Análises parciais VIGITEL 2013

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análises parciais VIGITEL 2013"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA DE DOENÇAS E AGRAVOS NÃO TRANSMISSÍVEIS E PROMOÇÃO DA SAÚDE Análises parciais VIGITEL 2013 Betine Pinto Moehlecke Iser Oficina de Planejamento Vigitel 2014 Brasília, 21 de novembro 2013

2 MORBIDADE REFERIDA

3 HIPERTENSÃO: Prevalência baseada na questão padrão: Q75. ALGUM MÉDICO JÁ LHE DISSE QUE O(A) SR(A) TEM PRESSAO ALTA? 1 sim 2 não 777 não lembra Em 2013 R129. Atualmente, o(a) Sr(a) está tomando algum medicamento para controlar a pressão alta? 1 sim 2 não (pule para q76a) 777 não sabe (pule para q76a) 888 não quis responder (pule para q76a) R130a. Como o(a) Sr(a) consegue a medicação para controlar a pressão alta? 1( ) unidade de saúde do SUS 2( ) farmácia popular do governo federal 3( ) outro lugar (farmácia privada/particular, drogaria) 777 não sabe 888 não quis responder

4 Tem hipertensão N = n % Sim Não Não lembra Utiliza medicamento (n = 13953) n % Sim Não Não lembra Não quis responder 6.0 Onde consegue medicação (n=11950) Unidade de saúde do SUS Farmácia Popular do governo federal Outro lugar Não sabe Não quis responder 3 0

5 Indicadores propostos Percentual de adultos que utilizam medicamento para controle da hipertensão arterial: número de adultos que referem estar utilizando medicamento para controlar a pressão alta/número de entrevistados que referem pressão alta, a partir da resposta positiva às questões: Atualmente, o(a) Sr(a) está tomando algum medicamento para controlar a pressão alta? e Algum MÉDICO já lhe disse que o(a) sr(a) tem pressão alta? Sintaxe: gen medhas1= 1 if (q75==1) & (r129==1) replace medhas1 = 0 if (q75==1) &(r129!=1) Resultado: n=13953: 85.6% (85,1 86,2)

6 Indicadores propostos Percentual de adultos que conseguem o medicamento para controle da hipertensão arterial pela Farmácia Popular: número de adultos que referem conseguir o medicamento para controlar a pressão alta pela Farmácia Popular do governo federal/número de entrevistados que utilizam medicamento para pressão alta, a partir da resposta positiva à questão: Atualmente, o(a) Sr(a) está tomando algum medicamento para controlar a pressão alta? e pela opção Farmácia Popular do governo federal na questão: Onde o(a) Sr(a) consegue a medicação para controlar a pressão alta? Sintaxe: gen HASPop =. replace HASPop = 1 if (r129==1) & (r130==2) replace HASPop = 0 if (r129 ==1) & (r130!=2) Resultado: n=11.950: 23,7% (22,9 24,4)

7 DIABETES - Prevalência baseada na questão padrão: Q76. ALGUM MÉDICO JÁ LHE DISSE QUE O(A) SR(A0 TEM DIABETES? 1 sim 2 não 777 não lembra Em 2013 Apenas pré-diabetes (marcar apenas se o entrevistado referir espontaneamente) R138. (Se mulher), O diabetes foi apenas quando estava grávida? (apenas para Q7=2) R133a. Atualmente, o(a) Sr(a) está tomando algum comprimido para controlar o diabetes? R133b. Atualmente, o(a) Sr(a) está usando insulina para controlar o diabetes? R134a. Como o(a) Sr(a) consegue a medicação para diabetes?(aplicar ser133a = 1 ou R133b = 1) 1( ) unidade de saúde do SUS 2( ) farmácia popular do governo federal 3( ) outro lugar (farmácia privada/particular, drogaria) 777 não sabe 888 não quis responder

8 Tem diabetes N = n % Sim homens mulheres Não Não lembra Apenas na gravidez (n=2600) Não aparecem respostas para pré-diabetes

9 Utiliza medicamento oral (n = 4015) n % Sim Não Não sabe/ Não quis responder Utiliza insulina (n = 4015) n % Sim Não Não sabe/ Não quis responder Medicamento oral + insulina Onde consegue medicação (n=3479*) n % Unidade de saúde do SUS Farmácia Popular do governo federal Outro lugar Não sabe Não quis responder 2 0.1

10 Indicadores propostos Percentual de mulheres que receberam diagnóstico de diabetes na gravidez: número de mulheres que referem ter recebido diagnóstico médico de diabetes, mas apenas na gravidez/número de mulheres entrevistadas que referiram diagnóstico de diabetes, a partir da resposta positiva à questão: O diabetes foi apenas quando estava grávida?, considerando apenas mulheres que responderam positivamente à questão Algum MEDICO já lhe disse que o(a) sr(a) tem diabetes? Sintaxe: gen DMgest = 1 if (q7==2) & (q76==1) & (r138==1) replace DMgest = 0 if (q7==2) & (q76==1) & (r138!=1) Resultado: n=2600: 5,5% (4,7 6,4)

11 Indicadores propostos Percentual de adultos que referem estar tomando algum comprimido para controlar o diabetes: número de adultos que referem estar tomando comprimido para controlar o diabetes/ número de entrevistados que referem diagnóstico médico de diabetes, a partir da resposta positiva às questões: Atualmente, o(a) Sr(a) está tomando algum comprimido para controlar o diabetes?, considerando aqueles que responderam positivamente à questão Algum MEDICO já lhe disse que o(a) sr(a) tem diabetes? Sintaxe: gen comprimido = 1 if (q76==1) & (r133a==1) replace comprimido = 0 if (q76==1) & (r133a!=1) Resultado: n: ,7% (IC 95% 81,5 83,8)

12 Indicadores propostos Percentual de adultos que referem estar usando insulina para controlar o diabetes: número de adultos que referem estar usando insulina para controlar o diabetes/ número de entrevistados que referem diagnóstico médico de diabetes, a partir da resposta positiva às questões: Atualmente, o(a) Sr(a) está usando insulina para controlar o diabetes?, considerando aqueles que responderam positivamente à questão Algum MEDICO já lhe disse que o(a) sr(a) tem diabetes? Sintaxe: gen insulina = 1 if (q76==1) & (r133b==1) replace insulina = 0 if (q76==1) & (r133b!=1) Resultado: n= ,1% (IC 95% 18,9 21,4)

13 Indicadores propostos Percentual de adultos que conseguem o medicamento para diabetes pela Farmácia Popular: número de adultos que referem conseguir o medicamento oral ou insulina para diabetes pela Farmácia Popular /número de entrevistados que utilizam medicamento oral ou insulina para diabetes, a partir da resposta positiva às questões: Atualmente, o(a) Sr(a) está tomando algum comprimido para controlar o diabetes? ; Atualmente, o(a) Sr(a) está usando insulina para controlar a diabetes? e pela opção Farmácia Popular na questão: Como o(a) Sr(a) consegue a medicação para diabetes? Sintaxe: gen DMPop = 1 if medicamentodm==1 & (r134a==2) replace DMPop = 0 if medicamentodm==1 & (r134a!=2) Resultado: n=3479: 27,0% (25,5 28,5)

14 Em 2013 DISLIPIDEMIA - Prevalência baseada na questão padrão: Q78. Algum médico já lhe disse que o Sr(a) tem colesterol ou triglicérides elevado? 1 sim 2 não 777 não sabe/ não lembra R151. O Sr(a) já fez algum exame de sangue para medir colesterol ou triglicérides elevado? R152. Quando foi a última fez que o(a) Sr(a) fez o exame? 1 há menos de 1 ano 2 de 1 até 2 anos (inclui o 2) 3 de 2 até 5 anos (inclui o 5) 4 há mais de 5 anos 777 Não sabe/ não lembra

15 Tem colesterol/triglicérides elevado N = n % Sim Não Não lembra Já fez algum exame para medir n % Sim Não Não sabe Ultima vez que fez o exame (n=41105) há menos de 1 ano de 1 até 2 anos (inclui o 2) de 2 até 5 anos (inclui o 5) há mais de 5 anos Não sabe/ não lembra

16 Indicadores propostos Percentual de adultos que referem diagnóstico médico de dislipidemia: número de indivíduos que referem diagnóstico médico de dislipidemia/número de indivíduos entrevistados, referente à resposta positiva à questão: Algum médico já lhe disse que o(a) senhor(a) tem colesterol ou triglicérides elevado?. Sintaxe: gen dislipi = 1 if (q78 == 1) replace dislipi = 0 if dislipi!= 1 Resultado: n= ,0% (IC 95% 25,6 26,4)

17 Indicadores propostos Percentual de adultos que referem já ter realizado exame para medir colesterol ou triglicérides elevado: número de adultos que referem já ter realizado exame para medir colesterol ou triglicérides elevado, independente do diagnóstico, a partir da resposta positiva à questão: O(a) sr(a) já fez algum exame para medir colesterol ou triglicérides elevado? Sintaxe: gen examecol= 1 if (r151==1) replace examecol = 0 if examecol!= 1 Resultado: 89,5% (IC 95% 89,2 89,8) refere dislipidemia sim não fez exame % (IC95%) % (IC95%) sim 98.3 ( ) 86.3 ( ) não 1.7 ( ) 13.6 ( )

18 TRANSITO

19 TRÂNSITO Álcool e direção R128. O(A) Sr(a) dirige? 1 sim 2 não (não perguntar a q40, q40b, R135) 888 não quis informar Q40b. Independente da quantidade, o(a) sr(a) costuma dirigir depois de consumir bebida alcoólica? 1 ( ) sempre 2( ) algumas vezes 3( ) quase nunca 4( ) nunca 888 não quis informar

20 TRÂNSITO Variável n % Dirige N=45935 sim não não quis informar Consome bebida alcoolica sim não Dirige e consome bebida alcoolica Dirigiu após beber, independente da quantidade (n=9825) sempre algumas vezes quase nunca nunca não Banco quis até informar 4/11 = entrevistas. Sem uso de ponderação

21 *Apenas para quem dirige (R128=1) Situações de trânsito/fiscalização R135. Nos últimos doze meses o sr.(a) foi multado(a) por dirigir com excesso de velocidade na via*? 1( ) Sim 2( ) Não 777 Não lembra 888 Não quis responder R136. Qual o local que o(a) Sr(a) foi multado? 1 ( ) Dentro da cidade (via urbana) 2 ( ) Rodovia 3 ( )Ambos 777 Não lembra 888 Não quis informar R 137. Nos últimos doze meses o sr.(a) foi parado em alguma blitz de transito na sua cidade, seja como motorista ou passageiro? 1( ) Sim 2( ) Não 777 Não lembra 888 Não quis responder

22 *Apenas para quem dirige (R128=1) Situações de trânsito/fiscalização Foi multado por excesso de velocidade (n=22471)* sim não não lembra não quis responder Local da multa (n=1597) dentro da cidade rodovia ambos não lembra não quis informar Foi parado em blitz (n=20019) sim não não lembra não quis responder

23 Indicadores propostos Percentual de adultos que dirigem e foram multados por excesso de velocidade: número de adultos que referiram ter sido multados, nos ultimos dozes meses, por excesso de velocidade na via /número de entrevistados que dirigem, a partir da resposta positiva à questão: Nos últimos doze meses o sr.(a) foi multado(a) por dirigir com excesso de velocidade na via?, considerando apenas aqueles que responderam positivamente à questão R128. O(a) sr(a) dirige? Sintaxe: gen multa_dir = 1 if (r135 ==1) recode multa_dir.=0 if (r128==1) Resultado: n= ,1% (IC 95% 6,8 7,4) homens: 9,2% (IC 95% 8,7 9,7) mulheres: 4,5% (IC 95% 4,1 4,9)

24 Multas entre quem dirige nas capitais do Brasil

25 Indicadores propostos Percentual de adultos que foram parados em uma blitz de trânsito na cidade, seja como motorista ou passageiro: número de adultos que referiram ter sido parados em alguma blitz na cidade, nos ultimos dozes meses/número de entrevistados, a partir da resposta positiva à questão: Nos últimos doze meses o sr.(a) foi parado em alguma blitz de transito na sua cidade, seja como motorista ou passageiro? Sintaxe: gen blitz = 1 if (r137==1) replace blitz = 0 if (r137!=1) Resultado: 16,3% (IC 95% 16,0 16,7) homens: 26,3% (IC 95% 25,6 26,9) mulheres: 10,3% (IC 95% 9,9 10,6)

26 Realização de blitz nas capitais do Brasil

27 ALIMENTAÇÃO

28 ALIMENTAÇÃO R143. Em quantos dias da semana o sr(a) costuma comer alimentos doces, tais como: sorvetes, chocolates, bolos, biscoitos ou doces? ( ) 1 a 2 dias por semana ( ) 3 a 4 dias por semana ( ) 5 a 6 dias por semana ( ) todos os dias (inclusive sábado e domingo) ( ) quase nunca (pule para R144a) ( ) nunca (pule para R144a) R146. Num DIA comum, quantas vezes o(a) sr(a) come doces? 1( ) 1 vez no dia 2( ) 2 vezes no dia 3( ) 3 ou mais vezes no dia

29 ALIMENTAÇÃO Come doce N = n % 1 a 2 dias por semana a 4 dias por semana a 6 dias por semana todos os dias (inclusive sábado e domingo) quase nunca nunca Frequencia/dia (n=29905) 1 vez no dia vezes no dia ou mais vezes no dia

30 ALIMENTAÇÃO R144a. Em quantos dias da semana o(a) Sr(a) costuma trocar a comida do almoço por sanduíches, salgados, pizza ou outros lanches? R144b. Em quantos dias da semana o(a) Sr(a) costuma trocar a comida do jantar por sanduíches, salgados, pizza ou outros lanches? R145. Somando a comida preparada na hora e os alimentos industrializados o Sr. (a) acha que o seu consumo de sal é: 1( ) Muito alto 2( ) Alto 3( ) Adequado 4( ) Baixo 5( ) Muito baixo 777 não sabe

31 ALIMENTAÇÃO Troca almoço por lanches 1 a 2 dias por semana a 4 dias por semana a 6 dias por semana todos os dias (inclusive sábado e domingo) quase nunca nunca Troca jantar por lanches 1 a 2 dias por semana a 4 dias por semana a 6 dias por semana todos os dias (inclusive sábado e domingo) quase nunca nunca Consumo de sal Muito alto Alto Adequado Baixo Banco Muito até baixo 4/11 = entrevistas. Sem uso de ponderação

32 ALIMENTAÇÃO Indicadores propostos Percentual de adultos que costumam comer alimentos doces: número de indivíduos que costumam consumir alimentos doces /número de indivíduos entrevistados. Foi considerado como hábito de comer alimentos doces, o relato de comer esse tipo de alimento em cinco ou mais dias da semana, conforme resposta à questão: Em quantos dias da semana o sr(a) costuma comer alimentos doces, tais como: sorvetes, chocolates, bolos, biscoitos ou doces? Sintaxe: gen doces5 = 1 if (r143 == 3 r143 == 4) replace doces5 = 0 if doces5 ==. Resultado: 17,1% (IC 95% 16,7 17,4)

33 ALIMENTAÇÃO Indicadores propostos Percentual de adultos que referem trocar a comida do almoço por sanduíches, salgados e/ou pizza pelo menos uma vez na semana: número de indivíduos que costumam trocar a comida do almoço por sanduíches, salgados e/ou pizza pelo menos uma vez na semana/número de indivíduos entrevistados. Foi considerado a troca da comida do almoço por sanduíches por salgados em pelo menos uma vez na semana a ocorrência em 1 a 5 dias na semana, conforme resposta à questão: Em quantos dias da semana, você costuma trocar a comida do almoço por sanduíches, salgados e/ou pizza? Sintaxe: gen almoco = 1 if (r144a <5) replace almoco = 0 if (r144a== 5 r144a==6) Resultado: 18,1% (IC 95% 17,7 18,4)

34 ALIMENTAÇÃO Indicadores propostos Percentual de adultos que referem trocar a comida do jantar por sanduíches, salgados e/ou pizza pelo menos uma vez na semana: número de indivíduos que costumam trocar a comida do jantar por sanduíches, salgados e/ou pizza pelo menos uma vez na semana/número de indivíduos entrevistados. Foi considerado a troca da comida do almoço por sanduíches por salgados em pelo menos uma vez na semana a ocorrência em 1 a 5 dias na semana, conforme resposta à questão: Em quantos dias da semana, você costuma trocar a comida do almoço por sanduíches, salgados e/ou pizza? Sintaxe: gen jantar = 1 if (r144b <5) replace jantar = 0 if (r144b== 5 r144b==6) Resultado: 56,1% (IC 95% 55,7 56,6)

35 ALIMENTAÇÃO Indicadores propostos Percentual de adultos que consideram seu consumo de sal adequado: número de indivíduos que consideram seu consumo de sal adequado, somando a comida preparada na hora e os alimentos industrializados /número de indivíduos entrevistados. Foi considerado consumo adequado de sal a resposta individual, conforme resposta à questão: Somando a comida preparada na hora e os alimentos industrializados o Sr. (a) acha que o seu consumo de sal é...? Sintaxe: gen saladequado =. replace saladequado= 1 if (r145 == 3 ) replace saladequado = 0 if (r145!=3) Resultado: 46,1% (IC 95% 46,6 47,5)

36 ALIMENTAÇÃO Indicadores propostos Percentual de adultos que consideram seu consumo de sal alto: número de indivíduos que consideram seu consumo de sal alto, somando a comida preparada na hora e os alimentos industrializados /número de indivíduos entrevistados. Foi considerado consumo alto as respostas alto ou muito alto à questão: Somando a comida preparada na hora e os alimentos industrializados o Sr. (a) acha que o seu consumo de sal é...? Sintaxe gen sal_alto =. replace sal_alto= 1 if (r145 == 1 r145==2 ) replace sal_alto = 0 if (r145=3 r145==4 r145==5) Resultado: 13,8% (IC 95% 13,5 14,1)

37 Obrigada

VIGITEL 2014 Periodicidade Parceria: População monitorada 40.853 entrevistas

VIGITEL 2014 Periodicidade Parceria: População monitorada 40.853 entrevistas Ministério da Saúde Abril de 2014 VIGITEL 2014 Medir a prevalência de fatores de risco e proteção para doenças não transmissíveis na população brasileira Subsidiar ações de promoção da saúde e prevenção

Leia mais

PESQUISA DE ORÇAMENTO FAMILIAR - POF. Prof. Dra. Aline Mota de Barros Marcellini

PESQUISA DE ORÇAMENTO FAMILIAR - POF. Prof. Dra. Aline Mota de Barros Marcellini PESQUISA DE ORÇAMENTO FAMILIAR - POF Prof. Dra. Aline Mota de Barros Marcellini As maiores médias de consumo diário per capita ocorreram para Feijão (182,9 g/ dia), arroz (160,3 g/ dia), carne bovina

Leia mais

VIGITEL Brasil 2013 MINISTÉRIO)DA)SAÚDE) VIGILÂNCIA DE FATORES DE RISCO E PROTEÇÃO PARA DOENÇAS CRÔNICAS POR INQUÉRITO TELEFÔNICO

VIGITEL Brasil 2013 MINISTÉRIO)DA)SAÚDE) VIGILÂNCIA DE FATORES DE RISCO E PROTEÇÃO PARA DOENÇAS CRÔNICAS POR INQUÉRITO TELEFÔNICO MINISTÉRIO)DA)SAÚDE) VIGITEL Brasil 2013 VIGILÂNCIA DE FATORES DE RISCO E PROTEÇÃO PARA DOENÇAS CRÔNICAS POR INQUÉRITO TELEFÔNICO Estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores

Leia mais

Proteger nosso. Futuro

Proteger nosso. Futuro Proteger nosso Futuro A Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) é uma entidade sem fins lucrativos criada em 1943, tendo como objetivo unir a classe médica especializada em cardiologia para o planejamento

Leia mais

D. Morbidade Horário de Início : :

D. Morbidade Horário de Início : : D. Morbidade Horário de Início : : Agora vou perguntar sobre doenças crônicas e infecciosas. Vou fazer perguntas sobre diagnóstico de doenças, uso dos serviços de saúde e tratamento dos problemas. D1 D2

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Doenças Crônicas hipertensão arterial Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Doenças Crônicas hipertensão arterial Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Doenças Crônicas hipertensão arterial Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo...

Leia mais

VIGITEL BRASIL 2013 VIGILÂNCIA DE FATORES DE RISCO E PROTEÇÃO PARA DOENÇAS CRÔNICAS POR INQUÉRITO TELEFÔNICO

VIGITEL BRASIL 2013 VIGILÂNCIA DE FATORES DE RISCO E PROTEÇÃO PARA DOENÇAS CRÔNICAS POR INQUÉRITO TELEFÔNICO MINISTÉRIO DA SAÚDE VIGITEL BRASIL 2013 VIGILÂNCIA DE FATORES DE RISCO E PROTEÇÃO PARA DOENÇAS CRÔNICAS POR INQUÉRITO TELEFÔNICO ESTIMATIVAS SOBRE FREQUÊNCIA E DISTRIBUIÇÃO SOCIODEMOGRÁFICA DE FATORES

Leia mais

Doenças que possui IDOSOS TEM ALGUMA DOENCA 81 NÃO TEM NENHUMA DOENÇA 19. _IDOSOS NO BRASIL > vivências, desafios e expectativas na 3ª idade.

Doenças que possui IDOSOS TEM ALGUMA DOENCA 81 NÃO TEM NENHUMA DOENÇA 19. _IDOSOS NO BRASIL > vivências, desafios e expectativas na 3ª idade. Saúde capítulo _ NO BRASIL > vivências, desafios e expectativas na ª idade. Doenças que possui [Espontânea e múltipla, em %] NÃO TEM NENHUMA DOENÇA 1 TOTAL HOMENS 0 a POPULAÇÃO IDOSA 0 ou mais 0 a TOTAL

Leia mais

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família. Brasília, 08 de Agosto de 2008

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família. Brasília, 08 de Agosto de 2008 Oficina de Promoção da Alimentação Saudável para Agentes Comunitários de Saúde III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família Brasília,

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Estilo de Vida Consumo de alimentos Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Estilo de Vida Consumo de alimentos Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Estilo de Vida Consumo de alimentos Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo... 4

Leia mais

Câmara Municipal de São Paulo

Câmara Municipal de São Paulo DISCURSO PROFERIDO PELO VEREADOR NATALINI NA 195ª SESSÃO ORDINARIA, REALIZADA EM 16/11/10 GRANDE EXPEDIENTE O SR. NATALINI (PSDB) - Sr. Presidente, Sras. e Srs. Vereadores, paulistanos que nos acompanham

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde

Pesquisa Nacional de Saúde Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Pesquisa Nacional de Saúde 21/08/15 Histórico INVESTIGAÇÃO DO TEMA SAÚDE... 1998 2003 2008 2013 PNAD Características da PNS Pesquisa Domiciliar

Leia mais

MORADORES DE RUA E FLANELINHAS

MORADORES DE RUA E FLANELINHAS 1 MORADORES DE RUA E FLANELINHAS Leandro de Souza Lino À margem da sociedade, a quantidade de moradores de rua tem sido crescente no cotidiano das grandes cidades. E aliado a isso, a presença de flanelinhas

Leia mais

VIGITEL BRASIL 2012 VIGILÂNCIA DE FATORES DE RISCO E PROTEÇÃO PARA DOENÇAS CRÔNICAS POR INQUÉRITO TELEFÔNICO

VIGITEL BRASIL 2012 VIGILÂNCIA DE FATORES DE RISCO E PROTEÇÃO PARA DOENÇAS CRÔNICAS POR INQUÉRITO TELEFÔNICO MINISTÉRIO DA SAÚDE VIGITEL BRASIL 2012 VIGILÂNCIA DE FATORES DE RISCO E PROTEÇÃO PARA DOENÇAS CRÔNICAS POR INQUÉRITO TELEFÔNICO ESTIMATIVAS SOBRE FREQUÊNCIA E DISTRIBUIÇÃO SOCIODEMOGRÁFICA DE FATORES

Leia mais

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013)

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) CHAMADA MCTI-CNPq/MDS-SAGI Nº 24/2013 DESENVOLVIMENTO SOCIAL Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) TEMA 4: SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

Leia mais

Meses. (siga S4) (siga S5)

Meses. (siga S4) (siga S5) Módulo S - Atendimento Pré-natal Agora vou lhe fazer perguntas sobree o atendimento pré-natal. [Entrevistador: As questões deste módulo são dirigidas àss mulheres último parto posteriores a / / ) que tiveram

Leia mais

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO... 2 SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...12 OUTROS HÁBITOS SAUDÁVEIS...14 ATIVIDADE FÍSICA...14 CUIDADOS

Leia mais

Consumo de bebidas alcoólicas e seus efeitos

Consumo de bebidas alcoólicas e seus efeitos Comissão Especial Bebidas Alcoólicas Câmara dos Deputados Consumo de bebidas alcoólicas e seus efeitos Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas Consumo per capita de litros puros de álcool entre adultos

Leia mais

O que é diabetes mellitus tipo 2?

O que é diabetes mellitus tipo 2? O que é diabetes mellitus tipo 2? Todas as células do nosso corpo precisam de combustível para funcionar. O principal combustível chama-se glicose, que é um tipo de açúcar. Para que a glicose consiga entrar

Leia mais

CARTILHA DE TRÂNSITO. Dicas para você viver mais e melhor!

CARTILHA DE TRÂNSITO. Dicas para você viver mais e melhor! CARTILHA DE TRÂNSITO Dicas para você viver mais e melhor! Este material foi concebido pela SBOT Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia com o intuito de ser um agente expressivo na prevenção

Leia mais

Trabalho elaborado por: 5/29/2007 USF Valongo. Enf. Anabela Queirós

Trabalho elaborado por: 5/29/2007 USF Valongo. Enf. Anabela Queirós Trabalho elaborado por: Enf. Anabela Queirós O que é a diabetes? Uma doença que dura toda vida Provocada pela ausência ou perda de eficácia da insulina; Provoca a subida de açúcar no sangue A diabetes

Leia mais

Delineamento do INS Delineamento do INS A ser realizado em parceria com o IBGE. Previsão do INS: 2012. Periodicidade: 5 anos (?) Pesquisa integrante do SIPD, solteira (não mais casada com a PNAD), utilizando

Leia mais

O POTENCIAL DE MERCADO PARA O CHOCOLATE. Abril/ 2014

O POTENCIAL DE MERCADO PARA O CHOCOLATE. Abril/ 2014 O POTENCIAL DE MERCADO PARA O CHOCOLATE Abril/ 2014 Brasil Dados do Mercado de Chocolates -3º maior mercado de chocolates do mundo (Fonte: Caobisco) Geração de empregos - 33 mil empregos diretos anuais

Leia mais

O que é O que é. colesterol?

O que é O que é. colesterol? O que é O que é colesterol? 1. O que é colesterol alto e por que ele é ruim? Apesar de a dislipidemia (colesterol alto) ser considerada uma doença extremamente prevalente no Brasil e no mundo, não existem

Leia mais

LISTAS DE FIGURAS, GRÁFICOS E TABELAS

LISTAS DE FIGURAS, GRÁFICOS E TABELAS LISTAS DE FIGURAS, GRÁFICOS E TABELAS FIGURAS Figura A Distribuição das porcentagens da amostra total e população total por sexo. 41 Figura B Distribuição das porcentagens da amostra e da população, para

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013 1 AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO Temas 2 Objetivo e metodologia Utilização dos serviços do plano de saúde e ocorrência de problemas Reclamação ou recurso contra o plano de

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Percepção do estado de saúde Autoavaliação da saúde A avaliação do estado de saúde consiste na percepção que os indivíduos possuem de sua própria saúde. Por conseguinte, é um indicador

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE VIGITEL BRASIL 2010 VIGILÂNCIA DE FATORES DE RISCO E PROTEÇÃO PARA DOENÇAS CRÔNICAS POR INQUÉRITO TELEFÔNICO.

MINISTÉRIO DA SAÚDE VIGITEL BRASIL 2010 VIGILÂNCIA DE FATORES DE RISCO E PROTEÇÃO PARA DOENÇAS CRÔNICAS POR INQUÉRITO TELEFÔNICO. MINISTÉRIO DA SAÚDE VIGITEL BRASIL 2010 VIGILÂNCIA DE FATORES DE RISCO E PROTEÇÃO PARA DOENÇAS CRÔNICAS POR INQUÉRITO TELEFÔNICO 1998 2000 2002 2004 ESTIMATIVAS SOBRE FREQUÊNCIA E DISTRIBUIÇÃO SOCIODEMOGRÁFICA

Leia mais

Campanha da Rede Asbran alerta este mês sobre consumo de açúcar

Campanha da Rede Asbran alerta este mês sobre consumo de açúcar Campanha da Rede Asbran alerta este mês sobre consumo de açúcar A Rede Asbran e Filiadas lança nesta sexta-feira, dia 31, mais uma ação da campanha nacional pela redução no consumo do sal e do açúcar,

Leia mais

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Objetivos: - Desenvolver uma visão biopsicossocial integrada ao ambiente de trabalho, considerando

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Doenças Crônicas diabetes Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Doenças Crônicas diabetes Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Doenças Crônicas diabetes Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo... 4 %Nunca mediram

Leia mais

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro Trabalho Elaborado por: Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro CORAÇÃO Olá! Eu sou o seu coração, trabalho dia e noite sem parar, sem descanso semanal ou férias.

Leia mais

B R A S I L EMERGENTE E X P E C T A T I V A D E V I D A E C O N S U M O E M 2 0 1 5

B R A S I L EMERGENTE E X P E C T A T I V A D E V I D A E C O N S U M O E M 2 0 1 5 B R A S I L EMERGENTE E X P E C T A T I V A D E V I D A E C O N S U M O E M 2 0 1 5 O I N V E S T I M E N T O P E L A L Ó G I C A D A D E M A N D A R E N A T O M E I R E L L E S r e n a t o @ d a t a p

Leia mais

Formulário de Adesão ao Projeto Vida no Trânsito

Formulário de Adesão ao Projeto Vida no Trânsito Formulário de Adesão ao Projeto Vida no Trânsito Se você deseja se candidatar a apoiar e participar de maneira pró-ativa do projeto VIDA NO TRÂNSITO, envie-nos um e-mail vidanotransitopalmas@gmail.com

Leia mais

Pesquisa sobre sintomas de transtornos mentais e utilização de serviços em crianças brasileiras de 6 a 17 anos

Pesquisa sobre sintomas de transtornos mentais e utilização de serviços em crianças brasileiras de 6 a 17 anos Objetivos: (1) Estimar a prevalência dos sintomas dos transtornos mentais mais comuns na infância e na adolescência em crianças e adolescentes brasileiros de 6 a 17 anos (2) Pesquisar a freqüência de uso

Leia mais

Saúde Ocupacional. Produtos de Saúde do Trabalhador. Egberto Miranda Silva Neto

Saúde Ocupacional. Produtos de Saúde do Trabalhador. Egberto Miranda Silva Neto Saúde Ocupacional Produtos de Saúde do Trabalhador Egberto Miranda Silva Neto Resolução Normativa - RN nº 211 Art. 14. Nos contratos de planos individuais ou familiares, coletivos por adesão e coletivos

Leia mais

Regulamentação do marketing de alimentos: uma questão de saúde pública

Regulamentação do marketing de alimentos: uma questão de saúde pública Audiência Pública P 18 de novembro de 2009 Regulamentação do marketing de alimentos: uma questão de saúde pública Maria José Delgado Fagundes Gerente Geral - /ANVISA Perfil Epidemiológico Brasileiro Atual:

Leia mais

Assistência Farmacêutica

Assistência Farmacêutica Assistência Farmacêutica Farm. Marco Aurélio Pereira Coordenação Geral Gestão / Departamento de Assistência Farmacêutica (DAF/SCTIE/MS) Secretaria DE Ciência e Tecnologia e Insumos Estratégicos Ministério

Leia mais

VIGITEL BRASIL 2011 VIGILÂNCIA DE FATORES DE RISCO E PROTEÇÃO PARA DOENÇAS CRÔNICAS POR INQUÉRITO TELEFÔNICO

VIGITEL BRASIL 2011 VIGILÂNCIA DE FATORES DE RISCO E PROTEÇÃO PARA DOENÇAS CRÔNICAS POR INQUÉRITO TELEFÔNICO MINISTÉRIO DA SAÚDE VIGITEL BRASIL 2011 VIGILÂNCIA DE FATORES DE RISCO E PROTEÇÃO PARA DOENÇAS CRÔNICAS POR INQUÉRITO TELEFÔNICO ESTIMATIVAS SOBRE FREQUÊNCIA E DISTRIBUIÇÃO SOCIODEMOGRÁFICA DE FATORES

Leia mais

LEI SECA de trânsito

LEI SECA de trânsito LEI SECA de trânsito Tire algumas dúvidas sobre a nova Lei Seca no trânsito O jornal Zero Hora, de Porto Alegre, está apresentando em sua edição desta segunda-feira (23) um interessante serviço público.

Leia mais

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de vida. A infância e adolescência são idades ideais para

Leia mais

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS Apresentador 1 SILVA,Claudia Fagundes e Apresentador 2 PLOCHARSKI, Mayara

Leia mais

A INFORMALIDADE NA COMPRA DE MEDICAMENTOS PRESCRITOS

A INFORMALIDADE NA COMPRA DE MEDICAMENTOS PRESCRITOS A INFORMALIDADE NA COMPRA DE MEDICAMENTOS PRESCRITOS Objetivos, Metodologia e Amostra Objetivo: Conhecer a percepção e principais hábitos do brasileiro em relação à compra de medicamentos. Técnica de coleta:

Leia mais

Clipping Eletrônico Quinta-feira dia 16/07/2015

Clipping Eletrônico Quinta-feira dia 16/07/2015 Clipping Eletrônico Quinta-feira dia 16/07/2015 Jornal Acrítica Cidades Pág. C4 16 de Julho de 2015. Jornal Acrítica Política Pág. A7 16 de Julho de 2015. Av. Mário Ypiranga, 1695 Adrianópolis Jornal

Leia mais

Os Desafios Assistenciais na Saúde Suplementar Martha Oliveira Gerente Geral de Regulação Assistencial- ANS

Os Desafios Assistenciais na Saúde Suplementar Martha Oliveira Gerente Geral de Regulação Assistencial- ANS Os Desafios Assistenciais na Saúde Suplementar Martha Oliveira Gerente Geral de Regulação Assistencial- ANS O Envelhecimento Populacional é um fenômeno Mundial Fonte: United Nations Department of Economic

Leia mais

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS 1. Introdução As Boas Práticas Nutricionais constituem-se um importante instrumento para a modificação progressiva da composição nutricional

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES ADULTOS

MANUAL DE INSTRUÇÕES ADULTOS Universidade Federal de Pelotas Departamento de Medicina Social Centro de Pesquisas Epidemiológicas MANUAL DE INSTRUÇÕES ADULTOS SUMÁRIO Página 1. Definições para serviços de saúde / locais para recebimento

Leia mais

Monitorar a satisfação dos usuários dos transportes rodoviários em linhas intermunicipais, interestaduais e internacionais.

Monitorar a satisfação dos usuários dos transportes rodoviários em linhas intermunicipais, interestaduais e internacionais. Especificações Técnicas Objetivo geral: Monitorar a satisfação dos usuários dos transportes rodoviários em linhas intermunicipais, interestaduais e internacionais. Público-alvo: Pessoas físicas usuárias

Leia mais

É preciso ter tempo... e vontade para adquirir hábitos de vida mais saudáveis

É preciso ter tempo... e vontade para adquirir hábitos de vida mais saudáveis É preciso ter tempo...... e vontade para adquirir hábitos de vida mais saudáveis Camila Mendonça (Fonte: Revista Melhor) Em busca de resultados, executivos têm menos tempo para se cuidar, ficam mais estressados

Leia mais

COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL?

COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL? COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL? O Ministério da Saúde está lançando a versão de bolso do Guia Alimentar para a População Brasileira, em formato de Dez Passos para uma Alimentação Saudável, com o objetivo

Leia mais

DENGUE. Jamila Rainha Jamila Rainha é cientista social e consultora de Pesquisa 3235-5436/9959-2986

DENGUE. Jamila Rainha Jamila Rainha é cientista social e consultora de Pesquisa 3235-5436/9959-2986 DENGUE A Secretaria de Saúde do Estado do Espírito Santo confirmou a primeira morte causada por dengue hemorrágica no ano de 2009. A vítima era moradora da Serra (terceiro município em números de casos

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH Brasília, outubro de 2015 População Masculina 99 milhões (48.7%) População alvo: 20 a 59 anos População Total do Brasil 202,7 milhões de

Leia mais

A ROTULAGEM DE ALIMENTOS PROMOVENDO O CONTROLE SANITÁRIO E A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

A ROTULAGEM DE ALIMENTOS PROMOVENDO O CONTROLE SANITÁRIO E A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Prefeitura Municipal do Natal Secretaria Municipal de Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Setor de Vigilância Sanitária Distrito Sanitário Oeste Núcleo de Vigilância Sanitária A ROTULAGEM DE ALIMENTOS

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

PESQUISA DATAPOPULAR: PERCEPÇÃO SOBRE A QUALIDADE DA EDUCAÇÃO NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE SÃO PAULO

PESQUISA DATAPOPULAR: PERCEPÇÃO SOBRE A QUALIDADE DA EDUCAÇÃO NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE SÃO PAULO PESQUISA DATAPOPULAR: PERCEPÇÃO SOBRE A QUALIDADE DA EDUCAÇÃO NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE SÃO PAULO OBJETIVOS QUALIDADE NAS ESCOLAS Mapear percepções de Professores, Pais e Alunos de São Paulo sobre o que

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Centro de Pesquisas Epidemiológicas Coorte de Nascimentos de 2015 VISITA DE 3 MESES QUESTIONÁRIO GEMELAR

Universidade Federal de Pelotas Centro de Pesquisas Epidemiológicas Coorte de Nascimentos de 2015 VISITA DE 3 MESES QUESTIONÁRIO GEMELAR Universidade Federal de Pelotas Centro de Pesquisas Epidemiológicas Coorte de Nascimentos de 2015 VISITA DE 3 MESES QUESTIONÁRIO GEMELAR INFORMAÇÕES DO PERINATAL A CONFIRMAR/CORRIGIR 0a. Qual o seu nome

Leia mais

GUIA ALIMENTAR COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

GUIA ALIMENTAR COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL GUIA ALIMENTAR COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL A promoção da alimentação saudável é uma diretriz da Política Nacional de Alimentação e Nutrição e uma das prioridades para a segurança alimentar e nutricional

Leia mais

Iremos apresentar alguns conselhos para o ajudar a prevenir estes factores de risco e portanto a evitar as doenças

Iremos apresentar alguns conselhos para o ajudar a prevenir estes factores de risco e portanto a evitar as doenças FACTORES DE RISCO Factores de risco de doença cardiovascular são condições cuja presença num dado indivíduo aumentam a possibilidade do seu aparecimento. Os mais importantes são o tabaco, a hipertensão

Leia mais

PESQUISA CNT/MDA RELATÓRIO SÍNTESE

PESQUISA CNT/MDA RELATÓRIO SÍNTESE PESQUISA CNT/MDA RELATÓRIO SÍNTESE Rodada 125 18 e 19 de outubro de 2014 Registro no TSE: BR-01139/2014 ÍNDICE 1 DADOS TÉCNICOS... 03 2 ELEIÇÃO PRESIDENCIAL 2014... 04 2 1. DADOS TÉCNICOS PESQUISA CNT/MDA

Leia mais

O QUE SÃO OS TRIGLICERÍDEOS?

O QUE SÃO OS TRIGLICERÍDEOS? O QUE SÃO OS TRIGLICERÍDEOS? Franklim A. Moura Fernandes http://www.melhorsaude.org Introdução Os triglicerídeos, também chamados de triglicéridos, são as principais gorduras do nosso organismo e compõem

Leia mais

A hipertensão arterial é comum?

A hipertensão arterial é comum? Introdução A hipertensão arterial é comum? Se tem mais de 30 anos e não se lembra da última vez em que verificou a sua tensão arterial, pode pertencer aos dois milhões de pessoas neste país com hipertensão

Leia mais

Condições de saúde dos consumidores

Condições de saúde dos consumidores Condições de saúde dos consumidores Pesquisa global GfK Outubro 2015 1 Pesquisa global GfK: A condição de saúde dos consumidores 1 Metodologia 2 Resultado global 3 Resultado do Brasil 2 Metodologia 3 Abrangência,

Leia mais

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Capítulo 3 Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Maria Inês Monteiro Mestre em Educação UNICAMP; Doutora em Enfermagem USP Professora Associada Depto. de Enfermagem

Leia mais

Escola: Escola Municipal Rural Sucessão dos Moraes

Escola: Escola Municipal Rural Sucessão dos Moraes Projeto Novos Talentos Escola: Escola Municipal Rural Sucessão dos Moraes Oficina: Comer bem, para viver melhor! Cristiane da Cunha Alves Tatiane Garcez Bianca Maria de Lima Danielle Costa INTRODUÇÃO/JUSTIFICATIVA

Leia mais

SUMÁRIO. Localidades da pesquisa, amostra e entrevistas realizadas por Área de Planejamento AP s 2. Caracterização do entrevistado sem carteira 04

SUMÁRIO. Localidades da pesquisa, amostra e entrevistas realizadas por Área de Planejamento AP s 2. Caracterização do entrevistado sem carteira 04 Pesquisa de Opinião Pública sobre as Campanhas Educativas para o Trânsito & da I m a g e m I n s t i t u c i o n a l da CET- RIO Relatório de Pesquisa 2008 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 03 PRINCIPAIS RESULTADOS

Leia mais

UNIVERSALIDADE. O Modelo de Atenção á Saúde ESF INTEGRALIDADE

UNIVERSALIDADE. O Modelo de Atenção á Saúde ESF INTEGRALIDADE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE ALAGOAS SUPERINTENDÊNCIA DE ATENÇÃO A SAÚDE DIRETORIA DE ATENÇÃO BÁSICA GERÊNCIA DE ATENÇÃO A SAÚDE DE GRUPOS ESPECÍFICOS HIPERTENSOS E DIABÉTICOS CAPACITAÇÃO EM ATENÇÃO

Leia mais

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima Saúde mais próxima. Por causa de quem mais precisa. Saúde mais Próxima é um programa da

Leia mais

Agora que tenho diabetes... O que posso fazer para permanecer no controle?

Agora que tenho diabetes... O que posso fazer para permanecer no controle? Agora que tenho diabetes... O que posso fazer para permanecer no controle? Tenho diabetes: o que isso significa, afinal? Agora que você recebeu o diagnóstico de diabetes, você começará a pensar em muitas

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro - Instituto de Matemática Bacharelado de Ciências Matemáticas e da Terra Introdução ao Cálculo

Universidade Federal do Rio de Janeiro - Instituto de Matemática Bacharelado de Ciências Matemáticas e da Terra Introdução ao Cálculo Universidade Federal do Rio de Janeiro - Instituto de Matemática Bacharelado de Ciências Matemáticas e da Terra Introdução ao Cálculo 1 a Questão: Observando, em cada caso, os gráficos apresentados, responda

Leia mais

Conheça mais sobre. Diabetes

Conheça mais sobre. Diabetes Conheça mais sobre Diabetes O diabetes é caracterizado pelo alto nível de glicose no sangue (açúcar no sangue). A insulina, hormônio produzido pelo pâncreas, é responsável por fazer a glicose entrar para

Leia mais

Fonte. 5. O indicador não representa os casos de pacientes portadores de diabetes que não têm a diabete diagnosticada.

Fonte. 5. O indicador não representa os casos de pacientes portadores de diabetes que não têm a diabete diagnosticada. Ind020302 Taxa de prevalência da diabete melito na população de 35 anos e mais, por ano, segundo região e escolaridade Indicador Descrição Fonte Taxa de prevalência da diabete melito na população de 35

Leia mais

J. Desempenho do Sistema de Saúde Horário de Início :

J. Desempenho do Sistema de Saúde Horário de Início : J. Desempenho do Sistema de Saúde Horário de Início : Neste módulo, vamos fazer perguntas sobre o uso dos serviços de saúde, dificuldades para conseguir o atendimento e sua avaliação sobre o atendimento

Leia mais

"Morremos de causas idiotas" Jan Garavaglia

Morremos de causas idiotas Jan Garavaglia Istoé Independente - Edição 2058-22 ABR/2009 1 "Morremos de causas idiotas" Jan Garavaglia A chefe do Departamento de Medicina Legal da Flórida, nos EUA, diz que a maioria das mortes pode ser evitada Por

Leia mais

Liliana de Fátima Nogueira Pinto Nº 14474. Questionário

Liliana de Fátima Nogueira Pinto Nº 14474. Questionário Liliana de Fátima Nogueira Pinto Nº 14474 Questionário Alcoolismo no Feminino: O Consumo de Bebidas Alcoólicas em Alunas Universitárias uma amostra da FCS-UFP do Porto Faculdade de Ciências da Saúde Universidade

Leia mais

GRUPO DE ESTUDOS DA SÍNDROME ALCOÓLICA FETAL SOCIEDADE DE PEDIATRIA DE SÃO PAULO

GRUPO DE ESTUDOS DA SÍNDROME ALCOÓLICA FETAL SOCIEDADE DE PEDIATRIA DE SÃO PAULO GRUPO DE ESTUDOS DA SÍNDROME ALCOÓLICA FETAL SOCIEDADE DE PEDIATRIA DE SÃO PAULO Como avaliar o consumo de álcool pela gestante É DIFÍCIL AVALIAR O CONSUMO DE ÁLCOOL NA GRAVIDEZ, SEJA PELA OMISSÃO OU NEGAÇÃO

Leia mais

Resultados do monitoramento da redução do Sódio em Alimentos Processados. Setembro de 2014

Resultados do monitoramento da redução do Sódio em Alimentos Processados. Setembro de 2014 Resultados do monitoramento da redução do Sódio em Alimentos Processados Setembro de 2014 Doenças crônicas não-transmissíveis são responsáveis por 72% dos óbitos Doenças cardiovasculares Doenças respiratórias

Leia mais

INTRODUÇÃO. Diabetes & você

INTRODUÇÃO. Diabetes & você INTRODUÇÃO Diabetes & você Uma das coisas mais importantes na vida de uma pessoa com diabetes é a educação sobre a doença. Conhecer e saber lidar diariamente com o diabetes é fundamental para levar uma

Leia mais

Questionário: Risco de ter diabetes

Questionário: Risco de ter diabetes Questionário: Risco de ter diabetes ATENÇÃO! Este questionário não deve ser aplicado a gestantes e pessoas menores de 18 anos. Preencha o formulário abaixo. Idade: anos Sexo: ( ) Masculino ( ) Feminino

Leia mais

DCNT no Brasil. Tendência de mortalidade, Brasil 1996-2007

DCNT no Brasil. Tendência de mortalidade, Brasil 1996-2007 DCNT no Brasil Tendência de mortalidade, Brasil 1996-2007 DCNT 72% dos óbitos 20% redução DCNT 31% redução DCV Fonte: Schmidt MI, Duncan BB, Silva GA, Menezes AM, Monteiro CA, Barreto SM, Chor D, Menezes

Leia mais

VIGITEL BRASIL 2011 SAÚDE SUPLEMENTAR VIGILÂNCIA DE FATORES DE RISCO E PROTEÇÃO PARA DOENÇAS CRÔNICAS POR INQUÉRITO TELEFÔNICO

VIGITEL BRASIL 2011 SAÚDE SUPLEMENTAR VIGILÂNCIA DE FATORES DE RISCO E PROTEÇÃO PARA DOENÇAS CRÔNICAS POR INQUÉRITO TELEFÔNICO MINISTÉRIO DA SAÚDE Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico VIGITEL BRASIL 2011 SAÚDE SUPLEMENTAR VIGILÂNCIA DE FATORES DE RISCO E PROTEÇÃO PARA DOENÇAS

Leia mais

MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro

MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro Notícias - 18/06/2009, às 13h08 Foram realizadas 8 mil entrevistas com homens e mulheres entre 15 e 64 anos. A análise das informações auxiliará

Leia mais

O TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA (HAS)

O TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA (HAS) O TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA (HAS) ANA CLÁUDIA LIMA RODRIGUES, KARINA FEITAL E VANESSA DINIZ DO NASCIMENTO 1. Introdução O tratamento da Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS) inclui estratégias

Leia mais

Contracepção de Emergência entre Estudantes de Ensino Médio e Público do Município de S. Paulo

Contracepção de Emergência entre Estudantes de Ensino Médio e Público do Município de S. Paulo Contracepção de Emergência entre Estudantes de Ensino Médio e Público do Município de S. Paulo Regina Figueiredo Instituto de Saúde SES/SP reginafigueiredo@uol.com.br Equipe de Pesquisa: Regina Figueiredo,

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O PROFESSOR PRESENCIAL

ORIENTAÇÕES PARA O PROFESSOR PRESENCIAL ORIENTAÇÕES PARA O PROFESSOR PRESENCIAL Componente Curriculares Educação Física Professores Ministrantes: Kim Raone e Marcus Marins Série/ Ano letivo: 2º ano/ 2014 Data: 26/03/2014 AULA 5.1 Conteúdo: Doenças

Leia mais

Artigo especial: Os 8 piores hábitos alimentares.

Artigo especial: Os 8 piores hábitos alimentares. Artigo especial: Os 8 piores hábitos alimentares. Hábitos alimentares normalmente se referem a um amplo conceito de preferências, costumes e modos de comer, de um indivíduo ou população. Vários fatores

Leia mais

FACULDADES ALVES FARIA - ALFA

FACULDADES ALVES FARIA - ALFA FACULDADES ALVES FARIA - ALFA CENTRO DE PESQUISAS ECONÔMICAS E MERCADOLÓGICAS CDL/ALFA PESQUISA : ENDIVIDAMENTO DO CONSUMIDOR GOIANIENSE 2013-1 GOIÂNIA 2013 1. INTRODUÇÃO. Este trabalho apresenta os resultados

Leia mais

DELIVERY. Revieni Chisté Zanotelli. Revieni Chisté Zanotelli é economista e analista de pesquisas da Futura

DELIVERY. Revieni Chisté Zanotelli. Revieni Chisté Zanotelli é economista e analista de pesquisas da Futura DELIVERY Revieni Chisté Zanotelli O serviço de entrega de produtos (delivery) foi criado para proporcionar comodidade às pessoas e, também, para aqueles que estão sem tempo de ir até ao estabelecimento

Leia mais

Pesquisa de Opinião Pública SEGURANÇA PÚBLICA. Janeiro/2015

Pesquisa de Opinião Pública SEGURANÇA PÚBLICA. Janeiro/2015 Pesquisa de Opinião Pública SEGURANÇA PÚBLICA Janeiro/2015 OBJETIVOS Objetivo Principal: Esta estudo teve como objetivo principal verificar e quantificar a opinião pública brasileira quanto ao tema Segurança

Leia mais

O Serviço Social do Transporte (SEST) e o Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte (SENAT) são entidades civis sem fins lucrativos criadas em

O Serviço Social do Transporte (SEST) e o Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte (SENAT) são entidades civis sem fins lucrativos criadas em O Serviço Social do Transporte (SEST) e o Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte (SENAT) são entidades civis sem fins lucrativos criadas em 14 de setembro de 1993, pela Lei 8.706, com a missão

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS P.L.L. Nº 082/02 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS A Constituição Federal, o Código de Defesa do Consumidor e o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), em diferentes artigos, trazem a discussão que subsidia a argumentação

Leia mais

GRUPOS DE ATIVIDADES EDUCATIVAS PARA OS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA AO HIPERTENSO, DIABÉTICOS E IDOSO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JATAÍ-GO*.

GRUPOS DE ATIVIDADES EDUCATIVAS PARA OS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA AO HIPERTENSO, DIABÉTICOS E IDOSO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JATAÍ-GO*. GRUPOS DE ATIVIDADES EDUCATIVAS PARA OS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA AO HIPERTENSO, DIABÉTICOS E IDOSO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JATAÍ-GO*. SILVA, Kelvia Donato¹; SILVA, Lorrayne Emanuela Duarte¹;

Leia mais