Um Sistema Computacional para Diagnosticar. Construção de Primers Espécie-Específicos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Um Sistema Computacional para Diagnosticar. Construção de Primers Espécie-Específicos"

Transcrição

1 Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro de Tecnologia Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Dissertação de Mestrado Um Sistema Computacional para Diagnosticar Viroses de Plantas Usando a Técnica de PCR com Construção de Primers Espécie-Específicos AUTOR: Kliger Kissinger Fernandes Rocha ORIENTADOR: Prof. Dr. Luiz Marcos Garcia Gonçalves CO-ORIENTADOR: Prof. Dr. Paulo Sérgio Marinho Lúcio Natal/RN Brasil Abril de 2005

2 Um Sistema Computacional para Diagnosticar Viroses de Plantas Usando a Técnica de PCR com Construção de Primers Espécie-Específicos Kliger Kissinger Fernandes Rocha Aprovada, em 04 de abril de 2005, pela Comissão Examinadora formada pelos seguintes membros: Profa. Dra. Eliana Silva de Almeida TCI-UFAL Prof. Dr. José Alfredo Ferreira da Costa UFRN Prof.Dr.PauloSérgioMarinhoLúcio UFRN(Co-Orientador) Prof. Dr. Luiz Marcos Garcia Gonçalves UFRN (Orientador) NATAL, RN BRASIL Abril de 2005.

3 Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro de Tecnologia Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Kliger Kissinger Fernandes Rocha Um Sistema Computacional para Diagnosticar Viroses de Plantas Usando a Técnica de PCR com Construção de Primers Espécie-Específicos Dissertação submetida ao Programa de Pós- Graduação em Engenharia Elétrica da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, como parte dos requisitos necessários para obtenção do grau de Mestre em Ciências (M.Sc.). ORIENTADOR: Prof. D.Sc. Luiz Marcos Garcia Gonçalves CO-ORIENTADOR: Prof. D.Sc. Paulo Sérgio Marinho Lúcio Natal/RN Brasil Abril de 2005

4 A Deus onde sempre encontro forças para superar as dificuldades. Aos meus pais; Consuelo Fernandes Rocha e ManoelFerreiradaRocha(in memorian), exemplos de vida, mentores da minha evolução profissional e moral. As minhas irmãs, Kelly Cristina Fernandes Rocha e Janine Fernandes Rocha, facilitadoras de meu aprendizado, minha paz e felicidade.

5 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Date: abril de 2005 Author: Kliger Kissinger Fernandes Rocha Title: Um Sistema Computacional para Diagnosticar Viroses de Plantas Usando a Técnica de PCR com Construção de Primers Espécie-Específicos Department: Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Degree: M.Sc. Convocation: May Year: 2005 Permission is herewith granted to Federal University of Rio Grande do Norte to circulate and to have copied for non-commercial purposes, at its discretion, the above title upon the request of individuals or institutions. THE AUTHOR RESERVES OTHER PUBLICATION RIGHTS, AND NEITHER THE THESIS NOR EXTENSIVE EXTRACTS FROM IT MAY BE PRINTED OR OTHERWISE REPRODUCED WITHOUT THE AUTHOR S WRITTEN PERMISSION. THE AUTHOR ATTESTS THAT PERMISSION HAS BEEN OBTAINED FOR THE USE OF ANY COPYRIGHTED MATERIAL APPEARING IN THIS THESIS (OTHER THAN BRIEF EXCERPTS REQUIRING ONLY PROPER ACKNOWLEDGEMENT IN SCHOLARLY WRITING) AND THAT ALL SUCH USE IS CLEARLY ACKNOWLEDGED. ii

6 Agradecimentos Agradeço principalmente à Deus, inteligência suprema, causa primária de todas as coisas, por sempre me doar todas as condições necessárias para evoluir como consciência e tantos motivos para agradecer e ser feliz. Aos meus amorosos pais, por vários motivos: pela educação fundamentada na ética e no amor responsável, pelo apoio financeiro, pelos exemplos de seres humanos louváveis na conduta moral, por terem me concebido com muito amor, pelas renuncias, pela paciência, pelas crenças e valores Cristãos... Enfim, por dedicarem-se tanto pela felicidade dos filhos. Às minhas irmãs, pelo convívio amoroso que sempre facilita o meu sucesso e felicidade. Aos prezados orientadores (Prof. Paulo Marinho e Prof. Luiz Marcos), modelos de profissionais, por me aceitarem como orientando, pelas valiosas informações para minha formação profissional, e principalmente por me incentivarem e investirem tanto na minha qualificação profissional. À banca examinadora, pelas importantes contribuições para melhorar este trabalho. À CAPES, pelo apoio financeiro recebido. Aos amigos: Hani e família, Sheila Mara e Susy; por todos os momentos que passamos juntos compartilhando sentimentos e idéias que contribuíram para o meu sucesso neste trabalho. E agradeço também aos colegas: Francisco Cardoso, César e Maristela Holanda. iii

7 A todos os professores do meu histórico como estudante, pelos ensinamentos que contribuíram para uma melhor compreensão deste trabalho, e ampliação da minha visão de mundo. E, nesta fase de Pós-Graduação, agradeço em especial aos seguintes Professores: Dr. Luiz Affonso Henderson Guedes de Oliveira pela orientação no Estágio Docente; e Dra. Patrícia Sommer pelo incentivo e apoio. Aos funcionários da UFRN que colaboraram, principalmente a Santana, por sempre ser prestativo. A todos que, de bom grado, contribuíram direta e indiretamente até em anonimato para a minha formação profissional e não foram citados nestes agradecimentos. iv

8 Conteúdo Resumo Abstract 1 Introdução MotivaçãoparaoTrabalho Organização da Dissertação Os Primers e a Técnica PCR AtécnicaPCR O Problema do Projeto e Escolha de Primers OMétodoTradicional OProblemadeAlinhamento OAlgoritmodeForçaBruta Algoritmo OProblemadaConstruçãodePrimers Temperaturadedesnaturação(Tm)etempo TemperaturadeAnelamento(TA)econstruçãodeprimer Comprimentodoprimer Primersdegenerados TemperaturadeExtensão NúmerodeCiclos Uma Solução Computacional OSistema OMódulodeAlinhamento OMódulodeConstruçãodePrimers Programação,PlataformaeInterface Experimentos e Resultados Experimentos Cenário Cenário Conclusão e Perspectivas 56 Referências Bibliográficas v

9 Lista de Figuras 1.1 EtapasdociclodePCR Interfaces dos locais na Internet usados para alinhamento de seqüências de genomas Primernafita-moldecomhidroxilalivreenucleotídeocomfosfatolivre OsprimeirosquatrociclosdeumaPCR Etapas de PCR (amplificação exponencial em 30 ciclos) Termociclador Ingredientes da reação in vitro dapcr Exemplos de complementaridade inter- e intra-primers que resulta em problemas GeldeEletroforesecomváriostamanhosdefragmentosamplificadosporPCR FuncionamentodoAlgoritmodeForçaBruta Seqüências de primers foram derivadas dos alinhamentos múltiplos de seqüência FormatoFasta Formatodoarquivodeprimersdoprograma Telainicialdoprograma Telamostraemquesequenciaeposiçãodasequenciaseencontraoprimer Teladeresultadosquemostraasregiõesespecificas Teladeresultadosquemostraasregiõesuniversais Tela mostrando os primers da região específica com seus respectivos parâmetros TeladeresultadosdoEntreznoNCBImostrando7genomasdevírusdabatata Tela de Resultados do Blast-N para Potato Vírus V Tela de Resultados do Blast-N para Cherry rasp leaf virus RNA Tela de Resultados do Blast-N para Cherry rasp leaf virus vi

10 5.5 Tela de Resultados do Blast-N para Potato Vírus Y Tela de Resultados do Blast-N para Narcissus mosaic virus Tela de Resultados do Blast-N para Potato Vírus M Tela de Resultados do Blast-N para Potato Vírus A TeladeresultadosdoEntreznoNCBIcom4genomasdevírusdemeloeiro Tela de Resultados do Blast-N para Cucurbit yellow stunting disorder virus RNA Tela de Resultados do Blast-N para Cucurbit yellow stunting disorder virus RNA Tela de Resultados do Blast-N para Melon chlorotic leaf curl virus Tela de Resultados do Blast-N para Melon necrotic spot virus vii

11 Lista de Gráficos, Diagramas e Tabelas 3.1 GráficodeTempodeExecuçãodeForçaBruta GráficodeperformancedaúltimaversãodoalgoritmodeForçaBruta DiagramadeAcessibilidadeaobancodedados DiagramadeArquiteturadoSistema DiagramadoMódulodeAlinhamento DiagramadoMódulodeConstruçãodePrimers SoluçõesdoSistemaDadasaosDiversosProblemasAbordados TabeladePrimersdeEspéciesdeVirosesdeBatataObtidaPeloProgramaProposto Tabela de Primers de Espécies de Vírus do Meloeiro Obtida Pelo Programa Proposto. 50 viii

12 Resumo Propõe-se uma solução computacional baseada no desenvolvimento de um software para construir primers espécie-específicos, usados para melhorar o diagnóstico de viroses de planta por PCR. Primers são indispensáveis à reação PCR, além de proporcionar a especificidade do diagnóstico. Um primer é um fragmento de DNA sintético, curto e de fita simples, utilizado como um iniciador na técnica PCR que flanqueia a seqüência que se deseja amplificar. Primers espécie-específicos são primers que só indicam a região bem conhecida de início e término onde a enzima polimerase vai amplificar, de uma determinada espécie, ou seja, é específica para somente uma espécie. Assim, o objetivo principal deste trabalho é automatizar o processo de escolha de primers, otimizando a especificidade dos primers escolhidos pelo método tradicional. Palavras chaves: Design de Primer, PCR, Bioinformática ix

13 Abstract It proposes a established computational solution in the development of a software to construct species-specific primers, used to improve the diagnosis of virus of plant for PCR. Primers are indispensable to PCR reaction, besides providing the specificity of the diagnosis. Primer is a synthetic, short, single stranded piece of DNA, used as a starter in PCR technique. It flanks the sequence desired to amplify. Species-specific primers indicate the well known region of beginning and ending where the polymerase enzyme is going to amplify on a certain species, i.e. it is specific for only a species. Thus, the main objective of this work is to automatize the process of choice of primers, optimizing the specificity of chosen primers by the traditional method. Keywords: Primer Design, PCR, Bioinformatics x

14 Capítulo 1 Introdução A Bioinformática visa compreender problemas em que questões biológicas delineiam questões algorítmicas, bem como propor suas soluções. É uma área de pesquisa relativamente nova, com um crescimento substancial de trabalhos. Na primeira metade da década de 80, foi desenvolvido um método de amplificação de seqüências de DNA que revolucionou a análise genética nestes últimos anos: a reação em cadeia da polimerase (ou PCR, do inglês Polymerase Chain Reaction). Esta técnica possibilita que múltiplas cópias de uma molécula de DNA sejam geradas por meio da amplificação enzimática de uma seqüência de DNA escolhida. A técnica baseia-se na capacidade que a enzima DNA polimerase tem de replicar seqüências de DNA, em certas condições laboratoriais, a partir de um par de pequenos fragmentos iniciadores da fita molde, denominados de primers. Figura Etapas do ciclo de PCR [41]

15 A Figura 1.1 ilustra a técnica. Através de variações alternadas e cíclicas de temperatura que permitem a desnaturação (ex. 92ºC, abertura da fita dupla de DNA), anelamento (ex. 54ºC, pareamento dos primers ou iniciadores) e extensão (ex. 72ºC, cópia da fita dupla original pela incorporação de nucleotídeos nas fitas complementares). Assim, uma determinada seqüência de DNA é replicada, ciclo após ciclo, em progressão geométrica (figura 2.3), o que torna possível sua visualização em gel de eletroforese na forma de uma banda (figura 2.7). O desenvolvimento dessa técnica e suas aplicações concederam ao americano Kary Mullis o Prêmio Nobel em Química em As aplicações da técnica são inúmeras, conforme pode ser verificado em revisão feita por Mullis, Rerré e Gibbs [23]. A PCR tem sido utilizada, por exemplo, desde experimentos relacionados ao seqüenciamento de DNA até aplicações comerciais na área de diagnose. Algumas variações da PCR levaram ao desenvolvimento de outras técnicas poderosas na análise de diversidade genética, como: AFLP, RAPD, SAMPL e SSR. # % ) %, / 0 O trabalho desenvolvido foi inicialmente motivado pela necessidade de se estabelecer condições técnicas de identificação por PCR de viroses em plantas no Estado do Rio Grande do Norte. Especificamente, procurou-se desenvolver uma ferramenta em bioinformática que aperfeiçoasse a escolha de primers ou oligonucleotídeos para a reação de PCR. Neste trabalho, o aplicativo desenvolvido e otimizado evitaria a fabricação de oligonucleotídeos pouco eficientes na identificação das viroses em plantas caso fossem escolhidos manualmente. Para o desenvolvimento da ferramenta foi necessário, no entanto, especificar quais os parâmetros que influenciariam na qualidade da amplificação por PCR. Estes parâmetros têm uma influência direta na construção de primers. Por outro lado, há que considerar que a região do genoma viral tem que garantir a especificidade do diagnóstico em nível de espécie do agente causador da virose. Uma das principais motivações que encontramos é a tentativa de diminuir ou eliminar o prejuízo na fruticultura do Estado do Rio Grande do Norte, onde plantadores têm queimado plantas em áreas agrícolas por causa de suspeita de apenas um ou alguns exemplares da planta com virose. O problema é que muitas vezes não é virose, podendo ser outro agente patogênico ou deficiência ou mesmo o excesso de nutrientes. Mas, para evitar o risco de uma epidemia, infelizmente, quase sempre é preferido o modo drástico de resolver o problema; queimando toda a área plantada. Isso gera prejuízo na agricultura de exportação do Estado, e do país. 2

16 A motivação biológica de ser um programa de primers para vírus é o fato de que, por serem organismos altamente instáveis, compostos por genes mutantes e recombinantes, os vírus pesquisados apresentam problemas quanto a sua erradicação. Basicamente, o software contempla dois módulos: um módulo de alinhamento dos genomas de vírus para separar as áreas polimórficas, e o segundo módulo é de construção de primers específicos para diagnosticarem uma determinada espécie de vírus por PCR. Testes e experimentos foram realizados e os resultados foram satisfatórios para genomas pequenos como os de vírus. O presente trabalho já publicou resultados parciais em pôster no SIBGRAPI 2003 [44], e em artigo completo no 4th IEEE International Symposium on Bioinformatics and Bioengineering (BIBE 2004) [45]. Mesmo usando o Algoritmo da Força Bruta [12], considerado um método simples, uma intensa modificação realizada foi no sentido de evitar comparações desnecessárias e melhorou em 75% a performance de tempo do programa. A principal questão deste trabalho é propor uma estratégia de escolha de primers eficiente para diagnosticar um patógeno (agente biológico capaz de causar doença) suspeito. A resposta a esta questão avança a metodologia de diagnóstico molecular em nível de espécie, facilitando no processo de tratamento. Como contribuições deste trabalho podem-se citar a construção de um banco de dados, contendo seqüências de vírus de plantas, e um sistema para alinhar e separar domínios de seqüências. O banco de dados que este trabalho se refere é uma coleção ordenada de arquivos semelhantes, em conformidade com um formato padrão de conteúdo. O banco de dados de arquivos simples pode ser pesquisado devido à indexação. Contudo, à medida que a coleção de arquivos simples fica cada vez maior, torna-se ineficaz trabalhar com ela. Esta estratégia melhora a mineração de dados no banco de dados, encontrando seqüências e gerando múltiplos alinhamentos. Essas seqüências podem compartilhar similaridades com domínios e diferenciar entre domínios polimórficos. Trabalhou-se com domínios polimórficos para construir primers com especificidade elevada. Além disso, o programa desenvolvido possibilita também um estudo de polimorfismo por possuir um módulo de alinhamento indicando regiões com polimorfismo e regiões similares entre duas ou mais espécies de vírus. A construção de um banco de dados contendo arquivos de vírus de plantas é também uma necessidade do sistema, além de otimizar o acesso e a mineração de dados para tomada de decisões pelo pesquisador, pode ser fonte de pesquisa para o pesquisador descobrir aspectos importantes da Filogenia de vírus. A Filogenia descreve a origem e a evolução das espécies. 3

17 3 5 % 7 : ; B % O Capítulo 2 trata dos trabalhos relacionados, discutindo a contribuição deste trabalho comparado às publicações estudadas. Um apanhado do estado da arte é apresentado, incluindo informações teóricas básicas, necessárias ao entendimento do problema tratado. No Capítulo 3, apresentamos o histórico, especificação e detalhamento do problema abordado, incluindo um estudo dos parâmetros necessários à técnica PCR. O capítulo 4 aborda a solução teórica encontrada, apontando para possíveis formas de resolver o problema. Neste Capítulo, apresentamos também a solução computacional adotada para solucionar o problema e os módulos do programa implementados. No capítulo 5 são mostrados os resultados de diversos experimentos e testes realizados para validar o sistema computacional proposto. Por fim, no Capítulo 6 é apresentada a conclusão sobre o trabalho, e perspectivas futuras relacionadas ao projeto. 4

18 Capítulo 2 Os Primers e a Técnica PCR Muitos trabalhos na área de Biologia Molecular estão relacionados com a construção e escolha de primers para diagnóstico, sendo alguns deles estudados neste trabalho [01 a 11]. A maioria desses usa programas somente para construção de primers sem prever por alinhamento que região do genoma a ser amplificada seria ideal. A proposta deste trabalho é automatizar e aperfeiçoar o processo com a estratégia do alinhamento antes da construção de primers. Alguns métodos computacionais ou programas estão disponíveis atualmente para a construção de primers [01,02,03], com uma finita probabilidade de produzir erros. Os trabalhos encontrados na literatura descrevem os passos envolvidos no processo e os esforços dispensados para automatizá-lo. A proposta geral é selecionar uma região para construir um primer onde a probabilidade de erro de diagnóstico usando PCR seja baixa [01,03], considerando não somente as regiões selecionadas visualmente, mas também regiões examinadas estatisticamente. Convém ressaltar que, em relação aos programas disponíveis na Internet, públicos e privados, o programa proposto neste trabalho tem várias vantagens, sendo a automação do processo de diagnóstico para um usuário sem muitos conhecimentos técnicos de computação uma das principais delas. O programa desenvolvido lista vários primers candidatos com os respectivos atributos para a correta decisão do especialista. No modo como são listados os primers, pode-se distinguir facilmente as vantagens dos candidatos. No módulo de alinhamento do programa proposto, deseja-se comparar duas ou mais seqüências genéticas, sendo esta, tradicionalmente, a operação básica de bioinformática. Através da comparação de seqüências, podem-se obter várias informações, tais como: similaridade (medida numérica que indica quão similares são duas seqüências); presença ou não de homologia (indica se dois ou mais genes possuem uma história evolutiva comum); alinhamento entre seqüências (forma de se colocar uma seqüência "em cima" da outra, de maneira a evidenciar a correspondência entre caracteres ou subcadeias similares das seqüências); entre outras. Esta 5

19 metodologia não é aplicada pela maioria dos programas para projetar primers estudados neste trabalho. O programa público Gene Fisher tem a mesma metodologia [40] de busca, mas usa o CLUSTALW ou DCA como programa de alinhamento, dependendo da demora na Internet o processo é moroso e não é considerado totalmente automatizado. Ainda, o programa proposto neste trabalho não tem somente uma funcionalidade básica (construção de primers espécieespecíficos), mas também permite ao pesquisador estudar o polimorfismo de vírus em uma mesma família, e entre taxonomias diferentes. Existem alguns problemas no caso múltiplo que não existem no caso básico: a pontuação dos alinhamentos; complexidade da abordagem que utiliza programação dinâmica pura (trata-se de um problema NP - completo); criação de heurísticas que aumentem a velocidade da computação; etc. Existem tanto estudos teóricos que atacam esses problemas quanto algoritmos que implementam essas heurísticas (métodos de alinhamento em estrela, em árvore, e outros), tornando possível, assim, viabilizar o alinhamento de múltiplas seqüências. O estudo de algoritmos de Bioinformática teria sido incompleto se não fosse abordado um tema cuja importância aumenta a cada dia: a comparação de seqüências genéticas em bancos de dados. A busca de seqüências em bancos de dados permite determinar quais das centenas de milhares de seqüências presentes no banco podem estar relacionadas a uma dada seqüência. Nesse tipo de ambiente, a operação básica consiste em alinhar uma seqüência de consulta com as seqüências do banco de dados. Os atuais bancos de dados de seqüências já são gigantescos, e continuam a crescer numa taxa exponencial, como por exemplo o Genbank em 2004 publicou pares de bases e seqüências [43]. Isso torna a aplicação de programação dinâmica pura inviável, obrigando o uso de heurísticas, que aumentam bastante a velocidade dos alinhamentos (mas com uma pequena probabilidade de perder alinhamentos verdadeiros). Os dois programas de busca de seqüências mais usados na atualidade são o FASTA e o BLAST (vide Figura 2.1). O FASTA foi o primeiro de todos os programas do tipo a ser amplamente utilizado, enquanto o BLAST, posteriormente introduzido, trouxe uma série de refinamentos. Quando de uma busca, ambos aplicam em primeiro lugar métodos heurísticos e, após a obtenção de uma lista inicial de seqüências, métodos baseados em programação dinâmica são usados para, finalmente, gerarem a lista final de hits. Esta palavra hits pode ser identificada rapidamente pre-indexando todas as palavras da query e então consultando o índice na medida que o BD é pecorrido. A Figura 2.1 mostra as telas de entrada de dados do FASTA e do BLAST, respectivamente, acessíveis por seus web sites [42,43]. 6

20 Figura 2.1: Interfaces dos locais na Internet usados para alinhamento de seqüências de genomas. 7

21 O programa desenvolvido neste trabalho compara as seqüências obtidas de um banco de dados com uma seqüência padrão, identificando e numerando as alterações encontradas. Além disso, é possível no sistema concluir informações importantes cruzando estes resultados de alinhamento com os dados dos respectivos vírus estudados. O sistema desenvolvido forma uma parte do elo de ligação entre os dados biológicos de vírus, de um lado, e as informações de seqüências genéticas, de outro, recebendo dados tanto de arquivos Fasta de seqüenciadores quanto dos bancos de dados genéticos de vírus de plantas. Esta ferramenta computacional é extremamente útil em comparação às outras de domínio público, ao permitir um controle muito mais acurado no projeto de primers específicos, e uma mineração de dados pelo relacionamento com o banco de dados de vírus. D E G H I J K L N K O P Q S A técnica de PCR (do inglês Polymerase Chain Reaction, reação em cadeia da polimerase) consiste numa reação em que uma região pequena e específica do genoma é amplificada por síntese, pela polimerase de DNA. A reação em cadeia da polimerase possibilita a amplificação de uma seqüência rara de DNA a partir de uma mistura complexa, sem a necessidade de clonagem molecular. Esta técnica é amplamente utilizada em pesquisa básica, em medicina forense e no diagnóstico de doenças genéticas e infecciosas. Inicialmente, é necessária a construção por síntese química de dois oligonucleotídeos de DNA ou primers (iniciadores) complementares, as extremidades de cada fita de DNA, flanqueando a região de interesse. Estes oligonucleotídeos servem como iniciadores da síntese de DNA in vitro, que é catalisada pela DNA polimerase, devido ao primer fornecer uma extremidade de hidroxila livre onde a DNA polimerase catalisará a reação deste composto com o grupo fosfato de um nucleotídeo correspondente à base nitrogenada da fita-molde (vide Figura 2.2). Um ciclo de PCR começa com a desnaturação por calor (95 C), promovendo a separação da fita dupla de DNA. A reação é resfriada na presença de um excesso dos dois oligonucleotídeos, possibilitando a hibridização dos dois iniciadores com a seqüência complementar presente no DNA alvo. Em seguida, a reação é incubada para atividade da DNA polimerase, produzindo novas fitas de DNAs a partir dos iniciadores e utilizando quatro desoxirribonucleotídeos (datp, dctp, dgtp e dttp) (vide Figura 2.6) [24]. Cada novo ciclo da reação inicia-se com o aquecimento para desnaturação da dupla fita de DNA, seguido de resfriamento para hibridação dos iniciadores e síntese de uma nova fita pela 8

22 DNA polimerase a partir dos iniciadores, sendo que as fitas de DNA recém sintetizadas servem de molde no ciclo seguinte. Portanto, em cada ciclo é sintetizado o dobro do DNA produzido no ciclo anterior. A Figura 2.3 mostra no terceiro ciclo, duas duplas fitas que apresentam o tamanho correto sendo copiadas (as duas fitas com o mesmo tamanho). No quarto ciclo, 8 duplas fitas que apresentam o mesmo tamanho são copiadas. Usualmente, são realizados entre 20 e 30 ciclos para amplificação de um segmento de DNA específico dentro de um genoma (Figura 2.4) usando uma máquina termocicladora (máquina que varia a temperatura da PCR em segundos, vide Figura 2.5) e os ingredientes dentro de um tubo onde ocorre a reação mostrada na Figura 2.6. Fita-molde Grupo fosfato Hidroxila Primer Figura 2.2: fita-molde com hidroxila livre e nucleotídeo com fosfato livre Primer na Figura 2.3: Os primeiros 4 ciclos de uma PCR (http:// allserv.rug.ac.be/ ~avierstr/index.html) 9

23 Figura 2.4: Etapas de PCR (amplificação exponencial em 30 ciclos) Figura 2.5: Termociclador Figura 2.6: Ingredientes da reação in vitro da PCR 10

24 Nas primeiras iniciativas para amplificar fragmentos de DNA, utilizava-se a enzima DNA polimerase da Escherichia coli, que possui atividade máxima a 37 C. Esta enzima deveria ser adicionada a cada ciclo, pois o passo de desnaturação inativa a enzima. Um importante avanço ocorreucomadescobertadeaenzimataqdnapolimerase[25]oriundadabactériathermus aquaticus. A Taq DNA polimerase possui atividade ótima a 72 C e permanece razoavelmente estável mesmo a 95 C e com isto, a enzima é adicionada somente no inicio do processo. 11

25 Capítulo 3 O Problema do Projeto e Escolha de Primers Viroses de plantas constituem um sério problema que afeta a produção de plantas tropicais. No caso de algumas plantas como o mamão, por exemplo, eles são responsáveis pelo abandono da área contaminada pelo PRSV (Papaya Ring Spot Virus), PMV (Papaya Mosaic Virus) ou PMeV (Papaya Meleira Virus) [27], como tem recentemente ocorrido no Brasil. Outros vírus de planta poderiam ser citados aqui que apresentem as mesmas conseqüências. O controle de vírus de planta empregado em produção de plantas é baseado na identificação dos sintomas da virose que são visíveis quando a contaminação é potencialmente um risco para outras plantas. Estas plantas são então eliminadas da plantação e normalmente queimadas. A identificação prévia do vírus de planta pelas técnicas da biologia molecular representa uma maneira eficiente para prevenir contaminações de vírus em grande escala e pode ser empregada em muitas situações como a triagem de plantas importadas pelas instituições de segurança de plantas. Estas técnicas moleculares estão baseadas na PCR que permite a amplificação de seqüências de vírus específicos do DNA da planta afetada. Reações de PCR específicas são mais eficientes usando oligonucleotídeos normalmente com um tamanho entre 16 e 30 bases [05]. Estes primers específicos são escolhidos concordando com seqüências conhecidas presentes no DNA amplificado do genoma, que neste caso são regiões do genoma do vírus. Alguns critérios que permitem uma boa escolha de primers devem ser considerados. É importante, por exemplo, evitar as seguintes falhas: formação de dímeros de primers, auto-complementariedade (vide figura 3.1), temperatura de fusão muito baixa, e/ou estabilidade interna incorreta. Primers devem ser construídos com mecanismos de detecção de conteúdo de G+C baixo. Estes critérios podem ser tratados por ferramentas de Bioinformática na escolha de primers sem problemas da fonte de DNA e pode ser produzido pela escolha de qualquer primer para PCR. A 12

26 X escolha de primers específicos para a identificação de vírus de plantas para serem usados no diagnóstico de viroses deveria considerar, tendo em vista os critérios gerais acima, a complexidade de famílias de vírus de plantas e diferentes espécies. Portanto, a construção do primer é o principal fator a ser considerado e todos os outros parâmetros devem ser considerados na sua construção. Por isso, esta abordagem computacional é eficiente para a identificação de vírus de plantas. U V W Y Z \ ] ^ ] ` a b ^ c d c ] f b g A escolha de primers pelo processo tradicional [07] é mais propícia a erros, pois, neste processo, o pesquisador utiliza várias ferramentas diferentes para a escolha do par de primers, conseqüentemente sofre a demora do processo por depender da Internet, e nem sempre os primers escolhidos garantem a eficiência ou especificidade do diagnóstico. Isso acarreta prejuízo com o gasto de primers ineficientes e demora no diagnóstico. O processo tradicional de escolha de primers tem os seguintes passos: 1. O pesquisador deve procurar as seqüências do genoma do(s) vírus desejados em um banco de dados. O banco mundial de dados genômicos é o Genbank [42]. O processo de copiar a seqüência genômica de interesse do Genebank é demorado por ser bastante requisitado via Internet. 2. Em seguida deve-se fazer um alinhamento múltiplo com as várias seqüências genômicas suspeitas usando algum programa disponível na Internet. Isso é necessário para descobrir se existe uma ou mais regiões espécie-específicas. 3. Tal região deve ter um tamanho de no mínimo 150 bases, pois será amplificada na técnica de PCR pela escolha de dois primers. A visualização pela eletroforese torna-se mais eficiente quanto maior for esta região (vide Figura 3.2). Além do tamanho da região a ser amplificada, o pesquisador deve também se preocupar em encontrar de 14 a 20 bases iniciadoras nas extremidades desta região, complementares a primers que tenham características similares. 4. Estas características similares devem ser calculadas cuidadosamente seguindo alguns parâmetros. No entanto, os parâmetros usados para que os primers sejam específicos para uma determinada espécie de vírus de planta não são controlados de modo eficiente pelos programas de construção de primers também disponíveis na Internet. 13

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR)

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) Área de Ciências da Saúde Curso de Medicina Módulo: Saúde do Adulto e Idoso II GENÉTICA HUMANA Professora: Dra. Juliana Schmidt REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) A molécula de DNA é um longo polímero

Leia mais

Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR)

Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR) 1 Universidade Federal Fluminense Instituto Biomédico Departamento de Microbiologia e Parasitologia Disciplina: Virologia Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR) A técnica de reação

Leia mais

Exercício 3 PCR Reação em Cadeia da Polimerase

Exercício 3 PCR Reação em Cadeia da Polimerase Exercício 3 PCR Reação em Cadeia da Polimerase (Polymerase Chain Reaction - PCR) Uma das dificuldades dos pesquisadores frente à análise baseada no DNA é a escassez deste. Na medicina forense pode-se ter

Leia mais

Extração de DNA e Amplificação por PCR

Extração de DNA e Amplificação por PCR Universidade Federal de São Carlos Departamento de Genética e Evolução Disciplina Práticas de Genética Extração de DNA e Amplificação por PCR Érique de Castro 405523, Victor Martyn 405612, Wilson Lau Júnior

Leia mais

Reação em Cadeia Da Polimerase

Reação em Cadeia Da Polimerase Reação em Cadeia Da Polimerase X Jornada Farmacêutica IV Amostra 2010 Sueli Massumi Nakatani LACEN-PR Um Pouco de História... Um Pouco de História... 1983 Kary Mullis for his invention of the polymerase

Leia mais

Kit para calibração de PCR pht

Kit para calibração de PCR pht Kit para calibração de PCR pht Itens fornecidos: Tampões ( concentrado) Composição ( concentrado) I0 500 mm KCl; 100 mm Tris-HCl ph 8,4; 1% Triton X-100 IB 500 mm KCl; 100 mm Tris-HCl ph 8,4; 1% Triton

Leia mais

Técnicas moleculares

Técnicas moleculares Técnicas moleculares PCR Reação em Cadeia da Polimerase Inventada em 1983 por Kary Mullis é uma das técnicas mais comuns utilizadas em laboratórios de pesquisas médicas e biológicas Kary Mullis ganhou

Leia mais

Técnicas de biologia molecular. da análise de genes e produtos gênicos únicos a abordagens em larga escala

Técnicas de biologia molecular. da análise de genes e produtos gênicos únicos a abordagens em larga escala Técnicas de biologia molecular da análise de genes e produtos gênicos únicos a abordagens em larga escala os mesmos genes, qual a diferença? Dogma central Localizando alvos Técnicas iniciais para evidenciar

Leia mais

As bactérias operárias

As bactérias operárias A U A UL LA As bactérias operárias Na Aula 47 você viu a importância da insulina no nosso corpo e, na Aula 48, aprendeu como as células de nosso organismo produzem insulina e outras proteínas. As pessoas

Leia mais

BANCO DE QUESTÕES - BIOLOGIA - 1ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ==============================================================================================

BANCO DE QUESTÕES - BIOLOGIA - 1ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================== PROFESSOR: Leonardo Mariscal BANCO DE QUESTÕES - BIOLOGIA - 1ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================== Ácidos Nucleicos 01- Os

Leia mais

Genética e Melhoramento de Plantas

Genética e Melhoramento de Plantas Genética e Melhoramento de Plantas Marcadores moleculares e sua utilização no melhoramento Por: Augusto Peixe Introdução ao uso de Marcadores moleculares Definição Marcador molecular é todo e qualquer

Leia mais

deficiências gênicas em amostras de DNA, de seres humanos e/ou animais, o qual além

deficiências gênicas em amostras de DNA, de seres humanos e/ou animais, o qual além "PROCESSO DE IDENTIFICAÇÃO E INVESTIGAÇÃO DE DEFICIENCIAS GÊNICAS COM UTILIZAÇÃO DE FLUORESCÊNCIA, OU PROCESSO PCR MULTIPLEX FLUORESCENTE". Trata o presente relatório da descrição detalhada acompanhada

Leia mais

MEDICINA VETERINÁRIA. Disciplina: Genética Animal. Prof a.: Drd. Mariana de F. G. Diniz

MEDICINA VETERINÁRIA. Disciplina: Genética Animal. Prof a.: Drd. Mariana de F. G. Diniz MEDICINA VETERINÁRIA Disciplina: Genética Animal Prof a.: Drd. Mariana de F. G. Diniz Gene, é a unidade fundamental da hereditariedade. Cada gene é formado por uma sequência específica de ácidos nucléicos

Leia mais

WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III

WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III CAMPYLOBACTER spp. Multiplex PCR para detecção de C. jejuni e C. coli Grace Theophilo LRNCEB IOC/FIOCRUZ gtheo@ioc.fiocruz.br Diagnóstico molecular para Campylobacter spp.

Leia mais

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular BIOTECNOLOGIA 1. Introdução Até a década de 70, o DNA era o componente celular mais difícil de ser analisado. Sua seqüência de nucleotídeos de enorme tamanho e monotonia química era geralmente analisada

Leia mais

Técnicas Moleculares Aplicadas ao Estudo de Patologias

Técnicas Moleculares Aplicadas ao Estudo de Patologias Patologia x Genética Técnicas Moleculares Aplicadas ao Estudo de Patologias Lucas Brandão Patologia Clínica Definição: Fornece informações ao médico, de modo a proporcionar-lhe os meios necessários para

Leia mais

Exercício 4 Sequenciamento por finalizadores de cadeia Sequenciamento do DNA: os finalizadores

Exercício 4 Sequenciamento por finalizadores de cadeia Sequenciamento do DNA: os finalizadores Exercício 4 Sequenciamento por finalizadores de cadeia Sequenciamento do DNA: os finalizadores A determinação da seqüência de bases de um segmento de DNA é um passo crítico em muitas aplicações da Biotecnologia.

Leia mais

SÍNTESES NUCLEARES. O DNA éo suporte da informação genética. Parte 1 Replicação

SÍNTESES NUCLEARES. O DNA éo suporte da informação genética. Parte 1 Replicação SÍNTESES NUCLEARES O DNA éo suporte da informação genética Parte 1 Replicação Estrutura do DNA Replicação do DNA Nucleótidos A informação genética das células é armazenada sob a forma de 2 moléculas similares:

Leia mais

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado 2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado Conteúdo 1. Função Produção 3. Administração da Produção 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Introdução à Administração Eunice Lacava Kwasnicka - Editora

Leia mais

Balanceamento de Carga

Balanceamento de Carga 40 4. Balanceamento de Carga Pode-se entender por balanceamento de carga uma política a ser adotada para minimizar tanto a ociosidade de utilização de alguns equipamentos quanto a super utilização de outros,

Leia mais

O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são

O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são Atividade extra Fascículo 2 Biologia Unidade 4 Questão 1 O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são chamados de genes. Assinale abaixo quais

Leia mais

Hoje estudaremos a bioquímica dos ácidos nucléicos. Acompanhe!

Hoje estudaremos a bioquímica dos ácidos nucléicos. Acompanhe! Aula: 2 Temática: Ácidos Nucléicos Hoje estudaremos a bioquímica dos ácidos nucléicos. Acompanhe! Introdução: Os ácidos nucléicos são as moléculas com a função de armazenamento e expressão da informação

Leia mais

Sistema Web para Projeto de PCR

Sistema Web para Projeto de PCR Sistema Web para Projeto de PCR Abstract. This paper describes a web system that help the work of molecular biologists, automatizating the steps necessary for preparing a PCR experiment. This system will

Leia mais

7.012 Conjunto de Problemas 3

7.012 Conjunto de Problemas 3 Nome Seção 7.012 Conjunto de Problemas 3 Data estelar 7.012.10.4.00 Diário Pessoal do Oficial Médico Responsável do USS Hackerprise Depois de voltar de uma missão em Europa, Noslen, um dos membros da tripulação,

Leia mais

Modelo de dados do Data Warehouse

Modelo de dados do Data Warehouse Modelo de dados do Data Warehouse Ricardo Andreatto O modelo de dados tem um papel fundamental para o desenvolvimento interativo do data warehouse. Quando os esforços de desenvolvimentos são baseados em

Leia mais

Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações

Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações BSc. Daniel Perez Vieira (Protozoologia-IMTSP/ Laboratório de Biologia Molecular-IPEN) Aula 3 - Análise dos produtos: Qualitativa e Semi- Quantitativa

Leia mais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Gerenciamento de Memória: Introdução O gerenciamento de memória é provavelmente a tarefa mais complexa de um sistema operacional multiprogramado.

Leia mais

DNA polimerases dependentes de "template"

DNA polimerases dependentes de template DNA polimerases dependentes de "template" - Adicionam deoxiribonucleótidos à extremidade 3' de cadeias duplas de DNA com um local de "priming" - A síntese ocorre exclusivamente na direcção 5'-3' da nova

Leia mais

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir?

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir? Engenharia de Software O Estudo de Viabilidade Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício Alternativas de comparação 1 2 Idéias

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO. PROJETO FINAL I e II PLANO DE TRABALHO

FACULDADE DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO. PROJETO FINAL I e II PLANO DE TRABALHO <NOME DO TRABALHO> <Nome do Aluno> <Nome do Orientador> FACULDADE DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO PROJETO FINAL I e II PLANO DE TRABALHO O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) a ser desenvolvido

Leia mais

Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influência da UHE Santo Antônio.

Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influência da UHE Santo Antônio. PROJETO: Análise Genética das Populações de Myrciaria dubia (camu-camu) e Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influencia da UHE Santo Antônio. Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma)

Leia mais

DNA barcoding é um método que utiliza um trecho do DNA de cerca de 650 nucleotídeos como marcador para caracterizar espécies. Trata-se de uma sequência extremamente curta em relação à totalidade do genoma,

Leia mais

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra Ana Luísa Carvalho Amplificação de um fragmento de DNA por PCR Numa reacção em cadeia catalizada pela DNA polimerase (Polymerase Chain Reaction - PCR),

Leia mais

Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações

Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações BSc. Daniel Perez Vieira (Protozoologia-IMTSP/ Laboratório de Biologia Molecular-IPEN) Aula 4 - Recursos Computacionais: Programas e Sites Relacionados

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

PCR tempo real. PCR quantitativo. 52º Congresso Nacional de Genética Foz do Iguaçu

PCR tempo real. PCR quantitativo. 52º Congresso Nacional de Genética Foz do Iguaçu PCR tempo real PCR quantitativo 52º Congresso Nacional de Genética Foz do Iguaçu Aspectos Básicos um dos métodos atuais de aferir o nível de expressão de genes mas não é o único: Northern blotting (quantificação

Leia mais

Projeto Genoma e Proteoma

Projeto Genoma e Proteoma Projeto Genoma e Proteoma Grupo 3: *Artur S. Nascimento *Bárbara S. Costa *Beatrice Barbosa *Tamyres S. E. Guimarães *Yara Cavalcante O que é genoma? O genoma é o conjunto de todo o material genético que

Leia mais

Até que Ponto Seus Dados estão Seguros? Por Kris Land, CTO, diretor de tecnologia da InoStor Corp.

Até que Ponto Seus Dados estão Seguros? Por Kris Land, CTO, diretor de tecnologia da InoStor Corp. Até que Ponto Seus Dados estão Seguros? Por Kris Land, CTO, diretor de tecnologia da InoStor Corp. No mundo de negócios da atualidade, nenhuma questão é mais importante para as grandes centrais de armazenamento

Leia mais

ANÁLISE GENÔMICA, MAPEAMENTO E ANÁLISE DE QTLs

ANÁLISE GENÔMICA, MAPEAMENTO E ANÁLISE DE QTLs ANÁLISE GENÔMICA, MAPEAMENTO E ANÁLISE DE QTLs João Meidanis Scylla Bioinformática e UNICAMP III Congresso Brasileiro de Melhoramento de Plantas Gramado, RS Maio 2005 MINI-CURSO - AGENDA 1. Primeiro Dia

Leia mais

Introdução à Simulação

Introdução à Simulação Introdução à Simulação O que é simulação? Wikipedia: Simulação é a imitação de alguma coisa real ou processo. O ato de simular algo geralmente consiste em representar certas características e/ou comportamentos

Leia mais

BIOLOGIA MOLECULAR. Prof. Dr. José Luis da C. Silva

BIOLOGIA MOLECULAR. Prof. Dr. José Luis da C. Silva BIOLOGIA MOLECULAR Prof. Dr. José Luis da C. Silva BIOLOGIA MOLECULAR A Biologia Molecular é o estudo da Biologia em nível molecular, com especial foco no estudo da estrutura e função do material genético

Leia mais

O que é RAID? Tipos de RAID:

O que é RAID? Tipos de RAID: O que é RAID? RAID é a sigla para Redundant Array of Independent Disks. É um conjunto de HD's que funcionam como se fosse um só, isso quer dizer que permite uma tolerância alta contra falhas, pois se um

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

DNA A molécula da vida. Prof. Biel Série: 9º ano

DNA A molécula da vida. Prof. Biel Série: 9º ano DNA A molécula da vida Prof. Biel Série: 9º ano DNA FINGER-PRINTING A expressão DNA "Finger-Print" (ou Impressões Genéticas) designa uma técnica de separação de segmentos de DNA que permite a identificação

Leia mais

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho.

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. - DSI DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. Preocupação: Problema técnicos Mudança na natureza e conteúdo do trabalho

Leia mais

Automação de Locais Distantes

Automação de Locais Distantes Automação de Locais Distantes Adaptação do texto Improving Automation at Remote Sites da GE Fanuc/ Water por Peter Sowmy e Márcia Campos, Gerentes de Contas da. Nova tecnologia reduz custos no tratamento

Leia mais

PCR technology for screening and quantification of genetically modified organisms (GMOs)

PCR technology for screening and quantification of genetically modified organisms (GMOs) Universidade do Algarve Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente Curso de Licenciatura em Biologia Marinha e Pescas PCR technology for screening and quantification of genetically modified organisms (GMOs)

Leia mais

Introdução! 1. Modelos de Domínio! 1. Identificação de classes conceituais! 2. Estratégia para identificar classes conceituais! 2

Introdução! 1. Modelos de Domínio! 1. Identificação de classes conceituais! 2. Estratégia para identificar classes conceituais! 2 Modelo de domínio Introdução! 1 Modelos de Domínio! 1 Identificação de classes conceituais! 2 Estratégia para identificar classes conceituais! 2 Passos para a elaboração do modelo de domínio! 2 Passo 1

Leia mais

Dadas a base e a altura de um triangulo, determinar sua área.

Dadas a base e a altura de um triangulo, determinar sua área. Disciplina Lógica de Programação Visual Ana Rita Dutra dos Santos Especialista em Novas Tecnologias aplicadas a Educação Mestranda em Informática aplicada a Educação ana.santos@qi.edu.br Conceitos Preliminares

Leia mais

PCR in situ PCR Hotstart

PCR in situ PCR Hotstart Bruno Matos e Júlia Cougo PCR in situ PCR Hotstart Disciplina de Biologia Molecular Profª. Fabiana Seixas Graduação em Biotecnologia - UFPel PCR in situ - É a técnica de PCR usada diretamente numa lâmina

Leia mais

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Julho / 2.012 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/07/2012 1.0 Versão inicial Ricardo Kiyoshi Página 2 de 11 Conteúdo 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

PCR MARCADORES MOLECULARES. Prof. Dr. José Luis da C. Silva

PCR MARCADORES MOLECULARES. Prof. Dr. José Luis da C. Silva PCR MARCADORES MOLECULARES Prof. Dr. José Luis da C. Silva Histórico da PCR Kornberg (1960) Isolou e caracterizou a DNA polimerase. O isolamento desta enzima possibilitou o desenvolvimento da síntese in

Leia mais

Bases Moleculares da Hereditariedade

Bases Moleculares da Hereditariedade UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROG. DE PÓS GRAD. EM GENET. E MELHORAMENTO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GENET. E MELHORAMENTO Bases Moleculares da Hereditariedade Ministrante: João Paulo

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA 58 FUNDIÇÃO e SERVIÇOS NOV. 2012 PLANEJAMENTO DA MANUFATURA Otimizando o planejamento de fundidos em uma linha de montagem de motores (II) O texto dá continuidade à análise do uso da simulação na otimização

Leia mais

SEQÜENCIAMENTO ENCIAMENTO DE DNA: MÉTODOS E PRINCÍPIOS

SEQÜENCIAMENTO ENCIAMENTO DE DNA: MÉTODOS E PRINCÍPIOS SEQÜENCIAMENTO ENCIAMENTO DE DNA: MÉTODOS E PRINCÍPIOS PIOS Cristiane Kioko Shimabukuro Dias Pós-doutorado - FAPESP E-mail: crisdias@ibb.unesp.br Laboratório de Biologia e Genética de Peixes - Departamento

Leia mais

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS?

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS? PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS? As ofertas de nuvem pública proliferaram, e a nuvem privada se popularizou. Agora, é uma questão de como aproveitar o potencial

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia.

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia. 1 Introdução aos Sistemas de Informação 2002 Aula 4 - Desenvolvimento de software e seus paradigmas Paradigmas de Desenvolvimento de Software Pode-se considerar 3 tipos de paradigmas que norteiam a atividade

Leia mais

ACESSO VESTIBULAR QUESTÕES DE PROCESSAMENTO DE RNA OU SPLICING 01. (MAMA 2007.1) PÁGINAS OCULTAS NO LIVRO DA VIDA

ACESSO VESTIBULAR QUESTÕES DE PROCESSAMENTO DE RNA OU SPLICING 01. (MAMA 2007.1) PÁGINAS OCULTAS NO LIVRO DA VIDA ACESSO VESTIBULAR QUESTÕES DE PROCESSAMENTO DE RNA OU SPLICING 01. (MAMA 2007.1) PÁGINAS OCULTAS NO LIVRO DA VIDA Os biólogos supunham que apenas as proteínas regulassem os genes dos seres humanos e dos

Leia mais

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA INTRODUÇÃO O projeto de um banco de dados é realizado sob um processo sistemático denominado metodologia de projeto. O processo do

Leia mais

1) MANUAL DO INTEGRADOR Este documento, destinado aos instaladores do sistema, com informações de configuração.

1) MANUAL DO INTEGRADOR Este documento, destinado aos instaladores do sistema, com informações de configuração. O software de tarifação é uma solução destinada a rateio de custos de insumos em sistemas prediais, tais como shopping centers. O manual do sistema é dividido em dois volumes: 1) MANUAL DO INTEGRADOR Este

Leia mais

Bioinformática. Trabalho prático enunciado complementar. Notas complementares ao 1º enunciado

Bioinformática. Trabalho prático enunciado complementar. Notas complementares ao 1º enunciado Bioinformática Trabalho prático enunciado complementar Neste texto, enunciam- se algumas considerações adicionais ao 1º enunciado e uma lista de possíveis tarefas que complementam o enunciado original

Leia mais

Análise Multivariada Aplicada à Substituição de Fornecedores de Princípio Ativo Farmacêutico Como prever o impacto na qualidade do medicamento?

Análise Multivariada Aplicada à Substituição de Fornecedores de Princípio Ativo Farmacêutico Como prever o impacto na qualidade do medicamento? Análise Multivariada Aplicada à Substituição de Fornecedores de Princípio Ativo Farmacêutico Como prever o impacto na qualidade do medicamento? Observação: o presente trabalho não revela a identidade do

Leia mais

UM NOVO TESTE PARA TUBERCULOSE

UM NOVO TESTE PARA TUBERCULOSE UM NOVO TESTE PARA TUBERCULOSE Rio de Janeiro e Manaus testam para o Ministério da Saúde uma nova tecnologia para o diagnóstico da tuberculose pulmonar Que novo teste é este? O Xpert MTB/RIF é um método

Leia mais

BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA. Aplicação no Laboratório Clínico - PCR APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO

BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA. Aplicação no Laboratório Clínico - PCR APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO Conteúdos abordados -Relembrar alguns conceitos da Replicação do DNA in vivo Aplicação no Laboratório Clínico - PCR -Algumas

Leia mais

INF 1771 Inteligência Artificial

INF 1771 Inteligência Artificial Edirlei Soares de Lima INF 1771 Inteligência Artificial Aula 04 Algoritmos Genéticos Introdução Algoritmos genéticos são bons para abordar espaços de buscas muito grandes e navegálos

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MISSÃO DO CURSO A concepção do curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas está alinhada a essas novas demandas

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro Material de Apoio IV TOPOLOGIAS

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: domínio e/ou desenvolvimento? Cipriano Carlos Luckesi 1

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: domínio e/ou desenvolvimento? Cipriano Carlos Luckesi 1 AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: domínio e/ou desenvolvimento? Cipriano Carlos Luckesi 1 A partir do texto que publiquei na revista ABC EDUCTIO, nº 54, de março do corrente ano, tratando das armadilhas que são

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Objetivos da aula: Introduzir os conceitos de um processo de desenvolvimento de software Definir os processos básicos Apresentar as vantagens

Leia mais

2 Controle de Congestionamento do TCP

2 Controle de Congestionamento do TCP 2 Controle de Congestionamento do TCP 17 2 Controle de Congestionamento do TCP A principal causa de descarte de pacotes na rede é o congestionamento. Um estudo detalhado dos mecanismos de controle de congestionamento

Leia mais

Ácidos Nucleicos 22/12/2011. Funções do Material Genético. informação genética.

Ácidos Nucleicos 22/12/2011. Funções do Material Genético. informação genética. Ácidos Nucleicos Profa. Dra. Juliana Garcia de Oliveira Disciplina: Biologia Celular e Molecular Turmas: Ciências Biológicas, enfermagem, nutrição e TO. Funções do Material Genético Mendel, 1865: genes

Leia mais

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Prof. Simão Sirineo Toscani Projeto de Simulação Revisão de conceitos básicos Processo de simulação Etapas de projeto Cuidados nos projetos de simulação

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI Nome da Empresa Documento Visão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/02/2015 1.0 Início do projeto Anderson, Eduardo, Jessica, Sabrina, Samuel 25/02/2015 1.1 Correções Anderson e Eduardo

Leia mais

O TRAFip é uma poderosa ferramenta de coleta e caracterização de tráfego de rede IP, que vem resolver esse problema de forma definitiva.

O TRAFip é uma poderosa ferramenta de coleta e caracterização de tráfego de rede IP, que vem resolver esse problema de forma definitiva. Não há dúvida de que o ambiente de rede está cada vez mais complexo e que sua gestão é um grande desafio. Nesse cenário, saber o que está passando por essa importante infraestrutura é um ponto crítico

Leia mais

Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI

Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI Janeiro de 2011 p2 Usuários comerciais e organizações precisam

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução 14

Capítulo 1 - Introdução 14 1 Introdução Em seu livro Pressman [22] define processo de software como um arcabouço para as tarefas que são necessárias para construir software de alta qualidade. Assim, é-se levado a inferir que o sucesso

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA DE CURSO: DNA NA ESCOLA

APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA DE CURSO: DNA NA ESCOLA APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA DE CURSO: DNA NA ESCOLA Público alvo: Estudantes de 3º ano do ensino médio Local: Escolas de ensino médio e/ou cursos pré-vestibulares Carga horária: 12 horas Organização: HELIX

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE SETOR DE BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE SETOR DE BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE SETOR DE BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR DISCIPLINA: BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR ESTUDO DIRIGIDO FLUXO DA INFORMAÇÃO GÊNICA págs:

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE I

ENGENHARIA DE SOFTWARE I ENGENHARIA DE SOFTWARE I Prof. Cássio Huggentobler de Costa [cassio.costa@ulbra.br] Twitter: www.twitter.com/cassiocosta_ Agenda da Aula (002) Metodologias de Desenvolvimento de Softwares Métodos Ágeis

Leia mais

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE 2009/2 GABARITO COMENTADO QUESTÃO 1: Quando nos referimos à qualidade da interação

Leia mais

15 Computador, projeto e manufatura

15 Computador, projeto e manufatura A U A UL LA Computador, projeto e manufatura Um problema Depois de pronto o desenho de uma peça ou objeto, de que maneira ele é utilizado na fabricação? Parte da resposta está na Aula 2, que aborda as

Leia mais

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia e não têm a intenção de substituir o livro-texto, nem qualquer outra bibliografia. Introdução O Cálculo Numérico

Leia mais

Teste de software. Definição

Teste de software. Definição Definição O teste é destinado a mostrar que um programa faz o que é proposto a fazer e para descobrir os defeitos do programa antes do uso. Quando se testa o software, o programa é executado usando dados

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

Documentação sobre a Tecnologia RAID

Documentação sobre a Tecnologia RAID Documentação sobre a Tecnologia RAID Enquanto especialista no armazenamento de dados, a LaCie reconhece que quase todos os utilizadores de computadores irão necessitar de uma solução de cópia de segurança

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE. Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 27 Slide 1

QUALIDADE DE SOFTWARE. Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 27 Slide 1 QUALIDADE DE SOFTWARE Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 27 Slide 1 Objetivos Apresentar o processo de gerenciamento de qualidade e as atividades centrais da garantia de

Leia mais

O sistema que completa sua empresa Roteiro de Instalação (rev. 15.10.09) Página 1

O sistema que completa sua empresa Roteiro de Instalação (rev. 15.10.09) Página 1 Roteiro de Instalação (rev. 15.10.09) Página 1 O objetivo deste roteiro é descrever os passos para a instalação do UNICO. O roteiro poderá ser usado não apenas pelas revendas que apenas estão realizando

Leia mais

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED Implantação de um Sistema de GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Importância do GED O GED tem uma importante contribuição na tarefa da gestão eficiente da informação; É a chave para a melhoria da

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Organização do Trabalho na Produção Projeto do Trabalho -Objetivo: criar um ambiente produtivo e eficiente, onde cada um saiba o que

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP DARCI PRADO Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP Versão 2.0.0 Janeiro 2014 Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" 3ª Edição (a publicar)

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes 4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes Neste capítulo é apresentado o desenvolvimento de um dispositivo analisador de redes e de elementos de redes, utilizando tecnologia FPGA. Conforme

Leia mais

Ácidos nucléicos. São polímeros compostos por nucleotídeos. Açúcar - pentose. Grupo fosfato. Nucleotídeo. Base nitrogenada

Ácidos nucléicos. São polímeros compostos por nucleotídeos. Açúcar - pentose. Grupo fosfato. Nucleotídeo. Base nitrogenada ÁCIDOS NUCLÉICOS Ácidos nucléicos São polímeros compostos por nucleotídeos Açúcar - pentose Nucleotídeo Grupo fosfato Base nitrogenada Composição dos Ácidos nucléicos pentoses: numeração da pentose: pentose

Leia mais