Natureza e Fins Artigo 1º Natureza 1. A Associação dos Administradores de Insolvências, adiante designada simplesmente por ASSOCIAÇÃO,

Leia mais

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida 3.4. EDUCAÇÃO Problemas Sociais Identificados Insucesso escolar Falta de expectativas socioprofissionais Alunos sem projecto de vida Expectativas inadequadas para famílias Problemas Sociais Priorizados

Leia mais

Nota Introdutória Erro! Marcador não definido.

Nota Introdutória Erro! Marcador não definido. GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2015 ÍNDICE Nota Introdutória Erro! Marcador não definido. Ações Educação e Formação 2 Ação Social 3 Gestão Participada e Finanças 4 Saúde 5 Desporto 5 Juventude 6 Cultura 6 Turismo

Leia mais

Associação Desportiva e Recreativa Escolar Praiense

Associação Desportiva e Recreativa Escolar Praiense I DISPOSIÇÕES INTRODUTÓRIAS 2 II ARTIGOS EXPRESSOS NOS ESTATUTOS 2 III REGULAMENTAÇÃO INTERNA Símbolos Identificativos Quotização / Outros Encargos Gestão Económico-financeira Conta Bancária da Associação

Leia mais

CURSO GESTÃO DA MOBILIDADE E DESLOCAÇÕES

CURSO GESTÃO DA MOBILIDADE E DESLOCAÇÕES CURSO GESTÃO DA MOBILIDADE E DESLOCAÇÕES NAS EMPRESAS PLANEAR PARA A REDUÇÃO DE CUSTOS E OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES 19 e 20 Fevereiro 2013 Auditório dos CTT- Correios de Portugal Lisboa Horário Laboral: 09h30

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SUMOL+COMPAL

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SUMOL+COMPAL REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SUMOL+COMPAL Incluindo: (I) CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO (II) COMISSÃO EXECUTIVA (III) COMITÉ DE AUDITORIA INTERNA Este regulamento aplica-se à SUMOL+COMPAL considerando

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I OBJETO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I OBJETO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPITULO I OBJETO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO 1. O presente Regimento tem por objetivo regulamentar as questões internas de funcionamento dos órgãos de direção, dos grupos de trabalho, assim

Leia mais

Regulamento n.º 663/2010. Curso de Estudos Avançados em Gestão Pública (CEAGP) 11.ª Edição (2010-2011) Artigo 1.º. Missão e Objectivos

Regulamento n.º 663/2010. Curso de Estudos Avançados em Gestão Pública (CEAGP) 11.ª Edição (2010-2011) Artigo 1.º. Missão e Objectivos Regulamento n.º 663/2010 Curso de Estudos Avançados em Gestão Pública (CEAGP) 11.ª Edição (2010-2011) Artigo 1.º Missão e Objectivos O CEAGP tem por missão propiciar uma formação generalista, de nível

Leia mais

1. Procedimento de Selecção de Mediadores de Conflitos para Prestar Serviço no Sistema de Mediação Laboral em Portugal Continental

1. Procedimento de Selecção de Mediadores de Conflitos para Prestar Serviço no Sistema de Mediação Laboral em Portugal Continental 1 de 8 Nº 03/2011 Março Bem-vindo à newsletter do GRAL. Caso pretenda aceder ao detalhe das notícias ou aos artigos clique sobre o título. Se desejar mais informações sobre os meios de resolução alternativa

Leia mais

Regulamento do Colégio de Especialidade de Gestão, Direcção e Fiscalização

Regulamento do Colégio de Especialidade de Gestão, Direcção e Fiscalização Regulamento do Colégio de Especialidade de Gestão, Direcção e Fiscalização de Obras ÍNDICE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto Artigo 2.º Princípios Artigo 3.º Finalidades Artigo 4.º Atribuições

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EPIDEMIOLOGIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO ÂMBITO E OBJECTIVOS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EPIDEMIOLOGIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO ÂMBITO E OBJECTIVOS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EPIDEMIOLOGIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO ÂMBITO E OBJECTIVOS ARTIGO 1º 1. É constituida uma associação portuguesa científica e técnica, por tempo indeterminado e sem fins lucrativos,

Leia mais

Ação Piloto para a Regeneração Urbana. Avenida da Liberdade, Braga. Concurso de Ideias Profissionais de Arquitectura

Ação Piloto para a Regeneração Urbana. Avenida da Liberdade, Braga. Concurso de Ideias Profissionais de Arquitectura Ação Piloto para a Regeneração Urbana Avenida da Liberdade, Braga Concurso de Ideias Profissionais de Arquitectura Cientes da importância de promover uma intervenção capaz de revitalizar o centro histórico

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS 1. APRESENTAÇÃO PRINCÍPIOS E VALORES Acreditamos pela força dos factos que o desenvolvimento desportivo de um Concelho ou de uma Freguesia, entendido na sua vertente quantitativa e qualitativa, exige uma

Leia mais

2014-2015. Doutoramento em Ecologia Humana. Coordenação Científica Profª Iva Pires

2014-2015. Doutoramento em Ecologia Humana. Coordenação Científica Profª Iva Pires 2014- Doutoramento em Ecologia Coordenação Científica Profª Iva Pires Guia do Curso Ano Académico 2014/ Coordenação Científica Profª Iva Pires im.pires@fcsh.unl.pt pires.iva.fcsh@gmail.com Para mais informações

Leia mais

ESTATUTOS DO AMERICAN CLUB OF LISBON. (Escriturados em 2014) CAPÍTULO I. Denominação, sede, duração e objectivos. Artigo Primeiro

ESTATUTOS DO AMERICAN CLUB OF LISBON. (Escriturados em 2014) CAPÍTULO I. Denominação, sede, duração e objectivos. Artigo Primeiro 1 ESTATUTOS DO AMERICAN CLUB OF LISBON (Escriturados em 2014) CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objectivos Artigo Primeiro Denominação, duração e sede 1. É constituído o AMERICAN CLUB OF LISBON,

Leia mais

ESTATUTOS FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT

ESTATUTOS FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO PRIMEIRO Instituição e Denominação É instituída uma fundação denominada Fundação Champagnat que se regerá pelos presentes estatutos

Leia mais

Ficha de candidatura para os representantes docentes do Conselho Municipal de Educação - download aqui ( 98.62KB)

Ficha de candidatura para os representantes docentes do Conselho Municipal de Educação - download aqui ( 98.62KB) Ficha de candidatura para os representantes docentes do Conselho Municipal de Educação - download aqui ( 98.62KB) Candidaturas ao Conselho Municipal de Educação - download aqui ( 864KB) Resultados das

Leia mais

Workshop (Da Estrutura e Desenvolvimento)

Workshop (Da Estrutura e Desenvolvimento) NOTA PRÉVIA: Dada a diversidade e quantidade de ideias e propostas manifestadas, optou por fazer-se uma síntese dos assuntos abordados retirando os comentários e as trocas de opiniões que entretanto surgiram,

Leia mais

O QUE É OBJECTIVOS: VANTAGENS

O QUE É OBJECTIVOS: VANTAGENS O QUE É O Gira Volei é um jogo fácil, divertido e competitivo destinado aos jovens com idade compreendida entre os 8 e os 16 onde apenas se pode utilizar uma técnica: o passe. OBJECTIVOS: Contribuir para

Leia mais

PLANOESTRATÉGICO DO DESENVOLVIMENTOECONÓMICOLOCAL DE S. JOÃO DA MADEIRA. Plano da sessão

PLANOESTRATÉGICO DO DESENVOLVIMENTOECONÓMICOLOCAL DE S. JOÃO DA MADEIRA. Plano da sessão plano estratégico del desenvolvimento económico local PLANOESTRATÉGICO DO DESENVOLVIMENTOECONÓMICOLOCAL ECONÓMICO LOCAL DE S. JOÃO DA MADEIRA Equipa técnica: Assessor: João Pedro Guimarães Colaboradores:

Leia mais

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 UNIÓN EUROPEA 1 de junio de 2011 3. SUMÁRIO EXECUTIVO A avaliação do Plano de

Leia mais

Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira

Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira REGULAMENTO INTERNO INTRODUÇÃO A rede social é uma plataforma de articulação de diferentes parceiros públicos e privados que tem por objectivos combater

Leia mais

Governo e gestão das instituições de ensino superior em Portugal: o caso dos institutos politécnicos

Governo e gestão das instituições de ensino superior em Portugal: o caso dos institutos politécnicos Governo e gestão das instituições de ensino superior em Portugal: o caso dos institutos politécnicos JOSÉ JACINTO BILAU Professor Adjunto, Instituto Politécnico de Beja ESTIG, Portugal 1. Introdução O

Leia mais

Braga, 10 de Janeiro de 2011.

Braga, 10 de Janeiro de 2011. Braga, 10 de Janeiro de 2011. Página 1 de 20 INDICE INTRODUÇÃO... 3 Págs. CARACTERIZAÇÃO DO SERVIÇO DE FORMAÇÃO... 10 BALANÇO DAS ACTIVIDADES DEP. FORMAÇÃO.11 PRIORIDADES DE MELHORIA. 15 CONCLUSÃO.. 16

Leia mais

Estatutos da Associação de Estudantes da Escola Secundária Emídio Navarro

Estatutos da Associação de Estudantes da Escola Secundária Emídio Navarro Estatutos da Associação de Estudantes da Escola Secundária Emídio Navarro A verde o que queremos acrescentar ou rectificar e a vermelho o que queremos retirar. A Associação de Estudantes da Escola Secundária

Leia mais

Escolas de Pentatlo Moderno

Escolas de Pentatlo Moderno Escolas de Pentatlo Moderno ÍNDICE O que é o franchising PENTAKID? 3 Serviços PENTAKID 5 Marketing 6 Recursos Humanos 7 Financiamento 8 Processo de aquisição 9 Ficha técnica 10 Carta de resposta 11 2 O

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

Gestão Empresarial. Comércio e Serviços

Gestão Empresarial. Comércio e Serviços Curso de Gestão Empresarial para Comércio e Serviços PROMOÇÃO: COLABORAÇÃO DE: EXECUÇÃO: APRESENTAÇÃO: > A aposta na qualificação dos nossos recursos humanos constitui uma prioridade absoluta para a Confederação

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO EM ARTE, DESIGN E SOCIEDADE i2ads.

REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO EM ARTE, DESIGN E SOCIEDADE i2ads. FBAUP Instituto de Investigação em Arte, Design e Sociedade Av. Rodrigues de Freitas 265 4049-021 Porto T - 225 192 400 F - 225 367 036 office@i2ads.org REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO

Leia mais

ILUSTRES PARTICIPANTES DO FÓRUM EM CIÊNCIAS

ILUSTRES PARTICIPANTES DO FÓRUM EM CIÊNCIAS DISCURSO PRONUNCIADO POR SUA EXCELÊNCIA JOSÉ EDUARDO DOS SANTOS, PRESIDENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA, NA SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO FÓRUM EM CIÊNCIAS DO DESPORTO APLICADAS AO FUTEBOL Luanda, 29 de Agosto

Leia mais

Prémio Inovação em Intervenção Psicológica

Prémio Inovação em Intervenção Psicológica Prémio Inovação em Intervenção Psicológica ABRIL 2015 Índice 03 05 11 1. Programa OPP Inovação em Intervenção Psicológica 1.1. Prémio Inovação em Intervenção Psicológica 1.2. Summer Camp - Inovação em

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇAO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA DO 1º CICLO DE MOUTIDOS. Rua de Moutidos 4445 ÁGUAS SANTAS PORTUGAL

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇAO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA DO 1º CICLO DE MOUTIDOS. Rua de Moutidos 4445 ÁGUAS SANTAS PORTUGAL ESTATUTOS DA ASSOCIAÇAO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA DO 1º CICLO DE MOUTIDOS Rua de Moutidos 4445 ÁGUAS SANTAS PORTUGAL CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Âmbito da Acção e Fins ARTIGO UM

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO INTRODUÇÃO A cultura Comunitária é a expressão concreta de tentar proporcionar aqueles que mais precisam a ajuda necessária para começar de novo a viver. O Centro

Leia mais

A APECATE - Associação Portuguesa de Empresas de Congressos, Animação Turística e Eventos, constituída por escritura pública em 17 de Janeiro de

A APECATE - Associação Portuguesa de Empresas de Congressos, Animação Turística e Eventos, constituída por escritura pública em 17 de Janeiro de Turismo de Natureza e Sustentabilidade QUEM SOMOS A APECATE - Associação Portuguesa de Empresas de Congressos, Animação Turística e Eventos, constituída por escritura pública em 17 de Janeiro de 2007,

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-ACÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

Da denominação, natureza e fins

Da denominação, natureza e fins REGULAMENTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AFONSO DE ALBUQUERQUE Capítulo I Da denominação, natureza e fins Artigo 1.º Denominação A Associação de Pais e Encarregados

Leia mais

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS?

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? HOTEL TIVOLI LISBOA, 18 de Maio de 2005 1 Exmos Senhores ( ) Antes de mais nada gostaria

Leia mais