Perícia Computacional Forense.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Perícia Computacional Forense. gilberto@sudre.com.br http://gilberto.sudre.com.br"

Transcrição

1 Perícia Computacional Forense

2 Perícia Computacional Forense

3 3

4 Agenda» A nova Economia» Segurança da Informação» Crimes Digitais» Pericia Computacional Forense» Os peritos» Conclusão 4

5 A nova economia

6 A nova sociedade» Acirramento da competição científica e econômica» O conhecimento como expressão de poder e vantagem competitiva» Capital intelectual Ativo das organizações» Mudança do eixo de relações e eventos da sociadade para o mundo digital 6

7 Novos Paradigmas» Dispositivos móveis e Mobilidade M-Commerce, M-Banking, M-Qualquer coisa...» Acesso remoto Tele-trabalho ( telecommuters ) Alteração recente do art. 6 da CLT» Redes sem fio» Privacidade x Exposição 7

8 Segurança da Informação» Proteção de um conjunto de informações preservando Confidencialidade Integridade Disponibilidade Autenticidade» Desafios Redução dos riscos contra vazamento de informações confidenciais Redução da probabilidade de fraudes Manuseio correto de informações confidenciais 8

9 Crimes Digitais

10 Crimes Digitais» Delitos que ferem os direitos em relação a computadores e periféricos, redes de computadores e aplicativos quanto ao: Ao uso À propriedade À segurança À funcionalidade» Dois tipos Crimes realizados contra o computador/aplicação Crimes realizados com a ajuda do computador/aplicação 10

11 Crimes Digitais» Exemplos: Plágio Pirataria Assédio Moral Digital Uso indevido de imagens pessoais Fraude Eletrônica (senhas, acesso e estelionato) Virus Vazamento de informações comerciais ou industriais Furto de Dados Uso indevido de marcas Monitoramento ilegal 11

12 Crimes Digitais 12

13 Crimes Digitais 13

14 Legislação

15 Legislação» Exemplos (I): CP CP CP CP CP CP CP CP CP CP Art Art Art Art Art Art Art Art Art Art 138: 139: 140: 147: 153: 155: 163: 171: 184: 208: Calúnia Difamação Injuria Ameaça Divulgação de segredo Furto Dano Estelionato Plágio - Violação de direitos autorais Escarnio por motivo de religião 15

16 Legislação» Exemplos (II): CP Art 228: Favorecimento da prostituição CP Art 233: Praticar ato obsceno em lugar publico CP Art 287: Apologia ao crime CP Art 307: Falsidade ideológica CP Art 313-A: Inserção de dados falsos em sistema Enviar um anônimo: É vedado o anonimato no Brasil Artigo 5o da constituição federal. inciso IV Art 20 da Lei No 7716/89: Crime de racismo Art 247 da lei 8069/90: Pedofilia Art 50 da L.C.P.: Jogos de azar 16

17 Legislação» Já existem muitas leis que podem ser aplicadas ao mundo digital» Precisamos de uma legislação específica?» Qual a dificuldade? Reunir as provas necessárias e com validade jurídica para tipificação do crime 17

18 Perícia Computacional Forense

19 Perícia Computacional Forense» Toda investigação de um crime virtual tem como base as evidências e informações coletadas» Só que estas evidências e informações estão em Disco rígidos Pen-drives Celulares Códigos maliciosos s Sites 19

20 Perícia Computacional Forense» Incidente já ocorreu!» Busca descobrir Quem? O quê? Quando? Como? Onde? Por quê? Alcance? 20

21 Análise de vestígios» Arquivos de log» Espaços não utilizados no dispositivo de armazenagem» Arquivos temporários» Área de Swap» Setor de BOOT» Memória» Periféricos» Comportamento de processos 21

22 Etapas de uma perícia Digital» 22

23 A validade das provas» É preciso que as provas sejam coletadas de forma profissional e impessoal, sem deixar em hipótese alguma elementos subjetivos influenciem no parecer profissional» Uma prova pericial mal feita acarreta a impossibilidade de ser utilizada como embasamento na tomada de decisões» Prova legal obtida por derivação de uma prova ilegal, a torna ilegal 23

24 Ferramentas» Backtrack Caine DEFT Linux FTDK 24

25 Perito em Forense Computacional» Formação em 3o grau» Experiência comprovada no assunto» Nomeado pelo Juiz para responder questões específicas sobre determinado caso» Funciona como um assessor técnico do Juiz» Honorários definidos pelo Juiz» Trabalha com prazos especificados 25

26 Assistente Técnico das Partes» Profissional com formação em 3o grau» Experiência comprovada no assunto» Nomeado pelas Partes de um processo para pesquisar a verdade e apresentá-la sob a forma de Parecer Técnico» Funciona como um assessor técnico da Parte» Indicado pela Parte, ou pelo advogado da mesma» Honorários negociados diretamente com a Parte contratante» Trabalha com prazos repassados às Partes pelo Juiz 26

27 Perito Criminal em Forense Computacional» Policial ou funcionário público habilitado na área de Forense Computacional» Somente por Concurso Público» trata dos processos quando há crime» Atualmente a maior parte está na Polícia Federal 27

28 Investigador em Forense Computacional» Profissional habilitado em Forense Computacional que trabalha no mercado privado» Funcionário ou Consultor» Valores negociados diretamente com o contratante» Realiza investigações sem seguir a formalização» O resultado pode ou não ser usado em Juízo 28

29 Conhecimentos e Competências» Conceitos gerais sobre Forense Computacional» Detalhes técnicos de vários sistemas operacionais, Sistemas de arquivos,» Redação de relatórios» Algum embasamento jurídico, principalmente no modelo brasileiro de coleta e apresentação das evidências» Coletar evidências em situações diversas e Técnicas anti-forenses» Lógica investigativa apurada.» Saber lidar com prazos curtos 29

30 Dificuldades

31 Dificuldades na Investigação» Volatilidade de logs» Falta de referência de tempo o que impede a correlação de eventos» Ataques distribuídos nacionalmente ou internacionalmente» Ainda poucos profissionais com conhecimento na área» Disseminação do uso da criptografia» Grande dimensão dos discos rígidos» Smarts cards 31

32 Dificuldades na Punição» Falta de previsão legal específica» A Empresa não denuncia o criminoso por medo da propaganda negativa relativa ao ataque» A perdoa o criminoso em troca de que ele revele como entrou no sistema» Difícil a obtenção de provas do crime» Investigações baseadas apenas na prova testemunhal» Processo lento e muito oneroso 32

33 Conclusão

34 Conclusão» A tecnologia e a Internet trouxeram melhorias enormes para os negócios e para as pessoas» Este ambiente digital criou um novo terreno para os criminosos» Novas técnicas de análise e investigação são necessárias para o levantamento de evidências» As técnicas de análise evoluem a cada dia e os crimes também!!! 34

35 Mais Informações

36 36

37 37

38 38

39

40 40

Distribuições em Software Livre para Forense Computacional. gilberto@sudre.com.br http://gilberto.sudre.com.br

Distribuições em Software Livre para Forense Computacional. gilberto@sudre.com.br http://gilberto.sudre.com.br 1 Distribuições em Software Livre para Forense Computacional gilberto@sudre.com.br http://gilberto.sudre.com.br 3 Agenda» Perícia Computacional Forense» Análise de vestígios» Etapas de uma perícia Digital»

Leia mais

Um ambiente seguro de logs como auxilio a computação forense. Leandro Borges Dalton Matsuo Tavares

Um ambiente seguro de logs como auxilio a computação forense. Leandro Borges Dalton Matsuo Tavares Um ambiente seguro de logs como auxilio a computação forense. Leandro Borges Dalton Matsuo Tavares ORGANIZAÇÃO DA APRESENTAÇÃO 1. Introdução. 2. Aspectos Legais. 3. Aspectos Técnicos. 4. Proposta do ambiente.

Leia mais

Ameaças e Segurança da Informação para dispositivos Móveis. gilberto@sudre.com.br http://gilberto.sudre.com.br

Ameaças e Segurança da Informação para dispositivos Móveis. gilberto@sudre.com.br http://gilberto.sudre.com.br Ameaças e Segurança da Informação para dispositivos Móveis gilberto@sudre.com.br http://gilberto.sudre.com.br Ameaças e Vulnerabilidades em Dispositivos Móveis gilberto@sudre.com.br http://gilberto.sudre.com.br

Leia mais

DIREITO DA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO

DIREITO DA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO DIREITO DA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO Prof. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com Bens jurídicos peculiares à informática Crimes digitais e suas modalidades Relações

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação A segurança da informação está relacionada com proteção de um conjunto de informações, no sentido de preservar o valor que possuem para um indivíduo ou uma organização. Características básicas: Confidencialidade;

Leia mais

Legislação para TI uma abordagem das Leis Carolina Dieckmann, Azeredo, Marco Civil da Internet Decreto de Segurança da Informação.

Legislação para TI uma abordagem das Leis Carolina Dieckmann, Azeredo, Marco Civil da Internet Decreto de Segurança da Informação. Legislação para TI uma abordagem das Leis Carolina Dieckmann, Azeredo, Marco Civil da Internet Decreto de Segurança da Informação. Prof. Marcos Monteiro te ...pode ser tipificado como : Falsidade ideológica

Leia mais

4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA

4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA 4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA 4.1 Legislação aplicável a crimes cibernéticos Classifica-se como Crime Cibernético: Crimes contra a honra (injúria, calúnia e difamação), furtos, extorsão,

Leia mais

Passos para a perícia forense computacional

Passos para a perícia forense computacional Passos para a perícia forense computacional Marcella Cruz, Giulia Gouveia, Vanessa Cavalcanti. Segurança da Informação manhã primeiro semestre. 1. Introdução O avanço da tecnologia da informação trouxe

Leia mais

Tendências dos Crimes Cibernéticos. Marcos Vinicius G. R. Lima Perito Criminal Federal Instituto Nacional de Criminalística Polícia Federal

Tendências dos Crimes Cibernéticos. Marcos Vinicius G. R. Lima Perito Criminal Federal Instituto Nacional de Criminalística Polícia Federal Tendências dos Crimes Cibernéticos Marcos Vinicius G. R. Lima Perito Criminal Federal Instituto Nacional de Criminalística Polícia Federal Tópicos Crimes cibernéticos e vestígios digitais Dificuldades,

Leia mais

FACULDADE PROJEÇÃO FAPRO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PROJEÇÃO FAPRO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PROJEÇÃO FAPRO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ALLAN ARDISSON COSSET DIEGO ALVES DE PAIVA ERICK SOUSA DAMASCENO HUGO NASCIMENTO SERRA RICARDO FRANÇA RODRIGUES Legislação Aplicada à Computação Crimes de

Leia mais

Curso Forense Computacional

Curso Forense Computacional Curso Forense Computacional Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado de Segurança da Informação no Brasil e exterior. Os cursos são ministrados em português,

Leia mais

Perito em Computação Forense

Perito em Computação Forense Perito em Computação Forense Marcos Monteiro http://www.marcosmonteiro.com.br contato@marcosmonteiro.com.br Ciência Forense Criminal A ciência forense criminal traz a prática da investigação o que chamamos

Leia mais

O que é Forense Computacional?

O que é Forense Computacional? O que é Forense Computacional? É a ciência que estuda a aquisição, preservação, recuperação e análise de dados armazenados em mídias computadorizadas e procura caracterizar crimes de informática de acordo

Leia mais

CRIMES INFORMÁTICOS RESUMO

CRIMES INFORMÁTICOS RESUMO CRIMES INFORMÁTICOS $QGUp0DFKDGR&DULFDWWL FDULFDWWLDPF#GSIJRYEU -RULOVRQ GD6LOYD5RGULJXHV MRULOVRQMVU#GSIJRYEU RESUMO 2SURFHVVRLQYHVWLJDWLYRFRQGX]LGRSHODVDXWRULGDGHVEUDVLOHLUDV WHP SHFXOLDULGDGHVUHODFLRQDGDVFRPDVGHWHUPLQDo}HVGRRUGHQDPHQWRMXUtGLFR

Leia mais

Aspectos Jurídicos no Uso de Dispositivos Pessoais no Ambiente Corporativo. Dra. CRISTINA SLEIMAN. Dra. Cristina Sleiman Diretora Executiva

Aspectos Jurídicos no Uso de Dispositivos Pessoais no Ambiente Corporativo. Dra. CRISTINA SLEIMAN. Dra. Cristina Sleiman Diretora Executiva Comissão de Direito eletrônico E Crimes de Alta Tecnologia Aspectos Jurídicos no Uso de Dispositivos Pessoais no Ambiente Corporativo Dra. CRISTINA SLEIMAN Dra. Cristina Sleiman Diretora Executiva SP,

Leia mais

Crimes Cibernéticos - Proteção Legal no Brasil

Crimes Cibernéticos - Proteção Legal no Brasil Combatendo Crimes Cibernéticos Proteção Legal no Brasil André Machado Caricatti Jorilson da Silva Rodrigues Crimes Cibernéticos - Proteção Legal no Brasil Objetivo do Trabalho Utilizar um modelo de referência

Leia mais

SOCIEDADE VIRTUAL: UMA NOVA REALIDADE PARA A RESPONSABILIDADE CIVIL

SOCIEDADE VIRTUAL: UMA NOVA REALIDADE PARA A RESPONSABILIDADE CIVIL SOCIEDADE VIRTUAL: UMA NOVA REALIDADE PARA A RESPONSABILIDADE CIVIL FABRICIO DOS SANTOS RESUMO A sociedade virtual, com suas relações próprias vem se tornando uma nova realidade para a responsabilidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETÁRIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO CAMPUS CATU

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETÁRIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO CAMPUS CATU MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETÁRIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO CAMPUS CATU Segurança e Desafios Éticos de e-business Profª. Eneida Rios Crimes

Leia mais

Código de Conduta e Ética

Código de Conduta e Ética Página 1 de 5 Código de Conduta e Ética 2012 Resumo A SAVEWAY acredita que seu sucesso está pautado na prática diária de elevados valores éticos e morais, bem como respeito às pessoas, em toda sua cadeia

Leia mais

http://cartilha.cert.br/

http://cartilha.cert.br/ http://cartilha.cert.br/ Quanto mais informações você disponibiliza na Internet, mais difícil se torna preservar a sua privacidade Nada impede que você abra mão de sua privacidade e, de livre e espontânea

Leia mais

Novembro/2013. Segurança da Informação BYOD/Redes Sociais Marco Vinicio Barbosa Dutra Coordenador de Segurança

Novembro/2013. Segurança da Informação BYOD/Redes Sociais Marco Vinicio Barbosa Dutra Coordenador de Segurança Novembro/2013 Segurança da Informação BYOD/Redes Sociais Marco Vinicio Barbosa Dutra Coordenador de Segurança Segurança da Informação BYOD/Consumerização Redes Sociais Perguntas Não vendo cofres, vendo

Leia mais

Apresentação. Objetivo. Facilitador. Dados Principais. Claudemir Queiroz. Tecnologia Abordada Forense Computacional

Apresentação. Objetivo. Facilitador. Dados Principais. Claudemir Queiroz. Tecnologia Abordada Forense Computacional Apresentação Dados Principais Este curso fornece aos alunos as habilidades essenciais no processo de perícia forense computacional e apresenta com detalhamento as atividades da área relacionada, os aspectos

Leia mais

CONTEÚDOS PARA TREINAMENTOS, CURSOS DE CAPACITAÇÃO, PALESTRAS

CONTEÚDOS PARA TREINAMENTOS, CURSOS DE CAPACITAÇÃO, PALESTRAS CONTEÚDOS PARA TREINAMENTOS, CURSOS DE CAPACITAÇÃO, PALESTRAS Os conteúdos listados abaixo são uma prévia dos temas e podem ser adequados ao cliente de acordo com o perfil e demanda da empresa/instituição.

Leia mais

Os Crimes cibernéticos e os novos desafios da perícia forense

Os Crimes cibernéticos e os novos desafios da perícia forense Os Crimes cibernéticos e os novos desafios da perícia forense Salvador/BA - Ago/2012 Polícia Federal Atribuições (em resumo) Polícia judiciária da União Infrações de repercussão interestadual e internacional

Leia mais

NOVA LEI DE CRIMES CIBERNÉTICOS ENTRA EM VIGOR

NOVA LEI DE CRIMES CIBERNÉTICOS ENTRA EM VIGOR NOVA LEI DE CRIMES CIBERNÉTICOS ENTRA EM VIGOR Apelidada de Lei Carolina Dieckmann, a Lei nº 12.737, de 30 de novembro de 2012, entrou em pleno vigor no último dia 3 de abril de 2013, alterando o Código

Leia mais

ILLIX INTELIGÊNCIA E SEGURANÇA

ILLIX INTELIGÊNCIA E SEGURANÇA ILLIX INTELIGÊNCIA E SEGURANÇA SOBRE A ILLIX A ILLIX é uma empresa que provê soluções especializadas em proteção de dados e comunicações, segurança, tecnologia e defesa de negócios. Detectar, prevenir

Leia mais

central de atendimento -> 55(11) 3807-0188 ou atendimento@grupotreinar.com.br

central de atendimento -> 55(11) 3807-0188 ou atendimento@grupotreinar.com.br Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado de Segurança da Informação no Brasil e exterior. Os cursos são ministrados em português, espanhol ou inglês, atendendo

Leia mais

Prof. Victor Halla. Unidade IV SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Prof. Victor Halla. Unidade IV SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Prof. Victor Halla Unidade IV SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Conteúdo Desafios da Segurança da Informação Ética Crimes em Informática Hacker Pirataria Furtos Vírus, Spyware, etc Privacidade Ética Ética é originada

Leia mais

Segurança Cibernética X Segurança Legal. Adriana de Moraes Cansian Advogada OAB/SP 332.517 adriana@cansian.com

Segurança Cibernética X Segurança Legal. Adriana de Moraes Cansian Advogada OAB/SP 332.517 adriana@cansian.com Segurança Cibernética X Segurança Legal Adriana de Moraes Cansian Advogada OAB/SP 332.517 adriana@cansian.com Agenda Introdução: por que devemos nos preocupar? Questões Cíveis. QuestõesTrabalhistas. O

Leia mais

Forense Computacional: pesquisa sobre peritos na cidade de Catalão (GO)

Forense Computacional: pesquisa sobre peritos na cidade de Catalão (GO) Forense Computacional: pesquisa sobre peritos na cidade de Catalão (GO) Fábio Justiniano Ribeiro 1, Leandro Fernandes Cardoso 1, Tiago Batista Lúcio 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade

Leia mais

Legislação. Roteiro. Legislação

Legislação. Roteiro. Legislação Legislação Marcos Aurelio Pchek Laureano laureano@ppgia.pucpr.br Roteiro Legislação Brasileira e Instituições Padronizadoras Crime Digital Legislação específica para o meio digital Prova de autoria 2 Legislação

Leia mais

Segurança a da Informação Aula 02. Aula 02

Segurança a da Informação Aula 02. Aula 02 Segurança a da Informação 26/9/2004 Prof. Rossoni, Farias 1 Segurança a da Informação é: Cultura, Cidadania, Desenvolvimento pessoal e social, Competitividade, Influência e poder, Imprescindível para a

Leia mais

Engenharia e Consultoria CÓDIGO DE ÉTICA

Engenharia e Consultoria CÓDIGO DE ÉTICA CÓDIGO DE ÉTICA SUMÁRIO APRESENTAÇÃO COLABORADORES Princípios éticos funcionais Emprego e Ambiente de trabalho Conflito de interesses Segredos e informações comerciais SEGURANÇA, SAÚDE E MEIO AMBIENTE

Leia mais

Monitoramento de e-mail corporativo

Monitoramento de e-mail corporativo Monitoramento de e-mail corporativo Mario Luiz Bernardinelli 1 (mariolb@gmail.com) 12 de Junho de 2009 Resumo A evolução tecnológica tem afetado as relações pessoais desde o advento da Internet. Existem

Leia mais

Questões Jurídicas. Camilla do Vale Jimene. Título da apresentação 01/02/2013. Nome do Autor nomel@opiceblum.com.br

Questões Jurídicas. Camilla do Vale Jimene. Título da apresentação 01/02/2013. Nome do Autor nomel@opiceblum.com.br Questões Jurídicas Camilla do Vale Jimene INTRODUÇÃO Existe legislação específica para o ambiente eletrônico? Ambiente eletrônico é um novo território ou apenas um meio de praticar atos jurídicos? Precisamos

Leia mais

Conscientização sobre a Segurança da Informação. Suas informações pessoais não tem preço, elas estão seguras?

Conscientização sobre a Segurança da Informação. Suas informações pessoais não tem preço, elas estão seguras? Conscientização sobre a Segurança da Informação Suas informações pessoais não tem preço, elas estão seguras? PROFISSIONAIS DE O que é Segurança da Informação? A Segurança da Informação está relacionada

Leia mais

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Introdução 5 INTRODUÇÃO A seguir, são descritos os comportamentos e princípios gerais de atuação esperados dos Colaboradores da Endesa

Leia mais

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACADÊMICOS Palestras e Cursos de Atualização. Carga horária: Haverá adequação de carga horária conforme conteúdo contratado.

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACADÊMICOS Palestras e Cursos de Atualização. Carga horária: Haverá adequação de carga horária conforme conteúdo contratado. CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACADÊMICOS Palestras e Cursos de Atualização Carga horária: Haverá adequação de carga horária conforme conteúdo contratado. 1. Privacidade Online, Monitoramento eletrônico e Quebra

Leia mais

Diretrizes para a coleta e preservação de evidências digitais NC nº 21

Diretrizes para a coleta e preservação de evidências digitais NC nº 21 Diretrizes para a coleta e preservação de evidências digitais NC nº 21 Colóquio do CTIR Gov 2015 Auditório do Anexo I Palácio do Planalto Brasília/DF Polícia Federal SRCC/DICOR/DPF Polícia Federal Atribuições

Leia mais

PRESIDÊNCIA 29/07/2013 RESOLUÇÃO Nº 106/2013

PRESIDÊNCIA 29/07/2013 RESOLUÇÃO Nº 106/2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PRESIDÊNCIA 29/07/2013 RESOLUÇÃO Nº 106/2013 Assunto: Estabelece normas

Leia mais

POLÍTICAS DE USO DA REDE SEM FIO

POLÍTICAS DE USO DA REDE SEM FIO POLÍTICAS DE USO DA REDE SEM FIO Departamento de Tecnologia da Informação Públicado em julho de 2014 Cachoeiro de Itapemirim ES Definição Uma rede sem fio (Wireless) significa que é possível uma transmissão

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Grupo PETRA S.A. Departamento de Tecnologia da Informação POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Início da Vigência: 01/Maio/2010 Propriedade do Grupo PETRA S.A. 1. INTRODUÇÃO Este documento foi elaborado

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SUMÁRIO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SUMÁRIO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SUMÁRIO I - Aspectos Gerais... 2 II - Proteção da Informação... 2 III - Responsabilidades... 3 IV - Informações Confidenciais... 3 V - Informações Privilegiadas... 4

Leia mais

INTERNET BANKING: DICAS DE SEGURANÇA. Palavras-chave: Segurança da Informação; Internet Banking; Fraudes; Riscos.

INTERNET BANKING: DICAS DE SEGURANÇA. Palavras-chave: Segurança da Informação; Internet Banking; Fraudes; Riscos. 1 INTERNET BANKING: DICAS DE SEGURANÇA Alexandre Kaspary 1 Alexandre Ramos 2 Leo Andre Blatt 3 William Rohr 4 Fábio Matias Kerber 5 Palavras-chave: Segurança da Informação; Internet Banking; Fraudes; Riscos.

Leia mais

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação NORMAS DE CONDUTA Apresentação Adequando-se às melhores práticas de Governança Corporativa, a TITO está definindo e formalizando as suas normas de conduta ( Normas ). Estas estabelecem as relações, comportamentos

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS 1 Política de segurança da informação 1.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COGEM, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção de políticas

Leia mais

OBJETIVO DA POLÍTICA DE SEGURANÇA

OBJETIVO DA POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DE SEGURANÇA DIGITAL Wagner de Oliveira OBJETIVO DA POLÍTICA DE SEGURANÇA Hoje em dia a informação é um item dos mais valiosos das grandes Empresas. Banco do Brasil Conscientizar da necessidade

Leia mais

TÍTULO: CRIMES VIRTUAIS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE CAMPO GRANDE

TÍTULO: CRIMES VIRTUAIS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE CAMPO GRANDE TÍTULO: CRIMES VIRTUAIS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: DIREITO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE CAMPO GRANDE AUTOR(ES): NÁDIA CRISTIANE DA SILVA ORIENTADOR(ES):

Leia mais

Mecanismos de Gestão, Mitigação e Transferência do Risco. Lisboa, 4 de Março de 2015

Mecanismos de Gestão, Mitigação e Transferência do Risco. Lisboa, 4 de Março de 2015 Mecanismos de Gestão, Mitigação e Transferência do Risco Lisboa, 4 de Março de 2015 Itinerário do Risco 2 Caminho a percorrer 3 Exposição ao Risco 4 Concetualização do Risco FASE I GÉNESE Online Offline

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética Código de Conduta Ética MENSAGEM DA DIRETORIA A todos os dirigentes e empregados A Companhia de Seguros Aliança do Brasil acredita no Respeito aos princípios éticos e à transparência de conduta com as

Leia mais

Privacidade.

Privacidade. <Nome> <Instituição> <e-mail> Privacidade Agenda Privacidade Riscos principais Cuidados a serem tomados Créditos Privacidade (1/3) Sua privacidade pode ser exposta na Internet: independentemente da sua

Leia mais

Fatec Jundiaí. Confidencialidade: Garantia do limite de acesso à informação somente por pessoas autorizadas;

Fatec Jundiaí. Confidencialidade: Garantia do limite de acesso à informação somente por pessoas autorizadas; PORTARIA FATEC / JUNDIAÍ Nº 04/2010 DE 28 DE JULHO DE 2.010 Estabelece Normas Internas para Segurança de Informações O Diretor da Faculdade de Tecnologia de Jundiaí, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

Direito Digital Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Direito Digital Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

Soluções de Segurança da Informação para o mundo corporativo

Soluções de Segurança da Informação para o mundo corporativo Soluções de Segurança da Informação para o mundo corporativo (para cada problema, algumas soluções!) Rafael Soares Ferreira Diretor de Resposta a Incidentes e Auditorias rafael@clavis.com.br Conceitos

Leia mais

10º Seminário RNP de Capacitação e Inovação

10º Seminário RNP de Capacitação e Inovação 10º Seminário RNP de Capacitação e Inovação Mesa Redonda: CRIMES DIGITAIS Recife/PE, 1º de Dezembro de 2004. Apresentação: Omar Kaminski Direitos e Garantias Constituicionais: II - ninguém será obrigado

Leia mais

Trilha IV Internet e Direitos Humanos

Trilha IV Internet e Direitos Humanos Trilha IV Internet e Direitos Humanos Temas e Posicionamentos Exposições das(os) Painelistas Posicionamentos Cláudio Machado (APAI-CRVS Programa Africano p/ Fortalecimento Registro Civil, terceiro setor)

Leia mais

Quais tipos de informações nós obteremos para este produto

Quais tipos de informações nós obteremos para este produto Termos de Uso O aplicativo Claro Facilidades faz uso de mensagens de texto (SMS), mensagens publicitárias e de serviços de internet. Nos casos em que houver uso de um serviço tarifado como, por exemplo,

Leia mais

Introdução a Segurança de Redes Segurança da Informação. Filipe Raulino filipe.raulino@ifrn.edu.br

Introdução a Segurança de Redes Segurança da Informação. Filipe Raulino filipe.raulino@ifrn.edu.br Introdução a Segurança de Redes Segurança da Informação Filipe Raulino filipe.raulino@ifrn.edu.br Objetivos Entender a necessidade de segurança da informação no contexto atual de redes de computadores;

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Esp. Fabiano Taguchi fabianotaguchi@gmail.com http://fabianotaguchi.wordpress.com INTERNET Como surgiu? Por que surgiu? O que trouxe de vantagens? E de desvantagens? 1 POLÍTICA

Leia mais

Aliança do Brasil. É assim que a gente faz. Código de Conduta Ética

Aliança do Brasil. É assim que a gente faz. Código de Conduta Ética Aliança do Brasil. É assim que a gente faz. Código de Conduta Ética SUMÁRIO CONCEITO OBJETIVO ABRANGÊNCIA PRINCÍPIOS DE RELACIONAMENTOS CONFLITOS DE INTERESSE CONFIDENCIALIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESERVAÇÃO

Leia mais

Os requisitos de SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO dentro de uma organização passaram por duas mudanças importantes nas últimas décadas:

Os requisitos de SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO dentro de uma organização passaram por duas mudanças importantes nas últimas décadas: $XWDUTXLD(GXFDFLRQDOGR9DOHGR6mR)UDQFLVFR± $(96) )DFXOGDGHGH&LrQFLDV6RFLDLVH$SOLFDGDVGH3HWUROLQD± )$&$3( &XUVRGH&LrQFLDVGD&RPSXWDomR 6(*85$1d$($8',725,$'(6,67(0$6 ³6HJXUDQoDGH,QIRUPDo}HV &\QDUD&DUYDOKR

Leia mais

Política de Utilização da Rede Sem Fio (Wireless)- UNICARIOCA

Política de Utilização da Rede Sem Fio (Wireless)- UNICARIOCA Política de Utilização da Rede Sem Fio (Wireless)- UNICARIOCA Objetivos A política de utilização da rede wireless tem como objetivo estabelecer regras e normas de utilização e ao mesmo tempo desenvolver

Leia mais

O link entre software pirateado e violações da segurança cibernética

O link entre software pirateado e violações da segurança cibernética O link entre software pirateado e violações da segurança cibernética Para ver mais informações, acesse http://www.microsoft.com/en-us/news/presskits/dcu/. Para ver todos os resultados desse estudo, acesse

Leia mais

TERMO E CONDIÇÕES GERAIS DO CONCURSO TOPHQ" O presente Termo e Condições Gerais regulamentam o concurso TOPHQ.

TERMO E CONDIÇÕES GERAIS DO CONCURSO TOPHQ O presente Termo e Condições Gerais regulamentam o concurso TOPHQ. TERMO E CONDIÇÕES GERAIS DO CONCURSO TOPHQ" O presente Termo e Condições Gerais regulamentam o concurso TOPHQ. Por favor, leia atentamente antes de participar. CONCORDÂNCIA COM OS TERMOS 1 - A Yamato Comunicações

Leia mais

Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço. Segurança da informação nas organizações Gestão da Segurança da Informação

Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço. Segurança da informação nas organizações Gestão da Segurança da Informação Escola Naval Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço Segurança da informação nas organizações Gestão da Segurança da Informação Fernando Correia Capitão-de-fragata EN-AEL 30 de Novembro

Leia mais

22/07/2011. Resumo. Leandro Galafassi CHFI, CEH, ITIL Twitter: @LGalafassi Email: leandro@galafassiforense.com.br

22/07/2011. Resumo. Leandro Galafassi CHFI, CEH, ITIL Twitter: @LGalafassi Email: leandro@galafassiforense.com.br Resumo Conceitos Fundamentos de Hardware Desafios para Implementação de Estruturas de Investigação Digital Tecnologias de Combate ao Crime Eletrônico Leandro Galafassi CHFI, CEH, ITIL Twitter: @LGalafassi

Leia mais

SUBSTITUTIVO. (ao PLS 76/2000, PLS 137/2000 e PLC 89/2003) O CONGRESSO NACIONAL decreta:

SUBSTITUTIVO. (ao PLS 76/2000, PLS 137/2000 e PLC 89/2003) O CONGRESSO NACIONAL decreta: 20 SUBSTITUTIVO (ao PLS 76/2000, PLS 137/2000 e PLC 89/2003) Altera o Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 (Código Penal), o Decreto-Lei nº 1.001, de 21 de outubro de 1969 (Código Penal Militar),

Leia mais

CONCEITOS E METODOLOGIA DA PERÍCIA FORENSE COMPUTACIONAL APLICADA À INVESTIGAÇÃO DIGITAL

CONCEITOS E METODOLOGIA DA PERÍCIA FORENSE COMPUTACIONAL APLICADA À INVESTIGAÇÃO DIGITAL CONCEITOS E METODOLOGIA DA PERÍCIA FORENSE COMPUTACIONAL APLICADA À INVESTIGAÇÃO DIGITAL SAMUEL ANTONIO VIEIRA 1 ; FERNANDA PEREIRA 2 ; ISAC BRUNO ALEIXO PEREIRA 3 ; DIEGO RAFAEL DE SOUZA CARESIA 4 ; MÁRCIO

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação Política de Segurança da Informação Código: PSI_1.0 Versão: 1.0 Data de Publicação: 28/05/2014 Controle de Versão Versão Data Responsável Motivo da Versão 1.0 28/05/2014 Heitor Gouveia Criação da Política

Leia mais

A Internet depois do Marco Civil

A Internet depois do Marco Civil Direito Digital Marco Civil da Internet A Internet depois do Marco Civil Gustavo Gobi Martinelli Quem sou eu? Nome: Gustavo Gobi Martinelli Graduado em Ciência da Computação; Graduado em Direito; Mestrando

Leia mais

POLÍTICA DE DENÚNCIAS

POLÍTICA DE DENÚNCIAS (constituída nas Bermudas com responsabilidade limitada) (Código de negociação em bolsa: 1768) (a Sociedade ) POLÍTICA DE DENÚNCIAS 1. Objetivo Esta Política estabelece os meios que: a) os funcionários

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A.

CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A. CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A. O presente Código de Conduta da Multiplan Empreendimentos Imobiliários S.A. (a Companhia ), visa cumprir com as disposições do Regulamento

Leia mais

A computação forense e perícia digital na sociedade contemporânea

A computação forense e perícia digital na sociedade contemporânea A computação forense e perícia digital na sociedade contemporânea DANTAS, Elias Rangel (1); MEIRELLES, Sara Garcia (1); SANTOS, Lorena Rodrigues dos (1); COTA, Maria Aparecida Mendes Leite (2) (1) Alunos

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação Política de Segurança da Informação Documento Política de Segurança da Informação Data Revisão Responsável Área 14/07/2008 1.0 Thiago Lima da Silva Suporte Interno ÍNDICE Introdução...4 1.Pessoal...4 1.1.Prestadores

Leia mais

Faculdade Pitágoras Curso/habilitação: Engenharia Disciplina: Introdução a Informática e Internet. Unidade 1. Profª Márcia de Freitas Vieira Borges

Faculdade Pitágoras Curso/habilitação: Engenharia Disciplina: Introdução a Informática e Internet. Unidade 1. Profª Márcia de Freitas Vieira Borges Unidade 1 OBJETIVO Apresentar conceitos e aspectos relacionados à importância da informática e da internet e os impactos que elas causam nas pessoas e organizações. TÓPICOS A importância da informática

Leia mais

PORTARIA 028/2006 REGULAMENTA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DA FESP E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

PORTARIA 028/2006 REGULAMENTA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DA FESP E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PORTARIA 028/2006 REGULAMENTA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DA FESP E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Presidente do Conselho Curador da FESP, no uso de suas atribuições, faz regulamentar o uso da rede de computadores

Leia mais

Política de Privacidade

Política de Privacidade Política de Privacidade Este documento tem por objetivo definir a Política de Privacidade da Bricon Security & IT Solutions, para regular a obtenção, o uso e a revelação das informações pessoais dos usuários

Leia mais

Questões Jurídicas no Marketing Digital

Questões Jurídicas no Marketing Digital Questões Jurídicas no Marketing Digital Camilla do Vale Jimene INTRODUÇÃO Existe legislação específica para o ambiente eletrônico? Ambiente eletrônico é um novo território ou apenas um meio de praticar

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

WEBMAIL Política de Uso Aceitável

WEBMAIL Política de Uso Aceitável WEBMAIL Política de Uso Aceitável Bem-vindo ao Correio Eletrônico da UFJF. O Correio Eletrônico da UFJF (Correio-UFJF) foi criado para ajudá-lo em suas comunicações internas e/ou externas à Universidade.

Leia mais

REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE REDE E EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE REDE E EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA INSTITUTO FEDERAL SUL-RIO-GRANDENSE REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE REDE E EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA O Campus Passo Fundo do Instituto Federal Sul-rio-grandense, através do Centro de Informática,

Leia mais

Universidade Federal de Sergipe

Universidade Federal de Sergipe Universidade Federal de Sergipe Centro de Processamento de Dados Coordenação de Redes Regras de Acesso à Rede Sem Fio da UFS 1. DESCRIÇÃO A rede sem fio do projeto Wi-Fi UFS foi concebida para complementar

Leia mais

12/31/00. Segurança da Informação e Crimes Digitais. Disclosure

12/31/00. Segurança da Informação e Crimes Digitais. Disclosure l Richard 12/31/00 Segurança da Informação e Crimes Digitais Marcelo Caiado, M.Sc., CISSP, GCFA, EnCE, GCIH Chefe da Divisão de Segurança da Informação Procuradoria Geral da República marcelobc@mpf.mp.br

Leia mais

Segurança na internet

Segurança na internet Segurança na internet Perigos da internet Cyberbullying Uso da internet para praticar ofensas e humilhações a alguém de forma constante Discriminação Quando há publicação de mensagem ou imagem preconceituosas

Leia mais

OS CRIMES DE INFORMÁTICA. Prof. Leandro Magno Correa da Silva leandro.pro.br

OS CRIMES DE INFORMÁTICA. Prof. Leandro Magno Correa da Silva leandro.pro.br OS CRIMES DE INFORMÁTICA Prof. Leandro Magno Correa da Silva leandro.pro.br Educação Digital Valores Digitais não diferem dos valores familiares, profissionais, morais e éticos. Mudança somente do ambiente

Leia mais

SPED Sistema Público de Escrituração Fiscal CONTROLES MÍNIMOS PARA A SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Prof. Ms. Edison Fontes, CISM, CISA, CRISC

SPED Sistema Público de Escrituração Fiscal CONTROLES MÍNIMOS PARA A SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Prof. Ms. Edison Fontes, CISM, CISA, CRISC NUCLEO CONSULTORIA EM SEGURANÇA Artigo SPED Sistema Público de Escrituração Fiscal CONTROLES MÍNIMOS PARA A SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO BRASIL, São Paulo Novembro, 2013 V.1.0 1. RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

Forense Computacional

Forense Computacional Forense Computacional Diego Tavares (PET-Computação) diegot@dsc.ufcg.edu.br Introdução A Forense Computacional pode ser definida como a ciência que estuda a aquisição, preservação, recuperação e análise

Leia mais

FACULDADE PROCESSUS Recredenciamento da Faculdade Processus - PORTARIA Nº- 1.394, DE 23/11/2012, D.O.U nº 227 de 26/11/2012, Seção 1 P. 17.

FACULDADE PROCESSUS Recredenciamento da Faculdade Processus - PORTARIA Nº- 1.394, DE 23/11/2012, D.O.U nº 227 de 26/11/2012, Seção 1 P. 17. REGULAMENTO INTERNO DO USO E ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS E DA REDE DA FACULDADE PROCESSUS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este ato tem como objetivo definir o uso e administração

Leia mais

POLÍTICA DE TRATAMENTO DE INCIDENTES DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE TRATAMENTO DE INCIDENTES DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE TRATAMENTO DE INCIDENTES DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 1. Objetivos Assegurar que os eventos de segurança de sejam tratados de forma efetiva, permitindo o adequado registro, investigação e tomada

Leia mais

Planejando uma política de segurança da informação

Planejando uma política de segurança da informação Planejando uma política de segurança da informação Para que se possa planejar uma política de segurança da informação em uma empresa é necessário levantar os Riscos, as Ameaças e as Vulnerabilidades de

Leia mais

CONTRATO PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE HOSPEDAGEM DE SITES

CONTRATO PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE HOSPEDAGEM DE SITES CONTRATO PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE HOSPEDAGEM DE SITES CLÁUSULA PRIMEIRA DAS PARTES 1.1 De um lado, JKL SERVIÇOS E TECNOLOGIA ME, Pessoa Jurídica com sede na Rua CAROLINA ROQUE nº 416, CEP 02472-030, cidade

Leia mais

PRESIDÊNCIA 29/07/2013 RESOLUÇÃO Nº 105/2013

PRESIDÊNCIA 29/07/2013 RESOLUÇÃO Nº 105/2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PRESIDÊNCIA 29/07/2013 RESOLUÇÃO Nº 105/2013 Assunto: Estabelece normas

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO OS 002/DINFO/2014 29/10/2014. Art. 1º: Para fins de normatização da Política de Uso da Rede WIFI UERJ, com vistas a assegurar:

ORDEM DE SERVIÇO OS 002/DINFO/2014 29/10/2014. Art. 1º: Para fins de normatização da Política de Uso da Rede WIFI UERJ, com vistas a assegurar: A DIRETORIA DE INFORMÁTICA DINFO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO -UERJ, no uso de suas atribuições legais, estabelece: Art. 1º: Para fins de normatização da Política de Uso da Rede WIFI UERJ,

Leia mais

Introdução à Computação Forense

Introdução à Computação Forense Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA UFES Departamento de Computação Universidade Federal do Espírito Santo CCA UFES Introdução à Computação Forense Computação Forense

Leia mais

Normas para o Administrador do serviço de e-mail

Normas para o Administrador do serviço de e-mail Normas para o Administrador do serviço de e-mail Os serviços de e-mails oferecidos pela USP - Universidade de São Paulo - impõem responsabilidades e obrigações a seus Administradores, com o objetivo de

Leia mais

Proteger as informações da empresa para a qual trabalhamos é um dever de todos nós!

Proteger as informações da empresa para a qual trabalhamos é um dever de todos nós! Prezado Colaborador, O conteúdo desta cartilha tem como objetivo compartilhar alguns conceitos relacionados ao tema Segurança da Informação. Além de dicas de como tratar os recursos e as informações corporativas

Leia mais

Soluções em Segurança

Soluções em Segurança Desafios das empresas no que se refere a segurança da infraestrutura de TI Dificuldade de entender os riscos aos quais a empresa está exposta na internet Risco de problemas gerados por ameaças externas

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO TERMOS E CONDIÇÕES DE USO 1 DA ACEITAÇÃO DOS TERMOS E CONDIÇÕES DE USO... 2 2 DA PLATAFORMA DIGITAL DE APRENDIZAGEM... 2 3 DO CADASTRO... 2 4 DO REGISTRO DE DADOS PESSOAIS... 3 5 DA UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA

Leia mais

Proteger a informação de uma ameaça inclui evitar o seu corrompimento, o seu acesso às pessoas não autorizadas e seu furto ou deleção indevida.

Proteger a informação de uma ameaça inclui evitar o seu corrompimento, o seu acesso às pessoas não autorizadas e seu furto ou deleção indevida. Segurança da Informação é a proteção das informações contra os vários tipos de ameaças as quais estão expostas, para garantir a continuidade do negócio, minimizar o risco ao negócio, maximizar o retorno

Leia mais

III. Norma Geral de Segurança da Informação para Uso da Internet

III. Norma Geral de Segurança da Informação para Uso da Internet O B J E CT I V O Estabelecer critérios para acesso à Internet utilizando recursos do Projecto Portal do Governo de Angola. Orientar os Utilizadores sobre as competências, o uso e responsabilidades associadas

Leia mais