SIPTEST System Intelligent Process Testing. Abordagens de teste para arquiteturas de software específicas.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SIPTEST System Intelligent Process Testing. Abordagens de teste para arquiteturas de software específicas."

Transcrição

1 SIPTEST System Intelligent Process Testing. Abordagens de teste para arquiteturas de software específicas. SIPTEST - System Intelligent Testing Link Consulting,SA Pág. 0 de 10

2 Índice 1 Introdução Objetivo do documento Contexto Estrutura do documento Processos de desenvolvimento de testes... Error! Bookmark not defined. 2.1 Modelo Cascata... Error! Bookmark not defined. 2.2 Modelo Espiral... Error! Bookmark not defined. 2.3 V-model... Error! Bookmark not defined. 2.4 Modelo Ágil... Error! Bookmark not defined Test-Driven Development... Error! Bookmark not defined Rapid Application Development... Error! Bookmark not defined Scrum... Error! Bookmark not defined. 3 Referências... 8 Link Consulting,SA Pág. 1 de 10

3 1 Introdução 1.1 Objetivo do documento Este documento apresenta o resultado da pesquisa efetuada sobre abordagens de teste para arquiteturas de software específicas. Descrevem-se sumariamente algumas arquiteturas de software (nomeadamente: 3-er, Service-oriented-architectures (SOAs), Cloud computing, peer-to-peer e aplicações monolíticas) e, para cada uma, descreve-se o processo de testes mais adequado. 1.2 Contexto Existem vários modelos de desenvolvimento de software e de testes que tomam partido de diferentes características de equipas de desenvolvimento, equipas de teste e do produto em si. Estas metodologias, quando bem aplicadas, podem resultar numa redução de recursos utilizados e numa redução do tempo de desenvolvimento e de teste. No entanto, estas metodologias não têm em consideração a arquitetura do produto. Consequentemente, uma metodologia de desenvolvimento e de testes adequada à arquitetura de uma aplicação pode resultar num acréscimo de produtividade no desenvolvimento e cobertura dos testes. METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE TESTES Existem processos, como os modelos Cascata, Espiral, em V e Ágil, que tentam delinear as metodologias mais eficientes para o desenvolvimento de testes de cada produto. Cada modelo assenta num conjunto de princípios diferentes para desenvolvimento de aplicações. Desta forma, estes modelos são escolhidos consoante as caraterísticas de um produto (tais como, deadlines a cumprir, requisitos funcionais versus não-funcionais) e dos seus desenvolvedores/testadores [1]. As atividades mais gerais envolvidas no desenvolvimento de teste, comuns a todas estas metodologias, são: inspeções e revisão de código, desenho e execução de cenários de teste, teste unitário, modular e de integração, e debugging [1, 2]. DESENVOLVIMENTO DE TESTES PARA ARQUITETURAS ESPECÍFICAS Para além das metodologias de desenvolvimento de testes descritas acima, existem também metodologias para desenvolvimento de testes que se diferenciam consoante a arquitetura do produto a desenvolver. Neste sentido, são apresentadas de seguida algumas arquiteturas de software mais comuns (tais como: 3-tier, SOAs, Cloud compu ting, peer-to-peer e aplicações monolíticas) e as metodologias de desenvolvimento de testes que mais se adequam Estrutura do documento As secções 2 à 6, inclusive, deste documento apresentam as arquiteturas de software já mencionadas na Secção 1.2. Em cada secção descreve-se sumariamente cada arquitetura, as diferentes metodologias de desenvolvimento de testes mais adequadas e as suas vantagens. Finalmente, a última secção apresenta um conjunto de referências recolhidas para elaboração deste relatório, entre outras, consideradas como leitura relevante no tópico em mão. Link Consulting,SA Pág. 2 de 10

4 2 Arquiteturas 3-tier Arquiteturas 3-tier são arquiteturas também conhecidas por cliente-servidor. Estas caracterizam-se pela divisão em 3 módulos com funcionalidades distintas: interface de utilizador, lógica do processo funcional ("regras de negócio") e armazenamento/acesso de dados [3, 4]. Estes módulos usam interfaces de comunicação entre eles o que permite serem desenvolvidos, mantidos e testados em separado [5, 6]. Na fig.1 é possível observar a sua separação. Figura 1 Divisão típica de módulos de uma arquitetura 3-tier onde é possível ver a separação entre as camadas de cliente, aplicação e de base de dados [3 Apesar desta arquitetura poder ter um custo elevado quanto à(s) máquina(s) necessária(s) para a sua operação, esta arquitetura pode ser considerada simples de desenvolver e manter, eficiente, reutilizável e altamente escalável [3, 6]. Neste tipo de arquitetura, cuja aplicação está dividida em módulos, os testes devem seguir uma estrutura que garanta o bom funcionamento inter e intra-módulos [7]. Desta maneira, a fase de testes deve ser estruturada de uma maneira semelhante ao Modelo em V. Ao dividir os testes em testes unitários, testes de integração, testes de sistema e testes de aceitação, estamos a garantir que os vários módulos e as suas interações estão a ser testados. Adicionalmente, deve ser assegurado que os testes são desenvolvidos e mantidos aquando do desenvolvimento de cada módulo [7, 8, 9]. Link Consulting,SA Pág. 3 de 10

5 3 Arquiteturas Service-oriented Arquiteturas Service-oriented (SOAs) são um conjunto de princípios e metodologias para a conceção e desenvolvimento de software em forma de serviços reutilizáveis/consumíveis. Pode-se dizer que a ideia por detrás de SOAs é semelhante à ideia de software livre na qual uma aplicação pode ser reutilizada por outra [10, 11]. Neste sentido, em SOAs, cada aplicação é desenvolvida como um serviço para ser consumido por outro podendo-se construir uma árvore de dependências entre serviços [12], como ilustrado na Fig.2. Deste modo, e a título de exemplo, uma arquitetura 3-tier pode ser vista como uma SOA em que cada módulo tem no máximo uma dependência. Figura 2 Estrutura de um SOA onde é possível identificar vários serviços a serem consumidos por clientes e outros serviços Normalmente, estes serviços usam uma comunicação baseada em XML (devido à organização e estruturação da linguagem) e em Schemas (para validação e/ou estandardização de mensagens). Dado este tipo de comunicação e a estrutura em módulos semelhante à de arquiteturas 3-tier, a metodologia de testes a seguir neste tipo de arquiteturas seria igualmente o Modelo em V [12, 13, 14], no qual são feitos: testes unitários, testes de integração, testes de sistema e testes de aceitação. É também comum neste tipo de arquiteturas o recurso a simuladores de módulos aquando da execução de testes unitários e de integração (como por exemplo, mock objects) [13, 15]. Link Consulting,SA Pág. 4 de 10

6 4 Arquiteturas Cloud Computing Cloud-Computing é a utilização de recursos informáticos que são entregues como serviço através de uma rede. Estas estruturas usam uma abstração de um serviço disponível numa rede (normalmente a Internet) cuja constituição é tipicamente mais complexa. Desta forma, arquiteturas Cloud-Computing são usadas na comunicação com serviços remotos cujas interfaces de comunicação são standard ou estão estabilizadas [16-18]. Pode-se afirmar que este tipo de arquiteturas é uma evolução das arquiteturas Service-oriented descritas anteriormente. A diferença nestas estruturas está por vezes na definição/estabilidade da interface de comunicação e/ou no facto de cada serviço poder ser disponibilizado a mais do que um tipo de aplicação [18-20]. Dada esta semelhança entre arquiteturas Cloud-Computing e arquiteturas Service-oriented, é possível afirmar que os seus testes também partilham metodologias semelhantes. Uma das características do Cloud-computing é a ênfase na abstração de serviços. Neste contexto, é possível afirmar que o desenvolvimento e execução de testes à comunicação entre os serviços adquire maior relevo [21 23]. Portanto, neste tipo de arquiteturas, são especialmente fundamentais os testes de integração dada o desenvolvimento potencialmente díspar entre cada serviço, do qual uma aplicação depende. Adicionalmente, e pela mesma razão, os testes de integração devem também focar problemas relacionados com a indisponibilidade de serviços [24-26]. Link Consulting,SA Pág. 5 de 10

7 5 Arquiteturas Peer-to-Peer Peer-to-Peer (P2P) é uma arquitetura baseada em aplicações distribuídas, i.e. tarefas ou cargas de trabalho são distribuídas entre computadores remotos (peers). Cada peer na rede é atribuído um nó dentro desta e a comunicação é feita por um identificador (normalmente o IP). O funcionamento de arquiteturas P2P é diferenciado das arquiteturas cliente-servidor porque cada peer pode enviar ou receber um pedido. Para tal, cada peer normalmente reserva alguns dos seus recursos (ex.: memória, processamento, disco) de maneira a serem prontamente usados por outras aplicações/serviços remotos. A Fig.3 representa dois esquemas de arquiteturas P2P Qpicas [27, 28]. A grande vantagem deste modelo é o facto de cada peer poder contribuir com as suas aptidões de maneira a melhorar o serviço distribuído, por exemplo, se um peer tem características únicas dentro da rede, este rapidamente se tornará no fornecedor dessa mesma característica/funcionalidade [29 31]. Figura 3 Esquemas de uma arquitetura P2P tipica; à esquerda uma arquitetura sem host, onde nenhum peer comanda a aplicação distribuída; à direita uma arquitetura com um host encarregado de centralizar a decisão de que peer executa o quê [32] De uma maneira semelhante às SOAs e às arquiteturas Cloud-Computing, este tipo de arquitetura depende de serviços remotos para operar corretamente e os testes podem, portanto, seguir metodologias semelhantes. No entanto, este tipo de arquitetura em específico é normalmente capaz de sobreviver ao mau funcionamento de um serviço (um peer) já que tipicamente cada peer é especializado num tipo de tarefa. Contudo, todos eles conseguem executá-la [33, 34]. Em termos de arquiteturas P2P sem host, se uma das linhas de comunicação estiver a falhar, não significa que o nó está inacessível, o que indica que o desenvolvimento de testes deve focar-se principalmente na falha de comunicação entre peers e nas suas potenciais consequências, como pedidos duplicados. Por outro lado, em termos de arquiteturas P2P com recurso a um host, estes tipos de falhas são menos frequentes por haver um controlo centralizado de pedidos. No entanto, o desenvolvimento de testes deve focar-se em problemas de comunicações com o servidor host, cujas falhas podem ter como consequência a indisponibilização de toda a aplicação distribuída [34, 35]. Link Consulting,SA Pág. 6 de 10

8 6 Aplicações Monolíticas Ao contrário de todos tipos de arquitetura vistos neste documento, arquiteturas monolíticas são arquiteturas de apenas uma camada. Isto quer dizer que, por oposição a, por exemplo, arquiteturas 3-tier, o código dos vários módulos (interface de utilizador, lógica de negócio e base de dados) estão interligados. Este tipo de arquitetura tem a vantagem de ser independente de outras aplicações e serviços e de reduzir o número de erros provenientes de aplicações ou serviços externos (por ter nenhuma ou quase nenhuma dependência) [36, 37]. A falta de modularidade desta arquitetura, faz com que esta não seja desejável em aplicações de alto nível e/ou de maior dimensão. Isto deve-se ao facto de aplicações com esta arquitetura terem potenciais erros aquando do melhoramento de funcionalidades já implementadas por poderem existir várias implementações ao longo do código com abordagens descontinuadas não detetáveis na compilação [38] e pela falta de módulos reutilizáveis. O desenvolvimento de testes para este tipo de arquitetura deve, portanto, focar-se no desenvolvimento de casos de uso que cubram todas as alternativas de todas funcionalidades (normalmente, dando origem a um enorme conjunto de casos de teste). Por outro lado, e por todas as razões já apontadas, este tipo de arquitetura pode ser considerada adequada para aplicações de menor dimensão ou de baixo nível [38]. Neste cenário, o número de testes, embora ainda exponencial, poderá trazer vantagens quando comparado com o número de testes numa aplicação da mesma dimensão, desenvolvida com uma arquitetura modular. Quanto à metodologia de testes a seguir neste tipo de arquiteturas, existem várias hipóteses possíveis dependendo do tipo de produto a ser desenvolvido e da maneira como ele é desenvolvido. No caso desta arquitetura, o mais indicado parece ser seguir a metodologia de desenvolvimento do produto e interligá-la com uma metodologia de desenvolvimento e execução de testes. Link Consulting,SA Pág. 7 de 10

9 7 Referências [1] - James A. WhiVaker, Jason Arbon, Jeff Carollo: How Google Tests SoYware, Addison Wesley publishing, [2] - Edward Kit: SoYware Testing In The Real World: Improving The Process, ACM Press Books, [3] - 3-tier Architecture, Slideshare, Maio [4] - Carsten Howitz: What Is 3-Tier(Multi-Tier) Architecture And Why Do You Need It?, SimCrest, Junho 2012, [5] - Using a Three-Tier Architecture Model (COM+), MicrosoY, Outubro 2012, [6] - Channu Kambalyal: 3-Tier Architecture, [7] - Huijie Li, Xiaokang Lin:An OPNET-based 3-tier network simulation architecture, IEEE International Symposium on Communications and Information Technology, 2005 [8] - N-Tier Architecture and Tips, CodeProject, Agosto 2012, Architecture-and-Tips [9] - Rupesh Jaiswal: What is 3- and n-tier architecture, Setembro 2007, [10] - David SproV, Lawrence Wilkes: Understanding Service-Oriented Architecture, Janeiro 2004, [11] - Raghu R. Kodali: What is service-oriented architecture?, Junho 2005, [12] - Service Oriented Architecture, SoYwareExperts.NET, Novembro 2012, [13] - Mike P. Papazoglou, Willem-Jan van den Heuvel: Service oriented architectures: approaches, technologies and research issues, VLDB Journal, 2007 [14] - Schahram Dustdar, Stephan Haslinger: Testing of Service Oriented Architectures A practical approach, Object-Oriented and Internet-Based Technologies, 2004 [15] - Ed Morris, William Anderson, Sriram Bala, David Carney, John Morley, Patrick Place, Soumya Simanta: Testing in Service-Oriented Environments, SoYware Engineering Institute, Relatório Técnico, Março 2010 [16] - Brian Hayes: Cloud Computing, Technology, Communication of the ACM, Vol. 52, No. 7, pp. 9-11, Julho 2008 [17] - Dell: Cloud Computing, Novembro 2012, [18] - Michael Armbrust, Armando Fox, Rean Griffith et al.: A view of cloud computing, Communications of the ACM, Vol. 53, Issue 4, pp , Abril 2010 [19] - Rajkumar Buyyaa, Chee Shin Yeoa, Srikumar Venugopala, James Broberga and Ivona Brandicc: Cloud computing and emerging IT plaborms: Vision, hype, and reality for delivering computing as the 5th utility, Future Generation Computer Systems, Vol. 25, Issue 6, pp , Junho 2009 [20] - Dillon, T., Chen Wu and Chang, E.: Cloud Computing: Issues and Challenges, IEEE International Conference on Advanced Information Networking and Applications (AINA), pp , 2010 [21] - Avetisyan, A.I., Campbell, R. and Gupta, I. et al.: Open Cirrus: A Global Cloud Computing Testbed, Computer, Vol. 43, Issue 4, pp , 2010 [22] - Ambreen Tariq: SoYware Testing Tools to Test Cloud Computing Applications, Dzone, 2009, [23] - Daniel Joseph Barry: Cloud Computing: Testing the Cloud, TechNet Magazine, Setembro 2011, [24] - Daniel Joseph Barry: Testing the Cloud, Cloud Computing Journal, Julho 2011, Link Consulting,SA Pág. 8 de 10

10 [25] - Cloud Infrastructure Testing, IXIA BreakingPoint, Novembro 2012, [26] - EANTC: Cloud Computing Testing, White Paper, Spirent, Abril 2010, Whitepaper-v2_1.pdf [27] - Schollmeier, R.: A definition of peer-to-peer networking for the classification of peer-to-peer architectures and applications, Proceedings. First International Conference on Peer-to-Peer Computing, pp , 2001 [28] - Petar Maymounkov and David Mazières: Kademlia: A Peer-to-Peer Information System Based on the XOR Metric, Lecture Notes in Computer Science, Vol. 2429, Peer-to-Peer Systems, pp , 2002 [29] - Ion Stoica, Robert Morris, David Karger, M. Frans Kaashoek, Hari Balakrishnan: Chord: A scalable peer-to-peer lookup service for internet applications, Proceedings of the 2001 conference on Applications, technologies, architectures, and protocols for computer communications, pp , 2001 [30] - Ripeanu, M.: Peer-to-peer architecture case study: Gnutella network, Proceedings. First International Conference on Peer-to-Peer Computing, pp , 2001 [31] - Keong Lua, Jon CrowcroY and Marcelo Pias: A survey and comparison of Peer-to-peer overlay network schemes, IEEE Communications Surveys, The Electronic Magazine of Original Peer- Reviewed Survey Articles, Vol. 7, No. 2, 2005 [32] - Wikipedia: Peer-to-peer, Novembro 2012 [33] - Eduardo Cunha Almeida, Gerson Sunyé, Yves Traon, Patrick Valduriez: Testing Peer-to-Peer Systems, Journal of Empirical SoYware Engineering, Vol. 15, Issue 4, pp , 2010 [34] - John Wesley Burris: Conformance Testing Of Peer-To-Peer Systems Using Message Traffic Analysis, Dissertação da Universidade do Estado de Louisiana, Maio 2012 [35] - Jorge Augusto Meira, Eduardo Cunha de Almeida, Yves Le Traon, Gerson Sunye: Peer-to-Peer Load Testing, Proceedings of the IEEE FiYh International Conference on SoYware Testing, Verification and Validation, pp , 2012 [36] - Wikipedia: Monolithic application, Novembro 2012 [37] - Luca Deri: Droplets: Breaking Monolithic Applications Apart, IBM T.J. Watson Research Center, 1996 [38] - BreV Maytom: Why not to develop Monolithic applications, Fevereiro 2010, Link Consulting,SA Pág. 9 de 10

SIPTEST System Intelligent Process Testing. Abordagens de teste para metodologias de desenvolvimento específicas.

SIPTEST System Intelligent Process Testing. Abordagens de teste para metodologias de desenvolvimento específicas. SIPTEST System Intelligent Process Testing. Abordagens de teste para metodologias de desenvolvimento específicas. SIPTEST - System Intelligent Testing Link Consulting,SA Pág. 0 de 8 Índice 1 Introdução...

Leia mais

Peer-to-Peer. Introdução. Motivação. Definição. Definição. Definição. Everton Flávio Rufino Seára Murilo R. de Lima

Peer-to-Peer. Introdução. Motivação. Definição. Definição. Definição. Everton Flávio Rufino Seára Murilo R. de Lima Introdução Peer-to-Peer Everton Flávio Rufino Seára Murilo R. de Lima Peer-to-Peer (P2P) é a base da operação de sistemas distribuídos como SETI@home e Kazaa; caracterizada por compartilhamento direto

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2016.1

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2016.1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2016.1 UM ESTUDO SOBRE O USO DA TECNOLOGIA BLOCKCHAIN EM INFRAESTRUTURAS E SERVIÇOS DE ARMAZENAMENTO BASEADOS

Leia mais

SIPTEST System Intelligent Process Testing. Metodologias e boas práticas de testes de carga, stress e desempenho

SIPTEST System Intelligent Process Testing. Metodologias e boas práticas de testes de carga, stress e desempenho SIPTEST System Intelligent Process Testing. Metodologias e boas práticas de testes de carga, stress e desempenho SIPTEST - System Intelligent Testing Link Consulting,SA Pág. 0 de 9 Índice 1 Introdução...

Leia mais

SIPTEST System Intelligent Process Testing. Estudo Comparativo de Ferramentas de Teste.

SIPTEST System Intelligent Process Testing. Estudo Comparativo de Ferramentas de Teste. SIPTEST System Intelligent Process Testing. Estudo Comparativo de Ferramentas de Teste. SIPTEST - System Intelligent Testing Link Consulting,SA Pág. 0 de 7 Índice 1 Introdução... 2 1.1 Objectivo do documento...

Leia mais

Chord. Tecnologias de Middleware. Fernando Martins - fmp.martins@gmail.com

Chord. Tecnologias de Middleware. Fernando Martins - fmp.martins@gmail.com Chord Tecnologias de Middleware 2006/2007 Fernando Martins - fmp.martins@gmail.com Tópicos Objectivo Motivação Peer-To-Peer Chord Descrição Geral Características Distintivas Comparação DNS Modelo do Sistema

Leia mais

SIPTEST System Intelligent Process Testing. SLAs a aplicar em frentes de testes funcionais

SIPTEST System Intelligent Process Testing. SLAs a aplicar em frentes de testes funcionais SIPTEST System Intelligent Process Testing. SLAs a aplicar em frentes de testes funcionais SIPTEST - System Intelligent Testing Link Consulting,SA Pág. 0 de 8 Índice 1 Introdução... 2 2 SLAs a aplicar

Leia mais

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Desenvolvimento de Sistemas Cliente Servidor Prof. Esp. MBA Heuber G. F. Lima Aula 1 Ciclo de Vida Clássico Aonde estamos? Page 2 Análise O que fizemos

Leia mais

Uma arquitetura de Cloud Computing para análise de Big Data proveniente da Internet of Things

Uma arquitetura de Cloud Computing para análise de Big Data proveniente da Internet of Things UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Graduação em Engenharia da Computação Centro de Informática Uma arquitetura de Cloud Computing para análise de Big Data proveniente da Internet of Things Aluno: Diogo

Leia mais

PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM

PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM INTRODUÇÃO, INFRA-ESTRUTURA E MAPEAMENTO DE ESQUEMAS AGENDA Data Management System Peer Data Management System P2P Infra-estrutura Funcionamento do PDMS Mapeamento de Esquemas

Leia mais

Um processo para construção de software mais transparente

Um processo para construção de software mais transparente Um processo para construção de software mais transparente Eduardo Almentero 1, and Julio Cesar Sampaio do Prado Leite 1 1 Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC - Rio, Brasil {ealmentero,

Leia mais

SIPTEST System Intelligent Process Testing. Estado da arte na prática de testes tendo como referência o CMMI

SIPTEST System Intelligent Process Testing. Estado da arte na prática de testes tendo como referência o CMMI SIPTEST System Intelligent Process Testing. Estado da arte na prática de testes tendo como referência o CMMI SIPTEST - System Intelligent Testing Link Consulting,SA Pág. 0 de 10 Índice 1 Introdução...

Leia mais

build UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas 3 Prof.Marcelo Nogueira A produção de Software é uma atividade build and fix.

build UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas 3 Prof.Marcelo Nogueira A produção de Software é uma atividade build and fix. UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas Prof.Marcelo Nogueira Análise Essencial de Sistemas 1 Introdução A produção de Software é uma atividade build and fix. Análise Essencial de Sistemas

Leia mais

SIPTEST System Intelligent Process Testing. Frameworks de Gestão de Serviços de Testes

SIPTEST System Intelligent Process Testing. Frameworks de Gestão de Serviços de Testes SIPTEST System Intelligent Process Testing. Frameworks de Gestão de Serviços de Testes SIPTEST - System Intelligent Testing Link Consulting,SA Pág. 0 de 9 Índice 1 Introdução... 2 1.1 Objetivo do documento...

Leia mais

Diego Takashi Sato Pollyanna Fernandes Moreira SISTEMAS DISTRIBUÍDOS PROFESSOR VAGNER SACRAMENTO

Diego Takashi Sato Pollyanna Fernandes Moreira SISTEMAS DISTRIBUÍDOS PROFESSOR VAGNER SACRAMENTO Um serviço escalável de busca P2P para aplicações da Internet Ion Stoica, Robert Morris, David Karger, M. Frans Kaashoek, Hari Balakrishnan MIT Laboratory for Computer Science Diego Takashi Sato Pollyanna

Leia mais

Alberto Manuel Simões, José João Almeida, and Xavier Gomez Guinovart

Alberto Manuel Simões, José João Almeida, and Xavier Gomez Guinovart Memórias de Tradução Distribuídas Alberto Manuel Simões, José João Almeida, and Xavier Gomez Guinovart Departamento de Informática, Universidade do Minho {albie@alfarrabio. jj@}di.uminho.pt Universidade

Leia mais

Tipos de Computadores

Tipos de Computadores Tipos de Computadores A potência de um computador pessoal é medida Pelo tipo de processador (Pentium IV, Celeron, etc.) Pela dimensão da memória RAM Pela capacidade do disco fixo Pela placa gráfica Pela

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 5 Servidores de Aplicação

Leia mais

Resumo. Introdução História Caracteristicas Exemplos Arquitetura Distribuição Vertical vs Distribuição Horizontal Segurança Conclusão

Resumo. Introdução História Caracteristicas Exemplos Arquitetura Distribuição Vertical vs Distribuição Horizontal Segurança Conclusão Peer 2 Peer (P2P) Resumo Introdução História Caracteristicas Exemplos Arquitetura Distribuição Vertical vs Distribuição Horizontal Segurança Conclusão O que é P2P? Introdução Tipo de arquitetura de rede

Leia mais

9º Congresso de Pós-Graduação GERENCIAMENTO DE CONSULTAS EM DATA WAREHOUSE DISTRIBUÍDO EM NUVEM

9º Congresso de Pós-Graduação GERENCIAMENTO DE CONSULTAS EM DATA WAREHOUSE DISTRIBUÍDO EM NUVEM 9º Congresso de Pós-Graduação GERENCIAMENTO DE CONSULTAS EM DATA WAREHOUSE DISTRIBUÍDO EM NUVEM Autor(es) ORLANDO PEREIRA SANTANA JUNIOR Orientador(es) MARINA TERESA PIRES VIEIRA 1. Introdução A informação

Leia mais

Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA

Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA RESUMO Ricardo Della Libera Marzochi A introdução ao Service Component Architecture (SCA) diz respeito ao estudo dos principais fundamentos

Leia mais

SIPTEST System Intelligent Process Testing. Meta Modelo da Base de Conhecimento

SIPTEST System Intelligent Process Testing. Meta Modelo da Base de Conhecimento SIPTEST System Intelligent Process Testing. Meta Modelo da Base de Conhecimento SIPTEST - System Intelligent Testing Link Consulting,SA Pág. 0 de 8 Índice 1 Introdução... 2 2 Meta modelo... 3 2.1 SQA -

Leia mais

ADAPTANDO UMA APLICAÇÃO PARA CLOUD: UMA ANÁLISE ENTRE OS ESFORÇOS UTILIZADOS

ADAPTANDO UMA APLICAÇÃO PARA CLOUD: UMA ANÁLISE ENTRE OS ESFORÇOS UTILIZADOS ADAPTANDO UMA APLICAÇÃO PARA CLOUD: UMA ANÁLISE ENTRE OS ESFORÇOS UTILIZADOS Cleverson Nascimento de Mello¹, Claudete Werner¹, Gabriel Costa Silva² ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil

Leia mais

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Objetivos da aula: Introduzir os conceitos de um processo de desenvolvimento de software Definir os processos básicos Apresentar as vantagens

Leia mais

Introdução ao Design

Introdução ao Design Introdução ao Design João Arthur e Guilherme Germoglio Coordenação de Pós-graduação em Informática - COPIN 16/10/2008 João Arthur e Guilherme Germoglio 1/ 33 Roteiro 1 Introdução Objetivos 2 Definições

Leia mais

O Padrão Arquitetural Auto-Adaptável

O Padrão Arquitetural Auto-Adaptável MAC5715 - Tópicos Avançados em POO O Padrão Arquitetural Auto-Adaptável Raphael Y. de Camargo e Carlos Alexandre Queiroz 30 de outubro de 2003 1 Intenção O padrão auto-adaptável permite o desenvolvimento

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Aplicação Slide 1 Aplicação e Protocolo de Aplicação Aplicação: processos distribuídos em comunicação rodam nos computadores usuários da rede como programas de usuário trocam

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Aula 2 Msc. Daniele Carvalho Oliveira Doutoranda em Ciência da Computação - UFU Mestre em Ciência da Computação UFU Bacharel em Ciência da Computação - UFJF Por que definir uma arquitetura?

Leia mais

8 Bibliografia. ACEAUME, E. et al. On The Formal Specification of Group Membership Services. INRIA, 1995, 15 p. Relatório Técnico TR95-1534.

8 Bibliografia. ACEAUME, E. et al. On The Formal Specification of Group Membership Services. INRIA, 1995, 15 p. Relatório Técnico TR95-1534. Bibliografia 88 8 Bibliografia ACEAUME, E. et al. On The Formal Specification of Group Membership Services. INRIA, 1995, 15 p. Relatório Técnico TR95-1534. AMBRIOLA, V.; TORTORA, G. Advances in Software

Leia mais

Partilha segura de ficheiros disponibilizados livremente na Internet

Partilha segura de ficheiros disponibilizados livremente na Internet Partilha segura de ficheiros disponibilizados livremente na Internet Nuno Matias, António Pinto Resumo As plataformas baseadas na nuvem (ou cloud computing) pressupõem a disponibilidade de informação,

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Cluster, Grid e computação em nuvem Slide 8 Nielsen C. Damasceno Introdução Inicialmente, os ambientes distribuídos eram formados através de um cluster. Com o avanço das tecnologias

Leia mais

Frameworks. Pasteur Ottoni de Miranda Junior

Frameworks. Pasteur Ottoni de Miranda Junior Frameworks Pasteur Ottoni de Miranda Junior 1-Definição Apesar do avanço das técnicas de desenvolvimento de software, a construção de software ainda é um processo extremamente complexo.a reutilização tem

Leia mais

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Louis Albert Araujo Springer Luis Augusto de Freitas Macedo Oliveira Atualmente vem crescendo

Leia mais

Utilização de SVG na Visualização de Sinópticos

Utilização de SVG na Visualização de Sinópticos Utilização de SVG na Visualização de Sinópticos Filipe Marinho 1, Paulo Viegas 1, João Correia Lopes 23 1 EFACEC Sistemas de Electrónica, Rua Eng. Frederico Ulrich, Apartado 3078, 4471-907 Moreira Maia.

Leia mais

Desenvolvimento de software orientado a características e dirigido por modelos

Desenvolvimento de software orientado a características e dirigido por modelos Desenvolvimento de software orientado a características e dirigido por modelos Universidade Federal de Uberlândia Rodrigo Reis Pereira Prof. Dr. Marcelo Almeida Maia Agenda Motivação Introdução Modelagem

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Comunicação coletiva Modelo Peer-to-Peer Slide 6 Nielsen C. Damasceno Introdução Os modelos anteriores eram realizado entre duas partes: Cliente e Servidor. Com RPC e RMI não é possível

Leia mais

Sistemas Distribuídos Arquitetura de Sistemas Distribuídos Aula II Prof. Rosemary Silveira F. Melo Arquitetura de Sistemas Distribuídos Conceito de Arquitetura de Software Principais elementos arquiteturais

Leia mais

CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS

CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS João Antônio Bezerra Rodrigues¹, Claudete Werner¹, Gabriel Costa Silva² ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

SOA - Service Oriented Architecture. Marcelo Canevello Ferreira

SOA - Service Oriented Architecture. Marcelo Canevello Ferreira SOA - Service Oriented Architecture Marcelo Canevello Ferreira Índice Arquitetura baseada em componentes Introdução a SOA Principais conceitos de SOA SOA Framework Abordagem de integração Conclusões Evolução

Leia mais

Camadas de Software - o Middleware. Sistemas Distribuídos Capítulo 2: Modelos e Arquitecturas. Aplicações. Middleware.

Camadas de Software - o Middleware. Sistemas Distribuídos Capítulo 2: Modelos e Arquitecturas. Aplicações. Middleware. Camadas de Software - o Middleware Sistemas Distribuídos Capítulo 2: Modelos e Arquitecturas Modelos de Arquitecturas para sistemas distribuidos Interfaces e Objectos Requerimentos para Arquitecturas Distribuídas

Leia mais

Um Arcabouço open source em Python para DBC com

Um Arcabouço open source em Python para DBC com Um Arcabouço open source em Python para DBC com Suporte à Evolução Dinâmica não Antecipada Yguaratã C. Cavacanti 1, Hyggo Oliveira de Almeida 1, Evandro Costa 2 1 Instituto de Computação Universidade Federal

Leia mais

DISTRIBUTED SYSTEMS ARCHITECTURES. Ian Sommerville, 8º edição Capítulo 12 Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos

DISTRIBUTED SYSTEMS ARCHITECTURES. Ian Sommerville, 8º edição Capítulo 12 Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos DISTRIBUTED SYSTEMS ARCHITECTURES Ian Sommerville, 8º edição Capítulo 12 Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos Objetivos Explicar as vantagens e desvantagens das arquiteturas de sistemas distribuídos

Leia mais

DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial

DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial Aluno: André Faria Ruaro Professores: Jomi F. Hubner e Ricardo J. Rabelo 29/11/2013 1. Introdução e Motivação 2.

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS JSF E PRIMEFACES NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB

UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS JSF E PRIMEFACES NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS JSF E PRIMEFACES NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB Adriano Schulter Moenster 1, Tiago Piperno Bonetti 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil adrmoenster@gmail.com,

Leia mais

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA PROJETO SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO ALUNO RICARDO CARDOSO TERZELLA

Leia mais

3 Serviços na Web (Web services)

3 Serviços na Web (Web services) 3 Serviços na Web (Web services) 3.1. Visão Geral Com base na definição do Word Wide Web Consortium (W3C), web services são aplicações autocontidas, que possuem interface baseadas em XML e que descrevem

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Faculdades SENAC Análise e Desenvolvimento de Sistemas 1 de agosto de 2009 Membership Grupos dinâmicos Membros entram e saem dos grupos Membros podem falhar (crash) Grupos são criados e destruídos em tempo

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

SMART GRIDS: PHYSICAL-LAYER SECURITY. Proposta de trabalho de graduação. Aluno: Lucas André Pequeno Paes Orientador: Daniel Carvalho da Cunha

SMART GRIDS: PHYSICAL-LAYER SECURITY. Proposta de trabalho de graduação. Aluno: Lucas André Pequeno Paes Orientador: Daniel Carvalho da Cunha UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO 2012.2 SMART GRIDS: PHYSICAL-LAYER SECURITY Proposta de trabalho de graduação Aluno: Lucas André Pequeno Paes

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

Trabalho de Sistemas Distribuídos

Trabalho de Sistemas Distribuídos Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Petrópolis 2015, v-1.0 Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Trabalho sobre sistemas distribuídos e suas tecnologias. Universidade

Leia mais

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web João Alexandre Oliveira Ferreira Dissertação realizada sob a orientação do Professor Doutor Mário de Sousa do Departamento de Engenharia

Leia mais

Descoberta de Domínio Conceitual de Páginas Web

Descoberta de Domínio Conceitual de Páginas Web paper:25 Descoberta de Domínio Conceitual de Páginas Web Aluno: Gleidson Antônio Cardoso da Silva gleidson.silva@posgrad.ufsc.br Orientadora: Carina Friedrich Dorneles dorneles@inf.ufsc.br Nível: Mestrado

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

AULA 04. CONTEÚDO PREVISTO: Criação de protocolos para servidores de jogos multijogadores massivos

AULA 04. CONTEÚDO PREVISTO: Criação de protocolos para servidores de jogos multijogadores massivos AULA 04 CONTEÚDO PREVISTO: Criação de protocolos para servidores de jogos multijogadores massivos COMPETÊNCIAS E HABILIDADES TRABALHADAS: Projetar a estrutura de servidor para jogos multijogadores Over

Leia mais

Uma abordagem utilizando Business Intelligence para apoiar o processo de tomada de decisão na gestão da evolução de serviços web 1

Uma abordagem utilizando Business Intelligence para apoiar o processo de tomada de decisão na gestão da evolução de serviços web 1 Uma abordagem utilizando Business Intelligence para apoiar o processo de tomada de decisão na gestão da evolução de serviços web 1 Ernando Silva 1, Renata Galante (Orientadora) 1, Karin Becker (Coorientadora)

Leia mais

Em Busca de uma Arquitetura de Referência para Frameworks de Aplicação Dirigidos por Modelos para Sistemas de Informação

Em Busca de uma Arquitetura de Referência para Frameworks de Aplicação Dirigidos por Modelos para Sistemas de Informação Em Busca de uma Arquitetura de Referência para Frameworks de Aplicação Dirigidos por Modelos para Sistemas de Informação Valdemar Vicente GRACIANO NETO 1 ; Juliano Lopes DE OLIVEIRA 1 1 Instituto de Informática

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE E COMPUTAÇÃO EM NUVEM COMO SERVIÇO

ENGENHARIA DE SOFTWARE E COMPUTAÇÃO EM NUVEM COMO SERVIÇO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2015.2 ENGENHARIA DE SOFTWARE E COMPUTAÇÃO EM NUVEM COMO SERVIÇO Aluna: Marcela Pereira de Oliveira Orientador:

Leia mais

Sistemas distribuídos. Grids e Clusters. Arquiteturas de SDs

Sistemas distribuídos. Grids e Clusters. Arquiteturas de SDs UTFPR/Curitiba - Especialização em Teleinformática Sistemas Distribuídos (Prof. Tacla) EXERCÍCIOS Sistemas distribuídos * consultar slides 0010 1. Quais as diferenças entre um sistema distribuído e um

Leia mais

Modelos e Arquiteturas de Sistemas Computacionais

Modelos e Arquiteturas de Sistemas Computacionais Modelos e Arquiteturas de Sistemas Computacionais Prof. Ricardo J. Rabelo UFSC Universidade Federal de Santa Catarina DAS Departamento de Automação e Sistemas SUMÁRIO Importância da definição da Arquitetura

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS Arquitetura Sistemas Operacionais Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Plano de Aula Sistemas monolíticos Sistemas em camadas Sistemas micro-núcleo Modelo Cliente-Servidor Máquinas

Leia mais

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1 1 / 58 - Parte 1 Erick Nilsen Pereira de Souza T017 - Arquitetura e Design de Aplicações Análise e Desenvolvimento de Sistemas Universidade de Fortaleza - UNIFOR 11 de fevereiro de 2015 2 / 58 Agenda Tópicos

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO A COMUNICAÇÃO NA INTERNET PROTOCOLO TCP/IP Para tentar facilitar o entendimento de como se dá a comunicação na Internet, vamos começar contando uma história para fazer uma analogia. Era uma vez, um estrangeiro

Leia mais

Engenharia de Software Aula 7 (Versão 2010-02)

Engenharia de Software Aula 7 (Versão 2010-02) Engenharia de Software Aula 7 (Versão 2010-02) As melhores práticas de Engenharia de Software: Usar arquitetura baseada em. Engenharia de software baseada em : definição, conceituação e projeto com reuso.

Leia mais

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido Arquitetura Roteiro Arquitetura Tipos de Arquitetura Centralizado Descentralizado Hibrido Questionário 2 Arquitetura Figura 1: Planta baixa de uma casa 3 Arquitetura Engenharia de Software A arquitetura

Leia mais

CloudSimDB: Um Simulador para o Provisionamento de Máquinas Virtuais para o Processamento de Aplicações Centradas em Banco de Dados *

CloudSimDB: Um Simulador para o Provisionamento de Máquinas Virtuais para o Processamento de Aplicações Centradas em Banco de Dados * CloudSimDB: Um Simulador para o Provisionamento de Máquinas Virtuais para o Processamento de Aplicações Centradas em Banco de Dados * Humberto Lima, Felipe Aragão, Jonas Lima, Flávio R.C. Sousa, José Maria

Leia mais

Sistemas Distribuídos Arquitetura de Sistemas Distribuídos I. Prof. MSc. Hugo Souza

Sistemas Distribuídos Arquitetura de Sistemas Distribuídos I. Prof. MSc. Hugo Souza Sistemas Distribuídos Arquitetura de Sistemas Distribuídos I Prof. MSc. Hugo Souza Como já vimos, os sistemas distribuídos são apresentados considerando um planejamento bem mais complexo relacionado aos

Leia mais

Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações

Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações Redes definidas por software e Computação em Nuvem Prof. Rodrigo de Souza Couto Informações Gerais Prof. Rodrigo de Souza Couto E-mail: rodsouzacouto@ieee.org

Leia mais

Desempenho de Web Servers

Desempenho de Web Servers Desempenho de Web Servers Web Servers no Modo Kernel X Web Servers no Modo Usuário Vandécia Rejane Fernandes Universidade Federal do Maranhão (UFMA) Av. dos Portugueses s/n, Campus Universitário do Bacanga

Leia mais

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com)

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) ARQUITETURA DE SISTEMAS Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) Roteiro Definição Documento de arquitetura Modelos de representação da arquitetura Estilos arquiteturais Arquitetura de sistemas web Arquitetura

Leia mais

Arquitetura Orientada a Serviço

Arquitetura Orientada a Serviço Arquitetura Orientada a Fabio Perez Marzullo IEEE Body of Knowledge on Services Computing Sponsored by Technical Committee on Services Computing, IEEE Computer Society 1 SOA e Web Services SOA é um modelo

Leia mais

PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS -ARQUITETURAS DE APLICAÇÃO MÓVEL. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.

PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS -ARQUITETURAS DE APLICAÇÃO MÓVEL. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about. PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS -ARQUITETURAS DE APLICAÇÃO MÓVEL Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza ROTEIRO Introdução Cliente-Servidor Cliente Servidor Tipos de conexão

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Rogério Schueroff Vandresen¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense(UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil rogeriovandresen@gmail.com, wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operativos

Arquitetura de Sistemas Operativos Arquitetura de Sistemas Operativos Sistemas Operativos 2011/2012 1 Introdução Os sistemas operativos implementam mecanismos que asseguram independência entre processos (i.e., a execução de um processo

Leia mais

GT Computação Colaborativa (P2P)

GT Computação Colaborativa (P2P) GT Computação Colaborativa (P2P) Djamel Sadok Julho de 2003 Este documento tem como objetivo descrever o projeto de estruturação do grupo de trabalho GT Computação Colaborativa (P2P), responsável pelo

Leia mais

Comunicando através da rede

Comunicando através da rede Comunicando através da rede Fundamentos de Rede Capítulo 2 1 Estrutura de Rede Elementos de comunicação Três elementos comuns de comunicação origem da mensagem o canal destino da mensagem Podemos definir

Leia mais

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Engenharia de Software I Informática 2009 Profa. Dra. Itana Gimenes RUP: Artefatos de projeto Modelo de Projeto: Use-Case Realization-projeto

Leia mais

Arquitetura de Redes: Camadas de Protocolos (Parte I) Prof. Eduardo

Arquitetura de Redes: Camadas de Protocolos (Parte I) Prof. Eduardo Arquitetura de Redes: Camadas de Protocolos (Parte I) Prof. Eduardo Introdução O que é Protocolo? - Para que os pacotes de dados trafeguem de uma origem até um destino, através de uma rede, é importante

Leia mais

Aplicação Prática de Lua para Web

Aplicação Prática de Lua para Web Aplicação Prática de Lua para Web Aluno: Diego Malone Orientador: Sérgio Lifschitz Introdução A linguagem Lua vem sendo desenvolvida desde 1993 por pesquisadores do Departamento de Informática da PUC-Rio

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel 1 4 Estrutura do Sistema Operacional 4.1 - Kernel O kernel é o núcleo do sistema operacional, sendo responsável direto por controlar tudo ao seu redor. Desde os dispositivos usuais, como unidades de disco,

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

Por Sérgio Crespo Email: screspo@id.uff.br http://www.professores.uff.br/screspo Twitter: @screspo

Por Sérgio Crespo Email: screspo@id.uff.br http://www.professores.uff.br/screspo Twitter: @screspo Por Sérgio Crespo Email: screspo@id.uff.br http://www.professores.uff.br/screspo Twitter: @screspo Objetivos Esta disciplina tem por objetivo estudar a teoria que envolve a criação de arquiteturas de software,

Leia mais

Agenda CLOUD COMPUTING I

Agenda CLOUD COMPUTING I Agenda O que é Cloud Computing? Atributos do Cloud Computing Marcos do Cloud Computing Tipos do Cloud Computing Camadas do Cloud computing Cloud Computing Tendências O Cloud Computing do Futuro Pros &

Leia mais

& P2P. Serviços de Comunicações 2014/2015. Luiz Fernando Miguel Santos Tiago Oliveira

& P2P. Serviços de Comunicações 2014/2015. Luiz Fernando Miguel Santos Tiago Oliveira & P2P Serviços de Comunicações 2014/2015 Luiz Fernando Miguel Santos Tiago Oliveira O que é? Software muito famoso, especializado em videotelefonía por IP; Disponível para Windows, Linux, Android e mais..

Leia mais

FAZER MAIS COM MENOS Maio 2012 White Paper

FAZER MAIS COM MENOS Maio 2012 White Paper CLOUD COMPUTING FAZER MAIS COM MENOS Maio 2012 CLOUD COMPUTING FAZER MAIS COM MENOS Cloud Computing é a denominação adotada para a mais recente arquitetura de sistemas informáticos. Cada vez mais empresas

Leia mais

DNS. Domain Name System

DNS. Domain Name System DNS Domain Name System Sistema de Nomes de Domínios (DNS) Domain Name System Protocol (DNS) Grupo 7: José Gomes, Ernesto Ferreira e Daniel Silva a5571@alunos.ipca.pt, a7821@alunos.ipca.pt e a7997@alunos.ipca.pt

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMA OPERACIONAL DE REDE (AULA 1)

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMA OPERACIONAL DE REDE (AULA 1) Prof. Breno Leonardo Gomes de Menezes Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMA OPERACIONAL DE REDE (AULA 1) Administração A palavra administração vem do latim

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática 1 Este é o seu teste de avaliação de frequência. Leia as perguntas com atenção antes de responder. Escreva as suas respostas nesta folha de teste, marcando um círculo em volta da opção ou opções que considere

Leia mais

Fasci-Tech MAPEAMENTO DOS PROCESSOS DE NEGÓCIO PARA DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO

Fasci-Tech MAPEAMENTO DOS PROCESSOS DE NEGÓCIO PARA DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO MAPEAMENTO DOS PROCESSOS DE NEGÓCIO PARA DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO Resumo: Carlos Alberto dos Santos 1 Profa. MSc. Rosangela Kronig 2 Abstract: Num ambiente globalizado e em constante

Leia mais

Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações

Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações Redes definidas por software e Computação em Nuvem Prof. Rodrigo de Souza Couto PARTE 1 REDES DEFINIDAS POR SOFTWARE (SDN) 2 Bibliografia Esta aula é baseada

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operacionais Machado/Maia. Arquitetura de Sistemas

Arquitetura de Sistemas Operacionais Machado/Maia. Arquitetura de Sistemas Arquitetura de Sistemas Operacionais Capítulo 4 Estrutura do Sistema Operacional Cap. 4 Estrutura do Sistema 1 Sistemas Operacionais Pitágoras Fadom Divinópolis Material Utilizado na disciplina Sistemas

Leia mais

Seleção Baseada em Preço dos Melhores e Piores Provedores de Serviço em Rede de Sobreposição de Serviços Par-a-Par

Seleção Baseada em Preço dos Melhores e Piores Provedores de Serviço em Rede de Sobreposição de Serviços Par-a-Par Seleção Baseada em Preço dos Melhores e Piores Provedores de Serviço em Rede de Sobreposição de Serviços Par-a-Par Renato Balestrin Júnior 1, Adriano Fiorese 1 1 Departamento de Ciência da Computação (DCC)

Leia mais

Desenvolvimento de uma Rede de Distribuição de Arquivos. Development of a File Distribution Network

Desenvolvimento de uma Rede de Distribuição de Arquivos. Development of a File Distribution Network Desenvolvimento de uma Rede de Distribuição de Arquivos Development of a File Distribution Network Desenvolvimento de uma Rede de Distribuição de Arquivos Development of a File Distribution Network Talles

Leia mais

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional 01 INTRODUÇÃO 1.5 ESTRUTURA DOS SISTEMAS OPERACIONAIS O Sistema Operacional é formado por um Conjunto de rotinas (denominado de núcleo do sistema ou kernel) que oferece serviços aos usuários e suas aplicações

Leia mais

Análise comparativa sobre bases de dados para armazenamento e consulta de dados não estruturados no formato JSON.

Análise comparativa sobre bases de dados para armazenamento e consulta de dados não estruturados no formato JSON. UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA Análise comparativa sobre bases de dados para armazenamento e consulta de dados não estruturados no formato JSON. Proposta de Trabalho de Graduação

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS

SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1 2 Caracterização de Sistemas Distribuídos: Os sistemas distribuídos estão em toda parte. A Internet permite que usuários de todo o mundo acessem seus serviços onde quer que possam estar. Cada organização

Leia mais

Palavras-chave: Tecnologia da Informação, Armazenamento, Nuvem, Internet.

Palavras-chave: Tecnologia da Informação, Armazenamento, Nuvem, Internet. 1 COMPUTAÇÃO EM NUVEM Leonardo André Junges 1 Neimar Sierota 2 Palavras-chave: Tecnologia da Informação, Armazenamento, Nuvem, Internet. 1 INTRODUÇÃO Nos dias atuais encontramos tudo ou praticamente tudo

Leia mais