Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos."

Transcrição

1 Exame Final Nacional de Física e Química A Prova ª Fase Ensino Secundário º Ano de Escolaridade Decreo-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Duração da Prova: 120 minuos. Tolerância: 30 minuos. 16 Páginas VERSÃO 1 Indique de forma legível a versão da prova. Uilize apenas canea ou esferográfica de ina azul ou prea. É permiida a uilização de régua, esquadro, ransferidor e calculadora cienífica sem capacidades gráficas. Não é permiido o uso de correor. Risque aquilo que preende que não seja classificado. Para cada resposa, idenifique o grupo e o iem. Apresene as suas resposas de forma legível. Apresene apenas uma resposa para cada iem. A prova inclui uma abela de consanes, um formulário e uma abela periódica. As coações dos iens enconram-se no final do enunciado da prova. Nas resposas aos iens de escolha múlipla, selecione a opção correa. Escreva, na folha de resposas, o número do iem e a lera que idenifica a opção escolhida. Nas resposas aos iens em que é pedida a apresenação de odas as eapas de resolução, explicie odos os cálculos efeuados e apresene odas as jusificações ou conclusões soliciadas. Uilize os valores numéricos fornecidos no enunciado dos iens. Nos ermos da lei em vigor, as provas de avaliação exerna são obras proegidas pelo Código do Direio de Auor e dos Direios Conexos. A sua divulgação não suprime os direios previsos na lei. Assim, é proibida a uilização desas provas, além do deerminado na lei ou do permiido pelo IAVE, I.P., sendo expressamene vedada a sua exploração comercial. Prova 715.V1/1.ª F. Página 1/ 16

2 TABELA DE CONSTANTES Capacidade érmica mássica da água líquida c 41810, 3 Jkg = # 1 K 1 Consane de Avogadro N 60210, # mol 23 1 A= Consane de graviação universal G 66710, = # 11 Nmkg 2 Índice de refração do ar n = 1,000 Módulo da aceleração gravíica de um corpo juno à superfície da Terra g = 10 m s -2 Módulo da velocidade de propagação da luz no vácuo c 30010, ms = # 1 Produo iónico da água (a 25 o C) K w = 1,00#10-14 Volume molar de um gás (PTN) V m = 22,4 dm 3 mol -1 FORMULÁRIO Quanidades, massas e volumes... m = n M m massa N = n N A n quanidade de maéria M massa molar V = n V m N número de enidades m = N A consane de Avogadro V V volume V m volume molar massa volúmica Soluções e dispersões... c = n c concenração de solução V na n quanidade de maéria xa = V n volume de solução oal x fração molar Relação enre ph e concenração de H 3 O +... ph = -log {[H 3 O + ] / mol dm -3 } Energia cinéica de ranslação... E c = 1 2 mv 2 m massa v módulo da velocidade Energia poencial gravíica em relação a um nível de referência... m massa g módulo da aceleração gravíica juno à superfície da Terra h alura em relação ao nível de referência considerado E pg = m g h Energia mecânica... E m = E c + E p Trabalho realizado por uma força consane, F, que aua sobre um corpo em movimeno reilíneo... W = Fd cos a d módulo do deslocameno do pono de aplicação da força a ângulo definido pela força e pelo deslocameno Teorema da energia cinéica... W soma dos rabalhos realizados pelas forças que auam num corpo DE c variação da energia cinéica do cenro de massa do corpo W = DE c Trabalho realizado pela força gravíica... DE pg variação da energia poencial gravíica Poência... P E energia D inervalo de empo W = -DE pg = E D Prova 715.V1/1.ª F. Página 2/ 16

3 Energia ganha ou perdida por um corpo devido à variação da sua emperaura... E = m cdt m massa c capacidade érmica mássica DT variação da emperaura 1.ª Lei da Termodinâmica... DU = W + Q DU variação da energia inerna W energia ransferida sob a forma de rabalho Q energia ransferida sob a forma de calor Conversão de emperaura (de grau Celsius para kelvin)... T/ K = / o C + 273,15 T emperaura absolua (emperaura em kelvin) emperaura em grau Celsius Equações do movimeno reilíneo com aceleração consane... x = x 0 + v a 2 x componene escalar da posição 2 v componene escalar da velocidade v = v 0 + a a componene escalar da aceleração empo Equações do movimeno circular com velocidade de módulo consane... a c = v 2 r a c módulo da aceleração cenrípea v módulo da velocidade ~ = 2r T r raio da rajeória ~ módulo da velocidade angular T período v = ~ r 2.ª Lei de Newon... F = m a F resulane das forças que auam num corpo de massa m a aceleração do cenro de massa do corpo Lei da Graviação Universal... F g = G m 1 m 2 r 2 F g módulo da força gravíica exercida pela massa ponual m 1 (m 2 ) na massa ponual m 2 (m 1 ) G consane de graviação universal r disância enre as duas massas Comprimeno de onda... m = v f v módulo da velocidade de propagação da onda f frequência Função que descreve um sinal harmónico ou sinusoidal... y = A sin(~) A ampliude ~ frequência angular empo Índice de refração... n = c v c módulo da velocidade de propagação da luz no vácuo v módulo da velocidade de propagação da radiação no meio considerado Lei de Snell-Descares para a refração... n 1 sin a 1 = n 2 sin a 2 n 1, n 2 índices de refração dos meios 1 e 2, respeivamene a 1, a 2 ângulos enre a direção de propagação da onda e a normal à superfície separadora no pono de incidência, nos meios 1 e 2, respeivamene Fluxo magnéico que aravessa uma superfície, de área A, em que exise um campo magnéico uniforme, B... U m = B A cos a a ângulo enre a direção do campo e a direção perpendicular à superfície Força eleromoriz induzida numa espira meálica... E i = DU m DU D m variação do fluxo magnéico D inervalo de empo Prova 715.V1/1.ª F. Página 3/ 16

4 Prova 715.V1/1.ª F. Página 4/ 16 TABELA PERIÓDICA 55 Cs 132,91 56 Ba 137, Lananídeos 72 Hf 178,49 73 Ta 180,95 74 W 183,84 75 Re 186,21 76 Os 190,23 77 Ir 192,22 78 P 195,08 79 Au 196,97 80 Hg 200,59 81 T 204,38 82 Pb 207,21 83 Bi 208,98 84 Po [208,98] 85 A [209,99] 86 Rn [222,02] 37 Rb 85,47 38 Sr 87,62 39 Y 88,91 40 Zr 91,22 41 Nb 92,91 42 Mo 95,94 43 Tc 97,91 44 Ru 101,07 45 Rh 102,91 46 Pd 106,42 47 Ag 107,87 48 Cd 112,41 49 In 114,82 50 Sn 118,71 51 Sb 121,76 52 Te 127,60 53 I 126,90 54 Xe 131,29 19 K 39,10 20 Ca 40,08 21 Sc 44,96 22 Ti 47,87 23 V 50,94 24 Cr 52,00 25 Mn 54,94 26 Fe 55,85 27 Co 58,93 28 Ni 58,69 29 Cu 63,55 30 Zn 65,41 31 Ga 69,72 32 Ge 72,64 33 As 74,92 34 Se 78,96 35 Br 79,90 36 Kr 83,80 11 Na 22,99 12 Mg 24,31 13 A 26,98 14 Si 28,09 15 P 30,97 16 S 32,07 17 C 35,45 18 Ar 39,95 3 Li 6,94 4 Be 9,01 5 B 10,81 6 C 12,01 7 N 14,01 8 O 16,00 9 F 19,00 10 Ne 20,18 1 H 1,01 2 He 4,00 90 Th 232,04 91 Pa 231,04 92 U 238,03 93 Np [237] 94 Pu [244] 95 Am [243] 96 Cm [247] 97 Bk [247] 98 Cf [251] 99 Es [252] 100 Fm [257] 101 Md [258] 102 No [259] 103 Lr [262] 58 Ce 140,12 59 Pr 140,91 60 Nd 144,24 61 Pm [145] 62 Sm 150,36 63 Eu 151,96 64 Gd 157,25 65 Tb 158,92 66 Dy 162,50 67 Ho 164,93 68 Er 167,26 69 Tm 168,93 70 Yb 173,04 71 Lu 174,98 87 Fr [223] 88 Ra [226] Acinídeos 105 Db [262] 104 Rf [261] 107 Bh [264] 108 Hs [277] 109 M [268] Número aómico Elemeno Massa aómica relaiva 110 Ds [271] 111 Rg [272] 89 Ac [227] 57 La 138, Sg [266]

5 GRUPO I O ar seco é uma misura gasosa consiuída essencialmene por nirogénio, N 2 ( g ), e por oxigénio, O 2 ( g ), na qual exisem ainda componenes minoriários como o árgon, Ar ( g ), e o dióxido de carbono, CO 2 ( g ). 1. Considere que o eor de CO 2 ( g ) no ar seco é, aproximadamene, 0,05 % (m/m) O eor de CO 2 ( g ) no ar seco, em ppm, é, aproximadamene, (A) 5#10 6 ppm (B) 5#10 4 ppm (C) 5#10 2 ppm (D) 5 ppm 1.2. Qual das expressões seguines permie calcular a quanidade de CO 2 que exisirá numa amosra de 1 kg de ar seco? (A) (B) (C) (D) 005, # 10 c m mol 44, , # 100 c m mol 44, , c m mol 100# 44, , c m mol 10# 44, Considere que em 100 g de ar seco exisem 23,14 g de O 2 ( g ) e que, nas condições normais de pressão e de emperaura (PTN), a massa volúmica do ar seco é 1,30 g dm -3. Deermine a percenagem em volume de O 2 ( g ) no ar seco. Apresene odas as eapas de resolução. Prova 715.V1/1.ª F. Página 5/ 16

6 3. A molécula de CO 2 apresena geomeria linear, porque (A) é uma molécula riaómica. (B) é uma molécula simérica. (C) não exisem elerões de valência não liganes no áomo de carbono. (D) exisem elerões de valência não liganes nos áomos de oxigénio. 4. Explique, com base nas configurações elerónicas dos áomos de carbono e de oxigénio no esado fundamenal, porque é que o raio aómico do carbono é maior do que o raio aómico do oxigénio. Apresene num exo a explicação soliciada. 5. Um dos iões mais abundanes na ionosfera é o ião O + ( g ). A configuração elerónica de valência do ião O + ( g ) no esado fundamenal apresena, no oal, (A) dois elerões desemparelhados. (B) rês elerões desemparelhados. (C) duas orbiais compleamene preenchidas. (D) rês orbiais compleamene preenchidas. Prova 715.V1/1.ª F. Página 6/ 16

7 GRUPO II 1. À pressão consane de 1 am, a capacidade érmica mássica do ar é cerca de 4 1 da capacidade érmica mássica da água. Considere uma amosra de ar e uma amosra pura de água, de massas m ar e 2m ar, respeivamene, às quais foi fornecida a mesma energia, como calor, à pressão consane de 1 am. A variação da emperaura da amosra de ar, comparada com a variação da emperaura da amosra de água, será, aproximadamene, (A) duas vezes menor. (B) duas vezes maior. (C) oio vezes menor. (D) oio vezes maior. 2. Quando se liga um aquecedor, esabelecem-se correnes de convecção no ar. Nesas correnes, (A) o ar quene, menos denso, sobe e o ar frio, mais denso, desce. (B) o ar quene, mais denso, desce e o ar frio, menos denso, sobe. (C) o ar quene, menos denso, desce e o ar frio, mais denso, sobe. (D) o ar quene, mais denso, sobe e o ar frio, menos denso, desce. 3. Foi realizado um rabalho de 240 J sobre uma amosra de ar, endo a energia inerna da amosra diminuído 500 J. No processo ermodinâmico considerado, a amosra (A) cedeu 260 J, como calor. (B) recebeu 260 J, como calor. (C) cedeu 740 J, como calor. (D) recebeu 740 J, como calor. Prova 715.V1/1.ª F. Página 7/ 16

8 GRUPO III 1. Quando um sinal sonoro se propaga no ar, há variações da pressão em cada pono. O gráfico da Figura 1 represena a variação da pressão do ar, Δp, em relação à pressão de equilíbrio, em função do empo,, num pono em que um som é deeado. Δp 0,0 1,5 3,0 4,5 6,0 7,5 / ms Figura Qual é a frequência angular do sinal sonoro? (A) 6,7#10 2 rad s -1 (B) 3,3#10 2 rad s -1 (C) 4,2#10 3 rad s -1 (D) 2,1#10 3 rad s O gráfico mosra que, no inervalo de empo [0,0 ; 7,5] ms, (A) a onda sonora é ransversal. (B) a onda sonora é complexa. (C) a ampliude da variação da pressão no pono considerado é consane. (D) a velocidade de propagação do sinal sonoro é consane. Prova 715.V1/1.ª F. Página 8/ 16

9 2. Um som emiido à superfície de um lago é deeado por um sensor, colocado denro de água, e por um ouro sensor, colocado no ar. Os dois sensores esão à mesma disância do local onde o som é emiido, mas o sensor que se enconra denro de água deea o som 1,14 s anes do sensor que se enconra no ar. Considere que a velocidade de propagação do som na água do lago é 15,# 10 3 ms - 1, que a velocidade de propagação do som no ar é 34, 10 2 ms - # 1 e que água e ar represenam o empo decorrido desde a emissão do som aé à sua deeção pelo sensor que se enconra denro de água e pelo sensor que se enconra no ar, respeivamene. Qual dos sisemas de equações seguines pode raduzir a siuação física descria? (A) * 15,# 10 = 34,# 10 ar 3 2 água ar = 114, ^SIh água ^SIh (B) * 3, 4# 10 = 1510,# 2 3 água ar = 114, ^SIh ar água ^SIh (C) * 1, 5# 10 = 3410,# 3 2 água ar + = 114, ^SIh ar água ^SIh (D) * 3,4 # 10 = 1510,# ar 2 3 água ar + = 114, ^SIh água ^SIh Prova 715.V1/1.ª F. Página 9/ 16

10 GRUPO IV 1. A Figura 2 represena pare da rajeória de um balão meeorológico que sobe na amosfera, com velocidade de módulo praicamene consane. Considere que o balão pode ser represenado pelo seu cenro de massa (modelo da parícula maerial) e que a variação do módulo da aceleração gravíica com a alura em relação ao solo é desprezável. C D B A solo Figura O rabalho realizado pelo peso do balão enre as posições C e D (A) é superior ao rabalho realizado pelo peso do balão enre as posições A e B. (B) é igual ao rabalho realizado pelo peso do balão enre as posições A e B. (C) é independene da massa do balão. (D) depende apenas da massa do balão Qual dos esboços de gráfico seguines pode represenar a energia mecânica, E m, do sisema balão + Terra, em função da alura, h, do balão em relação ao solo, enre as posições A e D? (A) E m (B) E m h A h D h h A h D h (C) E m (D) E m h A h D h h A h D h Prova 715.V1/1.ª F. Página 10/ 16

11 1.3. De acordo com o eorema da energia cinéica, o rabalho que seria realizado pela resulane das forças que auam no balão é igual à variação da energia cinéica do balão. Conclua, com base nese eorema, qual é a inensidade da resulane das forças que auam no balão, no deslocameno enre as posições A e B. Apresene num exo a fundamenação da conclusão soliciada Admia que o balão, de massa 600 g, movendo-se com uma velocidade de módulo 5,8 m s -1, demora 45 s a deslocar-se da posição A aé à posição B. Calcule a soma dos rabalhos realizados pelas forças não conservaivas que auam no balão enre as posições A e B. Apresene odas as eapas de resolução. 2. Geralmene, os balões meeorológicos ransporam uma radiossonda que emie um sinal eleromagnéico de deerminada frequência. Se a frequência desse sinal for 1680 MHz, o comprimeno de onda, no ar, da radiação considerada será (A) 0,560 m (B) 5,60 m (C) 179 m (D) 0,179 m 3. O hidrogénio uilizado nos balões meeorológicos pode ser produzido a parir da reação enre o hidreo de cálcio sólido, CaH 2 (s), e a água líquida, formando-se hidróxido de cálcio sólido, Ca(OH) 2 (s), e hidrogénio gasoso, H 2 ( g ) Escreva a equação química que raduz a reação acima descria O número de oxidação do cálcio no hidreo de cálcio é (A) +2 (B) +1 (C) -2 (D) -1 Prova 715.V1/1.ª F. Página 11/ 16

12 GRUPO V A Figura 3 represena uma monagem que foi uilizada na deerminação experimenal do módulo da aceleração gravíica. Supore Célula fooelérica A Célula fooelérica B Cronómero digial Esfera Figura 3 Nos vários ensaios realizados, abandonou-se uma esfera sempre da mesma posição inicial, imediaamene acima da célula fooelérica A. 1. Numa primeira experiência, manendo as células fooeléricas à mesma disância uma da oura, mediu-se o empo que a esfera demorou a percorrer a disância enre as células A e B, A"B, e o empo que a esfera demorou a passar em frene da célula B, B Num conjuno de ensaios, realizados nas mesmas condições, obiveram-se os valores de B apresenados na abela seguine. Ensaio B / ms 1.º 8,84 2.º 8,78 3.º 8,79 Qual é, para esse conjuno de ensaios, o resulado da medição de B? (A) B = (8,80 ± 0,01) ms (B) B = (8,80 ± 0,06) ms (C) B = (8,80 ± 0,05) ms (D) B = (8,80 ± 0,04) ms Prova 715.V1/1.ª F. Página 12/ 16

13 1.2. Dividindo o diâmero da esfera por B, deermina-se um valor aproximado do módulo da velocidade da esfera no insane em que esa se enconra em frene da célula fooelérica B, v B Ao deerminar v B por ese méodo, que aproximação se faz? O cálculo de v B pressupõe que a esfera inerrompe o feixe luminoso da célula B pelo seu diâmero. No enano, um erro experimenal frequene decorre de a esfera inerromper, de faco, o feixe luminoso por uma dimensão inferior ao seu diâmero. Quando ese erro ocorre, o valor de v B calculado é ao verdadeiro, o que deermina um erro por no valor experimenal do módulo da aceleração gravíica. (A) superior... excesso (B) superior... defeio (C) inferior... excesso (D) inferior... defeio 1.3. No cálculo do módulo da aceleração gravíica, que valor deverá ser considerado para o módulo da velocidade da esfera no insane em que esa se enconra em frene da célula fooelérica A? 2. Numa segunda experiência, variando a disância enre as células A e B, foi possível deerminar o módulo da aceleração gravíica a parir do gráfico do quadrado do empo que a esfera demorou a percorrer a disância enre as células, 2 AB ", em função da disância percorrida, Δy. A parir dos valores obidos, deerminou-se a equação da rea que melhor se ajusa ao conjuno de ponos do gráfico: 2 AB " = 0198, Dy 0001, ^h SI Deermine o erro percenual (erro relaivo, em percenagem) do módulo da aceleração gravíica obido nesa experiência, omando como referência o valor 9,8 m s -2. Apresene odas as eapas de resolução. Prova 715.V1/1.ª F. Página 13/ 16

14 GRUPO VI Considere uma reação química em fase gasosa raduzida pelo esquema aag ^h+ bbg ^h? ccg ^h em que a, b e c são os coeficienes esequioméricos das subsâncias A, B e C, respeivamene. 1. Admia que, num reaor com a capacidade de 1,00 L, se inroduziram, à emperaura T, 0,400 mol de A ( g ) e 0,400 mol de B ( g ) Considere que A e B são subsâncias moleculares. Quanas moléculas foram, no oal, inicialmene inroduzidas no reaor? (A) 24110, # 23 (B) 48210, # 23 (C) 19310, # 24 (D) 96310, # No quadro seguine, esão regisadas as quanidades das subsâncias A, B e C que exisem no reaor, num mesmo esado de equilíbrio do sisema, à emperaura T. Subsância A B C n / mol 0,344 0,232 0,112 Calcule a consane de equilíbrio, K c, da reação considerada, à emperaura T. Comece por deerminar os coeficienes esequioméricos a, b e c. Apresene odas as eapas de resolução. Prova 715.V1/1.ª F. Página 14/ 16

15 2. Admia que a reação considerada ocorre em sisema fechado, sendo a variação de enalpia do sisema negaiva. Conclua, com base no princípio de Le Châelier, como variará a consane de equilíbrio, K c, da reação se a emperaura aumenar. Apresene num exo a fundamenação da conclusão soliciada. GRUPO VII O ácido meanoico, HCOOH (M = 46,03 g mol -1 ), ambém conhecido por ácido fórmico, é um ácido monopróico fraco (a sua consane de acidez é 17, # 10-4, a 25 o C) cuja ionização em água pode ser raduzida por HCOOHaqHOl ^ h+ ^h? HCOO ^aqh+ HO+ ^aqh Quanos elerões de valência exisem, no oal, na molécula de ácido meanoico? 2. Naquela reação, esão envolvidos dois pares conjugados ácido-base, segundo Brönsed-Lowry. Segundo Brönsed-Lowry, o que é um par conjugado ácido-base? 3. Admia que quer preparar 250,0 cm 3 de uma solução aquosa de ácido meanoico cujo ph, a 25 o C, deverá ser 3,20. Calcule a massa de ácido meanoico que erá de ser uilizada para preparar aquela solução. Apresene odas as eapas de resolução. FIM Prova 715.V1/1.ª F. Página 15/ 16

16 COTAÇÕES Grupo Iem Coação (em ponos) I II III IV V VI VII TOTAL 200 Prova 715.V1/1.ª F. Página 16/ 16

17 Exame Final Nacional de Física e Química A Prova ª Fase Ensino Secundário º Ano de Escolaridade Decreo-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Enrelinha 1,5, sem figuras Duração da Prova: 120 minuos. Tolerância: 30 minuos. 18 Páginas VERSÃO 1 Indique de forma legível a versão da prova. Uilize apenas canea ou esferográfica de ina azul ou prea. É permiida a uilização de régua, esquadro, ransferidor e calculadora cienífica sem capacidades gráficas. Não é permiido o uso de correor. Risque aquilo que preende que não seja classificado. Para cada resposa, idenifique o grupo e o iem. Apresene as suas resposas de forma legível. Apresene apenas uma resposa para cada iem. A prova inclui uma abela de consanes, um formulário e uma abela periódica. As coações dos iens enconram-se no final do enunciado da prova. Nas resposas aos iens de escolha múlipla, selecione a opção correa. Escreva, na folha de resposas, o número do iem e a lera que idenifica a opção escolhida. Nas resposas aos iens em que é pedida a apresenação de odas as eapas de resolução, explicie odos os cálculos efeuados e apresene odas as jusificações ou conclusões soliciadas. Uilize os valores numéricos fornecidos no enunciado dos iens. Prova 715.V1/1.ª F./SFI Página 1/ 18

18 TABELA DE CONSTANTES Capacidade érmica mássica da água líquida c 41810, 3 Jkg = 1 K 1 # Consane de Avogadro N 60210, 23 A mol 1 = # Consane de graviação universal G 66710, = 11 Nmkg 2 2 # Índice de refração do ar n = 1,000 Módulo da aceleração gravíica de um corpo juno à superfície da Terra g = 10 m s -2 Módulo da velocidade de propagação da luz no vácuo c 30010, 8 ms = 1 # Produo iónico da água (a 25 o C) K w = 1,00#10-14 Volume molar de um gás (PTN) V m = 22,4 dm 3 mol -1 FORMULÁRIO Quanidades, massas e volumes m = n M N = n N A m massa n quanidade de maéria M massa molar N número de enidades V = n V m m = V N A consane de Avogadro V volume V m volume molar massa volúmica Prova 715.V1/1.ª F./SFI Página 2/ 18

19 Soluções e dispersões c = n V na xa = noal c concenração de solução n quanidade de maéria V volume de solução x fração molar Relação enre ph e concenração de H 3 O + ph = -log {[H 3 O + ] / mol dm -3 } Energia cinéica de ranslação E c = 1 2 mv 2 m massa v módulo da velocidade Energia poencial gravíica em relação a um nível de referência E pg = m g h m massa g módulo da aceleração gravíica juno à superfície da Terra h alura em relação ao nível de referência considerado Energia mecânica E m = E c + E p Trabalho realizado por uma força consane, F, que aua sobre um corpo em movimeno reilíneo W = Fd cos a d módulo do deslocameno do pono de aplicação da força a ângulo definido pela força e pelo deslocameno Teorema da energia cinéica W = DE c W soma dos rabalhos realizados pelas forças que auam num corpo DE c variação da energia cinéica do cenro de massa do corpo Trabalho realizado pela força gravíica W = -DE pg DE pg variação da energia poencial gravíica Prova 715.V1/1.ª F./SFI Página 3/ 18

20 Poência P = E D E energia D inervalo de empo Energia ganha ou perdida por um corpo devido à variação da sua emperaura E = mcdt m massa c capacidade érmica mássica DT variação da emperaura 1.ª Lei da Termodinâmica DU = W + Q DU variação da energia inerna W energia ransferida sob a forma de rabalho Q energia ransferida sob a forma de calor Conversão de emperaura (de grau Celsius para kelvin) T/K = / o C + 273,15 T emperaura absolua (emperaura em kelvin) emperaura em grau Celsius Equações do movimeno reilíneo com aceleração consane x = x 0 + v a 2 2 v = v 0 + a x componene escalar da posição v componene escalar da velocidade a componene escalar da aceleração empo Equações do movimeno circular com velocidade de módulo consane a c = v 2 r ~ = 2r T v = ~ r a c módulo da aceleração cenrípea v módulo da velocidade r raio da rajeória ~ módulo da velocidade angular T período Prova 715.V1/1.ª F./SFI Página 4/ 18

21 2.ª Lei de Newon F = m a F resulane das forças que auam num corpo de massa m a aceleração do cenro de massa do corpo Lei da Graviação Universal F g = G m 1 m 2 r 2 F g módulo da força gravíica exercida pela massa ponual m 1 (m 2 ) na massa ponual m 2 (m 1 ) G consane de graviação universal r disância enre as duas massas Comprimeno de onda m = v f v módulo da velocidade de propagação da onda f frequência Função que descreve um sinal harmónico ou sinusoidal y = A sin(~) A ampliude ~ frequência angular empo Índice de refração n = c v c módulo da velocidade de propagação da luz no vácuo v módulo da velocidade de propagação da radiação no meio considerado Lei de Snell-Descares para a refração n 1 sin a 1 = n 2 sin a 2 n 1, n 2 índices de refração dos meios 1 e 2, respeivamene a 1, a 2 ângulos enre a direção de propagação da onda e a normal à superfície separadora no pono de incidência, nos meios 1 e 2, respeivamene Fluxo magnéico que aravessa uma superfície, de área A, em que exise um campo magnéico uniforme, B U m = B A cos a a ângulo enre a direção do campo e a direção perpendicular à superfície Força eleromoriz induzida numa espira meálica E i = DU m D DU m variação do fluxo magnéico D inervalo de empo Prova 715.V1/1.ª F./SFI Página 5/ 18

22 Prova 715.V1/1.ª F./SFI Página 6/ 18 TABELA PERIÓDICA 55 Cs 132,91 56 Ba 137, Lananídeos 72 Hf 178,49 73 Ta 180,95 74 W 183,84 75 Re 186,21 76 Os 190,23 77 Ir 192,22 78 P 195,08 79 Au 196,97 80 Hg 200,59 81 T 204,38 82 Pb 207,21 83 Bi 208,98 84 Po [208,98] 85 A [209,99] 86 Rn [222,02] 37 Rb 85,47 38 Sr 87,62 39 Y 88,91 40 Zr 91,22 41 Nb 92,91 42 Mo 95,94 43 Tc 97,91 44 Ru 101,07 45 Rh 102,91 46 Pd 106,42 47 Ag 107,87 48 Cd 112,41 49 In 114,82 50 Sn 118,71 51 Sb 121,76 52 Te 127,60 53 I 126,90 54 Xe 131,29 19 K 39,10 20 Ca 40,08 21 Sc 44,96 22 Ti 47,87 23 V 50,94 24 Cr 52,00 25 Mn 54,94 26 Fe 55,85 27 Co 58,93 28 Ni 58,69 29 Cu 63,55 30 Zn 65,41 31 Ga 69,72 32 Ge 72,64 33 As 74,92 34 Se 78,96 35 Br 79,90 36 Kr 83,80 11 Na 22,99 12 Mg 24,31 13 A 26,98 14 Si 28,09 15 P 30,97 16 S 32,07 17 C 35,45 18 Ar 39,95 3 Li 6,94 4 Be 9,01 5 B 10,81 6 C 12,01 7 N 14,01 8 O 16,00 9 F 19,00 10 Ne 20,18 1 H 1,01 2 He 4,00 90 Th 232,04 91 Pa 231,04 92 U 238,03 93 Np [237] 94 Pu [244] 95 Am [243] 96 Cm [247] 97 Bk [247] 98 Cf [251] 99 Es [252] 100 Fm [257] 101 Md [258] 102 No [259] 103 Lr [262] 58 Ce 140,12 59 Pr 140,91 60 Nd 144,24 61 Pm [145] 62 Sm 150,36 63 Eu 151,96 64 Gd 157,25 65 Tb 158,92 66 Dy 162,50 67 Ho 164,93 68 Er 167,26 69 Tm 168,93 70 Yb 173,04 71 Lu 174,98 87 Fr [223] 88 Ra [226] Acinídeos 105 Db [262] 104 Rf [261] 107 Bh [264] 108 Hs [277] 109 M [268] Número aómico Elemeno Massa aómica relaiva 110 Ds [271] 111 Rg [272] 89 Ac [227] 57 La 138, Sg [266]

23 GRUPO I O ar seco é uma misura gasosa consiuída essencialmene por nirogénio, N 2 ( g ), e por oxigénio, O 2 ( g ), na qual exisem ainda componenes minoriários como o árgon, Ar ( g ), e o dióxido de carbono, CO 2 ( g ). 1. Considere que o eor de CO 2 ( g ) no ar seco é, aproximadamene, 0,05 % (m/m) O eor de CO 2 ( g ) no ar seco, em ppm, é, aproximadamene, (A) 5#10 6 ppm (B) 5#10 4 ppm (C) 5#10 2 ppm (D) 5 ppm 1.2. Qual das expressões seguines permie calcular a quanidade de CO 2 ( g ) (M = 44,01 g mol -1 ) que exisirá numa amosra de 1 kg de ar seco? (A) 005, # 10 c m mol 44, 01 (B) 005, # 100 c m mol 44, 01 (C) 005, c m mol 100# 44, 01 (D) 005, c m mol 10# 44, Considere que em 100 g de ar seco exisem 23,14 g de O 2 ( g ) (M = 32,00 g mol -1 ) e que, nas condições normais de pressão e de emperaura (PTN), a massa volúmica do ar seco é 1,30 g dm -3. Deermine a percenagem em volume de O 2 ( g ) no ar seco. Apresene odas as eapas de resolução. Prova 715.V1/1.ª F./SFI Página 7/ 18

24 3. A molécula de CO 2 apresena geomeria linear, porque (A) é uma molécula riaómica. (B) é uma molécula simérica. (C) não exisem elerões de valência não liganes no áomo de carbono. (D) exisem elerões de valência não liganes nos áomos de oxigénio. 4. Explique, com base nas configurações elerónicas dos áomos de carbono (Z = 6) e de oxigénio (Z = 8) no esado fundamenal, porque é que o raio aómico do carbono é maior do que o raio aómico do oxigénio. Apresene num exo a explicação soliciada. 5. Um dos iões mais abundanes na ionosfera é o ião O + ( g ). A configuração elerónica de valência do ião O + ( g ) (Z = 8) no esado fundamenal apresena, no oal, (A) dois elerões desemparelhados. (B) rês elerões desemparelhados. (C) duas orbiais compleamene preenchidas. (D) rês orbiais compleamene preenchidas. Prova 715.V1/1.ª F./SFI Página 8/ 18

25 GRUPO II 1. À pressão consane de 1 am, a capacidade érmica mássica do ar é cerca de 1 da capacidade érmica 4 mássica da água. Considere uma amosra de ar e uma amosra pura de água, de massas m ar e 2m ar, respeivamene, às quais foi fornecida a mesma energia, como calor, à pressão consane de 1 am. A variação da emperaura da amosra de ar, comparada com a variação da emperaura da amosra de água, será, aproximadamene, (A) duas vezes menor. (B) duas vezes maior. (C) oio vezes menor. (D) oio vezes maior. 2. Quando se liga um aquecedor, esabelecem-se correnes de convecção no ar. Nesas correnes, (A) o ar quene, menos denso, sobe e o ar frio, mais denso, desce. (B) o ar quene, mais denso, desce e o ar frio, menos denso, sobe. (C) o ar quene, menos denso, desce e o ar frio, mais denso, sobe. (D) o ar quene, mais denso, sobe e o ar frio, menos denso, desce. 3. Foi realizado um rabalho de 240 J sobre uma amosra de ar, endo a energia inerna da amosra diminuído 500 J. No processo ermodinâmico considerado, a amosra (A) cedeu 260 J, como calor. (B) recebeu 260 J, como calor. (C) cedeu 740 J, como calor. (D) recebeu 740 J, como calor. Prova 715.V1/1.ª F./SFI Página 9/ 18

26 GRUPO III 1. Considere um sinal sonoro, de período 3,0 ms, que se propaga no ar com uma deerminada velocidade Qual é a frequência angular do sinal sonoro? (A) 6,7#10 2 rad s -1 (B) 3,3#10 2 rad s -1 (C) 4,2#10 3 rad s -1 (D) 2,1#10 3 rad s Se esse sinal se propagasse na água, eria (A) o mesmo período e a mesma velocidade de propagação. (B) período diferene, mas a mesma velocidade de propagação. (C) o mesmo período, mas velocidade de propagação diferene. (D) período diferene e velocidade de propagação diferene. Prova 715.V1/1.ª F./SFI Página 10/ 18

27 2. Um som emiido à superfície de um lago é deeado por um sensor, colocado denro de água, e por um ouro sensor, colocado no ar. Os dois sensores esão à mesma disância do local onde o som é emiido, mas o sensor que se enconra denro de água deea o som 1,14 s anes do sensor que se enconra no ar. Considere que a velocidade de propagação do som na água do lago é 15,# 10 3 ms - 1, que a velocidade de propagação do som no ar é 34, 10 2 ms - # 1 e que água e ar represenam o empo decorrido desde a emissão do som aé à sua deeção pelo sensor que se enconra denro de água e pelo sensor que se enconra no ar, respeivamene. Qual dos sisemas de equações seguines pode raduzir a siuação física descria? (A) * 15,# 10 = 34,# 10 ar 3 2 água ar = 114, ^SIh água ^SIh (B) * 3, 4# 10 = 1510,# 2 3 água ar = 114, ^SIh ar água ^SIh (C) * 1, 5# 10 = 3410,# 3 2 água ar + = 114, ^SIh ar água ^SIh (D) * 3,4 # 10 = 1510,# ar 2 3 água ar + = 114, ^SIh água ^SIh Prova 715.V1/1.ª F./SFI Página 11/ 18

28 GRUPO IV 1. Considere um balão meeorológico que sobe na amosfera, com velocidade de módulo praicamene consane, passando sucessivamene pelas posições A, B, C e D. Enre as posições A e B a rajeória do balão é verical. Considere que o balão pode ser represenado pelo seu cenro de massa (modelo da parícula maerial) e que a variação do módulo da aceleração gravíica com a alura em relação ao solo é desprezável O rabalho realizado pelo peso do balão enre as posições C e D (A) depende da forma da rajeória seguida pelo balão enre essas posições. (B) depende do desnível enre essas posições. (C) é independene da massa do balão. (D) depende apenas da massa do balão Num gráfico da energia poencial do sisema balão + Terra em função da alura do balão em relação ao solo observar-se-á (A) uma rea horizonal. (B) uma rea de declive posiivo. (C) uma rea de declive negaivo. (D) uma curva De acordo com o eorema da energia cinéica, o rabalho que seria realizado pela resulane das forças que auam no balão é igual à variação da energia cinéica do balão. Conclua, com base nese eorema, qual é a inensidade da resulane das forças que auam no balão, no deslocameno enre as posições A e B. Apresene num exo a fundamenação da conclusão soliciada. Prova 715.V1/1.ª F./SFI Página 12/ 18

29 1.4. Admia que o balão, de massa 600 g, movendo-se com uma velocidade de módulo 5,8 m s -1, demora 45 s a deslocar-se da posição A aé à posição B. Calcule a soma dos rabalhos realizados pelas forças não conservaivas que auam no balão enre as posições A e B. Apresene odas as eapas de resolução. 2. Geralmene, os balões meeorológicos ransporam uma radiossonda que emie um sinal eleromagnéico de deerminada frequência. Se a frequência desse sinal for 1680 MHz, o comprimeno de onda, no ar, da radiação considerada será (A) 0,560 m (B) 5,60 m (C) 179 m (D) 0,179 m 3. O hidrogénio uilizado nos balões meeorológicos pode ser produzido a parir da reação enre o hidreo de cálcio sólido, CaH 2 (s), e a água líquida, formando-se hidróxido de cálcio sólido, Ca(OH) 2 (s), e hidrogénio gasoso, H 2 ( g ) Escreva a equação química que raduz a reação acima descria O número de oxidação do cálcio (Z = 20) no hidreo de cálcio é (A) +2 (B) +1 (C) -2 (D) -1 Prova 715.V1/1.ª F./SFI Página 13/ 18

30 GRUPO V Uma monagem uilizada na deerminação experimenal do módulo da aceleração gravíica consise num supore verical, ao qual esão fixadas duas células fooeléricas, A e B, ambas ligadas a um cronómero digial. As células A e B devem esar alinhadas enre si de modo a que uma esfera abandonada imediaamene acima da célula A passe pela célula B, sem colidir com ela. Nos vários ensaios realizados, abandonou-se uma esfera sempre da mesma posição inicial, imediaamene acima da célula fooelérica A. 1. Numa primeira experiência, manendo as células fooeléricas à mesma disância uma da oura, mediu-se o empo que a esfera demorou a percorrer a disância enre as células A e B, A"B, e o empo que a esfera demorou a passar em frene da célula B, B Num conjuno de ensaios, realizados nas mesmas condições, obiveram-se os valores de B apresenados na abela seguine. Ensaio B / ms 1.º 8,84 2.º 8,78 3.º 8,79 Qual é, para esse conjuno de ensaios, o resulado da medição de B? (A) B = (8,80 ± 0,01) ms (B) B = (8,80 ± 0,06) ms (C) B = (8,80 ± 0,05) ms (D) B = (8,80 ± 0,04) ms 1.2. Dividindo o diâmero da esfera por B, deermina-se um valor aproximado do módulo da velocidade da esfera no insane em que esa se enconra em frene da célula fooelérica B, v B Ao deerminar v B por ese méodo, que aproximação se faz? Prova 715.V1/1.ª F./SFI Página 14/ 18

31 O cálculo de v B pressupõe que a esfera inerrompe o feixe luminoso da célula B pelo seu diâmero. No enano, um erro experimenal frequene decorre de a esfera inerromper, de faco, o feixe luminoso por uma dimensão inferior ao seu diâmero. Quando ese erro ocorre, o valor de v B calculado é ao verdadeiro, o que deermina um erro por no valor experimenal do módulo da aceleração gravíica. (A) superior... excesso (B) superior... defeio (C) inferior... excesso (D) inferior... defeio 1.3. No cálculo do módulo da aceleração gravíica, que valor deverá ser considerado para o módulo da velocidade da esfera no insane em que esa se enconra em frene da célula fooelérica A? 2. Numa segunda experiência, variando a disância enre as células A e B, foi possível deerminar o módulo da aceleração gravíica a parir do gráfico do quadrado do empo que a esfera demorou a percorrer a disância enre as células, 2 AB ", em função da disância percorrida, Δy. A parir dos valores obidos, deerminou-se a equação da rea que melhor se ajusa ao conjuno de ponos do gráfico: 2 AB " = 0198, Dy 0001, ^h SI Deermine o erro percenual (erro relaivo, em percenagem) do módulo da aceleração gravíica obido nesa experiência, omando como referência o valor 9,8 m s -2. Apresene odas as eapas de resolução. Prova 715.V1/1.ª F./SFI Página 15/ 18

32 GRUPO VI Considere uma reação química em fase gasosa raduzida pelo esquema aag ^h+ bbg ^h? ccg ^h em que a, b e c são os coeficienes esequioméricos das subsâncias A, B e C, respeivamene. 1. Admia que, num reaor com a capacidade de 1,00 L, se inroduziram, à emperaura T, 0,400 mol de A ( g ) e 0,400 mol de B ( g ) Considere que A e B são subsâncias moleculares. Quanas moléculas foram, no oal, inicialmene inroduzidas no reaor? (A) 24110, # 23 (B) 48210, # 23 (C) 19310, # 24 (D) 96310, # No quadro seguine, esão regisadas as quanidades das subsâncias A, B e C que exisem no reaor, num mesmo esado de equilíbrio do sisema, à emperaura T. Subsância n / mol A 0,344 B 0,232 C 0,112 Calcule a consane de equilíbrio, K c, da reação considerada, à emperaura T. Comece por deerminar os coeficienes esequioméricos a, b e c. Apresene odas as eapas de resolução. Prova 715.V1/1.ª F./SFI Página 16/ 18

33 2. Admia que a reação considerada ocorre em sisema fechado, sendo a variação de enalpia do sisema negaiva. Conclua, com base no princípio de Le Châelier, como variará a consane de equilíbrio, K c, da reação se a emperaura aumenar. Apresene num exo a fundamenação da conclusão soliciada. GRUPO VII O ácido meanoico, HCOOH (M = 46,03 g mol -1 ), ambém conhecido por ácido fórmico, é um ácido monopróico fraco (a sua consane de acidez é 17, # 10-4, a 25 o C) cuja ionização em água pode ser raduzida por HCOOHaqHOl ^ h+ ^h? HCOO ^aqh+ HO+ ^aqh Quanos elerões de valência exisem, no oal, na molécula de ácido meanoico? (Z(H) = 1 ; Z(C) = 6 ; Z(O) = 8) 2. Naquela reação, esão envolvidos dois pares conjugados ácido-base, segundo Brönsed-Lowry. Segundo Brönsed-Lowry, o que é um par conjugado ácido-base? 3. Admia que quer preparar 250,0 cm 3 de uma solução aquosa de ácido meanoico cujo ph, a 25 o C, deverá ser 3,20. Calcule a massa de ácido meanoico que erá de ser uilizada para preparar aquela solução. Apresene odas as eapas de resolução. FIM Prova 715.V1/1.ª F./SFI Página 17/ 18

34 COTAÇÕES 1. GRUPO I 1. GRUPO V ponos ponos ponos ponos ponos ponos 40 ponos ponos ponos ponos ponos ponos 30 ponos GRUPO II ponos ponos ponos 1. GRUPO VI ponos ponos 1. GRUPO III 15 ponos ponos ponos ponos 25 ponos GRUPO VII ponos ponos ponos 15 ponos ponos 25 ponos 1. GRUPO IV ponos ponos ponos ponos TOTAL ponos ponos ponos ponos 50 ponos Prova 715.V1/1.ª F./SFI Página 18/ 18

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Física e Química A Prova Escrita

Leia mais

Versão 2. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Versão 2. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. Teste Intermédio de Física e Química A Versão Teste Intermédio Física e Química A Versão Duração do Teste: 90 minutos 30.05.01 10.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/004, de 6 de março Na folha de

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

Física e Química A. Teste Intermédio de Física e Química A. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 26.05.2009

Física e Química A. Teste Intermédio de Física e Química A. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 26.05.2009 Tese Inermédio de Física e Química A Tese Inermédio Física e Química A Versão Duração do Tese: 90 minuos 26.05.2009.º ou 2.º Anos de Escolaridade Decreo-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Na folha de resposas,

Leia mais

Física e Química A. Teste Intermédio de Física e Química A. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 10.03.2010

Física e Química A. Teste Intermédio de Física e Química A. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 10.03.2010 Teste Intermédio de Física e Química A Teste Intermédio Física e Química A Versão 1 Duração do Teste: 90 minutos 10.03.2010 10.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Na folha de

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS

CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS 1 1 1 H 1, 00 2 3 4 2 Li 6, 94 Be 9, 01 11 12 3 Na Mg 22, 99 24, 31 19 20 4 K 39, 10 Ca 40, 08 37 38 5 Rb Sr 85, 47 87, 62 55 56 6 Cs 132, 91 Ba 137, 33 87 88 7 Fr Ra 223, 02 226, 03 CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA

Leia mais

Verifique se este Caderno contém 12 questões discursivas, distribuídas de acordo com o quadro a seguir:

Verifique se este Caderno contém 12 questões discursivas, distribuídas de acordo com o quadro a seguir: 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Se, em qualquer outro local deste Caderno, você assinar, rubricar, escrever

Leia mais

Medicina. Prova Discursiva. Caderno de Prova. Instruções. Informações Gerais. Boa prova! 16/12/2012

Medicina. Prova Discursiva. Caderno de Prova. Instruções. Informações Gerais. Boa prova! 16/12/2012 Prova Discursiva Medicina 16/12/2012 Caderno de Prova Este caderno, com 16 páginas numeradas sequencialmente, contém 5 questões de Biologia e 5 questões de Química. A Classificação Periódica dos Elementos

Leia mais

Y Zr Nb Mo Tc Ru Rh Pd Ag Cd In Sn Sb Te I Xe

Y Zr Nb Mo Tc Ru Rh Pd Ag Cd In Sn Sb Te I Xe A H,0 Li 7,0 Na 2,0 9 K 9,0 7 Rb 85,5 55 Cs,0 87 Fr (22) 2 2A Be 9,0 2 Mg 2,0 20 Ca 0,0 8 Sr 88,0 56 Ba 7,0 88 Ra (226) Elementos de Transição B B 5B 6B 7B 8B B 2B 5 6 7 A A 5A 6A 7A 78,5 8,0 8,0 86,0

Leia mais

Gabarito - Química - Grupo A

Gabarito - Química - Grupo A 1 a QUESTÃO: (1,5 ponto) Avaliador Revisor A estrutura dos compostos orgânicos começou a ser desvendada nos meados do séc. XIX, com os estudos de ouper e Kekulé, referentes ao comportamento químico do

Leia mais

QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA

QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA 1 2 3 4 5 6 7 1 1 1, 00 2 3 4 Li Be 6, 94 9, 01 11 12 Na Mg 22, 99 24, 31 19 20 K Ca 39, 10 40, 08 37 38 Rb Sr 85, 47 87, 62 55 56 Cs Ba 132, 91 137, 33 87 88 Fr Ra 223,

Leia mais

Estando o capacitor inicialmente descarregado, o gráfico que representa a corrente i no circuito após o fechamento da chave S é:

Estando o capacitor inicialmente descarregado, o gráfico que representa a corrente i no circuito após o fechamento da chave S é: PROCESSO SELETIVO 27 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45 31. Considere o circuio mosrado na figura abaixo: S V R C Esando o capacior inicialmene descarregado, o gráfico que represena a correne

Leia mais

Si, Ge, SiO 2, ZnS, etc. PF s e dureza elevados Insolúveis Isolantes (ou semicondutores)

Si, Ge, SiO 2, ZnS, etc. PF s e dureza elevados Insolúveis Isolantes (ou semicondutores) Sólidos covalentes C, diamante C, grafite Si, Ge, SiO 2, ZnS, etc. PF s e dureza elevados Insolúveis Isolantes (ou semicondutores) Sólidos covalentes TEV: rede 3D de ligações covalentes C, diamante (sp

Leia mais

Versão 1. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Versão 1. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. Teste Intermédio de Física e Química A Versão 1 Teste Intermédio Física e Química A Versão 1 Duração do Teste: 90 minutos 29.04.2013 11.º Ano de Escolaridade Na folha de respostas, indique de forma legível

Leia mais

Vestibular2014 MEDICINA. Prova Discursiva 17/11/2013

Vestibular2014 MEDICINA. Prova Discursiva 17/11/2013 Universidade Severino Sombra - USS Vestibular2014 Prova Discursiva MEDICINA 17/11/2013 Este caderno, com 16 páginas numeradas, contém 5 questões de Biologia e 5 questões de Química. A Classificação Periódica

Leia mais

2015.1 VESTIBULAR. Medicina. Prova Discursiva 02/11/2014

2015.1 VESTIBULAR. Medicina. Prova Discursiva 02/11/2014 VESTIBULAR 2015.1 Universidade Severino Sombra - USS Prova Discursiva Medicina 02/11/2014 Este caderno, com 16 páginas numeradas, contém 5 questões de Biologia e 5 questões de Química. A Classificação

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Instituto de Química Coordenação de Pós-graduação

Universidade Federal de Goiás Instituto de Química Coordenação de Pós-graduação Universidade Federal de Goiás Instituto de Química Coordenação de Pós-graduação EXAME DE SELEÇÃO DO MESTRADO EM QUÍMICA 2013/1 IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO Número de Inscrição: INSTRUÇÕES IMPROTANTES: -

Leia mais

003. Ciências da Natureza e Matemática

003. Ciências da Natureza e Matemática VESTIBULAR 2013 Prova de Conhecimentos Específicos e Redação 16.12.2012 Assinatura do candidato 003. Ciências da Natureza e Matemática (Questões 13-24) Confira seus dados impressos neste caderno. Assine

Leia mais

BIOLOGIA/QUÍMICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS. 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. COLE AQUI A ETIQUETA

BIOLOGIA/QUÍMICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS. 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. COLE AQUI A ETIQUETA 2 a Etapa BIOLOGIA/QUÍMICA SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Leia atentamente o CARTAZ sobre ELIMINAÇÃO AUTOMÁTICA, afixado na parede da sala, à sua frente, e as instruções

Leia mais

Mecânica dos Fluidos. Aula 8 Introdução a Cinemática dos Fluidos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica dos Fluidos. Aula 8 Introdução a Cinemática dos Fluidos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Aula 8 Inrodução a Cinemáica dos Fluidos Tópicos Abordados Nesa Aula Cinemáica dos Fluidos. Definição de Vazão Volumérica. Vazão em Massa e Vazão em Peso. Definição A cinemáica dos fluidos é a ramificação

Leia mais

Prova Escrita de Física e Química A

Prova Escrita de Física e Química A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 39/0, de 5 de julho Prova Escrita de Física e Química A 0.º e.º Anos de Escolaridade Prova 75/Época Especial 5 Páginas Duração da Prova: 0 minutos. Tolerância:

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 11.º ou 12.º Ano de Escolaridade (Decreo-Lei n.º 74/24, de 26 de Março) PROVA 715/16 Págs. Duração da prova: 12 minuos 27 1.ª FASE PROVA ESCRITA DE FÍSICA E QUÍMICA

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2006/2 UNIFAL 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45

PROCESSO SELETIVO 2006/2 UNIFAL 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45 OCEO EEIVO 006/ UNIF O DI GIO 1 13 FÍIC QUEÕE DE 31 45 31. Uma parícula é sola com elocidade inicial nula a uma alura de 500 cm em relação ao solo. No mesmo insane de empo uma oura parícula é lançada do

Leia mais

Adaptado de O Prisma e o Pêndulo as dez mais belas experiências científicas, p. 52, Crease, R. (2006)

Adaptado de O Prisma e o Pêndulo as dez mais belas experiências científicas, p. 52, Crease, R. (2006) PROVA MODELO GRUPO I Arisóeles inha examinado corpos em moimeno e inha concluído, pelo modo como os corpos caem denro de água, que a elocidade de um corpo em queda é uniforme, proporcional ao seu peso,

Leia mais

Processo Seletivo 2009-1

Processo Seletivo 2009-1 Processo Seletivo 2009-1 GRUP 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GIÁS PRÓ-REITRIA DE GRADUAÇÃ CENTR DE SELEÇÃ Química SÓ ABRA QUAND AUTRIZAD 1. Após autorização, verifique se este caderno está completo ou se contém

Leia mais

2015.2 VESTIBULAR. Medicina. Prova Discursiva 31/05/2015

2015.2 VESTIBULAR. Medicina. Prova Discursiva 31/05/2015 VESTIBULAR 2015.2 Universidade Severino Sombra - USS Prova Discursiva Medicina 31/05/2015 Este caderno, com 16 páginas numeradas, contém 5 questões de Biologia e 5 questões de Química. A Classificação

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FERREIRA DIAS AGUALVA - SINTRA FÍSICA E QUÍMICA A (10º ANO) MÓDULO 1 MATRIZ DA PROVA

ESCOLA SECUNDÁRIA FERREIRA DIAS AGUALVA - SINTRA FÍSICA E QUÍMICA A (10º ANO) MÓDULO 1 MATRIZ DA PROVA Cursos Científico - Humanísticos de Ciências e Tecnologias ESCOLA SECUNDÁRIA FERREIRA DIAS AGUALVA - SINTRA Ensino Recorrente de Nível Secundário FÍSICA E QUÍMICA A (10º ANO) MÓDULO 1 TIPO DE PROVA: ESCRITA

Leia mais

CAPITULO 01 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES

CAPITULO 01 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES CAPITULO 1 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES 1.1 INTRODUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA FENG Desinase o primeiro capíulo

Leia mais

Prova Escrita de Física e Química A

Prova Escrita de Física e Química A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Física e Química A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 715/2.ª Fase 16 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

GABARITO DE QUÍMICA INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA

GABARITO DE QUÍMICA INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA GABARITO DE QUÍMICA INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA Realizada em 8 de ouubro de 010 GABARITO DISCURSIVA DADOS: Massas aômicas (u) O C H N Na S Cu Zn 16 1 1 14 3 3 63,5 65,4 Tempo de meia - vida do U 38

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

MEDICINA. Prova Discursiva 01/06/2014. Instruções. Informações Gerais. Boa prova!

MEDICINA. Prova Discursiva 01/06/2014. Instruções. Informações Gerais. Boa prova! Universidade Severino Sombra - USS Vestibular2014.2 Prova Discursiva MEDICINA 01/06/2014 Este caderno, com dezesseis páginas numeradas, contém cinco questões de Biologia e cinco questões de Química. A

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FERREIRA DIAS AGUALVA - SINTRA. QUÍMICA (12º ANO) MÓDULOS 1, 2 e 3 MATRIZ DA PROVA

ESCOLA SECUNDÁRIA FERREIRA DIAS AGUALVA - SINTRA. QUÍMICA (12º ANO) MÓDULOS 1, 2 e 3 MATRIZ DA PROVA Cursos Científico - Humanísticos de Ciências e Tecnologias ESCOLA SECUNDÁRIA FERREIRA DIAS AGUALVA - SINTRA Ensino Recorrente de Nível Secundário QUÍMICA (12º ANO) MÓDULOS 1, 2 e 3 TIPO DE PROVA: ESCRITA

Leia mais

QUÍMICA. Prova de 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. FAÇA LETRA LEGÍVEL. Duração desta prova: TRÊS HORAS. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

QUÍMICA. Prova de 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. FAÇA LETRA LEGÍVEL. Duração desta prova: TRÊS HORAS. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS QUÍMICA Prova de 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se seguem. 1 - Este caderno contém oito questões, constituídas de itens e subitens, abrangendo um total de quinze

Leia mais

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Ciências Físico Químicas 9º ano Movimenos e Forças 1.º Período 1.º Unidade 2010 / 2011 Massa, Força Gravíica e Força de Ario 1 - A bordo de um vaivém espacial, segue um

Leia mais

Com base no enunciado e no gráfico, assinale V (verdadeira) ou F (falsa) nas afirmações a seguir.

Com base no enunciado e no gráfico, assinale V (verdadeira) ou F (falsa) nas afirmações a seguir. PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 1ª MENSAL - 2º TRIMESTRE TIPO A 01) O gráico a seguir represena a curva de aquecimeno de 10 g de uma subsância à pressão de 1 am. Analise as seguines airmações. I. O pono de ebulição

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

Universidade Federal de Lavras

Universidade Federal de Lavras Universidade Federal de Lavras Deparameno de Ciências Exaas Prof. Daniel Furado Ferreira 8 a Lisa de Exercícios Disribuição de Amosragem 1) O empo de vida de uma lâmpada possui disribuição normal com média

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 11.º ou 12.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 715/16 Págs. Duração da prova: 120 minutos 2007 2.ª FASE PROVA ESCRITA DE FÍSICA E QUÍMICA

Leia mais

Mecânica de Sistemas de Partículas Prof. Lúcio Fassarella * 2013 *

Mecânica de Sistemas de Partículas Prof. Lúcio Fassarella * 2013 * Mecânica e Sisemas e Parículas Prof. Lúcio Fassarella * 2013 * 1. A velociae e escape e um planea ou esrela é e nia como seno a menor velociae requeria na superfície o objeo para que uma parícula escape

Leia mais

= + 3. h t t. h t t. h t t. h t t MATEMÁTICA

= + 3. h t t. h t t. h t t. h t t MATEMÁTICA MAEMÁICA 01 Um ourives possui uma esfera de ouro maciça que vai ser fundida para ser dividida em 8 (oio) esferas menores e de igual amanho. Seu objeivo é acondicionar cada esfera obida em uma caixa cúbica.

Leia mais

2 Conceitos de transmissão de dados

2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceios de ransmissão de dados 2 Conceios de ransmissão de dados 1/23 2.2.1 Fones de aenuação e disorção de sinal 2.2.1 Fones de aenuação e disorção do sinal (coninuação) 2/23 Imperfeições do canal

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE SELEÇÃO 2º DIA GRUPO 2 SÓ ABRA ESTE CADERNO QUANDO AUTORIZADO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE SELEÇÃO 2º DIA GRUPO 2 SÓ ABRA ESTE CADERNO QUANDO AUTORIZADO CADERNO DE QUESTÕES UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE SELEÇÃO 2º DIA 07/06/2010 Biologia Química Redação SÓ ABRA ESTE CADERNO QUANDO AUTORIZADO LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES

Leia mais

Física e Química A. Teste Intermédio de Física e Química A. Versão 1. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 22.04.

Física e Química A. Teste Intermédio de Física e Química A. Versão 1. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 22.04. Teste Intermédio de Física e Química A Versão 1 Teste Intermédio Física e Química A Versão 1 Duração do Teste: 90 minutos 22.04.2008 11.º ou 12.º Anos de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de

Leia mais

Processabilidade nos Tratamentos de Superfícies para Elementos de Fixação

Processabilidade nos Tratamentos de Superfícies para Elementos de Fixação 1 Processabiidade nos Tratamentos de Superfícies para Eementos de Fixação (parafusos, porcas, arrueas e afins) Patricia Preikschat SurTec Deutschand GmbH D-64673 Zwingenberg 1. Legisação e Consequências

Leia mais

Resumo. Sinais e Sistemas Sinais e Sistemas. Sinal em Tempo Contínuo. Sinal Acústico

Resumo. Sinais e Sistemas Sinais e Sistemas. Sinal em Tempo Contínuo. Sinal Acústico Resumo Sinais e Sisemas Sinais e Sisemas lco@is.ul.p Sinais de empo conínuo e discreo Transformações da variável independene Sinais básicos: impulso, escalão e exponencial. Sisemas conínuos e discreos

Leia mais

Faculdade de Engenharia São Paulo FESP Física Básica 1 (BF1) - Professores: João Arruda e Henriette Righi

Faculdade de Engenharia São Paulo FESP Física Básica 1 (BF1) - Professores: João Arruda e Henriette Righi Faculdade de Engenharia São Paulo FESP Física Básica 1 (BF1) - Professores: João Arruda e Henriee Righi LISTA DE EXERCÍCIOS # 1 Aenção: Aualize seu adobe, ou subsiua os quadrados por negaivo!!! 1) Deermine

Leia mais

Jogos Didáticos de Química 4

Jogos Didáticos de Química 4 Jogos Didáticos de Química 4 Jogos Didáticos de Química 5 APRESENTAÇÃO Esta publicação traz exemplos jogos didáticos destinados ao ensino de química. Os jogos elaborados até o momento contemplam conteúdos

Leia mais

Prova Escrita de Física e Química A

Prova Escrita de Física e Química A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Física e Química A 11.º/12.º Anos de Escolaridade Prova 715/1.ª Fase 16 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA CÁLCULO ÂNGULO INCL. CARRO SUP. TORNEAR CÔNICO DEFINIÇÃO: É indicar o ângulo de inclinação para desviar em graus na base do carro superior de acordo com a conicidade da peça

Leia mais

003. Ciências da Natureza e Matemática (Questões 13-24)

003. Ciências da Natureza e Matemática (Questões 13-24) VESTIBULAR MEIO DE ANO 2012 Prova de Conhecimentos Específicos e Redação 23.06.2012 Assinatura do candidato 003. Ciências da Natureza e Matemática (Questões 13-24) Confira seus dados impressos neste caderno.

Leia mais

Prova Escrita de Física e Química A

Prova Escrita de Física e Química A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Física e Química A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 715/1.ª Fase 16 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

Figura 1 Carga de um circuito RC série

Figura 1 Carga de um circuito RC série ASSOIAÇÃO EDUAIONAL DOM BOSO FAULDADE DE ENGENHAIA DE ESENDE ENGENHAIA ELÉTIA ELETÔNIA Disciplina: Laboraório de ircuios Eléricos orrene onínua 1. Objeivo Sempre que um capacior é carregado ou descarregado

Leia mais

Curso de Modulação Digital de Sinais (parte 1)

Curso de Modulação Digital de Sinais (parte 1) Curso de Modulação Digial de Sinais (pare ) Márcio Anônio Mahias Auguso Carlos Pavão IMT Insiuo Mauá de Tecnologia. O que é modulação O processo de modulação pode ser definido como a ransformação de um

Leia mais

Campo magnético variável

Campo magnético variável Campo magnéico variável Já vimos que a passagem de uma correne elécrica cria um campo magnéico em orno de um conduor aravés do qual a correne flui. Esa descobera de Orsed levou os cienisas a desejaram

Leia mais

Física B Extensivo V. 5

Física B Extensivo V. 5 Gabario Eensivo V 5 Resolva Aula 8 Aula 9 80) E 80) A 90) f = 50 MHz = 50 0 6 Hz v = 3 0 8 m/s v = f = v f = 3 0 8 50 0 = 6 m 90) B y = 0,5 cos [ (4 0)] y = 0,5 cos y = A cos A = 0,5 m 6 = 4 s = 0,5 s

Leia mais

Cap.7 IMPULSO, TRABALHO E ENERGIA

Cap.7 IMPULSO, TRABALHO E ENERGIA Impulso: Resula de uma força que acua num corpo durane um curo período de empo. Exemplos de impulsos: Colisão ou impaco de corpos. Quedas acidenais (podem provocar danos em pessoas idosas, acima dos 65

Leia mais

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações:

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações: Aula 1 Para as quesões dessa aula, podem ser úeis as seguines relações: 1. E c = P = d = m. v E m V E P = m. g. h cos = sen = g = Aividades Z = V caeo adjacene hipoenusa caeo oposo hipoenusa caeo oposo

Leia mais

APÊNDICES APÊNDICE A - TEXTO DE INTRODUÇÃO ÀS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS LINEARES DE 1ª E 2ª ORDEM COM O SOFTWARE MAPLE

APÊNDICES APÊNDICE A - TEXTO DE INTRODUÇÃO ÀS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS LINEARES DE 1ª E 2ª ORDEM COM O SOFTWARE MAPLE 170 APÊNDICES APÊNDICE A - TEXTO DE INTRODUÇÃO ÀS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS LINEARES DE 1ª E ª ORDEM COM O SOFTWARE MAPLE PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS PUC MINAS MESTRADO PROFISSIONAL

Leia mais

CONCEITO DE GEOQUÍMICA

CONCEITO DE GEOQUÍMICA UNIVERSIDADE FEDEREAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA GEOQUÍMICA GC 012 CONCEITO DE GEOQUÍMICA Profa. Dra. Eleonora Maria Gouvea Vasconcellos Introdução distribuição dos elementos químicos controlada

Leia mais

MÉTODO MARSHALL. Os corpos de prova deverão ter a seguinte composição em peso:

MÉTODO MARSHALL. Os corpos de prova deverão ter a seguinte composição em peso: TEXTO COMPLEMENTAR MÉTODO MARSHALL ROTINA DE EXECUÇÃO (PROCEDIMENTOS) Suponhamos que se deseje dosar um concreo asfálico com os seguines maeriais: 1. Pedra 2. Areia 3. Cimeno Porland 4. CAP 85 100 amos

Leia mais

QUESTÕES GLOBALIZANTES

QUESTÕES GLOBALIZANTES 1. DO GPS À DESCRIÇÃO DO MOVIMENTO O Sisema Global de Posicionameno (global posiion sysem) compreende 24 saélies, cada um de apenas 5 m de comprimeno, em órbia a uma aliude de cerca de 20 000 km. Pode

Leia mais

Escola Secundária Dom Manuel Martins

Escola Secundária Dom Manuel Martins Escola Secundária Dom Manuel Marins Seúbal Prof. Carlos Cunha 1ª Ficha de Avaliação FÍSICO QUÍMICA A ANO LECTIVO 2006 / 2007 ANO II N. º NOME: TURMA: C CLASSIFICAÇÃO Grisson e a sua equipa são chamados

Leia mais

Física. MU e MUV 1 ACESSO VESTIBULAR. Lista de Física Prof. Alexsandro

Física. MU e MUV 1 ACESSO VESTIBULAR. Lista de Física Prof. Alexsandro Física Lisa de Física Prof. Alexsandro MU e MU 1 - (UnB DF) Qual é o empo gaso para que um merô de 2m a uma velocidade de 18km/h aravesse um únel de 1m? Dê sua resposa em segundos. 2 - (UERJ) Um rem é

Leia mais

CAPÍTULO III TORÇÃO PROBLEMAS ESTATICAMENTE INDETERMINADOS TORÇÃO - PEÇAS DE SEÇÃO VAZADA DE PAREDES FINAS

CAPÍTULO III TORÇÃO PROBLEMAS ESTATICAMENTE INDETERMINADOS TORÇÃO - PEÇAS DE SEÇÃO VAZADA DE PAREDES FINAS APÍTULO III TORÇÃO PROBLEMAS ESTATIAMENTE INDETERMINADOS TORÇÃO - PEÇAS DE SEÇÃO VAZADA DE PAREDES FINAS A- TORÇÃO PROBLEMAS ESTATIAMENTE INDETERMINADOS Vimos aé aqui que para calcularmos as ensões em

Leia mais

Análise de Circuitos Dinâmicos no Domínio do Tempo

Análise de Circuitos Dinâmicos no Domínio do Tempo Teoria dos ircuios e Fundamenos de Elecrónica Análise de ircuios Dinâmicos no Domínio do Tempo Teresa Mendes de Almeida TeresaMAlmeida@is.ul.p DEE Área ienífica de Elecrónica T.M.Almeida IST-DEE- AElecrónica

Leia mais

Prova Escrita de Física e Química A

Prova Escrita de Física e Química A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Física e Química A 11.º/12.º anos de Escolaridade Prova 715/1.ª Fase 16 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

Física e Química A. Teste Intermédio de Física e Química A. Versão 1. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 22.04.

Física e Química A. Teste Intermédio de Física e Química A. Versão 1. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 22.04. Teste Intermédio de Física e Química A Versão 1 Teste Intermédio Física e Química A Versão 1 Duração do Teste: 90 minutos 22.04.2008 11.º ou 12.º Anos de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de

Leia mais

Física e Química A. Teste Intermédio de Física e Química A. Versão 1. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 13.02.

Física e Química A. Teste Intermédio de Física e Química A. Versão 1. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 13.02. Teste Intermédio de Física e Química A Versão 1 Teste Intermédio Física e Química A Versão 1 Duração do Teste: 90 minutos 13.02.2008 10.º ou 11.º Anos de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de

Leia mais

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16 Equações Simulâneas Aula 16 Gujarai, 011 Capíulos 18 a 0 Wooldridge, 011 Capíulo 16 Inrodução Durane boa pare do desenvolvimeno dos coneúdos desa disciplina, nós nos preocupamos apenas com modelos de regressão

Leia mais

Esquema: Dados: v água 1520m. Fórmulas: Pede-se: d. Resolução:

Esquema: Dados: v água 1520m. Fórmulas: Pede-se: d. Resolução: Queda Livre e Movimeno Uniformemene Acelerado Sergio Scarano Jr 1906/013 Exercícios Proposo Um navio equipado com um sonar preende medir a profundidade de um oceano. Para isso, o sonar emiiu um Ulra-Som

Leia mais

QUESTÃO 01 Considere os conjuntos A = {x R / 0 x 3} e B = {y Z / 1 y 1}. A representação gráfica do produto cartesiano A B corresponde a:

QUESTÃO 01 Considere os conjuntos A = {x R / 0 x 3} e B = {y Z / 1 y 1}. A representação gráfica do produto cartesiano A B corresponde a: PROVA DE MATEMÁTICA - TURMA DO o ANO DO ENINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-A - JUlHO DE. ELAORAÇÃO: PROFEORE ADRIANO CARIÉ E WALTER PORTO. PROFEORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA QUETÃO Considere os conjunos A { R

Leia mais

ANÁLISE DE ESTRUTURAS VIA ANSYS

ANÁLISE DE ESTRUTURAS VIA ANSYS 2 ANÁLISE DE ESTRUTURAS VIA ANSYS A Análise de esruuras provavelmene é a aplicação mais comum do méodo dos elemenos finios. O ermo esruura não só diz respeio as esruuras de engenharia civil como pones

Leia mais

BIOLOGIA. Questões de 01 a 06

BIOLOGIA. Questões de 01 a 06 GRUPO 2 TIPO A BIO. 1 BIOLOGIA Questões de 01 a 06 01. Como todas as células eucariotas, as células caliciformes da traquéia humana apresentam compartimentos intracelulares chamados de organelas, especializados

Leia mais

Função definida por várias sentenças

Função definida por várias sentenças Ese caderno didáico em por objeivo o esudo de função definida por várias senenças. Nese maerial você erá disponível: Uma siuação que descreve várias senenças maemáicas que compõem a função. Diversas aividades

Leia mais

EXPERIÊNCIA 7 CONSTANTE DE TEMPO EM CIRCUITOS RC

EXPERIÊNCIA 7 CONSTANTE DE TEMPO EM CIRCUITOS RC EXPERIÊNIA 7 ONSTANTE DE TEMPO EM IRUITOS R I - OBJETIVO: Medida da consane de empo em um circuio capaciivo. Medida da resisência inerna de um volímero e da capaciância de um circuio aravés da consane

Leia mais

MINERAÇÃO URBANA. A saída para a reciclagem valores metálicos. renováveis. de fontes nãoclique para editar o estilo do subtítulo mestre

MINERAÇÃO URBANA. A saída para a reciclagem valores metálicos. renováveis. de fontes nãoclique para editar o estilo do subtítulo mestre MINERAÇÃO URBANA A saída para a reciclagem de valores metálicos de fontes não renováveis. D. Monteiro de Oliveira & L. Sobral Metais Ferrosos: V, Cr, Fe, Mn, Ni, Nb, Mo Metais Não-Ferrosos: Mg, Al, Ti,

Leia mais

MARCOS VELOSO CZERNORUCKI REPRESENTAÇÃO DE TRANSFORMADORES EM ESTUDOS DE TRANSITÓRIOS ELETROMAGNÉTICOS

MARCOS VELOSO CZERNORUCKI REPRESENTAÇÃO DE TRANSFORMADORES EM ESTUDOS DE TRANSITÓRIOS ELETROMAGNÉTICOS MARCOS VELOSO CZERNORUCKI REPRESENTAÇÃO DE TRANSFORMADORES EM ESTUDOS DE TRANSITÓRIOS ELETROMAGNÉTICOS Disseração apresenada à Escola Poliécnica da Universidade de São Paulo para obenção do íulo de Mesre

Leia mais

Valor do Trabalho Realizado 16.

Valor do Trabalho Realizado 16. Anonio Vicorino Avila Anonio Edésio Jungles Planejameno e Conrole de Obras 16.2 Definições. 16.1 Objeivo. Valor do Trabalho Realizado 16. Parindo do conceio de Curva S, foi desenvolvida pelo Deparameno

Leia mais

Influência de Variáveis Meteorológicas sobre a Incidência de Meningite em Campina Grande PB

Influência de Variáveis Meteorológicas sobre a Incidência de Meningite em Campina Grande PB Revisa Fafibe On Line n.3 ago. 007 ISSN 808-6993 www.fafibe.br/revisaonline Faculdades Inegradas Fafibe Bebedouro SP Influência de Variáveis Meeorológicas sobre a Incidência de Meningie em Campina Grande

Leia mais

Diodos. Símbolo. Função (ideal) Conduzir corrente elétrica somente em um sentido. Tópico : Revisão dos modelos Diodos e Transistores

Diodos. Símbolo. Função (ideal) Conduzir corrente elétrica somente em um sentido. Tópico : Revisão dos modelos Diodos e Transistores 1 Tópico : evisão dos modelos Diodos e Transisores Diodos Símbolo O mais simples dos disposiivos semiconduores. Função (ideal) Conduzir correne elérica somene em um senido. Circuio abero Polarização 2

Leia mais

Lista de Exercício de Química - N o 6

Lista de Exercício de Química - N o 6 Lista de Exercício de Química - N o 6 Profa. Marcia Margarete Meier 1) Arranje em ordem crescente de energia, os seguintes tipos de fótons de radiação eletromagnética: raios X, luz visível, radiação ultravioleta,

Leia mais

TESTE 02 4 a UNIDADE. Bom trabalho! INSTRUÇÕES: Aluno(a): Turma N o 9 o ano Ensino Fundamental II Data 01 / 10 / 13

TESTE 02 4 a UNIDADE. Bom trabalho! INSTRUÇÕES: Aluno(a): Turma N o 9 o ano Ensino Fundamental II Data 01 / 10 / 13 Aluno(a): Turma N o 9 o ano Ensino Fundamental II Data 01 / 10 / 13 INSTRUÇÕES: TESTE 02 4 a UNIDADE I. Sua avaliação consta de 12 questões. Verifique se seu exemplar está completo. II. Utilize caneta

Leia mais

Física. Física Módulo 1

Física. Física Módulo 1 Física Módulo 1 Nesa aula... Movimeno em uma dimensão Aceleração e ouras coisinhas O cálculo de x() a parir de v() v( ) = dx( ) d e x( ) x v( ) d = A velocidade é obida derivando-se a posição em relação

Leia mais

Capítulo II Classificação Periódica

Capítulo II Classificação Periódica 2.1. A história da tabela periódica Um pré-requisito necessário para construção da tabela periódica, foi a descoberta individual dos elementos químicos. Embora os elementos, tais como ouro (Au), prata

Leia mais

Equações Diferenciais Ordinárias Lineares

Equações Diferenciais Ordinárias Lineares Equações Diferenciais Ordinárias Lineares 67 Noções gerais Equações diferenciais são equações que envolvem uma função incógnia e suas derivadas, além de variáveis independenes Aravés de equações diferenciais

Leia mais

Módulo 07 Capítulo 06 - Viscosímetro de Cannon-Fensk

Módulo 07 Capítulo 06 - Viscosímetro de Cannon-Fensk Módulo 07 Capíulo 06 - Viscosímero de Cannon-Fensk Inrodução: o mundo cienífico, medições são necessárias, o que sempre é difícil, impreciso, principalmene quando esa é muio grande ou muio pequena. Exemplos;

Leia mais

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI Sumário Inrodução 5 Gerador de funções 6 Caracerísicas de geradores de funções 6 Tipos de sinal fornecidos 6 Faixa de freqüência 7 Tensão máxima de pico a pico na saída 7 Impedância de saída 7 Disposiivos

Leia mais

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião Porcenagem As quaro primeiras noções que devem ser assimiladas a respeio do assuno são: I. Que porcenagem é fração e fração é a pare sobre o odo. II. Que o símbolo % indica que o denominador desa fração

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

Ministério cfc Aeronáutica Departamento de P quba 9 DotaniwoMmgnto Centro Técnico Aaioatpacial

Ministério cfc Aeronáutica Departamento de P quba 9 DotaniwoMmgnto Centro Técnico Aaioatpacial Ministério cfc Aeronáutica Departamento de P quba 9 DotaniwoMmgnto Centro Técnico Aaioatpacial ICAROG: UM PROGRAMA QUE CONVERTE UMA BIBLIOTECA NO FORMATO WIMSD/4 DE CÓDIGO BCD PARA BINÁRIO E VICE-VERSA

Leia mais

Capítulo 5: Introdução às Séries Temporais e aos Modelos ARIMA

Capítulo 5: Introdução às Séries Temporais e aos Modelos ARIMA 0 Capíulo 5: Inrodução às Séries emporais e aos odelos ARIA Nese capíulo faremos uma inrodução às séries emporais. O nosso objeivo aqui é puramene operacional e esaremos mais preocupados com as definições

Leia mais

Vestibular 2012. Área de Biológicas e Exatas. Assinatura do candidato

Vestibular 2012. Área de Biológicas e Exatas. Assinatura do candidato Vestibular 2012 Área de Biológicas e Exatas 002. Prova de Conhecimentos Específicos Assinatura do candidato Confira seus dados impressos na capa deste caderno. Assine com caneta de tinta azul ou preta

Leia mais

Sistemas não-lineares de 2ª ordem Plano de Fase

Sistemas não-lineares de 2ª ordem Plano de Fase EA93 - Pro. Von Zuben Sisemas não-lineares de ª ordem Plano de Fase Inrodução o esudo de sisemas dinâmicos não-lineares de a ordem baseia-se principalmene na deerminação de rajeórias no plano de esados,

Leia mais

3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 33 3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA No iem 3.1, apresena-se uma visão geral dos rabalhos esudados sobre a programação de horários de rens. No iem 3.2, em-se uma análise dos rabalhos que serviram como base e conribuíram

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO

INSTRUMENTAÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO Pág.: 1/88 ÍNDICE Professor: Waldemir Loureiro Inrodução ao Conrole Auomáico de Processos... 4 Conrole Manual... 5 Conrole Auomáico... 5 Conrole Auo-operado... 6 Sisema

Leia mais

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo 1 VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA Anônio Carlos de Araújo CPF: 003.261.865-49 Cenro de Pesquisas do Cacau CEPLAC/CEPEC Faculdade de Tecnologia

Leia mais

Experiências para o Ensino de Queda Livre

Experiências para o Ensino de Queda Livre Universidade Esadual de Campinas Insiuo de Física Gleb Waagin Relaório Final da disciplina F 69A - Tópicos de Ensino de Física I Campinas, de juno de 7. Experiências para o Ensino de Queda Livre Aluno:

Leia mais

Prova Escrita de Física e Química A

Prova Escrita de Física e Química A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Física e Química A 11.º/12.º anos de Escolaridade Prova 715/2.ª Fase 16 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais