Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa"

Transcrição

1 Publicação anual Outubro 2017 Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa Comunidade em gráficos Área terrestre Milhares de km 2 População Milhões de habitantes, PIB EUR, mil milhões, preços correntes, Exportações Bens, EUR, mil milhões, Reservas cambiais EUR, mil milhões, Internet Número de utilizadores, em percentagem da população, Nota: Inclui exportações intracomunitárias Legenda: Países de Língua Portuguesa (,,,,,,, ); Association of Southeast Asian Nations Associação dos Países do Sudeste Asiático (Brunei, Camboja, Filipinas, Indonésia, Laos, Malásia, Myanmar, Singapura, Tailândia, Vietname); (Argentina,, Paraguai, Uruguai, Venezuela); Southern African Development Community Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (África do Sul,, Botswana, Congo-Kinshasa, Lesotho, Madagáscar, Malawi, Maurícia,, Namíbia, Seychelles, Suazilândia, Tanzânia, Zâmbia, Zimbabwe); União Europeia (, Áustria, Bélgica, Bulgária, Chipre, Croácia, Dinamarca, Eslováquia, Eslovénia, Espanha, Estónia, Finlândia, França, Grécia, Hungria, Irlanda, Itália, Letónia, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Países Baixos, Polónia,, Re Checa, Reino Unido, Roménia, Suécia); (, Áustria, Bélgica, Chipre, Eslováquia, Eslovénia, Espanha, Estónia, Finlândia, França, Grécia, Irlanda, Itália, Letónia, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Países Baixos, ). Disponível em e

2 2 #LUSOFONIA Outubro 2017 Países de Língua Portuguesa em gráficos População Milhares de habitantes Área terrestre Milhares de km 2 Produto Interno Bruto EUR, milhões, preços correntes (3196) Cabo Verde 4 (799) Guiné- -Bissau 36 (107) 802 (574) 92 (311) 1247 (503) Timor- São -Leste Tomé e 15 Príncipe (40) 1 (131) Nota: Os valores entre parênteses referem-se às áreas das respetivas Zonas Económicas Exclusivas. Nota: Os valores de incluem os rendimentos petrolíferos. PIB per capita USD, em PPP, preços correntes Inflação variação homóloga anual do Índice de Preços no Consumidor Depósitos bancários Em percentagem do PIB ,3 41,9 268,4 39,0 32, ,3 5,9 74,0 64, ,3 3,4 96,9 74, ,6 5,6 15,9 14, ,7 16,6 48,0 38, ,9 2,4 90,3 90, ,1 12,9 32,2 33, ,1 8,0 42,4 31, Nota: PPP Paridade do poder de compra. Forma de conversão cambial alternativa às taxas de mercado. Assenta na comparação dos preços em moeda local praticados para o mesmo cabaz de bens representativos em diferentes países (procurando assim estabelecer uma paridade entre o poder aquisitivo da mesma quantidade de moeda em cada um deles). É uma técnica frequentemente usada para comparações internacionais.

3 #LUSOFONIA Outubro Países de Língua Portuguesa em gráficos Índice de desenvolvimento humano Posição no ranking Ambiente de negócios Posição no ranking Competitividade global Posição no ranking não avaliado não avaliado não avaliado não avaliado Nota: Índice de Desenvolvimento Humano (Human Development Index): Indicador compósito calculado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), que leva em conta a esperança, os níveis de educação e os de rendimento (1: máximo 188: mínimo em e 2015). Nota: Indicadores de Ambiente de Negócios (Doing Business Indicators): Conjunto de indicadores relevantes para o enquadramento regulamentar do ambiente de negócios, compilados pelo Banco Mundial. Permitem o apuramento de um indicador compósito que procura sintetizar a qualidade global do ambiente de negócios de cada país (1: máximo 185: mínimo em ; 1: máximo 189: mínimo em ). Nota: Indicador compósito elaborado pelo Fórum Económico Mundial que agrega um conjunto alargado de indicadores macroeconómicos e estruturais considerados relevantes para a competitividade (1: máximo 139: mínimo em ; 1: máximo 138: mínimo em ). À nascença, em anos Literacia População adulta (> 15 anos) alfabetizada, em percentagem do total Internet Número de utilizadores, em percentagem da população 52,7 50,7 71,1 70,1 13,0 16,9 74,7 73,3 92,6 90,3 59,7 49,8 73,4 72,6 86,8 84,3 48,2 34,7 55,5 53,8 55,4 53, ,9 54,2 58,8 56, ,8 2,9 17,5 4,8 81,5 79,0 95,7 95,2 70,4 64,0 66,5 65,9 74,9 89,2 25,8 21,6 68,5 67,3 67,5 58,3 0,9 25,

4 4 #LUSOFONIA Outubro 2017 Países de Língua Portuguesa Indicadores de crescimento inclusivo PIB per capita (pc) Produtividade do ,5 50,7 52,7 64,2 63,5 63,8 do rendimento líquido 45,4 43,0 (a) 22,5 (b) 35,7 44,3 65,4 101,8 102,0 99,9 Notas: (a) Valor de 2009; (b) Valor de PIB per capita (pc) Produtividade do ,8 73,3 74,7 62,4 63,0 61,4 do rendimento líquido 49,2 46,3 44,9 8,3 5,5 (a) 3,1 (b) 68,6 63,0 72,5 50,1 47,2 44,7 Notas: (a) Valor de 2009; (b) Valor de Notas: PIB per capita: Produto Interno Bruto per capita, em USD, a preços constantes (base ). Produtividade do : PIB, em PPP (base 2011), em USD / Emprego total : Número de anos que um recém-nascido deverá viver se se mantiverem os padrões de mortalidade existentes à data do nascimento : Emprego total / População total (em percentagem) do rendimento líquido: Índice de Gini para a distribuição do rendimento líquido (0: igualdade perfeita 100: desigualdade perfeita) : Percentagem de população a viver com menos de USD 3,10 por dia (preços de 2011) [Este indicador não é calculado para ]. : Total do endividamento das administrações s, em percentagem do PIB : População com menos de 15 anos ou com mais de 64 anos / População com idades entre os 15 e os 64 anos (em percentagem)

5 #LUSOFONIA Outubro Países de Língua Portuguesa Indicadores de crescimento inclusivo PIB per capita (pc) Produtividade do ,5 72,6 73,4 57,3 59,3 61,1 do rendimento líquido 44,1 42,8 42,4 7,5 (a) 85,3 72,4 127,9 77,0 60,2 52,0 Nota: (a) Valor de PIB per capita (pc) Produtividade do ,3 53,8 55,5 67,4 67,6 68,0 do rendimento líquido 36,0 42,3 38,3 (a) 48,5 221,9 65,9 46,8 84,2 80,6 78,4 Nota: (a) Valor de 2002.

6 6 #LUSOFONIA Outubro 2017 Países de Língua Portuguesa Indicadores de crescimento inclusivo PIB per capita (pc) Produtividade do ,6 53,2 55,4 65,3 62,4 59,6 do rendimento líquido 39,8 39,9 (a) 59,3 50,2 70,2 43,3 88,1 95,1 96,7 94,8 Nota: (a) Valor de PIB per capita (pc) Produtividade do ,1 79,0 81,5 57,3 54,4 51,2 do rendimento líquido 35,1 34,7 34,8 (a) 60,8 96,2 129,0 48,4 50,9 53,5 Nota: (a) Valor de Notas: PIB per capita: Produto Interno Bruto per capita, USD, a preços constantes (base ). Produtividade do : PIB, USD, em PPP (base 2011) / Emprego total : Número de anos que um recém-nascido deverá viver se se mantiverem os padrões de mortalidade existentes à data do nascimento : Emprego total / População total (em percentagem) do rendimento líquido: Índice de Gini para a distribuição do rendimento líquido (0: igualdade perfeita 100: desigualdade perfeita) : Percentagem de população a viver com menos de USD 3,10 por dia (preços de 2011) [Este indicador não é calculado para ]. : Total do endividamento das administrações s, em percentagem do PIB : População com menos de 15 anos ou com mais de 64 anos / População com idades entre os 15 e os 64 anos (em percentagem)

7 #LUSOFONIA Outubro Países de Língua Portuguesa Indicadores de crescimento inclusivo PIB per capita (pc) Produtividade do ,6 65,9 66,5 48,4 51,1 52,3 do rendimento líquido 27,6 27,0 25,5 284,3 79,5 82,2 91,8 88,7 84,2 PIB per capita (pc) Produtividade do ,2 67,3 68,5 45,7 39,6 39,8 do rendimento líquido 39,3 38,2 (a) 31,4 32,9 0,0 0,0 0,0 103,4 83,6 92,3 Nota: (a) Valor de 2007.

8 8 #LUSOFONIA Outubro 2017 Países de Língua Portuguesa em quadros Produto Interno Bruto variação anual, a preços constantes 2001 a Est. Est. Est. Prog. Prog. 13,5 2,4 3,4 3,9 5,2 6,8 4,8 3,0 0,0 1,3 1,5 3,7-0,1 7,5 4,0 1,9 3,0 0,5-3,8-3,6 0,3 1,3 6,4-1,3 1,5 4,0 1,1 0,8 0,6 1,0 3,8 3,9 4,1 2,1 3,4 4,6 8,1-1,7 3,3 1,0 5,1 5,1 5,0 5,0 8,4 6,4 6,7 7,1 7,2 7,1 7,4 6,6 3,8 4,7 5,5 1,1-3,0 1,9-1,8-4,0-1,1 0,9 1,6 1,4 2,5 2,0 5,4 4,0 4,5 4,9 4,5 4,0 6,5 3,8 4,1 5,0 5,5 6,9 12,9 10,1 7,9 5,0 2,7 4,3 4,0 5,4 4,0 6,0 Inflação Índice de Preços no Consumidor, taxa de variação homóloga anual 2001 a Est. Est. Prog. Prog. 42,8 14,0 15,3 11,4 9,0 7,7 7,5 14,3 41,9 15,8 16,0 7,0 4,3 5,9 6,5 5,8 5,9 6,4 10,7 6,3 4,0 4,0 2,9-0,4 3,4 3,6 4,1 0,1-0,4-0,5-0,3 1,2 1,8 2,9-4,5 5,6 3,4 1,7-0,1-0,1 2,4 1,6 2,0 2,3 12,0 3,0 16,6 5,5 2,2 3,0 1,1 11,1 23,7 13,5 7,0 2,6-0,1 2,5 3,6 1,9 0,2-0,4 0,4 0,9 1,5 3,7 17,0 16,1 12,9 11,9 10,4 7,1 6,4 4,0 5,1 3,0 3,0 5,7 1,8 9,2 17,4 9,1 4,0 0,3-0,7 0,1 2,0 3,5 Saldo orçamental global Em percentagem do PIB, ótica de compromissos 2001 a Est. Est. Est. Prog. Prog. 0,5-9,6 6,8 10,2 6,6 0,3-6,6-3,3-4,1-5,7-3,9-3,3-3,2-2,7-2,5-2,5-3,0-6,0-10,3-7,5-8,8-10,2-4,1-5,8-10,6-7,9-10,3-9,3-7,6-4,6-3,6-3,4-1,7-4,9 3,7 0,2-0,5-2,3-1,8-2,6-3,0-4,8-1,9-2,2-2,7-4,9-3,8-4,7-3,8-4,6-7,8-1,9-3,5-9,0-5,7-4,5-9,8-11,2-7,4-5,7-4,8-7,2-4,4-2,0-1,5-1,0 13,6-18,0-10,5-12,6-10,7-2,0-4,1-7,5-4,6-4,6-4,6 (Saldo primário interno) -8,1-4,6-3,0-3,2-2,6-2,7-3,0-3,1-1,8 14,1 34,9 40,8 43,5 43,1 41,8 22,8 3,6-27,0 2,0-17,5 Balança corrente externa Em percentagem do PIB 2001 a Est. Est. Est. Prog. Prog. 6,2-10,1 9,1 12,6 12,0 6,7-3,0-10,0-4,3-6,1-3,2-0,3-1,6-3,4-2,9-3,0-3,0-4,3-3,3-1,3-1,5-1,7-10,5-14,6-13,5-16,2-14,0-5,8-9,1-4,6-3,9-6,7-8,0 (Balança Corrente e de capital) -5,3-11,9-11,1-15,6-13,3-5,4-8,7-3,4-3,1-6,0-7,0-1,8-5,8-8,3-1,3-8,4-5,0 0,6 2,0 0,9-0,6-1,5-13,6-10,9-16,1-25,3-40,8-38,8-33,5-38,6-38,0-32,5-64,3 (Balança Corrente e de capital) -3,4-7,2-7,3-21,9-37,8-36,2-31,3-36,7-36,8-30,0-61,8-9,6-10,4-10,1-6,0-1,8 1,6 0,1 0,1 0,7 0,4 0,1 (Balança Corrente e de capital) -8,1-9,3-8,8-4,5 0,3 3,2 1,6 1,3 1,7 2,1 2,4-26,6-23,2-22,6-27,5-20,9-23,4-21,4-17,0-9,4-11,3-6,7 (Balança Corrente e de capital) -3,5 3,3-22,5-24,8-20,9-23,4-21,4-17,0-9,4-11,3-6,7 12,7 38,7 39,3 41,4 41,0 42,4 27,0 7,7-18,4 13,0-9,6 Fontes principais: Bancos Centrais, Ministérios das Finanças e Institutos Nacionais de Estatística dos Países de Língua Portuguesa; Eurostat, Banco Central Europeu (BCE), Fundo Monetário Internacional (FMI), Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE), Banco Mundial (BM), Organização das Nações Unidas (ONU), Organização Mundial do Comércio (OMC), CIA Factbook, Fórum Económico Mundial, F. Solt,.. The Standardized World Income Inequality Database. Social Science Quarterly 97. SWIID Version 6.0, July #LUSOFONIA Annual Publicação issue anual Banco Banco de de Av. Almirante Rua do Comércio, Reis, Lisboa Lisboa Edição Edition e International conteúdos Relations Departamento Department de Relações Design Internacionais Administrative Design Services e impressão Department Departamento Editing and Publishing de Comunicação Services e Museu Unidade de Publicações e Imagem ISSN Tiragem (online) 250 exemplares ISSN (impresso) ISSN (online) Depósito Legal n.º /12

Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa

Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa Publicação anual Outubro 2015 Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa Comunidade em gráficos Área terrestre Milhares de km 2 População Milhões de habitantes, PIB EUR, mil milhões, preços

Leia mais

Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa

Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa Publicação anual Outubro 2014 Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa Comunidade em gráficos Área terrestre Milhares de km 2 População Milhões de habitantes, PIB EUR, mil milhões, preços

Leia mais

A FORMAÇÃO DOS BLOCOS ECONÔMICOS

A FORMAÇÃO DOS BLOCOS ECONÔMICOS A FORMAÇÃO DOS BLOCOS ECONÔMICOS PROF. DE GEOGRAFIA: BIANCA 1º TRIM - GEOGRAFIA 2016 INTRODUÇÃO Para a formação dos blocos econômicos, os países firmam acordos comerciais, estabelecendo medidas que visam

Leia mais

BPstat mobile inovação na difusão das estatísticas do Banco de Portugal

BPstat mobile inovação na difusão das estatísticas do Banco de Portugal BPstat mobile inovação na difusão das estatísticas do Banco de Portugal João Cadete de Matos Diretor do Departamento de Estatística 24 novembro 2015 Lisboa BPstat mobile Evolução da difusão estatística

Leia mais

Membros da MIGA. Agência Multilateral de Garantia de Investimentos. Data de afiliação

Membros da MIGA. Agência Multilateral de Garantia de Investimentos. Data de afiliação Membros da MIGA Agência Multilateral de Garantia de Investimentos Membro Data de afiliação África do Sul 10 de março de 1994 Albânia 15 de outubro de 1991 Alemanha 12 de abril de 1988 Angola 19 de setembro

Leia mais

Calendarização, por países, da obrigatoriedade da formação contínua para obtenção do CAM/CQM (prazos limite para frequência do primeiro curso)

Calendarização, por países, da obrigatoriedade da formação contínua para obtenção do CAM/CQM (prazos limite para frequência do primeiro curso) Calendarização, por países, da obrigatoriedade da formação contínua para obtenção do CAM/CQM (prazos limite para frequência do primeiro curso) Áustria Bélgica Carta de condução da categoria D: 2015 Carta

Leia mais

Organização Regional da qual faz parte Estados Membros

Organização Regional da qual faz parte Estados Membros Sistema AFRICANO INTERAMERICANO EUROPEU Organização Regional da qual faz parte Estados Membros Organização da Unidade Africana (OUA) (54) África do Sul, Angola, Argélia, Benim, Botswana, Burkina Faso,

Leia mais

O que é a União Europeia (UE)?

O que é a União Europeia (UE)? O que é a União Europeia (UE)? 28 Estados-Membros Mais de 500 milhões de habitantes Atuais candidatos à adesão à UE: Albânia, antiga República Iugoslava da Macedônia, Montenegro, Sérvia e Turquia Tratados

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 09 setembro 2011 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais

Leia mais

Paridades de Poder de Compra 2014 11 de dezembro de 2015 O Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 78,1% da média da União Europeia em 2014 O Produto Interno

Leia mais

Enquadramento económico dos mercados regionais da CPLP

Enquadramento económico dos mercados regionais da CPLP www.pwc.com/pt Enquadramento económico dos mercados regionais da CPLP Oportunidades maximizadas? Jaime Carvalho Esteves 19 de Março 2013 Agenda 1. Conceito de hub 2. Relevância da CPLP 3. Os mercados de

Leia mais

JUROS E RISCO BRASIL

JUROS E RISCO BRASIL JUROS E RISCO BRASIL META DA TAXA SELIC FONTE: BANCO CENTRAL 11.75% 13.00% 13.75% 12.75% 11.25% 10.25% 8.75% 9.50% 10.25% 10.75% 11.25% 12.50% 11.00% 10.50% 9.75% 9.00% 8.50% 8.00% 7.25% 8.00% 8.50% 9.00%

Leia mais

NOMES DE PAÌSES EM PORTUGUÊS. Lista da ONU

NOMES DE PAÌSES EM PORTUGUÊS. Lista da ONU NOMES DE PAÌSES EM PORTUGUÊS Lista da ONU Países-membros das Nações Unidas Segue-se a lista dos 192 países-membros das Nações Unidas, de acordo com a ordem alfabética de seus nomes em português, com as

Leia mais

União Europeia Docente: Pedro Moreira Ano Lectivo: 2012/2013

União Europeia Docente: Pedro Moreira Ano Lectivo: 2012/2013 União Europeia Docente: Pedro Moreira Ano Lectivo: 2012/2013 Como Nasceu a União Europeia? Depois da guerra...a paz, a solidariedade na Europa Em 1951, nasceu a primeira Comunidade - a Comunidade Europeia

Leia mais

A necessidade de uma Lei de Responsabilidade Educacional

A necessidade de uma Lei de Responsabilidade Educacional A necessidade de uma Lei de Responsabilidade Educacional 1 Um diagnóstico da educação pública no Brasil 2 Um diagnóstico da educação pública no Brasil Avanços inquestionáveis: 1. Ampliação da oferta de

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS Análise do Mercado dos Produtos Petrolíferos em 2011 Introdução O preço dos combustíveis é um tema sempre presente na nossa sociedade, que afeta todos os

Leia mais

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL Março/2014 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Mundial 05. População

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJC - POLÍCIA FEDERAL SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AO CIDADÃO Brasília

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJC - POLÍCIA FEDERAL SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AO CIDADÃO Brasília SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJC - POLÍCIA FEDERAL SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AO CIDADÃO Brasília Mensagem eletrônica n. º 206/2016-SIC/DIREX/PF Prezada Senhora, 1. Trata-se de requerimento de informação protocolado

Leia mais

MUNDO A PRODUÇÃO DO ESPAÇO GLOBAL ( NO MATERIAL PÁGINAS 51 A 55

MUNDO A PRODUÇÃO DO ESPAÇO GLOBAL ( NO MATERIAL PÁGINAS 51 A 55 MUNDO A PRODUÇÃO DO ESPAÇO GLOBAL ( NO MATERIAL PÁGINAS 51 A 55 Pós-Segunda Guerra Mundial A regionalização do mundo em países capitalistas e socialistas Critério: organização econômica, social e política

Leia mais

A CRISE COM FOCO NA EUROPA

A CRISE COM FOCO NA EUROPA Ana Costa Daniela Poiano Jaqueline Granelli Renan Oliveira Karen Appetito Katia Benjamin Economia Aplicada Roberto Vertamatti MARÇO/2014 Histórico, Causas e Consequências da Crise; A moeda única como problema;

Leia mais

REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO JOÃO CRUZ REIS FILHO SECRETÁRIO DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Brasília/DF JULHO DE 2015 22 CENÁRIO POPULACIONAL

Leia mais

Manual da EU sobre a Prática de Medicina Dentária Versão 4 (2008)

Manual da EU sobre a Prática de Medicina Dentária Versão 4 (2008) Manual da EU sobre a Prática de Reunião do Council of European Dentists Bruxelas 28 de Novembro de 2008 Dr Anthony S Kravitz OBE (Condecoração Ordem do Império Britânico) Professora Elizabeth T Treasure

Leia mais

Programa de acção comunitário em matéria de formação profissional

Programa de acção comunitário em matéria de formação profissional 1 Uma porta aberta para a Europa Programa de acção comunitário em matéria de formação profissional Albino Oliveira Serviço de Relações Internacionais da Universidade do Porto 2 1 Cinco tipos de Acção Mobilidade

Leia mais

Perspectivas para 2012

Perspectivas para 2012 Abiplast Perspectivas para 2012 Antonio Delfim Netto 2 de Dezembro de 2011 São Paulo, SP 1 I.Mundo: Década de 80 e 2010 (% do PIB) 30% 23% 31% 24% 37% 22% 3,7% 3,3% 8% 7% 4,2% 4,0% 1,5% 1,2% Fonte: FMI,

Leia mais

O COMBATE À POBREZA E ÀS DESIGUALDADES É UM DESAFIO IMEDIATO PARA PORTUGAL

O COMBATE À POBREZA E ÀS DESIGUALDADES É UM DESAFIO IMEDIATO PARA PORTUGAL O COMBATE À POBREZA E ÀS DESIGUALDADES É UM DESAFIO IMEDIATO PARA PORTUGAL I. ENQUADRAMENTO A pobreza e a desigualdade na distribuição de rendimentos são problemas que persistem na sociedade portuguesa,

Leia mais

Em Portugal o Produto Interno Bruto percapita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 80 % da média da União Europeia em 2010.

Em Portugal o Produto Interno Bruto percapita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 80 % da média da União Europeia em 2010. Paridades de Poder de Compra 2010 13 de dezembro de 2011 Em Portugal o Produto Interno Bruto percapita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 80 % da média da União Europeia em 2010. O INE

Leia mais

O PROGRAMA LEONARDO DA VINCI

O PROGRAMA LEONARDO DA VINCI O PROGRAMA LEONARDO DA VINCI Albino Oliveira O que é o Programa Leonardo da Vinci? É um Programa Comunitário de Acção em Matéria de Formação Profissional que agora se encontra na sua segunda fase (01 de

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO

CENÁRIO MACROECONÔMICO CENÁRIO MACROECONÔMICO SEGUE PAUTADO PELAS MUDANÇAS NO CENÁRIO GLOBAL, AFETANDO DIRETAMENTE O CÂMBIO, E PELO CRESCIMENTO MAIS MODERADO DA ECONOMIA DOMÉSTICA Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Leia mais

3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES)

3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) 3.1. Cartões de crédito Comissões (Euros) Designação do Redes onde o é aceite NB Verde NB Verde Dual + MB, American Express NB Gold NB Gold Dual + MB, American Express 1.º ano 1. Anuidades 1.º Titular

Leia mais

Banda Larga - Definià à o Tecnica

Banda Larga - Definià à o Tecnica Banda Larga - Definià à o Tecnica O que e Banda Larga? (Broadband) Banda Larga refere-se à telecomunicação que fornece múltiplos canais de dados por cima de um meio de comunicações único, tipicamente usando

Leia mais

RECENSEAMENTO ESCOLAR ANUAL 2005/2006 POPULAÇÃO ESCOLAR - Inscrições

RECENSEAMENTO ESCOLAR ANUAL 2005/2006 POPULAÇÃO ESCOLAR - Inscrições «Instrumento de notação do Sistema Estatístico Nacional (Lei 6/89, de 15 de Abril) de RESPOSTA OBRIGATÓRIA, registado no INE sob o n.º 9746, válido até 31/12/2006» RECENSEAENTO ESCOLAR ANUAL 2005/2006

Leia mais

A EUROPA DOS 28 Módulo 15 frente 03- Livro 02 páginas: 210 a 212

A EUROPA DOS 28 Módulo 15 frente 03- Livro 02 páginas: 210 a 212 A EUROPA DOS 28 Módulo 15 frente 03- Livro 02 páginas: 210 a 212 1948: BENELUX, primeiro bloco econômico do mundo (pós 2ª Guerra Mundial). HISTÓRICO Integrantes: Bélgica, Holanda e Luxemburgo. 1952: CECA

Leia mais

Newsletter Informação Semanal a

Newsletter Informação Semanal a CONJUNTURA SEMANAL - OVINOS Newsletter Informação Semanal 25-01 a 31-01- As Newsletter do SIMA podem também ser consultadas no facebook em: https://www.facebook.com/sima.portugal Na semana em análise registou-se

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA. O CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA, no uso das

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA. O CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA, no uso das Resolução nº 1.818, de 19 de setembro de 2009. Altera o valor das diárias definidos pela Resolução nº 1.745, de 26 de janeiro de 2005, e dispõe sobre demais assuntos. O CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA, no

Leia mais

Health at a Glance: Europe 2010

Health at a Glance: Europe 2010 Health at a Glance: Europe 2010 Summary in Portuguese Sumário em Português HEALTH AT GLANCE: EUROPE 2010 ISBN 978-92-64-090309 OECD 2010 1 Resumo Os países europeus alcançaram uma importante melhoria do

Leia mais

A Evolução da Abertura ao Exterior da Economia Portuguesa 1

A Evolução da Abertura ao Exterior da Economia Portuguesa 1 A Evolução da Abertura ao Exterior da Economia Portuguesa 1 Elsa de Morais Sarmento 2 Joaquim Reis 3 1. Introdução A economia mundial não poderia existir sem a interdependência entre os Estados. Este facto

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 07/12/2016) Legenda

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 07/12/2016) Legenda Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

Uma visão geral do processo de reforma da previdência. Manoel Pires SPE/MF

Uma visão geral do processo de reforma da previdência. Manoel Pires SPE/MF Uma visão geral do processo de reforma da previdência Manoel Pires SPE/MF 1 Estrutura Temas em debate no Fórum da Previdência Impactos Econômicos do realinhamento da política previdenciária 2 Temas do

Leia mais

ISLÂNDIA. Comércio Exterior

ISLÂNDIA. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ISLÂNDIA Comércio Exterior Fevereiro de 2016 Principais indicadores

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 08/04/2016) Legenda

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 08/04/2016) Legenda Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

A abordagem das despesas públicas em cultura no contexto europeu constitui o objecto desta Nota Estatística.

A abordagem das despesas públicas em cultura no contexto europeu constitui o objecto desta Nota Estatística. A abordagem das despesas públicas em cultura no contexto europeu constitui o objecto desta Nota Estatística. A informação apresentada pretende ser a síntese dos aspectos mais relevantes do trabalho publicado

Leia mais

Telefone. operador. 1,70 1,70 Grátis Grátis Grátis Grátis Qualquer montante Permanentes

Telefone. operador. 1,70 1,70 Grátis Grátis Grátis Grátis Qualquer montante Permanentes Entrada em vigor: 01out2016 5.1. Ordens de transferência C/ operador Telefone S/ Internet e Mobile ATM Maq. Rede Interna 1. Transferências Internas / Nacionais Emitidas em euros 1.1 Para conta domiciliada

Leia mais

Covilhã 27/05/2015. Hugo Marques Sousa

Covilhã 27/05/2015. Hugo Marques Sousa Covilhã 27/05/2015 Hugo Marques Sousa Contextualização Metodologia Oportunidades Delimitação Portfólio de Serviços Recomendações Finais 2 Contextualização 3 Setor tradicional Posicionamento Que resposta?

Leia mais

AMEAÇAS E OPORTUNIDADES PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

AMEAÇAS E OPORTUNIDADES PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO AMEAÇAS E OPORTUNIDADES PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Junho/2008 Três Pontas/MG Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento DIMENSÃO DEMOGRÁFICO DIMENSÃO SOCIOECONÔMICA DIMENSÃO SEGURANÇA

Leia mais

Newsletter Informação Semanal a

Newsletter Informação Semanal a EUR / Kg Peso Carcaça CONJUNTURA SEMANAL Newsletter Informação Semanal 15-02 a 21-02- As Newsletter do SIMA podem também ser consultadas no facebook em: https://www.facebook.com/sima.portugal Na semana

Leia mais

GOLDEN VISA 7 PERGUNTAS

GOLDEN VISA 7 PERGUNTAS www.cameiralegal.com Lisbon London Brasília São Paulo Rio de Janeiro Hong Kong Beijing Shangai GOLDEN VISA 7 PERGUNTAS ESSENCIAIS SOBRE UM INVESTIMENTO INTELIGENTE 2016 1 - O que é o regime Golden Visa?

Leia mais

IEC - Comitês Nacionais e os Esquemas de Avaliação de Conformidade IEC - LARC

IEC - Comitês Nacionais e os Esquemas de Avaliação de Conformidade IEC - LARC IEC - Comitês Nacionais e os Esquemas de Avaliação de Conformidade IEC - LARC IEC 4Fundada em 1906 para promover a cooperação internacional em todas as questões de normalização e temas relativos na área

Leia mais

Foto: Kirchberg: Avenue John F. Kennedy

Foto: Kirchberg: Avenue John F. Kennedy O Luxemburgo é um dos países fundadores da União Européia (Comunidade Econômica Européia) em 1957 juntamente com a Alemanha, Itália, França, Paises Baixos e Bélgica. Em 1951 foi assinado um outro Tratado

Leia mais

mensário estatístico - exportação Janeiro 2011 CAFÉ EM GRÃOS

mensário estatístico - exportação Janeiro 2011 CAFÉ EM GRÃOS mensário estatístico - CAFÉ EM GRÃOS CONDIÇÕES Este relatório foi preparado pela Linus Galena Consultoria Econômica exclusivamente para uso de seus clientes e não poderá ser circulado, reproduzido, distribuído

Leia mais

A sua capacidade jurídica e o estatuto internacional da organização são reconhecidos por um acordo de sede celebrado com o Conselho Federal Suíço.

A sua capacidade jurídica e o estatuto internacional da organização são reconhecidos por um acordo de sede celebrado com o Conselho Federal Suíço. UNIÃO INTERPARLAMENTAR A União Interparlamentar foi criada em 1894 mas as suas origens remontam a 1889, quando, por iniciativa do Reino Unido e da França, se celebrou a primeira Conferência Interparlamentar

Leia mais

GUIA. Perguntas Frequentes

GUIA. Perguntas Frequentes GUIA Perguntas Frequentes Índice Clique no que deseja saber A Porto Seguro Viagem Individual cobre viagens de navio?... 03 Como aciono a Assistência Emergencial em Viagem?... 04 A quem se destinam os Planos

Leia mais

Circular n.º 96/2004 Série II

Circular n.º 96/2004 Série II DSTA Proc. 2.AP.PM.4/04 Circular n.º 96/2004 Série II Assunto: Valores limites expressos em Euros correspondentes aos contravalores em moedas Nacionais dos Parceiros Mediterrânicos e da UE alargada. Relativamente

Leia mais

Fazendo Negócios em Cabo Verde

Fazendo Negócios em Cabo Verde Fazendo Negócios em Cabo Verde Svetlana Bagaudinova Especialista Sênior em Desenvolvimento do Sector Privado Leonardo Iacovone Economista Cabo Verde November 23-24, 2010 1 O que mede o Doing Business?

Leia mais

DECISÃO N.º 32/2011 DO SECRETÁRIO-GERAL DO CONSELHO RELATIVA AO REEMBOLSO DAS DESPESAS DE VIAGEM DOS DELEGADOS DOS ESTADOS-MEMBROS

DECISÃO N.º 32/2011 DO SECRETÁRIO-GERAL DO CONSELHO RELATIVA AO REEMBOLSO DAS DESPESAS DE VIAGEM DOS DELEGADOS DOS ESTADOS-MEMBROS Bruxelas, 4 de Março de 2011 SN 1696/11 DECISÃO N.º 32/2011 DO SECRETÁRIO-GERAL DO CONSELHO RELATIVA AO REEMBOLSO DAS DESPESAS DE VIAGEM DOS DELEGADOS DOS ESTADOS-MEMBROS O SECRETÁRIO-GERAL DO CONSELHO,

Leia mais

ÍNDICE. Prefácio à presente edição 7. Prefácio à 3. 8 edição 9. Prefácio à 2.- edição 13. Prefácio à 1.* edição 15

ÍNDICE. Prefácio à presente edição 7. Prefácio à 3. 8 edição 9. Prefácio à 2.- edição 13. Prefácio à 1.* edição 15 ÍNDICE Prefácio à presente edição 7 Prefácio à 3. 8 edição 9 Prefácio à 2.- edição 13 Prefácio à 1.* edição 15 1. Introdução e fases do crescimento português 19 Resumo 19 1.1. As fases do crescimento económico

Leia mais

A INDÚSTRIA GLOBAL DOS FUNDOS DE PENSÃO. Marc Saluzzi

A INDÚSTRIA GLOBAL DOS FUNDOS DE PENSÃO. Marc Saluzzi A INDÚSTRIA GLOBAL DOS FUNDOS DE PENSÃO Marc Saluzzi AGENDA Alocação de ativos de fundos de pensão Os investimentos estrangeiros e sua lógica Como investir no exterior A ALOCAÇÃO DE ATIVOS DE FUNDOS DE

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE Complementar

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE Complementar PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 - Complementar Regulamenta a cobrança das taxas de juros nas operações de crédito a pessoas físicas e pessoas jurídicas. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º As taxas

Leia mais

A Integração no Espaço Europeu

A Integração no Espaço Europeu Ano Lectivo 2010/2011 ÁREA DE INTEGRAÇÃO Agrupamento de Escolas de Fronteira Escola Básica Integrada Frei Manuel Cardoso 12º Ano Apresentação nº 3 A Integração no Espaço Europeu Pedro Bandeira Simões Professor

Leia mais

O Tratado de Roma A posição central da Alemanha A Alemanha vs. Bruxellas A Alemanha e o Euro O Tratado de Maastricht O Banco Central Europeu

O Tratado de Roma A posição central da Alemanha A Alemanha vs. Bruxellas A Alemanha e o Euro O Tratado de Maastricht O Banco Central Europeu Unidade 6: A Alemanha e a UE O Tratado de Roma A posição central da Alemanha A Alemanha vs. Bruxellas A Alemanha e o Euro O Tratado de Maastricht O Banco Central Europeu 87 O tratado de Roma Milestone

Leia mais

mensário estatístico - exportação Fevereiro 2011 ALCOOL ETILICO

mensário estatístico - exportação Fevereiro 2011 ALCOOL ETILICO mensário estatístico - ALCOOL ETILICO CONDIÇÕES Este relatório foi preparado pela Linus Galena Consultoria Econômica exclusivamente para uso de seus clientes e não poderá ser circulado, reproduzido, distribuído

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA TEMA 4: FONTES DE ENERGIA E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA TEMA 4: FONTES DE ENERGIA E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA TEMA 4: FONTES DE ENERGIA E MEIO AMBIENTE Alunas: Erika Martins dos Reis 1 Alessandra B. R. de Azevedo Disciplina: Química do Meio Ambiente

Leia mais

1. Anuidades. 1.º Titular Outros Titulares. seguintes. 1.º ano. Anos. Anos 10,00 (1) 10,00. Grátis Grátis Grátis Grátis -- 20, ,00 20,00 (1)

1. Anuidades. 1.º Titular Outros Titulares. seguintes. 1.º ano. Anos. Anos 10,00 (1) 10,00. Grátis Grátis Grátis Grátis -- 20, ,00 20,00 (1) 3.1. Cartões crédito Designação do Res on o é aceite 1. Anuidas 1.º Titular Outros Titulares 2. Emissão 3. Substituição (10) 5. Recuperação valores em dívida (13) isenção (ver Nota Geral) Millennium bcp

Leia mais

PROJETO FUTURO EM JOGO COPA MIRIM REGULAMENTO TÉCNICO CAPÍTULO I DA PARTICIPAÇÃO

PROJETO FUTURO EM JOGO COPA MIRIM REGULAMENTO TÉCNICO CAPÍTULO I DA PARTICIPAÇÃO Fone: (61) PROJETO FUTURO EM JOGO COPA MIRIM REGULAMENTO TÉCNICO CAPÍTULO I DA PARTICIPAÇÃO Art. 1º - As participações dos estudantes na competição obedecerão às seguintes faixas etárias e gêneros: a)

Leia mais

Preçário UNICAMBIO - AGENCIA DE CAMBIOS, SA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 05-set-2016

Preçário UNICAMBIO - AGENCIA DE CAMBIOS, SA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 05-set-2016 Preçário UNICAMBIO AGENCIA DE CAMBIOS, SA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de Entrada em vigor: 05set2016 O Preçário completo [Unicâmbio Agência de Câmbios. S.A], contém

Leia mais

URUGUAI. Comércio Exterior

URUGUAI. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC URUGUAI Comércio Exterior Janeiro de 2016 Principais indicadores

Leia mais

Política Industrial para a retomada do desenvolvimento Painel 1: Caminhos para a retomada

Política Industrial para a retomada do desenvolvimento Painel 1: Caminhos para a retomada Política Industrial para a retomada do desenvolvimento Painel 1: Caminhos para a retomada Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda São Paulo, 05 de Outubro de 2015 ECONOMIA INTERNACIONAL: TAXAS DE JUROS DE

Leia mais

Comércio Internacional de bens: as exportações aumentaram 1,7% e as importações 6,0%

Comércio Internacional de bens: as exportações aumentaram 1,7% e as importações 6,0% Estatísticas do Comércio Internacional Março 2014 09 de maio de 2014 Comércio Internacional de bens: as exportações aumentaram 1,7% e as importações 6,0% As exportações de bens aumentaram 1,7% e as importações

Leia mais

Portugal : Retrato Económico e Social em gráficos

Portugal : Retrato Económico e Social em gráficos Portugal 198-1: Retrato Económico e Social em gráficos E.E.F. Mercados Financeiros Setembro 15 Perante o processo de ajustamento efectuado nos últimos quatro anos, é nosso propósito mostrar e realçar que

Leia mais

GPE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa.

GPE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Boletim Mensal de Economia Portuguesa Nº 1 Janeiro 2010 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento GPE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_

Leia mais

Reunião do Fórum de Debates sobre Políticas de Emprego, Trabalho e Renda e de Previdência Social. Brasília, 17 de Fevereiro de 2016

Reunião do Fórum de Debates sobre Políticas de Emprego, Trabalho e Renda e de Previdência Social. Brasília, 17 de Fevereiro de 2016 Reunião do Fórum de Debates sobre Políticas de Emprego, Trabalho e Renda e de Previdência Social Brasília, 17 de Fevereiro de 2016 1 A taxa de fecundidade caiu 57,7% entre 1980 e 2015, passando de 4,1

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO

CENÁRIO MACROECONÔMICO ENCONTRO BRADESCO-APIMEC CENÁRIO MACROECONÔMICO 26 DE NOVEMBRO DE 2015 FABIANA D ATRI Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos - DEPEC 1 Ambiente Internacional AMBIENTE INTERNACIONAL Fimdolongociclodecommodities.

Leia mais

Processos, resultados e desafios para o SEN

Processos, resultados e desafios para o SEN Monitorização estratégica do QREN: Processos, resultados e desafios para o SEN SPEBT CSE Lisboa, 6 de Dezembro de 2010 Duarte Rodrigues Coordenador-Adjunto Sumário Monitorização estratégica: para que serve

Leia mais

PORTUGAL. 25 anos de Integração Europeia

PORTUGAL. 25 anos de Integração Europeia PORTUGAL 25 anos de Integração Europeia Dezembro de 2010 Neste reencontro com a Europa, em certa medida um reencontro com a sua própria história, Portugal assumiu em pleno o seu papel de parceiro responsável

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 19/03 Finanças Públicas 23/03 Demografia 28/03 Administração Pública 29/03 Sociedade 29/03 Preços 30/03 Emprego INE divulgou Procedimentos dos Défices Excessivos para Portugal 1.ª

Leia mais

ARGENTINA. Comércio Exterior

ARGENTINA. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ARGENTINA Comércio Exterior Janeiro de 2016 Principais Indicadores

Leia mais

A taxa de variação média do IPC foi 0,5% em 2015 e a taxa de variação homóloga situou-se em 0,4% em dezembro

A taxa de variação média do IPC foi 0,5% em 2015 e a taxa de variação homóloga situou-se em 0,4% em dezembro 13 de janeiro de 2016 Índice de Preços no Consumidor Dezembro de 2015 A taxa de variação média do IPC foi 0,5% em 2015 e a taxa de variação homóloga situou-se em 0,4% em dezembro Em 2015, o Índice de Preços

Leia mais

Aula 3 As quatro esferas da globalização Parte I

Aula 3 As quatro esferas da globalização Parte I Aula 3 As quatro esferas da globalização Parte I BARBOSA, A. F. O Mundo Globalizado. São Paulo: Ed. Contexto, 2001. Elaborado Prof. Fauzi Timaco Jorge Adaptado Profa. Rosely Gaeta 1/34 Elaborado Prof.

Leia mais

Inquérito à Fecundidade 2013 (Primeiros Resultados)

Inquérito à Fecundidade 2013 (Primeiros Resultados) Irlanda França Reino Unido Suécia Finlândia Bélgica Lituânia Holanda Dinamarca UE Eslovénia Estónia Luxemburgo Bulgária Malta Eslováquia República Checa Grécia Áustria Itália Alemanha Espanha Chipre Portugal

Leia mais

SENEGAL Comércio Exterior

SENEGAL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC SENEGAL Comércio Exterior Agosto de 2015 Principais Indicadores

Leia mais

Es t i m a t i v a s

Es t i m a t i v a s Brasileiros no Mundo Es t i m a t i v a s Ministério das Relações Exteriores - MRE Subsecretaria Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior - SGEB Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior

Leia mais

A União Europeia: 500 milhões de pessoas, 27 países

A União Europeia: 500 milhões de pessoas, 27 países A União Europeia: 500 milhões de pessoas, 27 países Estados-Membros da União Europeia Países candidatos e potenciais candidatos à adesão Fundadores Novas ideias para uma paz e prosperidade duradouras...

Leia mais

Sistemas de Informação de Mercado Novembro 2014

Sistemas de Informação de Mercado Novembro 2014 A República da Singapura é uma cidade-estado localizada no sul da Ásia e constituída por 63 ilhas. Em tempos considerada a pérola do Império Britânico, Singapura apresenta uma população de 5,4 milhões

Leia mais

MADEIRA 2016 O Brasil e as negociações internacionais de comércio. Camila Sande Especialista em Negociações CNA

MADEIRA 2016 O Brasil e as negociações internacionais de comércio. Camila Sande Especialista em Negociações CNA MADEIRA 2016 O Brasil e as negociações internacionais de comércio Camila Sande Especialista em Negociações CNA 16 de junho de 2016 Agronegócio consumo doméstico e exportação Exportação Consumo Doméstico

Leia mais

EJA 5ª FASE PROF. JEFFERSON OLIVEIRA PROF.ª LUDMILA DUTRA

EJA 5ª FASE PROF. JEFFERSON OLIVEIRA PROF.ª LUDMILA DUTRA EJA 5ª FASE PROF. JEFFERSON OLIVEIRA PROF.ª LUDMILA DUTRA Unidade III O Continente Europeu e CEI 2 Aula 13.2 Conteúdo União Europeia 3 Habilidade Analisar a importância que a União Europeia possui para

Leia mais

Comércio Internacional Português

Comércio Internacional Português Evolução das Exportações Portuguesas de Bens eiro a o de 2012 Comércio Internacional Português Exportações Portuguesas de Bens eiro a o de 2012 Informação Portugal, 10 de ho de 2012 Evolução das Exportações

Leia mais

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Enquadramento Enquadramento A importância da Internacionalização na vertente das exportações

Leia mais

Estratégia nacional Inserção internacional Mudanças sócio-demográficas Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP

Estratégia nacional Inserção internacional Mudanças sócio-demográficas Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP Estratégia nacional Inserção internacional Mudanças sócio-demográficas Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP Inserção Internacional Islândia Inglaterra Oceano Atlântico França Espanha Itália

Leia mais

ESTADOS UNIDOS. Comércio Exterior

ESTADOS UNIDOS. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ESTADOS UNIDOS Comércio Exterior Março de 2016 Principais Indicadores

Leia mais

RECENSEAMENTO ESCOLAR ANUAL 2005/2006 POPULAÇÃO ESCOLAR - Matrículas e Resultados Escolares

RECENSEAMENTO ESCOLAR ANUAL 2005/2006 POPULAÇÃO ESCOLAR - Matrículas e Resultados Escolares «Istrumento de notação do Sistema Estatístico Nacional (Lei 6/89,de 15 de Abril) de RESPOSTA OBRIGATÓRIA, registado no INE sob o n.º 9747, válido até 31/12/2006» RECENSEAENTO ESCOLAR ANUAL 2005/2006 POPULAÇÃO

Leia mais

www.pwc.com/payingtaxes Paying Taxes 2014 Portugal e a CPLP Jaime Esteves 3 de dezembro de 2013, Lisboa

www.pwc.com/payingtaxes Paying Taxes 2014 Portugal e a CPLP Jaime Esteves 3 de dezembro de 2013, Lisboa www.pwc.com/payingtaxes Paying Taxes 2014 Portugal e a CPLP Jaime Esteves 3 de dezembro de 2013, Lisboa Agenda 1. A metodologia do Paying Taxes 2. Resultados de Portugal 3. Resultados da CPLP 4. Reforma

Leia mais

1. Sumário Executivo Enquadramento Rede postal e oferta de serviços Comparação internacional Glossário...

1. Sumário Executivo Enquadramento Rede postal e oferta de serviços Comparação internacional Glossário... Rede postal e oferta de serviços dos CTT Correios de Portugal, S.A. 4.º trimestre de 2014 a 3.º trimestre de 2016 ÍNDICE 1. Sumário Executivo... 2 2. Enquadramento... 3 3. Rede postal e oferta de serviços...

Leia mais

Embaixadas do Brasil no Mundo - Alemanha

Embaixadas do Brasil no Mundo - Alemanha 1. edestinos.com.br 2. Dicas de viagem Última atualização: 30.09.2016 Passagens aéreas Bagagem Check-in e serviço de bordo Como reservar passagens aéreas Saúde durante a viagem FAQ Passageiras grávidas

Leia mais

Ética e os Custos com Cuidados de Saúde

Ética e os Custos com Cuidados de Saúde Ética e os Custos com Cuidados de Saúde Simpósio de Ética, 11 de Novembro de 2011 Alexandre Lourenço www.acss.min-saude.pt Sumário Pontos de vista Contextualização do Sistema de Saúde Português Perspectivas

Leia mais

Prestação de Contas - LRF Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações

Prestação de Contas - LRF Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Prestação de Contas - LRF Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 Prestação de Contas - LRF

Leia mais

imigração e comércio internacional no contexto da integração europeia o caso português

imigração e comércio internacional no contexto da integração europeia o caso português imigração e comércio internacional no contexto da integração europeia o caso português Nuno Gonçalves Ana Paula Africano Resumo: Palavras-chave Códigos JEL Abstract: Keywords model. JEL Codes 41 estudos

Leia mais

Análise Conjuntural: Variáveis- Instrumentos e Variáveis- meta

Análise Conjuntural: Variáveis- Instrumentos e Variáveis- meta Análise Conjuntural: Variáveis- Instrumentos e Variáveis- meta Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h;p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Estrutura da Apresentação Variáveis- instrumentos:

Leia mais

NOVA ZELÂNDIA. Comércio Exterior

NOVA ZELÂNDIA. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC NOVA ZELÂNDIA Comércio Exterior Março de 2016 Principais indicadores

Leia mais

Atitudes e valores face ao Trabalho:

Atitudes e valores face ao Trabalho: IV SEMINÁRIO DE ESTUDOS HISTÓRICOS SOBRE O ALGARVE Atitudes e valores face ao Trabalho: A Especificidade do Algarve numa Perspectiva europeia e regional Tavira, 16 de Agosto de 2008 Rui Brites rui.brites@iscte.pt

Leia mais

INDICADORES SOCIOECONÔMICOS SDR BLUMENAU

INDICADORES SOCIOECONÔMICOS SDR BLUMENAU INDICADORES SOCIOECONÔMICOS SDR BLUMENAU Aspectos Econômicos ** Serviço de Apoio à Micro e Pequenas Empresas de Santa Catarina SEBRAE/SC. Santa Catarina em Números. Disponível em ,

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais