Instruções de utilização. Família Dynal SSP AllSet + e CombiSet +

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instruções de utilização. Família Dynal SSP AllSet + e CombiSet +"

Transcrição

1 Instruções de utilização Família Dynal SSP AllSet + e CombiSet

2 CONTEÚDO Página INDICAÇÕES DE UTILIZAÇÃO RESUMO E EXPLICAÇÃO PRINCÍPIOS DO PROCEDIMENTO REAGENTES Fornecidos no Kit de tipagem Conservação ADVERTÊNCIAS E PRECAUÇÕES 5 EQUIPAMENTO NECESSÁRIO MAS NÃO FOI FORNECIDO PELA DYNAL... 5 PROCEDIMENTO Colheita e preparação de amostras Preparação da amplificação por PCR Amplificação por PCR Detecção da PCR utilizando a electroforese em gel de agarose LIMITAÇÕES DO PROCEDIMENTO VALORES ESPERADOS Controlo de Qualidade Controlo dos testes internos.. 10 Interpretação dos resultados Interpretação utilizando a Dynal SSPTool GUIA PARA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS BIBLIOGRAFIA GARANTIA.. 14 MARCAS COMERCIAIS UTILIZADAS NESTE DOCUMENTO/PRODUTO PATENTES UTILIZADAS NESTE DOCUMENTO/PRODUTO INFORMAÇÃO DE CONTACTOS Página 2 de 15

3 Para uso em Diagnóstico In Vitro UTILIZAÇÃO INDICADA Tipagem a partir do DNA dos Alelos HLA de Classe I ou Classe II. RESOLUÇÃO DA TIPAGEM Kits de Baixa Resolução: Os alelos serão resolvidos a nível genérico ou a nível dos grupos alélicos, os quais geralmente estão em concordância com as especificações definidas serologicamente. Kits de Alta Resolução: Ou kits de subtipagem, asseguram a genotipagem de alta resolução ou a nível de alelos. RESUMO E EXPLICAÇÃO Quase todas as técnicas de tipagem de tecidos a partir do DNA utilizam a técnica da reacção de polimerização em cadeia (PCR polymerase chain reaction) 1 para amplificar o locus HLA a ser investigado. Na maior parte dos métodos de tipagem de tecidos a partir do DNA, utiliza-se a técnica de PCR como passo de amplificação pré-tipagem para aumentar a quantidade do DNA alvo. Portanto, o processo de tipagem HLA requer um passo pós-amplificação para descriminar entre os diferentes alelos. Ao contrário de outros métodos baseados na PCR, a Metodologia de SSP 2,3,4,5 utilizada pela Dynal Biotech Ltd SSP AllSet + e CombiSet +, discrimina entre os diferentes alelos durante o processo da PCR. Deste modo diminui-se o tempo de processamento de pós-amplificação para um simples passo de detecção por electroforese em gel. PRINCÍPIOS DO PROCEDIMENTO O método de Dynal SSP é uma técnica baseada na PCR, que utiliza uma Sequência de Iniciadores Específicos (Sequence Specific Primers SSP) para tipagem tecidular a partir do DNA. Os produtos de Dynal SSP consistem em painéis de misturas de iniciadores nos quais cada mistura de iniciadores contém um ou mais pares de iniciadores específicos, isto é, os iniciadores específicos de alelos e/ou de grupos de alelos, assim como um par de iniciadores de controlo que corresponde às sequências não alélicas das amostras. O par de iniciadores de controlo funciona como um controlo interno da PCR para verificar a eficiência das amplificações por PCR. Os Dynal SSP baseiam-se no princípio de que um iniciador que corresponda com perfeição será utilizado com mais eficiência na reacção de PCR do que um iniciador que possua uma ou várias correspondências deficientes na sua cadeia de extremidade 3. A especificidade do sistema de tipagem é uma parte integrante do passo de amplificação por PCR e o processamento pós-amplificação das amostras é reduzido a um mínimo. A atribuição de alelos consiste simplesmente em determinar se a amplificação ocorreu ou não, ou seja a visualização e detecção da amplificação por electroforese em gel de agarose. A técnica de PCR-SSP proporciona um alto grau de resolução porque cada par de iniciadores identifica dois locais polimórficos, de localização cis, ligados. O método assegura sensibilidade, especificidade e reprodutibilidade elevadas. Página 3 de 15

4 REAGENTES Reagentes fornecidos em todos os Kits Dynal SSP AllSet + ou CombiSet + Item 1. Tabuleiros de PCR com misturas de iniciadores SSP secas e repartidas em alíquotas Descrição Cada poço do tabuleiro de PCR contém uma solução seca de iniciadores SSP constituída pelos iniciadores específicos de alelos e/ou de grupos de alelos, assim como por um par de iniciadores de controlo que corresponde às sequências não alélicas. O par de iniciadores de controlo amplifica um fragmento de um gene conservado que está presente em todas as amostras. 2. Tampas de PCR Tampas para fechar os Tabuleiros de PCR 3. Mistura Principal (o n.º de ampolas incluído depende do n.º de reacções de PCR por teste ver o quadro oposto) N.º de reacções de PCR por teste N.º de ampolas de Mistura Principal incluídas no kit (todas com 1,8 ml) Pronto a usar com 1 x concentração. A Mistura Principal foi optimizada para ser utilizada com AmpliTaq DNA Polymerase (Roche Molecular Systems, Inc.) Informações sobre a formulação disponíveis em 4. Folheto de Instruções de Utilização do produto / Folheto de Informação sobre o Lote Específico do Produto 5. Folha de cálculo para interpretação Folheto de Instruções de Utilização do produto / Folheto de Informação sobre o Lote Específico do Produto. Uma folha de cálculo para determinar qual é o alelo ou grupo de alelos com que se identificam as respectivas misturas de iniciadores. Conservação 1. Os tabuleiros de PCR e a Mistura Principal devem ser conservados a 2-8 C. 2. Não congelar os reagentes 3. Se conservados nas condições correctas, estes reagentes e as misturas de iniciadores são estáveis até expirar o prazo de validade indicado no folheto de Informação sobre o Lote Específico do Produto. Página 4 de 15

5 AVISOS E PRECAUÇÕES 1. Para Uso em Diagnóstico In Vitro 2. Todo o trabalho efectuado com Dynal SSP AllSet + e CombiSet + deve ser realizado seguindo as Boas Práticas de Laboratório e de acordo com as directrizes locais, p. ex., normas da EFI e directrizes da CPA. 3. Aviso de biorisco: Manusear todas as amostras como se fossem capazes de transmitir doença. Todo o trabalho deve ser efectuado usando luvas e protecção apropriada. 4. Aviso de biorisco: Devem utilizar-se tubos com tampas de rosca para a preparação dos espécimes a fim de prevenir salpicos do espécime e contaminação potencial. 5. Aviso de biorisco: Todos os espécimes devem ser manuseados como infecciosos utilizando procedimentos laboratoriais seguros como os descritos em Biosafety in Microbiological and Biomedical Laboratories 6 e no Documento M29-T do NCCLS 7. Limpar e desinfectar muito bem todas as superfícies de trabalho com lixívia a 1% (NaClO). Autoclavar todo o equipamento ou materiais que entraram em contacto com espécimes clínicos, antes da eliminação. 6. Aviso de biorisco: O brometo de etídio utilizado para coloração do DNA é um agente carcinogénico potencial. Usar sempre luvas de nitrilo durante o manuseamento de geles corados e de brometo de etídio. 7. Atenção: Usar protecção ocular com bloqueio do UV e não olhar directamente para uma fonte luminosa UV com os olhos não protegidos durante a observação ou a fotografia de geles. 8. Atenção: As pipetas utilizadas para manipulações pós-pcr não devem ser utilizadas para manipulações pré-pcr. 9. Atenção: Contaminação. Evitar a contaminação microbiana dos reagentes durante a extracção de alíquotas dos frascos de reagentes. Usar sempre luvas para evitar qualquer risco de contaminação das amostras. Recomenda-se a utilização de pipetas e de pontas de pipetas com filtros descartáveis. Não utilizar reagentes que se apresentem turvos ou com sinais de contaminação microbiana. 10. Atenção: Eliminação: Eliminar todos os reagentes não utilizados e os resíduos de acordo com as normas locais, estatais, federais e nacionais. 11. Folha de Dados de Segurança dos Materiais (MSDS) está disponível para descarregar em ou a pedido junto do escritório local da Dynal Biotech. (Ver as informações sobre contactos na última página deste folheto) EQUIPAMENTO NECESSÁRIO MAS NÃO FORNECIDO PELA DYNAL BIOTECH: 1. Dispositivos de pipetagem manual (p. ex., Eppendorf, Gilson) 2. Pontas de pipetas com filtros descartáveis para os dispositivos acima mencionados 3. Misturador Vórtex 4. Micro-centrífuga 5. Suporte de micro-tubos para os tabuleiros de PCR 6. Sistema de PCR Perkin-Elmer GeneAmp 9600 ou 9700 ou qualquer termociclador autorizado com uma especificação equivalente 7. Placa aquecida / micro-ondas para aquecimento das soluções de agarose 8. Aparelho de electroforese (p. ex., ABgene Electro-Fast Stretch 108 Complete, AB-0708) 9. Transiluminador com luz UV 10. Sistema de documentação fotográfica/de imagem em gel 11. Taq Polimerase Recombinante (Dynal recomenda a AmpliTaq ) 12. Agarose de grau electroforético 13. Brometo de etídio Página 5 de 15

6 PROCEDIMENTO NOTA: Este procedimento deve ser efectuado em duas áreas separadas do laboratório (Amplificação pré- PCR e Amplificação pós-pcr) tal como indicado nas instruções seguintes. COLHEITA E PREPARAÇÃO DE AMOSTRAS Cuidado: Manusear todos os espécimes como se fossem capazes de transmitir agentes infecciosos. a) NÃO SE RECOMENDA A UTILIZAÇÃO DE SANGUE HEPARINIZADO 8. b) O DNA pode ser extraído de qualquer tipo de células humanas nucleadas utilizando o método preferido. c) Para obtenção de resultados óptimos de amplificação e tipagem com PCR-SSP, utilizar DNA de alta pureza (OD 260:280 razão 1,6-1,8). d) A concentração final do DNA antes da PCR-SSP deve ser aproximadamente de 50 ng/µl. e) O DNA extraído deve ser diluído em dh 2 0. f) O DNA pode ser conservado a -20 C ou a temperaturas inferiores durante períodos prolongados (> 1 ano) sem efeitos adversos nos resultados. O DNA conservado a +4 durante períodos prolongados sofrerá uma degradação, dando origem a mais artefactos, por exemplo amplificações não específicas. PREPARAÇÃO DA AMPLIFICAÇÃO POR PCR (Efectuada na área pré-pcr) Para efectuar uma tipagem simples fazer a seguinte mistura de PCR. Consultar a tabela da página seguinte para obtenção dos volumes necessários (em função do n.º de reacções de PCR por teste) Mistura Principal DNA da amostra (a 50 ng/µl) DNA polimerase AmpliTaq (a 5 i.u./µl ) Misturar bem. Distribuir 10 µl da mistura acima de PCR em cada poço do tabuleiro Dynal SSP AllSet + ou CombiSet +. Colocar as tampas de PCR e fechar bem para garantir que os tubos ficam bem vedados. Pode utilizar-se uma ferramenta de fecho. Também se podem utilizar lâminas adesivas de vedação compatíveis com PCR. Neste momento as amostras estão prontas para a amplificação por PCR Conservar os reagentes restantes do kit a 2-8 C. Página 6 de 15

7 Tabela de cálculo para Misturas de PCR: Reacções de PCR por teste Solução da MP (µl ) DNA da amostra (µl ) AmpliTaq (µl ) ,6 0, ,4 0, ,2 0, ,0 0, ,8 0, ,6 1, ,4 1, ,2 1, ,0 1, ,8 1, ,4 2, ,2 2, ,0 2, ,8 2, ,6 2, ,6 3, ,2 3, ,0 4, ,8 4, ,6 4, ,0 9,00 NOTA: Para números ímpares de reacções de PCR não indicados na tabela acima, basear-se no número par mais elevado seguinte (p.ex., no caso de 13 reacções de PCR por teste, consultar os cálculos relativos a 14 reacções de PCR). Página 7 de 15

8 DISPOSIÇÃO NO TABULEIRO A orientação do tabuleiro é assegurada pela mistura de iniciadores no poço número um (também identificado pelo uso de um corante azul), que é marcado com o número do lote impresso na face lateral e.g HLA-X QUALQUER OUTRO NÚMERO MOLDADO NO TABULEIRO DE PLÁSTICO, P. EX. 1,2,3 DEVE SER IGNORADO PREPARAÇÃO DA AMPLIFICAÇÃO POR PCR (Efectuada na área pós-pcr) 1. Colocar o tabuleiro de SSP AllSet + ou CombiSet + no termociclador Programar o termociclador utilizando os parâmetros seguintes: Passos Um passo de desnaturação 10 ciclos ciclos Temperatura Tempo(s) Acção ( C) Desnaturação Desnaturação Hibridação Elongação Desnaturação Hibridação Elongação Para informações específicas do termociclador, consultar o manual do fabricante. 2. Iniciar o programa 3. Quando o programa estiver terminado, retirar as amostras do termociclador NOTA: Não levar DNA amplificado para a área de amplificação pré-pcr Página 8 de 15

9 DETECÇÃO DA PCR UTILIZANDO ELECTROFORESE EM GEL DE AGAROSE Nota: Recomenda-se que seja utilizado o mesmo tampão para fazer o gel e como tampão de migração, isto é, caso se utilize 0,5 x TBE no gel, utilizar também 0,5 TBE como tampão de migração. 1. Preparar um gel de agarose a 2% (p/v) (ABgene MultiABgarose, AG-0100c) em tampão 0,5 x TBE a) Dissolver a agarose (2 g/100 ml de tampão 0,5 x TBE) fervendo num forno de microondas até à dissolução completa. Arrefecer a 60 C. Adicionar o brometo de etídio até perfazer uma concentração final de 0,5 µg/ml de gel. b) Moldar o gel com uma espessura de 3-4 mm com poços com 3 mm de largura. Deixar solidificar durante pelo menos 15 minutos. 2. a) Transferir o gel de agarose para uma unidade submersa de electroforese em gel. Cobrir o gel com 0,5 x TBE até uma profundidade de 1-2 mm. Retirar cuidadosamente o pente. Carregar todo o produto da PCR em sequência directa e cuidadosamente no gel. 3. Fazer migrar os geles em tampão 0,5 x TBE. Migrar os minigeles (um gel a menos de 10 cm entre eléctrodos) durante 10 minutos a 15 V/cm e os geles maiores durante 15 minutos a 10 V/cm. Para calcular a tensão, medir a distância (em centímetros) entre os ELÉCTRODOS na tina de electroforese; o comprimento do gel NÃO É IMPORTANTE). 4. Examinar o gel sob iluminação UV e documentar com fotografia. 1. O mesmo tampão 0,5 x TBE pode ser utilizado várias vezes, mas o desempenho pode ser melhorado utilizando um tampão recente. ADVERTÊNCIA: O brometo de etídio é um potente agente mutagénico. Usar luvas de nitrilo e protecção ocular sempre que manusear geles ou soluções contendo brometo de etídio. Página 9 de 15

10 LIMITAÇÕES DO PROCEDIMENTO 1. Devido à sensibilidade analítica elevada da PCR, deve ter-se extremo cuidado para conservar a pureza dos reagentes do kit ou das misturas de amplificação. Assegurar que o curso do trabalho no laboratório prossegue de maneira unidireccional e que o amplicon da PCR não é levado para a área de preparação da PCR. A pureza dos reagentes só é mantida seguindo as boas práticas de laboratório e o desempenho do teste só pode ser garantido pela adesão rigorosa aos procedimentos especificados no folheto incluído nesta embalagem. 2. Os testes Dynal AllSet + e CombiSet + foram desenvolvidos utilizando apenas espécimes de sangue inteiro não heparinizado e espécimes de DNA purificado. Não se avaliou o desempenho com outros espécimes. 3. A amostra de DNA fornece o molde para o processo de amplificação por PCR e a sua qualidade tanto no que respeita à pureza como à concentração deve estar dentro dos limites especificados neste procedimento. 4. Com este produto pode ser utilizado qualquer termociclador autorizado, desde que as especificações do instrumento sejam equivalentes às dos Sistemas Perkin-Elmer GeneAmp PCR 9600 ou Assegurar que todos os instrumentos e equipamento são calibrados de acordo com as recomendações do fabricante. VALORES ESPERADOS Controlo de qualidade O controlo de qualidade e a actualização dos produtos de tipagem de tecidos a partir do DNA é muito importante. Os oligonucleótidos sintetizados devem ser extensivamente testados em relação a DNAs de linhas celulares conhecidas. As soluções de iniciadores necessitam de ser testadas em relação a DNAs positivos e a DNAs negativos com uma sequência de alta similaridade. O procedimento de controlo de qualidade consiste no seguinte: Teste da síntese de iniciadores em relação a um painel de DNAs de linhas celulares bem caracterizadas. Teste de soluções de um iniciador específico em relação a um painel de DNAs negativos e positivos. Teste de um conjunto completo de SSP. Teste do produto final. Controlo positivo interno da PCR O par de iniciadores de controlo 9 encontra-se incluído para verificar a eficiência da reacção de PCR. A sua presença confirma que a ausência de uma amplificação específica em qualquer reacção dada é efectivamente devida à ausência de polimorfismo na amostra de DNA e não resultante de uma falha da amplificação por PCR. Devido às diferentes concentrações e temperaturas de hibridação dos pares de iniciadores específicos em comparação com o par de iniciadores de controlo interno: - A intensidade da banda de controlo diminui muitas vezes na presença de uma amplificação específica e - os iniciadores de controlo interno são mais sensíveis a condições não óptimas da PCR e podem ser utilizados para monitorizar a eficiência da PCR. A amplificação sem sucesso dos fragmentos de controlo interno em sequências sem amplificações específicas deve ser considerada como sinal de um sistema não óptimo. Consultar a secção sobre resolução de problemas para as causas possíveis e as acções correctas. O folheto de informações Específicas sobre cada lote de produto, incluído com cada kit, inclui informações específicas relacionadas com o controlo positive interno. Página 10 de 15

11 INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS Os alelos são atribuídos através da presença de um produto específico da PCR. Uma amplificação específica numa sequência indica que a amostra de DNA contém o alelo ou um alelo no grupo de alelos, definido pelo par de iniciadores naquela reacção de PCR. A tabela de interpretação fornecida com cada lote pode ser utilizada para atribuir o alelo ou grupo de alelos identificado pelas respectivas soluções de iniciadores. Não em todos, mas em muitos dos Kits de Dynal SSP AllSet + ou CombiSet +, cada alelo ou grupo de alelos é amplificado por mais do que uma solução de iniciadores. É importante verificar se todas as outras soluções de iniciadores, que devem ser positivas por conterem aquele alelo ou grupo de alelos, são de facto positivas. Embora os alelos sejam atribuídos pela presença do produto da PCR, os tamanhos relativos dos produtos da PCR podem ser úteis na interpretação das tipagens por SSP. Os tamanhos aproximados dos produtos específicos da PCR podem ser utilizados para distinguir entre uma amplificação realmente positiva e: - artefactos resultantes de oligómeros iniciadores (dímeros iniciadores) - contaminação a partir de poços adjacentes - amplificações não específicas Na tabela de interpretação fornecida com cada Kits de Dynal SSP AllSet + ou CombiSet + é dada a sequência para os três nucleótidos mais terminais que determinam a especificidade da extremidade 3 dos iniciadores directo e reverso. Para os produtos HLA de Classe I, é dada a posição do nucleótido no 2.º, 3.º ou 4.º exão que corresponde à extremidade 3 dos iniciadores. Nos casos dos Kits de SSP AllSet + HLA de Classe II, é dada a posição do codão correspondente à extremidade 3 dos iniciadores. Se existir a sequência de um novo alelo não incluído na tabela de interpretação, a informação da sequência do iniciador pode ser utilizada para determinar o padrão de amplificação do novo alelo. Neste caso, contactar o departamento de Serviços Técnicos pelo correio electrónico: ou envie um fax para: Interpretação utilizando Dynal SSPTool Dynal SSPTool é um software especialmente concebido para auxiliar na interpretação dos resultados. A tabela de interpretação específica de cada lote individual dos kits de SSP AllSet + e CombiSet + é introduzida na base de dados do software. A base de dados é actualizada continuamente sempre que são lançados novos lotes de produtos. Para ajuda e informação sobre a introdução de resultados e utilização do software, consultar a secção de Ajuda de SSPTool. Para encomenda de uma cópia gratuita de Dynal SSPTool (código do produto ), contactar o representante local da Dynal Biotech. Página 11 de 15

12 GUIA PARA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS PROBLEMA CAUSA ACÇÃO Ausência de amplificação (não houve amplificação dos fragmentos de controlo interno nem amplificação específica) DNA em muito pouca quantidade O DNA contém inibidores da PCR, p.ex., proteínas, etanol (dos passos de precipitação). O DNA foi extraído de sangue heparinizado Falha aleatória da amplificação As tampas dos tubos de PCR que não foram bem fechadas dão origem a evaporação e subsequente falha da amplificação Verificar se o volume e a concentração de DNA adicionado estavam correctos Determinar a qualidade do DNA. Siga exactamente o método de extracção do DNA dos fornecedores. Tentar um método de extracção do DNA alternativo Tornar a extrair o DNA Utilizar sangue não heparinizado ou tentar um tratamento com heparinase (Ver Ref 8) O DNA é dissolvido num tampão contendo EDTA Repetir a extracção do DNA e dissolver o DNA em água estéril Verificar que todas as tampas estão bem fechadas Usar a ferramenta de fecho Erros na carga do gel Fragmentos do controlo interno fracos Amplificação não específica (em escada ou com manchas) Sinais de amplificação mais fracos com o decorrer do tempo Uso de pipetas não calibradas Erros de pipetagem O DNA da amostra, a Taq polimerase ou as pré-misturas da PCR não foram bem misturadas antes da utilização DNA impuro Pouca quantidade de DNA Temperatura de hibridação demasiado alta. O termociclador não está calibrado A quantidade de DNA polimerase termoestável é pouca. A DNA polimerase termoestável é de má qualidade. DNA impuro (Algumas misturas de iniciadores têm uma tendência mais elevada de originar uma amplificação não específica, ver as notas de rodapé em cada tabela de especificidade específica) A solução de coloração de brometo de etídio do gel de agarose é antiga Verificar se foi carregado o número correcto de poços e se cada poço contém aproximadamente o mesmo volume de mistura de PCR Calibrar por rotina todas as pipetas de acordo com as recomendações dos fornecedores Efectuar a pipetagem com mais cuidado Misturar rapidamente no Vórtex antes da utilização Determinar a qualidade do DNA. Repetir a extracção do DNA com soluções recentemente preparadas. Determinar a concentração do DNA e ajustá-la para 50 ng/µl Calibrar o termociclador e verificar o programa da PCR. Um termociclador utilizador para PCR-SSP de rotina deve ser calibrado de 6 em 6 meses. Utilizar mais enzima nas reacções de PCR Utilizar Amplitaq da Perkin-Elmer Todos os fragmentos maiores do que o fragmento do controlo interno podem ser desprezados Verificar a qualidade do DNA Repetir a extracção do DNA A ausência de DNA também pode causar manchas Preparar uma nova solução de brometo de etídio para obter uma melhor coloração do gel. Uma das lâmpadas de UV está partida Verificar o equipamento de iluminação UV. Amplificações positivas falsas Padrões de amplificação estranhos Temperatura de hibridação demasiado alta, o termociclador não está calibrado Pode ser causado por Contaminação DNA impuro Temperatura de hibridação demasiado alta. O termociclador não está calibrado. É utilizada a tabela de interpretação incorrecta O padrão de amplificação contém um falso positivo Novo alelo, não incluído na tabela de interpretação Bandas indistintas, esbatidas O tampão de electroforese pode estar quente O pente utilizado tem fendas muito espessas Utilizar pentes finos (4x1 mm) Amplicon não carrega correctamente Tampão de migração com concentração diferente do tampão do gel utilizado Tampão de migração incompatível com o amplicon da PCR Bolhas de ar na pipeta Calibrar o termociclador e verifique o programa da PCR. Um termociclador utilizador para PCR-SSP de rotina deve ser calibrado de 6 em 6 meses. Usar luvas e pontas de pipeta contendo tampões de filtração. Utilizar áreas separadas para a pré e pós-pcr. Manusear correctamente as amostras em todos os passos. Verificar quanto a sinais de contaminação utilizando iniciadores de controlo da contaminação da Dynal (código do produto ) Determinar a qualidade do DNA. Repetir a extracção do DNA com soluções recentemente preparadas. Calibrar o termociclador e verificar o programa da PCR. Um termociclador utilizador para PCR-SSP de rotina deve ser calibrado de 6 em 6 meses. Verificar se o número de lote do produto utilizado é o mesmo da tabela de interpretação utilizada. Verificar se todas as amplificações específicas são correctas ou se um artefacto (contaminação, dímero iniciador) pode ter sido mal interpretado como uma amplificação. Repetir a tipagem. Se o novo padrão de amplificação for reprodutível, contactar o representante local da Dynal Biotech para informações respeitantes ao padrão de amplificação dos alelos recentemente descritos. Utilizar o tampão TBE recomendado. Efectuar a migração numa tensão inferior Utilizar o mesmo tampão como tampão do gel e de migração 0,5 x TBE é recomendado Pipetar correctamente Página 12 de 15

13 BIBLIOGRAFIA 1) Saiki RK, Scharf S, Faloona F, Mullis KB, Horn GT, Erlich HA, Arnheim N. Enzymatic amplification of beta-globin genomic sequences and restriction site analysis for diagnosis of sickle cell anemia. Science Dec 20;230(4732): ) Wu, D. Y., Ugozzoli, L., Pal, B. K. & Wallace, R. B. (1989). Allele-specific enzymatic amplification of beta-globin genomic DNA for diagnosis of sickle cell anemia. Proc Natl Acad Sci U S A 86(8), ) Newton, C. R., Graham, A., Heptinstall, L. E., Powell, S. J., Summers, C., Kalsheker, N., Smith, J. C. & Markham, A. F. (1989). Analysis of any point mutation in DNA. The amplification refractory mutation system (ARMS). Nucleic Acids Res 17(7), ) Olerup, O. & Zetterquist, H. (1992). HLA-DR typing by PCR amplification with sequence-specific iniciadores (PCR-SSP) in 2 hours: an alternative to serological DR typing in clinical practice including donor-recipient matching in cadaveric transplantation [see comments]. Tissue Antigens 39(5), ) Bunce, M., O'Neill, C. M., Barnardo, M. C. N. M., Krausa, P., Browning, M. J., Morris, P. J. & Welsh, K. I. (1995b). Phototyping: Comprehensive DNA typing for HLA-A, B, C, DRB1, DRB3, DRB4, DRB5 & DQB1 by PCR with 144 iniciador mixes utilising sequence-specific iniciadores (PCR-SSP). Tissue Antigens 46(5), ) Richmond, Y. and McKinney, W. (eds.) Biosafety in microbiological and biomedical laboratories. HHS Publication Number (CDC) ) National Committee for Clinical Laboratory Standards. Protection of Laboratory Workers from Infectious Disease Transmitted by Blood, Body Fluids and Tissue. Tentative Guideline. NCCLS Document M29-T Villanova, PA:NCCLS, ) Satsangi J, Jewell DP, Welsh K, Bunce M, Bell JI.Effect of heparin on polymerase chain reaction. Lancet Jun 11;343(8911): ) Bein G, Glaser R, Kirchner H. Rapid HLA-DRB1 genotyping by nested PCR amplification. Tissue Antigens Feb;39(2):68-73 Página 13 de 15

14 GARANTIA Os produtos são garantidos ao primeiro comprador apenas como estando em conformidade com a quantidade e conteúdo declarados nas ampolas e nos rótulos exteriores durante o prazo de validade declarado. A obrigação da Dynal Biotech e o recurso exclusivo do comprador ao abrigo desta garantia estão limitados a substituição, à custa da Dynal Biotech, de quaisquer produtos que possam ter defeitos de fabrico e que deverão ser devolvidos à Dynal Biotech, com transporte pré-pago, ou segundo o critério da Dynal Biotech, ao reembolso do preço de compra. Reclamações relativas a mercadoria danificada em trânsito devem ser apresentadas à empresa de transporte. Esta garantia não se aplicará a produtos que possam ter sido alterados fora da Dynal Biotech, nem se aplicará a produtos que foram sujeitos a má utilização ou manipulação incorrecta. TODAS AS OUTRAS GARANTIAS, EXPRESSAS, IMPLÍCITAS OU ESTATUTÁRIAS, SÃO PELA PRESENTE ESPECIFICAMENTE EXCLUÍDAS, INCLUINDO, MAS NÃO LIMITADAS A, QUALQUER GARANTIA DE COMERCIALIZAÇÃO OU ADEQUAÇÃO A UM DETERMINADO FIM. A responsabilidade máxima da Dynal Biotech está limitada em todas as circunstâncias ao preço dos produtos vendidos pela Dynal Biotech. EM CIRCUNSTÂNCIA ALGUMA A DYNAL BIOTECH SERÁ RESPONSÁVEL POR QUAISQUER DANOS ESPECIAIS, ACIDENTAIS OU INDIRECTOS. Alguns estados não permitem limites em garantias ou em recursos por violação em determinadas transacções. Em alguns estados, podem não se aplicar os limites acima descritos. Este produto não pode ser reembalado, reformulado ou novamente vendido sem o consentimento por escrito da Dynal Biotech Ltd., U.K. MARCAS COMERCIAIS UTILIZADAS NESTE DOCUMENTO/PRODUTO Dynal é uma marca registada da DYNAL BIOTECH A.S.A, Oslo, Noruega AllSet e AllSet + são marcas comerciais da DYNAL BIOTECH A.S.A, Oslo, Noruega DynaMix é uma marca comercial da DYNAL BIOTECH Ltd., R.U. CombiSet e CombiSet + são marcas comerciais da DYNAL BIOTECH., R.U. SSPTool é uma marca comercial da DYNAL BIOTECH A.S.A, Oslo, Noruega AmpliTaq é uma marca registada da Roche Molecular Systems, Inc. E.U.A. Electro-Fast é uma marca registada da Advanced Biotechnologies Ltd (ABgene ) GeneAmp é uma marca comercial da Roche Molecular Systems, Inc. E.U.A. PATENTES UTILIZADAS NESTE DOCUMENTO/PRODUTO * Os produtos Dynal SSP são vendidos sob licença de ARMS da ZENECA Ltd. com respeito à Patente Europeia N.º e propriedade internacional de patentes correspondente. ARMS é uma marca comercial da ZENECA Ltd. ** Este produto foi optimizado para utilização no Processo da Reacção de Polimerização em Cadeia (PCR ) que é coberto por patentes pertencentes à Roche Molecular Systems Inc. e à F. Hoffmann-La Roche Ltd. (Roche ). Nenhuma licença, ao abrigo destas patentes, para utilização do Processo da PCR é transferido expressamente ou por inferência para o comprador aquando da aquisição deste produto. Outras informações sobre licenças de aquisição para utilizar o Processo da PCR podem ser obtidas contactando, nos Estados Unidos, o Director de Concessão de Licenças na Roche Molecular Systems, Inc., 1145 Atlantic Avenue, Alameda, Califórnia, 94501, e fora dos Estados Unidos, o Director de Concessão de Licenças da PCR, F. Hoffman-La Roche Ltd, Grenzacherstr. 124, DH-4070 Basileia, Suíça. Fabricado pela Dynal Biotech Ltd., R.U. Desenvolvido pela Dynal Biotech Ltd., R.U. Página 14 de 15

CYCLER CHECK. Kit de teste para a validação da uniformidade da temperatura em termocicladores. pronto a usar, pré-aliquotado. REF 71044 (4 testes)

CYCLER CHECK. Kit de teste para a validação da uniformidade da temperatura em termocicladores. pronto a usar, pré-aliquotado. REF 71044 (4 testes) PT Instruções de utilização CYCLER CHECK Kit de teste para a validação da uniformidade da temperatura em termocicladores pronto a usar, pré-aliquotado REF 7104 (10 testes) REF 71044 (4 testes) Índice 1.

Leia mais

C V C. Instruções de utilização de Biofortuna SSPGo TM HLA No Template Control Kit BF-40-02. Revisão 2. Julho 2014

C V C. Instruções de utilização de Biofortuna SSPGo TM HLA No Template Control Kit BF-40-02. Revisão 2. Julho 2014 DOT139v1 Instructions for Use Biofortuna SSPGo TM HLA No Template Control Kit BF-40-02 Página 1 de 7 Instruções de utilização de Biofortuna SSPGo TM HLA No Template Control Kit BF-40-02 Revisão 2 Julho

Leia mais

Mestrado em Genética Molecular

Mestrado em Genética Molecular Mestrado em Genética Molecular Ano lectivo de 2000/2001, edição 2000-2002 Biologia Molecular Expressão génica (RT-PCR) Protocolo das sessões práticas Braga, 2000 Rui Pedro Soares de Oliveira Mestrado em

Leia mais

Wipe Test. Controlo de contaminação. Kit de teste para a deteção de contaminação numa base genética molecular REF 7091.

Wipe Test. Controlo de contaminação. Kit de teste para a deteção de contaminação numa base genética molecular REF 7091. PT Instruções de utilização Wipe Test Controlo de contaminação Kit de teste para a deteção de contaminação numa base genética molecular REF 7091 40 reacções 1. Descrição do produto O uso da Polymerase

Leia mais

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra Ana Luísa Carvalho Amplificação de um fragmento de DNA por PCR Numa reacção em cadeia catalizada pela DNA polimerase (Polymerase Chain Reaction - PCR),

Leia mais

Guia do Professor. (Documento baseado no guião original em inglês)

Guia do Professor. (Documento baseado no guião original em inglês) Guia do Professor (Documento baseado no guião original em inglês) Nota: Este documento é apenas um resumo do conteúdo do guia do professor. Alguns itens de grande importância não estão aqui referidos,

Leia mais

Extração de DNA e Amplificação por PCR

Extração de DNA e Amplificação por PCR Universidade Federal de São Carlos Departamento de Genética e Evolução Disciplina Práticas de Genética Extração de DNA e Amplificação por PCR Érique de Castro 405523, Victor Martyn 405612, Wilson Lau Júnior

Leia mais

C V C. Instruções de utilização de Biofortuna SSPGo TM HLA Typing Kits. CE Revisão 5, janeiro de 2014. 1. Finalidade de uso

C V C. Instruções de utilização de Biofortuna SSPGo TM HLA Typing Kits. CE Revisão 5, janeiro de 2014. 1. Finalidade de uso DOT116v8: Instruções de utilização de Biofortuna SSPGo TM HLA Typing Kits CE Revisão 5 Página 1 de 12 1. Finalidade de uso Instruções de utilização de Biofortuna SSPGo TM HLA Typing Kits CE Revisão 5,

Leia mais

LABORATÓRIO DE BIOENGENHARIA. Métodos rápidos de tipagem de microrganismos

LABORATÓRIO DE BIOENGENHARIA. Métodos rápidos de tipagem de microrganismos LABORATÓRIO DE BIOENGENHARIA Métodos rápidos de tipagem de microrganismos Tradicionalmente, o estudo de microrganismos, a nível genético, bioquímico/fisiológico ou apenas a nível de identificação, requer

Leia mais

Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR)

Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR) 1 Universidade Federal Fluminense Instituto Biomédico Departamento de Microbiologia e Parasitologia Disciplina: Virologia Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR) A técnica de reação

Leia mais

Paternidade Suínos 1.0 Typing Kit

Paternidade Suínos 1.0 Typing Kit Referências 1. Lee, C.L. (1980). Genetic control of two pre-albumins in pigs. Genetics. 48: 1059-1063. 2. Tagliaro CH,Franco MH, Schneider MP, Brito BG, Barbosa AS. (1999). BIOCHEMICAL POLYMORPHISMS AND

Leia mais

ScanGel ScanBrom 86445 12 ml

ScanGel ScanBrom 86445 12 ml ScanGel ScanBrom 86445 12 ml BROMELINA PARA TESTE DE COMPATIBILIDADE IVD Todos os produtos fabricados e comercializados pela empresa Bio-Rad são submetidos a um sistema de garantia de qualidade, desde

Leia mais

RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA

RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Biológicas Departamento de Bioquímica e Imunologia Professor: Miguel Alunos: Gustavo Bastos, Hugo Rezende, Monica Maertens,

Leia mais

Virologia em Laboratório Fase Pré- Analítica

Virologia em Laboratório Fase Pré- Analítica Virologia em Laboratório Fase Pré- Analítica Leonor Rebelo Lab Virologia i do IPOFGL EPE Novembro 2012 1º Curso de Virologia Molecular em Oncologia 1 ,, TÑÜxÇwxÜ t ØÇ vt vé át wx Öâx t ÅxÇàx ÇâÇvt áx vtçát?

Leia mais

PLANO DE MINICURSO TÍTULO DO MINICURSO: 60 ANOS DO DNA E OS AVANÇOS DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA

PLANO DE MINICURSO TÍTULO DO MINICURSO: 60 ANOS DO DNA E OS AVANÇOS DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA PLANO DE MINICURSO TÍTULO DO MINICURSO: 60 ANOS DO DNA E OS AVANÇOS DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA OBJETIVO: Proporcionar aos participantes uma maior compreensão dos avanços que a descoberta da estrutura da

Leia mais

Genética e Melhoramento de Plantas

Genética e Melhoramento de Plantas Genética e Melhoramento de Plantas Marcadores moleculares e sua utilização no melhoramento Por: Augusto Peixe Introdução ao uso de Marcadores moleculares Definição Marcador molecular é todo e qualquer

Leia mais

F O L H E T O I N F O R M A T I V O D O P R O D U T O

F O L H E T O I N F O R M A T I V O D O P R O D U T O Immucor Transplant Diagnostics, Inc. 550 West Avenue, Stamford, CT 06902 Tel.: (203) 328-9500 ou (888) 329-0255, Fax: (203) 328-9599 WWW.IMMUCOR.COM Documentação e Traduções referentes ao Produto estão

Leia mais

Para utilizar na preparação e isolamento de linfócitos purificados directamente a partir de sangue total FOLHETO INFORMATIVO

Para utilizar na preparação e isolamento de linfócitos purificados directamente a partir de sangue total FOLHETO INFORMATIVO Para utilizar na preparação e isolamento de linfócitos purificados directamente a partir de sangue total FOLHETO INFORMATIVO Para Utilizar no Diagnóstico In Vitro PI-TT.610-PT-V5 Informação sobre o produto

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MOLECULAR DA DREPANOCITOSE (Anemia Falciforme)

CARACTERIZAÇÃO MOLECULAR DA DREPANOCITOSE (Anemia Falciforme) CARACTERIZAÇÃO MOLECULAR DA DREPANOCITOSE (Anemia Falciforme) Genética Humana, LCS 3º Ano,1º Semestre, 2012-2013 2ª Aula Sumário Quantificação de DNA cromossomal e avaliação do grau de pureza por espectrofotometria

Leia mais

ELETROFORESE APLICADA À ANÁLISE DE DNA

ELETROFORESE APLICADA À ANÁLISE DE DNA ELETROFORESE APLICADA À ANÁLISE DE DNA Eletroforese Separação de moléculas carregadas em um campo elétrico. As moléculas em uma mistura são separadas umas das outras conforme o tamanho ou a carga Eletroforese

Leia mais

LICENCIATURA EM MEDICINA

LICENCIATURA EM MEDICINA LICENCIATURA EM MEDICINA Disciplina de Biologia Molecular (2º Ano) Ano Lectivo de 2006/2007 3º AULA PRÁTICA 1 - Introdução à tecnologia de PCR 1.1. A reacção de PCR Príncipios e variantes da técnica 2.

Leia mais

Ensaio ThromboType 1 (HPA 1)

Ensaio ThromboType 1 (HPA 1) INSTRUÇÕES DE USO Ensaio ThromboType 1 (HPA 1) REF THROMBOTYPE1 IVD ThromboType1 Reagentes E-Gel 48 INDICE UTILIZAÇÃO... 2 SUMÁRIO E EXPLICAÇÃO... 2 PRINCÍPIO... 2 REAGENTES... 2 PRECAUÇÕES... 2 ATENÇÃO...

Leia mais

FAMÍLIA MICRO SSP GENÉRICO (Baixa e Média Resolução) Classe I e II

FAMÍLIA MICRO SSP GENÉRICO (Baixa e Média Resolução) Classe I e II FAMÍLIA MICRO SSP GENÉRICO (Baixa e Média Resolução) Classe I e II Instruções de Uso APRESENTAÇÃO E COMPOSIÇÃO DA FAMÍLIA Código SSPABDR SSP1C SSP2L SSPSB5 SSP1A SSP2LB SSP1B SSP1L SSPABDRX SSP1A2 SSP1AB

Leia mais

Bordetella pertussis Qual PCR Box 1.0

Bordetella pertussis Qual PCR Box 1.0 Código do Produto: 5610 Bordetella pertussis Qual PCR Box 1.0 Dispositivo para utilização in vitro Manual de Instruções genebox - R&D Diagnostic Tests, biocant, centro de inovação em biotecnologia núcleo

Leia mais

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR)

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) Área de Ciências da Saúde Curso de Medicina Módulo: Saúde do Adulto e Idoso II GENÉTICA HUMANA Professora: Dra. Juliana Schmidt REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) A molécula de DNA é um longo polímero

Leia mais

F O L H E T O I N F O R M A T I V O D O P R O D U T O

F O L H E T O I N F O R M A T I V O D O P R O D U T O Immucor Transplant Diagnostics, Inc. 550 West Avenue, Stamford, CT 06902 EUA Tel: +1 (203) 328-9500 ou (888) 329-0255, Fax: +1 (203) 328-9599 WWW.IMMUCOR.COM Documentação e Traduções referentes ao Produto

Leia mais

WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III

WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III CAMPYLOBACTER spp. Multiplex PCR para detecção de C. jejuni e C. coli Grace Theophilo LRNCEB IOC/FIOCRUZ gtheo@ioc.fiocruz.br Diagnóstico molecular para Campylobacter spp.

Leia mais

Rev. 04 Out/2013. a) Preparo da etapa de amplificação real time área de pós PCR:

Rev. 04 Out/2013. a) Preparo da etapa de amplificação real time área de pós PCR: RTSD01-II Fator II G20210A Q PCR Alert Kit Rev. 04 Out/2013 Instruções de Uso USO PRETENDIDO O produto FATOR II Q-PCR Alert é um kit para teste de amplificação quantitativa de ácidos nucleicos para a determinação

Leia mais

PROGENSA PCA3 Urine Specimen Transport Kit

PROGENSA PCA3 Urine Specimen Transport Kit PROGENSA PCA3 Urine Specimen Transport Kit Instruções para o médico Para uso em diagnóstico in vitro. Exclusivamente para exportação dos EUA. Instruções 1. Pode ser útil pedir ao paciente que beba uma

Leia mais

Código do Produto: 0107. Dispositivo para utilização in vitro. instituto pedro nunes, quinta da nora 3030-199 coimbra Portugal

Código do Produto: 0107. Dispositivo para utilização in vitro. instituto pedro nunes, quinta da nora 3030-199 coimbra Portugal Código do Produto: 0107 FACTOR V G1691A (leiden) Box 1.0 Typing Kit Dispositivo para utilização in vitro Manual de Instruções instituto pedro nunes, quinta da nora 3030-199 coimbra Portugal tel/fax + 351

Leia mais

Legionella sp Qual PCR Box 1.0

Legionella sp Qual PCR Box 1.0 Código do Produto: 5910 Legionella sp Qual PCR Box 1.0 Dispositivo para utilização in vitro Manual de Instruções genebox - R&D Diagnostic Tests, biocant, centro de inovação em biotecnologia núcleo 4, lote

Leia mais

Engenharia Molecular. Kit Autossômico GEM. EM-22plex sem extração. Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR

Engenharia Molecular. Kit Autossômico GEM. EM-22plex sem extração. Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR Engenharia Molecular Kit Autossômico GEM EM-22plex sem extração Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR 1. Introdução STRs (short tandem repeats) são sequências repetitivas de 3 a 7 pares de bases encontradas

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO C.R. LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO C.R. LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA POP n.º: B111 Página 1 de 8 1. Sinonímina: Eletroforese de Hemoglobina em ph ácido. 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de Bioquímica do LAC-HNSC. 3. Aplicação Clínica: A eletroforese de hemoglobina

Leia mais

Exercício 2 DNA e Eletroforese

Exercício 2 DNA e Eletroforese Exercício 2 DNA e Eletroforese Você já aprendeu sobre as enzimas de restrição e como elas clivam o DNA em fragmentos. Você também deve ter notado que, em alguns mapas de restrição, uma enzima pode produzir

Leia mais

SEPARAÇÃO ELETROFORÉTICA DE DNA

SEPARAÇÃO ELETROFORÉTICA DE DNA A eletroforese em gel de agarose consiste no método mais usado para separar, identificar, analisar, caracterizar e purificar fragmentos de DNA. Uma molécula de DNA, quando exposta a um campo elétrico,

Leia mais

LINHA DE REAGENTES PARA BIOLOGIA MOLECULAR

LINHA DE REAGENTES PARA BIOLOGIA MOLECULAR LINHA DE REAGENTES PARA BIOLOGIA MOLECULAR Linha de reagentes fabricados dentro de restritos controles de qualidade. Testados para assegurar os melhores resultados nas técnicas de pesquisa em Biologia

Leia mais

* Verificar item 9 Preparo dos Reagentes e item 8 - Reagentes e Equipamentos necessários, mas não fornecidos.

* Verificar item 9 Preparo dos Reagentes e item 8 - Reagentes e Equipamentos necessários, mas não fornecidos. KIT DE EXTRAÇÃO MINI VAC AUTOMAÇÃO DE 96 AMOSTRAS Instruções de Uso 1. USO PRETENDIDO O BIOPUR Kit de Extração Mini VAC Automação 96 Amostras é a ferramenta ideal para extração automática rápida e confiável

Leia mais

Reação em Cadeia Da Polimerase

Reação em Cadeia Da Polimerase Reação em Cadeia Da Polimerase X Jornada Farmacêutica IV Amostra 2010 Sueli Massumi Nakatani LACEN-PR Um Pouco de História... Um Pouco de História... 1983 Kary Mullis for his invention of the polymerase

Leia mais

PCR. Transiluminador * Cubas de Eletroforese * Características

PCR. Transiluminador * Cubas de Eletroforese * Características PCR PCR A PCR - reação em cadeia da polimerase - é uma técnica de biologia molecular que permite a replicação in vitro do DNA de maneira eficiente, utilizando amostras que podem ser amplificadas milhões

Leia mais

Rev. 04 Out/2013. Amostras

Rev. 04 Out/2013. Amostras BANG07-02 BANG07-05 Philadelphia Oligomix Alert Kit Instruções de Uso USO PRETENDIDO O produto «PHILADELPHIA oligomix Alert kit» é um teste qualitativo de amplificação dos ácidos nucleicos para a pesquisa

Leia mais

PCR. Transiluminador * Características

PCR. Transiluminador * Características PCR PCR A PCR - reação em cadeia da polimerase - é uma técnica de biologia molecular que permite a replicação in vitro do DNA de maneira eficiente, utilizando amostras que podem ser amplificadas milhões

Leia mais

Maxwell 16 Blood DNA Purification System

Maxwell 16 Blood DNA Purification System Manual Técnico Maxwell 16 Blood DNA Purification System Atenção manusear os cartuchos com cuidado; as extremidades do selo podem ser cortantes. 2800 Woods Hollow Rd. Madison, WI USA Dispositivo médico

Leia mais

Departamento de Biologia da Universidade do Minho

Departamento de Biologia da Universidade do Minho Departamento de Biologia da Universidade do Minho Mestrado em Genética Molecular Ano lectivo de 2004/2005, edição de 2004-2006 Estudo da regulação do gene STL1 codificando o sistema de simporte H + /glicerol

Leia mais

Salmonella enteritidis. Qual PCR Box 1.0. Dispositivo para utilização in vitro. Manual de Instruções. Código do Produto: 1910

Salmonella enteritidis. Qual PCR Box 1.0. Dispositivo para utilização in vitro. Manual de Instruções. Código do Produto: 1910 Código do Produto: 1910 Salmonella enteritidis Qual PCR Box 1.0 Dispositivo para utilização in vitro Manual de Instruções genebox - R&D Diagnostic Tests, biocant, centro de inovação em biotecnologia núcleo

Leia mais

FAMÍLIA DE TESTES DE TIPAGEM HLA MICRO SSP POR DNA

FAMÍLIA DE TESTES DE TIPAGEM HLA MICRO SSP POR DNA FAMÍLIA DE TESTES DE TIPAGEM HLA MICRO SSP POR DNA Instruções de Uso APRESENTAÇÃO E COMPOSIÇÃO DA FAMÍLIA Código SSPR1-15 SSPR1-22 SSPR1-C01 SSPR1-C02 SSPR1-C03 SSPR1-C04 SSPR1-C05 SSPR1-C06 SSPR1-C07

Leia mais

HEMATOLOGIA AUTOMAÇÃO

HEMATOLOGIA AUTOMAÇÃO CONTROLE INTERNO PARA HEMATOLOGIA AUTOMAÇÃO Lote Validade HHI 242 (Hemato III) 15 de Outubro de 2008 Volume 2,0 ml Temperatura 2 a 8 C (não congelar) ANVISA/REBLAS ANALI-036 CNPJ 29.511.607/0001-18 Rua

Leia mais

PCR tempo real. PCR quantitativo. 52º Congresso Nacional de Genética Foz do Iguaçu

PCR tempo real. PCR quantitativo. 52º Congresso Nacional de Genética Foz do Iguaçu PCR tempo real PCR quantitativo 52º Congresso Nacional de Genética Foz do Iguaçu Aspectos Básicos um dos métodos atuais de aferir o nível de expressão de genes mas não é o único: Northern blotting (quantificação

Leia mais

7900003 24 Tests Circulating Tumor Cell Control Kit

7900003 24 Tests Circulating Tumor Cell Control Kit 7900003 24 Tests Circulating Tumor Cell Control Kit 1 UTILIZAÇÃO Para diagnóstico In Vitro O CELLSEARCH Circulating Tumor Cell Control Kit destina-se a ser utilizado como um controlo de ensaio para garantir

Leia mais

Mycobacterium tuberculosis Qual qpcr Box 1.0

Mycobacterium tuberculosis Qual qpcr Box 1.0 Código do Produto: 0608 Mycobacterium tuberculosis Qual qpcr Box 1.0 Dispositivo para utilização in vitro Manual de Instruções Versão1.1; Maio de 2010. 1 Apresentação Mycobacterium tuberculosis, bacilo

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. POP-I 67 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-½ - OraQuick ADVANCE 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica O ensaio

Leia mais

Prothrombin Box 1.0 Typing Kit

Prothrombin Box 1.0 Typing Kit Código do Produto: 0605 Prothrombin Box 1.0 Typing Kit Dispositivo para utilização in vitro Manual de Instruções biocant centro de inovação em biotecnologia núcleo 4, lote 3 3060-197 cantanhede portugal

Leia mais

deficiências gênicas em amostras de DNA, de seres humanos e/ou animais, o qual além

deficiências gênicas em amostras de DNA, de seres humanos e/ou animais, o qual além "PROCESSO DE IDENTIFICAÇÃO E INVESTIGAÇÃO DE DEFICIENCIAS GÊNICAS COM UTILIZAÇÃO DE FLUORESCÊNCIA, OU PROCESSO PCR MULTIPLEX FLUORESCENTE". Trata o presente relatório da descrição detalhada acompanhada

Leia mais

A eletroforese é uma técnica utilizada para separar, identificar e purificar

A eletroforese é uma técnica utilizada para separar, identificar e purificar 7. ELETROFORESE DE ÁCIDOS NUCLÉICOS João José de Simoni Gouveia Luciana Correia de Almeida Regitano A eletroforese é uma técnica utilizada para separar, identificar e purificar moléculas carregadas (como

Leia mais

Elaborado por: Karina Salvador Revisado por: Hilda Helena Wolff Aprovado por: Andréa Cauduro

Elaborado por: Karina Salvador Revisado por: Hilda Helena Wolff Aprovado por: Andréa Cauduro ANTI- 1 Manual CAMBRIDGE BIOTECH -1 POP: BM 05 Página 1 de 7 1. Sinonímia ANTI, TESTE CONFIRMATÓRIO. 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos e técnicos do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica Os testes

Leia mais

Exercício 3 PCR Reação em Cadeia da Polimerase

Exercício 3 PCR Reação em Cadeia da Polimerase Exercício 3 PCR Reação em Cadeia da Polimerase (Polymerase Chain Reaction - PCR) Uma das dificuldades dos pesquisadores frente à análise baseada no DNA é a escassez deste. Na medicina forense pode-se ter

Leia mais

OraQuick ADVANCE HIV-1/2 Teste Rápido para a Detecção de Anticorpos HIV-1/2. Plasma. Amostras HIV-1. Amostras HIV-1. Amostras

OraQuick ADVANCE HIV-1/2 Teste Rápido para a Detecção de Anticorpos HIV-1/2. Plasma. Amostras HIV-1. Amostras HIV-1. Amostras Dispositivo Médico para Diagnóstico In vitro Nome Mandatário Fabricante Distribuidor Tipo de Teste Teste rápido. OraQuick ADVANCE /2 Teste Rápido para a Detecção de Anticorpos /2 Aplicação Diagnóstica

Leia mais

Relatório. A arte em movimento: a célula. Estágio Instituto de Histologia e Embriologia, da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e IBMC

Relatório. A arte em movimento: a célula. Estágio Instituto de Histologia e Embriologia, da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e IBMC Relatório A arte em movimento: a célula Estágio Instituto de Histologia e Embriologia, da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e IBMC Introdução No dia 6 Agosto, iniciamos o nosso estágio no

Leia mais

CARTÕES DE COLETA DE AMOSTRAS

CARTÕES DE COLETA DE AMOSTRAS CARDS CARTÕES DE COLETA DE AMOSTRAS Os cartões para extração Biopur proporcionam uma coleta simples, confiável e eficiente, garantindo a preservação de ácidos nucleicos a longo prazo. São ideais para o

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia. POP n.º: I70 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-, VIKIA Biomeriéux. 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia. 3. Aplicação

Leia mais

Kit para calibração de PCR pht

Kit para calibração de PCR pht Kit para calibração de PCR pht Itens fornecidos: Tampões ( concentrado) Composição ( concentrado) I0 500 mm KCl; 100 mm Tris-HCl ph 8,4; 1% Triton X-100 IB 500 mm KCl; 100 mm Tris-HCl ph 8,4; 1% Triton

Leia mais

Neospora caninum Qual PCR Box 1.0

Neospora caninum Qual PCR Box 1.0 Código do Produto: 1510 Neospora caninum Qual PCR Box 1.0 Dispositivo para utilização in vitro Manual de Instruções genebox - R&D Diagnostic Tests, biocant, centro de inovação em biotecnologia núcleo 4,

Leia mais

HLA-B 57 plus 1.0 Typing Kit

HLA-B 57 plus 1.0 Typing Kit Código do Produto: 0208 0197 HLA-B 57 plus 1.0 Typing Kit Dispositivo para utilização in vitro Manual de Instruções biocant centro de inovação em biotecnologia núcleo 4, lote 3 3060-197 cantanhede portugal

Leia mais

5 Preparação da suspensão de linfócitos:

5 Preparação da suspensão de linfócitos: 1 Introdução: Tabuleiros de classificação de HLA Instruções de utilização Para ser utilizado em procedimentos de diagnóstico in vitro Os tabuleiros de classificação de HLA da Invitrogen são produzidos

Leia mais

Reagentes para Biologia Molecular

Reagentes para Biologia Molecular Reagentes para Biologia Molecular Para obtenção de resultados confiáveis, atividades realizadas na área da Biologia Molecular requerem reagentes de qualidade e pureza elevada. Ideais para diversas rotinas

Leia mais

Técnicas moleculares

Técnicas moleculares Técnicas moleculares PCR Reação em Cadeia da Polimerase Inventada em 1983 por Kary Mullis é uma das técnicas mais comuns utilizadas em laboratórios de pesquisas médicas e biológicas Kary Mullis ganhou

Leia mais

Portaria n.º 348/98, de 15 de Junho Boas práticas de distribuição de medicamentos de uso humano e medicamentos veterinários

Portaria n.º 348/98, de 15 de Junho Boas práticas de distribuição de medicamentos de uso humano e medicamentos veterinários Boas práticas de distribuição de medicamentos de uso humano e medicamentos veterinários O sistema de garantia da qualidade dos medicamentos, quer sejam de uso humano, quer sejam veterinários, abarca não

Leia mais

Polymerase Chain Reaction

Polymerase Chain Reaction Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Ciências Básicas da Saúde Laboratório de Virologia Polymerase Chain Reaction Equipe de Virologia UFRGS & IPVDF www.ufrgs.br/labvir PCR Desenvolvida

Leia mais

FICHA DE TRABALHO LABORATORIAL DO ALUNO - EXPERIÊNCIA A: NANOMATERIAIS NATURAIS

FICHA DE TRABALHO LABORATORIAL DO ALUNO - EXPERIÊNCIA A: NANOMATERIAIS NATURAIS FICHA DE TRABALHO LABORATORIAL DO ALUNO - EXPERIÊNCIA A: NANOMATERIAIS NATURAIS Nome do aluno: Data:.. OBJECTIVO: - Conhecer a existência de nanomateriais naturais - Interacção da luz com os colóides -

Leia mais

Análise comparativa da determinação de antígenos HLA- DR por métodos sorológicos e por PCR-SSP

Análise comparativa da determinação de antígenos HLA- DR por métodos sorológicos e por PCR-SSP 381 Análise comparativa da determinação de antígenos HLA- DR por métodos sorológicos e por PCR-SSP Maria Lúcia C. Marin, Anna Carla Goldberg, Hélcio Rodrigues, Cláudia Rosales, Carlos Sérgio Viggiani,

Leia mais

Maxwell 16 Viral Total Nucleic Acid Purification System INSTRUÇÕES DE UTILIZAÇÃO DO PRODUTO AS1155.

Maxwell 16 Viral Total Nucleic Acid Purification System INSTRUÇÕES DE UTILIZAÇÃO DO PRODUTO AS1155. Maxwell 16 Viral Total Nucleic Acid Purification System INSTRUÇÕES DE UTILIZAÇÃO DO PRODUTO AS1155. Atenção manusear os cartuchos com cuidado; as extremidades do selo podem ser cortantes. 2800 Woods Hollow

Leia mais

PCR technology for screening and quantification of genetically modified organisms (GMOs)

PCR technology for screening and quantification of genetically modified organisms (GMOs) Universidade do Algarve Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente Curso de Licenciatura em Biologia Marinha e Pescas PCR technology for screening and quantification of genetically modified organisms (GMOs)

Leia mais

Instruções de Utilização

Instruções de Utilização Instruções de Utilização Amplificação por PCR e sequenciação de loci HLA de classe I e II Version No: 15.0 Issue Date: Agosto 2015 EC REP Conexio Genomics Pty Ltd Qarad bvba 2/49 Buckingham Dr Cipalstraat

Leia mais

Manual do QIAamp DSP DNA Blood Mini Kit 50

Manual do QIAamp DSP DNA Blood Mini Kit 50 Junho de 2012 Manual do QIAamp DSP DNA Blood Mini Kit 50 Versão 2 Para utilização em diagnóstico in vitro 61104 1071108PT QIAGEN GmbH, QIAGEN Strasse 1, D-40724 Hilden Tel: +49-2103-29-0 R2 1071108PT Sample

Leia mais

Instruções de uso IVD Matrix HCCA-portioned

Instruções de uso IVD Matrix HCCA-portioned Instruções de uso IVD Matrix HCCA-portioned Substância matriz purificada para espectrometria de massa por tempo de vôo e de ionização e dessorção a laser assistida por matriz (MALDI-TOF-MS). Os produtos

Leia mais

ScanGel ABO Complete/RH/K Duo 86719 2 x 24 cards 86709 2 x 144 cards Cards ScanGel ABO Complete/RH1 Duo e ScanGel Monoclonal RH/K Phenotypes Duo

ScanGel ABO Complete/RH/K Duo 86719 2 x 24 cards 86709 2 x 144 cards Cards ScanGel ABO Complete/RH1 Duo e ScanGel Monoclonal RH/K Phenotypes Duo ScanGel ABO Complete/RH/K Duo 86719 2 x 24 cards 86709 2 x 144 cards Cards ScanGel ABO Complete/RH1 Duo e ScanGel Monoclonal RH/K Phenotypes Duo GEL FORMULADO COM REAGENTES MONOCLONAIS DE ORIGEM MURINA

Leia mais

BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA. Aplicação no Laboratório Clínico - PCR APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO

BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA. Aplicação no Laboratório Clínico - PCR APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO Conteúdos abordados -Relembrar alguns conceitos da Replicação do DNA in vivo Aplicação no Laboratório Clínico - PCR -Algumas

Leia mais

1. NOME DO TESTE A hemoglobina glicada é também chamada de hemoglobina glicosilada, hemoglobina A1c ou simplesmente, HbA1c.

1. NOME DO TESTE A hemoglobina glicada é também chamada de hemoglobina glicosilada, hemoglobina A1c ou simplesmente, HbA1c. 1/5 1. NOME DO TESTE A hemoglobina glicada é também chamada de hemoglobina glicosilada, hemoglobina A1c ou simplesmente, HbA1c. 2. APLICAÇÃO CLÍNICA Hemoglobina Glicada, também abreviada como Hb A1c, é

Leia mais

Blue tongue virus Qual PCR Box 1.0

Blue tongue virus Qual PCR Box 1.0 Código do Produto: 1310 Blue tongue virus Qual PCR Box 1.0 Dispositivo para utilização in vitro Manual de Instruções genebox - R&D Diagnostic Tests, biocant, centro de inovação em biotecnologia núcleo

Leia mais

DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO

DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO L 262/22 DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO de 8 de Outubro de 2003 que estabelece princípios e directrizes das boas práticas de fabrico de medicamentos para uso humano e de medicamentos experimentais para

Leia mais

PCR in situ PCR Hotstart

PCR in situ PCR Hotstart Bruno Matos e Júlia Cougo PCR in situ PCR Hotstart Disciplina de Biologia Molecular Profª. Fabiana Seixas Graduação em Biotecnologia - UFPel PCR in situ - É a técnica de PCR usada diretamente numa lâmina

Leia mais

Manual de instruções Forno para pizza Mini

Manual de instruções Forno para pizza Mini P Manual de instruções Forno para pizza Mini 203510 203500 V1/0813 PORTUGUÊS Tradução do manual de instruções original Antes de iniciar a utilização deve ler o manual de instruções e seguidamente guardá-lo

Leia mais

Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influência da UHE Santo Antônio.

Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influência da UHE Santo Antônio. PROJETO: Análise Genética das Populações de Myrciaria dubia (camu-camu) e Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influencia da UHE Santo Antônio. Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma)

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 140 Página 1 de 6 1. Sinonímia Detecção qualitativa do DNA bacteriano de Chlamydia trachomatis (CT) e Neisseria gonorrhoeae (NG) por PCR ( Polymerase Chain Reaction) em urina de homens e mulheres,

Leia mais

Protocolo laboratorial para purificação manual de DNA de amostra integral

Protocolo laboratorial para purificação manual de DNA de amostra integral Protocolo laboratorial para purificação manual de DNA de amostra integral Para a purificação de DNA genômico nos kits de coleta das famílias Oragene e ORAcollect Visite nosso site www.dnagenotek.com para

Leia mais

Mistura de primers de oligonucleotídeos. Mistura de sondas fluorescentes marcadas com FAM / MGB-NFQ e com VIC / MGB-NFQ

Mistura de primers de oligonucleotídeos. Mistura de sondas fluorescentes marcadas com FAM / MGB-NFQ e com VIC / MGB-NFQ RTS110 Aspergillus ssp. Q PCR Alert Kit Instruções de Uso USO PRETENDIDO O kit ASPERGILLUS Q-PCR Alert Kit faz parte de um teste de amplificação quantitativa de ácidos nucleicos para a detecção e dosagem

Leia mais

Procedimentos de montagem e instalação

Procedimentos de montagem e instalação Procedimentos de montagem e instalação das cápsulas filtrantes Pall Supracap 100 1. Introdução Os procedimentos abaixo devem ser seguidos para a instalação das cápsulas Pall Supracap 100. As instruções

Leia mais

Manual Técnico. quantificação de DNA humano em análises forenses. Para WWW.GENOMIC.COM.BR

Manual Técnico. quantificação de DNA humano em análises forenses. Para WWW.GENOMIC.COM.BR Kit Genomic de Quantificação de DNA Manual Técnico Para quantificação de DNA humano em análises forenses WWW.GENOMIC.COM.BR 1. Introdução Na maioria dos casos forenses, as amostras recebidas apresentam-se

Leia mais

CAPÍTULO 4 DOCUMENTAÇÃO

CAPÍTULO 4 DOCUMENTAÇÃO CAPÍTULO 4 DOCUMENTAÇÃO Princípio Uma boa documentação constitui parte essencial do sistema de garantia de qualidade. Documentos redigidos com clareza impedem erros resultantes da comunicação verbal e

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 36 Página 1 de 7 1. Sinonímia Planoteste, Teste de gravidez, Beta-hCG na urina. 2. Aplicabilidade Bioquímicos, auxiliares e estagiários do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica O hcg teste

Leia mais

Avaliação Curso de Formação Pós-Graduada da Biologia Molecular à Biologia Sintética 15 de Julho de 2011 Nome

Avaliação Curso de Formação Pós-Graduada da Biologia Molecular à Biologia Sintética 15 de Julho de 2011 Nome 1 Avaliação Curso de Formação Pós-Graduada da Biologia Molecular à Biologia Sintética 15 de Julho de 2011 Nome 1 - As enzimas de restrição ou endonucleases recebem uma designação que provem (1 valor) a)

Leia mais

SISTEMA DE RODAS INTERMEDIÁRIAS DE IMPACTO ELEVADO

SISTEMA DE RODAS INTERMEDIÁRIAS DE IMPACTO ELEVADO SISTEMA DE RODAS INTERMEDIÁRIAS DE IMPACTO ELEVADO SISTEMA DE RODAS INTERMEDIÁRIAS DE IMPACTO ELEVADO PATENTEADO APLICAÇÕES Um sistema de suporte da correia no ponto de carga concebido para proporcionar

Leia mais

MycXtra Conjunto de extracção de ADN fúngico

MycXtra Conjunto de extracção de ADN fúngico Para utilização diagnóstica in vitro: MycXtra MycXtra Conjunto de extracção de ADN fúngico REF 080-005 Utilização prevista O Conjunto de extracção de ADN fúngico MycXtra é concebido para o isolamento e

Leia mais

Técnicas de biologia molecular. da análise de genes e produtos gênicos únicos a abordagens em larga escala

Técnicas de biologia molecular. da análise de genes e produtos gênicos únicos a abordagens em larga escala Técnicas de biologia molecular da análise de genes e produtos gênicos únicos a abordagens em larga escala os mesmos genes, qual a diferença? Dogma central Localizando alvos Técnicas iniciais para evidenciar

Leia mais

SOP.BIO.001 PROCESSAMENTO DE SANGUE TOTAL PROCESSAMENTO DE SANGUE TOTAL

SOP.BIO.001 PROCESSAMENTO DE SANGUE TOTAL PROCESSAMENTO DE SANGUE TOTAL PROCESSAMENTO DE SANGUE PROCESSAMENTO DE SANGUE Responsável(is): -Joana Batuca ELABORADO: -Joana Batuca APROVADO: Sérgio Dias 16-05-2014 Pag. 1/5 PROCESSAMENTO DE SANGUE ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. INFORMAÇÃO

Leia mais

Biologia Celular e Molecular

Biologia Celular e Molecular DEPARTAMENTO DE ZOOLOGIA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Biologia Celular e Molecular Detecção de proteínas por western-blotting 2007-2008 Na electroforese em gel de poliacrilamida

Leia mais

Extração de DNA. Prof. Silmar Primieri

Extração de DNA. Prof. Silmar Primieri Extração de DNA Prof. Silmar Primieri Conceitos Prévios O que é DNA? Onde se localiza o DNA na célula? Do que são formadas as membranas celulares? Qual a estrutura do DNA? O que é DNA? Unidade básica informacional

Leia mais

Avis juridique important 31991L0412

Avis juridique important 31991L0412 Avis juridique important 31991L0412 Directiva 91/412/CEE da Comissão, de 23 de Julho de 1991, que estabelece os princípios e directrizes das boas práticas de fabrico de medicamentos veterinários Jornal

Leia mais

MODELO DE INSTRUÇÕES DE USO INSTRUMENTAL NÃO ARTICULADO NÃO CORTANTE NÃO ESTÉRIL DESCARTÁVEL

MODELO DE INSTRUÇÕES DE USO INSTRUMENTAL NÃO ARTICULADO NÃO CORTANTE NÃO ESTÉRIL DESCARTÁVEL MODELO DE INSTRUÇÕES DE USO INSTRUMENTAL NÃO ARTICULADO NÃO CORTANTE NÃO ESTÉRIL DESCARTÁVEL (As informações aqui apresentadas são de caráter declaratório, podendo o texto final, ter formatação diferente)

Leia mais

Hoefer SE1210 Gel Drying Frame

Hoefer SE1210 Gel Drying Frame man ual do usuário Português Hoefer SE1210 Gel Drying Frame Para géis de secagem do ar mu SE1210-IM/Portuguese/Rev.H0/08-12 Conteúdo 1. Gel função Moldura Secagem e descrição...1 Desempacotando...1 Montagem...1

Leia mais