MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Meio Ambiente e Patrimônio Cultural

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Meio Ambiente e Patrimônio Cultural"

Transcrição

1 MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Meio Ambiente e Patrimônio Cultural PARECER TÉCNICO Nº 204/2010-4ªCCR REFERÊNCIA P.A. n.º / UNIDADE SOLICITANTE EMENTA 4a CCR Meio Ambiente. Espaço territorial especialmente protegido. Área de Preservação Permanente e Reserva Legal. Proposta de alteração do Código Florestal que tramita na Câmara dos Deputados. 1 INTRODUÇÃO O presente Parecer Técnico foi solicitado pela Coordenação da 4a CCR, em virtude do Substitutivo ao Projeto de Lei nº 1.876/1999, apresentado pelo Deputado Aldo Rebelo à Comissão Especial destinada à proferir parecer sobre o referido PL, que altera o atual Código Florestal, Lei n.º 4.771/65. 2 ANÁLISE O Substitutivo ao Projeto de Lei 1.876/99 foi analisado pelos signatários do presente Parecer Técnico e os comentários, quando pertinentes, foram incluídos após o item da proposta gerando o Substitutivo Comentado apresentado em anexo. A partir dessa análise, as principais alterações propostas foram extraídas do Substitutivo Comentado e agrupadas nos temas Área Urbana, Área de Preservação Permanente, Reserva Legal, Programa de Regularização Ambiental e Cota de Reserva Ambiental, apresentados a seguir: 2.1 Área Urbana 1. O conceito de área urbana consolidada (art. 2º) tornará mais liberal a ocupação e o uso alternativo de APP, reduzindo a proteção. Os critérios de reconhecimento da área urbana consolidada, que não incluirão a exigência de que a área já seja habitada, permitem a criação de áreas urbanas consolidadas a qualquer tempo, independentemente da existência prévia da ocupação, possibilitando a abertura de novos assentamentos urbanos em APP. 2. As APP em área urbana serão interpretadas como diferentes das APP em área rural, o que é um grave equívoco. Deve-se ter em mente que são as funções ambientais que justificam a existência das APP, quer em área urbana, quer rural. O Substitutivo considera que as APP em área urbana não são, necessariamente, tão relevantes quanto em área rural e, portanto, poderiam ser dispensadas de proteção, podendo ser efetivamente ocupadas, independentemente de serem ocupações realmente já consolidadas ou novas.

2 3. As APP em áreas urbanas consolidadas passarão a ser definidas nos Planos Diretores e leis de uso do solo do município. Se o município desejar suprimi-las não haverá impedimento, uma vez que não há previsão de um padrão mínimo de proteção. 4. O Substitutivo, se aprovado, permitirá a implantação de infraestrutura de esportes, lazer e atividades educacionais e culturais ao ar livre, nas APP situadas em áreas urbanas consolidadas, o que significará a supressão de APP para dar lugar, por exemplo, a estádios; clubes esportivos ou recreativos; escolas; fundações culturais; etc. Não há sequer a previsão da obrigatoriedade de inexistência de alternativa locacional para tais atividades. Note-se que não se trata da regularização de equipamentos já implantados, mas da permissão para novos se instalarem. 2.2 Área de Preservação Permanente 1. O referencial para demarcação da faixa de APP será alterado para o leito menor (art. 3º, inciso I),e não mais do leito maior, como é atualmente. Essa alteração reduzirá consideravelmente a extensão da área protegida, podendo-se, em função de características topográficas, chegar a uma redução maior que a própria faixa. A redefinição da APP como faixa demarcada a partir do leito menor acarretará a possibilidade de ocupação do leito maior de cursos d'água, sujeito a inundações no período de cheias, por atividades antrópicas e até mesmo assentamentos humanos. Com isso, é de se esperar o aumento de casos de danos materiais à lavouras, criações, benfeitorias e edificações, além do risco à vida humana. 2. As faixas de APP às margens de rios, cuja largura será 15m (art. 3º, inciso I, Alínea a), ao invés dos 30m atualmente previstos como faixa mínima, poderão ser reduzidos em até 50% pelos Estados (art. 3º, 1º). Com isso, na prática, a faixa mínima de proteção às margens de rios poderá ser de 7,5m. Esse valor não tem uma justificativa técnica que forneça garantias de que a proteção das margens será obtida com essa faixa de proteção. A redução da largura da APP será ainda mais significativa por causa da proposta de alteração do referencial para a demarcação da faixa APP, conforme item abaixo. 3. Será feita a distinção entre nascente e olho d'água (art. 2º, incisos XI e XII), considerados sinônimos pelo Código Florestal vigente. A partir dessa distinção, será permitida, em alguns casos, a interferência em APP ao redor de nascentes intermitentes. Enquadram-se nesses casos as diversas restrições impostas à intervenção ou supressão em APP de nascentes previstas na Resolução Conama 369/2006, tais como a vedação de intervenção em nascente por atividades de interesse social, a vedação de intervenção para a extração de rochas para uso direto na construção civil, o condicionamento da intervenção à outorga do uso da água. 4. A definição de vereda adotado no Substitutivo (art. 2º, inciso XVII) reduzirá a proteção atualmente vigente. Ao invés de caracterizar o espaço protegido, o Substitutivo descreve a fitofisionomia, o que, para efeito da descrição de Áreas de Preservação PT Substitutivo Código Florestal 2/60

3 Permanente, não é o mais adequado, uma vez que tratam-se de espaços territoriais especialmente protegidos. O conceito utilizado no Substitutivo parece ter sido adaptado de Ribeiro e Walter (1998), no entanto, o Substitutivo deixou de observar que esses autores fazem a distinção da fitofisionomia vereda de Palmeiral, no qual incluem o subtipo buritizal, o que, se é pertinente em termos de fitofisionomia, não o é em termos de definição de espaços protegidos, uma vez que a fisionomia buritizal, tal como fisionomia vereda, também ocorrem associados a solos brejosos ou encharcados, em fundos de vale, porém apresentando dossel. proteção a ser conferida aos buritizais e a esses espaços brejosos deve ser idêntica a das veredas, uma vez que devem ser protegidos em toda a sua extensão, e não em faixas marginais, dada a fragilidade e importância ecológica desses ecossistemas como um todo. O conceito da Resolução Conama, descrevendo o espaço, e inclusive vinculando à ocorrência de nascentes e cabeceiras de cursos d'água, é mais apropriado As restingas, em uma faixa de 300 metros a partir da linha do preamar máximo, deixarão de ser protegidas sob a forma de APP. Isso facilitará a ocupação, por empreendimentos de turismo e demais equipamentos urbanos, dessa importante região para a preservação da zona costeira. As restingas assumem importante papel na fixação do substrato arenoso, sujeito à ação erosiva do vento evitando problemas de bloqueio de estradas e invasão de habitações, além de atenuar o assoreamento de brejos, lagunas e canais. A cobertura vegetal contribui ainda para manter o substrato permeável, permitindo que a água das chuvas alimente o lençol freático, cujo nível, por sua vez, garante o fornecimento de água potável na região e a manutenção do nível dos corpos d água. A retirada da vegetação acarreta a lavagem acelerada dos nutrientes, que são carreados para as profundezas do solo, fora do alcance das raízes, num processo de empobrecimento gradual do sistema. Em estágios mais avançados de degradação, o solo sofrerá intensa erosão pelos ventos, o que pode ocasionar a formação de dunas móveis um grave risco para o ambiente costeiro e, particularmente, para a população da faixa litorânea. Hoje, no entanto, estão ameaçados de descaracterização definitiva: a intensificação da atividade humana ao longo da zona costeira tem acarretado a progressiva degradação e mesmo destruição de seus componentes biológicos e paisagísticos. Em meio dessa devastação, espécies animais e vegetais são eliminadas, o que restringe a diversidade biótica e põe em risco valioso patrimônio genético Os topos de morros, montes, montanhas e serras deixarão de serem considerados APP e perderão a proteção legal. Essas áreas são especialmente relevantes para garantir, por exemplo, a estabilidade das encostas, o que torna-se de extrema importância para o bem-estar da população tendo em vista os desastres envolvendo deslizamento de encostas em época de chuvas. 1 Vereda - espaço brejoso ou encharcado, que contém nascentes ou cabeceiras de cursos d'água, onde há ocorrência de solos hidromórficos, caracterizado predominantemente por renques de buritis do brejo (Mauritia flexuosa) e outras formas de vegetação típica. 2 Ciência Hoje. Vol. 06 N.º 33 PT Substitutivo Código Florestal 3/60

4 7. Também perderão a proteção, as áreas com altitudes superiores a 1.800m. Nessas áreas, é comum a ocorrência de espécies raras e endêmicas, fazendo com que sejam de importância para a conservação biológica. Esses ambientes, quase sempre de grande beleza cênica, são pouco comuns no Brasil. Em estimativa feita, com o uso do software ArcView, a partir de dados da Base Cartográfica Digital do IBGE, escala 1: , de 2003, chegou-se a apenas km² ( hectares) de áreas com altitudes superiores a metros, a maior parte da área situada na serra da Mantiqueira, divisa dos estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo. Considerando que o Brasil continental possui área de ,59 km² ( hectares), as áreas com altitudes superiores a metros representam 0,01% desse território. Não por acaso, mas sim em função da relevância ambiental e cênica, a maior parte das áreas com altitudes superior a metros do Brasil encontram-se também protegidas por unidades de conservação federais. Nessa situação encontram-se áreas do Parque Nacional de Itatiaia, do Parque Nacional Serra da Bocaina, do Parque Nacional Serra dos Órgãos, do Parque Nacional do Caparaó, do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, do Parque Nacional Pico da Neblina, do Parque Nacional Monte Roraima, da Área de Proteção Ambiental da Serra da Mantiqueira e da APA de Petrópolis. A eliminação da proteção das áreas com altitudes superiores a 1.800m, sob a forma de APP, possibilitará o uso alternativo daquelas localizadas fora das UC de proteção integral. 8. A largura da faixa de APP no entorno de reservatórios de água artificiais passará a ser definida pelo órgão ambiental no âmbito do licenciamento de cada empreendimento (art. 3º, inciso III; art. 4º). As faixa mínimas propostas, de 30m em área rural e de 15m em área urbana, são inferiores às faixas atualmente definidas na Resolução Conama 302/ As acumulações naturais ou artificiais de água com superfície inferior a 1 ha serão dispensadas de possuírem faixa de APP no entorno (art.3º, 4º). Diversas lagoas marginais aos rios, de importância como berçário para diversas espécies, encontram-se nessa situação. O Substitutivo, se aprovado, permitirá, por exemplo, o avanço de atividades antrópicas, aí incluída a agricultura, todos os insumos que a acompanham, e a construção de edificações, seus sistemas de disposição de resíduos, até o limite dessas acumulações, o que certamente trará prejuízo a esses ambientes. 10. Será permitida a implantação de polos turísticos e de lazer no entorno de reservatórios artificiais, de acordo com o que for definido no processo de licenciamento ambiental (art. 4º, 2º), eliminando o limite máximo dessa ocupação em dez por cento da área do entorno, conforme atualmente fixados na Resolução Conama 302/ Reserva Legal 1. Será eliminada a exigência da Reserva Legal (RL) para imóveis rurais com área de até quatro módulos fiscais (art. 14). Na Amazônia Legal, onde significativa área tem o módulo fiscal definido em 100 hectares, propriedades com até 400 ha ficarão dispensadas da averbação da Reserva Legal. Considerando a área como floresta, com Reserva Legal de 80% PT Substitutivo Código Florestal 4/60

5 da área, seria possível o desmatamento de até 320 ha por propriedade com área igual ou superior a 4 módulos fiscais. Nessas condições, como, propriedades rurais com área de até 400 hectares poderão ser totalmente desmatadas na Amazônia, um conjunto de pequenas propriedades rurais, ocorrentes na mesma região, poderá levar a existência de extensas áreas desmatadas, portanto, sem os benefícios propiciados pela Reserva Legal. 2. Será exigida Reserva Legal apenas para a porção do imóvel que exceder a quatro módulos fiscais (art. 14, 1º). Assim, haveria a redução de Reserva Legal em área correspondente a, no mínimo, 0,8 módulos fiscais (20% de 4 módulos fiscais) por propriedade rural, podendo-se chegar a 3,2 módulos fiscais (80% de 4 módulos fiscais), para cada propriedade rural localizada em área de floresta da Amazônia Legal. Multiplique-se a área de redução da Reserva Legal, considerando os o percentuais de Reserva Legal e os módulos fiscais para cada localidade, pelo número de propriedades ou posses existentes em todo o Brasil e é possível obter uma estimativa área em que a proteção será reduzida e será passível de ser convertida a partir da introdução desse dispositivo. Apenas para os estados situados na região Norte (Acre, Amazonas, Amapá, Pará, Rondônia e Roraima) a introdução desse dispositivo será responsável pela redução de cerca de ha (setenta e um milhões de hectares) de área protegida 3, área que é superior ao somatório de todas as unidades de conservação federais situadas na Amazônia Legal, de proteção Integral e Uso Sustentável ( ha) 4. Se considerada a possibilidade de existência de uma infinidade de posses, não cadastradas pelo Incra, a redução da área protegida poderá ser ainda maior. O fato de a dimensão do módulo fiscal variar apenas no espaço, mas também no tempo, uma vez que a área do módulo de cada município pode ser alterada pelo INCRA em função do tipo de exploração predominante no município, da renda obtida com a exploração predominante, de outras explorações existentes no município que, embora não predominantes, sejam significativas em função da renda ou da área utilizada, do conceito de agricultura familiar, levará a alterações constantes na área da Reserva Legal das propriedades. Se ampliada a dimensão do módulo fiscal, novas áreas de Reserva Legal poderão ser convertidas; se reduzida a dimensão do módulo, haverá a necessidade de reposição da Reserva Legal. A título de informação, existem hoje 28 categorias distintas de módulos fiscais, com área variando de 5 a 110 hectares. O módulo fiscal de maior frequência é o de 20 ha, atualmente 3 Para essa estimativa foi considerado que os imóveis estão localizados em área com formações florestais, com Reserva Legal de 80% da área, exceto para o estado de Roraima em que foi considerada a formação savânica e Reserva Legal de 35%. O número de propriedades por área de módulo fiscal em cada estado foi obtido a partir de dados disponibilizados pelo Incra (http://www.incra.gov.br/portal/index.php? option=com_content&view=category&layout=blog&id=153&itemid=182, acessado em 18 junho de 2010). Acre: propriedades com módulo fiscal de 100 há e 7450 com módulo fiscal de 70 ha; Amazonas: propriedades com módulo fiscal de 100 há, com módulo fiscal de 80 há e com módulo fiscal de 10 há; Amapá: propriedades com módulo fiscal de 70 ha e com módulo fiscal de 50 ha; Pará: propriedades com módulo fiscal de 75 ha, com módulo fiscal de 70 ha, com módulo fiscal de 65 ha, com módulo fiscal de 55 ha, com módulo fiscal de 50 ha, 731 com módulo fiscal de 7 ha e 148 com módulo fiscal de 5 ha; Rondônia: propriedades com módulo fiscal de 60 há; Roraima: propriedades com módulo fiscal de 100 ha e com módulo fiscal de 80 ha.. 4 acessado em 18 de junho de PT Substitutivo Código Florestal 5/60

6 estabelecido para 815 municípios brasileiros, com destaque para a região Sul, com 447 municípios. O de menor frequência é o de 110 ha, que vigora para apenas 2 municípios situados no estado do Mato Grosso do Sul. 3. A localização da Reserva Legal no interior do imóvel será de livre escolha do proprietário ou possuidor, salvo quando houver prévia determinação de sua localização pelo órgão competente do Sisnama (art. 15), o que será muito difícil de acontecer na prática dada a capacidade operacional dos órgãos de meio ambiente no país. O Código Florestal vigente prevê que a localização da RL deve ser aprovada pelo órgão estadual competente, municipal ou outra instituição habilitada devendo ser considerados no processo de aprovação a função social da propriedade e os seguintes critérios e instrumentos, quando houver: plano de bacia hidrográfica; plano diretor municipal; ZEE, outras categorias de zoneamento ambiental e a proximidade com outra RL, APP UC ou outra área legalmente protegida. 4. Será permitido o cômputo das Áreas de Preservação Permanente no percentual de Reserva Legal (art. 16), podendo haver situação em que as áreas de APP existentes na propriedade sejam suficientes ou próximas do percentual previsto para a região, não havendo outra forma de proteção. O código atual admite esse benefício apenas para casos em que as APP correspondiam a porção significativa da propriedade, quais sejam, quando a soma da vegetação nativa em APP e da Reserva Legal excedesse a oitenta por cento da propriedade rural localizada na Amazônia Legal; cinquenta por cento da propriedade rural localizada nas demais regiões do País; vinte e cinco por cento da pequena propriedade assim considerada aquela com 50 ha, se localizada no polígono das secas ou a leste do Meridiano de 44º W, do Estado do Maranhão, ou 30 ha, se localizada em qualquer outra região do País. 5. Será permitida a compensação de Reserva Legal mediante a doação ao Poder Público de área localizada no interior de Unidade de Conservação (art.25, III), promovendo uma redução substancial da proteção de vegetação nativa. Cabe mencionar que o Ministério Público Federal já impetrou a ADI 4367 contra dispositivo, previsto no 6º do art. 44 da Lei 4.771/65, com a redação que lhe foi conferida pela Lei /2006, que permite aos proprietários rurais a desoneração do dever de manter em sua propriedade reservas florestais legais, mediante doação de área de terra localizada no interior de unidade de conservação, pendente de regularização fundiária. A esse propósito, é importante notar que as APP não são, no Código Florestal vigente, computadas para o cálculo do percentual da Reserva Legal, de modo tão amplo. O Código atual admitia esse benefício apenas para casos em que as APP correspondiam à porção significativa da propriedade, quais sejam, quando a soma da vegetação nativa em APP e da Reserva Legal excedesse a oitenta por cento da propriedade rural localizada na Amazônia Legal; cinquenta por cento da propriedade rural localizada nas demais regiões do País; vinte e cinco por cento da pequena propriedade assim considerada aquela com 50 ha, se localizada no polígono das secas ou a leste do Meridiano de 44º W, do Estado do Maranhão, PT Substitutivo Código Florestal 6/60

7 ou 30 ha, se localizada em qualquer outra região do País. O procedimento é tecnicamente justificado porque os objetivos de APP e RL, embora complementares, não se confundem 5. De acordo com Campos (2006b), as APP, as RL, e outras áreas legalmente protegidas, além de contribuírem para a preservação de ecossistemas, são importantes para aumentar a expressividade das Unidades de Conservação, sendo que o conjunto dessas áreas configura uma estratégia expandida de valorização da biodiversidade. Como é amplamente sabido (PRIMACK & RODRIGUES, 2001; PAGLIA et al, 2006; PINTO et al, 2006 ROCHA et al, 2006; BENSUSAN, 2006), a conservação da biodiversidade não se faz somente nos locais restritos das áreas protegidas pelas Unidades de Conservação. Por essa razão, o Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC) previu dois outros conceitos relevantes para a gestão de UC. São eles: a zona de amortecimento e o corredor ecológico, que representam um esforço para levar a conservação da biodiversidade para além dos limites da UC. A zona de amortecimento, prevista no SNUC, tem como ideia central o fato de que o uso de recursos naturais no entorno da Unidade pode vir a comprometer os processos ecológicos que geram e mantêm a biodiversidade que se quer conservar. Já os corredores ecológicos procuram mitigar o efeito da fragmentação dos ambientes naturais a qual prejudica ou mesmo inviabiliza a manutenção da biodiversidade em função da redução e isolamento dos ecossistemas. Os corredores propiciam a conectividade 6 entre as áreas conservadas e garantem a variabilidade genética das populações silvestres, que permite a evolução e sobrevivência das espécies (em última análise). Portanto, a busca de conectividade entre fragmentos de vegetação traz os benefícios necessários a uma proteção efetiva da biodiversidade. Deve ser levado em consideração que os processos de isolamento dos remanescentes de ecossistemas, conhecidos como fragmentação e insularização, produzem várias mudanças qualitativas fáceis de predizer, conforme destacado por Bierregaard, et al. (1992), Campos & Agostinho (1997) e Primack & Rodrigues (2001) apud Campos (2006a), entre as quais podem ser citadas: i. acarreta a redução de populações silvestres, com consequências genéticas deletérias, aumentando a probabilidade de extinção de espécies, devido à menor capacidade de adaptação a mudanças naturais ou antropogênicas do ambiente; 5 O trecho a seguir foi retirado da IT n.º 76/09 4a CCR. 6 Conectividade pode ser definida como a capacidade da paisagem (ou das unidades da paisagem) de facilitar os fluxos biológicos. A conectividade depende da proximidade dos elementos de habitat, da densidade de corredores e stepping stones (pontos de ligação ou trampolins ecológicos que facilitam o fluxo gênico entre fragmentos de vegetação) e da permeabilidade da matriz ambiental (METZGER, 2001). PT Substitutivo Código Florestal 7/60

8 ii. considerando que a distribuição das populações não é homogênea; certas espécies podem não estar presentes em determinados fragmentos ambientais simplesmente porque não acharam o caminho (dispersão) antes dos ecossistemas serem isolados; iii. a fragmentação de habitat aumenta a vulnerabilidade dos fragmentos de vegetação à invasão de espécies exóticas e espécies nativas invasoras; iv. espécies que requerem grandes habitats podem não sobreviver em pequenos fragmentos. Em resumo, a fragmentação e insularização de habitats diminuem a possibilidade de áreas naturais se manterem como ecossistemas auto-regulados em sua complexidade natural, podendo levar a um processo de extinção em cadeia (Campos, 2006a). Um exemplo concreto do efeito da fragmentação é o da Estação Ecológica Aracuri, no Estado do Rio Grande do Sul, a qual encontra-se praticamente isolada de outros fragmentos florestais maiores, e que, segundo o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade/MMA (ICMBio, 2008), já sofreu perda de biodiversidade exatamente pelo desmatamento de matas de araucária no entorno da unidade. No respectivo Plano de Manejo (ICMBio, 2008) foi indicada claramente a necessidade de manter e criar corredores biológicos 7 mediante a averbação e recuperação das RL de propriedades lindeiras. Da mesma forma, o Parque Nacional das Emas, em Goiás, sofre com o processo de insularização decorrente da ocupação desordenada e ilegal das propriedades lindeiras, e uma das estratégias encontradas por atores locais (empresa Bunge, ONGs e agricultores) é regularizar a situação das RL (CI et al, s.d.; CAVALCANTI, 2006). Essa análise permite concluir que os três instrumentos citados de proteção legal, as UC, as RL e as APP, embora possuam objetivos ligeiramente diferenciados, são complementares e fundamentais para a proteção da biodiversidade e geram inúmeros benefícios para a população, para a manutenção da qualidade ambiental, assim como para a representatividade dos ecossistemas nacionais Aqueles que descumpriram o atual Código Florestal serão premiados com a redução da Reserva Legal para fins de regularização ambiental, para até 50% da propriedade em área de formação florestal na Amazônia Legal; para até 20% da propriedade em área de formação savânica na Amazônia Legal (art. 18, inciso I e II). Com isso, haverá redução de significativa área protegida. 7. A recomposição/regeneração natural da RL ou a sua compensação passam a ser facultativas (art. 25) e não obrigatórias. No Código Florestal vigente as medidas indicadas constituem dever e não possibilidade. 7 Há vários termos correlatos, conceitualmente distintos, mas que partem da mesma premissa básica (p. ex.: corredores ecológicos, corredores de fauna, corredores de hábitat, corredores de biodiversidade). 8 Mais sobre o assunto ver METZGER (2010), em anexo. PT Substitutivo Código Florestal 8/60

9 8. Ficará assegurada a manutenção das atividades agropecuárias e florestais em áreas rurais consolidadas, localizadas em Áreas de Preservação Permanente e de Reserva Legal, como também nas áreas de várzeas e de inclinação entre 25º e 45º, até a elaboração de Programas de Recuperação Ambiental pela União ou pelos Estados (art. 27). O parágrafo 5º desse artigo estabelece um prazo de 5 anos para a elaboração dos PRA. Por sua vez, o art. 47, 1º e 3º, permite que os estados e o Distrito Federal poderão, por ato próprio, estenderem o prazo de elaboração do PRA em até 5 anos. Com isso, pode-se chegar a um prazo de até 10 anos para o início do processo de recuperação da Reserva Legal, seguidos de outros 30 anos para a sua recuperação, a uma razão de 1/30 por ano. Com isso haverá o retardo no início do processo de recuperação da área de Reserva Legal, chegando-se a um limite de 40 anos. A proposta analisada deixa de apresentar quaisquer mecanismos de monitoramento da execução da recomposição e a penalização daqueles que deixarem de executar a sua reparação. Assim, não há garantias de que a recomposição será executada. 9. Será permitido o plantio de espécies exóticas na recomposição da reserva legal de acordo com critérios técnicos gerais estabelecidos em lei estadual ou do Distrito Federal (art. 25, 2º). Tal medida promoverá a descaracterização da vegetação nativa das Reserva Legais assim recompostas. É preciso que uma Lei Federal estabeleça e unifique um padrão mínimo de proteção, o que não está ocorrendo em diversos momentos do Substitutivo ora examinado. No Código atual, a recomposição da RL deve ser apenas com espécies nativas, possibilitando o plantio de exóticas somente de modo temporário como pioneiras, visando a restauração do ecossistema original. 2.4 Programa de Regularização Ambiental (PRA) 1. Os proprietários ou possuidores de imóveis rurais ficarão desobrigados de adotarem qualquer medida de recomposição de vegetação suprimida sem autorização até que um Programa de Regularização Ambiental, a ser elaborado pela União ou pelos Estados, assim o determine (art. 24). Em síntese, a iniciativa da reparação do dano será retirada de quem efetivamente degradou e transferida para o Estado. Nenhuma medida deverá ser adotada até que os Estados elaborem e implementem os Programas de Regularização Ambiental. 2. Ao que parece, a proposta de regularização ambiental incumbirá o Poder Público da recuperação das Áreas de Preservação Permanente (art. 24), enquanto os proprietários e possuidores se responsabilizarão (?) pela recomposição da Reserva Legal (art. 25). 3.. Áreas de Preservação Permanente poderão não ser recuperadas, se assim definir o PRA (art. 24, 3º) 4. Até que os PRA sejam elaborados implementado, ficará assegurada a manutenção das atividades agropecuárias e florestais em áreas rurais consolidadas, localizadas em APP e RL e áreas com declividade entre 25º e 45º (art. 27). Entretanto, considerando que o PRA deverá ser elaborado pelo poder público (a União, estados ou pelo Distrito Federal), e que essa obrigação depende de previsão orçamentária, e, ainda, depende da elaboração prévia de Zoneamento Ecológico-Econômico, de Planos de Recursos Hídricos, de inventários florestais PT Substitutivo Código Florestal 9/60

10 e de estudos técnicos de órgãos de pesquisa e sabendo-se que a União e os Estados não dispõem dos recursos e a estrutura necessários a elaboração de todos os estudos prévios e nem o próprio PRA. Portanto, é factível prever que em determinadas situações os PRA nunca serão elaborados e com isso a ocupação nas APP e RL será legalizada, independentemente da sua relevância ecológica e dos serviços ambientais fundamentais para a manutenção da qualidade de vida e do bem-estar da população brasileira. Em resumo, o Substitutivo criará uma forma de desobrigar os proprietários e possuidores rurais da tarefa de recompor as APP e RL. 5. O Substitutivo não apresenta formas para garantir a adesão dos proprietários e possuidores ao PRA, prevendo apenas que eles participarão e contribuirão na implementação dos programas, sem estabelecer uma obrigação mínima. Não há previsão de penalidades para a não-adesão ao PRA, o que poderá levar ao seu descumprimento, especialmente considerando-se que implicará custos aos proprietários, bem como a exclusão de atividades produtivas em APP. Não haverá incentivo, nem positivo, nem negativo para a adesão ao PRA. 6. Os TAC já firmados poderão ser suspensos, unilateralmente, pelos proprietários e possuidores rurais, até a elaboração do PRA (art. 27 1º). A suspensão de termos de compromisso já firmados, a critério exclusivo dos proprietários rurais, retardará a recuperação de áreas de APP e Reserva Legal. Haverá casos em que a suspensão do acordo e da execução das medidas, poderá levar a novos desmatamentos, com a conversão de áreas em processo de recuperação outra vez em áreas de uso agropecuário, para uso por mais 5 ou 10 anos, até a elaboração do PRA. Em outros, a possibilidade é possível que PRA nunca sejam elaborados para determinadas bacias, uma vez que o Substitutivo não garante os recursos necessários para tanto, levando a conversão de uso definitiva de áreas atualmente em processo de recuperação. Além disso, tal medida é contraditória, uma vez que o Substitutivo por outro lado, prevê a assinatura de TAC caso o estado não implemente o PRA (art. 27, 5º). Melhor seria manter os termos de compromisso assinados em vigor. 7. Os estados e o Distrito Federal poderão estender o prazo de elaboração do PRA em até 5 anos (art. 47, 3º). Essa medida retardará a recuperação ambiental da áreas protegidas. A elaboração do PRA deve ser antecedida da elaboração de Zoneamentos Ecológicas Econômicos, Planos de Recursos Hídricos, inventários florestais e estudos técnicos de órgãos de pesquisa. É possível casos em que os PRA nunca serão elaborados. O art. 47, 1º e 3º, estabelece que os estados e o Distrito Federal poderão, por ato próprio, estender o prazo de elaboração do PRA em até 5 anos. Com isso, pode-se chegar a um prazo de até 10 anos para o início do processo de recuperação das Áreas de Preservação Permanente e Reserva Legal, seguidos de outros 30 anos para a recuperação da Reserva Legal, a uma razão de 1/30 por ano. Com isso haverá o retardo no início do processo de recuperação da área de Reserva Legal, chegando-se a um limite de 40 anos para a recuperação da área integral de Reserva Legal. 2.5 Cadastro Ambiental 1. Os termos de compromisso já assinados, no que tange às APP e Reserva Legal, PT Substitutivo Código Florestal 10/60

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP)

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP) Lei 4771 versão em vigor II área de preservação permanente: área protegida nos termos dos arts. 2 o e 3 o desta Lei, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos

Leia mais

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Aspectos relacionados com a Legislação Florestal / Mineração LEI FEDERAL 12651/12 Engª Amb. Adriana Maira Rocha Goulart Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

Dispositivos da Lei. Destaques. Áreas de Preservação Permanente (APPs)

Dispositivos da Lei. Destaques. Áreas de Preservação Permanente (APPs) Cursos d água naturais perenes e intermitentes excluídos os efêmeros: art. 4º, inciso I. A proteção vale para os cursos d água naturais. Variados cursos d água, como resultantes de retificações, canalizações

Leia mais

Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012. Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF

Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012. Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012 Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF O Idaf por definição O IDAF, é a entidade responsável pela execução da política, florestal, bem como

Leia mais

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Lei 12.651/2012 Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Considerações Padrão Legal X Padrão de Qualidade Capacitação para aplicação da lei Análise individual

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP LICENCIAMENTO AMBIENTAL Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP Engª Adriana Maira Rocha Goulart Gerente Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural: CAR E OS IMÓVEIS ABAIXO DE 4 MÓDULOS FISCAIS

Cadastro Ambiental Rural: CAR E OS IMÓVEIS ABAIXO DE 4 MÓDULOS FISCAIS Cadastro Ambiental Rural: CAR E OS IMÓVEIS ABAIXO DE 4 MÓDULOS FISCAIS O que é Módulo Fiscal / agricultura familiar Classificação dos imóveis até 4 módulos fiscais Como e onde consultar os módulos fiscais

Leia mais

http://www4.planalto.gov.br/legislacao/resenha-diaria/2012/maio-resenhadiaria#content

http://www4.planalto.gov.br/legislacao/resenha-diaria/2012/maio-resenhadiaria#content http://www4.planalto.gov.br/legislacao/resenha-diaria/2012/maio-resenhadiaria#content Lei nº 12.651, de 25.5.2012 - Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis n os 6.938, de 31 de agosto

Leia mais

Lei Federal nº 12.651/12 ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE. Eng. Agr. Renata Inês Ramos Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad

Lei Federal nº 12.651/12 ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE. Eng. Agr. Renata Inês Ramos Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Lei Federal nº 12.651/12 ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE Eng. Agr. Renata Inês Ramos Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Lei 12651/12 Áreas de Preservação Permanente CONCEITO - Art. 3º, inciso II Área protegida

Leia mais

POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO

POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO (Lei Federal n. 12.651/12) PROF. DR. RAFAEL COSTA FREIRIA E-MAIL: RAFAELFREIRIA@COM4.COM.BR DISCIPLINA: DIREITO AMBIENTAL Fundamentos e Temas de Trabalho na Questão Florestal

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR CURSO INTENSIVO III Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data: 09.12.2009 Aula nº 06 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Lei 4771/65 Art. 2 Consideram-se de preservação permanente, pelo só efeito desta

Leia mais

Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal

Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal 1/33 Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal Introdução Eng. Allan Saddi Arnesen Eng. Frederico Genofre Eng. Matheus Ferreira Eng. Marcelo Pedroso Curtarelli 2/33 Conteúdo

Leia mais

TEXTO EM VIGOR EM VERDE

TEXTO EM VIGOR EM VERDE BUREAUX JURÍDICOS ASSOCIADOS Porto Alegre-RS Brasília-DF São Paulo-SP Belo Horizonte-MG Ricardo Alfonsin Advogados Ricardo Barbosa Alfonsin OAB/RS 9.275 Breno Moreira Mussi OAB/RS 5.791 Arilei Ribeiro

Leia mais

CADASTRO AMBIENTAL RURAL E AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE

CADASTRO AMBIENTAL RURAL E AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE CADASTRO AMBIENTAL RURAL E AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O que são as APP e quais as suas funções Diferença entre APP e Reserva Legal Os diversos tipos de APP Sobre nascentes e olho d água diferenças

Leia mais

CADASTRO AMBIENTAL RURAL. ELON DAVI JAGUSZEWSKI Engenheiro Florestal Técnico em Agropecuária CREA/SC 091.142-4

CADASTRO AMBIENTAL RURAL. ELON DAVI JAGUSZEWSKI Engenheiro Florestal Técnico em Agropecuária CREA/SC 091.142-4 CADASTRO AMBIENTAL RURAL ELON DAVI JAGUSZEWSKI Engenheiro Florestal Técnico em Agropecuária CREA/SC 091.142-4 MISSÃO DO SENAR Realizar a educação profissional e promoção social das pessoas do meio rural,

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental

Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental Segundo a Lei Federal 12.651/2012 e Decreto Federal 7.830/2012 ESALQ Março/Abril de 2014 Caroline Vigo Cogueto Centro de Monitoramento e Avaliação

Leia mais

Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12. 4º Ecologia 28/09/2015

Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12. 4º Ecologia 28/09/2015 1 Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12 4º Ecologia 28/09/2015 Motivação para criação 2 Conservação de ecossistemas naturais é interessante! Única lei nacional que veta a ocupação urbana ou

Leia mais

BR 116/RS Gestão Ambiental. Oficina para Capacitação em Gestão Ambiental

BR 116/RS Gestão Ambiental. Oficina para Capacitação em Gestão Ambiental BR 116/RS Gestão Ambiental Programa de Apoio às Prefeituras Municipais Oficina para Capacitação em Gestão Ambiental Novo Código Florestal Inovações e aspectos práticos STE Serviços Técnicos de Engenharia

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO -Meio Ambiente e Patrimônio Cultural- - NOTA TÉCNICA Nota técnica que expede a 4ª Câmara de Coordenação e Revisão do Ministério Público Federal

Leia mais

Entendendo o Código Florestal. II Congresso Brasileiro de Reflorestamento Ambiental Novembro 23 de Outubro de 2012

Entendendo o Código Florestal. II Congresso Brasileiro de Reflorestamento Ambiental Novembro 23 de Outubro de 2012 Entendendo o Código Florestal II Congresso Brasileiro de Reflorestamento Ambiental Novembro 23 de Outubro de 2012 Tópicos abordados hoje: * Florestas no Planejamento Federal; * Lei 12.651/12 Estrutura

Leia mais

ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE CONSOLIDADAS:

ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE CONSOLIDADAS: O mais importante Do novo Código Florestal Engª Agrônoma Carla Beck- FAEP/DTE As propriedades rurais ocupadas até 22 de julho de 2008, terão que cumprir as seguintes regras estabelecidas pelo novo Código

Leia mais

Recuperação e Recomposição de Mata Ciliar e Reserva Legal

Recuperação e Recomposição de Mata Ciliar e Reserva Legal Recuperação e Recomposição de Mata Ciliar e Reserva Legal Novo Código Florestal (Lei 12651) Eng Agrônomo Ricardo Moraes Witzel, Msc Concepção de Propriedade Sustentável A discussão do novo código florestal

Leia mais

Iniciativa Verde. Pontos para aplicação do novo Código Florestal, Lei 12.651/12

Iniciativa Verde. Pontos para aplicação do novo Código Florestal, Lei 12.651/12 Iniciativa Verde Pontos para aplicação do novo Código Florestal, Lei 12.651/12 Roberto Ulisses Resende São Paulo, março de 2013 Introdução Esta é a primeira versão do documento elaborado pela Iniciativa

Leia mais

Retrocesso na Proteção Ambiental. Dispositivos. Lei nº 12.651/2012

Retrocesso na Proteção Ambiental. Dispositivos. Lei nº 12.651/2012 Retrocesso na Proteção Ambiental Dispositivos Lei nº 12.651/2012 Áreas de Preservação Permanente (APPs) Dispositivos da Lei Áreas de Preservação Permanente (APPs) TOPOS DE MORRO E MONTANHAS Topos de Morro:

Leia mais

Novo Código Florestal Orientações Gerais ao Produtor Rural

Novo Código Florestal Orientações Gerais ao Produtor Rural Outubro 2012 Novo Código Florestal Orientações Gerais ao Produtor Rural Mediante a publicação da lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012; da lei nº 12.727, de 17 de outubro de 2012; e do Decreto nº 7.830,

Leia mais

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código?

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Dr. Sergius Gandolfi IV Simpósio sobre RAD - Ibt 16/11/2011-14h- Capital (SP) Biólogo, Laboratório de Ecologia

Leia mais

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas LEI Nº 13.550, DE 02 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

CAPÍTULO 6 NOVO CÓDIGO FLORESTALBRASILEIRO (LEI 12.651/2012)

CAPÍTULO 6 NOVO CÓDIGO FLORESTALBRASILEIRO (LEI 12.651/2012) MANUAL DE DIREITO AMBIENTAL ROMEU THOMÉ ATUALIZAÇÃO DA 2ª PARA A 3ª EDIÇÃO CAPÍTULO 6 NOVO CÓDIGO BRASILEIRO (LEI 12.651/2012) NA PÁGINA 304: Onde se lê: Já em 25 de maio de 2012, e após intensos debates

Leia mais

Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP. marciosuganuma@gmail.com

Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP. marciosuganuma@gmail.com Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP marciosuganuma@gmail.com Área de preservação permanente (artigos 2 o e 3 o ) Reserva Legal (artigos 16 e 44) Área de preservação permanente

Leia mais

Prazos estabelecidos pelo Novo Código Florestal. Prazos para o Poder Público

Prazos estabelecidos pelo Novo Código Florestal. Prazos para o Poder Público Prazos estabelecidos pelo Novo Código Florestal Prazos para o Poder Público Artigo Obrigação Prazo 11, 5º 13, 2º 29 47 59 59, 1º 78-A 82 Conclusão do Zoneamento Ecológico- Econômico da Zona Costeira ZEEZOC

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012 Altera a Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, para dispor sobre as Áreas de Preservação Permanentes em áreas urbanas. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Leia mais

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços A APP era computada a partir das margens de rio ou cursos d água, pelo nível mais alto do período de cheia. Várzeas eram consideradas parte dos rios ou cursos d água, porque são inundadas durante o período

Leia mais

ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE EM ÁREAS URBANAS

ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE EM ÁREAS URBANAS ESTUDO ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE EM ÁREAS URBANAS Roseli Senna Ganem Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional

Leia mais

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado de São Paulo Artigo 1º

Leia mais

A N E X O LEGISLAÇÃO AMBIENTAL

A N E X O LEGISLAÇÃO AMBIENTAL A N E X O V LEGISLAÇÃO AMBIENTAL ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL REFERENTE AO MANEJO FLORESTAL 1. DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA A legislação ambiental traduz um sistema de princípios e normas jurídicas

Leia mais

Código Florestal: APP e RL

Código Florestal: APP e RL Código Florestal: APP e RL Decreto Federal 23793/34: Institui o Código Florestal Brasileiro (Getúlio Vargas) Art. 1º As florestas existentes no territorio nacional, consideradas em conjuncto, constituem

Leia mais

DISPOSIÇÕES PERMANENTES

DISPOSIÇÕES PERMANENTES Revista RG Móvel - Edição 31 DISPOSIÇÕES PERMANENTES CADASTRO AMBIENTAL RURAL (CAR): O novo Código Florestal determina a criação do CAR (Cadastro Ambiental Rural) e torna obrigatório o registro para todos

Leia mais

Curso: Legislação Ambiental Aplicado a Implantação de Parques Eólicos

Curso: Legislação Ambiental Aplicado a Implantação de Parques Eólicos Curso: Legislação Ambiental Aplicado a Implantação de Parques Eólicos Exercício Capítulo 5 Aluno: Vinicius Nóbrega De acordo com a imagem dos aerogeradores em ambiente litorâneo e o exemplo de um mapa

Leia mais

O PL DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL FEDERAL: Gustavo Trindade Brasília, 15 de agosto de 2011

O PL DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL FEDERAL: Gustavo Trindade Brasília, 15 de agosto de 2011 O PL DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL FEDERAL: Gustavo Trindade Brasília, 15 de agosto de 2011 BREVE HISTÓRICO DA LEGISLAÇÃO FLORESTAL 1934 CÓDIGO FLORESTAL - DECRETO Nº 23.793, DE 23 DE JANEIRO DE 1934 Classificou

Leia mais

18º Encontro Nacional da ANAMMA

18º Encontro Nacional da ANAMMA 18º Encontro Nacional da ANAMMA Os efeitos do PL de parcelamento do solo no meio ambiente e a gestão de APPs urbanas Cynthia Cardoso Goiânia, agosto/2008 Planejamento? Na perspectiva de planejamento qual

Leia mais

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12 CÓDIGO FLORESTAL COMO SE REGULARIZAR O QUE É CÓDIGO FLORESTAL? O Código é uma lei que estabelece limites e obrigações no uso da propriedade,, que deve respeitar a vegetação existente na terra, considerada

Leia mais

I - Comparação entre o Código Florestal atual e o Substitutivo ao PL 1876/99 e apensados, de Relatoria do Deputado Aldo Rebelo.

I - Comparação entre o Código Florestal atual e o Substitutivo ao PL 1876/99 e apensados, de Relatoria do Deputado Aldo Rebelo. 1 I - Comparação entre o Código Florestal atual e o Substitutivo ao PL 1876/99 e apensados, de Relatoria do Deputado Aldo Rebelo. O substitutivo de relatoria do Deputado Aldo Rebelo, aprovado pela Comissão

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO Enio Resende de Souza Eng. Agr. M.Sc. Manejo Ambiental / Coordenador Técnico / Meio Ambiente Gestão do Produto

Leia mais

Novo Código Florestal Lei 12.651/12. Rodrigo Justus de Brito Advogado e Engº Agroº Especialista em Legislação Ambiental

Novo Código Florestal Lei 12.651/12. Rodrigo Justus de Brito Advogado e Engº Agroº Especialista em Legislação Ambiental Novo Código Florestal Lei 12.651/12 Rodrigo Justus de Brito Advogado e Engº Agroº Especialista em Legislação Ambiental Fevereiro - 2013 ROTEIRO 1. HISTORICO DO CODIGO FLORESTAL a. EVOLUCAO DOS CONCEITOS

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL E CADASTRO AMBIENTAL RURAL

NOVO CÓDIGO FLORESTAL E CADASTRO AMBIENTAL RURAL NOVO CÓDIGO FLORESTAL E CADASTRO AMBIENTAL RURAL Eduardo de Mércio Figueira Condorelli desenvolvimentosustentavel@farsul.org.br Ibirubá (RS), 08 de maio de 2014 O TAMANHO DA AGROPECUÁRIA NACIONAL Área

Leia mais

Mais informações e a lista completa de signatários estão disponíveis no site da iniciativa, em www.dialogoflorestal.org.br.

Mais informações e a lista completa de signatários estão disponíveis no site da iniciativa, em www.dialogoflorestal.org.br. APRESENTAÇÃO Este documento apresenta em detalhes as propostas consolidadas pelo Diálogo Florestal como contribuição ao debate sobre a revisão do Código Florestal Brasileiro, em curso no Congresso Nacional.

Leia mais

Breve Histórico das Leis Ambientais Aplicadas à Propriedade Rural

Breve Histórico das Leis Ambientais Aplicadas à Propriedade Rural Breve Histórico das Leis Ambientais Aplicadas à Propriedade Rural Código florestal 1934 Código das águas Novo Código florestal 1965 Política Nacional de Meio Ambiente 1981 Mudança na mata ciliar 1986/9

Leia mais

Prof. Pedro Brancalion

Prof. Pedro Brancalion Prof. Pedro Brancalion Decreto Federal 23793/34: Institui o Código Florestal Brasileiro (Getúlio Vargas) Art. 1º As florestas existentes no territorio nacional, consideradas em conjuncto, constituem

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 303, DE 20 DE MARÇO DE 2002. (D.O.U. de 13/05/02) Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente.

RESOLUÇÃO Nº 303, DE 20 DE MARÇO DE 2002. (D.O.U. de 13/05/02) Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente. RESOLUÇÃO Nº 303, DE 20 DE MARÇO DE 2002 (D.O.U. de 13/05/02) Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA Nº 369, DE 28 DE MARÇO DE 2006

RESOLUÇÃO CONAMA Nº 369, DE 28 DE MARÇO DE 2006 RESOLUÇÃO CONAMA Nº 369, DE 28 DE MARÇO DE 2006 Dispõe sobre os casos excepcionais, de utilidade pública, interesse social ou baixo impacto ambiental, que possibilitam a intervenção ou supressão de vegetação

Leia mais

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Ricardo D. Gomes da Costa 1 Marcelo Araujo 2 A rápida destruição de ambientes naturais, juntamente com a redução

Leia mais

RESOLUÇÃO N 369, DE 28 DE MARÇO DE 2006

RESOLUÇÃO N 369, DE 28 DE MARÇO DE 2006 RESOLUÇÃO N 369, DE 28 DE MARÇO DE 2006 Dispõe sobre os casos excepcionais, de utilidade pública, interesse social ou baixo impacto ambiental, que possibilitam a intervenção ou supressão de vegetação em

Leia mais

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural 8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura Adequação Legal da Propriedade Rural Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes jctmende@esalq.usp.br Departamento de Ciências Florestais Estação Experimental

Leia mais

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura Planejamento da Propriedade Agrícola (APP e RL) Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes Dept o. Ciências Florestais ESALQ/USP Estação Experimental

Leia mais

SUMÁRIO LEI N.º 12.651, DE 25 DE MAIO DE 2012 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

SUMÁRIO LEI N.º 12.651, DE 25 DE MAIO DE 2012 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SUMÁRIO COMO ENTENDER O CÓDIGO Art. 1.º (VETADO) LEI N.º 12.651, DE 25 DE MAIO DE 2012 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1.º-A 1-A.1 Do Estado socioambiental de Direito e o princípio do desenvolvimento

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Código florestal

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Código florestal Código florestal Art. 1º - As florestas existentes no território nacional e as demais formas de vegetação, reconhecidas de utilidade às s terras que revestem, são bens de interesse comum a todos os habitantes

Leia mais

DICA 4.3 Programa CAR Módulo de Cadastro ETAPA GEO. Brasil Abril de 2015 Realização

DICA 4.3 Programa CAR Módulo de Cadastro ETAPA GEO. Brasil Abril de 2015 Realização DICA 4.3 Programa CAR Módulo de Cadastro ETAPA GEO Este material de apoio ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) faz parte das ações de difusão de boas práticas agrícolas do Programa Agricultura Consciente

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Decreto nº 53.939, de 6 de janeiro de 2009 Dispõe sobre a manutenção, recomposição, condução da regeneração natural, compensação e composição da área de Reserva Legal de

Leia mais

APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba

APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba FRENTE MOBILIZA CURITIBA 1ª Oficina Meio Ambiente e Plano Diretor APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba Incidência e Regularização Fundiária de APP s Urbanas na Lei 12.651/12 Prof. Dr. José Gustavo

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: ASPECTOS LEGAIS AMBIENTAIS RELEVANTES

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: ASPECTOS LEGAIS AMBIENTAIS RELEVANTES NOVO CÓDIGO FLORESTAL: ASPECTOS LEGAIS AMBIENTAIS RELEVANTES 25 de Setembro de 2012 ESPAÇOS TERRITORIAIS ESPECIALMENTE PROTEGIDOS Cabe ao Poder Público definir, em todas as unidades da Federação, espaços

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural - CAR. Objetivos. Dúvidas mais frequentes. Áreas de Preservação Permanente - APP

Cadastro Ambiental Rural - CAR. Objetivos. Dúvidas mais frequentes. Áreas de Preservação Permanente - APP Orientações básicas Cadastro Ambiental Rural - CAR O CAR é o registro público eletrônico das informações ambientais dos imóveis rurais. Objetivos Promover a identificação e integração das informações

Leia mais

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade.

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade. São as áreas protegidas da propriedade. Elas não podem ser desmatadas e por isso são consideradas Áreas de Preservação Permanente (APPs). São as faixas nas margens de rios, lagoas, nascentes, encostas

Leia mais

2) Exclusão de ambientes atualmente caracterizados como área de preservação permanente

2) Exclusão de ambientes atualmente caracterizados como área de preservação permanente ANÁLISE DAS PRINCIPAIS MUDANÇAS QUE A LEI FEDERAL Nº 12.651/12 (NOVO CÓDIGO FLORESTAL FEDERAL), DE 25 DE MAIO (COM AS INSERÇÕES ADVINDAS PELA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 571/12, DE 25 DE MAIO, E PELA LEI FEDERAL

Leia mais

Grupo de Trabalho Interinstitucional Preservação e Restauração de APP - GTI APP -

Grupo de Trabalho Interinstitucional Preservação e Restauração de APP - GTI APP - Grupo de Trabalho Interinstitucional Preservação e Restauração de APP - GTI APP - Portaria MMA 354/06 APP: Conceito e Legislação GTI APP: Composição e Escopo Proposta de plano de trabalho APP Conceito

Leia mais

b) cinqüenta hectares, se localizada no polígono das secas ou a leste do Meridiano de 44º W, do Estado do Maranhão; e

b) cinqüenta hectares, se localizada no polígono das secas ou a leste do Meridiano de 44º W, do Estado do Maranhão; e MEDIDA PROVISÓRIA N o 2.166-67, DE 24 DE AGOSTO DE 2001. Altera os arts. 1 o, 4 o, 14, 16 e 44, e acresce dispositivos à Lei n o 4.771, de 15 de setembro de 1965, que institui o Código Florestal, bem como

Leia mais

Posicionamento sobre proposta de novo Código Florestal

Posicionamento sobre proposta de novo Código Florestal Posicionamento sobre proposta de novo Código Florestal A Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental, Seção São Paulo, entidade sem fins lucrativos de âmbito nacional que preconiza a defesa

Leia mais

PODER LEGISLATIVO CÂMARA MUNICIPAL DE FORMOSA

PODER LEGISLATIVO CÂMARA MUNICIPAL DE FORMOSA 1 Altera e atualiza o disposto nos Parágrafos 1º e 2º do Art. 5º e Parágrafo Único do Art. 9º da Lei Municipal nº. 251/04, de 20/12/2004 que instituiu o Plano Diretor do Município de Formosa-GO e dá outras

Leia mais

LEI Nº 4.771, DE 15 de setembro de 1965, com as alterações posteriores (arts. 2 o. e 3 o.)

LEI Nº 4.771, DE 15 de setembro de 1965, com as alterações posteriores (arts. 2 o. e 3 o.) LEI Nº 4.771, DE 15 de setembro de 1965, com as alterações posteriores (arts. 2 o. e 3 o.) Art. 2 Consideram-se de preservação permanente, pelo só efeito desta Lei, as florestas e demais formas de vegetação

Leia mais

LEI Nº 4.771, DE 15 DE SETEMBRO DE 1965

LEI Nº 4.771, DE 15 DE SETEMBRO DE 1965 LEI Nº 4.771, DE 15 DE SETEMBRO DE 1965 Institui o Novo Código Florestal.... Art. 3º Consideram-se, ainda, de preservação permanentes, quando assim declaradas por ato do Poder Público, as florestas e demais

Leia mais

Novo Código Florestal, Adequação Ambiental e CAR

Novo Código Florestal, Adequação Ambiental e CAR Considerações Novo Código Florestal, Adequação Ambiental e CAR Prof. Rafaelo Balbinot Curso de Engenharia Florestal UFSM-Campus de Frederico Westphalen Padrão Legal X Padrão de Qualidade Capacitação para

Leia mais

QUESTÕES-CHAVE DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL

QUESTÕES-CHAVE DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL RESUMO PARA POLÍTICA PÚBLICA NOVO CÓDIGO FLORESTAL PARTE I: DECIFRANDO O NOVO CÓDIGO FLORESTAL QUESTÕES-CHAVE DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL O novo Código Florestal dispõe sobre o uso e a proteção da vegetação

Leia mais

Conhecendo as Leis. Sistema Jurídico Ambiental 1988 - O novo código florestal passa por 82 modificações sendo 67 por MP(1996-2001)

Conhecendo as Leis. Sistema Jurídico Ambiental 1988 - O novo código florestal passa por 82 modificações sendo 67 por MP(1996-2001) Conhecendo as Leis 1972 1988 1992 193-- 1965 1981 1986 1989 1996 1997 1998 2000/1 1964 1991 2005 O novo código florestal passa por 82 modificações sendo 67 por MP(1996-2001) Sistema Jurídico Ambiental

Leia mais

CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Esta Lei estabelece normas gerais sobre a proteção da vegetação, dispõe sobre as Áreas de Preservação Permanente e as áreas de Reserva Legal, define regras gerais

Leia mais

A AGRICULTURA EM MACHADINHO D OESTE & O CÓDIGO FLORESTAL EVARISTO DE MIRANDA

A AGRICULTURA EM MACHADINHO D OESTE & O CÓDIGO FLORESTAL EVARISTO DE MIRANDA A AGRICULTURA EM MACHADINHO D OESTE & O CÓDIGO FLORESTAL EVARISTO DE MIRANDA Coordenador do Grupo de Inteligência Territorial Estratégica GITE da Embrapa TULIO BARBOSA Mineiro de Guidoval TULIO BARBOSA

Leia mais

Quadro de mudanças na Lei 12.727/12 (Código Florestal)

Quadro de mudanças na Lei 12.727/12 (Código Florestal) Quadro de mudanças na Lei 12.727/12 (Código Florestal) Data: 18/10/12 Número: B00718052012 DISPOSITIVOS ALTERADOS Artigo Medida Provisória 571/12 (original) LEI 12.727/12 Veto? E agora? Art. 1º Art. 1º-A.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, de 08 de setembro de 2009.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, de 08 de setembro de 2009. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, de 08 de setembro de 2009. Dispõe sobre procedimentos técnicos para a utilização da vegetação da Reserva Legal sob regime de manejo florestal sustentável, e dá outras providências.

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA 369/06

RESOLUÇÃO CONAMA 369/06 RESOLUÇÃO CONAMA 369/06 Dispõe de casos excepcionais no casos de utilidade pública, interesse social e de baixo impacto ambiental, que possibilitam a intervenção ou supressão de vegetação em áreas de preservação

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO Enio Resende de Souza EMATER - MG INTRODUÇÃO Os ecossistemas naturais e os agrossistemas existentes nas propriedades

Leia mais

O NOVO CÓDIGO FLORESTAL Lei 12.651, de 25 de maio de 2012 - com as modificações da Medida Provisória 517, de mesma data

O NOVO CÓDIGO FLORESTAL Lei 12.651, de 25 de maio de 2012 - com as modificações da Medida Provisória 517, de mesma data O NOVO CÓDIGO FLORESTAL Lei 12.651, de 25 de maio de 2012 - com as modificações da Medida Provisória 517, de mesma data 1 Índice I. Conceitos... 4 II. Área de Preservação Permanente... 5 III. Áreas consolidadas

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

Treinamento no Sistema de Cadastro Ambiental Rural

Treinamento no Sistema de Cadastro Ambiental Rural Treinamento no Sistema de Cadastro Ambiental Rural Programação Manhã: teórica Conceitos da legislação ambiental Conceitos específicos do CAR e do PRA Tarde: prática Considerações sobre o sistema Apresentação

Leia mais

MMA/Agricultura Familiar (CONTAG, FETRAF-CUT, MPA): Bases socioambientais para o desenvolvimento sustentável no campo

MMA/Agricultura Familiar (CONTAG, FETRAF-CUT, MPA): Bases socioambientais para o desenvolvimento sustentável no campo MMA/Agricultura Familiar (CONTAG, FETRAF-CUT, MPA): Bases socioambientais para o desenvolvimento sustentável no campo Art. Para os efeitos desta MP, a pequena propriedade rural ou posse rural familiar,

Leia mais

Obrigatoriedade da Recomposição Florestal em Áreas de Preservação Permanente e de Reserva Legal, à luz do Código Florestal

Obrigatoriedade da Recomposição Florestal em Áreas de Preservação Permanente e de Reserva Legal, à luz do Código Florestal 1. Introdução; 2. Fundamentos Jurídicos; 2.1. Definições legais; 2.2. Natureza Jurídica; 3. Obrigação legal de recomposição vegetal; 3.1. Exceções trazidas pela lei; 3.2. Métodos de recomposição; 4. Considerações

Leia mais

03 de Dezembro de 2015

03 de Dezembro de 2015 Página 1 de 9 Marco Legal pertinente à área florestal no Brasil (1965 ao presente) Data de publicação Ato ou Lei Função 1 1965 Código Florestal Brasileiro Define diretrizes gerais para o uso e conservação

Leia mais

ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE E RESERVA LEGAL: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE 1.876/1999 (NOVO CÓDIGO FLORESTAL) Gustavo Trindade.

ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE E RESERVA LEGAL: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE 1.876/1999 (NOVO CÓDIGO FLORESTAL) Gustavo Trindade. ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE E RESERVA LEGAL: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ATUAL CÓDIGO FLORESTAL FEDERAL (LEI Nº 4.771/65) E O SUBSTITUTIVO DO PL Nº 1.876/1999 (NOVO CÓDIGO FLORESTAL) Gustavo Trindade

Leia mais

DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE

DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2008: Regulamenta dispositivos da Lei no 11.428, de 22 de dezembro de 2006, que dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Mata Atlântica.

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO Lei 12.651/2012 (alterado pela Lei 12.727/2012) e Decreto Federal 7.830/2012 Exemplos de inclusões ou alterações conceituais na Lei 12.651/12: Conceito de Área de Preservação Permanente (art.3º, item II):

Leia mais

Código Florestal Goiano. O que mudou?

Código Florestal Goiano. O que mudou? Código Florestal Goiano O que mudou? Sumário Apresentação Mão que planta e preserva 03 O que mudou no novo Código Florestal do Estado de Goiás 04 Capítulo I - Lei nº 18.104 13 Capítulo II - das Áreas de

Leia mais

Prof. Charles Alessandro Mendes de Castro

Prof. Charles Alessandro Mendes de Castro ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE -NOVO CÓDIGO FLORESTAL MINEIRO LEI 20922/13 Prof. Charles Alessandro Mendes de Castro ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE(APPs) ART. 8º - São aquelas cobertas ou não por vegetação

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE AUDIÊNCIA PÚBLICA - ESTUDOS TÉCNICOS MACRODRENAGEM E APP S EM ÁREAS URBANA CONSOLIDADA PROPOSTA DE CONDICIONANTES E RESTRIÇÕES

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa, altera as Leis nºs 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; revoga as Leis nºs 4.771, de 15 de

Leia mais

Rodrigo Justus de Brito Advogado e Engº Agroº Especialista em Legislação Ambiental. Fevereiro - 2013

Rodrigo Justus de Brito Advogado e Engº Agroº Especialista em Legislação Ambiental. Fevereiro - 2013 Rodrigo Justus de Brito Advogado e Engº Agroº Especialista em Legislação Ambiental Fevereiro - 2013 ROTEIRO 1. HISTORICO DO CODIGO FLORESTAL a. EVOLUCAO DOS CONCEITOS DE APP e RESERVA LEGAL b. PROCESSO

Leia mais

PRINCIPAIS REGRAS SOBRE

PRINCIPAIS REGRAS SOBRE PRINCIPAIS REGRAS SOBRE ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE - APP ÁREA DE RESERVA LEGAL - RL CADASTRO AMBIENTAL RURAL - CAR PROGRAMA DE REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL - PRA Material desenvolvido e publicado em decorrência

Leia mais

Engenharia de Avaliações Aplicada às Áreas de Preservação Permanente (APP)

Engenharia de Avaliações Aplicada às Áreas de Preservação Permanente (APP) Engenharia de Avaliações Aplicada Às Áreas de Preservação Permanente (APP). Engenharia de Avaliações Aplicada às Áreas de Preservação Permanente (APP) 1. Fundamento Legal das APPs: Constituição Federal

Leia mais

Boletim CSMG. CSMG Advogados Associados 28/05/2012 Codigo Florestal

Boletim CSMG. CSMG Advogados Associados 28/05/2012 Codigo Florestal Boletim CSMG CSMG Advogados Associados 28/05/2012 Codigo Florestal Após anos de debate, indas e vindas e muita discussão política, foi publicada no Diário Oficial da União de 25 de Maio de 2012 a Lei nº

Leia mais

O novo Código Florestal: Lei n. 12.651, de 25 de maio de 2012 e Medida Provisória n. 571, de 25 de maio de 2012. Veta (tudo) Dilma versus Aprova Dilma

O novo Código Florestal: Lei n. 12.651, de 25 de maio de 2012 e Medida Provisória n. 571, de 25 de maio de 2012. Veta (tudo) Dilma versus Aprova Dilma Departamento de Gestão e Tecnologia Agroindustrial - DGTA Faculdade de Ciências Agronômicas FCA Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP O novo Código Florestal: Lei n. 12.651, de 25

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Sarney Filho) Dispõe sobre a conservação e a utilização sustentável da vegetação nativa do Bioma Cerrado. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei dispõe sobre

Leia mais

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Índice O que o agricultor brasileiro deve saber sobre o Novo Código Florestal?...1 Começando a regularizar o imóvel rural...2

Leia mais