Métodos de detecção e quantificação de Organismos Geneticamente Modificados e seus produtos.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Métodos de detecção e quantificação de Organismos Geneticamente Modificados e seus produtos."

Transcrição

1 CEPPA Ministério da Educação Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Centro de Pesquisa e Processamento de Alimentos CEPPA Métodos de detecção e quantificação de Organismos Geneticamente Modificados e seus produtos. Fábio de Oliveira Pedrosa

2 Métodos baseados no DNA Métodos baseados na Proteína

3

4 Aspectos Importantes da Quantificação de OGM s Amostragem e preparo da amostra Procedimento determina a representatividade do resultado. Tamanho da amostra, homogeneidade da amostra e limiar de detecção. Requerimentos estatísticos devem ser satisfeitos. Tipo de material define o método analítico. Materiais não processados (ex. grãos) Ingredientes processados Alimentos processados

5 Materiais de Referência Controles positivos e negativos appropriados. Base para validação do procedimento analítico Procedimento independente Efeitos da matriz e consistência similar para amostragem. Grãos,alimentos, etc Estabilidade temporal, homogeneidade e conteúdo de OGM Métodos baseados no DNA: requerem muitos controles positivos Métodos baseados em Proteínas necessitam de um único padrão. Institute of Reference Materials and Measurement Geel, Belgica - Padrões Fluka. Por que não desenvolvermos Padrões brasileiros? Ahmed, 2002

6 Métodos de análise baseados na detecção de Proteínas Os transgenes codificam para proteínas únicas e diferentes daquelas da planta hospedeira (originalmente não transgênica). Técnicas de Immunoensaios usam anticorpos. Ideais para necessidades qualitativas e quantitativas Detectam proteínas especificas em substratos complexos A proteína alvo deve ser conhecida Interferências devido interações não-específicas com proteínas, surfactantes (saponinas), fenólicos, ácidos graxos e fosfatases Anticorpos policlonais Sensíveis mas apresentam reconhecimento menos específico do antigeno. Reação cruzada Anticorpos monoclonais Altamente específicos, reconhecimento do antígeno ligeiramente menos sensível.

7 Métodos de análise baseados na detecção de Proteínas Western Blot = transferência de proteínas para membranas ELISA (Enzyme-linked immunosorbent assay): 1. Em placas de micropoços (Microwell Plate) 2. Imunocromatográfico em tiras (Lateral Flow Strip Assay) 3. Em Tubos recobertos com anticorpos 4. Imunomagnético

8 Western Blot Teste qualitativo de alta específicidade Indica se a concentração da proteína OGM está acima ou abaixo do limiar de concentração requerido Usado tipicamente para pesquisa Usa eletroforese desnaturante SDS-PAGE Solubiliza e remove agregados de proteínas

9 Western Blot Extrato celular é aplicado em gel SDS PAGE Submetido a eletroforese As proteínas do gel são transferidas para uma membrana e reveladas com anticorpos específicos toalha de papel Membrana de transferência Gel toalha de papel

10 Western Blot 1. Bloquear os sítios de ligação da membrana com leite desnatado 2. Lavar com ddh2o 3. Adicionar anticorpos monoclonais 4. lavar de novo Anticorpos irão ligar à proteína específica 5. Adicionar segundo anticorpo (marcado) contra o primeiro anticorpo. Revelar o anticorpo ligado para desenvolvimento de cor. O aparecimento de cor revela a presença da proteína em estudo

11 ELISA Placa de micropoços Micropoços são revestidos com anticorpo Quantitativo, altamente sensível, econômico, de alta produtividade, e ideal para análises laboratoriais. A proteína não pode estar desnaturada. Detecta 0.25% OGM em sementes & 1.4% em alimento tostado (toasted meal) Tempo de análise: 90 min Necessita leitor óptico de placas para quantificar

12 ELISA em Placa de micropoços Procedimento: 1. Fixar anticorpo monoclonal específico para a proteína OGM. Eliminar excesso de anticorpo. Bloquear sitios de ligação com proteínas de leite. 2. Adicionar extrato total do material em análise. Remover excesso por lavagem. Proteína OGM fica ligada ao anticorpo. 3.Adicionar segundo anticorpo específico para a proteina OGM 4. Adicionar anticorpo anti-anticorpo específico marcado com enzima (HRPeroxidase ou fosfatase alcalina). Remover excesso do segundo anticorpo. 4. Revelar poço Proteína OGM proteína bloqueadora Intensidade da cor é dependente da concentração da proteína GMO

13 Detecção Imunocromatográfica de OGM Amostra OGM proteína Anticorpo específico marcado linha teste linha controle Segundo Anticorpo anticorpo específico específico capturado por anticorpo (a) vista lateral do ELISA Resultado negativo Resultado positivo (b) vista vertical da tira Um variante do ELISA com dois anticorpos específicos à proteína expressa sendo um imobilizado e outro livre, que é acoplado a um reagente de cor. Rápido, econômico, transferable & good for initial screening

14 Protocolo de imunocromatografia para folhas Corte disco de folha 2. Adicionar a tubo, e macerar 3. Inserir uma flow tira de teste Testes para CryI(Ab) & CP4 EPSPS Orgãos vegetais & sementes.

15 Protocolo de imunocromatografia para grãos 1. Contar ou pesar grãos equivalentes a 1000 grãos 2. Colocar no copo do liquidificado 3. Adicionar 1000 ml de água destilada 4. Liquidificar 5. Deixar decantar 6. Pipetar 0,5 ml para tubo plástico de 1,5 ml 7. Inserir tira imunocromatográfica 8. Incubar por 5 min à temperatura ambiente 9. Ler o resultado 1. Uma banda colorida = Negativo 2. Duas bandas coloridas = Positivo

16 Experiência no CEPPA Detecção imunocromatográfica - tiras Kits reagentes da Strategic Diagnostics Inc. USA, soja RR (GR Bulk Soybean test kit) = LOD 0,1% milho (Bt1 Corn Grain test kit) = LOD 1% farelo de soja tostado (RUR Toasted Meal test kit) = LOD 0,9% Limites de detecção encontrados: Soja - limite de detecção: 0,1% de OGM (ou 1 semente de soja transgênica RR em 1000). Confiabilidade de 99% (3 sub-amostras)

17 CEPPA Ministério da Educação Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Centro de Pesquisa e Processamento de Alimentos CEPPA Ensaio Imunocromatográfico (Tiras) Controle Teste Razão soja GM/soja % Soja GM 1 /1000 0,1 2 /1000 0,2 5 /1000 0,5 10 / Kit de reagentes GR Bulk Soybean test kit Soja RR 100 /1/900 10

18 ELISA Imunomagnético Particulas Magnéticas como superfícies de suporte sólido Revestidas com anticorpos de captura e colocadas em tubos. Separação usando um magneto exclui reagentes não ligados. Cinética e precisão superiores devido à uniformidade das partículas. VS. Anticorpos Anticorpos livres para mover em solução.

19 Considerações sobre os ensaios ELISA Otimização e validação são importantes aspectos da padronização das técnicas de detecção de OGM s Devido a grande diversidade de tipos de alimentos otimização e validação são imperativos. Fatores afetado a otimização são: 1. Parâmetros como: qualidade dos kits reagentes disponíveis comercialmente métodos para testar proteínas modificadas tempos de incubação, etc. 2. Limites de detecção (positivo/negativo) ou % 3. Rigor nos controles 4. Experiência do laboratório, problemas potenciais de contaminação do ambiente e de pessoas.

20 Considerações sobre os ensaios ELISA Fatores afetando a Validação incluem: 1. Eficiência do método de extração da proteína OGM 2. Acurácia dos resultados 3. Precisão e habilidade do operador em distinguir entre valores muito próximos 4. Sensibilidade, limite de detecção 5. Especificidade (anticorpo monoclonal) 6. Reproducibilidade 7. Consistência e confiabilidade de detecção

21 Conclusões sobre os ensaios ELISA ELISA é o método preferido para análise preliminar, qualitativa, de um OGM particular em material não processado, alimentos semi-processado e ingredientes processados, desde que a proteína expressa não esteja degradada e possa ser detectada. Como ELISA tem menor poder de detecção que métodos envolvendo DNA, (métodos de PCR), ele é menos sensível para testar alimentos terminados contendo muitos ingredientes, especialmente se o limite de detecção for baixo. Alguns OGMs não expressam níveis detectáveis de proteína (NÃO É O CASO COM OS OGMs MAIS COMUNS)

22 Métodos Baseados no DNA Se baseiam na complementariedade da duas fitas do DNA, que hibridizam de maneira sequência-específica. (A=T; C G) Reação em cadeia da DNA polimerase Requer DNA de alta qualidade 35S promoter CaMV EPSPS CP4 NOS terminator Agrobacterium tumefaciens Diagrama representando a sequência RoundupReady

23 Preparo da amostra de DNA Extração e purificação do DNA A extração e a purificação do DNA são etapas importantes na obtenção de um DNA de qualidade. O DNA obtido apresentar : Alto grau pureza A260/A280 nm superior a 1,8 Massa molecular elevada (>>10000 pb) Baixo grau de dano do DNA é decorrente de: Calor, baixo ph (depurinação), nucleases (degradação enzimática)

24 Preparo da amostra de DNA Amostra para a extração do DNA A amostra laboratorial deve representar a amostra do campo/alimento: material de partida: 1-2,5 kg de sementes de soja mg de amostra finamente moida para purificação. DNA pode ainda ser afetado por contaminantes presentes nos diferentes tipos de alimentos e que nibem a detecção do rdna por PCR, entre eles: Polisacarídeos, lipídeos, polifenois & reagentes de extração do DNA

25 CEPPA Ministério da Educação Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Centro de Pesquisa e Processamento de Alimentos CEPPA Métodos de extração e purificação de DNA - Inúmeros Mais utilizados: 1. O método do CTAB (Brometo de cetiltrimetilamônio) - Recomendado pelo Min. Agricultura. 2. O método Wizard da Promega usando resina magnética. 3. O método proprietário PrepMan Ultra da Applied Biosystems (Real time PCR).

26 Requerimentos para extração do DNA Quebrar as paredes celulares Gelo seco ou nitrogênio líquido Romper as membranas celulares Detergentes : CTAB or SDS Inativar nucleases EDTA quela Mg2+ inibindo nucleases. Separar polissacarídeos inibidores Separar constituintes celulares hidrofóbicos lipideos & polifenois com solvente orgânicos Separar o DNA precipitando e lavando-o com alcool. Determinar grau de pureza por espectrometria UV em 230, 260 e 280 nm. Calcular a razão 260/280 nm superior a 1,8

27 Princípios da reação em cadeia da DNA polimerase (PCR) Permite amplificar o DNA alvo milhões de vezes. DNA polimerase faz cópias exatas do DNA alvo Utiliza oligonucleotideos iniciadores 1 (primers) complementares ao gene de interesse 5 6 Permite a Taq-polymerase gerar 7 8 sequências complementares à 9 10 região contida entre os pares de primers O número de sequências cresce exponencialmente 17 Cycles 18 DNA molecules formed ,024 2,048 4,096 8,192 16,384 32,768 65,536

28 Reação em cadeia da DNApolimerase (PCR) Mistura de reação: Tampão de PCR dntps Taq polimerase Primers F (senso) e R (antisenso) MgCl2 DNA (5 µl) Volume Total (25 ou 50 µl/reação)

29 Atividades da Taq polimerase Atividade de DNA polimerase Termoestável Atividade 5 nuclease associada à polimerização Atividade 5-3 nuclease. Não atrapalha PCR convencional dntp Polimerase nuclease 3 5

30 Ciclagem térmica da PCR Perfil de ciclagem térmica Universal (PCR) (o.c) 1x 30-40x :00 0: desnatura DNA desnatura DNA :00 0:30 anela os primers estensão dos primers

31 Mecanismo da reação em cadeia da DNA polimerase (Ciclagem térmica) primers F e R Gen alvo em dupla fita Desnaturar fitas e anelar primers 5 Estender Primers com a Taq Polimerase Desnaturar, Aneal e Estender Primers Produtos: Amplicons Amplificação exponencial = 2n n = número de ciclos

32 mostrar animação pcr.exe

33 Ciclagem térmica : Plateau Amplificação é exponencial, mas o aumento exponencial é limitado levando a um plateau. Causas do plateau? Log DNA alvo Teórico Real Número do Ciclo Inativação progressiva da Taq polymerase, Redução da eficiência da etapa de desnaturação Redução da eficiência do anelamento dos primers devido a competição com o produto (reanelamento do produto) Taq polymerase se torna limitante.

34 Confirmação dos Fragmentos de DNA amplificados por PCR Eletroforese em Gel de agarose tamanho Verificar se o produto amplificado tem o tamanho esperado. Artefatos de mesmo tamanho => falso positivos Ensaio Southern Blot Confiável mas demorado Nested PCR permite discriminação. 2o. par de primers dentro do amplicon Sequenciamento do amplicon Conveniente e demorado

35 Tipos de métodos de PCR para detecção de OGMs 1. Qualitativo 2. Semi-Quantitativo 3. Quantitativo 3.1 Competitivo 3.2 Tempo Real Sistemas de detecção/quantificação: Sondas de transferência de energia fluorescente por ressonância (FRET) - Sistema TaqMan ( 5 nuclease) Sistema SybrGreen I (ligante de DNA dupla fita)

36 PCR Qualitativo Usa dois pares de primers: F; senso ou 5 3 e R; antisenso ou 3 5 Os fragmentos de DNA amplificados (amplicons) são separados por eletroforese em gel de agarose e visualizados por coloração com Brometo de Etídio. HPLC e Eletroforese Capilar Soja, trigo, canola, batata, arroz, milho, tomate, etc.

37 Componentes da Reação de PCR: DNA dupla fita (template ou molde) dntp s (datp, dgtp, dctp, TTP) Par de oligonucleotídeos iniciadores (primers), complementares às bordas externas do gene/transgenes de interesse (alvo) Mg2+ Taq polimerase

38 Legislação da Coordenação de Laboratório Vegetal CLAV/DDIV/SDA/MAPA NORMAS PARA CREDENCIAMENTO DE LABORATÓRIO PARA DETECÇÃO DE MODIFICAÇÃO GENÉTICA EM PRODUTOS E SUBPRODUTOS DE ORIGEM VEGETAL DOU Nº163 - Seção 1, sexta-feira, 24 de agosto de 2001 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 32, DE 19 DE JULHO DE 2001 Anexo II ISOLAMENTO DE DNA DE GRÃOS E FARINHAS

39 ISOLAMENTO DE DNA DE GRÃOS E FARINHAS (INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 32, DE 19 DE JULHO DE 2001) MÉTODO CTAB MODIFICADO PARA ANÁLISE DE AMOSTRAS DE ORGANISMOS GENETICAMENTE MODIFICADOS. PROCEDIMENTO: 1. Pesar 1 Kg de grãos; 2. Moer os grãos em moedor de café e colher duas sub-amostras (200mg) de farinha em um tubo de microcentrífuga; 3. Acrescentar 750µL de tampão CTAB e 15µL de beta-mercaptoetanol; 4. Agitar em um vortex durante 2 min; 5. Incubar a 65 C por 15 min; 6. Adicionar 520µL clorofórmio: álcool. isoamílico (24:1); 7. Agitar em um Vortex durante 1 min; 8. Centrifugar rpm por 10 min.; CONTINUA

40 9.Transferir o sobrenadante para um novo tubo e acrescentar igual volume de isopropanol e 1/2v de acetato de amônio 7,5M; 10. Centrifugar rpm por 10 min; 11. Desprezar o sobrenadante e lavar o precipitado com etanol 70%; 12. Centrifugar rpm por 5 min.; 13. Desprezar o sobrenadante e secar o precipitado em temperatura ambiente durante 15 min; 14. Solubilizar o precipitado em 50µL de água ultra-pura. 15. Determinar a concentração e qualidade do DNA em espectrofotômetro; 16. Armazenar o DNA a -20 C.

41 Amplificação do DNA - Método qualitativo de PCR (INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 32, DE 19 DE JULHO DE 2001) Para cada sub-amostra, 4 tubos de reação de PCR são utilizados em uma reação conforme a descrição abaixo: Água 17,8 ul Tampão de PCR 10X 2,5 ul MgCl2 1,0 ul desoxiribonucleotídeos (dntps) (10 mm) 0,5 ul Primers Tubo 1 Act F (20 um) 1,0 ul e Act R (20 um) 1,0 ul Tubo 2 35S-1 (20 um) 1,0 ul e 35S-2 (20 um) 1,0 ul Tubo 3 35S-3 (20 um) 1,0 ul e 35S-4 (20 um) 1,0 ul Tubo 4 Nos-1 (20 um) 1,0 ul e Nos-2 (20 um) 1,0 ul Taq DNA polimerase (5 U/ul) 0,2 ul DNA (200 ng) 1,0 ul Total 25,0 ul O tubo 1 é um controle interno para verificar a qualidade do DNA vegetal. Os tubos 2, 3 e 4 são para verificar a presença de transgênico, pois amplificam regiões regulatórias comuns aos transgênicos em uso. Outros três controles são agregados durante a PCR: DNA proveniente de grãos não transgênicos (controle negativo), ausência de DNA (controle negativo para verificar contaminação durante a manipulação da amostra) e DNA grãos contendo 0,1% de transgênicos (controle positivo).

42 Método dirigido para detectar promotor 35S e terminador NOS 35S promoter CaMV EPSPS CP4 NOS terminator Agrobacterium tumefaciens Diagrama representando a sequência RoundupReady

43 (INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 32, DE 19 DE JULHO DE 2001) Reação de amplificação em termociclador MJR PTC-100 Desnaturação inicial: 96 C 2 min Desnaturação: 94 C 1 min Anelamento: 62 C 45 seg Extensão: 72 C 45 seg Extensão final: 72 C 45 seg Número de ciclos: 35 A interpretação dos resultados é efetuada através da verificação da presença de fragmentos de DNA nas amostras, observada após a eletroforese em gel de agarose 2% em tampão TBE, com o mesmo tamanho do fragmento observado no controle positivo e ausente nos controles negativos. Para uma amostra ser considerada positiva, os três pares de primers que detectam OGMs deverão resultar em amplificações semelhantes ao controle positivo.

44 PCR Quantitativo Métodos : 1. PCR convencional (semi-quantitativo a quantitativos) 2. Método de PCR Competitivo 3. PCR Quantitativo Tempo-Real

45 PCR convencional Determina a percentagem de OGM no alimento F 5 NOS 35S Promoter Coding region Terminator 3 R ex. determinar a concentração de soja GM (35SCP4 EPSPS) em grãos.

46 PCR QUANTITATIVO CONVENCIONAL As concentrações dos produtos presentes no ponto A (PONTO FINAL) determinados por densitometria após eletroforese em gel de agarose e são grafados em função da percentagem de OGMs presentes na amostra inicial. O resultado demonstra que a proporcionalidade entre a concentração de DNA e os produtos de PCR (faixa dinâmica) é limitada no PCR convencional.

47 Exemplo de determinação quantitativa da concentração de OGM por PCR convencional 1. Padrão de peso molecular 2. 5% soja RR 3. 2% soja RR 4. 1% soja RR 5. 0,5% soja RR 6. 0,1% soja RR 7. Soja não-transgênica 8. Soja não-transgênica 9. Controle sem DNA 10. Amostra OGM 11. Amostra OGM % soja RR Soja RR + controle externo 14. Soja RR + controle externo

48 Exemplo de determinação quantitativa da concentração de OGM por PCR convencional 15. Padrão de peso molecular 16. Amostra + controle externo 17. soja RR + Controle interno(ubiq) 18. Amostra + Controle interno(ubiq) 19. Amostra + Controle interno(ubiq) 20. Soja não-transgênica + Controle interno(ubiq)

49 Processamento posterior das bandas coradas 1. Determinar a intensidade das bandas por densitometria 2. Utilizar os padrões normalizados contra a referência interna para construir curva padrão 3. Determinar as concentrações das amostras desconhecidas utilizando a curva padrão. Duração 1-2 dias

50 Ciclagem Térmica PCR Semi-quantitativo traditional ou Convencional Amplificação Quantitativa de genes alvo Dificuldades: Grande esforço para estabelecer condições ótimas de reação (concentrações de DNA alvo e primers) Difícil de reproduzir, mas não impossível!!!! Difícil desenhar um controle interno (escolher gene conservado ubíquoto tipo pirofosfatase, lectina, zeina, ubiquitina, etc.) mas não impossível!!!! Problemas de especificidade de primers Necessário realizar eletroforese dos produtos de amplificação e todo processamento posterior (densitometria, etc.) Difícil de conseguir alta produtividade

51 PCR Quantitativo Normaliza um marcador de OGM (ex. 35S) a um gene de referência específico da planta (ex. Lectina). Combina 2 reações de quantificação absoluta; mede a concentração de DNA da amostra e permite Determinar o número de cópias/genoma de ambos os genes (transgene e referência) Determinar = % de OGM s na amostra. PCR Multiplex Ambos pares de primers na mesma reação Razão entre número de cópias do genoma GM/número de cópias total do genoma

52 Método de PCR Competitivo Co-amplificação da sequência alvo (transgene) e do padrão interno (ex. lectina para soja; zeina para milho) Gene alvo específico de concentração desconhecida e molde controle de concentração conhecida. (1%) Uso preferencial dos mesmos primers que amplificam sequências de 2 tamanhos diferentes. Duplo QC-PCR usa 2 reações diferentes GM alvo e gene específico ex. gene da lectina (lel) em soja para RRS Concentração do gene competidor equivalente a 1% da soja geneticamente modificada (+/-)

53 QC-PCR Adapted from Hübner et al.,

54 PCR EM TEMPO REAL Detecção em tempo Real dos produtos de amplificação de DNA alvo (gene) pela reação em cadeia da DNA polimerase. PCR em tempo Real (Real-Time PCR) usa fluorescência o que permite a medida direta e a quantificação dos produtos da reação amplificação. Permite a quantificação precisa e reproduzível dos ácidos nuclêicos.(dna e RNA)

55 Vantagens do PCR em Tempo Real Ampla faixa dinâmica de detecção (faixa de sensibilidade) Química em tubos fechado Dispensa electroforese Dispensa processamento posterior dos produtos de PCR (gel, coloração, hibridização, densitometria, autoradiografia, etc.) Alta produtividade de análises Utiliza placas de micropoços (microwell plate) de 96 poços

56 PCR em Tempo Real Aplicações: Determinação de Transgênicos (OGMs) Expressão gênica Quantificação de Cancer Detecção de dano do DNA Controle Qualidade Quantificação de Patógenos Entre outras.

57 Etapas do PCR em Tempo Real Detecção de curvas de PCR tempo Real Preparo da amostra Termo Ciclagem Detecção da Fluorescência Análise dos Dados Único Instrumento Análises Gerais Análises de Aplicações Específicas

58 Preparo da amostra Purificar DNA Purificado Vários métodos Kit PrepMan Ultra Applied Biosystems 35S promoter CaMV DNA dupla fita EPSPS CP4 NOS terminator Agrobacterium tumefaciens

59 Ciclagem Térmica Detecção de curvas de PCR tempo Real Preparo da amostra Termo Ciclagem Detecção da Fluorescência Análise dos Dados único instrumento Análises Geral Análises de Aplicações Específicas

60 Ciclagem Térmica 2 Químicas Ensaio Fluorogênico 5 Nuclease, Sondas Taqman Vantagem: a especificidade é garantida pela sonda Taqman SYBR ligante de DNA dupla fita Todos dsdna produtos são detectados necessário realizar análise de dissociação (Tm)

61 Ensaio Fluorogênico 5 Nuclease Sonda Fluorescente Taqman Única para cada gen alvo Anela entre os 2 primers a 10 C acima dos primers Aumenta a especificidade da reação Aplicações: Quantificação de OGM s Detecção de polimorfismo Quantificação de ácidos nuclêicos por PCR Tempo Real

62 Ciclagem Térmica Taqman usa FRET Fluorescent Resonant Energy Transfer

63 Estrutura das sondas Taqman R Reporter (FAM,VIC) Q Quencher (Tamra) Taq polimerase (5 Nuclease) R Q R Q Fluoresce Sonda (não fluoresce) Clivada

64 Atividade 5 nuclease da Taq polimerase Atividade associada à polimerização dntps polimerase nuclease 3 5

65 Ensaio Fluorogênico 5 Nuclease Polimerização 5 Taq Não fluoresce primer Q R 5 3 Deslocamento 5 3 R Não fluoresce Q 5

66 Ensaio Fluorogênico 5 Nuclease Clivagem R Fluoresce Q Polimerização Completada Fluoresce R Q

67 SYBR corante para fita dupla de DNA SYBR green 1 DYE SYBR fluoresce ao se ligar ao DNA dupla fita Qualquer DNA dupla fita NON-specific Usado para ensaios de identificação de genes alvo (screening) Baixo custo Problema: dimeros dos primers ou produtos de PCR não-específicos também fluorescem.

68 SYBRGreen Corante para fita dupla de DNA Sequência alvo DNA Desnaturação

69 SYBRGreen Corante para fita dupla de DNA Polimerização Polimerização Completa

70 Ciclagem térmica Perfil de ciclagem térmica Universal (PCR) (o.c) 1x 1x :00 0:15 40x : :00 UNG ativação da Taq Gold Perfile de Dissociação entre 60 to 95C 0.5C /cicle SYBR GREEN

71 Um único Instrumento Detecção de curvas de PCR tempo Real Preparo da amostra Termo Ciclagem Detecção da Fluorescência Análise dos Dados Único instrumento Análises Gerais Análises de Aplicações Específicas

72 Único Instrumento Mecanismos de detecção e instrumentos diferem dependendo do fabricante. Instrumento mais vendido e usado. Applied Biosystems CEPPA Outros Fabricantes de Termocicladores Tempo Real Biorad (similar ao AB) Westburg

73 ABI 7000/7700

74 Detecção Fluorescente Real time detection of PCR curves Preparo da amostra Ciclagem térmica Detecção Fluorescente Único instrumento Análises de aplicações específicas

75 Detecção Fluorescente Lâmpada Excitation Filter Fold Mirror CCD Camera Fresnel Lens Dichroic Mirror MultiElement Lens Well Lenses Filter Wheel 96-Well Plate Peltier-based block thermal cycling system

76 Análise dos Dados Real time detection of PCR curves Preparo da amostra Ciclagem térmica Detecção Fluorescente Análises dos dados In single instrument Análise Geral Análises Específicas

77 Desenho Experimental Mistura de reação: Universal master mix (taqman or SYBR green) Tampão de PCR + dntps Amplitaq Gold polimerase UNG (evita contaminação, não necessário) ROX reporter = referência fluorescente interna Primers F (senso) e R (antisenso) do gene alvo Primers F (senso) e R (antisenso) do controle interno Sonda Taqman Volume Total (25 ou 50 µl/reação) Pipetar mistura para os micropoços (Amostra em triplicata) Adicionar DNA (5 µl) Centrifugar a placa para eliminar bolhas de ar

78 Desenho Experimental Definir distribuição das amostras na placa Serão: 6 concentrações de amostras padrão =18 poços Controle positivo = 2 poços Controle negativo = 2 poços 37 Amostras desconhecidas (2X) = 74 poços Custo dos R$ 4000,00

79 PCR terminado, Análise dos Dados ABI prism coleta dados primários em 4 filtros A Fluorescência dos corantes é calculada usando um algorítmo multicomponente. Reporteres são normalizados contra a referencia interna o fluoróforo ROX Correções da linha de base Curva de dissociação (SYBR green 1) Resultados dependente da aplicação Quantificação da reação de PCR pelo Ciclo limiar (Cycle Threshold) Medidas de Ponto Final

80 Espectros brutos Dados coletados no final de cada ciclo. FAM/SYBR A VIC/JOE TAMRA/NED B C ROX D

81 Algoritmo calcula automaticamente a contribuição de cada fluoróforo.

82 Referência Fluorescente Rox ROX é uma referênca fluorescente passiva presente no tampão. Sinais dos Reporteres são normalizados contra ROX para eliminar variações operacionais Níveis de Fluorescência são diferentes no meio e laterais da placa Amostra1 FAM ROX FLUORESCENCIA FLUORESCENCIA Diferenças ópticas nos plásticos das placas Erros de pipetagem Amostra2 FAM ROX

83 Gráfico das Fluorescências da Amplificação Normalizado Sinal normalizado do reporter (FAM) contra ROX Rn Rn = Número do ciclo Sinal do Reporter ROX

84 Correção da linha de base Sinal do reporter normalizado e linha de base corrigida Rn Linha de base Cicle 3-14 Todos os dados começam no 0 Rn = Cycle number Reporter signaln Reporter signal6-16 ROXn ROX6-16

85 Curva de dissociação Immediatamente depois do PCR, aumenar a Temperatura de 60 a 95 C Produtos do DNA (amplicons) irão desnaturar. Fluorescência do SYBR green cairá durante a desnaturação Fluorescência SYBR fluorescência SYBR dissocia dos dsdna Temperatura

86 Curva de Dissociação Primeira derivada dos dados brutos Pico = Tm do amplicon Segundo pico observado na temperatura menos indica: Dimeros dos primers Amplificação não específica.

87 PCR completado, Análise dos Dados ABI prism coleta dados primários em 4 filtros A Fluorescencia dos corantes é calculada usando um algorítmo multicomponente. Reporteres são normalizados contra a referência interna o fluoróforo ROX Correções da linha de base Curva de dissociação (SYBR green 1) Resultados dependente da aplicação Quantificação da reação de PCR pelo Ciclo limiar (Cycle Threshold) Medidas de Ponto Final

88 Ciclo limiar (Cycle Threshold) Ciclo limiar Ct Número de ciclos de amplificação necessário para a fluorescência ultrapassar o limiar (fluorescência mínima) O Liminar (Threshold) é determinado na fase exponencial: o meio da parte linear quando a fluorescência é grafada logaritmicamente exponential threshold exponential threshold

89 Faixa Dinâmica e curva padrão Amplificação de diluições seriadas de amostra padrão Curva padrão mostrando unidades 8 logs da faixa dinâmica linear

90 Quantificação absoluta Resultados de amplificação do DNA de amostras de concentrações conhecidas como curva padrão: Ct versus concentração Calcular a concentração da amostra desconhecida com a curva padrão. A inclinação da curva padrão dá informação sobre a eficiência do PCR. 100% eficiência inclinação (tg) = Correlação R da indicação da reproducibilidade da pipetagem e deve ser 0.99 Inclinação= R 0.99

91 PCR em tempo real A concentração dos produtos é determinada continuamente por medidas de fluorescência. Na reação de PCR em tempo real (RT-PCR) a amplificação é proporcional ao número do ciclo durante a fase exponencial do PCR. Em contraste com o PCR convencional existe uma relação linear entre a concentração dos produtos de PCR e a concentração de DNA durante a fase exponencial do RT-PCR. Determinar ponto de amostra conhecida que é o mesmo e referencia-lo a fragmento GM desconhecido.

92 Resumo dos métodos de detecção de produtos de OGMs Parâmetro Baseados na Proteina Western blot ELISA Imunocromatográfico (tiras) Facilidade de uso Dificil Moderada Simples Necessita equipamento special Sim Sim não Sensibilidade Alta Alta Alta Duração 2 dias min 10 min Custo/amostra (US$) 150,00 5,00 2,00 Fornece resultados Quantitativos? Não Sim Não Apropriado para teste de campo? Não Sim Sim Empregado principalmente em: Pesquisa Laboratórios de análise de rotina CEPPA Teste em Campo Ahmed, 2002

93 Resumo dos métodos de detecção de produtos de OGMs Parametro Baseados no DNA Southern blot PCRQualitativo -PCR Competitivo PCR em Tempo Real Facilidade de uso Dificil Dificil Dificil Dificil Necessita equipamento special Sim Sim Sim Sim Sensibilidade Moderada Muito Alta Alta Alta Duração 6 horas 1,5 dias 2 dias 1 dia Custo/amostra (US$) 150,00 250,00 350,00 450,00 Fornece resultados Quantitativos? Não Não Sim sim Apropriado para teste de campo? Não Não Não Não Empregado principalmente em: Pesquisa Laboratórios de análise de rotina CEPPA Laboratórios de análise de rotina Laborat órios de análise de rotina CEPPA Ahmed, 2002

94 Outros métodos em desenvolvimento 1. Espectrometria de infra vermelho próximo (NIR) 2. Microarranjos de DNA - DNA chips

95 Agradecimentos CEPPA: Ariene Costa Prado Yoshiyasu Fabiana Nicol Barbieri Arion Zandoná Filhos Mundo: Darcy Pawlik Farid E. Ahmed B. Leyman

96

PCR tempo real. PCR quantitativo. 52º Congresso Nacional de Genética Foz do Iguaçu

PCR tempo real. PCR quantitativo. 52º Congresso Nacional de Genética Foz do Iguaçu PCR tempo real PCR quantitativo 52º Congresso Nacional de Genética Foz do Iguaçu Aspectos Básicos um dos métodos atuais de aferir o nível de expressão de genes mas não é o único: Northern blotting (quantificação

Leia mais

Extração de DNA e Amplificação por PCR

Extração de DNA e Amplificação por PCR Universidade Federal de São Carlos Departamento de Genética e Evolução Disciplina Práticas de Genética Extração de DNA e Amplificação por PCR Érique de Castro 405523, Victor Martyn 405612, Wilson Lau Júnior

Leia mais

Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR)

Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR) 1 Universidade Federal Fluminense Instituto Biomédico Departamento de Microbiologia e Parasitologia Disciplina: Virologia Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR) A técnica de reação

Leia mais

Técnicas de biologia molecular. da análise de genes e produtos gênicos únicos a abordagens em larga escala

Técnicas de biologia molecular. da análise de genes e produtos gênicos únicos a abordagens em larga escala Técnicas de biologia molecular da análise de genes e produtos gênicos únicos a abordagens em larga escala os mesmos genes, qual a diferença? Dogma central Localizando alvos Técnicas iniciais para evidenciar

Leia mais

Reação em Cadeia Da Polimerase

Reação em Cadeia Da Polimerase Reação em Cadeia Da Polimerase X Jornada Farmacêutica IV Amostra 2010 Sueli Massumi Nakatani LACEN-PR Um Pouco de História... Um Pouco de História... 1983 Kary Mullis for his invention of the polymerase

Leia mais

Kit para calibração de PCR pht

Kit para calibração de PCR pht Kit para calibração de PCR pht Itens fornecidos: Tampões ( concentrado) Composição ( concentrado) I0 500 mm KCl; 100 mm Tris-HCl ph 8,4; 1% Triton X-100 IB 500 mm KCl; 100 mm Tris-HCl ph 8,4; 1% Triton

Leia mais

Engenharia Molecular. Kit Autossômico GEM. EM-22plex sem extração. Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR

Engenharia Molecular. Kit Autossômico GEM. EM-22plex sem extração. Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR Engenharia Molecular Kit Autossômico GEM EM-22plex sem extração Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR 1. Introdução STRs (short tandem repeats) são sequências repetitivas de 3 a 7 pares de bases encontradas

Leia mais

Rachel Siqueira de Queiroz Simões, Ph.D rachelsqsimoes@gmail.com rachel.simoes@ioc.fiocruz.br

Rachel Siqueira de Queiroz Simões, Ph.D rachelsqsimoes@gmail.com rachel.simoes@ioc.fiocruz.br Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Casa da Medicina Unidade Gávea Coordenação Central de Extensão EPIDEMIOLOGIA MOLECULAR Rachel Siqueira de Queiroz

Leia mais

Genética e Melhoramento de Plantas

Genética e Melhoramento de Plantas Genética e Melhoramento de Plantas Marcadores moleculares e sua utilização no melhoramento Por: Augusto Peixe Introdução ao uso de Marcadores moleculares Definição Marcador molecular é todo e qualquer

Leia mais

Manual Técnico. quantificação de DNA humano em análises forenses. Para WWW.GENOMIC.COM.BR

Manual Técnico. quantificação de DNA humano em análises forenses. Para WWW.GENOMIC.COM.BR Kit Genomic de Quantificação de DNA Manual Técnico Para quantificação de DNA humano em análises forenses WWW.GENOMIC.COM.BR 1. Introdução Na maioria dos casos forenses, as amostras recebidas apresentam-se

Leia mais

PLANO DE MINICURSO TÍTULO DO MINICURSO: 60 ANOS DO DNA E OS AVANÇOS DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA

PLANO DE MINICURSO TÍTULO DO MINICURSO: 60 ANOS DO DNA E OS AVANÇOS DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA PLANO DE MINICURSO TÍTULO DO MINICURSO: 60 ANOS DO DNA E OS AVANÇOS DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA OBJETIVO: Proporcionar aos participantes uma maior compreensão dos avanços que a descoberta da estrutura da

Leia mais

Extração de DNA. Prof. Silmar Primieri

Extração de DNA. Prof. Silmar Primieri Extração de DNA Prof. Silmar Primieri Conceitos Prévios O que é DNA? Onde se localiza o DNA na célula? Do que são formadas as membranas celulares? Qual a estrutura do DNA? O que é DNA? Unidade básica informacional

Leia mais

Mestrado em Genética Molecular

Mestrado em Genética Molecular Mestrado em Genética Molecular Ano lectivo de 2000/2001, edição 2000-2002 Biologia Molecular Expressão génica (RT-PCR) Protocolo das sessões práticas Braga, 2000 Rui Pedro Soares de Oliveira Mestrado em

Leia mais

PCR in situ PCR Hotstart

PCR in situ PCR Hotstart Bruno Matos e Júlia Cougo PCR in situ PCR Hotstart Disciplina de Biologia Molecular Profª. Fabiana Seixas Graduação em Biotecnologia - UFPel PCR in situ - É a técnica de PCR usada diretamente numa lâmina

Leia mais

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR)

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) Área de Ciências da Saúde Curso de Medicina Módulo: Saúde do Adulto e Idoso II GENÉTICA HUMANA Professora: Dra. Juliana Schmidt REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) A molécula de DNA é um longo polímero

Leia mais

PCR technology for screening and quantification of genetically modified organisms (GMOs)

PCR technology for screening and quantification of genetically modified organisms (GMOs) Universidade do Algarve Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente Curso de Licenciatura em Biologia Marinha e Pescas PCR technology for screening and quantification of genetically modified organisms (GMOs)

Leia mais

Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influência da UHE Santo Antônio.

Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influência da UHE Santo Antônio. PROJETO: Análise Genética das Populações de Myrciaria dubia (camu-camu) e Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influencia da UHE Santo Antônio. Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma)

Leia mais

RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA

RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Biológicas Departamento de Bioquímica e Imunologia Professor: Miguel Alunos: Gustavo Bastos, Hugo Rezende, Monica Maertens,

Leia mais

LABORATÓRIO DE BIOENGENHARIA. Métodos rápidos de tipagem de microrganismos

LABORATÓRIO DE BIOENGENHARIA. Métodos rápidos de tipagem de microrganismos LABORATÓRIO DE BIOENGENHARIA Métodos rápidos de tipagem de microrganismos Tradicionalmente, o estudo de microrganismos, a nível genético, bioquímico/fisiológico ou apenas a nível de identificação, requer

Leia mais

WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III

WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III CAMPYLOBACTER spp. Multiplex PCR para detecção de C. jejuni e C. coli Grace Theophilo LRNCEB IOC/FIOCRUZ gtheo@ioc.fiocruz.br Diagnóstico molecular para Campylobacter spp.

Leia mais

Southern blotting análise de DNA. Northern blotting análise de RNA. Western blotting análise de proteínas

Southern blotting análise de DNA. Northern blotting análise de RNA. Western blotting análise de proteínas Southern blotting análise de DNA Northern blotting análise de RNA Western blotting análise de proteínas Southern blotting Hibridação DNA-DNA em membrana Southern blot Digestão enzimática Eletroforese em

Leia mais

Polymerase Chain Reaction

Polymerase Chain Reaction Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Ciências Básicas da Saúde Laboratório de Virologia Polymerase Chain Reaction Equipe de Virologia UFRGS & IPVDF www.ufrgs.br/labvir PCR Desenvolvida

Leia mais

Reagentes para Biologia Molecular

Reagentes para Biologia Molecular Reagentes para Biologia Molecular Para obtenção de resultados confiáveis, atividades realizadas na área da Biologia Molecular requerem reagentes de qualidade e pureza elevada. Ideais para diversas rotinas

Leia mais

Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações

Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações BSc. Daniel Perez Vieira (Protozoologia-IMTSP/ Laboratório de Biologia Molecular-IPEN) Aula 3 - Análise dos produtos: Qualitativa e Semi- Quantitativa

Leia mais

Protocolo laboratorial para purificação manual de DNA de amostra integral

Protocolo laboratorial para purificação manual de DNA de amostra integral Protocolo laboratorial para purificação manual de DNA de amostra integral Para a purificação de DNA genômico nos kits de coleta das famílias Oragene e ORAcollect Visite nosso site www.dnagenotek.com para

Leia mais

CYCLER CHECK. Kit de teste para a validação da uniformidade da temperatura em termocicladores. pronto a usar, pré-aliquotado. REF 71044 (4 testes)

CYCLER CHECK. Kit de teste para a validação da uniformidade da temperatura em termocicladores. pronto a usar, pré-aliquotado. REF 71044 (4 testes) PT Instruções de utilização CYCLER CHECK Kit de teste para a validação da uniformidade da temperatura em termocicladores pronto a usar, pré-aliquotado REF 7104 (10 testes) REF 71044 (4 testes) Índice 1.

Leia mais

Sequenciamento de DNA

Sequenciamento de DNA Sequenciamento de DNA Figure 8-50a Molecular Biology of the Cell ( Garland Science 2008) Método de Sanger Reação de síntese de DNA por uma DNA polimerase A incorporação de um dideoxinucleotídeo interrompe

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MOLECULAR DA DREPANOCITOSE (Anemia Falciforme)

CARACTERIZAÇÃO MOLECULAR DA DREPANOCITOSE (Anemia Falciforme) CARACTERIZAÇÃO MOLECULAR DA DREPANOCITOSE (Anemia Falciforme) Genética Humana, LCS 3º Ano,1º Semestre, 2012-2013 2ª Aula Sumário Quantificação de DNA cromossomal e avaliação do grau de pureza por espectrofotometria

Leia mais

Técnicas Moleculares Aplicadas ao Estudo de Patologias

Técnicas Moleculares Aplicadas ao Estudo de Patologias Patologia x Genética Técnicas Moleculares Aplicadas ao Estudo de Patologias Lucas Brandão Patologia Clínica Definição: Fornece informações ao médico, de modo a proporcionar-lhe os meios necessários para

Leia mais

ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE

ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE Importância da Engenharia Genética Diversidade biológica X Diversidade gênica Etapas básicas da Clonagem Escolha e amplificação do

Leia mais

Elaborado por: Karina Salvador Revisado por: Hilda Helena Wolff Aprovado por: Andréa Cauduro

Elaborado por: Karina Salvador Revisado por: Hilda Helena Wolff Aprovado por: Andréa Cauduro ANTI- 1 Manual CAMBRIDGE BIOTECH -1 POP: BM 05 Página 1 de 7 1. Sinonímia ANTI, TESTE CONFIRMATÓRIO. 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos e técnicos do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica Os testes

Leia mais

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra Ana Luísa Carvalho Amplificação de um fragmento de DNA por PCR Numa reacção em cadeia catalizada pela DNA polimerase (Polymerase Chain Reaction - PCR),

Leia mais

Lâmina adesiva vedante 3 Plástico e cola

Lâmina adesiva vedante 3 Plástico e cola RTS120 MTB Q PCR Alert Kit Instruções de Uso USO PRETENDIDO O Kit MTB Q-PCR Alert Kit é um ensaio qualitativo de amplificação de ácidos nucleicos para a detecção de DNA de Mycobacterium tuberculosis (MTB)

Leia mais

Biologia Celular e Molecular

Biologia Celular e Molecular DEPARTAMENTO DE ZOOLOGIA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Biologia Celular e Molecular Detecção de proteínas por western-blotting 2007-2008 Na electroforese em gel de poliacrilamida

Leia mais

Rev. 04 Out/2013. a) Preparo da etapa de amplificação real time área de pós PCR:

Rev. 04 Out/2013. a) Preparo da etapa de amplificação real time área de pós PCR: RTSD01-II Fator II G20210A Q PCR Alert Kit Rev. 04 Out/2013 Instruções de Uso USO PRETENDIDO O produto FATOR II Q-PCR Alert é um kit para teste de amplificação quantitativa de ácidos nucleicos para a determinação

Leia mais

Departamento de Biologia da Universidade do Minho

Departamento de Biologia da Universidade do Minho Departamento de Biologia da Universidade do Minho Mestrado em Genética Molecular Ano lectivo de 2004/2005, edição de 2004-2006 Estudo da regulação do gene STL1 codificando o sistema de simporte H + /glicerol

Leia mais

EXTRAÇÃO DE DNA EM GENÓTIPOS DE ACEROLA NO DISTRITO DE IRRIGAÇÃO DO PIAUÍ-DITALPI.

EXTRAÇÃO DE DNA EM GENÓTIPOS DE ACEROLA NO DISTRITO DE IRRIGAÇÃO DO PIAUÍ-DITALPI. EXTRAÇÃO DE DNA EM GENÓTIPOS DE ACEROLA NO DISTRITO DE IRRIGAÇÃO DO PIAUÍ-DITALPI. Antonia Cardoso Almeida ( ICV/ UFPI); Francilene Leonel Campos(orientadora, Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas/

Leia mais

LINHA DE REAGENTES PARA BIOLOGIA MOLECULAR

LINHA DE REAGENTES PARA BIOLOGIA MOLECULAR LINHA DE REAGENTES PARA BIOLOGIA MOLECULAR Linha de reagentes fabricados dentro de restritos controles de qualidade. Testados para assegurar os melhores resultados nas técnicas de pesquisa em Biologia

Leia mais

IMUNO ENSAIOS USANDO CONJUGADOS

IMUNO ENSAIOS USANDO CONJUGADOS IMUNO ENSAIOS USANDO CONJUGADOS REAÇÕES USANDO REAGENTES MARCADOS Conjugado: molécula constituída por duas substâncias ligadas covalentemente e que mantêm as propriedades funcionais de ambas Ex: globulina

Leia mais

Prova Experimental Física, Química, Biologia

Prova Experimental Física, Química, Biologia Prova Experimental Física, Química, Biologia Complete os espaços: Nomes dos estudantes: Número do Grupo: País: BRAZIL Assinaturas: A proposta deste experimento é extrair DNA de trigo germinado e, posteriormente,

Leia mais

Análise de expressão gênica

Análise de expressão gênica Universidade Federal do Espírito Santo Laboratório de Biotecnologia Aplicado ao Agronegócio Análise de expressão gênica Fernanda Bravim EXPRESSÃO GÊNICA Processo pelo qual a informação contida em um gene

Leia mais

LICENCIATURA EM MEDICINA

LICENCIATURA EM MEDICINA LICENCIATURA EM MEDICINA Disciplina de Biologia Molecular (2º Ano) Ano Lectivo de 2006/2007 3º AULA PRÁTICA 1 - Introdução à tecnologia de PCR 1.1. A reacção de PCR Príncipios e variantes da técnica 2.

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS 1. Sinonímia VIDAS DUO 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica POP n.º: I 56 Página 1 de 7 O vírus da imunodeficiência humana () é um retrovírus RNA, transmitido

Leia mais

PCR. Transiluminador * Características

PCR. Transiluminador * Características PCR PCR A PCR - reação em cadeia da polimerase - é uma técnica de biologia molecular que permite a replicação in vitro do DNA de maneira eficiente, utilizando amostras que podem ser amplificadas milhões

Leia mais

O papel das nodulinas na fixação biológica do nitrogênio na cultura de soja

O papel das nodulinas na fixação biológica do nitrogênio na cultura de soja O papel das nodulinas na fixação biológica do nitrogênio na cultura de soja SOUZA, R.C. 1 ; SANTOS, M.A. 2 ; HUNGRIA, M. 3 1 Centro Universitário Filadélfia - Unifil, renata@ cnpso.embrapa.br; 2 Escola

Leia mais

ls_pinto@hotmail.com Sibele Borsuk sibele@ufpel.tche.br

ls_pinto@hotmail.com Sibele Borsuk sibele@ufpel.tche.br Universidade Tiradentes Mestrado em Biotecnologia Industrial Seqüenciamento de DNA ls_pinto@hotmail.com Sibele Borsuk sibele@ufpel.tche.br Sequenciamento de DNA em MegaBACE DNA Analysis Systems TGTGAACACACGTGTGGATTGG...

Leia mais

Plasma colhido em EDTA. Sangue total colhido em EDTA. As suspensões de leucócitos e as suspensões de linfomonócitos destinadas à extração

Plasma colhido em EDTA. Sangue total colhido em EDTA. As suspensões de leucócitos e as suspensões de linfomonócitos destinadas à extração RTS038 HHV8 Q PCR Alert Kit Rev. 04 Out/2013 Instruções de Uso USO PRETENDIDO O produto HHV8 Q-PCR Alert é um kit para teste quantitativo de amplificação dos ácidos nucleicos para a identificação e a dosagem

Leia mais

Amostras: - DNA extraído por metodologia definida pelo usuário, seguindo as normas e padrões de amostras exigidos na descrição abaixo.

Amostras: - DNA extraído por metodologia definida pelo usuário, seguindo as normas e padrões de amostras exigidos na descrição abaixo. RTS097 Chlamydophila pn. Q - PCR Alert Kit Instruções de Uso USO PRETENDIDO O produto CHLAMYDOPHILA pn. Q-PCR Alert AmpliPROBE é parte de um ensaio quantitativo de amplificação de ácidos nucleicos para

Leia mais

deficiências gênicas em amostras de DNA, de seres humanos e/ou animais, o qual além

deficiências gênicas em amostras de DNA, de seres humanos e/ou animais, o qual além "PROCESSO DE IDENTIFICAÇÃO E INVESTIGAÇÃO DE DEFICIENCIAS GÊNICAS COM UTILIZAÇÃO DE FLUORESCÊNCIA, OU PROCESSO PCR MULTIPLEX FLUORESCENTE". Trata o presente relatório da descrição detalhada acompanhada

Leia mais

PCR. Transiluminador * Cubas de Eletroforese * Características

PCR. Transiluminador * Cubas de Eletroforese * Características PCR PCR A PCR - reação em cadeia da polimerase - é uma técnica de biologia molecular que permite a replicação in vitro do DNA de maneira eficiente, utilizando amostras que podem ser amplificadas milhões

Leia mais

VERIFICAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO MÉTODO DE EXTRAÇÃO DE DNA DO FUNGO MYCOSPHAERELLA FIJIENSIS PARA DETECÇÃO ATRAVÉS DE PCR EM TEMPO REAL

VERIFICAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO MÉTODO DE EXTRAÇÃO DE DNA DO FUNGO MYCOSPHAERELLA FIJIENSIS PARA DETECÇÃO ATRAVÉS DE PCR EM TEMPO REAL VERIFICAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO MÉTODO DE EXTRAÇÃO DE DNA DO FUNGO MYCOSPHAERELLA FIJIENSIS PARA DETECÇÃO ATRAVÉS DE PCR EM TEMPO REAL Luciana Oliveira Barateli; Regina Melo Sartori Coelho; Abmael Monteiro

Leia mais

Curso: Marcadores Moleculares aplicados a organismos de interesse epidemiológico

Curso: Marcadores Moleculares aplicados a organismos de interesse epidemiológico Curso: Marcadores Moleculares aplicados a organismos de interesse epidemiológico SUCEN Superintendência de Controle de Endemias São Paulo 17 a 22 de agosto de 2009 Aula : PCR EM TEMPO REAL José Eduardo

Leia mais

PCR MARCADORES MOLECULARES. Prof. Dr. José Luis da C. Silva

PCR MARCADORES MOLECULARES. Prof. Dr. José Luis da C. Silva PCR MARCADORES MOLECULARES Prof. Dr. José Luis da C. Silva Histórico da PCR Kornberg (1960) Isolou e caracterizou a DNA polimerase. O isolamento desta enzima possibilitou o desenvolvimento da síntese in

Leia mais

Mistura de primers de oligonucleotídeos. Mistura de sondas fluorescentes marcadas com FAM / MGB-NFQ e com VIC / MGB-NFQ

Mistura de primers de oligonucleotídeos. Mistura de sondas fluorescentes marcadas com FAM / MGB-NFQ e com VIC / MGB-NFQ RTS110 Aspergillus ssp. Q PCR Alert Kit Instruções de Uso USO PRETENDIDO O kit ASPERGILLUS Q-PCR Alert Kit faz parte de um teste de amplificação quantitativa de ácidos nucleicos para a detecção e dosagem

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE ENSAIO DE PCR EM TEMPO REAL EM FORMATO MULTIPLEX APLICADO AO DIAGNÓSTICO DE INFECÇÕES POR HTLV-1 E HTLV-2

PADRONIZAÇÃO DE ENSAIO DE PCR EM TEMPO REAL EM FORMATO MULTIPLEX APLICADO AO DIAGNÓSTICO DE INFECÇÕES POR HTLV-1 E HTLV-2 PADRONIZAÇÃO DE ENSAIO DE PCR EM TEMPO REAL EM FORMATO MULTIPLEX APLICADO AO DIAGNÓSTICO DE INFECÇÕES POR HTLV-1 E HTLV-2 Gonçalves MG 1, Fukasawa LO 1, Alencar WK 2, Caterino-de-Araujo A 1 1 Instituto

Leia mais

BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA. Aplicação no Laboratório Clínico - PCR APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO

BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA. Aplicação no Laboratório Clínico - PCR APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO Conteúdos abordados -Relembrar alguns conceitos da Replicação do DNA in vivo Aplicação no Laboratório Clínico - PCR -Algumas

Leia mais

marcada com o fluoróforo VIC é ativada quando hibridizada com o produto da reação de

marcada com o fluoróforo VIC é ativada quando hibridizada com o produto da reação de RTS032 HSV2 Q PCR Alert Kit Rev. 04 Out/2013 Instruções de Uso USO PRETENDIDO O kit HSV2 Q-PCR Alert kit - Tempo Real - pronto para uso - é um teste quantitativo de amplificação dos ácidos nucleicos para

Leia mais

Sequenciamento de genomas

Sequenciamento de genomas Sequenciamento de genomas 1 o genoma completo vírus OX174 5.000 nt (Sanger et al. 1977) em 1977 1000 pb sequenciados por ano neste ritmo genoma E. coli K-12 4.6-Mbp levaria mais de 1000 anos para ser completo

Leia mais

SEPARAÇÃO ELETROFORÉTICA DE DNA

SEPARAÇÃO ELETROFORÉTICA DE DNA A eletroforese em gel de agarose consiste no método mais usado para separar, identificar, analisar, caracterizar e purificar fragmentos de DNA. Uma molécula de DNA, quando exposta a um campo elétrico,

Leia mais

Técnicas moleculares

Técnicas moleculares Técnicas moleculares PCR Reação em Cadeia da Polimerase Inventada em 1983 por Kary Mullis é uma das técnicas mais comuns utilizadas em laboratórios de pesquisas médicas e biológicas Kary Mullis ganhou

Leia mais

Virologia em Laboratório Fase Pré- Analítica

Virologia em Laboratório Fase Pré- Analítica Virologia em Laboratório Fase Pré- Analítica Leonor Rebelo Lab Virologia i do IPOFGL EPE Novembro 2012 1º Curso de Virologia Molecular em Oncologia 1 ,, TÑÜxÇwxÜ t ØÇ vt vé át wx Öâx t ÅxÇàx ÇâÇvt áx vtçát?

Leia mais

Técnicas de análise de proteínas. Estrutura secundária da enzima COMT

Técnicas de análise de proteínas. Estrutura secundária da enzima COMT Técnicas de análise de proteínas Estrutura secundária da enzima COMT Fundamento e aplicação das técnicas de análise de proteínas Electroforese em gel de poliacrilamida (SDS-PAGE) Hibridação Western Electroforese

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. POP-I 67 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-½ - OraQuick ADVANCE 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica O ensaio

Leia mais

A agricultura moderna está sendo revolucionada pela introdução de plantas geneticamente modificadas;

A agricultura moderna está sendo revolucionada pela introdução de plantas geneticamente modificadas; EXPRESSÃO DE HORMÔNIO DE CRESCIMENTO HUMANO PROCESSADO EM SEMENTES DE PLANTAS TRANSGÊNICAS DE TABACO ADILSON LEITE, EDSON L. KEMPER, MÁRCIO J. DA SILVA, AUGUSTO D. LUCHESI, RODRIGO M.P. SILOTO, ERIC D.

Leia mais

Toxigenomics: Principles and aplication. Dr. André D. Luchessi andre.luchessi@outlook.com

Toxigenomics: Principles and aplication. Dr. André D. Luchessi andre.luchessi@outlook.com Toxigenomics: Principles and aplication Dr. André D. Luchessi andre.luchessi@outlook.com NATAL DACT - PPgCF PROGRAMA DO CURSO TOXIGENÔMICA DEFINIÇÃO Em termos gerais toxigenômica são os estudos que envolvem

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Prof. Hugo Henrique Pádua M.Sc. Fundamentos de Biofísica.

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Prof. Hugo Henrique Pádua M.Sc. Fundamentos de Biofísica. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Prof. Hugo Henrique Pádua M.Sc. Fundamentos de Biofísica Eletroforese Introdução a Eletroforese Eletroforese migração de moléculas ionizadas,

Leia mais

Wipe Test. Controlo de contaminação. Kit de teste para a deteção de contaminação numa base genética molecular REF 7091.

Wipe Test. Controlo de contaminação. Kit de teste para a deteção de contaminação numa base genética molecular REF 7091. PT Instruções de utilização Wipe Test Controlo de contaminação Kit de teste para a deteção de contaminação numa base genética molecular REF 7091 40 reacções 1. Descrição do produto O uso da Polymerase

Leia mais

Programa de Certificação de Alimentação Humana, Animal e de Produção de Sementes NÃO OGM*

Programa de Certificação de Alimentação Humana, Animal e de Produção de Sementes NÃO OGM* Programa de Certificação de Alimentação Humana, Animal e de Produção de Sementes NÃO OGM* (*organismos geneticamente modificados) 1ª Edição - Novembro 2006 Programa de Certificação de Alimentação Humana,

Leia mais

PCR em Tempo Real PCR Quantitativa (qpcr)

PCR em Tempo Real PCR Quantitativa (qpcr) UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE LABORATÓRIO DE VIROLOGIA PCR em Tempo Real PCR Quantitativa (qpcr) DOUTORANDA: TIANE MARTIN DE MOURA PPG MICROBIOLOGIA AGRÍCOLA

Leia mais

Termociclador TION96GL. Imagens meramente ilustrativas

Termociclador TION96GL. Imagens meramente ilustrativas Termociclador TELA DE LCD COLORIDA, BLOCOS INTERCAMBIÁVEIS, TRABALHA COM MICROPLACAS DE 96 POÇOS (0,2ML) E 384 POÇOS (0,05ML) TUBOS INDIVIDUAIS OU EM TIRAS (STRIPS) DE 0,2ML, COM TAMPA AQUECIDA AJUSTÁVEL,

Leia mais

ELETROFORESE APLICADA À ANÁLISE DE DNA

ELETROFORESE APLICADA À ANÁLISE DE DNA ELETROFORESE APLICADA À ANÁLISE DE DNA Eletroforese Separação de moléculas carregadas em um campo elétrico. As moléculas em uma mistura são separadas umas das outras conforme o tamanho ou a carga Eletroforese

Leia mais

Métodos sorológicos de Diagnóstico e Pesquisa. Reação Ag-Ac in vitro

Métodos sorológicos de Diagnóstico e Pesquisa. Reação Ag-Ac in vitro Métodos sorológicos de Diagnóstico e Pesquisa Reação Ag-Ac in vitro Testes sorológicos Uso de soro ou outros fluidos biológicos de paciente p/ diagnóstico laboratorial Demonstração de anticorpos específicos

Leia mais

Especificidade e Sensibilidade da Técnica de PCR para Detecção de Milho Geneticamente Modificado

Especificidade e Sensibilidade da Técnica de PCR para Detecção de Milho Geneticamente Modificado Especificidade e Sensibilidade da Técnica de PCR para Detecção de Milho Geneticamente Modificado Vivian E. Nascimento 1, Édila V.R. V. Pinho 1, Renzo G.V. Pinho 1, Bruno C. dos Santos 1, Elise de M. Pereira

Leia mais

Biologia Molecular. Técnicas Moleculares. Lucas Brandão

Biologia Molecular. Técnicas Moleculares. Lucas Brandão Biologia Molecular Técnicas Moleculares Lucas Brandão CONCEITOS BÁSICOS Núcleo - Célula Humana DENTRO DO DNA SE ENCONTRAM OS GENE Definição de Genes Estrutura Gênica n=23, X ou Y 5 UTR 1 Pai Introns 2

Leia mais

Guia do Professor. (Documento baseado no guião original em inglês)

Guia do Professor. (Documento baseado no guião original em inglês) Guia do Professor (Documento baseado no guião original em inglês) Nota: Este documento é apenas um resumo do conteúdo do guia do professor. Alguns itens de grande importância não estão aqui referidos,

Leia mais

SEQÜENCIAMENTO ENCIAMENTO DE DNA: MÉTODOS E PRINCÍPIOS

SEQÜENCIAMENTO ENCIAMENTO DE DNA: MÉTODOS E PRINCÍPIOS SEQÜENCIAMENTO ENCIAMENTO DE DNA: MÉTODOS E PRINCÍPIOS PIOS Cristiane Kioko Shimabukuro Dias Pós-doutorado - FAPESP E-mail: crisdias@ibb.unesp.br Laboratório de Biologia e Genética de Peixes - Departamento

Leia mais

EXTRAÇÃO DE DNA (3) A EXTRAÇÃO DE DNA A PRÁTICA NO LABORATÓRIO DE ENSINO BIBLIOGRAFIA

EXTRAÇÃO DE DNA (3) A EXTRAÇÃO DE DNA A PRÁTICA NO LABORATÓRIO DE ENSINO BIBLIOGRAFIA EXTRAÇÃO DE DNA (3) A EXTRAÇÃO DE DNA Muitas pesquisas de Biologia Molecular começam com a extração de ácidos nucleicos. A lise celular libera as moléculas em uma fase aquosa que é separada dos restos

Leia mais

Fundamentos teórico-práticos e protocolos de extração e de amplificação de dna por meio da técnica de reação em cadeia da polimerase

Fundamentos teórico-práticos e protocolos de extração e de amplificação de dna por meio da técnica de reação em cadeia da polimerase Fundamentos teórico-práticos e protocolos de extração e de amplificação de dna por meio da técnica de reação em cadeia Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Pecuária Sudeste Ministério da

Leia mais

Conflict of Interest Statement. Fisico. Participou como consultor em projetos voltados a imunoensaios.

Conflict of Interest Statement. Fisico. Participou como consultor em projetos voltados a imunoensaios. Conflict of Interest Statement Fisico. Participou como consultor em projetos voltados a imunoensaios. PRINCIPAIS METODOLOGIAS APLICÁVEIS EM TESTES RÁPIDOS Dr. Stefano Spagna Congresso, Setembro 2007 Mercado

Leia mais

X JORNADA FARMACÊUTICA E V AMOSTRA DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS EM PCR EM TEMPO REAL: OTIMIZANDO CUSTOS E PRODUTIVIDADE

X JORNADA FARMACÊUTICA E V AMOSTRA DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS EM PCR EM TEMPO REAL: OTIMIZANDO CUSTOS E PRODUTIVIDADE X JORNADA FARMACÊUTICA E V AMOSTRA DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS EM PCR EM TEMPO REAL: OTIMIZANDO CUSTOS E PRODUTIVIDADE Sueli Massumi Nakatani Laboratório Central do Estado LACEN-PR Maio de 2010 Laboratório

Leia mais

BioDrop DUO Nota de Aplicação para dsdna

BioDrop DUO Nota de Aplicação para dsdna BioDrop DUO Nota de Aplicação para dsdna Utilizando o espectrofotômetro BioDrop DUO para quantificar dsdna em amostras de microvolumes A quantificação de DNA em microvolumes é uma aplicação de rotina em

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Embrapa Amazônia Oriental Belém, PA 2015 DIVERGÊNCIA GENÉTICA ENTRE MATRIZES DE

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO C.R. LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO C.R. LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA POP n.º: B111 Página 1 de 8 1. Sinonímina: Eletroforese de Hemoglobina em ph ácido. 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de Bioquímica do LAC-HNSC. 3. Aplicação Clínica: A eletroforese de hemoglobina

Leia mais

Construção de Bibliotecas de cdna

Construção de Bibliotecas de cdna Construção de Bibliotecas de cdna Claudia Teixeira Guimarães Antônio A.C. Purcino Eliane A. Gomes Jurandir V. Magalhães Newton P. Carneiro Elto E.G. Gama Robert E. Schaffert Sidney N. Parentoni Vera M.C.

Leia mais

Exercício 2 DNA e Eletroforese

Exercício 2 DNA e Eletroforese Exercício 2 DNA e Eletroforese Você já aprendeu sobre as enzimas de restrição e como elas clivam o DNA em fragmentos. Você também deve ter notado que, em alguns mapas de restrição, uma enzima pode produzir

Leia mais

Conceitos Básicos de Técnicas em Biologia Molecular

Conceitos Básicos de Técnicas em Biologia Molecular Conceitos Básicos de Técnicas em Biologia Molecular 1 2 Conceitos Básicos de Técnicas em Biologia Molecular Conceitos Básicos de Técnicas em Biologia Molecular 3 ISSN 0103-0205 Setembro, 2008 Empresa Brasileira

Leia mais

VI Congresso Brasileiro de Biossegurança Simpósio Latino-Americano de Produtos Biotecnológicos

VI Congresso Brasileiro de Biossegurança Simpósio Latino-Americano de Produtos Biotecnológicos VI Congresso Brasileiro de Biossegurança Simpósio Latino-Americano de Produtos Biotecnológicos Rio de Janeiro, 21-25 setembro de 2009 Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ Construções Mais Comuns

Leia mais

Determinação quantitativa de amido em produtos cárneos por espectrometria

Determinação quantitativa de amido em produtos cárneos por espectrometria Página 1 de 7 1 Escopo Este método tem por objetivo quantificar amido em produtos cárneos por espectrometria molecular no. 2 Fundamentos Baseia-se na determinação espectrofotométrica a 620 nm do composto

Leia mais

Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações

Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações BSc. Daniel Perez Vieira (Protozoologia-IMTSP/ Laboratório de Biologia Molecular-IPEN) Aula 2 - Características das Reações e Padronização O advento

Leia mais

Etapa complementar para o diagnóstico da infecção pelo HIV princípios metodológicos

Etapa complementar para o diagnóstico da infecção pelo HIV princípios metodológicos Aula 11 Etapa complementar para o diagnóstico da infecção pelo HIV princípios metodológicos As amostras com resultados reagentes, na etapa de triagem, devem ser submetidas à etapa complementar. Nessa etapa,

Leia mais

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular BIOTECNOLOGIA 1. Introdução Até a década de 70, o DNA era o componente celular mais difícil de ser analisado. Sua seqüência de nucleotídeos de enorme tamanho e monotonia química era geralmente analisada

Leia mais

A eletroforese é uma técnica utilizada para separar, identificar e purificar

A eletroforese é uma técnica utilizada para separar, identificar e purificar 7. ELETROFORESE DE ÁCIDOS NUCLÉICOS João José de Simoni Gouveia Luciana Correia de Almeida Regitano A eletroforese é uma técnica utilizada para separar, identificar e purificar moléculas carregadas (como

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 MARCADORES SSR PARA A CARACTERIZAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DE CULTIVARES DE MILHETO (Pennisetum glaucum (L.) R. Br.) ADRIANO ALVES DA SILVA 1, ÉDILA VILELA RESENDE VON PINHO 2 ; BRUNA LINE CARVALHO 3, VIVIAN

Leia mais

CARTÕES DE COLETA DE AMOSTRAS

CARTÕES DE COLETA DE AMOSTRAS CARDS CARTÕES DE COLETA DE AMOSTRAS Os cartões para extração Biopur proporcionam uma coleta simples, confiável e eficiente, garantindo a preservação de ácidos nucleicos a longo prazo. São ideais para o

Leia mais

Bioquímica. Purificação de proteínas

Bioquímica. Purificação de proteínas Bioquímica Purificação de proteínas Estratégia geral - Liberação da proteína do material biológico - Podem ser separados por fracionamento celular - Pode-se separar proteínas por características: Solubilidade

Leia mais

23.1.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 20/33

23.1.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 20/33 23.1.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 20/33 REGULAMENTO (UE) N. o 51/2013 DA COMISSÃO de 16 de janeiro de 2013 que altera o Regulamento (CE) n. o 152/2009 no que respeita aos métodos de análise

Leia mais

Introdução a Química Analítica. Professora Mirian Maya Sakuno

Introdução a Química Analítica. Professora Mirian Maya Sakuno Introdução a Química Analítica Professora Mirian Maya Sakuno Química Analítica ou Química Quantitativa QUÍMICA ANALÍTICA: É a parte da química que estuda os princípios teóricos e práticos das análises

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 140 Página 1 de 6 1. Sinonímia Detecção qualitativa do DNA bacteriano de Chlamydia trachomatis (CT) e Neisseria gonorrhoeae (NG) por PCR ( Polymerase Chain Reaction) em urina de homens e mulheres,

Leia mais

Biotecnologia: principais me todos moleculares

Biotecnologia: principais me todos moleculares Biotecnologia: principais me todos moleculares Raphael Bessa Parmigiani, PhD Centro de Oncologia Molecular Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa Curso de Introdução à Biologia Molecular Goiânia,

Leia mais

FRANCISMAR CORRÊA MARCELINO AVALIAÇÃO DE RESÍDUOS DE TRANSGÊNICOS EM ALIMENTOS NO BRASIL E DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ANÁLISE

FRANCISMAR CORRÊA MARCELINO AVALIAÇÃO DE RESÍDUOS DE TRANSGÊNICOS EM ALIMENTOS NO BRASIL E DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ANÁLISE FRANCISMAR CORRÊA MARCELINO AVALIAÇÃO DE RESÍDUOS DE TRANSGÊNICOS EM ALIMENTOS NO BRASIL E DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ANÁLISE Tese apresentada à Universidade Federal de Viçosa, como parte das exigências

Leia mais