Salário mínimo, Bolsa Família e desempenho relativo recente da economia do Nordeste

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Salário mínimo, Bolsa Família e desempenho relativo recente da economia do Nordeste"

Transcrição

1 Revsta de Economa Polítca, vol. 33, nº 1 (130), pp , janero-março/2013 Saláro mínmo, Bolsa Famíla e desempenho relatvo recente da economa do Nordeste Alexandre Rands Barros Dloá Athas* Mnmum wages, poverty allevaton ncome polces, and the relatve performance of the Northeastern economy n Brazl. Ths paper presents the two major hypotheses explanng the relatvely hgher GDP growth of Northeast, when compared to the one for the whole country. These hypotheses are that governmental transferences towards the poorest and the rses n mnmum wages are responsble for such relatve performance. They are formally presented theoretcally and a method to test ther relatve role s developed, relyng on county data for the perod 2000 to The results ndcate that the Bolsa Famla Program had a hgher postve mpact n the GDP growth rate of the regon than the rses n Mnmum wage. Keywords: mnmum wage; transference polces; Northeastern growth. JEL Classfcaton: R11. Introdução Desde 2002 que o crescmento do PIB per capta do Nordeste tem sdo superor à méda naconal. Essa superordade tem sdo partcularmente relevante quando a comparação é feta com o Sudeste, regão mas populosa do país. Enquanto o crescmento médo em nossa regão fo de 3,2% entre 2002 e 2008, ele atngu apenas 2,85% no Brasl. Outras regões, como o Centro-Oeste e o Norte, até cresceram tanto ou mas que o Nordeste no mesmo período, mas, tendo elas populações nferores, anda assm o desempenho dessa últma fo superor ao encontrado para todo o país. * Departamento de Economa, Unversdade Federal de Pernambuco. E-mal: e Department of Economcs, Unversty of Illnos. E-mal: Submetdo: 29/setembro/2009; Aprovado: 13/dezembro/2011. Revsta de Economa Polítca 33 (1),

2 Esse maor desempenho relatvo tem gerado duas questões para as pessoas que são preocupadas com o desenvolvmento regonal braslero. Em prmero lugar, busca-se explcar por que ele fo superor. Em seguda, questona-se se tal comportamento é apenas temporáro e será revertdo no futuro, ou dexará a regão em um novo patamar de desenvolvmento relatvo no país, superor ao que se encontrou nos últmos 30 anos. Obvamente, uma consequênca que permea as buscas de respostas às duas questões apresentadas é a tentatva de se saber até quando a regão contnuará crescendo mas que o Brasl e qual será o novo patamar de equlíbro da renda per capta dessa regão em relação à méda naconal e à encontrada no Sudeste. Essas questões estão longe de ser preocupações apenas acadêmcas. Conhecer as respostas a elas pode nfluencar os nvestmentos que as empresas de város setores deverão fazer para posconar-se no mercado regonal e, de forma mas genérca, dstrbur espacalmente sua produção e estruturas mercadológcas. O desempenho relatvo recente, nclusve, já gerou maor dreconamento de preocupações de grandes empresas para a regão. As ncertezas quanto a sua extensão e duração, contudo, anda lmta essas ações. As dscussões até então sobre essas questões têm apontado duas prncpas hpóteses para explcar o desempenho econômco relatvo recente do Nordeste. A prmera delas é que a expansão das polítcas de transferênca de renda após 2002, prncpalmente os Programas Bolsa Escola e Bolsa Famíla, por serem relatvamente mas dreconados para o Nordeste, regão com maor percentual de pobres, estara elevando a demanda na regão e sso estara gerando esse maor crescmento econômco. A segunda hpótese é que o aumento real do saláro mínmo desde 2003 gerou maor ajuste tecnológco e demanda na regão, que tem uma maor partcpação de trabalhadores cuja renda é nfluencada pelo saláro mínmo. Apesar de ter tdo menor apelo tanto em meos acadêmcos como não acadêmcos, ela tem sdo sempre respetada como plausível e provavelmente com mpacto efetvo, quando apresentada. Dadas essas questões sobre o desempenho recente do Nordeste, este artgo tem dos focos prncpas. Em prmero lugar, ele dscute os possíves fundamentos da capacdade de explcação do maor crescmento do Nordeste advndos das duas hpóteses brevemente apresentadas. O segundo foco será em uma estmação do papel relatvo dessas duas causas do maor crescmento do Nordeste. Obvamente essas estmações partem do pressuposto de que as duas hpóteses não são excludentes e que ambas podem ter tdo algum papel na geração do maor desempenho da regão. O artgo está organzado como segue. Na próxma seção se dscutem os fundamentos teórcos das duas hpóteses. Na tercera seção o método de estmação dos mpactos de cada um dos possíves determnantes é apresentado. A quarta seção apresenta e dscute os prncpas resultados empírcos das estmações e a qunta seção traz uma dscussão das consequêncas dos resultados empírcos para posconamentos empresaras e possíves polítcas de desenvolvmento regonal. 180 Brazlan Journal of Poltcal Economy 33 (1), 2013

3 Fundamentos teórcos das prncpas explcações para o maor crescmento recente do Nordeste Como argumentado anterormente, há duas hpóteses fundamentas para explcar o maor crescmento do Nordeste nos últmos anos. A prmera o faz através do mpacto dos programas socas de transferênca de renda. A segunda recorre ao maor papel do saláro mínmo na regão Nordeste e sua elevação em termos reas nos últmos anos para explcar esse dnamsmo. Essas hpóteses são apresentadas em maores detalhes nas subseções que seguem. 1. O papel dos programas de transferênca de renda Essa hpótese parte do pressuposto ncal de que o Nordeste tem mas benefcáros dos programas de transferênca de renda do Governo Federal, cujo objetvo é o combate à pobreza. Obvamente sso ocorre porque ao longo do período em análse a regão sempre teve maor proporção de sua população vvendo abaxo da lnha de pobreza. Nenhum desses dos pressupostos são objetos de dsputa entre estudosos do problema e ambos são confrmados pelos dados apresentados na Tabela 1. Nos programas de transferênca de renda podem ter duas consequêncas mportantes que possbletem um maor crescmento relatvo do Nordeste. A prmera delas é o aumento da demanda local, que eleva a produção realzada próxma a ela por causa dos custos de transporte e nformação. A segunda é certa escassez relatva de mão de obra na regão a baxas remunerações, o que eleva o desenvolvmento tecnológco. 1 A segur essas duas vsões são um pouco mas detalhadas Efeto demanda A dea de que a maor demanda pode elevar o PIB per capta dos muncípos que são benefcados pelas transferêncas do Governo Federal, como o Bolsa Famíla, parte do pressuposto de que o funconamento da economa é mas apropradamente representado pela competção monopolístca e retornos crescentes de escala em setores sgnfcatvos dela. Isso sgnfca que na oferta de cada bem exste um número fnto de ofertantes e que eles não são perfetamente substtutos entre s, seja por dferencações dos seus produtos ou, mas mportante no problema em questão, pela convenênca de suas localzações espacas. Além dsso, pode se supor que os retornos crescentes de escala advêm da exstênca de custos de gestão que não crescem proporconalmente à produção. Assm, as frmas se defrontam com uma demanda negatvamente nclnada, como a representada pela reta demanda antes das transferêncas na fgura 1. Por 1 Acemoglu (2009) apresenta argumentação rgorosa mostrando em que condções essa relação é verdadera. Revsta de Economa Polítca 33 (1),

4 consequênca, essas frmas, tendo as funções custo margnal (CM g ) e custo médo (C Médo ) também negatvamente nclnadas, como apresentadas na Fgura 1, maxmzam o seu lucro gualando o custo margnal à receta margnal e defnndo o preço no nível que a quantdade defnda dessa forma guala a demanda. Ou seja, elas produzram Q 0 na Fgura 1 e teram preço gual a P 0 nessa mesma fgura. O lucro dessas frmas nesse caso sera como defndo na Fgura 1 pelo retângulo cujos vértces são A 0, A 1, A 2, P 0. Quando há um aumento da demanda por causa da renda maor dos consumdores, cada frma terá sua curva de demanda deslocada para a dreta, como representado na Fgura 1, a partr do deslocamento de demanda antes das transferêncas para demanda após transferêncas. Vale observar que não havera razão para haver choque de produtvdade após o níco das transferêncas. Assm, as curvas de custos margnal e médo das empresas manter-se-am nos mesmos patamares anterores. Consequentemente, o novo equlíbro sera no ponto (Q 1, P 1 ), onde a nova demanda encontra-se com a quantdade Q 1, defnda a partr da gualação do custo margnal à nova receta margnal. Tabela 1: Estatístcas báscas de pobreza e transferêncas va Bolsa Famíla por regão 2004 a 2007 Percentual de domcílos vvendo abaxo da lnha de pobreza por regão Norte 35,9% 32,2% 28,6% 28,9% Nordeste 46,9% 42,8% 38,0% 35,5% Sudeste 15,7% 13,5% 10,7% 9,1% Sul 14,4% 13,3% 11,1% 9,2% Centro-Oeste 15,7% 14,9% 11,7% 8,5% Brasl 24,8% 22,3% 19,1% 17,2% Percentual de famílas benefcáras do Programa Bolsa Famíla por regão Norte Nordeste 13,2% 16,7% 23,8% 24,8% Sudeste 22,8% 28,6% 35,7% 36,0% Sul 7,0% 9,2% 11,0% 10,8% Centro-Oeste 8,1% 11,1% 11,3% 10,2% Brasl 7,3% 10,8% 14,0% 13,2% 11,7% 15,1% 18,6% 18,4% Percentual das transferêncas va Bolsa Famíla no PIB das regões Norte 0,34% 0,46% 0,61% Nordeste 0,88% 1,06% 1,27% Sudeste 0,08% 0,12% 0,14% Sul 0,10% 0,16% 0,17% Centro-Oeste 0,07% 0,13% 0,17% Brasl 0,20% 0,27% 0,32% Fonte: Construído com base em dados da PNAD, IBGE (famílas, domcílos e pobres), Mnstéro do Desenvolvmento Socal (famílas benefcáras e valores pagos) e Contas Regonas IBGE (PIB e preços de mercado). 182 Brazlan Journal of Poltcal Economy 33 (1), 2013

5 Nesse segundo equlíbro o lucro das empresas locas é maor. Isso pode ser concluído porque o novo lucro, defndo pela área do retângulo defndo pelos vértces B 0, B 1, B 2, P 1, nclu o lucro antes do choque como apenas uma parte de sua área. Fgura 1: Lucro adconal gerado pelo efeto demanda Assm, a renda gerada na regão que recebe mas transferêncas se eleva pelo componente lucro e pelo componente emprego, já que ele será maor no novo equlíbro. Em uma versão de equlíbro geral, em que os saláros também possam reagr ao maor emprego, também pode se conclur que haverá um aumento da renda por causa deles. Nesse caso, as curvas de custos margnal e médo graram um pouco para cma, fazendo com que os saláros adconas corroessem parte dos lucros, mas tal aumento não sera sufcente para elmnar o aumento de produção, se for pratcado dentro de certos lmtes plausíves. Com curvas de custo margnal decrescente, e aumentos dos saláros dentro de certos lmtes, o aumento de demanda não corroera a compettvdade das empresas locas, que permtra que elas aumentassem a produção. Numa vsão de contabldade regonal, a renda que entra no muncípo em forma de transferêncas podera até sar toda por maor mportação de bens do resto da economa. Todava, dexara a produção nterna mas efcente e complexa, o que fara com que o consumo total dos agentes nternos venha a ser maor não só pela maor mportação, mas também por maor produção nterna. 2 Apesar de o modelo em que a dea fo exposta ser essencalmente de estátca 2 A exstênca de retorno crescente de escala e os lmtes mpostos para o aumento dos saláros nessa vsão elmnam a possbldade de haver o problema de Dutch dsease. Revsta de Economa Polítca 33 (1),

6 comparatva, pode se pensar em um modelo dnâmco em que a taxa de crescmento a cada momento seja defnda como: Y = g+ γ ( Y Ye ) (1) Y Y = g+ γ ( Y Ye ) onde Y Y é o PIB per capta, g é a taxa de crescmento de equlíbro gerada por outras relações 0< da γ < economa 1 e Y e é o PIB per capta de equlíbro a cada momento. Sendo 0< γ < 1 um parâmetro postvo, obvamente a taxa de crescmento dessa área geográfca α 1 α U = C converge ( 1 L) para a taxa de crescmento g de equlíbro em que Y segue um camnho α de equlíbro 1 α traçado por outros fatores da economa. Entretanto, quando U = C ( 1 L) há o choque de demanda causado pelo níco das transferêncas, essa taxa de crescmento 0< passa α < 1 um tempo sendo superor à taxa de equlíbro, enquanto não houver convergênca. 0< α < 1 Nesse ntervalo, a taxa de crescmento das áreas geográfcas que recebem PC = mas T + transferêncas wl tenderá a ser maor que a méda naconal. PC = A Tpartr + wl dessa vsão, as maores transferêncas para o Nordeste seram responsáves pela maor taxa de crescmento dessa regão nos últmos anos. Vale salentar, contudo, ( 1 α) T ( w1 = que dentro dessa concepção a taxa de crescmento da economa convergra w = para sua α taxa L de equlíbro e não necessaramente havera maor crescmento α) T α L da regão Nordeste a partr de então. Isso ocorre porque, quando as transferêncas pararem de aumentar, a demanda para de se deslocar para cma e o emprego e a produção local em equlíbro já não têm mas motvos para se deslocarem mas rápdo do que o resto da economa (nas demas regões). Ou seja, esse maor crescmento é transtóro e não necessaramente levara a uma convergênca absoluta das rendas per capta regonas no país Efeto desenvolvmento tecnológco O efeto desenvolvmento tecnológco ocorre porque as pessoas preferem não trabalhar a saláros baxos e fcar aptas a receber as transferêncas sem ter de realzar o esforço relaconado com o trabalho. Isso muda a relação de custo entre o fator trabalho e o nvestmento em tecnologa, o que eleva o nvestmento em desenvolvmento tecnológco. Como no Nordeste há maor contngente de pobres com potencal acesso aos programas de transferênca, essa retração da oferta de mão de obra é relatvamente maor, o que elevou o desenvolvmento tecnológco relatvo na regão. O efeto no desenvolvmento tecnológco de programas de transferênca de renda é smlar ao que ocorre quando há aumento de saláro mínmo, pos na prátca há uma aceleração no desenvolvmento tecnológco por causa da elevação do saláro de equlíbro na área geográfca em que resdem os benefcáros de tal polítca. 4 Assm, esse efeto será mas bem explcado na subseção a segur. A ds- 3 Ver Barros (2011, cap. 7) para uma dscussão dessa dnâmca de resposta a tal polítca. 4 Acemoglu (2009) traz uma dscussão mas rgorosa das condções em que o mpacto da escassez de trabalho e da elevação dos saláros no desenvolvmento tecnológco são smlares. 184 Brazlan Journal of Poltcal Economy 33 (1), 2013

7 cussão aqu será apenas de () como um programa de transferênca de renda como o Bolsa Famíla eleva o saláro de equlíbro nos muncípos e () como esse mpacto é maor em muncípos mas pobres.. Impacto de programas de transferênca no saláro de equlíbro dos muncípos Quando as pessoas ofertam seu trabalho, elas o fazem consderando uma Y função utldade = g+ γ ( Yem Yeque ) pesa a utldade negatva do trabalho e a postva do que Y se pode adqurr com a remuneração e a experênca obtda. De forma smplfcada, Y dentro de um padrão teórco comum, pode se dzer que = o g+ consumdor γ ( Y Ye ) maxmza uma Y função 0< γ < 1 Y = g+ utldade γ ( Y Y tpo Cobb-Douglas como a expressa na equação (2). e ) Y α 1 α 0< γ < 1 U = C ( 1 L) (2) 0Y < γ < 1 = g+ γ ( Y Y α 1 α e ) onde U é a utldade total, C é o consumo, meddo em U undades C Lde uma cesta de 0 Y = ( 1 ) < α < 1 bens, L é a α quantdade 1 α U = C ( 1 L) de trabalho que ele despende, medda em tempo em um determnado 0< γ < 1ntervalo, e a é um parâmetro, tal que 0< α < 1. Ele maxmza essa função PCsujeta = T + wl a uma restrção orçamentára, que de forma smplfcada pode ser expressa 0< αcomo < 1 segue: α 1 α PC = T + wl U = C ( 1 ( 1 α ) T L) w = PC = Tα + wl L (3) ( 1 α) T 0< α < 1 w = α L onde T são ( 1 as α) transferêncas T recebdas, w é o saláro nomnal e P é o índce de preços. w = PCAs = demas T α + LwL varáves são como prevamente defndas. A condção de prmera ordem para a solução desse problema gera: w = ( 1 α) T α L (4) Ou seja, quanto maores as transferêncas, maor o saláro que terá de ser pago para que haja um dado patamar de oferta de trabalho. Isso faz com que se gere uma escassez relatva de mão de obra a cada nível salaral. Para uma mesma demanda por trabalho, o saláro de equlíbro tende a se elevar, quando T sobe. É mportante enfatzar que apesar das transferêncas recebdas pelo agente representatvo na equação (4) estarem defndas como constantes, esse não é o caso na realdade. Programas de transferênca como o Bolsa Famíla são drgdos apenas para os mas pobres. Sendo assm, pode se defnr uma função tal que T = T(w), onde a prmera dervada T (w) é negatva, ou T (w) < 0. 5 Ou seja, quando aumenta o saláro recebdo pelos ndvíduos, ca as transferêncas que eles recebem. 5 Mas rgorosamente, deve-se acrescentar que m m T '( T w) '( ) = w= 0) 0e= Te0'( wte) '( = Tw0'( ) wquando = ) 0w= 0w w ww, w R onde w+ ew wé < w R w w w + e < w + e < w w um valor qualquer mde T'( saláro w) = 0defndo e T'( wpor ) = polítca 0 wpúblca w tal wque w R + e w <. w w Revsta de Economa Polítca 33 (1),

8 Além dsso, a partr de certo patamar de saláro, os ndvíduos não recebem mas transferêncas. Sendo assm, a oferta de trabalho defnda pela equação (4) pode ser representada como na Fgura 2, onde aparece a oferta antes e depos das transferêncas serem estabelecdas. Nessa mesma fgura colocou-se uma demanda por mão de obra e dos equlíbros foram apresentados, um em (L 0,w 0 ) e o outro em (L 1,w 1 ). O prmero é antes das transferêncas serem estabelecdas e o outro é após a ntrodução delas. Como pode se ver, as transferêncas elevam os saláros de equlíbro de w 0 para w 1, quando elas são ntroduzdas. Isso decorre da retração da oferta de trabalho promovda pelas transferêncas.. Maor mpacto relatvo nos muncípos mas pobres Nem todos os ndvíduos em uma socedade ntegram o mesmo mercado de trabalho. Indvíduos menos qualfcados não são perfetos substtutos para ndvíduos mas qualfcados. Assm, para smplfcar o racocíno pode se trabalhar com dos mercados de trabalho, um para ndvíduos mas qualfcados e outro para ndvíduos menos qualfcados. Nesse caso, o mercado de trabalho tera duas ofertas e duas demandas, como as apresentadas na Fgura 3. Somente saláros que compõem o ntervalo coberto pela oferta de trabalho menos qualfcado, oferta de trabalho II na Fgura 3, qualfcam para receber transferêncas. Todo o ntervalo da oferta de trabalho I está fora dos valores passíves de qualfcar para transferêncas. Essa economa tera dos saláros após a ntrodução das transferêncas, w 1 e w 2. Eles prevalecem nos mercados de mão de obra menos qualfcada e mas qualfcada, respectvamente. Apenas o segundo mercado possu trabalhadores que podem qualfcar para receber transferêncas. Assm, somente o saláro nesse mercado é afetado pelas transferêncas, como mostra a Fgura 3. As dversas regões geográfcas brasleras têm quantdades de pessoas dferentes com os dversos níves de formação e expectatvas salaras. O Nordeste e o Norte partcularmente são as regões com maor partcpação de pessoas de baxa formação e qualfcação. 186 Brazlan Journal of Poltcal Economy 33 (1), 2013

9 Fgura 2: Equlíbro no mercado de trabalho antes e depos das transferêncas A Tabela 2 traz dados que mostram que há um contngente proporconal maor de pessoas trabalhando com rendmento até um saláro mínmo nessas regões, assm como pessoas com nível de nstrução até quatro anos de estudo. Fgura 3: Equlíbro no mercado de trabalho antes e depos das transferêncas Revsta de Economa Polítca 33 (1),

10 O racocíno sstematzado na Fgura 3 mplca que quanto maor a partcpação de trabalhadores no mercado de trabalho II, maor será a proporção deles afetada por transferêncas governamentas. Assm, pelos dados apresentados, é de supor que o Norte e o Nordeste são as regões cujos mercados de trabalho são mas afetados pela ntrodução das transferêncas. Mas precsamente, nessas regões deve ter havdo maor aumento de saláros em város setores por causa da ntrodução ou expansão de programas de transferêncas do Governo Federal. Suas consequêncas para o crescmento são objeto da próxma subseção, já que o mpacto é de aumento de saláro nos segmentos de menor remuneração, assm como ocorre com a elevação do saláro mínmo. Tabela 2: Proporção de pessoas de 10 anos ou mas de dade recebendo até um saláro mínmo e com até quatro anos de estudo nas dversas regões brasleras em 2007 Proporção de pessoas de 10 anos ou mas de dade recebendo até um saláro mínmo Proporção de pessoas de 10 anos ou mas de dade com até quatro anos de estudo Brasl 23,9% 35,6% Norte 26,3% 38,8% Nordeste 38,3% 45,9% Sudeste 17,1% 30,5% Sul 17,9% 31,5% Centro-Oeste 21,4% 33,1% Fonte: IBGE, PNAD, O papel das elevações do saláro mínmo Há toda uma lteratura que enfatza o papel de mposção de saláros mínmos elevados ou escassez de trabalho como ndutores de desenvolvmento tecnológco. 6 Marx (1887) já enfatzava essa dea na composção de suas concepções sobre a dnâmca do exércto ndustral de reserva. Hcks (1932) também ncorporou tal dea já dentro de um escopo teórco neoclássco. Barros (1993a, 1993b) a ntroduzu dentro de modelos tradconas da nova teora do crescmento, mas especfcamente os modelos de Lucas (1988) e Romer (1990). Alesna e Zera (2006), Acemoglu (2009) e Cahuc e Mchel (1996) trazem modelos recentes que ncorporam essa hpótese. Dante de toda essa lteratura, não será preocupação aqu apresentar ou mesmo desenvolver qualquer modelo que ncorpore essa hpótese. A sua ntução, contudo, será dscutda. A dea é smples. Suponha um mercado de trabalho em equlíbro, como o da fgura 4 com saláro e emprego determnados como w 0 e L 0, respectvamente. De repente alguma legslação eleva o saláro para w 1. Imedatamente haverá desem- 6 Ver, por exemplo, Acemoglu (2009) para um modelo que defne as condções em que tal relação é verdadera e uma revsão de deas sobre o assunto. 188 Brazlan Journal of Poltcal Economy 33 (1), 2013

11 prego, pos o novo equlíbro será em (L 1, w 1 ), onde o novo saláro encontra a demanda D 0 por trabalho. Essa elevação dos saláros, contudo, eleva o ncentvo às frmas nvestrem em tecnologa e aos trabalhadores nvestrem em captal humano. No segundo caso, o efeto é óbvo, pos o custo de oportundade do tempo expenddo passa a ser bem menor, já que mutos trabalhadores estarão desempregados (Barros, 1993a; Cahuc e Mchel, 1996). No caso de nvestmento em tecnologa parece menos óbvo, mas essa relação decorre do fato de que os setores que produzem novas tecnologas são menos ntensvos em trabalho não qualfcado. Assm, o aumento de saláro mínmo leva à elevação de custo de sua produção proporconalmente menor do que ocorre em outros setores produtores de bens fnas. Assm, há um deslocamento de fatores de produção para o prmero setor e com sso acelera-se o processo de desenvolvmento tecnológco. Ele nduz ao deslocamento da demanda para cma, movendo-se na Fgura 4 de D 0 para D 1. Fgura 4: Equlíbro no mercado de trabalho antes e depos de saláro mínmo Vale adconar a esse mecansmo de desenvolvmento tecnológco o própro nvestmento dentro de cada empresa em aperfeçoamentos e controle dos processos produtvos, que são realzados com mão de obra de maor qualfcação e que por tal não tem sua remuneração afetada pelo saláro mínmo. Quando há elevação dos saláros de mão de obra menos qualfcada, passa a ser lucratvo para as empresas gastar mas dnhero com essas atvdades de aperfeçoamentos e controle dos processos produtvos, pos os gastos adconas com mão de obra mas qualfcada podem se tornar menores que os saláros a serem gastos com desperdícos, dados os preços relatvos anterores. Além dsso, os preços relatvos dos bens e servços produzdos são tal que esses desperdícos agora terão valor mas elevado e por tal poderão contrbur para compensar os nvestmentos menconados, que requerem mão de obra mas qualfcada. Revsta de Economa Polítca 33 (1),

12 Ou seja, todos esses mecansmos mostram que haverá uma aceleração do desenvolvmento de produtvdade que deslocará a demanda para cma e com sso restaurará o pleno emprego no longo prazo, mas com taxas de crescmento maores na transção, para que o novo patamar de renda mas elevado seja atngdo. A Fgura 5, extraída de Barros (1993b), bem representa esse movmento do logartmo da renda (Ln Y) entre dos equlíbros (E 0 e E 1 ) a partr de um aumento do saláro mínmo em t 0 e mostra por que a taxa de crescmento na transção (entre t 0 e t 1 ) será maor. Para que a economa alcance E 1, ela terá de crescer mas rápdo do que as nclnações de E 0 e E 1 defnem. 7 Numa regão em que mas pessoas têm seus saláros afetados por esses choques postvos de saláro, seja ele um mínmo nsttuconal ou determnado por elevação da escassez relatva de mão de obra, haverá uma tendênca a proporconalmente maores ajustes tecnológcos e de produtvdade. Isso decorre do fato de que mas setores produtvos terão seus custos mas afetados por tal choque. A consequênca é que essa regão deverá ter seu crescmento proporconalmente mas afetado pelo choque. Como vsto anterormente, o Nordeste tem mas pessoas com rendmentos próxmos ao saláro mínmo e por tal tendem a ser mas afetados por mudanças no saláro mínmo. Assm, ele tenderá a crescer mas após elevações do saláro mínmo ou da remuneração do trabalho por consequênca de maor escassez de mão de obra causada pelas transferêncas. Fgura 5: Dnâmca da renda após um choque postvo no saláro mínmo 7 Obvamente, se o choque no saláro mínmo não for prevsível, a renda terá um recuo e passará a crescer mas rápdo até que o novo equlíbro seja atngdo em t 1. A lnha tracejada na Fgura 5 mostra esse camnho de Ln Y. Entretanto, esse detalhe não é relevante para a análse aqu. 190 Brazlan Journal of Poltcal Economy 33 (1), 2013

13 Método de estmação dos efetos do saláro mínmo e do Programa Bolsa Famíla no crescmento do Nordeste O método empírco utlzado nca com uma equação de regressão de crescmento com dados longtudnas, como a apresentada por Barro e Sala--Martn (1992), que pode ser representada como: y = β + βy + α X + e j j j = 1 n em que y é a taxa de crescmento do PIB do muncípo entre 2000 e 2006; Y 0 é o logartmo yˆb = ynatural αˆ4b + do αˆ 4nível Bˆ ncal do PIB per capta em um muncípo ; X j são outras varáves que a lteratura aponta como relevantes para explcar a taxa de crescmento e e yˆs = y ˆ α é o termo de erro, com méda zero e varânca fnta. As letras S ˆ + α Sˆ gregas α 5 5 j e β j, para qualquer que seja o j, são parâmetros tomados como constantes entre os muncípos. As yˆ varáves B e yˆ ncluídas S B e Bˆ no S evetor Sˆ X aparecem especfcadas na Tabela 3, junto com suas fontes. Elas podem ser dvddas em dos grupos. O prmero nclu aquelas que são consderadas como determnantes do crescmento na maora dos estudos, como é o caso do PIB per capta em 2000 e da méda dos anos de estudo. Também foram ncluídas entre as varáves prncpas duas parcelas da população que possuem comportamentos dstntos no mercado de trabalho e programas socas. São elas: a parcela da população com dade superor a 16 anos e a parcela da população com dade superor a 70 anos. Juntas essas duas varáves dão uma proxy para a oferta de trabalho mas produtva. Apesar de dados do IBGE já ncluírem, na população economcamente atva (PEA) pessoas com mas de 10 anos, após 16 anos é que a população realmente ganha um perfl mas produtvo e tem uma propensão maor a se ntegrar à PEA. Após 70 anos muto pouca gente está anda atva no mercado de trabalho. Assm, a nclusão de uma varável que defne a proporção desse segmento na população também ajuda a delnear a oferta de trabalho. Anda entre as varáves prncpas, ncluu-se aquelas que são relevantes para testar as prncpas hpóteses desse artgo, que são () a proporção de pessoas na população economcamente atva com rendmento entre meo e dos saláros mínmos, e () a partcpação do Bolsa Famíla no PIB muncpal em A partr dessas duas varáves poder-se-á testar as prncpas hpóteses deste trabalho, que podem ser assm apresentadas: Hpótese I: Os aumentos do saláro mínmo desempenharam papel relevante na determnação do maor crescmento relatvo da regão Nordeste nessa década. Hpótese II: As transferêncas do Governo Federal tendo como objetvo alvar a pobreza também tveram papel relevante na determnação do maor crescmento relatvo do Nordeste nessa década. Hpótese III: É possível mensurar o mpacto relatvo desses dos efetos na determnação do crescmento relatvo do Nordeste e compará-los. (5) Revsta de Economa Polítca 33 (1),

14 A prmera hpótese será testada utlzando-se como proxy para o mpacto do saláro mínmo no crescmento do PIB muncpal o mpacto nessa varável capturado pela partcpação das pessoas com rendmento entre meo e dos saláros mínmos na população economcamente atva total que tem algum rendmento. Para que tal proxy possa capturar o mpacto desejado, será necessáro que o mpacto dos aumentos do saláro mínmo seja mas sentdo nos muncípos que têm população com rendmentos mas afetados pelo saláro mínmo e que essa seja exatamente aquela que tenha rendmento mas próxmo dele. Consderou-se que o segmento da PEA com rendmentos mas afetados pelo saláro mínmo dretamente é aquele cujo rendmento está mas próxmo dele, conforme tem sdo sugerdo em város estudos sobre o efeto farol. 8 Para a escolha desse ntervalo utlzou-se um método smples, que tnha dos prncípos báscos. O prmero é que quanto mas afastado do saláro mínmo, menor o efeto dele sobre os rendmentos dos ndvíduos nesse segmento. O segundo é que a própra hpótese ncal supõe que o efeto do mínmo é maor no Nordeste do que nas demas regões brasleras, com possível exceção do Norte. Assm, somente ntervalos de rendmento em que o Nordeste tvesse maor partcpação na PEA deveram ser ncluídos. A partr desses prncípos báscos, ncalmente dentfcaram-se os ntervalos de renda para os quas os dados do Censo de 2000 estavam dsponíves e organzados pelo IBGE. O saláro mínmo é um dvsor nesses ntervalos. Assm, os dos mas próxmos do saláro mínmo foram tomados como ponto de partda. Eles ncluíam a PEA que receba entre ½ e 1 saláro mínmo e um segundo nclundo ndvíduos com rendmento entre 1 e 2 saláros mínmos. Antes de proceder calcularam-se essas partcpações para as dversas regões e confrmou-se que no Nordeste elas eram maores. A partr dessa prmera etapa, calcularam-se as partcpações dos ntervalos adjacentes, que eram de ¼ a ½ e de 2 a 3 saláros mínmos. No caso do ntervalo entre 2 e 3 saláros mínmos, o Nordeste já não era a regão com maor partcpação. Além dsso, quando esses ntervalos somavam-se aos outros, o Nordeste permaneca não sendo a regão com maor partcpação. Ou seja, esse ntervalo entre 2 e 3 saláros mínmos tera ser descartado para manter a coerênca da proxy cujo propósto era capturar o mpacto dele no crescmento. O ntervalo entre ¼ e ½ saláro mínmo também fo dspensado porque a análse de dados de PNADs revelou que esse ntervalo nclu muta mão de obra que não tem plena ocupação no da. Ou seja, mutos desses ndvíduos não são efetvamente atvos, mas fazem parte de um grupo da população em transção entre a atvdade e a natvdade. Esse grupo também já estara muto afastado do saláro mínmo e por tal já tera suas rendas bem menos afetadas por ele. Assm, fcou-se com ntervalo entre ½ e 2 saláros mínmos. A partcpação dos ndvíduos 8 Ver, por exemplo, Nér, Gonzaga e Camargo (2001), Gambag e Franco (2007), e Barros, Carvalho e Franco (2006). 192 Brazlan Journal of Poltcal Economy 33 (1), 2013

15 com rendmento dentro desse ntervalo na PEA com rendmento postvo fo a varável ncluída para servr de proxy para a relevânca do saláro mínmo no muncípo. No caso da proxy para as transferêncas, utlzou-se a partcpação do Programa Bolsa Famíla no PIB dos muncípos como a proxy para elas. Esses dados só estavam dsponíves a partr de Assm, a partcpação ncluída fo exatamente nesse ano. A nclusão de anos posterores causara causaldade nversa. Ou seja, menos crescmento elevara a partcpação do Bolsa Famíla na renda e podera vesar para baxo o coefcente estmado. Obvamente o fato de a sére de crescmento começar em 2000 e essa varável só ser defnda para 2004 permte que haja tal efeto reverso. Consequentemente, a nterpretação dos resultados deve consderar que os efetos das transferêncas encontrados podem estar um pouco subdmensonados. O segundo grupo de varáves contém aquelas que não são sempre ncluídas nas regressões de crescmento, mas que também aparecem em algumas delas. 9 Essas varáves são subdvddas em outros grupos. São eles: efeto escala, ndcadores de pobreza e segmentação socal. Dentro do subgrupo classfcado como de efeto escala, todas capturam a função do efeto escala na taxa de crescmento dos muncípos. São elas: população, área e parcela da população urbana, todas calculadas para o ano Quanto maor for a partcpação da população urbana, maor será o efeto escala dos negócos do muncípo. Quanto maor a sua área, maor é o negóco rural atenddo pelos servços urbanos e, consequentemente, maor serão os benefícos de escala. Quanto maor é a população, maores também tendem a ser os benefícos de escala. 10 O logartmo natural do PIB per capta em 2000 é também uma varável de efeto escala, mas ela fo ncluída entre as varáves prncpas, com o objetvo de capturar a convergênca dos PIBs per capta. O segundo subgrupo de varáves nclu também um ndcador de pobreza, que é o percentual de pessoas vvendo em domcílos cuja renda per capta é nferor ou gual a meo saláro mínmo. Quanto maor for a parcela da população pobre, maor será a parcela de recursos públcos alocados para alvar a pobreza; então uma menor proporção desses recursos serão nvestdos produtvamente. Por conta dsso, menor tende a ser a taxa de crescmento do PIB per capta do muncípo, recursos dos Governos Estaduas e Federal tendem a ser proporconalmente mas dreconados para alvar a pobreza, quanto mas pobre for o muncípo. Como nvestmentos públcos e prvados são complementares, 11 sso tende a reduzr a taxa de crescmento nos muncípos com maores ndcadores de pobreza. 9 Essa nclusão que se consderou no texto é concetual, não sendo as varáves concretamente defndas necessaramente na forma que aparece a segur. 10 Vale salentar que a população já é ncluída como uma varável com efeto postvo a partr de sua partcpação na defnção do PIB per capta. Consequentemente, em algumas regressões, quando utlzada soznha, além da nclusão do PIB per capta, seu efeto pode aparecer negatvo. 11 Ver, por exemplo, Aschauer (1989), Erenburg (1993) e Erenburg e Wohar (1995). Revsta de Economa Polítca 33 (1),

16 Tabela 3: Varáves e suas defnções Representação das Varáves Descrção das Varáves (orgem) Varáves Dependentes Gy Taxa de crescmento real do PIB no período 2000 a (Contas Naconas - IBGE) Varáves Prncpas PIB per capta 2000 Saláro Mínmo Bolsa Famíla 70 anos 16 anos Méda de anos de estudo Logartmo natural do PIB per capta em 2000, meddo em Reas. (Contas Naconas - IBGE) Proporção da população economcamente atva com algum rendmento que ganham entre meo e dos saláros mínmos. (Censo 2000 IBGE) Partcpação do volume repassado do Programa Bolsa Famíla em 2004 no PIB muncpal de 2000 (MDS e IBGE) Parcela da população com 70 anos ou mas como uma proporção da população com 16 anos ou mas em (Censo IBGE) Parcela da população com dade superor a 16 anos em (Censo IBGE) Méda de anos de estudo do muncípo no ano de (Censo IBGE) Efeto escala População 2000 Área 2000 Urbana Indcadores de Pobreza Taxa de pobreza 2000 Segmentação socal Coefcente de Gn População do muncípo em (Censo IBGE) Área do muncípo em (Censo IBGE) Proporção da população urbana sobre o total em (Censo IBGE) Percentual de pessoas vvendo em domcílos com renda méda abaxo da lnha de pobreza em 2000 (meo saláro mínmo). (Censo IBGE) Coefcente de Gn do muncípo para dstrbução da renda em (Censo IBGE) Há um tercero subgrupo de varáves, chamadas de varáves de segmentação socal, no qual apenas o coefcente de Gn fo ncluído. Mutos estudos argumentam que dstrbução de renda causa algum efeto no crescmento econômco, 12 anda que os argumentos que o justfquem sejam não só varados, como mutas 12 Ver, por exemplo, Tabelln e Persson (1994) e Benabou (1996). 194 Brazlan Journal of Poltcal Economy 33 (1), 2013

17 vezes até contradtóros entre eles. Exstem os argumentos polítcos que ressaltam que a concentração de renda tende a conduzr ao poder polítcos que não são muto pró-nvestmentos e são mas propensos a mplementar polítcas dstrbutvas, além de não terem também foco no apoo aos nvestmentos prvados. 13 Assm havera uma relação nversa entre o coefcente de Gn e o crescmento econômco. Há também o argumento do efeto escala, que defende a dea de que uma melhor dstrbução de renda aumenta o tamanho do mercado e cra mas ncentvos para a ntrodução de novas tecnologas. Assm, também nesse caso havera uma relação nversa entre coefcente de Gn e crescmento econômco. Outro argumento que aparece na lteratura defende a exstênca de efeto contráro aos anterores. Ele basea-se na hpótese de que a maor concentração de renda gerara maor poder de nvestmento, pos aumentara a proporção de renda nas mãos de pessoas com maor propensão a poupar e que teram mas facldade em nvestr. Assm, a economa tendera a crescer mas rápdo por causa da maor dsponbldade de recursos para tal. 14 Como consequênca dessas vsões contradtóras, o snal esperado do coefcente de Gn é ncerto. 15 A nclusão das varáves segue uma regra smples: prmero, estma-se o modelo apenas com a nclusão das varáves prncpas; segundo, promove-se uma nova rodada de estmações, na qual serão ncluídas as varáves explcatvas de efeto escala, todas de uma vez; numa tercera rodada de estmações serão ncluídas as varáves de segmentação socal; ou seja, o coefcente de Gn. Por fm, uma quarta e últma rodada de estmações nclurá o coefcente de pobreza, além de todas as demas varáves prevamente ncluídas. Esse método de nclusão progressva de conjunto de varáves vsa gerar nformações sobre a establdade dos coefcentes relevantes para o presente estudo. Com ele será possível se perceber, em algumas crcunstâncas, se as varáves saláro mínmo e Bolsa Famíla estão gerando resultados espúros por consequênca de sua correlação com outras relevantes para explcar o crescmento do PIB. Mesmo que o método não exclua a possbldade de tal problema exstr e não ser percebdo, prncpalmente quando essas outras varáves não são ncluídas no modelo, anda assm ele pode dar alguma ndcação e evtar erros grosseros na nterpretação dos resultados. As estmações foram fetas, para cada conjunto de equações, utlzando o método dos Mínmos Quadrados Ordnáros (MQO), com correção para heterocedastcdade pelo método de Whte (1980), e o método dos Mínmos Desvos Absolutos. A amostra nclurá todos os muncípos lstados no ano 2000 para a regão Nordeste do Brasl que não tveram suas áreas alteradas por desmembramentos. 13 Ver, por exemplo, Alesna e Rodrk (1994). 14 Entre muncípos pode haver mgração de poupança com muta facldade. Assm, essa hpótese só torna-se válda caso algumas outras hpóteses quanto ao comportamento do fluxo de nformação sejam verdaderas. 15 Ver Benabou (1996) para uma pesqusa com dferentes resultados de estudos empírcos e teórcos referentes a esta relação. Bjørnskov (2008) possu uma abordagem dferente a este problema. Revsta de Economa Polítca 33 (1),

18 Essa restrção permte que se mantenha coerênca em váras dessas varáves, como PIB per capta, área e população, por exemplo. Resultados empírcos Os resultados dos dversos modelos estmados foram omtdos por problema de espaço. Entretanto, eles encontram-se dsponíves com os autores e podem ser envados a partr de demanda. Eles foram utlzados para fazer duas smulações mportantes. Em cada uma delas foram crados valores smulados para as duas varáves relevantes para a estmação do mpacto das transferêncas e do saláro mínmo no crescmento do PIB. Esses valores foram crados a partr de uma lógca smples, que fo tornar a méda da regão Nordeste para essas varáves como sendo gual à méda naconal. Para sso recorreu-se a um artfíco matemátco smples, que fo multplcar o valor dessa varável em cada um dos muncípos pela sua méda para todo o país e dvdr pela méda do Nordeste. Assm, obtveram-se valores artfcas para as duas varáves, que poderam ser entenddos como aqueles que deveram prevalecer caso o Nordeste não tvesse tdo condções melhores para se benefcar das duas polítcas. Essas duas séres de valores artfcalmente crados foram utlzadas para substtur as orgnas numa n recomposção das taxas de crescmento. Assm procedeu-se n y às seguntes operações, crando j j j j e = β 0 + β 1 Y α jxj + e novas séres smuladas das taxas de crescmento do jj= j = 1 1 PIB dos muncípos nordestnos: n y = β0 + β1y0 + α jxj + e yˆ B 4 B = y αˆ B + αˆ ˆ B j = ˆ 4 ˆ n (6) ˆ y = β0 + β1y0 + α jxj + e j = 1 yˆ S S S = y αˆ S + αˆ Sˆ yˆb = y Sˆ (7) αˆ B + αˆ 4 4B ˆ 5 5 n 5 5 yˆb = y αˆ B + αˆ y B = β0 + β1y0 + α jxj + e 4 4 ˆ onde yˆb B e B y ˆS B são S as e S taxas Bˆ e Bˆ S de e S crescmento Sˆ yˆ e S = y ˆ α S ˆ + α Sˆ j = Sˆ do PIB do muncípo quando os valores das varáves referentes ao Bolsa Famíla e ao saláro mínmo, respectvamente, são yˆs = y αˆ S ˆ Sˆ 5 + α5 os smulados pela lógca descrta yˆ acma. B e yˆs B e Bˆ são S eos Sˆvalores yˆb = y observados αˆ B + αˆ 4 4B ˆ e smulados da proporção dos recursos dstrbuídos pelo Programa Bolsa Famíla no PIB do muncípo, yˆ respectvamente. B e yˆs B e Bˆ S e Sˆ são os valores observados e smulados da yˆs = y αˆ S ˆ Sˆ 5 + α5 partcpação da população recebendo de ½ a 2 saláros mínmos na PEA com remuneração do muncípo, respectvamente. Os valores smulados das taxas de crescmento, yˆb e yˆs, foram B e Bˆ utlzados S e Sˆ para recompor valores smulados do PIB de 2006 nos dversos muncípos. Esses valores foram agregados para toda a regão e assm gerou-se uma taxa de crescmento do PIB na regão para cada uma das duas hpóteses alternatvas. A prmera, de que não houve maor proporção de transferêncas va Programa Bolsa Famíla para o Nordeste e a segunda, de que não houve maor benefíco da regão com o aumento do saláro mínmo. Essas taxas aparecem na Tabela 4 na sexta e sétma colunas, respectvamente. 196 Brazlan Journal of Poltcal Economy 33 (1), 2013

19 Tabela 4: Resultados das smulações para o cálculo do mpacto do Programa Bolsa Famíla e das varações do saláro mínmo no PIB de 2006 e na sua taxa de crescmento Modelo Coefcente do BF Coeffcente do SM Partcpação percentual do PIB smulado no efetvo quando a méda da partcpação das transferêncas do BF no PIB do Nordeste é gual à méda naconal. Partcpação percentual do PIB smulado no efetvo em 2006 quando a méda da partcpação das pessoas com rendmento entre ½ e 2 saláros mínmos na população com rendmento no Nordeste é gual à méda naconal. Crescmento anual médo do PIB smulado entre 2000 e 2006 quando a méda da partcpação das transferêncas do BF no PIB do Nordeste é gual à méda naconal. Crescmento anual médo do PIB smulado entre 2000 e 2006 quando a méda da partcpação das pessoas com rendmento entre ½ e 2 saláros mínmos na população com rendmento no Nordeste é gual à méda naconal. MQO (1) 0, , ,0% 98,9% 3,3% 4,0% MDA(1) 0, , ,4% 98,7% 3,2% 4,0% MQO(2) 0, , ,1% 98,9% 3,4% 4,0% MDA(2) 0, , ,2% 98,9% 3,0% 4,0% MQO(3) 0, , ,6% 98,9% 3,3% 4,0% MDA(3) 0, , ,3% 99,1% 3,0% 4,1% MQO(4) 0, , ,1% 98,9% 3,3% 4,0% MDA(4) 0, , ,1% 99,0% 3,0% 4,1% Fonte: Cálculos própros. Essas smulações mostram que é possível mensurar o mpacto relatvo dos efetos das transferêncas e do saláro mínmo na determnação do crescmento relatvo do Nordeste e compará-los. Os dados da tabela 4 mostram que as transferêncas va Bolsa Famíla tveram mpacto bem maor que os aumentos do saláro mínmo. Tendo como base de comparação uma taxa de crescmento anual méda efetva para o conjunto dos muncípos ncluídos na amostra de 4,2%, vê-se que, se não houvesse maor proporção de transferêncas va Programa Bolsa Famíla no PIB, a regão tera tdo seu crescmento reduzdo para algo entre 3,0% e 3,4% apenas, varando de acordo com o modelo estmado. Caso não houvesse condções melhores do Nordeste para se benefcar dos aumentos do saláro mínmo, a regão também tera amargado quedas na sua taxa de crescmento, porém menores do que no caso anteror. Essa queda tera sdo para algo em torno de 4,0% a 4,1%, dependendo do modelo. Ou seja, o PIB tera tdo sua taxa de crescmento reduzda de 4,22% para algo entre 4,0% e 4,1%, se não fosse pela sua stuação prvlegada para se benefcar dos aumentos do saláro mínmo. Isso sgnfca que a queda na taxa de crescmento tera sdo menor do que tera ocorrdo caso as transferêncas não tvessem sdo proporconalmente maores na regão. As quarta e qunta colunas trazem resultados cuja ntução é mas fácl de ser percebda. Nessas colunas utlzaram-se as taxas de crescmento para smular os PIBs muncpas em 2006 e comparou-se seu agregado para toda a regão com os valores efetvamente observados. Caso não houvesse o maor benefíco do Programa Bolsa Famíla, o PIB do Nordeste em 2006 tera sdo algo em torno de 93% e 95,1% do Revsta de Economa Polítca 33 (1),

20 que fo efetvamente observado naquele ano. Da mesma forma, sem as condções prvlegadas para se benefcar dos aumentos do saláro mínmo, o Nordeste tera tdo em 2006 um PIB que sera algo em torno de 99% do efetvamente observado. Conclusões Este artgo nsere-se na dscussão exstente sobre os determnantes do maor crescmento do PIB nordestno nos últmos anos, quando se compara à méda naconal, utlzando para tal uma abordagem econométrca. Incalmente fez-se uma síntese dos fundamentos teórcos prncpas das duas hpóteses que têm sdo mas comumente apresentadas como potencas fontes de explcação. Em seguda, desenvolveu-se um método para confrontar a magntude relatva dessas duas prncpas hpóteses e, por fm, estmou-se o mpacto relatvo de cada uma delas. As hpóteses confrontadas foram: () a regão tem se benefcado relatvamente mas dos programas de transferênca de renda do Governo Federal, como o Bolsa Famíla; e () os aumentos do saláro mínmo têm tdo mpacto postvo maor na renda local porque a regão tem um percentual maor de pessoas cujo rendmento é nfluencado por ele. Apesar de dentro da teora ortodoxa o mpacto de ambas as polítcas no crescmento econômco ser negatvo, mostrou-se que sob algumas hpóteses plausíves, como concorrênca monopolístca, retornos crescentes de escala e maor densdade de captal humano no setor gerador de novações tecnológcas, elas podem acelerar o crescmento, como geralmente suposto nas dscussões. O teste empírco baseou-se em regressões de crescmento com dados longtudnas, que são padrão na lteratura. A amostra ncluu dados por muncípo da regão Nordeste. A taxa de crescmento fo calculada entre 2000 e 2006, últmo ano para o qual hava dados dsponíves na época da elaboração das estmações. Algumas smulações de crescmento contrafactuas, sob hpóteses alternatvas, servram de base para a comparação dos efetos relatvos das duas polítcas. Os resultados ndcaram que, conforme prevsto pelas teoras apresentadas, o mpacto das duas polítcas na taxa de crescmento dos muncípos nordestnos é postva e sgnfcatvamente dferente de zero. Tanto os aumentos do saláro mínmo como as transferêncas va Programa Bolsa Famíla tveram mpactos postvos no crescmento da regão no período analsado. As smulações, por sua vez, ndcaram que o efeto do Programa Bolsa Famíla fo superor ao dos aumentos do saláro mínmo. Ou seja, apesar de ambas as polítcas terem contrbuído para o maor crescmento da regão, o Programa Bolsa Famíla contrbuu mas que o saláro mínmo. As dscussões teórcas ndcaram que o maor crescmento do PIB da regão por decorrênca dessas duas polítcas é um fenômeno transtóro. Ambas estão mudando o patamar de equlíbro da relação entre o PIB per capta do Nordeste e o do resto do Brasl. Não há razão, contudo, para acredtar que esse novo patamar atngdo será muto superor ao que já exste hoje ou que as dspardades serão elmnadas a partr de um movmento de convergênca recentemente desencadeado. Se os argumentos teórcos apresentados forem corretos, essa nova relação de equlíbro entre regões deverá depender de quanto o saláro mínmo e os programas de transferênca poderão contnuar aumentando. No caso das transferêncas, elas pa- 198 Brazlan Journal of Poltcal Economy 33 (1), 2013

21 recem ter já atngdo níves a partr dos quas a partcpação delas no PIB não mas se elevará. O saláro mínmo, contudo, anda não deu snas de que terá uma establdade em termos reas, apesar de já começarem a aparecer os prmeros questonamentos sobre sua capacdade de contnuar se elevando. 16 Referêncas bblográfcas Acemoglu, D., (2009) When does labor scarcty encourage nnovaton?, NBER Workng Paper # 14809, NBER, Cambrdge MA, Março. Alesna, A. e D. Rodrk, (1994) Dstrbutve poltcs and economc growth, Quarterly Journal of Economcs, 109(2), Alesna, Alberto F. e Joseph Zera, (2006) Technology and labor regulatons, Harvard Insttute of Economc Research Dscusson Paper, # 2123, October. Aschauer, D., (1989) Does publc captal crowd out prvate captal?, Journal of Monetary Economcs, 24, Barro, R. e X. Sala--Martn, (1992) Convergence, Journal of Poltcal Economy, 100, Barros, A., (1993) Real wages and economc growth: a structuralst hypothess n an endogenous growth model, Anas do XV Encontro Braslero de Econometra, Ro de Janero. Barros, A., (1993) The role of wage stckness n economc growth, Anas do XXI Encontro Naconal de Economa, Belo Horzonte. Barros, R. P. de; M. Carvalho e S. Franco, (2006) A efetvdade do saláro mínmo como um nstrumento para reduzr a pobreza no Brasl. Boletm de Conjuntura, Ro de Janero, Ipea, n. 74, Nota Técnca. Benabou, R., (1996) Inequalty and growth, n B. Bernanke and J. Rotemberg (eds.), NBER Macroeconomcs Annual 1996, 11-73, Cambrdge, MA: MIT Press. Bjørnskov, C., (2008) Inequalty, tolerance and growth, Workng Paper 04-8, Department of Economcs, Aarhus School of Busness. Cahuc, P., e P. Mchel, (1996) Mnmum wage unemployment and growth. European Economc Revew, p Erenburg, S., (1993) The relatonshp between publc and prvate nvestment, The Jerome Levy Economcs Insttute of Bard College and Eastern Mchgan Unversty Workng Paper # 85. Erenburg, S. M. Wohar, (1995) Publc and prvate nvestment: are there causal lnkages?, Journal of Macroeconomcs, 17(1): Gambag, F e S. Franco, (2007) O esgotamento do papel do saláro mínmo como mecansmo de combate à pobreza extrema, IPEA, Texto para Dscussão n Hcks, J., (1932) The Theory of Wages, London: Macmllan. Lucas, R., (1988) On the mechancs of economc development, Journal of Monetary Economcs, 22(1): Marx, K., (1887) Captal, London: Swan Sonnenschen, Lowry & Co. Nér, G., G. Gonzaga e J. M. Camargo, (2001) Saláro mínmo, efeto farol e pobreza, Revsta de Economa Polítca, 21(2): Romer, P., (1990) Endogenous technologcal change, Journal of Poltcal Economy, 98(5): Tabelln, G. e T. Persson, (1994) Is nequalty harmful for growth?, Amercan Economc Revew, 84(3), Whte, H., (1980) A heteroscedastcty-consstent covarance matrx estmator and a drect test for heteroscedastcty, Econometrca, 48: Ver, por exemplo, Gambag e Franco (2007). Revsta de Economa Polítca 33 (1),

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2 Econometra - Lsta 3 - Regressão Lnear Múltpla Professores: Hedbert Lopes, Prscla Rbero e Sérgo Martns Montores: Gustavo Amarante e João Marcos Nusdeo QUESTÃO 1. Você trabalha na consultora Fazemos Qualquer

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL. A FUNÇÃO DE PRODUÇÃO E SUPERMERCADOS NO BRASIL ALEX AIRES CUNHA (1) ; CLEYZER ADRIAN CUNHA (). 1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL;.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira Impactos dos encargos socas na economa braslera Mayra Batsta Btencourt Professora da Unversdade Federal de Mato Grosso do Sul Erly Cardoso Texera Professor da Unversdade Federal de Vçosa Palavras-chave

Leia mais

MIGRAÇÃO INTERNA E SELETIVIDADE: UMA APLICAÇÃO PARA O BRASIL

MIGRAÇÃO INTERNA E SELETIVIDADE: UMA APLICAÇÃO PARA O BRASIL MIGRAÇÃO INTERNA E SELETIVIDADE: UMA APLICAÇÃO PARA O BRASIL RESUMO Francel Tonet Macel 1 Ana Mara Hermeto Camlo de Olvera 2 O objetvo deste trabalho fo verfcar possíves fatores determnantes da decsão

Leia mais

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Análse de Regressão Profa Alcone Mranda dos Santos Departamento de Saúde Públca UFMA Introdução Uma das preocupações estatístcas ao analsar dados, é a de crar modelos que explctem estruturas do fenômeno

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001 Sstemas de Flas: Aula 5 Amedeo R. Odon 22 de outubro de 2001 Teste 1: 29 de outubro Com consulta, 85 mnutos (níco 10:30) Tópcos abordados: capítulo 4, tens 4.1 a 4.7; tem 4.9 (uma olhada rápda no tem 4.9.4)

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL,

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, 1980/2000 2 1. INTRODUÇÃO 2 2. METODOLOGIA 3 3. ANÁLISE COMPARATIVA

Leia mais

DECOMPOSIÇÃO HIERÁRQUICA DA DESIGUALDADE DE RENDA BRASILEIRA 1

DECOMPOSIÇÃO HIERÁRQUICA DA DESIGUALDADE DE RENDA BRASILEIRA 1 DECOMPOSIÇÃO HIERÁRQUICA DA DESIGUALDADE DE RENDA BRASILEIRA 1 ópco: Dspardades regonas - estudos comparados de desenvolvmento e gestão terrtoral Márco Antôno Salvato 2 Paola Fara Lucas de Souza 3 Resumo:

Leia mais

UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE COMBATE AO ANALFABETISMO NO BRASIL

UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE COMBATE AO ANALFABETISMO NO BRASIL UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE COMBATE AO ANALFABETISMO NO BRASIL Área 11 - Economa Socal e Demografa Econômca Classfcação JEL: I28, H52, C35. André Olvera Ferrera Lourero Insttuto de Pesqusa

Leia mais

reducing income disparities in Brazil and the Northeast and Southeast regions of the country, showing that the fight against social inequalities

reducing income disparities in Brazil and the Northeast and Southeast regions of the country, showing that the fight against social inequalities A Importânca da Educação para a Recente Queda da Desgualdade de Renda Salaral no Brasl: Uma análse de decomposção para as regões Nordeste e Sudeste Valdemar Rodrgues de Pnho Neto Técnco de pesqusa do Insttuto

Leia mais

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial O mgrante de retorno na Regão Norte do Brasl: Uma aplcação de Regressão Logístca Multnomal 1. Introdução Olavo da Gama Santos 1 Marnalva Cardoso Macel 2 Obede Rodrgues Cardoso 3 Por mgrante de retorno,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

TRANSFERÊNCIAS FISCAIS E CONVERGÊNCIA REGIONAL NO BRASIL. PALAVRAS CHAVES: Crescimento, Transferências, Dinâmica, Convergência e Governo.

TRANSFERÊNCIAS FISCAIS E CONVERGÊNCIA REGIONAL NO BRASIL. PALAVRAS CHAVES: Crescimento, Transferências, Dinâmica, Convergência e Governo. TRANSFERÊNCIAS FISCAIS E CONVERGÊNCIA REGIONAL NO BRASIL PALAVRAS CHAVES: Crescmento, Transferêncas, Dnâmca, Convergênca e Governo. PEDRO JUCÁ MACIEL Analsta de Fnanças da STN/Mnstéro da Fazenda Mestre

Leia mais

Como aposentadorias e pensões afetam a educação e o trabalho de jovens do domicílio 1

Como aposentadorias e pensões afetam a educação e o trabalho de jovens do domicílio 1 Como aposentadoras e pensões afetam a educação e o trabalo de jovens do domcílo 1 Rodolfo Hoffmann 2 Resumo A questão central é saber como o valor da parcela do rendmento domclar formada por aposentadoras

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

Palavras-chave: jovens no mercado de trabalho; modelo de seleção amostral; região Sul do Brasil.

Palavras-chave: jovens no mercado de trabalho; modelo de seleção amostral; região Sul do Brasil. 1 A INSERÇÃO E O RENDIMENTO DOS JOVENS NO MERCADO DE TRABALHO: UMA ANÁLISE PARA A REGIÃO SUL DO BRASIL Prscla Gomes de Castro 1 Felpe de Fgueredo Slva 2 João Eustáquo de Lma 3 Área temátca: 3 -Demografa

Leia mais

Determinantes da Desigualdade de Renda em Áreas Rurais do Nordeste.

Determinantes da Desigualdade de Renda em Áreas Rurais do Nordeste. Determnantes da Desgualdade de Renda em Áreas Ruras do Nordeste. Autores FLÁVIO ATALIBA BARRETO DÉBORA GASPAR JAIR ANDRADE ARAÚJO Ensao Sobre Pobreza Nº 18 Março de 2009 CAEN - UFC Determnantes da Desgualdade

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO - VI GRUPO DE ESTUDO DE COMERCIALIZAÇÃO, ECONOMIA E REGULAÇÃO DE ENERGIA

Leia mais

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado 64 Capítulo 7: Introdução ao Estudo de Mercados de Energa Elétrca 7.4 Precfcação dos Servços de Transmssão em Ambente Desregulamentado A re-estruturação da ndústra de energa elétrca que ocorreu nos últmos

Leia mais

Análise do Retorno da Educação na Região Norte em 2007: Um Estudo à Luz da Regressão Quantílica.

Análise do Retorno da Educação na Região Norte em 2007: Um Estudo à Luz da Regressão Quantílica. Análse do Retorno da Edcação na Regão Norte em 2007: Um Estdo à Lz da Regressão Qantílca. 1 Introdcão Almr Rogéro A. de Soza 1 Jâno Macel da Slva 2 Marnalva Cardoso Macel 3 O debate sobre o relaconamento

Leia mais

PARTE 1. 1. Apresente as equações que descrevem o comportamento do preço de venda dos imóveis.

PARTE 1. 1. Apresente as equações que descrevem o comportamento do preço de venda dos imóveis. EXERCICIOS AVALIATIVOS Dscplna: ECONOMETRIA Data lmte para entrega: da da 3ª prova Valor: 7 pontos INSTRUÇÕES: O trabalho é ndvdual. A dscussão das questões pode ser feta em grupo, mas cada aluno deve

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ110 : Prncípos de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br Potencal químco, m potencal químco CQ110 : Prncípos de FQ Propredades termodnâmcas das soluções

Leia mais

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel Estmatva da Incerteza de Medção da Vscosdade Cnemátca pelo Método Manual em Bodesel Roberta Quntno Frnhan Chmn 1, Gesamanda Pedrn Brandão 2, Eustáquo Vncus Rbero de Castro 3 1 LabPetro-DQUI-UFES, Vtóra-ES,

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é:

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é: UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI A REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS Ademr José Petenate Departamento de Estatístca - Mestrado em Qualdade Unversdade Estadual de Campnas Brasl 1. Introdução Qualdade é hoje

Leia mais

III. Consequências de um novo padrão de inserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na região metropolitana de São Paulo

III. Consequências de um novo padrão de inserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na região metropolitana de São Paulo CEPAL - SERIE Polítcas socales N 60 III. Consequêncas de um novo padrão de nserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na regão metropoltana de São Paulo A. Introdução Rcardo Paes de

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00)

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00) Bussab&Morettn Estatístca Básca Capítulo 4 Problema. (b) Grau de Instrução Procedênca º grau º grau Superor Total Interor 3 (,83) 7 (,94) (,) (,33) Captal 4 (,) (,39) (,) (,3) Outra (,39) (,7) (,) 3 (,3)

Leia mais

ABERTURA COMERCIAL, CRESCIMENTO ECONÔMICO E TAMANHO DOS ESTADOS: EVIDÊNCIAS PARA O BRASIL.

ABERTURA COMERCIAL, CRESCIMENTO ECONÔMICO E TAMANHO DOS ESTADOS: EVIDÊNCIAS PARA O BRASIL. ABERTURA COMERCIAL, CRESCIMENTO ECONÔMICO E TAMANHO DOS ESTADOS: EVIDÊNCIAS PARA O BRASIL. André Matos Magalhães Vctor Carvalho Castelo Branco 2 Tago Vasconcelos Cavalcant 3 Resumo Este trabalho consste

Leia mais

TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDANÇA NO RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ENTRE OS MUNICÍPIOS CEARENSES

TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDANÇA NO RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ENTRE OS MUNICÍPIOS CEARENSES GOVERO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DE PLAEJAMETO E GESTÃO (SEPLAG) Insttuto de Pesqusa e Estratéga Econômca do Ceará (IPECE) TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDAÇA O RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ETRE

Leia mais

ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO

ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO Roberta Montello Amaral (UNIFESO) amaralroberta@yahoo.com.br Crado em 1990, o Saeb é um sstema de avalação do MEC que, junto à

Leia mais

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado Varabldade Espacal do Teor de Água de um Argssolo sob Planto Convenconal de Fejão Irrgado Elder Sânzo Aguar Cerquera 1 Nerlson Terra Santos 2 Cásso Pnho dos Res 3 1 Introdução O uso da água na rrgação

Leia mais

SALÁRIO DE RESERVA E DURAÇÃO DO DESEMPREGO NO BRASIL: UMA ANÁLISE COM DADOS DA PESQUISA DE PADRÃO DE VIDA DO IBGE

SALÁRIO DE RESERVA E DURAÇÃO DO DESEMPREGO NO BRASIL: UMA ANÁLISE COM DADOS DA PESQUISA DE PADRÃO DE VIDA DO IBGE SALÁRIO DE RESERVA E DURAÇÃO DO DESEMPREGO NO BRASIL: UMA ANÁLISE COM DADOS DA PESQUISA DE PADRÃO DE VIDA DO IBGE Vctor Hugo de Olvera José Ramundo Carvalho Resumo O objetvo do presente estudo é o de analsar

Leia mais

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI.

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI. O desempenho setoral dos muncípos que compõem o Sertão Pernambucano: uma análse regonal sob a ótca energétca. Carlos Fabano da Slva * Introdução Entre a publcação de Methods of Regonal Analyss de Walter

Leia mais

DETERMINANTES SOCIODEMOGRÁFICOS E ECONÔMICOS DAS ATIVIDADES DOS IDOSOS NO NORDESTE BRASILEIRO RESUMO

DETERMINANTES SOCIODEMOGRÁFICOS E ECONÔMICOS DAS ATIVIDADES DOS IDOSOS NO NORDESTE BRASILEIRO RESUMO Revsta Economa e Desenvolvmento, n. 21, 2009 DETERMINANTES SOCIODEMOGRÁFICOS E ECONÔMICOS DAS ATIVIDADES DOS IDOSOS NO NORDESTE BRASILEIRO Elane Pnhero de Sousa 1 João Eustáquo de Lma 2 RESUMO As mudanças

Leia mais

Desigualdade da distribuição da renda no Brasil: a contribuição de aposentadorias e pensões e de outras parcelas do rendimento domiciliar per capita 1

Desigualdade da distribuição da renda no Brasil: a contribuição de aposentadorias e pensões e de outras parcelas do rendimento domiciliar per capita 1 Desgualdade da dstrbução da renda no Brasl: a contrbução de aposentadoras e pensões e de outras parcelas do rendmento domclar per capta Rodolfo Hoffmann 2 Resumo Incalmente são dscutdos problemas metodológcos

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES O Danel Slvera pedu para eu resolver mas questões do concurso da CEF. Vou usar como base a numeração do caderno foxtrot Vamos lá: 9) Se, ao descontar uma promssóra com valor de face de R$ 5.000,00, seu

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

7 - Distribuição de Freqüências

7 - Distribuição de Freqüências 7 - Dstrbução de Freqüêncas 7.1 Introdução Em mutas áreas há uma grande quantdade de nformações numércas que precsam ser dvulgadas de forma resumda. O método mas comum de resumr estes dados numércos consste

Leia mais

Estatística stica Descritiva

Estatística stica Descritiva AULA1-AULA5 AULA5 Estatístca stca Descrtva Prof. Vctor Hugo Lachos Davla oo que é a estatístca? Para mutos, a estatístca não passa de conjuntos de tabelas de dados numércos. Os estatístcos são pessoas

Leia mais

UM EXAME DA RELAÇÃO ENTRE A INDÚSTRIA DA MODA E VARIÁVEIS SÓCIO-ECONOMICAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO

UM EXAME DA RELAÇÃO ENTRE A INDÚSTRIA DA MODA E VARIÁVEIS SÓCIO-ECONOMICAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO UM EXAME DA RELAÇÃO ENTRE A INDÚSTRIA DA MODA E VARIÁVEIS SÓCIO-ECONOMICAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO MARIANA CAVALCANTI PINCOVSKY DE LIMA; ANDRÉ DE SOUZA MELO; RICARDO CHAVES LIMA; UFPE/PIMES RECIFE - PE

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS RETORNOS AOS INVESTIMENTOS EM EDUCAÇÃO PARA TRABALHADORES DO SEXO MASCULINO NO BRASIL vanessadafonsecapereira@gmail.

AVALIAÇÃO DOS RETORNOS AOS INVESTIMENTOS EM EDUCAÇÃO PARA TRABALHADORES DO SEXO MASCULINO NO BRASIL vanessadafonsecapereira@gmail. AVALIAÇÃO DOS RETORNOS AOS INVESTIMENTOS EM EDUCAÇÃO PARA TRABALHADORES DO SEXO MASCULINO NO BRASIL vanessadafonsecaperera@gmal.com Apresentação Oral-Desenvolvmento Rural, Terrtoral e regonal VANESSA DA

Leia mais

3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Medidas Numéricas

3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Medidas Numéricas PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EGEHARIA DE TRASPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMETO DE EGEHARIA CIVIL ECV DISCIPLIA: TGT41006 FUDAMETOS DE ESTATÍSTICA 3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Meddas umércas

Leia mais

Covariância e Correlação Linear

Covariância e Correlação Linear TLF 00/ Cap. X Covarânca e correlação lnear Capítulo X Covarânca e Correlação Lnear 0.. Valor médo da grandeza (,) 0 0.. Covarânca na propagação de erros 03 0.3. Coecente de correlação lnear 05 Departamento

Leia mais

Desempenho dos microempreendedores no Brasil Adriana Fontes 1 Valéria Pero 2. Resumo

Desempenho dos microempreendedores no Brasil Adriana Fontes 1 Valéria Pero 2. Resumo Resumo Desempenho dos mcroempreendedores no Brasl Adrana Fontes 1 Valéra Pero 2 Os mcroempreendedores formam um grupo muto heterogêneo no Brasl, mas sobre-representados na pobreza. Este artgo examna, com

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE REDUÇÃO DE CUSTOS SALARIAIS: EVIDÊNCIA MICROECONÓMICA COM INFORMAÇÃO QUALITATIVA *

ESTRATÉGIAS DE REDUÇÃO DE CUSTOS SALARIAIS: EVIDÊNCIA MICROECONÓMICA COM INFORMAÇÃO QUALITATIVA * ESTRATÉGIAS DE REDUÇÃO DE CUSTOS SALARIAIS: EVIDÊNCIA MICROECONÓMICA COM INFORMAÇÃO QUALITATIVA * 39 Danel A. Das ** Carlos Robalo Marques *** Fernando Martns **** Artgos Resumo Este artgo nvestga a forma

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 4.3. Decisão Intertemporal do Consumidor O Mercado de Capital

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 4.3. Decisão Intertemporal do Consumidor O Mercado de Capital Mcroeconoma II Cursos de Economa e de Matemátca Aplcada à Economa e Gestão AULA 4.3 Decsão Intertemporal do Consumdor O Mercado de Captal Isabel Mendes 2007-2008 4/17/2008 Isabel Mendes/MICRO II 1 3. EQUILÍBRIO

Leia mais

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino IV - Descrção e Apresentação dos Dados Prof. Herondno Dados A palavra "dados" é um termo relatvo, tratamento de dados comumente ocorre por etapas, e os "dados processados" a partr de uma etapa podem ser

Leia mais

DESEMPENHO COMERCIAL DAS EMPRESAS ESTRANGEIRAS NO BRASIL NA DÉCADA DE 90: UMA ANÁLISE DE DADOS EM PAINEL.

DESEMPENHO COMERCIAL DAS EMPRESAS ESTRANGEIRAS NO BRASIL NA DÉCADA DE 90: UMA ANÁLISE DE DADOS EM PAINEL. DESEMPENHO COMERCIAL DAS EMPRESAS ESTRANGEIRAS NO BRASIL NA DÉCADA DE 90: UMA ANÁLISE DE DADOS EM PAINEL. 1 APRESENTAÇÃO Nos anos 90, o país assstu a vultosas entradas de capal estrangero tanto de curto

Leia mais

O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS*

O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS* O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS* Sóna Costa** Luísa Farnha** 173 Artgos Resumo As nsttuções fnanceras

Leia mais

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA ",, 1," ;,,," 1, C?5lMnstérO Públco do "':'1"') Trabalho PRT 23,! Superlntenrlenca RegonaJ do Ma:toGro$So!! (', ' \_ \ '1 j t t' 1 PROJETO: Qualfcação e Renserção Profssonal dos Resgatados do Trabalho

Leia mais

Caderno de Exercícios Resolvidos

Caderno de Exercícios Resolvidos Estatístca Descrtva Exercíco 1. Caderno de Exercícos Resolvdos A fgura segunte representa, através de um polígono ntegral, a dstrbução do rendmento nas famílas dos alunos de duas turmas. 1,,75 Turma B

Leia mais

Avaliação da Tendência de Precipitação Pluviométrica Anual no Estado de Sergipe. Evaluation of the Annual Rainfall Trend in the State of Sergipe

Avaliação da Tendência de Precipitação Pluviométrica Anual no Estado de Sergipe. Evaluation of the Annual Rainfall Trend in the State of Sergipe Avalação da Tendênca de Precptação Pluvométrca Anual no Estado de Sergpe Dandara de Olvera Félx, Inaá Francsco de Sousa 2, Pablo Jónata Santana da Slva Nascmento, Davd Noguera dos Santos 3 Graduandos em

Leia mais

Programa de reforma agrária Cédula da Terra: medindo a eficiência dos beneficiários

Programa de reforma agrária Cédula da Terra: medindo a eficiência dos beneficiários Programa de reforma agrára Cédula da Terra: medndo a efcênca dos benefcáros RESUMO Hldo Merelles de Souza Flho Mguel Rocha de Sousa Antôno Márco Buanan José Mara Slvera Marcelo Marques Magalhães Esse artgo

Leia mais

IMPACTO DO FINANCIAMENTO DO BNDES SOBRE A PRODUTIVIDADE DAS EMPRESAS: UMA APLICAÇÃO DO EFEITO QUANTÍLICO DE TRATAMENTO 1

IMPACTO DO FINANCIAMENTO DO BNDES SOBRE A PRODUTIVIDADE DAS EMPRESAS: UMA APLICAÇÃO DO EFEITO QUANTÍLICO DE TRATAMENTO 1 IMPACTO DO FINANCIAMENTO DO BNDES SOBRE A PRODUTIVIDADE DAS EMPRESAS: UMA APLICAÇÃO DO EFEITO QUANTÍLICO DE TRATAMENTO 1 Danlo Coelho Insttuto de Pesqusa Econômca Aplcada João Alberto De Negr (IPEA) Insttuto

Leia mais

EFEITOS REDISTRIBUTIVOS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA E REDUÇÃO TRIBUTÁRIA NOS SETORES AGROPECUÁRIO E AGROINDUSTRIAL

EFEITOS REDISTRIBUTIVOS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA E REDUÇÃO TRIBUTÁRIA NOS SETORES AGROPECUÁRIO E AGROINDUSTRIAL Vladmr Fara dos Santos, Wlson da Cruz Vera & Bríco dos ISSN Santos Res 1679-1614 EFEITOS REDISTRIBUTIVOS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA E REDUÇÃO TRIBUTÁRIA NOS SETORES AGROPECUÁRIO E AGROINDUSTRIAL Vladmr

Leia mais

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas Introdução à Análse de Dados nas meddas de grandezas físcas www.chem.wts.ac.za/chem0/ http://uregna.ca/~peresnep/ www.ph.ed.ac.uk/~td/p3lab/analss/ otas baseadas nos apontamentos Análse de Dados do Prof.

Leia mais

IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1

IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1 IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1 Rcardo Kuresk 2 Glson Martns 3 Rossana Lott Rodrgues 4 1 - INTRODUÇÃO 1 2 3 4 O nteresse analítco pelo agronegóco exportador

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca nº 256/2009-SRE/ANEEL Brasíla, 29 de julho de 2009 METODOLOGIA E ÁLULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca n o 256/2009 SRE/ANEEL Em 29 de julho de 2009. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações.

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações. A CONSTRUÇÃO DE CARTEIRAS EFICIENTES POR INTERMÉDIO DO CAPM NO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO: UM ESTUDO DE CASO PARA O PERÍODO 006-010 Rodrgo Augusto Vera (PROVIC/UEPG), Emerson Martns Hlgemberg (Orentador),

Leia mais

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que DESEMPREGO DE JOVENS NO BRASIL I. Introdução O desemprego é vsto por mutos como um grave problema socal que vem afetando tanto economas desenvolvdas como em desenvolvmento. Podemos dzer que os índces de

Leia mais

RISCO. Investimento inicial $ $ Taxa de retorno anual Pessimista 13% 7% Mais provável 15% 15% Otimista 17% 23% Faixa 4% 16%

RISCO. Investimento inicial $ $ Taxa de retorno anual Pessimista 13% 7% Mais provável 15% 15% Otimista 17% 23% Faixa 4% 16% Análse de Rsco 1 RISCO Rsco possbldade de perda. Quanto maor a possbldade, maor o rsco. Exemplo: Empresa X va receber $ 1.000 de uros em 30 das com títulos do governo. A empresa Y pode receber entre $

Leia mais

PRODUTIVIDADE E MUDANÇA ESTRUTURAL NA INDÚSTRIA BRASILEIRA, 1970-2001 +

PRODUTIVIDADE E MUDANÇA ESTRUTURAL NA INDÚSTRIA BRASILEIRA, 1970-2001 + RODUTIVIDADE E MUDANÇA ESTRUTURAL NA INDÚSTRIA BRASILEIRA, 1970-2001 + Frederco Rocha * Resumo Este trabalho tem como objetvo mensurar a contrbução da mudança estrutural da ndústra braslera para o ncremento

Leia mais

WORKING PAPERS IN APPLIED ECONOMICS

WORKING PAPERS IN APPLIED ECONOMICS Unversdade Federal de Vçosa Departamento de Economa Rural WORKING PAPERS IN APPLIED ECONOMICS CLUBES DE CONVERGÊNCIA NOS MUNICIPIOS MINEIROS: UMA ANÁLISE VIA MODELO THRESHOLD Rcardo Bruno Nascmento dos

Leia mais

EFEITO SOBRE A EQUIDADE DE UM AUMENTO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO*

EFEITO SOBRE A EQUIDADE DE UM AUMENTO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO* Artgos Prmavera 2007 EFEITO SOBRE A EQUIDADE DE UM AUMENTO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO* Isabel Correa**. INTRODUÇÃO Apesar das reformas fscas serem um fenómeno recorrente nas últmas décadas em

Leia mais

EFICIÊNCIA DAS ESCOLAS SECUNDÁRIAS PORTUGUESAS: UMA ANÁLISE DE FRONTEIRA DE PRODUÇÃO ESTOCÁSTICA*

EFICIÊNCIA DAS ESCOLAS SECUNDÁRIAS PORTUGUESAS: UMA ANÁLISE DE FRONTEIRA DE PRODUÇÃO ESTOCÁSTICA* Artgos Prmavera 2007 EFICIÊNCIA DAS ESCOLAS SECUNDÁRIAS PORTUGUESAS: UMA ANÁLISE DE FRONTEIRA DE PRODUÇÃO ESTOCÁSTICA* Manuel Coutnho Perera** Sara Morera** 1. INTRODUÇÃO As classfcações obtdas pelos estudantes

Leia mais

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza 9/04/06 Escolha do Consumdor sob condções de Rsco e de Incerteza (Capítulo 7 Snyder/Ncholson e Capítulo Varan) Turma do Prof. Déco Kadota Dstnção entre Rsco e Incerteza Na lteratura econômca, a prmera

Leia mais

ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COMÉRCIO EXTERNO

ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COMÉRCIO EXTERNO ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COÉRCIO ETERNO Nota préva: O texto que se segue tem por únco obectvo servr de apoo às aulas das dscplnas de Economa Internaconal na Faculdade de Economa da Unversdade do Porto.

Leia mais

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola Nota Técnca Médas do ENEM 2009 por Escola Crado em 1998, o Exame Naconal do Ensno Médo (ENEM) tem o objetvo de avalar o desempenho do estudante ao fm da escolardade básca. O Exame destna-se aos alunos

Leia mais

POLÍTICAS FISCAIS E CRESCIMENTO DISTRIBUTIVO NO BRASIL: SIMULAÇÕES COM UM MODELO APLICADO DE EQUILÍBRIO GERAL RESUMO

POLÍTICAS FISCAIS E CRESCIMENTO DISTRIBUTIVO NO BRASIL: SIMULAÇÕES COM UM MODELO APLICADO DE EQUILÍBRIO GERAL RESUMO POLÍTICAS FISCAIS E CRESCIMENTO DISTRIBUTIVO NO BRASIL: SIMULAÇÕES COM UM MODELO APLICADO DE EQUILÍBRIO GERAL Adelar Focezatto Izete Pengo Bagoln 2 RESUMO Este trabalo analsa os efetos de algumas opções

Leia mais

Elaboração: Novembro/2005

Elaboração: Novembro/2005 Elaboração: Novembro/2005 Últma atualzação: 18/07/2011 Apresentação E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos referentes às Cédulas

Leia mais

Nº 20 Dezembro de 2011. A Evolução do PIB dos Estados e Regiões Brasileiras no Período 2002-2009 Valores definitivos

Nº 20 Dezembro de 2011. A Evolução do PIB dos Estados e Regiões Brasileiras no Período 2002-2009 Valores definitivos Nº 20 Dezembro de 2011 A Evolução do PIB dos Estados e Regões Brasleras no Período 2002-2009 Valores defntvos GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cd Ferrera Gomes Governador Domngos Gomes de Aguar Flho Vce Governador

Leia mais

TRABALHADORES COM DEFICIÊNCIAS EM LINHAS DE PRODUÇÃO: MODELOS, RESULTADOS E DISCUSSÕES 1

TRABALHADORES COM DEFICIÊNCIAS EM LINHAS DE PRODUÇÃO: MODELOS, RESULTADOS E DISCUSSÕES 1 XIV ELAVIO El Fuerte Snaloa Méxco 9-14 de agosto de 2009 TRABALHADORES COM DEFICIÊNCIAS EM LINHAS DE PRODUÇÃO: MODELOS RESULTADOS E DISCUSSÕES 1 Mayron César de O. Morera Lana Mara R. Santos Alysson M.

Leia mais

WORKING PAPERS IN APPLIED ECONOMICS

WORKING PAPERS IN APPLIED ECONOMICS Unversdade Federal de Vçosa Departamento de Economa Rural WORKING PAPERS IN APPLIED ECONOMICS Efetos redstrbutvos e determnantes de recebmento do ICMS Ecológco pelos muncípos mneros Lucany L. Fernandes,

Leia mais

AMENIDADES LOCAIS VERSUS OPORTUNIDADES ECONÔMICAS: UM RANKING DA QUALIDADE DAS AMENIDADES PARA AS REGIÕES METROPOLITANAS DO BRASIL

AMENIDADES LOCAIS VERSUS OPORTUNIDADES ECONÔMICAS: UM RANKING DA QUALIDADE DAS AMENIDADES PARA AS REGIÕES METROPOLITANAS DO BRASIL AMENIDADES LOCAIS VERSUS OPORTUNIDADES ECONÔMICAS: UM RANKING DA QUALIDADE DAS AMENIDADES PARA AS REGIÕES METROPOLITANAS DO BRASIL Roberta de Moraes Rocha Doutoranda em Economa da Unversdade Federal de

Leia mais

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05 LQA - LEFQ - EQ -Químca Analítca Complemantos Teórcos 04-05 CONCEITO DE ERRO ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS Embora uma análse detalhada do erro em Químca Analítca esteja fora do âmbto desta cadera, sendo abordada

Leia mais

Testando um Mito de Investimento : Eficácia da Estratégia de Investimento em Ações de Crescimento.

Testando um Mito de Investimento : Eficácia da Estratégia de Investimento em Ações de Crescimento. Testando um Mto de Investmento : Efcáca da Estratéga de Investmento em Ações de Crescmento. Autora: Perre Lucena Rabon, Odlon Saturnno Slva Neto, Valera Louse de Araújo Maranhão, Luz Fernando Correa de

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Obras Públicas. Aula 2. Projeto de Gestão de Obras Públicas Municipais. Contextualização

Organização da Aula. Gestão de Obras Públicas. Aula 2. Projeto de Gestão de Obras Públicas Municipais. Contextualização Gestão de Obras Públcas Aula 2 Profa. Elsamara Godoy Montalvão Organzação da Aula Tópcos que serão abordados na aula Admnstração e Gestão Muncpal Problemas Admnstração e Gestão Muncpal Gestão do Conhecmento

Leia mais

Abstract. Professor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte UFRN, e-mail: fabriciopleite@ufrnet.br. 1

Abstract. Professor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte UFRN, e-mail: fabriciopleite@ufrnet.br. 1 COMO O GRAU DE DESIGUALDADE AFETA A PROPENSÃO MARGINAL A CONSUMIR? DISTRIBUIÇÃO DE RENDA E CONSUMO DAS FAMÍLIAS NO BRASIL A PARTIR DOS DADOS DAS POF 2002-2003 E 2008-2009 ÁREA: CRESCIMENTO E DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

1. ANÁLISE EXPLORATÓRIA E ESTATÍSTICA DESCRITIVA

1. ANÁLISE EXPLORATÓRIA E ESTATÍSTICA DESCRITIVA 1. ANÁLISE EXPLORATÓRIA E ESTATÍSTICA DESCRITIVA 014 Estatístca Descrtva e Análse Exploratóra Etapas ncas. Utlzadas para descrever e resumr os dados. A dsponbldade de uma grande quantdade de dados e de

Leia mais

Os modelos de regressão paramétricos vistos anteriormente exigem que se suponha uma distribuição estatística para o tempo de sobrevivência.

Os modelos de regressão paramétricos vistos anteriormente exigem que se suponha uma distribuição estatística para o tempo de sobrevivência. MODELO DE REGRESSÃO DE COX Os modelos de regressão paramétrcos vstos anterormente exgem que se suponha uma dstrbução estatístca para o tempo de sobrevvênca. Contudo esta suposção, caso não sea adequada,

Leia mais

MACROECONOMIA I LEC 201

MACROECONOMIA I LEC 201 ACROECONOIA I LEC 20 3.2. odelo IS-L Outubro 2007, sandras@fep.up.pt nesdrum@fep.up.pt 3.2. odelo IS-L odelo Keynesano smples (KS): equlíbro macroeconómco equlíbro no mercado de bens e servços (BS). odelo

Leia mais

Diferença entre a classificação do PIB per capita e a classificação do IDH

Diferença entre a classificação do PIB per capita e a classificação do IDH Curso Bem Estar Socal Marcelo Ner - www.fgv.br/cps Metas Socas Entre as mutas questões decorrentes da déa de se mplementar uma proposta de metas socas temos: Qual a justfcatva econômca para a exstênca

Leia mais

CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E PÓS-GRADUAÇÃO - I CICPG SUL BRASIL Florianópolis 2010

CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E PÓS-GRADUAÇÃO - I CICPG SUL BRASIL Florianópolis 2010 Floranópols 200 ANÁLISE COMPARATIVA DA INFLUÊNCIA DA NEBULOSIDADE E UMIDADE RELATIVA SOBRE A IRRADIAÇÃO SOLAR EM SUPERFÍCIE Eduardo Wede Luz * ; Nelson Jorge Schuch ; Fernando Ramos Martns 2 ; Marco Cecon

Leia mais

Título: A Geografia do Voto no Brasil nas Eleições Municipais de 2008: Uma Análise Com Efeito Threshold.

Título: A Geografia do Voto no Brasil nas Eleições Municipais de 2008: Uma Análise Com Efeito Threshold. Título: A Geografa do Voto no Brasl nas Eleções Muncpas de 2008: Uma Análse Com Efeto Threshold. Pablo Urano de Carvalho Castelar Professor da Unversdade Federal do Ceará Campus Sobral e-mal: pcastelar@ufc.br

Leia mais

AVALIAÇÃO CONTINGENTE DO RIO MEIA PONTE, GOIÂNIA-GO: UMA APLI- CAÇÃO DO REFERENDUM COM FOLLOW-UP

AVALIAÇÃO CONTINGENTE DO RIO MEIA PONTE, GOIÂNIA-GO: UMA APLI- CAÇÃO DO REFERENDUM COM FOLLOW-UP AVALIAÇÃO CONTINGENTE DO RIO MEIA PONTE, GOIÂNIA-GO: UMA APLI- CAÇÃO DO REFERENDUM COM FOLLOW-UP º. Autor Patríca Lopes Rosado: Economsta, Mestre em Economa Rural e Doutoranda em Economa Aplcada pelo Departamento

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 00 ODELOS ATEÁTICOS E CONSUO DE ENERGIA ELÉTRICA Clece de Cássa Franco Cdade Centro Unverstáro Francscano klleyce@hotmal.com Leandra Anversa Foreze Centro Unverstáro Francscano

Leia mais

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal www.obconcursos.com.br/portal/v1/carrerafscal Moda Exercíco: Determne o valor modal em cada um dos conjuntos de dados a segur: X: { 3, 4,, 8, 8, 8, 9, 10, 11, 1, 13 } Mo 8 Y: { 10, 11, 11, 13, 13, 13,

Leia mais

IX PRÊMIO SEAE 2014 CLASSIFICAÇÃO: 1º LUGAR

IX PRÊMIO SEAE 2014 CLASSIFICAÇÃO: 1º LUGAR IX PRÊMIO SEAE 2014 Tema 2. Regulação da Atvdade Econômca Inscrção: 17 CLASSIFICAÇÃO: 1º LUGAR Título da Monografa: A Estrutura Concorrencal do Mercado de Redes de Transporte de Telecomuncações e os Impactos

Leia mais

Desemprego de Jovens no Brasil *

Desemprego de Jovens no Brasil * Desemprego de Jovens no Brasl * Prsclla Matas Flor Palavras-chave: desemprego; jovens; prmero emprego; Brasl. Resumo Este trabalho tem como objetvo analsar a estrutura do desemprego dos jovens no Brasl,

Leia mais