UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS. Unidade Universitária de Ciências Exatas e Tecnológicas. Curso de Ciências Biológicas Modalidade Licenciatura

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS. Unidade Universitária de Ciências Exatas e Tecnológicas. Curso de Ciências Biológicas Modalidade Licenciatura"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS Unidade Universitária de Ciências Exatas e Tecnológicas Curso de Ciências Biológicas Modalidade Licenciatura LANUSSE ANDRADE FERNANDES Utilização de moldes de papel no ensino-aprendizagem de amplificação de DNA pela técnica de PCR. Anápolis 2012

2 2 LANUSSE ANDRADE FERNANDES UTILIZAÇÃO DE MOLDES DE PAPEL NO ENSINO-APRENDIZAGEM DE AMPLIFICAÇÃO DE DNA PELA TÉCNICA DE PCR. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Universidade Estadual de Goiás, UnUCET, como requisito parcial á obtenção do grau de Biólogo Licenciado. Orientador: Flávio Monteiro Ayres, Ph.D. Co orientadora: Profª. Esp. Miriam Marques Leal Anápolis 2012

3 3

4 4 Dedicatória Dedico este trabalho a todos os professores do curso de Ciências Biológicas da Universidade Estadual de Goiás - UnUCET, licenciados ou não, que com dedicação e paixão pela profissão contribuíram significativamente para minha formação de Bióloga e principalmente de professora de Ciências e Biologia. Também dedico este trabalho a todos os alunos dos cursos de licenciatura, futuros professores. Somos responsáveis pelo futuro deste país. Que nós possamos colocar em prática tudo o que aprendemos em nossa graduação e assim transformar a educação no melhor que ela possa ser.

5 5 Agradecimentos Gostaria de agradecer primeiramente á Deus, que me guiou durante este trabalho e me deu forças para que eu pudesse concluí-lo. À minha mãe, que nem sempre entendeu minhas escolhas, mas sempre me apoiou. Ao meu namorado, Daniel Graziani, que amorosamente e pacientemente me aconselhou, ajudou e apoiou durante todo o meu curso de graduação e principalmente durante a execução deste trabalho. Às minhas amigas, Joyce Marina e Taizy Leda, que estiveram comigo, nos momentos bons e nos difíceis, sempre me dando força e me proporcionando momentos felizes. Ao professor, orientador e amigo Flávio Monteiro Ayres por ter acreditado em mim, por ter confiado a mim seu trabalho, por ter me orientado e me ensinado com carinho e paciência. Serei eternamente grata por tudo que aprendi durante a execução deste trabalho. À professora Miriam Marques Leal, por ter sido minha co-orientadora, pela paciência e dedicação que sempre dispensou a mim. À professora AnamariaAtschin que me ajudou na finalização deste trabalho. Às professoras Luiza Luanna e Andréia Juliana que me disponibilizaram suas aulas para que eu pudesse executar as oficinas. Aos alunos que participaram e contribuíram na execução das oficinas.

6 6 Resumo A reação em cadeia da polimerase (PCR) é uma ferramenta versátil e eficaz de amplificação de DNA in vitro a partir de um molde de DNA. Por possuir inúmeras utilidades, a aprendizagem da técnica de PCR torna-se indispensável para profissionais das Ciências Biológicas e Ciências da Saúde. Uma das disciplinas relacionadas ao ensino dessa técnica na graduação é a Genética, que conta com crescente número de metodologias e ferramentas para auxiliar no ensino-aprendizagem. Nesse contexto, o presente trabalho visou desenvolver uma ferramenta didática com recorte e colagem em moldes de papel que fosse auxiliar no ensino-aprendizagem da técnica de PCR em sala de aula. O estudo foi realizado na Universidade Estadual de Goiás, Unidade de Ciências Exatas e Tecnológicas (UnUCET), com turmas de primeiro, segundo e terceiro períodos dos cursos de Ciências Biológicas e Farmácia. Após uma mini aula expositiva com projeção, uma oficina que descreve as três etapas da PCR foi aplicada e os alunos simularam com moldes de papel os eventos que ocorrem dentro do tubo de ensaio incubado no termociclador. A coleta de dados foi realizada por aplicação de questionários após a mini-aula e após a oficina. A oficina foi uma boa ferramenta didática no ensino da técnica de PCR em sala de aula, pois mais da metade dos alunos apresentou resultado positivo, independentemente das disciplinas cursadas ou do conhecimento prévio sobre a técnica. Palavras chave:genética, Ensino superior, Ferramenta didática.

7 7 Abstract The polymerase chain reaction (PCR) is a versatile and efficient method for DNA amplification in vitro from a template. Due to its broad application, learning PCR is mandatory to professionals in life and Health Sciences. Genetics is one of the undergrad disciplines in which PCR is learned. Several methodologies and tools have been created to assist in the teaching-learning content of Genetics. Therefore, we aimed to develop a teaching tool to assist in teaching and learning PCR in the classroom by cutting and pasting paper into molds. This study was conducted at Universidade Estadual de Goiás, Unidade Universitária de Ciências Exatas e Tecnológicas (UnUCET), with groups studentes enrolled in the first, second or third semesters of Biological Sciences and Pharmacy Courses. After a short lesson with projection, a workshop describing the three steps of PCR was applied. Students simulated with paper molds the molecular events into the PCR tube incubated in the thermocycler. Data collection was performed by use of questionnaires after the short lesson and after the workshop. The workshop was an efficient tool in the teaching of PCR technique in the classroom, considering that more than half the students had positive results, regardless of courses taken or prior knowledge about the technique. Key - words: Genetics, College education, Teaching tool.

8 8 Lista de ilustrações Figura Figura Figura Figura Figura Figura Figura Figura

9 9 Lista de tabelas Tabela

10 10 Sumário Introdução Objetivos Objetivo geral Objetivos Específicos Materiais e Métodos Resultados Discussão Conclusão Referências Bibliográficas Anexos Anexo Anexo Anexo

11 11 Introdução A reação em cadeia da polimerase (PCR) é uma ferramenta versátil e eficaz de amplificação de DNA in vitro a partir de uma sequência molde específica de DNA. A técnica permite amplificar exponencialmente bilhões de moléculas em poucas horas, tornando muito mais fácil a vida dos biólogos moleculares. A técnica foi desenvolvida por Kary Mullis e colaboradores da Cetus Corporation, em 1983 (MULLIS, 1990). O processo de amplificação consiste em três etapas que envolvem ciclos repetidos de: (1) desnaturação térmica do DNA molde, (2) anelamento dos iniciadores às sequências complementares e (3) extensão dos oligonucleotídeospor uma DNA polimerase altamente termorresistente. Os iniciadores anelam-se às fitas complementares da sequência-alvo e são orientados em direções opostas, de tal forma que a síntese de DNA ocorra na região compreendida entre estes iniciadores. Uma vez que os produtos recém-sintetizados também são complementares e capazes de se ligarem aos iniciadores, cada ciclo sucessivo essencialmente dobra a quantidade de DNA sintetizada no ciclo anterior. O resultado é o acúmulo exponencial do segmento específico de DNA (SILVA-PEREIRA, 2003). As etapas da amplificação são promovidas por mudanças programadas de temperatura. Inicialmente, as etapas de amplificação eram realizadas pela alternância de incubações dos tubos de ensaio em banhos ajustados em diferentes temperaturas. Esse trabalho manual, além de demorado, favorecia a contaminação das reações, pois a DNA polimerase desnaturada no ciclo anterior era reposta para realização do ciclo seguinte. Atualmente, os sistemas de amplificação são mantidos em tubos fechados, cuja incubação ocorre em um aparelho que executa a ciclagem térmica automaticamente, o termociclador (UHLMANN etal. 1998). A aprendizagem da técnica de PCR nas Ciências Biológicas e da Saúde torna-se indispensável devido à ampla aplicabilidade em várias áreas de análise (Tabela 1). Uma das disciplinas relacionadas ao ensino da técnica para os alunos da graduação é a Genética. Um número significativo de trabalhos em ensino de Genética tem sido apresentado em encontros científicos. A relevância desta nova área de pesquisa é evidenciada quando, nos cursos de formação continuada de professores, temas relacionados à Genética surgem como a maior preocupação no ensino de Biologia (SCHEID; FERRARI, 2008). Uma das explicações para o não entendimento da genética é a forma de transmissão do conteúdo pelo professor (Lorbieski; Rodrigues ;Grégio d Arce, 2010), que tradicionalmente se restringe ao método de aulas expositivas como modalidade didática (FREIRE, 1998).

12 12 Tabela 1 - Aplicabilidade e áreas de análise da técnica de PCR Área de aplicação Aplicação específica Referência - Identificação de Helicobacterpylori. Leite etal Identificação de Ornithobacteriumrinotracheale. Canal etal Bacteriologia - Identificação de Samonelasp. Santos, 2003; Flôresetal Identificação de Mycobacterium tuberculosis Bollela; Sato; Fonseca, 1999; Santos etal Diagnóstico de doenças - Câncer de mama, útero, bexiga e próstata. Deepaket al Distrofia muscular de Duchene, doença Kim etal de Huntington e hemofilia. Genética forense - Identificação de indivíduos e amostras biológicas. Walsh, Parasitologia - Identificação de Trypanosoma cruzi. - Identificação de Leishmania Kinoshita-Yanagaetal. 2009; Portela-Lindoso; Shikanai-Yasud, Lima-Junior etal. 2009; Nunes et al Identificação dopapilomavírus humano. Nonnenmacheretal Virololgia - Identificação do citomegalovírus. Bonon etal. 2006; Yamamoto etal Para tornar mais efetiva a fixação dos diversos conceitos inerentes à Genética, é importante utilizar ferramentas que facilitem a compreensão destes conceitos no processo de aprendizado. Uma das ferramentas é procurar passar o conhecimento por alguma estratégia que o aluno sinta prazer em realizá-la (RAMALHO et al. 2006). A prática de atividades que ajudem a esclarecer assuntos de Genética é uma preocupação constante de muitos educadores. Por isso, materiais paradidáticos têm sido criados para auxiliar e promover o prazer de aprender e transformar os alunos em sujeitos do próprio processo de desenvolvimento (PAES; PARESQUE, 2009). As várias metodologias e ferramentas criadas para auxiliar no ensino-aprendizagem de conteúdos de Genética incluem: divisão celular ensinada com jogo de cartas de baralho

13 13 (SALIM, et al. 2007) e de representações com massa de modelar (DENTILLO, 2009); conceitos básicos de genética ensinados com jogo da memória (PAES; PARESQUE, 2009); estruturas tridimensionais de moléculas de DNA construídas em origami (SEPEL; LORETO, 2007); o uso de recursos multimídias que melhorem a compreensão das Leis de Mendel (FALCÃO; LEÃO, 2007); e o uso de jogos de dominó para a aprendizagem de recombinação e produção de gametas (KLAUTAU- GUIMARÃES et al. 2008). Muitos alunos de graduação não tem contato com a técnica de PCR devido à ausência de infra-estrutura, como a aparelhagem e os reagentes necessários para realização da técnica. Por outro lado, nasinstituições que possuem estainfra-estrutura, os alunos realizam o procedimento da PCR sem necessariamente compreender as reações moleculares catalisadas no tubo de ensaio, já que o processo é imperceptível a olho nu. Assim, uma ferramenta didática que não necessite de infra-estrutura e que permita a visualização da técnica torna o aprendizado da PCR acessível e simples de ser entendido.

14 14 Objetivos Objetivo geral Desenvolver uma ferramenta didática eficiente que auxilie no ensino- aprendizagem da técnica da PCR em sala de aula, com recorte e colagem em moldes de papel, conforme uma modificação da atividade desenvolvida por Bonetti, Vieira e Siquieroli (2006). Objetivos específicos i. Verificar se há maior aproveitamento dos alunos com a aula expositiva ou com a aula expositiva somada à oficina prática; ii. Verificar se o aproveitamento dos acadêmicos está relacionado com as disciplinas já cursadas por estes; iii. Verificar se os acadêmicos que tiveram um contato qualquer com a técnica da PCR apresentam melhor aproveitamento da oficina.

15 15 Materiais e Métodos Área de estudo O presente estudo foi realizado na Universidade Estadual de Goiás, Unidade de Ciências Exatas e Tecnológicas (UnUCET), Campus Henrique Santillo. A UnUCET se localiza na rodovia BR 153, Fazenda Barreiro do Meio, na cidade de Anápolis. As oficinas foram realizadas no período entre março e outubro de 2011 com turmas de primeiro, segundo e terceiro períodos dos cursos de Ciências Biológicas e Farmácia. Os períodos cursados pelos alunos foram selecionados pelo fato de a disciplina de Genética ser ministrada nestes períodos. Mini-aula e questionário pré-teste Uma mini-aula sobre amplificação de DNA por PCR foi elaboradano programa Microsoft Office Power Point 2010(Parte do Microsoft Office Professional Plus 2010, versão , Microsoft Corporation) (Anexo 1) e ministrada aos alunos, seguida de aplicação do Questionário A (Anexo 2). O Questionário A possui 16 questões fechadas, sendo as seis primeiras relativas às informações pessoais dos alunos tais como: disciplinas cursadas, o curso de graduação e conhecimentos precedentes sobre a técnica de PCR. As outras 10 questões são exclusivamente sobre a técnica de PCR. As questões fornecem ao aluno entrevistado uma lista fixa de respostas e é pedido que ele escolha uma alternativa como indicativa da que melhor se adequar (REA; PARKER, 2000). O questionário é o principal instrumento para o levantamento de dados por amostragem (GUNTHER, 2003). O uso desta metodologia foi a mais viávelpor possibilitar conhecermos a opinião dos alunos, com uma amostragem grande e sem influenciar nas respostas dos pesquisados (GIL, 1999). Oficina e pós-teste Ao término do Questionário A, a turma formou grupos de sete alunos para que a oficina se iniciasse. Os grupos formados foram de sete alunos, pois, na oficina, sete reagentes que são utilizados na técnica de PCR são representados. Para a oficina,foram confeccionadas representações de fitas duplas da molécula de DNA com papel, contendo 150 pares de bases. As fitas duplas foram representadas apenas por bases nitrogenadas e pelas ligações de hidrogênio entre estas, que unem as duas fitas. Foram confeccionados também nucleotídeos livrese primers de papel, com a representação das ligações de hidrogênio. Cada grupo de setes alunos recebeu um kit comuma representação da fita dupla de DNA com 150 pares de bases, 300 nucleotídeos, dois primers, tesoura, cola, e sete

16 16 etiquetas, cada etiqueta com o nome de um reagente da técnica de PCR (datp, dttp, dctp,dgtp, Taq polimerase, RNA primase 1 e RNA primase 2) (Figura 1). Fita dupla de DNA Nucleotídeos livres Iniciadores Etiquetas Figura 1: Kit confeccionado para oficina Na oficina, as três etapas da PCR foram descritas e os alunos simularamos eventos da amplificação in vitro. À medida que os fenômenos e as temperaturas foramnarrados,cada aluno pegou uma etiqueta e atuou conforme o reagente nela nominado. A primeira etapa da PCR é a desnaturação, que ocorre, em média, a 94 ºC. Ao ser narrada esta etapa, os alunos desnaturaram a dupla fita de papel cortando-a em duas fitas simples que serviram de molde para as próximas duas etapas. A segunda etapa é o anelamento, onde os primersse ligam ás fitas molde simples, que ocorre a 60ºC. Quando esta etapa foi narrada, os alunos que estavam com as etiquetas de RNA primase1 e RNA primase2 tinham que descobrir em qual das duas fitas molde cada primer iria se anelar. A terceira e última etapa da PCR é a extensão, onde as duas fitas moldes são replicadas em duas fitas duplas (Figura 2). Esta etapa ocorre a 72ºC e ao ser narrada, os alunos com as etiquetas de Taq polimerase,datp, dttp, dctp e dgtp fizeram a extensão das duas novas fitas. O aluno com a etiqueta de Taq polimerase recrutava os nucleotídeos necessários para a extensão das novas fitas enquanto que cada aluno que possuía a

17 17 etiqueta do nucleotídeo recrutado colava este á fita molde de modo que a extensão corresse de maneira correta. Figura 2: Gráfico contendo as temperaturas e as fases da técnica de PCR Ao final da oficina, cada grupo ficou com duas fitas duplas de DNA. Dessa maneira, foi possível visualizar que a técnica de PCR produz duas fitas duplas de DNA a partir de uma. Ao término da oficina, foi aplicado aos alunos o Questionário B (Anexo 3), que contêm 11 questões. As 10 primeiras questões são fechadas, perguntam apenas sobre a técnica de PCR e são as mesmas questões sobre PCR do Questionário A. A 11ª questão é aberta e tem como objetivo saber a opinião dos alunos sobre a oficina. Análise dos resultados Os resultados relativos ao curso de graduação, disciplinas cursadas e da oficina aqui proposta foram tabulados e analisados pelo uso do aplicativo Microsoft Office Excel 2010 (Parte do Microsoft Office Professional Plus 2010, versão , Microsoft Corporation). No Microsoft Office Excel 2010 o teste estatístico realizado foi o qui-quadrado (X²) com α= 5% e GL=2.

18 18 Resultados Este trabalho teve84 alunos participantes sendo 53 alunos (63%) do curso de Farmácia e 31 alunos (37%) do curso de Ciências Biológicas. Dos 53 alunos do curso de Farmácia, 26 acertaram mais questões no questionário B (resultado positivo), 14 alunos acertaram o mesmo número de questões em ambos os questionários (resultado neutro) e 13 alunos acertaram mais questões no questionário A (resultado negativo). No curso de Ciências Biológicas, 17 dos 31 alunos acertaram mais questões no questionário B, 10 acertaram o mesmo número de questões em ambos os questionários e quatro alunos acertaram mais questões no questionário A.Somando os resultados de ambos os cursos temos 51,2% dos alunos com resultado positivo, 28,5% com resultado neutro e 20,3% dos alunos com resultado negativo(figura 3). É possível observar, pela figura abaixo, que no geral a oficina mostrou ser uma ferramenta didática eficiente no auxílio do ensino da técnica de PCR já que mais de 50% dos alunos apresentaram resultado positivo. 51,2% 28,5% 20,3% Resultado positivo Resultado neutro Resultado negativo Figura 3 - Resultado de todos os alunos que participaram da oficina Dos 84 alunos, 32 (38,1%) conheciam ou tiveram algum contato com a técnica de PCR enquanto que 52 (61,9%) alunos não tinham conhecimento algum sobre a técnica. Destes 32 alunos que conheciam a técnica, 17 (53,1%) obtiveram resultado positivo, nove (28,1%) obtiveram resultado neutro e seis (18,8%) obtiveram resultado negativo. Já dos 52 alunos que não conheciam a técnica de PCR 26 (50%) tiveram resultado positivo, 15 (28,8%) tiveram resultado neutro e 11 (21,2%) tiveram resultado negativo (Figura 4).

19 19 Conheciam Não conheciam 53,1% 50% 28,1% 28,8% 18,8% 21,2% Resultado positivo Resultado neutro Resultado negativo Figura 4 Resultado dos alunos que conheciam e não conheciam a técnica de PCR Apenas 10 (12%) alunos não haviam cursado a disciplina de Biologia Celularsendo que dois alunos (20%) apresentaram resultado positivo, quatro (40%) apresentaram resultado neutro e quatro (40%) apresentaram resultado negativo. Entre os 74 alunos (88%) que cursaram Biologia Celular 33 (45%) apresentaram resultado positivo, 24 alunos (32,4%) apresentaram resultado neutro e 17 alunos (22,6%) apresentaram resultado negativo (Figura 5). Em relação à disciplina de Genética, dos 67 alunos (79,7%) que a cursaram 34 (50,7%) apresentaram resultado positivo, 20 (30%) apresentaram resultado neutro e 13 (19,3%) apresentaram resultado negativo. Dos 17 alunos (20,3%) que não cursaram a disciplina de Genética, nove (53%) apresentaram resultado positivo, quatro alunos (23,5%) apresentaram resultado neutro e quatro (23,5%) apresentaram resultado negativo (Figura 6). 45% Cursaram 32,4% Não cursaram 40% 40% 20% 22,6% Resultado positivo Resultado neutro Resultado negativo Figura 5 Resultado dos alunos que cursaram e não cursaram Biologia Celular

20 20 50,7% 53% Cursaram Não cursaram 30% 23,5% 23,5% 19,3% Resultado positivo Resultado neutro Resultado negativo Figura 6 Resultado dos alunos que cursaram e não cursaram Genética Sete alunos (8,3%) haviam cursado a disciplina de Bioquímica, sendo que destes quatro (57,2%) obtiveram resultado positivo, três (42,8%) obtiveram resultado neutro e nenhum aluno (0%) obteve resultado negativo. Dos 77 alunos (91,7%) que não cursaram Bioquímica, 39 (50,6%) obtiveram resultado positivo, 21 (27,2%) obtiveram resultado neutro e 17 (22,1%) obtiveram resultado negativo (Figura 7). Entre os 84 alunos que participaram deste trabalho, quatro (4,7%) haviam cursado a disciplina de Biologia Molecular sendo que dois (50%) obtiveram resultado positivo, dois (50%) obtiveram resultado neutro e nenhum aluno (0%) obteve resultado negativo. Entre os alunos que não cursaram Biologia Molecular, 41 (51,2%) apresentaram resultado positivo, 22 (27,5%) apresentaram resultado neutro e 17 (21,3%) apresentaram resultado negativo (Figura 8). Cursaram Não cursaram 57,2% 50,6% 42,8% 27,2% 22,1% Resultado positivo Resultado neutro Resultado negativo Figura 7 Resultado dos alunos que cursaram e não cursaram Bioquímica 0%

21 21 Cursaram Não cursaram 50% 51,3% 50% 27,5% 21,2% Resultado positivo Resultado neutro Resultado negativo 0% Figura 8 Resultado dos alunos que cursaram e não cursaram Biologia Molecular Quando questionados se gostaram ou não da oficina, cinco alunos responderam que não gostaram da oficina e preferiam aulas tradicionais. Os outros 79 alunos afirmaram ter gostado da oficina e ainda deram opiniões,como por exemplo: Acho que a oficina foi mais interessante do que as aulas convencionais, pois foi possível visualizar o processo, o que ajuda na assimilação do conteúdo ; Com a oficina a aula não fica abstrata, a gente aprende fazendo, colocando a mão na massa. Pra mim, isso ajuda bastante. Os resultados foram tabulados e analisados pelo software Microsoft Office Excel 2010, e o teste qui-quadrado (X²) foi feito para a análise dos dados. O teste realizado com os resultados dos alunos que conheciam e não conheciam a técnica PCR não mostrou diferença significativa entre os dois grupos de alunos (X²= 0,092). O mesmo ocorreu com os resultados dos alunos que cursaram e não cursaram Biologia Celular (X²= 0,29), Genética (X²= 1,70), Bioquímica (X²= 0,34) e Biologia Molecular (X²= 0,46).

22 22 Discussão Neste trabalho, foi alcançado o objetivo de desenvolver uma ferramenta didática eficiente que auxiliasse no ensino-aprendizagem da técnica de PCR em sala de aula. Apenas a mini-aula foi o suficiente para 28,5% dos alunos, os que apresentaram resultado neutro, pois estes alunos não tiveram incremento nos resultados após a oficina. Já 51,2% dos alunos aumento no número de acertos após a oficina. Isso mostra que oficina somada á mini-aula se teve maior rendimento por parte dos alunos se compararmos os resultados positivos aos resultados neutros.assim, podemos concluir que a mini-aula juntamente com a oficina foi mais eficiente que apenas a mini-aula. Porém, o teste estatístico nos mostra que a eficiência desta oficina não está relacionada com o fato dos alunos terem cursado nenhuma das disciplinas analisadas neste trabalho. Apesar de os números absolutos apresentarem diferenças entre os alunos que cursaram e os que não cursaram as disciplinas em questão, o teste estatístico revelou que essa diferença não é significativa. Estes resultados sugerem que a oficina pode ser aplicada independentemente de quais disciplinas já foram cursadas pelos alunos. No entanto, ao aplicar a oficina em diferentes períodos, foi possível notar que os alunos de períodos mais avançados mostravam mais maturidade em relação aos alunos de primeiro período. Os alunos dos períodos mais avançados mostraram maior seriedade durante a explicação da mini-aula, além demonstrarem maior interesse durante a execução da oficina. Portanto, cabe ao professor decidir se a turma terá ou não maturidade suficiente para conseguir entender e assimilar satisfatoriamente tudo o que a oficina pode transmitir aos seus alunos. O teste estatístico também mostrou que não há diferença significativa entre os resultados dos alunos que já possuíam algum conhecimento prévio sobre a técnica de PCR e dos alunos que não possuíam. Este é um dado importante já que o professor não precisará se preocupar com os alunos que nunca ouviram falar da técnica, pois a mini-aula somada á oficina pode ser suficiente para que o aluno entenda e assimile o conteúdo. Dos 84 alunos que participaram da oficina, apenas cinco afirmaram que preferem aulas tradicionais, os outros 79 alunos afirmaram gostar da oficina. Através dos resultados e dos depoimentos dos alunos é possível perceber que a oficina foi bem aceita, o que indiscutivelmente ajuda muito no aprendizado.a adoção de práticas de ensino alternativas mostram ao aluno como o conhecimento pode ser transmitido sem a necessidade de

23 23 sofisticados recursos de laboratório (SANTOS-FILHO, 2011) além de despertar o interesse deles. Mesmo com a maioria dos alunos afirmando que gostaram da oficina, alguns não se empenharam em sua execução, pois não seria atribuída nenhuma nota aos questionários aplicados. Nas duas turmas em que o professor atribuiu nota ao questionário aplicado após a oficina (Questionário B) os alunos se mostraram mais preocupados em executar a oficina corretamente. Assim, o professor deve deixar claro que apesar da metodologia utilizada ser diferente da tradicional, o conteúdo é tão importante quanto qualquer outro ministrado em sala de aula. Atualmente, inúmeras ferramentas são criadas e utilizadas para auxiliar na aprendizagem de alunos de Ensino Fundamental e Médio em relação aos conteúdos de Ciências e Biologia, tais como filmes, jogos didáticos, softwares, entre outros. No entanto, pouco se têm desenvolvido com relação às ferramentas direcionadas aos alunos de Ensino Superior. Trabalhos que se propõem a desenvolver e aplicar ferramentas ao Ensino Superior mostram resultados animadores, como é o caso do trabalho de Sepel e Loreto (2007): A estrutura do DNA em origami Possibilidades didáticas. Neste trabalho os autores propõem a construção da dupla hélice de DNA em origami e perceberam que à medida que os alunos iam construindo a hélice, dúvidas iam surgindo espontaneamente, pois as ideias prévias que os alunos traziam de seus aprendizados no Ensino Médio nem sempre se encaixavam com o modelo que estavam construindo. O trabalho de Salim et al. (2007) sobre os processos de divisão celular através de baralho, também obtiveram resultados interessantes. Os autores perceberam ao final da aula um ganho substancial de conhecimento conceitual por parte dos alunos, além de ter diminuído os equívocos relativos ao assunto abordado. Há outros trabalhos como o de Klautau-Guimarães (2012) e o de Capelli e Nascimento (2011) que também desenvolveram e aplicaram ferramentas didáticas no Ensino Superior e obtiveram resultados satisfatórios. Portanto, as ferramentas didáticas são eficientes na aprendizagem de conteúdos em qualquer nível de ensino, seja Fundamental, Médio ou Superior.

24 24 Conclusão A aula expositiva associada com a oficina foi uma ferramenta didática eficiente no auxilio do ensino-aprendizagem da técnica de PCR em sala de aula. O parâmetro quantitativo de avaliação indicou que 51,2% dos alunos teve incremento na produtividade quando calculada a diferença entre as notas do questionário aplicado após a aula expositiva somada à oficina e as notas do questionário aplicado imediatamente após aula expositiva. A oficina foi uma ferramenta auxiliar eficiente independentemente das disciplinas cursadas pelos alunos, pois os resultados dos alunos que cursaram as disciplinas analisadas não diferiram significativamente dos resultados dos alunos que não cursaram estas disciplinas. Isto dá liberdade para que o professor aplique a oficina quando julgar necessário sem se preocupar com as disciplinas que seus alunos já cursaram. O fato de o aluno ter conhecimento prévio sobre a técnica de PCR não influenciou significativamente nos resultados da oficina. Assim, a aplicação à oficina pode ser desatrelada de pré-requisitos de conteúdo, corroborando a aula expositiva como uma eficiente ferramenta de nivelamento.

25 25 Referências Bibliográficas BOLLELA, V. R.; SATO, D. N.; FONSECA, B. A. L. Problemas na padronização da reação em cadeia da polimerase para diagnóstico da tuberculose pulmonar. Revista de Saúde Pública, Universidade de São Paulo, Faculdade de Saúde Pública, v. 33, n. 3, p , junho BONETTI, A. M.; VIEIRA, C. U.; SIQUIEROLI, A. C. S. Amplificação de DNA: Atividade para sala de aula. Genética na escola, v. 1, n. 2, p BONON, S. H. A.; ROSSI, C. L.; SOUZA, C. A.; VIGORITO, A. C.; COSTA, S. C. B. Estudo comparativo entre sorologia, antigenemia e reação em cadeia da polimerase para o monitoramento da infecção por cytomegalovirus em pacientes receptores de transplantes de células progenitoras hematopoiéticas. Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo, v. 48, n. 5, p CANAL, C W.; ROCHA, S. L. S.; LEÃO, J. A.; FALLAVENA, L. C. B.; OLIVEIRA, S. D.; BELTRÃO, N. Detecção de Ornithobacteriumrhinotracheale (ORT) por meio da reação em cadeia da polimerase. Ciência Rural, Santa Maria, v. 33, n. 2, p CAPELLI, L.P.; NASCIMENTO, R. M. P. Citogenética Molecular um modelo didático que explica a técnica de hibridação genômica comparativa baseada em array (acgh). Genéticanaescola, v. 6, n.1, p DEEPAK, S. A.; KOTTAPALLI, K. R.; RAKWAL,R.; OROS, G.; RANGAPPA, K. S.; IWAHASHI, H.; MASUO, Y.; AGRAWAL, G. K. Real-Time PCR: Revolutionizing Detection and Expression Analysis of Genes. CurrentGenomics, v. 8, p DENTILLO, D. B. Divisão celular: Representação com massa de modelar. Genética na escola, v. 3, n. 3, p FALCÃO, R. A.; LEÃO, M. B. C. A utilização de multimídias educacionais na construção de modelos mentais no ensino das leis de Mendel. Genética na escola, v. 2, n. 1, p

26 26 FLÔRES, M. L.; NASCIMENTO, V. P.; KADER, I. I. T. A.; CARDOSO, M.; SANTOS, L. R.; LOPES, R. F. F.; WALD, V. B.; BARBOSA, T. M. C. Análise da contaminação por Salmonella em ovos do tipo colonial através da reação em cadeia da polimerase. Ciência Rural, Santa Maria, v. 33, n. 3, p , maio-junho FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 208 pg., 5ª edição.editora Atlas GUNTHER, H. Como elaborar um questionário. Série: Planejamento de Pesquisa nas Ciências Sociais, Nº 01. Brasília, DF: UnB, Laboratório de Psicologia Ambiental KIM, Y.; FLYNN, T. R.; DONOFF, R. B.; WONG, D.T.W.; TODD, R. The gene: The Polymerase Chain Reaction an Its Clinical Application. J Oral MaxillofacSurg, v. 60, p KINOSHITA-YANAGA, A. T.; TOLEDO, M. J. O.; ARAÚJO, S. M.; VIER, B. P.; GOMES, M. L. Infecção acidental pelo Trypanosoma cruzi acompanhada pela reação em cadeia da polimerase: relato de caso. Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo, v. 51, n KLAUTAU GUIMARÃES, M. N.; OLIVEIRA, S. F.; AKIMOTO, A.; HIRAGI, C.; BARBOSA, L. S.; ROCHA, D. M. S.; CORREIA, A. Combinar e recombinar com os dominós. Genética na escola, v. 3, n. 2, p KLATAU GUIMARÃES, M. N. Detetives do DNA no ensino da graduação. Genética na escola, v. 7, n. 1, p LEITE, K. R. M.; DARINI, E.; CANAVEZ, F. C.; CARVALHO, C. M.; MITTELDORF, C. A. T. S.; CAMARA - LOPES, L. H. Helicobacterpylori e gene caga detectados por reação em cadeia da polimerase em biópsias gástricas: correlação com os achados histológicos, proliferação e apoptose. São Paulo Med. J.; v.123, n

27 27 LIMA - JUNIOR, M. S. C.; ANDREOTTI, R.; DORVAL, M. E. M. C.; OSHIRO, E. T.; OLIVEIRA, A. G.; MATOS, M. F. C. Identificação de espécies deleishmaniaisoladas de casos humanos em Mato Grosso do Sul por meio da reação em cadeia da polimerase. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 42, n. 3, p , maiojunho LORBIESKI, R.; RODRIGUES, L. S. S.; GRÉGIO d ARCE, L. P. O jogo da meiose e das segregações cromossômicas e alélicas. Genética na escola, v. 5, n. 1, p NONNENMACHER, B.; BREITENBACH, V.; VILLA, L. L.; PROLLA, J. C.; BOZZETTI, M. C. Identificação do papilomavírus humano por biologia molecular em mulheres assintomáticas. Revista de Saúde Pública, v. 36, n NUNES, C. M.; DIAS, A. K. K.; GOTTARDI, F. P.; PAULA, H. B.; AZEVEDO, M. A. A.; LIMA, V. M. F.; GARCIA, J. F. Avaliação da reação em cadeia pela polimerase para diagnóstico da Leishmaniose Visceral em sangue de cães. Rev. Bras. Parasitol. Vet., v. 16, n. 1, p MULLIS, K. B. The usunual origin of the Polymerase Chain Reaction.Scientific American. April, PAES, M. F.; PARESQUE, R. Jogo da memória: Onde está o gene?. Genética na escola, v. 4, n. 2, p PORTELA-LINDOSO, A. A. B.; SHIKANAI-YASUD, M. A. Doença de Chagas crônica: do xenodiagnóstico e hemocultura à reação em cadeia da polimerase. Revista de Saúde Pública, v. 37 n. 1, p RAMALHO, M. A. P.; SILVA, F. B.; SILVA, G. S.; SOUZA, J. C. Ajudando a fixar os conceitos de genética. Genética na escola, v. 1, n. 2, p REA.L.M.; PARKER R.A. Metodologia de Pesquisa Do planejamento à execução. 272 pg. Editora Pioneira

28 28 SALIM, D.C.; AKIMOTO, A.K.; RIBEIRO, G. B. L.; PEDROSA, M. A. F.; KLAUTAU GUMARÃES, M. N.; OLIVEIRA, S. F. O baralho como ferramenta no ensino de genética. Genética na escola, v. 2, n. 1, p SANTOS, L.R. Padronização da RAPD (DNA polimórfico amplificado ao acaso) para caracterização molecular de Salmonellaenteritidis.Revista da FZVA, Uruguaiana, v. 10, n. 1, p SANTOS, R. M. C.; OGUSKU, M. M.; MIRANDA, J. M.; DOS - SANTOS, M. C.; SALEM, J. I. Avaliação da reação em cadeia da polimerase no diagnóstico da tuberculose pulmonar em pacientes indígenas e não- indígenas. J. Bras. Pneumol.; v.32, n.3, p SANTOS-FILHO, F. S. Eletroforese: uma importante ferramenta da genética. Genética na escola, v. 6, n. 2, p SCHEID, N. M. J.; FERRARI, N. A história da ciência como aliada no ensino de genética. Genética na escola, v. 3, n.1, p SEPEL, L. M. N.; LORETO, E. L. S. Estrutura do DNA em origami possibilidades didáticas. Genética na escola, v. 2, n.1, p SILVA-PEREIRA, I. Amplificação de DNA pela técnica de PCR. In: AZEVEDO, M. O.; FELIPE, M. S. S.; BRÍGIDO, M.M.; MARANHÃO, A. Q.; DE-SOUZA, M. T. Técnicas básicas em Biologia Molecular, Brasília: Editora Universidade de Brasília, p UHLMANN, V.; SILVA, I.; LUTTICH, K.; PICTON, S.; O LEARY, J. J.In cell amplification.j ClinPathol: MolPathol, v. 51, p WALSH, S. J. Recent advances in forensic genetics. Expert Rev MolDiagn, v. 4, n. 1, p YAMAMOTO, A. Y.; AQUINO, V. H.; FIGUEIREDO, L. T. M.; MUSSI-PINHATA, M. M. Diagnóstico de infecção congênita e perinatal por citomegalovírus utilizando a reação

29 em cadeia da polimerase. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 1, n. 31, p

30 Anexos 30

31 31 Anexo 1: Slides elaborados para aplicação da mini-aula Slide 1Slide 2 Slide 3 Slide 4 Slide 5 Slide 6

32 32 Slide 7 Slide 8 Slide 9 Slide 10 Slide 11 Slide 12

33 33 Slide 13 Slide 14 Slide 15 Slide 16 Slide 17 Slide 18

AMPLIFICAÇÃO DE DNA PELA TÉCNICA DE PCR REALIZADA EM SALA DE AULA UTILIZANDO MOLDES DE PAPEL

AMPLIFICAÇÃO DE DNA PELA TÉCNICA DE PCR REALIZADA EM SALA DE AULA UTILIZANDO MOLDES DE PAPEL AMPLIFICAÇÃO DE DNA PELA TÉCNICA DE PCR REALIZADA EM SALA DE AULA UTILIZANDO MOLDES DE PAPEL 1. Introdução 1 Lanusse Andrade Fernades (UEG) Lanusse.biologia@gmail.com Flávio Monteiro Ayres (UEG) flavioayres@yahoo.com

Leia mais

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR)

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) Área de Ciências da Saúde Curso de Medicina Módulo: Saúde do Adulto e Idoso II GENÉTICA HUMANA Professora: Dra. Juliana Schmidt REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) A molécula de DNA é um longo polímero

Leia mais

Exercício 3 PCR Reação em Cadeia da Polimerase

Exercício 3 PCR Reação em Cadeia da Polimerase Exercício 3 PCR Reação em Cadeia da Polimerase (Polymerase Chain Reaction - PCR) Uma das dificuldades dos pesquisadores frente à análise baseada no DNA é a escassez deste. Na medicina forense pode-se ter

Leia mais

Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR)

Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR) 1 Universidade Federal Fluminense Instituto Biomédico Departamento de Microbiologia e Parasitologia Disciplina: Virologia Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR) A técnica de reação

Leia mais

Reação em Cadeia Da Polimerase

Reação em Cadeia Da Polimerase Reação em Cadeia Da Polimerase X Jornada Farmacêutica IV Amostra 2010 Sueli Massumi Nakatani LACEN-PR Um Pouco de História... Um Pouco de História... 1983 Kary Mullis for his invention of the polymerase

Leia mais

Extração de DNA e Amplificação por PCR

Extração de DNA e Amplificação por PCR Universidade Federal de São Carlos Departamento de Genética e Evolução Disciplina Práticas de Genética Extração de DNA e Amplificação por PCR Érique de Castro 405523, Victor Martyn 405612, Wilson Lau Júnior

Leia mais

DISPOSITIVO TECNOLÓGICO COMO FERRAMENTA DE ENSINO-APRENDIZAGEM NO CURSO DE AGROECOLOGIA: ESTUDO DE CASO

DISPOSITIVO TECNOLÓGICO COMO FERRAMENTA DE ENSINO-APRENDIZAGEM NO CURSO DE AGROECOLOGIA: ESTUDO DE CASO DISPOSITIVO TECNOLÓGICO COMO FERRAMENTA DE ENSINO-APRENDIZAGEM NO CURSO DE AGROECOLOGIA: ESTUDO DE CASO Mércia Cardoso da Costa Guimarães 1, Henrique Oliveira da Silva 2 1 Instituto Federal de Pernambuco

Leia mais

BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA. Aplicação no Laboratório Clínico - PCR APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO

BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA. Aplicação no Laboratório Clínico - PCR APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO Conteúdos abordados -Relembrar alguns conceitos da Replicação do DNA in vivo Aplicação no Laboratório Clínico - PCR -Algumas

Leia mais

Ácidos Nucleicos 22/12/2011. Funções do Material Genético. informação genética.

Ácidos Nucleicos 22/12/2011. Funções do Material Genético. informação genética. Ácidos Nucleicos Profa. Dra. Juliana Garcia de Oliveira Disciplina: Biologia Celular e Molecular Turmas: Ciências Biológicas, enfermagem, nutrição e TO. Funções do Material Genético Mendel, 1865: genes

Leia mais

Técnicas Moleculares Aplicadas ao Estudo de Patologias

Técnicas Moleculares Aplicadas ao Estudo de Patologias Patologia x Genética Técnicas Moleculares Aplicadas ao Estudo de Patologias Lucas Brandão Patologia Clínica Definição: Fornece informações ao médico, de modo a proporcionar-lhe os meios necessários para

Leia mais

APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA EM GENÉTICA: UMA EXPERIENCIA COM UM GRUPO DE EDUCANDOS EM UMA ESCOLA PÚBLICA DE ENSINO MÉDIO (PORTO NACIONAL-TO).

APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA EM GENÉTICA: UMA EXPERIENCIA COM UM GRUPO DE EDUCANDOS EM UMA ESCOLA PÚBLICA DE ENSINO MÉDIO (PORTO NACIONAL-TO). APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA EM GENÉTICA: UMA EXPERIENCIA COM UM GRUPO DE EDUCANDOS EM UMA ESCOLA PÚBLICA DE ENSINO MÉDIO (PORTO NACIONAL-TO). Débora Bandelero dos Santos 1, Juliane Maia Ribeiro 1, Nathália

Leia mais

deficiências gênicas em amostras de DNA, de seres humanos e/ou animais, o qual além

deficiências gênicas em amostras de DNA, de seres humanos e/ou animais, o qual além "PROCESSO DE IDENTIFICAÇÃO E INVESTIGAÇÃO DE DEFICIENCIAS GÊNICAS COM UTILIZAÇÃO DE FLUORESCÊNCIA, OU PROCESSO PCR MULTIPLEX FLUORESCENTE". Trata o presente relatório da descrição detalhada acompanhada

Leia mais

TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA

TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas TÉCNICAS Citologia Histologia Imunohistoquímica Citometria Biologia molecular

Leia mais

Genética e Melhoramento de Plantas

Genética e Melhoramento de Plantas Genética e Melhoramento de Plantas Marcadores moleculares e sua utilização no melhoramento Por: Augusto Peixe Introdução ao uso de Marcadores moleculares Definição Marcador molecular é todo e qualquer

Leia mais

O INCENTIVO DAS AULAS DE CAMPO NO ENSINO DE GEOCIÊNCIAS

O INCENTIVO DAS AULAS DE CAMPO NO ENSINO DE GEOCIÊNCIAS Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 94 99 O INCENTIVO DAS AULAS DE CAMPO NO ENSINO DE GEOCIÊNCIAS SANTOS, Maria do Carmo Pereira¹ BEZERRA, Hannah Priscilla Alves¹ FIRMINO, Andressa

Leia mais

TRABALHANDO EXPERIMENTOS DE BAIXO CUSTO NA ÁREA DA FÍSICA NO ENSINO MÉDIO. Francisco Carlos Vieira da Silva 2 Nórlia Nabuco Parente 3 RESUMO

TRABALHANDO EXPERIMENTOS DE BAIXO CUSTO NA ÁREA DA FÍSICA NO ENSINO MÉDIO. Francisco Carlos Vieira da Silva 2 Nórlia Nabuco Parente 3 RESUMO TRABALHANDO EXPERIMENTOS DE BAIXO CUSTO NA ÁREA DA FÍSICA NO ENSINO MÉDIO Antonio Carolino de Oliveira Filho 1 Francisco Carlos Vieira da Silva 2 Nórlia Nabuco Parente 3 RESUMO O processo de ensino-aprendizagem

Leia mais

Projeto Laboratório de Ensino de Genética Jogo Memorizando a Genética

Projeto Laboratório de Ensino de Genética Jogo Memorizando a Genética Universidade Federal de Minas Gerais UFMG Instituto de Ciências Biológicas ICB Projeto Laboratório de Ensino de Genética Jogo Memorizando a Genética Alunos: Bárbara Luiza Júlia Miranda Marina Amaral Priscilla

Leia mais

PCR in situ PCR Hotstart

PCR in situ PCR Hotstart Bruno Matos e Júlia Cougo PCR in situ PCR Hotstart Disciplina de Biologia Molecular Profª. Fabiana Seixas Graduação em Biotecnologia - UFPel PCR in situ - É a técnica de PCR usada diretamente numa lâmina

Leia mais

MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA

MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA Mário Taveira Martins 1 (IF-SERTÃO PE) Lucas Samir Silva de Matos 2 (IF-SERTÃO PE) Resumo: Este artigo foi elaborado

Leia mais

WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III

WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III CAMPYLOBACTER spp. Multiplex PCR para detecção de C. jejuni e C. coli Grace Theophilo LRNCEB IOC/FIOCRUZ gtheo@ioc.fiocruz.br Diagnóstico molecular para Campylobacter spp.

Leia mais

Kit para calibração de PCR pht

Kit para calibração de PCR pht Kit para calibração de PCR pht Itens fornecidos: Tampões ( concentrado) Composição ( concentrado) I0 500 mm KCl; 100 mm Tris-HCl ph 8,4; 1% Triton X-100 IB 500 mm KCl; 100 mm Tris-HCl ph 8,4; 1% Triton

Leia mais

Relatório. A arte em movimento: a célula. Estágio Instituto de Histologia e Embriologia, da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e IBMC

Relatório. A arte em movimento: a célula. Estágio Instituto de Histologia e Embriologia, da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e IBMC Relatório A arte em movimento: a célula Estágio Instituto de Histologia e Embriologia, da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e IBMC Introdução No dia 6 Agosto, iniciamos o nosso estágio no

Leia mais

PLANO DE MINICURSO TÍTULO DO MINICURSO: 60 ANOS DO DNA E OS AVANÇOS DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA

PLANO DE MINICURSO TÍTULO DO MINICURSO: 60 ANOS DO DNA E OS AVANÇOS DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA PLANO DE MINICURSO TÍTULO DO MINICURSO: 60 ANOS DO DNA E OS AVANÇOS DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA OBJETIVO: Proporcionar aos participantes uma maior compreensão dos avanços que a descoberta da estrutura da

Leia mais

ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES

ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES MARCELA NEIVA SOUSA 1 SAMARA MARIA VIANA DA SILVA 2 RESUMO O presente artigo tem como objetivo investigar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE QUÍMICA JOÃO ROBERTO RATIS TENÓRIO DA SILVA

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE QUÍMICA JOÃO ROBERTO RATIS TENÓRIO DA SILVA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE QUÍMICA JOÃO ROBERTO RATIS TENÓRIO DA SILVA ELABORAÇÃO DE ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ENSINO DE REAÇÕES QUÍMICAS ELABORADAS SEGUNDO A NOÇÃO

Leia mais

SOFTWARE CHEMSKETCH: FERRAMENTA PARA ENSINO E APRENDIZAGEM EM QUÍMICA

SOFTWARE CHEMSKETCH: FERRAMENTA PARA ENSINO E APRENDIZAGEM EM QUÍMICA SOFTWARE CHEMSKETCH: FERRAMENTA PARA ENSINO E APRENDIZAGEM EM QUÍMICA Rejane Maria Ghisolfi da Silva (IQ/UFU) (e-mail: rmgsilva@ufu.br); João Ribeiro Franco Neto (Colégio Santa Teresa/ Rede SESI Minas

Leia mais

PLANO DE AULAS - MÓDULO CÉLULA E GENOMA Unidade Núcleo e Controle Celular

PLANO DE AULAS - MÓDULO CÉLULA E GENOMA Unidade Núcleo e Controle Celular PLANO DE AULAS - MÓDULO CÉLULA E GENOMA Unidade Núcleo e Controle Celular Professores responsáveis: Antonio Dégas, Laura Araújo Tomé e Daniela Alves Silvestre AULA 5 e 6 - PBL Câncer OBJETIVOS - Compreender

Leia mais

Engenharia Molecular. Kit Autossômico GEM. EM-22plex sem extração. Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR

Engenharia Molecular. Kit Autossômico GEM. EM-22plex sem extração. Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR Engenharia Molecular Kit Autossômico GEM EM-22plex sem extração Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR 1. Introdução STRs (short tandem repeats) são sequências repetitivas de 3 a 7 pares de bases encontradas

Leia mais

Palavras-chaves: Ensino de Química, Educação, Softwares Educativos.

Palavras-chaves: Ensino de Química, Educação, Softwares Educativos. SOFTWARES EDUCACIONAIS PARA FUTUROS PROFESSORES DE QUÍMICA Joycyely Marytza de Araujo Souza Freitas 1 Reneid Emanuele Simplicio Dudu 2 Gilberlândio Nunes da Silva 3 RESUMO Atualmente a informática e a

Leia mais

PERCEPÇÃO SOBRE A IMPORTÂNCIA DE MAQUETES NA EDUCAÇÃO INTERATIVA

PERCEPÇÃO SOBRE A IMPORTÂNCIA DE MAQUETES NA EDUCAÇÃO INTERATIVA PERCEPÇÃO SOBRE A IMPORTÂNCIA DE MAQUETES NA EDUCAÇÃO INTERATIVA DIAS, A. C. 1 ; CAVERSAN, B. 1 ; SILVA, K. A. da. 1 ; SILVA, J. F. da. 1 ; SILVA, C. V. da. 2 1 Discentes do Curso de Ciências Biológicas

Leia mais

Gabriel Pereira Janner. Word e Excel Básico e Avançado. Dom Pedrito 2014

Gabriel Pereira Janner. Word e Excel Básico e Avançado. Dom Pedrito 2014 1 Gabriel Pereira Janner Word e Excel Básico e Avançado Dom Pedrito 2014 2 Gabriel Pereira Janner Word e Excel Básico e Avançado Trabalho cujo objetivo passar conhecimento básico e avançado na Disciplina

Leia mais

Desenvolvimento de um Aplicativo Visando à Educação Ambiental.

Desenvolvimento de um Aplicativo Visando à Educação Ambiental. Desenvolvimento de um Aplicativo Visando à Educação Ambiental. Guilherme José Vicente Ferbek gui.ferbek10@gmail.com IFES - Alegre Paulicia Sabatini Vila p.sabatini12@gmail.com IFES - Alegre Resumo:O presente

Leia mais

Bioinformática Aula 01

Bioinformática Aula 01 Bioinformática Aula 01 Prof. Ricardo Martins Ramos * * Doutorando em Genética e Toxicologia Aplicada CEFET-PI/ULBRA-RS Linha de Pesquisa Bioinformática Estrutural E-mail: ricardo@cefetpi.br Visão Holística

Leia mais

CADEIA ALIMENTAR: ATIVIDADE DIDÁTICA EM UMA ESCOLA PÚBLICA NA CIDADE DE PARNAÍBA-PI

CADEIA ALIMENTAR: ATIVIDADE DIDÁTICA EM UMA ESCOLA PÚBLICA NA CIDADE DE PARNAÍBA-PI CADEIA ALIMENTAR: ATIVIDADE DIDÁTICA EM UMA ESCOLA PÚBLICA NA CIDADE DE PARNAÍBA-PI Thaynara Fontenele de Oliveira (Universidade Federal do Piauí UFPI/CMRV) Email: thaynarafontenele@outlook.com Maria das

Leia mais

Técnicas de biologia molecular. da análise de genes e produtos gênicos únicos a abordagens em larga escala

Técnicas de biologia molecular. da análise de genes e produtos gênicos únicos a abordagens em larga escala Técnicas de biologia molecular da análise de genes e produtos gênicos únicos a abordagens em larga escala os mesmos genes, qual a diferença? Dogma central Localizando alvos Técnicas iniciais para evidenciar

Leia mais

Painéis Do Organismo ao Genoma

Painéis Do Organismo ao Genoma Painéis Do Organismo ao Genoma A série de 5 painéis do organismo ao genoma tem por objetivo mostrar que os organismos vivos são formados por células que funcionam de acordo com instruções contidas no DNA,

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO ALUNO BOLSISTA SUBPROJETO DE 2011. 2 Semestre de 2011

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO ALUNO BOLSISTA SUBPROJETO DE 2011. 2 Semestre de 2011 Ministério da Educação Secretaria de Educação Média e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE

Leia mais

EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL PARA ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: MODELO DIDÁTICO PARA COMPREENSÃO DO TESTE DE VÍNCULO GENÉTICO

EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL PARA ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: MODELO DIDÁTICO PARA COMPREENSÃO DO TESTE DE VÍNCULO GENÉTICO EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL PARA ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: MODELO DIDÁTICO PARA COMPREENSÃO DO TESTE DE VÍNCULO GENÉTICO CUNHA, Marielton dos Passos 1 ; OLIVEIRA, Bruno Francesco Rodrigues de 1 ; RESENDE, Isa Murielly

Leia mais

Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações

Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações BSc. Daniel Perez Vieira (Protozoologia-IMTSP/ Laboratório de Biologia Molecular-IPEN) Aula 3 - Análise dos produtos: Qualitativa e Semi- Quantitativa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE SETOR DE BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE SETOR DE BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE SETOR DE BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR DISCIPLINA: BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR ESTUDO DIRIGIDO FLUXO DA INFORMAÇÃO GÊNICA págs:

Leia mais

Áudio. GUIA DO PROFESSOR Mendel, o pai da genética - Parte I. Os fundamentos da hereditariedade: Biografia de Gregor Mendel

Áudio. GUIA DO PROFESSOR Mendel, o pai da genética - Parte I. Os fundamentos da hereditariedade: Biografia de Gregor Mendel Mendel, o pai da genética - Parte I Conteúdos: Tempo: Objetivos: Descrição: Produções Relacionadas: Os fundamentos da hereditariedade: Biografia de Gregor Mendel 5 minutos para cada áudio. Avaliar se o

Leia mais

Projeto Genoma e Proteoma

Projeto Genoma e Proteoma Projeto Genoma e Proteoma Grupo 3: *Artur S. Nascimento *Bárbara S. Costa *Beatrice Barbosa *Tamyres S. E. Guimarães *Yara Cavalcante O que é genoma? O genoma é o conjunto de todo o material genético que

Leia mais

O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL Telma Maria Pereira dos Santos Graduada em Pedagogia pela Universidade do Estado da Bahia UNEB e Pós-graduada em Educação

Leia mais

relato êa internet como atividade integrante de uma prática docente

relato êa internet como atividade integrante de uma prática docente A internet como atividade integrante de uma prática docente Flávio Chame Barreto Instituto Educacional Vivenciando RJ flaviocbarreto@yahoo.com.br Resumo Um consenso entre os docentes do Ensino Fundamental

Leia mais

Técnicas moleculares

Técnicas moleculares Técnicas moleculares PCR Reação em Cadeia da Polimerase Inventada em 1983 por Kary Mullis é uma das técnicas mais comuns utilizadas em laboratórios de pesquisas médicas e biológicas Kary Mullis ganhou

Leia mais

OS LIMITES DO ENSINO A DISTÂNCIA. Claudson Santana Almeida

OS LIMITES DO ENSINO A DISTÂNCIA. Claudson Santana Almeida OS LIMITES DO ENSINO A DISTÂNCIA Claudson Santana Almeida Junho 2012 Introdução O que o leitor encontrará neste artigo? Uma apresentação do sistema de Ensino a Distância (EAD), conhecer as vantagens e

Leia mais

Polymerase Chain Reaction

Polymerase Chain Reaction Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Ciências Básicas da Saúde Laboratório de Virologia Polymerase Chain Reaction Equipe de Virologia UFRGS & IPVDF www.ufrgs.br/labvir PCR Desenvolvida

Leia mais

Replicação do DNA REPLICAÇÃO DIVISÃO CELULAR E REPLICAÇÃO DNA REPLICAÇÃO. REPLICAÇÃO - Bibliografia

Replicação do DNA REPLICAÇÃO DIVISÃO CELULAR E REPLICAÇÃO DNA REPLICAÇÃO. REPLICAÇÃO - Bibliografia REPLICAÇÃO Plano de Aula -DNA e Hereditariedade -Processo de replicação REPLICAÇÃO Prof. Juliana Schmidt Curso Farmácia 2012 REPLICAÇÃO - Bibliografia DIVISÃO CELULAR E REPLICAÇÃO ALBERTS, B.; BRAY, D.;

Leia mais

Sistema Web para Projeto de PCR

Sistema Web para Projeto de PCR Sistema Web para Projeto de PCR Abstract. This paper describes a web system that help the work of molecular biologists, automatizating the steps necessary for preparing a PCR experiment. This system will

Leia mais

CONSTRUINDO O SISTEMA NERVOSO HUMANO: UTILIZAÇÃO DE MODELOS E MODELAGENS COMO PRÁTICA ALTERNATIVA NO ENSINO DE CIÊNCIAS.

CONSTRUINDO O SISTEMA NERVOSO HUMANO: UTILIZAÇÃO DE MODELOS E MODELAGENS COMO PRÁTICA ALTERNATIVA NO ENSINO DE CIÊNCIAS. CONSTRUINDO O SISTEMA NERVOSO HUMANO: UTILIZAÇÃO DE MODELOS E MODELAGENS COMO PRÁTICA ALTERNATIVA NO ENSINO DE CIÊNCIAS. Brayan Paiva Cavalcante¹; Clécio Danilo Dias da Silva²; Dalvan Henrique Luiz Romeiro³;

Leia mais

UMA REFLEXÃO EPISTEMOLÓGICA DAS AULAS PRÁTICAS

UMA REFLEXÃO EPISTEMOLÓGICA DAS AULAS PRÁTICAS UMA REFLEXÃO EPISTEMOLÓGICA DAS AULAS PRÁTICAS Janice Silvana Novakowski Kierepka Professora de Educação Básica, Mestranda em Educação nas Ciências, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande

Leia mais

SOFTWARE PARA GERENCIAMENTO DE REBANHOS BOVINOS: SELEÇÃO E AVALIAÇÃO PELO PECUARISTA

SOFTWARE PARA GERENCIAMENTO DE REBANHOS BOVINOS: SELEÇÃO E AVALIAÇÃO PELO PECUARISTA SOFTWARE PARA GERENCIAMENTO DE REBANHOS BOVINOS: SELEÇÃO E AVALIAÇÃO PELO PECUARISTA Marcos Aurélio Lopes Email: malopes@ufla.br Vínculo: Professor do Depto de Medicina Veterinária da Universidade Federal

Leia mais

INVESTIGANDO O ENSINO MÉDIO E REFLETINDO SOBRE A INCLUSÃO DAS TECNOLOGIAS NA ESCOLA PÚBLICA: AÇÕES DO PROLICEN EM MATEMÁTICA

INVESTIGANDO O ENSINO MÉDIO E REFLETINDO SOBRE A INCLUSÃO DAS TECNOLOGIAS NA ESCOLA PÚBLICA: AÇÕES DO PROLICEN EM MATEMÁTICA INVESTIGANDO O ENSINO MÉDIO E REFLETINDO SOBRE A INCLUSÃO DAS TECNOLOGIAS NA ESCOLA PÚBLICA: AÇÕES DO PROLICEN EM MATEMÁTICA RESUMO Elissandra de Campos Viegas; Cibelle de Fátima Castro de Assis Universidade

Leia mais

Daniela Albano 1 ; Larissa Leite 1 ; Antônio José Pereira 2

Daniela Albano 1 ; Larissa Leite 1 ; Antônio José Pereira 2 A CONTRIBUIÇÃO DO USO CONSCIENTE DOS MOVIMENTOS OCULARES LATERAIS PARA A MELHORIA DO RENDIMENTO ESCOLAR DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO INTEGRADO AO ENSINO PROFISSIONALIZANTE Daniela Albano 1 ; Larissa Leite

Leia mais

Biotecnologia: principais me todos moleculares

Biotecnologia: principais me todos moleculares Biotecnologia: principais me todos moleculares Raphael Bessa Parmigiani, PhD Centro de Oncologia Molecular Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa Curso de Introdução à Biologia Molecular Goiânia,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP FACULDADE DE TECNOLOGIA FT PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP FACULDADE DE TECNOLOGIA FT PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP FACULDADE DE TECNOLOGIA FT PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Projeto Gene: Ambiente de Apoio à Aprendizagem de Genética Baseado em Tamagotchi

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA DE CURSO: DNA NA ESCOLA

APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA DE CURSO: DNA NA ESCOLA APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA DE CURSO: DNA NA ESCOLA Público alvo: Estudantes de 3º ano do ensino médio Local: Escolas de ensino médio e/ou cursos pré-vestibulares Carga horária: 12 horas Organização: HELIX

Leia mais

XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010

XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010 XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010 PERFIL DOS PROFESSORES-PESQUISADORES DOS CURSOS DA SAÚDE DE UMA UNIVERSIDADE CEARENSE Palavras-chave: Educação

Leia mais

O papel das nodulinas na fixação biológica do nitrogênio na cultura de soja

O papel das nodulinas na fixação biológica do nitrogênio na cultura de soja O papel das nodulinas na fixação biológica do nitrogênio na cultura de soja SOUZA, R.C. 1 ; SANTOS, M.A. 2 ; HUNGRIA, M. 3 1 Centro Universitário Filadélfia - Unifil, renata@ cnpso.embrapa.br; 2 Escola

Leia mais

Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços

Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços Guia Fundamental para Gestão de Qualidade em Serviços Objetivo Capacitar os participantes a interpretarem os requisitos da Norma ISO 9001:2008, relacionados aos

Leia mais

TRANSTORNO DO AUTISTA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

TRANSTORNO DO AUTISTA NA EDUCAÇÃO INFANTIL FACULDADE MÉTODO DE SÃO PAULO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA ERIKA DE SOUZA NOGUEIRA JENIFFER OLIVEIRA RODRIGUES COSTA JESSICA PRISCILLA TESLENCO MARTINS PINHEIRO TRANSTORNO DO AUTISTA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DA MONITORIAINTEGRADACOMO AGENTE PROMOTOR NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E PROFISSIONAL DO FORMANDO NO DBG/CB-UFRN.

A EXPERIÊNCIA DA MONITORIAINTEGRADACOMO AGENTE PROMOTOR NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E PROFISSIONAL DO FORMANDO NO DBG/CB-UFRN. Eixo temático: Educação e Ciências Exatas e Naturais A EXPERIÊNCIA DA MONITORIAINTEGRADACOMO AGENTE PROMOTOR NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E PROFISSIONAL DO FORMANDO NO DBG/CB-UFRN. Daniella Regina Arantes Martins

Leia mais

Áudio. GUIA DO PROFESSOR Síndrome de Down - Parte I

Áudio. GUIA DO PROFESSOR Síndrome de Down - Parte I Síndrome de Down - Parte I Conteúdos: Tempo: Síndrome de Down 5 minutos Objetivos: Auxiliar o aluno na compreensão do que é síndrome de Down Descrição: Produções Relacionadas: Neste programa de Biologia

Leia mais

Abordagem de Licenciandos sobre softwares educacionais de Química

Abordagem de Licenciandos sobre softwares educacionais de Química Abordagem de Licenciandos sobre softwares educacionais de Química Autor(a): Joycyely Marytza 1 INTRODUÇÃO As atuais concepções pedagógicas exigem do professor a inclusão das novas tecnologias para um melhor

Leia mais

ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE

ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE Importância da Engenharia Genética Diversidade biológica X Diversidade gênica Etapas básicas da Clonagem Escolha e amplificação do

Leia mais

GEOPLANO CIRCULAR: PROPICIANDO A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO

GEOPLANO CIRCULAR: PROPICIANDO A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO GEOPLANO CIRCULAR: PROPICIANDO A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO Maria da Gloria Vasconcellos Cid Faculdades Integradas Geraldo Di Biase Volta Redonda RJ glorinhacid@hotmail.com INTRODUÇÃO A Matemática tem

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

Oficina de jogos pedagógicos de ensino de ecologia e educação ambiental como estratégia de ensino na formação de professores

Oficina de jogos pedagógicos de ensino de ecologia e educação ambiental como estratégia de ensino na formação de professores Oficina de jogos pedagógicos de ensino de ecologia e educação ambiental como estratégia de ensino na formação de professores Pedagogical games workshop of ecology teaching and environmental education as

Leia mais

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra Ana Luísa Carvalho Amplificação de um fragmento de DNA por PCR Numa reacção em cadeia catalizada pela DNA polimerase (Polymerase Chain Reaction - PCR),

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS

A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS Prof. Dra. Simone Sendin Moreira Guimarães Instituto de Ciências Biológicas/ICB Universidade Federal

Leia mais

Andragogia, uma estratégia em T&D.

Andragogia, uma estratégia em T&D. Andragogia, uma estratégia em T&D. Por PAULA FRANCO Ensinar exige o reconhecimento de ser condicionado Gosto de gente porque, inacabado, sei que sou um ser condicionado, mas, consciente do inacabamento,

Leia mais

Palavras-Chave: Técnicas de Avaliação, Ensino e Energia Elétrica.

Palavras-Chave: Técnicas de Avaliação, Ensino e Energia Elétrica. TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DIFERENCIADA EM DISCIPLINA DE GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA ELÉTRICA UMA EXPERIÊNCIA COM A DISCIPLINA ENERGIA, MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE. Clayton Morales, Engº - clayton@pea.usp.br

Leia mais

Sequenciamento de DNA

Sequenciamento de DNA Sequenciamento de DNA Figure 8-50a Molecular Biology of the Cell ( Garland Science 2008) Método de Sanger Reação de síntese de DNA por uma DNA polimerase A incorporação de um dideoxinucleotídeo interrompe

Leia mais

UM NOVO TESTE PARA TUBERCULOSE

UM NOVO TESTE PARA TUBERCULOSE UM NOVO TESTE PARA TUBERCULOSE Rio de Janeiro e Manaus testam para o Ministério da Saúde uma nova tecnologia para o diagnóstico da tuberculose pulmonar Que novo teste é este? O Xpert MTB/RIF é um método

Leia mais

Guia do Professor. (Documento baseado no guião original em inglês)

Guia do Professor. (Documento baseado no guião original em inglês) Guia do Professor (Documento baseado no guião original em inglês) Nota: Este documento é apenas um resumo do conteúdo do guia do professor. Alguns itens de grande importância não estão aqui referidos,

Leia mais

A PESQUISA NA MUDANÇA DA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA: UMA ANÁLISE DA EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL

A PESQUISA NA MUDANÇA DA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA: UMA ANÁLISE DA EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL A PESQUISA NA MUDANÇA DA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA: UMA ANÁLISE DA EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL Leandro Carlos de Souza Gomes(1); Universidade Estadual da Paraíba, leandrouepb@hotmail.com; RESUMO: Essa pesquisa

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA - UNIR NÚCLEO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA - NCT DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA. Carga Horária: 100 horas/aula

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA - UNIR NÚCLEO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA - NCT DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA. Carga Horária: 100 horas/aula FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA - UNIR NÚCLEO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA - NCT DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA Código: CBIGEBA Créditos: 05 Período: 3 o (terceiro período) Disciplina: Genética Básica

Leia mais

7.012 Conjunto de Problemas 3

7.012 Conjunto de Problemas 3 Nome Seção 7.012 Conjunto de Problemas 3 Data estelar 7.012.10.4.00 Diário Pessoal do Oficial Médico Responsável do USS Hackerprise Depois de voltar de uma missão em Europa, Noslen, um dos membros da tripulação,

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

Eixo Temático ET-13-010 - Educação Ambiental CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: PROCESSO, AÇÃO, TRANSFORMAÇÃO

Eixo Temático ET-13-010 - Educação Ambiental CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: PROCESSO, AÇÃO, TRANSFORMAÇÃO 486 Eixo Temático ET-13-010 - Educação Ambiental CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: PROCESSO, AÇÃO, TRANSFORMAÇÃO Samuel Brito Ferreira Santos 1 ; Rebecca Ruhama Gomes Barbosa 2 ; Adeilton Padre de Paz

Leia mais

MODELOS BIOLÓGICOS: FATOR MOTIVACIONAL NAS AULAS DE BIOLOGIA DO ENSINO MÉDIO

MODELOS BIOLÓGICOS: FATOR MOTIVACIONAL NAS AULAS DE BIOLOGIA DO ENSINO MÉDIO MODELOS BIOLÓGICOS: FATOR MOTIVACIONAL NAS AULAS DE BIOLOGIA DO ENSINO MÉDIO *Fernanda Fonseca dos Santos¹, Biatriz Alves da Costa², Alyne Araújo Trajano², Paula Folha Milarindo² Laerte de Sousa Estrela²

Leia mais

Um estudo sobre as características dos acadêmicos do curso de Ciências Contábeis da UNIOESTE

Um estudo sobre as características dos acadêmicos do curso de Ciências Contábeis da UNIOESTE Um estudo sobre as características dos acadêmicos do curso de Ciências Contábeis da UNIOESTE Udo Strassburg (Docente da UNIOESTE), udo@udostrassburg.com.br, rua Rodrigues Alves, 1197, Jardim Maria Luiza,

Leia mais

INOVAÇÕES NAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA ESCOLA ESTADUAL FAUZER BUCAR

INOVAÇÕES NAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA ESCOLA ESTADUAL FAUZER BUCAR INOVAÇÕES NAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA ESCOLA ESTADUAL FAUZER BUCAR Elivelto Gomes da Silva, Janison Miranda e Silva, Júlio Marcelino Monteiro, Mauro Aparecido Ribeiro

Leia mais

AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DO 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL NA COMPREENSÃO DE EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES

AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DO 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL NA COMPREENSÃO DE EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DO 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL NA COMPREENSÃO DE EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES Silmara Cristina Manoel UNESP Ilha Solteira Silmaracris2@hotmail.com Inocêncio Fernandes Balieiro Filho

Leia mais

Pollyanna Pereira Nascimento 1, 3 ; Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3.

Pollyanna Pereira Nascimento 1, 3 ; Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3. CONHECIMENTO ESPECÍFICO SOBRE O CÂNCER NÃO AUMENTA CONSCIENTIZAÇÃO. Pollyanna Pereira Nascimento 1, 3 ; Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3. 1 Voluntária Iniciação Científica PVIC/UEG 2 Pesquisadora Orientadora

Leia mais

Bases Moleculares da Hereditariedade

Bases Moleculares da Hereditariedade UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROG. DE PÓS GRAD. EM GENET. E MELHORAMENTO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GENET. E MELHORAMENTO Bases Moleculares da Hereditariedade Ministrante: João Paulo

Leia mais

MONITORIA ACADÊMICA: A IMPORTÂNCIA PARA O ALUNO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA

MONITORIA ACADÊMICA: A IMPORTÂNCIA PARA O ALUNO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA MONITORIA ACADÊMICA: A IMPORTÂNCIA PARA O ALUNO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA Abimael Sousa Cordeiro* 1 ; Bruno Peixoto de Oliveira 1 1 Universidade Estadual do Ceará, Faculdade de Educação de Itapipoca,

Leia mais

O ENSINO DE FÍSICA NA VISÃO DOS ALUNOS DE UMA TURMA DE 2º ANO DO ENSINO MÉDIO: ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE ABAETETUBA PARÁ.

O ENSINO DE FÍSICA NA VISÃO DOS ALUNOS DE UMA TURMA DE 2º ANO DO ENSINO MÉDIO: ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE ABAETETUBA PARÁ. O ENSINO DE FÍSICA NA VISÃO DOS ALUNOS DE UMA TURMA DE 2º ANO DO ENSINO MÉDIO: ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE ABAETETUBA PARÁ. Alessandra da Costa Marques; Najara Siva; Lúcia Maria Assunção

Leia mais

Relatório Fotográfico de Atividades -1º Semestre 2015

Relatório Fotográfico de Atividades -1º Semestre 2015 Relatório Fotográfico de Atividades -1º Semestre 2015 Subprojeto... Colégio Estadual Professor Waldemar Amoretty Machado Supervisora: Gisele Machado Brites Rodrigues Bolsistas: Ariani, Camila Simões, Kamile

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E BEM ESTAR ANIMAL: ATUAÇÃO DE PROFESSORES DA VILA FLORESTAL EM LAGOA SECA/PB

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E BEM ESTAR ANIMAL: ATUAÇÃO DE PROFESSORES DA VILA FLORESTAL EM LAGOA SECA/PB EDUCAÇÃO AMBIENTAL E BEM ESTAR ANIMAL: ATUAÇÃO DE PROFESSORES DA VILA FLORESTAL EM LAGOA SECA/PB Alfredo Rosas de Lima Júnior; Ana Carolina Bezerra; Luana da Silva Barbosa; Ewerton Guilherme Alves de Sousa;

Leia mais

O uso das tic s no processo de ensino aprendizagem: o blog como ferramenta pedagógica

O uso das tic s no processo de ensino aprendizagem: o blog como ferramenta pedagógica UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CEH CENTRO DE EDUCAÇÃO E HUMANIDADES FFP SG FACULDADE DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO O uso das tic s no processo de ensino aprendizagem: o

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

O USO DE JOGOS COMO FERRAMENTA DE ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA

O USO DE JOGOS COMO FERRAMENTA DE ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA 65 O USO DE JOGOS COMO FERRAMENTA DE ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA THE USE OF GAMES HOW FINANCIAL MATHEMATICS TEACHING TOOL Odair José Pin, Ana Paula Brandão de Melo, Roger Gomes Soares da Silva, Eugenia

Leia mais

ATIVIDADE INVESTIGATIVA COMO ESTRATÉGIA DE ENSINO SOBRE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

ATIVIDADE INVESTIGATIVA COMO ESTRATÉGIA DE ENSINO SOBRE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS ATIVIDADE INVESTIGATIVA COMO ESTRATÉGIA DE ENSINO SOBRE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Kátya Danielle de Freitas¹ Mayron Henrique de Morais¹ Taize Cristina Fonseca¹ Catarina Teixeira² ¹ Alunos do curso

Leia mais

Palavras Chaves: Monitorias; Jogos; Resolução de Problemas.

Palavras Chaves: Monitorias; Jogos; Resolução de Problemas. 1 Resumo Este trabalho se refere a um projeto do Programa de Iniciação à Docência (PIBID) que é realizado com alunos das séries finais do Ensino Fundamental em uma escola municipal da cidade de Jataí-GO.

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

VALÉRIA GUIMARÃES MOREIRA 2 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS lelagm@yahoo.com.br RESUMO

VALÉRIA GUIMARÃES MOREIRA 2 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS lelagm@yahoo.com.br RESUMO CONFLITOS CONCEITUAIS COM IMAGENS RELATIVAS A CONCEITOS COMUNS ENTRE A MATEMÁTICA ELEMENTAR E A AVANÇADA 1 VALÉRIA GUIMARÃES MOREIRA 2 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS lelagm@yahoo.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ESPECIALIZAÇÃO EM BIOLOGIA MOLECULAR E CITOGENÉTICA HUMANA JOANA MARIA SANTANA SANTOS

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ESPECIALIZAÇÃO EM BIOLOGIA MOLECULAR E CITOGENÉTICA HUMANA JOANA MARIA SANTANA SANTOS UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ESPECIALIZAÇÃO EM BIOLOGIA MOLECULAR E CITOGENÉTICA HUMANA JOANA MARIA SANTANA SANTOS CITOGENÉTICA NO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA LEUCEMIA MIELÓIDE

Leia mais

Revista Fafibe On Line n.3 ago. 2007 ISSN 1808-6993 www.fafibe.br/revistaonline Faculdades Integradas Fafibe Bebedouro SP

Revista Fafibe On Line n.3 ago. 2007 ISSN 1808-6993 www.fafibe.br/revistaonline Faculdades Integradas Fafibe Bebedouro SP O plano de aula sob a ótica dos profissionais de Educação Física no ensino não-formal (The class plan under the professionals of Physical Education optics in the formal teaching) Andreia Cristina Metzner

Leia mais