REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE: AFRONTA AO DIREITO À MORADIA E A PRESERVAÇÃO AMBIENTAL FOUNDED ADJUSTMENT IN SLUM AREAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE: AFRONTA AO DIREITO À MORADIA E A PRESERVAÇÃO AMBIENTAL FOUNDED ADJUSTMENT IN SLUM AREAS"

Transcrição

1 REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE: AFRONTA AO DIREITO À MORADIA E A PRESERVAÇÃO AMBIENTAL FOUNDED ADJUSTMENT IN SLUM AREAS Jeane Aparecida Rombi de Godoy Rosin Norma sueli Padilha RESUMO Este artigo tem por objetivo desenvolver reflexões sobre a sustentabilidade de políticas publicas de regularização fundiária, tendo como base analítica a problemática sócio-ambiental oriunda da ocupação do espaço urbano em APP - Área de Preservação Permanente. Nesse sentido, a produção do espaço urbano é direcionada pela intervenção do capital incorporador que orienta o deslocamento espacial, visando à potencialidade de determinada área, ou seja, promovendo a especulação imobiliária. Nessa dinâmica, as famílias de menor poder aquisitivo são remetidas a regiões periféricas e desvalorizadas, onde se proliferam os assentamentos irregulares, como por exemplo, as favelas. Os impactos ambientais oriundos do uso e a ocupação desordenada do solo urbano, principalmente de ecossistemas frágeis, como as áreas de preservação permanente, têm provocado danos ambientais e colocando em risco o equilíbrio ambiental. Na contramão desse contexto, o Estado adotou o discurso da regularização fundária em áreas faveladas, onde a terra tem baixo valor agregado, justificando o alto custo como inviabilidade de programas habitacionais de remoção. Assim, observa-se que o interesse social, ainda que oculte o interesse político da classe dominante, em regra, se sobrepõe ao interesse ambiental. Todavia, a regularização fundiária nas favelas, somente com o intuito político de legalizar a informalidade destes assentamentos, seria o mesmo que promover uma Política Urbana de sedimentação (consolidação) da miséria. Este tipo de intervenção se restringe ao aspecto legal da posse da terra, numa tentativa equivocada de ordenamento do solo urbano, sem promover o resgate daquele cidadão que foi estigmatizado socialmente por residir em áreas faveladas, e tampouco resgatar o equilíbrio ambiental das áreas degradadas. PALAVRAS-CHAVES: Direito Urbanístico. Direito à moradia. Políticas Públicas de Regularização Fundiária em APP - Áreas de Preservação Permanente. ABSTRACT This article aims to reflect on the legal regularization in APP- Permanent Preservation Area. The production of urban space is targeted by the intervention of the capital developer that drives the spatial displacement, aimed at the potential of a given area, in other words, promoting real-state speculation. In this dynamic, families with lower purchasing power are sent to outlying and devalued regions, where a proliferation of irregular settlements are made, the slums, for instance. The environmental impacts from the use and disordered occupation of the urban land, especially in fragile ecosystems, such as permanent preservation areas, have caused environmental damage and threatening the environmental balance. Going against this context, the State adopted the discourse of the settlement founded in slum areas, where land value is low, justifying the high cost as an unavailability of housing programs for removal. Thus, it is observed that the social interest, even hiding the political interest of the ruling class, normally overlaps the environmental interest. However, land use regulation in the slums, only with a political intention to legalize the informality of this settlement, would be the same as to promote Urban Policy sedimentation (consolidation) of misery. This kind of intervention is restricted to the legal aspect of land ownership, in a misguided attempt to planning the urban land, without rescuing that citizen from being socially stigmatized by living in slum areas. KEYWORDS: Urban Planning Law. Environmental Law. Adjustment Fund. 1. INTRODUÇÃO O III Fórum Urbano Mundial da UN-HABITAT, assim como seu Relatório de sobre a Situação Mundial das Cidades 2006/2007, mobilizou com sucesso o interesse global para a deterioração das condições sociais e ambientais de localidades urbanas. O processo de globalização também atraiu a atenção mundial, tanto para o potencial produtivo das cidades, como para o seu custo humano. (UNFPA, 2007, p. 02) Segundo projeções da ONU Organização das Nações Unidas, a população global poderá ser estabilizada no ano de 2010 com valor médio de 10,5 bilhões de habitantes. Embora as previsões de uma superexplosão demográficas não se confirmem frustrando a visão malthusiana[1] da questão, há um aspecto preocupante que deve ser abordado. Trata-se do crescimento espacial desigual, pois de cada dez novos nascimentos, nove ocorrerão em países periféricos. Alem disso, a curva de crescimento da população das cidades com mais de 100mil habitantes tem sido muito mais acentuada do que a população total. O aumento da concentração urbana pode suplantar a capacidade de suporte dos ecossistemas urbanos para a manutenção equilibrada da vida. O Brasil, nesta última década, apresentou um crescimento da população urbana em média de 3% contra um decréscimo de 0,6% da população rural. As cidades médias foram as que mais cresceram no período, possuindo o país 85 cidades com uma população entre e habitantes. A conseqüência desse tipo de crescimento demográfico, aliada às restrições econômicas ocorridas nestas últimas décadas, é a tendência de um caráter anárquico da urbanização brasileira, com a conseqüente * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

2 queda da qualidade de vida urbana. Este processo está associado à degradação ambiental, que afeta mais fortemente os grupos de menor renda, ou seja, as populações mais carentes estão assentadas em áreas desprovidas de infra-estrutura e também estão, freqüentemente, em espaços urbanos de alto risco sujeito a enchentes, deslizamentos e processos erosivos. Na realidade, as cidades brasileiras são frutos de processos muito equivocados de planejamento e gestão, onde as conseqüências podem ser avaliadas a partir da diversidade de problemas existente em toda a rede urbana do país. Neste contexto, Lucas (2008) salienta, Diversos fatores, principalmente o processo de acumulação de capital e concentração de riquezas típicas do capitalismo periférico, contribuíram para o quadro de segregação espacial existente nos paises em desenvolvimento. A propriedade imobiliária, neste contexto, aparece como mais uma fonte de concentração de riqueza e poder político, restrita a grupos privilegiados. O que se observa hoje é um quadro de exclusão generalizado para a maioria dos moradores de centros urbanos: das decisões políticas, do acesso ao emprego formal, do acesso à moradia digna e infra-estrutura urbana, do direito a cidade e, principalmente, do direito a cidadania. A ordem jurídica em vigor, privilegiando o direito de propriedade individual e utilizando-se de leis elitistas, reforça o quadro de segregação, protegendo o patrimônio imobiliário de uma camada da população enquanto impele a grande massa de trabalhadores para a ilegalidade. (LUCAS, 2008, p. 56) Diante dessa realidade, a priorização de implantação de uma política de desenvolvimento urbano é uma decisão governamental de forte conotação social e política. Durante muito tempo, a gestão das cidades deparou-se com grandes dificuldades para sua implementação, em função da ausência de instrumentos legais que dessem sustentação a vários fenômenos urbanos. Dentre eles, podem ser citados com destaque, os relativos à especulação imobiliária e a dificuldade de efetivação de operações urbanas que envolvessem, num mesmo processo, a iniciativa privada e poder público. Com essa finalidade, uma série de inovações legais ocorridas na década de 70, dentre as quais destaca-se a instituição das Regiões Metropolitanas e a sanção da Lei Lehmann que tratou dos processos de parcelamento do solo para fins urbanos, não foram suficiente para fazer frente aos sérios problemas urbanos que desencadearam a situação cada vez mais grave de desigualdade social, degradação ambiental progressiva e de redução da qualidade de vida urbana (MOTA, 1999). Nesta mesma década, o antigo Conselho Nacional de Política Urbana (CNPU) desenvolveu estudos de desenvolvimento urbano, que provocaram um conjunto de reações impedindo o avanço do tratamento destas questões. No final da década de 80, com as discussões para formulação da Constituição da República Federativa do Brasil, houve a retomada dos princípios preconizados na antiga legislação de desenvolvimento urbano, cuja defesa motivou a organização do denominado Movimento Nacional pela Reforma Urbana, constituída por representantes de universidades, organizações não governamentais, centros de pesquisa, movimentos populares e instituições técnicas e profissionais ligados à questão urbana. Uma das ações deste movimento foi à organização de um evento nacional que propôs a criação do Fórum Nacional de Reforma Urbana, devendo este ser o grande responsável pelo acompanhamento da tramitação dos dispositivos, em primeira instância, junto à Assembléia Constituinte, e, posteriormente, durante a sua regulamentação, por meio do próprio Estatuto da Cidade Lei Federal nº , de 10 de julho de 2001 (HARDT, 2000). Após avanços e retrocessos no processo de inovação na formulação de instrumentos destinados a enfrentar os principais problemas urbanos, os princípios defendidos pelo movimento Nacional de Reforma Urbana, foram tratados politicamente pela tramitação do dispositivo originariamente denominado de Lei de Desenvolvimento Urbano e hoje aprovado, sob o título de Estatuto da Cidade. Este instrumento representou um importante elemento que disponibilizou aos gestores urbanos e, em particular, ao processo de planejamento urbano e regional, meios capazes de enfrentar vários dos principais problemas agravados nas últimas décadas. Este movimento deu uma nova abordagem à questão urbana, implicando uma nova concepção intelectual e moral da sociedade, ou seja, uma nova ética urbana. E foi, justamente neste contexto que surgiu a idéia de Cidade de Todos como espaço apropriado para efetivação dos direitos fundamentais. Segundo Fernandes (2005), o Estatuto da Cidade visou à garantia do direito à cidade sustentável, impondo claramente como condição fundamental a compreensão dos processos e conflitos no desenvolvimento urbano, pois o direito aos benefícios sociais não podiam ser direcionados apenas a uma parcela da população, ou seja, somente haveria justiça na destinação dos benefícios se a grande maioria dos habitantes da cidade, tivessem acessos democráticos aos mesmos. Diante desse contexto, e a gritante emergência de fazer frente a essas tendências, organizações e movimentos articulados no Fórum Social Mundial (2001), assumiram o compromisso de construir um modelo sustentável de sociedade e vida urbana, baseado nos princípios de solidariedade, liberdade e igualdade, dignidade e justiça social, fundamentados no respeito às diferenças sócio-culturais urbanas. Segundo Saule Jr. (2007), desde então, um conjunto de movimentos populares, organizações não governamentais, associações de profissionais, fórum e redes nacionais e internacionais da sociedade civil comprometidas com as lutas sociais por cidade mais justas, democráticas, humana e sustentável, vêm * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

3 construindo a Carta Mundial pelo Direito à Cidade, com o propósito de estabelecer compromissos e medidas que devem ser assumidos pela sociedade civil, pelos governos locais e nacionais, parlamentares e pelos organismos internacionais para que todas as pessoas possam viver com dignidade em áreas urbanas. Em meio tais propósitos foi editada a lei n , de 10 de julho de 2001, com a finalidade primordial de regulamentar o capítulo da política urbana da Constituição Federal de 1988, onde o direito a cidade, passa a ser entendido como um direito fundamental no direito brasileiro, integrando a categoria dos direitos coletivos e difusos. Nesta mesma corrente Saule Junior (1997, p. 61) afirma as funções sociais da cidade podem ser consideradas como uma categoria de interesses difusos, uma vez que não é possível identificar os sujeitos. As funções sociais da cidade, na verdade, são interesses difusos, pois não há como identificar os sujeitos afetados pelas atividades e funções nas cidades, os proprietários, moradores, trabalhadores, comerciantes, migrantes, têm como contingência habitar e usar um mesmo espaço territorial, a relação que se estabelece entre os sujeitos é a cidade, que é um bem de vida difuso. [...] As funções sociais da cidade estarão sendo desenvolvidas de forma plena quando houver redução das desigualdades sociais, promoção da justiça social e melhoria da qualidade de vida urbana. Esse preceito constitucional serve como referência para impedir medidas e ações dos agentes públicos e privados que gerem situações de segregação e exclusão da população pobre. (SAULE JUNIOR, 1997, p. 61) Diante do exposto, Saule Junior (1997, p. 61) enfatiza que só será alcançada a função social da cidade, quando a população tiver acesso à moradia, transporte público, saneamento, cultura, lazer, segurança, educação, saúde e demais benefícios sócio-ambientais. Desse modo, se torna evidente a urgência em transformar este estado de coisas, com o repensar do atual cenário urbano sob a luz do direito fundamental à moradia e à cidadania. 2. SEGREGAÇÃO SOCIAL: DILEMA URBANO DAS FAVELAS Atualmente, um quadro extremo de desigualdade na distribuição de riquezas, pode ser encontrado na maioria das cidades brasileiras, onde uma parcela significativa da população vive em situação de risco social e ambiental, imposta pela condição sócio-econômica. A ausência de uma política habitacional voltada para a camada mais pobre da população, juntamente com a ação livre do mercado imobiliário sem comprometimento social é um dos fatores que promovem exclusão e segregação espacial nas cidades brasileiras. Impossibilidade de acessar um mercado imobiliário formal, e sem contar com políticas públicas de provisão habitacional, grande parcela da população é empurrada para informalidade do espaço urbano. (LUCAS, 2008, p. 12) O resultado desse cenário se materializa de um lado na cidade legal que reflete a produção do capital e do outro lado à cidade ilegal, composta pelos excluídos das benesses do capital. Esta última é classificada como uma população de menor poder aquisitivo ou de menor renda, tem em comum os mesmos tipos de carências: se alimentam mal e muitas vezes passam fome, residem em construções precárias ou são moradores de ruas, a maioria tem subempregos ou estão desempregados, apresentam problemas familiares, tem baixos níveis educacionais e culturais, tem dificuldades de ter acesso aos serviços públicos de saneamento, etc. No mesmo contexto, Lucas (2008) complementa, A proliferação de assentamentos precários e irregulares em áreas cada vez mais distantes do mercado de trabalho e dos centros urbanos, desprovidos de infra-estrutura, não visadas pelo mercado imobiliário formal, é uma das formas de materialização das desigualdades sociais, no qual milhões de brasileiros se vêem excluídos do mercado formal de trabalho, de acesso a terra, do exercício pleno de sua cidadania. (LUCAS, 2008, p. 12) Na dinâmica da produção do espaço, esses indivíduos, sofrem pela segregação[2] social, que os remetem para áreas periféricas, como forma de ocultar a miséria oriunda do capitalismo. A produção do solo urbano, em regra, se dá pelas intervenções do capital incorporador, que tem a capacidade de modificar e direcionar o seu crescimento. [...] a produção do espaço se realiza sob a égide da propriedade privada do solo urbano; onde o espaço fragmentado é vendido em pedaços tornando-se intercambiável a partir de operações que se realizam através e no mercado; tendencialmente produzido enquanto mercadoria: deste modo o espaço entra no circuito da troca, generalizando-se na sua dimensão de mercadoria. Neste contexto, o espaço é fragmentado, explorado, e as possibilidades de ocupá-lo se redefinem constantemente em função da contradição crescente entre a abundância e a escassez, o que explica a emergência de uma nova lógica associada a uma nova forma de dominação do espaço que se reproduz ordenando e direcionando a ocupação a partir da interferência do estado. (CARLOS, 2004, p. 91) * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

4 Todavia, deve-se considerar que o usuário da terra é motivado na aquisição de um terreno, mediante as vantagens, sejam estas de origem objetivas (o valor do imóvel e a possibilidade de lucro) ou pela subjetividade (o fim que será dado ao imóvel). Considerando o mercado imobiliário, Smolka (1987) explica que um imóvel urbano (por exemplo: um terreno) pode vir a sofrer uma valorização potencial mediante a influência que seus proprietários fundiários possam exercer sobre o uso da terra. Para Campos (1989) os fatores exógenos ao circuito imobiliário salientam o processo de disputa da renda fundiária, onde surge a figura do ganho fundiário real (onde o proprietário no momento da venda obtém uma renda real referente ao entorno do terreno) e renda fundiária virtual (onde há uma expectativa de valorização futura, caracterizada pelo autor como renda virtual). Deste modo a intervenção do capital incorporador interfere diretamente na produção do espaço urbano, onde, por exemplo, ao constatar um alto nível de densidade predial, promove a verticalização com o fim de aferir lucro mediante a demanda existente sobre determinado setor da cidade. Entretanto, este mesmo capital incorporador orienta o deslocamento espacial, visando à potencialidade de determinada área, ou seja, promovendo a especulação imobiliária. Além destes fatores, Lucas (2008), salienta o conflito das normas ambientais e urbanísticas ao regular o processo de produção do espaço. Verificamos que há um deslocamento entre as exigências contidas nas normas urbanística e ambiental e a forma de produção do espaço urbano. A legislação urbanística, ao adotar padrões idealizados para o uso do solo urbano visando proteger áreas mais nobres da cidade muitas vezes impede a produção habitacional a preços acessíveis para a camada mais pobre. A legislação ambiental, ao impor restrições significativas ao uso e ocupação do solo nas áreas protegidas, torna as mesmas áreas desvalorizadas pelo mercado imobiliário formal. E é justamente nesta área que a parcela da população não atendida pelo mercado formal irá se instalar: áreas de mananciais, margens de cursos d água, encosta e outras áreas de proteção ambiental. (LUCAS, 2008, p. 12) Desse modo, a problemática dos assentamentos irregulares presentes em muitas cidades, não pode ser definida, apenas como uma questão ambiental, uma vez que o alarmante déficit habitacional a torna igualmente uma questão social. O reflexo desta situação fica claramente evidenciado, nos apontamentos de Edésio Fernandes (2004), onde autor esclarece que, a informalidade urbana acontece por uma combinação de causas, sendo as mais freqüentes: A carência de opções de moradias adequadas e acessíveis para os grupos mais pobres, devido à ação de mercados especulativos e informais; os sistemas políticos clientelistas; bem como o padrão de planejamento urbano e gestão que se faz no Brasil, um planejamento elitista e tecnocrático, baseado em critérios técnicos ideais, mas que expressam as realidades sócio-econômicas de produção e de acesso à terra urbana. (FERNANDES, 2004, p ) Nas cidades, onde o solo urbano é objeto de especulação imobiliária, comumente encontramos famílias de menor renda ocupando regiões periféricas, desvalorizadas, como por exemplo: áreas insalubres nas proximidades de parques industriais, assim como os fundos de vales, áreas de encostas morros, etc. Intensificando a complexidade da questão, temos uma parcela significativa desses espaços decorrentes de ocupações clandestinas. Esses locais, em regra, não oferecem condições mínimas de habitabilidade e infraestrutura básica à boa parte dos seus moradores, ou seja, os mesmos não têm acesso a serviços públicos e vivem em situação de vulnerabilidade social decorrentes da inadequada e incipiente estrutura existentes em assentamentos e construções ilegais. A pobreza, a mendicância e a falta de moradia tem sido parte do cenário urbano desde as primeiras cidades da Mesopotâmia. Os pobres, em sua maioria, são relegados a áreas socialmente segregadas, genericamente chamadas favelas. Nosso conceito de favelas data da revolução industrial e lembra a esqualidez dos bairros pobres do séc. XIX em Londres, ou do início do séc.xx em Nova Iorque. As características básicas da vida na favela não mudam: a diferença hoje é de escala. Os moradores de favelas no novo milênio não são mais alguns milhares, em algumas cidades de um continente em processo de rápida industrialização. As favelas abrigam um em cada três moradores das cidades, um bilhão de pessoas, um sexto da população do planeta. (UNFPA,2007,p.16) Segundo Fernandes (2006, p.14), atualmente no Brasil, aproximadamente entre 60% e 70% da população urbana vivem em assentamentos e construções ilegais em favelas, loteamentos irregulares e clandestinos, cortiços, etc. - sendo que em média 20% da população vivem em favelas. Essa realidade demonstra a desigualdade e heterogeneidade, baseado num modelo de segregação social e territorial. As favelas se caracterizam por ocupações espontâneas por uma população de menor poder aquisitivo, em vazios urbanos privados (glebas e terrenos vagos, podendo ser inclusive em APP Área de Preservação Permanente) ou públicos (áreas afetadas de uso comum[3] ou bens de uso especial[4], onde são reguladas pelo regime jurídico administrativo, passando a ter características de inalienabilidade[5], impenhorabilidade[6] e imprescritibilidade[7]). * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

5 Esses espaços são constituídos por um amontoado de construções precárias ao longo dos becos e vielas estreitas, em condições sub-humanas para habitação. O ambiente é insalubre, não há distribuição de água potável, tratamento de esgoto, coleta de resíduos sólidos, ou distribuição de energia elétrica etc., sendo que a pouca infra-estrutura do local provém de ligações clandestinas (gatos). Os habitantes da favela são privados de serviços públicos, como escolas, atendimento médico, segurança, etc., bem como, não tem oferta de espaços públicos destinados a recreação, sendo que a maioria das crianças brincam em meio ao lixo que se amontoa ao longo dos becos fétidos, onde o esgoto corre a céu aberto. Neste ambiente sombrio e insalubre, onde o poder público se faz omisso, a ordem é ditada, em regra, por grupos armados ligados ao narcotráfico, que promovem o terror entre os moradores do local. Assim, a favela se apresenta como terra de nínguem, esquecida pelo poder público. Neste espaço às crianças têm a infância roubada, a prostituição é imposta como modo de subsistência e boa parte dos menores são seduzidos ou recrutados por alguma facção criminosa. A outra face da favela, são os impactos ambientais oriundos do uso e ocupação desordenada destas áreas, principalmente de ecossistemas frágeis, como as APP - Áreas de Preservação Permanente. Mazetto (2000) ensina que esses impactos não se restringem apenas alterações adversas in pejus do equilíbrio ecológico, mas estão relacionadas à qualidade de vida humana. Os problemas ambientais não estão restritos aos efeitos das alterações provocadas pelo homem na natureza, que colocam em risco sua própria sobrevivência como espécie, eles também estão relacionados ao próprio espaço construído pelo homem, esse mundo artificial sobre a superfície terrestre, representado especialmente pelas cidades, onde as questões de ordem social e não apenas as de ordem física atuam de forma decisiva na qualidade de vida humana. (MAZETTO, 2000, p.21). Santos e Martins (2002, apud ROSSET, 2005, p. 6) ensinam que para se alcançar a qualidade de vida nos aglomerados urbanos, é preciso equacionar três âmbitos de análise: O primeiro, relaciona-se com a distribuição entre os aspectos materiais referentes às necessidades humanas básicas, essencialmente físicas e de infra-estruturas, tais como, as condições de habitações, de abastecimento de água, do sistema de saúde e os aspectos não materiais relacionados ao patrimônio cultural, a percepção individual da qualidade de vida e do bem estar dos indivíduos. O segundo, faz distinção entre os aspectos individuais (relacionados com a condição econômica, pessoal e familiar) e os coletivos (relacionados com os serviços básicos e os serviços públicos). E o terceiro faz a distinção dos aspectos objetivos por meio da definição de indicadores de natureza quantitativa e, os subjetivos quem incluem a percepção subjetiva que os indivíduos têm de qualidade de vida. (SANTOS E MARTINS, 2002, apud ROSSET, 2005, p. 6). Braga (2002, p. 1) esclarece que essa subjetividade do indivíduo esta atrelada idéia da satisfação de necessidades ou, pelo menos, da possibilidade de sua satisfação, quanto à idéia de falta de privação. Todavia, Left (2000, apud PISSOL, 2006, p. 4) preconiza que satisfação de necessidades apontada por Braga poderia ser ligada e limitada às partes igualitárias dos bens ambientais, relacionados à capacidade de produção e regeneração da natureza. Desta forma deve-se compreender que a qualidade de vida e a qualidade ambiental[8], apesar de ter dinâmicas próprias, devem ser consideradas dentro de um mesmo sistema, para implementação de uma proposta de sustentabilidade urbana. Para Acselrad (1999) a sustentabilidade urbana está estritamente relacionada a pólos distintos: [...] de um lado, aquele que privilegia uma representação técnica das cidades pela articulação da noção de sustentabilidade urbana aos modos de gestão dos fluxos de energia e materiais associados ao crescimento urbano; de outro, aquele que define a insustentabilidade das cidades pela queda da produtividade dos investimentos urbanos, ou seja, pela incapacidade destes últimos acompanharem o ritmo de crescimento das demandas sociais, o que coloca em jogo, o espaço urbano como território político. (ACSELRAD,1999, p. 79) Para equacionar estes pólos e obtermos a sustentabilidade urbana, há necessidade da promoção do ordenamento urbano, mediante aplicação de instrumentos jurídicos, como por exemplo: o Plano Diretor, a Legislação Orçamentária, o Código Ambiental, o Código de Obra, a Lei de Ocupação e Uso do Solo, a Lei de Parcelamento do Solo, Código Tributário, entre outros. A idéia de sustentabilidade poderia auxiliar na união entre as agendas ambiental e urbana, ao tratar de forma integrada os problemas sociais e ambientais urbanos - No entanto, o conceito, presente na legislação brasileira principalmente no Estatuto da Cidade ao incluir o direito a cidades sustentáveis como uma das diretrizes da política urbana tem um caráter ambíguo que permite sua apropriação no discurso de diferentes grupos sociais. O desenvolvimento sustentável também pode ser considerado como discurso ideológico, ao ocultar as contradições intrínsecas ao próprio modelo capitalista de desenvolvimento, os conflitos sociais e as disputas pelo solo urbano. [...] Diante do exposto, face ao grau de informalidade observado nas cidades brasileiras, em especial nas regiões metropolitanas, considerando que importante parcela dessa irregularidade se concentra em áreas ambientalmente frágeis o estudo de soluções que viabilizem tanto a inserção dos assentamentos irregulares na cidade formal quanto o enfrentamento do passivo ambiental representa uma forma de garantir o direito à cidades sustentáveis.(lucas, 2008, p13) Neste sentido, o atual momento desponta-se em novos caminhos de atuação no enfrentamento da * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

6 questão, iniciado pela nova abordagem resultante da evolução conceitual do termo de Regularização Fundiária e, principalmente pela adoção de novos mecanismos para trabalhar com a delicada questão. Não se pode ignorar que, importantes ações já foram implementadas em várias regiões do País, com a preocupação de promover a regularização dos assentamentos ilegais e melhorias urbanísticas, entretanto os resultados obtidos estão longe de atender a crescente demanda de informalidade que caracterizam estas ocupações. Visão que de certa forma, é compartilhada por Lucas (2008), quando esclarece, A prática de regularização fundiária nos municípios brasileiros tem enfrentado diversos entraves. Para as regularizações em APP, vários obstáculos apresentados são inerentes ao processo de regularização de parcelamentos, não tendo relação direta com as normas ambientais: inexistência de organização comunitária, problemas relativos à gleba (titularidade, descrição) de alto custo para contratação de projetos, recursos insuficientes para implantação de obras, morosidade do processo de regularização e padrões urbanísticos incompatíveis com os assentamentos. (LUCAS, 2008, p.147) Deste modo, a de se ter cautela ao se implementar a regularização fundiária, principalmente em áreas de APP, considerando a vulnerabilidade ambiental desses espaços, e ainda, pela iminente necessidade de se preservar a vida desta população que se encontra em áreas de risco (deslizamento, escorregamento, alagamento, etc), visto que qualquer posicionamente a ser adotado, estará intrinssicamente relacionada com a dignidade da pessoa humana. 3. LEGISLAÇÃO URBANÍSTICA A Constituição Federal de 1988 inovou ao reservar um capítulo às questões do ordenamento urbano. Em dois artigos (art.182 e art. 183), os autores do Texto Constitucional colocaram no papel os primeiros tópicos legais para a implementação de política urbana. Nesse contexto, é preciso que se compreenda, antes e acima de tudo, que a Constituição Federal traça os objetivos fundamentais do Estado brasileiro na construção de uma sociedade justa e solidária, na promoção desenvolvimento nacional, bem como na erradicação da pobreza e da marginalização, com a redução das desigualdades sociais e regionais (art.3). Estes objetivos constroem, entre outros, a noção da função social da propriedade, porque está explicita a ligação do direito de propriedade ao dever fundamental de atendimento às necessidades socais. É essa composição de solidariedade, justiça e desenvolvimento que deve estar inserto na noção de função social, como desdobramento do ideal da dignidade da pessoa humana, fundamento expresso da Constituição Federal. (CORTIANO JUNIOR, 2002, p.153) No artigo 182 da Carta Magna, coloca como preceito da política urbana, a realização do pleno desenvolvimento das funções sociais da cidade que [...] é cumprida quando proporciona a seus habitantes o direito à vida, à segurança, à igualdade, à propriedade e à liberdade (CF, art. 5º, caput), bem como quanto garante a todos um piso vital mínimo, compreendido pelos direitos sociais à educação, à saúde, ao lazer, ao trabalho, à previdência social, à maternidade, à infância, à assistência aos desempregados, entre outros encontrados no art. 6º. (FIORILLO, 2003, p. 257) Conforme enfoca Fiorillo (2003), a política urbana deve assegurar a função social da cidade de modo a promover a dignidade da pessoa humana segundo os princípios constitucionais. Para Silva (1998, p.93) um Estado Democrático de Direito, deve promover a dignidade da pessoa humana, oferecendo as condições mínimas de existência. Assim, é papel do Estado, como uma entidade reguladora e mediadora das relações e conflitos oriundos entre os interesses particulares e os interesses comuns (de ordem pública), encontrar mecanismo para mitigar as desigualdades socioeconômicas da sociedade brasileira. Nesta corrente, Saule Júnior (2005) explica que o Estatuto da Cidade vem definir quais são as ferramentas que o Poder Público, especialmente o Município, deve utilizar para enfrentar os problemas de desigualdade social e territorial nas cidades. Fiorillo (2003, p.236) ensina que a grande inovação desta Lei (Estatuto da Cidade) é que as normas de ordem pública e interesse social foram alinhavadas com o equilíbrio ambiental, deixando assim, de ter caráter única e exclusivamente individual e assumindo valores meta-individuais. Mancuso (1991, p. 275) complementa afirmando que, estas normas de ordem pública saem da esfera de atuação dos indivíduos isoladamente considerados, para surpreendê-los em sua dimensão coletiva. Todavia se o Estatuto da Cidade é uma caixa de ferramentas à disposição dos municípios para promover a ordem pública, interesse social e a preservação ambiental, a chave para abri-lo, na metáfora de Raquel Rolnik (1997), é o Plano Diretor. O Plano Diretor pode ser uma poderosa ferramenta para provocar uma mudança efetiva na * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

7 organização espacial dos adensamentos urbanos, ao ordenar uso e ocupação do solo urbano. Nessa dinâmica, esse diploma legal deve contemplar ações integradas e estratégicas, como por exemplo, a regularização fundiária[9], através da Usucapião Urbana, Concessão de Direito Real de Uso ou Concessão de Uso Especial para Fins de Moradia. A Usucapião Especial Constitucional aplica-se no meio urbano como um instrumento de regularização fundiária, independente da vontade do Poder Público Municipal, assegurando o direito de propriedade a setores menos favorecidos nas áreas urbanas, onde está assentada a população de menor renda. É considerado um dos principais instrumentos de regularização fundiária, pois a forma de aquisição da propriedade se dá em decorrência do uso deste bem por um determinado tempo. A Concessão de Uso Especial para Fins de Moradia é um direito assegurado às pessoas de menor renda, desde que cumpram as condições estabelecidas em lei. Este instrumento visa à regularização da situação de milhões de famílias brasileiras que ocupam áreas pertencentes ao Poder Público. A Concessão de Direito Real de Uso é outra forma de conceder o direito de propriedade no intuito de cumprir a função social no meio urbano, podendo ser conferido de forma individual ou coletiva. Para a aplicação desta concessão, poderão ser utilizados instrumentos públicos ou administrativos, desde que registrado em Cartório de Registro de Imóveis. Este direito transfere-se por herança e por ato inter vivos. Todavia, há uma certa incoerência ao se pensar a regularização fundiária em áreas faveladas, visto que esses assentamentos, em regra, estão localizados em áreas ambientamente frageis. Entretanto, o inciso II, do artigo 2º da Resolução CONAMA 369/06[10] trouxe mecanismos para regularização fundiária em área de preservação permanente, condicionando esta intervenção nesses locais, mediante previsão no Plano Diretor, a serem delimitadas por ZEIS Zonas Especiais de Interesse Social. Art. 2º O órgão ambiental competente somente poderá autorizar a intervenção ou supressão de vegetação em APP, devidamente caracterizada e motivada mediante procedimento administrativo autônomo e prévio, e atendidos os requisitos previstos nesta resolução e noutras normas federais, estaduais e municipais aplicáveis, bem como no Plano Diretor, Zoneamento Ecológico-Econômico e Plano de Manejo das Unidades de Conservação, se existentes, nos seguintes casos: [...] II - interesse social: [...] c) a regularização fundiária sustentável de área urbana; Porém, esta resolução é clara ao condicionar a autorização à sustentabilidade da regularização fundiária que se pretende proceder. Segundo Castello (1996, p. 25.) para compreender o conceito de sustentabilidade, é importante perceber com clareza as tendências das relações homem-ambiente. Já Grostein (2001) considera que a sustentabilidade está atrelada ao componente físico-urbanístico dos aglomerados urbanos. O avanço do processo de urbanização, sua escala e velocidade, não constituem problema em si, não fosse o modo como ocorreu. A ele devemos estar atentos, pois a sustentabilidade do aglomerado urbano/metropolitano, em sua componente físico-urbanística, relaciona-se com as seguintes variáveis: a forma de ocupar o território, a disponibilidade de insumos para seu funcionamento (disponibilidade de água), a descarga de resíduos (destino e tratamento de esgoto e lixo); o grau de mobilidade da população no espaço urbano (qualidade do transporte público de massa); a oferta e o atendimento às necessidades da população por moradia, equipamentos sociais e serviços e a qualidade dos espaços públicos. Assim sendo, as políticas que os sustentam o parcelamento, uso e ocupação do solo e as práticas urbanísticas que viabilizam estas ações, tem papel efetivo na meta de conduzir as cidades no percurso do desenvolvimento sustentado. (GROSTEIN, 2001, p. 20) Assim, apesar da previsão legal da Resolução CONAMA 369/06, esta ao condicionar a regularização fundiária a sustentabilidade do meio, impôs restrições ambientais para aplicação deste instrumento urbanístico. Figueiredo (2004, p. 254) esclarece a áreas ocupadas por mananciais não são sempre passíveis de regularização, pois eventuais anistias concedidas a lotementos clandestinos podem colidir frontalmente com o disposto no artigo 225 da Constituição Federal. O autor defende que os loteadores devem ser responsabilizados pela ocupação irregular de mananciais, sendo lhe imputado as penalidades devidas pelo ato ilícito. Todavia, a promoção da regularização fundiária em áreas faveladas, sem a oferta de assentamentos dignos para a remoção das famílias, é o mesmo que confinar essa comunidade a um cárcere social, onde os conflitos sociais acentuam a miséria, geram violência e favorecem a criminalidade. Não podemos mais fazer de conta que a irregularidade urbana não é um problema ambiental ou que é somente deficiência do poder de polícia. Este enfrentamento exige conhecimento da realidade, engajamento das comunidades trabalhadas, e, sobretudo, atuação interdisciplinar e inter-órgãos, de modo que os mesmos problemas sejam vistos com outro olhar. Um olhar que responsabiliza e compromete a todos os setores da Administração Pública e que possibilite o nascer de estratégias e soluções a partir dos casos concretos, tendo como fio condutor a melhoria das condições urbano-ambientais das áreas trabalhadas e a dignidade da pessoa humana, gerando a tão almejada e propagada inclusão social (PRESTES, 2007, p. 410). * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

8 A intervensão do Estado em áreas faveladas, subentende-se como uma afronta ao princípio da dignidade da pessoa humana, afinal, esses assentamentos humanos precários (favelas), mesmo quando urbanizados, não oferecem condições fisicas e sociais para se alcançar a qualidade de vida dos seus moradores. Segundo Grostein (2000), essas áreas além de serem isalubres, oferecem riscos ambientais aos moradores do local. Nas parcelas da cidade, produzidas informalmente, onde predominam os assentamentos populares e a ocupação desordenada, a combinação dos processos de construção do espaço com as condições precárias de vida urbana geram problemas sócio-ambientais e situações de risco, que afetam tanto o espaço físico, quanto a saúde pública, entre outros podemos citar: desastres provocados por erosão, enchentes, deslizamentos; destruição indiscriminada de florestas e áreas protegidas; contaminação do lençol freático ou das represas de abastecimento de água; epidemias e doenças provocadas por umidade e falta de ventilação nas moradias improvisadas, ou por esgoto e águas servidas que correm a céu aberto. A escala e a freqüência com que estes fenômenos se multiplicam nas cidades revelam a relação estrutural entre os processos e padrões de expansão urbana da cidade informal e o agravamento dos problemas sócio-ambientais. (GROSTEIN, 2000, p. 22) Sendo assim, é impossível garantir qualquer sustentabilidade sem intervir no padrão de desenvolvimento urbano excludente de nossas cidades, uma vez que as ocupações irregulares de moradias em áreas ambientalmente frágeis são apenas mais uma faceta da questão, em que se agregam questões socioeconômicas e ambientais, resultado direto da falta de políticas públicas adequadas à realidade de cada assentamento humano. Nesta abordagem, Scheid (2008) defende que A reconstrução dos direitos humanos para a realização da dignidade da pessoa humana impõe uma tomada de consciência universal acerca da situação precária em que vive considerável parcela da população, para então ser possível a adoção de medidas direcionadas e concretas capazes de emancipar esses indivíduos das amarras da indignidade. (SCHEID, 2008, p.30) Scheid (2008, p.14) acredita que a cidade deve ser pensada como espaço para o exercício garantido dos direitos humanos de todas as dimensões para todos indiscriminadamente, ou seja, a autora defende que o lócus de referência ético-normativa garantida por uma institucionalidade democrática ampliada e por políticas públicas transformadoras. 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS É dever do Estado, intervir nas relações sociais e na organização do espaço urbano, de modo assegurar a dignidade da pessoa humana, estando diretamente norteado pelos princípios e fundamentos dos diretos humanos. A Constituição Federal e posteriormente o Estatuto da Cidade materializou juridicamente, todas as recomendações de tratados internacionais, para a promoção da sustentabilidade e humanização das cidades brasileiras, ao assegurar o direito à cidade. Por esta razão, as premissas deste direito acenam aos direitos civis, políticos, econômicos, sociais, ambientais, entre outros. Nessa lógica, o direito a cidade se materializa na construção da tão almejada sustentabilidade urbana que se inter-relaciona com o direito a vida, matriz de todos os direitos fundamentais. Por tanto, para uma efetiva aplicação dos direitos humanos e concretização do princípio da dignidade, se faz necessário superar os obstáculos do elitismo e estar comprometido com a vida humana, para promoção da equidade e justiça social em todas as dimensões da vida em cidades. Sendo assim, é impossível garantir qualquer sustentabilidade sem intervir no padrão de desenvolvimento urbano excludente de nossas cidades. Deste modo, conclui-se que, as ocupações irregulares de moradias em áreas ambientalmente frágeis são apenas mais uma faceta da questão, em que se agregam questões socioeconômicas e ambientais, resultado direto da falta de políticas públicas adequadas à realidade de cada assentamento humano. Todavia, a intervensão do Estado em áreas faveladas, pode ser compreendida como uma afronta ao princípio da dignidade da pessoa humana, afinal, esses assentamentos humanos precários (favelas), mesmo quando urbanizados, não oferecem condições fisicas e sociais capazes de promover a qualidade de vida a seus moradores. Desse modo, o Estado ao assumir o discurso da regularização fundária em áreas faveladas, onde a terra tem baixo valor agregado, como alternativa de viabilizar programas habitacionais para remoção da população local, acaba postergando o direito à cidade de todos. * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

9 REFERÊNCIAS ACSELRAD, Henri. Discursos da Sustentabilidade Urbana. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, Campinas: nº 01, maio/ BRAGA, Roberto. Qualidade de vida urbana e cidadania. Território & Cidadania. Rio Claro, SP, ano II, nº 2, jun-dez, Disponível em: <http://www.rc.unesp.br/igce/planejamento/territorioecidadania/artigos/braga%203.htm> 09 jan BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de São Paulo: Revista dos Tribunais, Lei Federal nº (2001). Estatuto da Cidade. DOU , ret. DOU Resolução CONAMA Nº 369, de 28 de março de CAMPO, Pedro Abramo. A dinâmica imobiliária. Elementos para o entendimento da espacialidade urbana. In: Cadernos IPPUR/UFRJ, ano III, n. especial, dez Rio de Janeiro: UFRJ, pp CARLOS, Ana Fani Alessandri. O Espaço urbano: novos escritos sobre a cidade. São Paulo: Contexto, CASTELLO, Lineu. A Percepção em Análises Ambientais. Percepção Ambiental A Experiência Brasileira, São Carlos, Editora da UFSCAR, CORTIANO JUNIOR, Eroulths. O Discurso Jurídico da Propriedade e suas Rupturas:uma analise do ensino do direito de propriedade. Rio de Janeiro: Renovar DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Bens públicos: domínio urbano: infra-estrutura. Belo Horizonte: Fórum, 2007, 360 p. FERNANDES, Edésio. Política Nacional de Regularização Fundiário: contexto, proposta e limites. In: Revista de Direito Imobiliário, São Paulo: Revista dos Tribunais, n. 56, jan/jun, Questões anteriores ao Direito Urbanístico. Belo Horizonte: PUC Minas Virtual, Regularização de Assentamentos Informais: o grande desafio dos municípios, da sociedade e dos juristas brasileiros. In: ROLNIK, Raquel et. al. (coord.). Regularização Fundiária de Assentamentos Informais Urbanos. Belo Horizonte: PUC Minas Virtual, FERNANDES, Antonio. Estatuto da cidade: cidade de todos nós, cidade de muitos nós. IN. Caminhos de Geografia, volume 16, pp , out/2005. Disponível em: <http://www.ig.ufu.br/revista/volume16/artigo8_vol16.pdf> Acesso em 25/08/2009. FIGUEIREDO, Guilherme José Purvin. A propriedade no Direito Ambiental. Rio de Janeiro: Esplanada, FIORILLO, Celso Antonio Pacheco. Curso de Direito Ambiental Brasileiro. 4ª ed. São Paulo: Saraiva, GROSTEIN, M. D. Metrópole e Expansão Urbana: a Persistência de Processos Insustentáveis. São Paulo em Perspectiva. Fundação SEADE. Nº 01, GUIMARÃES, Solange T. de Lima. Nas Trilhas da Qualidade: algumas idéias, visões e conceitos sobre qualidade ambiental e de vida..., Revista GEOSUL, UFSC, Florianópolis, n.40, p. 7-26, jul./dez. 2005, Disponível em: <http://www.cultiva.org.br/pdf/qualidade_ambiental_e_da_vida.pdf> Acesso em: 15 jan HARDT, L.P.L. Subsídios à gestão de qualidade da paisagem urbana: aplicação a Curitiba - PR. Curitiba: Tese (Doutoramento em Engenharia Florestal) Setor de Ciências Agrárias, Universidade Federal do Paraná. LUCAS, Renata Paula. O Código Florestal em meio urbano: Implicações da Lei nº 7.803/89 na regularização de assentamentos irregulares em grandes cidades, Dissertação de Mestrado Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo Universidade de São Paulo. LEAL, Rogério Gesta. A função da propriedade e da cidade no Brasil: aspectos jurídicos e políticos. Porto Alegre. Livraria do Advogado, Santa Cruz do Sul: Edunisc, MANCUSO, Rodolfo de Camargo. Comentário ao Código de Proteção ao Consumidor. São Paulo: Saraiva, 1991, p.275. MALTHUS, Thomas Robert. Ensaio sobre a População. Tradução de por Antonio Alves Cury. São Paulo: Abril Cultural, (Os Economistas). * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

10 MAZETTO, Francisco de Assis Penteado. Qualidade de vida, qualidade ambiental e meio ambiente urbano: breve comparação de conceitos. Sociedade & Natureza, Uberlândia, v. 14, n.24, p , jun./dez MOTA, S. Planejamento Urbano e Preservação Ambiental. Fortaleza: UFC, Urbanização e Meio Ambiente. Rio de Janeiro, ABES, 1999, PIRES, Luis Manuel Fonseca. Loteamentos Urbanos: natureza jurídica. São Paulo: Quartier Latin, 2006, 160 p. PISSOL, Kátia Maria Santos de Andrade. A Dinâmica Urbana: Uma Leitura da Cidade e da Qualidade de Vida no Urbano. Caminhos de Geografia, Uberlândia MG, v.7, n.17, p.1-7, fev. 2006, ISSN: Disponível em: <http://www.caminhosdegeografia.ig.ufu.br/viewarticle.php?id=25&layout=abstract> Acesso em: 10 jan PRESTES, Vânesca Buzelato. A resolução CONAMA n. 369/2006 na perspectiva do direito intertemporal: a hipótese da regularização fundiária sustentável. In: BENJAMIN, Antonio Herman; LECEY, Eladio; CAPPELLI, Silvia (orgs.). Congresso Internacional de Direito Ambiental. Meio ambiente e acesso a Justiça: flora, reserva legal e APP. 3v. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, ROGERS, Richard. Cidades para Um Pequeno Planeta. Tradução de Anita Regina Di Marco, 4ª Edição. Barcelona: Editorial Gustavo Gili, ROLNIK, Raquel. Planejamento Urbano nos Anos 90: Novas Perspectivas para Velhos Temas. RIBIERO; QUEIROZ, Luiz César; SANTOS JUNIOR, Orlando Alves (Orgs.). Globalização, Fragmentação e Reforma Urbana. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira: 1997, p ROSSET, Franciele. Procedimentos metodológicos para estimativa do índice de áreas verdes públicas. Estudo de caso: Erichim, RS p. Dissertação (Mestrado) Universidade de São Carlos, São Carlos, Disponível em: <http://www.bdtd.ufscar.br/tde_busca/arquivo.php?codarquivo=631>. Acesso em: 7 jan ROSSETTO, Adriana Marques. Proposta de um sistema integrado de gestão do ambiente urbano (SIGAU) para o desenvolvimento sustentável das cidades, Florianópolis, Tese de doutorado em engenharia da produção Universidade Federal de Santa Catarina. Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção e Sistemas. SAULE JÚNIOR, Nelson.Novas perspectivas do direito urbanístico brasileiro. Ordenamento constitucional da política urbana: aplicação e eficácia do plano diretor. Porto Alegre: Sérgio Fabris Editor, Estatuto da Cidade: Instrumento de reforma Urbana. [on-line] Disponível em<http://www.estatutodacidade.org.br/estatuto/artigos.shtml>. Acesso em 20 de abril de Direito Urbanístico: Vias jurídicas das políticas urbanas. Porto Alegre: SCHEID, Cintra Maria. A Regularização Fundiária dos Assentamentos Urbanos Informais como Garantia do Mínimo Existencial no Direito a Moradia, Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Direito Área de Concentração em Direitos Sociais e Políticas Públicas Universidade de Santa Cruz, SILVA, José Afonso da. A dignidade da pessoa humana como valor supremo da democracia. In: Revista de Direito Administrativo, Rio de Janeiro: Renovar, n. 212, abril/junho SMOLKA, Martin O. O capital incorporador e seus movimentos de valorização. In: Cadernos IPPUR/UFRJ, ano II, n.1, jan/abr Rio de Janeiro: UFRJ, pp STRUCHEL, Andrea. A agenda urbano-ambiental para o município de Campinas. In.: Fernandes, Edésio, Alfonsin, Betânia (coord). Direito Urbanístico: estudos brasileiros e internacionais. Belo Horizonte: Del Rei, 2006, p.284 THE WHOQOL GROUP. The World Health Organization quality of life assessment (WHOQOL): position paper from the World Health Organization. Soc Sci Méd; 41: ULTRAMARI, C. Origem de uma política urbana e ambiental. In: Desenvolvimento e Meio Ambiente: cidade meio ambiente urbano. Curitiba: Editora da UFPR, nº3, 2001 UNFPA, Fundo de População das Nações Unidas. Situação da população mundial Desencadeando o Potencial do Crescimento Urbano. Copyright, VILLAÇA, F. Espaço intra-urbano no Brasil. São Paulo: Nobel, * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

11 [1] Segundo Malthus (1983, p.282) expôs: Então, adotando meus postulados como certos, afirmo que o poder de crescimento da população é indefinidamente maior do que o poder que tem a terra de produzir meios de subsistência para o homem. [2] Para Lojkine (1981, p. 166 apud VILLAÇA, 1998, p. 143), a segregação é uma manifestação da renda fundiária urbana, um fenômeno produzido pelos mecanismos de formação dos preços do solo. [3] Bens de uso comum são aqueles destinados ao uso indistinto de toda a coletividade. Podem ser de uso gratuito (ruas, praias etc.) ou remunerado (estradas, parques etc.). Podem provir do destino natural do bem, por exemplo, rios, mares, ruas, praças, ou por lei ou ainda por ato administrativo. Mas há sempre uma afetação ao uso coletivo, Daí a incidência do regime jurídico administrativo. (PIRES, 2006, p. 60) [4] Bens de uso especial são aqueles destinados a uma finalidade especial, não são de uso indiscriminado da sociedade. Também podem ser de uso gratuito (repartições públicas, aeroportos etc.) ou remunerado (museu, teatro, etc.). Há sempre, como na categoria antecedente, uma afetação ao uso da Administração. E com isso também se justifica a subsunção ao regime jurídico administrativo. (PIRES, 2006, p. 60) [5] A inalienabilidade implica impossibilidade de alguém passar a propriedade de certo bem para outrem. Ela impede que certo bem público seja objeto de contratos de compra e venda, doação, permuta [...] (DI PIETRO, 2007, 114). A causa da inalienabilidade é a proteção do uso público e, por conseguinte, do interesse coletivo. (CRETELLA JÚNIOR, 1984, p. 33 apud DI PIETRO, 2007, 114). [6] Impenhorabilidade assegura que os bens públicos não sejam objetos de penhora, seja qual for modalidade. (PIRES, 2006, p. 63) [7] A imprescritibilidade é regra que afasta o elemento tempo como condição para aquisição de propriedade. Em razão dela, o decurso de tempo não favorece terceiro possuidor de qualquer tipo de bem público, de sorte a impossibilitar sua usucapião. (DI PIETRO, 2007, 117) [8] Para Guimarães (2005) o conceito de qualidade ambiental incorpora as dimensões materiais e imateriais do meio ambiente, podendo ser avaliado como substrato e mediador de todas as formas de vida. [9] Regularização fundiária é o processo de intervenção pública, sob os aspectos jurídico, físico e social, que objetiva legalizar a permanência de populações moradoras de áreas urbanas ocupadas em desconformidade com a lei para fins de habitação, implicando acessoriamente melhorias no ambiente urbano do assentamento, no resgate da cidadania e da qualidade de vida da população beneficiária (ESTATUTO DA CIDADE, 2002). Neste contexto o termo regularização tem sido usado pelas diversas municipalidades com sentidos diferentes, referindo-se em muitos casos somente à urbanização das áreas informais, isto é, aos programas de implementação de obras de infra-estrutura urbana e prestação de serviços públicos. Em outros casos, o termo tem sido usado para se referir tão-somente às políticas de legalização fundiária das áreas e dos lotes ocupados informalmente. Algumas experiências mais compreensivas têm tentado combinar, em alguma medida, essas duas dimensões fundamentais, quais sejam, urbanização e legalização. São ainda mais raros os programas que têm se proposto a promover a regularização das construções informais (FERNANDES, 2006, p. 19). [10] A Resolução CONAMA Nº 369, de 28 de março de 2006 que dispõe sobre os casos excepcionais, de utilidade pública, interesse social ou baixo impacto ambiental, que possibilitam a intervenção ou supressão de vegetação em Área de Preservação Permanente - APP. * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

Regularização Fundiária. Rosane Tierno 02 julho -2011

Regularização Fundiária. Rosane Tierno 02 julho -2011 Regularização Fundiária Rosane Tierno 02 julho -2011 Parte I - Informalidade fundiária Imagem interna de um cortiço Regularização Fundiária Por que?? INFORMALIDADE FUNDIÁRIA URBANA MUNICÍPIOS POR FAIXA

Leia mais

E CONFLITOS. Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral

E CONFLITOS. Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NA CIDADE DE PIRACICABA - SP: AÇÕES A E CONFLITOS Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral Engª Civil Silvia Maria

Leia mais

RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014

RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014 RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014 Inquérito Civil Público nº 1.22.000.002106/2010-13 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, por intermédio do Grupo de Trabalho Intercameral Habitação de Interesse,

Leia mais

MUDANÇAS DA ORDEM URBANA DAS METRÓPOLES LIVROS COMPARATIVOS Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia

MUDANÇAS DA ORDEM URBANA DAS METRÓPOLES LIVROS COMPARATIVOS Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia MUDANÇAS DA ORDEM URBANA DAS METRÓPOLES LIVROS COMPARATIVOS Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Capítulo 6 Organização Social do Território e formas de provisão de moradia Seminário

Leia mais

Planejamento Urbano Governança Fundiária

Planejamento Urbano Governança Fundiária Planejamento Urbano Governança Fundiária Instrumentos de Gestão, Conflitos Possibilidades de Inclusão Socioespacial Alexandre Pedrozo agosto. 2014 mobiliza Curitiba...... de antes de ontem...... de ontem......

Leia mais

Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos

Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos 1 Fatores geradores dos conflitos fundiários urbanos Reintegração de posse de imóveis públicos e privados, em que o processo tenha ocorrido em desconformidade

Leia mais

A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA

A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA Ana Lia Ferreira Mendes de Carvalho liafmc@yahoo.com.br Geografia Bacharelado - UNIFAL-MG INTRODUÇÃO O presente

Leia mais

Urbanização Brasileira

Urbanização Brasileira Urbanização Brasileira O Brasil é um país com mais de 190 milhões de habitantes. A cada 100 pessoas que vivem no Brasil, 84 moram nas cidades e 16 no campo. A população urbana brasileira teve seu maior

Leia mais

CÓDIGO FLORESTAL e ÁREAS URBANAS

CÓDIGO FLORESTAL e ÁREAS URBANAS CÓDIGO FLORESTAL e ÁREAS URBANAS Brasília 30 de agosto de 2011 Celso Santos Carvalho Diretor de Assuntos Fundiários Urbanos O processo de urbanização brasileiro não considerou a necessidade de prover habitação

Leia mais

4º CONFERENCIA ESTADUAL DAS CIDADES 07 a 09 abril 2010 Foz do Iguaçu PR

4º CONFERENCIA ESTADUAL DAS CIDADES 07 a 09 abril 2010 Foz do Iguaçu PR 4º CONFERENCIA ESTADUAL DAS CIDADES 07 a 09 abril 2010 Foz do Iguaçu PR CIDADE PARA TODOS E TODAS COM GESTÃO DEMOCRÁTICA, PARTICIPATIVA E CONTROLE SOCIAL Avanços, Dificuldades e Deságios na Implementação

Leia mais

Ministério das Cidades MCidades

Ministério das Cidades MCidades Ministério das Cidades MCidades Objetivos de Desenvolvimento Sustentável ODS São Paulo, 02 de junho de 2014 Roteiro 1. O processo de urbanização no Brasil: histórico. 2. Avanços institucionais na promoção

Leia mais

45ª Semana de Serviço Social. OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade. 14 a 16 de maio de 2014

45ª Semana de Serviço Social. OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade. 14 a 16 de maio de 2014 45ª Semana de Serviço Social OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade 14 a 16 de maio de 2014 Na Copa, comemorar o quê?. É com este mote criativo e provocativo que o Conjunto

Leia mais

CURSO REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA. Tratamento Constitucional da Política Urbana: Estatuto da Cidade; Regularização Fundiária e o Papel do Plano Diretor.

CURSO REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA. Tratamento Constitucional da Política Urbana: Estatuto da Cidade; Regularização Fundiária e o Papel do Plano Diretor. CURSO REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA Tratamento Constitucional da Política Urbana: Estatuto da Cidade; Regularização Fundiária e o Papel do Plano Diretor. INSTITUTO PÓLIS 2009 Heliópolis São Paulo Estatuto da

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL TRANSFORMAR ASSENTAMENTOS IRREGULARES EM BAIRROS Autor(es): Gabriel Carvalho Soares de Souza, Alexandre Klüppel, Bruno Michel, Irisa Parada e Rodrigo Scorcelli Ao considerar a Favela como um fenômeno que

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL E MEIO AMBIENTE: O CASO DE BRASÍLIA TEIMOSA

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL E MEIO AMBIENTE: O CASO DE BRASÍLIA TEIMOSA Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL E MEIO AMBIENTE: O CASO DE BRASÍLIA TEIMOSA Tatiana Cavalcanti Fonseca*, Elizabeth Amaral Pastich, Hélida Karla Philippini da Silva

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Ao CONAMA Propostas do Fórum Nacional da Reforma Urbana, do Centro pelo Direito à Moradia contra Despejos (COHRE) e Instituto POLIS

Ao CONAMA Propostas do Fórum Nacional da Reforma Urbana, do Centro pelo Direito à Moradia contra Despejos (COHRE) e Instituto POLIS 1 Ao CONAMA Propostas do Fórum Nacional da Reforma Urbana, do Centro pelo Direito à Moradia contra Despejos (COHRE) e Instituto POLIS À Resolução do CONAMA que dispõe sobre os casos excepcionais, de utilidade

Leia mais

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais Secretaria Nacional de Programas Urbanos CONCEITOS Área Urbana Central Bairro ou um conjunto de bairros consolidados com significativo acervo edificado

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL

PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL Governo de Santa Catarina Secretaria de Estado da Assistência Social, Trabalho e Habitação PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL Florianópolis REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ASSENTAMENTOS

Leia mais

UM PANORAMA DOS PROGRAMAS HABITACIONAIS NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA

UM PANORAMA DOS PROGRAMAS HABITACIONAIS NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA UM PANORAMA DOS PROGRAMAS HABITACIONAIS NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA Autora: Cláudia V. Cesar 1 Universidade Federal de Juiz de Fora Resumo: Este artigo apresenta um breve panorama dos programas habitacionais

Leia mais

Curso de Formação para a Elaboração, Monitoramento e Acompanhamento do PLHIS

Curso de Formação para a Elaboração, Monitoramento e Acompanhamento do PLHIS Curso de Formação para a Elaboração, Monitoramento e Acompanhamento do PLHIS Módulo IV Política Habitacional e as políticas urbanas Política Habitacional: o papel dos estados e municípios Regina Fátima

Leia mais

FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO

FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO As condições para o financiamento do desenvolvimento urbano estão diretamente ligadas às questões do federalismo brasileiro e ao desenvolvimento econômico. No atual

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Considerando a ratificação do Pacto Internacional de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, que reconhece o direito de todos a um adequado nível de vida, incluindo alimentação adequada,

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL COMO SUBSÍDIO À GESTÃO DAS ÁREAS DE VULNERABILIDADE AMBIENTAL DA CIDADE DE CORUMBÁ - MS

DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL COMO SUBSÍDIO À GESTÃO DAS ÁREAS DE VULNERABILIDADE AMBIENTAL DA CIDADE DE CORUMBÁ - MS DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL COMO SUBSÍDIO À GESTÃO DAS ÁREAS DE VULNERABILIDADE AMBIENTAL DA CIDADE DE CORUMBÁ - MS Nayane Cristina Costa Silva *, Graciela Gonçalves de Almeida, Joelson Gonçalves Pereira

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Juliano Varela de Oliveira 2 O Desenvolvimento Sustentável é uma proposta alternativa ao modelo de desenvolvimento com viés puramente

Leia mais

A QUESTÃO FEDERATIVA NA DEFINIÇÃO DA POLITICA PÚBLICAS URBANAS NO BRASIL

A QUESTÃO FEDERATIVA NA DEFINIÇÃO DA POLITICA PÚBLICAS URBANAS NO BRASIL A QUESTÃO FEDERATIVA NA DEFINIÇÃO DA POLITICA PÚBLICAS URBANAS NO BRASIL 1 O PACTO FEDERATIVO E A QUESTÃO FISCAL As dificuldades oriundas do federalismo brasileiro vêm ganhando cada vez mais espaço na

Leia mais

O DIREITO À MORADIA E O PROCESSO DE VALORIZAÇÃO DO SOLO. Instrumentos de planejamento e gestão do solo urbano em disputa

O DIREITO À MORADIA E O PROCESSO DE VALORIZAÇÃO DO SOLO. Instrumentos de planejamento e gestão do solo urbano em disputa Promoção: O DIREITO À MORADIA E O PROCESSO DE VALORIZAÇÃO DO SOLO Instrumentos de planejamento e gestão do solo urbano em disputa Rosane Biasotto Coordenadora técnica Planos de Habitação de Interesse Social

Leia mais

URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS. Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França

URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS. Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França A década de 1930 do século XX traz para a população brasileira um novo momento, quanto a sua distribuição. Até então, a população

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária POLÍTICA HABITACIONAL DA CIDADE DE SÃO PAULO Plano Diretor Estratégico do Município (Lei 13.430/02, art. 79): Moradia digna é aquela que garante ao morador

Leia mais

OS INSTRUMENTOS DE GESTÃO URBANA E O ESTATUTO DA METRÓPOLE

OS INSTRUMENTOS DE GESTÃO URBANA E O ESTATUTO DA METRÓPOLE OS INSTRUMENTOS DE GESTÃO URBANA E O ESTATUTO DA METRÓPOLE Jeferson Dantas Navolar Edson Luiz Cardoso Pereira Maringá, 11 de junho de 2015 POLÍTICA URBANA NO BRASIL Anos de 30 Legislação sobre loteamentos

Leia mais

APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba

APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba FRENTE MOBILIZA CURITIBA 1ª Oficina Meio Ambiente e Plano Diretor APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba Incidência e Regularização Fundiária de APP s Urbanas na Lei 12.651/12 Prof. Dr. José Gustavo

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades

Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades Associação Brasileira de Recursos Hídricos Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades Vladimir Caramori CTEC/UFAL Fortaleza, novembro de 2010 Gestão das águas urbanas Tema complexo reconhecido

Leia mais

Planejamento Urbano no Brasil, Estatuto da Cidade e o GIS

Planejamento Urbano no Brasil, Estatuto da Cidade e o GIS ALÍCIA FERNANDINO RODRIGUES aliciarodrigues@terra.com.br Título: Planejamento Urbano no Brasil, Estatuto da Cidade e o GIS GRUPO 1 : Planos Diretores e Sustentabilidade urbano-ambiental Planejamento Urbano

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE CAPITAL SOCIAL PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA SUSTENTÁVEL

CONSTITUIÇÃO DE CAPITAL SOCIAL PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA SUSTENTÁVEL UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE DIREITO PROGRAMA PÓLOS DE CIDADANIA CONSTITUIÇÃO DE CAPITAL SOCIAL PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA SUSTENTÁVEL MIRACY BARBOSA DE SOUSA GUSTIN MARIANNA VIEIRA

Leia mais

DINÂMICA ESPECULATIVA NO PROCESSO DE EXPANSÃO URBANA DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON-PR Josiane de Oliveira Medeiros Führ 1 Edson dos Santos Dias 2

DINÂMICA ESPECULATIVA NO PROCESSO DE EXPANSÃO URBANA DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON-PR Josiane de Oliveira Medeiros Führ 1 Edson dos Santos Dias 2 DINÂMICA ESPECULATIVA NO PROCESSO DE EXPANSÃO URBANA DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON-PR Josiane de Oliveira Medeiros Führ 1 Edson dos Santos Dias 2 Introdução Impulsionado por fatores econômicos, o processo

Leia mais

Gestão Pública em BH Programa BH Metas e Resultados e BH 2030

Gestão Pública em BH Programa BH Metas e Resultados e BH 2030 Gestão Pública em BH Programa BH Metas e Resultados e BH 2030 5º Congresso de Gerenciamento de Projetos 10 de novembro de 2010 Belo Horizonte Planejamento Estratégico Longo Prazo período 2010-2030 - planejamento

Leia mais

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados DEAP/SNAPU/MCIDADES Maio/2015 Contexto brasileiro Necessidade de obras públicas para requalificação e reabilitação

Leia mais

A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério

A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS 1 Industrialização e urbanização A industrialização dá o tom da urbanização contemporânea; Teve seu início próxima as áreas de matériasprimas e água; Ela

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Ministério Público do Trabalho

Ministério Público do Trabalho Ministério Público do Trabalho Procuradoria Regional do Trabalho da Nona Região www.prt9.mpt.gov.br A realidade Fundamentos Jurídicos Declaração Universal dos Direitos do Homem, que diz que o reconhecimento

Leia mais

A REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE INTERESSE SOCIAL: PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA*

A REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE INTERESSE SOCIAL: PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA* A REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE INTERESSE SOCIAL: PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA* ANA LIGIA DA SILVA SANTIAGO, MÁRCIA DE ALENCAR SANTANA, MICHELE RODRIGUES BARROSO, ROSANA CARVALHO CARDOSO FERREIRA LEITE

Leia mais

PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO. desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo

PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO. desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo Geografia urbana Costa, 2002 1 PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO! As porções do território ocupadas pelo homem vão desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo uma nova definição. As noções de

Leia mais

CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO AMBIENTAL E URBANÍSTICO O PLANO DIRETOR COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO URBANO-AMBIENTAL AMBIENTAL DAS CIDADES

CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO AMBIENTAL E URBANÍSTICO O PLANO DIRETOR COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO URBANO-AMBIENTAL AMBIENTAL DAS CIDADES CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO AMBIENTAL E URBANÍSTICO SALVADOR, 17 DE MAIO DE 2007 O PLANO DIRETOR COMO INSTRUMENTO DE 1. Rápida R análise do conceito de Cidade Sustentável O aumento excessivo do número

Leia mais

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010.

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. Pág. 1 de 5 LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL FMHIS E INSTITUI O CONSELHO GESTOR DO FMHIS. O PREFEITO MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL ACRE, EM EXERCÍCIO,

Leia mais

Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Habitação

Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Habitação Ministério das Cidades SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE MEJORAMIENTO DE BARRIOS México - 29 e 30 novembro/2004 Programa Habitar Brasil/BID Governo Federal Processo de Urbanização Brasileiro Crescimento da

Leia mais

A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1

A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1 A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1 Juliano Varela de Oliveira 2 Cada cidade possui suas peculiaridades referentes às condições de sobrevivência

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS Seminário Internacional Planejamento Urbano em Região Metropolitana - O caso de Aracaju Aracaju,

Leia mais

Temas Fundamentais para o Ensino do Direito Urbanístico -Bases para Cursos de Especialização de Direito Urbanístico Nelson Saule Júnior

Temas Fundamentais para o Ensino do Direito Urbanístico -Bases para Cursos de Especialização de Direito Urbanístico Nelson Saule Júnior Temas Fundamentais para o Ensino do Direito Urbanístico -Bases para Cursos de Especialização de Direito Urbanístico Nelson Saule Júnior Oficina: Ensino do Direito Urbanístico 1, Justificativa É crescente

Leia mais

Ministério Público do Trabalho Procuradoria Regional do Trabalho da Nona Região. www.prt9.mpt.gov.br

Ministério Público do Trabalho Procuradoria Regional do Trabalho da Nona Região. www.prt9.mpt.gov.br Ministério Público do Trabalho Procuradoria Regional do Trabalho da Nona Região www.prt9.mpt.gov.br A realidade Fundamentos Jurídicos Declaração Universal dos Direitos do Homem, que diz que o reconhecimento

Leia mais

Desafios e perspectivas do Trabalho Social Profa. Rosana Denaldi. FGV EAESP 25 de Setembro de 2015

Desafios e perspectivas do Trabalho Social Profa. Rosana Denaldi. FGV EAESP 25 de Setembro de 2015 Desafios e perspectivas do Trabalho Social Profa. Rosana Denaldi FGV EAESP 25 de Setembro de 2015 estrutura da apresentação Trabalho Social? O trabalho social tornou-se componente obrigatório nos programas

Leia mais

Direito à Moradia e a Questão Ambiental. Suyá Quintslr

Direito à Moradia e a Questão Ambiental. Suyá Quintslr Direito à Moradia e a Questão Ambiental Suyá Quintslr Roteiro da aula 1. A questão ambiental : do surgimento do preservacionismo no período moderno à problemática ambiental na atualidade 2. A ambientalização

Leia mais

II A realização dos direitos fundamentais nas cidades

II A realização dos direitos fundamentais nas cidades DIREITO À CIDADE UM EXEMPLO FRANCÊS Por Adriana Vacare Tezine, Promotora de Justiça (MP/SP) e Mestranda em Direito Urbanístico na PUC/SP I Introdução A determinação do governo francês de proibir veículos

Leia mais

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis Universidade Metodista Recuperação Ambiental de Áreas Degradadas Impactos gerados pelo uso e ocupação do solo no meio urbano Final século XVIII Revolução Industrial Migração do homem do campo objetivo

Leia mais

ÁREA DO MEIO AMBIENTE E HABITAÇÃO E URBANISMO

ÁREA DO MEIO AMBIENTE E HABITAÇÃO E URBANISMO PLANO GERAL DE ATUAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO PARA O ANO DE 2008 ÁREA DO MEIO AMBIENTE E HABITAÇÃO E URBANISMO Controle e uso do solo urbano e rural: parcelamento irregular/clandestino

Leia mais

Lições Aprendidas em Urbanizações de Favelas

Lições Aprendidas em Urbanizações de Favelas Lições Aprendidas em Urbanizações de Favelas World Urban Forum 2010 Side Event Principais Conclusões do Eixo Físico-Urbanístico Consultor Sênior - Prof. Dr. João Sette Whitaker Ferreira Antecedentes históricos

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

Trabalho Social em Programas de Habitação e Desenvolvimento Urbano: Entre o Ideal e o Concreto

Trabalho Social em Programas de Habitação e Desenvolvimento Urbano: Entre o Ideal e o Concreto Trabalho Social em Programas de Habitação e Desenvolvimento Urbano: Entre o Ideal e o Concreto INÊS MAGALHÃES Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades Seminário Trabalho Social em Programas

Leia mais

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis Fabiana Cristina da Luz luz.fabiana@yahoo.com.br Universidade Cruzeiro do Sul Palavras-chave: Urbanização

Leia mais

Observatório das Metrópoles

Observatório das Metrópoles Direito à Cidade e a Segregação Residencial: desafios do Estatuto da Cidade Prof. Luiz César de Queiroz Ribeiro Observatório das Metrópoles A aprovação do Estatuto da Cidade marca nova etapa na política

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

Comissão de Direito Imobiliário e Urbanístico da OAB/SP. Loteamentos Fechados Temas Polêmicos e Atuais

Comissão de Direito Imobiliário e Urbanístico da OAB/SP. Loteamentos Fechados Temas Polêmicos e Atuais Comissão de Direito Imobiliário e Urbanístico da OAB/SP Loteamentos Fechados Temas Polêmicos e Atuais Painel I Parcelamento do Solo Conceitos e Aspectos Legais 20 de junho de 2006 1 Loteamento art. 2º,

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

Direito à moradia: regularização fundiária de favelas The right to housing: land regularization of slums

Direito à moradia: regularização fundiária de favelas The right to housing: land regularization of slums Direito à moradia: regularização fundiária de favelas The right to housing: land regularization of slums Graziella Guerra Bacelete Mestranda em Direito Empresarial, pelas Faculdades Milton Campos, Minas

Leia mais

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO [30] TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO 1. As zonas áridas e semi-áridas constituem um conjunto de formações naturais complexas, dispersas em vários pontos do planeta e muito diferenciadas

Leia mais

A REFORMA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS TERRITORIAIS E O SEU IMPACTO NO DESENVOLVIMENTO LOCAL

A REFORMA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS TERRITORIAIS E O SEU IMPACTO NO DESENVOLVIMENTO LOCAL A REFORMA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS TERRITORIAIS E O SEU IMPACTO NO DESENVOLVIMENTO LOCAL PRINCIPAIS NOVIDADES DO REGIME JURÍDICO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO TERRITORIAL José António Lameiras 13 de Julho de

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL COMO SUBSÍDIO À GESTÃO DAS ÁREAS DE VULNERABILIDADE AMBIENTAL DA CIDADEDE CORUMBÁ MS

DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL COMO SUBSÍDIO À GESTÃO DAS ÁREAS DE VULNERABILIDADE AMBIENTAL DA CIDADEDE CORUMBÁ MS DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL COMO SUBSÍDIO À GESTÃO DAS ÁREAS DE VULNERABILIDADE AMBIENTAL DA CIDADEDE CORUMBÁ MS Nayane Cristina Costa Silva 1 ; Graciela Gonçalves de Almeida 1 ; Joelson Gonçalves Pereira

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS Capacitação dos pobres para a obtenção de meios de subsistência sustentáveis Base para

Leia mais

Etapa 01 Proposta Metodológica

Etapa 01 Proposta Metodológica SP Etapa 01 Proposta Metodológica ConsultGEL - Rua: : José Tognoli, 238, Pres., 238, Pres. Prudente, SP Consultores Responsáveis, SP Élcia Ferreira da Silva Fone: : (18) 3222 1575/(18) 9772 5705 João Dehon

Leia mais

Região Metropolitana de Curitiba: histórico e considerações sobre o modelo

Região Metropolitana de Curitiba: histórico e considerações sobre o modelo Seminário A Metrópole em Debate: do Estatuto à prática Curitiba 13 de julho de 2015 Região Metropolitana de Curitiba: histórico e considerações sobre o modelo Profª Drª Madianita Nunes da Silva Departamento

Leia mais

Nº ALGUMAS DAS PROPOSTAS INDICAÇÃO DA ALTERAÇÃO 1 Aumento do tamanho dos lotes:

Nº ALGUMAS DAS PROPOSTAS INDICAÇÃO DA ALTERAÇÃO 1 Aumento do tamanho dos lotes: Instituto Defenda Sorocaba aponta contradição no Plano Diretor 2014: meta de projeção de uma cidade sustentável e a ampliação do parcelamento de lotes são incompatíveis O Instituto Defenda Sorocaba (entidade

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

URBANIZAÇÃO NO BRASIL, NO ESTADO E NO MUNICÍPIO, NOS ÚLTIMOS 50 ANOS.

URBANIZAÇÃO NO BRASIL, NO ESTADO E NO MUNICÍPIO, NOS ÚLTIMOS 50 ANOS. URBANIZAÇÃO NO BRASIL, NO ESTADO E NO MUNICÍPIO, NOS ÚLTIMOS 50 ANOS. O que é cidade? Segundo a ONU, aglomerado urbano concentrado com mais de 20 mil habitantes, com atividades no setorsecundário secundário

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004 Estabelece as condições para atendimento com redes de energia elétrica nos lotes situados em loteamentos

Leia mais

LIMITES E POSSIBILIDADES DO PLANO DIRETOR DO RIO DE JANEIRO PARA O ACESSO À MORADIA E A TERRA URBANIZADA

LIMITES E POSSIBILIDADES DO PLANO DIRETOR DO RIO DE JANEIRO PARA O ACESSO À MORADIA E A TERRA URBANIZADA Curso de Capacitação e formação de agentes sociais, lideranças comunitárias e conselheiros(as) municipais de habitação para a elaboração, monitoramento e acompanhamento do PLHIS LIMITES E POSSIBILIDADES

Leia mais

Déficit habitacional é a principal preocupação da política urbana

Déficit habitacional é a principal preocupação da política urbana Página 1 de 5 Busca Déficit habitacional é a principal preocupação da política urbana O Estatuto da Cidade prevê a criação de planos pilotos para o desenvolvimento de cidades e municípios. Para tornar

Leia mais

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA Em 22 e 23 de outubro de 2015, organizado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano SEDU, por meio da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba COMEC,

Leia mais

Desafios Atuais dos Municípios em Matéria urbano-ambiental

Desafios Atuais dos Municípios em Matéria urbano-ambiental Desafios Atuais dos Municípios em Matéria urbano-ambiental Vanêsca Buzelato Prestes Procuradora do Município de Porto Alegre, Mestre em Direito PUC/RS, Professora direito ambiental, urbanísticoe municipal

Leia mais

Reconstruindo o Conceito de Moradia: A Experiência do Plano Local de Habitação de Interesse Social em Paiçandu

Reconstruindo o Conceito de Moradia: A Experiência do Plano Local de Habitação de Interesse Social em Paiçandu Beatriz Fleury e Silva bfsilva@iem.br Msc. Engenharia Urbana. Docente curso de arquitetura Universidade Estadual de Maringá Reconstruindo o Conceito de Moradia: A Experiência do Plano Local de Habitação

Leia mais

V CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO URBANÍSTICO O Direito Urbanístico nos 20 anos da Constituição Brasileira de 1988 Balanço e Perspectivas

V CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO URBANÍSTICO O Direito Urbanístico nos 20 anos da Constituição Brasileira de 1988 Balanço e Perspectivas V CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO URBANÍSTICO O Direito Urbanístico nos 20 anos da Constituição Brasileira de 1988 Balanço e Perspectivas Realização: Instituto Brasileiro de Direito Urbanístico OFICINA

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

Urbanização no Brasil

Urbanização no Brasil Urbanização no Brasil Urbanização é o aumento proporcional da população urbana em relação à população rural. Segundo esse conceito, só ocorre urbanização quando o crescimento da população urbana é superior

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO - CONSEMAC

CONSELHO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO - CONSEMAC CONSELHO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO - CONSEMAC Indicação CONSEMAC nº 08, de 21 de junho de 2007. Dispõe sobre o Projeto de Lei n 166/2005 de Política Municipal de Educação Ambiental

Leia mais

Tema 6: Proteção do Direito à Moradia nos Conflitos Fundiários Urbanos

Tema 6: Proteção do Direito à Moradia nos Conflitos Fundiários Urbanos Tema 6: Proteção do Direito à Moradia nos Conflitos Fundiários Urbanos CONFLITOS FUNDIÁRIOS URBANOS: O DILEMA DO DIREITO A MORADIA EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Ana Maria Filgueira Ramalho aramalho@hotlink.com.br,

Leia mais

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil PLANEJAMENTO URBANO O planejamento urbano é o processo de

Leia mais

VII CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO URBANÍSTICO

VII CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO URBANÍSTICO VII CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO URBANÍSTICO "Direito Urbanístico e Justiça Urbana: cidade, democracia e inclusão social" São Paulo - 11 a 13 de novembro de 2013 CHAMADA DE TRABALHOS A Comissão Científica

Leia mais

SÃO BERNARDO DO CAMPO

SÃO BERNARDO DO CAMPO 1 PPA Participativo 2014-2017 Prestação de Contas O PPA Participativo 2014-2017 em números 21 plenárias 13.471 participantes 200 grupos de trabalho 400 diretrizes 55 programas e ações R$ 18,6 bilhões 3

Leia mais

2. (Espcex (Aman) 2013) Com relação às regiões metropolitanas (RM) no Brasil, leia as afirmativas abaixo:

2. (Espcex (Aman) 2013) Com relação às regiões metropolitanas (RM) no Brasil, leia as afirmativas abaixo: 1. (Fuvest 2013) Observe os gráficos. Com base nos gráficos e em seus conhecimentos, assinale a alternativa correta. a) Em função de políticas de reforma agrária levadas a cabo no Norte do país, durante

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE AUDIÊNCIA PÚBLICA - ESTUDOS TÉCNICOS MACRODRENAGEM E APP S EM ÁREAS URBANA CONSOLIDADA PROPOSTA DE CONDICIONANTES E RESTRIÇÕES

Leia mais

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS Cristiane Cinat Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - Franca cricriblue@hotmail.com Introdução

Leia mais

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011.

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. 1 LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. Institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I

Leia mais

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES ANÁLISE DO PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO DO MUNICÍPIO DE SALVADOR PDDU/2006 LEI Nº 6.586/2004 Regulamenta a Lei Orgânica do Município nos Título III, Capítulos I e II, artigos 71 a 102, Título

Leia mais