PERFIL DA COMUNIDADE MICROBIANA E DISTRIBUIÇÃO DE NUTRIENTES AO LONGO DO ESTUÁRIO DO RIO CACHOEIRA (ILHÉUS, BA).

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PERFIL DA COMUNIDADE MICROBIANA E DISTRIBUIÇÃO DE NUTRIENTES AO LONGO DO ESTUÁRIO DO RIO CACHOEIRA (ILHÉUS, BA)."

Transcrição

1 Universidade Estadual de Santa Cruz Programa de Pós-Graduação em Sistemas Aquáticos Tropicais Área de Concentração: Ecologia PERFIL DA COMUNIDADE MICROBIANA E DISTRIBUIÇÃO DE NUTRIENTES AO LONGO DO ESTUÁRIO DO RIO CACHOEIRA (ILHÉUS, BA). Cleidianne Sousa Pereira Rodrigues Ilhéus BA Julho/2009

2 Cleidianne Sousa Pereira Rodrigues PERFIL DA COMUNIDADE MICROBIANA E DISTRIBUIÇÃO DE NUTRIENTES AO LONGO DO ESTUÁRIO DO RIO CACHOEIRA (ILHÉUS, BA). Dissertação apresentada à Universidade Estadual de Santa Cruz, como parte das exigências para a obtenção do título de Mestre em Sistemas Aquáticos Tropicais. Área de Concentração: Ecologia Orientador: Prof. Dr. João Carlos T. Dias Ilhéus BA Julho/2009 ii

3 R696 Rodrigues, Cleidianne Sousa Pereira. Perfil da comunidade microbiana e distribuição de nutrientes ao longo do estuário do rio Cachoeira (Ilhéus Bahia) / Cleidianne Sousa Pereira Rodrigues. Ilhéus, BA: UESC, xi, 42f. : il. Orientador: João Carlos T. Dias. Dissertação (mestrado) Universidade Estadual de Santa Cruz. Programa de Pós-Graduação Sistemas Aquáticos Tropicais. Inclui bibliografia. 1. Ecologia dos estuários. 2. Salinidade. 3. Microbiologia Cachoeira, Rio (Ilhéus, BA). I. Título. CDD iii

4 Cleidianne Sousa Pereira Rodrigues ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA COMUNIDADE MICROBIANA AO LONGO DO ESTUÁRIO DO RIO CACHOEIRA (ILHÉUS, BA) Comissão examinadora: Profª Drª. Maria Auxiliadora Lial Sandes (UESB) Profª Drª. Rachel Passos Rezende (UESC) Prof. Dr. Marcos Lázaro Moreli (UNIME) Prof. Dr. João Carlos Teixeira Dias (Orientador) iv

5 DEDICATÓRIA Dedico este trabalho, Aos meus avós, Anna e Pedro Rodrigues (in memoriam); Maria Gregória e Aníbal Pereira, que deram o início à formação da minha família. Aos meus pais, que durante anos, dedicaram-se à educação das filhas, não medindo esforços para minha permanência neste mestrado, onde mais que amigos e financiadores, foram mestres na arte de viver, dando-me base ética e moral para enfrentar as inúmeras dificuldades enfrentadas até a conclusão deste trabalho. A vocês, o meu amor eterno. Para todos os momentos, Só quem já perdeu na vida sabe o que é ganhar, porque encontrou na derrota algum motivo para lutar. E assim, viu no outono a primavera, descobriu que é no conflito que a vida faz crescer.... (Fábio de Melo) v

6 AGRADECIMENTOS Ao final deste trabalho, são muitos os agradecimentos aos que colaboraram de forma direta e indireta para a conclusão do mesmo. Aos que estiveram do lado oposto, obrigada por me fazer conhecer uma força que jamais imaginei existir dentro de mim. Agradeço a Deus, pelo dom da vida e por estar satisfeita com minha escolha, mesmo passando por tanta dificuldade. Aos meus pais, Carmem e Clovis, pelo apoio dado nas escolhas que tenho feito, por serem os alicerces que me impulsionam a lutar sempre e desistir jamais. Ao meu orientador, João Dias, pelo aprendizado transmitido nestes anos e por não me ter deixado desistir pela ausência de bolsas de estudo. A minha irmã, Cleane, pelos momentos de descontração no msn, pelos apelidos carinhosos, enfim, por fazer a minha vida mais feliz. Aos amigos do Laboratório de Oceanografia Química, Cybelle, Zita, Prof. Daniela Mariano, pela ajuda na análise dos nutrientes, pela enorme boa vontade, apoio na realização das coletas. À equipe do Laboratório de Monitoramento Ambiental e Biotecnologia Microbiana, Camila, Indira, Denise, Ricardo, Gislaine, pela cumplicidade na realização dos trabalhos, e pela amizade. À Salatiel, pela ajuda na realização dos experimentos e análises estatísticas e Ana Cácia pela colaboração nas análises de DGGE. À prof. Guisla Boehs, pela predisposição em ajudar e suas alunas, Thailla e Liliane pelo companheirismo e boa vontade. Às professoras Rachel e Bianca, pelo apoio e palavras de incentivo. Aos meus amigos do SAT, pelas horas de conversa, pelos momentos divertidos e pela troca de experiências nestes anos de convivência. Em especial, aos acompanharam de perto os meus momentos de desespero e estiveram comigo até o final... Dedé e Lorena, um obrigado especial. Enfim, a todos que acompanharam minha trajetória durante o mestrado, me apoiando, dando forças e torcendo pelo meu sucesso, muito obrigada! vi

7 SUMÁRIO DEDICATÓRIA... v AGRADECIMENTOS...vi RESUMO... x ABSTRACT...xi 1. INTRODUÇÃO REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Dinâmica de Nutrientes em Estuários Ciclo do Nitrogênio Estudo da Diversidade Microbiana Extração de DNA DGGE OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos ÁREA DE ESTUDO METODOLOGIA Coleta do Material Extração de DNA PCR DGGE RESULTADOS E DISCUSSÃO Temperatura Salinidade Oxigênio Dissolvido Nitrogênio Amoniacal Nitrito Nitrato Fosfato Extração de DNA e PCR DGGE ANÁLISE ESTATÍSTICA CONCLUSÕES...35 vii

8 9. BIBLIOGRAFIA...36 viii

9 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Esquema ilustrativo do ciclo do nitrogênio...5 Figura 2: Localização dos pontos de coleta ao longo do estuáriodo Rio Cachoeira, Ilhéus-BA...12 Figura 3: Perfil de temperatura ao longo dos pontos (março)...16 Figura 4: Perfil de temperatura ao longo dos pontos (maio)...17 Figura 5: Perfil de salinidade nos pontos de coleta (março)...17 Figura 6: Perfil de salinidade nos pontos de coleta (maio)...18 Figura 7: Perfil de oxigênio dissolvido nos pontos de coleta (março)...19 Figura 8: Perfil de oxigênio dissolvido nos pontos de coleta (maio)...19 Figura 9: Distribuição de nitrogênio amoniacal nos pontos de coleta (março)...20 Figura 10: Distribuição de nitrogênio amoniacal nos pontos de coleta (maio)...21 Figura 11: Distribuição de nitrito nos pontos de coleta (março)...22 Figura 12: Distribuição de nitrito nos pontos de coleta (maio) Figura 13 : Distribuição de nitrato nos pontos de coleta (março)...23 Figura 14: Distribuição de nitrato nos pontos de coleta (maio)...24 Figura 15: Distribuição de fosfato nos pontos de coleta (março)...25 Figura 16: Distribuição de fosfato nos pontos de coleta (maio)...25 Figura 17: DNA das amostras de sedimento do Rio Cachoeira em gel de agarose a 1%. Da esquerda para direita, pontos 1, 2, 3, 4. As amostras foram extraídas em duplicata...27 Figura 18: DNA das amostras de água do Rio Cachoeira em gel de agarose a 1%. Da esquerda para direita, pontos 1, 2, 3, 4. As amostras foram extraídas em duplicata...27 Figura 19: Amostras de sedimento amplificadas com Taq Cenbiot (Ludwig)...27 Figura 20: Amostras de água amplificadas com Taq Cenbiot (Ludwig)...28 Figura 21: Produtos de PCR das amostras de água do Rio Cachoeira filtradas em membranas de 0.22µm. Da esquerda para direita, Controle positivo, pontos 1, 2, 3, 4 e Controle negativo. As amostras foram amplificadas em duplicata. (Usando a Taq Platinum)...28 ix

10 Figura 22: Produtos de PCR das amostras de sedimento do Rio Cachoeira. Da esquerda para direita, Controle negativo, pontos 1, 2, 3, 4 e Controle negativo. As amostras foram amplificadas em duplicata.( Usando a Taq Platinum)...28 Figura 23: Perfil de bandas gerado no DGGE, a partir de fragmentos amplificados com primer 16S para bactérias. O ponto 1 representa a estação marinha, próximo ao Morro de Pernambuco; o ponto 2, está localizado entre o píer e a ponte do Pontal; o ponto 3 está localizado no bairro Vilela e o 4, localizado após um banco de areia, no Vilela. Os pontos 1, 2, 3 e 4 são relativos à coleta de março, e 1, 2, 3 e 4, referentes à maio...30 Figura 24: Perfil de bandas gerado no DGGE, a partir de fragmentos amplificados com primer 23S para leveduras. O ponto 1 representa a estação marinha, próximo ao Morro de Pernambuco; o ponto 2, está localizado entre o píer e a ponte do Pontal; o ponto 3 está localizado no bairro Vilela e o 4, localizado após um banco de areia, no Vilela. Os pontos 1, 2, 3 e 4 são relativos à coleta de março, e 1, 2, 3 e 4, referentes à maio...31 Figura 25: Dendograma Dice gerado a partir do perfil de bandas do DGGE de fragmentos amplificados com primer 16S para bactérias...31 Figura 26: Dendograma Dice gerado a partir do perfil de bandas do DGGE de fragmentos amplificados com primer 23S para leveduras...32 Figura 27: Biplot aplicadas às Componentes Principais Coleta 1 (março)...34 Figura 28: Biplot aplicadas às Componentes Principais Coleta 1 (maio)...34 x

11 RESUMO A comunidade microbiana em sistemas estuarinos é frequentemente exposta a mudanças nas condições ambientais. A mistura contínua de massas d água, diferentes tempos de residência, transporte de nutrientes de fontes diversas e variações nas condições climáticas podem induzir a diferentes padrões de abundância e diversidade dentro dos estuários.o estuário do Rio Cachoeira apresenta significativos índices de contaminação por material orgânico e inorgânico proveniente de esgoto doméstico e rejeitos industriais. Ainda assim, há uma expressiva atividade pesqueira local baseada na pesca artesanal, o que caracteriza a importância deste ambiente. Desta forma, o objetivo deste trabalho foi caracterizar a comunidade microbiana em um gradiente de salinidade ao longo do estuário do Rio Cachoeira e relacionar a dinâmica de nutrientes do ciclo do nitrogênio com o funcionamento da comunidade bacteriana presente no estuário, através do uso de técnicas moleculares de PCR e DGGE, utilizadas para análise diversidade microbiana em amostras complexas. A distribuição da comunidade microbiana (bactérias e leveduras) apresentou um padrão semelhante nas duas campanhas, sendo os pontos da região interna (2 e 3) os que apresentaram maior similaridade. Este fato pode ser explicado pela semelhança entre os dois ambientes, tanto no perfil das variáveis físico-químicas quanto na distribuição dos nutrientes. Os pontos 1 e 4 parecem apresentar perfis mais distintos na distribuição da comunidade microbiana. Tanto a diferença de salinidade, quando os altos índices de poluição orgânica no ponto 4, podem estar interferindo nesse padrão. Conclui-se que, a distribuição da comunidade microbiana em estuários distribui-se de maneira complexa. Os distúrbios regulares como entrada de nutrientes e a salinidade exercem uma importante função na definição dos habitats, e na distribuição e diversidade da comunidade microbiana. Palavras-chave: DGGE, diversidade microbiana, estuário, salinidade xi

12 ABSTRACT The microbial communities in estuarine systems are often exposed to changes in environmental conditions. Continuous mixing of water masses, different residence times, transport of nutrients from various sources and changes in climate could be responsible to different patterns of abundance and diversity in the estuaries. The estuary of Cachoeira River presents significant levels of contamination by organic and inorganic matter from sewages and industrial wastes. In despite of it, there is an expressive local fishery activity and it reinforces the importance of this environment. Our aims were to characterize the microbial community in a saline gradient through Cachoeira estuary and to relate the nutrient dynamic of nitrogen cycle with bacterial community behavior. In order to it, were applied molecular techniques specifically to assess microbial diversity in complex samples, such as PCR and DGGE. The distribution of microbial community (bacterial and yeast) showed a similar pattern in the both sampling, being the inner points (2 and 3) the ones that showed more similarity. This fact can be explained by the similarity between the two environments. The points 1 and 4 appear to be more distinct profiles in the distribution of the microbial community. As the difference in salinity as high levels of organic pollution in point 4, may be interfering in this pattern. Results pointed out that the microbial communities are distributed in a complex way and regular disturbs such as nutrient input and salinity variation plays an important role in habitats, and microbial community distribution and diversity. Keywords: DGGE, diversity microbial, estuary, salinity xii

13 1. INTRODUÇÃO Os ecossistemas estuarinos são formados em regiões de interação do ambiente terrestre com rios e oceano e desempenham papel essencial na manutenção da diversidade marinha. Recebem e concentram material originado de sua bacia de drenagem e um aporte significativo de nutrientes por ação antrópica. Todo esse aporte de nutrientes, imprescindível para a produção primária, coloca os estuários entre os sistemas mais produtivos do mundo, com altas taxas de produção primária e teores de biomassa autótrofa e heterótrofa. Processos importantes como ciclagem de nutrientes estão diretamente relacionados com a atividade e diversidade das comunidades microbianas. O aumento na concentração de nutrientes, principalmente, de formas nitrogenadas, estimula a atividade autotrófica que leva à eutrofização, conduzindo a condições de hipoxia ou anoxia, alteração na rede trófica, perda de biodiversidade e com maior freqüência, aumento na distribuição espacial e proliferação de algas e outras formas aquáticas. O aporte de nutrientes de origem alóctone pode alterar a estrutura das comunidades microbianas e causar desequilíbrio ecológico, comprometendo o funcionamento do ecossistema. O ciclo do nitrogênio em ambientes aquáticos envolve uma primeira fase aeróbia de nitrificação, na qual bactérias nitrificantes oxidam amônio a nitrito e nitrato e num segundo passo, o nitrato formado na primeira etapa é convertido em nitrogênio gasoso, por bactérias quimiorganotróficas que requerem uma fonte de carbono para a desnitrificação. Entretanto, na década de 90, foi descoberto um novo processo biológico autotrófico, em que amônio pode ser convertido em nitrogênio gasoso sob condições anóxicas com nitrito como aceptor de elétrons, o qual foi nomeado Anaerobic Ammonium Oxidation (Anammox). Embora a importância do estudo da ciclagem de nutrientes em ambientes aquáticos e a função dos microrganismos envolvidos neste processo sejam inquestionáveis, poucos trabalhos têm sido realizados no Brasil. O estuário do Rio Cachoeira apresenta significativos índices de contaminação por material orgânico e inorgânico proveniente de esgoto doméstico e rejeitos industriais. Ainda assim, há uma expressiva atividade pesqueira local baseada na pesca artesanal, o que caracteriza a importância deste ambiente. Desta forma, o objetivo deste trabalho é caracterizar a comunidade microbiana em um gradiente de salinidade ao 1

14 longo do estuário do Rio Cachoeira e relacionar a dinâmica de nutrientes do ciclo do nitrogênio com o funcionamento da comunidade bacteriana presente no estuário do Rio Cachoeira. 2

15 2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 2.1. Dinâmica de Nutrientes em Estuários Estuários são corpos de água costeiros semifechados, com uma livre ligação com o oceano aberto, no interior do qual a água do mar é mensuravelmente diluída pela água oriunda da drenagem continental. Estes ambientes apresentam elevada importância biológica e sócio-econômica, alta taxa de produtividade primária e biomassa tanto dos produtores primários como dos consumidores (PRITCHARD, 1955 apud KRÜGER et al., 2003). Os sistemas estuarinos representam a principal fonte de nutrientes para os ecossistemas marinhos. É importante ressaltar que os estuários, não só fornecem, mas também recebem material desses ecossistemas. O estuário a partir da drenagem continental, capta, concentra e transporta materiais ricos em nutrientes para os ecossistemas costeiros (TAPPIN, 2002). Por serem ambientes amplamente dinâmicos, estão sujeitos a uma grande variação nos parâmetros físico-químicos, e compreendem espécies fisiologicamente versáteis, com grande capacidade de adaptação a contínua mistura d águas, diferentes tempos de residência e aporte de nutrientes de fontes diversas. Desta forma, a comunidade bacteriana estuarina é composta pela população bacteriana autóctone e/ou populações alóctones provenientes da água doce e drenagem continental, sendo possível estimar a resposta adaptativa da comunidade por alterações na abundância ou atividade bacteriana (DIVYA et al., 2009). Os fluxos dos rios através dos estuários desempenham papel significativo na distribuição local de nutrientes, introduzindo diferentes formas de nitrogênio orgânico e inorgânico na zona eufótica em áreas de plataforma continental (METZLER et al., 1997). Esses rios podem trazer grandes quantidades de nutrientes e poluentes, que são lançados nas áreas costeiras marinhas. A conseqüência da entrada de materiais e enriquecimento por nutrientes é a eutrofização de muitas áreas costeiras (TROUSSELLIER et al., 2004). 3

16 Ciclo do Nitrogênio A grande parcela de nitrogênio presente na Terra, está na forma molecular (N 2 ), sendo a sua maior parte presente na atmosfera, e uma parte dissolvida nos oceanos. Apenas 0,002% do nitrogênio do planeta estão presentes nos tecidos vivos e matéria orgânica detrítica. Como as formas biologicamente disponíveis de nitrogênio inorgânico, representam uma pequena proporção do nitrogênio na Terra, limitam a produtividade primária em muitos dos ecossistemas do mundo (HOWARTH, 2008). Antes da revolução industrial, a única rota de conversão do N 2 a formas reativas, era a fixação do nitrogênio por bactérias ou reação química com oxigênio sob altas temperaturas. Ao longo do século XX, a atividade humana aumentou exponencialmente a taxa global de produção do nitrogênio reativo, levando à eutrofização dos ecossistemas aquáticos em função da produção de fertilizantes nitrogenados sintéticos e aumento da fixação biológica de nitrogênio associado à agricultura (VITOUSEK et al, 1997). No ciclo do nitrogênio na biosfera, este elemento químico altera-se de várias formas e estados de oxidação, como ilustrado na figura 1. No meio aquático, o nitrogênio pode ser encontrado nas seguintes formas químicas: nitrogênio molecular (N 2 ) em equilíbrio entre a água e a atmosfera; nitrogênio orgânico dissolvido e em suspensão; nitrito (NO - 2 ), nitrato (NO - 3 ) e nitrogênio amoniacal (NH 3 e NH + 4 ). O nitrogênio amoniacal ocorre naturalmente nas águas de superfície e residuárias. O principal produto da excreção dos organismos aquáticos é a amônia, resultante do catabolismo das proteínas, produzida principalmente pela hidrólise da uréia. Em águas de subsolo, sua concentração, geralmente, é baixa, pois é adsorvida pelas partículas do solo e argilas. Altos valores do íon amônio são encontrados em meios anóxicos onde ocorre uma intensa mineralização anaeróbica da matéria orgânica e em locais próximos despejos urbanos (BAUMGARTEN et al, 2001). 4

17 Fonte: (adaptado) Figura 1: Esquema ilustrativo do ciclo do nitrogênio O íon nitrito representa o estado intermediário entre o amônio e o nitrato, sendo também considerado nutriente. Em baixas concentrações de oxigênio, pode haver redução parcial do nitrato, elevando as concentrações de nitrito. O amônio presente em grande quantidade em águas fracamente oxigenadas transforma-se em nitrito. Portanto, a presença de altos teores de nitrito nas águas, significa uma alta atividade bacteriana e carência de oxigênio. Valores altos podem ser encontrados para as águas de saídas de esgotos domésticos, sendo o nitrito considerado como indicador de poluição orgânica (BAUMGARTEN et al, 2001). 5

18 O nitrato é a forma oxidada mais estável do nitrogênio em solução aquosa. É regenerado por via bacteriana a partir do nitrogênio orgânico, o qual, através da decomposição da matéria orgânica, transforma-se em nitrogênio amoniacal. No processo fotossintético, o amônio é a forma diretamente assimilável pelos vegetais, enquanto que o nitrato, quando assimilado, deve reduzir-se obrigatoriamente à forma de amônia por via enzimática no interior da célula, havendo, neste caso, um alto consumo de energia por estes organismos (BAUMGARTEN et al, 2001). Os microrganismos assimilam o nitrogênio amoniacal e incorporam em massa celular. Parte deste nitrogênio irá retornar devido à morte e lise celular. No processo de nitrificação-desnitrificação a remoção de nitrogênio é realizada em duas etapas. Na primeira etapa, a nitrificação, a amônia é oxidada sendo convertida a nitrato. Na segunda etapa, a desnitrificação, o nitrato é convertido a nitrogênio gasoso (METCALF & EDDY, 1991). Dois gêneros de bactérias são responsáveis pela nitrificação, Nitrosomonas e Nitrobacter. Nitrosomonas oxidam a amônia ao produto intermediário, o nitrito; e este é convertido a nitrato pelas Nitrobacter. A desnitrificação é o principal mecanismo biológico de remoção do nitrogênio, através do qual o nitrogênio fixado retorna à atmosfera. Lidera as emissões de óxido nitroso, que contribui para o efeito estufa e é catalisador natural da degradação da camada de ozônio (BANGE, 2000). As bactérias desnitrificantes estão amplamente distribuídas no ambiente e exibem uma alta diversidade taxonômica (HENRY et al, 2004), incluindo Archea, gram-positivas e gram-negativas. A grande maioria das bactérias desnitrificantes estudadas pertencem ao grupo gram-negativas, nas subdivisões Alpha, Beta e Gamma do grupo Proteobacteria (INGRAHAM, 1981 apud ABE et al., 2003). A oxidação anaeróbia de amônio, ou seja, a conversão de amônio e nitrito a nitrogênio gasoso foi uma etapa recentemente adicionada ao ciclo do nitrogênio. Neste processo, conhecido como ANAMMOX (Oxidação Anaeróbia de Amônia), amônia e nitrito são convertidos a nitrogênio gasoso (N 2 ), com produção de biomassa a partir de CO 2 (SLIEKERS et al., 2002). O componente chave é o nitrito que atua como aceptor de elétrons (VERSTRAETE & PHILIPS,1998). Esse processo biológico é mediado por bactérias da Divisão Planctomycetes, (ordem Planctomycetales) e representam um dos mais distintos grupos do Domínio Bacteria (STROUS et al., 1999). Não possuem peptidioglicano em sua parede celular, e apresentam um compartimento 6

19 intracitoplasmático chamado anamoxossomo, onde ocorre o catabolismo annammox e onde estão presentes pequenas quantidades de DNA e RNA (LINDSAY et al., 2001). Este processo surgiu com uma alternativa eficiente para os processos convencionais de remoção de nitrogênio em águas residuárias enriquecidas em nitrogênio. As principais vantagens do processo ANAMMOX sobre a combinação nitrificação-desnitrificação são a menor demanda de oxigênio e o não requerimento de fontes externas de carbono (MULDER et al., 1995; JETTEN et al., 1999). Entretanto, o maior obstáculo para aplicação deste processo, é o maior período de tempo necessário para o crescimento das bactérias ANAMMOX, que tem sido relatado em aproximadamente 11 dias (STROUS et al., 1998). Além disso, por serem bactérias estritamente anaeróbias e autotróficas, são difíceis de serem cultivadas (TSUSHIMA, 2007). A distribuição e abundância dos taxa microbianos nos estuários são determinados por uma série de fatores bióticos (competição, predação) e abióticos (salinidade, temperatura, oxigênio dissolvido) que modulam o funcionamento e a resposta do ecossistema às mudanças ambientais (FUHRMAN et al., 2006). Estudos prévios sobre a distribuição de bactérias amônio-oxidantes em ambientes marinhos e de água doce sugerem que estes ambientes são dominados por comunidades distintas. A distribuição em estuários é complexa, tanto por causa da sazonalidade e variações de misturas de águas, quanto pelos distúrbios regulares como mudanças de maré, entrada de nutrientes e a salinidade, que exercem uma importante função na definição dos habitats, e sem dúvida, na distribuição e diversidade das bactérias (BERNHARD, 2005). Diversas espécies de levedura têm sido isoladas em ambientes de água doce, sendo a sua maioria de origem terrestre ou de águas residuárias. Comunidades de leveduras em águas límpidas são dominadas por populações esparsas de espécies não fermentativas, enquanto águas poluídas concentram densas populações, em sua maioria fermentativas (HAGLER & AHEARN, 1987 apud MEDEIROS et al., 2008). Desta forma, a presença e abundância de leveduras podem indicar o nível de eutrofização dos ambientes aquáticos, devido a forte associação de leveduras com a concentração de matéria orgânica na água (ROSA et al., 1990; PEÇANHA et al., 1996; MORAIS et al., 1996). 7

20 Embora a importância de estudos relacionados ao ciclo do nitrogênio em ambientes aquáticos seja inquestionável, poucos estudos têm sido realizados no Brasil (ENRICH-PRAST & ESTEVES., 1998; ABE et al., 2002; FILOSO et al., 2006) Estudo da Diversidade Microbiana Extração de DNA O conhecimento da diversidade microbiana é essencial para entender a relação entre os parâmetros ambientais e o funcionamento dos ecossistemas. Com o avanço da biologia molecular e o uso dessas novas técnicas no estudo da ecologia de microorganismos, é possível identificar grupos filogenéticos, determinar a variação espacial e temporal de espécies de microorganismos e elucidar o funcionamento e atividade das comunidades microbianas diretamente em amostras coletadas no ambiente, sem a necessidade de cultivo (AOI, 2002). O uso de 16S rdna tem grande significância na identificação e análise filogenética de bactérias, uma vez que este gene é estável ao longo do tempo, e específico para classificação a nível de espécie. Este gene possui características fundamentais que possibilitam sua utilização em estudos de ecologia, tais como: presença de regiões com seqüência de nucleotídeos hipervariáveis entre regiões conservadas; presença em todos os procariotos; a ausência aparente de transferência genético lateral e tamanho considerado satisfatório, de cerca de 1500 nucleotídeos, para estudos filogenéticos (AMANN, 1990). Existem diversas técnicas para extração de DNA a partir de amostras ambientais, entretanto, nenhum método é universalmente aplicável, já que cada tipo de amostra, devido à sua própria natureza, requer a otimização de um método próprio (ZHOU et al., 1996). Basicamente, a extração de DNA a partir amostras de água envolve a filtração em membranas e a extração segue a partir do material que fica retido na membrana. Já para amostras de sedimento, o material geralmente é macerado para que ocorra a ruptura das células microbianas e liberação do material genético. O sedimento contém uma grande quantidade de ácidos húmicos que dificultam a purificaçao das amostras porque, em função de suas características químicas, são normalmente extraídas junto com os ácidos nucléicos. Os ácidos húmicos possuem a 8

21 capacidade de inibir a atividade da Taq DNA polimerase, enzima responsável pela amplificação em cadeia do DNA na técnica de PCR. Desta forma, o DNA extraído precisa ser isolado pelo processo de purificação para remoção dos inibidores da Taq DNA polimerase (COUTINHO et al., 1999) DGGE Entre as técnicas moleculares baseadas no 16S rdna, destaca-se o DGGE (Eletroforese em Gel de Gradiente Desnaturante), que fornece um perfil da diversidade microbiana da amostra ambiental (CURY, 2000). Esta técnica identifica diferenças estabelecidas no comportamento desnaturante da dupla fita de DNA que, submetida a um gradiente crescente de concentração de agentes desnaturantes (uréia e formamida), se separam em fragmentos discretos, chamados domínios de desnaturação. São amplicons de DNA com mesmo tamanho, mas com composição diferente, em pelo menos um par de bases, que migraram para posições diferentes no gel, gerando assim um perfil genotípico da comunidade (DÍEZ, 2001). Entretanto, a maior limitação da técnica é que seqüências muito grandes não podem ser eficientemente separadas. O PCR não deve ultrapassar 500 pb, o que acaba limitando as informações para inferências filogenéticas (MUYZER, 1998). O DGGE vem sendo aplicado para estudar diversidade de diferentes grupos de microrganismos em diversos habitats (MUYZER et al., 2003). Murray et al. (1996) usaram DGGE de fragmentos 16S rdna para comparar a diversidade filogenética de assembléias bacterioplanctônicas de dois estuários e concluíram que as assembléias apresentaram diferenças na composição das espécies, provavelmente em função, da disponibilidade de diferentes tipos de substrato orgânico. Vieira et al. (2007) utilizaram bibliotecas genômicas e DGGE para caracterizar a diversidade na comunidade arqueoplânctônica em quatro habitas representativos dentro e próximo à Báia de Guanabara. Através da abordagem molecular, foi possível mostrar que a comunidade é composta por diferentes taxa e que a distribuição das espécies pode estar relacionada à concentração dos nutrientes e aos níveis de poluição. Neste estudo pretende-se correlacionar a composição da comunidade e a ciclagem de nutrientes que ocorre no ecossistema, levando em consideração as variáveis ambientais ao longo do estuário. A hipótese inicial é de que diferentes grupos microbianos possam estar associados aos diferentes ambientes dentro do estuário e que 9

22 a diversidade e abundância dos mesmos podem estar relacionadas a fatores ambientais (temperatura, salinidade, sazonalidade, entrada de nutrientes, entre outros), que determinam a composição e distribuição destas comunidades. 10

23 3. OBJETIVOS 3.1. Objetivo Geral * Caracterizar o perfil da comunidade microbiana ao longo de um gradiente de salinidade no estuário do Rio Cachoeira Objetivos Específicos * Determinar a concentração dos nutrientes inorgânicos dissolvidos (amônio, nitrato, nitrito e fosfato) no estuário do Rio Cachoeira. * Avaliar a estrutura da comunidade microbiana no estuário do Rio Cachoeira através da técnica de DGGE. * Estudar a dinâmica da comunidade bacteriana e sua função no ciclo do Nitrogênio. 11

24 4. ÁREA DE ESTUDO A área estudada é o estuário do Rio Cachoeira que está localizado na cidade de Ilhéus, sul da Bahia, nordeste do Brasil (14 48 S to W e 14 46' S to W) (Fig. 2). O Rio Cachoeira mede aproximadamente 65 km desde a sua formação até o estuário na cidade de Ilhéus (KLUMPP et al., 2002). As estações 1, 2, 3 e 4 representam um gradiente de salinidade que varia da porção mais externa do estuário à porção mais interna. O ponto 1 representa um estação marinha, próximo ao Morro de Pernambuco; o ponto 2, está localizado entre o píer e a ponte do Pontal; o ponto 3 está localizado no bairro Vilela e o 4 localizado após um banco de areia, no Vilela. O estuário do Rio Cachoeira apresenta significativos índices de contaminação por material orgânico e inorgânico proveniente de esgoto domestico e rejeitos industriais. Ainda assim, há uma expressiva atividade pesqueira local baseada na pesca artesanal, o que caracteriza a importância deste ambiente. Figura 2: Localização dos pontos de coleta ao longo do estuário do Rio Cachoeira, Ilhéus-Ba. O ponto 1 representa a estação marinha, próximo ao Morro de Pernambuco; o ponto 2, está localizado entre o píer e a ponte do Pontal; o ponto 3 está localizado no bairro Vilela e o 4, localizado após um banco de areia, no Vilela. 12

Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR)

Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR) 1 Universidade Federal Fluminense Instituto Biomédico Departamento de Microbiologia e Parasitologia Disciplina: Virologia Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR) A técnica de reação

Leia mais

Extração de DNA e Amplificação por PCR

Extração de DNA e Amplificação por PCR Universidade Federal de São Carlos Departamento de Genética e Evolução Disciplina Práticas de Genética Extração de DNA e Amplificação por PCR Érique de Castro 405523, Victor Martyn 405612, Wilson Lau Júnior

Leia mais

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA.

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA. INTRODUÇÃO Todo e qualquer sistema de captação e tratamento de efluente doméstico tem como destino final de descarte desse material, direta ou indiretamente, corpos d água como seus receptores. A qualidade

Leia mais

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa PROTEÇÃO AMBIENTAL Professor André Pereira Rosa ALTERAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS CARACTERÍSTICAS DAS IMPUREZAS 99,9 % 0,1 % Esgotos Sólidos Poluição tratamento Impurezas justificam a instalação de ETE

Leia mais

São partículas que atravessam o filtro, mas não são dissolvidas

São partículas que atravessam o filtro, mas não são dissolvidas O que existe na água do mar? 1. materiais sólidos ou particulados 2. colóides 3. materiais dissolvidos 1. materiais sólidos ou particulados A definição de particulado é operacional. Todo material com >

Leia mais

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42 Processo Seletivo/UNIFAL- janeiro 2008-1ª Prova Comum TIPO 1 QUÍMICA QUESTÃO 41 Diferentes modelos foram propostos ao longo da história para explicar o mundo invisível da matéria. A respeito desses modelos

Leia mais

WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III

WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III CAMPYLOBACTER spp. Multiplex PCR para detecção de C. jejuni e C. coli Grace Theophilo LRNCEB IOC/FIOCRUZ gtheo@ioc.fiocruz.br Diagnóstico molecular para Campylobacter spp.

Leia mais

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS O fluxo de energia em um ecossistema é unidirecional e necessita de uma constante renovação de energia, que é garantida pelo Sol. Com a matéria inorgânica que participa dos ecossistemas

Leia mais

Protocolo, ed. V 21/01/2013

Protocolo, ed. V 21/01/2013 2013 Protocolo, ed. V Preparo e Dosagem 21/01/2013 www.ecosynth.com.br Protocolo ATM - ed.05 (jan/2013) Página 2 1. APRESENTAÇÃO A propriedade de ocupar áreas destinadas a expansão industrial, custo de

Leia mais

Extração de DNA. Prof. Silmar Primieri

Extração de DNA. Prof. Silmar Primieri Extração de DNA Prof. Silmar Primieri Conceitos Prévios O que é DNA? Onde se localiza o DNA na célula? Do que são formadas as membranas celulares? Qual a estrutura do DNA? O que é DNA? Unidade básica informacional

Leia mais

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Parâmetros de qualidade da água Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Coloração - COR Variáveis Físicas associada à presença

Leia mais

Reuso macroexterno: reuso de efluentes provenientes de estações de tratamento administradas por concessionárias ou de outra indústria;

Reuso macroexterno: reuso de efluentes provenientes de estações de tratamento administradas por concessionárias ou de outra indústria; Um local de grande potencialidade de reutilização de efluentes de ETE s é o setor industrial, afirma Giordani (2002), visto que várias fases dos processos produtivos podem aceitar águas de menor qualidade,

Leia mais

Elementos essenciais a vida: Zn, Mo e o Co. - Água; - Macronutrientes: C, H, O, N e o P mais importantes, mas também S, Cl, K, Na, Ca, Mg e Fe;

Elementos essenciais a vida: Zn, Mo e o Co. - Água; - Macronutrientes: C, H, O, N e o P mais importantes, mas também S, Cl, K, Na, Ca, Mg e Fe; Elementos essenciais a vida: - Água; - Macronutrientes: C, H, O, N e o P mais importantes, mas também S, Cl, K, Na, Ca, Mg e Fe; - Micronutrientes principais: Al, Bo, Cr, Zn, Mo e o Co. Bio organismos

Leia mais

Introdução à Ecologia Prof. Fernando Belan

Introdução à Ecologia Prof. Fernando Belan Introdução à Ecologia Prof. Fernando Belan Ecologia (oikos = casa; logos = ciência) Estuda as relações entre os seres vivos, e o ambiente em que vivem; Multidisciplinar A Ecologia é complexa, e envolve:

Leia mais

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq)

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq) QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL Questão 01 O agente oxidante mais importante em águas naturais é, sem a menor dúvida, o oxigênio molecular dissolvido, O 2. O equilíbrio entre o oxigênio

Leia mais

Ecologia. 1) Níveis de organização da vida

Ecologia. 1) Níveis de organização da vida Introdução A ciência que estuda como os seres vivos se relacionam entre si e com o ambiente em que vivem e quais as conseqüências dessas relações é a Ecologia (oikos = casa e, por extensão, ambiente; logos

Leia mais

Formas do fósforo: -Ortofosfatos: PO 4 3-, HPO 4 2-, H 2 PO 4 -, H 3 PO 4

Formas do fósforo: -Ortofosfatos: PO 4 3-, HPO 4 2-, H 2 PO 4 -, H 3 PO 4 CICLO DO FÓSFORO O fósforo é um não-metal multivalente pertencente à série química do nitrogênio (grupo 15 ou 5 A) que se encontra na natureza combinado, formando fosfatos inorgânicos, inclusive nos seres

Leia mais

Kit para calibração de PCR pht

Kit para calibração de PCR pht Kit para calibração de PCR pht Itens fornecidos: Tampões ( concentrado) Composição ( concentrado) I0 500 mm KCl; 100 mm Tris-HCl ph 8,4; 1% Triton X-100 IB 500 mm KCl; 100 mm Tris-HCl ph 8,4; 1% Triton

Leia mais

DISCIPLINA: BIOLOGIA PROFª. CRISTINA DE SOUZA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO

DISCIPLINA: BIOLOGIA PROFª. CRISTINA DE SOUZA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO DISCIPLINA: BIOLOGIA PROFª. CRISTINA DE SOUZA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO Ciclo Biogeoquímico 1. É a troca cíclica de elementos químicos que ocorre entre os seres vivos e o ambiente. 2. Todos os elementos

Leia mais

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local;

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; A Vida no Solo A Vida no Solo A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; O solo é constituído por alguns componentes: os minerais, o húmus, o ar, a água e os seres

Leia mais

PARÂMETROS QUALITATIVOS DA ÁGUA EM CORPO HÍDRICO LOCALIZADO NA ZONA URBANA DE SANTA MARIA RS 1

PARÂMETROS QUALITATIVOS DA ÁGUA EM CORPO HÍDRICO LOCALIZADO NA ZONA URBANA DE SANTA MARIA RS 1 PARÂMETROS QUALITATIVOS DA ÁGUA EM CORPO HÍDRICO LOCALIZADO NA ZONA URBANA DE SANTA MARIA RS 1 TATSCH, R. O. C 2, AQUINO, J. P. N 3 ; SWAROWSKY, A 4 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Curso de Engenharia:

Leia mais

Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influência da UHE Santo Antônio.

Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influência da UHE Santo Antônio. PROJETO: Análise Genética das Populações de Myrciaria dubia (camu-camu) e Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influencia da UHE Santo Antônio. Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma)

Leia mais

Matéria e Energia no Ecossistema

Matéria e Energia no Ecossistema Matéria e Energia no Ecossistema Qualquer unidade que inclua a totalidade dos organismos (comunidade) de uma área determinada, interagindo com o ambiente físico, formando uma corrente de energia que conduza

Leia mais

Ecologia Geral CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

Ecologia Geral CICLOS BIOGEOQUÍMICOS Ecologia Geral CICLOS BIOGEOQUÍMICOS 98-99% dos organismos são constituído por: -Sódio (Na) -Potássio (K) -Magnésio (Mg) -Cloro (Cl) -Carbono (C) -Hidrogênio (H -Nitrogênio (N) -Oxigênio (O) 1-2% restante:

Leia mais

Os Ciclos Biogeoquímicos. Estágio- Docência: Camila Macêdo Medeiros

Os Ciclos Biogeoquímicos. Estágio- Docência: Camila Macêdo Medeiros Os Ciclos Biogeoquímicos Estágio- Docência: Camila Macêdo Medeiros (Odum, 1971). Ciclos Biogeoquímicos Bio Porque os organismos vivos interagem no processo de síntese orgânica e decomposição dos elementos.

Leia mais

Matéria: Biologia Assunto: Ciclos Biogeoquímicos Prof. Enrico Blota

Matéria: Biologia Assunto: Ciclos Biogeoquímicos Prof. Enrico Blota Matéria: Biologia Assunto: Ciclos Biogeoquímicos Prof. Enrico Blota Biologia Ecologia Ciclos biogeoquímicos Ciclo da água Proporção de água doce e água salgada no planeta A água encontrada na atmosfera

Leia mais

II-109 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO

II-109 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO II-19 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO Marcelo Hemkemeier (1) Químico Industrial pela Universidade

Leia mais

Sequência de Aulas - Ciclos Biogeoquímicos

Sequência de Aulas - Ciclos Biogeoquímicos Sequência de Aulas - Ciclos Biogeoquímicos 1. Nível de Ensino: Ensino Médio 2. Conteúdo Estruturante: Biogeoquímica 2.1 Conteúdo Básico: Matéria, Composição dos elementos químicos. 2.2 Conteúdo Específico:

Leia mais

Microbiologia ambiental relaciona-se principalmente com os processos microbianos que ocorrem no solo, na água, no ar ou nos alimentos;

Microbiologia ambiental relaciona-se principalmente com os processos microbianos que ocorrem no solo, na água, no ar ou nos alimentos; MICRORGANISMOS E MEIO AMBIENTE Microbiologia ambiental relaciona-se principalmente com os processos microbianos que ocorrem no solo, na água, no ar ou nos alimentos; 1 Os microrganismos vivem em comunidades,

Leia mais

O homem e o meio ambiente

O homem e o meio ambiente A U A UL LA O homem e o meio ambiente Nesta aula, que inicia nosso aprendizado sobre o meio ambiente, vamos prestar atenção às condições ambientais dos lugares que você conhece. Veremos que em alguns bairros

Leia mais

A Ecologia e sua Importância. Componentes Estruturais. Estudo das Relações dos Seres Vivos entre si e com o meio onde vivem

A Ecologia e sua Importância. Componentes Estruturais. Estudo das Relações dos Seres Vivos entre si e com o meio onde vivem Link para acessar o conteúdo, calendário, notas, etc. www.e-conhecimento.com.br Ensino Médio Primeiros Anos Ecologia oikos casa ; logos - estudo A Ecologia e sua Importância Estudo das Relações dos Seres

Leia mais

Aula 2 Transformações de Carbono e Energia

Aula 2 Transformações de Carbono e Energia 1.018/7.30J Outono 2003 Fundamentos da Ecologia Aula 2 Transformações de Carbono e Energia LEITURAS PARA A PRÓXIMA AULA: Krebs, Capítulo 25: Ecosystem Metabolism I: Primary Productivity Luria. 1975. Overview

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Fator de enriquecimento, precipitação atmosférica, bacia hidrográfica, íons maiores, chuva ácida.

PALAVRAS-CHAVE: Fator de enriquecimento, precipitação atmosférica, bacia hidrográfica, íons maiores, chuva ácida. Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 IDENTIFICAÇÃO DE FONTES EMISSORAS DE POLUENTES EM AMOSTRAS DE PRECIPITAÇÃO TOTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DOS SINOS ATRAVÉS DO FATOR DE ENRIQUECIMENTO Ezequiele Backes

Leia mais

Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar

Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar em prejuízo à saúde, à segurança e ao bem estar das populações, causar danos

Leia mais

PLANIFICAÇÃO CIÊNCIAS NATURAIS (8.º ANO) 2015/2016 Docentes: João Mendes, Madalena Serra e Vanda Messenário

PLANIFICAÇÃO CIÊNCIAS NATURAIS (8.º ANO) 2015/2016 Docentes: João Mendes, Madalena Serra e Vanda Messenário PLANIFICAÇÃO CIÊNCIAS NATURAIS (8.º ANO) 2015/2016 Docentes: João Mendes, Madalena Serra e Vanda Messenário 1 Metras Curriculares Estratégias Tempo Avaliação TERRA UM PLANETA COM VIDA Sistema Terra: da

Leia mais

MANEJO DO CICLO DO ph PARA MANTER A SAÚDE ANIMAL SUMÁRIO:

MANEJO DO CICLO DO ph PARA MANTER A SAÚDE ANIMAL SUMÁRIO: MANEJO DO CICLO DO ph PARA MANTER A SAÚDE ANIMAL Por Claude E. Boyd, Ph.D. Department of Fisheries and Allied Aquacultures Alburn University Alburn, Alabama 36849 USA Artigo publicado na Revista Advocate

Leia mais

VI-006 - PERFIS DE OXIGÊNIO DISSOLVIDO NOS LAGOS BOLONHA E ÁGUA PRETA, UTINGA. BELÉM-PA

VI-006 - PERFIS DE OXIGÊNIO DISSOLVIDO NOS LAGOS BOLONHA E ÁGUA PRETA, UTINGA. BELÉM-PA VI- - PERFIS DE OXIGÊNIO DISSOLVIDO NOS LAGOS BOLONHA E ÁGUA PRETA, UTINGA. BELÉM-PA Lúcia Beckmann de Castro Menezes () Professora Adjunto IV do Departamento de Engenharia Química da Universidade Federal

Leia mais

Mudanças Cimáticas Globais e Biodiversidade Aquática. Odete Rocha. Departamento de Ecologia Universidade Federal de São Carlos

Mudanças Cimáticas Globais e Biodiversidade Aquática. Odete Rocha. Departamento de Ecologia Universidade Federal de São Carlos Mudanças Cimáticas Globais e Biodiversidade Aquática Odete Rocha Departamento de Ecologia Universidade Federal de São Carlos O que sabemos e o que devemos fazer?" O funcionamento dos ecossistemas aquáticos

Leia mais

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água.

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. ÁGUA Água conhecida como elemento vital Comunidades primitivas evoluídas Água Sobrevivência História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. Civilizações mais primitivas comunidades nômades

Leia mais

Matéria e energia nos ecossistemas

Matéria e energia nos ecossistemas Aula de hoje Matéria e energia nos ecossistemas Matéria e energia nos ecossistemas A forma e funcionamento dos organismos vivos evoluiu parcialmente il em respostas às condições prevalecentes no mundo

Leia mais

PROBLEMAS AMBIENTAIS INVERSÃO TÉRMICA INVERSÃO TÉRMICA 14/02/2014. Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP)

PROBLEMAS AMBIENTAIS INVERSÃO TÉRMICA INVERSÃO TÉRMICA 14/02/2014. Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP) PROBLEMAS AMBIENTAIS Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP) Liga-se com a hemoglobina impedindo o O2 de ser conduzido INVERSÃO TÉRMICA *Inversão térmica é um fenômeno

Leia mais

INFLUÊNCIA DO LANÇAMENTO DE ESGOTO ORGÂNICO NAS CARACTERÍSTICAS LIMNOLÓGICAS DE CÓRREGOS AFLUENTES DO RIO CAMANDOCAIA, AMPARO/SP ETAPA II

INFLUÊNCIA DO LANÇAMENTO DE ESGOTO ORGÂNICO NAS CARACTERÍSTICAS LIMNOLÓGICAS DE CÓRREGOS AFLUENTES DO RIO CAMANDOCAIA, AMPARO/SP ETAPA II INFLUÊNCIA DO LANÇAMENTO DE ESGOTO ORGÂNICO NAS CARACTERÍSTICAS LIMNOLÓGICAS DE CÓRREGOS AFLUENTES DO RIO CAMANDOCAIA, AMPARO/SP ETAPA II CAMILA FAIONATO FRANCO¹, EMÍLIO CARLOS NARDINI², BASÍLIO GOMES

Leia mais

DATA: 17/11/2015. 2. (ENEM) Discutindo sobre a intensificação do efeito estufa, Francisco Mendonça afirmava:

DATA: 17/11/2015. 2. (ENEM) Discutindo sobre a intensificação do efeito estufa, Francisco Mendonça afirmava: EXERCÍCIOS REVISÃO QUÍMICA AMBIENTAL (EFEITO ESTUFA, DESTRUIÇÃO DA CAMADA DE OZÔNIO E CHUVA ÁCIDA) e EQUILÍBRIO QUÍMICO DATA: 17/11/2015 PROF. ANA 1. Na década de 70, alguns cientistas descobriram quais

Leia mais

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR)

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) Área de Ciências da Saúde Curso de Medicina Módulo: Saúde do Adulto e Idoso II GENÉTICA HUMANA Professora: Dra. Juliana Schmidt REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) A molécula de DNA é um longo polímero

Leia mais

Biologia LIVRO 3 Unidade 3 Avaliação capítulos 12, 13, 14, 15 e 16 Ecologia

Biologia LIVRO 3 Unidade 3 Avaliação capítulos 12, 13, 14, 15 e 16 Ecologia 1. Durante uma aula de campo, a professora informou que naquela área existiam diversas espécies de formigas, seres que estabelecem uma relação intraespecífica harmônica conhecida como sociedade. Informou

Leia mais

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável E C O L O G I A Deriva do grego oikos, com sentido de casa e logos com sentido de estudo Portanto, trata-se do estudo do ambiente da casa Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que

Leia mais

INATIVAÇÃO DE INDICADORES PATOGÊNICOS EM ÁGUAS CONTAMINADAS: USO DE SISTEMAS COMBINADOS DE TRATAMENTO E PRÉ-DESINFECÇÃO

INATIVAÇÃO DE INDICADORES PATOGÊNICOS EM ÁGUAS CONTAMINADAS: USO DE SISTEMAS COMBINADOS DE TRATAMENTO E PRÉ-DESINFECÇÃO INATIVAÇÃO DE INDICADORES PATOGÊNICOS EM ÁGUAS CONTAMINADAS: USO DE SISTEMAS COMBINADOS DE TRATAMENTO E PRÉ-DESINFECÇÃO BILOTTA, Patrícia*; DANIEL, Luiz Antonio*. *Laboratório de Tratamento Avançado e

Leia mais

Química das Águas - parte 3

Química das Águas - parte 3 QUÍMICA AMBIENTAL Química das Águas - parte 3 Aula S07 - Purificação de águas poluídas (Tratamento de esgoto) Prof. Rafael Arromba de Sousa Departamento de Química UFJF 2º período de 2013 Recapitulando...

Leia mais

Helena Campos (Engenharia Química)

Helena Campos (Engenharia Química) Tipos de água Laboratorial e suas aplicações Helena Campos (Engenharia Química) 28 de Setembro de 2010 Principais contaminantes da água Particulas Suspensas: Sílica (SiO 2 ) Resíduos das tubagens Matéria

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE 6 ANO - 1 TRIMESTRE

EXERCÍCIOS ON LINE 6 ANO - 1 TRIMESTRE EXERCÍCIOS ON LINE 6 ANO - 1 TRIMESTRE 1- Leia o texto e responda as questões Todos os animais, independentemente do seu estilo de vida, servem como fonte de alimento para outros seres vivos. Eles estão

Leia mais

LODOS ATIVADOS. Profa. Margarita María Dueñas O.

LODOS ATIVADOS. Profa. Margarita María Dueñas O. LODOS ATIVADOS Profa. Margarita María Dueñas O. LODOS ATIVADOS São os flocos produzidos num esgoto bruto o decantado pelo crescimento de bactérias ou outros microorganismos, na presença de oxigênio dissolvido

Leia mais

Ciências do Ambiente

Ciências do Ambiente Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil Ciências do Ambiente Aula 05 Ciclos biogeoquímicos: Parte I Profª Heloise G. Knapik Produtividade Produtividade primária Produtividade secundária Produtividade

Leia mais

NORMA TÉCNICA CONTROLE DE CARGA ORGÂNICA NÃO INDUSTRIAL CPRH N 2.002

NORMA TÉCNICA CONTROLE DE CARGA ORGÂNICA NÃO INDUSTRIAL CPRH N 2.002 NORMA TÉCNICA CONTROLE DE CARGA ORGÂNICA NÃO INDUSTRIAL CPRH N 2.002 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÃO 4. ABRANGÊNCIA 5. EXIGÊNCIAS DE CONTROLE 1 1. OBJETIVO Os critérios e padrões

Leia mais

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3 Módulo 09 GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3 Quando ocorre o fechamento dos estômatos a condução de seiva bruta fica prejudicado bem como a entrada de gás carbônico para o processo fotossintético. 02. C O deslocamento

Leia mais

A Qualidade da Água nas Cidades de Campina Grande e Taperoá. *gicelia.moreira2009@gmail.com

A Qualidade da Água nas Cidades de Campina Grande e Taperoá. *gicelia.moreira2009@gmail.com A Qualidade da Água nas Cidades de e Gicélia Moreira (ID) 1,AntonioJoão S. Filho(ID) 1 Nataline C. S. Barbosa (ID) 1 Antonio N. de Souza (PG) Departamento de Química CCT-UEPB *gicelia.moreira2009@gmail.com

Leia mais

Sistema de Informações Geográficas Avaliação da Qualidade de Água por meio do IQA utilizando um Sistema de Informação Geográfica (SIG)

Sistema de Informações Geográficas Avaliação da Qualidade de Água por meio do IQA utilizando um Sistema de Informação Geográfica (SIG) Universidade Federal do Espírito Santo Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental Sistema de Informações Geográficas Aplicado à Recursos Hídricos Sistema de Informações Geográficas Avaliação da

Leia mais

Prova Experimental Física, Química, Biologia

Prova Experimental Física, Química, Biologia Prova Experimental Física, Química, Biologia Complete os espaços: Nomes dos estudantes: Número do Grupo: País: BRAZIL Assinaturas: A proposta deste experimento é extrair DNA de trigo germinado e, posteriormente,

Leia mais

Química de Águas Naturais. -todas as formas de vida existentes no planeta Terra dependem da água;

Química de Águas Naturais. -todas as formas de vida existentes no planeta Terra dependem da água; Química de Águas Naturais todas as formas de vida existentes no planeta Terra dependem da água; a água cobre 70% da superfície do planeta, apenas uma parte dessa quantidade (~2,8%) é água doce sendo que

Leia mais

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Objetivos: Entender a distribuição da água no Planeta. Reconhecer

Leia mais

Matéria Orgânica do solo (m.o.s)

Matéria Orgânica do solo (m.o.s) Matéria Orgânica do solo (m.o.s) Objetivos Proporcionar conhecimentos básicos sobre a origem e dinâmica da m.o. do solo; Conhecer suas características e propriedades; Discutir como algumas propriedades

Leia mais

PUCRS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Genética I AULA PRÁTICA APLICAÇÕES DAS TÉCNICAS DE PCR E ELETROFORESE DE DNA

PUCRS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Genética I AULA PRÁTICA APLICAÇÕES DAS TÉCNICAS DE PCR E ELETROFORESE DE DNA Analise a seguinte situação hipotética (1): Uma equipe de pesquisadores está realizando um inventário da biodiversidade de uma área tropical ainda inexplorada, porém já sofrendo grande impacto de fragmentação

Leia mais

NECESSIDADE BÁSICAS DOS SERES VIVOS. Estágio docência: Camila Macêdo Medeiros

NECESSIDADE BÁSICAS DOS SERES VIVOS. Estágio docência: Camila Macêdo Medeiros NECESSIDADE BÁSICAS DOS SERES VIVOS Estágio docência: Camila Macêdo Medeiros Necessidades básicas O planeta oferece meios que satisfaçam as necessidades básicas dos seres vivos. Necessidades básicas dos

Leia mais

Aula prática sobre influência do factor ambiental salinidade no metabolismo de bivalves

Aula prática sobre influência do factor ambiental salinidade no metabolismo de bivalves Aula prática sobre influência do factor ambiental salinidade no metabolismo de bivalves Objectivo da aula: Demonstrar o efeito de um factor ambiental salinidade sobre as comportamento fisiológico de bivalves

Leia mais

ECOLOGIA GERAL FLUXO DE ENERGIA E MATÉRIA ATRAVÉS DE ECOSSISTEMAS

ECOLOGIA GERAL FLUXO DE ENERGIA E MATÉRIA ATRAVÉS DE ECOSSISTEMAS ECOLOGIA GERAL Aula 05 Aula de hoje: FLUXO DE ENERGIA E MATÉRIA ATRAVÉS DE ECOSSISTEMAS Sabemos que todos os organismos necessitam de energia para se manterem vivos, crescerem, se reproduzirem e, no caso

Leia mais

SEPARAÇÃO ELETROFORÉTICA DE DNA

SEPARAÇÃO ELETROFORÉTICA DE DNA A eletroforese em gel de agarose consiste no método mais usado para separar, identificar, analisar, caracterizar e purificar fragmentos de DNA. Uma molécula de DNA, quando exposta a um campo elétrico,

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA Paulo Sergio Scalize (1) Biomédico formado pela Faculdade Barão de Mauá. Graduando em Engenharia Civil

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DOS AMBIENTES MARINHOS

CLASSIFICAÇÃO DOS AMBIENTES MARINHOS CLASSIFICAÇÃO DOS AMBIENTES MARINHOS Introdução Os oceanos ocupam cerca de 71% da superfície da Terra As partes mais profundas atingem quase 11000 metros Profundidade média dos oceanos é 3800 m. Volume

Leia mais

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE SIMULAÇÃO DA CAPACIDADE DE AUTODEPURAÇÃO EM DIFERENTES CENÁRIOS DE VAZÃO DE UM TRECHO DO RIO CACHOEIRA, SUL DA BAHIA. José Wildes Barbosa dos Santos; Neylor Alves Calasans Rêgo INTRODUÇÃO O forte crescimento

Leia mais

FLUXO DE ENERGIA E CICLOS DE MATÉRIA

FLUXO DE ENERGIA E CICLOS DE MATÉRIA FLUXO DE ENERGIA E CICLOS DE MATÉRIA Todos os organismos necessitam de energia para realizar as suas funções vitais. A energia necessária para a vida na Terra provém praticamente toda do sol. Contudo,

Leia mais

Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida

Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida Ficha de trabalho de Biologia - 12º Ano Fermentação e actividade enzimática Nome: N º: Turma: Data: 1. A figura 1 representa um tipo de fermentação. Figura

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Prof. Hugo Henrique Pádua M.Sc. Fundamentos de Biofísica.

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Prof. Hugo Henrique Pádua M.Sc. Fundamentos de Biofísica. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Prof. Hugo Henrique Pádua M.Sc. Fundamentos de Biofísica Eletroforese Introdução a Eletroforese Eletroforese migração de moléculas ionizadas,

Leia mais

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT ALBUQUERQUE, T. S., FINGER, A., SILVA, A. R. B. C., BATTAINI, B., FONTES, C. C. C., SILVA, F. R., MASSAD, H. A. B., MÊNITHEN, L.,

Leia mais

5ª SÉRIE/6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL UM MUNDO MELHOR PARA TODOS

5ª SÉRIE/6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL UM MUNDO MELHOR PARA TODOS 5ª SÉRIE/6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL UM MUNDO MELHOR PARA TODOS Auno(a) N 0 6º Ano Turma: Data: / / 2013 Disciplina: Ciências UNIDADE I Professora Martha Pitanga ATIVIDADE 01 CIÊNCIAS REVISÃO GERAL De

Leia mais

LABORATÓRIO DE BIOENGENHARIA. Métodos rápidos de tipagem de microrganismos

LABORATÓRIO DE BIOENGENHARIA. Métodos rápidos de tipagem de microrganismos LABORATÓRIO DE BIOENGENHARIA Métodos rápidos de tipagem de microrganismos Tradicionalmente, o estudo de microrganismos, a nível genético, bioquímico/fisiológico ou apenas a nível de identificação, requer

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MATO GROSSO INSTITUTO DE CIÊNCIAS NATURAIS, HUMANAS E SOCIAIS (ICNHS) Prof. Evaldo Martins Pires Doutor em Entomologia

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MATO GROSSO INSTITUTO DE CIÊNCIAS NATURAIS, HUMANAS E SOCIAIS (ICNHS) Prof. Evaldo Martins Pires Doutor em Entomologia ECOLOGIA GERAL Aula 04 Aula de hoje: CICLAGEM DE NUTRIENTES E CICLOS BIOGEOQUÍMICOS O ciclo ou a rota dos nutrientes no ecossistema está diretamente relacionado ao processo de reciclagem ou reaproveitamento

Leia mais

Rota de Aprendizagem 2015/16 5.º Ano

Rota de Aprendizagem 2015/16 5.º Ano Projeto 1 Onde existe Vida? Tempo Previsto: 4 quinzenas (do 1ºPeríodo) Ciências Naturais A ÁGUA, O AR, AS ROCHAS E O SOLO MATERIAIS TERRESTRES 1.ª Fase: Terra um planeta com vida 2.ª Fase: A importância

Leia mais

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 João Artur Silva 2 Márcio Ribeiro² Wilson Junior Weschenfelder² BIODIVERSIDADE Modelos de Diversidade A diversidade biológica varia fortemente

Leia mais

Universidade Federal de Goiás. Ecologia de Ecossistemas. Aula 4: Produtividade e Decomposição

Universidade Federal de Goiás. Ecologia de Ecossistemas. Aula 4: Produtividade e Decomposição Universidade Federal de Goiás Instituto de Ciências Biológicas Dep. Ecologia Prof. Adriano S. Melo - asm.adrimelo@gmail.com Ecologia de Ecossistemas Aula 4: Produtividade e Decomposição Produção primária

Leia mais

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO BANDEIRANTES (PR) Av. Com. Luiz Meneghel, 992 - fone/fax (043) 542-4566 e.mail - saaeban@ffalm.br - CGCMF 75624478/0001-91 ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Elaborado por:

Leia mais

PCR in situ PCR Hotstart

PCR in situ PCR Hotstart Bruno Matos e Júlia Cougo PCR in situ PCR Hotstart Disciplina de Biologia Molecular Profª. Fabiana Seixas Graduação em Biotecnologia - UFPel PCR in situ - É a técnica de PCR usada diretamente numa lâmina

Leia mais

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br Pedologia Professor: Cláudio Custódio Conceitos: Mineração: solo é um detrito que deve ser separado dos minerais explorados. Ecologia: é um sistema vivo composto por partículas minerais e orgânicas que

Leia mais

RESOLUÇÃO COMENTADA DA PROVA DA UNESP DE 2014

RESOLUÇÃO COMENTADA DA PROVA DA UNESP DE 2014 RESOLUÇÃO COMENTADA DA PROVA DA UNESP DE 2014 1-Alguns historiadores da Ciência atribuem ao filósofo pré-socrático Empédocles a Teoria dos Quatro Elementos. Segundo essa teoria, a constituição de tudo

Leia mais

NOSSO PLANETA. O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa:

NOSSO PLANETA. O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa: NOSSO PLANETA O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa: Interações entre atmosfera, terra sólida, oceanos e a biosfera resultaram no desenvolvimento de uma grande e complexa variedade

Leia mais

Coagulação ST 502 ST 503. Discentes: : Alyson Ribeiro Daniel Morales Denise Manfio Jenifer Silva Paula Dell Ducas Wander Zapata

Coagulação ST 502 ST 503. Discentes: : Alyson Ribeiro Daniel Morales Denise Manfio Jenifer Silva Paula Dell Ducas Wander Zapata Coagulação e Floculação ST 502 ST 503 Docente: : Profº Peterson Bueno de Moraes Discentes: : Alyson Ribeiro Daniel Morales Denise Manfio Jenifer Silva Paula Dell Ducas Wander Zapata 1. Introdução A água

Leia mais

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular BIOTECNOLOGIA 1. Introdução Até a década de 70, o DNA era o componente celular mais difícil de ser analisado. Sua seqüência de nucleotídeos de enorme tamanho e monotonia química era geralmente analisada

Leia mais

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica UFRGS ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica 1. (Ufrgs 2014) Considere as seguintes afirmações sobre conceitos utilizados em ecologia. I. Nicho ecológico é a posição biológica ou funcional que um ecossistema

Leia mais

Apoiada nestes 3 pilares buscamos oferecer uma completa linha de produtos e serviços (de???), oferecendo aos nosso clientes o mais elevado nível de

Apoiada nestes 3 pilares buscamos oferecer uma completa linha de produtos e serviços (de???), oferecendo aos nosso clientes o mais elevado nível de Apoiada nestes 3 pilares buscamos oferecer uma completa linha de produtos e serviços (de???), oferecendo aos nosso clientes o mais elevado nível de satisfação, de forma sustentável. Solução analítica para

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA AERAÇÃO NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO AQUÍCOLAS. Kátia Daniele do Nascimento

A IMPORTÂNCIA DA AERAÇÃO NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO AQUÍCOLAS. Kátia Daniele do Nascimento A IMPORTÂNCIA DA AERAÇÃO NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO AQUÍCOLAS. Kátia Daniele do Nascimento Universidade Federal de Minas Gerais Limnologia Aplicada à Aquicultura Prof. Ricardo Motta Pinto-Coelho Aquacultura

Leia mais

Questão 1 Questão 2. Questão 3. Resposta. Resposta

Questão 1 Questão 2. Questão 3. Resposta. Resposta Questão 1 Questão 2 O esquema abaixo representa as principais relações alimentares entre espécies que vivem num lago de uma região equatorial. a) O câncer é uma doença genética, mas na grande maioria dos

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2D

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2D CADERNO DE EXERCÍCIOS 2D Ensino Fundamental Ciências da Natureza II Habilidade da Questão Conteúdo Matriz da EJA/FB 01 Fisiologia Vegetal (Transporte e absorção de H34, H40, H41, H63 substâncias); Fotossíntese

Leia mais

EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA.

EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA. EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA. 1. CARREIRA DE PESQUISA EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA CARGO DE PESQUISADOR

Leia mais

Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia. Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC)

Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia. Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC) Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC) Bioenergia: energia renovável recicla o CO 2 E + CO 2 + H 2 O CO 2 + H 2 O Fotossíntese

Leia mais

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra Ana Luísa Carvalho Amplificação de um fragmento de DNA por PCR Numa reacção em cadeia catalizada pela DNA polimerase (Polymerase Chain Reaction - PCR),

Leia mais

Poluição das Águas. A poluição das águas gera efeitos dramáticos em todo o ecossistema COLÉGIO MARISTA SÃO JOSÉ 9º ANO ENS.

Poluição das Águas. A poluição das águas gera efeitos dramáticos em todo o ecossistema COLÉGIO MARISTA SÃO JOSÉ 9º ANO ENS. COLÉGIO MARISTA SÃO JOSÉ 9º ANO ENS. FUNDAMENTAL PROFESSOR: SEBASTIÃO ABICEU / PROFESSORA: JANILDA FRÓES Poluição das Águas A poluição das águas gera efeitos dramáticos em todo o ecossistema A questão

Leia mais

PLANO DE MINICURSO TÍTULO DO MINICURSO: 60 ANOS DO DNA E OS AVANÇOS DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA

PLANO DE MINICURSO TÍTULO DO MINICURSO: 60 ANOS DO DNA E OS AVANÇOS DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA PLANO DE MINICURSO TÍTULO DO MINICURSO: 60 ANOS DO DNA E OS AVANÇOS DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA OBJETIVO: Proporcionar aos participantes uma maior compreensão dos avanços que a descoberta da estrutura da

Leia mais

O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa.

O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa. O que é o Aquecimento Global? O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa. O efeito estufa é um fenômeno natural e consiste na retenção de calor irradiado pela

Leia mais

Sistemas Compactos de Tratamento de Esgotos Sanitários para Pequenos Municípios

Sistemas Compactos de Tratamento de Esgotos Sanitários para Pequenos Municípios Comitê de Gerenciamento da Bacia Hidrográfica do Alto Rio Jacuí - COAJU III Seminário Estadual sobre os Usos Múltiplos da Água Erechim, 30 de julho de 2010 Sistemas Compactos de Tratamento de Esgotos Sanitários

Leia mais

Veja algumas das principais observações

Veja algumas das principais observações MUDANÇAS CLIMÁTICAS ANTÁRTICAS E O MEIO AMBIENTE Principais conclusões do Grupo de Especialistas do Scientific Committee on Antarctic Research (versão completa da publicação em http://www.scar.org/publications/occasionals/acce_25_nov_2009.pdf)

Leia mais

NETXPLICA http://forum.netxplica.com TESTE DE AVALIAÇÃO 8º Ano Ciências Naturais Ecossistemas fluxos de energia e ciclos de matéria

NETXPLICA http://forum.netxplica.com TESTE DE AVALIAÇÃO 8º Ano Ciências Naturais Ecossistemas fluxos de energia e ciclos de matéria Classificação Encarregado de Educação Nome nº Turma Data / / 08 GRUPO I (Cotação = 25 pontos: 1.1-10x2=20 + 1.2-5 pontos) 1. Considera a figura seguinte, que representa o fluxo de energia numa cadeia alimentar.

Leia mais

5ª série / 6º ano 1º bimestre

5ª série / 6º ano 1º bimestre 5ª série / 6º ano 1º bimestre Água e o planeta Terra Hidrosfera Distribuição e importância Hidrosfera é o conjunto de toda a água da Terra. Ela cobre 2/3 da superfície terrestre e forma oceanos, mares,

Leia mais