INTRODUÇÃO OBJETIVO METODOLOGIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTRODUÇÃO OBJETIVO METODOLOGIA"

Transcrição

1 Impacto da implantação da legislação ambiental relativa às áreas de preservação permanente - APP e reserva legal - RL em sistemas de produção familiares de leite no Sudoeste do Paraná Márcio Miranda 1 RESUMO No debate acerca da legislação ambiental no que tange às áreas de preservação permanente (APP) e reserva legal (RL), é notória a falta de informações consolidadas para subsidiá-lo. Este trabalho teve como objetivo avaliar o impacto da aplicação da legislação ambiental vigente no período do estudo relativa à APP e reserva legal RL em sistemas de produção familiar de leite no Sudoeste do Paraná. Indicadores de eficiência técnica e econômica referentes ao ano agrícola 2.005/2.006, levantados em estabelecimentos familiares diferenciados segundo tipologia adotada pelas Redes de Referências, projeto em andamento na região desde 1.999, foram comparados com as referências validadas nas Redes ou com os melhores dados apurados no levantamento. Os dados permitiram constatar que para 86,8% dos estabelecimentos pesquisados havia como se implantar APP e RL sem comprometer a viabilidade do estabelecimento, desde que se utilizassem processos produtivos melhorados, já validados nas Redes de Referências para a Agricultura Familiar ou pelos agricultores mais eficientes. Para os 13,2% estabelecimentos restantes haveria redução de renda com a implantação da APP e RL. Palavras chaves: Estabelecimentos familiares; Indicadores de eficiência técnica; Viabilidade do estabelecimento, Redes de referências; Redução de renda; ABSTRACT There is a notorious lack of consistent information for the debate about the permanent preservation areas (APP) and Legal Reserve (RL) in the environmental legislation. This study objective was to assess the impact of the implementation of APP and RL legal rules in familiar farming systems in the Southwest of Paraná State. Indicators of technical and economic efficiency in dairy productions systems obtained in a survey in 1 Engenheiro Agrônomo, MSC, IAPAR, atualmente no Centro Paranaense de Referência em Agroecologia CPRA, Estrada da Graciosa, Pinhais PR. CEP

2 small farms differentiated according to typology adopted in the Net of References project, for the growing season 2.005/2.006, were compared with the Net of References data or with the best indicators collected in the survey. The data showed that 86.8% of establishments surveyed could apply APP and RL rules without compromising their economical viability, since they use improved production system validated in the Net of References. For establishments remaining there would be no reduction of income with the introduction of APP and RL. INTRODUÇÃO Os impactos que as atividades humanas trazem ao ambiente têm sido causa de preocupação à sociedade. A constatação de que muitos dos benefícios que novas tecnologias trazem na satisfação de necessidades e desejos vêm acompanhados por ameaças à sustentabilidade das condições ambientais, ameaçando o futuro próximo e distante da humanidade, resultou na formulação de leis que regulam o uso dos recursos naturais. A agricultura, por ser uma atividade que se desenvolve em direta integração com o ambiente, está submetida à rigorosa legislação ambiental. Esta é uma realidade relativamente nova, com a qual a maior parte dos agricultores ainda não está acostumada. Porém é inquestionável que não há como se pensar em praticar agricultura, ou qualquer outra atividade, sem levarem-se em conta os reflexos que ela pode produzir no ambiente. Como se trata de um tema relativamente recente e por existir interesses em jogo, ainda há muitas indefinições que não permitem que se alcance posição consolidada e consensual. São notórias a falta de dados e informações para subsidiar debates mais consistentes e a desinformação entre muitos dos atores envolvidos, especialmente os agricultores familiares. OBJETIVO Avaliar o impacto da aplicação da legislação ambiental vigente no período do estudo relativa à área de preservação permanente (APP) e reserva legal (RL) em sistemas de produção familiar de leite no Sudoeste do Paraná. METODOLOGIA 2

3 A seleção da amostra de estabelecimentos para o levantamento de campo foi realizada a partir do trabalho Caracterização e diagnóstico dos sistemas de produção do Sudoeste do Paraná. (ASSESOAR, DESER, IAPAR, 1994) (quadro 01), que identificou dez sub-regiões distintas levando em conta características dos recursos naturais e dados socioeconômicos. Para assegurar boa distribuição espacial da amostra buscaram-se estabelecimentos em cada uma das sub-regiões. Para a escolha foram consultados técnicos dos escritórios locais do Instituto Emater de Barracão, Capanema, Chopinzinho, Cruzeiro do Iguaçu, Dois Vizinhos, Francisco Beltrão, Marmeleiro, Pato Branco, Realeza, Vitorino; secretários municipais e/ou técnicos das Prefeituras de Francisco Beltrão, Cruzeiro do Iguaçu, Saudade do Iguaçu, Pato Branco, Vitorino; e diretores do Sistema de Cooperativas de da Agricultura Familiar do Sudoeste do Paraná SISCLAF, da Cooperativa de da Agricultura Familiar CLAF de Dois Vizinhos e da Associação de Suinocultores de Itapejara do Oeste. Quadro 01: Sub-regiões no Sudoeste Caracterização e diagnóstico dos sistemas de produção do Sudoeste do Paraná. ASSESOAR, DESER, IAPAR, Sub-Região Municípios 1 Capanema, Pérola do Oeste, Planalto 2 Nova Prata do Iguaçu, Pranchita, Realeza, Santa Izabel do Oeste 3 Ampere, Flor da Serra do Sul, Francisco. Beltrão, Marmeleiro, Pinhal de São Bento, Santo Antônio do Sudoeste 4 Barracão, Salgado Filho 5 Enéas Marques, Nova Esperança do Sudoeste, Salto do Lontra 6 Boa Esperança do Iguaçu, Cruzeiro do Iguaçu, Dois Vizinhos, Itapejara d Oeste 7 São Jorge do Oeste, Sulina, Saudade do Iguaçu 8 Bom Sucesso do Sul, Coronel Vivida, Chopinzinho, Pato Branco, São João 9 Mariópolis, Renascença, Vitorino 3

4 10 Honório Serpa, Mangueirinha A relevância da produção de leite entre a agricultura familiar na região fez com que o estudo focasse sistemas de produção que tivessem esta atividade dentre as mais importantes na composição da renda. Estudo do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social - IPARDES e Instituto Emater de caracterização socioeconômica da atividade leiteira no Paraná mostrou que em 2007, 25,4% dos produtores e 18,1% da produção no Estado estavam no Sudoeste (Ipardes, Emater, 2008). Foram visitados 90 estabelecimentos. Destes 20 eram atípicos, não se enquadravam nos sistemas de produção predominantes e foram descartados nas análises quantitativas. Os 70 restantes foram classificados segundo critérios utilizados no trabalho das Redes de Referências para a Agricultura Familiar. A definição dos sistemas é resultado da combinação de duas variáveis: a classificação social do agricultor (quadro 02), que reflete a disponibilidade de recursos, e a(s) atividade(s) mais importante(s) na geração de renda. A figura 01 apresenta os sistemas e a frequência que ocorreram na amostra estudada. Quadro 02: Variáveis classificatórias para definição dos sistemas de produção. Capital Variáveis/ Área Participação da mão Benfeitorias Equipamentos Categorias (há) de obra familiar produtivas (R$) agrícolas (R$) PSM , ,00 80 PSM , ,00 50 PSM , ,00 50 EF/ER > 50 > ,00 > ,00 50 Figura 01: Sistemas de produção do levantamento e frequência de ocorrência Grãos + Grãos Grãos + 18,6 % 27,1 % 24,3 % 8,6 % 2,8 %

5 O levantamento de campo foi realizado em janeiro e fevereiro de Os dados coletados foram referentes à safra 2005/2006; as produções ainda não realizadas quando das entrevistas foram estimadas pelos agricultores. A precipitação pluviométrica em 2005 foi de mm, semelhante à média histórica de mm (IAPAR, 2010). No entanto as chuvas foram mal distribuídas e afetaram negativamente as produções. Nos meses de novembro e dezembro de 2005 os índices pluviométricos foram respectivamente de 71 e 44 mm., enquanto que em janeiro e fevereiro de 2006 foram de 192 e 57 mm. A média mensal em 2005 foi de 170 mm. Os indicadores de eficiência econômica por unidade de superfície agrícola útil destas propriedades foram comparados com os obtidos nas Redes de Referências (Perin et al, 2006) ou no terço superior das unidades levantadas, para os sistemas não estudados nas Redes. Em 32 estabelecimentos foram realizados levantamentos com GPS para definição mais precisa da situação em relação ao atendimento da legislação no que tange às APPs e RLs. Este estudo permitiu verificar o passivo ambiental destas propriedades, ou seja, a área que deveria ser retirada da produção para servir como APP e/ou RL. RESULTADOS Dos seis sistemas de produção identificados na amostra (figura 01), o Grãos + não foi estudado porque apareceu com frequência muito baixa. Para comparação dos outro cinco foram utilizados os parâmetros gerados pelo trabalho das Redes de Referências para a Agricultura Familiar para os sistemas PM3/EF e Grãos + e os indicadores do terço superior da amostra para os sistemas, + Grãos e + Grãos. 5

6 O quadro 03 apresenta as medidas de dimensionamento da amostra de estabelecimentos pesquisados e das referências dos sistemas estudados. A consistência dos valores maiores de capital entre a amostra e as referências, sugere que este fator pode estar associado às diferenças de desempenho que se verão adiante, embora não se possa afirmar isto de forma categórica a partir dos dados. Nos demais parâmetros, de maneira geral, não há diferenças significativas entre a amostra pesquisada e as referências. Quadro 03: Medidas de dimensionamento da amostra de estabelecimentos pesquisados e das referências de cada sistema. Sistema Área SAU* Mão de obra Capital (ha) (ha) (Eq.H**) (mil reais) Amostra/Referência A R A R A R A R 18,48 20,45 15,17 16,55 2,12 1,81 48,9 77,2 33,97 25,00 29,05 19,50 2,29 2,00 115,0 159,8 + Grãos 18,59 20,67 15,23 18,25 2,12 2,37 47,4 57,4 + Grãos 39,71 46,87 27,16 26,82 2,19 2,50 74,5 64,1 Grãos + 44,16 28,00 35,52 22,00 2,54 2,33 118,3 152,9 * SAU: Superfície Agrícola Útil = Área total (áreas com matas nativas e plantadas áreas inaproveitáveis áreas com benfeitorias áreas com estradas); **Eq.H: Equivalente-homem = uma pessoa trabalhando 300 dias por ano. A análise da renda bruta dos sistemas estudados (quadro 04) permite constatar maiores valores entre os sistemas com mais recursos, os dos tipos PSM3 e EF. Os sistemas em que a produção de era a atividade mais importante alcançaram melhor desempenho, o que pode ser conseqüência da maior sensibilidade da produção de grãos à falta de chuvas nos últimos meses de 2005 e primeiros de A importância da produção de leite na geração de renda ficou evidenciada pela sua relevância na 6

7 composição das receitas que variou de 34,1%, nos sistemas em que o foco principal é a produção de grãos, a 93,8% nos estabelecimentos em que o é praticamente a única atividade. Outras rendas, referentes principalmente à aposentadoria ou serviço fora, apareceram em quase metade dos estabelecimentos pesquisados. Embora não tenham guardado relação direta com os sistemas aparecendo em todos, elas surgiram com maior frequencia e/ou maior valor em relação à renda bruta, nos sistemas PSM1 e PSM2. Quadro 04: Renda Bruta da Produção, outras Rendas e Renda Bruta Total da amostra de estabelecimentos pesquisados e das referências de cada sistema. Renda Bruta da Produção Outras Rendas Participação Renda Bruta Total Sistema % na (R$) do R$ (R$) amostra (%) Amostra/ Referência A R A R A A A R , ,03 93,8 96, ,33 69, , , , ,00 87,4 90, ,21 36, , ,00 +Grãos , ,85 71,5 76, ,00 41, , ,85 +Grãos , ,00 54,6 53, ,00 33, , ,00 Grãos , ,00 34,1 47, ,71 53, , ,00 A figura 02 (página 07) mostra graficamente os indicadores econômicos médios dos estabelecimentos em relação às referências de cada sistema. Em todos há potencial de acréscimo na renda, margens de progresso possíveis já que as referências foram obtidas nas condições concretas de um conjunto de propriedades representativas dos sistemas. Os aumentos foram de 16,7% no sistema Grãos + até 88% no. 7

8 O quadro 05 apresenta os custos variáveis das amostras pesquisadas e das referências. A maior intensificação da tecnologia utilizada nas unidades referenciais resultaram numa aumento do custo variável que variou de 24,3% no sistema Grãos + até 77,1 % no. Quadro 05: Custos variáveis totais e participação do na amostra de estabelecimentos pesquisados e nas referências de cada sistema. Custo Variável Sistema Participação do Total % Amostra/Referência A R A R , ,70 76,9 80, , ,36 70,4 89,7 +Grãos , ,47 64,3 85,1 +Grãos , ,61 52,5 45,5 Grãos , ,94 27,2 36,9 As margens brutas, diferenças entre as rendas e os custos variáveis, mostraram os maiores avanços, na comparação das referências com a amostra pesquisada, nos sistemas e + Grãos onde as diferenças foram em torno do dobro (quadro 06). Os menores valores nos sistemas, + Grãos e Grãos + podem ser resultantes, no primeiro caso pelo grande aumento no custo de produção, e nos outros pelas condições climáticas que não permitiram a expressão total da tecnologia mais intensiva no uso de insumos. Nestes sistemas também a produção de grãos é mais importante na formação da renda e ela parece ter sido mais prejudicada pela falta de chuva. No sistema Grãos + as diferenças entre a média da amostra e as referências em todos os parâmetros estudados foram menores demonstrando menor variabilidade entre os estabelecimentos deste grupo. Como este estudo tem como foco o uso do solo, indicadores que expressam a intensificação em seu uso merecem destaque. O quadro 06 e a figura 03 mostram que as referências oferecem boas condições para o uso mais eficiente do solo. 8

9 Quadro 06:, por Superfície Agrícola Útil e Renda Líquida Global por Superfície Agrícola Útil da amostra de estabelecimentos pesquisados e das referências de cada sistema. Sistema Participação MBT / ha RLG* / ha Total (R$) do (%) Amostra/ A R A R A R A R Referência 18708, ,33 108,4 108,5 1275, , , , , ,64 99,7 90,7 1406, , , ,75 +Grãos 12178, ,38 81,6 67,8 871, ,49 585, ,63 +Grãos 26987, ,39 56,6 59,3 1328, ,03 984, ,71 Grãos , ,06 40,7 59,6 710, ,68 461,20 747,77 RLG Renda Líquida Global = Renda total Custos variáveis Depreciação Custos Fixos 9

10 Figura 02: Indicadores econômicos da amostra de estabelecimentos pesquisados e das referências de cada sistema. Renda Bruta R$ % AMOSTRA Custos Variáveis R$ % R$ % 88,0% REFERÊNCIAS Renda Bruta R$ % Custos Variáveis R$ % R$ % Renda Bruta R$ % Custos Variáveis R$ % R$ % 45,7% Renda Bruta R$ % Custos Variáveis R$ % R$ % + Grãos Renda Bruta R$ % Custos Variáveis R$ % R$ % 67,7% Renda Bruta R$ % Custos Variáveis R$ % R$ % + Grãos Renda Bruta R$ % Custos Variáveis R$ % R$ % 37,3% Renda Bruta R$ % Custos Variáveis R$ % R$ % 10

11 Grãos + Renda Bruta R$ % Custos Variáveis R$ % R$ % 16,7% Renda Bruta R$ % Custos Variáveis R$ % R$ % Figura 03: e Renda Líquida Global por ha de SAU da amostra de estabelecimentos pesquisados e das referências de cada sistema. /SAU (R$/ha) RENDA LÍQUIDA GLOBAL/SAU (R$/ha) AMOSTRA REFERÊNCIAS AMOSTRA REFERÊNCIAS ,7% 107% ,4% 101% Grãos ,2% % Grãos ,8% 75,3%

12 Grãos ,0% ,1%

13 A comparação da eficiência das referências em comparação com a amostra pesquisada no uso do solo é marcante. As margens brutas por ha foram 50,8% a 91,7% maiores nas referências. Se considerarmos a Renda Líquida Global por ha as diferenças são ainda maiores, de 62,1% a 108%. Sendo o leite a atividade mais importante na formação da renda nestes sistemas, só não é o mais destacado no Grãos +, é de se esperar que esteja na produção leiteira a razão da melhor performance das referências em relação à amostra pesquisada demonstrada nos dados econômicos gerais dos estabelecimentos. Os dados do quadro 07 mostram indicadores técnicos da atividade leiteira evidenciando os melhores resultados naqueles sistemas mais especializados ( e ), seguidos daqueles em que o leite supera grãos ( + Grãos e + Grãos ) e finalmente aquele em que a produção de grãos é mais importante ( Grãos + ). Para quase todos os indicadores há significativa diferença entre a amostra e as referências. A única exceção é a produção por vaca no sistema. Este indicador deve ser considerado com reservas porque não está levando em conta a proporção das em lactação em relação ao total e o tamanho das vacas, evidenciado com a transformação em unidades animais, por dificuldades de tomada destes dados no levantamento. O melhor desempenho expresso pelos indicadores técnicos se traduz na maior eficiência no uso do solo destacada pelas diferenças na margem bruta por há de área destinada à produção animal. A margem de progresso possível foi de 20,4% no sistema até 117,9% no Grãos +. A figura 04 apresenta mais claramente o crescimento da margem bruta por há de área utilizada na produção de leite das referências em relação à amostra de estabelecimentos pesquisados em cada sistema. 13

14 Quadro 07: Indicadores técnicos e margem bruta da atividade leiteira por há de área destinada à produção de leite dos estabelecimentos pesquisados e das referências de cada sistema. Sistema l/dia Margem Área l/ha/ano Vacas l/vaca Bruta/ha (ha) (R$ha) Amostra/ Referência A R A R A R A R A R A R ,4 15, ,8 14, ,6 14, ,9 11, Grãos ,3 9, ,5 13, Grãos ,5 13, ,2 10, Grãos ,0 14, ,2 7,

15 Figura 04: Margem bruta por ha de área utilizada na produção de leite da amostra de estabelecimentos pesquisados e das referências de cada sistema. AMOSTRA REFERÊNCIAS ,4% ,4% Grãos ,7% Grãos ,2% Grãos % O quadro 08 mostra a presença de benfeitorias, equipamentos e uso de suplementação alimentar nos estabelecimentos. As melhores condições são observadas no sistema especializado e mais capitalizado. Nos demais se percebe menor emprego destas tecnologias refletindo provável falta de recursos financeiros nos sistemas menos capitalizados () e/ou menor importância da atividade leiteira frente a produção de grãos. De maneira geral há ainda o que melhorar na 15

16 estrutura de produção. Estas melhorias podem proporcionar maior produção, com o uso de suplementação ou redução de perda por problemas sanitários decorrentes de benfeitorias e/ou equipamentos impróprios, como também podem trazer melhor qualidade ao leite produzido. Note-se que o levantamento só levou em conta a presença destes itens, não chegando a avaliar sua qualidade. Quadro 08: Ocorrência de benfeitorias, equipamentos e uso de suplementação entre os estabelecimentos pesquisados em cada sistema. Benfeitorias (% de ocorrência) Equipamentos (% de ocorrência) Suplementação (% de ocorrência) Sistema Est. e/ou Sala Ordenhadeira Estábulo S. Resfriador Ração Farelo Ordenha Ordenha 69,3 23,1 84,6 69,2 46,2 76,9 46,2 79,0 31,6 89,5 89,5 73,7 94,7 42,1 +Grãos 64,7 29,4 82,4 64,7 52,9 64,7 76,5 +Grãos 66,7 16,7 83,3 83,3 66,7 83,3 66,7 Grãos+ 69,2 7,7 76,9 83,3 61,5 53,9 69,2 Para simular a redução da área de produção resultante da aplicação da legislação no tocante à complementação da RL e APP, foram feitos levantamentos de campo com gps em 41% dos estabelecimentos, conforme mostra o quadro 09. Os dados mostram que redução variou de 3,26 ha ( ) a 6,12 ha ( + Grãos ), o que representou de 18,1% ( ) a 23,3% ( + Grãos ). A proximidade dos valores entre os sistemas, especialmente dos porcentuais de redução, sugerem a possibilidade de adoção da média de toda a amostra como parâmetro confiável. Ou seja, a correção do passivo ambiental decorrente da 16

17 inadequação no tocante às APP e RL, comprometeria 21,5% da área dos estabelecimentos pesquisados. Quadro 09: Área a recuperar de Reserva Legal (RL) e Área de Preservação Permanente (APP) para atendimento da legislação ambiental, redução da área de produção resultante e porcentagem dos estabelecimentos do total da amostra que foram analisados, por sistema e no total analisado. Sistema Área a recuperar Redução de Estabelecimentos (ha) área de analisados (%) APP RL Total produção (%) 1,72 1,54 3,26 18,6 46 1,33 2,77 4,10 18,1 32 +Grãos 1,58 2,53 4,11 23,3 59 +Grãos 3,11 3,01 6,12 21,7 17 Grãos+ 2,39 2,68 5,07 19,3 46 Média - total da amostra 1,73 2,38 4,11 21,5 41 O quadro 10 apresenta o resumo das margens de progresso constatadas para indicadores que refletem a eficiência dos sistemas no uso do solo. São eles: Renda Bruta por SAU, por SAU, Renda Líquida Global por SAU e Margem Bruta da atividade leiteira por área destinada à produção de leite. Os dados demonstram uma tendência de os sistemas mais especializados na produção de leite, e apresentarem maior eficiência na produção de leite, expressa pelas menores margens de progresso na margem bruta do leite, e menor no estabelecimento em geral, evidenciada pelas maiores margens de progresso dos outros indicadores. O inverso ocorre nos outro sistemas, com a exceção da RLG/ha do sistema + Grãos. Esta constatação sugere que a diversificação pode 17

18 conduzir à melhor eficiência do sistema, o que poderia contribuir para melhoria dos sistemas especializados. Por outro lado, para os sistemas integrados com grãos, há maior potencial de aumento de eficiência na atividade leiteira. Porém, em todos os sistemas e considerando todos os indicadores, as margens de progresso superam com folga a redução de área que a implantação da APP e RL promoveriam. Quadro 10: Margens de progresso - as diferenças porcentuais entre os indicadores das referências e da amostra de estabelecimentos pesquisados - na Renda Bruta por SAU, por SAU, Renda Líquida Global por SAU e da atividade leiteira por área destinada à produção de leite; e porcentual de redução de área em relação à área total dos estabelecimentos analisados por sistema e a média do total da amostra estudada. Margem de progresso (%) Redução Renda Margem de área Sistema Renda Margem Líquida Bruta/ha para APP Bruta/SAU Bruta/SAL Global/SAU e RL 72,4 91,7 107,1 35,4 18,6 117,0 82,4 101,0 20,4 18,1 +Grãos 39,9 67,2 108,2 56,7 23,3 +Grãos 39,0 50,8 75,3 42,2 21,7 Grãos+ 88,5 65,0 62,1 117,9 19,3 Média - total da amostra 76,9 74,2 94,3 52,9 21,5 As práticas validadas nas Redes de Referências para a Agricultura Familiar que compõem os sistemas de produção melhorados, prevêem a análise de solo, adubação de pastagens, introdução de novas espécies de pastagem, implantação do sistema silvipastoril, realização do balanceamento na alimentação das vacas, seleção e criação 18

19 de bezerras, implementação de melhorias nas benfeitorias e aquisição de equipamentos. Algumas requerem apenas um esforço de difusão para a ampliação do uso, outras a assistência técnica especializada e outras ainda, além da assistência, acesso a recursos financeiros por parte dos agricultores familiares. A continuidade no desenvolvimento tecnológico na produção de leite poderá ampliar ainda mais sua eficiência. O desenvolvimento de sistemas de produção diversificados, especialmente os que têm boas possibilidades de integração como o de leite com grãos, foco deste estudo, podem também conduzir à melhor eficiência do uso do solo. Embora a possibilidade de aumento de eficiência econômica seja real para a grande maioria dos estabelecimentos pesquisados conforme mostra o quadro 11, é importante constatar que 13,2% deles já apresentam indicadores semelhantes ou até melhores que as referências, se considerarmos a renda bruta por SAU, o parâmetro mais geral. Este índice é pouco maior para a margem bruta por SAU, 14,7%, e menor para a renda líquida global por SAU, 11,8%. Quadro 11: Estabelecimentos com valores de Renda Bruta/SAU, /SAU, Renda Líquida Global/SAU e da atividade leiteira por área destinada à produção de leite inferiores à referência. Estabelecimentos com valores inferiores que a referência (%) Sistema Renda Bruta/SAU Margem Bruta/SAU Renda Líquida Global/SAU Margem Bruta/ha 84,6 84,6 84,6 61, ,5 89,5 73,7 +Grãos 76,5 82,4 88,2 82,4 +Grãos 66,7 66,7 83,3 50,0 Grãos+ 92,3 92,3 92,3 92,3 Média - total da amostra 86,8 85,3 88,2 75,0 19

20 CONCLUSÕES Este estudo permitiu constatar que para 86,8% dos estabelecimentos pesquisados haveria como se implantar APP e RL sem comprometer a viabilidade da propriedade, desde que se utilizassem processos produtivos melhorados, já validados nas Redes de Referências para a Agricultura Familiar ou pelos agricultores mais eficientes. Para os 13,2% estabelecimentos restantes haveria redução de renda com a implantação da APP e RL. BIBLIOGRAFIA ASSESOAR/DESER/IAPAR. Caracterização e diagnóstico dos sistemas de produção do sudoeste do Paraná. Francisco Beltrão, PR, p. IPARDES/EMATER. Caracterização socieconômica da atividade leiteira no Paraná / Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social e Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural. Curitiba : IPARDES, p. PERIN, Edevar; VIEIRA, José Antônio Nunes; LOVATO, Luiz Francisco, FRANCESCHI, Lúcia de; MACHADO, Manoel Luiz da Silva; BERTUOL, Ornela. Sistemas de referências para a agricultura familiar no Sudoeste Parnanense: SR1. Instituto Agronômico do Paraná e Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural. Pato Branco, 2006, 8p.: il. PERIN, Edevar; VIEIRA, José Antônio Nunes; LOVATO, Luiz Francisco, FRANCESCHI, Lúcia de; MACHADO, Manoel Luiz da Silva; BERTUOL, Ornela. Sistemas de referências para a agricultura familiar no Sudoeste Parnanense: SR2. Instituto Agronômico do Paraná e Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural. Pato Branco, 2006, 8p. : il. 20

Campanha de Vendas SuperAção Cresol 2014

Campanha de Vendas SuperAção Cresol 2014 Campanha de Vendas SuperAção Cresol 2014 1. PERÍODO A campanha SuperAção Cresol 2014 será realizada no período de 01/03/2014 a 31/12/2014. 2. OBJETIVO DA CAMPANHA Esta campanha busca aumentar o volume

Leia mais

RELATÓRIO DA 1ª CONFERÊNCIA INTERMUNICIPAL DE CULTURA DE PATO BRANCO E REGIÃO DA 14ª DE CULTURA

RELATÓRIO DA 1ª CONFERÊNCIA INTERMUNICIPAL DE CULTURA DE PATO BRANCO E REGIÃO DA 14ª DE CULTURA 1 RELATÓRIO DA 1ª CONFERÊNCIA INTERMUNICIPAL DE CULTURA DE PATO BRANCO E REGIÃO DA 14ª DE CULTURA I - FICHA DE QUALIFICAÇÃO DO ÓRGÃO RESPONSÁVEL PELO EVENTO: 1. MUNICÍPIO / ESTADO: PATO BRANCO - PR 2.

Leia mais

Edevar Perin José Antônio Nunes Vieira Luis Francisco Lovato Manoel Luiz da Silva Machado Ornella Bertuol

Edevar Perin José Antônio Nunes Vieira Luis Francisco Lovato Manoel Luiz da Silva Machado Ornella Bertuol Referências Modulares para a Produção de Feijão na Região Sudoeste do Paraná Edevar Perin José Antônio Nunes Vieira Luis Francisco Lovato Manoel Luiz da Silva Machado Ornella Bertuol Giovana/2001 REFERÊNCIAS

Leia mais

REDES DE INOVAÇÃO E REDES DE DIFUSÃO: AMPLIAÇÃO DO ENFOQUE SISTÊMICO NO ESTADO DO PARANÁ

REDES DE INOVAÇÃO E REDES DE DIFUSÃO: AMPLIAÇÃO DO ENFOQUE SISTÊMICO NO ESTADO DO PARANÁ REDES DE INOVAÇÃO E REDES DE DIFUSÃO: AMPLIAÇÃO DO ENFOQUE SISTÊMICO NO ESTADO DO PARANÁ Rafael Fuentes Llanillo 1, Edson Luiz Diogo de Almeida 2, Dimas Soares Júnior 3, Márcio Miranda 4 Sérgio Luís Carneiro

Leia mais

Praticado no Sudoeste do Paraná

Praticado no Sudoeste do Paraná Praticado no Sudoeste do Paraná SEAB SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SR1 Gado Leiteiro Especializado, milho e soja, que produz 150 mil litros de leite/ano, em 19,5 ha de SAU - sobre

Leia mais

Praticado no Sudoeste do Paraná. Produz milho, soja e 54 mil litros de leite, em 22,0 ha de SAU sobre relevo forte ondulado (topossequência 3)

Praticado no Sudoeste do Paraná. Produz milho, soja e 54 mil litros de leite, em 22,0 ha de SAU sobre relevo forte ondulado (topossequência 3) Praticado no Sudoeste do Paraná SEAB SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SR2 Produz milho, soja e 54 mil litros de leite, em 22,0 ha de SAU sobre relevo forte ondulado (topossequência

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O Nº 096/2000-CEPE/UNICENTRO

R E S O L U Ç Ã O Nº 096/2000-CEPE/UNICENTRO R E S O L U Ç Ã O Nº 096/2000-CEPE/UNICENTRO Aprova o Projeto de Qualificação para o desenvolvimento do Associativismo e Cooperativismo e ficam convalidadas as etapas já realizadas. O REITOR DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Graciela Caroline Gregolin 1 Marcos Roberto Gregolin 2 Wilson João Zonin 3

Graciela Caroline Gregolin 1 Marcos Roberto Gregolin 2 Wilson João Zonin 3 O ENCONTRO DA PRODUÇÃO ORGÂNICA FAMILIAR COM A ALIMENTAÇÃO ESCOLAR NO TERRITÓRIO SUDOESTE DO PARANÁ: DESEMPENHO E DIFICULDADES SOB A ÓTICA DOS GESTORES MUNICIPAIS. Graciela Caroline Gregolin 1 Marcos Roberto

Leia mais

ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DOS GASTOS PÚBLICOS NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL DOS MUNICÍPIOS DO SUDOESTE DO ESTADO DO PARANÁ

ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DOS GASTOS PÚBLICOS NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL DOS MUNICÍPIOS DO SUDOESTE DO ESTADO DO PARANÁ ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DOS GASTOS PÚBLICOS NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL DOS MUNICÍPIOS DO SUDOESTE DO ESTADO DO PARANÁ RESUMO Autoria: Andressa Tamara Rech, André Luiz Comunelo, Kellerman Augusto Lemes Godarth

Leia mais

SOARES JÚNIOR, Dimas; SALDANHA, Anaís Naomi Kasuya. Indicadores econômicos propostos para a análise dos sistemas de produção e propriedades

SOARES JÚNIOR, Dimas; SALDANHA, Anaís Naomi Kasuya. Indicadores econômicos propostos para a análise dos sistemas de produção e propriedades SOARES JÚNIOR, Dimas; SALDANHA, Anaís Naomi Kasuya. Indicadores econômicos propostos para a análise dos sistemas de produção e propriedades agropecuárias trabalhadas nas Redes de Referências para a Agricultura

Leia mais

A3-436 Caracterização dos sistemas de produção leiteira nos sistemas agroecológico, transição e convencional em municípios da Cantuquiriguaçu, PR

A3-436 Caracterização dos sistemas de produção leiteira nos sistemas agroecológico, transição e convencional em municípios da Cantuquiriguaçu, PR A3-436 Caracterização dos sistemas de produção leiteira nos sistemas agroecológico, transição e convencional em municípios da Cantuquiriguaçu, PR Christoffoli, P. I.,UFFS 1 ; Silva, A. C., UFFS 2 ; Oliveira,

Leia mais

Praticado no Sudoeste do Paraná

Praticado no Sudoeste do Paraná Praticado no Sudoeste do Paraná SEAB SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SR4 Produz grãos (milho, soja e feijão) na safra normal, fumo, trigo e 76 mil litros de leite em 22,0 ha de SAU,

Leia mais

SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM UMA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MIRAGUAI - RS

SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM UMA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MIRAGUAI - RS SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM UMA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MIRAGUAI - RS José Rubens Hermann dos Santos 1 ; Anderson Clayton Rhoden 2, Fabiana Raquel Mühl 3, Neuri

Leia mais

Estudo dos Gastos com Saúde, Educação e Pessoal nos Municípios do Sudoeste do Paraná

Estudo dos Gastos com Saúde, Educação e Pessoal nos Municípios do Sudoeste do Paraná Estudo dos Gastos com Saúde, Educação e Pessoal nos Municípios do Sudoeste do Paraná GILMAR RIBEIRO DE MELLO Universidade Estadual do Oeste do Paraná CARONINE VENZON Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Leia mais

PROTOCOLO DE INTENÇÕES

PROTOCOLO DE INTENÇÕES PROTOCOLO DE INTENÇÕES Protocolo de Intenções que entre si firmam os Municípios de AMPÉRE, BARRACÃO, BELA VISTA DA CAROBA, BOA ESPERANÇA DO IGUAÇU, BOM JESUS DO SUL, BOM SUCESSO DO SUL, CAPANEMA, CHOPINZINHO,

Leia mais

Ano V - Edição 34 Agosto 2014

Ano V - Edição 34 Agosto 2014 da pecuária de leite Ano V - Edição 34 Agosto 2014 PODER DE COMPRA AUMENTA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2014 Por Pedro de Lima, equipe Gado de Leite Cepea O poder de compra do pecuarista de leite esteve maior,

Leia mais

FATORES POTENCIALIZADORES E LIMITANTES PARA A IMPLANTAÇÃO DE UMA MINI-USINA DE PRODUÇÃO DE BIODIESEL NO SUDOESTE DO PARANÁ

FATORES POTENCIALIZADORES E LIMITANTES PARA A IMPLANTAÇÃO DE UMA MINI-USINA DE PRODUÇÃO DE BIODIESEL NO SUDOESTE DO PARANÁ FATORES POTENCIALIZADORES E LIMITANTES PARA A IMPLANTAÇÃO DE UMA MINI-USINA DE PRODUÇÃO DE BIODIESEL NO SUDOESTE DO PARANÁ Relatório final elaborado pelo Deser e apresentado à Copel, com base no levantamento

Leia mais

Aperfeiçoamento Metodológico do Sistema de Previsão de Safras no Brasil (GeoSafras. Projeto GeoSafras (CONAB/PNUD)

Aperfeiçoamento Metodológico do Sistema de Previsão de Safras no Brasil (GeoSafras. Projeto GeoSafras (CONAB/PNUD) Aperfeiçoamento Metodológico do Sistema de Previsão de Safras no Brasil (GeoSafras (GeoSafras)) Projeto GeoSafras (CONAB/PNUD) Caracterização da Evolução de Plantios no Estado do Paraná Safra de Verão

Leia mais

EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR.

EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR. EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR. Gelson Hein Médico Veterinário Unidade Local de Toledo NOVEMBRO

Leia mais

A INVISIBILIDADE DO TRABALHO DA MULHER NA ORGANIZAÇÃO DOS ESTABELECIMETNOS AGROPECUÁRIOS: UM ESTUDO DO MUNICÍPIO DE MARMELEIRO (PR)

A INVISIBILIDADE DO TRABALHO DA MULHER NA ORGANIZAÇÃO DOS ESTABELECIMETNOS AGROPECUÁRIOS: UM ESTUDO DO MUNICÍPIO DE MARMELEIRO (PR) A INVISIBILIDADE DO TRABALHO DA MULHER NA ORGANIZAÇÃO DOS ESTABELECIMETNOS AGROPECUÁRIOS: UM ESTUDO DO MUNICÍPIO DE MARMELEIRO (PR) LUÍS CARLOS BRAGA UNESP Presdiente Prudente l.karlos2009@hotmail.com

Leia mais

VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DO SIMULADOR ESTOCÁSTICO DE DADOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA - SIMPREC

VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DO SIMULADOR ESTOCÁSTICO DE DADOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA - SIMPREC VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DO SIMULADOR ESTOCÁSTICO DE DADOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA - SIMPREC Autores Monica Carvalho E-mail: meinfo@ig.com.br Jorim Sousa das Virgens Filho E-mail: sousalima@almix.com.br

Leia mais

PREVENÇÃO E ANÁLISE DE ASPECTOS QUANTITATIVOS DOS ACIDENTES DO TRABALHO

PREVENÇÃO E ANÁLISE DE ASPECTOS QUANTITATIVOS DOS ACIDENTES DO TRABALHO 618 PREVENÇÃO E ANÁLISE DE ASPECTOS QUANTITATIVOS DOS ACIDENTES DO TRABALHO José Miguel Etchalus (1); Antonio Augusto de Paula Xavier (2) & João Luiz Kovaleski (3) (1)Engenheiro Civil, especialista em

Leia mais

DESAFIOS DA PECUÁRIA LEITEIRA

DESAFIOS DA PECUÁRIA LEITEIRA DESAFIOS DA PECUÁRIA LEITEIRA Walter Miguel Ribeiro Engenheiro Agrônomo GERAR RENDA??? Como gerar renda Renda Resultado = Quantidade de leite + Quantidade de animais - CUSTO TOTAL x preço do leite x preço

Leia mais

MONITORAMENTO AGROCLIMÁTICO DA SAFRA DE VERÃO NO ANO AGRÍCOLA 2008/2009 NO PARANÁ

MONITORAMENTO AGROCLIMÁTICO DA SAFRA DE VERÃO NO ANO AGRÍCOLA 2008/2009 NO PARANÁ MONITORAMENTO AGROCLIMÁTICO DA SAFRA DE VERÃO NO ANO AGRÍCOLA 2008/2009 NO PARANÁ JONAS GALDINO 1, WILIAN DA S. RICCE 2, DANILO A. B. SILVA 1, PAULO H. CARAMORI 3, ROGÉRIO T. DE FARIA 4 1 Analista de Sistemas,

Leia mais

AGRUS: UM SOFTWARE PARA A GESTÃO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO AGROPECUÁRIOS EM REDE

AGRUS: UM SOFTWARE PARA A GESTÃO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO AGROPECUÁRIOS EM REDE AGRUS: UM SOFTWARE PARA A GESTÃO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO AGROPECUÁRIOS EM REDE SÉRGIO LUIZ CARNEIRO 1 DIMAS SOARES JÚNIOR 2 ADEMIR MORGENSTERN PADILHA 3 DINIZ DIAS DOLIVEIRA 1 MÁRCIO MIRANDA 2 MILTON SATOSHI

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA PRODUÇÃO DE BOVINOS LEITEIROS DA AGRICULTURA FAMILIAR RURAL DO PARANÁ

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA PRODUÇÃO DE BOVINOS LEITEIROS DA AGRICULTURA FAMILIAR RURAL DO PARANÁ DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA PRODUÇÃO DE BOVINOS LEITEIROS DA AGRICULTURA FAMILIAR RURAL DO PARANÁ Área Temática: Tecnologia e Produção Júlio Cesar Damasceno (Coordenador da ação de Extensão) Júlio Cesar

Leia mais

Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba. Sebastião Teixeira Gomes

Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba. Sebastião Teixeira Gomes Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba Sebastião Teixeira Gomes Viçosa Novembro 1996 1 Índice Especificação Página 1. Introdução... 2 2. Notas Metodológicas... 2 3. Recursos Disponíveis... 3 4. Raça

Leia mais

GESTÃO E COMPETITIVIDADE DO LEITE

GESTÃO E COMPETITIVIDADE DO LEITE GESTÃO E COMPETITIVIDADE DO LEITE Odilio Sepulcri* 1. PLANEJANDO A ATIVIDADE Ao iniciar o negócio leite ou aperfeiçoá-lo devem-se tomar algumas decisões quanto a: que mercado participar? Quanto se quer

Leia mais

Gabinete do Prefeito Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná, aos 28 dias do mês de junho de 2001.

Gabinete do Prefeito Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná, aos 28 dias do mês de junho de 2001. LEI Nº 1114/2001 SÚMULA: Autoriza o Executivo Municipal, a criar o Programa de Incentivo da Produção Leiteira das pequenas propriedades no município de Mangueirinha, Pr. Faço saber, que a Câmara Municipal

Leia mais

MILLÉO, Roger D.S. 1; AHRENS, Dirk C. 2 ; BONATO, José A. 3 ; ROMMEL, Cátia C. 4 ; COMIRAN, Flávia 5

MILLÉO, Roger D.S. 1; AHRENS, Dirk C. 2 ; BONATO, José A. 3 ; ROMMEL, Cátia C. 4 ; COMIRAN, Flávia 5 Sistema silvipastoril em transição agroecológica em Porto Vitória, PR: um estudo socioeconômico Silvipastoral system in agroecological transition in Porto Vitória, PR: a socioeconomic study MILLÉO, Roger

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

CONTROLE SOCIAL NA GARANTIA DA QUALIDADE DOS PRODUTOS ORGÂNICOS DA AGRICULTURA FAMÍLIAR

CONTROLE SOCIAL NA GARANTIA DA QUALIDADE DOS PRODUTOS ORGÂNICOS DA AGRICULTURA FAMÍLIAR 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( X) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA CONTROLE SOCIAL

Leia mais

Mestiçagem das vacas e rentabilidade da produção de leite 1

Mestiçagem das vacas e rentabilidade da produção de leite 1 Mestiçagem das vacas e rentabilidade da produção de leite 1 Sebastião Teixeira Gomes 2 Estima-se que 80% das vacas ordenhadas, no Brasil, são mestiças de raças européias e zebuínas. Dentre as européias,

Leia mais

IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA

IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA Daniel Schull Brandão 1 ; Fabiana Raquel Muhl 2, Anderson Rhoden 3, Neuri Antonio Feldmann 4 Palavras-Chave:

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA PRODUÇÃO DE MAMONA EM UMA AMOSTRA DE PRODUTORES FAMILIARES DO NORDESTE

LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA PRODUÇÃO DE MAMONA EM UMA AMOSTRA DE PRODUTORES FAMILIARES DO NORDESTE LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA PRODUÇÃO DE MAMONA EM UMA AMOSTRA DE PRODUTORES FAMILIARES DO NORDESTE Vicente de Paula Queiroga 1, Robério Ferreira dos Santos 2 1Embrapa Algodão, queiroga@cnpa.embrapa.br,

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE LEITE DA EMBRAPA E O PREÇO DO LEITE

CUSTO DE PRODUÇÃO DE LEITE DA EMBRAPA E O PREÇO DO LEITE CUSTO DE PRODUÇÃO DE LEITE DA EMBRAPA E O PREÇO DO LEITE Sebastião Teixeira Gomes 1 1. INTRODUÇÃO Desde sua criação, em 1977, o Centro Nacional de Pesquisa de Gado de Leite (CNPGL), da EMBRAPA, vem se

Leia mais

EDUCAMPO: um projeto que dá lucro 1

EDUCAMPO: um projeto que dá lucro 1 EDUCAMPO: um projeto que dá lucro 1 Sebastião Teixeira Gomes 2 1. Apresentação O objetivo deste artigo é apresentar o projeto Educampo, fruto da parceria entre o Sebrae-MG, a agroindústria e os produtores

Leia mais

FICHA DE INSCRIÇÃO. Comunidade: Os agricultores beneficiários estão distribuídos em 20 municípios das Regiões Noroeste e Oeste do Paraná.

FICHA DE INSCRIÇÃO. Comunidade: Os agricultores beneficiários estão distribuídos em 20 municípios das Regiões Noroeste e Oeste do Paraná. FICHA DE INSCRIÇÃO DADOS DA INSTITUIÇÃO: Nome: Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural - EMATER. Endereço: Rua da Bandeira, 500 Bairro Cabral Curitiba-PR CEP: 80035-270 Executora de

Leia mais

Uso de sementes por agricultores orgânicos do Estado de São Paulo: comparação entre certificação por auditoria e sistema participativo de garantia

Uso de sementes por agricultores orgânicos do Estado de São Paulo: comparação entre certificação por auditoria e sistema participativo de garantia Uso de sementes por agricultores orgânicos do Estado de São Paulo: comparação entre certificação por auditoria e sistema participativo de garantia Seeds use by organic farmers of São Paulo State: comparison

Leia mais

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prognósticos e recomendações para o período Maio/junho/julho de 2014 Boletim de Informações nº

Leia mais

1º PRÊMIO DE EXTENSÃO RURAL GRUPO NOVA CITRUS

1º PRÊMIO DE EXTENSÃO RURAL GRUPO NOVA CITRUS 1º PRÊMIO DE EXTENSÃO RURAL GRUPO NOVA CITRUS Organização de Produtores para produção e comercialização de laranjas in natura. MAURÍLIO SOARES GOMES - Engenheiro Agrônomo JOSÉ ROBERTO GOLFETE - Técnico

Leia mais

Ensino Público Estadual

Ensino Público Estadual Ensino Público Estadual UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOESTE - Francisco Beltrão - Pr Cursos Acadêmico Professores Total Administração (Bacharelado) Matutino* 78 Pós-Graduados 21 Administração

Leia mais

Pedro Celso Soares da Silva e Nardel Luiz Soares da Silva e Armin Feiden e Wilson João Zonin e Jheison Thiago Reis

Pedro Celso Soares da Silva e Nardel Luiz Soares da Silva e Armin Feiden e Wilson João Zonin e Jheison Thiago Reis 66 Indicadores econômicos-sociais e técnicos-ambientais de sistemas de produção agropecuário de agricultores familiares da localidade de Bom Principio, Toledo, PR Pedro Celso Soares da Silva e Nardel Luiz

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR Luis Artur Bernardes da Rosa¹; Maria de Fátima Guimarães²; Sergio Luis Carneiro³; Dimas Soares Júnior4

Leia mais

GESTÃO DA PECUÁRIA LEITEIRA COM APOIO DE PLANILHA ELETRÔNICA (EXCEL) 1 Dairy cattle management with help of spreadsheet (Excel)

GESTÃO DA PECUÁRIA LEITEIRA COM APOIO DE PLANILHA ELETRÔNICA (EXCEL) 1 Dairy cattle management with help of spreadsheet (Excel) 1 2 GESTÃO DA PECUÁRIA LEITEIRA COM APOIO DE PLANILHA ELETRÔNICA (EXCEL) 1 Dairy cattle management with help of spreadsheet (Excel) AUTORES: MILTON SATOSHI MATSUSHITA e-mail: matsushita@emater.pr.gov.br

Leia mais

Eficiência no uso da terra: um dos caminhos para alcançar maiores rentabilidades

Eficiência no uso da terra: um dos caminhos para alcançar maiores rentabilidades Eficiência no uso da terra: um dos caminhos para alcançar maiores rentabilidades Christiano Nascif, zootecnista, coordenador de assistência do PDPL-RV e coordenador técnico do Projeto Educampo/Sebrae.

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA. EMATER Paraná

CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA. EMATER Paraná ODÍLIO SEPULCRI CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA EMATER Paraná Projeto apresentado a Universidade Federal do Paraná, Confederação Nacional da Indústria, Serviço Nacional de Aprendizagem

Leia mais

RECONVERSÃO DA CULTURA DO FUMO NAS PROPRIEDADES FAMILIARES DA REGIÃO FUMAGEIRA DO ESTADO DO PARANÁ*

RECONVERSÃO DA CULTURA DO FUMO NAS PROPRIEDADES FAMILIARES DA REGIÃO FUMAGEIRA DO ESTADO DO PARANÁ* 2 RECONVERSÃO DA CULTURA DO FUMO NAS PROPRIEDADES FAMILIARES DA REGIÃO FUMAGEIRA DO ESTADO DO PARANÁ* Resumo Odílio Sepulcri 1 Milton Satoshi Matsushita 2 Methódio Groxko 3 O presente trabalho faz uma

Leia mais

GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE MONTE BELO (PEROBAL - PR)

GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE MONTE BELO (PEROBAL - PR) ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE

Leia mais

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO Odilio Sepulcri 1 Conforme ROSE 1, pode-se representar a administração de uma empresa, de uma forma geral, dividindo em três níveis: operações, estratégia

Leia mais

Projeto Horto, produção de mudas hortícolas, olerícolas e ervas medicinais

Projeto Horto, produção de mudas hortícolas, olerícolas e ervas medicinais Projeto Horto, produção de mudas hortícolas, olerícolas e ervas medicinais Mostra Local de: Quatro Barras (Municípios de Quatro Barras, Piraquara, Pinhais e Campina Grande do Sul) Categoria do projeto:

Leia mais

FREQÜÊNCIA DE OCORRÊNCIA DO NÚMERO DE DIAS COM CHUVA PARA A REGIÃO DE MARINGÁ

FREQÜÊNCIA DE OCORRÊNCIA DO NÚMERO DE DIAS COM CHUVA PARA A REGIÃO DE MARINGÁ FREQÜÊNCIA DE OCORRÊNCIA DO NÚMERO DE DIAS COM CHUVA PARA A REGIÃO DE MARINGÁ Élcio Silvério Klosowski Universidade Estadual de Maringá Av. Colombo, 79, Jardim Universitário, Maringá Pr 872-9 e-mail: esklosowski@uem.br

Leia mais

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS Ivan Pedro de O. Gomes, Med.Vet., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia CAV/UDESC. e-mail: a2ipog@cav.udesc.br A alimentação constitui-se no principal componente

Leia mais

PLANEJAMENTO DA PROPRIEDADE RURAL FAMILIAR Proposta de Treinamento Prático/ Teórica Roteiro para o instrutor

PLANEJAMENTO DA PROPRIEDADE RURAL FAMILIAR Proposta de Treinamento Prático/ Teórica Roteiro para o instrutor PLANEJAMENTO DA PROPRIEDADE RURAL FAMILIAR Proposta de Treinamento Prático/ Teórica Roteiro para o instrutor CURITIBA, SETEMBRO DE 2004 2 PLANEJAMENTO DA PROPRIEDADE RURAL Proposta de Treinamento Prático/

Leia mais

1. Planilha: Indicadores de Desempenho da Propriedade Leiteira (IDPL)

1. Planilha: Indicadores de Desempenho da Propriedade Leiteira (IDPL) Uso de planilhas para controle e avaliação de indicadores técnicos na pequena propriedade leiteira José Ladeira da Costa 1 Embrapa Gado de Leite Introdução A metodologia proposta neste artigo para controle

Leia mais

Tabela 1 Produção de leite no Brasil, em 2007, de acordo com cada região do país.

Tabela 1 Produção de leite no Brasil, em 2007, de acordo com cada região do país. A PRODUÇÃO DE LEITE COMO ALTERNATIVA PARA MELHORAR A RENDA DE PEQUENOS PRODUTORES RURAIS: CONSIDERAÇÕES SOBRE A REALIDADE OBSERVADA NO MUNICÍPIO DE CORUMBATAÍ DO SUL-PR COLAVITE, Mariana, USF/Pró-DEPPEC,

Leia mais

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Leite relatório de inteligência JANEIRO 2014 O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Na busca da eficiência nos processos produtivos na atividade leiteira este

Leia mais

Área de conhecimento: Economia Doméstica Eixo Temático: Políticas Públicas

Área de conhecimento: Economia Doméstica Eixo Temático: Políticas Públicas 1 LEI 11.947/2009: A INTERAÇÃO DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E A AGRICULTURA FAMILIAR NO TERRITÓRIO SUDOESTE DO PARANÁ Graciela Caroline Gregolin 1 Ligia Fraga Giacobbo 2 Marcos Roberto Pires Gregolin 3 Valdecir

Leia mais

ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR

ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR Lucas Ricardo Hoenig Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE Campus de

Leia mais

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA Os produtores de Luís Eduardo Magalhães se reuniram, em 09/04, para participarem do levantamento de custos de produção de café

Leia mais

Projeto de Abertura do Curso de Licenciatura em Educação do Campo

Projeto de Abertura do Curso de Licenciatura em Educação do Campo 1 Ministério da educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Dois Vizinhos Diretoria de Graduação e Educação Profissional PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Projeto de Abertura

Leia mais

INFLUÊNCIA DE FASES EXTREMAS DA OSCILAÇÃO SUL SOBRE A INTENSIDADE E FREQUÊNCIA DAS CHUVAS NO SUL DO BRASIL

INFLUÊNCIA DE FASES EXTREMAS DA OSCILAÇÃO SUL SOBRE A INTENSIDADE E FREQUÊNCIA DAS CHUVAS NO SUL DO BRASIL INFLUÊNCIA DE FASES EXTREMAS DA OSCILAÇÃO SUL SOBRE A INTENSIDADE E FREQUÊNCIA DAS CHUVAS NO SUL DO BRASIL Alice M. Grimm Grupo de Meteorologia - Departamento de Física - Universidade Federal do Paraná

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas Trabalho final: Projeto de adequação

Leia mais

Prefeitura Municipal de Itapemirim GABINETE DA PREFEITA

Prefeitura Municipal de Itapemirim GABINETE DA PREFEITA DECRETO N. 5109, DE 05 JULHO DE 2011. Regulamenta as Leis Municipal nrs. 2.067/2007 e 2.425/2011 as quais dispõe sobre o Programa de Atendimento ao Produtor Rural, Pró-Rural, e dá outras providências.

Leia mais

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 1. INTRODUÇÃO A estação do verão inicia-se no dia 21 de dezembro de 2014 às 20h03 e vai até as 19h45 do dia 20 de março de 2015. No Paraná, historicamente, ela é bastante

Leia mais

BENCHMARKING NO AGRONEGÓCIO: O PROJETO DA APROSOJA

BENCHMARKING NO AGRONEGÓCIO: O PROJETO DA APROSOJA BENCHMARKING NO AGRONEGÓCIO: O PROJETO DA APROSOJA VII SEMINÁRIO TÉCNICO DA FMT 15/06/2007 Dr. Airton Spies spies@epagri epagri.sc..sc.gov.br Nova Zelândia e Austrália: Lições de eficiência Estamos no

Leia mais

Indicadores para avaliação dos serviços de ATER no Brasil

Indicadores para avaliação dos serviços de ATER no Brasil Federação Nacional dos Trabalhadores da Assistência Técnica e Extensão Rural e do Setor Público Agrícola do Brasil Ecolatina 2007 Indicadores para avaliação dos serviços de ATER no Brasil Lino G. V. Moura

Leia mais

Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig

Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig Autores: Milton Satoshi Matsushita 1 e Reinaldo Tadeu O. Rocha 2 1 Engenheiro

Leia mais

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL D E R A L PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS 20/03/06 O levantamento de campo realizado pelo DERAL, no

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

DIAGNOSTICOS DE MATA CILIAR E RESERVA LEGAL EM PROPRIEDADES RURAIS NA SUB-BACIA DO TAIAÇUPEBA NO MUNICÍPIO DE SUZANO-SP.

DIAGNOSTICOS DE MATA CILIAR E RESERVA LEGAL EM PROPRIEDADES RURAIS NA SUB-BACIA DO TAIAÇUPEBA NO MUNICÍPIO DE SUZANO-SP. REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE ENGENHARIA FLORESTAL PERIODICIDADE SEMESTRAL EDIÇÃO NÚMERO 5 JANEIRO DE 2005 - ISSN 1678-3867 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

XI CONGRESSO BRASILEIRO DE SOCIOLOGIA

XI CONGRESSO BRASILEIRO DE SOCIOLOGIA XI CONGRESSO BRASILEIRO DE SOCIOLOGIA 1 a 5 de setembro de 2003, UNICAMP, Campinas, SP Título da atividade: 5) Do Monopólio da Modernização à Diversidade do Progresso Social: as formas sociais de produção

Leia mais

GESTÃO DA PECUÁRIA LEITEIRA - GPL. ROTEIRO DE ANÁLISE DE GRUPO DE PROPRIEDADES Sistema de produção de leite à pasto

GESTÃO DA PECUÁRIA LEITEIRA - GPL. ROTEIRO DE ANÁLISE DE GRUPO DE PROPRIEDADES Sistema de produção de leite à pasto GESTÃO DA PECUÁRIA LEITEIRA - GPL ROTEIRO DE ANÁLISE DE GRUPO DE PROPRIEDADES Sistema de produção de leite à pasto Odilio Sepulcri Milton Satoshi Matsushita Airton Luiz Empinotti Marco Aurélio Viechnieski

Leia mais

Números/Informações. 50% área urbana 50% área rural. 6000 habitantes

Números/Informações. 50% área urbana 50% área rural. 6000 habitantes Números/Informações 6000 habitantes 50% área urbana 50% área rural Jeceaba- MG - Alto Paraopeba - Mineradora Área rural (1008 empregos diretos 20%) Extensão Territorial = 236 km 2 Agricultáveis = 100 km

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio. Realização Parceiros Pesquisa

Índice de Confiança do Agronegócio. Realização Parceiros Pesquisa Índice de Confiança do Agronegócio Realização Parceiros Pesquisa Motivações Motivações Medir, trimestralmente, as expectativas dos diferentes agentes do agronegócio, como indústria de insumos, cooperativas,

Leia mais

CUIDADOS NO CÁLCULO DO CUSTO DE PRODUÇÃO DE LEITE

CUIDADOS NO CÁLCULO DO CUSTO DE PRODUÇÃO DE LEITE CUIDADOS NO CÁLCULO DO CUSTO DE PRODUÇÃO DE LEITE Sebastião Teixeira Gomes 1 Os novos tempos da economia brasileira passam a exigir do empresário rural atenção redobrada na administração de sua empresa,

Leia mais

ARMAZENAGEM NO SETOR CEREALISTA. Brasília outubro de 2012

ARMAZENAGEM NO SETOR CEREALISTA. Brasília outubro de 2012 ARMAZENAGEM NO SETOR CEREALISTA Brasília outubro de 2012 Agricultura e Armazenagem Produzir até 2050, de forma sustentável e ordenada, + 1 bilhão de toneladas de grãos e + 200 milhões de toneladas de carne,

Leia mais

Problemas e desafios Soluções e ações propostas

Problemas e desafios Soluções e ações propostas FÓRUM DAS OFICINAS DO GRUPO DE TRABALHO DE AGRICULTURA ORGÂNICA E AGROECOLOGIA I - Introdução/Apresentações II - Comercialização III - Produção/Pesquisa/Assistência Técnica IV - Produção Animal V - Impactos

Leia mais

PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES

PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES Rafael Herrera Alvarez Médico Veterinário, Doutor, Pesquisador Científico do Pólo Centro Sul/APTA

Leia mais

SISTEMA RENDA RURAL GESTÃO DA PROPRIEDADE RURAL FAMILIAR (Com apoio de Planilha Eletrônica EXCEL)*

SISTEMA RENDA RURAL GESTÃO DA PROPRIEDADE RURAL FAMILIAR (Com apoio de Planilha Eletrônica EXCEL)* 2 SISTEMA RENDA RURAL GESTÃO DA PROPRIEDADE RURAL FAMILIAR (Com apoio de Planilha Eletrônica EXCEL)* Odílio Sepulcri 1 Milton Satoshi Matsushita 2 RESUMO O Sistema Renda Rural é organizado em um conjunto

Leia mais

A diversificação da produção nos agroecossistemas com base na Agroecologia e na agricultura familiar no sudoeste paranaense: um estudo de caso.

A diversificação da produção nos agroecossistemas com base na Agroecologia e na agricultura familiar no sudoeste paranaense: um estudo de caso. A diversificação da produção nos agroecossistemas com base na Agroecologia e na agricultura familiar no sudoeste paranaense: um estudo de caso. The diversification of production in agroecosystems based

Leia mais

Análise de rentabilidade de uma empresa com opção de comercialização de queijo ou leite

Análise de rentabilidade de uma empresa com opção de comercialização de queijo ou leite Arq. Bras. Med. Vet. Zootec,. v.58, n.4, p.642-647, 2006 Análise de rentabilidade de uma empresa com opção de comercialização de queijo ou leite [Analysis of profitability in a production system with the

Leia mais

DINÂMICA DA AGRICULTURA FAMILIAR: PRODUTIVIDADE DA TERRA E DO TRABALHO DE 1986 2005 NO MUNICÍPIO DE MACHADINHO D OESTE: RONDÔNIA

DINÂMICA DA AGRICULTURA FAMILIAR: PRODUTIVIDADE DA TERRA E DO TRABALHO DE 1986 2005 NO MUNICÍPIO DE MACHADINHO D OESTE: RONDÔNIA DINÂMICA DA AGRICULTURA FAMILIAR: PRODUTIVIDADE DA TERRA E DO TRABALHO DE 1986 2005 NO MUNICÍPIO DE MACHADINHO D OESTE: RONDÔNIA Célia Regina Grego 1 ; Evaristo Eduardo de Miranda 1 ; João Alfredo de Carvalho

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL FÁBRICA DO AGRICULTOR: UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS

PROGRAMA ESTADUAL FÁBRICA DO AGRICULTOR: UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS PROGRAMA ESTADUAL FÁBRICA DO AGRICULTOR: UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS Área: ADMINISTRAÇÃO José Lindomir Pezenti EMATER, Cascavel-PR, pezenti@yahoo.com.br Geysler Rogis Flor Bertolini UNIOESTE, Cascavel-PR,

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIO SOCIEDADE GARANTIDORA DE CRÉDITO DO SUDOESTE DO PARANA SGC SUDOESTE PARANÁ

PLANO DE NEGÓCIO SOCIEDADE GARANTIDORA DE CRÉDITO DO SUDOESTE DO PARANA SGC SUDOESTE PARANÁ PLANO DE NEGÓCIO SOCIEDADE GARANTIDORA DE CRÉDITO DO SUDOESTE DO PARANA SGC SUDOESTE PARANÁ AGOSTO 2010 Entidades Proponentes: Coordenadoria das Associações Comerciais e Empresarias do Sudoeste do Paraná

Leia mais

Qualificação dos trabalhos da extensão rural no Paraná com uso de geotecnologias (gvsig)

Qualificação dos trabalhos da extensão rural no Paraná com uso de geotecnologias (gvsig) Qualificação dos trabalhos da extensão rural no Paraná com uso de geotecnologias (gvsig) Autores: Milton Satoshi Matsushita 1 e Reinaldo Tadeu O. Rocha 2 1 Engenheiro Agrônomo, Doutor em Economia e Política

Leia mais

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014 NOTAS CEMEC 01/2015 REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014 Carlos A. Rocca Lauro Modesto Santos Jr. Fevereiro de 2015 1 1. Introdução No Estudo Especial CEMEC de novembro

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS PRODUTORES FAMILIARES NO MUNICÍPIO DE MONÇÕES, ESTADO DE SÃO PAULO 1.

CARACTERIZAÇÃO DOS PRODUTORES FAMILIARES NO MUNICÍPIO DE MONÇÕES, ESTADO DE SÃO PAULO 1. CARACTERIZAÇÃO DOS PRODUTORES FAMILIARES NO MUNICÍPIO DE MONÇÕES, ESTADO DE SÃO PAULO 1. MARIA AP. ANSELMO TARSITANO 2 JULIANO A. FABRÍCIO 3, ANTONIO LÁZARO SANT'ANA 2, ERCIO R. PROENÇA 2, SILVIA M. A.

Leia mais

CONTROLE LEITEIRO. Segundo SILVA (2006), as finalidades do controle leiteiro são várias, destacando-se:

CONTROLE LEITEIRO. Segundo SILVA (2006), as finalidades do controle leiteiro são várias, destacando-se: CONTROLE LEITEIRO * Migacir Trindade Duarte Flôres O controle leiteiro é o registro de produção, em 24 horas, de cada animal, sendo uma ferramenta de aferição da capacidade de produção de leite de uma

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 375

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 375 Página 375 MAMONA NA AGRICULTURA FAMILIAR: GERANDO RENDA E PROMOVENDO INCLUSÃO SOCIAL 1 José Aderaldo Trajano dos Santos; 1 Djail Santos; 1 Tancredo Augusto Feitosa de Sousa; 2 Hugo Cássio Lima de Souza;

Leia mais

A4-359 Avaliação de indicadores de manejo ambiental em sistemas de produção agrícola de altinópolis-sp.

A4-359 Avaliação de indicadores de manejo ambiental em sistemas de produção agrícola de altinópolis-sp. A4-359 Avaliação de indicadores de manejo ambiental em sistemas de produção agrícola de altinópolis-sp. Fernandes, Augusto Cesar Prado Pomari 1 ; Soares, Eduardo Alessandro 2 ; Badari, Carolina Giudice

Leia mais

Curitiba - Matrícula na Educação Básica

Curitiba - Matrícula na Educação Básica Alunos Matriculados por Município na Educação Básica do Paraná - Série Temporal 2007-2013 O presente estudo, baseado nas informações do Censo Escolar do MEC/Inep, incluindo os dados de 2013 recém divulgados,

Leia mais

Produção de Pastagens com Nitrogênio Biológico Uma Tecnologia Sustentável

Produção de Pastagens com Nitrogênio Biológico Uma Tecnologia Sustentável EPAGRI Rio Fortuna (SC) Produção de Pastagens com Nitrogênio Biológico Uma Tecnologia Sustentável Categoria Agropecuária 1. Sobre a organização participante: Razão social: - EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUARIA

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS Vinicius Calefi Dias 1 ; Jefferson

Leia mais

2015 InfoVer São João del-rei, fevereiro de 2013

2015 InfoVer São João del-rei, fevereiro de 2013 2015 InfoVer São João del-rei, fevereiro de 2013 InFover InFover Informativo sobre o Mercado de Leite de Vaca do Campo Uma publicação do DCECO- UFSJ Ano VIII Nº 76 Junho de 2015 Universidade Federal de

Leia mais

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014 MAPEAMENTO DE ÁREAS COM BAIXO RISCO CLIMÁTICO PARA IMPLANTAÇÃO DO CONSÓRCIO MILHO COM BRACHIÁRIA NO ESTADO DE GOIÁS Fernando Antônio Macena da Silva¹, Natalha de Faria Costa², Thaise Sussane de Souza Lopes³,

Leia mais

Agricultura Familiar FORTALECIDA. A melhor notícia da nossa história. Celebrando a Agricultura Familiar

Agricultura Familiar FORTALECIDA. A melhor notícia da nossa história. Celebrando a Agricultura Familiar Agricultura Familiar FORTALECIDA A melhor notícia da nossa história Celebrando a Agricultura Familiar dez anos, inicia os debates sobre a possibilidade de construção de um software para cooperativas

Leia mais