Grupo de Trabalho nº 10

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Grupo de Trabalho nº 10"

Transcrição

1 EXPANSÃO URBANA E ÁREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE (APP): O CASO DA LAGOA GRANDE EM FEIRA DESANTANA BAHIA Paula Leilane Oliveira Celestino Universidade Federal da Bahia Resumo O presente trabalho tem por objetivo analisar as conseqüências sociais e ambientais da expansão urbana em áreas de preservação permanente tomando como referência a Lagoa Grande, em Feira de Santana. Dessa maneira, propõe-se uma discussão sobre a ocupação irregular da Lagoa Grande, em Feira de Santana, e que também se constitui em uma Área de Preservação Permanente (APP). Para a realização da pesquisa a metodologia utilizada priorizou uma revisão teórico-conceitual, pesquisa documental, pesquisa de campo e discussão dos resultados. Palavras-Chave: Espaço Urbano; Áreas de Preservação Permanente; Lagoa Grande. Grupo de Trabalho nº 10 A problemática urbano-ambiental

2 1. Introdução Pretende-se, no presente artigo, analisar as consequências sociais e ambientais da expansão urbana em áreas de preservação permanente tomando como referência a Lagoa Grande, em Feira de Santana. Destarte, faz-se necessário pontuar que Feira de Santana é a segunda maior cidade do Estado da Bahia com uma população de 556, 642 e com uma área de km 2, de acordo com dados do IBGE (2010), além de apresentar uma posição geográfica estratégica como principal entroncamento rodoviário entre o Norte e o Nordeste do país e de sua relevância urbano-regional. Entretanto, segundo Santo (2003), por apresentar uma localização geográfica privilegiada e características físicas importantes como aspectos geomorfológicos e geológicos que favorecem o surgimento de lagoas e nascentes Feira de Santana tornou-se um atrativo para a ocupação humana desencadeando uma expansão urbana sem planejamento até meados de 1968, além de sérias implicações ambientais. A cidade, apesar de poder utilizar algumas de suas lagoas como centro de lazer, vem utilizando-as como depósito de lixo ou áreas alternativas para ocupação humana, sendo que diversas dessas lagoas foram ocupadas, aterradas e loteadas para abrigar a população de baixa renda (SANTO, 2003, p. 14). Desse modo, a situação das lagoas de Feira de Santana merece uma atenção especial, pois além de apresentar um número considerável destes corpos hídricos também se destaca pelos problemas ambientais relacionados à apropriação irregular das áreas de lagoa decorrentes da ocupação do espaço urbano, em que: Recentemente, os ambientalistas constataram que, em apenas uma década, das 68 (sessenta e oito) lagoas existentes em Feira de Santana, 28 (vinte e oito) delas desapareceram. Hoje, apenas 40 (quarenta) lagoas existem na cidade, restando apenas 8 (oito) no perímetro urbano, o que representa uma redução de 40% (quarenta por cento) na quantidade de lagoas da cidade (MONTEIRO SOBRINHO, 2007 apud VARGAS, 2008, p. 9). Para a realização da presente pesquisa foi delimitado como objeto de estudo a Lagoa Grande que se constitui em uma Área de Preservação Permanente (APP), localizada em Feira de Santana. Sendo que, a ocupação nas adjacências da referida lagoa ocorreu a partir de 1970 e que posteriormente deu origem ao Bairro Lagoa 2

3 Grande. Entretanto, tal ocupação ocorreu de forma irregular o que ocasionou uma forte degradação da mesma, pois, uma parte considerável da população deste bairro vive em uma área conhecida como Favela da Rocinha que se estabeleceu na área da planície de inundação da lagoa e posteriormente avançou para o interior da mesma através do processo de soterramento do corpo hídrico para a edificação de novas moradias, além da alocação de lixo e esgotos domésticos provocando danos ambientais e configurando um espaço com acentuada antropização. Desse modo, cabe pontuar que em 2008 a Lagoa Grande foi contemplada por ações do Programa de Aceleração do Crescimento com o projeto de requalificação urbana que se encontra execução. Sendo que, esta ação de requalificação urbana está inserida no Eixo de Infraestrutura Social e Urbana do PAC que visa à recuperação de áreas degradadas e implementação de ações relacionadas à habitação, saneamento e inclusão social principalmente em áreas de assentamentos subnormais como favelas. Para tanto, é necessário salientar que este estudo representa alguns dos esforços de uma pesquisa iniciada em 2010 que teve como objeto de estudo o Bairro Lagoa Grande onde localiza-se a Lagoa Grande, e devido a complexidade desta investigação foi dado prosseguimento a este estudo de caso em um trabalho de dissertação em desenvolvimento no programa de Pós-Graduação em Geografia na Universidade Federal da Bahia. Este estudo julga-se necessário, pois busca abordar um tema relevante que é a expansão urbana e os rebatimentos sociais e ambientais desse processo destacando que o espaço urbano é dinâmico, complexo, híbrido e reflete a produção do espaço em diferentes momentos históricos, ou seja, as mudanças sociais não se restringem somente a um aspecto (o social), mas no espaço em que está inserida. É nesse contexto que cabe pontuar os desafios relativos à questão ambiental a partir da abordagem das Áreas de Proteção Permanente (APP) em áreas urbanas. 2. Procedimentos metodológicos Para alcançar o objetivo da pesquisa, o primeiro passo foi à realização de um levantamento bibliográfico através de consulta a livros e artigos que serviram de base para a elaboração do referencial teórico em que foram utilizados os conceitos de Espaço Urbano e Área de Preservação Permanente. A segunda etapa foi o desenvolvimento de 3

4 uma pesquisa documental que consistiu na obtenção de dados secundários a partir do acesso a informações de instituições que serviram de base para a realização da pesquisa através de documentos. Estes dados foram obtidos junto à Companhia de Desenvolvimento Urbano do Estado da Bahia (CONDER), responsável pela execução das obras inerentes à ação de requalificação urbana da Lagoa Grande. E a terceira etapa referiu-se à pesquisa de campo que consistiu no reconhecimento, caracterização da área de estudo e registro fotográfico. E como última etapa à análise e discussão dos resultados. 3. Um olhar teórico: Estado, Espaço urbano e área de preservação permanente 3.2 Espaço Urbano O conceito de espaço urbano de acordo com a concepção de Carlos (1999) pode ser compreendido como o (...) produto, condição e meio do processo de reprodução da sociedade urbana (p. 90). Desta maneira, a relação homem-natureza através do trabalho gera um produto que é o espaço, o qual é ao mesmo tempo, condição e meio para que esta relação aconteça, uma vez que funciona como instrumento para a realização do trabalho. Dessa forma, o espaço urbano é resultado da produção da sociedade urbana, ou seja, na medida em que a sociedade adquire hábitos urbanos, é o espaço urbano que se está construindo. A mesma autora salienta também que O espaço urbano é o espaço de reprodução das relações sociais que envolvem várias dimensões da vida humana (CARLOS, 1999, p.91). Nessa perspectiva é no espaço urbano que se desencadeia uma série de relações sociais dos mais variados tipos, como relações de trabalho, culturais comerciais, econômicas e políticas, dentre outras. Logo o espaço urbano abarca um conjunto de relações, cada vez maior de complexização. Dessa forma, tomando por base a abordagem de Corrêa (1989): O espaço urbano capitalista fragmentado, articulado, reflexo, condicionante social, cheios de símbolos e campo de lutas é um produto social, resultado de ações acumuladas através do tempo, 4

5 engendrada por agentes que produzem e consomem espaço (CORRÊA, 1989, p. 11). Segundo o autor, o espaço urbano é articulado e fragmentado de acordo com interesses de seus agentes refletindo e reproduzindo a situação da sociedade capitalista, levando-se em consideração as relações sociais de produção e de maneira específica o modo de produção capitalista, que além da divisão social em classes consiste na formação desigual do espaço onde os diversos grupos sociais lutam por poder e por espaço. Além disso, o espaço urbano reflete a produção do espaço em diferentes momentos históricos, pois, as mudanças sociais não se restringem somente a um aspecto (o social), mas no espaço em que está inserida. Assim, para enfatizar os agentes responsáveis pela (re)produção do espaço urbano pode-se destacar segundo Correa (1989), os proprietários dos meios de produção, proprietários fundiários, promotores imobiliários, o Estado, além dos grupos sociais excluídos. Portanto, ao se analisar a produção do espaço urbano pode-se perceber que o mesmo é o resultado das relações desenvolvidas por um conjunto de agentes que perpassam as mais variadas escalas e instâncias sociais, sendo que, a regulação, as normas que regem o espaço urbano são cada vez mais híbridas, devido ao crescimento da organização da sociedade civil e das empresas, no entanto o Estado possui uma relevante influência no estabelecimento das normas e disponibilização da infraestrutura. 3.3 Áreas de Preservação Permanente As Áreas de Preservação Permanentes (APP) de acordo com a legislação ambiental brasileira são previstas pelo Código Florestal, lei 4.771/65 e regulamentadas pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA) a partir da resolução 302 e 303 do ano de 2002 e pela resolução 369 mais recente de De acordo com as legislações citadas e segundo Servilha (2003) destaca que as áreas de preservação permanente se tratam de instrumentos criados com o objetivo de assegurar a proteção de parcelas do território com o intuito de preservá-los. Assim as áreas definidas como de preservação permanente são previstas pelo Código Florestal Lei n o 4.771/65 especificamente no artigo 2 o e 3 o e que foi alterado com a Medida Provisória (2.166) em 2001, em que definiu estas áreas como coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos hídricos, a 5

6 paisagem, a estabilidade geológica, a biodiversidade, o fluxo gênico de fauna e flora, proteger o solo e assegurar o bem-estar das populações humanas. O Código Florestal busca proteger estas áreas ambientais focando preservar não só elementos referentes aos recursos hídricos ou geológicos, mas leva em consideração a biodiversidade como um todo, além de englobar a situação das populações humanas. A Resolução CONAMA nº 303 de 2002 apresenta os parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente. Tal resolução define como Áreas de Preservação Permanente, como nos casos das nascentes e lagoas onde está previsto que a metragem mínima será de trinta metros, para os que estejam situados em áreas urbanas consolidadas e cem metros, para as que estejam em áreas rurais, exceto os corpos d água com até vinte hectares de superfície, cuja faixa marginal será de cinqüenta metros. No que se refere à Resolução CONAMA nº 369 de 2006, a mesma trata dos casos excepcionais, de utilidade pública, interesse social ou baixo impacto ambiental, que possibilitam a intervenção ou supressão de vegetação em Área de Preservação Permanente-APP. Desse modo, a referida resolução define sobre as atividades de pesquisa e extração de substâncias minerais, implantação de área verde de domínio público em área urbana, regularização fundiária sustentável de área urbana e intervenção ou supressão eventual e de baixo impacto ambiental de vegetação em APP. Desse modo, cabe pontuar uma questão relevante para esta discussão que se refere sobre as APP em áreas urbanas que de acordo com a concepção de Servilha (2003): As áreas de preservação permanente as APP, reguladas pelas Resoluções CONAMA, com suas metragens definidas, encontrarão, principalmente nos perímetros urbanos das cidades suas áreas e a maioria dos leitos dos cursos d águas cimentados, sua vegetação praticamente destruída e desconsiderada pelas autoridades municipais e pela comunidade, que assim como os primeiros colonizadores, as consideram como local insalubre, devendo ser destruídas (p. 105). As APP situadas nos espaços urbanos merecem atenção especial como destacado por Servilha (2003), pois muitas vezes, as leis não são efetivadas nestes locais onde observa-se corpos hídricos em situação degradante como no caso das lagoas em Feira de Santana, em que apesar de serem consideradas como áreas de proteção permanente, algumas como a Lagoa Grande destacada nesse estudo, serviram para construção de moradias, alocação de lixo e esgoto ocasionados pela deficiência de uma política 6

7 habitacional capaz de acompanhar a dinâmica populacional da cidade juntamente com ineficiência dos aparatos jurídicos para conter a ocupação dessas áreas de preservação permanente. 4. O lócus da pesquisa A ocupação da Lagoa Grande foi iniciada na década de 1970, localizada dentro do Anel de Contorno 1 e a leste do centro comercial da cidade de Feira de Santana e se destaca por abrigar um dos maiores assentamentos subnormais de Feira de Santana com aproximadamente habitantes (CONDER, 2008). Tal ocupação foi impulsionada pela implantação de um loteamento criado pelo Plano Municipal de Habitação Popular (PLANOLAR). O loteamento denominado de Parque Arnold Silva foi inicialmente fruto de uma ação planejada do governo municipal através da doação de lotes e material para a construção das casas na tentativa de amenizar os problemas habitacionais pela falta de uma política de habitação voltada para a população de baixa renda (OLIVEIRA, 2010). No entanto, esta iniciativa acabou se transformando em um atrativo para as famílias que viviam em moradias de aluguel e assim começaram ás invasões e aglomerações da população nessa área a partir da apropriação irregular, nas proximidades do loteamento criado pelo PLANOLAR, para construção de moradias de forma desordenada, em que, a expansão de tais construções acarretou o soterramento de parte considerável da Lagoa Grande, conhecida como Invasão da Rocinha (CONDER, 2008). Desse modo, fica evidente a necessidade de uma intervenção com o objetivo de não somente fornecer uma infraestrutura adequada para os moradores que vivem de forma precária na área da lagoa, mas principalmente por se tratar de uma Área de Proteção Permanente (APP), pois de acordo com Maricato (2000): As áreas ambientalmente frágeis beira de córregos, rios e reservatórios, encostas íngremes, mangues, áreas alagáveis, fundos de vale que, por essa condição, merecem legislação especifica e não interessam ao mercado legal, são as que sobram para moradia de grande parte da população. As conseqüências são muitas: poluição dos 1 Destinado à circulação de veículos na periferia das áreas urbanas, de modo a evitar ou minimizar o tráfego no seu interior, circundando completamente a localidade. 7

8 recursos hídricos e dos mananciais, banalização de mortes por desmoronamentos, enchentes, epidemias, etc. (p. 163). Assim a poluição do corpo hídrico é apenas um dos elementos que denunciam a falta da efetivação de determinadas legislações ambientais principalmente em áreas urbanas. 5. Lagoa Grande: Expansão urbana x área de proteção permanente (APP) No período de construção do Centro Industrial do Subaé (CIS), em Feira de Santana, 1970 e 1980, de acordo com Oliveira (2010) registrou-se um aumento do contingente populacional, mas a iniciativa pública, em relação à questão habitacional, foi pontual e insuficiente, pois os investimentos públicos se limitavam em fornecer infraestrutura necessária para a implantação do CIS e na criação de conjuntos habitacionais para atender à população de baixa renda e que também serviria de mãode-obra para o centro industrial. No entanto, esta ação foi pontual, pois uma parcela da população não recebeu assistência e em conseqüência começaram a ocupar áreas para a construção de habitações sem planejamento (desordenada). O governo municipal também realizou algumas iniciativas para tentar amenizar a falta de uma política habitacional com a criação do Plano Municipal de Habitação Popular (PLANOLAR), o qual foi instituído pela Lei 825/77, que buscava facilitar o acesso à habitação para a população de baixa renda a partir da doação de lotes e da implantação de serviços essenciais, como o fornecimento de água e energia elétrica para a população. Entretanto o Planolar não conseguiu levar suas ações à frente devido a uma série de acontecimentos e limitações relatados por Oliveira (2010): O programa enfrentou grandes problemas, como a escassez de recursos; o clientelismo histórico instituído no poder público, com a falta de critérios rígidos para a prática; o fato de o trabalhador situarse numa faixa miserável da população, o que o levava a vender o lote e o material de construção, e a elevada valorização dos terrenos mais ao centro da cidade, fatores que determinaram o fim do PLANOLAR (OLIVEIRA, 2011, p. 94). A escassez de programas e investimentos por parte dos governos federal e estadual, além da tentativa frustrada do poder municipal em tentar reduzir o problema 8

9 de déficit habitacional do município, de forma que pudesse acompanhar a dinâmica populacional, agravaram ainda mais a situação da classe menos favorecida que encontrou como alternativa para morar a ocupação de lugares tidos como inadequados e irregulares como as áreas do entorno da Lagoa Grande, objeto de investigação da presente pesquisa. Assim, a ocupação foi acompanhada de sérios danos ambientais porque uma parte considerável da população deste bairro que vive na Favela da Rocinha se estabeleceu na área da planície de inundação da lagoa e posteriormente avançaram para o interior da mesma através do processo de soterramento do corpo hídrico para a edificação de novas moradias e para alocação de lixo e esgotos domésticos configurando um espaço acentuadamente antropizado provocando danos ambientais como prejuízos a fauna e a flora local e contaminação da água que pode atuar como vetor de doenças entre outros problemas. A partir da pesquisa de campo pode-se observar condições de moradias precárias dentro da área da lagoa com esgotos a céu aberto e que seguem diretamente para o corpo hídrico (Figura 01) e da utilização do mesmo para a alocação de lixo (Figura 02). Figura 01: Bairro Lagoa Grande esgoto a céu aberto. Figura 02: Bairro Lagoa Grande alocação de lixo na lagoa. Fotografia: Banco de dados da autora, Fotografia: Banco de dados da autora, Outro fator importante observado diz respeito à abertura de ruas próximas a Lagoa Grande (Figura 03), como também a presença de algumas ruas pavimentadas que se encontram inundadas o que demonstra a atuação do poder público municipal em pavimentar determinados lugares dentro da planície de inundação da lagoa (Figura 04), 9

10 desrespeitando o que foi estabelecido pelas normas jurídicas que regem as áreas de preservação permanente. Figura 03: Bairro Lagoa Grande ruas sem pavimentação. Figura 04: Bairro Lagoa Grande rua alagada. Fotografia: Banco de dados da autora, Fotografia: Banco de dados da autora, Também, observou-se que uma parte dos moradores retiram material do lixo e os separam como uma forma de obter renda. Todo o material separado é alocado em uma área improvisada, tal como mostra as figuras 05 e 06. Figura 05: Bairro Lagoa Grande alocação de material para reciclagem Figura 06: Bairro Lagoa Grande alocação de material para reciclagem Desta forma, notou-se que o bairro Lagoa Grande principalmente nas áreas mais Fotografia: Banco de dados da autora, Fotografia: Banco de dados da autora, próximas da lagoa apresentam problemas decorrentes da ocupação irregular juntamente com a falta estruturas e de serviços essenciais a população e da presença de moradias precárias que se encontram em áreas aterradas do corpo hídrico (figura 08). 10

11 Figura 08: Bairro Lagoa Grande moradias em áreas aterradas da lagoa grande Fotografia: Banco de dados da autora, De acordo com dados do Cadastro Socioeconômico da CONDER (2008), o referido bairro apresenta disparidades, pois, em uma parte, é composto por residências, com ruas pavimentadas e um pequeno comércio e dispõe de serviços essenciais como rede elétrica, água encanada e coleta de lixo. No entanto, nas proximidades da lagoa, onde se localiza a Invasão da Rocinha, verificou-se que há sérios problemas infraestruturais de serviços, com ruas sem pavimentação e ausência de rede de esgoto e quando chove aproximadamente 40% das casas ficam alagadas, além da alocação do lixo em terrenos baldios e grande parte das habitações se encontram em estado precário. Para recuperação ambiental da Lagoa Grande e como também garantir uma melhor qualidade de vida para os moradores que estão situados dentro da área de Proteção Permanente, dentre as ações do PAC previstos para Feira de Santana a Lagoa Grande foi contemplada com a ação de requalificação urbana (Figura 02) a ser executado pela Companhia de Desenvolvimento Urbano do Estado da Bahia (CONDER). Esse projeto resulta da parceria entre o governo Estadual e Federal previsto no Eixo de Infra-Estrutura Social e Urbana que busca a partir de estratégias que visam beneficiar principalmente os aglomerados subnormais (favelas) com ações de melhorias habitacionais, saneamento, inserção social e recuperação de áreas degradadas (CONDER, 2008). 11

12 Requalificação Urbana de Lagoa Grande Implantação do projeto trabalho técnico social nas áreas de intervenção Implantação de esgotamento sanitário, drenagem pluvial, abastecimento de água, pavimentação e obras viárias Recuperação ambiental Regularização fundiária Implantação de módulo policial centro comercial, creche, galpão para reciclagem, posto de saúde Construção de quadra poliesportiva, campo society, centro comunitário, quadra de areia e parque infantil Construção de 690 unidades habitacionais, 550 melhorias habitacionais e 343 unidades sanitárias Figura 09: Requalificação Urbana da Lagoa Grande, em Freira de Santana. Inicialmente quando foi anunciado as obras de requalificação urbana prevista pelo PAC , o valor estimado para execução do projeto foi de 68 milhões, dos quais R$ 55,7 milhões seriam repassados pelo Governo Federal, através do PAC, e R$ 12,3 milhões de contrapartida do Governo do Estado. Sendo que, a previsão de conclusão dos serviços foi prevista para dezembro de 2010, (CONDER, 2008). No entanto, após quatro anos de inicio da implantação do projeto as obras ainda se encontram em fase de execução. Para que o processo de requalificação urbana fosse executado no bairro Lagoa Grande foi implantado o Projeto Integrado de Desenvolvimento Sócio-Ambiental com a adoção de medidas importantes como o conhecimento prévio da comunidade como uma forma de identificar características específicas daquele determinado lugar e as dificuldades e problemas enfrentados por seus moradores como também a situação ambiental da área. Estas iniciativas favoreceram para o delineamento dos objetivos e metodologia para as estratégias de intervenção a serem adotadas a partir da realidade local com o objetivo de: 12

13 Melhorar as condições sociais, ambientais e econômicas da população de Lagoa Grande através de um conjunto de ações sócio educativas que atenda as demandas da comunidade, estimulando a participação, o fortalecimento das organizações comunitárias, contribuindo para a construção e crescimento do desenvolvimento sustentável local (CONDER, 2008). Assim, dentre as medidas a serem tomadas para melhorar as condições ambientais e sociais foi o reassentamento de 690 famílias que se localizam em um assentamento subnormal conhecido como Favela da Rocinha conforme o Plano de Reassentamento que é parte integrante do Projeto Integrado de Desenvolvimento Socioambiental que visa nortear o processo de requalificação urbana da Lagoa Grande. Dessa maneira, o processo de relocação de parte das famílias do bairro Lagoa Grande, que se encontram em área de risco, é justificada da seguinte maneira, no Plano de Reassentamento: A intervenção na comunidade Lagoa Grande dentro do programa de Aceleração do Crescimento PAC apresenta no uso e ocupação do seu espaço as disparidades características de ocupações irregulares, tanto nas casas com a existência de imóveis em situação de habitabilidade precária, quanto nos problemas estruturais, onde inexiste qualquer infraestrutura, não comportando adequadamente as funções urbanas básicas de circulação, lazer e habitar (CONDER, 2008, p.48). Para tanto, foi definido a elaboração de um conjunto habitacional, pois como já citado anteriormente, a área ocupada pelos moradores, além das precariedades de habitabilidade apontadas também desrespeita os princípios do Código do Meio Ambiente, Lei Complementar Nº /92. Sendo assim foi definido pelo Plano de Reassentamento que: [...] haja vista a existência de imóveis dentro de uma área aterrada da Lagoa Grande, onde todas as construções que estejam situadas a 50 m deveram ser relocadas e as famílias reassentadas para as unidades que serão construídas fora da área da poligonal em loteamento chamado Núcleo Conceição (CONDER, 2008, pg. 48). Assim, a construção do Conjunto Habitacional Núcleo Conceição (Figura10) constitui-se em uma das etapas de intervenção da requalificação urbana busca melhorar a qualidade de vida da população como também a recuperação ambiental da lagoa. O referido conjunto localiza-se há aproximadamente 2,2 km (em linha reta) da área de intervenção na Invasão da Rocinha, em uma área periférica da cidade, no Bairro Conceição e tem como principal via de acesso a Avenida Doutor Antônio Sérgio 13

14 Barradas Carneiro que corta o bairro Santo Antônio dos Prazeres. Por se tratar de uma grande construção as casas serão entregues para os moradores por etapas. Figura 10: Núcleo Habitacional Conceição Fotografia: Banco de dados da autora, 2012 Para construção do conjunto habitacional o terreno foi desapropriado e doado pela prefeitura constituindo-se em uma área de ,47 m 2 e considerada como plenamente regularizada patrimonialmente, é uma Zona de Especial Interesse Social, conforme prevê a Lei /2001, e o Estatuto da Cidade (CONDER, 2008). Assim, pode-se verificar que a recuperação ambiental da Lagoa Grande que se constitui em uma Área de Preservação Permanente se deu através do processo de requalificação urbana tomando por base levando em consideração a legislação que incide sobre a mesma como previsto pelo Código Florestal lei 4.771/65 e pelo Código Municipal de Meio Ambiente de Feira de Santana, Lei Complementar nº 1 612/1992 que visa a administração da qualidade ambiental, proteção, controle e desenvolvimento do meio ambiente e uso, adequado dos recursos naturais no Município de Feira de Santana. Desse modo, o artigo 37 o Código Municipal de Meio Ambiente que trata das áreas de preservação permanente está previsto que para lagoas e lagos ou reservatório de origem natural ou artificial deve abarcar uma área mínima de 30 metros, já para nascentes ou olhos d águas foi instituído 50 metros. Assim, a requalificação urbana pretende beneficiar e proporcionar melhorias na qualidade de vida para os moradores que vivem neste local, a recuperação ambiental da Lagoa Grande através da desapropriação dos imóveis localizados na área de proteção permanente e a relocação dessas famílias, além de mecanismos para a despoluição do 14

15 corpo hídrico com obras de saneamento no local a fim de proibir a ocupação da área para construção de habitações. Pois, a ocupação da Lagoa Grande, além de causar danos à fauna e aflora existente, contribui para alteração da hidrodinâmica do local e contaminação de rios que possam ser integrados por este corpo hídrico como o Rio Pojuca resultando na poluição da água que se encontra na superfície e no lençol freático. 6. Considerações Finais Diante do que já foi exposto, pode-se perceber que a dinâmica populacional da cidade de Feira de Santana e a necessidade de políticas habitacionais foram refletidas tanto nos aspectos socais como condições de habitação e danos ao meio ambienta com a redução do número de lagoas e poluição destas. No estudo de caso da Lagoa Grande ficou evidente a necessidade de uma intervenção e, de maneira específica, na parte que está localizada a Favela da Rocinha que apresenta condições precárias de habitação e foi ocupada de forma irregular em uma área de proteção ambiental permanente, em que os moradores localizados nesta área foram submetidos a um processo de reassentamento como uma das etapas da ação de requalificação urbana. Desse modo, vale ressaltar que quando uma Área de Preservação Permanente é ocupada, ela deixa de cumprir sua função, e, portanto, de assegurar sua proteção e preservação provocando danos diretos à lagoa, causando malefícios não somente a mesma, mas também as populações que vivem nas suas proximidades, além de envolver a questão cultura, uma vez que, as lagoas e Feira de Santana remontam a sua história e estão sendo sucumbidas por ocupações irregulares e pela não execução e o desrespeito ao Código Florestal (Lei 4.771/65), as resoluções do CONAMA (302 e 303 do ano de 2002 e pela resolução 369 de 2006), além do Código Municipal de Meio Ambiente de Feira de Santana (Lei Complementar nº 1 612/1992). Desta forma espera-se que as intervenções do Estado através da requalificação urbana do Bairro Lagoa Grande possam favorecer a recuperação ambiental da lagoa e não seja apenas mais um empreendimento que busque melhorar a estética urbana da cidade de Feira de Santana, mas que possa refletir o comprometimento com a qualidade ambiental. 15

16 Referências Bibliográficas BRASIL. Código Florestal Brasileiro. Lei n , de 15 de Setembro de Disponível em < https:// Acesso em: 20 de junho de CARLOS, A. F. A. A Paisagem Urbana. In: A Cidade. São Paulo: Contexto, CONAMA. Resolução nº. 303, de 20 de março de Disponível em: <http:// Acesso em 20 de junho de CONAMA. Resolução nº. 369, de 28 de março de Disponível em: <http:// Acesso em 20 de junho de CONDER - Companhia de Desenvolvimento Urbano do estado da Bahia. Projeto integrado de desenvolvimento sócio-ambiental: Lagoa Grande. Feira de Santana: Programa de Aceleração do Crescimento, CORRÊA, R. L. Quem produz o espaço urbano? In: O Espaço Urbano. São Paulo: Ática, FEIRA DE SANTANA. Lei Complementar n de Código do Meio Ambiente de Feira de Santana. Disponível em: <http:// Acesso em 27 de junho de MARICATO, Ermínia. "As idéias fora do lugar e o lugar fora das idéias- planejamento urbano no Brasil". In: Arantes, Otilia. A cidade do pensamento único- desmanchando consensos. Petrópolis, RJ: Vozes, (pp ). OLIVEIRA, M. L. Espaço urbano e o modo de vida na favela: a voz dos moradores da Rocinha em Feira de Santana-Ba. (Tese de Doutorado). Salvador : UNIFACS, SANTO, S. M. O Desenvolvimento Urbano em Feira de Santana (Ba). Sitientibus, Feira de Santana, n. 28, p. 9-20, jan/jun SERVILHA, E. R. As áreas de preservação permanente dos cursos d agua urbanos para a ordem pública. Município de Campinas/SP. (Dissertação de Mestrado). Campinas: UNICAMP/Faculdade de Engenharia Civil, VARGAS, H. L. OCUPAÇÃO IRREGULAR DE APP URBANA: UM ESTUDO DA PERCEPÇÃO SOCIAL ACERCA DO CONFLITO DE INTERESSES QUE SE ESTABELECE NA LAGOA DO PRATO RASO, EM FEIRA DE SANTANA, BAHIA. Sitientibus, Feira de Santana, n. 39, p.7-36, jul./dez

PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE AUDIÊNCIA PÚBLICA - ESTUDOS TÉCNICOS MACRODRENAGEM E APP S EM ÁREAS URBANA CONSOLIDADA PROPOSTA DE CONDICIONANTES E RESTRIÇÕES

Leia mais

APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba

APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba FRENTE MOBILIZA CURITIBA 1ª Oficina Meio Ambiente e Plano Diretor APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba Incidência e Regularização Fundiária de APP s Urbanas na Lei 12.651/12 Prof. Dr. José Gustavo

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA. II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA. II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental Regularização fundiária em áreas de preservação permanente APPs em zona urbana: uma proposta de gestão ALEXANDRE

Leia mais

CÓDIGO FLORESTAL e ÁREAS URBANAS

CÓDIGO FLORESTAL e ÁREAS URBANAS CÓDIGO FLORESTAL e ÁREAS URBANAS Brasília 30 de agosto de 2011 Celso Santos Carvalho Diretor de Assuntos Fundiários Urbanos O processo de urbanização brasileiro não considerou a necessidade de prover habitação

Leia mais

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP)

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP) Lei 4771 versão em vigor II área de preservação permanente: área protegida nos termos dos arts. 2 o e 3 o desta Lei, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos

Leia mais

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Aspectos relacionados com a Legislação Florestal / Mineração LEI FEDERAL 12651/12 Engª Amb. Adriana Maira Rocha Goulart Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP LICENCIAMENTO AMBIENTAL Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP Engª Adriana Maira Rocha Goulart Gerente Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

Direito à Moradia e a Questão Ambiental. Suyá Quintslr

Direito à Moradia e a Questão Ambiental. Suyá Quintslr Direito à Moradia e a Questão Ambiental Suyá Quintslr Roteiro da aula 1. A questão ambiental : do surgimento do preservacionismo no período moderno à problemática ambiental na atualidade 2. A ambientalização

Leia mais

Política Nacional de Habitação: objetivos. iniciativas para uma construção Sustentável

Política Nacional de Habitação: objetivos. iniciativas para uma construção Sustentável A Politica Nacional de Habitação e as iniciativas para uma construção Sustentável Universalizar o acesso à moradia digna Política Nacional de Habitação: objetivos Promover a urbanização, regularização

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012 Altera a Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, para dispor sobre as Áreas de Preservação Permanentes em áreas urbanas. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL

PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL Governo de Santa Catarina Secretaria de Estado da Assistência Social, Trabalho e Habitação PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL Florianópolis REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ASSENTAMENTOS

Leia mais

Proposta para a gestão integrada das áreas de preservação permanente em margens de rios inseridos em áreas urbanas.

Proposta para a gestão integrada das áreas de preservação permanente em margens de rios inseridos em áreas urbanas. Proposta para a gestão integrada das áreas de preservação permanente em margens de rios inseridos em áreas urbanas. Cláudia Regina dos Santos Gerente de Projetos da Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Leia mais

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES MINHA CASA, MINHA VIDA Ampliação das oportunidades de acesso das famílias

Leia mais

E CONFLITOS. Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral

E CONFLITOS. Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NA CIDADE DE PIRACICABA - SP: AÇÕES A E CONFLITOS Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral Engª Civil Silvia Maria

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR CURSO INTENSIVO III Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data: 09.12.2009 Aula nº 06 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Lei 4771/65 Art. 2 Consideram-se de preservação permanente, pelo só efeito desta

Leia mais

Lazer. Habitação. Requalificação Ambiental. Desenvolvimento Social. Conservação Ambiental. Urbanização. Patrimônio Cultural.

Lazer. Habitação. Requalificação Ambiental. Desenvolvimento Social. Conservação Ambiental. Urbanização. Patrimônio Cultural. Habitação Desenvolvimento Social Conservação Ambiental Esportes Lazer Requalificação Ambiental Urbanização Patrimônio Cultural SIMÕES FILHO LAURO DE FREITAS BACIA DO COBRE SALVADOR Bacia do Rio do Cobre

Leia mais

os projetos de urbanização de favelas 221

os projetos de urbanização de favelas 221 5.15 Favela Jardim Floresta. Vielas e padrão de construção existente. 5.16 Favela Jardim Floresta. Plano geral de urbanização e paisagismo. 5.17 Favela Jardim Floresta. Seção transversal. 5.18 Favela Jardim

Leia mais

DINÂMICA ESPECULATIVA NO PROCESSO DE EXPANSÃO URBANA DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON-PR Josiane de Oliveira Medeiros Führ 1 Edson dos Santos Dias 2

DINÂMICA ESPECULATIVA NO PROCESSO DE EXPANSÃO URBANA DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON-PR Josiane de Oliveira Medeiros Führ 1 Edson dos Santos Dias 2 DINÂMICA ESPECULATIVA NO PROCESSO DE EXPANSÃO URBANA DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON-PR Josiane de Oliveira Medeiros Führ 1 Edson dos Santos Dias 2 Introdução Impulsionado por fatores econômicos, o processo

Leia mais

CADASTRO AMBIENTAL RURAL E AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE

CADASTRO AMBIENTAL RURAL E AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE CADASTRO AMBIENTAL RURAL E AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O que são as APP e quais as suas funções Diferença entre APP e Reserva Legal Os diversos tipos de APP Sobre nascentes e olho d água diferenças

Leia mais

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil PLANEJAMENTO URBANO O planejamento urbano é o processo de

Leia mais

Lazer. Habitação. Requalificação. Desenvolvimento Social. Ambiental. Conservação. Urbanização. Ambiental. Patrimônio Cultural.

Lazer. Habitação. Requalificação. Desenvolvimento Social. Ambiental. Conservação. Urbanização. Ambiental. Patrimônio Cultural. Habitação Lazer Desenvolvimento Social Requalificação Ambiental Conservação Ambiental Urbanização Esportes Patrimônio Cultural O Projeto de Requalificação Urbana e Ambiental da Bacia do Cobre é fruto de

Leia mais

RESPONSABILIDADE SÓCIO AMBIENTAL DA TRANSPETRO: O TRABALHO DE URBANIZAÇÃO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENTORNO DAS FAIXAS DE DUTOS DA REGIONAL SUDESTE

RESPONSABILIDADE SÓCIO AMBIENTAL DA TRANSPETRO: O TRABALHO DE URBANIZAÇÃO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENTORNO DAS FAIXAS DE DUTOS DA REGIONAL SUDESTE ISSN 1984-9354 RESPONSABILIDADE SÓCIO AMBIENTAL DA TRANSPETRO: O TRABALHO DE URBANIZAÇÃO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENTORNO DAS FAIXAS DE DUTOS DA REGIONAL SUDESTE CRISTIANA ALVES DE LIMA LOURO (PETROBRAS

Leia mais

SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL

SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL Juliana Maria Medrado de Melo (1) Graduanda em Engenharia Agrícola

Leia mais

APP ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE. Feições de Relevo com alta fragilidade, que exercem funções essenciais a vida

APP ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE. Feições de Relevo com alta fragilidade, que exercem funções essenciais a vida APP ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE Feições de Relevo com alta fragilidade, que exercem funções essenciais a vida Dispositivo legal aplicado em distintos ambientes: Urbano, Rural ou Florestal Área de Preservação

Leia mais

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES MINHA CASA, MINHA VIDA Ampliação das oportunidades de acesso das famílias

Leia mais

Seminário Nacional Capacitação para Gestores e Comunidades dos CEUS das Artes e Esportes Unificados Política Nacional de Habitação

Seminário Nacional Capacitação para Gestores e Comunidades dos CEUS das Artes e Esportes Unificados Política Nacional de Habitação Seminário Nacional Capacitação para Gestores e Comunidades dos CEUS das Artes e Esportes Unificados Política Nacional de Habitação Brasília dezembro de 2014 GRAVES PROBLEMAS FUNDIÁRIOS Falta de registro

Leia mais

Dispositivos da Lei. Destaques. Áreas de Preservação Permanente (APPs)

Dispositivos da Lei. Destaques. Áreas de Preservação Permanente (APPs) Cursos d água naturais perenes e intermitentes excluídos os efêmeros: art. 4º, inciso I. A proteção vale para os cursos d água naturais. Variados cursos d água, como resultantes de retificações, canalizações

Leia mais

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados DEAP/SNAPU/MCIDADES Maio/2015 Contexto brasileiro Necessidade de obras públicas para requalificação e reabilitação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ LABORATÓRIO DE ARQUITETURA E URBANISMO LAURB GRUPO DE PESQUISA CIDADE, MEIO AMBIENTE E POLÍTICAS PÚBLICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ LABORATÓRIO DE ARQUITETURA E URBANISMO LAURB GRUPO DE PESQUISA CIDADE, MEIO AMBIENTE E POLÍTICAS PÚBLICAS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ LABORATÓRIO DE ARQUITETURA E URBANISMO GRUPO DE PESQUISA CIDADE, MEIO AMBIENTE E POLÍTICAS PÚBLICAS Série Textos de reconhecimento do objeto de pesquisa 1 Título: CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns Informações Gerais

Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns Informações Gerais Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns Informações Gerais O Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns corresponde a um conjunto de ações a serem desenvolvidas pela Prefeitura Municipal de Goiânia,

Leia mais

Plano de zoneamento ambiental e urbanístico das Áreas de Preservação Permanente em perímetro urbano no município de Estrela

Plano de zoneamento ambiental e urbanístico das Áreas de Preservação Permanente em perímetro urbano no município de Estrela Plano de zoneamento ambiental e urbanístico das Áreas de Preservação Permanente em perímetro urbano no município de Estrela Município de Estrela SMMASB SEPLADE Defesa Civil Introdução A crescente urbanização

Leia mais

Lei Federal nº 12.651/12 ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE. Eng. Agr. Renata Inês Ramos Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad

Lei Federal nº 12.651/12 ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE. Eng. Agr. Renata Inês Ramos Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Lei Federal nº 12.651/12 ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE Eng. Agr. Renata Inês Ramos Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Lei 12651/12 Áreas de Preservação Permanente CONCEITO - Art. 3º, inciso II Área protegida

Leia mais

Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas

Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas Thiago Galvão Geógrafo Desenvolvimento Urbano MINISTÉRIO DAS CIDADES Celso Carvalho Frederico Seabra Leonardo Ferreira Thiago Galvão A resposta necessária

Leia mais

Curso: Legislação Ambiental Aplicado a Implantação de Parques Eólicos

Curso: Legislação Ambiental Aplicado a Implantação de Parques Eólicos Curso: Legislação Ambiental Aplicado a Implantação de Parques Eólicos Exercício Capítulo 5 Aluno: Vinicius Nóbrega De acordo com a imagem dos aerogeradores em ambiente litorâneo e o exemplo de um mapa

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

PAC Urbanização de assentamentos precários ALESSANDRA D AVILA VIEIRA Diretora de Urbanização de Assentamentos Precários

PAC Urbanização de assentamentos precários ALESSANDRA D AVILA VIEIRA Diretora de Urbanização de Assentamentos Precários PAC Urbanização de assentamentos precários ALESSANDRA D AVILA VIEIRA Diretora de Urbanização de Assentamentos Precários Porto Alegre, outubro de 2015 AVANÇOS SOCIAIS NO BRASIL COMPARAÇÃO 2005-2014 (1)

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUINA E S T A D O D E M A T O G R O S S O P O D E R E X E C U T I V O

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUINA E S T A D O D E M A T O G R O S S O P O D E R E X E C U T I V O LEI N.º 1.453/2013. SÚMULA: Autoriza o Poder Executivo Municipal a promover a Concessão de Direto Real de Uso em favor da Colônia Z-20 de Pescadores de Juína, da área urbana que menciona, e dá outras Providências.

Leia mais

Plano de Bairro de Canabrava

Plano de Bairro de Canabrava Plano de Bairro de Canabrava PROGRAMA CATA AÇÃO Coordenador Geral: Antonio Bunchaft Coordenador Local: Moises Leão Gil PLANO DE BAIRRO DE CANABRAVA Equipe Técnica: Ronaldo Silveira Lyrio - Coordenação

Leia mais

DECRETO Nº 050, DE 11 DE MARÇO DE 2010

DECRETO Nº 050, DE 11 DE MARÇO DE 2010 DECRETO Nº 050, DE 11 DE MARÇO DE 2010 Define o Modelo Localizado de Gestão Urbana para o Projeto Parque Linear do Rio Ressaca. O Prefeito Municipal de São José dos Pinhais, Estado do Paraná, no uso de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG Coordenadoria Geral de Pesquisa CGP Campus Universitário Ministro Petrônio Portela,

Leia mais

A política urbana de Diadema: AEIS e Plano Diretor

A política urbana de Diadema: AEIS e Plano Diretor A política urbana de Diadema: AEIS e Plano Diretor DÉCADA DE 90 1990 - Criação do FUMAPIS Fundo Municipal de Apoio a Habitacão de Interesse Social que exerce, na prática, o papel de Conselho Municipal

Leia mais

Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Habitação

Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Habitação Ministério das Cidades SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE MEJORAMIENTO DE BARRIOS México - 29 e 30 novembro/2004 Programa Habitar Brasil/BID Governo Federal Processo de Urbanização Brasileiro Crescimento da

Leia mais

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO A AGÊNCIA PERNAMBUCANA DE ÁGUAS E CLIMA APAC, de acordo com o Plano Hidroambiental da Bacia do Rio Capibaribe, está recebendo manifestações

Leia mais

PLANOS DIRETORES REGIONAIS

PLANOS DIRETORES REGIONAIS PLANOS DIRETORES REGIONAIS ORIGEM DOS PLANOS DIRETORES REGIONAIS CONSTITUIÇÃO FEDERAL ESTABELECE O PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO E A GESTÃO DEMOCRÁTICA II CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE POLÍTICA URBANA PLANO DIRETOR

Leia mais

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária.

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária. Regularização Fundiária de Assentamentos Informais em Áreas Urbanas Disciplina: Regularização Fundiária e Plano Diretor Unidade 03 Professor(a): Laura Bueno e Pedro Monteiro AULA 3. Aspectos Técnicos da

Leia mais

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária POLÍTICA HABITACIONAL DA CIDADE DE SÃO PAULO Plano Diretor Estratégico do Município (Lei 13.430/02, art. 79): Moradia digna é aquela que garante ao morador

Leia mais

Programa Paraisópolis

Programa Paraisópolis Programa Paraisópolis Identificação das Comunidades Cemitério Getsemani Jd. Colombo Paraisópolis Porto Seguro Cemitério do Morumbi Colégio Visconde de Porto Seguro Programa Paraisópolis Caracterização

Leia mais

26º. Encontro Técnico AESABESP DIAGNÓSTICO DAS CONDIÇÕES DE SANEAMENTO AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE MACAPÁ- AP.

26º. Encontro Técnico AESABESP DIAGNÓSTICO DAS CONDIÇÕES DE SANEAMENTO AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE MACAPÁ- AP. 26º. Encontro Técnico AESABESP Izanilde Barbosa da Silva Elivania Silva de Abreu DIAGNÓSTICO DAS CONDIÇÕES DE SANEAMENTO AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE MACAPÁ- AP. São Paulo-SP INTRODUÇÃO O Brasil é um pais

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO.

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. Patrícia Pinheiro da Cunha 1, Magda Beatriz de Almeida Matteucci

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 3.2 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 3.2.1 - Plano de Intervenção

Leia mais

ESTUDO SOBRE SANEAMENTO BÁSICO NA LAGUNA DE IQUIPARÍ EM SÃO JOÃO DA BARRA: UMA DISCUSSÃO SOBRE OS IMPACTOS SOCIOAMBIENTAIS DA ÁREA EM QUESTÃO

ESTUDO SOBRE SANEAMENTO BÁSICO NA LAGUNA DE IQUIPARÍ EM SÃO JOÃO DA BARRA: UMA DISCUSSÃO SOBRE OS IMPACTOS SOCIOAMBIENTAIS DA ÁREA EM QUESTÃO ESTUDO SOBRE SANEAMENTO BÁSICO NA LAGUNA DE IQUIPARÍ EM SÃO Cordeiro de Sousa, L. 1 ; Barros Monteiro Santos, P. 2 ; da Glória Menezes, G. 3 ; 1 IFF Email:lelevn23@gmail.com; 2 IFF Email:pamela.barrosms@hotmail.com;

Leia mais

Análise da Paisagem. Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo

Análise da Paisagem. Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo Análise da Paisagem Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo (análise do meio físico como subsídio para o planejamento territorial) Desastres naturais ocorridos no mundo e seus respectivos

Leia mais

O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo

O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo INTRODUÇÃO Aline Kuramoto Gonçalves aline587@gmail.com Graduada

Leia mais

PROGRAMAS: HABITAR BRASIL E HABITAR BRASIL BID PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DA HABITAÇÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL

PROGRAMAS: HABITAR BRASIL E HABITAR BRASIL BID PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DA HABITAÇÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL Ã ÇÃ ÇÃ Á PROGRAMAS: HABITAR BRASIL E HABITAR BRASIL BID PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DA HABITAÇÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL APRESENTAÇÃO O projeto Chico Mendes compreende uma

Leia mais

Ministério das Cidades MCidades

Ministério das Cidades MCidades Ministério das Cidades MCidades Objetivos de Desenvolvimento Sustentável ODS São Paulo, 02 de junho de 2014 Roteiro 1. O processo de urbanização no Brasil: histórico. 2. Avanços institucionais na promoção

Leia mais

Seminário Rio Metrópole Moradia: Assunto de Interessa Metropolitano

Seminário Rio Metrópole Moradia: Assunto de Interessa Metropolitano Realização Seminário Rio Metrópole Moradia: Assunto de Interessa Metropolitano Henry Cherkezian Rio, 18 de maio de 2011 A questão Habitacional Aspectos a serem abordados Breve Diagnóstico Um exemplo da

Leia mais

Sensoriamento remoto e SIG

Sensoriamento remoto e SIG Multidisciplinar Sensoriamento remoto e SIG aplicados ao novo Código Florestal Allan Arnesen Frederico Genofre Marcelo Curtarelli Matheus Ferreira CAPÍTULO 3 Mapeamento de APP e Reserva Legal APP de corpos

Leia mais

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( )

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR NOME / RAZÃO SOCIAL *: End.: rua/av *: n *: Bairro *: CEP *: Município *: Telefone *: ( ) FAX *: ( ) e-mail: CNPJ (CGC/MF n.º) *: CGC/TE n. *: CPF/CIC n. *: End. P/ correspondência:

Leia mais

Engenharia de Avaliações Aplicada às Áreas de Preservação Permanente (APP)

Engenharia de Avaliações Aplicada às Áreas de Preservação Permanente (APP) Engenharia de Avaliações Aplicada Às Áreas de Preservação Permanente (APP). Engenharia de Avaliações Aplicada às Áreas de Preservação Permanente (APP) 1. Fundamento Legal das APPs: Constituição Federal

Leia mais

DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Gerência de Licenciamento de Recursos Hídricos - GELIRH

DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Gerência de Licenciamento de Recursos Hídricos - GELIRH DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL Gerência de Licenciamento de Recursos Hídricos - GELIRH PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES DA GERÊNCIA a. analisar os requerimentos e processos de outorga de direito de uso de

Leia mais

PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS

PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS 493 PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS Brysa Yanara de Mendonça Thomazini 1, Sibila Corral de Arêa Leão Honda 2 1 Discente do curso de Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

Análise de Projeto Técnico Social APT MUNICÍPIO DE TURUÇU/ RS UF: RS

Análise de Projeto Técnico Social APT MUNICÍPIO DE TURUÇU/ RS UF: RS TE-SER Social Consultoria e Assessoria de Projetos Ltda. Rua Upamaroti, 1129/121 Bairro Cristal Porto Alegre/RS CEP: 90.820-140 CNPJ: 08.798.484/0001-78 Inscrição Municipal: 510.834.26 Análise de Projeto

Leia mais

Trabalho Técnico Social na Urbanização de Favelas

Trabalho Técnico Social na Urbanização de Favelas Trabalho Técnico Social na Urbanização de Favelas Introdução: A história das políticas públicas relacionadas à questão urbanística e habitacional implementadas em comunidades de baixa renda tem nos mostrado:

Leia mais

A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL E A PERIFERIZAÇÃO DA MORADIA DAS CAMADAS POPULARES, NA ÁREA CONURBADA DE FLORIANÓPOLIS.

A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL E A PERIFERIZAÇÃO DA MORADIA DAS CAMADAS POPULARES, NA ÁREA CONURBADA DE FLORIANÓPOLIS. A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL E A PERIFERIZAÇÃO DA MORADIA DAS CAMADAS POPULARES, NA ÁREA CONURBADA DE FLORIANÓPOLIS. Eixo Temático: Políticas públicas, demandas sociais e a questão

Leia mais

Novo Código Florestal: as Falhas do Cadastro Ambiental Rural e os Possíveis Meios de Burla

Novo Código Florestal: as Falhas do Cadastro Ambiental Rural e os Possíveis Meios de Burla Novo Código Florestal: as Falhas do Cadastro Ambiental Rural e os Possíveis Meios de Burla Joelson de Souza Passos Estudante de Graduação Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) Brasil Resumo O código

Leia mais

ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE EM ÁREAS URBANAS

ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE EM ÁREAS URBANAS ESTUDO ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE EM ÁREAS URBANAS Roseli Senna Ganem Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional

Leia mais

Tema 6: Proteção do Direito à Moradia nos Conflitos Fundiários Urbanos

Tema 6: Proteção do Direito à Moradia nos Conflitos Fundiários Urbanos Tema 6: Proteção do Direito à Moradia nos Conflitos Fundiários Urbanos CONFLITOS FUNDIÁRIOS URBANOS: O DILEMA DO DIREITO A MORADIA EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Ana Maria Filgueira Ramalho aramalho@hotlink.com.br,

Leia mais

A CRISE URBANA AMBIENTAL E A CARÊNCIA DO PLANEJAMENTO AMBIENTAL PARA O SANEAMENTO BÁSICO

A CRISE URBANA AMBIENTAL E A CARÊNCIA DO PLANEJAMENTO AMBIENTAL PARA O SANEAMENTO BÁSICO 196 A CRISE URBANA AMBIENTAL E A CARÊNCIA DO PLANEJAMENTO AMBIENTAL PARA O SANEAMENTO BÁSICO Luís Henrique da Silva Mathias Duarte¹, Poliana de Oliveira Basso¹, Mayara Pissutti Albano², Yeda Ruiz Maria².

Leia mais

6º Seminário Estadual Áreas Contaminadas e Saúde:

6º Seminário Estadual Áreas Contaminadas e Saúde: O ESTATUTO DA CIDADE: lei 10.257 de 10/07/2001 Regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece diretrizes gerais da política urbana e dá outras providências. Art. 182. A política de

Leia mais

A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA

A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA Ana Lia Ferreira Mendes de Carvalho liafmc@yahoo.com.br Geografia Bacharelado - UNIFAL-MG INTRODUÇÃO O presente

Leia mais

TEXTO EM VIGOR EM VERDE

TEXTO EM VIGOR EM VERDE BUREAUX JURÍDICOS ASSOCIADOS Porto Alegre-RS Brasília-DF São Paulo-SP Belo Horizonte-MG Ricardo Alfonsin Advogados Ricardo Barbosa Alfonsin OAB/RS 9.275 Breno Moreira Mussi OAB/RS 5.791 Arilei Ribeiro

Leia mais

POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO

POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO (Lei Federal n. 12.651/12) PROF. DR. RAFAEL COSTA FREIRIA E-MAIL: RAFAELFREIRIA@COM4.COM.BR DISCIPLINA: DIREITO AMBIENTAL Fundamentos e Temas de Trabalho na Questão Florestal

Leia mais

SANEAMENTO BÁSICO NO INTERIOR PAULISTA PARALELO ENTRE PRESIDENTE EPITÁCIO E BIRIGUI

SANEAMENTO BÁSICO NO INTERIOR PAULISTA PARALELO ENTRE PRESIDENTE EPITÁCIO E BIRIGUI 427 SANEAMENTO BÁSICO NO INTERIOR PAULISTA PARALELO ENTRE PRESIDENTE EPITÁCIO E BIRIGUI Daiane dos Santos Esquevani¹, Camila Augusta Florindo¹, Mayara Pissutti Albano² Yeda Ruiz Maria² ¹ Discentes do curso

Leia mais

Igarapés de Manaus uma oportunidade de ação intra-urbana Fernanda Magalhaes e Eduardo Rojas

Igarapés de Manaus uma oportunidade de ação intra-urbana Fernanda Magalhaes e Eduardo Rojas Igarapés de Manaus uma oportunidade de ação intra-urbana Fernanda Magalhaes e Eduardo Rojas Resumo Este trabalho toma como base para reflexão uma intervenção na área dos Igarapés de Manaus desenvolvido

Leia mais

Amanda Benevides (UFC)¹ ¹ Universidade Federal do Ceará amanda.benevides@yahoo.com.br

Amanda Benevides (UFC)¹ ¹ Universidade Federal do Ceará amanda.benevides@yahoo.com.br DIAGNÓSTICOSÓCIO AMBIENTALDASÁ REASD ERISCOEM FORTALEZACEARÁ AmandaBenevides(UFC)¹ ¹UniversidadeFederaldoCeará amanda.benevides@yahoo.com.br Resumo AcapitaldoCearáapresentousignificativocrescimentonasúltimasdécadas,passando

Leia mais

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços A APP era computada a partir das margens de rio ou cursos d água, pelo nível mais alto do período de cheia. Várzeas eram consideradas parte dos rios ou cursos d água, porque são inundadas durante o período

Leia mais

UM PANORAMA DOS PROGRAMAS HABITACIONAIS NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA

UM PANORAMA DOS PROGRAMAS HABITACIONAIS NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA UM PANORAMA DOS PROGRAMAS HABITACIONAIS NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA Autora: Cláudia V. Cesar 1 Universidade Federal de Juiz de Fora Resumo: Este artigo apresenta um breve panorama dos programas habitacionais

Leia mais

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL E MEIO AMBIENTE: O CASO DE BRASÍLIA TEIMOSA

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL E MEIO AMBIENTE: O CASO DE BRASÍLIA TEIMOSA Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL E MEIO AMBIENTE: O CASO DE BRASÍLIA TEIMOSA Tatiana Cavalcanti Fonseca*, Elizabeth Amaral Pastich, Hélida Karla Philippini da Silva

Leia mais

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS Um programa para integrar objetivos ambientais e sociais na gestão das águas Superintendência de Desenvolvimento da Capital -

Leia mais

Proponente/Agente Promotor: Prefeitura Municipal de Salto do Jacuí - RS. 1.000.000,00 Contrapartida

Proponente/Agente Promotor: Prefeitura Municipal de Salto do Jacuí - RS. 1.000.000,00 Contrapartida TE-SER Social Consultoria e Assessoria de Projetos Ltda. Rua Upamaroti, 1129/121 Bairro Cristal Porto Alegre/RS CEP: 90.820-140 CNPJ: 08.798.484/0001-78 Inscrição Municipal: 510.834.26 Análise de Projeto

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CÓRREGO LAGOINHA, UBERLÂNDIA - MG

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CÓRREGO LAGOINHA, UBERLÂNDIA - MG UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA 4ª Semana do Servidor e 5ª Semana Acadêmica 2008 UFU 30 anos DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CÓRREGO LAGOINHA, UBERLÂNDIA - MG Edgard Jerônimo da Silva Júnior¹ Universidade

Leia mais

LEI DOS INSTRUMENTOS

LEI DOS INSTRUMENTOS LEI DOS INSTRUMENTOS LEI Nº 2.333 DE 06 DE OUTUBRO DE 2006 Dispõe sobre os Instrumentos de Política Urbana no Município de Itápolis. MAJOR AVIADOR MOACYR ZITELLI, Prefeito do Município de Itápolis, Estado

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO

MANUAL DE ORIENTAÇÃO AMAVI ASSOCIAÇÃO DOS MUNICÍPIOS DO ALTO VALE DO ITAJAÍ MANUAL DE ORIENTAÇÃO FORMULÁRIO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO HABITACIONAL Este manual tem por finalidade orientar os cadastradores no preenchimento

Leia mais

LIMITES E POSSIBILIDADES DO PLANO DIRETOR DO RIO DE JANEIRO PARA O ACESSO À MORADIA E A TERRA URBANIZADA

LIMITES E POSSIBILIDADES DO PLANO DIRETOR DO RIO DE JANEIRO PARA O ACESSO À MORADIA E A TERRA URBANIZADA Curso de Capacitação e formação de agentes sociais, lideranças comunitárias e conselheiros(as) municipais de habitação para a elaboração, monitoramento e acompanhamento do PLHIS LIMITES E POSSIBILIDADES

Leia mais

Análise de Projeto Técnico Social APT MUNICÍPIO DE VICENTE DUTRA/RS

Análise de Projeto Técnico Social APT MUNICÍPIO DE VICENTE DUTRA/RS TE-SER Social Consultoria e Assessoria de Projetos Ltda. Rua Upamaroti, 1129/121 Bairro Cristal Porto Alegre/RS CEP: 90.820-140 CNPJ: 08.798.484/0001-78 Inscrição Municipal: 510.834.26 Análise de Projeto

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Considerando a ratificação do Pacto Internacional de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, que reconhece o direito de todos a um adequado nível de vida, incluindo alimentação adequada,

Leia mais

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06)

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) Título IV DO USO DO SOLO URBANO E RURAL... CAPÍTULO III Do Macrozoneamento... Seção II Do Macrozoneamento Ambiental Art. 26. (Antigo

Leia mais

PAINEL III. Licenciamento Ambiental Municipal

PAINEL III. Licenciamento Ambiental Municipal PAINEL III Licenciamento Ambiental Municipal Licenciamento Ambiental Municipal Em 1978 Supressão de vegetação (construções e em áreas públicas) (Código de Posturas de 1974); Em 1981 Supressão de vegetação

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL E ESTRUTURAL DO BAIRRO SHOPPING PARK, MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA MG

DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL E ESTRUTURAL DO BAIRRO SHOPPING PARK, MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA MG DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL E ESTRUTURAL DO BAIRRO SHOPPING PARK, MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA MG Vinícius Borges Moreira Graduando em Geografia Universidade Federal de Uberlândia vinicius_sammet@hotmail.com

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DAS OCUPAÇÕES IRREGULARES AO LONGO DO RIO MANÉ DENDÊ UTILIZANDO FERRAMENTAS DE GEOPROCESSAMENTO E ANÁLISE DOS SEUS IMPACTOS

IDENTIFICAÇÃO DAS OCUPAÇÕES IRREGULARES AO LONGO DO RIO MANÉ DENDÊ UTILIZANDO FERRAMENTAS DE GEOPROCESSAMENTO E ANÁLISE DOS SEUS IMPACTOS IDENTIFICAÇÃO DAS OCUPAÇÕES IRREGULARES AO LONGO DO RIO MANÉ DENDÊ UTILIZANDO FERRAMENTAS DE GEOPROCESSAMENTO E ANÁLISE DOS SEUS IMPACTOS Gabriela de Azevedo Reis 1 gabrielareisazevedo@gmail.com Lyvia

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais Secretaria Nacional de Programas Urbanos CONCEITOS Área Urbana Central Bairro ou um conjunto de bairros consolidados com significativo acervo edificado

Leia mais

Programa de Regularização Fundiária de Interesse Social

Programa de Regularização Fundiária de Interesse Social Programa de Regularização Fundiária de Interesse Social CASA LEGAL Programa Estadual de Regularização Fundiária Programa Casa Legal Devido a Lei Estadual nº 16.269, de 29 de maio de 2008, dispor em seu

Leia mais

Planejamento Urbano Governança Fundiária

Planejamento Urbano Governança Fundiária Planejamento Urbano Governança Fundiária Instrumentos de Gestão, Conflitos Possibilidades de Inclusão Socioespacial Alexandre Pedrozo agosto. 2014 mobiliza Curitiba...... de antes de ontem...... de ontem......

Leia mais

INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO

INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO Thalyta Lopes Rego Mestranda em Geografia, Universidade Federal de Goiás Instituto de

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06 Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS EM ÁREA DE RIO SÃO FRANCISCO, PETROLINA PE.

IMPACTOS AMBIENTAIS EM ÁREA DE RIO SÃO FRANCISCO, PETROLINA PE. IMPACTOS AMBIENTAIS EM ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL URBANA, MARGEM DO RIO SÃO FRANCISCO, PETROLINA PE. Profa. Miriam Cleide Amorim Universidade Federal do Vale do São Francisco Campus Juazeiro, BA INTRODUÇÃO

Leia mais

OCUPAÇÕES IRREGULARES E IMPACTOS SÓCIO-AMBIENTAIS NA REGIÃO NOROESTE DE GOIÂNIA

OCUPAÇÕES IRREGULARES E IMPACTOS SÓCIO-AMBIENTAIS NA REGIÃO NOROESTE DE GOIÂNIA OCUPAÇÕES IRREGULARES E IMPACTOS SÓCIO-AMBIENTAIS NA REGIÃO NOROESTE DE GOIÂNIA Wellington Nunes de Oliveira Universidade Federal de Goiás, Tecnólogo em Geoprocessamento, Especialista em Perícia Ambiental,

Leia mais